Análise de Variância com Dois Factores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Variância com Dois Factores"

Transcrição

1 Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume de vends. Note que o volume de vends deve tmém sofrer influênci de outros fctores. Assim, vrição ns vends pode estr relciond não só com loj, ms tmém com o desempenho do empregdo. Vmos então introduzir no nosso estudo um segundo fctor, o fctor Empregdo. 50 Eemplo 4 Admitmos então que o Sr Fernndo tem cinco empregdos que estão igulmente fmilirizdos com s três lojs. Os ddos recolhidos ds vends dos cinco empregdos ns três lojs (por conveniênci, os mesmos presentdos nteriormente) são os seguintes: Fctor Loj Médis dos Empregdos Loj 1 Loj Loj 3 j Emp Fctor Emp Empregdo Emp Emp Emp Médis ds Lojs =5 i 51

2 O fctor Empregdo tem cinco níveis (Emp1, Emp,..., Emp5) e o fctor Loj tem três níveis (Loj 1, Loj e Loj3). Os ddos mostris estão orgnizdos de cordo com um esquem designdo por clssificção cruzd, um vez que cd nível de um fctor é cruzdo com cd nível do outro fctor. Um oservção mis tent d tel nterior, mostr que há empregdos que, prentemente, presentm melhores resultdos do que outros. Deste modo, é rzoável pensr que tlvez s lojs não sejm ssim tão diferentes ums ds outrs, no que diz respeito o volume de vends, pode é hver tmém diferençs no desempenho dos empregdos. 5 Podemos então perguntr: A vrição ns vends é eplicd pens pels lojs onde são efectuds, ou será que tmém pode ser eplicd pel performnce dos empregdos? No Eemplo 4 estmos pernte um prolem o qul vmos plicr um outro modelo d ANOVA, ANOVA com dois fctores (pr o eemplo, fctor Loj e fctor Empregdo), ind so os pressupostos de normlidde, iguldde de vriâncis, independênci entre s oservções e ssumindo dicionlmente que não há intercção entre os dois fctores. 53

3 A usênci de intercção entre os fctores signific que, em termos médios, diferenç entre dois quisquer níveis do fctor A não depende do nível do fctor B, isto é, é igul pr todos os níveis do fctor B, e vice-vers. Pr o Eemplo 4 isto signific que os empregdos estão igulmente fmilirizdos com tods s lojs e portnto mntêm o mesmo comportmento em tods els. Sendo ssim, em médi, diferenç entre o desempenho do empregdo i e do empregdo j é igul pr tods s lojs. Por outro ldo, diferenç entre loj i e loj j é igul pr todos os empregdos. 54 De um modo gerl, os ddos com dois fctores, o Fctor A (ou Fctor Colun) com níveis/grupos e o Fctor B (Fctor Linh) com níveis, são presentdos num tel como seguinte: onde, Fctor A A 1 A... A j B Fctor B B 1... B 1... i... 1 = j 1 ij i1 j i j1 i1 e =, i i1 j 1 1 = ij = ij j1 j 1 j i 1 i. 55

4 Recordemos que qundo plicmos ANOVA com pens um fctor, s fontes de vrição dos ddos são dus: vrição entre os grupos ou níveis do fctor (SS A ) vrição que provem ds flutuções letóris dentro dos grupos, SS E, e que fic por eplicr (residul). Aplicndo o modelo de ANOVA com dois fctores, espermos reduzir vrição não eplicd, um vez que est pode provir d vrição entre os grupos do segundo fctor e ess pss ser contilizd. 56 Pr o Eemplo tínhmos, Vrição totl nos ddos, SS T = 4, Vrição entre os níveis do fctor Loj, SS A =130, Vrição não eplicd ou residul, SS E =94, onde, SS T =SS A +SS E Introduzindo um segundo fctor, o fctor Empregdo, espermos, como já dissemos, reduzir vrição não eplicd, pois, prte dest pss ser eplicd pel vrição no desempenho dos empregdos. 57

5 Pssmos ter então três fontes de vrição: vrição devid o fctor Loj (medid por SS A ou SS Loj ); vrição devid o fctor Empregdo (medid por SS B ou SS Emp ); vrição não eplicd pelo modelo (medid por SS E ), verificndo-se gor, SS T =SS A +SS B +SS E Os cálculos são muito semelhntes os efectudos n nálise nterior, ms gor com mis um fctor. Assim, considermos: Som dos qudrdos entre os grupos ou níveis do fctor A: SS A = ( i ) ; Som dos qudrdos entre os grupos ou níveis do fctor B: i1 SS B = ( ). j 1 j 58 Eemplo 4 Os cálculos dests medids são resumidos nos qudros seguintes: Fctor Loj ( ) ( ) i Fctor Empregdo ( j ( j ) i ) Totis SS Loj =56=130 Totis 0 4 SS Emp =34=7 59

6 O seguinte psso é o cálculo d som dos qudrdos residul, SS E, vrição não eplicd pelo modelo: ˆ ij = ( i ) ( j ), i = 1,..., j = 1,..., Cd resíduo é ddo por ij ˆ ij = ij i j e tem-se SS E = ( i1 j1 ij i j ) 60 Eemplo 4 ˆ ij = ( i ) ( j ) ij - ˆ ij = ij i j SS E =1 + +(-3) +(-1) +...+(-1) +0 = 61

7 Comprndo com o Eemplo, slient-se que se reduziu vrição não eplicd pelo modelo de 94 pr. De fcto, vrição não eplicd no Eemplo, que vli 94, está gor decompost em dus prcels, vrição eplicd pelo fctor Empregdo (7) e vrição residul () - vrição que continu por eplicr. Finlmente, som dos qudrdos totl, que mede vrição totl dos ddos, que já foi clculd no Eemplo : SS T =( ij ) =4 i1 j 1 6 A Tel ANOVA com dois fctores tem o mesmo formto que de um fctor, e é construíd do seguinte modo: Fonte de Vrição Entre Grupos Fctor A Entre Grupos Fctor B Residul Totl Som dos Qudrdos (SS) SS A = ( i ) i 1 SS B = ( SS E =( i 1 j 1 j 1 ij j i ) j SS T =( ij ) i 1 j 1 ) Grus de Lierd (-1)(-1) -1 Vriânci (Som Médi dos Qudrdos) SS A = A 1 SS B = B 1 SS E = E ( 1)( 1) Rzões F A E B E 63

8 Pr o Eemplo 4, temos seguinte Tel ANOVA: Fonte de Vrição Som dos Qudrdos (SS) g.l. Vriânci (Som Médi dos Qudrdos) Entre grupos SS Loj =130 Loj =65 Lojs Entre grupos Empregdos SS Emp =7 4 Emp =18 Residul SS E = 8 E =.75 Totl SS T =4 14 Rzões F Loj E Emp E =3.6 = Testmos por um ldo, H 0 : 1 = = 3 (os volumes médios de vends são iguis ns três lojs) H 1 : i j pr lgum ij So H 0, F = Loj F. 1 ( 1)( 1) E Tem-se: Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição R.C.: [4.46, +[ (eistem pelo menos dus lojs com volumes médios de vends diferentes) F 8 : 4.46 F os =3.6 R.C., logo rejeitmos H 0, tl como n plicção d ANOVA com pens o fctor Loj Notemos, no entnto, que o vlor oservdo d esttístic de teste F é neste cso mior do que o otido n nálise nterior (3.6>8.3) - vrição não eplicd é menor. A rejeição de H 0 é neste cso ind mis forte. 65

9 Por outro ldo, tmém podemos testr H 0 : 1 = = 3 = 4 = 5 H 1 : i j pr lgum ij So H 0, F = Emp E F. 1 ( 1)( 1) Tem-se: Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição (os cinco emp.'s têm volumes médios de vends iguis) (eistem pelo menos dois empregdos com volumes médios de vends diferentes) 4 F 8 : 3.84 R.C.: [3.84, +[ F os =6.5 R.C., logo rejeitmos H 0. Podemos concluir que os ddos mostris revelrm, o nível de significânci de 5%, não só que s lojs são significtivmente diferentes, ms tmém que eistem diferençs entre os empregdos, no que diz respeito o volume de vends semnis e, deste modo, tnto o fctor Loj como o fctor Empregdo fectm o volume de vends. 66 Comprções Múltipls Após rejeição de H 0, tem sentido estudr quis os grupos que diferem entre si, em cd fctor. O teste que vmos considerr é, um vez mis, o teste de Tuckey. Pr o Fctor A A hipótese nul H 0 : r = s (os grupos r e s do fctor A têm médis iguis) é rejeitd se r s S 1 T(1-) 1 E ou r s S E T(1-) onde, S T(1-) é o quntil de proilidde (1-) d distriuição d Studentized Rnge com (, (-1)(-1)) grus de lierdde; SS E = E ; ( 1)( 1) é dimensão ds mostrs de cd um dos grupos do fctor A, neste cso coincidente com o número de grupos do fctor B. 67

10 Eemplo 4 Fctor Loj, Pr =0.05, tem-se =.996 e 5 1 = =7> = = < = =5 >.996. Confirmmos ssim o resultdo otido nteriormente, i.e., que loj (grupo ) difere significtivmente ds lojs 1 e 3, no que diz respeito o volume médio de vends. 68 Pr o Fctor B A hipótese nul H 0 : r = s (os grupos r e s do fctor B têm médis iguis) é rejeitd se E r s S T(1-) onde, S T(1-) é o quntil de proilidde (1-) d distriuição d Studentized Rnge com (, (-1)(-1)) grus de lierdde; é dimensão ds mostrs de cd um dos grupos do fctor B, neste cso coincidente com o número de grupos do fctor A. 69

11 Eemplo 4 Fctor Empregdo,.75 Pr =0.05, tem-se 4.89 =4.68 e 3 1 = =4 4 = =3 1 3 = =6> = =0 1 4 = =1 3 4 = =5> = =4 3 5 = = 3 = = 4 5 = =3 Há evidênci de que o empregdo 3 tem um volume médio de vends diferente dos empregdos 1 e 4. Oservndo s médis mostris, podemos verificr que ess diferenç é fvorável os empregdos 1 e Modelo com intercção O modelo de ANOVA com dois fctores que presentámos não contempl intercção entre os dois fctores. De fcto, lgum d vrição eistente nos ddos pode ter ind origem n intercção entre os dois fctores, e est deve de ser pesd n nálise. No entnto, pr levr co est nálise são necessáris mis oservções por célul, dndo origem um estrutur de ddos mis comple. 71

12 Num modelo onde se consider intercção entre os dois fctores, o Fctor A e o Fctor B, os ddos são em gerl presentdos num tel como que se segue. Fctor A A 1 A A j Fctor B B 1 111,, 11n 11 11,, 1n ,, 1n 1 B 11,, 1n 1 1,, n... 1,, n B 11,, 1n 1 1,, n... 1,, n 1 i onde, 1 n = j ijk n i1k 1 1 n = i ijk n j1k 1 1 n = ij = ijk n k 1 1 n ijk n i1 j 1k 1 Note que, cd célul, isto é, cd cominção possível entre níveis do fctor A com níveis do fctor B, contém n oservções, sendo portnto o número totl de oservções igul n. 73

13 Eemplo 5 Retomemos os Eemplo 4, ms gor dmitindo possiilidde de eistênci de intercção entre o fctor Loj e o fctor Empregdo. Vmos então plicr o modelo de nálise de vriânci com intercção, o que nos orig ter mis do que um oservção por cd cominção Loj-Empregdo. Assim, suponhmos que os ddos recolhidos pelo Sr. Fernndo form os seguintes (considermos pens três empregdos pr fcilitr os cálculos): Loj 1 3 j 1 53, 5, , 56, , 56, Empregdo 41, 46, , 51, , 48, , 54, , 56, , 51, i 74 Pretende-se testr: 1. H 0 1 : os volumes médios de vends são iguis ns três lojs H 1 1 : eistem pelo menos dus lojs com volumes médios de vends diferentes. H 0 : os três empregdos têm volumes médios de vends iguis H 1 : eistem pelo menos dois empregdos com volumes médios de vends diferentes 3. H 0 3 : não eiste intercção entre o fctor Loj e o fctor Empregdo H 1 3 : eiste intercção entre o fctor Loj e o fctor Empregdo 75

14 Num modelo com intercção vrição totl dos ddos é decompost em qutro prcels: vrição devid o fctor A (SS A ); vrição devid o fctor B (SS B ); vrição devid à intercção (SS I ); vrição residul (SS E ) que é vrição não eplicd pelo modelo. Mis um vez os cálculos efectur são muito semelhntes os ds nálises nteriores: com, SS A = n( i ) SS B = n ( i1 i1 j1 j 1 n i1 j 1k 1 j ) SS I =n( ij i j ) SS E =( ijk ij ) SS T =SS A +SS B +SS I +SS E SS T =( ijk ) n i1 j 1k 1 76 A Tel ANOVA pr o modelo com intercção é seguinte: Fonte de Vrição Fctor A Fctor B Som dos Qudrdos (SS) SS A = n ( i ) i 1 SS B = n ( Intercção SSI =n( Residul Totl i 1 j 1 ij j 1 n i1 j 1k 1 j i ) j SS E =( ijk ij ) SS T =( ijk ) n i 1 j 1k 1 ) Grus de Lierdde -1-1 (-1)(-1) (n-1) n-1 Vriânci (Som Médi Qudrdos) SS A = A 1 SS B = B 1 SS I = I ( 1)( 1) SS E = E ( n 1) Rzões F A E B E I E 77

15 Pr o Eemplo 5 temos: Som de qudrdos Fctor Loj ( ) Totl i SS Loj =336=54 Fctor Empregdo ( ) Totl j SS Emp =336=34 Intercção ( ) ij i j Totl 16 SS I =316=48 78 Residul ( ) ijk ij 0, 1, 1 4, 1, 1 4, 4, 0 9, 4, 1 4, 1, 1 1, 1, 4 4, 1, 1 0, 4, 4 1, 4, 1 Totl 6 SS E =6 Totl ( ijk ) 4, 1, 9 4, 5, 5 1, 5, 9 100, 5, 36 9, 0, 0 9, 9, 36 0, 9, 9 9, 5, 1 9, 0, 9 Totl 398 SS T =398 79

16 A Tel ANOVA é então, Fonte de Vrição Som dos Qudrdos (SS) Grus de Lierdde Vriânci (Som Médi dos Qudrdos) Rzões F Loj SS Loj = 54 Loj = Empregdo SS Emp = 34 Emp = Intercção SS I = 48 4 I = Residul SS E = 6 18 E =3.44 Totl SS T = Slient-se que qundo eiste intercção entre os dois fctores o efeito de um deles depende dos níveis do outro. Assim, n presenç de um intercção significtiv o efeito de cd um dos fctores isoldmente pode ser mscrdo pel intercção e, consequentemente, os testes à significânci d influênci de cd um dos fctores podem ficr desprovidos de sentido. Por est rzão, em primeiro lugr deve-se fzer o teste reltivo à intercção, isto é, devese testr hipótese nul de que não eiste intercção entre os dois fctores. Representndo s médis mostris ij grficmente, como se ilustr ns figurs seguintes, é possível verigur se eiste ou não um intercção significtiv. 81

17 ij Fctor A - Nível 1 Fctor A - Nível Fctor B - Nível 1 Fctor B - Nível Fctor B - Nível 3 Ausênci de intercção significtiv: Segmentos de rect prlelos A diferenç entre os vlores médios pr quisquer dois níveis do Fctor A é igul pr todos os níveis do fctor B e vice-vers. Neste cso, é possível comprr os níveis do Fctor A sem ter de especificr o nível do Fctor B envolvido e vice-vers. 8 ij Fctor A - Nível 1 ij Fctor A - Nível 1 Fctor A - Nível Fctor A - Nível Fctor B - Nível 1 Fctor B - Nível Fctor B - Nível 3 Fctor B - Nível 1 Fctor B - Nível Fctor B - Nível 3 Eistênci de intercção significtiv: A diferenç entre os vlores médios pr dois níveis do Fctor A pode depender do nível do fctor B envolvido e vice-vers. Neste cso, nem sempre é possível comprr os níveis do Fctor A sem ter de especificr o nível do Fctor B envolvido e vice-vers. 83

18 Pr o Eemplo 5, tem-se, so H 0 3 Mis: F = I ( 1)( 1) F ( n1), com (-1)(-1) = 4 e (n-1)=18. E - Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição - R.C.: [.93, +[ 4 F 18:.93; - F os =3.49 R.C., logo rejeitmos H intercção entre o fctor Loj e o fctor Empregdo é significtiv, o que conduz à conclusão de que o desempenho de um vendedor depende d loj onde está trlhr. Coloc-se então questão de ser se podemos triuir lgum significdo os testes reltivos cd um dos fctores ij Loj Emp 1 Emp Emp 3 A nálise do gráfico revel que: A o empregdo 1 tem mis êito ns vends do que o empregdo 3 e este do que o empregdo, independentemente d loj; B loj present mior volume de vends do que s outrs dus lojs, independentemente do empregdo. Prece então fzer sentido testr hipótese H 0 1 e hipótese H 0 pr vlir se ests diferençs são ou não significtivs. 85

19 So H 0 1, F = Loj E F, com -1= e (n-1)=18. 1 ( n1) Mis: - Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição - R.C.: [3.55, +[ F 18: 3.55; - F os =7.85 R.C., logo rejeitmos H há evidênci pr concluir que s três lojs diferem no que diz respeito o volume médio de vends semnis. 86 So H 0, Mis: F = Emp E F, com -1= e (n-1)=18. 1 ( n1) - Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição - R.C.: [3.55, +[ F 18: 3.55; - F os =34.01 R.C., logo rejeitmos H 0 - há evidênci de que eistem diferençs entre os empregdos no que diz respeito o seu volume médio de vends. Podemos concluir que tnto o fctor Loj como o fctor Empregdo eercem um influênci significtiv sore o volume de vends. 87

20 Como já dissemos, eistênci de intercção entre os fctores pode levr que os testes reltivos os fctores A e B não tenhm significdo. N figur seguinte represent-se um situção deste tipo (compre- com Figur nterior). ij Fctor A1 Fctor A Fctor A3 B1 B B3 Fctor B 88 Comprções Múltipls O teste que vmos considerr é, um vez mis, o teste de Tuckey. Pr o Fctor A A hipótese nul H 0 : r = s (os níveis r e s do fctor A têm médis iguis) é rejeitd se E r s S T(1-) n onde, S T(1-) é o quntil de proilidde (1-) d distriuição d Studentized Rnge com (, (n-1)) grus de lierdde 89

21 Pr o Fctor B A hipótese nul H 0 : r = s (os níveis r e s do fctor B têm médis iguis) é rejeitd se E r s S T(1-) n onde, S T(1-) é o quntil de proilidde (1-) d distriuição d Studentized Rnge com (, (n-1)) grus de lierdde 90 Eemplo 5 Vmos pens vlir se são significtivs s diferençs registds em A e B do slide 85. Fctor Empregdo Pr =0.05, tem-se S T(1-) E =3.64 n 3.44 =.5 9 e = =7>.5 1 = 54-5 = < = 47-5 =5 >.5 3 Há, portnto, evidênci de que o empregdo tem um volume médio de vends diferente dos empregdos 1 e 3. A nálise do gráfico d Figur deste eemplo revel que ess diferenç é fvorável os empregdos 1 e 3. 91

22 Pr o fctor Loj tem-se S E T(1-) =3.64 n 3.44 =.5 9 e = =3>.5 1 = =3 >.5. 3 Concluímos portnto que loj difere significtivmente ds lojs 1 e 3, no que diz respeito o volume médio de vends. A nálise do gráfico d figur deste eemplo revel que ess diferenç é fvorável à loj. Note que, não fz sentido comprr s lojs 1 e 3, pois, devido à intercção, o desempenho dests lojs depende do empregdo envolvido (confirme n figur do slide 88). 9 É importnte notr que, lém de dois fctores, podem ind ser crescentdos mis fctores o estudo d vrição de um crcterístic (ANOVA com k fctores). Um consult deste ssunto pode ser feit em Applied Sttistics nd Proility for Engineers, Montegomery e Runger. 93

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Integris imprópris

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

Módulo 02. Sistemas Lineares. [Poole 58 a 85]

Módulo 02. Sistemas Lineares. [Poole 58 a 85] Módulo Note em, leitur destes pontmentos não dispens de modo lgum leitur tent d iliogrfi principl d cdeir Chm-se à tenção pr importânci do trlho pessol relizr pelo luno resolvendo os prolems presentdos

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Adriano Pedreira Cattai

Adriano Pedreira Cattai Adrino Pedreir Ctti pctti@hoocomr Universidde Federl d Bhi UFBA, MAT A01, 006 Superfícies de Revolução 1 Introdução Podemos oter superfícies não somente por meio de um equção do tipo F(,, ), eistem muitos

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c.

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c. EQUAÇÃO DO GRAU Você já estudou em série nterior s equções do 1 gru, o gru de um equção é ddo pelo mior expoente d vriável, vej lguns exemplos: x + = 3 equção do 1 gru já que o expoente do x é 1 5x 8 =

Leia mais

Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte I

Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numérica de Sistemas Lineares Parte I Cálculo Numérico Módulo III Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Prof: Reinldo Hs Sistems Lineres Form Gerl... n n b... n n b onde: ij n n coeficientes i incógnits b i termos independentes... nn

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

o Seu pé direito na medicina

o Seu pé direito na medicina o Seu pé direito n medicin UNIFESP //006 MATEMÁTIA 0 Entre os primeiros mil números inteiros positivos, quntos são divisíveis pelos números,, 4 e 5? 60 b) 0 c) 0 d) 6 e) 5 Se o número é divisível por,,

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo?

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo? N Aul 30, você já viu que dus rets concorrentes formm qutro ângulos. Você tmbém viu que, qundo os qutro ângulos são iguis, s rets são perpendiculres e cd ângulo é um ângulo reto, ou sej, mede 90 (90 grus),

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO Físic Gerl I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protocolos ds Auls Prátics 003 / 004 ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO. Resumo Corpos de diferentes forms deslocm-se, sem deslizr, o longo de um

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério d Educção Universidde Federl do Rio Grnde Universidde Abert do Brsil Administrção Bchreldo Mtemátic pr Ciêncis Sociis Aplicds I Rodrigo Brbos Sores . Mtrizes:.. Introdução:

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det 5 DETERMINANTES 5 Definição e Proprieddes Definição O erminnte de um mtriz qudrd A de ordem é por definição plicção ( ) : M IR IR A Eemplo : 5 A ( A ) ( ) ( ) 5 7 5 Definição O erminnte de um mtriz qudrd

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Funções do 1 o Grau. Exemplos

Funções do 1 o Grau. Exemplos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Funções do o Gru. Função

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8 GUIÃO REVISÕES Simplificção de expressões Um disco rígido de 00Gb foi dividido em qutro prtições. O conselho directivo ficou com 1 4, os docentes ficrm com 1 4, os lunos ficrm com 8 e o restnte ficou pr

Leia mais

Diferenciação Numérica

Diferenciação Numérica Cpítulo 6: Dierencição e Integrção Numéric Dierencição Numéric Em muits circunstâncis, torn-se diícil oter vlores de derivds de um unção: derivds que não são de ácil otenção; Eemplo clculr ª derivd: e

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 DEFINIÇÃO LOGARITMOS = os(rzão) + rithmos(números) Sejm e números reis positivos diferentes de zero e 1. Chm-se ritmo

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

RESPOSTAS DA LISTA 2 - Números reais: propriedades algébricas e de ordem

RESPOSTAS DA LISTA 2 - Números reais: propriedades algébricas e de ordem List de Mtemáti Bási 009- (RESPOSTAS) 4 RESPOSTAS DA LISTA - Números reis: proprieddes lgéris e de ordem Pr filitr onsult, repetimos qui os xioms e s proprieddes lgéris e de ordem listds em ul. À medid

Leia mais

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < <

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < < MATEMÁTICA Assinle lterntiv verddeir: ) 6 < 7 6 < 6 b) 7 6 < 6 < 6 c) 7 6 < 6 < 6 d) 6 < 6 < 7 6 e) 6 < 7 6 < 6 Pr * {} temos: ) *, * + e + * + ) + > + + > ) Ds equções (I) e (II) result 7 6 < ( 6 )

Leia mais

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green ÁLULO VETORIAL álculo Vetoril pítulo 6 6.4 Teorem de Green Nest seção, prenderemos sore: O Teorem de Green pr váris regiões e su plicção no cálculo de integris de linh. INTROUÇÃO O Teorem de Green fornece

Leia mais

CPV 82% de aprovação na ESPM em 2011

CPV 82% de aprovação na ESPM em 2011 CPV 8% de provção n ESPM em 0 Prov Resolvid ESPM Prov E 0/julho/0 MATEMÁTICA. Considerndo-se que x = 97, y = 907 e z =. xy, o vlor d expressão x + y z é: ) 679 b) 58 c) 7 d) 98 e) 77. Se três empds mis

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia de Porto Alegre Departamento de Engenharia Elétrica ANÁLISE DE CIRCUITOS II - ENG04031 Universidde Federl do io Grnde do Sul Escol de Engenhri de Porto Alegre Deprtmento de Engenhri Elétric ANÁLSE DE CCUTOS - ENG04031 Aul 1 - Lineridde, Superposição e elções /A Sumário Dics úteis; Leis e

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

Matemática para Economia Les 201

Matemática para Economia Les 201 Mtemátic pr Economi Les uls 8_9 Integris Márci znh Ferrz Dis de Mores _//6 Integris s operções inverss n mtemátic: dição e sutrção multiplicção e divisão potencição e rdicição operção invers d dierencição

Leia mais

PROFESSOR RIKEY FELIX

PROFESSOR RIKEY FELIX PROFESSOR RIKEY FELIX Mtemátic Instrumentl Introdução noções de medids numérics, rzão e proporção, porcentgem e princípio de equivlênci. Professor Rikey Pulo Pires Feli, Licencido em Mtemátic pel Universidde

Leia mais

Substituição Trigonométrica. Substituição Trigonométrica. Se a integral fosse. a substituição u = a 2 x 2 poderia ser eficaz, mas, como está,

Substituição Trigonométrica. Substituição Trigonométrica. Se a integral fosse. a substituição u = a 2 x 2 poderia ser eficaz, mas, como está, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Introdução Se integrl

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

x u 30 2 u 1 u 6 + u 10 2 = lim (u 1)(1 + u + u 2 + u 3 + u 4 )(2 + 2u 5 + u 10 )

x u 30 2 u 1 u 6 + u 10 2 = lim (u 1)(1 + u + u 2 + u 3 + u 4 )(2 + 2u 5 + u 10 ) Universidde Federl de Viços Deprtmento de Mtemátic MAT 40 Cálculo I - 207/II Eercícios Resolvidos e Comentdos Prte 2 Limites: Clcule os seguintes ites io se eistirem. Cso contrário, justique não eistênci.

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

as raízes de ( ) Então resolver Q( x ) = 0 é equivalente a resolver as equações:

as raízes de ( ) Então resolver Q( x ) = 0 é equivalente a resolver as equações: (9) 5-0 O ELITE RESOLVE IME 0 DISURSIVS MTEMÁTI MTEMÁTI QUESTÃO 0 5 O polinômio P ( ) + 0 0 + 8 possui rízes comples simétrics e um riz com vlor igul o módulo ds rízes comples. Determine tods s rízes do

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte B

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 CAPES. FUNÇÕES Parte B Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 CPES FUNÇÕES Prte B Prof. ntônio Murício Medeiros lves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez UNIDDE FUNÇÕES PRTE B. FUNÇÂO

Leia mais

6 Conversão Digital/Analógica

6 Conversão Digital/Analógica 6 Conversão Digitl/Anlógic n Em muits plicções de processmento digitl de sinl (Digitl Signl Processing DSP), é necessário reconstruir o sinl nlógico pós o estágio de processmento digitl. Est tref é relizd

Leia mais

6. ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES

6. ÁLGEBRA LINEAR MATRIZES MATRIZES. ÁLGEBRA LINEAR Definição Digonl Principl Mtriz Unidde Mtriz Trnspost Iguldde entre Mtrizes Mtriz Nul Um mtriz m n um tbel de números reis dispostos em m linhs e n coluns. Sempre que m for igul

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

Os números racionais. Capítulo 3

Os números racionais. Capítulo 3 Cpítulo 3 Os números rcionis De modo informl, dizemos que o conjunto Q dos números rcionis é composto pels frções crids prtir de inteiros, desde que o denomindor não sej zero. Assim como fizemos nteriormente,

Leia mais

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB.

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB. MÚLTIPL ESCOLH NOTÇÕES C : conjunto dos números compleos. Q : conjunto dos números rcionis. R : conjunto dos números reis. Z : conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N* {,,,...}. : conjunto vzio.

Leia mais

TÓPICOS. Equação linear. Sistema de equações lineares. Equação matricial. Soluções do sistema. Método de Gauss-Jordan. Sistemas homogéneos.

TÓPICOS. Equação linear. Sistema de equações lineares. Equação matricial. Soluções do sistema. Método de Gauss-Jordan. Sistemas homogéneos. Note bem: leitur destes pontmentos não dispens de modo lgum leitur tent d bibliogrfi principl d cdeir ÓPICOS Equção liner. AUA 4 Chm-se tenção pr importânci do trblho pessol relizr pelo luno resolvendo

Leia mais

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$

81,9(56,'$'( )('(5$/ '2 5,2 '( -$1(,52 &21&8562 '( 6(/(d 2 0$7(0É7,&$ 81,9(56,'$'( )('(5$/ ' 5, '( -$1(,5 &1&856 '( 6(/(d 0$7(0É7,&$ -867,),48( 7'$6 $6 68$6 5(667$6 De um retângulo de 18 cm de lrgur e 48 cm de comprimento form retirdos dois qudrdos de ldos iguis 7 cm, como

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA LISTA DE EXERCÍCIOS ) Sejm A, B e C mtries inversíveis de mesm ordem, encontre epressão d mtri X,

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinantes

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinantes Universidde Federl de Pelots Vetores e Álgebr Liner Prof : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinntes Determinntes Definição: Determinnte é um número ssocido um mtriz qudrd.. Determinnte de primeir ordem Dd

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x.

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x. Universidde Federl Fluminense Mtemátic II Professor Mri Emili Neves Crdoso Cpítulo Integrl. Diferenciis dy Anteriormente, foi considerdo um símolo pr derivd de y em relção à, ms em lguns prolems é útil

Leia mais

cpv especializado na espm

cpv especializado na espm 0 espm 05/07/009 cpv especilizdo n espm Mtemátic. O vlor d epressão. + pr = 0 é igul : ), b) c) d) 0 e). + = + = +. ( + ) = =. = ( + ). + Substituindo = 0 = 0,, temos: + 0, +, = = = 0, 0, = +. Sobre o

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola,

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola, Prezdos Estudntes, Professores de Mtemátic e Diretores de Escol, Os Problems Semnis são um incentivo mis pr que os estudntes possm se divertir estudndo Mtemátic, o mesmo tempo em que se preprm pr s Competições

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais