Gestão de operações logísticas num armazém usando modelos de apoio à decisão

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão de operações logísticas num armazém usando modelos de apoio à decisão"

Transcrição

1 IO º Congresso da ADIO, 7 a 9 de Setembro de Gestão de operações logístcas num armazém usando modelos de apoo à decsão Carla Aleandra Soares Geraldes * Mara do Samero Carvalho Gulherme A. B. erera * Insttuto oltécnco de Bragança Escola Superor de Tecnologa e Gestão Departamento de Gestão Industral Unversdade do Mnho Escola de Engenhara Departamento de rodução e Sstemas {samero Centro Algortm Unversdade do Mnho Abstract Today's compettve and volatle market demands fleblty, qualty and effcency from the logstcs operatons. In ths contet, warehouses are an mportant lnk of the logstc chan and warehouse management plays a determnant role over customer's servce. Throughout ths work we support some warehouse management decsons wth mathematcal models. These models allowed us to redesgn a partcular warehouse and mplement a new storage polcy. The output of these models may also be taken as a startng pont for further detaled warehouse operatons decsons, especally as far as the optmzaton of the pckng process s concerned. Resumo Os armazéns são elos mportantes da cadea logístca, pelo que, no conteto de um mercado global, altamente compettvo e egente, a sua gestão cumpre um papel muto relevante no que dz respeto quer à obtenção dos níves de servço prestados ao clente quer à mnmzação dos custos logístcos totas. Neste trabalho é realzada a reestruturação de operações logístcas num armazém. A reestruturação realzada teve por base a mplementação dos resultados obtdos por resolução de dos modelos de programação matemátca que permtram redmensonar as áreas funconas no armazém e localzar os produtos dentro dessas áreas, segundo a polítca de localzação adoptada. As soluções obtdas permtram não só reestruturar o armazém como abrram lugar ao estudo e mplementação de novas estratégas, para posteror optmzação do processo de pckng. Keywords: Logstcs operatons, Warehousng, Mathematcal programmng, Case study Ttle: Decson support models on warehouse logstcs operatons

2 68 C.A.S. Geraldes et al., Operações logístcas num armazém 1 Introdução O planeamento e concepção das operações num armazém é um problema compleo pos nclu um elevado número de decsões nter-relaconadas de processos, recursos e de organzação. Nessas decsões, para além da defnção da sua localzação geográfca e da determnação da sua dmensão, nclu-se a defnção do layout, a selecção de equpamentos e tecnologas, a defnção de zonas funconas, a localzação dos produtos, a geração de lstas de pckng, a defnção de rotas de pckng, etc. O obectvo a atngr é mamzar a utlzação os recursos dsponíves garantndo os requstos dos clentes. Rouwenhorst et al. (2000) classfcou as decsões a tomar em estratégcas, táctcas e operaconas. As decsões de carácter estratégco são decsões consderadas de longo prazo. Neste grupo de decsões podemos nclur a determnação das prncpas polítcas e planos para utlzar os recursos da empresa que melhor suportam a estratéga de compettvdade de longo prazo adoptada. As decsões consderadas táctcas têm como obectvo atngr a máma efcênca em termos de materas e de mão-de-obra, de acordo com as restrções decorrentes das decsões estratégcas adoptadas. A este nível, as relações entre as váras decsões a tomar são menores se comparadas com as estentes ao nível estratégco. No entanto, as decsões tomadas a este nível têm um enorme mpacto nos restantes problemas operaconas por soluconar. Ou sea, este conunto de decsões traduz as lmtações sobre as quas serão tomadas as decsões consderadas de nível operaconal. Ao nível operaconal as decsões envolvdas dzem respeto aos problemas de atrbução e controlo de pessoas e equpamentos. Atendendo a que as relações estentes entre os dferentes processos são, tpcamente, tratadas nos níves estratégco e táctco podemos afrmar que, a este nível, as polítcas adoptadas nteragem pouco podendo, então, ser analsadas ndependentemente. Berg e Zm (1999) debateram e apresentaram uma classfcação herárquca para os problemas operaconas nos armazéns. Adconalmente, estes autores relembraram modelos de programação matemátca que suportam algumas das decsões a tomar em cada um dos níves consderados. Hassan (2002) apresentou uma estrutura de orentação para a concepção do layout de um armazém e para a defnção dos processos que lhe estão assocados. As lnhas de orentação apresentadas têm em conta dversos factores e dversas operações sendo o obectvo prncpal a obtenção de um layout com as seguntes característcas: modular, adaptável, compacto, acessível, fleível, com utlzação óptma do espaço dsponível e onde os movmentos e os congestonamentos seam reduzdos ao mínmo. Gray et al. (1992) descreveram e modelaram os problemas de concepção e de operação de um armazém típco de dstrbução. Esta abordagem ncluu a defnção do layout, a selecção de equpamentos e tecnologas, a localzação dos produtos, a defnção de zonas e rotas de pckng, bem como a defnção das lstas de pckng e do lote de encomendas a consderar. Dada a compledade do problema consderado, os autores desenvolveram uma abordagem herárquca mult-estágo que consdera uma sequênca de modelos matemátcos e as nteracções entre eles. Essa abordagem caracterza-se pela coordenação dos modelos matemátcos que ncorporam as trocas económcas mas mportantes, de forma a fazer recar a decsão sobre um número reduzdo de alternatvas. A técnca de smulação fo também utlzada para que, de uma forma ntegrada, os resultados analítcos obtdos fossem valdados. Heragu (2005) abordou a questão do dmensonamento das áreas do armazém untamente com a atrbução dos produtos a essas áreas. Trata-se de um modelo de alto nível que, em smultâneo, permte determnar a dmensão de cada área funconal bem como o tpo de fluo para cada produto mnmzando os custos totas de movmentação e de armazenamento. Relatvamente às polítcas operaconas são partcularmente relevantes as polítcas de localzação. Estas polítcas são um conunto de regras que determnam a localzação no armazém das undades de carga dos dferentes produtos (Goetschalck et al., 1990). Lu (1999) propôs um modelo matemátco de programação bnára que permte agrupar os produtos num armazém em clusters.

3 IO º Congresso da ADIO, 7 a 9 de Setembro de Consderando as mplementações prátcas, é bastante frequente a utlzação de uma abordagem sequencal dos város aspectos envolvdos aquando da concepção de um armazém. Tpcamente, há que decdr quas as necessdades de armazenamento e de layout para, posterormente, determnar quas os sstemas de armazenamento e o equpamento de movmentação necessáro para que se possam defnr as polítcas operaconas a adoptar. No entanto, na concepção de uma nstalação óptma há que consderar as relações estentes entre todos os aspectos envolvdos. Neste trabalho são abordados alguns dos problemas encontrados na reestruturação de um armazém de uma empresa ortuguesa (Geraldes, 2007). Em partcular, serão analsados dos aspectos: o redmensonamento das áreas funconas no armazém e a localzação dos produtos dentro das áreas funconas. ara o redmensonamento das áreas funconas será construído um modelo de programação ntera msta, adaptado a partr modelo proposto por Heragu (2005), que permte, de forma ntegrada, encontrar a dmensão óptma de cada área funconal e, smultaneamente, dstrbur os produtos pelas áreas consderadas. O dmensonamento e atrbução dos produtos é efectuado mnmzando os custos totas de movmentação e de armazenamento. osterormente, e partndo dos resultados obtdos por resolução do modelo será também analsada uma nova polítca de localzação baseada na técnca de clusters. Com este trabalho pretende-se não só contrbur para a resolução dos problemas com que a empresa se debate, como também analsar o desempenho dos modelos de programação usados, quando submetdos à resolução de problemas reas. 2 Caso de estudo A Fctíca 1 é uma empresa ortuguesa localzada em Gumarães que produz e dstrbu cutelaras e utldades doméstcas. A empresa detém uma posção sólda no mercado contando com cerca de 1200 clentes dstrbuídos por todo o terrtóro naconal (hpermercados (85%), retalho (10%), hotés (1%) e outros (1%)) e também em Espanha e Áfrca (3%). A par dos produtos adqurdos a fornecedores naconas (25%) a empresa recebe cerca de 20-30% dos seus produtos de fornecedores da Chna e os restantes são orundos de fornecedores Europeus. Em méda, a Fctíca processa cerca de 40 encomendas dáras, com uma méda de 20 tens por encomenda. ara o armazenamento dos seus produtos, a empresa dspõe de um edfíco com um total de 4000 m 2 e tem arrendado um edfíco com 1200 m 2 para armazenamento suplementar que dsta 3 km do armazém prncpal. No armazém prncpal os produtos encontram-se armazenados em paletes em estantes com 4 níves em altura. O armazém prncpal encontra-se dvddo em duas áreas funconas: armazenamento e pckng. Daramente, uma equpa de 15 funconáros efectua as operações de recepção, armazenamento, pckng, consoldação e epedção das encomendas. As operações de recepção e armazenamento são, normalmente, realzadas durante o período da manhã. Durante o período da tarde, enquanto decorre a operação de pckng, as encomendas processadas são verfcadas, embaladas e epeddas. O transporte e entrega das encomendas estão a cargo de um operador logístco. Consequênca dos elevados custos operaconas e do bao nível de produtvdade verfcada, a empresa enfrenta grandes dfculdades em se manter compettva. Adconalmente, a empresa depara-se com uma dmnução acentuada do nível de servço aos clentes. Esta dmnução do nível de servço prestado é resultado de ) processamento de encomendas com tempos de cclo longos; ) constantes alterações no padrão das encomendas; ) erros no processamento das encomendas (p.e. resultado de rupturas de stock). Fnalmente, a empresa depara-se com um problema de falta de espaço de armazenamento consequênca da enorme varedade de produtos em armazém e dos elevados níves de nventáro necessáros para fazer face aos longos tempos de entrega de alguns fornecedores (chegam a ser de 4 meses). 1 or questões de confdencaldade é omssa a denomnação da empresa.

4 70 C.A.S. Geraldes et al., Operações logístcas num armazém A escassez de área de armazenagem e a nefcênca das operações logístcas são, em parte, consequênca da quantdade de produtos obsoletos e da estênca de város produtos de baa rotação que vão sendo colocados ao longo dos corredores mpedndo o fácl acesso às posções de stock. A realzação de uma análse ABC permtu dentfcar que do total de referêncas estentes apenas 43% havam sdo processadas e que 8 dos 1200 clentes são responsáves por 70% do valor facturado. Do tempo necessáro para realzar as operações logístcas, 10% é gasto na procura dos produtos ao longo do armazém e cerca de 60% é ocupado com o processamento da encomenda. Os valores regstados são consequênca de um elevado nível de desorganzação, da ausênca de rotas de pckng, da estênca de um layout pouco efcente e da falta de um sstema de nformação ntegrado. Adconalmente, o fraco planeamento das operações em armazém e a ncapacdade de estabelecer prevsões estão na orgem da adopção de polítcas erradas para a gestão dos nventáros. Verfcou-se, também, a ausênca de codfcação das posções em stock, a localzação de produtos de alta rotação em locas de dfícl acesso, estênca de artgos em armazém não recepconados e a nestênca de zonas funconas bem defndas. No caso em estudo foram consderados os dos modelos a segur apresentados que, aplcados de forma sequencal, suportaram decsões tomadas aquando da reestruturação realzada. 3 Modelos de apoo à decsão 3.1 Dmensonamento das áreas funconas e dentfcação dos fluos dos produtos no armazém O prmero modelo consderado (Geraldes, 2008b), adaptado de Heragu (2005), permtu redmensonar as dferentes áreas funconas no armazém, bem como dentfcar o fluo de cada produto no armazém. Consderemos então as seguntes áreas funconas: recepção, epedção, reserva e prncpal, e os possíves fluos em armazém (Fgura 1). Fluo 1 Recepção Reserva Fluo 2 rncpal Epedção Fluo 3 Fgura 1: Fluos de materal no armazém. Além do local de recepção e de epedção que se stua, respectvamente, unto ao cas de entrada e de saída das mercadoras, consderam-se duas áreas dstntas de armazenamento área de reserva e a área prncpal ou de pckng. Na área de reserva serão localzados os artgos de menor rotação bem como o stock de reasbastecmento dos artgos colocados na área prncpal. Na área prncpal encontraremos os produtos cua rotação é maor. É nesta área que se realza a operação de pckng na sua quase totaldade. O Fluo 1 dz respeto aos produtos armazenados apenas na área de reserva. Como tal, a operação de pckng é realzada nesta área conforme necessáro. O Fluo 2 representa o fluo típco em armazém: os produtos são armazenados na área de reserva, sendo que uma parte da carga é movmentada para a área prncpal onde se realza a

5 IO º Congresso da ADIO, 7 a 9 de Setembro de operação de pckng. Fnalmente, o Fluo 3 representa os produtos que são envados drectamente para a área prncpal. Consdere-se então a segunte notação: arâmetros λ : procura anual do produto, em undades de carga H C : : custo anual de movmentar uma undade do produto no fluo custo anual de armazenar uma undade do produto no fluo Q 2 : stock médo em armazém do produto, em undades de carga TS : espaço total dsponível p : percentagem méda do tempo de permanênca na área de reserva do produto este tem um fluo do tpo 2 LL LL, UL R R, UL : : lmtes nferor e superor da área de reserva lmtes nferor e superor da área de prncpal se Varáves de decsão X 1 se o produto é atrbuído ao fluo = 0 caso contráro β, γ : percentagem de espaço atrbuída às áreas funconas : reserva ( β ) e prncpal ( γ ) O modelo de programação matemátca que permte determnar o fluo ao qual cada produto deve ser afectado e, smultaneamente, a dmensão das áreas funconas consderadas é: n = 1 mn n = 1 n 3 n 3 ( H λ X ) + ( C Q 2 X ) = 1 = 1 ( Q /2X ) + ( p Q /2X ) 1 3 = 1 (( 1 p )( Q /2X )) + ( Q /2X ) X LL LL R = 0 X n = 1 2 β + γ 1 β, γ 0 ou = 1 = 1 = 1 X = 1 n βts UL γts UL = 1 R 2, βts 3 γts A função obectvo (1) consdera os custos totas de movmentação e de armazenamento. A ntegrdade do modelo é estabelecda garantndo que cada produto é atrbuído a um e um só fluo (2) e que o espaço total dsponível não é ultrapassado (3)-(4), garantndo-se também que os lmtes nferor e superor mpostos para cada uma das áreas funconas são respetados (6)-(7). Os resultados obtdos, por resolução do modelo, têm um papel mportante na reestruturação do armazém. No entanto, mutas outras decsões fcaram ecluídas, por eemplo, defnção da polítca de localzação a adoptar. Veamos de seguda o modelo que aborda a polítca de localzação adoptada (Geraldes, 2008a). Trata-se de um modelo de programação matemátca que consdera as eventuas relações entre os produtos formando clusters. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9)

6 72 C.A.S. Geraldes et al., Operações logístcas num armazém 3.2 Localzação dos produtos na área prncpal A necessdade de agrupar os produtos, formando clusters, para uma efcaz e efcente localzação do stock e posteror operação de pckng tem sdo bem recebda pelos gestores de armazéns. Um cluster dz respeto a um grupo de produtos smlares. O obectvo é agrupar os produtos em clusters por forma a que os tens pertencentes ao mesmo cluster tenham entre s um elevado grau de assocação (smlardade). Sea uma varável bnára que é 1 se o produto é atrbuído ao cluster e 0 caso contráro. Consdere-se também a varável bnára y que representa o produto tpo de todos os produtos ncluídos no cluster (cluster medano). Se y = 1 se produto é selecconado para cluster medano e, caso contráro, y = 0. A formalzação geral do modelo de pode ser apresentada como: y = 1 ma y = 0 ou = 0 ou = 1 = 1,..., = 1 = 1 = 1 y s, = 1,..., = K = 1, = 1,..., y = 1 = 1,..., (10) (11) (12) (13) (14) (15) Onde s representa a medda de smlardade adoptada e K é o número de clusters consderados. A função obectvo consderada (10) permte selecconar K produtos tpo como medanas, para que a soma das smlardades de todos os produtos agrupados sea mamzada. As restrções garantem que cada produto pertence a um e um só cluster (11), que os produtos são atrbuídos apenas a clusters medanos (12) e que não se ultrapassa o número mámo de clusters consderados (13). 4 Aplcação dos modelos ao caso de estudo Neste estudo foram consderados os 1500 artgos consderados actvos, um stock médo de 2257 undades de carga (paletes) e o total de 2000 posções de stock. Os parâmetros envolvdos no modelo de dmensonamento (procura anual, stock médo e os custos de manuseamento e de armazenamento) foram calculados com base nos dados hstórcos referentes aos últmos dos anos e meo. A solução obtda defne 880 posções de stock para a área de reserva (44% espaço total) e 300 posções de stock para a área prncpal (15% espaço total). 43% recepção reserva 44% 45% prncpal 15% epedção 12% Fgura 2: Solução do modelo de dmensonamento.

7 IO º Congresso da ADIO, 7 a 9 de Setembro de Cerca de 43% do total dos produtos fcam com um fluo do tpo 1, 45% são atrbuídos ao fluo 2 e os restantes 12% têm um fluo do tpo 3 (Fgura 2). osterormente, e consderando como medda de smlardade a probabldade de um qualquer par de produtos constar na mesma encomenda (Tabela 1), fo determnada a estrutura de clusters para os produtos atrbuídos à área prncpal. A título de eemplo foram consderados 30 clusters. Quando consderados os parâmetros ndcados a estrutura de clusters obtda é a apresentada na Tabela 2. Tabela 1: Matrz de smlardade entre os produtos Tabela 2: Eemplo de clusters obtdos. {8, 37, 70, 90, 101} {103, 107} {11, 6, 42, 47, 87} {14, 51, 58, 81, 92, 112} {44, 60, 88} {52, 113, 120, 129} Estrutura de Clusters A Tabela 3 apresenta alguns detalhes (N.º varáves, N.º restrções, Tempo de CU) das soluções obtdas por utlzação da ferramenta de desenvolvmento e resolução de modelos de optmzação LINGO 9.0. Tabela 3: Detalhes das soluções dos modelos. N.º varáves Tempo de CU N.º restrções total nteras [hh:mm:ss] Modelo :01:44 Modelo :00:27 Consequênca deste estudo, a empresa decdu reorganzar o armazém: foram dentfcadas as áreas funconas e os produtos foram alocados às respectvas áreas. Relatvamente aos produtos armazenados na área de pckng, os de maor rotação foram posconados perto do local de epedção e aos níves 1 e 2 da estantera. Os níves 3 e 4 foram ocupados com stock de reabastecmento e com artgos de menor rotação. Adconalmente foram propostas outras meddas com o obectvo de melhorar o desempenho do armazém, tas como: elmnação dos produtos sem rotação, codfcação das posções de stock, o desenvolvmento de um sstema de nformação e a ntrodução de meddas de desempenho. 5 Conclusões O planeamento e concepção de um armazém é uma actvdade complea que deve ser mnucosamente eamnada e adaptada para r ao encontro e até antecpar futuras egêncas. A compledade assocada ao planeamento e concepção destas nstalações é orgnada pelo elevado conunto de decsões nter-relaconadas, por envolver váras varáves de decsão e, pelo facto de, por vezes, os obectvos a atngr serem contradtóros. Essa compledade leva a que, e apesar das váras questões estarem bem dentfcadas, não as possamos reduzr a problemas solados. or tudo sto, utlzar um modelo únco onde seam ncluídos todos os aspectos envolvdos torna-se uma tarefa árdua pos as alternatvas estentes são númeras. Este estudo abordou os problemas operaconas do armazém de uma empresa que produz e dstrbu cutelaras e utldades doméstcas. Um compleo e vasto conunto de

8 74 C.A.S. Geraldes et al., Operações logístcas num armazém problemas fo dentfcado e algumas soluções mplementadas. Em partcular, este estudo analsou o dmensonamento das áreas funconas, a dstrbução dos produtos pelas áreas funconas e a adopção de uma polítca de localzação para a área de pckng. ara tal foram utlzados modelos de programação matemátca de apoo à tomada destas decsões. O modelo de programação ntera msta utlzado para o dmensonamento das áreas funconas e para a dstrbução dos produtos pelas dferentes áreas revelou ser bastante promssor na defnção do novo layout tendo permtdo uma redução substancal na área total de armazenamento Consequentemente deou de ser necessáro o arrendamento do armazém aular. A mplementação dos resultados obtdos por resolução deste modelo abru lugar ao estudo de uma nova polítca de localzação. Apesar da polítca adoptada ter em consderação as correlações estentes entre os dferentes produtos, não são eplctamente consderados os custos operaconas envolvdos. Outra desvantagem prende-se com o facto de serem necessáras regras de sequencamento para defnr a localzação dentro da área funconal. A mplementação dos resultados obtdos por resolução destes modelos mostrou que os modelos são efcentes, o que os torna promssores na resolução de problemas reas. No entanto, mutas decsões fcaram por tomar. or eemplo, dado que a polítcas de pckng estão fortemente relaconadas com as polítcas de localzação torna-se mprescndível o estudo de polítcas de pckng para que sea possível avalar o desempenho da polítca de localzação adoptada. 6 Referêncas Berg, J.. van den and Zm, W. H. M. (1999) Models for warehouse management: Classfcaton and eamples, Internatonal Journal of roducton Economcs, Vol. 59, pp Geraldes, C. (2007) Modelos de programação lnear aplcados à gestão das operações de um armazém caso prátco, Tese de Mestrado, Dep. rodução e Sstemas, Unversdade do Mnho, Braga, ortugal. Geraldes, C., Carvalho, S., erera, G. (2008a) A lnear programmng model for the storage locaton assgnment problem case study. roceedngs of the 15th European Concurrent Engneerng Conference. orto, ortugal. EUROSIS-ETI, ISBN: Geraldes, C., Carvalho, S., erera, G. (2008b) A warehouse desgn decson model case study. roceedngs of the IEMC-Europe 2008 (Internatonal Engneerng Management Conference). Estorl, ortugal. ISBN: , IEEE Catalog Number: CF08EMS. Goetschalck, M. and Ratlf, H. D. (1990) Shared Storage olces Based on the Duraton Stay of Unt Loads, Management Scence, Vol. 36, No 9, pp Gray, A. E., Karmarkar, U. S. and Sedmann, A. (1992) Desgn and operaton of an orderconsoldaton warehouse: models and applcaton, European Journal of Operatonal Research, Vol. 58, No 1, pp Hassan, M. (2002) A framework for the desgn of warehouse layout, Facltes, Vol. 20, No 13/14, pp Heragu, S. S., Du, L., Mantel, R. J. and Schuur,. C. (2005) Mathematcal model for warehouse desgn and product allocaton, Internatonal Journal of roducton Research, Vol. 43, No 2, pp Lu, C. (1999) Clusterng technques for stock locaton and order-pckng n a dstrbuton center, Computers & Operatons Research, Vol. 26, pp Rouwenhorst, B. et al. (2000) Warehouse desgn and control: Framework and lterature revew, European Journal of Operatonal Research, Vol. 122, pp Salvendy, G. (eds.) (2001) Handbook of Industral Engneerng: Technology and Operatons Management, 3rd ed., John Wley & Sons, Inc., ch. 81, pp

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS 2 PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Determnar a sequênca de operações de fabrco, quas e quantos recursos estão dsponíves para cada tpo de operação, como fluem os materas e as pessoas, qual

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais

Estudo para Implementação de um Sistema de Roteirização e um Novo Centro de Distribuição para uma Empresa de Água Mineral do Sul de Minas Gerais Estudo para Implementação de um Sstema de Roterzação e um Novo Centro de Dstrbução para uma Empresa de Água Mneral do Sul de Mnas Geras Ilton Curty Leal Junor ltoncurty@gmal.com UFF Dego de Olvera Pexoto

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO I INTRODUÇÃO No mundo globalzado e etremamente compettvo em que as empresas dsputam espaço, clentes, reconhecmento e acma de tudo, condções de permanecer compettvas e lucratvas no mercado, é fundamental

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Optimização da Exploração de Recursos Térmicos considerando a Restrição de Emissões

Optimização da Exploração de Recursos Térmicos considerando a Restrição de Emissões J. Catalão et al. / Investgação Operaconal, 26 (26) 147-161 147 Optmzação da Exploração de Recursos Térmcos consderando a Restrção de Emssões João Catalão Sílvo Marano Vctor Mendes Luís Ferrera Departamento

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES

FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES Edmlson Rodrgues Pnto Leandro Alves Perera Faculdade de Matemátca Faculdade de Matemátca Unversdade Federal de Uberlânda

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO Janaína Poffo Possama janapoffo@gmal.com Unversdade Regonal de Blumenau Rua Antôno da Vega, 0 8902-900 - Blumenau

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DIÁRIA DE IMAGENS DE UM SATÉLITE DE OBSERVAÇÃO: UMA FORMULAÇÃO REDUZIDA

PROGRAMAÇÃO DIÁRIA DE IMAGENS DE UM SATÉLITE DE OBSERVAÇÃO: UMA FORMULAÇÃO REDUZIDA PROGRAMAÇÃO DIÁRIA DE IMAGENS DE UM SATÉLITE DE OBSERVAÇÃO: UMA FORMULAÇÃO REDUZIDA Glaydston Mattos Rbero 1,2 e Luz Antono Noguera Lorena 2 1 Departamento de Cênca da Computação e Informátca Faculdade

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar Análse do sstema logístco de descarga de cana ntera e pcada de uma usna de cana de açúcar Abstract Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Neto Unversdade Federal de São Carlos e-mal: pap@rs.ufscar.br Logstcs

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* Paulo Soares Esteves Carolna Res 1. INTRODUÇÃO Uma Taxa de Câmbo Efectva (TCE) é um ndcador que agrega váras

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DE MUDANÇA DE ESTRATÉGIA DE GESTÃO DA DEMANDA DE MAKE-TO-ORDER PARA ASSEMBLY-TO-ORDER.

METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DE MUDANÇA DE ESTRATÉGIA DE GESTÃO DA DEMANDA DE MAKE-TO-ORDER PARA ASSEMBLY-TO-ORDER. METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DE MUDANÇA DE ESTRATÉGIA DE GESTÃO DA DEMANDA DE MAKE-TO-ORDER PARA ASSEMBLY-TO-ORDER. Rcardo Ferrar Pacheco Pontfíca Unversdade Católca do Paraná Programa de Pós-graduação

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR IPEF n.21, p.85-95, dez.1980 DIMENSIONAMENTO DE UMA FROTA DE CAMINHÕES PARA TRANSPORTE DE CARVÃO VEGETAL POR MEIO DA PROGRAMAÇÃO LINEAR O.D.C.377.45:867.5 SUMMARY Geraldo Galdno de Paula Junor * Aloíso

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias.

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias. Otmzação da localzação das bases de ambulâncas e do dmensonamento das suas regões de cobertura em rodovas. Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Departamento de Engenhara de Produção Unversdade Federal de São

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO*

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Artgos Verão 2006 QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Sóna Cabral** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As quotas de mercado das exportações

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA.

SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA. A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves a 7 de novembro de, Natal-RN SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA.

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA

PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA Sabr Rbas, Igor Machado Coelho Marcone Jamlson Fretas Souza, Davd Menott Unversdade Federal de Ouro Preto Departamento de Cênca

Leia mais

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil

RAE-eletrônica ISSN: 1676-5648 rae@fgv.br. Escola de Administração de Empresas de São Paulo. Brasil RAE-eletrônca ISSN: 676-5648 rae@fgv.br Escola de Admnstração de Empresas de São Paulo Brasl Gumarães, Ináco Andrusk; Chaves Neto, Anselmo RECONHECIMENTO DE PADRÕES: METODOLOGIAS ESTATÍSTICAS EM CRÉDITO

Leia mais

Gestão e Teoria da Decisão

Gestão e Teoria da Decisão Gestão e Teora da Decsão Logístca e Gestão de Stocks Estratégas de Localzação Lcencatura em Engenhara Cvl Lcencatura em Engenhara do Terrtóro 1 Estratéga de Localzação Agenda 1. Classfcação dos problemas

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

Modelagem matemática de kanbans em uma empresa de manufatura enxuta

Modelagem matemática de kanbans em uma empresa de manufatura enxuta Modelagem matemátca de kanbans em uma empresa de manufatura enxuta João Flávo de Fretas Almeda joaoflavo.ufmg@gmal.com RESUMO Este artgo apresenta a elaboração de um modelo matemátco de programação lnear

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

CLUSTERING SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO DE BERÇOS

CLUSTERING SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO DE BERÇOS CLUSTERING SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO DE BERÇOS Rudne Martns de Olvera Insttuto Naconal de Pesqusas Espacas - INPE rudmart@gmal.com Geraldo Regs Maur Unversdade Federal do Espírto Santo -

Leia mais

Goal Programming como Ferramenta de Gestão

Goal Programming como Ferramenta de Gestão Resumo Goal Programmng como Ferramenta de Gestão Dmtr Pnhero SANTANNA Fláva Zóbol DALMÁCIO Lucene Laurett RANGEL Valcemro NOSSA O objetvo deste artgo é demonstrar como o gestor pode aplcar a técnca do

Leia mais

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS Flávo de Almeda Galvão Jr. Programa de Mestrado em Engenhara de Sstemas Logístcos Escola Poltécnca da

Leia mais

UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS

UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO DE VEÍCULOS TRANSPORTADORES DE CARGAS Henrque Lugon Ferrera Slva Marta Montero da Costa Cruz UMA REVISÃO DE LITERATURA SOBRE PROBLEMAS DE REABASTECIMENTO

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO Celestno Rodrgues Ruvo Área Departamental de Engenhara Mecânca, Escola Superor de Tecnologa da Unversdade do Algarve, 8000 Faro, Portugal

Leia mais

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE Unversdade Estadual de Campnas Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca Departamento de Matemátca Aplcada DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA ENTENDIMENTO DO NEGÓCIO SOCIAL E SUA CADEIA DE ABASTECIMENTO

UTILIZAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA ENTENDIMENTO DO NEGÓCIO SOCIAL E SUA CADEIA DE ABASTECIMENTO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturdade e desafos da Engenhara de Produção: compettvdade das empresas, condções de trabalho, meo ambente. São Carlos, SP, Brasl, 12 a15 de outubro de 2010.

Leia mais

UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO UNIDADE I FUNDAMENTOS DA LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO 1) CONCEITOS O dconáro Mchaels refere-se a Logístca como uma cênca mltar que trata do alojamento, equpamento e transporte de tropas, produção, dstrbução,

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Utilização de Simulated Annealing em Optimização Difusa

Utilização de Simulated Annealing em Optimização Difusa Draft of paper In: Revsta de Investgação Operaconal, 21 (2), Dez (2001) pp 205-231 In Portugue Utlzação de Smulated Annealng em Optmzação Dfusa Mara Leonlde Rocha Varela Unversdade do Mnho Escola de Engenhara,

Leia mais

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ M. G. F. Costa, C. F. F. Costa Flho, M. C. Das, A. C. S.Fretas. Unversdade do Amazonas Laboratóro de Processamento Dgtal de Imagens Av. Gal.

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

SELEÇÃO DE ROTA MARÍTIMA DE CONTÊINERES UTILIZANDO ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS: UM ESTUDO DE CASO

SELEÇÃO DE ROTA MARÍTIMA DE CONTÊINERES UTILIZANDO ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS: UM ESTUDO DE CASO SELEÇÃO DE ROTA MARÍTIMA DE CONTÊINERES UTILIZANDO ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS: UM ESTUDO DE CASO Marco Arzua Callaux Unversdade Federal Flumnense Annbal Parracho Sant anna Unversdade Federal Flumnense

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS

ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA COLHEITA DE FRUTAS XLIII Congresso Braslero de Engenhara Agrícola - CONBEA 2014 Centro de Convenções Arquteto Rubens Gl de Camllo - Campo Grande -MS 27 a 31 de julho de 2014 ANÁLISE DA ESTABILIDADE DE UM BRAÇO ROBÓTICO PARA

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais