IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA"

Transcrição

1 IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA ADELSON MARTINS FIGUEIREDO; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; JANDIR FERRERA DE LIMA; UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ TOLEDO - PR - BRASIL APRESENTAÇÃO ORAL Comérco Internaconal IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA Grupo de Pesqusa: Comérco Internaconal Resumo O proteconsmo no mercado agrícola mundal fo assunto dexado à margem das negocações multlateras de comérco até a Rodada Urugua. Ademas, mesmo com sua nclusão nessa rodada de negocações os resultados foram aquém do esperado. Assm, a dscussão sobre o fechamento de um acordo agrícola se transformou em tema mportante nos fóruns de negocações multlateras da OMC. O obetvo deste trabalho é estmar e comparar o grau de mportânca dos setores agrondústras na geração de crescmento econômco no Brasl e nos EUA. Para sso, usaram-se as matrzes de nsumo-produto de Brasl e EUA, através das quas foram estmados os índces de Rasmussen-Hrschman e os índces puros de lgação. Os resultados mostram que setores da agrcultura, pecuára e agronegóco são mportantes para a geração do crescmento econômco, tanto no Brasl como nos EUA. Constatou-se anda, que esses setores têm maor capacdade de geração de crescmento na economa braslera do que na norte-amercana. Portanto, embora os setores agrondustras seam mportantes para países desenvolvdos como os EUA sua mportânca é magnfcada em países em desenvolvmento como o Brasl, permtndo nferr que o maor acesso aos mercados agrícolas mundas podera estmular a expansão desses setores na economa braslera e, por consegunte estmular o crescmento econômco. Palavras-chaves: lberalzação, agronegóco, crescmento econômco, Brasl, EUA. Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 1

2 Abstract The protectonsm n the worldwde agrcultural markets was a subect left to the margn of the multlateral negotatons of trade untl the Uruguay Round. Besdes, even wth ts ncluson n ths round of negotatons the results were beneath the expected. Thus, the dscusson about the closng of an agrcultural agreement became an mportant theme n the forums of multlateral negotatons of WTO. The am of ths work s to esteem and to compare the degree of mportance of the agrbusness sectors nto the generaton of economc growth n Brazl and n the USA. For that, the nput-output head offces of Brazl and the USA were used, through them, the Rasmussen-Hrschman ndex and the GHS ndexes were esteemed. The results show that the sectors of agrculture, lvestock and agrbusness are mportant for the generaton of the economc growth, n Brazl and n the USA. It was also verfed, that these sectors have a larger capacty of growth creaton n the Brazlan economy than n the North Amercan. Therefore, although the agrbusness sectors are mportant for developed countres as the USA ts mportance s magnfed n developng countres lke Brazl, allowng to nfer that the largest access to the world agrcultural markets could stmulate the expanson of these sectors n the Brazlan economy and, consequently stmulate the economc growth. Key Words: lberalzaton, agrbusness, economc growth, Brazl, the USA. 1. INTRODUÇÃO Até 1994, ocorreram sete rodadas de negocações multlateras de comérco no âmbto do Acordo Geral sobre Tarfas e Comérco (GATT). Entretanto, nenhuma das rodadas de negocações contemplou questões relatvas ao proteconsmo nos mercados agrícolas. Apesar da alta proteção nesses mercados, sea na forma de quotas, tarfas, barreras nãotarfáras e subsídos, esse tema fo margnalzado nas negocações multlateras até a Rodada Urugua (1994). A Rodada Urugua, concluída em abrl de 1994, fo a otava e maor rodada de negocações multlateras na hstóra do GATT. Nessa rodada, o tema agrícola fo ncluído nas negocações e foram estabelecdas, entre outras metas, a de redução de subsídos tanto às exportações quanto à produção (MIRANDA, 001). Na Tabela 1, observa-se que foram estabelecdos cortes graduas de 0% nos subsídos à produção agrícola para os países desenvolvdos, com cronograma de ses anos para sua mplementação, compreendendo o período de 1995 a 000; para os países em desenvolvmento estabeleceram-se metas de -13%, com prazo-lmte de 10 anos ( ) para adoção das reformas necessáras ao processamento da redução dos subsídos. Além dsso, também foram estabelecdas metas de redução tanto para o valor dos subsídos às exportações quanto para o volume de exportações subsdadas. Sobre o valor dos subsídos às exportações estabeleceram-se, em méda, cortes de -36% e de -4%, e sobre o volume de exportações subsdadas, cortes de -1% e de -14%, para países desenvolvdos e em desenvolvmento, respectvamente. Tabela 1 Meddas geras de redução da proteção na agrcultura estabelecdas na Rodada Urugua Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008

3 TARIFAS E INCIDÊNCIA DOS SUBSÍDIOS TARIFAS PRODUÇÃO EXPORTAÇÕES Fonte: OMC (004). DESCRIÇÃO DOS CORTES Méda geral Corte mínmo por produto Nos subsídos totas No valor dos subsídos Na quantdade subsdada Países e cronograma de redução da proteção nas trocas agrícolas Desenvolvdos Em desenvolvmento 6 anos: 10 anos: % -4% -15% -10% -0% -13% -36% -4% -1% -14% Segundo Mranda (001), a Rodada Urugua nfluencou sgnfcatvamente o padrão de proteção exstente no comérco agrícola mundal. Entretanto, para Smões e Ferrera (000), seus resultados foram aquém do esperado, pos os países membros da Organzação Mundal do Comérco (OMC) usaram para cálculos das metas de redução dos subsídos um período-base ( ) marcado por grandes despesas com subsídos. Assm, os percentuas de redução fxados para os países especalmente para os Estados Undos da Amérca (EUA), Unão Européa (UE) e Japão foram relatvamente baxos. Conseqüentemente, poucas modfcações efetvas ocorreram em termos de contenção das restrções ao comérco agrícola mundal. Os subsídos à produção agrícola nos países desenvolvdos (PDs) tornaram-se alvo de recorrente debate nos fóruns nternaconas realzados pela OMC. Entretanto, as negocações para sua redução pouco avançaram, pos os países que mas subsdam a produção agrícola são também os que detêm maor poder nas negocações unto à OMC, como EUA, UE e Japão. Além dsso, esses países á conseguram sgnfcatva lberalzação nos setores ndustras, em que possuem maores vantagens compettvas; por sso, a lberalzação á realzada lhes fora benéfca. Assm, acordos de lberalzação comercal que prorzem reformas na agrcultura, especalmente os que contemplam reduções de subsídos à produção agrícola, não representam as maores fontes de benefícos aos países desenvolvdos. Ademas, após conclusão da Rodada Urugua, questões relatvas a subsídos à produção e a acesso aos mercados agrícolas tornaram-se substancas para a conclusão de novas rodadas de negocações multlateras. Frente a esse cenáro, vsando contrbur com a dscussão sobre a mportânca da lberalzação dos mercados agrícolas mundas para a economa braslera pretende-se com este trabalho quantfcar e comparar o grau de mportânca dos setores agrondustras para o crescmento econômco no Brasl (país em desenvolvmento) e nos EUA (país desenvolvdo). Este trabalho fo subdvddo em quatro etapas, sendo uma composta pela ntrodução. Na etapa segunte apresentam-se os métodos analítcos utlzados para medr o grau de Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 3

4 mportânca dos setores agrícolas para a economa braslera e norte-amercana. Na tercera etapa são expostos os resultados e na quarta e últma etapa apresentam-se as conclusões.. ASPECTOS TEÓRICOS E METODOLÓGICOS Na lteratura econômca é comum encontrar trabalhos analsando os mpactos de dversas polítcas comercas sobre uma economa aberta e em partcular sobre o crescmento econômco. De fato, o comérco nternaconal não pode ser menosprezado no crescmento econômco, pos ele sempre teve um papel de destaque no estímulo da produção. No caso da cênca econômca, o comérco nternaconal ganhou um lugar de mportânca na teora econômca a partr dos estudos de Davd Rcardo (Braun e Ferrera de Lma, 005). Para Rcardo (1986), o comérco nternaconal va estmular a especalzação das nações. Assm, os países que tverem um custo relatvamente menor na mão-de-obra, para produzr determnado bem, devam domnar o mercado. Com sso, as nações concentraram seus nsumos e sua estrutura produtva na produção de mercadoras em que detverem vantagens comparatvas. No geral, todos os países ganharam. Dferente de Rcardo (1986), para a corrente neoclássca do pensamento econômco, os custos da mão-de-obra representavam apenas uma parcela dos custos totas. Eles levam em consderação os custos dos recursos naturas, do captal e até mesmo da absorção de tecnologa. Essa corrente, que tem em Ohln (1933) seu expoente, mantém a déa das vantagens comparatvas, mas ncluem os efetos do comérco nternaconal sobre a remuneração dos fatores de produção. O comérco nternaconal, supondo a total mobldade dos fatores de produção, equalza a remuneração dos fatores de produção entre as nações. Como contraponto à concepção de Ohln (1933), Cardoso (199) nos apresenta as déas orundas da Comssão Econômca para a Amérca Latna e Carbe (CEPAL). Para a CEPAL as relações econômcas entre os países captalstas centras e os países captalstas subdesenvolvdos tenderam a acentuar a dependêncas dos últmos. Assm, como os países centras produzem tecnologa de ponta e se apropram do progresso técnco, sua estrutura produtva apresenta sempre maores vantagens comparatvas. Sem contar que o crescmento da produtvdade é maor na produção de manufaturas em relação à produção agrícola. Por sso, a relação entre os bens produzdos nos países centras e os produzdos na perfera é desgual. Como afrma Cardoso (199, p.35): o preço dos produtos prmáros tende a declnar como proporção dos preços dos produtos ndustralzados.... Porém, ndferente à teora econômca as negocações no âmbto da OMC tem segudo os nteresses partculares de cada país ou grupo de países, que mantém polítcas proteconstas em relação aos seus mercados agrícolas. De acordo com KRUGMAN e OBSTFELD (001), dentre essas polítcas destacamse os subsídos, tarfas e barreras não tarfáras. Salenta-se que a maora dos trabalhos aponta mpactos sobre a produção, preços, exportações, mportações e consumo. Esses mpactos devem ser tanto maores para um país quanto maor for sua partcpação na produção e exportações mundas do produto ou setor protegdo. Assm, os benefícos do maor acesso aos mercados mundas agrícolas devem ser tanto maores quanto maor for a capacdade compettva do país e a mportânca dos setores agrondustras na economa. Dessa manera, fez-se um levantamento do percentual do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasl gerado pelos setores da agrcultura, pecuára e agronegóco. Levantaram-se anda as exportações desses setores em relação ao total exportado pelo Brasl e pelos EUA. Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 4

5 De forma mas abrangente, para comparar a mportânca do agronegóco para o Brasl e EUA, fo feto um estudo das estruturas produtvas setoras de suas economas. Para sso, usaram-se os índces de lgação para frente e para trás ou de Rasmussen-Hrschman e os índces puros de lgação (GHS) MODELO DE INSUMO-PRODUTO As Matrzes de Insumo-Produto de EUA e Brasl foram utlzadas para verfcar se os setores agrícolas são mportantes para estmular o crescmento da economa, ou sea, se são setores-chave. A MIP é estruturada de forma que em suas lnhas regstram-se as vendas do setor para os demas setores e para o consumo das famílas (C), nvestmentos prvados (I), gastos do governo (G) e exportações (E), conforme representação feta no Quadro 1. Assm, a demanda ntermedára (CI ) mas a demanda fnal (Y ) compõem o produto total ou as vendas totas do setor. Quadro 1 - Matrz de nsumo-produto orgnára do modelo de Leontef Vendas () Compras () Total Setores Consumo ntermedáro Demanda fnal produto Setor 1 Setor Setor 3 C I G E X Setor 1 z 11 z 1 z 13 CI 1 C 1 I 1 G 1 E 1 Y 1 X 1 Setor z 1 z z 3 CI C I G E Y X Setor 3 z 31 z 3 z 33 CI 3 C 3 I 3 G 3 E 3 Y 3 X 3 DI 1 DI DI 3 M M 1 M M 3 VA VA 1 VA VA 3 Total de nsumo X X 1 X X 3 Fonte: Adaptado de Montoya (1999) e Castro (003). Nota: C é a produção do setor, consumda pelas famílas; I é a produção do setor, destnada ao nvestmento; G é a produção do setor, consumda pelo governo; E é a produção do setor, que é exportada; CI é a produção do setor, que é utlzada como consumo ntermedáro; DI são as despesas com nsumos ntermedáros pelo setor ; Y é o total de demanda fnal da atvdade ; X é a oferta total do setor ou valor bruto da produção ; X é o custo de produção total do setor ; M é o total de mportações do consumo ntermedáro pelo setor ; VA é o valor adconado (remuneração dos fatores prmáros) gerado pelo setor. 1 Os procedmentos para o cálculo destes índces podem ser obtdos em Rasmussen (1956), Hrschman (1958), Haddad et al. (1989), Gulhoto et al. (1994), Gulhoto (1995) e Castro (004). Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 5

6 De acordo com Bulmer-Thomas (198), expandndo para n setores, é possível denotar o produto total do setor por: n X = z + ( C + I + G + E ) = 1 = 1,...,n = 1,..., n (1) em que X é o produto bruto total; z é a produção do setor, utlzado como nsumo ntermedáro pelo setor ; C é produção do setor comprada pelas famílas; I é a produção do setor destnada ao nvestmento; G é a produção do setor comprada pelo governo; e E é a produção do setor destnada à exportação. Da soma de C, I, G e E obtém-se a demanda fnal (Y). Conforme Vera (1998), os componentes da demanda fnal são exógenos, sendo o camnho pelo qual se captam choques de demandas e, ou, alterações de polítcas econômcas, cuos efetos são relaconados com mudanças na oferta setoral, no valor adconado e nas rendas nsttuconas. Nas colunas da MIP, por sua vez, são regstradas as compras de nsumos ntermedáros produzdos pela ndústra com custos guas a (DI ). Segundo Feó et al. (00), as demas partes componentes na coluna representam o valor adconado, composto pelo somatóro da remuneração do trabalho no setor (RL ) e da remuneração do captal no setor (RK ) e o valor dos mpostos (I ); n é o número de setores produtvos; e z é a produção do setor, que é utlzada, como nsumo ntermedáro, no setor. n X = z + ( VA + M ) = 1,..., n = 1,..., n () = 1 em que X é o custo bruto total gual ao produto bruto total; z é a produção do setor, utlzado como nsumo ntermedáro pelo setor ; VA são valores adconados pagos pelo setor ; e M é a mportação de nsumos do setor. Como X = X, chega-se à dentdade, em que se tem gualdade entre a Renda Naconal (RN) e o Produto Naconal Bruto (PNB): V = CI + I + G + E M ) (3) ( A matrz de coefcentes de Leontef pode ser obtda dvdndo os valores das compras ntermedáras ( z ) pelos valores brutos da produção ( X ). Assm, defne-se a matrz de coefcentes técncos como: z A = (, = 1,,..., n) (4) X em que cada elemento da matrz A, a, representa os nsumos do setor demandados pelo setor, para cada undade do valor da produção total. Estmada a matrz de coefcentes técncos, procedeu-se à estmação da matrz de efetos globas, dos índces de lgação para frente e para trás, dos índces puros de lgação para Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 6

7 frente e para trás e dos índces puros totas. Matrz de efetos globas ou matrz de Leontef A matrz de efetos globas é obtda da dferença entre a matrz dentdade (I) e a matrz de coefcentes técncos (A), sto é, [I-A] -1. Da equação (1) podem-se descrever as demandas pela produção de cada setor da segunte forma: X = AX + Y (5) em que X representa o vetor de varáves endógenas, e as demas varáves á foram defndas. 1 Resolvendo essa equação para X, tem-se que X = [ b ] Y e b = [I A]. Segundo Castro (003), cada elemento b representa os requstos dretos e ndretos de nsumos do setor, por cada undade monetára gasta de demanda fnal no setor. Índces de lgação para frente e para trás Para determnar os setores com maor encadeamento na economa braslera e dos EUA, utlzaram-se os índces de lgação para frente e para trás. Rasmussen (1956) e Hrschman (1958) defnram que os índces de lgações para trás ndcam o quanto um setor demanda nsumos da economa, em relação aos demas setores. Por sua vez, os índces de lgação para frente ndcam até que ponto dado setor tem seus nsumos demandados pela economa, em relação aos demas setores. O índce de lgação para trás ( ILT ) é uma medda do grau de dependênca de cada setor produtvo com os setores fornecedores de nsumos. Sabendo-se que b representa os coefcentes da matrz nversa de Leontef, [ I A] 1, esse índce pode ser denotado por: ILT n b / n = 1 = (6) n b / n, = 1 O índce de lgação para frente ( ILF ) é uma medda de nterlgação de um setor com os seus compradores, sendo representado por: n b / n = 1 ILF = (7) n b / n, = 1 Os setores que apresentarem valores superores à undade para esses índces são consderados acma da méda, sendo, portanto, setores-chave para o crescmento da economa. Os índces de lgação para trás com valores maores que a undade ndcam que o setor é altamente dependente do restante da economa, enquanto valores maores que a undade para os índces de lgação para frente ndcam que a produção de determnado setor é amplamente utlzada pelos demas. Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 7

8 Índces puros de lgação para frente, para trás e total (GHS) De acordo com Gulhoto et al. (1994) e Gulhoto (1995), partndo da decomposção da matrz de coefcentes técncos de Leontef (A) elaborada por Cella, em 1984, uma decomposção melhorada de A pode ser feta da segunte forma: A A r A A r 0 0 A = + = A + A Ar A = rr A r A 0 0 rr r (8) em que A e A rr são matrzes de nsumos dretos, dentro do setor e dentro do resto da economa, respectvamente, sendo o resto da economa defndo como a economa menos o setor ; A r e A r são matrzes retangulares que mostram os nsumos dretos adqurdos pelo setor do resto da economa e os nsumos dretos adqurdos pelo resto da economa do setor, respectvamente; A é uma matrz que representa o setor solado do resto da economa; e A r é uma matrz que representa o resto da economa. Denotando-se a matrz nversa de Leontef transformada por L = [ I A] 1, Gulhoto (1995) argumenta que cada decomposção adtva da matrz de coefcentes técncos de Leontef, representada na equação (8), pode ser convertda em duas decomposções multplcatvas da matrz nversa de Leontef: L = P P (9) 1 ou L = PP (10) 1 3 e P [ ] 1 1 = I Ar (11) P I P A (1) [ ] 1 1 [ I A ] 1 = P = P (13) 3 1 Conforme Gulhoto (1995), a equação (9) sola a teração dentro do resto da economa, P 1, da teração do setor com o resto da economa, P. Observa-se anda que, na equação (1), P mostra os mpactos dretos e ndretos que a demanda por nsumos do setor tem sobre a economa, P 1 A. Por sua vez, a equação (10) sola a teração dentro do resto da economa, P 1, da teração do resto da economa com o setor, P 3. Na equação (13), percebese que P 3 revela que o nível dos mpactos no setor é gerado pelas necessdades dretas e ndretas do resto da economa, A P1. Das equações (11) e (1) pode-se escrever a equação (19), como segue: Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 8

9 ~ ~ A r I 0 L ~ ~ r Ar I r Ar Ar 0 = (14) + r P P1 em que: = ( I A ) 1 ( I A A A ) 1 ~ = r r r r = ( I A ) 1 rr Da equação (14) pode-se decompor, P, como segue: I 0 ~ I A 0 r P = (15) r Ar I 0 I 0 I Defne-se anda: ( I B ) 1 P = (16) A Ar B = = P1 A (17) r Ar 0 O Índce Puro de Lgações para Trás (IPLT) pode ser defndo a partr da equação (17), da segunte forma: IPLT = A q (18) rr r r em que rr é um vetor lnha untáro de dmensão aproprada ao número de setores contdos na MIP; e q é o valor bruto da produção do setor. Os Índces Puros de Lgação para Frente (IPLF) podem ser obtdos das equações (10), (11) e (13), conforme segue: ~ ~ I 0 A r r L ~ ~ 0 r r Ar I Ar A = (19) r r + P1 P3 I 0 ~ I A 0 r r P 3 = (0) Ar I 0 I 0 I P I F (1) 3 ( ) 1 = Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 9

10 A A r r F = = A P1 () Ar 0 Da equação () derva-se o IPLF: IPLF = A q (3) r r rr em que q rr é um vetor coluna com o valor bruto da produção de cada setor que compõe o resto da economa. O Índce Puro de Lgação Total (IPT) para cada setor pode ser defndo como a soma de IPLT e IPLF, pos esses índces são expressos em valores correntes. Dessa manera: IPT = IPLT + IPLF (4) Para defnr esses índces em suas formas normalzadas, basta dvdr o valor obtdo de cada índce, para cada setor, pela méda do própro índce em todos os setores. Organzação dos dados de nsumo-produto As matrzes de nsumo-produto de Brasl e Estados Undos foram estruturadas de acordo com a metodologa proposta pela Organzação das Nações Undas (ONU) em 1993, que ntegra as matrzes de nsumo-produto ao sstema de contas naconas. Na montagem dessas matrzes usou-se a tecnologa baseada na ndústra, e suas apresentações fnas foram elaboradas em uma estrutura de setor por setor ou de ndústra por ndústra. Para o cálculo dos valores dos índces de lgação para frente e para trás e os índces puros de lgação para frente e para trás normalzados foram utlzados os softwares Mcrosoft Excel, versão 11.0 e o MatLab, versão 7.0. As tabelas de nsumo-produto para o Brasl foram obtdas no Banco do Amazonas S/A (BASA). Essas tabelas são referentes ao ano de 1999 e foram construídas por Gulhoto e Sesso Flho (005). As tabelas de nsumo-produto dos EUA, referentes também ao ano de 1999, foram dsponblzadas pelo Bureau of Economc Analyss (BEA). A conversão dos valores em dólares para reas e vce-versa fo realzada utlzando-se a méda da taxa de câmbo comercal de venda mensal em R$/US$ e fm de período referentes ao ano de Essa sére da taxa de câmbo mensal fo obtda no Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada (IPEA); posterormente calculou-se a sua méda anual, que fo de aproxmadamente R$ 1,8 por dólar. As agregações utlzadas para as MIP de Brasl e EUA são apresentadas nos Quadros. As MIPs de EUA e Brasl têm dmensões dêntcas, com 15 setores, mas ses componentes da demanda fnal. Quadro Agregações das matrzes de nsumo-produto do Brasl e dos EUA Exposção smplfcada desta metodologa é apresentada no Apêndce A desta pesqusa. Para detalhes sobre esta metodologa, ver Feó et al. (003). 10 Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008

11 Agregações da pesqusa Setores 01 Cana-de-açúcar 0 Soa 03 Mlho 04 Frutcultura 05 Outros da agrcultura 06 Pecuára 07 Carnes 08 Indústra do açúcar e álcool 09 Outros agrondustras 10 Adubos e fertlzantes 11 Energa 1 Madera e mobláro 13 Outras ndústras 14 Comérco 15 Servços Fonte: BASA (004) e BEA (005) Elaborado pelo autor. Para garantr a correspondênca entre os setores da economa braslera e dos EUA, usaram-se Agregações da North Amercan Industry Classfcaton System (NAICS) em um sstema harmonzado. 3. RESULTADOS E DISCUSSÕES O grau de mportânca do agronegóco na geração de renda no Brasl e nos EUA é obtdo da comparação entre a partcpação do agronegóco e dos setores que o compõem no Produto Interno Bruto (PIB) total desses países. Nos EUA, o agronegóco fo responsável por cerca de 9% do PIB total da economa em 1996 (JANK, 00). Em 003, a partcpação da agrcultura e agropecuára no PIB dos EUA fo de cerca de %. Nesse mesmo ano, a partcpação do agronegóco fo de aproxmadamente 5,8% do PIB (USDA, 005). Na Tabela são apresentadas as exportações de produtos seleconados dos EUA em 004. Os EUA se destacam como maor exportador mundal de soa e mlho em grão. Ocupa posções de destaque em produtos como carne de frango, tabaco, etc. Além dsso, constata-se que esse país é o maor exportador de produtos agrícolas do mundo, com parcela estmada de 10,59% do total das exportações mundas. Dessa manera, além de ser uma grande economa, os EUA são também um grande concorrente do Brasl nas exportações de produtos de orgem agrícola e agrondustral. Tabela Exportação de produtos seleconados do agronegóco norte-amercano e partcpação nas exportações mundas no ano de 004 Produtos Valor exportado (US$ em mlhões) EUA/Mundo Partcpação Rankng (%) Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de

12 Suco de larana (concentrado) 131,961 8,53 3º Carne de frango 1.765,63 1,31 º Açúcar 69,13 0,63 8º Soa em grão 6.69,04 45,1 1º Farelo de soa 1.036,40 9,6 4º Óleo de soa 90,80 5,34 3º Carne bovna 584,18,95 11º Mlho 6.137,51 5,35 1º Tabaco.654,86 1,05 3º Total agrícola ,7 10,59 1º Total das exportações , Exportações agrícola/total (%) 6, Fonte: FAO (006) elaborado pelo autor. No Brasl, o agronegóco é responsável por grande parte do PIB. De acordo com Gulhoto et al. (000), em 1999, o PIB do agronegóco braslero atngu R$ 69,46 blhões, correspondendo a aproxmadamente um terço do PIB total da economa. Pela Tabela 3, percebe-se que em período mas recente o agronegóco contnua mportante na agregação de valor ao PIB braslero. Em 004, os setores da agrcultura e da pecuára foram responsáves por 5,3% e 3,64% do PIB total, respectvamente, enquanto a partcpação do agronegóco fo de 9,77% nesse mesmo ano. No ano de 005, houve sensível redução da partcpação desses setores no PIB braslero devdo à conuntura desfavorável enfrentada pelo agronegóco, tendo como causas prncpas a valorzação da taxa de câmbo e a queda dos preços nternaconas de commodtes. Entretanto, destaca-se que a partcpação do agronegóco no PIB braslero 7,75% em 005 é bastante expressva, demonstrando a capacdade desse setor em mpulsonar o crescmento econômco. Tabela 3 Produto setoral e total da economa braslera (004 e 005) (Em blhões de reas a preços de 005) Anos Setores PIB (%) PIB (%) Agrcultura 1 100,78 5,3 85,0 4,40 Pecuára 1 68,87 3,64 67,80 3,50 Agropecuára 1 169,65 8,96 153,04 7,90 Agronegóco 1 563,89 9,77 537,63 7,75 PIB Total 1894,46 100, ,60 100,00 Fonte: 1 CEPEA (006), IPEA (006) elaborado pelo autor. O agronegóco braslero torna-se anda mas mportante quando se consdera sua capacdade de geração de dvsas. Na Tabela 4 é apresentado, para o ano de 004, o valor das exportações de produtos seleconados do agronegóco e sua partcpação nas exportações mundas. O valor das exportações dos produtos seleconados atngu US$ 17,5 blhões, com destaque para as exportações brasleras de carne de frango, açúcar, carne bovna e para os Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 1

13 produtos da agrondústra da soa, que, além de se destacarem pela geração de dvsas, o Brasl possu a prmera e segunda colocações no rankng dos maores exportadores mundas desses produtos. Salenta-se anda que o Brasl é o maor exportador de suco de larana (concentrado), com parcela de 51,07% do mercado mundal. As exportações agrícolas totas do Brasl atngram cerca de US$ 7, blhões e sua partcpação nas exportações agrícolas mundas fo de 4,51%, levando o País à posção de qunto maor exportador de produtos agrícolas do mundo, em 004. As exportações totas do agronegóco atngram US$ 41,5 blhões em 004, sendo responsável por 43,0% das exportações totas do Brasl. Em 005, as exportações do agronegóco braslero foram anda maores, atngndo cerca de US$ 46,3 blhões. Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de

14 Tabela 4 Exportação de produtos seleconados do agronegóco braslero e partcpação nas exportações mundas no ano de 004 Produtos Valor exportado (US$ em mlhões) Brasl/Mundo Partcpação Rankng (%) Suco de larana (concentrado) 1 789,68 51,07 1º Carne de frango 1.493,93 30,10 1º Açúcar 1.640,3 4,3 1º Soa em grão 1.493,93 30,10 º Farelo de soa ,89 9,4 º Óleo de soa ,09 5,39 º Carne bovna 1.48,66 1,7 º Mlho 1 597,33 5,10 4º Tabaco ,76 6,47 5º Total agrícola ,10 4,51 5º Total do agronegóco , Total das exportações ,3 - - Exportações agronegóco/total (%) 43,0 Exportações agrícola/total (%) 1 8,1 - - Fonte: 1 FAO (006), Gonçalves e Souza (006), MDIC (007) elaborado pelo autor. Na Tabela 5 apresentam-se os índces de lgação para frente e para trás da economa braslera e norte-amercana para 15 setores seleconados. O índce de lgação para frente (ILF) é um ndcador do grau de mportânca do setor, enquanto fornecedor (vendedor) de nsumos para os demas setores da economa. Já os índces de lgação para trás (ILT) mostram a mportânca de cada setor, enquanto comprador (demandante) de nsumos. Assm, setores que apresentam ILF maor que a undade são consderados acma da méda, ou sea, são os que apresentam maor ntensdade nas relações de venda (oferta) de nsumos e, ou, produtos com os demas setores da economa, sendo, portanto, classfcados como mas dnâmcos na ótca da oferta. Por fm, setores com ILT maor que a undade são mas dnâmcos na ótca da demanda, ou sea, são setores que apresentam ntensdade de relações de compra de nsumos e produtos acma da méda da economa ou de todos os setores. De acordo com os ILF e ILT, é comum classfcar os setores como setores-chave ou mas mportantes para o crescmento da economa. De acordo com Gulhoto (1995), podem ser usados dos crtéros para classfcação dos setores: a) consderando um conceto estrto, classfca-se como setor-chave aquele que apresentar valores maores que a undade em ambos os índces (ILF e ILT); b) usando um conceto mas flexível, classfca-se como setor-chave aquele que apresentar valor maor que a undade para pelo menos um dos índces (ILT ou ILF). Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de

15 Tabela 5 Índces de lgação para frente (ILF) e índces de lgação para trás (ILT) de Brasl e EUA no ano de 1999 Índces de lgação Índces de lgação SETORES para frente para trás Brasl 1 EUA Brasl 1 EUA ILF ILF ILT ILT Cana-de-açúcar (1) 0,74 0,5 0,89 1,03 Soa 0,59 0,58 1,08 1,03 Mlho 0,63 0,6 1,1 1,03 Frutcultura 0,58 0,54 0,79 1,08 Outros da agrcultura 0,99 1,17 0,76 1,03 Pecuára 0,99 0,95 0,98 1,07 Carnes 0,58 0,56 1,3 1,1 Indústra do açúcar e álcool 0,67 0,51 1,10 1,09 Outros agrondustras 0,79 0,98 1,16 1,08 Adubos e fertlzantes 1,3 0,53 1,17 0,97 Energa 1,7 0,91 0,96 0,93 Madera e mobláro 0,64 0,66 1,00 1,00 Outras ndústras 1,99,19 0,98 0,96 Comérco 1,15 1,09 0,94 0,75 Servços 1,71 3,18 0,76 0,83 Fonte: 1 BASA (004), BEA (005) elaborado pelo autor. Nota: (1) Para os EUA, o setor cana-de-açúcar é composto por cana-de-açúcar e beterraba açucarera. De acordo com os ILF e ILT apresentados na Tabela 5 e consderando um conceto mas flexível, podem-se classfcar como setores-chave da economa braslera os seguntes setores: Soa, Mlho, Carnes, Indústra do açúcar e álcool, Outros agrondustras, Adubos e fertlzantes, Energa, Outras ndústras, Comérco e Servços. Para a economa norteamercana apenas os setores Adubos e fertlzantes, Energa e Madera e mobláro não são classfcados como setores-chave. Entretanto, o motvo prncpal da apresentação desses índces, nesta pesqusa, é verfcar em quas setores o Brasl possu maores ILF e ILT do que os EUA, para que se tenha uma déa de quas setores são relatvamente mas mportantes em cada uma dessas economas. Percebe-se que o Brasl possu índces maores do que os dos EUA para a maor parte dos setores, exceto para Outros da agrcultura, Outros agrondustras, Madera e mobláro, Outras ndústras e Servços, quando se consdera o ILF, e exceto Cana-de-açúcar, Frutcultura, Outros da agrcultura, Pecuára, Madera e mobláro e Servços, consderando o ILT. No entanto, apenas pela observação dos valores ndvduas desses índces não é possível defnr claramente quas setores são mas mportantes para a economa braslera e norte-amercana, pos em mutos setores o Brasl possu maor ILF, porém os EUA possuem Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de

16 maor ILT. Uma solução para sso é consderar que os setores da economa braslera que apresentarem ambos os índces (ILF e ILT) maores do que os índces para setores equvalentes na economa norte-amercana são setores relatvamente mas mportantes para o Brasl. Assm, pode-se dzer que os setores produtvos mas mportantes para o Brasl, relatvamente aos EUA, são: Soa, Mlho, Carnes, Indústra do açúcar e álcool, Adubos e fertlzantes, Energa e Comérco. Já para a economa norte-amercana os setores mas mportantes seram Outros da agrcultura e Servços. Todava, não é possível classfcar a mportânca dos demas setores, como Cana-de-açúcar, Frutcultura, Pecuára, Outros agrondustras, Madera e mobláro e Outras ndústras. Embora ocorra essa lmtação, esses índces expressam que um número consderavelmente maor de setores agrícolas é mas mportante para geração e manutenção do crescmento econômco no Brasl do que nos EUA. Destaca-se que os índces de Rasmussen-Hrschman não consderam o peso da produção setoral no total da produção da economa, sendo esta uma lmtação desses índces e que possvelmente contrbu para que ocorram dfculdades tanto no processo de classfcação dos setores da economa como sendo ou não setores-chave, como na comparação desses índces entre as economas braslera e norte-amercana. Para resolver esse problema, apresentam-se também os índces puro de lgação para frente (IPLF), para trás (IPLT) e de lgação total (IPT), normalzados, para o Brasl e os EUA. De acordo com os valores do IPLF apresentados na Tabela 6, fca claro que os setores da agrcultura, pecuára e agrondustras são todos relatvamente mas mportantes para a economa braslera do que para a norteamercana. Ademas, os setores de Energa e de Adubos e fertlzantes também se mostram relatvamente mas encadeados a usante na economa braslera do que na economa norteamercana. Por sua vez, os setores Madera e mobláro, Outras ndústras, Comérco e Servços se mostraram relatvamente mas mportantes para os EUA do que para o Brasl. Os setores destacados em negrto na Tabela 6 são aqueles em que cada país, Brasl ou EUA, apresenta maores valores para os índces puros de lgação. Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de

17 Tabela 6 Índces puros normalzados de lgação para frente (IPLF), para trás (IPLT) e total (IPT) de Brasl e EUA no ano de 1999 Índces puros de Índces puros de Índces puros SETORES Lgação para frente lgação para trás totas Brasl 1 EUA Brasl 1 EUA Brasl 1 EUA IPLF IPLF IPLT IPLT IPT IPT Cana-de-açúcar 0,09 0,01 0,7 0,01 0,18 0,01 Soa 0,19 0,04 0,0 0,06 0,0 0,05 Mlho 0,13 0,05 0,18 0,09 0,16 0,07 Frutcultura 0,07 0,04 0,17 0,04 0,1 0,04 Outros da agrcultura 0,36 0,4 1,1 0,41 0,73 0,33 Pecuára 0,96 0,3 0,69 0,38 0,83 0,35 Carnes 0,85 0,5 0,10 0,1 0,48 0,19 Indústra do açúcar e álcool 0,35 0,04 0,38 0,0 0,36 0,03 Outros agrondustras,06 1,71 0,59 0,74 1,33 1,3 Adubos e fertlzantes 0,11 0,07 0,30 0,08 0,0 0,07 Energa 0,6 0,40,69 0,91 1,65 0,66 Madera e mobláro 0,5 0,39 0,19 0,41 0, 0,40 Outras ndústras 3,14 4,91,47 3,45,81 4,18 Comérco,18,16,18,46,18,31 Servços 3,64 4,38 3,46 5,81 3,55 5,09 Fonte: 1 BASA (004), BEA (005) elaborado pelo autor. Consderando os índces puros de lgação para trás (IPLT) normalzados, o Brasl contnuou apresentando maores ndcadores para os setores agrícolas, Frutcultura, Pecuára, Indústra do açúcar e álcool, Adubos e fertlzantes e Energa. A exceção, em comparação com os valores do IPLF, foram os setores de Carnes e Outros agrondustras, que mostraram relações de compra ou encadeamento a montante mas ntensas na economa norte-amercana do que na braslera. Destaca-se que, de acordo com o IPLT, os setores Madera e mobláro, Outras ndústras, Comérco e Servços também são mas dnâmcos nos EUA do que no Brasl. O índce puro total (IPT) dexa claro que todos os setores agrícolas, da pecuára, agrondustras, Adubos e fertlzantes e Energa são relatvamente mas dnâmcos e mportantes para o crescmento econômco no Brasl do que nos EUA. Já os setores Madera e mobláro, Outras ndústras, Comérco e Servços são relatvamente mas dnâmcos nos EUA do que no Brasl. O IPT permte nferr anda que os seguntes setores são fundamentas para a economa braslera: Outros agrondustras, Energa, Outras ndústras, Comérco e Servços. Os EUA apresentam como setores-chave bascamente os mesmos da economa braslera, exceto Energa. Obvamente, devdo a característcas própras da estrutura produtva, a economa braslera é mas dependente do agronegóco do que a economa norteamercana. Assm, o cudado do Brasl para com o agronegóco deve ser naturalmente maor do que nos EUA. Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de

18 4. CONCLUSÕES Verfca-se com este estudo que os produtos do agronegóco é de grande relevânca para o Brasl, sea por sua mportânca na pauta de exportações ou pela capacdade de geração de renda, equvalente a cerca de um terço do produto nterno bruto braslero. Assm, é mportante para o Brasl que se procure compreender e determnar os efetos de polítcas comercas que possam afetar os setores do agronegóco. Especalmente os efetos da polítca de subsídos à produção em países desenvolvdos como os EUA, pos à medda que a economa braslera se torna mas ntegrada ao comérco nternaconal, aumenta-se também a capacdade de essas polítcas afetarem esses setores. Para o Brasl, o avanço nas negocações em dreção à maor lberalzação do mercado agrícola mundal é extremamente mportante, tanto como forma de aquecer a economa nterna quanto por questões socas, pos, devdo às própras condções de subdesenvolvmento, esse país tem nos setores agrícolas e agrondustras fonte mportante de crescmento econômco. Além dsso, os setores agrícolas são mas ntensvos em mão-deobra, relatvamente aos setores ndustras, o que se traduz em oportundades claras de redução do desemprego. Ademas, a qualfcação da mão-de-obra empregada nas atvdades agrícolas é, em méda, menor do que nas atvdades ndustras. Isso torna o setor agrícola anda mas mportante para estmular o crescmento nas economas menos desenvolvdas, uma vez que a qualfcação da mão-de-obra dos países em desenvolvmento é, em sua maora, menor do que nos países de alta renda. Portanto, a lberalzação dos mercados agrícolas mundas de forma a propcar maor acesso aos mercados dos países desenvolvdos, certamente benefcará o Brasl. 5. REFERÊNCIAS BANCO DA AMAZÔNIA S/A BASA. Matrzes nsumo-produto Amazôna, regão norte e seus Estados. Belém, PA: BASA, CD-ROM. BEA BUREAU ECONOMIC ANALYSIS. Annual ndustry accounts. BEA, 005. Dsponível em: <http://www.bea.gov/>. Acesso em: 10 an BULMER-THOMAS, V. Input-output analyss n development countres. New York: John Wley & Sons, p. BRAUN, M.B.S.; FERRERA DE LIMA, J. Polítca comercal e exportação de produtos agrícolas brasleros. REDES: Revsta do Desenvolvmento Regonal, Santa Cruz do Sul (RS), v. 10, nº 0, p.37-54, 005. CARDOSO, F. H. As déas e o seu lugar: Ensaos sobre as teoras do desenvolvmento. Petrópols (RJ): Vozes, 199. CASTRO, E. R. Efetos dos gastos com a equalzação das taxas de uros do crédto rural na economa braslera f. Dssertação (Mestrado em Economa Aplcada) Unversdade Federal de Vçosa, 004. Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de

19 CEPEA CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS EM ECONOMIA APLICADA. PIB do agronegóco. CEPEA-USP/CNA, 006. Dsponível em: <http://www.cepea.esalq.usp.br/pb/>. Acesso em: 0 un FAO FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS. FAOSTAT Database. FAO, 006. Dsponível em: <http://apps.fao.org/>. Acesso em: 0 an FEIJÓ, C. A.; RAMOS, R. L. O.; YOUNG, C. E. F.; LIMA, F. C. F. C.; GALVÃO, O. J. A. Contabldade socal: o novo sstema de contas naconas do Brasl. ed. Ro de Janero: Elsever, p. GONÇALVES, J. S.; SOUZA, S. A. M. de. Agregação de valor nos agronegócos e dferenças estruturas entre as exportações setoras paulstas e braslera, Análses e Indcadores do Agronegóco, São Paulo, v. 1, n. 8, p. 1-4, ago Dsponível em: <http://www.ea.sp.gov.br/out/vertexto. php?codtexto =7097>. Acesso em: 07 fev GUILHOTO, J. J. M.; SONIS, M.; HEWINGS, G. J. D.; MARTINS, E. B. Índces de lgações e setores-chave na economa braslera: 1959/80. Pesqusa e Planeamento Econômco, Ro de Janero, v. 4, n.. p , ago GUILHOTO, J. J. M. Um modelo computável de equlíbro geral para planeamento e análse de polítcas agrícolas (PAPA) na economa braslera f. Tese (Lvre Docênca em Mcroeconoma) Escola Superor de Agrcultura Luz de Queroz, GUILHOTO, J. J. M.; FURTUOSO, M.C.O.; BARROS, G.S.C. O agronegóco na economa braslera 1994 a Praccaba: CNA, set p. GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U.A. Estrutura produtva da Amazôna: uma análse de nsumo-produto. Belém: Banco da Amazôna, p. GUILHOTO, J. J. M.; SILVEIRA, F. G.; ICHIARA, S. M.; AZZONI, C. R. A mportânca do agronegóco famlar no Brasl. Revsta de Economa e Socologa Rural, Brasíla, v. 44, n. 3, p , ul./set HADDAD, P. R.; FERREIRA, C. M. C.; BROISIER, S.; ANDRADE, T. A. Economa regonal: teoras e métodos de análse. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasl, p. HIRSCHMAN, A. O. The strategy of economc development. New Haven: Yale Unversty Press, IPEA INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Séres hstórcas. IPEA, 006. Dsponível em: <http://www.peadata.gov.br>. Acesso em: 0 abr JANK, M. S. Agrcultura e polítca agrícola nos Estados Undos da Amérca f. Tese (Lvre Docênca em Economa, Admnstração e Socologa) Escola Superor de Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de

20 Agrcultura Luz de Queroz, 00. KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD, M. Economa nternaconal: teora e polítca. 5. ed. São Paulo: Makron Books, p. MDIC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR. Estatístcas de exportação e mportação braslera 1989 a 007. MDIC, 007. Dsponível em: <http://alceweb.desenvolvmento.gov.br/>. Acesso em: 0 an MIRANDA, S. H. G. Quantfcação dos efetos das barreras não-tarfáras sobre as exportações brasleras de carne bovna f. Tese (Doutorado em Economa Aplcada) Escola Superor de Agrcultura Luz de Queroz, 001. MONTOYA, M.A. A análse nsumo-produto nternaconal no Mercosul: desenvolvmento econômco e nterdependênca estrutural. Passo Fundo: EDIUP, p. OHLIN, B. Interregonal and nternatonal trade. Cambrdge: Harvard Unversty Press, OMC ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO. WTO agrculture negotatons: the ssues, and where we are now. OMC, 004. Dsponível em: <http://www. wto.org/englsh/tratop_e/agrc_e/agnegs_bkgrnd_e.pdf>. Acesso em: an RASMUSSEN, P. Studes n ntersectoral relatons. Amsterdam: North Holland, RICARDO, D. Prncípos de economa polítca e trbutação. (os economstas). São Paulo: Nova Cultural, SIMÕES, R.; FERREIRA, R. C. Entraves comercas às exportações de carne bovna. Informe Agropecuáro, v. 1, n.05, ul./ago THORSTENSEN, V.; JANK, M. S. O Brasl e os grandes temas do comérco nternaconal. São Paulo, SP: Lex Edtora; Aduaneras, p. USDA/ERS UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE/ ECONOMIC RESEARCH SERVICE. CCC Net Outlays by Commodty and Functon. Washngton, DC: U.S Government, ul Dsponível em: <http:// Acesso em: 0 dez VIEIRA, W. C. Notas sobre a construção de matrzes de contabldade socal. Economa Rural, Vçosa, v. 9, n., p , Ro Branco Acre, 0 a 3 de ulho de 008 0

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL Poema Iss Andrade de Souza * Joaqum José Martns Gulhoto ** Raul da Mota Slvera Neto *** RESUMO

Leia mais

Gestão & Regionalidade ISSN: 1808-5792 revista.adm@uscs.edu.br. Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Brasil

Gestão & Regionalidade ISSN: 1808-5792 revista.adm@uscs.edu.br. Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Brasil Gestão & Regionalidade ISSN: 1808-5792 revista.adm@uscs.edu.br Universidade Municipal de São Caetano do Sul Brasil Martins Figueiredo, Adelson; dos Santos, Maurinho Luiz; Ferrera de Lima, Jandir IMPORTÂNCIA

Leia mais

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003 ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL Alexandre. A. Porsse Eduardo A. Haddad Eduardo P. Rbero TD Nereus 20-2003 2003 São Paulo 2003 ESTIMANDO

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

ADELSON MARTINS FIGUEIREDO IMPACTOS DOS SUBSÍDIOS AGRÍCOLAS DOS ESTADOS UNIDOS NO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

ADELSON MARTINS FIGUEIREDO IMPACTOS DOS SUBSÍDIOS AGRÍCOLAS DOS ESTADOS UNIDOS NO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO ADELON MARTIN FIGUEIREDO IMACTO DO UBÍDIO AGRÍCOLA DO ETADO UNIDO NO CRECIMENTO DO AGRONEGÓCIO BRAILEIRO Tese apresentada à Unversdade Federal de Vçosa, como parte das exgêncas do rograma de ós- Graduação

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3).

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3). COMPOSIÇÃO DO AGONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GEAIS ALINE CISTINA CUZ () ; ELY CADOSO TEIXEIA (2) ; MAÍLIA MACIEL GOMES (3).,3.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BASIL; 2.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIçOSA,

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1 ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS Llan Crstna Anefalos 2 Joaqum J. M. Gulhoto 3 RESUMO: Este trabalho tem como obetvo estudar a estrutura do setor de flores e plantas ornamentas

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

The potential to create employment and income from tourism in Brazil

The potential to create employment and income from tourism in Brazil MPR Munch Personal RePEc rchve The potental to create employment and ncome from toursm n Brazl Mlene Taasago and Joaqum José Martns Gulhoto and Mara de Lourdes Rollemberg Mollo and Joaqum Pnto de ndrade

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA.

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. MÁRCIA PAIXÃO 1 MÁRCIA FONSECA 2 Resumo: No níco do século XXI, notadamente os Estados Undos (EUA) e Unão

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET 48 CRUZ, E.S. et al. A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL Edmlson Santos Cruz 1, Antono Donzette de Olvera 2, José Roberto Soares Scolforo 2, José Lus Perera de Rezende 2 RESUMO: Este estudo

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

MEDIDAS PROTECIONISTAS UTILIZADAS PELOS ESTADOS UNIDOS E UNIÃO EUROPÉIA PARA O AÇÚCAR: IMPACTO SOBRE A ECONOMIA DAS REGIÕES EXPORTADORAS DO BRASIL

MEDIDAS PROTECIONISTAS UTILIZADAS PELOS ESTADOS UNIDOS E UNIÃO EUROPÉIA PARA O AÇÚCAR: IMPACTO SOBRE A ECONOMIA DAS REGIÕES EXPORTADORAS DO BRASIL MEDIDAS PROTECIONISTAS UTILIZADAS PELOS ESTADOS UNIDOS E UNIÃO EUROPÉIA PARA O AÇÚCAR: IMPACTO SOBRE A ECONOMIA DAS REGIÕES EXPORTADORAS DO BRASIL CINTHIA CABRAL DA COSTA Tese apresentada à Escola Superor

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

Desemprego de Jovens no Brasil *

Desemprego de Jovens no Brasil * Desemprego de Jovens no Brasl * Prsclla Matas Flor Palavras-chave: desemprego; jovens; prmero emprego; Brasl. Resumo Este trabalho tem como objetvo analsar a estrutura do desemprego dos jovens no Brasl,

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 0 Unversdade de São Paulo Escola Superor de Agrcultura Luz de Queroz Confguração, reestruturação e mercado de trabalho do setor de celulose e papel no Brasl Adrana Estela Sanjuan Montebello Tese apresentada

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

ANÁLISE DO SETOR SIDERÚRGICO BRASILEIRO

ANÁLISE DO SETOR SIDERÚRGICO BRASILEIRO ANÁLISE DO SETOR SIDERÚRGICO BRASILEIRO COM A METODOLOGIA DE MATRIZ INSUMO-PRODUTO 1 Ior L. Morera 2 Carlos Tadao Kawamoto 3 Frederco Araujo Turolla 4 RESUMO Este trabalho faz uma análse do setor sderúrco

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo.

TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL. PALAVRAS CHAVES: Crescimento, Transferências, Dinâmica, Convergência e Governo. TRANSFERÊNCIAS FISCAIS E CONVERGÊNCIA REGIONAL NO BRASIL PALAVRAS CHAVES: Crescmento, Transferêncas, Dnâmca, Convergênca e Governo. PEDRO JUCÁ MACIEL Analsta de Fnanças da STN/Mnstéro da Fazenda Mestre

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Padrões de Especialização e Competitividade no Comércio Exterior Brasileiro: uma análise estrutural-diferencial

Padrões de Especialização e Competitividade no Comércio Exterior Brasileiro: uma análise estrutural-diferencial Otavano Canuto e Cléso L. Xaver Padrões de Especalzação e Compettvdade no Comérco Exteror Braslero: uma análse estrutural-dferencal Otavano Canuto * Cléso L. Xaver ** RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE a 2 edção Presdente da Repúblca Luz Ináco Lula da Slva Mnstro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Slva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presdente Eduardo Perera Nunes

Leia mais

2. MATERIAIS E MÉTODOS

2. MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS MODELOS DO IPCC-AR4 NO NORDESTE SETENTRIONAL DO BRASIL QUANTO À VARIABILIDADE PLURIANUAL DA PRECIPITAÇÃO NO SÉCULO XX RESUMO--- Os modelos globas do Intergovernmental Panel

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* Paulo Soares Esteves Carolna Res 1. INTRODUÇÃO Uma Taxa de Câmbo Efectva (TCE) é um ndcador que agrega váras

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE ÁREA: Estrutura Produtvo-Tecnológca avançada e regonalmente artculada: Teora Mcroeconômca, Organzação Industral e Economa Regonal. NOMES DOS AUTORES:

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

162 EFICIÊNCIA TÉCNICA EM PROPRIEDADES SANTOS, J. A. dos et LEITEIRAS al. DA MICRORREGIÃO DE VIÇOSA-MG: UMA ANÁLISE NÃO-PARAMÉTRICA

162 EFICIÊNCIA TÉCNICA EM PROPRIEDADES SANTOS, J. A. dos et LEITEIRAS al. DA MICRORREGIÃO DE VIÇOSA-MG: UMA ANÁLISE NÃO-PARAMÉTRICA 162 EFICIÊNCIA TÉCNICA EM PROPRIEDADES SANTOS J. A. dos et LEITEIRAS al. DA MICRORREGIÃO DE VIÇOSA-MG: UMA ANÁLISE NÃO-PARAMÉTRICA Techncal effcency n mlk producton n the regon of VIÇOSA-MG: a non-parametrc

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO ARROZ NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE REGIONAL

PRODUTIVIDADE DO ARROZ NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE REGIONAL PRODUTIVIDADE DO ARROZ NO RIO GRANDE DO SUL: UMA ANÁLISE REGIONAL Camla Krade Kretzmann Mestre em Teora Econômca pelo PCE/UEM Programa de Pós-Graduação em Economa Unversdade Estadual de Marngá Dego Fgueredo

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL.

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. André Matos Magalhães Vctor Carvalho Castelo Branco 2 Tago Vasconcelos Cavalcant 3 Resumo Este trabalho consste

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CAFÉ EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL

PRODUTIVIDADE DO CAFÉ EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL PRODUTIVIDADE DO CAFÉ EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL EDUARDO SIMÕES DE ALMEIDA; GISLENE DE OLIVEIRA PACHECO; ANA PAULA BENTO PATROCÍNIO; SIMONE MOURA DIAS; FEA/UFJF JUIZ DE FORA - MG - BRASIL edu_smoes@hotmal.com

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1 Desgualdade da dstrbução da renda no Brasl: a contrbução de aposentadoras e pensões e de outras parcelas do rendmento domclar per capta Rodolfo Hoffmann 2 Resumo Incalmente são dscutdos problemas metodológcos

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL RESUMO

POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL RESUMO POLÍTICAS FISCAIS E CRESCIMENTO DISTRIBUTIVO NO BRASIL: SIMULAÇÕES COM UM MODELO APLICADO DE EQUILÍBRIO GERAL Adelar Focezatto Izete Pengo Bagoln 2 RESUMO Este trabalo analsa os efetos de algumas opções

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO*

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Artgos Verão 2006 QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Sóna Cabral** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As quotas de mercado das exportações

Leia mais

DETERMINANTES DO DESMATAMENTO EM PEQUENAS PROPRIEDADES NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO EM URUARÁ PA 1

DETERMINANTES DO DESMATAMENTO EM PEQUENAS PROPRIEDADES NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO EM URUARÁ PA 1 Rtaumara de J. Perera, Wlson da Cruz Vera, João Eustáquo de Lma & Marcellus Marques Caldas DETERMINANTES DO DESMATAMENTO EM PEQUENAS PROPRIEDADES NA AMAZÔNIA: UM ESTUDO DE CASO EM URUARÁ PA 1 Rtaumara

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1

Determinantes da Adoção da Tecnologia de Despolpamento na Cafeicultura 1 Determnantes da Adoção da Tecnologa de Despolpamento na Cafecultura 1 Edson Zambon Monte* Erly Cardoso Texera** Resumo: Os cafecultores de Venda Nova do Imgrante, ES, que em sua maora são agrcultores famlares,

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES

TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDANÇA NO RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ENTRE OS MUNICÍPIOS CEARENSES GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DE PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) Insttuto de Pesqusa e Estratéga Econômca do Ceará (IPECE) TEXTO PARA DISCUSSÃO PROPOSTA DE MUDAÇA O RATEIO DA COTA PARTE DO ICMS ETRE

Leia mais

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1

DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 DECOMPOSIÇÃO HIERÁRQUICA DA DESIGUALDADE DE RENDA BRASILEIRA 1 ópco: Dspardades regonas - estudos comparados de desenvolvmento e gestão terrtoral Márco Antôno Salvato 2 Paola Fara Lucas de Souza 3 Resumo:

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1

IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 IMPACTO DO FINANCIAMENTO DO BNDES SOBRE A PRODUTIVIDADE DAS EMPRESAS: UMA APLICAÇÃO DO EFEITO QUANTÍLICO DE TRATAMENTO 1 Danlo Coelho Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada João Alberto De Negr (IPEA) Insttuto

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES,

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, RESUMO: 2003 1 Thago Costa Soares 2 Unversdade Federal de Vçosa thago_sofa@hotmal.com

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs

AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs LC/BRS/R.221 Feverero de 2010 Orgnal: português CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escrtóro no Brasl AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs Documento elaborado no âmbto

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais