APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL

2 Determinntes Índice 2 Determinntes 2 Introdução Permutções de subconjuntos de 23 Pridde de um permutção 2 24 Termos de um mtriz qudrd 3 25 Pridde de um termo 3 26 Determinnte de um mtriz 4 27 Teorem de Lplce 0 28 Mtriz djunt e mtriz invers 4

3 Determinntes 2 Determinntes 2 Introdução Estmos todos fmilirizdos com funções do tipo f ( x) = cos x ou f ( x) 2 = x Ests ssocim um número rel d vriável x um número rel y = f ( x), por isso são denominds funções reis de vriável rel (frvr), f : D f Neste cpítulo, estud-se função determinnte, que é um função rel de vriável mtricil no sentido que ssoci um mtriz qudrd um número rel y = f ( X ) O estudo dos determinntes tem plicções importntes, em prticulr, nos sistems de equções lineres e n inversão de mtrizes Permutções de subconjuntos de Um dos objectivos deste cpítulo é obtenção de fórmuls ou métodos pr o cálculo de determinntes, pr isso é necessário fzer referênci o conceito de permutção Definição: Chm-se permutção de um conjunto de números inteiros A = {, 2,, n} qulquer conjunto que se pode construir com os n elementos, diferindo uns dos outros pel ordem dos seus elementos Repre-se que cd permutção de um conjunto de números inteiros A = {, 2,, n} é um plicção bijectiv de A em A Obs: Um vez que o número de elementos do conjunto A = {, 2,, n} é # A = n, o número de permutções de A é ddo por n! = n ( n ) 2 Exemplo: Represente s permutções do conjunto A = {, 2,3} Resolução: Existem váris mneirs de se representr um permutção 2 3 domínio 3 2, {,3,2}, (,3, 2), contrdomínio Vmos doptr últim Neste exemplo, como # A = 3 temos 3! = 3 2 = 6 permutções distints no conjunto A, (, 2,3), (,3, 2), (2,,3), (2,3,), (3,, 2) e (3,2,) /5

4 Determinntes Um método conveniente pr sistemticmente listr s permutções de um ddo conjunto é trvés de um árvore de permutções, por exemplo pr A = {, 2,3} : Pridde de um permutção À permutção em que os elementos se dispõem n ordem nturl, dá-se o nome de permutção principl Se num permutção dois elementos não estão dispostos n ordem nturl, diz-se que constituem um inversão (por exemplo, n permutção (,3, 2) os elementos 3 e 2 constituem um inversão) O número totl de inversões pode ser clculdo d seguinte mneir: i) Fixr primeiro elemento d permutção e contr quntos elementos são mis pequenos que este; ii) Fixr o segundo elemento d permutção e contr quntos elementos à direit são mis pequenos que este; iii) Continur té o penúltimo elemento A som destes números será o número de inversões n permutção Um permutção será pr ou ímpr consonte for pr ou ímpr som ds sus inversões, reltivmente à sequênci nturl (té se obter sequênci nturl) Obs2: Com n elementos obtém-se n! permutções, sendo n! n! pres e 2 2 ímpres Teorem (teorem de Bézout): Trocndo entre si dois quisquer elementos de um permutção, mesm mud de pridde Exemplo2: Determine do número de inversões n permutção (6,,3,4,5,2) Resolução: O número de inversões é = 8 A permutção (6,,3,4,5,2) é pr Exemplo3: Represente s priddes ds permutções do conjunto A = {, 2,3} Resolução: Como já vimos temos 6 permutções pr este conjunto: 2/5

5 Determinntes (, 2,3) 0 inversões permutção pr (permutção principl); (,3, 2) inversões permutção ímpr; (2,,3) inversões permutção ímpr; (2,3,) 2 inversões permutção pr; (3,, 2) 2 inversões permutção pr; (3,2,) 3 inversões permutção ímpr 24 Termo de um mtriz qudrd Termo de um mtriz qudrd de ordem n é qulquer produto de n elementos d mtriz, onde estej envolvido pens um e um só elemento de cd linh e de cd colun Assim, por exemplo, num mtriz qudrd de ordem 3, podemos definir os seguintes termos: A= termo principl Num mtriz qudrd de ordem 2, pens podemos definir os seguintes termos e 2 2 Estes dois exemplos, ressltm o fcto de num mtriz de ordem n ter n! termos São todos os produtos d form 2, onde ( j, j2,, j ) é um permutção do conjunto A = {,2,, n} j j2 nj n n 25 Pridde de um termo Um termo, de um mtriz qudrd, será pr ou ímpr consonte for pr ou ímpr som ds inversões efectuds os índices ds linhs e os índices ds coluns Se tivermos o cuiddo de formr os termos de modo que os índices ds linhs fiquem ordendos, pens temos que nos preocupr com s inversões efectuds os índices ds coluns Como no cso d mtriz A nterior Por exemplo o termo: 23 inversões ds linhs = 0 inversões ds coluns = Totl = termo ímpr Se o termo for pr vem fectdo do sinl +, se for ímpr do sinl de Portnto, como 23 é ímpr, escreve-se 23 3/5

6 Exemplo4: Clcule os termos de cd um ds mtrizes: ) Resolução: ) b) 2 2 e b) Termos Permutção Pridde Pridde do termo ssocid (, 2) Pr + 2 (2,) Ímpr Termos Permutção Pridde Pridde do termo ssocid (, 2, 3) Pr (, 3, 2) Ímpr (2,, 3) Ímpr (2,3,) Pr (3,, 2) Pr 2 (3, 2,) Ímpr Determinntes Determinnte de um mtriz Estmos gor em posição de definir função determinnte, que é denotd por det Definição2: O número det A = A é chmdo determinnte d mtriz qudrd A e define-se como sendo som de todos os termos de A, fectdos do sinl (+) ou (-) consonte se trte de um termo pr ou de um termo ímpr Obs3: Pelo que foi dito, tod mtriz qudrd tem um determinnte ssocido Contudo, enqunto mtriz A pode ser representd por A = [ ij ]( n n) (não está implícito um cálculo) o determinnte é representdo por A = det( A) det([ ij ]) (n su representção está implícito um cálculo) e, se A for um mtriz rel, represent um nº rel Neste sentido, função determinnte, é um função rel de vriável mtricil um vez que ssoci um mtriz qudrd um número rel y = det( A) Obs4: Se mtriz A não for qudrd não se pode clculr det clculr determinntes de submtrizes qudrds de A A = A, qunto muito, podemos 4/5

7 Determinntes Portnto, consonte dimensão d mtriz, podemos ter: Mtrizes ( ); [ ] A = det A = A = ; Mtrizes (2 2); A 2 = 2 det A = A = ; Mtrizes (3 3); A = termos pres termos ímpres det A = A = + + ( + + ) Pr mtrizes (3 3) podemos usr um ds regrs prátics: ) Adicionr à direit s dus primeirs coluns ou inferiormente s dus primeirs linhs e formr os termos pres e ímpres de cordo com inclinção ds digonis A = ou 2 3 A = ( ) ( + ) Os termos positivos são o produto dos elementos d digonl principl e ds dus prlels est e os termos negtivos são o produto dos elementos d digonl secundári e ds dus prlels est b) Regr de Srrus Os termos positivos são o produto dos elementos d digonl principl e os produtos dos elementos que formm os triângulos de bses prlels à digonl principl Os termos negtivos são o produto dos elementos d digonl secundári e os produtos dos elementos que formm os triângulos de bses prlels à digonl principl 5/5

8 Determinntes Pr mtrizes de ordem superior à terceir não é viável usr definição de determinnte (por exemplo, no cso ( 4 4 ) temos 4! = 24 termos, 2 pres e 2 ímpres), e, tmbém não existem regrs prátics como s presentds pr determinntes de mtrizes de 3ª ordem Nestes csos, obtêm-se métodos mis eficientes como consequênci de lgums proprieddes que vmos estbelecer Proprieddes dos determinntes Vmos presentr, sem demonstrção, lgums proprieddes dos determinntes: O determinnte de um mtriz, qundo existe, é único; 2 O determinnte d mtriz identidde é um (det( I ) = ); 3 O vlor dos determinntes de um mtriz e d su trnspost são iguis, det( A) = det( A T ) ; 4 Se num mtriz s fils (linh ou colun) forem linermente dependentes então o seu determinnte é nulo Em prticulr, qundo mtriz tiver: um fil de zeros (todos os seus termos são nulos); dus fils iguis; dus fils proporcionis; um fil combinção liner de outrs fils; crcterístic inferior à su ordem ( r( A) < n det( A) = 0, A singulr); 5 Um mtriz A dmite invers se e só se o seu determinnte for diferente de zero Consequentemente: A regulr det( A) 0 ; A regulr r( A) = n ; r( A) = n det( A) 0 ; 6 Se mtriz A é regulr, então o seu determinnte é o inverso do determinnte d su invers Ou sej: det( A) A = det( ), A regulr; det( A ) =, det( A) A regulr; 7 Se multiplicrmos um fil de um mtriz por um número o seu determinnte vem multiplicdo por esse número (todos os termos do determinnte são multiplicdos por esse fctor) Est propriedde, diz que: 6/5

9 Determinntes Multiplic-se um determinnte por um fctor, multiplicndo esse número pelos elementos de um fil E ind que, se dividirmos um fil de um mtriz por um número diferente de zero o seu determinnte vem dividido por esse número; Se todos os elementos de um mtriz qudrd A forem multiplicdos por um n constnte k, então verific-se relção det( ka) = k det( A) ; 8 Um determinnte mud de sinl sempre que se trocm entre si dus fils prlels (o trocr dus fils prlels todos os termos mudm de pridde); 9 Se os elementos de um fil são soms lgébrics de n prcels, o determinnte decompõese n som dos n determinntes que se obtém substituindo os elementos dess fil sucessivmente pel primeir, segund,, prcels e deixndo s restntes fils inlterds Por exemplo, se cd elemento de um fil é som de dus prcels, então o determinnte é igul à som dos determinntes que dele se obtêm substituindo os elementos dess fil, num cso pels primeirs prcels e noutro pels segunds prcels; 0 Não de lter o vlor de um determinnte qundo: os elementos de um fil se dicion os elementos correspondentes de outr ou outrs fils prlel, multiplicd por constntes; se junt um fil um combinção liner de outrs fils prlels; O determinnte de um mtriz tringulr (superior, inferior ou digonl) é ddo pelo seu termo principl ( det( A) = nn ), visto que todos os outros termos são nulos 2 A crcterístic de um mtriz (não nul) pode ser indicdo pel mis lt ordem dos determinntes não nulos ds sus submtrizes qudrds; 3 O determinnte de um produto de mtrizes qudrds d mesm ordem é igul o produto dos determinntes ds mtrizes, det( A B) = det( A) det( B) ; 4 O determinnte d som de mtrizes qudrds d mesm ordem, de um mneir gerl, não é igul à som dos determinntes ds mtrizes, det( A + B) det( A) + det( B) Como foi referido, é inviável clculr, por definição, determinntes de ordem superior à terceir ( n > 3 ) Portnto, plicção ds proprieddes dos determinntes é, n prátic, fundmentl pr o cálculo de determinntes de ordem elevd Tl fcto, permite obter o vlor de um determinnte por um método nálogo o que seguimos pr obter crcterístic de um mtriz (condensção) Pr 7/5

10 Determinntes isso, por exemplo, combinm-se s proprieddes 7), 8), e 0) visndo obtenção de determinnte tringulr cujo vlor é ddo pel propriedde ) Obs5: Como se fl em condensção, é preciso ter em cont que nem tod operção elementr ds mtrizes deix inlterdo o vlor do determinnte De fcto, como se pode observr, s operções ds proprieddes 7) e 8) (que são elementres pr s mtrizes) lterm o vlor do determinnte Apens s operções referids n propriedde 0) deixm inlterdo o vlor do mesmo Pelo que foi dito, devemos ter em cont que, pesr ds operções elementres ds mtrizes não lterrem crcterístic desss (s mtrizes são equivlentes), dus mtrizes equivlentes não têm que ter o mesmo determinnte Quer dizer, condensr um mtriz e depois clculr o seu determinnte pode levr vlores errdos do mesmo Contudo, qundo condensmos um determinnte ficmos sber crcterístic d mtriz originl correspondente Exercício: Dê exemplos simples pr cd um ds proprieddes presentds em cim Exemplo5: Clcule o determinnte d mtriz qudrd A = Resolução: Vmos plicr lgums ds proprieddes em cim enuncids e trnsformr o determinnte em tringulr A = = 0 2 7, Por exemplo, como n 5ª linh figurvm 3 zeros, começmos por reduzir o elemento 54 = 3 zero (somámos 3ª colun à 4ª multiplicd por 3), no último psso, trocámos 3ª colun pel 5ª, o determinnte trocou de sinl Vmos, gor por em evidênci o vlor ( ) d 5ª linh, A = ( ) = 0 2 7, /5

11 Determinntes não multiplicámos os elementos d 5ª colun por ( ) porque est operção foi feit em termos d 5ª linh onde o resto dos elementos são nulos (como exercício, fecte 5ª colun do sinl negtivo e clcule o determinnte) Vmos, gor, nulr todos os elementos bixo de =, comecemos por reduzir zero 2 = 2, (sommos ª linh à 2ª multiplicd por 2 ), e ssim sucessivmente, result A = = = Como o nosso objectivo é trnsformr o determinnte em tringulr, vmos nulr os elementos bixo de = 6, troquemos 2ª linh pel 3ª, ficndo = A = = = multiplicámos 2ª linh por 3 e 4 respectivmente e somámos est linh às 3ª e 4ª linhs respectivmente Visndo nulr o elemento 43 = 26, vmos por em evidênci o 5 n 3 linh,, A = Finlmente, multiplicndo 3ª linh por 3 e somndo à 4ª, obtemos A = = 5( 2 2 ) = Neste exemplo, à semelhnç do que se fz com s mtrizes, condensámos o determinnte utilizndo s proprieddes 7), 8) e 0) às linhs (experimente fzer às coluns!), e depois, de obter o determinnte tringulr, plicámos propriedde ) A mtriz A tem crcterístic 5 (porquê?) 9/5

12 Determinntes Exemplo6: Sej A um mtriz regulr de ordem n Averigúe, com bse n teori dos determinntes, o sinl do determinnte d mtriz T A A Esse determinnte pode ser nulo? Resolução: Aplicndo s proprieddes dos determinntes, tem-se A A = A A = A A = A T T 2 0 pp3) pp 3) T T Ou sej, A A 0, como mtriz A é regulr A 0, e portnto A A 0 Em conclusão T A A > 0 27 Teorem de Lplce Pr plicr o teorem de Lplce é necessário compreender noção de complemento lgébrico Definição3: O menor de um determinnte é o determinnte que se obtém de um determinnte ddo suprimindo o mesmo número de linhs e de coluns Se um determinnte é de ordem n, suprimindo p linhs e p coluns, obtém-se um determinnte de ordem ( n p ) que é um menor do determinnte ddo Definição4: Dois menores dizem-se complementres sempre que em cd um deles estejm representds s linhs e coluns, do determinnte ddo, que não figurem no outro Obs6: Dois menores complementres têm sempre mesm pridde Definição5: Um menor de um determinnte, diz-se principl se su digonl principl é constituíd pens por elementos principis do determinnte ddo E representm-se por i =,, n é ordem do menor Obs7: Um menor principl é sempre pr Definição6: Chm-se menor complementr de um elemento i, de um determinnte, o determinnte que se obtém, suprimindo linh e colun que pertence esse elemento (se um determinnte é de ordem n, o menor complementr é de ordem ( n )) Vmos represent-se o menor complementr de por M Definição7: Chm-se complemento lgébrico de um elemento de um determinnte o determinnte que se obtém suprimindo linh i e colun k que pertence o elemento, fectdo do sinl (+) ou ( ) consonte som dos índices (i + k ) é pr ou ímpr 0/5

13 Determinntes Obs8 Se representrmos o complemento lgébrico de por C, então, C ( ) i + k = M, em que M é o menor complementr do elemento Ou sej, o complemento lgébrico de um elemento de um determinnte é igul o menor complementr ou o seu simétrico consonte som dos índices do elemento é pr ou ímpr Obs9: Os complementos lgébricos de elementos consecutivos, dispostos quer em linh, quer em colun, são lterndmente positivos e negtivos Por exemplo, consideremos mtriz A (3 3), os sinis dos elementos do determinnte ssocido são A = Exemplo7: Ddo o determinnte elementos d segund linh A = , clcule o complemento lgébrico dos Resolução: Genericmente, os elementos d segund linh são: 2,, 23 e 24 C ( ) 4 5 6, 2+ 2 C = 2 = ( ) ; 2+ 3 C23 = 3 2 ( ) = ( ) ; 2+ 4 C Teorem2 (teorem de Lplce): O vlor de um determinnte A é igul à som dos produtos que se obtêm multiplicndo os elementos de um fil (linh ou colun) pelos respectivos complementos lgébricos Consideremos um determinnte de ordem 3, obtemos o vlor do determinnte A = Aplicndo regr de Srrus ou sej, A = =, = ( ) ( ) + ( ) /5

14 Determinntes A = + = C C + C Obs0: Qulquer que fosse ordem do determinnte e qulquer que fosse linh ou colun proceder-se-i de igul modo Portnto, pelo teorem de Lplce, considerndo j-ésim colun n A = C considerndo i-ésim linh, ou j= ij ij A n = ij i= C ij Obs: A plicção do teorem de Lplce bix ordem do determinnte A plicção sucessiv do teorem de Lplce permite-nos determinr o vlor de um determinnte de qulquer ordem Trt-se porém de um processo bstnte moroso, bst tender que de um determinnte de 5ª ordem se obtém 5 determinntes de 4ª ordem e consequentemente 20 determinntes de 3ª ordem Este teorem é, contudo, muito útil qundo o determinnte contém um linh ou um colun com vários zeros, pois podemos minimizr o número de complementos lgébricos clculr, escolhendo convenientemente linh ou colun prtir d pel qul clculmos o determinnte Assim, ntes de plicr o teorem de Lplce um determinnte de ordem n, um hipótese é reduzir zero ( n ) elementos de um fil, de cordo com s proprieddes dos determinntes Exemplo8: Clcule do vlor do determinnte d mtriz A = Resolução: Aplicndo o teorem de Lplce, como n 5ª linh já figurm 3 zeros, comecemos por reduzir o elemento 54 = 3 zero (sommos 3ª colun à 4ª multiplicd por 3), A ( )( ) = = = Vmos, por exemplo, reduzir zero os elementos d ª colun bixo de = Fixemos ª linh e sommos à 2ª ª multiplicd por ( 2 ) e à 4ª ª multiplicd por ( 4 ), o que pels proprieddes dos determinntes não lter o seu vlor, 2/5

15 Determinntes A = = = ( ) Fixemos, gor 2 linh e vmos reduzir zero os restntes elementos d ª colun Sommos à ª linh 2ª multiplicd por 3, e à 3ª linh 2ª multiplicd por 4, A = = = = ( ) 2 2( ) 20 Exercício2: Considere mtriz: 2 3 A = 0 2 ) O teorem de Lplce b) As proprieddes dos determinntes 2 2 Clcule o seu determinnte utilizndo: 0 3 Corolário (do teorem de Lplce): Se num determinnte multiplicrmos os elementos de um fil pelos correspondentes complementos lgébricos de outr fil prlel, som obtid é nul Teorem3 (teorem de Lplce generlizdo): Todo determinnte é igul à som lgébric dos produtos que se obtêm multiplicndo todos os menores de ordem p, contidos em p fils prlels, pelos correspondentes complementos lgébricos Exercício3: Clcule o determinnte do exemplo7 utilizndo este resultdo Exemplo9: Sej mtriz A = ) O produto é um termo d mtriz A? Justifique Qul o seu sinl? b) Clcule A utilizndo o desenvolvimento de Lplce o longo d 2ª linh c) Sej B (4 4), com B = 2 Clcule justificndo, o determinnte d mtriz ( AB ) T 3/5

16 Determinntes Resolução: ) O produto é um termo d mtriz A porque é o produto de 4 elementos de A, com um e um só fctor em cd linh e em cd colun Como num termo é irrelevnte ordem dos fctores, vmos ordenr os fctores por linhs = O sinl do termo de um mtriz é ddo por ( ) α, onde α é o número de inversões dos índices ds coluns (como os índices ds linhs coincidem com permutção principl, o número de inversões dos índices ds linhs é α zero) No termo ddo α = e portnto ( ) = O termo é negtivo b) Aplicndo o teorem de Lplce o longo d 2ª linh, obtém-se A = = c) O determinnte d mtriz ( AB ) T é ddo por T AB = AB = A B = A B Como A = 60 (d líne nterior) e B = 2 (por hipótese), obtém-se AB = A B 60 = 5 2 T 28 Mtriz Adjunt e mtriz invers Apresent-se nest secção um fórmul que permite clculr invers de um mtriz regulr Definição8: Chm-se mtriz djunt, de um mtriz qudrd A, à trnspost que del se obtém substituindo cd elemento pelo respectivo complemento lgébrico e represent-se por dj( A) = Aˆ C C2 C n C Simbolicmente, A [ ]( ) dj( ) [ ] T 2 C C 2n = ij n n A = Cij ( n n) =, Cn Cn2 Cnn onde C ( ) i + = k M, sendo M o menor complementr do elemento T Vmos gor deduzir um fórmul que permite clculr invers de um mtriz trvés d su djunt Prov-se que A dj( A) = det( A) I, donde 4/5

17 Determinntes dj( ) = det( ) dj( ) = det( ) dj( ) = det( ) A A A A A I A A A A A A e consequentemente, invers de um mtriz regulr A é dd por: A = dj( A) det( A) Apesr d utilizção d mtriz djunt ser rzoável pr inverter mtrizes té ordem 3, o método d mtriz mplid é mis eficiente pr mtrizes de mior dimensão Contudo, este último é pens um procedimento, enqunto o método d mtriz djunt é um fórmul pr clculr invers de um mtriz Est fórmul é útil pr obtenção de lgums proprieddes d mtriz invers, tis como: i) Um mtriz tringulr dmite invers se e só se su digonl principl não incluir elementos nulos; ii) A invers de um mtriz regulr tringulr superior (inferior) é um mtriz tringulr superior (inferior) Exemplo0: Clcule invers d mtriz 3 2 A = Resolução: Vmos utilizr mtriz djunt pr clculr A Primeiro convém verificr se mtriz dmite invers, det( A) = 64 0 A é regulr Vmos, então, clculr djunt de A, Portnto, dj( A) = [ C ] T ij ( n n) T = = A = dj( A) = = det( A) Exercício4: Determine, cso exist, invers d mtriz ) Pelo método d mtriz djunt b) Pelo método d mtriz mplid 2 3 A = /5

18 Determinntes Índice 2 Determinntes 2 Introdução Permutções de subconjuntos de 23 Pridde de um permutção 2 24 Termos de um mtriz qudrd 3 25 Pridde de um termo 3 26 Determinnte de um mtriz 4 27 Teorem de Lplce 0 28 Mtriz djunt e mtriz invers 4

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinantes

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinantes Universidde Federl de Pelots Vetores e Álgebr Liner Prof : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinntes Determinntes Definição: Determinnte é um número ssocido um mtriz qudrd.. Determinnte de primeir ordem Dd

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

DETERMINANTES. Notação: det A = a 11. Exemplos: 1) Sendo A =, então det A = DETERMINANTE DE MATRIZES DE ORDEM 2

DETERMINANTES. Notação: det A = a 11. Exemplos: 1) Sendo A =, então det A = DETERMINANTE DE MATRIZES DE ORDEM 2 DETERMINANTES A tod mtriz qudrd ssoci-se um número, denomindo determinnte d mtriz, que é obtido por meio de operções entre os elementos d mtriz. Su plicção pode ser verificd, por exemplo, no cálculo d

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM MATRIZES Definição e Notção... 11 21 m1 12... 22 m2............ 1n.. 2n. mn Chmmos de Mtriz todo conjunto de vlores, dispostos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - APES DETERMINANTES Prof Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr iêncis

Leia mais

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos Mtemátic pr Economists LES uls e Mtrizes Ching Cpítulos e Usos em economi Mtrizes ) Resolução sistems lineres ) Econometri ) Mtriz Insumo Produto Márci.F. Dis de Mores Álgebr Mtricil Conceitos Básicos

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det 5 DETERMINANTES 5 Definição e Proprieddes Definição O erminnte de um mtriz qudrd A de ordem é por definição plicção ( ) : M IR IR A Eemplo : 5 A ( A ) ( ) ( ) 5 7 5 Definição O erminnte de um mtriz qudrd

Leia mais

UNITAU APOSTILA DETERMINANTES PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: Bibliografia: Curso de Matemática Volume Único

UNITAU APOSTILA DETERMINANTES PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: Bibliografia: Curso de Matemática Volume Único ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA DETERMINANTES PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: Bibliogrfi: Curso de Mtemátic Volume Único Autores: Binchini&Pccol Ed. Modern Mtemátic

Leia mais

Linhas 1 2 Colunas 1 2. (*) Linhas 1 2 (**) Colunas 2 1.

Linhas 1 2 Colunas 1 2. (*) Linhas 1 2 (**) Colunas 2 1. Resumos ds uls teórics -------------------- Cp 5 -------------------------------------- Cpítulo 5 Determinntes Definição Consideremos mtriz do tipo x A Formemos todos os produtos de pres de elementos de

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Luiz Fernando Satolo

Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Luiz Fernando Satolo Mtemátic pr Economists LES Auls 5 e Mtrizes Ching Cpítulos e 5 Luiz Fernndo Stolo Mtrizes Usos em economi ) Resolução sistems lineres ) Econometri ) Mtriz Insumo Produto Álgebr Mtricil Conceitos Básicos

Leia mais

TÓPICOS. Determinantes de 1ª e 2ª ordem. Submatriz. Menor. Cofactor. Expansão em cofactores. Determinante de ordem n. Propriedades dos determinantes.

TÓPICOS. Determinantes de 1ª e 2ª ordem. Submatriz. Menor. Cofactor. Expansão em cofactores. Determinante de ordem n. Propriedades dos determinantes. Note bem: leitur destes pontmentos não dispens de modo lgum leitur tent d bibliogrfi principl d cdeir Chm-se tenção pr importânci do trblho pessol relizr pelo luno resolvendo os problems presentdos n bibliogrfi,

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c.

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c. EQUAÇÃO DO GRAU Você já estudou em série nterior s equções do 1 gru, o gru de um equção é ddo pelo mior expoente d vriável, vej lguns exemplos: x + = 3 equção do 1 gru já que o expoente do x é 1 5x 8 =

Leia mais

MATEMÁTICA PARA REFLETIR! EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES OPERAÇÕES COM MATRIZES PARA REFLETIR!...437

MATEMÁTICA PARA REFLETIR! EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES OPERAÇÕES COM MATRIZES PARA REFLETIR!...437 ÍNICE MATEMÁTICA... PARA REFLETIR!... EXERCÍCIOS... EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES... OPERAÇÕES COM MATRIZES... PARA REFLETIR!...7 EXERCÍCIOS E APLICAÇÃO...8 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES...8...9 PARA REFLETIR!...

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares Rresumos ds uls teórics ------------------ Cp ------------------------------ Cpítulo. Mtrizes e Sistems de Equções ineres Sistems de Equções ineres Definições Um sistem de m equções lineres n incógnits,

Leia mais

6. ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES

6. ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES MATRIZES. ÁLGEBRA LINEAR Definição Digonl Principl Mtriz Unidde Mtriz Trnspost Iguldde entre Mtrizes Mtriz Nul Um mtriz m n um tbel de números reis dispostos em m linhs e n coluns. Sempre que m for igul

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Então, det(a) = 1x3 1x2 = 3 2 = 1. Determinante de uma matriz 3 x 3 Regra de Sarrus (Pierre Frédéric Sarrus) Definimos det(a) =

Então, det(a) = 1x3 1x2 = 3 2 = 1. Determinante de uma matriz 3 x 3 Regra de Sarrus (Pierre Frédéric Sarrus) Definimos det(a) = Determinnte de um mtriz Sej um mtriz qudrd de ordem. Definimos det - E.: Sej mtriz Então, det Determinnte de um mtriz Regr de Srrus Pierre Frédéric Srrus Sej um mtriz qudrd de ordem. Definimos det Regr

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

TÓPICOS. Equação linear. Sistema de equações lineares. Equação matricial. Soluções do sistema. Método de Gauss-Jordan. Sistemas homogéneos.

TÓPICOS. Equação linear. Sistema de equações lineares. Equação matricial. Soluções do sistema. Método de Gauss-Jordan. Sistemas homogéneos. Note bem: leitur destes pontmentos não dispens de modo lgum leitur tent d bibliogrfi principl d cdeir ÓPICOS Equção liner. AUA 4 Chm-se tenção pr importânci do trblho pessol relizr pelo luno resolvendo

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8 GUIÃO REVISÕES Simplificção de expressões Um disco rígido de 00Gb foi dividido em qutro prtições. O conselho directivo ficou com 1 4, os docentes ficrm com 1 4, os lunos ficrm com 8 e o restnte ficou pr

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA LISTA DE EXERCÍCIOS ) Sejm A, B e C mtries inversíveis de mesm ordem, encontre epressão d mtri X,

Leia mais

Módulo 02. Sistemas Lineares. [Poole 58 a 85]

Módulo 02. Sistemas Lineares. [Poole 58 a 85] Módulo Note em, leitur destes pontmentos não dispens de modo lgum leitur tent d iliogrfi principl d cdeir Chm-se à tenção pr importânci do trlho pessol relizr pelo luno resolvendo os prolems presentdos

Leia mais

Sebenta de Álgebra Linear e Geometria Analítica

Sebenta de Álgebra Linear e Geometria Analítica Sebent de Álgebr Liner e Geometri Anlític Pulo Jorge Afonso Alves Cpítulo 1 Mtrizes Objectivo Neste cpítulo vmos introduzir um novo conceito, o de mtriz; os diferentes tipos de mtrizes existentes; estudr

Leia mais

Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte I

Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte I Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Prof: Reinldo Hs Sistems Lineres Form Gerl... n n b... n n b onde: ij n n coeficientes i incógnits b i termos independentes... nn

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES

MATRIZES E DETERMINANTES Professor: Cssio Kiechloski Mello Disciplin: Mtemátic luno: N Turm: Dt: MTRIZES E DETERMINNTES MTRIZES: Em quse todos os jornis e revists é possível encontrr tbels informtivs. N Mtemátic chmremos ests

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Aula 09 Equações de Estado (parte II)

Aula 09 Equações de Estado (parte II) Aul 9 Equções de Estdo (prte II) Recpitulndo (d prte I): s equções de estdo têm form (sistems de ordem n ) = A + B u y = C + D u onde: A é um mtriz n n B é um mtriz n p C é um mtriz q n D é um mtriz q

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M24 Equações Polinomiais. 1 (PUC-SP) No universo C, a equação

Matemática. Resolução das atividades complementares. M24 Equações Polinomiais. 1 (PUC-SP) No universo C, a equação Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Equções Polinomiis p. 86 (PUC-SP) No universo C, equção 0 0 0 dmite: ) três rízes rcionis c) dus rízes irrcionis e) um únic riz positiv b) dus rízes não reis

Leia mais

Tópicos Especiais de Álgebra Linear Tema # 2. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. com única solução. Introdução à Resolução de Problemas

Tópicos Especiais de Álgebra Linear Tema # 2. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. com única solução. Introdução à Resolução de Problemas Tópicos Especiis de Álgebr Liner Tem # 2. Resolução de problem que conduzem s.e.l. com únic solução Assunto: Resolução de problems que conduzem Sistem de Equções Lineres utilizndo invers d mtriz. Introdução

Leia mais

étodos uméricos SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA

étodos uméricos SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES Prof. Erivelton Geraldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA étodos uméricos SISTEMAS DE EQUAÇÕES LINEARES Prof. Erivelton Gerldo Nepomuceno PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE DE JOÃO DEL-REI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA CENTRO FEDERAL DE

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Determinntes p. (Unifor-CE) Sejm os determinntes A, B e C. Nests condições, é verdde que AB C é igul : ) c) e) b) d) A?? A B?? B C?? C AB C ()? AB C, se i,

Leia mais

1 ÁLGEBRA MATRICIAL 1.1 TIPOS ESPECIAIS DE MATRIZES. Teorema. Sejam A uma matriz k x m e B uma matriz m x n. Então (AB) T = B T A T

1 ÁLGEBRA MATRICIAL 1.1 TIPOS ESPECIAIS DE MATRIZES. Teorema. Sejam A uma matriz k x m e B uma matriz m x n. Então (AB) T = B T A T ÁLGEBRA MATRICIAL Teorem Sejm A um mtriz k x m e B um mtriz m x n Então (AB) T = B T A T Demonstrção Pr isso precismos d definição de mtriz trnspost Definição Mtriz trnspost (AB) T = (AB) ji i j = A jh

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificado

RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificado Sérgio Crvlho Weer Cmpos RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificdo Volume ª edição Revist, tulizd e mplid Mteril Complementr PRINCIPAIS CONCEITOS E FÓRMULAS DO LIVRO RACIOCÍNIO SIMPLIFICADO - Vol. www.editorjuspodivm.com.r

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA UNVERSDDE DE SÃO PULO ESOL POLTÉN Deprtmento de Engenhri de Estruturs e Geotécnic URSO ÁSO DE RESSTÊN DOS TERS FSÍULO Nº 5 Flexão oblíqu H. ritto.010 1 FLEXÃO OLÍU 1) udro gerl d flexão F LEXÃO FLEXÃO

Leia mais

Estatística e Matrizes

Estatística e Matrizes Esttístic e Mtrizes Introdução à Análise Multivrid Análise multivrid: De um modo gerl, refere-se todos os métodos esttísticos que simultnemente nlism múltipls medids sobre cd indivíduo ou objeto sob investigção.

Leia mais

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < <

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < < MATEMÁTICA Assinle lterntiv verddeir: ) 6 < 7 6 < 6 b) 7 6 < 6 < 6 c) 7 6 < 6 < 6 d) 6 < 6 < 7 6 e) 6 < 7 6 < 6 Pr * {} temos: ) *, * + e + * + ) + > + + > ) Ds equções (I) e (II) result 7 6 < ( 6 )

Leia mais

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática Universidde Tecnológic Federl do Prná Cmpus Curitib Prof. Lucine Deprtmento Acdêmico de Mtemátic NOTA DE AULA Tópicos em Mtemátic Fonte: http://eclculo.if.usp.br/ 1. CONJUNTOS NUMÉRICOS: 1.1 Números Nturis

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

Os números racionais. Capítulo 3

Os números racionais. Capítulo 3 Cpítulo 3 Os números rcionis De modo informl, dizemos que o conjunto Q dos números rcionis é composto pels frções crids prtir de inteiros, desde que o denomindor não sej zero. Assim como fizemos nteriormente,

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Análise Matemática I. Feliz Minhós

Análise Matemática I. Feliz Minhós Análise Mtemátic I Feliz Minhós ii Conteúdo Objectivos Geris Progrm 3 Sucessões 5. De nição............................. 5.2 Subsucessão............................ 6.3 Sucessões monótons.......................

Leia mais

Números Reais intervalos, números decimais, dízimas, números irracionais, ordem, a reta, módulo, potência com expoente racional.

Números Reais intervalos, números decimais, dízimas, números irracionais, ordem, a reta, módulo, potência com expoente racional. UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA UNIDADE DE APOIO EDUCACIONAL UAE MAT 099 - Tutori de Mtemátic Tópicos: Números Rcionis operções e proprieddes (frções, regr de sinl, som, produto e divisão de frções, potênci

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - CAPES MATRIZES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr Ciêncis Sociis

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Anlític e Álger Liner 8. Mtrizes Introdução As mtrizes estão presentes no nosso cotidino ds forms mis vrids. No entnto, em gerl não perceemos presenç dels, pois estão envolvids em certos prelhos

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

DESAFIOS. π e. π <y < π, satisfazendo seny = 8 x

DESAFIOS. π e. π <y < π, satisfazendo seny = 8 x DESAFIOS ENZO MATEMÁTICA 01-(FUVEST) Sejm x e y dois números reis, com 0

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

IME MATEMÁTICA. Questão 01. Calcule o número natural n que torna o determinante abaixo igual a 5. Resolução:

IME MATEMÁTICA. Questão 01. Calcule o número natural n que torna o determinante abaixo igual a 5. Resolução: IME MATEMÁTICA A mtemátic é o lfbeto com que Deus escreveu o mundo Glileu Glilei Questão Clcule o número nturl n que torn o determinnte bixo igul 5. log (n ) log (n + ) log (n ) log (n ) Adicionndo s três

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

Diagrama de Blocos. Estruturas de Sistemas Discretos. Grafo de Fluxo. Sistemas IIR Forma Directa I

Diagrama de Blocos. Estruturas de Sistemas Discretos. Grafo de Fluxo. Sistemas IIR Forma Directa I Estruturs de Sistems Discretos Luís Clds de Oliveir Digrm de Blocos As equções às diferençs podem ser representds num digrm de locos com símolos pr:. Representções gráfics ds equções às diferençs som de

Leia mais

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL Clculo Integrl AMI ESTSetubl-DMAT 15 de Dezembro de 2012 AMI (ESTSetubl-DMAT) LIC ~AO 18 15 de Dezembro de 2012 1 / 14 Integrl de Riemnn Denic~o: Sej [, b] um intervlo

Leia mais

Índice. Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares. Resumo Teórico...1 Exercícios...5 Dicas...6 Resoluções...7

Índice. Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares. Resumo Teórico...1 Exercícios...5 Dicas...6 Resoluções...7 Índice Mtrizes, Determinntes e Sistems Lineres Resumo Teórico...1 Exercícios...5 Dics...6 Resoluções...7 Mtrizes, Determinntes e Sistems Lineres Resumo Teórico Mtrizes Representção A=( ij )x3pode ser representd

Leia mais

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO Físic Gerl I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protocolos ds Auls Prátics 003 / 004 ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO. Resumo Corpos de diferentes forms deslocm-se, sem deslizr, o longo de um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4

ANÁLISE DE SISTEMAS DE ENERGIA REPRESENTAÇÃO DE SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA EM REGIME PERMANENTE 4 A E ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 ANÁLE DE TEMA DE ENERGA REREENTAÇÃO DE TEMA DE ENERGA ELÉTRCA EM REGME ERMANENTE 4 MODELAGEM DO COMONENTE DE TEMA

Leia mais