Tópicos Especiais de Álgebra Linear Tema # 2. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. com única solução. Introdução à Resolução de Problemas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tópicos Especiais de Álgebra Linear Tema # 2. Resolução de problema que conduzem a s.e.l. com única solução. Introdução à Resolução de Problemas"

Transcrição

1 Tópicos Especiis de Álgebr Liner Tem # 2. Resolução de problem que conduzem s.e.l. com únic solução Assunto: Resolução de problems que conduzem Sistem de Equções Lineres utilizndo invers d mtriz. Introdução à Resolução de Problems Pr resolução de problems em mtemátics que são modeldos por sistems de equções lineres seguiremos os seguintes princípios: i) compreender o problem; ii) construir o modelo mtemático iii) solução do modelo mtemático, iv) interpretção d solução. Junto com os princípios nos uxiliremos dos conteúdos d Álgebr Liner entre els álgebr de mtrizes, determinntes de mtrizes, inverss de mtrizes e resolução de sistems de equções lineres, utilizremos como ferrment de trblo o sistem de computção lgébric Derive. Os princípios em detles são: I. Compreender o problem ) Expressr o problem com outrs plvrs. b) Domínio dos conceitos necessários pr interpretr o problem. c) Determinr os ddos do problem. d) Estbelecer o objetivo do problem. II. Construção do modelo mtemático. ) Determinr s vriáveis. b) Construção do sistem de equções lineres identificndo cd equção e elementos del. III. Solução do modelo mtemático. ) Expressr o sistem de equções lineres d form AX=B b) Verificr se o sistem tem solução únic trves do det( A ) 0 c) Trnsformr o sistem de equções num equção mtricil do tipo X=A - B e cr su solução. IV. Interpretção d solução. ) Anlisr o resultdo em correspondênci com o problem.

2 Observção: Qundo é indicd tividde deve-se usr o sistem de computção lgébric Derive. Problem. Um empres grícol deve vender 70 elds de legumes entre cenour e btt, desejndo obter R$ de rend. Se por cd ectre cultivd de cenour se produz 3 elds e por cd ectre de btt 4 elds e rend obtid por cd eld vendid de cenour é de R$ 500 e por cd eld de btt R$ 200. Determine quntidde de ectre de cd tipo que devem ser cultivds. I. Compreender o problem ) Lei o problem com detles qunts vezes sej necessário e tent expressr o problem com outrs plvrs, explic o um coleg que não consegue compreender em que consiste o mesmo. b) Temos que compreender os diferentes conceitos que formm prte do enuncido. Tonelds: Sistem métrico, medid de peso equivlente 000 kg, simbolizdo. Hectre: Unidde de medid grári equivlente 0000 metros qudrdos, simbolizdo por. Rend: Cert qunti de dineiro obtid pel vend de um produto ou serviço. Tonelds Quntidde de elds produzid de cd cultivo por ectre, denotdo por Hectre Re is Tonelds R$ Rend em reis pel vend de cd eld, denotdo por c) Determinr e interpretr os ddos do problem A empres grícol cultiv cenour e btts e quere vender 70 elds. Pels vends d produção de 70 elds entre cenour e btts quere-se obter reis de rend. Por cd ectre cultivd de cenour é produzido 3 elds. Por cd ectre cultivd de btts é produzido 4 elds. Qundo é vendid um eld de cenour obtemos 500 reis de rend. Qundo é vendid um eld de btts obtemos 200 reis de rend. d) A met do problem é determinr quntidde de ectre que devemos cultivr de cenour e btt com s condições mencionds nteriormente. II. Construção do Modelo Mtemático

3 ) Determinr s vriáveis. A vriáveis x represent quntidde de ectre ser cultivd de cenour, x. A vriáveis x2 represent quntidde de ectre ser cultivd de cenour, x2. As vriáveis são x x 0 e x x Atividde. Digitr o problem e definir s vriáveis., porque representm ectre. b) Construção do sistem de equções lineres. Se por cd ectre cultivd de cenour é produzido 3 elds então 3x é elds de cenour, 3 x 3x. Se por cd ectre cultivd de btts é produzido 4 elds então 4x é elds de btts, 4 x2 4x2. Como empres grícol quere vender 70 elds entre cenour e btts então (elds de cenours) + (elds de btts) = (elds totl d empres) representdo por 3x 4x2 70. Est equção represent produção em elds. Um eld vendid de cenour obtém 500 reis de rend; como são produzido 3 elds então é 3 (R$ 500)= R$ 4500 então 4500x reis é rend pel vend de cenour, R$ ( 3x)(200 ) R$ 4500 x

4 Um eld vendid de btts obtém 200 reis de rend; como são produzido 4 elds então é 4 (R$ 200)= R$ 4800 então 4800x reis é rend pel vend de btts R$ ( 4x2)(200 ) R$ 4800 x2. Queremos obter R$ de rend totl pel vends d produção de btts e cenour então (rend em reis d produção de cenour) + (rend em reis d produção de btts) = (rend totl em reis d produção), é representdo pel equção 4500x 4800x Est equção represent rend em reis d produção d empres grícol. Podemos resumir Cultivo Cenour Cultivo de Btts Totl Tonelds () 3x 4x2 70 Rends (R$) R$ 4500x R$ 4800x2 R$ As vriáveis dest tbel será definido como é indicdo n lin do Derive #3 Atividde 2. Definir os elementos incógnits em um mtriz. O sistem fic representdo por: 3x 4x x 4800x III. Solução do modelo mtemático. ) Representr o sistem d form AX=B x 4800 x Atividde 3. Definir o sistem em form mtricil AX=B b) Determinr solubilidde do sistem de equções lineres. No cso de sistem com dus equções e dus incógnits pode-se utilizr o método gráfico pr determinr solubilidde do sistem. Devemos representr grficmente cd equção, se

5 els se cortm então no ponto de intercessão será solução do sistem de equções lineres. Atividde 4. Método gráfico pr determinr solubilidde do sistem. Introduzir s equções Relizremos o gráfico ds equções. Solução proximd Copindo o gráfico n Jnel d Álgebr Utilizremos o critério do determinnte pr determinr solubilidde do sistem.

6 Se det( A ) 0 então o sistem de equções lineres tem solução únic Atividde 5. Critério do determinnte pr determinr solubilidde do sistem Podemos concluir que do método gráfico e determinnte d mtriz A que o sistem de equções lineres tem solução únic. ) Trnsformr o sistem de equções num equção mtricil do tipo X=A - B e cr su solução. Atividde 6. Clculr solução do problem trvés de X=A - B IV. Interpretção d solução. Atividde 7. Obter e interpretr cd elemento do problem. Os vlores x = 30 e x2 = 20 vliremos n mtriz definid n lin #3 pr obter cd elemento e fzer interpretção de cd vlor de cordo com problem. Vmos obter cd elemento do sistem de equções Concluímos que: Deve-se plntr 30 cenour e 20 de btts. Será vendido 90 elds de cenour e 80 elds de btts. A rend obtid pel vend do cultivo de cenour é de reis e btts é de 96000

7 reis As conclusões nteriores podem ser inserids como texto no Derive. Problem 2. Tem-se 60 moeds em vlores de 50, 25 e 0 centvos somndo um totl de 4,50 reis. Sbe-se que s moeds de 0 centvos representm o dobro ds de 50 centvos. Determinr quntiddes de moed de cd vlor. I. Compreender o problem ) Lei o problem com detles qunts vezes sej necessário e tent expressr o problem com outrs plvrs, explic o um coleg que não consegue compreender em que consiste o mesmo. b) Temos que compreender os diferentes conceitos que formm prte do enuncido. Moeds: Peç, gerlmente de metl, cund por utoridde sobern e representtiv do vlor dos objetos que por el se trocm. Centvo: Moed divisóri que represent centésim prte d unidde monetári. c) Determinr e interpretr os ddos do problem Se tem 60 moeds de 50, 25 e 0 centvos. A som totl ds moeds é igul 4,50 reis. Se têm o dobro ds moeds 0 centvos em relção ds 50 centvos d) 0 objetivo do problem é determinr quntidde de moeds de 0, 25 e 50 centvos com s condições mencionds nteriormente. II. Construção do Modelo Mtemático ) Determinr s vriáveis. A quntidde de moeds de 50 centvos será representd por m. A quntidde de moeds de 25 centvos será representd por m2. A quntidde de moeds de 0 centvos será representd por m3. As vriáveis m, m2 e m3 são reis positivs, m m 0, m m 0 e { 3 3 { m m 0 por que representm quntiddes de moeds. Observção: Digitr o problem no Derive vi ser um opção de cd luno. Atividde 8. Definir s vriáveis. { 2 2

8 b) Construção do sistem de equções lineres. Como (quntidde ds moeds 50 centvos) + (quntidde ds moeds 25 centvos) + (quntidde ds moeds 0 centvos) = (quntidde totl 60 moeds) então equção é ddo por m m m 60 que represent quntidde de moeds 2 3 O vlor em reis em moeds de 50 centvos é (R$ 0,50)(m quntiddes)=r$ 0,50m. O vlor em reis em moeds de 25 centvos é (R$ 0,25)(m2 quntiddes)=r$ 0,25m2. O vlor em reis em moeds de 0 centvos é (R$ 0,0)(m3 quntiddes)=r$ 0,0m3. Como (reis em moeds 50 centvos) + (reis em moeds 25 centvos) + (reis em moeds 0 centvos) = (4,50 reis) então equção é dd por,50m 0,25m 0,0m 4, 50 que represent o vlor em reis As quntiddes de moeds de 0 centvos é o dobro de ds 50 centvos, estão equção é dd por 2m=m3 que represent relção em quntiddes de moeds de 0 e 50 centvos. Podemos resumir Moeds de 50 centvos Moeds de 25 centvos Moeds de 0 centvos Quntiddes m m2 m3 60 Totl Vlor em R$ R$ 0,50m R$ 0,25m2 R$ 0,0m3 R$ 4,50 Relção em quntiddes entre s moeds de 0 e 50 centvos 2m As vriáveis dest tbel será definido como é indicdo n lin do Derive #8 Atividde 9. Definir os elementos incógnits em um mtriz. m3

9 O sistem fic representdo por: m m2 m3 60 0,50m 0,25m2 0,0m 2m m3 0 III. Solução do modelo mtemático. 3 4,50 ) Representr o sistem d form AX=B 0,5 2 0,25 0 m 60 0,0 m2 4,50 m3 0 Atividde 0. Definir o sistem em form mtricil AX=B b) Determinr solubilidde do sistem de equções lineres. Atividde. Critério do determinnte pr determinr solubilidde. Como det( ) 0 A o sistem de equções lineres tem únic solução. c) Trnsformr o sistem de equções num equção mtricil do tipo X=A - B e cr su solução. Atividde 2. Clculr solução do problem 2 trvés de X=A - B V. Interpretção d solução.

10 Atividde 3. Obter e interpretr cd elemento do problem 2. A quntidde de moeds de 50 centvos é 0, de 25 centvos é 30 e de 0 centvos é 20. Em moeds de 50 centvos se tem 5 reis, de 25 centvos 7,50 reis e 0 centvos 2 reis. As conclusões nteriores podem ser inserids como texto no Derive. Problem 3. Um fzend de 80 ectre se desej plntr 4 tipos de cultivos. O cpitl totl pr plntr é de R$ Pr plntr cd ectre de cultivo é necessário R$ 300, pr o cultivo 2 é de R$ 250, pr o cultivo 3 é de R$ 200 e pr cultivo 4 é R$ 300.Se por cd ectre se gst 3000 litros de águ pr o cultivo, 2500 litros pr o cultivo 2, 2000 litros pr o cultivo 3 e 4000 litros pr o cultivo 4 de modo que o consumo de águ totl é de litros. O rendimento por ectre do cultivo é de 5 elds, pr o cultivo 2 é de 4,5 elds, pr o cultivo 3 é de 3 elds e pr o cultivo 4 é de 6 elds pr produzir 385 elds. Determine quntiddes de ectre que devem ser plntds de cd cultivo I. Compreender o problem ) Lei o problem com detles qunts vezes sej necessário e tent expressr o problem com outrs plvrs, explic o um coleg que não consegue compreender em que consiste o mesmo. b) Temos que compreender os diferentes conceitos que formm prte do enuncido. Hectre: Unidde de medid grári equivlente 0000 metros qudrdos, simbolizdo por Toneld: Sistem métrico, medid de peso equivlente 000 quilogrms.

11 Litro: Unidde de cpcidde do sistem métrico deciml, equivlente à cpcidde de um decímetro cúbico, simbolizdo por l. Litros Hectre Quntidde de águ gstd por ectre pr irrigr o cultivo, denotdo por l Tonelds Quntidde de elds produzid de cd cultivo por ectre, denotdo por Hectre Re is Hectre Quntidde em reis gstdo por cd ectre cultivd, denotdo por R$. c) Determinr e interpretr os ddos do problem A fzend possui 80 pr cultivr qutro cultivos O cpitl totl pr inverter nos qutro cultivos é de 2500 reis Pr plntr se deve gstr por ectre do cultivo R$ 300, cultivo 2 R$ 250, cultivo 3 R$ 200, cultivo 4 R$ 300. O consumo totl de águ pr irrigr os cultivos é de litros O gsto de águ em litros por ectre cultivd é de 3000 litros pr o cultivo, 2500 litros pr o cultivo 2, 2000 litros pr o cultivo 3 e 4000 litros pr o cultivo 4. A produção totl d fzend dos qutros cultivos deve ser de 385 elds. O rendimento por elds por ectre cultivd é: 5 elds pr o cultivo, 4,5 elds pr o cultivo 2, 3 elds pr o cultivo 3 e 6 elds pr o cultivo 4. d) 0 problem quere determinr quntidde de ectre de cd cultivo que deve ser plntd n fzend com s condições nteriores. II. Construção do Modelo Mtemático ) Determinr s vriáveis. A vriáveis c represent quntidde de ectre ser cultivd do cultivo, c. A vriáveis c2 represent quntidde de ectre ser cultivd do cultivo 2, c2. A vriáveis c3 represent quntidde de ectre ser cultivd do cultivo 3, c3.. A vriáveis c4 represent quntidde de ectre ser cultivd do cultivo 4, c4. As vriáveis c, c2, c3 e c4 são reis miores iguis que zero porque representm ectre. Atividde 4. Definir s vriáveis.

12 b) Construção do sistem de equções lineres. Como fzend possui 80 terr então (quntidde do cultivo ) + (quntidde do cultivo 2) + (quntidde do cultivo 3) + (quntidde do cultivo 4) = 80, representdo pel equção c c c c 80, equção represent quntiddes de terr cultivd em ectre O cpitl totl pr os cultivos é R$ 2500, como temos restrições finnceirs por cultivo então (cultivo, R$ 300) + (cultivo 2, R$ 250) + (cultivo 3, R$ 200) + (cultivo 4, R$ 300)= R$ 2500, representdo pel equção 300c 250c2 200c3 300c4 2500, equção represent o gsto em reis n produção dos qutro cultivos. A expressão 300c represent quntidde de reis ser gstdo pelo cultivo, R$ 300 c R$ 300c ; 250c 2 represent quntidde de reis ser gstdo pelo cultivo 2, R$ 250 c2 R$ 250c2 ; 200c 3 represent quntidde de reis ser gstdo pelo cultivo 3, R$ 200 c3 R$ 200c3 ; 300c 4 represent quntidde de reis ser gstdo pelo cultivo 4, R$ 300 c4 R$ 300c4. O totl de águ disponíveis pr irrigr os cultivos é de litros, como o consumo de águ por ectre pr cd cultivo é diferente então (cultivo consume 3000 litros) + (cultivo 2 consume 2500 litros) +(cultivo 3 consume 2000 litros) +(cultivo 4 consume 4000 litros) = litros, representdo pel equção 3000c 2500c2 2000c3 4000c Est equção represent o consumo de águ em litros. A expressão 3000c representd quntidde de águ gstd por ectre do cultivo,

13 l 3000 c 3000cl ; 2500c 2 representd quntidde de águ gstd por ectre do cultivo l 2, 2500 c2 2500c2l ; 2000c 3 representd quntidde de águ gstd por ectre do cultivo 3, do cultivo 4, l 2000 c3 2000c3l 4000c 4 representd quntidde de águ gstd por ectre l 4000 c4 4000c4l. A fzend desej produzir 385 elds de tods os cultivos, o rendimento de elds por ectre é diferente pr cd cultivo então (cultivo, 5 ) + (cultivo 2, 4,5 ) + (cultivo 3, 3 ) +(cultivo 4, 6 ) = 385, representdo pel equção c 4,5c 3c 6c 385. Est equção represent produção em elds A expressão 5c represent quntidde de elds produzid por ectre do cultivo, 5 c 5c ; 4,5c 2 represent quntidde de elds produzid por ectre do cultivo 2, 4,5 c2 4, 5c 2 ; 3c 3 represent quntidde de elds produzid por ectre do cultivo 3, 3 c3 3c 3 ; 6c 4 represent quntidde de elds produzid por ectre do cultivo 4, 4 c4 4c4. Podemos resumir Cultivo Cultivo 2 Cultivo 3 Cultivo 4 Totl Hectre () c c2 c3 c4 80 Gsto (R$) R$ 300c R$ 250c2 R$ 200c3 R$ 300c4 R$ 2500 Águ (litros) 3000c l 25000c2 l 2000c3 l 4000c4 l l Toneld() 5c 4,5c2 3c3 6c4 385 As vriáveis dest tbel será definido como é indicdo n lin do Derive #33 Atividde 5. Definir os elementos incógnits em um mtriz

14 O sistem fic representdo por: c c2 c3 c c 250c2 200c3 300c c 2500c2 2000c3 4000c c 4,5c 2 3c3 6c4 385 III. Solução do modelo mtemático ) Representr o sistem d form AX=B , c c c c Atividde 6. Definir o sistem em form mtricil AX=B b) Determinr solubilidde do sistem de equções lineres. Atividde 7. Critério do determinnte pr determinr solubilidde do sistem. Como det( ) 0 A o sistem de equções lineres tem únic solução. c) Trnsformr o sistem de equções num equção mtricil do tipo X=A - B e cr su solução

15 Atividde 8. Clculr solução do problem 3 trvés de X=A - B IV Interpretção d solução Atividde 9. Obter e interpretr cd elemento do problem 3 Deve ser plntdo 20 do cultivo, 20 do cultivo 2, 5 do cultivo 3 e 25. O gsto em reis do cultivo é de 6000 reis, cultivo 2 é de 5000 reis, cultivo 3 é de 3000 reis e cultivo 4 é de 7500 reis.

16 O consumo de águ do cultivo é de litros, cultivo 2 é de litros, cultivo 3 é de litros e cultivo 4 é de litros. As elds produzids do cultivo é de 00 elds, cultivo 2 é de 90 elds, cultivo 3 é de 45 elds e cultivo 4 é de 00 elds. As conclusões nteriores podem ser inserids como texto no Derive.

17 Exercícios propostos. Com 3,8 elds, cert mtéri prim, são fbricds 00 uniddes de dois tipos produtos. Se pr fbricr um unidde do produto consume-se 30 kg d mtéri prim e pr o produto 2 consume-se 50 kg. Determine quntidde de unidde de cd produto fbricdo e o consumo em elds d mtéri prim pr fbricr cd produto. 2. Um empres produz 300 uniddes de um produto pr tender dois clientes. Por cus d distnci, o custo do produto vendido o cliente é de R$ 2,50 e pr o cliente 2 é de R$ 2,00. Determine quntidde de uniddes vendids cd cliente se o cpitl disponível pr gsto é de R$ 700 e o custo de vend dos produtos pr cd cliente. 3. Se utilizm 22 kg de um produto pr elborr dois produtos diferentes n elborção do produto consume-se 2 kg por unidde e do produto 2 consume-se 3 kg por unidde. Se o preço de vend do produto R$ 5 e do produto 2 R$ 20. Determine quntidde produzir de cd pr ter um rend de R$ 55. Acr o consumo de mtéri prim e rend pel vend de cd produto. 4. Se desej fbricr dois produtos utilizndo um mesm lin de produção um jornd de 08 ors, o produto 0 consume 20 minutos pr su fbricção e 30 minutos o produto 02. Se o preço de vend do produto é de R$ 0 e do produto 2 é R$ 20. Determine quntidde que devem ser produzids de cd produto pr ter um rend de R$ 300. Acr o tempo consumido e rend pel vend pr cd produto. 5. Pr fbricr cd kilogrm de um de um mistur são utilizdos 03 produtos de mneir que quel ten 38 g de cálcio e 90 g de ferro. Sbe-se o produto contêm 60 g / kg de cálcio, 0 g / kg de ferro e seu custo de produção e de R$ 5 / kg. O produto 2 contêm 25 g / kg de cálcio, 300 g / kg de ferro, custo R$ 2 / kg, e produto 3 contêm 80 g / kg de cálcio, 200 g / kg de ferro e custo R$ 8 / kg. Clcule quntidde de cd produto que é utilizdo n mistur. Acr custo totl e custo pr cd produto de cd kilogrm. Que quntidde de cálcio e ferro é utilizdo pr cd produto? 6. Um mistur compost de 05 produtos contém por cd kilogrm 38 g de crboidrto, 35,25 g de vitmin A, 3 g de vitmin C e 25,50 g de proteíns. Os produtos que formm mistur tem seguinte composição: o produto contêm, por cd kilogrm, 200 g de crboidrto, 30 g de vitmin A, 0 g de vitmin C e 40 g de proteíns; o produto 2 contêm 00g de crboidrto, 25 g de vitmin A, 20 g de vitmin C e não tem proteíns; o produto 3 contêm 250

18 g de crboidrto, 20 g de vitmin A, 30 g de vitmin C e 60 g de proteíns; o produto 4 contêm 80 g de crboidrto, 40 g de vitmin A, 35 de vitmin C e 5 de proteíns e o produto 5 contêm 20g de crboidrto, 50g de vitmin A, 60g de vitmin C e 25g de proteíns. Determine quntidde que se deve usr de cd produto pr fzer mistur. Acr em grm quntiddes de crboidrto, vitmin A, vitmin C e proteín de cd produto. 7. Ao plnejr crição de um empres de trnsporte de crg se desej utilizr 03 tipos diferentes de veículos, de mneir que quntidde de veículo tipo A represente o 50% d frot. O veículo tipo A tem um cpcidde de crg de 20, é vendido um preço de R$ e pode percorrer, totlmente crregdo, 300 km dirimente; o veículo tipo B tem um cpcidde de 0, seu preço é de R$ e pode percorrer 400 km dirimente e o veículo tipo C tem um cpcidde de 5, seu preço é de R$ e pode percorrer 700km dirimente. A empres deve trnsportr 235 diáris de mercdori e percorrer 5900 km. Determine quntidde de cd tipo de veículo que deve ser comprdo, cgr ser trnsportd por cd tipo de veículo e o investimento totl n compr dos veículos. 8. Se desej plntr 00 entre 05 tipos de cultivo. De form que s plntds do cultivo sejm iguis s ds plntds entre os cultivos 2 e 3, e pr o cultivo 2 s á plntds são iguis s dos 4 e 5 juntos. O custo pr plntr um do cultivo é de R$ 300, pr o cultivo 2 e 3 de R$ 250, pr o cultivo 4 é de R$ 400 e pr o cultivo de R$ 450 com um custo totl de R$ O rendimento esperdo é de 2 / pr o cultivo,,5 / pr os cultivos 2 e 3 e de 3 / pr os cultivos 4 e 5, com produção totl de 200 elds. Determine quntidde de que devem ser plntds de cd tipo de cultivo. Clcule produção e custo pr cd cultivo. 9. Num industri é fbricdo 90 elds por mês de 03 produto diferentes prtir de 02 mtéris prims. O produto consume 0,5 d mtéri prim A e 0,4 d mtéri prim B pr cd eld dele produzid sendo vendido R$ 80/; o produto 2 consume 0,3 de A e 0,7 de B e seu preço é de R$ 70/ e o produto 3 consume 0,6 de A e 0,4 de B com preço de R$ 95/. Se é consumid 45 de mtéri prim A e de 42 d mtéri prim B. Determine receit totl e quntidde de elds que devem ser fbricds de cd tipo de produto. Acr o consumo em elds pr s mtéris prim de tipo A, B pr cd produto.

Álgebra Linear Tema # 3. Resolução de problema que conduzem a S.E.L. de infinita solução. Introdução aos problemas com infinitas soluções

Álgebra Linear Tema # 3. Resolução de problema que conduzem a S.E.L. de infinita solução. Introdução aos problemas com infinitas soluções Álgebr Liner Tem # 3. Resolução de problem que conduzem S.E.L. de infinit solução Assunto: Resolução de problems modeld trvés Sistem de Equções Lineres utilizndo comndo Solve no Derive. Introdução os problems

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM MATRIZES Definição e Notção... 11 21 m1 12... 22 m2............ 1n.. 2n. mn Chmmos de Mtriz todo conjunto de vlores, dispostos

Leia mais

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Departamento de Matemática + = B =.. matrizes de M )

Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Departamento de Matemática + = B =.. matrizes de M ) Se ( ij ) é um mtri, definid pel lei Universidde Federl de Viços Centro de Ciêncis Ets e ecnológics Deprtmento de Mtemátic LIS DE EXERCÍCIOS M 7 Prof Gem/ Prof Hugo/ Prof Mrgreth i j, se i j ij, clcule

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M24 Equações Polinomiais. 1 (PUC-SP) No universo C, a equação

Matemática. Resolução das atividades complementares. M24 Equações Polinomiais. 1 (PUC-SP) No universo C, a equação Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Equções Polinomiis p. 86 (PUC-SP) No universo C, equção 0 0 0 dmite: ) três rízes rcionis c) dus rízes irrcionis e) um únic riz positiv b) dus rízes não reis

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Progressões Geométricas Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Progressões Geométrics p. 7 Qul é o o termo d PG (...)? q q? ( ) Qul é rzão d PG (...)? q ( )? ( ) 8 q 8 q 8 8 Três números reis formm um PG de som e produto

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - APES DETERMINANTES Prof Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr iêncis

Leia mais

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem.

4 π. 8 π Considere a função real f, definida por f(x) = 2 x e duas circunferência C 1 e C 2, centradas na origem. EFOMM 2010 1. Anlise s firmtivs bixo. I - Sej K o conjunto dos qudriláteros plnos, seus subconjuntos são: P = {x K / x possui ldos opostos prlelos}; L = {x K / x possui 4 ldos congruentes}; R = {x K /

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos?

Calculando volumes. Para pensar. Para construir um cubo cuja aresta seja o dobro de a, de quantos cubos de aresta a precisaremos? A UA UL LA 58 Clculndo volumes Pr pensr l Considere um cubo de rest : Pr construir um cubo cuj rest sej o dobro de, de quntos cubos de rest precisremos? l Pegue um cix de fósforos e um cix de sptos. Considerndo

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

2. Prisma de base hexagonal: formado 8 faces, 2 hexágonos (bases), 6 retângulos (faces laterais).

2. Prisma de base hexagonal: formado 8 faces, 2 hexágonos (bases), 6 retângulos (faces laterais). unifmu Nome: Professor: Ricrdo Luís de Souz Curso de Design Mtemátic Aplicd Atividde Explortóri V Turm: Dt: SÓLIDOS GEOMÉTRICOS: CÁLCULO DE ÁREA SUPERFICIAL E DE VOLUME Objetivo: Conecer e nomer os principis

Leia mais

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det 5 DETERMINANTES 5 Definição e Proprieddes Definição O erminnte de um mtriz qudrd A de ordem é por definição plicção ( ) : M IR IR A Eemplo : 5 A ( A ) ( ) ( ) 5 7 5 Definição O erminnte de um mtriz qudrd

Leia mais

MATEMÁTICA PARA REFLETIR! EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES OPERAÇÕES COM MATRIZES PARA REFLETIR!...437

MATEMÁTICA PARA REFLETIR! EXERCÍCIOS EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES OPERAÇÕES COM MATRIZES PARA REFLETIR!...437 ÍNICE MATEMÁTICA... PARA REFLETIR!... EXERCÍCIOS... EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES... OPERAÇÕES COM MATRIZES... PARA REFLETIR!...7 EXERCÍCIOS E APLICAÇÃO...8 EXERCÍCIOS COMPLEMENTARES...8...9 PARA REFLETIR!...

Leia mais

UNITAU APOSTILA DETERMINANTES PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: Bibliografia: Curso de Matemática Volume Único

UNITAU APOSTILA DETERMINANTES PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: Bibliografia: Curso de Matemática Volume Único ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA DETERMINANTES PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: Bibliogrfi: Curso de Mtemátic Volume Único Autores: Binchini&Pccol Ed. Modern Mtemátic

Leia mais

Razão entre dois números é o quociente do primeiro pelo segundo número. a : b ou. antecedente. a b. consequente

Razão entre dois números é o quociente do primeiro pelo segundo número. a : b ou. antecedente. a b. consequente 1 PROPORCIONALIDADE Rzão Rzão entre dois números é o quociente do primeiro pelo segundo número. Em um rzão A rzão temos que: ntecedente é lid como está pr. : ou consequente Proporção Chmmos de proporção

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

LISTA PREPARATÓRIA PARA RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA (9º ano)

LISTA PREPARATÓRIA PARA RECUPERAÇÃO FINAL MATEMÁTICA (9º ano) PARTE I ) Determine s potêncis: ) 4 = b) - = ) Escrev usndo potênci de bse 0: ) 7 bilhões: b) um milionésimo: ) Trnsforme os números ddos em potencições e simplifique epressão: 0000000 00000 5 = 4) Escrev

Leia mais

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8 GUIÃO REVISÕES Simplificção de expressões Um disco rígido de 00Gb foi dividido em qutro prtições. O conselho directivo ficou com 1 4, os docentes ficrm com 1 4, os lunos ficrm com 8 e o restnte ficou pr

Leia mais

MATRIZES E DETERMINANTES

MATRIZES E DETERMINANTES Professor: Cssio Kiechloski Mello Disciplin: Mtemátic luno: N Turm: Dt: MTRIZES E DETERMINNTES MTRIZES: Em quse todos os jornis e revists é possível encontrr tbels informtivs. N Mtemátic chmremos ests

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS Um dos grndes problems de mtemátic n ntiguidde er resolução de equções polinomiis. Encontrr um fórmul ou um método pr resolver tis equções er um grnde desfio. E ind hoje

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS

UNITAU APOSTILA. SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS ESCOLA DE APLICAÇÃO DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA SUCESSÃO, PA e PG PROF. CARLINHOS NOME DO ALUNO: Nº TURMA: blog.portlpositivo.com.br/cpitcr 1 SUCESSÃO OU SEQUENCIA NUMÉRICA Sucessão ou seqüênci

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

CPV conquista 70% das vagas do ibmec (junho/2007)

CPV conquista 70% das vagas do ibmec (junho/2007) conquist 70% ds vgs do ibmec (junho/007) IBME 08/Junho /008 NÁLISE QUNTITTIV E LÓGI DISURSIV 0. Num lv-rápido de crros trblhm três funcionários. tbel bio mostr qunto tempo cd um deles lev sozinho pr lvr

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA B DO ENSINO SECUNDÁRIO (CÓDIGO DA PROVA 735) 1ª FASE 23 DE JUNHO 2015 GRUPO I

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA B DO ENSINO SECUNDÁRIO (CÓDIGO DA PROVA 735) 1ª FASE 23 DE JUNHO 2015 GRUPO I Associção de Professores de Mtemátic Contctos: Ru Dr. João Couto, n.º 27-A 1500-236 Lisbo Tel.: +351 21 716 36 90 / 21 711 03 77 Fx: +351 21 716 64 24 http://www.pm.pt emil: gerl@pm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida.

Matemática. Atividades. complementares. 9-º ano. Este material é um complemento da obra Matemática 9. uso escolar. Venda proibida. 9 ENSINO 9-º no Mtemátic FUNDMENTL tividdes complementres Este mteril é um complemento d obr Mtemátic 9 Pr Viver Juntos. Reprodução permitid somente pr uso escolr. Vend proibid. Smuel Csl Cpítulo 6 Rzões

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Progressões Aritméticas

Progressões Aritméticas Segund Etp Progressões Aritmétics Definição São sequêncis numérics onde cd elemento, prtir do segundo, é obtido trvés d som de seu ntecessor com um constnte (rzão).,,,,,, 1 3 4 n 1 n 1 1º termo º termo

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

IME MATEMÁTICA. Questão 01. Calcule o número natural n que torna o determinante abaixo igual a 5. Resolução:

IME MATEMÁTICA. Questão 01. Calcule o número natural n que torna o determinante abaixo igual a 5. Resolução: IME MATEMÁTICA A mtemátic é o lfbeto com que Deus escreveu o mundo Glileu Glilei Questão Clcule o número nturl n que torn o determinnte bixo igul 5. log (n ) log (n + ) log (n ) log (n ) Adicionndo s três

Leia mais

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS

DECivil Secção de Mecânica Estrutural e Estruturas MECÂNICA I ENUNCIADOS DE PROBLEMAS Eivil Secção de Mecânic Estruturl e Estruturs MEÂNI I ENUNIOS E ROLEMS Fevereiro de 2010 ÍTULO 3 ROLEM 3.1 onsidere plc em form de L, que fz prte d fundção em ensoleirmento gerl de um edifício, e que está

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA LISTA DE EXERCÍCIOS ) Sejm A, B e C mtries inversíveis de mesm ordem, encontre epressão d mtri X,

Leia mais

Solução da prova da 1 fase OBMEP 2013 Nível 1

Solução da prova da 1 fase OBMEP 2013 Nível 1 Solução d prov d fse OBMEP 0 Nível QUESTÃO Qundo brir fit métric, Don Céli verá o trecho d fit representdo n figur; mnch cinzent corresponde à porção d fit que estv em volt d cintur de Mrt. A medid d cintur

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos Cotação: 200 PONTOS

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos Cotação: 200 PONTOS PROVA NAIONAL ESRITA DE MATEMÁTIA Equip Responsável Pel Elorção e orreção d Prov: Prof. Doutor Sérgio Brreir Prof.ª Doutor onceição Mnso Prof.ª Doutor trin Lemos Durção d Prov: minutos. Tolerânci: 30 minutos

Leia mais

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO

ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO Físic Gerl I EF, ESI, MAT, FQ, Q, BQ, OCE, EAm Protocolos ds Auls Prátics 003 / 004 ROTAÇÃO DE CORPOS SOBRE UM PLANO INCLINADO. Resumo Corpos de diferentes forms deslocm-se, sem deslizr, o longo de um

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

Funções e Limites. Informática

Funções e Limites. Informática CURSO DE: SEGUNDA LICENCIATURA EM INFORMÁTICA DISCIPLINA: CÁLCULO I Funções e Limites Informátic Prof: Mrcio Demetrius Mrtinez Nov Andrdin 00 O CONCEITO DE UMA FUNÇÃO - FUNÇÃO. O que é um função Um função

Leia mais

Nome: N.º: endereço: data: Telefone: PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa

Nome: N.º: endereço: data: Telefone:   PARA QUEM CURSA A 1 a SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM Disciplina: MaTeMÁTiCa Nome: N.º: endereço: dt: Telefone: E-mil: Colégio PARA QUEM CURSA A SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 05 Disciplin: MTeMÁTiC Prov: desfio not: QUESTÃO 6 O Dr. Mni Aco not os números trvés de um código especil.

Leia mais

Prof. Weber Campos Copyri'ght. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Prof. Weber Campos Copyri'ght. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. AEP FISCAL Rciocínio Lógico - MATRIZES E DETERMINANTES - SISTEMAS LINEARES Prof. Weer Cmpos weercmpos@gmil.com Copyri'ght. Curso Agor eu Psso - Todos os direitos reservdos o utor. Rciocínio Lógico EXERCÍCIOS

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

1. Conceito de logaritmo

1. Conceito de logaritmo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Logritmos Prof.: Rogério

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Colegio Naval ) O algoritmo acima foi utilizado para o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vale

Colegio Naval ) O algoritmo acima foi utilizado para o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vale Colegio Nvl 005 01) O lgoritmo cim foi utilizdo pr o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vle (A) 400 (B) 300 (C) 00 (D) 180 (E) 160 Resolvendo: Temos que E 40 C E C 40

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE 1 DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-2007 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DA FASE DO VESTIBULAR DA UFBA/UFRB-7 POR PROFA. MARIA ANTÔNIA CONCEIÇÃO GOUVEIA Questão Sore números reis, é correto firmr: () Se é o mior número de três lgrismos divisível

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016 CURSO: Instlção e Operção de Sistems Informáticos ANO: 1.º DISCIPLINA: MATEMÁTICA APLICADA DOCENTE: MARTA OLIVEIRA COMPETÊNCIAS Desenvolver: O gosto

Leia mais

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1

Matrizes e Sistemas de equações lineares. D.I.C. Mendes 1 Mtrizes e Sistems de equções lieres D.I.C. Medes s mtrizes são um ferrmet básic formulção de problems de mtemátic e de outrs áres. Podem ser usds: resolução de sistems de equções lieres; resolução de sistems

Leia mais

Linhas 1 2 Colunas 1 2. (*) Linhas 1 2 (**) Colunas 2 1.

Linhas 1 2 Colunas 1 2. (*) Linhas 1 2 (**) Colunas 2 1. Resumos ds uls teórics -------------------- Cp 5 -------------------------------------- Cpítulo 5 Determinntes Definição Consideremos mtriz do tipo x A Formemos todos os produtos de pres de elementos de

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO

4 SISTEMAS DE ATERRAMENTO 4 SISTEMAS DE ATEAMENTO 4. esistênci de terr Bix frequênci considerr o solo resistivo CONEXÃO À TEA Alt frequênci considerr cpcitânci indutânci e resistênci Em lt frequênci inclui-se s áres de telecomunicções

Leia mais

Índice. Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares. Resumo Teórico...1 Exercícios...5 Dicas...6 Resoluções...7

Índice. Matrizes, Determinantes e Sistemas Lineares. Resumo Teórico...1 Exercícios...5 Dicas...6 Resoluções...7 Índice Mtrizes, Determinntes e Sistems Lineres Resumo Teórico...1 Exercícios...5 Dics...6 Resoluções...7 Mtrizes, Determinntes e Sistems Lineres Resumo Teórico Mtrizes Representção A=( ij )x3pode ser representd

Leia mais

x n NOTA Tipo de Avaliação: Material de Apoio Disciplina: Matemática Turma: Aulão + Professor (a): Jefferson Cruz Data: 24/05/2014 DICAS do Jeff

x n NOTA Tipo de Avaliação: Material de Apoio Disciplina: Matemática Turma: Aulão + Professor (a): Jefferson Cruz Data: 24/05/2014 DICAS do Jeff NOTA Tipo de Avlição: Mteril de Apoio Disciplin: Mtemátic Turm: Aulão + Professor (): Jefferson Cruz Dt: 24/05/2014 DICAS do Jeff Olhr s lterntivs ntes de resolver s questões, principlmente em questões

Leia mais

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas.

1.1) Dividindo segmentos em partes iguais com mediatrizes sucessivas. COLÉGIO PEDRO II U. E. ENGENHO NOVO II Divisão Gráfi de segmentos e Determinção gráfi de epressões lgéris (qurt e tereir proporionl e médi geométri). Prof. Sory Izr Coord. Prof. Jorge Mrelo TURM: luno:

Leia mais

PARTE I - Circuitos Resistivos Lineares

PARTE I - Circuitos Resistivos Lineares Prolem 1.1 Leis de Kirchhoff PARTE I Circuitos Resistivos Lineres i 1 v 2 R 1 10A 1 R 2 Considere o circuito d figur 1.1. ) Constru o seu grfo e indique o número de rmos e de nós. ) Clcule os vlores ds

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO Curso: Engenhri Químic PLANO DE ENSINO Período/Módulo: 6 o Período Disciplin/Unidde Curriculr: Cálculo Numérico Código: CE259

Leia mais

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares Rresumos ds uls teórics ------------------ Cp ------------------------------ Cpítulo. Mtrizes e Sistems de Equções ineres Sistems de Equções ineres Definições Um sistem de m equções lineres n incógnits,

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Matemática I. Prof. Gerson Lachtermacher, Ph.D. Prof. Rodrigo Leone, D.Sc. Colaboração Prof. Walter Paulette. Elaborado por. Seção 2.

Matemática I. Prof. Gerson Lachtermacher, Ph.D. Prof. Rodrigo Leone, D.Sc. Colaboração Prof. Walter Paulette. Elaborado por. Seção 2. Mtemátic I Elordo por Prof. Gerson Lchtermcher, Ph.D. Prof. Rodrigo Leone, D.Sc. Seção Colorção Prof. Wlter Pulette Versão 009-1 ADM 01004 Mtemátic I Prof. d Disciplin Luiz Gonzg Dmsceno, M. Sc. Seção

Leia mais

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS.

ESTÁTICA DO SISTEMA DE SÓLIDOS. Definições. Forçs Interns. Forçs Externs. ESTÁTIC DO SISTEM DE SÓLIDOS. (Nóbreg, 1980) o sistem de sólidos denomin-se estrutur cuj finlidde é suportr ou trnsferir forçs. São quels em que ção e reção, pertencem

Leia mais

Volumes de Sólidos de Revolução. Volumes de Sólidos de Revolução. 1.O método do disco 2.O método da arruela 3.Aplicação

Volumes de Sólidos de Revolução. Volumes de Sólidos de Revolução. 1.O método do disco 2.O método da arruela 3.Aplicação UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I Volumes de Sólidos

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2

64 5 y e log 2. 32 5 z, então x 1 y 1 z é igual a: c) 13 e) 64 3. , respectivamente. Admitindo-se que E 1 foi equivalente à milésima parte de E 2 Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Função Logrítmic p. (UFSM-RS) Sejm log, log 6 e log z, então z é igul : ) b) c) e) 6 d) log log 6 6 log z z z z (UFMT) A mgnitude de um terremoto é medid

Leia mais

Logaritmo. 1. (Espcex (Aman) 2014) Na figura abaixo, está representado o gráfico da função y = Iog x.

Logaritmo. 1. (Espcex (Aman) 2014) Na figura abaixo, está representado o gráfico da função y = Iog x. Logritmo 1. (Espce (Amn) 014) N figur io, está representdo o gráfico d função y = Iog. Nest representção, estão destcdos três retângulos cuj som ds áres é igul : ) Iog + Iog3 + Iog5 ) log30 c) 1+ Iog30

Leia mais

COLÉGIO MACHADO DE ASSIS. 1. Sejam A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Para a função f: A-> B, definida por f(x) = 2x-1, determine:

COLÉGIO MACHADO DE ASSIS. 1. Sejam A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Para a função f: A-> B, definida por f(x) = 2x-1, determine: COLÉGIO MACHADO DE ASSIS Disciplin: MATEMÁTICA Professor: TALI RETZLAFF Turm: 9 no A( ) B( ) Dt: / /14 Pupilo: 1. Sejm A = { -1,1,2,3,} e B = {-3,-2,-1,0,1,2,3,4,5}. Pr função f: A-> B, definid por f()

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES SISTEMAS LINEARES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl 5 - CAPES SISTEMAS LINEARES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic r

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

5. Análise de Curto-Circuito ou Faltas. 5.3 Curto-Circuitos Assimétricos

5. Análise de Curto-Circuito ou Faltas. 5.3 Curto-Circuitos Assimétricos Sistems Elétricos de Potênci 5. Análise de Curto-Circuito ou Flts 5. Curto-Circuitos Assimétricos Proessor: Dr. Rphel Augusto de Souz Benedito E-mil:rphelbenedito@utpr.edu.br disponível em: http://pginpessol.utpr.edu.br/rphelbenedito

Leia mais

Matemática C Extensivo V. 6

Matemática C Extensivo V. 6 Mtemátic C Etesivo V 6 Eercícios ) D ) D ) C O vlor uitário do isumo é represetdo por y Portto pelo produto ds mtrizes A e B temos o seguite sistem: 5 5 9 y 5 5y 5y 9 5y 5 Portto: y 4 y 4 As médis uis

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fculdde de Computção Disciplin : Teori d Computção Professor : ndr de Amo Revisão de Grmátics Livres do Contexto (1) 1. Fzer o exercicio 2.3 d págin 128 do livro texto

Leia mais

Circuitos simples em corrente contínua resistores

Circuitos simples em corrente contínua resistores Circuitos simples em corrente contínu resistores - Conceitos relciondos esistênci elétric, corrente elétric, tensão elétric, tolerânci, ssocição em série e prlelo, desvio, propgção de erro. Ojetivos Fmilirizr-se

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij

Matemática. Resolução das atividades complementares. M13 Determinantes. 1 (Unifor-CE) Sejam os determinantes A 5. 2 (UFRJ) Dada a matriz A 5 (a ij Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Determinntes p. (Unifor-CE) Sejm os determinntes A, B e C. Nests condições, é verdde que AB C é igul : ) c) e) b) d) A?? A B?? B C?? C AB C ()? AB C, se i,

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Matemática D Extensivo V. 6

Matemática D Extensivo V. 6 Mtemátic D Extensivo V. 6 Exercícios 0) ) cm Por definição temos que digonl D vle: D = D = cm. b) 6 cm² A áre d lterl é dd pel som ds áres dos qutro ldos que compõe: =. ² =. ( cm)² = 6 cm² c) 96 cm² O

Leia mais

TÓPICOS. Determinantes de 1ª e 2ª ordem. Submatriz. Menor. Cofactor. Expansão em cofactores. Determinante de ordem n. Propriedades dos determinantes.

TÓPICOS. Determinantes de 1ª e 2ª ordem. Submatriz. Menor. Cofactor. Expansão em cofactores. Determinante de ordem n. Propriedades dos determinantes. Note bem: leitur destes pontmentos não dispens de modo lgum leitur tent d bibliogrfi principl d cdeir Chm-se tenção pr importânci do trblho pessol relizr pelo luno resolvendo os problems presentdos n bibliogrfi,

Leia mais

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em:

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em: Universidde Slvdor UNIFAS ursos de Engenhri álculo IV Prof: Il Reouçs Freire álculo Vetoril Texto 4: Integris de Linh Até gor considermos três tipos de integris em coordends retngulres: s integris simples,

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV ADM Discursiv 06/junho/00 mtemátic 0. São curiosos os números. Às vezes é mis útil rredondá-los do que trblhr com seu vlor exto. Se, por exemplo, 366 pessos ssistirm um

Leia mais

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O :

ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O : ESCOLA DR. ALFREDO JOSÉ BALBI UNITAU APOSTILA LOGARITMOS PROF. CARLINHOS NOME: N O : 1 DEFINIÇÃO LOGARITMOS = os(rzão) + rithmos(números) Sejm e números reis positivos diferentes de zero e 1. Chm-se ritmo

Leia mais

Unidade 8 Geometria: circunferência

Unidade 8 Geometria: circunferência Sugestões de tividdes Unidde 8 Geometri: circunferênci 8 MTMÁTI Mtemátic. s dus circunferêncis n figur seguir são tngentes externmente. 3. N figur estão representdos um ângulo inscrito com vértice em P

Leia mais

Análise Combinatória

Análise Combinatória Ftoril de um número: n!n.(n-1).(n-)...3..1 Análise Combintóri Definições especiis: 0!1 1!1 100! 101! 1) Clcule o vlor d expressão. 99! 100! 101! 100.99! 101.100.99! 100 101.100 100 10100 1000 99! 99! )

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

Unidade 2 Geometria: ângulos

Unidade 2 Geometria: ângulos Sugestões de tividdes Unidde 2 Geometri: ângulos 7 MTEMÁTIC 1 Mtemátic 1. Respond às questões: 5. Considere os ângulos indicdos ns rets ) Qul é medid do ângulo correspondente à metde de um ân- concorrentes.

Leia mais

Equação do 2º grau. Sabemos, de aulas anteriores, que podemos

Equação do 2º grau. Sabemos, de aulas anteriores, que podemos A UA UL LA Acesse: http://fuvestibur.com.br/ Equção do 2º gru Introdução Sbemos, de us nteriores, que podemos resover probems usndo equções. A resoução de probems peo método gébrico consiste em gums etps

Leia mais

Roberto Meconi Junior. Estratégias pedagógicas com uso de tecnologias na formação de professores: matrizes e determinantes

Roberto Meconi Junior. Estratégias pedagógicas com uso de tecnologias na formação de professores: matrizes e determinantes PONTIFÍCI UNIVERSIDDE CTÓLIC DE SÃO PULO PUC/SP Roberto Meconi Junior Estrtégis pedgógics com uso de tecnologis n formção de professores: mtrizes e determinntes Dissertção presentd à Bnc Exmindor d Pontifíci

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Matemática Régis Cortes FUNÇÃO DO 2 0 GRAU

Matemática Régis Cortes FUNÇÃO DO 2 0 GRAU FUNÇÃO DO 2 0 GRAU 1 Fórmul de Bháskr: x 2 x 2 4 2 Utilizndo fórmul de Bháskr, vmos resolver lguns exeríios: 1) 3x²-7x+2=0 =3, =-7 e =2 2 4 49 4.3.2 49 24 25 Sustituindo n fórmul: x 2 7 25 2.3 7 5 7 5

Leia mais

Derivada da função composta, derivada da função inversa, derivada da função implícita e derivada de funções definidas parametricamente.

Derivada da função composta, derivada da função inversa, derivada da função implícita e derivada de funções definidas parametricamente. .5.- Derivd d função compost, derivd d função invers, derivd d função implícit e derivd de funções definids prmetricmente. Teorem.3 Derivd d Função Compost Suponh-se que g: A R é diferenciável no ponto

Leia mais

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA

CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA [Digite teto] CURSO DE MATEMÁTICA BÁSICA BELO HORIZONTE MG [Digite teto] CONJUNTOS NÚMERICOS. Conjunto dos números nturis Ν é o conjunto de todos os números contáveis. N { 0,,,,,, K}. Conjunto dos números

Leia mais

TÓPICOS DE CÁLCULO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL 1º SEMESTRE 2014

TÓPICOS DE CÁLCULO UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL 1º SEMESTRE 2014 urso: ENGENHRI Professor Responsável: Ms.rlos Henrique Pontução:,0 (dois) TÓPIOS DE ÁLULO UNIVERSIDDE RUZEIRO DO SUL º SEMESTRE 0 UNIVERSIDDE RUZEIRO DO SUL tividde Pontud Disciplin: TÓPIOS DE ÁLULO Limite

Leia mais

Desigualdades - Parte II. n (a1 b 1 +a 2 b a n b n ) 2.

Desigualdades - Parte II. n (a1 b 1 +a 2 b a n b n ) 2. Polos Olímpicos de Treinmento Curso de Álgebr - Nível Prof. Mrcelo Mendes Aul 9 Desigulddes - Prte II A Desiguldde de Cuchy-Schwrz Sejm,,..., n,b,b,...,b n números reis. Então: + +...+ ) n b +b +...+b

Leia mais