Planeamento Serviços Saúde

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Planeamento Serviços Saúde"

Transcrição

1 Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores

2 Objectivos Definição de estrutura organizacional. Descrever a configuração e as suas dimensões. Discutir o efeito da estrutura sobre as operações. Explicar as visões da estrutura organizacional. Explicar os conceitos de autoridade e responsabilidade. Descrever as diferentes formas de desenho organizacional

3 Estrutura Organizacional É o sistema de organização de tarefas onde se estabelecem as relações de reporte e autoridade a existirem na organização. A estrutura define a forma, as funções e as actividades da organização e o seu modo de interligação.

4 Organigrama Organizacional O organigrama da organização mostra como as pessoas estão organizadas, quais os seus cargos e relacionamentos formais de reporte e comunicação. Nas grandes organizações podemos ter diversos organigramas para cada negócio ou divisão da organização.

5 Organigrama da Direcção Assembleia Geral (10 Membros) Presidente Director Geral Director Marketing Directos Administrativo Director Produção Director Pesquisa

6 Organigrama Departamento Director Produção Divisão Produção Divisão Qualidade Divisão Compras Divisão Distribuição

7 Configuração A configuração é a forma da organização e reflecte a divisão do trabalho e os meios de coordenação das diversas tarefas.

8 Divisão do Trabalho A divisão do Trabalho é a forma da organização estabelecer as funções e tarefas dos vários funcionários.

9 Divisão do Trabalho Vantagens Maior eficiência Reduz Custos Treino Aumenta a uniformização Aumenta especialização pela repetição tarefas Desvantagens Repetição e Rotina Reduz satisfação no Trabalho Diminui o envolvimento e empenhamento do trabalhador Aumenta a alienação do trabalhador Incompatibilidades com automação

10 Coordenação de Tarefas O três mecanismos de coordenação são: Departamentalização Âmbito de Controlo Hierarquia Administrativa

11 Departamentalização Forma como as tarefas são divididas e combinadas e os recursos distribuídos pelos grupos. As tarefas podem ser combinadas em departamentos ou divisões por funções, por processo, produto, cliente e mercado geográfico.

12 Divisão por Funções e por Processos Por Funções Presidente Marketing Produção GRH Finanças Engenharia Por Processos Director Produção Divisão Divisão Divisão Divisão Divisão Corte Prensagem Soldagem Pintura Montagem

13 Divisão por Produto Colgate-Palmolive Produtos Animais Produtos de Casa Produtos Higiene Oral

14 Divisão por Clientes ou Mercados Geográficos Por Cliente Divisão Empréstimos Pequenos Comerciantes Por Mercado Geográfico Divisão Empresas Divisão de Marketing Divisão Agrícola Divisão Particulares Região Norte Região Centro Sul e Ilhas Divisão Europeia Divisão Internacional

15 Âmbito de Controlo O número de pessoas que reportam a um gestor, definindo a dimensão dos grupos da organização. O gestor que tenham um âmbito de controlo reduzido pode controlar os funcionários e manter-se a par das actividades e operações.

16 Âmbito de Controlo Henry Mintzberg estabelece cinco condições para definir o âmbito de controlo: Os requisitos de coordenação dentro da unidade A semelhança de tarefas dentro da unidade O tipo de informação necessária e disponível Diferenças de autonomia dos membros unidade A extensão e necessidade de supervisão directa

17 Hierarquia Administrativa O sistema de reporte hierárquico é estabelecido dos níveis mais baixos para os mais elevados na organização. A dimensão da hierarquia administrativa é inversa ao âmbito de controlo: Organizações com um âmbito de controlo reduzido exigem mais níveis hierárquicos. Organizações com âmbitos de controlo alargados necessitam de menos níveis hierárquicos.

18 Estrutura e Operações Centralização A política de concentração da tomada de decisão e detenção da autoridade no topo da hierarquia. Formalização O grau de existência de regras e procedimentos para definir as tarefas e actividades dos funcionários.

19 Responsabilidade e Autoridade Responsabilidade A obrigação de fazer ou de obter algum resultado output. Autoridade Poder legitimado por uma determinada função organizacional particular.

20 Definição de Delegação A transferência da autoridade de tomar decisões e utilizar recursos a outras pessoas da organização.

21 Teoria da Autoridade A autoridade e responsabilidade estão intimamente ligadas e os gestores detém autoridade na medida em que são responsáveis por obter resultados. A autoridade depende da aceitação dos funcionários do direito do gestor em dar ordens e estabelecer directrizes e esperar que elas sejam acatadas.

22 Aproximações ao Desenho Organizacional Desenho Universal Nesta aproximação prescrevem-se um conjunto de proposições que são designadas para qualquer circunstância. Desta forma o desenho universal prescreve uma forma óptima de estrutura de tarefas, autoridade e relações reporte nas organizações

23 Desenho Universal Situação X Situação Y Situação Z Firma A Firma B Firma C Desenho Óptimo

24 Aproximações ao Desenho Organizacional Desenho e Contingência Nesta perspectiva o desenho da organização está associado aos objectivos que podem ser obtidos de diversas formas. Num desenho de contingência as condições específicas do meio envolvente, da tecnologia e da força de trabalho da organização determinam a estrutura.

25 Desenho Contingência Situação X Situação Y Situação Z Firma A Firma B Firma C Desenho 1 Desenho 2 Desenho 3

26 Exemplos de Factores de Contingência Estratégia da Organização Dimensão da Organização Tecnologia Meio Envolvente Sistema Social

27 Imperativos Estruturais Imperativos Dimensão Tecnologia Envolvente Estrutura Organizacional Âmbito Controlo Níveis Hierárquicos Estrutura Hierárquica Centralização Formulação Eficiência da Organização

28 Impacto da Dimensão na Estrutura Menor Coordenação Maior âmbito de Controlo Grande Dimensão Maior Especialização Maior Diferenciação Mais Níveis Hierárquicos Maior Formalização

29 Downsizing Tendência para redução da dimensão da organização com a redução de níveis hierárquicos intermédios e redução de custos. Os resultados podem ser reduzidos, os cortes orçamentais têm impactos negativos no funcionamento e todo o processo é negativo em termos de motivação.

30 Tecnologia Refere-se aos mecanismos e processos intelectuais de transformação dos inputs em outputs. Temos uma alteração da tecnologia em duas formas: Alteração da tecnologia disponível Alteração das atitudes face à tecnologia

31 Envolvente da Organização Envolvente Geral Envolvente da Tarefa Incerteza, complexidade e dinamismo

32 Factores da Envolvente Estáticos Evolução e Mudança Dinâmicos Pouca Incerteza Incerteza Moderada Incerteza Moderada Incerteza Elevada Simples Nível de Complexidade Complexos

33 Alternativas Estratégicas no Desenho Organizacional Factores Contextuais Alternativas Estratégicas Estrutura Organizacional Eficiência da Organização Dimensão Tecnologia Envolvente Âmbito Controlo Centralização Formalização Organização Objectivos e Metas Gestor Personalidade Sistema Valores Experiência

34 Desenhos Mecânicos As principais interligações e linhas de comunicação são verticais o conhecimento e o poder é concentrado no topo e é requerida lealdade e obediência.

35 Desenhos Orgânicos Estabelecidos como uma rede onde as interligações e linhas de comunicação e conhecimento são horizontais requerendo empenhamento com um sistema de valores organizacionais.

36 Mecanismos de Coordenação de Mintzberg Ajustamento Mútuo: os Trabalhadores utilizam comunicações informais para efectuar a coordenação. A G Legenda G = Gestor A = Analista O = Operador O O

37 Mecanismos de Coordenação de Mintzberg Supervisão Directa: O gestor ou supervisor coordena as acções dos trabalhadores. A G Legenda G = Gestor A = Analista O = Operador O O

38 Mecanismos de Coordenação de Mintzberg Standartização: Mecanismo de coordenação com várias formas: capacidades do trabalhador, processos de trabalho, e dos outputs. Legenda G = Gestor A = Analista O = Operador A G O O Capacidades Processo Outputs

39 Formas Organizacionais de Mintzberg Estrutura Simples É a estrutura típica existente em pequenas organizações com uma especialização e formalização reduzidas, poder de decisão concentrado no gestor máximo.

40 Formas Organizacionais de Burocracia Mintzberg Estrutura típica de grandes organizações com elevada especialização de tarefas e formalização, com a tomada de decisão concentrada no topo. Profissional Caracterizada por uma especialização horizontal e especialização por profissionais em áreas de conhecimentos, com pouco formalização e descentralização de decisão.

41 Formas Organizacionais de Forma Divisional Mintzberg Típica de empresas tradicionais de grande dimensão onde a organização está dividida em função dos mercados que serve. Adhocracia Estrutura típica de organizações jovens em sectores de tecnologia onde as decisões são tomadas de forma dispersa e o poder reside no conhecimento especializado.

42 Estrutura Matricial A estrutura matricial combina diferentes tipos de desenho envolvendo tipicamente uma combinação de estrutura por produtos ou projectos com a divisão por funções.

43 Estrutura Matricial A estrutura matricial é apropriada quando: Existe uma pressão externa de dois focos Existe uma pressão de processamento informação. Existe uma pressão pela partilha de recursos.

44 Organizações Virtuais As organizações virtuais são alianças temporárias entre duas ou mais organizações para efeito da concretização de projectos específicos. A oportunidade em causa exige normalmente uma resposta rápida de modo a tirar o máximo de partido da situação.

45 Definição de Reengenharia A reengenharia é um processo radical de redesenhar a organização com o objectivo de reavaliar todos os actuais sistemas procurando obter ganhos de custo, tempo de resposta e qualidade de serviço o prestado.

46 Sumário A estrutura de uma organização é o sistema de tarefas que estabelece o reporte e relações de autoridade das pessoas na organização. O organigrama mostra as relações de reporte e as linhas de comunicação entre as pessoas e grupos. As políticas estruturais definem como as pessoas se devem comportar nas suas actividades.

47 Sumário A centralização é a concentração da autoridade e decisões no topo da hierarquia da organização. Os imperativos sobre a definição da estrutura são a dimensão, a tecnologia e a envolvente. Mintzberg estabelece cinco tipos de organizações: estrutura simples, burocráticas, profissionais, forma divisional e adhocracia.

48 Sumário As organizações virtuais são alianças temporárias entre organizações no âmbito de projectos específicos. O desenho organizacional está orientado numa perspectiva de contingência.

Planeamento Serviços Saúde

Planeamento Serviços Saúde Planeamento Serviços Saúde Estrutura Organizacional João Couto Departamento de Economia e Gestão Universidade dos Açores Estrutura Organizacional É o sistema de organização de tarefas onde se estabelecem

Leia mais

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing

Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas de Petrolina - FACAPE Curso: Ciência da Computação Disciplina: Ambiente de Negócios e Marketing Recursos Humanos cynaracarvalho@yahoo.com.br Conceitos A gestão

Leia mais

1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS. Tudo a ver com as minhas Competências. Opção. Powerpoint. Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015

1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS. Tudo a ver com as minhas Competências. Opção. Powerpoint. Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015 1 Apresentação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Emanuel Sousa 20 de Outubro de 2015 Opção Tudo a ver com as minhas Competências. Apresentação Imp. 24/0 leaderconsulting.info 2 Apresentação O que é a Gestão por

Leia mais

Gestão Capítulo 3: Planeamento:

Gestão Capítulo 3: Planeamento: Gestão Capítulo 3: Planeamento: Tipos de Plano: Planos Estratégicos conjunto coerente de acções através das quais uma Organização procura alcançar as metas estratégicas (strategic goals). Longo prazo.

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Indicadores de qualidade I Introdução Baseado em investigação anterior e na recolha de informação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO ESTRATÉGICA DOS RECURSOS HUMANOS E INOVAÇÃO ENQUADRAMENTO E OBJECTIVOS: A Pós-Graduação em Gestão Estratégica dos Recursos Humanos e Inovação tem como objectivo geral dotar os gestores,

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado:

Manual da Qualidade. Rodrigo Barata Mediação de Seguros. Revisão n. 01 Data de Publicação: 2009-04-2408 Elaborado por: RodrigoBarata Estado: Rodrigo Barata Página 2 de 14 Indice 1. Promulgação 3 2. Politica da Qualidade 3 3. Missão da Empresa 4 4. Campo de aplicação 4 4.1 Referências 4 5. Apresentação da Empresa Rodrigo Barata Unipessoal 5

Leia mais

Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração. Contexto de Fayol: Para Fayol Administrar é:

Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração. Contexto de Fayol: Para Fayol Administrar é: Henri Fayol (1841-1925) Teoria Clássica da Administração Formou-se em Engenharia de Minas aos 19 anos e desenvolveu sua carreira numa mesma empresa. Sua principal obra é o livro Administração Geral e Industrial,

Leia mais

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT

Contabilidade e Controlo de Gestão. 2. O ciclo de gestão. Contabilidade e Controlo de Gestão. 3º ano - Gestão Turística e Hoteleira - Ramo- GT Contabilidade e Controlo de Gestão Ano letivo 2013/2014 Gustavo Dias 5.º Semestre Ciclo de Gestão Planear Definir o rumo da empresa, ou seja, o que se pretende atingir (objectivos) e para tal o que fazer

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO Organização, Processo e Estruturas 1 Organização Processo de estabelecer relações entre as pessoas e os recursos disponíveis tendo em vista os objectivos que a empresa como um todo se propõe atingir. 2

Leia mais

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI

Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Gestão da inovação A avaliação e a medição das actividades de IDI Projecto GAPI 2.0 Universidade de Aveiro, 19 de Fevereiro de 2010 João M. Alves da Cunha Introdução Modelo de Interacções em cadeia Innovation

Leia mais

PROJECTO DE REALIZAÇÃO

PROJECTO DE REALIZAÇÃO APPEUC Associação de Professores de Português dos Estados Unidos e Canadá MONTREAL 2007 13, 14 e 15 de Abril de 2007 no Hotel Auberge Universel em Montreal PROJECTO DE REALIZAÇÃO Comissão Organizadora:

Leia mais

4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO

4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO CADERNO FICHA 4. ORGANIZAÇÃO, RECURSOS HUMANOS E FORMAÇÃO 4.4. OBJECTIVOS ESTRATÉGICOS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado, não

Leia mais

Marketing. Objectivos. Conceito de estratégia. Planeamento Estratégico

Marketing. Objectivos. Conceito de estratégia. Planeamento Estratégico Marketing Planeamento Estratégico Prof. José M. Veríssimo 1 Objectivos Compreender como o planeamento estratégico é conduzido nos diversos níveis organizacionais Identificar as diversas fases do processo

Leia mais

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia

Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Gestão Estratégica da Inovação e da Tecnologia Por: Luis Todo Bom Professor Associado Convidado do ISCTE Presidente do Conselho de Gerência da Multitel Conferência apresentada no Workshop Tecnológico da

Leia mais

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012

Property & Construction Property & Construction. Estudos de Remuneração 2012 Property & Construction Property & Construction Estudos de Remuneração 2012 3 Michael Page Page Estudos de Remuneração 2012 - Property & Construction 4 Apresentamos-lhe os Estudos de Remuneração 2012,

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Conceito de projecto ideia ou intuito de executar algo representação em perspectiva conjunto de documentos, cálculos e

Leia mais

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR Departamentalização e os Principais Tipos Antonia Angélica Muniz dos Santos 7 Daniele Santos Lima e Silva 7 Edna Almeida Guimarães 7 RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar a departamentalização e

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 6 Integração Vertical. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 6 Integração Vertical João Pedro Couto Natureza da integração vertical A integração vertical consiste na execução de várias funções da cadeia operacional sob a égide de

Leia mais

Isabel Beja. Gestão Estratégica

Isabel Beja. Gestão Estratégica Isabel Beja Gestão Estratégica Financiamento: Entidade Coordenadora Local Entidade Promotora Objectivos Objectivo Geral A importância de uma correta definição de missão, visão e dos valores da instituição;

Leia mais

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão

Organização de Gerenciamento de Processos. Palestrante: Samyra Salomão Organização de Gerenciamento de Processos Palestrante: Samyra Salomão Contextualização O foco do gerenciamento de processos de negócio pode também modificar a forma como os executivos pensam e estruturam

Leia mais

Organização. Trabalho realizado por: André Palma nº 31093. Daniel Jesus nº 28571. Fábio Bota nº 25874. Stephane Fernandes nº 28591

Organização. Trabalho realizado por: André Palma nº 31093. Daniel Jesus nº 28571. Fábio Bota nº 25874. Stephane Fernandes nº 28591 Organização Trabalho realizado por: André Palma nº 31093 Daniel Jesus nº 28571 Fábio Bota nº 25874 Stephane Fernandes nº 28591 Índice Introdução...3 Conceitos.6 Princípios de uma organização. 7 Posição

Leia mais

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado

Reestruturar o Sector Empresarial do Estado PROJECTO DE RESOLUÇÃO N.º 458/XI/2.ª Reestruturar o Sector Empresarial do Estado A descrição de carácter económico-financeiro apresentada na próxima secção não deixa dúvidas sobre a absoluta necessidade

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

XI Mestrado em Gestão do Desporto

XI Mestrado em Gestão do Desporto 2 7 Recursos Humanos XI Mestrado em Gestão do Desporto Gestão das Organizações Desportivas Módulo de Gestão de Recursos Rui Claudino FEVEREIRO, 28 2 8 INDÍCE DOCUMENTO ORIENTADOR Âmbito Objectivos Organização

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Certificação ISO 22000 motivações e desafios

Certificação ISO 22000 motivações e desafios Certificação ISO 22000 motivações e desafios SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Maria Isabel Carvalho Setembro de 2008 Apresentação QUEM SOMOS ÁREAS DE NEGÓCIO SOMOS NUTRIÇÃO 2 Visão Ser referência

Leia mais

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes

Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de. um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Linhas de Orientação Desenvolvimento de uma Política de Prevenção de Acidentes Graves e de um Sistema de Gestão da Segurança para a Prevenção de Acidentes Graves Definição da Política Revisão pela Direcção

Leia mais

Estrutura organizacional. Psicossociologia do Trabalho. Definição de Estrutura Organizacional. Especialização do trabalho. pnoriega@fmh.utl.

Estrutura organizacional. Psicossociologia do Trabalho. Definição de Estrutura Organizacional. Especialização do trabalho. pnoriega@fmh.utl. Psicossociologia do Trabalho Estrutura Organizacional Estrutura organizacional Questões fundamentais para a sua concepção Estruturas tradicionais Estruturas organizacionais alternativas Definição de Estrutura

Leia mais

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi

ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS. Prof. Marcio R. G. de Vazzi ORGANIZAÇÕES NOS NOVOS TEMPOS Prof. Marcio R. G. de Vazzi UMA PEQUENA REVISÃO TEORIA ORGANIZACIONAL - CONCEITOS Organização: É uma combinação de esforços individuais que tem por finalidade realizar propósitos

Leia mais

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos

Federação Nacional de Karate - Portugal. Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Federação Nacional de Karate - Portugal Fórum de Formadores 2013 Pedro M. Santos Índice Fórum de Formadores 2013 Introdução Diferentes influências e realidades Pessoal qualificado e Especializado em Serviços

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI NÚCLEO DE EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA GABARITO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I GRUPO: TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I DATA:

Leia mais

Redes Sociais como canal de transferência de conhecimento nas organizações e sistema de suporte à resolução de problemas Estudo de Caso

Redes Sociais como canal de transferência de conhecimento nas organizações e sistema de suporte à resolução de problemas Estudo de Caso + como canal de transferência de conhecimento nas organizações e sistema de suporte à resolução de problemas Estudo de Caso Sérgio Paulino spaulino@f5it.pt + Sumário 2 e Resultados + 3 Necessidade de um

Leia mais

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas

Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas Conceitos Fundamentais de Engenharia 1 Ano Profª Fernanda Cristina Vianna Introdução à Estrutura Organizacional nas Empresas 1. O Que é Estrutura Organizacional? É a estrutura formal na qual ocorrem as

Leia mais

AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO

AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO AS ETAPAS DO PLANEJAMENTO O planejamento possui três etapas: O estabelecimento dos objetivos a alcançar Tomada de decisões a respeito das ações futuras Elaboração de planos Explicando melhor, quanto mais

Leia mais

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.

Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N. Trabalho Elaborado por: Paulo Borges N.º 21391 Vítor Miguel N.º 25932 Ariel Assunção N.º 25972 João Mapisse N.º 31332 Vera Dinis N.º 32603 INTRODUÇÃO Na área do controlo de gestão chamamos atenção para

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa ANA Aeroportos de Portugal, S.A. Missão, Visão e Valores Missão da ANA A ANA - Aeroportos de Portugal, SA tem como missão gerir de forma eficiente as infraestruturas aeroportuárias

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório

OGFI 2015 Group Project BAI07 Primeiro Relatório Primeiro Relatório 62473 Pedro Vasconcelos 63563 Francisco Ferreira 73440 Filipe Correia 74211 Carolina Ferreirinha 82665 Nkusu Quivuna Sumário Este documento é o primeiro relatório de um projeto de análise

Leia mais

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD

A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD 1 A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL COMO REFERÊNCIA PARA A GESTÃO DA EAD São Luís MA Maio/2012 Categoria: C Setor Educacional: 3 Classificação das Áreas de Pesquisa em EaD Macro: D / Meso: H / Micro: M Natureza:

Leia mais

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE

A ESTRUTURA DA GESTÃO DE A ESTRUTURA DA GESTÃO DE PROJETOS Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br SUMÁRIO Importância do Gerenciamento de Projetos. Benefícios do Gerenciamento de Projetos Gerenciamento

Leia mais

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO COMÉRCIO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DE LONGO PRAZO 2025 COMÉRCIO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO Estado Entidade Promotora Nova Rede Comercial Parceiro Estratégico (Assegura)

Leia mais

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS

MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO DOS ESTÁGIOS INSTI INSTUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS DO TRABALHO E DA EMPRESA DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES MESTRADO EM PSICOLOGIA SOCIAL E DAS ORGANIZAÇÕES GUIA DE ORGANIZAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO

Leia mais

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

Programa Avançado de Gestão

Programa Avançado de Gestão PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão Com o apoio de: Em parceria com: Nova School of Business and Economics Com o apoio de: PÓS GRADUAÇÃO Programa Avançado de Gestão A economia Angolana enfrenta hoje

Leia mais

Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens. Psicossociologia do trabalho 1

Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens. Psicossociologia do trabalho 1 Organizações Modernas Visão da Sociologia - Giddens Psicossociologia do trabalho 1 Sumário As organizações modernas A transferência do papel da comunidade para as organizações O processo de interdependência

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Processos de software Departamento de Matemática Universidade dos Açores Hélia Guerra helia@uac.pt Processo Um processo é uma série de etapas envolvendo actividades, restrições e

Leia mais

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt

Selling Tools. Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Dale Carnegie Training Portugal www.dalecarnegie.pt customerservice@dalecarnegie.pt Enquadramento As vendas têm um ambiente próprio; técnicas e processos específicos. A forma de estar, o networking, os

Leia mais

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português

Tertiary Education for the Knowledge Society. O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento. Summary in Portuguese. Sumário em Português Tertiary Education for the Knowledge Society Summary in Portuguese O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento Sumário em Português O Ensino Superior na Sociedade do Conhecimento fornece uma investigação

Leia mais

Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa.

Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa. Intervenção do Secretário Regional da Presidência Apresentação do projecto Incube = Incubadora de Empresas + Júnior Empresa. 17 de Março de 2011, Salão Nobre da Reitoria da Universidade dos Açores Magnífico

Leia mais

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1

Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública. Março de 2011 14-06-2012 1 Balanço da Implementação do Plano de Qualificação dos Recursos Humanos para Reforma do Estado e da Administração Pública Março de 2011 14-06-2012 1 Modelo de Gestão em Rede. A Acção Pública deve combinar

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL

Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL ENQUDRAMENTO Unidade Curricular de Projecto Empresarial, em Parceria com o ISCTE-IUL A Faculdade de Ciências inclui nos seus planos de estudos diversas disciplinas que têm como objectivo sensibilizar os

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Aula N : 09 Tema:

Leia mais

Depende do projecto e deverá ser planeada conforme as necessidades do produto; Guionista ou Argumentista. Designer

Depende do projecto e deverá ser planeada conforme as necessidades do produto; Guionista ou Argumentista. Designer Depende do projecto e deverá ser planeada conforme as necessidades do produto; Guionista ou Argumentista conceito e ideia - faz o guião que unifica a equipa Designer de navegação, de ambientes, de interfaces,

Leia mais

III Conferência Anual da RELOP. Sessão de Abertura. Vítor Santos, Presidente da RELOP. Caro Dr. Haroldo Lima, Director Geral da ANP,

III Conferência Anual da RELOP. Sessão de Abertura. Vítor Santos, Presidente da RELOP. Caro Dr. Haroldo Lima, Director Geral da ANP, III Conferência Anual da RELOP Sessão de Abertura Vítor Santos, Presidente da RELOP Caro Dr. Haroldo Lima, Director Geral da ANP, Caro Dr. Nelson Hubner, Director Geral da ANEEL, Estimados colegas reguladores,

Leia mais

Our people make the difference

Our people make the difference Our people make the difference 1 Paulo Renato Pereira Exponor, 04.05.2006 Gestão por Competências Breve introdução: Gestão por competências Importância das competências transversais Exemplos de competências

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

IMPACTO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS PORTUGUESES NA EXECUÇÃO DOS SEUS OBJECTIVOS 1

IMPACTO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS PORTUGUESES NA EXECUÇÃO DOS SEUS OBJECTIVOS 1 RELATOS DE PESQUISA IMPACTO DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DE DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS PORTUGUESES NA EXECUÇÃO DOS SEUS OBJECTIVOS 1 Jorge Alves Faria Doutor em Gestão de Empresas pela Universidade de Évora,

Leia mais

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS

CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS CÓDIGO DE BOAS PRÁTICAS COMERCIAIS DIRECTRIZES DA APORMED AOS SEUS ASSOCIADOS SOBRE AS INTERACÇÕES COM OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE E O MERCADO DE PRODUTOS DE SAÚDE Documento aprovado na Assembleia-Geral

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX

REGULAMENTO INTERNO. Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Administração Regional de Saúde d Agrupamento de Centros de Saúde XXXXXXXX REGULAMENTO INTERNO Unidade de Cuidados na Comunidade de XXXXXXXXXX Localidade Mês / Ano Índice Introdução... 3 Capítulo I: Disposições

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing

Escola Secundária de Paços de Ferreira 12ºAno de secretariado TECS. Departamento Comercial e Marketing Departamento Comercial e Marketing As inovações na gestão empresarial O desenvolvimento económico actual e a necessidade das empresas serem competitivas estão gerando inovações constantes na gestão empresarial.

Leia mais

Políticas Organizacionais

Políticas Organizacionais Políticas Organizacionais Manual de Políticas da CERCI Elaborado por/data Departamento de Gestão da Qualidade/Março 2013 Aprovado por/data Direção/18.03.2013 Revisto por/data Índice 1. Política e Objetivos

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

PESQUISA EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARTE 2

PESQUISA EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARTE 2 PESQUISA EM PUBLICIDADE E PROPAGANDA PARTE 2 IMPORTÂNCIA DA PESQUISA EM QUALQUER ÁREA DE ATUAÇÃO Num mundo globalizado e em constantes mudanças, nenhuma empresa consegue sobreviver, sem uma real orientação

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Página de Rosto Aluna: Tânia Marlene Silva Ano/ Turma: 12º ano do Curso Profissional Técnico de Secretariado Disciplina: Técnicas de Secretariado Modulo: 20 Organização de Eventos

Leia mais

Tipos de organizações. Márcia Valéria Gonçalves

Tipos de organizações. Márcia Valéria Gonçalves Tipos de organizações Márcia Valéria Gonçalves Organização Entidade que tem funções e estrutura administrativa próprias, uma finalidade bem definida e objetivos a alcançar. Estrutura Administração Departamentos

Leia mais

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL

ANEXO III 15-03-2013 RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL ANEXO III RECOLHA DE PERCEPÇÕES INOVAÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL -- ÍNDICE ÍNDICE. OBJECTIVOS E ÂMBITO DO ESTUDO. METODOLOGIA. RESUMO. INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL. INOVAÇÃO NOS ÚLTIMOS 6 ANOS 6. APRENDIZAGEM

Leia mais

Secretarial & Management Support. Estudos de Remuneração 2012

Secretarial & Management Support. Estudos de Remuneração 2012 Secretarial & Management Support Estudos de 2012 Estudos de Secretarial & Management Support 2012 2 Nota preliminar pág. 3 Secretarial Secretário Executivo Sénior Secretário Executivo Secretário Executivo

Leia mais

4. Princípios da Gestão da Qualidade

4. Princípios da Gestão da Qualidade FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Parte 1: Fundamentos de Gestão da Qualidade 4. Princípios da Gestão da Qualidade (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt

Leia mais

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania

Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores. Projeto Educativo. Educar para a Cidadania Escola Profissional do Sindicato do Escritório e Comércio da Região Autónoma dos Açores Projeto Educativo Educar para a Cidadania Preâmbulo O Projeto Educativo é o documento que consagra a orientação educativa

Leia mais

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA

QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA GRANDE GRUPO 1 QUADROS SUPERIORES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, DIRIGENTES E QUADROS SUPERIORES DE EMPRESA Os quadros superiores da administração pública, dirigentes e quadros superiores de empresa dão pareceres

Leia mais

As Vendas e Prestações de Serviços

As Vendas e Prestações de Serviços Disciplina: Técnicas de Secretariado Ano lectivo: 2009/2010 Prof: Adelina Silva As Vendas e Prestações de Serviços Trabalho Realizado por: Susana Carneiro 12ºS Nº18 Marketing Marketing é a parte do processo

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO FAYOLISMO PREVER ORGANIZAR COMANDAR COORDENAR CONTROLAR HENRY FAYOL (1841-1925) NOS MOMENTOS DE CRISE SÓ A IMAGINAÇÃO É MAIS IMPORTANTE QUE O CONHECIMENTO Albert Einstein

Leia mais

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro

Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro Estaleiros Temporários ou Móveis Decreto-Lei n.º 273/2003, de 29 de Outubro 1. INTRODUÇÃO A indústria da Construção engloba um vasto e diversificado conjunto de características, tais como: Cada projecto

Leia mais

CONTABILIDADE DE GESTÃO: TÉCNICAS DE CUSTEIO, GESTÃO EMPRESARIAL E ORÇAMENTAÇÃO BASEADAS NA ACTIVIDADE

CONTABILIDADE DE GESTÃO: TÉCNICAS DE CUSTEIO, GESTÃO EMPRESARIAL E ORÇAMENTAÇÃO BASEADAS NA ACTIVIDADE Gestão e Desenvolvimento, 11 (2002), 83-115 CONTABILIDADE DE GESTÃO: TÉCNICAS DE CUSTEIO, GESTÃO EMPRESARIAL E ORÇAMENTAÇÃO BASEADAS NA ACTIVIDADE Catarina Xavier Amaral * Neste artigo dedicamos a nossa

Leia mais

POLÍTICAS DE GOVERNAÇÃO E LIDERANÇA DAS ESCOLAS

POLÍTICAS DE GOVERNAÇÃO E LIDERANÇA DAS ESCOLAS POLÍTICAS DE GOVERNAÇÃO E LIDERANÇA DAS ESCOLAS Natércio Afonso Universidade de Lisboa Instituto de Educação Porto, Universidade Católica Janeiro de 2014 Sumário 1. Gestão Escolar 2. Conceitos centrais

Leia mais

Mudança Organizacional e Inovação

Mudança Organizacional e Inovação Mudança Organizacional e Inovação Mudança e organizações Fatores determinantes da mudança organizacional A ideia gestão da mudança Modelo teórico sobre a mudança de Kurt Lewin Estratégias de mudança organizacional

Leia mais

Escolher um programa de cuidados infantis

Escolher um programa de cuidados infantis Escolher um programa de cuidados infantis A escolha de um programa de cuidados infantis é uma opção muito pessoal para cada família. O melhor programa é aquele que mais tem a ver com a personalidade, gostos,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO 12-10-2006

INTRODUÇÃO À GESTÃO 12-10-2006 INTRODUÇÃO À GESTÃO 12-10-2006 Algumas noções relativas à gestão: Uma Boa Hierarquia de funções é essencial para um bom projecto de gestão. Cada elemento na empresa tem que saber aplicar bem as suas funções

Leia mais

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T.

Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. Anexo 2 - Avaliação de necessidades de formação em H.S.T. 54 3Inquérito às necessidades de formação profissional em higiene e segurança do trabalho 59 Inquérito às necessidades de formação profissional

Leia mais

EStUDo DE remuneração information technology 2013

EStUDo DE remuneração information technology 2013 ESTUDO DE REMUNERAÇÃO information 2013 ÍNDICE Pág. Administrador de Sistemas 4 Técnico de Redes de Comunicações 6 Administrador de Bases de Dados 8 Programador 10 Analista Programador 12 Analista Funcional

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

Código de Ética e Conduta do IAPMEI

Código de Ética e Conduta do IAPMEI Código de Ética e Conduta do IAPMEI Âmbito e Objectivo do Documento Públicas (Lei n.º 58/2008, de 9 de Setembro) e da Carta Ética da Administração Pública. O Código de Ética e Normas de Conduta aplica-se

Leia mais

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa

3. ORIENTAÇÃO OPERACIONAL. 3.1 Organização e equipa transferência comuns. No que toca à rede regional, a cooperação já foi iniciada há algum tempo com o projecto do Sistema Regional de Transferência e Tecnologia que está em curso. No âmbito da rede este

Leia mais

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013

Auditorias 25-01-2013. ISO 19011 âmbito. Termos e definições. Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 Auditorias Gestão da Qualidade João Noronha ESAC 2012/2013 ISO 19011 âmbito Linhas de orientação para auditoria a sistemas de gestão Princípios de auditoria Gestão de programas de auditoria Condução de

Leia mais

(Anexo 1) Perfil de Competências

(Anexo 1) Perfil de Competências (Anexo 1) Perfil de Competências a) Tendo em conta as exigências constantes do posto de trabalho inerente ao cargo de direcção intermédia de 2.º grau, são consideradas essenciais para o profícuo desempenho

Leia mais

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores

Marketing de Feiras e Eventos: Promoção para Visitantes, Expositores e Patrocinadores Gestão e Organização de Conferências e Reuniões Organização de conferências e reuniões, nos mais variados formatos, tais como reuniões educativas, encontros de negócios, convenções, recepções, eventos

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO F O R M A Ç Ã O A V A N Ç A D A CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO FORMAÇÃO ESPECÍFICA PARA MEMBROS DA ORDEM DOS ENGENHEIROS ENQUADRAMENTO O CEGE/ISEG é um centro de investigação e projectos do ISEG Instituto

Leia mais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais

Programa de Unidades Curriculares Opcionais Programa de Unidades Curriculares Opcionais Para assegurar que todos os alunos tenham acesso a UC que permitam perfazer as exigências em créditos (ECTS) de UC Opcionais dos respectivos Planos de Estudo,

Leia mais

Estudo de Remuneração 2015

Estudo de Remuneração 2015 2015 BANKING Temporary & permanent recruitment www.pagepersonnel.pt Editorial Page Personnel ir ao encontro do talento A Page Personnel recruta para os seus clientes os melhores perfis qualificados, sendo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO PROF. WALTENO MARTINS PARREIRA JÚNIOR CONTEÚDO E OBJETO DE ESTUDO DA ADMINISTRAÇÃO Administração do latim ad(direção, tendência para) e minister(subordinação

Leia mais

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL

GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL UNIVERSIDADE DO MINHO DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO E SISTEMAS GUIÃO PARA O DIAGNÓSTICO DE UMA UNIDADE INDUSTRIAL REAL ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PRODUÇÃO LOGÍSTICA AUTOMAÇÃO E ROBÓTICA Sílvio Carmo Silva (Prof.

Leia mais

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA?

PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? INDICE - Enquadramento legislativo PRÉ-FABRICAÇÃO QUE MAIS VALIA PARA A SEGURANÇA? - Princípios Gerais da Prevenção - Orientações da directiva estaleiros - O custo dos acidentes - Análise de riscos das

Leia mais

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a.

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Para a abordagem clássica, a base fundamental da organização é a divisão do trabalho. À medida que uma organização

Leia mais