Caderno de Exercícios Resolvidos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Caderno de Exercícios Resolvidos"

Transcrição

1 Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B Dstrbução do rendmento Frequêncas relatvas acumuladas,6,84,72turma A 1,,5,25,26,34,,6,, Contos/mês Calcule o índce de Gn correspondente à turma A. Classes Pm f f*pm F t T F - T -1 5,6 3,6,113,113, ,28 42,34,1579,1692, ,38 95,72,3571,5263, , ,,4737 1,, Total (méda artm.) 266 n 1 = 1 F = n 1 = 1 n 1 = 1 1,12,4132 ( F T) = F,369 n 1 = 1 ( F T) = Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 1

2 Exercíco 2. Consdere o quadro segunte com as frequêncas relatvas smples assocadas às dstrbuções A, B e C. Classe A B C a) Represente as dstrbuções A, B, e C utlzando um hstograma. Através da análse das fguras, consdera possível ndcar qual a que tem uma moda mas baxa? Em caso afrmatvo, faça-o. Em caso negatvo, explcte que elemento(s) lhe falta(m).,6,5,4,3,2, ,6,5,4,3,2, ,6,5,4,3,2, Em rgor quando temos dados classfcados não sabemos qual é, ou se exste a moda. A convenção que se faz é a de admtr que a moda se encontra na classe modal e que a sua localzação dentro desta é proporconal à dferença entre a respectva frequênca e as frequêncas das classes adjacentes, estando a moda mas perto da classe que tem maor frequênca. No caso deste exercíco, verfca-se que a classe modal é a mesma nas três dstrbuções consderadas. Mas é na dstrbução A que a classe anteror apresenta a maor frequênca relatvamente à classe que se segue à classe modal. Desta forma é claro que é essa dstrbução A que apresenta a moda mas baxa. b) Consderando os valores apresentados qual a dstrbução cujo valor para a medana é o mas baxo. Justfque utlzando o polígono ntegral de frequêncas. 1,,75,5 A B C,25, Medana A = Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 2

3 A partr da análse do polígono ntegral é evdente que é a dstrbução A que tem a medana mas baxa. Quando as dstrbuções não são muto assmétrcas a moda, a medana e a méda estão relatvamente próxmas. Quando são smétrcas as três meddas concdem: é esse o caso da dstrbução C onde a méda está no centro do ntervalo de varação e no centro da classe modal (125). Por outro lado a méda é o centro de gravdade da dstrbução e a smples observação dos hstogramas representados na alínea anteror permtra dzer () que B tem uma méda mas alta do que C (porque o peso da classe com valores mas elevados é muto superor) e que () a méda de C é necessaramente mas alta do que a méda de A. Em dstrbuções regulares como estas a medana está sempre entre a méda e a moda. Isso permtra dzer que também no caso da medana é a dstrbução A que apresenta o valor mas baxo. Nota: Com base nos elementos fornecdos sera possível calcular analtcamente o valor da medana das dversas dstrbuções mas não era sso que se peda no enuncado. c) Compare, apresentando e justfcando todos os cálculos, a dspersão assocada às três dstrbuções. Na prmera (Dstrbução A), a méda é de 12 e o desvo padrão de 41,13; na segunda (Dstrbução B), a méda é de 13 e o desvo padrão de 39,52. A comparação da dspersão das dversas dstrbuções deve fazer-se com base no coefcente de varação. Para sso torna-se necessáro calcular a méda e o desvo padrão da dstrbução C: Classes PM f f. PM f ( PM x) , , , Total (méda artm.) 125 Total (varânca) 1 Desvo padrão 31,6228 A B C Desvo-padrão 41,13 39,52 36,62 Méda Coef. Varação 34,3% 3,4% 29,3% Vê-se assm que a é a dstrbução C que apresenta a menor dspersão tanto em termos absolutos (desvo padrão) como relatvos (coefcente de varação). Exercíco 3. Consdere o quadro segunte onde se resume a estrutura etára da população de uma regão de acordo com os censos de 196 e 21 Escalão de dade , ,7 24, ,5 21, ,3 23, ,8 19 Total Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 3

4 a) Compare as duas dstrbuções no que respeta à méda e medana, e dscuta até que ponto há snas de envelhecmento da população. 196 Classes PM f. X PM ( ) 2 X PM f.( ) 2 X PM F 21 f PM ( ) - 1 5,197,985 26,38 695, , ,5,257 4, ,88 192, ,5122, ,5,215 6,9875-1,12 1,2544,2697, ,213 1,65-18,62 346,744 73,848, ,118 8,26-38, , ,9975 1, Σ 1 31,38 436,726 Classes PM Méda Artm. 31,38 Varânca 436,726 f. f PM ( ) X PM Desvo padrão 2,9 Coef. Varação 66,6% ( ) 2 ( ) 2 X PM X PM,197 f. F - 1 5,12,6 31,81 111, , ,5,243 4, ,31 372,8761 9,689, ,5,211 6,8575 4,31 18,5761 3,9196, ,236 11,8-13,19 173, ,584, ,19 13,3-33,19 111, ,2995 1, Total 1 36,81 9,5 2678, ,3114 Méda Artm. 36,81 Varânca 466,3114 Cálculo da medana,5 F X = L +.( L L ) g 1 me g 1 g g 1 fg 1 Desvo padrão 21,59 Coef. Varação 58,7%,12 196,5, 456 X = 25 +.(4 25) =28,7 me, ,5,363 X = 25 +.(4 25) =34,74 me,211 A méda e a medana são meddas de localzação de tendênca central, que descrevem a dstrbução de frequêncas. O facto de ambas aumentarem de valor de forma sgnfcatva representa uma deslocação para a dreta da dstrbução de frequêncas que traduz um claro envelhecmento da população. b) Compare a dspersão das duas dstrbuções com base num ndcador de dspersão relatvo. A medda de dspersão relatva mas habtual é o coefcente de varação que relacona o desvo padrão com a méda. A mportânca da dstnção entre dspersão absoluta e relatva está bem lustrada neste exemplo. De facto entre 196 e 21 o desvo padrão das dades Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 4

5 passa de 2,9 anos para 22,6 anos (NB: é mportante notar que o desvo padrão se expressa nas mesmas undades da varável orgnal). Mas o aumento da dspersão absoluta não é acompanhado pelo aumento da dspersão relatva, porque a méda artmétca (que está no denomnador do coefcente de varação) aumenta mas do que o desvo padrão. Isto é, relatvamente, (ao valor da méda) verfca-se uma dmnução da dspersão das dades: o C.V passa de 67% para 59%. Uma medda alternatva de dspersão relatva é o quocente entre a ampltude do ntervalo nterquartl (AIQ) que é, em s, uma medda de dspersão absoluta e a medana. Os cálculos que a segur se apresentam confrmam as conclusões anterores: aumenta a dspersão absoluta e dmnu a dspersão relatva. Q Q , 25,197 = 1 +.(25 1) = 13, 9,257, 25,12 = 1 +.(25 1) = 18, 2,243 Q Q ,75,669 = 4 +.(6 4) = 47, 61,213, 75,574 = 4 +.(6 4) = 54,92,236 Medda de dspersão absoluta: Ampltude do ntervalo nterquartl (AIQ) AIQ = Q Q = 47,61 13,9 = 34, AIQ = Q Q = 54,92 18,2 = 36, Medda de dspersão relatva: AIQ Medana AIQ X me AIQ X me ,52 = = 1, 23 28,7 36,2 = = 1, 6 34,74 c) Elabore um polígono ntegral de frequêncas para as duas dstrbuções e compare a stuação a nível de prmero, segundo e tercero quartl, deduzdos grafcamente. O polígono ntegral de frequêncas é construído com base nas frequêncas acumuladas, que estão na últma coluna dos quadros onde se apresentam os cálculos. A sua grande vantagem é permtr uma estmatva rápda dos quarts (nclundo a medana que é o segundo quartl). Note-se gualmente como a deslocação do polígono para a dreta traduz o envelhecmento da população. Admtndo que a população era colocada por ordem de dades a uma dada percentagem da população em 196 corresponde em 21, uma dade mas avançada. E sto acontece qualquer que seja a percentagem escolhda como referênca: as duas curvas nunca se cruzam. Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 5

6 1 196,75 21,5, Q Medana Medana Q Q 3 Q d) Elabore o dagrama de extremos e quarts para as duas dstrbuções e comente. Exercíco 4. O quadro segunte apresenta as frequêncas relatvas acumuladas das dades de três grupos de pessoas: A, B e C. A B C a) Das afrmações seguntes, ndque, justfcando, quas as que são falsas ou verdaderas:. A dstrbução que tem a méda mas baxa é a mesma que tem a moda mas elevada.. A dstrbução que tem a moda mas elevada é a que tem a medana mas elevada. Comecemos por calcular as frequêncas smples e a méda por dstrbução. Lmtes A B C Inferor Superor Pm F f1 Pm * f F f1 Pm * f F f1 Pm*f ,2,2 7,2,2 7,3,3 1, ,7,5 22,5,8,6 27,8,5 22, ,3 16,5 1,2 11 1,2 11 Méda 46 Méda 45 Méda 44 Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 6

7 Representemos grafcamente as frequêncas smples. f,7,6,5,4,3,2,1 A B C Intervalos de Idade Seres1 A afrmação é falsa. A dstrbução que tem a méda mas baxa é a C (44). A partr do gráfco de frequêncas relatvas constata-se que a dstrbução que tem a moda mas elevada é a A (4-5 é a classe modal, na A a moda é puxada pela frequênca relatva para a vznhança do 5). Representemos agora grafcamente as frequêncas acumuladas. 1 F,75,5,25 A B C Idades Constata-se que é a dstrbução A que tem a medana mas elevada. Portanto, a afrmação II é verdadera. relações b) Será correcto dzer que em qualquer dos casos, há pelo menos 5% das pessoas com dade entre 4 e 5 anos? Justfque. É correcto, como se pode ver consultando o quadro com as frequêncas relatvas smples na lnha relatva a 4-5. c) Compare a dspersão relatva das três dstrbuções, sabendo que o desvo padrão é de 7 anos em A e em C. Sendo as médas dferentes, a medda de dspersão a utlzar é o coefcente de varação. Comecemos por calcular o desvo padrão de B. Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 7

8 Pm F f1 Pm*f Desvos Quadrado dos desvo ,2, ,8, , Méda 45 Var 4 Desvo Padrão 6, Vrá CV A = 7/46 =,152; CV B = 6,32/45 =,145; CV C = 7/44=,159 maor dspersão em C, menor dspersão em B. Exercíco 5. No quadro segunte apresentam-se o número de transacções efectuadas em cada uma das lojas dos Supermercados XXX, classfcadas por níves de despesa, e o número de empregados exstentes em cada uma delas. Escalão de despesas Número de transacções Loja 1 Loja 2 1 u.m u.m u.m u.m Nºde empregados 2 3 Tratamento: Loja 1 Classes Pm n f f *PM F ( ) 2 f PM x t T ,269 1,343,269 34,829,82, ,47 6,111,676,786,373, ,241 6,19,917 17,851,367, ,83 2,917 1, 28,864,178 1, 18 1, 16,4 82,3 (méda) (varânca) Loja 2 Classes Pm n f f *PM F ( ) 2 f PM x t T ,37,37 1,85 34,99,127, ,39,76 5,85,62,41, ,15,91 3,75 16,224,257, ,9 1, 3,15 37,454,216 1, 2 1, 14,6 87,8 (méda) (varânca) Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 8

9 Nota: t representa a proporção da despesa total feta pelos clentes da classe de despesa. T representa o total da despesa acumulada até à classe. a) Será possível afrmar que em ambos as lojas, mas de 7% das transacções têm um valor nferor a 2 u.m.? A análse das frequêncas relatvas acumuladas mostra que só há 67,6% de transacções abaxo de 2 u.m. na loja 1: A afrmação não é verdadera. b) Represente grafcamente o polígono ntegral de frequêncas de cada uma das dstrbuções e, com base no mesmo, explcte a localzação dos quarts. 1,91,917 1, 1,,75 Loja 2,76,676,5,37 Loja 1,25, Q1 (Loja 2) Q1 (Loja 1) Q3 (Loja 2) Q3 (Loja 1) c) Determne o valor médo por transacção e o valor médo das transacções por empregado, em cada uma das lojas. Valor médo por transacção por loja (ver quadro): Loja 1: 16,38 um. Loja 2: 14,6 um. Valor médo das transacções por empregado Loja 1: 177 = 88,5 um 2 Loja 2: 292 = 97,3 um 3 d) Calcule o desvo padrão da dstrbução das transacções na loja 2 sabendo que o valor correspondente para a outra loja é de 9,1 u.m.. Em qual das duas dstrbuções é mas elevada a dspersão? Justfque. ( ) n PM x s = = f PM x N 2 ( ) Pm n f F f*(pm-xbarra)^2 5 74,37,37 34, ,39,76, ,15,91 16, ,9 1, 37,454 Total 2 1, s 2 =87,84 2 Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 9

10 S = 87,84 = 9,37 um A dspersão em termos absolutos é mas elevada na loja 2. Como a méda das transacções é mas baxa na loja 2 é também aqu que a dspersão relatva é maor (o respectvo coefcente de varação é maor na loja 2). e) Represente grafcamente a concentração das transacções na loja 2, utlzando uma curva de Lorenz. Classes t T F T 1,9 (.78,.91),8,7,6,5 (.53,.76),4,3,2 (,37;,13),1,2,4,6,8 1 F Exercíco 6. A empresa Lanpor procedeu a um estudo sobre a dstrbução etára da sua população femnna e masculna do qual resultou o segunte quadro resumo: Grupo Etáro > 6 Mulheres (%) Homens (%) a) Represente o polígono ntegral de frequêncas de cada uma das dstrbuções. Com base nesta representação gráfca calcule aproxmadamente as meddas de localzação e dspersão que lhe permtem comparar as populações femnna e masculna. Comente sucntamente os resultados que obteve. Para representar o polígono ntegral de frequêncas precsamos de uma tabela de frequêncas para homens e mulheres com acumulação. Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 1

11 QUADRO DE FREQUÊNCIAS Classes Mulheres Homens f F f F 25-3,15,15,1,1 3-35,18,33,15, ,2,53,12, ,2,73,13,5 45-5,1,83,25, ,1,93,15,9 55-6,7 1, Utlzando os lmtes dos ntervalos de classe e os valores para a frequênca acumulada, chegamos ao polígono ntegral de frequêncas. Polígono Integral de Frequêncas Frequênca Relatva Acumulada 1,75,5, Idade Mulheres Homens Com base neste polígono, as meddas de localzação e dspersão que podem ser aproxmadamente calculadas são as relaconadas com os quarts. Mulheres: Como se pode deduzr a partr do quadro de frequêncas, a classe medana (prmera classe com frequênca acumulada maor ou gual a 5%) é a classe 35-4 com 53% de frequênca acumulada. Utlzando a expressão para a medana constante do formuláro, vrá: 5 33 Medana = 35 + (4 35) = ,25 = 39,25 2 Idêntcas expressões podem ser utlzadas para os quarts com a necessára adaptação relatvamente à classe em que os mesmos se stuam Q 1 = 3 + (35 3) = 32,7 e Q 3 = 45 + (5 45) = A partr destes valores é possível determnar uma medda de dspersão que leva em conta 5% das observações: a ampltude nterquartl. AIQ = Q3-Q1=46-32,7=13,3 Homens: Os valores constantes no quadro de frequêncas relatvamente aos homens permtem a determnação das meddas anterores com mas facldade, pos não necesstam de nterpolação. Vrá medatamente Medana = 45, Q1= 35, Q3= 5 e AIQ = 15 Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 11

12 Quer o quadro apresentado, quer o gráfco relatvo às frequêncas acumuladas permtem constatar que a população femnna é sensvelmente mas jovem que a masculna. O polígono ntegral de frequêncas permte anda vsualzar que essa dferença cresce até à zona da medana começando a partr daí a reduzr-se. Tal sgnfca que, em todos os escalões de dade até sensvelmente os 4 anos, a frequênca relatva de mulheres é superor à de homens. É possível anda constatar uma maor dspersão (medda pelo AIQ) na população masculna. Tal é vsível no polígono ntegral de frequêncas onde o crescmento da população femnna entre o 1º e o 3º quartl é pratcamente lnear ao passo que o da população masculna descreve uma curva que atnge um máxmo sensvelmente junto à medana. b) Justfque e comente a segunte afrmação: Metade da população femnna da empresa tem uma dade nferor à méda de dades dessa população. Há que determnar a medana (metade da população femnna) e a méda da mesma população. A medana já é conhecda da alínea anteror: 39,25. A méda de dades da população femnna pode ser determnada a partr das frequêncas smples. Para tal é precso determnar o ponto médo de cada ntervalo (Pm) e multplcá-lo pelo valor da frequênca relatva smples. A expressão utlzada é a que consta do formuláro. DETERMINAÇÃO DA MÉDIA DA POPULAÇÃO FEMININA Classes f PM PM*f 25-3,15 27,5 4, ,18 32,5 5, ,2 37,5 7,5 4-45,2 42,5 8,5 45-5,1 47,5 4, ,1 52,5 5, ,7 57,5 4,25 1 4, Assm a afrmação é verdadera, pos o valor da medana é nferor ao da méda de dades na população femnna. Mas uma vez sso chama a atenção para o peso que, nessa população (e no total da empresa, se levarmos em conta o que se constatou na alínea anteror), assumem os escalões mas jovens. O valor da méda mas elevado revela entretanto a possbldade de algumas pessoas exstrem com uma dade bastante avançada o que puxa a méda para a dreta da medana sugerndo um envezamento da dstrbução à dreta. Tal é vsível no polígono de frequêncas segunte. Polígono de Frequêncas Frequênca relatva smples,3,2, Idade Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 12

13 Exercíco 7. No âmbto de um estudo sobre o rendmento dsponível mensal de duas populações, A e B, foram extraídas amostras de 1 elementos de cada uma delas. Os resultados em mlhares de euros foram os seguntes. Rendmento dsponível mensal (mlhares de euros) A B Fonte: Sstemas de Informação Estatístca dos países A e B a) Cre uma tabela de frequêncas relatvamente a cada um dos casos, depos de classfcar os dados utlzando os ntervalos 1-3, 3-5 e 5-7. b) Consderando a méda artmétca como ndcador explcte qual a população com maor rendmento. Para determnar a Méda, basta multplcar o ponto médo de cada ntervalo pela respectva frequênca relatva smples e somar. Vrá: A Méda artmétca permte-nos conclur que a população B tem maor Rendmento Dsponível que a população A. c) Represente grafcamente a determnação da Moda e da Medana e dga, exclusvamente pelo exame das fguras, se as conclusões tomadas a partr das mesmas corroboram a que pode trar da alínea anteror. Determnação gráfca da Moda. Utlza a representação das frequêncas relatvas e a proxmdade entre estas a nível da da classe modal para as adjacentes. Os dos gráfcos que se seguem mostram que a Moda em A está perto de 4 e em B está perto de 6. Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 13

14 Representação gráfca da Medana. Utlza a representação das frequêncas acumuladas. Nos gráfcos seguntes podemos constatar que também aqu o valor é superor para B, sensvelmente 53, enquanto o de A não atnge 4. Assm qualquer das meddas de localzação permte conclur sobre a exstênca de um menor nível de rendmento dsponível em A. d) Tendo em consderação que a varânca de B é de 324, utlze uma medda adequada para comparar a dspersão das duas dstrbuções. Sendo as médas dferentes, o coefcente de varação ( =Desvo Padrão / Méda) é a medda de dspersão adequada. O quadro segunte resume o cálculo do Coefcente de varação para A a partr dos resultados anterores e para B a partr da Varânca dada e da méda já calculada. É possível conclur que a dspersão é superor em B e) Verfque se a conclusão a que chegou na alínea anteror é corroborada pela análse comparada dos dagramas de extremos e quarts ( caxa de bgodes ) destas dstrbuções. Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 14

15 Para apresentarmos o dagrama de extremos e quarts precsamos de determnar os quarts. Vamos consderar o mínmo 1 e o máxmo 7. A determnação dos quarts é operada através da respectva expressão do glossáro. Vndo: A partr dos valores encontrados é possível determnar o dagrama de extremos e quarts o qual nos permte conclur que, tal como na alínea anteror, a dspersão, agora vsualzada na ampltude nter-quartl, é superor em B. f) Compare a concentração do rendmento nas duas amostras através da respectva representação gráfca. A representação gráfca da concentração faz-se através da Curva de Lorenz que carece dos valores dos F e dos T. O gráfco permte ver que a concentração é dferente nos dos países. Assm, ao nível dos 4% mas pobres, o rendmento dsponível de A é superor, o que se nverte para os 4% mas rcos. Isto sugere uma concentração em B muto mas elevada o que podera ser determnada pelo índce de Gn. Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 15

16 g) Se todos os elementos deste grupo tveram um acréscmo no rendmento dsponível mensal de 2 euros, quas serão as consequêncas sobre a medda da concentração do rendmento no grupo B? A concentração dmnura pos um acréscmo gual para todos em termos absolutos alterara a proporção da dstrbução do rendmento no total da população, favorecendo os que detêm menores rendmentos. Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 16

17 Índces Smples Exercíco 1 Suponha que lhe é dada a segunte nformação sobre a evolução da quantdade vendda do produto X por um estabelecmento comercal nos prmeros dez meses do ano de 26, medda em toneladas do produto X. ton X jan fev mar abr ma jun jul ago set out 2245,3 2358, 2827, 2753,2 3179,1 3561, 494,6 4586,2 4591, 4659,4 a) Calcule, para cada mês desta sére, a taxa de varação, relatvamente ao mês anteror, da quantdade vendda do bem X por este estabelecmento. jan fev mar abr ma jun jul ago set out Taxa anual (%) 5, 19,9-2,6 15,5 12, 15, 12,,1 1,5 b) Tomando por base os valores calculados na alínea anteror, construa uma sére de índces de base móvel relatvamente a esta varável para o período em análse. jan fev mar abr ma jun jul ago set out Índce base móvel 15, 119,9 97,4 115,5 112, 115, 112, 1,1 11,5 c) Construa, com base nos valores do quadro, uma sére de índces de base fxa em Janero de 26. jan fev mar abr ma jun jul ago set out índce base fxa (Jan=1) 1, 15, 125,9 122,6 141,6 158,6 182,4 24,3 24,5 27,5 d) Acha que podera ter obtdo as taxas de varação calculadas na alínea a) e obtdo a sére de base móvel calculada em b) com base na sére calculada em c)? Justfque e enunce uma propredade que respete ao resultado obtdo. Sm. Calculando o índce de base móvel a partr dos índces de base fxa a crculardade dos índces e) Tomando por base a sére calculada em c), calcule uma nova sére de índces de base fxa em Março de 26. Dga o que entende por mudança de base de um índce e enunce, em termos sntétcos e de modo formalzado, a regra que descreve essa mudança. jan fev mar abr ma jun jul ago set out índce base fxa (Mar=1) 79,4 83,4 1, 97,4 112,5 126, 144,8 162,2 162,4 164,8 A mudança de base: t, b, = tb, f) Tomando por base a sére calculada em b), calcule a sére de índces de base fxa em Março de 26. Porque é que obtém os mesmos valores que obteve em e)? Dga o que Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 17

18 entende por crculardade dos índces e represente, de modo formalzado, esta propredade. = Sm encadeando os índces. 1, 2,1 2, Exercíco 2 Consdere a evolução das vendas do produto X do exercíco 1. e admta que sabe que o preço deste bem, em Janero de 26, era de 12 /ton. X. a) Calcule uma sére do valor das vendas deste produto admtndo que o seu preço se manteve nalterado ao longo do ano de 26. jan fev mar abr ma jun jul ago set out Valor vendas b) Construa uma sére de índces de base fxa em Janero de 26 relatva ao valor das vendas deste produto. jan fev mar abr ma jun jul ago set out Índce de valor 1, 15, 125,9 122,6 141,6 158,6 182,4 24,3 24,5 27,5 c) Compare a sére construída em c) com a que obteve na alínea c) do exercíco anteror. Interprete o resultado dessa comparação à luz das propredades conhecdas dos índces. É gual pos como os preços são sempre guas, a únca alteração que ocorreu nos valores das vendas fo a varação das quantdades. Admta agora que conhece a evolução dos preços deste produto ao longo do ano, que pode ser bem descrta pela segunte sére, de base fxa em Janero de 26: jan fev mar abr ma jun jul ago set out 1, 11,2 12,2 15,1 17,4 11,2 112,6 118,4 11,4 112,5 d) Construa uma nova sére do valor das vendas deste produto. jan fev mar abr ma jun jul ago set out Valor vendas , , , , , , , , , , e) Construa uma nova sére de índces, de base fxa em Janero de 26, relatva ao valor das vendas deste produto tendo em conta a evolução verfcada dos preços. jan fev mar abr ma jun jul ago set out Índce de valor 1, 16,3 128,7 128,9 152,1 174,8 25,3 241,8 225,7 233,5 f) Acha que pode obter a sére do índce do valor das vendas obtda em e) a partr da sére do índce do volume de vendas calculado no exercíco 2.c) e da sére dos índces de preços apresentada acma? Sm. Multplcando ambos Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 18

19 Índces Agregatvos Exercíco 1. Em 22, a empresa Sol da Era atngu o valor de vendas em mlhares de euros. Sabe-se que o índce de preços com base fxa em 22 e o crescmento das vendas a preços constantes tveram os valores seguntes: Índce de preços Base: 22= 1 Crescmento das vendas a preços constantes , 14,4 18,3 111,8 --,57% -,67%,68% a) Determne o crescmento dos preços em 23, 24 e 25. O crescmento dos preços em cada um dos anos pode ser obtdo a partr do índce de base móvel: Índce 1, 1,44 1,83 1, 37 1, 44 = 1,118 =1,323 1,83 Varação % 4,4% 3,7% 3,2% b) Determne o valor das vendas a preços constantes de 25. Alternatva 1: Para se obter a sére a preços constantes de 25 é precso: 1º - Calcular as quantdades venddas em cada ano, se os preços se mantvessem constantes,.e., a sére a preços constantes de 22. 2º - Inflaconar cada uma das quantdades venddas em cada ano para obter o valor que teram se os preços pratcados fossem os que vgoraram em 25. [1] Valores das vendas a preços constantes de 22 [2] Índce de preços de 25 (base 22) [3]=[1]*[2] Valores das vendas a preços constantes de *1.57= 27291,77*(1-,67) ,27*1,68= 27291,77 =27182,27 = ,118 1,118 1,118 1, , , , ,85 c) Determne o valor das vendas em 23, 24 e 25 a preços correntes. As vendas a preços correntes obtém-se multplcando cada valor a preços constantes de 22 (lnha 1 do quadro anteror) pelo índce de preços com base fxa nesse ano Valores das vendas a preços correntes ,77*1.44= ,27*1,83= = ,63*1,118= =35 13,85 Nota: o valor de 25 é gual pos os preços de referênca são os mesmos. d) Determne a taxa méda de crescmento dos preços entre 22 e Taxa méda de crescmento dos preços: r 25,22 = 1,118 1 =, 3788 ; 3,8% Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 19

20 Exercíco 2. O quadro segunte apresenta as estruturas de consumo de dos tpos de famílas e os índces de preços, com base em 2, dos grandes grupos de produtos que ntegram o índce de preços no consumdor. Estruturas de consumo Índces de preços (2 = 1) Famíla A Famíla B Dez 24 Dez 25 Almentação,25,35 15, 16,9 Transportes,1,2 11,3 115,2 Outros,65,45 17,1 19,6 a) Dga, quantfcando, qual dos tpos de famílas suportou um maor aumento do respectvo custo de vda durante o ano de 25. Cálculo do índce de varação dos preços em 25: 1,69 Almentação 1,18 1, 5 = 1,152 ; Transportes: 1,44 1,13 = 1,96 Outros: 1,23 1,71 = Sendo estes os índces elementares de preços de cada um dos grupos de produtos o índce sntétco para cada tpo de famílas é uma méda ponderada em que os ponderadores são os respectvos coefcentes orçamentas. Assm : Índce de custo de vda para as Famílas A: (,25*1,18)+(,1*1,4)+(,65*1,23) = 1,241=12,41 Índce de custo de vda para as Famílas B: (,35*1,18)+(,2*1,4)+(,45*1,23) = 1,257=12,57 Conclusão: As Famílas B tveram um aumento maor no respectvo custo de vda. b) Admtndo que 4% das famílas do país são famílas A, sendo as restantes famílas B, qual fo o valor da nflação em 25? O índce geral de nflação nestas condções é uma méda ponderada dos dos grupos de famílas:,4 * 1,241 +,6 * 1,257 = 1,251=12,51 c) Qual deverá ser o índce de preços da almentação em Dezembro de 26 se o rtmo de crescmento dos respectvos preços for o que se verfcou em méda desde 2? Taxa méda de crescmento dos preços da almentação desde 2: 5 1,69 1 =,134 (1,34%) Se o índce de preços da almentação crescer à mesma taxa durante 26 deverá ser, em Dezembro de 26: 1,69 * 1,134 = 1,833=18,33 Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 2

21 Exercíco 3. Consdere o segunte quadro relatvo ao comportamento das exportações da empresa no período Ano Índce dos preços mplíctos nas exportações 1, 99,4 12,6 13,8 14, 19,4 11,7 111, 18,1 19,4 (1995=1) Exportações a preços constantes de 2 (Mlhares euros) 26476,6 2799, , , , , , , ,7 a) Determne as taxas anuas de crescmentos dos preços mplíctos nas exportações Obtém-se pelo cálculo da taxa de varação do índce dos preços Taxa -,6 3,2 1,2,2 5,2 1,2,3-2,6 1,2 b) Determne a taxa méda de crescmento entre 1995 e 24 dos preços mplíctos das exportações. Verfque e explcte razões para a taxa méda de crescmento ser dferente relatvamente à méda das taxas. 9 1,94 1 =,1 = 1%. É gual à méda geométrca das taxas mas não à méda artmétca. c) Determne a taxa méda de crescmento das exportações a preços constantes no período. 4735,7 9 1,49 4,9% 26476,6 = = d) Faça uma breve reflexão sobre o crescmento do valor a preços correntes das exportações no período, apresentando todos os cálculos que julgue necessáros. e) Determne para todos os anos o valor das exportações a preços constantes de 24. Obtém-se nflaconando os valores a preços de 2 pelo índce de preços entre 2 e 24. Neste caso os valores são guas dado que a os preços das exportações em 2 são guas aos de 24 (mesmo valor do índce). Ano Exportações a preços constantes de 24 (Mlhares euros) 26476,6 2799, , , , , , , ,7 Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 21

22 Exercíco 4. Consdere a nformação apresentada no Quadro segunte relatva à economa Portuguesa. Quadro1. Evolução da FBCF em Portugal Undade FBCF (Preços correntes) Mlhões de euros FBCF (taxa de varação anual dos preços) Fonte: INE % 3, 3,7 2,4 2,1 4,5 1,9 2,1 1,8 2,3 2,5 a) Construa o índce de base fxa em 1995 da FBCF a preços correntes. O índce de base fxa em 1995 da FBCF a preços correntes obtém-se dvdndo todos os valores da FBCF a preços correntes pelo valor de Para 1996, o valor é dado por 2841/19159=18,78 Índce de base fxa FBCF a preços correntes (1995=1) , 18,8 128,9 147,4 159,8 172,8 178,6 176,6 161,5 166,7 165,8 b) Construa o índce de base fxa em 2 da evolução dos preços da FBCF. Para obter o índce de base fxa em 2 da evolução dos preços podemos, por exemplo, segur os três seguntes passos: 1) construr o índce de base móvel gual a 1+a taxa de varação anual 2) construr o índce de base fxa em 1995 utlzar a propredade da crculardade = * ) ( 2, 1, 2,1 3) mudar a base do índce para 2, dvdndo todos os valores obtdos em 2 pelo valor de índce de base móvel 13 13,7 12,4 12,1 14,5 11,9 12,1 11,8 12,3 12,5 índce de base fxa em , 13, 16,81 19,37 111,67 116,7 118,91 121,41 123,6 126,44 129,6 índce de base fxa 2 85,69 88,26 91,53 93,73 95,69 1, 11,9 14,4 15,91 18,35 111,5 c) Calcule a taxa anual méda de crescmento dos preços da FBCF entre 1995 e 25. A taxa méda de crescmento dos preços pode ser obtda como a méda geométrca das taxas anuas de crescmento dos preços dadas no enuncado ,25 ( (1,3) * (1,37) *(1,24) *(1,21) *(1,45) * (1,19) * (1,21) * (1,18) * (1,23) *(1,25) 1) *1 r = =2,63% Análse da Informação Económca e Empresaral Pág. 22

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Estatística Experimental Medicina Veterinária. Faculadade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Campus de Jaboticabal SP. Gener Tadeu Pereira

Estatística Experimental Medicina Veterinária. Faculadade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Campus de Jaboticabal SP. Gener Tadeu Pereira MATERIAL DIDÁTICO Medcna Veternára Faculadade de Cêncas Agráras e Veternáras Campus de Jabotcabal SP Gener Tadeu Perera º SEMESTRE DE 04 ÍNDICE INTRODUÇÃO AO R AULA ESTATÍSTICA DESCRITIVA 3 º EXERCÍCIO

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Faculdade de Tecnologia de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Faculdade de Tecnologa de Catanduva CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL 7. GRÁFICOS DE INFORMAÇÕES São grácos tpcamente epostvos destnados, prncpalmente, ao públco em geral, objetvando

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS

ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS CCE DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Curso de Especalzação Lato Sensu em Estatístca ANÁLISE EXPLORATÓRIA DE DADOS Professor: Dr. Waldr Medr medr@uel.br Londrna/Pr Março de 011 ÍNDICE

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 071 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR. Cesar Augusto Taconeli UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA CE 7 ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR Cesar Augusto Taconel Curtba-PR . INTRODUÇÃO Taconel, C.A. Análse de Regressão Lnear Ao se tratar da relação

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO À AÁLISE DE DADOS AS MEDIDAS DE GRADEZAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...4

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1 Desgualdade da dstrbução da renda no Brasl: a contrbução de aposentadoras e pensões e de outras parcelas do rendmento domclar per capta Rodolfo Hoffmann 2 Resumo Incalmente são dscutdos problemas metodológcos

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S

Universidade Federal da Bahia Instituto de Física Departamento de Física da Terra e do Meio Ambiente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Unversdade Federal da Baha Insttuto de Físca Departamento de Físca da Terra e do Meo Ambente TEXTOS DE LABORATÓRIO T E O R I A D E E R R O S Físca I SALVADOR, BAHIA 013 1 Prefáco Esta apostla é destnada

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Interos e Raconas APRESENTAÇÃO ROL:,,, 4, 4,,, DISCRETA : rrelva@globo.com PROGRESSÃO ARITMÉTICA CONTÍNUA PROGRESSÃO ARITMÉTICA DISTRIBUIÇÃO DE REQUÊCIAS

Leia mais

2. BACIA HIDROGRÁFICA

2. BACIA HIDROGRÁFICA . BACIA HIDROGRÁFICA.1. GENERALIDADES Embora a quantdade de água exstente no planeta seja constante e o cclo em nível global possa ser consderado fechado, os balanços hídrcos quase sempre se aplcam a undades

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

EST 220 ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL

EST 220 ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA EST 0 ESTATÍSTICA EXPERIMENTAL Vçosa Mnas Geras 00 / II UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA Departamento de

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

são os coeficientes desconhecidos e o termo ε (erro)

são os coeficientes desconhecidos e o termo ε (erro) Regressão Lnear Neste capítulo apresentamos um conjunto de técncas estatístcas, denomnadas análse de regressão lnear, onde se procura estabelecer a relação entre uma varável resposta e um conjunto de varáves

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

Controle Estatístico de Processos: a questão da autocorrelação, dos erros de mensuração e do monitoramento de mais de uma característica de qualidade

Controle Estatístico de Processos: a questão da autocorrelação, dos erros de mensuração e do monitoramento de mais de uma característica de qualidade Controle Estatístco de Processos: a questão da autocorrelação, dos erros de mensuração e do montoramento de mas de uma característca de qualdade Docentes: Maysa S. de Magalhães; Lnda Lee Ho; Antono Fernando

Leia mais

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM Prncípos do Cálculo de Incertezas O Método GUM João Alves e Sousa Laboratóro Regonal de Engenhara Cvl - LREC Rua Agostnho Perera de Olvera, 9000-64 Funchal, Portugal. E-mal: jasousa@lrec.pt Resumo Em anos

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO

AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO AVALIAÇÃO SIMPLIFICADA DOS CONSUMOS DE ENERGIA ASSOCIADOS À VENTILAÇÃO Celestno Rodrgues Ruvo Área Departamental de Engenhara Mecânca, Escola Superor de Tecnologa da Unversdade do Algarve, 8000 Faro, Portugal

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADAS À HIDROLOGIA

PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADAS À HIDROLOGIA PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADAS À HIDROLOGIA Mauro aghettn Mara Manuela Portela DECvl, IST, 0 PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADAS À HIDROLOGIA Mauro aghettn Professor Assocado, Escola de Engenhara

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

Método de Monte Carlo Aplicado às Finanças 1. Introdução 2. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Distribuição 4. Algumas Aplicações 5.

Método de Monte Carlo Aplicado às Finanças 1. Introdução 2. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Distribuição 4. Algumas Aplicações 5. Método de Monte Carlo Aplcado às Fnanças 1. Introdução. O Método de Monte Carlo 3. Inversão da Função de Dstrbução 4. Algumas Aplcações 5. Prncípos Báscos do Método de Monte Carlo 5.1 Introdução 5. Formulação

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

Apostila De Estatística

Apostila De Estatística Apostla De Estatístca Professores: Wanderley Akra Shgut Valéra da S. C. Shgut Brasíla 006 INTRODUÇÃO 1.1. PANORAMA HISTÓRICO Toda Cênca tem suas raízes na hstóra do homem; A Matemátca que é consderada

Leia mais