3.3 Autómatos finitos não determinísticos com transições por ε (AFND-ε)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.3 Autómatos finitos não determinísticos com transições por ε (AFND-ε)"

Transcrição

1 TRANSIÇÕES POR (AFND-) Autómtos finitos não determinísticos com trnsições por (AFND-) Vmos gor considerr utómtos finitos que podem mudr de estdo sem consumir qulquer símbolo, isto é, são utómtos finitos não determinísticos que dmitem trnsições por (i.e., plvr vzi). Como no cso dos utómtos não deterministicos estes utomtos ceitm s mesms lingugens que os utómtos determinísticos, e têm interesse especilmente teórico e em permitir construção de uómtos mis compctos. Exemplo Estes utómtos tornm trivil construção de um utómto que reconhece reunião de dus lingugens descrits por utómtos finitos. Bst considerr um novo estdo inicil donde sem trnsições pr os estdos iniciis de cd um dos outros dois utómtos. O utómto seguinte ceit lingugem {x {} x é divisível por 3 ou 5}: s 1 s 2 s 3 s 0 s 4 s 5 s 6 s 7 s 8 Exemplo Considere o seguinte utómto:,b s 1 s 2 s 0 s b 3 s b 4 s 5 O conjunto de estdos possível pós consumir é {s 1,s 2,s 3 }, pelo que é ceite; depois de consumir bb é {s 1,s 3,s 5 }, pelo que bb é ceite; depois de consumir bbb é {s 1,s 4 }, pelo que bbb não é ceite; depois de consumir bbb é {s 1,s 2 }, pelo que bbb é ceite. Verifique que lingugem ceite pelo utómto é {x {,b} x termin em } {bb,}

2 TRANSIÇÕES POR (AFND-) 44 Exemplo Podemos tmbém simplificr construção dos utómtos que reconhecem conjuntos finitos de plvrs-chve. Pr lingugem do exemplo 3.13, podimos ter o utómto: Σ 10 0 r 2 e 3 d 4 e 5 1 d 6 e 7 d 8 o 9 Construímos um utómto pr cd plvr (cd um com o seu estdo inicil) e depois reunimos todos num só com um novo estdo inicil e trnsições por desse estdo pr cd um dos iniciis ds plvrs. Definição 3.5. Um utómto finito não determinístico E com trnsições por é um quinteto (S,Σ,δ,s 0,F), como pr os AFNDs ms onde em que δ é um função de S (Σ {}) em P(S) Exemplo Vmos construir um AFND- que reconhece lingugem ds plvrs que representm números decimis, i.e, plvrs que: opcionmente, contém um sinl + ou um sequênci de digitos 0 9 um ponto deciml outr sequênci de dígitos e pelo menos um ds sequênci de dígitos tem de ser não vzi Sej onde δ é ddo por: E = ({s 0,s 1,...,s 5 }, {,+,,0,1,...,9},δ,s 0, {s 5 }),+ 0,1,... 9 s 0 {s 1 } {s 1 } s 1 {s 2 } {s 1,s 4 } s 2 {s 3 } s 3 {s 5 } {s 3 } s 4 {s 3 } s 5

3 TRANSIÇÕES POR (AFND-) 45 0,...,9 0,...,9 s 0,+, s 1 s 2 0,...,9 s 3 s 5 0,...,9 s Fecho por trnsições Ddo um AFDN-, E = (S,Σ {},δ,s 0,F), pr cd estdo s S, podemos definir o conjunto de estdos cessíveis do estdo s por trnsições por, que se denot por Fecho (s). Formlmente definimos Fecho (s) recursivmente por Bse. s Fecho (s) Indução. se p Fecho (s) e r δ(p,) então r Fecho (s) Exemplo Pr o utómto do Exemplo 3.18 temos: Fecho (s 0 ) = {s 0,s 1 } Fecho (s 3 ) = {s 3,s 5 } Fecho (s) = {s}pr os restntes estdos s Extensão d função trnsição plvrs Ddo E = (S,Σ {},δ,s 0,F) estendemos δ de modo que δ(s,w) sej o conjunto de estdos que são cessíveis de s por cminhos cujs etiquets conctends dão w, ms lgums podem ser. A definição recursiv é: Bse. δ(s,) = Fecho (s) Indução. Suponhmos que w = x, com Σ, sej δ(s,x) = {p 1,...,p k } e sej k i=1 δ(p i,) = {r 1,...,r m } então δ(s,w) = m j=1 Fecho (r j ) Exemplo Pr o utómto do Exemplo 3.18, 0,...,9 0,...,9,+, s 0 s 0,...,9 1 s 2 s 3 s 5 0,...,9 s 4

4 TRANSIÇÕES POR (AFND-) 46 clculemos δ(s 0,3.7): δ(s 0,) = Fecho (s 0 ) = {s 0,s 1 } Pr δ(s 0,3) δ(s 0,3) δ(s 1,3) = {s 1,s 4 } δ(s 0,3) = Fecho (s 1 ) Fecho (s 4 ) = {s 1,s 4 } Pr δ(s 0,3.) δ(s 1, ) δ(s 4, ) = {s 2 } {s 3 } = {s 2,s 3 } δ(s 0,3.) = Fecho (s 2 ) Fecho (s 3 ) = {s 2,s 3,s 5 } Pr δ(s 0,3.7) δ(s 2,7) δ(s 3,7) δ(s 5,7) = {s 3 } δ(s 0,3.7) = Fecho (s 3 ) = {s 3,s 5 } A lingugem ceite por um AFND- define-se então como pr os AFNDs: Definição 3.6. Ddo um utomto não determinístico com trnsições por, E = (S,Σ {},δ,s 0,F) lingugem ceite por E é definid por L(E) = {x Σ δ(s 0,x) F } Pr o Exemplo 3.18 como δ(s 0,3.7) = {s 3,s 5 } e s 5 F então 3.7 L(E) Eliminção de trnsições Ddo E = (S E,Σ,δ E,s 0,F E ) um AFND-, podemos construímos um AFD A = (S A,Σ,δ A,s A,F A ) equivlente, por um método semelhnte à d construção de subconjuntos, tl que: s A = Fecho (s 0 ) S A é o conjunto dos subconjuntos X de S E, tl que X = Fecho (X) (i.e X é fechdo por trnsições ) e X é cessível de s A F A = {X X S A e X F E } δ A (X,) é clculdo pr Σ e X S A por 1. Sej X = {p 1,...,p k }

5 TRANSIÇÕES POR (AFND-) Sej k i=1 δ(p i,) = {r 1,...,r m } 3. então δ A (X,) = m j=1 Fecho (r j ) Exemplo Vmos construir um ADF equivlente o AFND- do exemplo Começmos por determinr o Fecho- de cd estdo de E: Fecho (s 0 ) = {s 0,s 1 } Fecho (s 3 ) = {s 3,s 5 } Fecho (s) = {s} e pr os restntes estdos s Pel construção nterior obtém-se:,+ 0,1,... 9 {s 0,s 1 } {s 1 } {s 2 } {s 1,s 4 } {s 1 } {s 2 } {s 1,s 4 } {s 2 } {s 3,s 5 } {s 1,s 4 } {s 3,s 2,s 5 } {s 1,s 4 } {s 3,s 5 } {s 3,s 5 } {s 2,s 3,s 5 } {s 3,s 5 } Equivlênci entre AFD e AFND- Proposição 3.4. Um lingugem L sobre um lfbeto Σ é ceite por um AFND- se e só se L é ceite por lgum AFD. Lem 3.2. Pr todo x Σ, δ E (s 0,x) = δ A (s A,x) Dem: Por indução em x. Bse. Se x =, δ E ({s 0 },) = Fecho (s 0 ) e s A = Fecho (s 0 ). Então δ A (s A,) = s A = Fecho (s 0 ) = δ E (s 0,) Indução. Suponh que x = y, pr lgum Σ, e δ E (s 0,y) = δ A (s A,y), sejm {p 1,...,p k }. Pel definição clculmos δ E (s 0,x) por 1. k i=1 δ(p i,) = {r 1,...,r m } 2. δ E (s 0,x) = m j=1 Fecho (r j ) ms isso é precismente δ A ({p 1,...,p k },) que é δ A (s A,x).

6 TRANSIÇÕES POR (AFND-) 48 Dem: (Proposição 3.4) ( ) Sej E = (S E,Σ,δ E,s 0,F E ) um AFND- e sej A = (S A,Σ,δ A,s A,F A ) um AFD construído pelo método de subconjuntos modificdo. Queremos que L(A) = L(E). Pr x Σ, x L(A) δ A (s A,x) F A δ A (s A,x) F E δ E (s 0,x) F E x L(E) ( ) Pr tornr um AFD num AFND- bst crescentr δ(s,) = e trnsformr s trnsições do tipo δ(s,) = s em δ(s,) = {s }, pr todos os estdos do AFD. Exemplo Pr o utómto do Exemplo 3.15,b s 1 s 2 s 0 s b 3 s b 4 s 5 é equivlente o utómto finito determinístico seguinte, q b 0 q 2 q 3 q 1 b b b b q 4 q 5 b cujo estdo inicil q 0 corresponde o utómto ddo poder estr inicilmente, sem que tenh consumido qulquer símbolo, em {s 0,s 1,s 3 }. δ ({s 0,s 1,s 3 },) = {s 1,s 2,s 3 } = q 1 δ ({s 0,s 1,s 3 },b) = {s 1,s 4 } = q 2 δ ({s 1,s 2,s 3 },) = {s 1,s 2,s 3 } δ ({s 1,s 2,s 3 },b) = {s 1,s 4 } δ ({s 1,s 4 },) = {s 1,s 2 } = q 3 δ ({s 1,s 4 },b) = {s 1,s 3,s 5 } = q 4 δ ({s 1,s 2 },) = {s 1,s 2 } δ ({s 1,s 2 },b) = {s 1 } = q 5 δ ({s 1,s 3,s 5 },) = {s 1,s 2,s 3 } δ ({s 1,s 3,s 5 },b) = {s 1,s 4 } δ ({s 1 },) = {s 1,s 2 } δ ({s 1 },b) = {s 1 }

7 TRANSIÇÕES POR (AFND-) 49 o qul não é o AFD minímo (com menor número de estdos e que não encrv). O AFD minímo equivlente os nteriores é o seguinte: b q 0 b q 1 q 2 b q 3 b Mis dinte vmos estudr um resultdo que nos permite verificr se um ddo AFD é ou não é o AFD minímo que reconhece um dd lingugem. Por enqunto, tente convencer-se, neste cso, d necessidde de cd um ds trnsições efectuds. Pr isso note que se plvr dd não pertencer {bb,} tem lgum imeditmente pós um bloco mximl de b s em número ímpr e nesse cso terá que terminr em. Exercício 3.6. Consider o utómto finito com trnsições por, ({s 0,s 1,s 2 }, {,b,c},δ,s 0, {s 2 }) com seguinte função de trnsição δ: b c s 0 {s 1,s 2 } {s 1 } {s 2 } s 1 {s 0 } {s 2 } {s 0,s 1 } s 2 ) Apresente o digrm que descreve o utómto. b) Clcule o fecho- de cd estdo. c) Determine tods s plvrs com comprimento 3 ceites pelo utómto. d) Determine um utómto finito determinístico completo equivlente.

8 Cpítulo 4 Expressões Regulres e Autómtos Finitos 4.1 Expressões Regulres Embor os utómtos finitos permitm crcterizr de um modo finito um dd lingugem, muits vezes é mis conveniente ter um que descrição declrtiv dos pdrões ds plvrs que constituem um dd lingugem. No cso ds lingugens ceites por utómtos finitos vmos ver que els podem ser descrits por expressões regulres. Vrintes dests expressões são usds em váris plicções computcionis como expnsão de nomes de ficheiros em UNIX: ls *.c em procur de plvrs em comndos como o grep ou nvegdores WWW nlisdores lexicis (lex) de compildores ou processdores de lingugens nturis: ex. números decimis, identificdores, plvrs chve, etc. Exemplo 4.1. A lingugem L 1 = {x {0,1} x tem 2 ou 3 ocorrêncis de 1, não sendo s dus primeirs consecutivs } pode ser descrit por: L 1 = {0} {1}{0} {0}{1}{0} ({1}{0} {ɛ}) ou simplificndo, podemos representr lingugem L 1 pel expressão (10 + ɛ)

9 4.1. EXPRESSÕES REGULARES 51 Exemplo 4.2. A lingugem L 2 = {x {0,1} x contém 000} pode ser descrit por: L 2 = {0,1} {000}{0,1} ou simplificndo, podemos ssocir L 2 expressão: (0 + 1) 000(0 + 1) Qulquer expressão regulr r represent um lingugem que se design por L(r). Definição 4.1. O conjunto ds expressões regulres sobre um lfbeto Σ e o conjunto ds lingugens por els descrits são definidos indutivmente por: 1. ɛ é um expressão regulr sobre Σ, e descreve lingugem {}; i.e L(ɛ) = {} 2. é um expressão regulr sobre Σ, e descreve lingugem ; i.e L( ) = 3. Se Σ então é um expressão regulr sobre Σ, e descreve lingugem {}; i.e L() = {} 4. Se r e s são expressões regulres sobre Σ que descrevem s lingugens L(r) e L(s), então (r + s), (rs) e (r ) são expressões regulres sobre Σ, e descrevem L(r) L(s), L(r)L(s) e L(r) respectivmente;i.e L((r + s)) = L(r) L(s), L((rs)) = L(r)L(s) e L((r )) = L(r). 5. As expressões regulres sobre Σ e s lingugens por els descrits são tods e pens s obtids por 1-4. Um lingugem diz-se lingugem regulr se e só se é descrit por um expressão regulr. Exemplo 4.3. Sej Σ = {0, 1}. expressão regulr lingugem descrit (0 +1) {0,1} (0 ) {,0,00,000,0000,00000,...} ((0 )(11)) {11,011,0011,00011,000011, ,...} ((01) ) {,01,0101,010101, , ,...} ((0 +1) ) {,0,1,00,01,10,11,000,001,010,011,100,101,110,111,...} ((1 )(0((0 +1) ))) {0,10,01,00,000,100,010,001,110,101,011,...} = {x x tem lgum 0}

10 4.1. EXPRESSÕES REGULARES 52 Pel definição de expressão regulr, fcilmente se concluí que o conjunto ds lingugens regulres sobre um lfbeto Σ contém, {ɛ}, {} pr Σ e é fechdo pr conctenção, reunião e fecho de Kleene. No entnto, iremos ver que nem tods s lingugens são regulres. Por exemplo, lingugem {0 n 1 n n 1} não o é. Usndo um convenção idêntic à plicd expressões ritmétics envolvendo som, produto e potencição, podemos brevir s expressões retirndo prêntesis desnecessários, como ilustrdo n Figur 4.1. As regrs de precedênci pr s operções + (união), conctenção e (fecho de Kleene) correspondem às usds ns expressões ritmétics pr dição, multiplicção e potencição, respectivmente. Isto é, precedênci é fecho de Kleene > conctenção > união. A vntgem d introdução dest simplificção é clrmente ilustrd pelos exemplos ddos n Figur 4.1. (r + s) r + s ((r + s) + t) r + s + t (r(st)) rst (r(s + t)) r(s + t) ((rs) + (rt)) rs + rt ( ) ((r ) ) (r ) (((r )(s )) ) (r s ) (0 +1) 0 +1 ((0 )(11)) 0 11 (((0 )(11)) + ((10)1)) ((01) ) (01) ((1 )(0((0 +1) ))) 1 0(0 +1) (((0 +1) )((00)((0 +1) ))) (0 +1) 00(0 +1) ((((0 +1) )((00)0)) + (((01) )(01))) (0 +1) (01) 01 Figur 4.1: Expressão regulr e brevitur respectiv Exemplo 4.4. Mis lguns exemplos de lingugens de lfbeto Σ = {0,1} e de expressões regulres que s descrevem.

11 4.1. EXPRESSÕES REGULARES 53 lingugem expressão regulr {0,00,000} {000,00000} ( ) {0 3n+1 n N} 0(000) {w Σ w não tem 1 s e tem número pr de 0 s} (00) {w Σ w tem pelo menos um 1 depois de cd 0} (01 +1) Exemplo 4.5. Pr cd um ds lingugens seguintes vmos determinr um expressão regulr que represent. Sej A = {x {0,1} x tem pelo menos um 11 entre cd pr de 0 s} Num plvr de A, se ocorrer um 0 tem de ocorrer 11 seguir. Temos então expressão regulr ( ) Ms, excepto pr o 0 mis à direit. Então, temos que A = L(( ) (ɛ )) Sej B = {x {,b} x que tem um número pr de s} Se um plvr de B tiver um tem necessrimente outro. Temos então que: B = L((b +b) ) Note que se um plvr tiver número pr de s, e esse número não for zero, então plvr pode ser vist como um sequênci de b s e de plvrs em L(b ). Por exemplo, pr bbbbbbbbbbbbbbb tem-se seguinte decomposição b }{{} bbbbb }{{} bbbbbbbbb }{{} }{{} }{{} L(b ) L(b ) L(b ) L(b ) L(b ) Sej C = {x {0,1} x não tem subplvr 111} Num plvr de C, se houver um 1 ou um 11 tem de hver pelo menos um 0. Isto é, C = L((0 + 0 (1 + 11)(0 + (1 + 11)) 0 ))

12 4.1. EXPRESSÕES REGULARES 54 Sej D = {x {0,1} x não tem subplvr 00} Num plvr de D, à direit de um 0 tem de hver um 1. Temos então expressão (01 + 1). Ms plvr pode terminr em 0. Fic, então, D = L((01 + 1) (0 + ɛ)) Sej R, lingugem dos números decimis rcionis em Σ = {0,1,2,3,4,5,6, 7,8,9,,.} Pr os dígitos temos expressão regulr: digito = ( ). E, R = L((ɛ + )digito + (.digito + + ɛ)) Exercício 4.1. Melhorr expressão obtid no exemplo nterior pr lingugem R, pr que não existm 0 s à esquerd não significtivos Equivlênci de expressões regulres Sej Reg Σ o conjunto ds expressões regulres sobre Σ e sej relção binári em Reg Σ ssim definid: r s sse s lingugens descrits por r e s são iguis,i.el(r) = L(s) quisquer que sejm r,s Reg Σ. Pode verificr-se que é um relção de equivlênci (reflexiv, simétric e trnsitiv. Diz-se que dus expressões regulres são equivlentes se e só se s lingugens por els descrits são iguis. Exercício 4.2. Mostrr que é de equivlênci. Proposição 4.1. Quisquer que sejm s expressões regulres r, s e t de lfbeto Σ tem-se:

Propriedades das Linguagens Regulares

Propriedades das Linguagens Regulares Cpítulo 5 Proprieddes ds Lingugens Regulres Considerndo um lfeto, já vimos que podemos rterizr lsse ds lingugens regulres sore esse lfeto omo o onjunto ds lingugens que podem ser desrits por expressões

Leia mais

Linguagens Regulares e Autômatos de Estados Finitos. Linguagens Formais. Linguagens Formais (cont.) Um Modelo Fraco de Computação

Linguagens Regulares e Autômatos de Estados Finitos. Linguagens Formais. Linguagens Formais (cont.) Um Modelo Fraco de Computação LFA - PARTE 1 Lingugens Regulres e Autômtos de Estdos Finitos Um Modelo Frco de Computção João Luís Grci Ros LFA-FEC-PUC-Cmpins 2002 R. Gregory Tylor: http://strse.cs.trincoll.edu/~rtylor/thcomp/ 1 Lingugens

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos (LFA)

Linguagens Formais e Autômatos (LFA) Lingugens Formis e Autômtos (LFA) Aul de 11/09/2013 Conjuntos Regulres, Expressões Regulres, Grmátics Regulres e Autômtos Finitos 1 Conjuntos Regulres Conjuntos regulres sobre um lfbeto finito são LINGUAGENS

Leia mais

3. Seja Σ um alfabeto. Explique que palavras pertencem a cada uma das seguintes linguagens:

3. Seja Σ um alfabeto. Explique que palavras pertencem a cada uma das seguintes linguagens: BCC244-Teori d Computção Prof. Lucíli Figueiredo List de Exercícios DECOM ICEB - UFOP Lingugens. Liste os strings de cd um ds seguintes lingugens: ) = {λ} ) + + = c) {λ} {λ} = {λ} d) {λ} + {λ} + = {λ}

Leia mais

Apostila 02 - Linguagens Regulares Exercícios

Apostila 02 - Linguagens Regulares Exercícios Cursos: Bchreldo em Ciênci d Computção e Bchreldo em Sistems de Informção Disciplins: (1493A) Teori d Computção e Lingugens Formis, (4623A) Teori d Computção e Lingugens Formis e (1601A) Teori d Computção

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fculdde de Computção Disciplin : Lingugens Formis e Autômtos - 0 emestre 2006 Professor : ndr Aprecid de Amo List de Exercícios n o - 4/08/2006 Observção : os exercícios

Leia mais

Faculdade de Computação

Faculdade de Computação UNIVERIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Fculdde de Computção Disciplin : Teori d Computção Professor : ndr de Amo Revisão de Grmátics Livres do Contexto (1) 1. Fzer o exercicio 2.3 d págin 128 do livro texto

Leia mais

Os números racionais. Capítulo 3

Os números racionais. Capítulo 3 Cpítulo 3 Os números rcionis De modo informl, dizemos que o conjunto Q dos números rcionis é composto pels frções crids prtir de inteiros, desde que o denomindor não sej zero. Assim como fizemos nteriormente,

Leia mais

Linguagens Formais Capítulo 5: Linguagens e gramáticas livres de contexto

Linguagens Formais Capítulo 5: Linguagens e gramáticas livres de contexto Lingugens ormis Cpítulo 5: Lingugens e grmátics livres de contexto José Lucs Rngel, mio 1999 5.1 - Introdução Vimos no cpítulo 3 definição de grmátic livre de contexto (glc) e de lingugem livre de contexto

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos

Aula 4: Autômatos Finitos 2. 4.1 Autômatos Finitos Não-Determinísticos Teori d Computção Primeiro Semestre, 25 Aul 4: Autômtos Finitos 2 DAINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv 4. Autômtos Finitos Não-Determinísticos Autômtos Finitos Não-Determinísticos (NFA) são um generlizção

Leia mais

Lic. Ciências da Computação 2009/10 Exercícios de Teoria das Linguagens Universidade do Minho Folha 6. δ

Lic. Ciências da Computação 2009/10 Exercícios de Teoria das Linguagens Universidade do Minho Folha 6. δ Li. Ciênis d Computção 2009/10 Exeríios de Teori ds Lingugens Universidde do Minho Folh 6 2. Autómtos finitos 2.1 Considere o utómto A = (Q,A,δ,i,F) onde Q = {1,2,,4}, A = {,}, i = 1, F = {4} e função

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares Rresumos ds uls teórics ------------------ Cp ------------------------------ Cpítulo. Mtrizes e Sistems de Equções ineres Sistems de Equções ineres Definições Um sistem de m equções lineres n incógnits,

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

Aos pais e professores

Aos pais e professores MAT3_015_F01_5PCImg.indd 9 9/09/16 10:03 prcels ou termos som ou totl Pr dicionres mentlmente, podes decompor os números e dicioná-los por ordens. 136 + 5 = (100 + 30 + 6) + (00 + 50 + ) 300 + 80 + 8 MAT3_015_F0.indd

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8

Um disco rígido de 300Gb foi dividido em quatro partições. O conselho directivo ficou. 24, os alunos ficaram com 3 8 GUIÃO REVISÕES Simplificção de expressões Um disco rígido de 00Gb foi dividido em qutro prtições. O conselho directivo ficou com 1 4, os docentes ficrm com 1 4, os lunos ficrm com 8 e o restnte ficou pr

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

Propriedades das Linguagens Regulares

Propriedades das Linguagens Regulares Cpítulo 4 Proprieddes ds Lingugens Regulres Estmos no momento de colocr seguinte questão: quão gerl são s lingugens regulres? Seri tod lingugem forml regulr? Tlvez qulquer conjunto que possmos especificr

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Autómatos Finitos Determinísticos. 4.1 Validação de palavras utilizando Autómatos

Autómatos Finitos Determinísticos. 4.1 Validação de palavras utilizando Autómatos Licencitur em Engenhri Informátic DEI/ISEP Lingugens de Progrmção 26/7 Fich 4 Autómtos Finitos Determinísticos Ojectivos: Vlidção de plvrs utilizndo Autómtos Finitos; Conversão de utómtos finitos não determinísticos

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

1. Conceito de logaritmo

1. Conceito de logaritmo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Logritmos Prof.: Rogério

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM MATRIZES Definição e Notção... 11 21 m1 12... 22 m2............ 1n.. 2n. mn Chmmos de Mtriz todo conjunto de vlores, dispostos

Leia mais

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos Mtemátic pr Economists LES uls e Mtrizes Ching Cpítulos e Usos em economi Mtrizes ) Resolução sistems lineres ) Econometri ) Mtriz Insumo Produto Márci.F. Dis de Mores Álgebr Mtricil Conceitos Básicos

Leia mais

Conjuntos Numéricos. Conjuntos Numéricos

Conjuntos Numéricos. Conjuntos Numéricos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA.. Proprieddes dos números

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos (LFA)

Linguagens Formais e Autômatos (LFA) PU-Rio Lingugens Formis e Autômtos (LFA) omplemento d Aul de 21/08/2013 Grmátics, eus Tipos, Algums Proprieddes e Hierrqui de homsky lrisse. de ouz, 2013 1 PU-Rio Dic pr responder Pergunts finis d ul lrisse.

Leia mais

é: 31 2 d) 18 e) 512 y y x y

é: 31 2 d) 18 e) 512 y y x y 0. Dentre s firmtivs bio, ssinle quel que NÃO é verddeir pr todo nturl n: ) -) n = b) -) n- = -) n+ n n c) ) ) d) -) n = --) n e) -) n- = --) n 07. O lgrismo ds uniddes de 00. 7 00. 00 é igul : ) b) c)

Leia mais

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green ÁLULO VETORIAL álculo Vetoril pítulo 6 6.4 Teorem de Green Nest seção, prenderemos sore: O Teorem de Green pr váris regiões e su plicção no cálculo de integris de linh. INTROUÇÃO O Teorem de Green fornece

Leia mais

Aprender o conceito de vetor e suas propriedades como instrumento apropriado para estudar movimentos não-retilíneos;

Aprender o conceito de vetor e suas propriedades como instrumento apropriado para estudar movimentos não-retilíneos; Aul 5 Objetivos dest Aul Aprender o conceito de vetor e sus proprieddes como instrumento proprido pr estudr movimentos não-retilíneos; Entender operção de dição de vetores e multiplicção de um vetor por

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MAT - ALGEBRA LINEAR I-A PROF.: GLÓRIA MÁRCIA LISTA DE EXERCÍCIOS ) Sejm A, B e C mtries inversíveis de mesm ordem, encontre epressão d mtri X,

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

TÓPICOS. Determinantes de 1ª e 2ª ordem. Submatriz. Menor. Cofactor. Expansão em cofactores. Determinante de ordem n. Propriedades dos determinantes.

TÓPICOS. Determinantes de 1ª e 2ª ordem. Submatriz. Menor. Cofactor. Expansão em cofactores. Determinante de ordem n. Propriedades dos determinantes. Note bem: leitur destes pontmentos não dispens de modo lgum leitur tent d bibliogrfi principl d cdeir Chm-se tenção pr importânci do trblho pessol relizr pelo luno resolvendo os problems presentdos n bibliogrfi,

Leia mais

CAPÍTULO 2 AUTÓMATOS FINITOS

CAPÍTULO 2 AUTÓMATOS FINITOS Teori d Computção Cpítulo 2. Autómtos Finitos CAPÍTULO 2 AUTÓMATOS FINITOS 2.. Introdução 45 2.2.Aceitdores determinísticos 46 2.3. A rte de construir DFA s 59 2.4. Lingugens regulres 75 2.5. Autómtos

Leia mais

Conjuntos Numéricos e Operações I

Conjuntos Numéricos e Operações I Conjuntos Numéricos e Operções I Ao estudr o livro, o luno está sendo conduzido pel mão do utor. Os exercícios lhe fornecem o ensejo de cminhr mis solto e, ssim, ir gnhndo independênci. Pr quem está convencido

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

Análise Sintáctica Descendente

Análise Sintáctica Descendente Cpítulo 4 nálise intáctic Descendente Os utomátos finitos presentdos no cpítulo nterior são suficientes pr trtr os elementos léxicos de um lingugem de progrmção, o trtmento d estrutur sintáctic de um lingugem

Leia mais

GRUPO I. Espaço de rascunho: G 2 10

GRUPO I. Espaço de rascunho: G 2 10 GRUPO I I.1) Considere o seguinte grfo de estdos de um problem de procur. Os vlores presentdos nos rcos correspondem o custo do operdor (cção) respectivo, enqunto os vlores nos rectângulos correspondem

Leia mais

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática Universidde Tecnológic Federl do Prná Cmpus Curitib Prof. Lucine Deprtmento Acdêmico de Mtemátic NOTA DE AULA Tópicos em Mtemátic Fonte: http://eclculo.if.usp.br/ 1. CONJUNTOS NUMÉRICOS: 1.1 Números Nturis

Leia mais

CT-234. Estruturas de Dados, Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches

CT-234. Estruturas de Dados, Análise de Algoritmos e Complexidade Estrutural. Carlos Alberto Alonso Sanches CT-234 Estruturs de Ddos, Análise de Algoritmos e Complexidde Estruturl Crlos Alberto Alonso Snches CT-234 7) Busc de pdrões Knuth-Morris-Prtt, Boyer-Moore, Krp-Rbin Pdrões e lfbetos Pdrões (ptterns ou

Leia mais

Aula 1 - POTI = Produtos Notáveis

Aula 1 - POTI = Produtos Notáveis Aul 1 - POTI = Produtos Notáveis O que temos seguir são s demonstrções lgébrics dos sete principis produtos notáveis e tmbém prov geométric dos três primeiros. 1) Qudrdo d Som ( + b) = ( + b) * ( + b)

Leia mais

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b...

Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes n n nn n n n n n n b... b... b... Cálculo Numérico Módulo V Resolução Numéric de Sistems Lineres Prte I Profs.: Bruno Correi d Nóbreg Queiroz José Eustáquio Rngel de Queiroz Mrcelo Alves de Brros Sistems Lineres Form Gerl onde: ij ij coeficientes

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral.

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Auls n o 8: Técnics de Integrção I - Método d Substituição Objetivos d Aul Apresentr técnic de integrção por substituição; Utilizr técnics presentds

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

Algoritmos em Grafos: Circuitos de Euler e Problema do Carteiro Chinês

Algoritmos em Grafos: Circuitos de Euler e Problema do Carteiro Chinês CAL (00-0) MIEIC/FEUP Algoritmos em Grfos (0-0-0) Algoritmos em Grfos: Circuitos de Euler e Prolem do Crteiro Chinês R. Rossetti, A.P. Roch, A. Pereir, P.B. Silv, T. Fernndes FEUP, MIEIC, CPAL, 00/0 Circuitos

Leia mais

Desigualdades - Parte II. n (a1 b 1 +a 2 b a n b n ) 2.

Desigualdades - Parte II. n (a1 b 1 +a 2 b a n b n ) 2. Polos Olímpicos de Treinmento Curso de Álgebr - Nível Prof. Mrcelo Mendes Aul 9 Desigulddes - Prte II A Desiguldde de Cuchy-Schwrz Sejm,,..., n,b,b,...,b n números reis. Então: + +...+ ) n b +b +...+b

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b).

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b). 1 Lembrete: curvs Definição Chmmos Curv em R n : um função contínu : I R n onde I R é intervlo. (link desenho curvs) Definimos: Trço d curv: imgem equção prmêtric/vetoril d curv: lei (t) =... Dizemos que

Leia mais

NÃO existe raiz real de um número negativo se o índice do radical for par.

NÃO existe raiz real de um número negativo se o índice do radical for par. 1 RADICIAÇÃO A rdicição é operção invers d potencição. Sbemos que: ) b) Sendo e b números reis positivos e n um número inteiro mior que 1, temos, por definição: sinl do rdicl n índice Qundo o índice é,

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Eletrotécnica TEXTO Nº 7

Eletrotécnica TEXTO Nº 7 Eletrotécnic TEXTO Nº 7 CIRCUITOS TRIFÁSICOS. CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E SIMÉTRICOS.. Introdução A quse totlidde d energi elétric no mundo é gerd e trnsmitid por meio de sistems elétricos trifásicos

Leia mais

I REVISÃO DE CONCEITOS BÁSICOS

I REVISÃO DE CONCEITOS BÁSICOS I REVISÃO DE CONCEITOS BÁSICOS. Elementos Básicos de Mtemátic. Regrs de Sinis ADIÇÃO: - qundo os números tem o mesmo sinl, somm-se os módulos e tribui-se o resultdo o sinl comum. E: (+)+(+9)=+4 ou 4 (-)+(-)=

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Cálculo Infinitesimal. Gabriela Chaves

Cálculo Infinitesimal. Gabriela Chaves Cálculo Infinitesiml Gbriel Chves versão de Agosto de ii Índice Índice iii Proprieddes básics dos números. Operções de dição e multiplicção...................................... Relção de ordem.................................................

Leia mais

Autómatos finitos não determinísticos (AFND)

Autómatos finitos não determinísticos (AFND) Autómatos finitos não determinísticos (AFND) [HMU00](Cap 2.3) Computações não determinísticas: o estado seguinte não é univocamente determinado pelo estado actual.num autómato finito (não-determínistico):

Leia mais

Sub-rede Zero e toda a sub-rede

Sub-rede Zero e toda a sub-rede Sub-rede Zero e tod sub-rede Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizdos Convenções Sub-rede zero A sub-rede unificd Problems com sub-rede zero e com sub-rede tudo um Sub-rede zero

Leia mais

um número finito de possibilidades para o resto, a saber, 0, 1, 2,..., q 1. Portanto, após no máximo q passos,

um número finito de possibilidades para o resto, a saber, 0, 1, 2,..., q 1. Portanto, após no máximo q passos, Instituto de Ciêncis Exts - Deprtmento de Mtemátic Cálculo I Profª Mri Juliet Ventur Crvlho de Arujo Cpítulo : Números Reis - Conjuntos Numéricos Os primeiros números conhecidos pel humnidde são os chmdos

Leia mais

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 7 _ Função Modular, Exponencial e Logarítmica Professor Luciano Nóbrega

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 7 _ Função Modular, Exponencial e Logarítmica Professor Luciano Nóbrega 1 TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Aul 7 _ Função Modulr, Eponencil e Logrítmic Professor Lucino Nóbreg FUNÇÃO MODULAR 2 Módulo (ou vlor bsolutode um número) O módulo (ou vlor bsoluto) de um número rel, que

Leia mais

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido Mtemátic - 8/9 - Integrl de nido 68 Introdução Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I = [; b] e tl que f () ; 8 [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos

Leia mais

Progressões Aritméticas

Progressões Aritméticas Segund Etp Progressões Aritmétics Definição São sequêncis numérics onde cd elemento, prtir do segundo, é obtido trvés d som de seu ntecessor com um constnte (rzão).,,,,,, 1 3 4 n 1 n 1 1º termo º termo

Leia mais

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det

Definição 1 O determinante de uma matriz quadrada A de ordem 2 é por definição a aplicação. det 5 DETERMINANTES 5 Definição e Proprieddes Definição O erminnte de um mtriz qudrd A de ordem é por definição plicção ( ) : M IR IR A Eemplo : 5 A ( A ) ( ) ( ) 5 7 5 Definição O erminnte de um mtriz qudrd

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES DETERMINANTES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - APES DETERMINANTES Prof Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr iêncis

Leia mais

Árvores Binárias. INF01203 Estruturas de Dados. Tipos de Árvores Binárias. Tipos de Árvores Binárias. grau dos nós. ordenadas.

Árvores Binárias. INF01203 Estruturas de Dados. Tipos de Árvores Binárias. Tipos de Árvores Binárias. grau dos nós. ordenadas. Árvores ináris gru dos nós 0 1 2 IN01203 struturs de dos Árvores ináris ordends sub-árvore d esquerd sub-árvore d direit = Árvore qulquer = Árvore inári Tipos de Árvores ináris Tipos de Árvores ináris

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Linhas 1 2 Colunas 1 2. (*) Linhas 1 2 (**) Colunas 2 1.

Linhas 1 2 Colunas 1 2. (*) Linhas 1 2 (**) Colunas 2 1. Resumos ds uls teórics -------------------- Cp 5 -------------------------------------- Cpítulo 5 Determinntes Definição Consideremos mtriz do tipo x A Formemos todos os produtos de pres de elementos de

Leia mais

Última atualização 03/09/2009

Última atualização 03/09/2009 FACIN-PPGCC 2 1. PANO DE FUNDO Sumário 2. LINGUAGENS Teori d Computilidde Prte I - Teori de Autômtos 3. DEFINIÇÕES RECURSIVAS 4. EXPRESSÕES REGULARES 5. AUTÔMATOS FINITOS Ney Lert Vilr Clzns & Avelino

Leia mais

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola,

Prezados Estudantes, Professores de Matemática e Diretores de Escola, Prezdos Estudntes, Professores de Mtemátic e Diretores de Escol, Os Problems Semnis são um incentivo mis pr que os estudntes possm se divertir estudndo Mtemátic, o mesmo tempo em que se preprm pr s Competições

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - CAPES MATRIZES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr Ciêncis Sociis

Leia mais

Dessa forma o eixo ox é uma assíntota da função exponencial e assim valores de y < 0 não se relacionam com nenhum x do domínio, portanto Im = R +.

Dessa forma o eixo ox é uma assíntota da função exponencial e assim valores de y < 0 não se relacionam com nenhum x do domínio, portanto Im = R +. 6 4. Função Eponencil É todo função que pode ser escrit n form: f: R R + = Em que é um número rel tl que 0

Leia mais

Integrais Imprópias Aula 35

Integrais Imprópias Aula 35 Frções Prciis - Continução e Integris Imprópis Aul 35 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 05 de Junho de 203 Primeiro Semestre de 203 Turm 20304 - Engenhri de Computção

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo?

Ângulo completo (360 ) Agora, tente responder: que ângulos são iguais quando os palitos estão na posição da figura abaixo? N Aul 30, você já viu que dus rets concorrentes formm qutro ângulos. Você tmbém viu que, qundo os qutro ângulos são iguis, s rets são perpendiculres e cd ângulo é um ângulo reto, ou sej, mede 90 (90 grus),

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA POLITÉCNICA UNVERSDDE DE SÃO PULO ESOL POLTÉN Deprtmento de Engenhri de Estruturs e Geotécnic URSO ÁSO DE RESSTÊN DOS TERS FSÍULO Nº 5 Flexão oblíqu H. ritto.010 1 FLEXÃO OLÍU 1) udro gerl d flexão F LEXÃO FLEXÃO

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada Z. Introdução. Transformada Z Bilateral

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada Z. Introdução. Transformada Z Bilateral Resumo Sinis e Sistems Trnsformd Luís Clds de Oliveir lco@istutlpt Instituto Superior Técnico Definição Região de convergênci Trnsformd invers Proprieddes d trnsformd Avlição geométric d DTFT Crcterição

Leia mais

Análise Sintática I: Analisadores Descendentes com Retrocesso

Análise Sintática I: Analisadores Descendentes com Retrocesso Análise intátic I: Anlisdores Descendentes com Retrocesso Definição A nálise sintátic é o processo de determinr se um cdei de átomos (tokens), isto é, o progrm já nlisdo pelo nlisdor léxico, pode ser gerdo

Leia mais

Coálgebras de Kleene

Coálgebras de Kleene Coálgers de Kleene Mri Teres Fernndes Clssificção ACM: F.TheoryofComputtion;F.3Logicsndmeningofprogrms; F.4 Mthemticl logic nd forml lnguges; Plvrs-chve: Teori de Computção, Teorem de Kleene, Coálger,

Leia mais

Técnicas de Análise de Circuitos

Técnicas de Análise de Circuitos Coordendori de utomção Industril Técnics de nálise de Circuitos Eletricidde Gerl Serr 0/005 LIST DE FIGURS Figur - Definição de nó, mlh e rmo...3 Figur LKC...4 Figur 3 Exemplo d LKC...5 Figur 4 plicção

Leia mais

Quantidade de oxigênio no sistema

Quantidade de oxigênio no sistema EEIMVR-UFF Refino dos Aços I 1ª Verificção Junho 29 1. 1 kg de ferro puro são colocdos em um forno, mntido 16 o C. A entrd de oxigênio no sistem é controld e relizd lentmente, de modo ir umentndo pressão

Leia mais

Colegio Naval ) O algoritmo acima foi utilizado para o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vale

Colegio Naval ) O algoritmo acima foi utilizado para o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vale Colegio Nvl 005 01) O lgoritmo cim foi utilizdo pr o cálculo do máximo divisor comum entre os números A e B. Logo A + B + C vle (A) 400 (B) 300 (C) 00 (D) 180 (E) 160 Resolvendo: Temos que E 40 C E C 40

Leia mais

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS6

FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS6 FUNÇÕES EXPONENCIAIS E LOGARÍTMICAS6 Gil d Cost Mrques Fundmentos de Mtemátic I 6. Potênci de epoente rel 6.2 Funções inverss 6.3 Função eponencil 6.4 Função logrítmic 6.5 Função logrítmic como função

Leia mais

(Nova) Matemática, Licenciatura / Engenharia de Produção

(Nova) Matemática, Licenciatura / Engenharia de Produção Recredencimento Portri EC 7, de 5.. - D.O.U.... (ov) temátic, Licencitur / Engenhri de Produção ódulo de Pesquis: Prátics de ensino em mtemátic, contetos e metodois Disciplin: Fundmentos de temátic II

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

a * Expressões Regulares (ER) AF e ER Equivalências entre AFD, AFND, AF-, ER

a * Expressões Regulares (ER) AF e ER Equivalências entre AFD, AFND, AF-, ER a * Expressões Regulares (ER) AF e ER Equivalências entre AFD, AFND, AF-, ER 1 Expressões Regulares (ER) Uma ER sobre um alfabeto é definida como: a) é uma ER e denota a linguagem vazia b) é uma ER e denota

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M24 Equações Polinomiais. 1 (PUC-SP) No universo C, a equação

Matemática. Resolução das atividades complementares. M24 Equações Polinomiais. 1 (PUC-SP) No universo C, a equação Resolução ds tividdes complementres Mtemátic M Equções Polinomiis p. 86 (PUC-SP) No universo C, equção 0 0 0 dmite: ) três rízes rcionis c) dus rízes irrcionis e) um únic riz positiv b) dus rízes não reis

Leia mais

C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO

C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO Pr Ordendo RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 06 RELAÇÕES E FUNÇÕES O pr ordendo represent um ponto do sistem de eixos rtesinos. Este sistem é omposto por um pr de rets perpendiulres. A ret horizontl é hmd de eixo

Leia mais

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS.

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS. Qudrtur por interpolção DMPA IM UFRGS Cálculo Numérico Índice Qudrtur por interpolção 1 Qudrtur por interpolção 2 Qudrturs simples Qudrturs composts 3 Qudrtur por interpolção Qudrtur por interpolção O

Leia mais

Estudo dos Logaritmos

Estudo dos Logaritmos Instituto Municipl de Ensino Superior de Ctnduv SP Curso de Licencitur em Mtemátic 3º no Prátic de Ensino d Mtemátic III Prof. M.Sc. Fbricio Edurdo Ferreir fbricio@ffic.br Situção inicil Estudo dos Logritmos

Leia mais

Resumo. Estruturas de Sistemas Discretos. A Explosão do Ariane 5. Objectivo. Representações gráficas das equações às diferenças

Resumo. Estruturas de Sistemas Discretos. A Explosão do Ariane 5. Objectivo. Representações gráficas das equações às diferenças Resumo Estruturs de Sistems Discretos Luís Clds de Oliveir lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Representções gráfics ds equções às diferençs Estruturs ásics de sistems IIR Forms trnsposts Estruturs

Leia mais

Definimos a unidade imaginária j, como sendo um número não real de tal forma que: PROPRIEDADES: j 4 = j 2 x j 2 = ( -1) x ( -1) = 1 ;

Definimos a unidade imaginária j, como sendo um número não real de tal forma que: PROPRIEDADES: j 4 = j 2 x j 2 = ( -1) x ( -1) = 1 ; TÍTULO: NÚMEROS COMPLEXOS INTRODUÇÃO: Os números complexos form desenvolvidos pelo mtemático K Guss, prtir dos estudos d trnsformção de Lplce, com o único ojetivo de solucionr prolems em circuitos elétricos

Leia mais

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada Z. Introdução. Transformada Z Bilateral

Resumo. Sinais e Sistemas Transformada Z. Introdução. Transformada Z Bilateral Resumo Sinis e Sistems Trnsformd lco@ist.utl.pt Instituto Superior Técnico Definição Região de convergênci Trnsformd invers Proprieddes d trnsformd Avlição geométric d DTFT Crcterição de SLITs usndo trnsformd.

Leia mais

1 Expressões Regulares e Linguagens

1 Expressões Regulares e Linguagens 1 1 Expressões Regulares e Linguagens Linguagem de Programação o Pesquisa em Textos o Componentes de Compiladores Intimamente Relacionadas com AFNDs São capazes de definir todas e somente as linguagens

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

Sebenta de Álgebra Linear e Geometria Analítica

Sebenta de Álgebra Linear e Geometria Analítica Sebent de Álgebr Liner e Geometri Anlític Pulo Jorge Afonso Alves Cpítulo 1 Mtrizes Objectivo Neste cpítulo vmos introduzir um novo conceito, o de mtriz; os diferentes tipos de mtrizes existentes; estudr

Leia mais