Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Avaliação de Económica de Projectos e Cálculo de Tarifas"

Transcrição

1 Gestão Avançada ada de Sstemas de Abastecmento de Água Avalação de Económca de Projectos e Cálculo de Tarfas Antóno Jorge Montero 26 de Mao de 2008 Aula 5-1

2 COCEITO DE PROJECTO Processo específco utlzado por uma entdade, públca ou prvada, para atngr objectvos por cuja fxação é responsável. Conjunto sstematzado de nformações destnado a fundamentar uma decsão de nvestmento. Conceto de Investmento: Um nvestmento é uma aplcação de fundos escassos que geram rendmento, durante um certo tempo, de forma a maxmzar a rqueza da entdade nvestdora. Investr corresponde trocar a possbldade de satsfação medata e segura traduzda num certo consumo pela satsfação dferda, nstantânea ou prolongada, traduzda num consumo superor. Aula 9-2

3 TIPOS DE PROJECTO Projectos drectamente produtvos; Projectos não drectamente produtvos; Exemplos; formação profssonal, educação, segurança, nfra-estruturas de transporte, Infra-estruturas de abastecmento de água e saneamento, saúde, defesa do ambente, Aula 9-3

4 FASES TÍPICAS DE DESEVOLVIMETO DE UM PROJECTO DE IVESTIMETO A - Fase de concepção Identfcação: Identfcação das oportundades de nvestmento Preparação: Formulação das varantes do projecto. Pré-avalação Avalação: Formulação do projecto. Avalação. Tomada de decsão. Aula 9-4

5 FASES TÍPICAS DE DESEVOLVIMETO DE UM PROJECTO DE IVESTIMETO B Fase de Implementação Planeamento Execução Controle Conclusão do projecto e lgação a projectos subsequentes Aula 9-5

6 FASES TÍPICAS DE DESEVOLVIMETO DE UM PROJECTO DE IVESTIMETO Identfcação do projecto Formulação de varantes Formulação do projecto Avalação e decsão Dosser do projecto de nvestmento Tecnologa Capacdade produtva Localzação Lay-out Estudo de mercado (Adesão Rede de dstrbução Publcdade Plano de nvestmento Plano de exploração Plano de fnancamento Implementação Aula 9-6

7 TIPOS DE AVALIAÇÃO DE PROJECTOS Avalação técnca Avalação fnancera Avalação comercal preocupa-se com o engneerng e o desgn das nstalações e equpamento do projecto estmando os custos de Investmento e os custos operatvos da construção e operação do projecto. pondera as despesas e as recetas fnanceras do projecto de forma a aferr da rentabldade envolve, em geral, um estudo de mercado, que dentfca os clentes e os concorrentes Avalação Insttuconal tpo de organzação do pessoal a adoptar na fase de construção e na fase de operação Avalação Socal Avalação Ambental Avala a contrbução do projecto para objectvos socas : A dstrbução dos rendmentos; A fxação da população no terrtóro; A melhora das condções de vda, da população relaconada com o projecto. Avala as mplcações em termos do meo ambente físco devdo ao projecto,focando em partcular aspectos relaconados com a polução. Aula 9-7

8 FASES DO ESTUDO DE AVALIAÇÃO DE UM PROJECTO DE IVESTIMETO Identfcação Formulação Avalação Decsão Identfcação das necessdades exstentes: Por ntermédo de documentos ofcas de uma regão ou do país, que dentfcam os ramos de actvdade não desenvolvdos e que podem consttur prordades sectoras ou objectvos de desenvolvmento. Por ntermédo das estatístcas do comérco externo podem-se dentfcar os bens e servços relatvamente aos quas podem ser adaptadas estratégas de substtução de mportações. Pode-se estudar a forma como noutros países se resolveram problemas semelhantes. Identfcação das necessdades futuras: A partr da evolução dos mercados mundas nas últmas décadas é possível detectar as necessdades futuras, lgadas certamente ao progresso técnco e bem estar. A selecção das deas depende da evolução da economa naconal, da sua nserção no mercado e das capacdades técncas exstentes. Aula 9-8

9 FASES DO ESTUDO DE AVALIAÇÃO DE UM PROJECTO DE IVESTIMETO Identfcação Formulação Avalação Decsão A - Construção de varantes B - Determnação de custos de nvestmento C - Prevsão das necessdades de captal crculante D - Prevsões de recetas e custos de exploração dentfcação e comparação das dferentes soluções técncas que permtem atngr os objectvos do projecto Estudos de engenhara do projecto Edfícos, nstalações e equpamentos, patentes, organzação, terrenos, recursos naturas. Destnado a fnancar os custos de exploração e de estrutura durante o período que antecede o escoamento da produção junto dos consumdores Matéras prmas e outros materas Energa e combustíves Mão de obra operára e técnca Seguros, mpostos e arrendamentos Gastos admnstratvos Amortzações técncas Aula 9-9

10 FASES DO ESTUDO DE AVALIAÇÃO DE UM PROJECTO DE IVESTIMETO Identfcação Formulação Avalação Decsão Os crtéros de avalação de projectos são meddas ou ndcadores de rentabldade dos projectos de nvestmento que servem de suporte à tomada de decsão de mplementar ou não o projecto Quando a tomada de decsão se faz em termos de mplementar o projecto vs. não mplementar o projecto, compara-se o cash-flow do projecto com um cash flow nulo, pelo que o cash flow do projecto é tomado em termos absolutos. Quando se comparam os cash flows de dos ou mas projectos de nvestmento alternatvos, escolhemos o que nos trás maor rentabldade. Exemplo: VAL TIR Pay-back Aula 9-10

11 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Conceto de Cash-flow Aula 9-11

12 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Conceto de Valor Actual O valor actual dz-nos qual o valor, no momento presente, de uma receta ou despesa realzada no futuro. 1 hoje vale mas que 1 daqu a um ano. Os custos em cada ano só podem ser somados quando actualzados a um ano de referênca (ano 0 através da taxa de actualzação (ta; C actualzado_ano 0 = C 0 / (1+ta n 1 / (1+ta 3 1 / (1+ta n 1 / (1+ta HP C 0 C 0 C 0 C 0... C 0... C n... HP Aula 9-12

13 ESTUDO ECOÓMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS Sstemas adutores com condutas elevatóras ras: Determnação do dâmetro económco Aula 9-13

14 ESTUDO ECOÓMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS Custos com energa: Energa consumda no ano : Custo da energa no ano : E γ. V. H η γ. V. Ht = η t CE = p = K. V Preço untáro da energa γ. H K = t η p Volume elevado no ano : V = Pop. Cap. 365das Elevam-se volumes dferentes ao longo do período de projecto; Para calcular o total da energa anual não é necessáro conhecer o tempo médo de bombagem em cada ano. Aula 9-14

15 ESTUDO ECOÓMICO DE SISTEMAS ELEVATÓRIOS Actualzação dos encargos com energa: Ano : = 1 Valor no ano K.V 1 K.V 2 K.V 3 K. V K. V : Valor actualzado K. V 1 /(1 + t a K + 2. V2 /(1 ta K + 3. V3 /(1 ta K. V /(1 + t a K =. V + 1 /(1 t a Custo total da energa actualzada Aula 9-15

16 ACTUALIZAÇÃO DOS ECARGOS COM EERGIA Hpótese tese: Os volumes elevados anualmente crescem de acordo com uma le geométrca. Ano Volume elevado no ano V = V0(1 + t 1 g V = V0 ( 1 tg V = V0 ( 1 tg Custo da energa actualzado K. V 0 (1 + t g /(1 + t a K V0 (1 + t g /(1 ta K V0 (1 + t g /(1 ta : : V = V0 (1 + t g K. V 0 (1 + + t g /(1 ta KV. o = 1 (1 + t g /(1 + t a = Custo total da energa actualzada (consderando termos de uma progressão geométrca = K. V o (1 + t g 1+ t 1 ( ta tg 1+ t g a Aula 9-16

17 Custo total actualzado do sstema elevatóro Análse a Preços constantes Encargos de Investmento e Energa Custo Total Actualzado dum Sstema Elevatóro para um dado dâmetro D1: C _ SstElevD.. 1 act_ ano0 = C tubagem + EE cc_ ano40 + EE eq_ ano20 EE + (1 + eq_ ano40 20 ta + CE (1a 20 act_ ano0 CE + (21a 40 act_ ano20 20 (1+ ta em que: CE (1 a20 act_ ano0 γ. H = η dm20. pv. o (1 + t ( t a t g1 g1 1+ t 1 1+ t g1 a termos (ano 1 a ano 20 actualzados ao ano medatamente anteror ao níco da sére (ano 0 CE (21a40 act_ ano20 γ. H = η dm40. pv. 20 (1 + t ( t a t g2 g2 1+ t 1 1+ t g2 a termos (ano 21 a ano 40 actualzados ao ano medatamente anteror ao níco da sére (ano 20 O mesmo cálculo terá que ser efectuado para o D2 (se exstr. O dâmetro mas económco é o que apresentar o C_Sst.Elev. act_ano0 menor Aula 9-17

18 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Conceto de Valor Actual Líqudo (VAL Aula 9-18

19 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Conceto de TIR e ROI Aula 9-19

20 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Conceto de Payback Aula 9-20

21 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO VAL a preços constantes vs preços varáves Actualzação dos encargos com energa a preços varáves ves: Ano 1 2 : Valor no ano K. V 1.(1 + t K + 2. V2.(1 t : K. V.(1 + t Valor actualzado K. V 1.(1 + t /(1 + t a K V2.(1 + t /(1 ta K. V.(1 + t /(1 + ta Custo total da energa actualzada (preços varáves = K. V.(1 + t /(1 + t 1 a Custo total da energa actualzada K (preços constantes =. V + 1 /(1 t a Aula 9-21

22 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO VAL a preços constantes vs preços varáves VAL a preços constantes ou a preços varáves A análse é semelhante desde que: 1/(1+t a = (1+t /(1+t J ou t a = (1+t J /(1+t -1 Aula 9-22

23 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Melhor VAL ou melhor TIR Escolha de projectos Melhor VAL ou melhor TIR Melhor VAL cra mas rqueza; Melhor TIR é mas rentável; Aula 9-23

24 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Melhor VAL ou melhor TIR Escolha de projectos Melhor VAL ou melhor TIR Melhor VAL cra mas rqueza; Melhor TIR é mas rentável; Aula 9-24

25 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Tpo de Custos Custos Fxos e Custos varáves Custos Fxos: Amortzação do nvestmento; Encargos de estrutura; Volumes mínmos de aqusção de água (contratos tpo take or pay; Manutenção da construção cvl e do equpamento; Perdas físcas de água Custos Varáves (função do volume produzdo: Energa; Reagentes; Taxas de captação; Aqusção de água à alta (na parte que é superor aos valores mínmos contratados Aula 9-25

26 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO Tarfáro para obtenção de recetas Tarfas Estrutura do tarfáro (por calbre, por tpo de clente, por volume consumdo, etc.; Componentes fxas (taxas de dsponbldade e componentes varáves (por m3; um cenáro de falta de prevsão na evolução futura da população e dos consequentes consumos, o tarfáro de menor rsco é o que consderará uma estrutura de recetas fxas análoga à estrutura dos encargos. Aula 9-26

27 AVALIAÇÃO FIACEIRA DE UM PROJECTO VAL a preços constantes vs preços varáves VAL a preços constantes ou a preços varáves A análse é semelhante 1/(1+ta = (1+t/(1+tj Escolha de projectos Melhor VAL ou melhor TIR Melhor VAL cra mas rqueza; Melhor TIR é mas rentável; Custos Fxos e Custos varáves Custos Fxos: Amortzação do nvestmento; Encargos de estrutura; Volumes mínmos de aqusção de água (contratos tpo take or pay; Manutenção da construção cvl e do equpamento; Perdas físcas de água Custos Varáves (função do volume produzdo: Energa; Reagentes; Taxas de captação; Aqusção de água à alta (na parte que é superor aos valores mínmos contratados Tarfas Estrutura do tarfáro (por calbre, por tpo de clente, por volume consumdo, etc.; Componentes fxas (taxas de dsponbldade e componentes varáves (por m3; um cenáro de falta de prevsão na evolução futura da população e dos consequentes consumos, o tarfáro de menor rsco é o que consderará uma estrutura de recetas fxas análoga à estrutura dos encargos. Aula 9-27

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teora da Decsão Logístca e Gestão de Stocks Estratégas de Localzação Lcencatura em Engenhara Cvl Lcencatura em Engenhara do Terrtóro 1 Estratéga de Localzação Agenda 1. Classfcação dos problemas

Leia mais

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA

SISTEMAS DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA Redes de Dstrbução de Água Rede de dstrbução de água: um sstema de tubagens e elementos acessóros nstalados na va públca, em terrenos da entdade dstrbudora ou em outros sob concessão especal, cua utlzação

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.3 Afectação de Bens Públcos: a Condção de Isabel Mendes 2007-2008 5/3/2008 Isabel Mendes/MICRO II 5.3 Afectação de Bens

Leia mais

), demonstrado no capítulo 3, para

), demonstrado no capítulo 3, para 6 Conclusão Neste trabalho foram realzados cnco estudos de casos como meo de nvestgar a nfluênca de trbutos no processo decsóro de localzação. Buscou-se realzar as entrevstas em dferentes negócos para

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Programação Dinâmica. Fernando Nogueira Programação Dinâmica 1

Programação Dinâmica. Fernando Nogueira Programação Dinâmica 1 Programação Dnâmca Fernando Noguera Programação Dnâmca A Programação Dnâmca procura resolver o problema de otmzação através da análse de uma seqüênca de problemas mas smples do que o problema orgnal. A

Leia mais

Introdução aos Problemas de Roteirização e Programação de Veículos

Introdução aos Problemas de Roteirização e Programação de Veículos Introdução aos Problemas de Roterzação e Programação de Veículos PNV-2450 André Bergsten Mendes Problema de Programação de Veículos Problema de Programação de Veículos Premssas Os roteros ncam e termnam

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH

Diferença entre a classificação do PIB per capita e a classificação do IDH Curso Bem Estar Socal Marcelo Ner - www.fgv.br/cps Metas Socas Entre as mutas questões decorrentes da déa de se mplementar uma proposta de metas socas temos: Qual a justfcatva econômca para a exstênca

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas

3.6. Análise descritiva com dados agrupados Dados agrupados com variáveis discretas 3.6. Análse descrtva com dados agrupados Em algumas stuações, os dados podem ser apresentados dretamente nas tabelas de frequêncas. Netas stuações devemos utlzar estratégas específcas para obter as meddas

Leia mais

4 Análise termoeconômica

4 Análise termoeconômica 4 Análse termoeconômca Os capítulos precedentes abordaram questões emnentemente térmcas da aplcação de nanofludos em sstemas ndretos de refrgeração. Ao tratar das magntudes relatvas e da natureza das componentes

Leia mais

Aquisição de Equipamentos Informáticos e de Comunicação

Aquisição de Equipamentos Informáticos e de Comunicação Aqusção de Equpamentos Informátcos e de Comuncação Concurso úblco Nº 02/CCV/2016 ANÚNCIO DO CONCURSO UBLICO Nº 02/CCV/2016 Aqusção de Equpamentos Informátcos e de Comuncação 1. Entdade Adjudcante Correos

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

VIABILIDADE FINANCEIRA DO TOMATE CONVENCIONAL E ORGÂ- NICO NA REGIÃO DA SERRA DA IBIAPABA, CEARÁ

VIABILIDADE FINANCEIRA DO TOMATE CONVENCIONAL E ORGÂ- NICO NA REGIÃO DA SERRA DA IBIAPABA, CEARÁ 26 VIABILIDADE FINANCEIRA DO TOMATE CONVENCIONAL E ORGÂ- NICO NA REGIÃO DA SERRA DA IBIAPABA, CEARÁ FINANCIAL VIABILITY OF CONVENTIONAL AND ORGANIC TOMATOES IN THE STATE OF CEARÁ Kalny Kélva Pessoa Squera

Leia mais

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0

Preço Base = 2,581 US$/MMBTU x TMD 0 Portara Intermnsteral MME/MF/nº 176, de 01 de junho de 2001. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA E DA FAZENDA, no uso das atrbuções que lhes são conferdas pelo art. 87, parágrafo únco, ncso II, da

Leia mais

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação.

Estudo quantitativo do processo de tomada de decisão de um projeto de melhoria da qualidade de ensino de graduação. Estudo quanttatvo do processo de tomada de decsão de um projeto de melhora da qualdade de ensno de graduação. Rogéro de Melo Costa Pnto 1, Rafael Aparecdo Pres Espíndula 2, Arlndo José de Souza Júnor 1,

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 62, DE 5 DE MAIO DE 2004 Estabelece os procedmentos para o cálculo do montante correspondente à energa de referênca de empreendmento de

Leia mais

Aplicação de um modelo simulado na formação de fábricas

Aplicação de um modelo simulado na formação de fábricas Aplcação de um modelo smulado na formação de fábrcas Márca Gonçalves Pzaa (UFOP) pzaa@ldapalm.com.br Rubson Rocha (UFSC) rubsonrocha@eps.ufsc.br Resumo O objetvo deste estudo é determnar a necessdade de

Leia mais

INFLAÇÃO E DESIGUALDADE*

INFLAÇÃO E DESIGUALDADE* Artgos Outono 2009 INFLAÇÃO E DESIGUALDADE* Isabel H. orrea** 1. INTRODUÇÃO A baxa persstente da taxa de nflação é talvez a mudança de polítca maor, mas sustentada, e comum a um maor número de países desenvolvdos.

Leia mais

ONDAS DE TRANSFORMAÇÃO

ONDAS DE TRANSFORMAÇÃO PALESTRA: GESTÃO DO CONHECIMENTO PROF.: HEITOR JOSÉ PEREIRA Doutor em Admnstração EAESP/ FGV (1995); Professor da FIA Fundação Insttuto de Admnstração Presdente da Socedade Braslera de Gestão do Conhecmento

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE REDES SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

UM ESTUDO SOBRE REDES SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 29 UM ESTUDO SOBRE REDES SUBTERRÂNEAS DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Bruno Mont Gouvea (G-FEIS/UNESP) Antono Marcos Coss (FEIS/UNESP) RESUMO Este trabalho apresenta um estudo sobre sstemas subterrâneos

Leia mais

Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto Macroeconomia 2ª Teste (1º Turno)

Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto Macroeconomia 2ª Teste (1º Turno) Insttuto Superor de Contabldade e Admnstração do Porto Macroeconoma 2ª Teste (1º Turno) Duração da prova: 1h 21 de Janero de 2012 Consdere o segunte modelo representatvo do funconamento de uma economa,

Leia mais

Programa de Certificação de Medidas de um laboratório

Programa de Certificação de Medidas de um laboratório Programa de Certfcação de Meddas de um laboratóro Tratamento de dados Elmnação de dervas Programa de calbração entre laboratóros Programa nterno de calbração justes de meddas a curvas Tratamento dos resultados

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Netuno 4. Manual do Usuário. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. Departamento de Engenharia Civil

Netuno 4. Manual do Usuário. Universidade Federal de Santa Catarina UFSC. Departamento de Engenharia Civil Unversdade Federal de Santa Catarna UFSC Departamento de Engenhara Cvl Laboratóro de Efcênca Energétca em Edfcações - LabEEE Netuno 4 Manual do Usuáro Enedr Ghs Marcelo Marcel Cordova Floranópols, Junho

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESíDUOS N 19 I RESOTRANS - Recolha e Transporte de Resíduos Sólidos, Lda.

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESíDUOS N 19 I RESOTRANS - Recolha e Transporte de Resíduos Sólidos, Lda. MNSTÉRO DO AMBENTE, ORDENAMENTO DO TERRTÓRO E DO DESENVOLVMENTO REGONAL CCDRL VT - Comssão de Coordenação e Desenvolvmento Regonal de Lsboa e Vale do Tejo ALVARÁ DE LCENÇA PARA A REALZAÇÃO DE OPERAÇÕES

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CONFIGURAÇÃO CELULAR DE MANUFATURA DO PONTO DE VISTA ECONÔMICO

AVALIAÇÃO DA CONFIGURAÇÃO CELULAR DE MANUFATURA DO PONTO DE VISTA ECONÔMICO AVALIAÇÃO DA CONFIGURAÇÃO CELULAR DE MANUFATURA DO PONTO DE VISTA ECONÔMICO Francsco Alexandre de Olvera Departamento de Engenhara de Produção da Escola Federal de Engenhara de Itaubá EFEI E-mal: faolverabr@yahoo.com

Leia mais

3 Aproximador de Função para Simulador de Reservatório Petrolífero

3 Aproximador de Função para Simulador de Reservatório Petrolífero Aproxmador de Função para Smulador de Reservatóro Petrolífero 37 3 Aproxmador de Função para Smulador de Reservatóro Petrolífero 3.1. Introdução O desenvolvmento de um campo petrolífero pode ser entenddo

Leia mais

Estabilização e reformas estruturais no Brasil após o Plano Real: uma análise de equilíbrio geral computável

Estabilização e reformas estruturais no Brasil após o Plano Real: uma análise de equilíbrio geral computável Establzação e reformas estruturas no Brasl após o Plano Real: uma análse de equlíbro geral computável ADELAR FOCHEZATTO* NALI DE JESUS DE SOUZA** Este trabalho faz uma análse comparatva dos efetos de algumas

Leia mais

MACROECONOMIA I ( ) João Correia da Silva

MACROECONOMIA I ( ) João Correia da Silva MACROECONOMIA I E20 (200-) 28-02-20 João Correa da Slva (joao@fep.up.pt) . A MACROECONOMIA NO CURTO RAZO 2 5% Taxa de juro das operações prncpas de refnancamento versus crescmento do IB na Zona Euro 4%

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Resumo: Qualdade é hoje uma palavra chave para as organzações. Sob o símbolo da Qualdade abrgam-se flosofas, sstemas

Leia mais

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento

CAP RATES, YIELDS E AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS pelo método do rendimento CAP RATES, YIELDS E AALIAÇÃO DE IMÓEIS pelo étodo do rendento Publcado no Confdencal Iobláro, Março de 2007 AMARO NAES LAIA Drector da Pós-Graduação de Gestão e Avalação Ioblára do ISEG. Docente das caderas

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

Avaliação do desempenho para escolha dos modos de transporte de carga com base na eco-eficiência

Avaliação do desempenho para escolha dos modos de transporte de carga com base na eco-eficiência Avalação do desempenho para escolha dos modos de transporte de carga com base na eco-efcênca RESUMO A avalação de desempenho é uma atvdade que merece destaque na gestão do transporte de carga. O transporte

Leia mais

Mecânica Estatística. - Leis da Física Macroscópica - Propriedades dos sistemas macroscópicos

Mecânica Estatística. - Leis da Física Macroscópica - Propriedades dos sistemas macroscópicos Mecânca Estatístca Tal como a Termodnâmca Clássca, também a Mecânca Estatístca se dedca ao estudo das propredades físcas dos sstemas macroscópcos. Tratase de sstemas com um número muto elevado de partículas

Leia mais

Escala do Algodão. Celso Jamil Marur & Onaur Ruano

Escala do Algodão. Celso Jamil Marur & Onaur Ruano Escala do Alodão Celso Jaml Marur & Onaur Ruano As espéces mas cultvadas, como mlo, soja e tro, possuem escalas de crescmento e desenvolvmento, conecdas como Escala de Hanway, de Fer e de Zadocks, respectvamente.

Leia mais

métodos projetuais i

métodos projetuais i projetuas projetuas Ouvr Pensar Crar Comuncar projetuas Ouvr O prncpal objetvo em ouvr é dentfcar os parâmetros do projeto. É precso ouvr analtcamente, para que se possa obter toda nformação necessára

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR

Caderno de Fórmulas. Títulos do Agronegócio - Cetip21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Caderno de Fórmulas Títulos do Agronegóco - Cetp21 CDCA, CPR, CRA, CRH, CRP, CRPH, LCA, NCR Últma Atualzação: 15/08/2016 Caderno de Fórmulas CDCA CPR CRA - CRH CRP CRPH LCA NCR E ste Caderno de Fórmulas

Leia mais

OBJETIVO DAS NORMAS. LIMITES DE DOSES OCUPACIONAIS Norma CNEN-NE.3.01 de julho de Limites Primários

OBJETIVO DAS NORMAS. LIMITES DE DOSES OCUPACIONAIS Norma CNEN-NE.3.01 de julho de Limites Primários OBJETVO DAS NORMAS Proteção Radológca: normas Profª. Dra. Regna Btell Mederos Coordenadora do Núcleo de Proteção Radológca Responsável pela Coordenadora de Físca e Hgene das Radações - DD emal: rbtell.dd@epm.br

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.4 Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.4 Provsão de Bens Públcos de forma descentralzada: a solução de Lndahl Isabel Mendes 2007-2008 13-05-2008 Isabel Mendes/MICRO

Leia mais

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos Laboratóro de Mecânca Aplcada I Estátca: Roldanas e Equlíbro de Momentos 1 Introdução O conhecmento das condções de equlíbro de um corpo é mprescndível em númeras stuações. Por exemplo, o estudo do equlíbro

Leia mais

Guia 11 Escalonamento de Mensagens

Guia 11 Escalonamento de Mensagens Até esta altura, temos abordado prncpalmente questões relaconadas com escalonamento de tarefas a serem executadas num únco processador. No entanto, é necessáro consderar o caso de sstemas tempo-real dstrbuídos,

Leia mais

Modelo IS-LM com Economia Fechada. Prof. Antonio Carlos Assumpção

Modelo IS-LM com Economia Fechada. Prof. Antonio Carlos Assumpção Modelo IS-LM com Economa Fechada Prof. Antono Carlos Assumpção Introdução O modelo IS-LM nos mostra os efetos de curto prazo das polítcas fscal e monetára sobre uma sére de varáves macroeconômcas. Também

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso de Admnstração em Gestão Públca Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos uns dos

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

Reconhecimento Estatístico de Padrões

Reconhecimento Estatístico de Padrões Reconhecmento Estatístco de Padrões X 3 O paradgma pode ser sumarzado da segunte forma: Cada padrão é representado por um vector de característcas x = x1 x2 x N (,,, ) x x1 x... x d 2 = X 1 X 2 Espaço

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER. Reinaldo Bomfim da Silveira 1 Juliana Maria Duarte Mol 1 RESUMO

ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER. Reinaldo Bomfim da Silveira 1 Juliana Maria Duarte Mol 1 RESUMO ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER Renaldo Bomfm da Slvera 1 Julana Mara Duarte Mol 1 RESUMO Este trabalho propõe um método para avalar a qualdade das prevsões

Leia mais

Elaine Aparecida Araújo UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE / Brasil

Elaine Aparecida Araújo UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO - UFPE / Brasil CONSTRUÇÃO DE MODELOS CREDIT SCORING COM ANÁLISE DISCRIMINANTE E REGRESSÃO LOGÍSTICA PARA A GESTÃO DO RISCO DE INADIMPLÊNCIA DE UMA INSTITUIÇÃO DE MICROCRÉDITO Elane Aparecda Araújo elaneadc@yahoo.com.br

Leia mais

5. Estratégias de distribuição

5. Estratégias de distribuição 5. Estratégas de dstrbução Segundo BALLOU[1993], a Dstrbução Físca é o ramo da Logístca Empresaral que trata da movmentação, estocagem e processamento de peddos dos produtos fnas de uma empresa. O seu

Leia mais

METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL. Iran Carlos Stalliviere Corrêa RESUMO

METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL. Iran Carlos Stalliviere Corrêa RESUMO Semnáro Anual de Pesqusas Geodéscas na UFRGS, 2. 2007. UFRGS METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DE VAZÃO DE UMA SEÇÃO TRANSVERSAL A UM CANAL FLUVIAL Iran Carlos Stallvere Corrêa Insttuto de Geocêncas UFRGS Departamento

Leia mais

Construção e aplicação de índices-padrão

Construção e aplicação de índices-padrão Construção e aplcação de índces-padrão Artgo Completo José Aparecdo Moura Aranha (Admnstrador e Contador, Professor Assstente do Curso de Admnstração da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul - Câmpus

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Estatística. 8 Teste de Aderência. UNESP FEG DPD Prof. Edgard

Estatística. 8 Teste de Aderência. UNESP FEG DPD Prof. Edgard Estatístca 8 Teste de Aderênca UNESP FEG DPD Prof. Edgard 011 8-1 Teste de Aderênca IDÉIA: descobrr qual é a Dstrbução de uma Varável Aleatóra X, a partr de uma amostra: {X 1, X,..., X n } Problema: Seja

Leia mais

Estratégia de Financiamento do Ensino Superior

Estratégia de Financiamento do Ensino Superior REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Estratéga de Fnancamento do Ensno Superor Junho de 203 0 Índce SUMÁRIO EXECUTIVO... 2 I. Introdução... 6 II. Stuação Actual... 9 III. Estratéga de Fnancamento

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II

Estudo e Previsão da Demanda de Energia Elétrica. Parte II Unversdade Federal de Paraná Setor de Tecnologa Departamento de Engenhara Elétrca Estudo e Prevsão da Demanda de Energa Elétrca Parte II Prof: Clodomro Unshuay-Vla Etapas de um Modelo de Prevsão Objetvo

Leia mais

17750 Diário da República, 2.ª série N.º 77 19 de Abril de 2011

17750 Diário da República, 2.ª série N.º 77 19 de Abril de 2011 17750 Dáro da Repúblca, 2.ª sére N.º 77 19 de Abrl de 2011 2) Consttuem anda recetas do Mestrado os valores arrecadados provenentes de compartcpações ou donatvos de nsttuções públcas ou prvadas destnadas

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 Nome Nº Turma: Data: / / Professor 10.º Ano Classfcação Apresente o seu racocíno de forma clara, ndcando todos os cálculos que tver de efetuar e todas

Leia mais

ESSICA SUÁREZ CAMPOLI

ESSICA SUÁREZ CAMPOLI O AVANÇO DO SANEAMENTO AMBIENTAL GEROU BENEFÍCIOS SOCIAIS? UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS (DEA) PARA UNIDADES FEDERATIVAS BRASILEIRAS NO PERÍODO DE 2008 A 2014 ESSICA SUÁREZ CAMPOLI ( jessca.campol@usp.br,

Leia mais

ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL

ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL Revsta Matz Onlne ESTUDO DE MODELOS PARA AJUSTE E PREVISÃO DE UMA SÉRIE TEMPORAL Valera Ap. Martns Ferrera Vvane Carla Fortulan Valéra Aparecda Martns. Mestre em Cêncas pela Unversdade de São Paulo- USP.

Leia mais

II Prêmio SOF de Monografias Tema: Qualidade do Gasto Público INVESTIMENTO PÚBLICO EM INFRA-ESTRUTURA E CRESCIMENTO REGIONAL NO BRASIL

II Prêmio SOF de Monografias Tema: Qualidade do Gasto Público INVESTIMENTO PÚBLICO EM INFRA-ESTRUTURA E CRESCIMENTO REGIONAL NO BRASIL II Prêmo SOF de Monografas - 2008 Tema: Qualdade do Gasto Públco INVESTIMENTO PÚBLICO EM INFRA-ESTRUTURA E CRESCIMENTO REGIONAL NO BRASIL Sumáro 1 INTRODUÇÃO 3 2 ASPECTOS METODOLÓGICOS 11 2.1 PRODUTO,

Leia mais

CARGA MÓVEL. Conjunto de cargas moveis que mantêm uma posição relativa constante.

CARGA MÓVEL. Conjunto de cargas moveis que mantêm uma posição relativa constante. CARGA MÓVEL Força generalsada com ntensdade, drecção e sentdo fxos, mas com uma posção varável na estrutura. COMBOIO DE CARGAS Conjunto de cargas moves que mantêm uma posção relatva constante. CARGA DISTRIBUIDA

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL

CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL ESCOLA FEDERAL DE ENGENHARIA DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO CÁLCULO DO RETORNO ESPERADO DA CARTEIRA DE MERCADO E DO RETORNO DO ATIVO LIVRE DE RISCO PARA O BRASIL Dego

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPT 28 4 a 7 Outubro de 2007 Ro de Janero - RJ GRUPO II GRUPO DE ESTUDO DE PRODUÇÃO TÉRMICA E FONTES NÃO CONVENCIONAIS GPT SISTEMA

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

MODELO DE SELEÇÃO DE PORTFOLIO USANDO FUNÇÃO DE UTILIDADE

MODELO DE SELEÇÃO DE PORTFOLIO USANDO FUNÇÃO DE UTILIDADE MODELO DE SELEÇÃO DE PORTFOLIO SDO FÇÃO DE TILIDDE Renata Patríca L. Jeronymo M. Pnto nversdade Federal da Paraíba Departamento de Estatístca João Pessoa, P rasl renata@de.ufpb.br Roberto Qurno do ascmento

Leia mais

BC0406 Introdução à Probabilidade e à Estatística Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2011

BC0406 Introdução à Probabilidade e à Estatística Lista de Exercícios Suplementares 3 3 quadrimestre 2011 BC0406 Introdução à Probabldade e à Estatístca Lsta de Eercícos Suplementares novembro 0 BC0406 Introdução à Probabldade e à Estatístca Lsta de Eercícos Suplementares quadrmestre 0 Além destes eercícos,

Leia mais

DDDD FACULDADES INTEGRADAS SANTA CRUZ INOVE ESPECIALIZAÇÃO EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E NEGÓCIOS GLOBAIS

DDDD FACULDADES INTEGRADAS SANTA CRUZ INOVE ESPECIALIZAÇÃO EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E NEGÓCIOS GLOBAIS SC - INOVE MACROECONOMIA GLOBAL 1 DDDD FACULDADES INTEGRADAS SANTA CRUZ INOVE ESPECIALIZAÇÃO EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO E NEGÓCIOS GLOBAIS MACROECONOMIA GLOBAL Professor: MSc HUGO EDUARDO MEZA PINTO 24

Leia mais

Contabilometria. Aula 8 Regressão Linear Simples

Contabilometria. Aula 8 Regressão Linear Simples Contalometra Aula 8 Regressão Lnear Smples Orgem hstórca do termo Regressão Le da Regressão Unversal de Galton 1885 Galton verfcou que, apesar da tendênca de que pas altos tvessem flhos altos e pas axos

Leia mais

Capítulo 16: Equilíbrio Geral e Eficiência Econômica

Capítulo 16: Equilíbrio Geral e Eficiência Econômica Capítulo 6: Equlíbro Geral e Efcênca Econômca Pndck & Rubnfeld, Capítulo 6, Equlíbro Geral::EXERCÍCIOS. Em uma análse de trocas entre duas pessoas, suponha que ambas possuam dêntcas preferêncas. A curva

Leia mais

EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus

EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus EFEITO DA IDADE E MATERIAL GENÉTICO NA FORMA DE ÁRVORES DE Eucalyptus Dana Marques de Olvera ; Ellezer Almeda Mello ; Carolne Stephany Inocênco ; Adrano Rbero Mendonça Bolssta PBIC/UEG, graduandos do Curso

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS. N. R. Candido, V.B. G.

PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS. N. R. Candido, V.B. G. PROCEDIMENTO PARA ESCOLHA DA LOCALIZAÇÃO DE UM CENTRO REGIONAL DE DISTRIBUIÇÃO E RECOLHA DE EQUIPAMENTOS N. R. Canddo, V.B. G. Campos RESUMO Apresenta-se neste trabalho um procedmento de auxílo à decsão

Leia mais

Otimização e Simulação Comparativa de Cenários de Outorga

Otimização e Simulação Comparativa de Cenários de Outorga RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 10 n.3 Jul/Set 2005, 75-91 Otmzação e Smulação Comparatva de Cenáros de Outorga Jussara Cabral Cruz Departamento de Hdráulca e Saneamento UFSM jussara@ct.ufsm.br

Leia mais

2 Incerteza de medição

2 Incerteza de medição 2 Incerteza de medção Toda medção envolve ensaos, ajustes, condconamentos e a observação de ndcações em um nstrumento. Este conhecmento é utlzado para obter o valor de uma grandeza (mensurando) a partr

Leia mais

Estudo de Curto-Circuito

Estudo de Curto-Circuito Estudo de Curto-Crcuto Rotero. Objetvo / aplcações. Natureza da corrente de defeto 3. Resposta em regme (4 tpos de defeto) 4. Resposta transtóra 5. Conclusões Objetvo Determnação de correntes e tensões

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

Avaliação de Empresas

Avaliação de Empresas Avalação de Empresas Gestão Fnancera Gestão Fnancera e Fscal IESF 2009 1 Cândda Botelho 2 1. Introdução... 4 2. Avalação de uma empresa... 4 2.1 Prncpas defnções de valor... 5 2.2 Premssas fundamentas

Leia mais

Mecanismos de Escalonamento

Mecanismos de Escalonamento Mecansmos de Escalonamento 1.1 Mecansmos de escalonamento O algortmo de escalonamento decde qual o próxmo pacote que será servdo na fla de espera. Este algortmo é um dos mecansmos responsáves por dstrbur

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DA CONSTRUÇÃO: DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DA CONSTRUÇÃO: DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DA CONSTRUÇÃO: DESENVOLVIMENTO DE UMA METODOLOGIA PARA A AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE SOLUÇÕES CONSTRUTIVAS. Introdução MATEUS, Rcardo () ; BRAGANÇA, Luís (2) Palavras-chave:

Leia mais

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21

Caderno de Fórmulas. Notas Comerciais Cetip21 Notas Comercas Cetp21 Últma Atualzação: 22/12/2015 E ste Caderno tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos de valorzação de Notas Comercas. É acatado regstro

Leia mais

BOLETIM OFICIAL. I Série ÍNDICE. Número 3. Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA: Decreto-Presidencial nº 2/2013:

BOLETIM OFICIAL. I Série ÍNDICE. Número 3. Quinta-feira, 10 de Janeiro de 2013 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA: Decreto-Presidencial nº 2/2013: Qunta-fera, 10 de Janero de 2013 Documento descarregado pelo utlzador Vctor (10.8.0.12) em 11-01-2013 08:06:48. I Sére Número 3 BOLETIM OFICIAL ÍNDICE PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA: Decreto-Presdencal nº 2/2013:

Leia mais

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel

MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EXPERIMENTOS. Professor: Rodrigo A. Scarpel MOQ-14 PROJETO e ANÁLISE de EPERIMENTOS Professor: Rodrgo A. Scarpel rodrgo@ta.br www.mec.ta.br/~rodrgo Prncípos de cração de modelos empírcos: Modelos (matemátcos, lógcos, ) são comumente utlzados na

Leia mais

A aplicação da Análise Envoltória de Dados DEA na avaliação da eficiência dos Centros de Distribuição Domiciliária CDD de uma regional dos Correios

A aplicação da Análise Envoltória de Dados DEA na avaliação da eficiência dos Centros de Distribuição Domiciliária CDD de uma regional dos Correios A aplcação da Análse Envoltóra de Dados DEA na avalação da efcênca dos Centros de Dstrbução Domclára CDD de uma regonal dos Correos Charlton Mendonça de Lma (UFPE) charlton@smartsat.com.br Adel Texera

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

A Concentração Sectorial em Portugal Segundo o Índice de Hirschman-Herfindhahl 1

A Concentração Sectorial em Portugal Segundo o Índice de Hirschman-Herfindhahl 1 Ensao A Concentração Sectoral em Portugal Segundo o Índce de Hrschman-Herfndhahl 1 Elsa de Moras Sarmento 2 Alcna Nunes 3 1. Introdução O fenómeno da concentração ndustral tornou-se uma preocupação central

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.1 Oligopólio em Quantidades (Cournot)

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão. AULA 2.1 Oligopólio em Quantidades (Cournot) Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 2.1 Olgopólo em Quantdades (Cournot) Isabel Mendes 2007-2008 18-03-2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 2.1 Olgopólo em Quantdades

Leia mais