Análise de Variância com Dois Factores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise de Variância com Dois Factores"

Transcrição

1 Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume de vends. Note que o volume de vends deve tmém sofrer influênci de outros fctores. Assim, vrição ns vends pode estr relciond não só com loj, ms tmém com o desempenho do empregdo. Vmos então introduzir no nosso estudo um segundo fctor, o fctor Empregdo. 50 Eemplo 4 Admitmos então que o Sr Fernndo tem cinco empregdos que estão igulmente fmilirizdos com s três lojs. Os ddos recolhidos ds vends dos cinco empregdos ns três lojs (por conveniênci, os mesmos presentdos nteriormente) são os seguintes: Fctor Loj Médis dos Empregdos Loj 1 Loj Loj 3 j Emp Fctor Emp Empregdo Emp Emp Emp Médis ds Lojs =5 i 51

2 O fctor Empregdo tem cinco níveis (Emp1, Emp,..., Emp5) e o fctor Loj tem três níveis (Loj 1, Loj e Loj3). Os ddos mostris estão orgnizdos de cordo com um esquem designdo por clssificção cruzd, um vez que cd nível de um fctor é cruzdo com cd nível do outro fctor. Um oservção mis tent d tel nterior, mostr que há empregdos que, prentemente, presentm melhores resultdos do que outros. Deste modo, é rzoável pensr que tlvez s lojs não sejm ssim tão diferentes ums ds outrs, no que diz respeito o volume de vends, pode é hver tmém diferençs no desempenho dos empregdos. 5 Podemos então perguntr: A vrição ns vends é eplicd pens pels lojs onde são efectuds, ou será que tmém pode ser eplicd pel performnce dos empregdos? No Eemplo 4 estmos pernte um prolem o qul vmos plicr um outro modelo d ANOVA, ANOVA com dois fctores (pr o eemplo, fctor Loj e fctor Empregdo), ind so os pressupostos de normlidde, iguldde de vriâncis, independênci entre s oservções e ssumindo dicionlmente que não há intercção entre os dois fctores. 53

3 A usênci de intercção entre os fctores signific que, em termos médios, diferenç entre dois quisquer níveis do fctor A não depende do nível do fctor B, isto é, é igul pr todos os níveis do fctor B, e vice-vers. Pr o Eemplo 4 isto signific que os empregdos estão igulmente fmilirizdos com tods s lojs e portnto mntêm o mesmo comportmento em tods els. Sendo ssim, em médi, diferenç entre o desempenho do empregdo i e do empregdo j é igul pr tods s lojs. Por outro ldo, diferenç entre loj i e loj j é igul pr todos os empregdos. 54 De um modo gerl, os ddos com dois fctores, o Fctor A (ou Fctor Colun) com níveis/grupos e o Fctor B (Fctor Linh) com níveis, são presentdos num tel como seguinte: onde, Fctor A A 1 A... A j B Fctor B B 1... B 1... i... 1 = j 1 ij i1 j i j1 i1 e =, i i1 j 1 1 = ij = ij j1 j 1 j i 1 i. 55

4 Recordemos que qundo plicmos ANOVA com pens um fctor, s fontes de vrição dos ddos são dus: vrição entre os grupos ou níveis do fctor (SS A ) vrição que provem ds flutuções letóris dentro dos grupos, SS E, e que fic por eplicr (residul). Aplicndo o modelo de ANOVA com dois fctores, espermos reduzir vrição não eplicd, um vez que est pode provir d vrição entre os grupos do segundo fctor e ess pss ser contilizd. 56 Pr o Eemplo tínhmos, Vrição totl nos ddos, SS T = 4, Vrição entre os níveis do fctor Loj, SS A =130, Vrição não eplicd ou residul, SS E =94, onde, SS T =SS A +SS E Introduzindo um segundo fctor, o fctor Empregdo, espermos, como já dissemos, reduzir vrição não eplicd, pois, prte dest pss ser eplicd pel vrição no desempenho dos empregdos. 57

5 Pssmos ter então três fontes de vrição: vrição devid o fctor Loj (medid por SS A ou SS Loj ); vrição devid o fctor Empregdo (medid por SS B ou SS Emp ); vrição não eplicd pelo modelo (medid por SS E ), verificndo-se gor, SS T =SS A +SS B +SS E Os cálculos são muito semelhntes os efectudos n nálise nterior, ms gor com mis um fctor. Assim, considermos: Som dos qudrdos entre os grupos ou níveis do fctor A: SS A = ( i ) ; Som dos qudrdos entre os grupos ou níveis do fctor B: i1 SS B = ( ). j 1 j 58 Eemplo 4 Os cálculos dests medids são resumidos nos qudros seguintes: Fctor Loj ( ) ( ) i Fctor Empregdo ( j ( j ) i ) Totis SS Loj =56=130 Totis 0 4 SS Emp =34=7 59

6 O seguinte psso é o cálculo d som dos qudrdos residul, SS E, vrição não eplicd pelo modelo: ˆ ij = ( i ) ( j ), i = 1,..., j = 1,..., Cd resíduo é ddo por ij ˆ ij = ij i j e tem-se SS E = ( i1 j1 ij i j ) 60 Eemplo 4 ˆ ij = ( i ) ( j ) ij - ˆ ij = ij i j SS E =1 + +(-3) +(-1) +...+(-1) +0 = 61

7 Comprndo com o Eemplo, slient-se que se reduziu vrição não eplicd pelo modelo de 94 pr. De fcto, vrição não eplicd no Eemplo, que vli 94, está gor decompost em dus prcels, vrição eplicd pelo fctor Empregdo (7) e vrição residul () - vrição que continu por eplicr. Finlmente, som dos qudrdos totl, que mede vrição totl dos ddos, que já foi clculd no Eemplo : SS T =( ij ) =4 i1 j 1 6 A Tel ANOVA com dois fctores tem o mesmo formto que de um fctor, e é construíd do seguinte modo: Fonte de Vrição Entre Grupos Fctor A Entre Grupos Fctor B Residul Totl Som dos Qudrdos (SS) SS A = ( i ) i 1 SS B = ( SS E =( i 1 j 1 j 1 ij j i ) j SS T =( ij ) i 1 j 1 ) Grus de Lierd (-1)(-1) -1 Vriânci (Som Médi dos Qudrdos) SS A = A 1 SS B = B 1 SS E = E ( 1)( 1) Rzões F A E B E 63

8 Pr o Eemplo 4, temos seguinte Tel ANOVA: Fonte de Vrição Som dos Qudrdos (SS) g.l. Vriânci (Som Médi dos Qudrdos) Entre grupos SS Loj =130 Loj =65 Lojs Entre grupos Empregdos SS Emp =7 4 Emp =18 Residul SS E = 8 E =.75 Totl SS T =4 14 Rzões F Loj E Emp E =3.6 = Testmos por um ldo, H 0 : 1 = = 3 (os volumes médios de vends são iguis ns três lojs) H 1 : i j pr lgum ij So H 0, F = Loj F. 1 ( 1)( 1) E Tem-se: Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição R.C.: [4.46, +[ (eistem pelo menos dus lojs com volumes médios de vends diferentes) F 8 : 4.46 F os =3.6 R.C., logo rejeitmos H 0, tl como n plicção d ANOVA com pens o fctor Loj Notemos, no entnto, que o vlor oservdo d esttístic de teste F é neste cso mior do que o otido n nálise nterior (3.6>8.3) - vrição não eplicd é menor. A rejeição de H 0 é neste cso ind mis forte. 65

9 Por outro ldo, tmém podemos testr H 0 : 1 = = 3 = 4 = 5 H 1 : i j pr lgum ij So H 0, F = Emp E F. 1 ( 1)( 1) Tem-se: Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição (os cinco emp.'s têm volumes médios de vends iguis) (eistem pelo menos dois empregdos com volumes médios de vends diferentes) 4 F 8 : 3.84 R.C.: [3.84, +[ F os =6.5 R.C., logo rejeitmos H 0. Podemos concluir que os ddos mostris revelrm, o nível de significânci de 5%, não só que s lojs são significtivmente diferentes, ms tmém que eistem diferençs entre os empregdos, no que diz respeito o volume de vends semnis e, deste modo, tnto o fctor Loj como o fctor Empregdo fectm o volume de vends. 66 Comprções Múltipls Após rejeição de H 0, tem sentido estudr quis os grupos que diferem entre si, em cd fctor. O teste que vmos considerr é, um vez mis, o teste de Tuckey. Pr o Fctor A A hipótese nul H 0 : r = s (os grupos r e s do fctor A têm médis iguis) é rejeitd se r s S 1 T(1-) 1 E ou r s S E T(1-) onde, S T(1-) é o quntil de proilidde (1-) d distriuição d Studentized Rnge com (, (-1)(-1)) grus de lierdde; SS E = E ; ( 1)( 1) é dimensão ds mostrs de cd um dos grupos do fctor A, neste cso coincidente com o número de grupos do fctor B. 67

10 Eemplo 4 Fctor Loj, Pr =0.05, tem-se =.996 e 5 1 = =7> = = < = =5 >.996. Confirmmos ssim o resultdo otido nteriormente, i.e., que loj (grupo ) difere significtivmente ds lojs 1 e 3, no que diz respeito o volume médio de vends. 68 Pr o Fctor B A hipótese nul H 0 : r = s (os grupos r e s do fctor B têm médis iguis) é rejeitd se E r s S T(1-) onde, S T(1-) é o quntil de proilidde (1-) d distriuição d Studentized Rnge com (, (-1)(-1)) grus de lierdde; é dimensão ds mostrs de cd um dos grupos do fctor B, neste cso coincidente com o número de grupos do fctor A. 69

11 Eemplo 4 Fctor Empregdo,.75 Pr =0.05, tem-se 4.89 =4.68 e 3 1 = =4 4 = =3 1 3 = =6> = =0 1 4 = =1 3 4 = =5> = =4 3 5 = = 3 = = 4 5 = =3 Há evidênci de que o empregdo 3 tem um volume médio de vends diferente dos empregdos 1 e 4. Oservndo s médis mostris, podemos verificr que ess diferenç é fvorável os empregdos 1 e Modelo com intercção O modelo de ANOVA com dois fctores que presentámos não contempl intercção entre os dois fctores. De fcto, lgum d vrição eistente nos ddos pode ter ind origem n intercção entre os dois fctores, e est deve de ser pesd n nálise. No entnto, pr levr co est nálise são necessáris mis oservções por célul, dndo origem um estrutur de ddos mis comple. 71

12 Num modelo onde se consider intercção entre os dois fctores, o Fctor A e o Fctor B, os ddos são em gerl presentdos num tel como que se segue. Fctor A A 1 A A j Fctor B B 1 111,, 11n 11 11,, 1n ,, 1n 1 B 11,, 1n 1 1,, n... 1,, n B 11,, 1n 1 1,, n... 1,, n 1 i onde, 1 n = j ijk n i1k 1 1 n = i ijk n j1k 1 1 n = ij = ijk n k 1 1 n ijk n i1 j 1k 1 Note que, cd célul, isto é, cd cominção possível entre níveis do fctor A com níveis do fctor B, contém n oservções, sendo portnto o número totl de oservções igul n. 73

13 Eemplo 5 Retomemos os Eemplo 4, ms gor dmitindo possiilidde de eistênci de intercção entre o fctor Loj e o fctor Empregdo. Vmos então plicr o modelo de nálise de vriânci com intercção, o que nos orig ter mis do que um oservção por cd cominção Loj-Empregdo. Assim, suponhmos que os ddos recolhidos pelo Sr. Fernndo form os seguintes (considermos pens três empregdos pr fcilitr os cálculos): Loj 1 3 j 1 53, 5, , 56, , 56, Empregdo 41, 46, , 51, , 48, , 54, , 56, , 51, i 74 Pretende-se testr: 1. H 0 1 : os volumes médios de vends são iguis ns três lojs H 1 1 : eistem pelo menos dus lojs com volumes médios de vends diferentes. H 0 : os três empregdos têm volumes médios de vends iguis H 1 : eistem pelo menos dois empregdos com volumes médios de vends diferentes 3. H 0 3 : não eiste intercção entre o fctor Loj e o fctor Empregdo H 1 3 : eiste intercção entre o fctor Loj e o fctor Empregdo 75

14 Num modelo com intercção vrição totl dos ddos é decompost em qutro prcels: vrição devid o fctor A (SS A ); vrição devid o fctor B (SS B ); vrição devid à intercção (SS I ); vrição residul (SS E ) que é vrição não eplicd pelo modelo. Mis um vez os cálculos efectur são muito semelhntes os ds nálises nteriores: com, SS A = n( i ) SS B = n ( i1 i1 j1 j 1 n i1 j 1k 1 j ) SS I =n( ij i j ) SS E =( ijk ij ) SS T =SS A +SS B +SS I +SS E SS T =( ijk ) n i1 j 1k 1 76 A Tel ANOVA pr o modelo com intercção é seguinte: Fonte de Vrição Fctor A Fctor B Som dos Qudrdos (SS) SS A = n ( i ) i 1 SS B = n ( Intercção SSI =n( Residul Totl i 1 j 1 ij j 1 n i1 j 1k 1 j i ) j SS E =( ijk ij ) SS T =( ijk ) n i 1 j 1k 1 ) Grus de Lierdde -1-1 (-1)(-1) (n-1) n-1 Vriânci (Som Médi Qudrdos) SS A = A 1 SS B = B 1 SS I = I ( 1)( 1) SS E = E ( n 1) Rzões F A E B E I E 77

15 Pr o Eemplo 5 temos: Som de qudrdos Fctor Loj ( ) Totl i SS Loj =336=54 Fctor Empregdo ( ) Totl j SS Emp =336=34 Intercção ( ) ij i j Totl 16 SS I =316=48 78 Residul ( ) ijk ij 0, 1, 1 4, 1, 1 4, 4, 0 9, 4, 1 4, 1, 1 1, 1, 4 4, 1, 1 0, 4, 4 1, 4, 1 Totl 6 SS E =6 Totl ( ijk ) 4, 1, 9 4, 5, 5 1, 5, 9 100, 5, 36 9, 0, 0 9, 9, 36 0, 9, 9 9, 5, 1 9, 0, 9 Totl 398 SS T =398 79

16 A Tel ANOVA é então, Fonte de Vrição Som dos Qudrdos (SS) Grus de Lierdde Vriânci (Som Médi dos Qudrdos) Rzões F Loj SS Loj = 54 Loj = Empregdo SS Emp = 34 Emp = Intercção SS I = 48 4 I = Residul SS E = 6 18 E =3.44 Totl SS T = Slient-se que qundo eiste intercção entre os dois fctores o efeito de um deles depende dos níveis do outro. Assim, n presenç de um intercção significtiv o efeito de cd um dos fctores isoldmente pode ser mscrdo pel intercção e, consequentemente, os testes à significânci d influênci de cd um dos fctores podem ficr desprovidos de sentido. Por est rzão, em primeiro lugr deve-se fzer o teste reltivo à intercção, isto é, devese testr hipótese nul de que não eiste intercção entre os dois fctores. Representndo s médis mostris ij grficmente, como se ilustr ns figurs seguintes, é possível verigur se eiste ou não um intercção significtiv. 81

17 ij Fctor A - Nível 1 Fctor A - Nível Fctor B - Nível 1 Fctor B - Nível Fctor B - Nível 3 Ausênci de intercção significtiv: Segmentos de rect prlelos A diferenç entre os vlores médios pr quisquer dois níveis do Fctor A é igul pr todos os níveis do fctor B e vice-vers. Neste cso, é possível comprr os níveis do Fctor A sem ter de especificr o nível do Fctor B envolvido e vice-vers. 8 ij Fctor A - Nível 1 ij Fctor A - Nível 1 Fctor A - Nível Fctor A - Nível Fctor B - Nível 1 Fctor B - Nível Fctor B - Nível 3 Fctor B - Nível 1 Fctor B - Nível Fctor B - Nível 3 Eistênci de intercção significtiv: A diferenç entre os vlores médios pr dois níveis do Fctor A pode depender do nível do fctor B envolvido e vice-vers. Neste cso, nem sempre é possível comprr os níveis do Fctor A sem ter de especificr o nível do Fctor B envolvido e vice-vers. 83

18 Pr o Eemplo 5, tem-se, so H 0 3 Mis: F = I ( 1)( 1) F ( n1), com (-1)(-1) = 4 e (n-1)=18. E - Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição - R.C.: [.93, +[ 4 F 18:.93; - F os =3.49 R.C., logo rejeitmos H intercção entre o fctor Loj e o fctor Empregdo é significtiv, o que conduz à conclusão de que o desempenho de um vendedor depende d loj onde está trlhr. Coloc-se então questão de ser se podemos triuir lgum significdo os testes reltivos cd um dos fctores ij Loj Emp 1 Emp Emp 3 A nálise do gráfico revel que: A o empregdo 1 tem mis êito ns vends do que o empregdo 3 e este do que o empregdo, independentemente d loj; B loj present mior volume de vends do que s outrs dus lojs, independentemente do empregdo. Prece então fzer sentido testr hipótese H 0 1 e hipótese H 0 pr vlir se ests diferençs são ou não significtivs. 85

19 So H 0 1, F = Loj E F, com -1= e (n-1)=18. 1 ( n1) Mis: - Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição - R.C.: [3.55, +[ F 18: 3.55; - F os =7.85 R.C., logo rejeitmos H há evidênci pr concluir que s três lojs diferem no que diz respeito o volume médio de vends semnis. 86 So H 0, Mis: F = Emp E F, com -1= e (n-1)=18. 1 ( n1) - Quntil de proilidde (1-0.05) d distriuição - R.C.: [3.55, +[ F 18: 3.55; - F os =34.01 R.C., logo rejeitmos H 0 - há evidênci de que eistem diferençs entre os empregdos no que diz respeito o seu volume médio de vends. Podemos concluir que tnto o fctor Loj como o fctor Empregdo eercem um influênci significtiv sore o volume de vends. 87

20 Como já dissemos, eistênci de intercção entre os fctores pode levr que os testes reltivos os fctores A e B não tenhm significdo. N figur seguinte represent-se um situção deste tipo (compre- com Figur nterior). ij Fctor A1 Fctor A Fctor A3 B1 B B3 Fctor B 88 Comprções Múltipls O teste que vmos considerr é, um vez mis, o teste de Tuckey. Pr o Fctor A A hipótese nul H 0 : r = s (os níveis r e s do fctor A têm médis iguis) é rejeitd se E r s S T(1-) n onde, S T(1-) é o quntil de proilidde (1-) d distriuição d Studentized Rnge com (, (n-1)) grus de lierdde 89

21 Pr o Fctor B A hipótese nul H 0 : r = s (os níveis r e s do fctor B têm médis iguis) é rejeitd se E r s S T(1-) n onde, S T(1-) é o quntil de proilidde (1-) d distriuição d Studentized Rnge com (, (n-1)) grus de lierdde 90 Eemplo 5 Vmos pens vlir se são significtivs s diferençs registds em A e B do slide 85. Fctor Empregdo Pr =0.05, tem-se S T(1-) E =3.64 n 3.44 =.5 9 e = =7>.5 1 = 54-5 = < = 47-5 =5 >.5 3 Há, portnto, evidênci de que o empregdo tem um volume médio de vends diferente dos empregdos 1 e 3. A nálise do gráfico d Figur deste eemplo revel que ess diferenç é fvorável os empregdos 1 e 3. 91

22 Pr o fctor Loj tem-se S E T(1-) =3.64 n 3.44 =.5 9 e = =3>.5 1 = =3 >.5. 3 Concluímos portnto que loj difere significtivmente ds lojs 1 e 3, no que diz respeito o volume médio de vends. A nálise do gráfico d figur deste eemplo revel que ess diferenç é fvorável à loj. Note que, não fz sentido comprr s lojs 1 e 3, pois, devido à intercção, o desempenho dests lojs depende do empregdo envolvido (confirme n figur do slide 88). 9 É importnte notr que, lém de dois fctores, podem ind ser crescentdos mis fctores o estudo d vrição de um crcterístic (ANOVA com k fctores). Um consult deste ssunto pode ser feit em Applied Sttistics nd Proility for Engineers, Montegomery e Runger. 93

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Geometria Analítica e Álgebra Linear

Geometria Analítica e Álgebra Linear Geometri Alític e Álgebr Lier 8. Sistems Lieres Muitos problems ds ciêcis turis e sociis, como tmbém ds egehris e ds ciêcis físics, trtm de equções que relciom dois cojutos de vriáveis. Um equção do tipo,

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0.

Pontos onde f (x) = 0 e a < x < b. Suponha que f (x 0 ) existe para a < x 0 < b. Se x 0 é um ponto extremo então f (x 0 ) = 0. Resolver o seguinte PPNL M (min) f() s. [, ] Pr chr solução ótim deve-se chr todos os máimos (mínimos) locis, isto é, os etremos locis. A solução ótim será o etremo locl com mior (menor) vlor de f(). É

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

PROFESSOR RIKEY FELIX

PROFESSOR RIKEY FELIX PROFESSOR RIKEY FELIX Mtemátic Instrumentl Introdução noções de medids numérics, rzão e proporção, porcentgem e princípio de equivlênci. Professor Rikey Pulo Pires Feli, Licencido em Mtemátic pel Universidde

Leia mais

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo

Regras. Resumo do Jogo Resumo do Jogo. Conteúdo. Conteúdo. Objetivo FRENTE do Jogo Resumo do Jogo Resumo do Jogo Regrs -Qundo for seu turno, você deve jogr um de sus crts no «ponto n linh do tempo» que estej correto. -Se você jogr crt corretmente, terá um crt menos à su frente. -Se você

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det 5 DETERMINANTES 5 Definição e Proprieddes Definição O erminnte de um mtriz qudrd A de ordem é por definição plicção ( ) : M IR IR A Eemplo : 5 A ( A ) ( ) ( ) 5 7 5 Definição O erminnte de um mtriz qudrd

Leia mais

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB.

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB. MÚLTIPL ESCOLH NOTÇÕES C : conjunto dos números compleos. Q : conjunto dos números rcionis. R : conjunto dos números reis. Z : conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N* {,,,...}. : conjunto vzio.

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha.

push (c) pop () retorna-se c topo b a topo Figura 10.1: Funcionamento da pilha. 11. Pilhs W. Celes e J. L. Rngel Um ds estruturs de ddos mis simples é pilh. Possivelmente por ess rzão, é estrutur de ddos mis utilizd em progrmção, sendo inclusive implementd diretmente pelo hrdwre d

Leia mais

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES

Apostila De Matemática GEOMETRIA: REVISÃO DO ENSINO FUNDAMENTAL, PRISMAS E PIRÂMIDES posti De Mtemátic GEOMETRI: REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL, PRISMS E PIRÂMIDES posti de Mtemátic (por Sérgio Le Jr.) GEOMETRI 1. REVISÃO DO ENSINO FUNDMENTL 1. 1. Reções métrics de um triânguo retânguo. Pr

Leia mais

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o

VETORES. Com as noções apresentadas, é possível, de maneira simplificada, conceituar-se o VETORES INTRODUÇÃO No módulo nterior vimos que s grndezs físics podem ser esclres e vetoriis. Esclres são quels que ficm perfeitmente definids qundo expresss por um número e um significdo físico: mss (2

Leia mais

Algumas Demonstrações Geométricas

Algumas Demonstrações Geométricas Algums Demonstrções Geométrics Mtemátic A 10º Ano Tem I Nos novos progrms, d Mtemátic A refere- se que: No ensino secundário, o estudnte deverá ser solicitdo frequentemente justificr processos de resolução,

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Comportamento de RISCO

Comportamento de RISCO Comportmento de RISCO SEXO e um responsilidde Aprtment203/1016YA FCRISKY Cred Progrm Ncionl De Lut Contr SIDA Poe seguinte list por ordem, do comportmento mis seguro pr o mis rriscdo c d Ter vários prceiros

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

COLÉGIO MILITAR DE BELO HORIZONTE CONCURSO DE ADMISSÃO 2006 / 2007 PROVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO MILITA DE BELO HOIZONTE CONCUSO DE ADMISSÃO 6 / 7 POVA DE MATEMÁTICA 1ª SÉIE DO ENSINO MÉDIO CONFEÊNCIA: Chefe d Sucomissão de Mtemátic Chefe d COC Dir Ens CPO / CMBH CONCUSO DE ADMISSÃO À 1ª SÉIE

Leia mais

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT

DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT DENÚNCIAS DE CORRUPÇÃO CONTRA O GOVERNO LULA E O PT GOVERNO FEDERAL COM MAIS CASOS DE CORRUPÇÃO, em Mrço de 2006 - [estimuld e únic, em %] Em 1º lugr Som ds menções Bse: Totl d mostr Collor Lul FHC 11

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificado

RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificado Sérgio Crvlho Weer Cmpos RACIOCÍNIO LÓGICO Simplificdo Volume ª edição Revist, tulizd e mplid Mteril Complementr PRINCIPAIS CONCEITOS E FÓRMULAS DO LIVRO RACIOCÍNIO SIMPLIFICADO - Vol. www.editorjuspodivm.com.r

Leia mais

Material Teórico - Números Inteiros e Números Racionais. Números Inteiros e Operações. Sétimo Ano. Prof. Angelo Papa Neto

Material Teórico - Números Inteiros e Números Racionais. Números Inteiros e Operações. Sétimo Ano. Prof. Angelo Papa Neto Mteril Teórico - Números Inteiros e Números Rcionis Números Inteiros e Operções Sétimo Ano Prof. Angelo Pp Neto 1 Introdução os números inteiros Vmos começr considerndo seguinte situção: Pedro tinh R$

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

José Miguel Urbano. Análise Infinitesimal II Notas de curso

José Miguel Urbano. Análise Infinitesimal II Notas de curso José Miguel Urbno Análise Infinitesiml II Nots de curso Deprtmento de Mtemátic d Universidde de Coimbr Coimbr, 2005 Conteúdo Primitivs 3 2 O integrl de Riemnn 8 2. Proprieddes do integrl de Riemnn..............

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2

LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestibulares. e B = 2 LISTA DE EXERCÍCIOS Questões de Vestiulres ) UFBA 9 Considere s mtries A e B Sendo-se que X é um mtri simétri e que AX B, determine -, sendo Y ( ij) X - R) ) UFBA 9 Dds s mtries A d Pode-se firmr: () se

Leia mais

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana.

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana. INTEGRAL DEFINIDO O oneito de integrl definido está reliondo om um prolem geométrio: o álulo d áre de um figur pln. Vmos omeçr por determinr áre de um figur delimitd por dus rets vertiis, o semi-eio positivo

Leia mais

Cálculo Integral em R

Cálculo Integral em R Cálculo Integrl em R (Primitivção e Integrção) Miguel Moreir e Miguel Cruz Conteúdo Primitivção. Noção de primitiv......................... Algums primitivs imedits................... Proprieddes ds primitivs....................4

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

Seu pé direito nas melhores faculdades

Seu pé direito nas melhores faculdades Seu pé direito ns melhores fculddes IBMEC 03/junho/007 ANÁLISE QUANTITATIVA E LÓGICA DISCUSIVA 01. O dministrdor de um boliche pretende umentr os gnhos com sus pists. Atulmente, cobr $ 6,00 por um hor

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

y ax b y x Cálculo I Limite de uma função Sartori, C. S. 01 Revisão - Funções: - Definição:

y ax b y x Cálculo I Limite de uma função Sartori, C. S. 01 Revisão - Funções: - Definição: Cálculo I Limite de um função Srtori, C. S. Revisão - Funções: - Definição: Lemrndo que um função é um relção entre dois conjuntos que oedecem às restrições: ) Est relção envolve um elemento do primeiro

Leia mais

Linhas 1 2 Colunas 1 2. (*) Linhas 1 2 (**) Colunas 2 1.

Linhas 1 2 Colunas 1 2. (*) Linhas 1 2 (**) Colunas 2 1. Resumos ds uls teórics -------------------- Cp 5 -------------------------------------- Cpítulo 5 Determinntes Definição Consideremos mtriz do tipo x A Formemos todos os produtos de pres de elementos de

Leia mais

Máquinas Eléctricas I Transformadores 14-11-2002. Transformadores

Máquinas Eléctricas I Transformadores 14-11-2002. Transformadores Máquins Elécrics Trnsformdores 4-- Trnsformdores Os rnsformdores são máquins elécrics esáics que elevm ou bixm um deermind ensão lernd.. rincípio de funcionmeno O funcionmeno do rnsformdor bsei-se nos

Leia mais

Sistemas Lineares Exercício de Fixação

Sistemas Lineares Exercício de Fixação Sistems Lineres Eercício de Fição Por: Griel Gutierre P Sores Instituto Federl de Educção, Ciênci e Tecnologi Prí Disciplin: Mtemátic Professor: Amrósio Elis Aluno: Mtrícul: Curso: Série: Turno: Sistems

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M.

Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos. Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 a série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 série E.M. Módulo de Leis dos Senos e dos Cossenos Leis dos Senos e dos Cossenos. 1 Eercícios Introdutórios Eercício 10. Três ilhs

Leia mais

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO ANÁLISE MATEMÁTICA I TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO 3 Índice Noções Topológics, Indução Mtemátic e Sucessões. Noções topológics em R............................. Indução mtemátic..............................

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 2012 1 a Fase RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNESP VESTIBULAR 01 1 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. QUESTÃO 83. Em 010, o Instituto Brsileiro de Geogrfi e Esttístic (IBGE) relizou o último censo populcionl brsileiro, que mostrou

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

OPERAÇÕES ALGÉBRICAS

OPERAÇÕES ALGÉBRICAS MATEMÁTICA OPERAÇÕES ALGÉBRICAS 1. EXPRESSÕES ALGÉBRICAS Monômio ou Termo É expressão lgébric mis sintétic. É expressão formd por produtos e quocientes somente. 5x 4y 3x y x x 8 4x x 4 z Um monômio tem

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3

os corpos? Contato direto F/L 2 Gravitacional, centrífuga ou eletromagnética F/L 3 Universidde Federl de Algos Centro de Tecnologi Curso de Engenri Civil Disciplin: Mecânic dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Professor: Edurdo Nobre Lges Forçs Distribuíds: Centro de Grvidde, Centro de Mss

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

Fernanda da Costa Diniz Nogueira Belo Horizonte, junho de 2007.

Fernanda da Costa Diniz Nogueira Belo Horizonte, junho de 2007. Un i ve r si d d e F e de r l d e M in s G e r i s Institu to de C iê nc i s E t s Dep r t me n t o d e M t e m á t ic E n sin o M éd io e Un iver sit ár io: d ifer ent es bor d gen s n con st r ução d

Leia mais

Equivalência Estrutural

Equivalência Estrutural Equivlênci Estruturl Jefferson Elert Simões sedo nos rtigos: Structurl Equivlence of Individuls in Socil Networks (Lorrin & White, 1971) Structurl Equivlence: Mening nd Definition, Computtion nd ppliction

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

MATEMÁTICA PARA REFLETIR! EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES OPERAÇÕES COM MATRIZES PARA REFLETIR!...437

MATEMÁTICA PARA REFLETIR! EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES OPERAÇÕES COM MATRIZES PARA REFLETIR!...437 ÍNICE MATEMÁTICA... PARA REFLETIR!... EXERCÍCIOS... EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES... OPERAÇÕES COM MATRIZES... PARA REFLETIR!...7 EXERCÍCIOS E APLICAÇÃO...8 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES...8...9 PARA REFLETIR!...

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES

MATRIZES E DETERMINANTES Professor: Cssio Kiechloski Mello Disciplin: Mtemátic luno: N Turm: Dt: MTRIZES E DETERMINNTES MTRIZES: Em quse todos os jornis e revists é possível encontrr tbels informtivs. N Mtemátic chmremos ests

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7011 ELETRICIDADE BÁSICA TURMA: 141A EQUIVALENTES DE THÉVENIN E NORTON E MÉTODOS DIRETO E INDIRETO DE MEDIR UMA RESISTÊNCIA

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL

RIO DE JANEIRO, RJ - BRASIL INICIALIZAÇÃO AUTOMÁTICA DE CONTROLADORES DEFINIDOS PELO USUÁRIO DO PROGRAMA PACDYN MARCOS INÍCIUS GONÇALES DA SILA FARINHA PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br

WWW.escoladoeletrotecnico.com.br USOPE USO PEPAATÓIO PAA ONUSOS EM ELETOTÉNIA PE ELETIIDADE (Ligções SÉI E E PAALELA. EDE DELTA E ESTELA) AULA Prof.: Jen WWW.esoldoeletrotenio.om.r 0 de Setemro de 007 LIGAÇÕES SÉIES E PAALELAS USOPE.

Leia mais

Utilizar tabelas de verdade para avaliar a validade do argumento

Utilizar tabelas de verdade para avaliar a validade do argumento Mtemátic Discret ESTiG\IPB 2012/13 Cp1 Lógic pg 18 Exemplo Utilizr tels de verdde pr vlir vlidde do rgumento Se 7 é menor que 4, então 7 não é um número primo. 7 não é menor que 4. 7 é um número primo.

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Aplicações da Integral

Aplicações da Integral Módulo Aplicções d Integrl Nest seção vmos ordr um ds plicções mtemático determinção d áre de um região R do plno, que estudmos n Unidde 7. f () e g() sejm funções con-, e que f () g() pr todo em,. Então,

Leia mais