INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE"

Transcrição

1 a 2 edção

2 Presdente da Repúblca Luz Ináco Lula da Slva Mnstro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Slva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presdente Eduardo Perera Nunes Dretor-Executvo Sérgo da Costa Côrtes ÓRGÃOS ESPECÍFICOS SINGULARES Dretora de Pesqusas Wasmála Socorro Barata Bvar Dretora de Geocêncas Luz Paulo Souto Fortes Dretora de Informátca Luz Fernando Pnto Marano Centro de Documentação e Dssemnação de Informações Davd Wu Ta Escola Naconal de Cêncas Estatístcas Sérgo da Costa Côrtes (nterno) UNIDADE RESPONSÁVEL Dretora de Pesqusas Coordenação de Contas Naconas Roberto Luís Olnto Ramos

3 Mnstéro do Planejamento, Orçamento e Gestão Insttuto Braslero de Geografa e Estatístca - IBGE Dretora de Pesqusas Coordenação de Contas Naconas Sére Relatóros Metodológcos número 28 Contas Naconas Trmestras 2 a edção Ro de Janero 2008

4 Insttuto Braslero de Geografa e Estatístca - IBGE Av. Frankln Roosevelt, Centro Ro de Janero, RJ - Brasl ISSN Sére relatóros metodológcos Dvulga as metodologas empregadas nas dversas fases do planejamento e execução das pesqusas do IBGE ISBN (CD-ROM) ISBN (meo mpresso) IBGE Elaboração do arquvo PDF Roberto Cavararo Produção da multmída Marsa Sgolo Mendonça Márca do Rosáro Brauns Capa Ubratã O. dos Santos e Marcos Balster Fore - Coordenação de Marketng/Centro de Documentação e Dssemnação de Informações - CDDI

5 Sumáro Apresentação Introdução Consderações ncas Procedmentos de cálculo O Sstema de Contas Naconas Trmestras Cálculo das Tabelas de Recursos e Usos trmestras Estmação da tabela de produção trmestral (V) Estmação do consumo ntermedáro (U) Estmação das mportações Ajuste CIF/FOB Estmação dos elementos transversas das TRU Estmação das margens de comérco e transporte Estmação dos mpostos sobre produtos Estmação dos componentes da demanda Equlíbro entre oferta e demanda Cálculo dos índces e fontes de dados para as Tabelas de Recursos e Usos Agropecuára Indústra Indústras extratva e de transformação Construção cvl

6 Contas Naconas Trmestras Produção e dstrbução de eletrcdade, gás e água esgoto e lmpeza urbana Servços Comérco Transporte, armazenagem e correo Servços de nformação Intermedação fnancera, seguros e prevdênca complementar e servços relaconados Atvdades mobláras e alugués Admnstração públca, Saúde e educação públcas e segurdade socal Outros servços Contas Econômcas Integradas trmestras Conta fnancera trmestral Característcas das séres trmestras Cálculo da sére encadeada Encadeamento Ajustamento da sére encadeada trmestral aos totas anuas Ajustamento sazonal Classfcação de atvdades do Sstema de Contas Naconas Trmestras Procedmentos de dvulgação Referêncas Anexos Anexo 1 - Fontes para o cálculo dos índces de volume e de preço do Sstema de Contas Naconas Trmestras Anexo 2 - Compatblzação das classfcações dos grupos e subgrupos do Sstema de Contas Naconas Trmestras com as atvdades do Sstema de Contas Naconas Glossáro Convenções - Dado numérco gual a zero não resultante de arredondamento;.. Não se aplca dado numérco;... Dado numérco não dsponível; x Dado numérco omtdo a fm de evtar a ndvdualzação da nformação; 0; 0,0; 0,00 Dado numérco gual a zero resultante de arredondamento de um dado numérco orgnalmente postvo; e -0; -0,0; -0,00 Dado numérco gual a zero resultante de arredondamento de um dado numérco orgnalmente negatvo.

7 Apresentação Insttuto Braslero de Geografa e Estatístca - IBGE, através da O Coordenação de Contas Naconas da Dretora de Pesqusas, responsável pela produção do Sstema de Contas Naconas do País, dvulga, neste documento, a metodologa do Sstema de Contas Naconas Trmestras, apresentando os procedmentos metodológcos, o tratamento dos dados e as formas de apresentação dos resultados, com vstas a uma completa atualzação da metodologa adotada para a elaboração das Contas Naconas Trmestras. Parte desses procedmentos já fo apresentada em uma edção anteror deste volume 28, em Uma descrção mas completa da metodologa do Sstema de Contas Naconas do Brasl está dsponível no volume 24 desta mesma Sére, em duas edções: na prmera, também dvulgada em 2004, as Contas Naconas têm como base de referênca o ano de 1985; a segunda edção, lançada em 2008, trata da nova sére do Sstema, tendo como referênca o ano Wasmála Bvar Dretora de Pesqusas

8 Introdução Este texto apresenta a metodologa adotada para o cálculo da nova sére do Sstema de Contas Naconas Trmestras, atualzando a prmera edção deste volume 28, dvulgada em As modfcações ntroduzdas são decorrentes da nova sére do Sstema de Contas Naconas - referênca A elaboração de um Sstema de Contas Naconas Trmestras apresenta peculardades dstntas do Sstema de Contas Naconas Anuas, tas como a sazonaldade da sére ou os procedmentos de ajustamento dos dados trmestras aos anuas. Dentre essas especfcdades, a questão das revsões dos dados é um ponto que merece ser destacado. Os resultados apresentados trmestralmente são obtdos sobre uma base de dados ncompleta, e como as nformações trmestras seguem um calendáro predetermnado, a prátca nternaconal sugere atualzações peródcas consderando as últmas nformações dsponíves. A revsão dos dados mas sgnfcatva ocorre no níco do mês de dezembro, na dvulgação do tercero trmestre do ano. Nessa ocasão, os novos resultados de dos anos antes, obtdos pelas contas anuas, são ncorporados e, conseqüentemente, o ano anteror e os dos trmestres do ano em questão são recalculados, nclusve com dados mas atualzados das fontes prmáras e a possbldade de atualzação de procedmentos metodológcos. A publcação traz consderações ncas sobre a evolução do projeto das Contas Naconas Trmestras no IBGE. A descrção metodológca, apresentada a segur, contempla dversos aspectos do Sstema, tas como: concetos utlzados; cálculo das Tabelas de Recursos

9 Contas Naconas Trmestras e Usos; realzação do equlíbro entre a oferta e a demanda de bens e servços; fontes de dados utlzadas no cálculo dos índces de volume e de preço para as atvdades; construção das Contas Econômcas Integradas e da Conta Fnancera; procedmentos para dessazonalzação das séres; crtéros para ajustamento das séres trmestras aos dados do sstema anual; rotna das revsões; formas de dvulgação dos resultados, entre outras consderações de natureza metodológca. A publcação é anda composta por dos anexos, contendo a descrção das fontes adotadas para o cálculo dos índces de volume e de preço por produto e a compatblzação das classfcações dos grupos e subgrupos do Sstema de Contas Naconas Trmestras com as atvdades do Sstema de Contas Naconas.

10 Consderações ncas Sstema de Contas Naconas Trmestras atualmente dvulgado O fo desenvolvdo em três períodos bem-defndos. A metodologa adotada para o cálculo do Produto Interno Bruto - PIB do prmero período era coerente com o Sstema de Contas Naconas Consoldado, desenvolvdo e calculado pelo Centro de Contas Naconas, da Fundação Getulo Vargas - FGV, até o ano de A partr do mês de dezembro desse ano, o IBGE assumu a responsabldade pelo cálculo das Contas Naconas, vsto que já vnha desenvolvendo, desde a década de 1980, projeto de mplementação de um sstema de contas mas completo, ntegrando as Tabelas de Recursos e Usos (Tabelas de Insumo-Produto) ao corpo central do Sstema, conforme recomendações do Sstema de Contas Naconas das Nações Undas. Os dos períodos seguntes são caracterzados pela ntegração gradual ao Sstema de Contas Naconas, calculado pelo IBGE, de acordo com as recomendações das Nações Undas expressas no manual System of natonal accounts SNA Os dados trmestras do prmero período 2, ajustados aos do Sstema de Contas Naconas Consoldado eram restrtos à apresentação dos índces de volume da produção das atvdades econômcas, consderando que o PIB a preços de mercado tvesse a mesma varação que o total de produção. 1 O SNA 93 fo realzado sob a responsabldade conjunta da Comssão das Comundades Européas (Commsson of the European Communtes - Eurostat), Fundo Monetáro Internaconal - FMI, Organzação para a Cooperação Econômca e o Desenvolvmento (Organzaton for Economc Co-operaton and Development - OECD), Nações Undas e Banco Mundal. 2 Para maores detalhes, ver o relatóro: PRODUTO nterno bruto trmestral. Ro de Janero: IBGE, p. (Sére relatóros metodológcos, v. 19).

11 Contas Naconas Trmestras Nesse período, os índces eram publcados para as seguntes atvdades: Agrcultura, Extratva Mneral, Transformação, Construção, Servços Industras de Utldade Públca 3 e Servços. Da agregação desses grupos, obtnha-se o valor adconado a preços báscos. Como não se dspunha de um procedmento que calculasse um índce de volume para os mpostos sobre produtos, admta-se que estes varassem com o valor adconado a preços báscos, ou seja, a varação do PIB era a mesma do valor adconado a preços báscos. As séres eram calculadas com os pesos e a base de comparação fxos em 1980, através da formulação de Laspeyres. O ajustamento sazonal era feto com o método X11 aplcado aos subsetores em seu modo default. Os setores eram calculados por combnação lnear dos subsetores com os pesos de Em dezembro de 1997, o IBGE passou a dvulgar o Sstema de Contas Naconas, com base nas recomendações do SNA 93, apresentando Tabelas de Recursos e Usos - TRU anuas. Com a dsponbldade da sére do Sstema de Contas Naconas desde 1990, os índces trmestras passaram a ser calculados admtndo como peso o valor adconado a preços báscos do ano anteror. Este procedmento de atualzação dos pesos é defndo como base móvel. A metodologa de estmação dos índces, no entanto, contnuava admtndo que a varação do valor adconado a preços báscos era obtda dos índces da produção por atvdade econômca. A sére de índces encadeados, calculada a partr dos índces base móvel, passou a ser dvulgada também, porém, com base de referênca em 1990 (1990=100). O ajuste sazonal passou a ser feto pelo método X-12-ARIMA, programa de ajustamento sazonal do U.S. Census Bureau, dos Estados Undos da Amérca, em cada uma das séres encadeadas, método dreto. A opção por dessazonalzar cada sére é uma exgênca da perda da propredade de adtvdade nas séres encadeadas. Estas mudanças caracterzam o segundo período do Sstema de Contas Naconas Trmestras, que permaneceu nalterado até setembro de Durante o ano de 2001, desenvolveu-se uma adaptação da metodologa adotada nas contas anuas para o Sstema de Contas Naconas Trmestras. O novo procedmento, mplementado a partr de setembro de 2001, possbltou a dvulgação de índces de volume para os mpostos sobre produtos; para o PIB; para os componentes da demanda fnal (consumo das famílas, consumo do governo, exportações de bens e servços, formação bruta de captal fxo e varações de estoques) e para as mportações de bens e servços. Além da adoção desse novo procedmento, os dados foram dvulgados em valores correntes. A partr do quarto trmestre de 2002, foram elaboradas e dvulgadas as Contas Econômcas Integradas - CEI trmestras para a economa braslera e, no prmero trmestre de 2003, dvulgada a conta fnancera trmestral. Em março de 2007, fo dvulgada a nova sére das Contas Naconas Trmestras - referênca 2000 totalmente compatível com a reformulação mplementada no Sstema de Contas Naconas. As prncpas modfcações em relação à sére anteror 3 Energa elétrca, gás e esgoto.

12 Consderações ncas são: mudanças em alguns algortmos de cálculo, prncpalmente do cálculo do índce de volume da produção de alguns produtos seleconados; mudança de classfcação, passando a ser ntegrada à Classfcação Naconal de Atvdades Econômcas - CNAE, do IBGE; e ntrodução de novas fontes de dados. A partr de março de 2007, o Sstema de Contas Naconas Trmestras passou a ser dvulgado em uma únca publcação trmestral, em torno de 70 das após o fechamento do trmestre, englobando as séres em volume e valores correntes, totalzando quatro dvulgações no ano.

13 Procedmentos de cálculo O Sstema de Contas Naconas Trmestras O manual System of natonal accounts SNA 93 estabelece como notação para as varações de valores em sstemas de contas naconas e trmestras duas componentes: as varações de preços e as varações de volume. Desta forma, não é mas adotada a notação varação real para dentfcar a varação de uma varável entre dos períodos a preços constantes do período ncal. De acordo com o SNA 93, em sua versão publcada pelo Insttuto Naconal de Estatístca, de Portugal 4 : A expressão "crescmento em volume" é preferível a "crescmento em quantdade", porque exste alguma ambgüdade nesta últma. [para argumentar essa recomendação, o SNA refere-se ao exemplo apresentado no manual sobre mudanças na produção de automóves] [...] as quantdades não se alteram (porque o número total de automóves permanece constante) embora a qualdade méda dos automóves produzdos aumente (em conseqüênca do aumento da proporção dos automóves mas caros). Todava, esta nterpretação basea-se numa confusão semântca, vsto que a mesma desgnação genérca de "automóvel" é aplcada a dos produtos que na realdade são bastante dferentes do ponto de vsta econômco. Não é legítmo adconar quantdades que não sejam dêntcas umas às outras mesmo quando elas podem ser meddas nas mesmas undades físcas. Adconar modelos de automóves completamente dferentes não tem um sgnfcado maor do que somar quantdades de "produtos almentares" d- 4 Para maores detalhes, ver a publcação: SISTEMA de contas naconas Lsboa: Insttuto Naconal de Estatístca, p. Preparado sob os auspícos de Commsson of the European Communtes - Eurostat, Internatonal Monetary Fund, Organsaton for Economc Co-operaton and Development, Unted Natons e World Bank.

14 Contas Naconas Trmestras ferentes, por exemplo a soma de toneladas de arroz com toneladas de batatas ou de carne de bovno. Em geral não é possível desagregar uma varação em volume em termos de varação de quantdade e varação de qualdade méda. A expressão "índce de quantdade" não tem sgnfcado do ponto de vsta econômco se se referr a somas de quantdades que não são comensuráves. Todava, com objetvos dferentes como, por exemplo, o carregamento de avões, barcos ou vaturas a soma das quantdades pode ser uma nformação mportante. De gual modo, para fns de controlo do tráfego ou da polução, pode ser útl conhecer o aumento do número total de veículos produzdos ou mportados, ndependentemente do seu preço. Contudo estes dados não são meddos em volume do ponto de vsta econômco (SISTEMA..., 1998, parag ). A atual metodologa do Sstema de Contas Naconas Trmestras fo desenvolvda de forma a segur, dentro do possível, os mesmos procedmentos adotados no Sstema de Contas Naconas anuas. No Sstema de Contas Naconas e no Sstema de Contas Naconas Trmestras, o cálculo da varação em volume do valor adconado a preços báscos é efetuado pela dferença entre o valor adconado a preços báscos do ano n, calculado a preços do ano n-1 (preços constantes do ano anteror), e o valor adconado do ano n-1 (valor adconado a preços correntes). Como o valor adconado a preços báscos (VApb) de uma atvdade econômca 5 é defndo como a dferença entre o valor da produção a preços báscos (VPpb) e o consumo ntermedáro a preços do consumdor (CIpc), é possível apresentar este cálculo como: VApb = VPpb - CIpc O valor adconado a preços báscos da atvdade j no ano n, representado por va, é calculado por: n j n n n n n va = ( q. p ) ( u. pc ) j Onde: j j n q j é a quantdade do produto produzda na atvdade j no ano n; n p é o preço básco do produto no ano n; n u j é a quantdade do produto consumdo na atvdade j no ano n; n pc é o preço no consumdor do produto no ano n; e n va j é o valor adconado da atvdade j no ano n. A varação do valor adconado da atvdade j entre dos períodos de tempo, n e n-1, pode ser escrta como: n Δ va = va j va j n 1 j n n n n n 1 n 1 n 1 n 1 [ ( qj. p ) ( uj. pc )] - [ ( qj. p ) ( uj. pc )] 5 O Sstema de Contas Naconas é publcado com uma classfcação composta de 55 atvdades produtvas.

15 Procedmentos de cálculo Esta varação pode ser dvdda em dos componentes: 1. a varação em volume do valor adconado, ou seja, os preços do ano n-1 são mantdos constantes: 1 1 [ ( n. n ) ( n. n qj p uj pc )] 2. a varação devda ao efeto preço: [ ( q n. n ) ( n. n j p u j pc )] n n n n n n 1 n n 1 [ ( q j. p ) ( uj. pc )] - [ ( qj. p ) ( uj. pc )] No Sstema de Contas Naconas Trmestras - referênca 2000, os cálculos do valor adconado a preços báscos, a preços constantes do ano anteror, e a preços correntes, são fetos conjuntamente em uma únca etapa. Cerca de 70 das após o fm do trmestre, são dvulgados os índces de volume do valor adconado a preços báscos para as atvdades econômcas e para os componentes da demanda, com exceção da varação de estoques 6 ; os dados a preços correntes (valores correntes); as Contas Econômcas Integradas; e a conta fnancera trmestral para o total da economa. Cálculo das Tabelas de Recursos e Usos trmestras As Tabelas de Recursos e Usos - TRU são consttuídas pela tabela de recursos de bens e servços, composta por três quadrantes, e pela tabela de usos de bens e servços, subdvdda em quatro quadrantes, conforme mostra a fgura a segur: Tabelas de Recursos e Usos I - TABELA DE RECURSOS DE BENS E SERVIÇOS OFERTA A PRODUÇÃO = A 1 + IMPORTAÇÃO A 2 II - TABELA DE USOS DE BENS E SERVIÇOS OFERTA CONSUMO INTERMEDIÁRIO DEMANDA FINAL A = B 1 + B 2 COMPONENTES DO VALOR ADICIONADO C 6 Varações trmestras de volume e preço para a varação de estoques não apresentam possbldade de nterpretação. Desta forma, adotou-se a alternatva de não se apresentar as razões entre a varação de estoques a preços correntes e a preços constantes do ano anteror. São dvulgados apenas os valores correntes da varação de estoques.

16 Contas Naconas Trmestras A tabela de recursos de bens e servços, Tabela I, dscrmna a orgem dos produtos em naconal e mportado. O prmero quadrante (A) apresenta a oferta global a preços de consumdor e a preços báscos, as margens de comérco e transporte e os mpostos e subsídos assocados a cada produto. A produção das atvdades especfcadas por produto forma o segundo quadrante (A1) desta tabela. No tercero quadrante (A2), são apresentadas as mportações, detalhadas em duas colunas: uma com bens e servços e outra para produtos sem emssão de câmbo. No quadrante A2, fo realzado um ajuste entre as dferentes valorações das mportações ajuste CIF (cost, nsurance and freght) / FOB(free on board). A tabela de usos de bens e servços, Tabela II, apresenta o equlíbro entre oferta e demanda, assm como as estruturas de custos das atvdades econômcas detalhadas por produto. No prmero quadrante (A), repete-se o vetor da oferta total, a preços do consumdor. O quadrante B1 apresenta os nsumos utlzados na produção de cada atvdade. O quadrante segunte (B2) apresenta os bens e servços que se destnam à demanda fnal: consumo fnal das famílas e das admnstrações públcas, formação bruta de captal fxo, varações de estoques e exportações. O últmo quadrante (C) mostra os demas custos de produção remuneração dos empregados e os mpostos, líqudos de subsídos, sobre a produção, que não ncdem dretamente sobre o produto fnalzando com o rendmento msto bruto e o excedente operaconal bruto. Como nformação complementar, é apresentado o total de pessoal ocupado em cada atvdade. No Sstema de Contas Naconas Trmestras, são calculadas, do conjunto dos quadros das TRU, as tabelas de produção e consumo (ntermedáro e fnal). Não se estma trmestralmente o quadro com os componentes do valor adconado (remunerações, mpostos sobre a produção e excedente operaconal bruto). O cálculo da conta da renda possblta a análse por atvdade econômca mas detalhada, pos nclu todas as despesas realzadas pelos empregadores a seus empregados ordenados e saláros e contrbuções socas. No caso trmestral, a ausênca desta conta lmta a análse dos resultados às relações do total do valor agregado. Também não são apresentadas as estmatvas de pessoal ocupado. Desta forma, a TRU trmestral deve ser compreendda sem estas nformações quando a ela se fzer referênca nesta metodologa. O cálculo de uma TRU trmestral não tem como objetvo a sua apresentação e consttu apenas um método de trabalho, possbltando, ao ser calculada com os dados mas desagregados, a obtenção de uma crítca mas apurada dos resultados. O Sstema de Contas Naconas Trmestras dvulga seus resultados com uma classfcação de atvdades mas agregada e o valor adconado a preços báscos, de acordo com os padrões nternaconas. Como trmestralmente, para a maor parte dos produtos, não se dspõe de valores correntes 7, a TRU trmestral é ncalmente estmada utlzando-se índces de volume e de preço e, a segur, é realzado um trabalho de equlíbro entre a oferta e a demanda por produto na classfcação de produtos adotada nas contas anuas (110 produtos). 7 Com exceção dos produtos: ntermedação fnancera e seguros; educação públca; saúde públca; e admnstração públca e segurdade socal.

17 Procedmentos de cálculo Os elementos das TRU de cada trmestre (quadrantes A1, A2, B1 e B2) são calculados por extrapolação do valor médo trmestral da TRU do ano anteror, ou seja, o valor anual dvddo por quatro. A adoção desta alternatva determna que os índces de volume e de preço utlzados sejam calculados como a varação da méda de cada trmestre de um ano em relação à méda do ano anteror. Este procedmento permte que cada trmestre seja calculado de forma ndependente, referencando-se ao trmestre médo do ano anteror e, também, que a soma dos quatro trmestres seja equvalente ao total anual, em valores constantes do ano anteror e em valores correntes. Nesta metodologa, sempre que houver referênca a um índce de volume este deverá ser nterpretado como a varação entre a méda do trmestre e a méda trmestral do ano anteror. Segundo esta defnção, os índces de volume adotados no Sstema de Contas Naconas Trmestras são calculados de forma geral como: VC ( n, t) / 3 VC ( n, t) Iv( n, t) = = V ( n 1) /12 V ( n 1) / 4 Onde: Iv(n, t) é a varação em volume do trmestre t do ano n em relação ao trmestre médo do ano anteror; VC(n, t) é o valor no trmestre t do ano n a preços do ano anteror (valor constante); e V(n-1) é o valor a preços do ano n-1 (valor corrente). 4 t= 1 V( n 1, t) = V( n 1) n O esquema apresentado, a segur, mostra este procedmento para os trmestres de um ano n. Com os índces trmestras de volume e de preço aplcados sobre o trmestre médo do ano anteror, estma-se o dado de cada trmestre de forma ndependente. Para cada trmestre, calcula-se uma TRU trmestral a preços do ano anteror e a preços correntes. A adoção desse procedmento apresenta a vantagem de se poder estmar dferentes trmestres ao mesmo tempo, permtndo, por exemplo, revsões em um trmestre sem necesstar que se alterem os demas. Índces SCN n -1 /4 SCT n. t1 SCT n. t2 SCT n. t3 SCT n. t4

18 Contas Naconas Trmestras A segur, são descrtos os procedmentos adotados para a prmera estmação dos dados de uma TRU trmestral. Estmação da tabela de produção trmestral (V) Do quadrante A1 da TRU, obtém-se uma matrz de produção (V). Esta matrz é composta pelas atvdades descrtas nas colunas e pelos produtos descrtos nas lnhas, tendo, portanto, dmensão produto x atvdade. Cada célula V,j representa o valor da produção do produto na atvdade j. A tabela de produção do trmestre t a preços médos do ano anteror é extrapolada pelos índces de volume da produção por produto. Sejam: V(n-1) é a tabela de produção com os valores médos trmestras do ano n-1; VC(n, t) é a tabela de produção com os valores do ano n, trmestre t, a preços constantes do ano n-1; vp(n, t) é o vetor com os índces de volume da produção por produto entre a méda do trmestre t do ano n e a méda do ano n-1; pp(n, t) é o vetor com os índces de preço da produção por produto entre a méda do trmestre t do ano n e a méda do ano n-1; e < a > ndca a matrz dagonal obtda a partr de um vetor a. Assm: VC(n,t) =. < vp(n,t) >. V(n -1) V(n) =. < pp(n,t) >. VC( n,t ) O valor total da produção de cada trmestre, a preços constantes do ano anteror e a preços correntes, para os produtos e atvdades é obtdo a partr da soma dos elementos das lnhas ou colunas das tabelas de produção projetadas. Assm, os valores totas da produção por atvdade ou por produto são calculados de forma geral: por atvdade - g( j ) = V(,j) por produto - q( ) = V(,j). Onde: é o vetor - coluna untáro; g é o vetor com o valor da produção total por atvdade; e q é o vetor com o valor da produção total por produto. O Anexo 1 apresenta o índce de volume para extrapolar a produção de cada produto e o índce de preço do componente da demanda de maor peso para cada produto. Os índces de preço necessáros para o cálculo dos valores correntes de produção trmestras podem ser obtdos por duas alternatvas. Na prmera alternatva, são dsponíves índces de volume e de preço da produção, por produto. Este procedmento supõe, ncalmente, que a produção de cada produto seja projetada com o mesmo índce, qualquer que seja a atvdade que o esteja produzndo. Nesta alternatva, o índce de valor da produção, por produto, é calculado dretamente pela multplcação dos índces de volume e de preço.

19 Procedmentos de cálculo Na segunda alternatva, são dsponíves um índce de valor, ou o valor corrente da produção por produto 8, e um índce de volume por produto. O índce de preço é obtdo mplctamente. A partr das tabelas de produção projetadas, são calculados os índces de volume e de preço por atvdade. Sejam: va(n,t) é o vetor com a varação de volume, por atvdade, entre a méda do trmestre t do ano n e a méda do ano n-1; e ppa(n,t) é o vetor com a varação de preços, por atvdade, entre a méda do trmestre t do ano n e a méda do ano n-1. Os índces de volume e de preço da produção, por atvdade, são calculados por: va(n,t)j = gc(n,t)j / g(n-1)j ppa(n,t)j = g(n,t)j / gc(n, t)j j, j {atvdades} Estmação do consumo ntermedáro (U) Do quadrante B1 da TRU, obtém-se uma matrz de consumo ntermedáro (U). Esta matrz é composta pelas atvdades descrtas nas colunas e pelos produtos descrtos nas lnhas, tendo, portanto, dmensão produto x atvdade. Cada célula U,j representa o valor total do consumo ntermedáro do produto pela atvdade j. A tabela de consumo ntermedáro em volume, para o trmestre t do ano n, é calculada, para cada atvdade, multplcando o respectvo índce de volume da produção pela tabela de consumo ntermedáro em valor corrente médo trmestral do ano n. Esta formulação admte como hpótese ncal que o coefcente entre o valor do produto consumdo e o valor total da produção da atvdade é constante. A tabela de consumo ntermedáro em valor corrente é calculada pela multplcação, neste caso por produto, dos dados da tabela de consumo ntermedáro do trmestre t do ano n, a preços do ano anteror, pelos índces de preço, por produto, para o consumo ntermedáro. Admte-se como hpótese que a varação do preço de cada produto é unforme em relação às atvdades consumdoras. Sejam: U(n-1) é a tabela de consumo ntermedáro a preços correntes médos do ano n-1; UC(n,t) é a tabela do consumo ntermedáro no trmestre t do ano n a preços constantes de n-1; U(n,t) é a tabela de consumo ntermedáro a preços correntes médos do ano n; va(n,t) é o vetor com a varação de volume, por atvdade, entre a méda do trmestre t do ano n e a méda do ano n-1; e pa(n,t) é o vetor com os índces de preço, por produto, entre a méda do trmestre t do ano n e a méda do ano n-1. 8 Esta alternatva ocorre quando a atvdade produz um únco produto, ou seja, atvdade e produto não se dferencam.

20 Contas Naconas Trmestras Assm, o cálculo das tabelas de consumo ntermedáro a preços constantes do ano anteror e a preços correntes pode ser formalzada por: UC(n,t) = U(n -1). < va(n,t) > U(n,t) = < pa(n,t) >. UC(n,t) Os índces de preço adotados para estmar o consumo ntermedáro a preços correntes é o Índce de Preços por Atacado - IPA, da Fundação Getulo Vargas - FGV, e o Índce Naconal de Preços ao Consumdor Amplo - IPCA, de responsabldade do IBGE. As exceções ao procedmento explctado acma são as estmatvas de consumo ntermedáro, por produto, para as seguntes atvdades: admnstração públca, saúde e educação públcas; ntermedação fnancera, seguros e prevdênca complementar; e agropecuára. A atvdade admnstração públca, saúde e educação públcas, do Sstema de Contas Naconas Trmestras, engloba três atvdades nível 55 9 : educação públca, saúde públca, e admnstração públca e segurdade socal. Nas três atvdades, o consumo ntermedáro por produto em valores correntes é estmado a partr de dados coletados do plano de contas de recetas e despesas orçamentáras por nível de governo. Para a atvdade admnstração públca e segurdade socal, o consumo ntermedáro por produto, em valores constantes, é estmado pelo deflaconamento dos valores correntes pelos respectvos índces de preço. No caso da atvdade ntermedação fnancera, seguros e prevdênca complementar, tanto o valor bruto de produção como o consumo ntermedáro são estmados em valores correntes. O consumo ntermedáro, por produto, é calculado por rateo com base na estrutura do ano anteror. Para a agropecuára, as estmatvas em valores constantes do consumo ntermedáro de alguns produtos não seguem o índce de volume da atvdade e sm o índce de evolução da área plantada. Por exemplo, o volume do consumo ntermedáro de defensvos agrícolas segue a varação da área plantada dos prncpas produtos agrícolas. Estmação das mportações As mportações de mercadoras são obtdas mensalmente, por produto classfcado pela Nomenclatura Comum do Mercosul - NCM, dos arquvos fornecdos pela Secretara da Receta Federal, em valores CIF (dólares) e em quantdade (qulogramas). Para o cálculo das varações de preços das mportações, utlzam-se os valores untáros como aproxmação dos preços, obtdos pelo quocente entre o valor em dólares e o peso em qulogramas de cada transação comercal. Em seguda, é realzada uma crítca na qual são mantdas todas as transações em que o valor untáro se encontra dentro do ntervalo (Q1-1,5.(Q3-Q1));(Q3 + 1,5.(Q3-Q1)), onde Q1 e Q3 são o prmero e o tercero quarts, respectvamente, calculados para as transações classfcadas segundo a NCM. Essas transações são agregadas por NCM para o trmestre e para o ano anteror, sendo mantdas apenas as NCM comuns aos dos períodos. A razão entre os valores untáros de cada NCM é calculada para a méda de cada trmestre 9 Nível de trabalho do Sstema de Contas Naconas Trmestras, e nível de publcação do Sstema de Contas Naconas, anual.

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003 ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL Alexandre. A. Porsse Eduardo A. Haddad Eduardo P. Rbero TD Nereus 20-2003 2003 São Paulo 2003 ESTIMANDO

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

série relatórios metodológicos volume c n t ontas acionais rimestrais IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

série relatórios metodológicos volume c n t ontas acionais rimestrais IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística série relatórios metodológicos volume 28 c n t ontas acionais rimestrais IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento,

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3).

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3). COMPOSIÇÃO DO AGONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GEAIS ALINE CISTINA CUZ () ; ELY CADOSO TEIXEIA (2) ; MAÍLIA MACIEL GOMES (3).,3.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BASIL; 2.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIçOSA,

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

The potential to create employment and income from tourism in Brazil

The potential to create employment and income from tourism in Brazil MPR Munch Personal RePEc rchve The potental to create employment and ncome from toursm n Brazl Mlene Taasago and Joaqum José Martns Gulhoto and Mara de Lourdes Rollemberg Mollo and Joaqum Pnto de ndrade

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO

NORMAS DE SELEÇÃO AO DOUTORADO 1. INSCRIÇÕES PARA SELEÇÃO 1.1. Para a Área de Irrgação e Drenagem Poderão nscrever-se canddatos formados em Engenhara Agrícola, Agronoma, Meteorologa e demas Engenharas, ou em outras áreas afns a crtéro

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS

PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS resumo A partr da motvação de contrbur para a nvestgação

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Keywords: regional economics, cross-section econometrics and multivariate analysis.

Keywords: regional economics, cross-section econometrics and multivariate analysis. Julho/04 A Localzação da Indústra de Transformação Braslera nas Últmas Três Décadas Autor: Flpe Lage de Sousa (BNDES) Resumo O propósto desse artgo é avalar, numa perspectva geográfca, os setores ndustras

Leia mais

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL Poema Iss Andrade de Souza * Joaqum José Martns Gulhoto ** Raul da Mota Slvera Neto *** RESUMO

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1 ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS Llan Crstna Anefalos 2 Joaqum J. M. Gulhoto 3 RESUMO: Este trabalho tem como obetvo estudar a estrutura do setor de flores e plantas ornamentas

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA.

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. MÁRCIA PAIXÃO 1 MÁRCIA FONSECA 2 Resumo: No níco do século XXI, notadamente os Estados Undos (EUA) e Unão

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1

Planejamento e Controle de Estoques PUC. Prof. Dr. Marcos Georges. Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 e Controle de Estoques PUC CAMPINAS Prof. Dr. Marcos Georges Adm. Produção II Prof. Dr. Marcos Georges 1 Fornecmento de produtos e servços Recursos da operação Planejamento e Controle de Estoque Compensação

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA ADELSON MARTINS FIGUEIREDO; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; JANDIR FERRERA DE LIMA; UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* Paulo Soares Esteves Carolna Res 1. INTRODUÇÃO Uma Taxa de Câmbo Efectva (TCE) é um ndcador que agrega váras

Leia mais

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE ÁREA: Estrutura Produtvo-Tecnológca avançada e regonalmente artculada: Teora Mcroeconômca, Organzação Industral e Economa Regonal. NOMES DOS AUTORES:

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira Índce de Oportundades da Educação Braslera Centro de Lderança Públca - CLP Produto 2 METAS 13 de agosto de 2015 Sumáro Sumáro... 2 1. Introdução... 4 O Sstema de Educação Básca no Brasl... 4 2. Especfcação

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais