Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura"

Transcrição

1 Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade Federal Flumnense Unversdade Federal Flumnense RESUMO O objetvo deste artgo é verfcar qual a melhor localzação de um centro de dstrbução para uma empresa mportadora de alho, de modo a otmzar os custos de transporte. Fazendo uso da revsão bblográfca, foram levantadas as técncas de localzação e o método Centro de Gravdade fo o mas aproprado para a análse do problema. Por meo de estudo de caso, pesqusa quanttatva e observação partcpatva, este artgo aborda os concetos tdos como fundamentas para a compreensão da logístca, localzação de nstalações e custo. Verfcou-se que com a utlzação do método obteve-se melhor resultado em relação a prátca atual. Palavras-chave: Logístca. Localzação de Instalações. de Transporte. 1. INTRODUÇÃO Nos últmos anos, ocorreram mudanças na logístca no Brasl, buscando-se maor efcênca e qualdade. As empresas passaram consderar a logístca como a grande oportundade de melhora na prestação de servços aos clentes e como fator mportante para a redução de custos, ou seja, a logístca tornou-se um elemento chave para as estratégas compettvas das empresas. Quando todos os produtos se tornam guas, a empresa mas compettva será aquela que consegur ser mas efcente e efcaz, se antecpando a prováves problemas que possa vr a enfrentar. O objetvo da decsão de localzação é atngr um equlíbro entre os custos nerentes a localzação geográfca da operação, o servço prestado aos clentes pela operação e a receta potencal da operação (Slack et al., 2002). Fazendo uso da revsão bblográfca, estudo de caso, pesqusa partcpatva e quanttatva, este artgo utlza concetos e técncas logístcas de localzação como um recurso em potencal para a redução de custos e para a melhora da qualdade dos servços. O problema deste artgo é baseado na segunte questão: Qual sera a melhor localzação do armazém em função dos custos de transporte em conseqüênca da expansão da empresa? O presente artgo tem por objetvo analsar o melhor ponto para nstalação de um armazém de uma empresa que atua dentro do ramo de hortfrutgranjeros, stuada na regão Sul Flumnense, consderando também a crescente demanda na regão Nordeste, para redução do seu custo de transporte e dstrbução de carga de alho n natura, sendo sua prncpal forma de transporte para dstrbução de seus produtos o transporte rodováro. A prncpal razão para o estudo da melhor localzação do armazém é devdo ao produto em questão ser perecível e podendo sofrer alterações causados pelo tempo de vagem e temperatura alta e vsando a mportânca da redução de custos. Os resultados do trabalho mostram que a prátca atual da empresa não é a melhor em termos de custos. Exstem outras alternatvas mas nteressantes para serem mplementadas, 1

2 sendo a melhor a que utlzou o Método Centro de Gravdade para estabelecmento da localzação. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Segundo Novaes (2001) a logístca é uma especaldade que tem sob sua competênca o planejamento, mplementação, gestão e controle dos fluxos de nformação relaconados à movmentação de materas e produtos dentro das organzações partcpantes de uma mesma cadea. Ela é mportantíssma para a cração de ambente de satsfação plena dos clentes. De acordo com Crstopher (1997), a logístca é o processo de gerencar estrategcamente a aqusção, movmentação e armazenagem de materas, peças e produtos acabados (e os fluxos de nformação correlatos), com a organzação e seus canas de marketng, de modo a poder maxmzar as lucratvdades presentes e futuras, pelo atendmento de peddos a baxo custo. No processo logístco uma das atvdades que demanda recursos é a dstrbução que segundo Caxeta Flho (2001), é o ramo de logístca empresaral que trata da movmentação, estocagem e processamento de peddos dos produtos da empresa. O tpo de dstrbução depende, em grande parte, da natureza do produto movmentado, do padrão de sua demanda, dos custos relatvos das váras opções de dstrbução físca e das exgêncas de nível de servço. Na dstrbução exste a combnação das atvdades prmáras da logístca: processamento de peddos, armazenagem e transporte. A localzação de nstalações rá nfluencar nos custos e nível de servço da rede logístca. Para armazenagem dos produtos é necessáro determnar uma localzação deal da nstalação do armazém, para facltar o acesso, dmnur os custos e para que o produto chegue mas rápdo ao clente. 2.1 LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES Os problemas de localzação envolvem escolher o melhor local para uma ou mas nstalações dentro de um conjunto de locas possíves, a fm de fornecer um alto nível de servço aos clentes, mnmzar custos de operação, ou maxmzar lucros. O que se pretende obter é uma solução, se possível ótma, que mnmze o custo total de nstalações e transportes (Ballou, 2001). A defnção da localzação de nstalações em uma rede logístca, sejam elas fábrcas, depóstos ou termnas de transporte, é um problema comum e um dos mas mportantes para os profssonas de logístca. Sua mportânca decorre dos altos nvestmentos envolvdos e dos profundos mpactos que as decsões de localzação têm sobre os custos logístcos. Os fundamentos por trás desta afrmação estão nos dversos fatores que podem mpactar no desempenho das atvdades, podendo mesmo decdr a sua sobrevvênca a longo prazo, tas como: proxmdade de fontes de matéra-prma e nsumos; ncentvos fscas; facldade para escoamento da produção; nfra-estrutura básca; legslação estadual vgente; meo ambente; aspectos econômcos; dsponbldade/custo de mão de obra especalzada; dsponbldade do local suportar possíves expansões; custo do captal; abrangênca de alcance do mercado consumdor alvo; possbldade de entrada em novos mercados; renda per capta; estmatva de crescmento populaconal; atuação dos sndcatos; dsponbldade tecnológca e o nível de concorrênca (Davs et al. 2001; Martns e Laugen, 1999; Morera, 1998; Slack et al, 1996). O estudo da localzação requer um alto grau de análse por parte dos profssonas da área de logístca. A localzação pode ser a varável determnante para o sucesso de uma 2

3 organzação. Segundo Ballou (2006) essas nstalações se referem aos pontos nodas da rede, como fábrcas, portos, armazéns, pontos de varejo e pontos centras de servço na rede da cadea de suprmentos em que os produtos param temporaramente a camnho dos consumdores fnas. De acordo com Rtzman e Krajewsk (2005) as nstalações se referem ao local geográfco onde se executa as operações de uma empresa. O desenvolvmento de métodos para localzação das nstalações é há tempos uma área preferencal de pesqusa. Conforme Fernandes (2008), os três prncpas métodos utlzados atualmente são: Pontuação Ponderada, Ponto de Equlíbro e Centro de Gravdade, sendo este últmo o utlzado neste artgo para análse da melhor localzação do armazém da empresa em estudo MÉTODO CENTRO DE GRAVIDADE Este método é também conhecdo como centro de gravdade exato, p-gravdade, método do medano e método centróde. Toda localzação possível possu um custo total de transporte nerente a ela, que é a soma de todos os custos menores relaconados a transporte. É conhecda como centro de gravdade uma determnada localzação onde os custos são mnmzados (Slack et al., 2002). Segundo Bowersox e Closs (2001) o método Centro de Gravdade é uma técnca analítca utlzada em problemas de localzação para localzar uma nstalação no centro de gravdade, podendo esse ser o centro de peso, o centro de dstânca, o centro combnado de peso-dstânca ou anda o centro combnado de peso-tempo-dstânca em uma dada regão de atuação, para seleconar a alternatva de menor custo. Este modelo supõe que o mercado e os fatores de suprmento localzam-se como pontos em um plano cartesano. Segundo Ballou (2006) o processo de solução envolve as seguntes etapas: 1ª etapa: Determnar as coordenadas X, Y para cada ponto de fonte e demanda, juntamente com os volumes e as tarfas lneares de transporte; 2ª etapa: Aproxmar a localzação ncal; X = V R X V R X,Y = coordenadas da nstalação localzada X, Y = coordenadas dos pontos de fonte e demanda V = volume no ponto R = taxa de transporte até o ponto d = dstânca até o ponto da nstalação a ser localzada V R X Y = V R (1) 3ª etapa: Usando a solução para X e Y da etapa 2, calcular d. O fator K não precsa ser utlzado neste ponto; d = K 2 ( X X ) + ( Y Y ) 2 (2) 3

4 d = dstânca K = fator de escala para converter uma undade de uma coordenada em uma medda mas comum de dstânca (km, mlhas, etc.) 4ª etapa: Substtur d nas equações abaxo. X = V R X V R / d / d Y = V R Y / d V R / d (3) 5ª etapa: Recalcular d a partr das coordenadas revsadas X, Y ; 6ª etapa: Repetr as etapas 4 e 5 até que as coordenadas X, Y não mude por sucessvas nterações, ou até que mudem tão pouco que contnuar o cálculo não seja provetoso; 7ª etapa: Calcular o custo total da melhor localzação, se desejar, medante a utlzação da equação abaxo. TC = custo total do transporte = MnTC V Rd (4) Um problema mas complexo, e ao mesmo tempo mas realsta, de localzação que a maora das empresas enfrenta é o que surge quando se torna necessáro localzar duas ou mas nstalações. A nstalação destes armazéns devem ser caracterzados de acordo com as seguntes perguntas: (1) Quantos armazéns a rede da cadea de suprmentos devera ter? Qual devera ser a capacdade e em que ponto deveram localzar-se? (2) De quas pontos de demanda cada armazém devera fcar encarregado? Que armazéns deveram ser atrbuídos a cada fábrca, fornecedor ou porto? (3) Quas produtos deveram ser estocados em qual armazém? Quas produtos deveram ser embarcados dretamente das fábrcas, dos fornecedores ou dos portos aos clentes? Este modelo é baseado em cálculo que encontra a solução do custo mínmo de transporte para uma nstalação ntermedára localzada entre os pontos de orgem e destno. Para utlzar esta técnca é mportante confgurar os conglomerados medante a concentração dos pontos mas próxmos entre s. Encontradas as localzações de centro de gravdade, os pontos são retrbuídos a estas localzações. E assm o processo contnua até que não se encontre mas mudança alguma. À medda que os custos de transporte forem dmnundo, os custos fxos são aumentados. E a melhor solução é aquela que mnmze a soma de todos os custos. Segundo Wanke (2003) localzar apenas uma nstalação é um problema consderavelmente dferente daquele de localzar dversas nstalações de uma só vez. Evta-se a necessdade de consderar as forças compettvas, a desagregação da demanda entre dversas nstalações, os efetos na consoldação dos estoques e os custos fxos de operações. Neste caso, os custos de transporte são o fator prmordal a ser consderado. O objetvo da decsão de localzação é mnmzar os custos totas. Para um ano de operação, reduzr custos de produção, compras, manutenção de produtos em estoque, nstalações e de transporte nclundo o nível de servço (tempo de entrega ao clente fnal). 4

5 Os trade-offs entre custos e nível de servços relatvos a um aumento no número de armazéns geralmente referem-se à melhora nos níves de servço em função de reduções no tempo de entrega ao clente fnal; aumento nos custos de manter estoques em função de aumentos nos níves de estoque de segurança necessáros para proteger cada armazém contra ncertezas na demanda; aumento nos gastos admnstratvos; redução nos gastos com transporte de dstrbução e aumento nos gastos com transporte de suprmento. Um prncípo básco envolvendo a abertura de um novo armazém é a consoldação do transporte, ou seja, se os peddos tendem a ser fraconados, o potencal para consoldação pode justfcar a abertura de um armazém naquela regão. De acordo com Wanke (2003), o custo total de transporte ca até determnado ponto à medda que armazéns são adconados na rede logístca. A redução é resultante de carregamentos consoldados até o armazém, e do armazém ao clente fnal. Pode-se defnr duas grandes categoras para os custos de transporte: Servços de lgação - desgna o transporte entre a orgem e os dferentes depóstos que exstam. Servços de entrega fnal - desgna o transporte de mercadoras entre o depósto e o clente, este transporte pode se efetuado utlzando frota própra ou contratando uma empresa para o fazer, o custo é essencalmente em função da dstânca percorrda (Gouvea, 1995). Os fatores que podem nfluencar os custos de transporte podem ser classfcados em dos grupos: fatores assocados ao produto e fatores assocados a determnadas característcas do mercado (Lambert et al., 1998). Os custos de produção e processamento de peddos são afetados por trade-offs de custo. O objetvo prmordal na localzação consste na dentfcação da confguração da rede de armazéns e de fábrcas que resulte no menor custo total, sujeto a restrções de servço ou qualquer outro fator consderado mportante. Na fgura 1 são resumdos os dversos trade-offs de custos presentes no problema de localzação de nstalações. fxo de nstalação fxo de oportundades de manter estoque de transporte Fgura. Trade-offs relevantes de custos em função da quantdade de armazéns. Fonte: Wanke (2003). 3. MÉTODO DE PESQUISA Devdo à natureza dos dados e a forma como foram coletados e analsados, esta pesqusa classfca-se como quanttatva. Para Mnayo & Sanches (1993 apud Texera, 2001), a pesqusa quanttatva utlza a lnguagem matemátca para descrever as causas de um fenômeno e as relações entre varáves. Pela necessdade de explcar a prátca com base na 5

6 teora, utlzou-se a pesqusa bblográfca. As fontes de coleta de dados utlzadas foram os relatóros de compras e vendas, e custos de fretes envolvdos no período de janero de 2008 a feverero de Por meo desses dados, utlzando o Método Centro de Gravdade, buscou-se determnar a melhor localzação para o centro de dstrbução além da avalação das atuas nstalações. Por meo da utlzação do Software Google Earth, encontrou se as dstâncas entre as cdades e também as longtudes (x) e lattudes (y) para as cdades onde exstem clentes. 4. DESENVOLVIMENTO 4.1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA A empresa em estudo tem sede em Barra Mansa, nteror do estado do Ro de Janero. O produto de venda é o alho n natura. A maor parte do alho ofertado pela empresa vem da Chna e é descarregado no porto de Sepetba Ro de Janero e tem como destno, após os tramtes aduaneros, um armazém geral contratado pela empresa, stuado em Barra Mansa., com capacdade para caxas. Após o descarregamento do alho do contaner refrgerado é necessáro colocar o produto para secar, pos ao sar do contêner refrgerado e entrar em contato com a temperatura ambente ele fca úmdo. No processo de secagem são utlzados ventladores em pontos estratégcos. Se o alho não passar por esse processo e for para o clente anda úmdo, ele poderá chegar com fungos, coznhar (quemar) e fcar com odor. O tempo necessáro para secagem é de 3 das. Quando este armazém encontra-se com sua capacdade máxma esgotada, utlza-se outro armazém também contratado pela empresa stuado no Ro de Janero e com capacdade para caxas. Cada contêner vem com caxas e alguns têm destno dreto (sem passar no armazém): para o Ro de Janero e para Vtóra Espírto Santo. Abaxo segue tabela com dstânca e valor do frete do contêner de 40 : TABELA 1 - s dos Fretes. DESTINO SEPETIBA-RJ X DESTINO (KM) R$ FRETE + 5% ISS Barra Mansa - RJ 120 Km R$ 1.470,00 Ro de Janero- RJ 50 Km R$ 1.029,00 Vtóra ES 600 Km R$ 2.992,50 Fonte: Empresa Pesqusada (2009). Os três prncpas clentes estão localzados nas cdades do Ro de Janero, Vtóra e São Paulo. 4.2 ESTUDO DE CASO Este estudo de caso busca determnar qual sera a melhor localzação para um Centro de Dstrbução consderando apenas os valores de custos de transporte (suprmento e dstrbução) para a dstrbução de alho n natura de uma determnada empresa. A análse realzada fo feta comparando-se os custos de transporte com o centro de dstrbução na cdade de Barra Mansa - RJ (cenáro atual) com o ndcado pelo método do centro de gravdade (cenáro 1). Como a empresa possu nstalações em Vtóra, a análse ncluu a possbldade de um centro de dstrbução em Vtóra ES (Cenáro 2). Uma 6

7 tercera alternatva fo avalada consderando a nstalação de dos centros de dstrbução: um na cdade do Ro de Janero - RJ e outro na cdade de Vtóra - ES (cenáro 3). Esta análse fo realzada pos a empresa possu clentes em todo o Brasl e nstalações também nessas duas cdades. Dessa forma, os clentes do nordeste, centro-oeste e algumas cdades de mnas Geras seram atenddos por Vtóra e os demas pelo ro de Janero CENÁRIO ATUAL Para o cenáro atual foram levantadas as nformações de movmentação de mercadora e os custos envolvdos. A tabela 2 mostra os custos da dstrbução e suprmento das cargas que chegam e saem do centro de dstrbução em Barra Mansa. Tabela 2. Cenáro Atual: CD Barra Mansa. Regão caxas vagens Dstânca km CD BARRA MANSA de dstrbução Nordeste R$ ,00 Centro oeste R$ ,00 Sudeste R$ ,00 Sul R$ ,00 de suprmento (dstrbução + suprmentos) TOTAIS R$ ,00 R$ ,00 R$ , CENÁRIO 1 Utlzando a equação (2), encontrou-se a melhor localdade: com uma longtude de 43,43 e uma lattude de 22,12, o ponto determnado para a nstalação sera a cdade do Ro de Janero - RJ. Verfcou-se que os custos de dstrbução e suprmento nesse cenáro estão muto próxmos. Como os prncpas clentes estão na cdade do Ro de Janero, o centro de gravdade se posconou nesse ponto. Para o cálculo do custo, por não se ter os dados referentes ao transporte partndo de cdades dos cenáros 1, 2 e 3, fo utlzado um valor médo de frete (total custo vagem/dstânca total). Apoando-se nos resultados dos cálculos obtdos no cenáro atual, com a melhor localzação para um CD na cdade do Ro de Janero RJ smulou-se os custos envolvdos no transporte, no caso da localzação de um CD da respectva localdade, de forma a comprovar o método. Os dados são mostrados na tabela 3. 7

8 Tabela 3. Cenáro 1: CD Ro de Janero. Regão caxas vagens CD RIO DE JANEIRO Dstânca km de dstrbução Nordeste R$ ,48 Centro oeste R$ ,28 Sudeste R$ ,88 Sul R$ ,76 suprmento (dstrbução + suprmentos) TOTAIS R$ ,40 R$ ,00 R$ ,40 Testou-se a vabldade da nstalação de um CD na cdade do Ro de Janero, conforme dados obtdos no cenáro atual. Constatou-se a vabldade do projeto com relação aos custos de transporte, pos os custos de dstrbução e custo total foram os mas baxos dentre os cenáros propostos. Dessa forma a redução nos custos em relação ao cenáro atual, é de aproxmadamente 18% CENÁRIO 2 A empresa contrata armazéns na cdade de Vtóra ES e para testar a vabldade de um centro de dstrbução, foram smulados os custos de transporte na cdade. A tabela 4 mostra como fcaram o suprmento e a dstrbução das cargas. Tabela 4. Cenáro 2: CD Vtóra. Regão caxas vagens Dstânca km CD VITÓRIA de dstrbução Nordeste R$ ,48 Centro oeste R$ ,92 Sudeste R$ ,63 Sul R$ ,28 suprmento (dstrbução + suprmentos) TOTAIS R$ ,31 R$ ,50 R$ ,81 Nesse cenáro o custo de dstrbução fcou muto alto, passando de R$ (dos mlhões), pratcamente o dobro dos valores do custo de dstrbução, sso por conta da dstânca entre o porto de Sepetba, e a cdade de Vtóra, enquanto que os custos de dstrbução fcaram próxmos aos do cenáro atual. Assm, se tornara nvável, por conta dos custos de suprmento, a nstalação de um únco CD, na cdade de Vtóra CENÁRIO 3 Dvdu-se as cargas de forma a se ter dos CDs, um na cdade de Vtóra que atendera o nordeste, centro-oeste e algumas cdades de Mnas Geras, e um na cdade do Ro de Janero, que atendera os estados do Ro de Janero, São Paulo e algumas cdades de Mnas Geras, além da regão Sul do Brasl. A tabela 5 mostra os dados para o CD vtóra e a tabela 6 os dados para o CD ro de janero. 8

9 Tabela 5. Cenáro 3: CD Vtóra. Regão caxas vagens Dstânca km CD VITÓRIA dstrbução Nordeste R$ ,48 Centro oeste R$ ,92 Espírto Santo R$ 3.011,71 Caratnga R$ 3.757,60 Contagem R$ ,48 suprmento (dstrbução + Suprmentos) TOTAIS R$ ,19 R$ ,50 R$ ,69 Tabela 6. Cenáro 3: CD RIO DE JANEIRO. Regão Ro de Janero caxas vagens Dstânca km CD RIO DE JANEIRO dstrbução São Paulo Regão Sul Ouro Fno suprmento (dstrbução + Suprmentos) TOTAIS R$ ,36 R$ ,00 R$ ,36 Nesse cenáro, somando-se os custos dos dos centros, o de dstrbução sera o menor dentre os cenáros analsados, mas o custo total sera maor que o do cenáro atual, pos o custo de suprmento é maor. Sera nvável a dvsão das cargas em dos CDs, pos o custo total sera maor que o custo total atual, conforme mostra o gráfco 1. Gráfco 1. Comparação dos custos do transporte de suprmento e dstrbução para os cenáros analsados. 9

10 Os custos de suprmento se mostraram mas sensíves que os custos de dstrbução, pos se trafega uma carga muto grande do produto para o Centro de Dstrbução, de onde posterormente será dstrbuída e quanto mas próxmo esse CD estver do porto, menor será esse custo. Essa dstânca tem grande peso nos custos de transporte, pos como fo verfcado, o custo de suprmento, quando o CD é dstante do porto, pode chegar ao dobro do valor de dstrbução, o que nvablza o projeto. Observou-se que o cenáro atual com CD na cdade de Barra Mansa, tem custos de suprmento e dstrbução com valores bem próxmos, pos o CD encontra-se próxmo ao porto. No cenáro 1, com um CD na cdade do Ro de Janero, comprova-se que a utlzação do método trás vantagens em termos de custos. O cenáro 2, com a smulação de um CD na cdade de Vtóra, tera um custo de suprmento muto alto, tendo em vsta a dstânca do porto de Sepetba, enquanto que o custo de dstrbução fcara um pouco abaxo do cenáro atual. No cenáro 3, smulou-se a utlzação de dos CDs, e os custos de suprmento foram bastante elevados, por conta da dstânca do CD de Vtóra, enquanto que os custos de dstrbução foram os mas reduzdos entre os cenáros apresentados, sendo que os custos totas foram bastante elevados. 5. CONCLUSÃO O Método Centro de Gravdade adotado nos mostra a melhor localzação para a nstalação de um Centro de Dstrbução no caso estudado neste trabalho. Trabalhou-se apenas os dados referentes aos custos de transporte, sem levar em consderação a mportânca de custos referentes a condções das vas de tráfego, construção, armazenagem, estruturação de centros de dstrbução entre outros, o que pode ser proposto para estudos posterores. Verfcou-se que a prátca atual da empresa apresenta custos de dstrbução e suprmento acetáves, se comparados com os cenáros propostos, o que nos mostra que a localzação atual não é a por alternatva. O cenáro atual não é a por alternatva, porém podese buscar uma melhora, utlzando-se o método apresentado. A utlzação de dos CDs, buscando reduzr os custos, de forma que cada CD estara próxmo aos maores clentes não fo efcente. No CD Vtóra o custo de suprmento fcou bastante elevado, e somando-se com o custo de suprmento do CD Ro de Janero, sera o segundo mas caro entre os cenáros analsados. Mesmo com o menor custo de dstrbução entre os cenáros, somando-se os custos de dstrbução e suprmento, o custo total sera também o segundo maor, o que determna a nvabldade do projeto. Esses valores poderam ser revstos caso a empresa fzesse a mportação pelo porto de Vtóra, o que dmnura os custos de suprmentos para esta localdade. Como lmtações deste trabalho ctam-se a utlzação de uma méda de custos atuas para estmatva do custo total das alternatvas e a consderação da utlzação apenas do porto de Sepetba - RJ, que nfluenca dretamente nos custos de suprmento dos centros mas dstantes. Propõem-se que sejam realzados estudos levando-se em conta valores de fretes reas, descarga em outros portos mas próxmos às nstalações. Outra proposção sera nclur os custos do centro de dstrbução nas dferentes regões o que pode nvablzar um cenáro que apresentou custos de transportes mas baxos. Além dsso, a análse de outros cenáros com a nserção de mas armazéns sera nteressante para verfcar o ponto de mínmo na relação quantdade de centros de dstrbução e custos totas. 10

11 6. REFERÊNCIAS BALLOU, Ronald H. Gerencamento da Cadea de Suprmentos: planejamento, organzação e logístca empresaral. 4. ed. Tradução: Elas Perera, Porto Alegre, Bookman, 532p, BALLOU, Ronald H. Gerencamento da Cadea de Suprmentos/Logístca Empresaral. 5 ed. São Paulo: Bookman, BOWERSOX, Donald J.; CLOSS Davd J. Logístca Empresaral. São Paulo: Atlas, CHRISTOPHER, Martn. Logístca e Gerencamento da Cadea de Suprmentos: estratégas para redução dos custos e melhora dos servços. Ed: Ponera. São Paulo,1997. DAVIS, M. M.; AQUILANO, N. J., CHASE, R. B. Fundamentos da admnstração da produção. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, FIGUEIREDO, Fossat Kleber; FLEURY, Paulo Fernando; WANKE, Peter Logístca e Gerencamento da Cadea de Suprmentos. São Paulo.Edtora Atlas GOUVEIA, Luís Manuel Borges - Logístca e gestão da dstrbução, custos na dstrbução. Porto, Dsponível em Acessado em 16 de ma LAMBERT, Douglas M.; STOCK, James R.; ELLRAM, Lsa M. - Fundamentals of logstcs management. Nova Yorke: McGraw-Hll, NOVAES, Antono Galvão. Logístca e Gerencamento da Cadea de Dstrbução. Ro de Janero: Campus, RITZMAN, Larry P.; KRAJEWSKI, Lee J. Admnstração da Produção e Operações. São Paulo: Prentce Hall, SLACK, Ngel; CHAMBERS, Stuart; JOHNSTON, Robert. Admnstração da Produção. 2 ed. São Paulo: Atlas, TEIXEIRA, Elzabeth. As Três Metodologa: acadêmca, da cênca e da pesqusa. 4.ed. Belém:UNAMA,

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Decisões de localização das instalações. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Decsões de localzação das nstalações Professor: Leandro Zvrtes UDESC/CCT Introdução Localzar nstalações fxas ao longo da rede da cadea de suprmentos é um mportante problema de decsão que dá forma, estrutura

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO Perspectvas Globas para a Engenhara de Produção Fortaleza, CE, Brasl, 13 a 16 de outubro de 2015. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO Janaína Poffo Possama janapoffo@gmal.com Unversdade Regonal de Blumenau Rua Antôno da Vega, 0 8902-900 - Blumenau

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

Análise Fatorial F 1 F 2

Análise Fatorial F 1 F 2 Análse Fatoral Análse Fatoral: A Análse Fatoral tem como prncpal objetvo descrever um conjunto de varáves orgnas através da cração de um número menor de varáves (fatores). Os fatores são varáves hpotétcas

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Avaliação do Nível de Serviço de Operadores Logísticos no Brasil: uma Aplicação de Análise Fatorial e Regressão Logística Binária

Avaliação do Nível de Serviço de Operadores Logísticos no Brasil: uma Aplicação de Análise Fatorial e Regressão Logística Binária Área Temátca: Operações Avalação do Nível de Servço de Operadores Logístcos no Brasl: uma Aplcação de Análse Fatoral e Regressão Logístca Bnára AUTORES: PATRÍCIA PRADO BELFIORE Unversdade de São Paulo

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág.

Física. Setor B. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 23 (pág. 86) AD TM TC. Aula 24 (pág. 87) AD TM TC. Aula 25 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 23 (pág. 86) D TM TC ula 24 (pág. 87) D TM TC ula 25 (pág. 88) D TM TC ula 26 (pág. 89) D TM TC ula 27 (pág. 91) D TM TC ula 28 (pág. 91) D TM TC evsanglo

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

Proposta de modelo de apoio ao reposicionamento e leasing de contêineres em navios

Proposta de modelo de apoio ao reposicionamento e leasing de contêineres em navios Revsta da FAE Proposta de modelo de apoo ao reposconamento e leasng de contêneres em navos A suggested support model for the replacement and leasng of empty cargo contaners n shps Líra Baptsta de Resende*

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Engenharia Civil. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Mestrado em Transportes

Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Engenharia Civil. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Mestrado em Transportes Unversdade Federal do Espírto Santo Departamento de Engenhara Cvl Programa de Pós-Graduação em Engenhara Cvl Mestrado em Transportes EDSON PIMENTEL PEREIRA MODELO MATEMÁTICO PARA PLANEJAMENTO DA CIRCULAÇÃO

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTL.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -XV GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR IPEF n.21, p.85-95, dez.1980 DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR O.D.C.377.45:867.5 SUMMARY Geraldo Galdno de Paula Junor * Aloíso

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

SELEÇÃO DE ROTA MARÍTIMA DE CONTÊINERES UTILIZANDO ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS: UM ESTUDO DE CASO

SELEÇÃO DE ROTA MARÍTIMA DE CONTÊINERES UTILIZANDO ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS: UM ESTUDO DE CASO SELEÇÃO DE ROTA MARÍTIMA DE CONTÊINERES UTILIZANDO ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS: UM ESTUDO DE CASO Marco Arzua Callaux Unversdade Federal Flumnense Annbal Parracho Sant anna Unversdade Federal Flumnense

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

ANÁLISE DA ECOEFICIÊNCIA DOS MODOS DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIROS COM ÊNFASE NO MODO AQUAVIÁRIO

ANÁLISE DA ECOEFICIÊNCIA DOS MODOS DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIROS COM ÊNFASE NO MODO AQUAVIÁRIO ANÁLISE DA ECOEFICIÊNCIA DOS MODOS DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIROS COM ÊNFASE NO MODO AQUAVIÁRIO Vanessa de Almeda Gumarães Ilton Curty Leal Junor Julana Pedroso de Sales Jullyanna da Costa Abade Fernanda

Leia mais

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 13 n.4 Out/Dez 2008, 83-98 Mercado de Água e o Estado: Lções da Teora dos Jogos Francsco de Asss de Souza Flho Unversdade Federal do Ceará - UFC assssouzaflho@gmal.com

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos

ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: Teoria Econômica e Métodos Quantitativos INFORMAÇÕES ASSIMÉTRICAS NO MERCADO DE CRÉDITO: UMA ABORDAGEM SOBRE O COMPORTAMENTO DOS BANCOS BRUNO FERREIRA FRASCAROLI Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Federal da Paraíba

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE APLICADO AO TRANSPORTE DE CADEIRANTES

PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE APLICADO AO TRANSPORTE DE CADEIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRANSPORTES PATRÍCIA PERRETTO RODRIGUES PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI APOSTILA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO I Prof. Wllam Morán UFPI PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA II: Prof. Wllam Morán 2 Problema 1: O gráfco PERT fo preparado no níco de um

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO 1) CONCEITOS O dconáro Mchaels refere-se a Logístca como uma cênca mltar que trata do alojamento, equpamento e transporte de tropas, produção, dstrbução,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA NO RISCO FINANCEIRO DE PROJETOS HIDROELÉTRICOS

AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO MECANISMO DE REALOCAÇÃO DE ENERGIA NO RISCO FINANCEIRO DE PROJETOS HIDROELÉTRICOS GPL/011 21 a 26 de Outubro de 2001 Campnas - São Paulo - Brasl GUPO VII GUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTICOS AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO MECANISMO DE EALOCAÇÃO DE ENEGIA NO ISCO FINANCEIO DE

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA.

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. MÁRCIA PAIXÃO 1 MÁRCIA FONSECA 2 Resumo: No níco do século XXI, notadamente os Estados Undos (EUA) e Unão

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

ESTABILIZADORES DE TENSÃO ALTERNADA PARA ALIMENTAÇÃO DE CARGAS NÃO- LINEARES: ESTUDO DE VARIAÇÕES TOPOLÓGICAS E MÉTODOS DE CONTROLE

ESTABILIZADORES DE TENSÃO ALTERNADA PARA ALIMENTAÇÃO DE CARGAS NÃO- LINEARES: ESTUDO DE VARIAÇÕES TOPOLÓGICAS E MÉTODOS DE CONTROLE UNIERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓSGRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA PROJETO DE TESE DE DOUTORADO ESTABILIZADORES DE TENSÃO ALTERNADA PARA ALIMENTAÇÃO DE CARGAS NÃO LINEARES: ESTUDO DE

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO

O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO Crstna Martns Paraol crstna@hotmal.com Insttuto Federal Catarnense Rua Prefeto Francsco Lummertz Júnor, 88 88960000 Sombro

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA GGH - 33 6 a 2 Outubro de 2005 Curtba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH OIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DAS FERROVIAS BRASILEIRAS COM O USO DA ANÁLISE RELACIONAL GREY

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DAS FERROVIAS BRASILEIRAS COM O USO DA ANÁLISE RELACIONAL GREY AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DAS FERROVIAS BRASILEIRAS COM O USO DA ANÁLISE RELACIONAL GREY Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Av. Desembargador Ells Hemído Fguera, 783 - CEP 27250-000 Volta

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16%

RISCO. Investimento inicial $ $ Taxa de retorno anual Pessimista 13% 7% Mais provável 15% 15% Otimista 17% 23% Faixa 4% 16% Análse de Rsco 1 RISCO Rsco possbldade de perda. Quanto maor a possbldade, maor o rsco. Exemplo: Empresa X va receber $ 1.000 de uros em 30 das com títulos do governo. A empresa Y pode receber entre $

Leia mais

3 Formulação da Metodologia

3 Formulação da Metodologia 54 3 Formulação da Metodologa 3.1. Resumo das Prncpas Heurístcas de Solução A maora das heurístcas de solução para o ELSP aborda o problema na sua forma clássca, sto é, quando os tempos e custos de setup

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais