1 O Conjunto dos Números Reais

Save this PDF as:
Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 O Conjunto dos Números Reais"

Transcrição

1 O Conjunto dos Números Reis O primeiro conjunto numérico que considermos é o Conjunto dos Números Nturis. Este conjunto está relciondo com operção de contgem: N = {0,,, 3,...}. Admitiremos conhecids s operções usuis dição e multiplicção em N bem como os conceitos de números pres, ímpres e primos. O processo de medição de grndezs físics nos conduzirá o conjunto de números reis. Problem: Medir um segmento AB. Fixmos um segmento pdrão u e vmos chmr su medid de. Ddo um segmento AB, se u couber um número exto de vezes em AB, digmos n vezes, então dizemos que medid de AB será n. Clrmente isto nem sempre ocorre. Definição: Dizemos que um segmento AB e o segmento pdrão u são COMENSURÁVEIS se existir lgum segmento w que cib n vezes em u e m vezes em AB. Voltndo o nosso problem de medição, se o segmento AB e o segmento pdrão u forem comensuráveis, conforme definição cim, diremos que medid de AB será m n. A medid do segmento w será então n. Isto nos motiv definirmos um conjunto numérico que inclu tods ests possíveis medids. Chmremos este conjunto de Conjunto de Números Rcionis Positivos: Q + = { m n m, n N, n 0}. Alguns rcionis representm s mesms medids. Por exemplo 4 e. De fto, se existe um semento w que cbe vezes no segmento unitário então metde deste segmento cbe vezes nele e 4 vezes no segmento unitário. Vmos então dizer que = m 4. De um modo gerl dizemos que n = m n se m n = n m. Continundo com o problem d medição nos deprmos com um grnde problem. Nem sempre dois segmentos são comensuráveis. De fto, consideremos por exemplo hipotenus de um triângulo retângulo de ctetos iguis. Suponhmos que est hipotenus sej comensurável com o segmento unitário pdrão u. Então existirim nturis n e m tis que medid d hipotenus seri igul m n. Vmos supor que m e n sejm primos entre si, isto é, é impossível simplificrmos mis est expressão. De cordo com o teorem de Pitágors terímos que + = m n. Assim n = m e portnto m seri um número pr e portnto m tmbém o seri. Logo existiri lgum k N tl que m = k. Assim 4k = n e portnto

2 n = k o que implicri que n tmbém seri pr. Note que isto é um bsurdo. Este bsurdo surgiu do fto de termos suposto que medid d hipotenus fosse um número rcionl. No entnto est hipotenus existe e é muito bem determind em cim d ret. Amplimos o conceito de número de tl form que todos os segmentos possum um medid ssocid. Introduzimos os chmdos Números Irrcionis, de tl modo que, fixndo um unidde de comprimento pdrão, qulquer segmento de ret tem um medid numéric.. A Ret Rel Fixmos um ret e um ponto chmmos de origem 0. Escolhemos um outro ponto A, direit d origem. Fixmos 0A como unidde de comprimento. Fcilmente mrcmos sobre ret os números nturis. N semi-ret d esquerd mrcmos segmentos, com extremidde n origem, com s mesms medids dos segmentos que definem os nturis e ssocimos às sus extremiddes esquerds números com um sinl. Formmos então o chmdo Conjunto dos Números Inteiros: Z = {...,,, 0,,,...}. Em seguid mrcmos todos os segmentos, com extremidde n origem, comensuráveis com o segmento o segmento pdrão 0A. Os que ficrem à direit serão ssocidos os rcionis positivos e os que ficrem à esquerd gnhrão um sinl. Definimos então o Conjunto dos Números Rcionis: Q == { m m Z, n N, n 0}. n Como vimos cim est construção não ocup todo o espço existente n ret. Se prrmos por qui noss ret ficrá com vários burcos. A cd um destes burcos ssocimos um número, que chmremos de irrcionl. Finlmente definimos o Conjunto dos Números Reis: R = {x x Q ou x éirrcionl}. Existe um correspondênci biunívoc entre os números reis e os pontos d ret. Mis precismente, cd número rel está ssocido um e somente um ponto d ret e cd ponto d ret está ssocido um e somente um número rel. No que segue, não distinguiremos pontos d ret e números reis. É clro que N Z Q R. Dizemos que x R é positivo, e denotmos x > 0, se x estiver no ldo direito d ret; dizemos que x é negtivo, e denotremos x < 0, se x estiver no ldo esquerdo d ret. As notções e indicm, respectivmente mior ou igul e menor ou igul. Vmos introduzir s operções dição e multiplicção em R. Definição:

3 ) Sejm x R e x 0. Definimos x + x como o número rel ssocido pont finl do segmento, orientdo pr direit, com extremidde inicil em x, e com medid igul medid do segmento ssocido x. b)sejm x R e x 0. Mrcmos n ret o seguinte ponto: com extremidde inicil em x e orientdo pr o ldo esquerdo, com medid igul do segmento ssocido x. O número rel ssocido pont finl deste segmento será chmdo de x + x. Definição: ) Se x > 0 e y > 0 definimos o produto xy d seguinte form: Trçmos um ret l formndo um ângulo inferior 90 o com ret rel e pssndo pel origem. N ret rel mrcmos unidde e o número y. N ret l mrcmos o x. Considermos ret que pss por e por x e chmmos de s. D geometri sbemos que existe um únic ret t prlel s e que pss y. Finlmente mrcmos em l o ponto P, itersecção dest com t. Com pont sec do compsso em 0 e bertur igul 0P mrcmos n ret rel o ponto Q. O número rel ssocido este ponto será chmdo de xy. b) Nos demis csos é só mudr o sinl xy convenientemente: x y xy Observção: Se fixrmos noss tenção pr os números rcionis veremos que s definições cim coincidem com s trdicionis: b + c d b. c d d + bc = bd = c bd. O conjunto R munido ds operções definids cim form o que chmmos de CORPO. Mis precismente, stisfz s seguintes proprieddes: ) Associtividde d Adição e d Multiplicção: (x + y) + z = x + (y + z), x, y, z R (xy)z = x(yz), x, y, z R ) Comuttividde d Adição e d Multiplicção: x + y = y + x, x, y R xy = yx, x, y R 3) Existênci de Elemento Neutro pr Adição e pr Multiplicção: x + 0 = x, x R x. = x, x R 3

4 4) Existênci de Oposto pr Adição: x R, ( x) R tl que x + ( x) = 0. 5) Existênci de Inverso pr Multiplicção: x R\{0}, y R tl que xy =. 6) Distributividde d Multiplicção em Relção à Adição: x(y + z) = xy + xz, x, y, z R. Definição: Dizemos que x < y se y x > 0. Dentro dos reis destcmos o conjunto dos reis positivos: R + = {x R x > 0}. Observe que s seguintes condições são stisfeits: ) A som e o produto de elementos positivos são positivos. Ou sej x, y R + x + y R + e x.y R +. b) Ddo x R ou x = 0 ou x R + ou x R +. As dus proprieddes cim crcterizm o que chmmos de CORPO OR- DENADO. Como em qulquer outro corpo ordendo, relção de ordem < goz ds seguintes proprieddes: ) Trnsitiv: (x, y, z R, x < y, y < z) x < z. ) (Tricotomi) Quisquer que sejm x e y R : x < y ou y < x ou x = y. 3) Comptibilidde d Ordem com Adição: (x, y, z R, x < y) x + z < y + z. 4) Comptibilidde d Ordem com Multiplicção: (x, y, z R, x < y, 0 < z) xz < yz. Observção: Note que s proprieddes de corpo e s proprieddes de corpo ordendo tmbém são stisfeirs pr Q. Vmos gor destcr um propriedde que é stisfeit por R ms não por Q. 4

5 Definição:Ddo um subconjunto A R dizemos que A é limitdo se existe K > 0 tl que x A K < x < K. Definição:Dizemos que s R é o supremo de A se s for menor ds cots superiores de A : x s, x A; x c, x A s c. Definição:Dizemos que i R é o ínfimo de A se i for mior ds cots inferiores de A : x i, x A; x c, x A i c. O conjunto R stisfz propriedde: Axiom do Supremo: Todo conjunto limitdo e não vzio de números reis possui um supremo e um ínfimo rel. Observemos que est propriedde não é stisfeit por Q. Considere o conjunto A = {x Q 0 < x < }. O supremo de A é que como vimos ntes não é um número rcionl. A propriedde cim nos diz que o conjunto dos números reis é um CORPO ORDENADO COMPLETO. Teorem dos Intervlos Encixntes: Sej [ 0, b 0 ], [, b ],..., [ n, b n ],... um sequênci de intervlos stisfzendo: ) [ 0, b 0 ] [, b ]... [ n, b n ]... b) Pr todo r > 0 existe um nturl n tl que b n n < r. Então, existe um único rel c tl que pr todo nturl n n c b n. Demonstrção: Temos que A = { 0,,...} é não vzio e limitdo superiormente. Sej então c = sup A. É clro que n c b n. Suponhmos que exist d, diferente de c stisfzendo n d b n. 5

6 Neste cso terímos c d < b n n, n. Como distânci b n n proxim-se de zero, terímos que c = d. Pr completrmos est seção vmos provr : Teorem ) Entre dois números reis distintos sempre existe um número irrcionl; b) Entre dois números reis distintos sempre existe um número rcionl. Demonstrção: Provemos primeir firmção. Sejm x e y dois números reis distintos. Sem perd de generlidde suponhmos x < y. Assim y x > 0. Observe que é possível encontrrmos números nturis n, m tis que n (y x) > m (y x) > (este fto é conhecido como Princípio de Arquimedes). Dest form temos que x < x + n < y x < x + n < y e ssim se x for irrcionl, ssim será x + n e se x for rcionl então x + n será irrcionl. De qul quer form conseguimos encontrr um irrcionl entre x e y. Provemos segund firmção. Sejm x e y dois números reis distintos. Inicilmente observemos que se x < 0 < y então nd temos pr provr pois 0 é rcionl. Suponhmos 0 < x < y. Assim y x > 0. Novmente plicndo o princípio de Arquimedes encontrmos um nturl n tl que Sej j tl que Notemos que j + n n(y x) > nx > j n x < j + n = j n + < x + (y x) = y n Logo bst tomrmos j+ n. Se x < y < 0 então 0 < y < x e pelo primeiro cso encontrmos um rcionl entre y e x. O simétrico deste rcionl será o rcionl procurdo. 6

7 Exercícios: As proprieddes que destcmos cim são suficientes pr deduzirmos um série de outrs, conforme os exercícios bixo. ) Prove que quisquer que sejm os reis x, y, z x + z = y + z x = y. ) Prove que quisquer que sejm os reis x, y, z, w { 0 x y xz yw. 0 z w 3) Prove que quisquer que sejm os reis x, y, z, w tem-se: )x < y x + z < y + z. b)z > 0 z > 0. c)z > 0 z < 0. d)z > 0, x < y xz < yz. e)z < 0, x < y xz > yz. { 0 x < y f) xz < yw 0 z < w g)0 < x < y 0 < y < x h)x < y ou x = y ou y < x. i)xy = 0 x = 0 ou y = 0. 4) Suponh x 0 e y 0. Prove que: )x < y x < y. b)x y x y c)x < y x < y.. Sequêncis de Números Reis Nest seção estudremos funções reis de um vriável rel cujo domínio é um subconjunto do conjunto dos números nturis. Tis funções recebem o nome de sequêncis. Não dremos um trtmento nlítico completo o ssunto, pens iremos introduzir o conceito e provremos s principis proprieddes. Definição: Um sequênci de números reis é um função f : A N R 7

8 Notção: Denotmos ( n ) onde f(n) = n. Em gerl presentremos sequênci pel lei de definição e considerremos o domínio como o mior subconjunto de N onde tem sentido lei de definição. Exemplos: ) ( n ) dd por n = n é sequênci formd pelos números,, 3,... ) ( n ) dd por n = é sequênci constnte,,,... 3) ( n ) dd por n = ( ) n é sequênci,,,,... Definição: Diz-se que um sequênci ( n ) converge pr um número L ou tem limite L se, ddo qulquer número ε > 0, é sempre possível encontrr um número nturl N tl que Denotmos n > N n L < ε. lim n = L ou n L. n + Intuitivmente dizer que ( n ) converge pr L signific dizer que os termos d sequênci proximm-se de L qundo n cresce. Exemplo: A sequênci ( n ) dd por n = n converge pr 0. De fto, ddo ε > 0, tommos N o primeiro número nturl mior que ε e temos que n > N n > ε n < ε. Definição: Qundo um sequênci não converge diz-se que el diverge ou que é divergente. Exemplos: ) A sequênci ( n ) dd por n = ( ) n é divergente. De fto, seus termos oscilm entre e. ) A sequênci ( n ) dd por n = n é divergente. De fto, seus termos crescem indefinidmente. Definição: Um sequênci ( n ) é dit limitd se existir um número rel K > 0 tl que n K, n. Exemplos: ) As sequêncis dds por n = n, n = cos n são exemplos de sequêncis limitds. ) A sequênci ( n ) dd por n = n não é limitd. Observção: Ser limitd não é o mesmo que ter limite. Se um sequênci for convergente então el será limitd ms nem tod sequênci limitd é convergente. De fto, considere por exemplo sequênci ( n ) dd por n = ( ) n. 8

9 Definição: ) Se < < 3 <... então ( n ) é dit MONÓTONA CRESCENTE. ) Se 3... então ( n ) é dit MONÓTONA NÃO DECRES- CENTE. 3) Se > > 3 >... então ( n ) é dit MONÓTONA DECRESCENTE. 4) Se 3... então ( n ) é dit MONÓTONA NÃO CRES- CENTE. Teorem: Tod sequênci monóton limitd é convergente. Demonstrção:Vmos provr que tod sequênci não decrescente e limitd converge pr seu extremo superior e deixremos os demis csos como exercício. Sej K > 0 tl que 3... K Assim temos que o conjunto { n n N} é limitdo superiormente.pel propriedde do supremo temos que existe L R tl que L = sup{ n n N}. Afirmmos que L = lim n. n + De fto, ddo ε > 0 temos que L ε não é um cot superior de { n n N} e ssim exite N > 0 tl que N > L ε e portnto n > N L ε < N n < L < L + ε n L < ε. Um importnte plicção: O número e Vmos provr que: ) A sequênci dd por n = ( + ) n n é crescente e limitd e portnto convergente. ) Sendo ( n ) convergente, escrevemos e = lim n n 9

10 e provmos que < e < 3. ) Inicilmente mostremos que sequênci é crescente. Vmos provr que, pr todo n temos Temos ( ) n+ + n+ ( ) + n = n = = ( ( n+ n >. ) n+ ( ) n+ n+ n+ n+ n+ ( n+ ) n = ( n+ ) n+ n n n n+ ) n+ n+ n n+ n+ n = n n+ n+ ( (n+) (n+) ) n+ n n+ = = ( n +n (n+) ) n+ Aplicndo desiguldde de Bernoulli em temos ( ) + (n + ) (n+) > n = n+ n n+ n+ = ( (n+) ) n+ n n+ =. Logo sequênci é crescente. Provemos gor que sequênci é limitd. Temos ( + ) n = + n. n(n ) +. n (n )... (n (k )) n n n k! = + + ( n = ) k! ( n )( n ( )... k n )... + n! ( n )( n )... ( n n Por indução é fácil provr que Assim n!, n N. n ( + ) n + + n n = + ( n ) < 3. n k n n = ) + Concluímos que < ( + n) n < 3. 0

11 ) Como (( + n) n ) é convergente escrevemos ( e = lim + n. n n) Limites de Funções Reis Definids em Intervlos. Introdução Neste cpítulo introduziremos o conceito de limite. Restringiremos nosso estudo pr s funções reis definids em intervlos. Deixremos pr o curso de Análise Mtemátic o estudo de limites qundo s funções estão definids em um subconjunto qulquer d ret. Tods s funções que considerremos neste cpítulo são do tipo f : I R onde I é um união de intervlos. Definição: Dizemos que f : I R está definid em um vizinhnç de p, exceto possivelmente em p, se existir lgum r > 0 tl que e (p r, p) I (p, p + r) I. Exemplos: ) Um função definid em um intervlo berto f : (, b) R está definid em um vizinhnç de p, qulquer que sej p (, b). ) Um função definid em um intervlo fechdo f : [, b] R está definid em um vizinhnç de p, qulquer que sej p (, b). Note que f não está definid em um vizinhnç de e nem em um vizinhnç de b. O mesmo permnece válido pr qulquer outr combinção de ( ou [.(verifique isso). 3) Consideremos f : R\{} R dd por f(x) = x x. Observe que f está definid em um vizinhnç de, exceto no ponto.. Definição de Limite Definição: Sej f : I R um função definid em um vizinhnç de p, exceto possivelmente em p. Dizemos que o limite de f(x) o x tender p é igul L R se pr qulquer ε > 0 existir δ > 0 tl que pr 0 < x p < δ tem-se f(x) L < ε. Denotmos lim f(x) = L. x p

12 Intuitivmente definição cim está nos dizendo que medid que x proxim-se de p temos que f(x) proxim-se de L : ε > 0, δ > 0, 0 < x p < δ f(x) L < ε Exemplos: ) Sej k R um constnte e p R. Provemos que lim x p k = k. De fto, ddo ε > 0 existe δ = tl que 0 < x p < k k = 0 < ε. ) Provemos que lim x 3 (x 4) =. De fto, ddo ε > 0 existe δ = ε 0 < x 3 < ε x 6 < ε (x 4) < ε. tl que 3) Observe que o vlor que função ssume no ponto { p não influenci seu x + 4, se x limite o x tender p. Sej f : R R dd por f(x) =. 7, se x = Temos que lim f(x) = 3. De fto, ddo ε > 0 existe δ = ε tl que x 6 x 0 < x < ε x < ε f(x) 3 < ε. 4) Sej f : R\{ 4} R dd por f(x) = 6 x. Temos que pr x 4, x+4 = 4 x e ssim lim f(x) = x 4 tommos δ = ε e temos lim x 4 x+4 (4 x) = 8. De fto, ddo ε > 0 0 < x ( 4) < ε 0 < x + 4 < ε 4 x 8 = x + 4 < ε. Podemos crcterizr o limite de funções reis utilizndo sequêncis de números reis. Teorem : Sejm f um função definid em um vizinhnç de p R exceto possivelmente em p e L R. Vle que lim f(x) = L se e somene se x p (x n ) tl que x n p, x n p, tem-se f (x n ) L. Demonstrção: Suponhmos que lim x p f(x) = L. Sej x n tl que x n p. Provemos que f (x n ) L. Sej ε > 0. Então existe δ > 0 tl que 0 < x p < δ f (x) L < ε. Como x n p, x n p temos que exite N nturl tl que n > N 0 < x n p < δ f (x n ) L < ε.

13 Reciprocmente, suponhmos que (x n ) tl que x n p, x n p, tem-se f (x n ) L. Provemos que lim x p f(x) = L. Se isto não fosse verdde existiri ε > 0 tl que pr qulquer δ > 0 existiri x tl que 0 < x p < δ e f (x) L > ε. Tomndo δ = n existiri x n tl que 0 < x n p < n e f (x n) L > ε. Ms dí terímos x n p, x n p e no entnto f (x n ) não estri convergindo pr L. Logo lim f(x) = L. x p.3 Unicidde, Conservção de Sinl e Limitção Começremos est seção provndo unicidde do limite. Teorem: Sej f um função definid em um vizinhnç de p R exceto possivelmente em p. Se existe L R tl que lim f(x) = L então L é único. x p Demonstrção:Suponhmos que lim x p f(x) = M.Vmos provr que L = M. Suponhmos que L M. Sem perd de generlidde podemos supor L < M. Tomemos ε = M L. Assim existe δ > 0 tl que 0 < x p < δ f(x) L < M L Por outro ldo existe δ > 0 tl que 0 < x p < δ f(x) M < M L Tomndo δ = min{δ, δ } temos que e isto é um bsurdo. Logo L = M. 0 < x p < δ M + L f(x) < M + L. f(x) > M + L. < f(x) < M + L A seguir provremos que existênci de lim x p f(x) implicrá n limitção d função em um vizinhnç do ponto p. 3

14 Teorem: Sej f um função definid em um vizinhnç de p R exceto possivelmente em p. Se existe L R tl que lim f(x) = L então existem δ > 0 x p e M > 0 tis que 0 < x p < δ f(x) < M. Demonstrção: Tomndo ε = n definição de limite temos que δ > 0, 0 < x p < δ f(x) L < D desiguldde tringulr temos e portnto f(x) L f(x) L f(x) + L. Logo bst tomrmos M = + L e δ como cim. Vmos provr gor o teorem d conservção do sinl. Em sum o teorem irá nos dizer que o limite tem que ter o mesmo sinl d função em um vizinhnç do ponto ou ser nulo. Teorem: Sejm f um função definid em um vizinhnç de p R, exceto possivelmente em p, e L R tis que lim f(x) = L. x p ) Se L > 0 então existe δ > 0 tl que 0 < x p < δ f(x) > 0. b) Se L < 0 então existe δ > 0 tl que 0 < x p < δ f(x) < 0. Demonstrção: Vmos provr ) e deixremos como exercício prov de b). Tommos ε = L e temos que existe δ > 0 tl que Segue que f(x) > L > 0. 0 < x p < δ f(x) L < L. 4

15 .4 Cálculo de Limites Nest seção demonstrremos lgums proprieddes opercionis que fcilitrão o cálculo de limites. Teorem: Sejm f e g funções definids em um vizinhnç de um ponto p R, exceto possivelmente em p;l, M R tis que lim f(x) = L e x p lim g(x) = M e k um constnte rel. x p Então: ) Existe lim (f(x) + g(x)) e lim (f(x) + g(x)) = L + M. x p x p b) Existe lim (f(x) g(x)) e lim (f(x) g(x)) = L M. x p x p c) Existe lim (f(x).g(x)) e lim (f(x).g(x)) = L.M. x p x p lim kf(x) = kl. x p d) Existe lim x p kf(x) e e) Se M 0, existe lim x p f(x) g(x) e lim f(x) x p g(x) = L M. Demonstrção: ) Sej ε > 0. De cordo com noss hipótese temos que existem δ > 0 e δ > 0 tis que Tomndo δ = min{δ, δ } temos que 0 < x p < δ f(x) L < ε, 0 < x p < δ g(x) M < ε. 0 < x p < δ f(x) + g(x) (L + M) < < f(x) L + g(x) M < ε + ε = ε. b) Deixmos como exercício. d) Se k = 0 então é trivil. Suponhmos k 0. Sej ε > 0. D noss hipótese temos que existem δ > 0 tl que Assim temos δ = δ > 0 tl que 0 < x p < δ f(x) L < ε k. 0 < x p < δ kf(x) kl = k f(x) L < k 5 ε k = ε.

16 c) Inicilmente observemos que f(x).g(x) = 4 [(f(x)+g(x)) (f(x) g(x)) ]. Provemos que, dd um função h definid em um vizinhnç de p, exceto possivelmente em p, e stisfzendo lim h(x) = N temos lim h(x) = N. De x p x p fto, de cordo com o teorem d limitção, temos Além disso, ddo ε > 0, temos δ > 0, K > 0 tis que 0 < x p < δ h(x) < K. δ > 0 tl que 0 < x p < δ h(x) N < Tommos δ stisfzendo δ = min{δ, δ } temos ε K + N. 0 < x p < δ h(x) N = h(x) N h(x) + N < < ε ε ( h(x) + N ) < (K + N ) K + N K + N = ε. Dest form lim (f(x).g(x)) = lim x p x p 4 [(f(x) + g(x)) (f(x) g(x)) ] = Pel propriedde d) temos e pel propriedde b) = 4 lim x p [(f(x) + g(x)) (f(x) g(x)) ] = = 4 lim x p (f(x) + g(x)) 4 lim x p (f(x) g(x)) = e plicndo o que cbmos de provr = 4 ( lim x p (f(x) + g(x))) 4 ( lim x p (f(x) g(x))) = e voltndo plicr ) e b) finlmente temos = 4 [(L + M) (L M) ] = LM. e) Pr provrmos e) é suficiente provrmos que lim f(x) g(x) = f(x). g(x) e sbemos operr o produto por d). Sej ε > 0. Como lim g(x) = M 0 temos que x p δ > 0 tl que 0 < x p < δ g(x) M < M 6 x p g(x) = M g(x) > M. De fto

17 Por outro ldo δ > 0 tl que 0 < x p < δ g(x) M < M ε Tomndo δ = min{δ, δ } temos 0 < x p < δ g(x) M < = g(x) M g(x) M M g(x) M < M M ε = ε O Teorem do Confronto ( Teorem do Snduíche ): Sejm f, g, h funções definids em um vizinhnç de p, exceto possivelmente em p, stisfzendo: ) f(x) g(x) h(x), pr todo x nest vizinhnç, b) Existem os limites lim f(x), lim h(x) e x p x p c) lim f(x) = lim h(x) = L. x p x p Então existe lim g(x) e lim g(x) = L. x p x p < e Demonstrção: Sej ε > 0. Por c) temos: δ > 0 tl que 0 < x p < δ f(x) L < ε δ > 0 tl que Tommos δ = min{δ, δ } e temos 0 < x p < δ h(x) L < ε 0 < x p < δ L ε < f(x) g(x) h(x) < L + ε g(x) L < ε Exercício: Prove que lim f(x) = 0 lim f(x) = 0. x p x p Exemplo: lim x 0 x cos x = 0. De fto, vmos mostrr que lim x 0 x cos x = 0. Temos que 0 x cos x x e pelo teorem do confronto segue o resultdo. 7

18 .5 Limites Lteris Nest seção iremos estudr limites qundo x proxim-se de um ponto p ssumindo somente vlores miores (ou menores) que p. Definição: )Dizemos que f : I R está definid em um vizinhnç à direit de p, exceto possivelmente em p, se existir lgum r > 0 tl que (p, p + r) I. b)dizemos que f : I R está definid em um vizinhnç à esquerd de p, exceto possivelmente em p, se existir lgum r > 0 tl que (p r, p) I. Exemplos: ) Um função definid em um intervlo berto f : (, b) R está definid em um vizinhnç à direit de p e em um vizinhnç à esquerd de p, qulquer que sej p (, b). ) Um função definid em um intervlo fechdo f : [, b] R está definid em um vizinhnç à direit de p, qulquer que sej p [, b) e está definid em um vizinhnç à esquerd de p, qulquer que sej p (, b]. Note que f não está definid em um vizinhnç à esquerd de e nem em um vizinhnç à direit de b. O mesmo permnece válido pr qulquer outr combinção de ( ou [.(verifique isso). 3) É imedito verificrmos que um função f está definid em um vizinhnç de p se e somente se está definid em um vizinhnç à esquerd de p e em um vizinhnç à direit de p. Definição: ) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç à direit de p, exceto possivelmente em p. Dizemos que o limite de f(x) o x tender p pel direit é igul L R se pr qulquer ε > 0 existir δ > 0 tl que pr x (p, p + δ) tem-se f(x) L < ε. Denotmos lim f(x) = L. x p + b) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç à esquerd de p, exceto possivelmente em p. Dizemos que o limite de f(x) o x tender p pel esquerd é igul L R se pr qulquer ε > 0 existir δ > 0 tl que pr x (p δ, p) tem-se f(x) L < ε. Denotmos lim x p f(x) = L. Observção: Tods s proprieddes provds ns seções nteriores com relção unicidde, conservção de sinl e limitção permnecem válids pr limites lteris, com s devids lterções.tmbém permnecem válids s proprieddes opercionis provds n seção nterior. 8

19 Teorem: Sej f : I R um função definid em um vizinhnç de um ponto p exceto possivelmente em p. Vle que lim f(x) lim f(x), lim f(x) e x p x p + x p Deixmos prov do resultdo cim como exercício..6 Limites no Infinito lim f(x) = lim f(x). x p x p + Nest seção iremos estudr o comportmento de lgums funções qundo vriável ssume vlores rbitrrimente grndes. Definição: ) Dizemos que um função f : I R está definid em um vizinhnç de + se existir R tl que (, + ) I. b) Dizemos que um função f : I R está definid em um vizinhnç de se existir R tl que (, ) I. Exemplos: ) Qulquer função f : R R está definid em vizinhnçs de + e de. b) Qulquer função f : [b, + ) R ou f : (b, + ) R está definid em um vizinhnç de + ms não está definid em um vizinhnç de. c) Qulquer função f : (, b] R ou f : (, b) R está definid em um vizinhnç de ms não está definid em um vizinhnç de +. Definição: ) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç de +. Dizemos que o limite de f(x) o x tender + é L R e denotmos lim f(x) = L x + se pr todo ε > 0 existir x 0 > 0 tl que x > x 0 f(x) L < ε. b) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç de. Dizemos que o limite de f(x) o x tender é L R e denotmos lim f(x) = L x se pr todo ε > 0 existir x 0 < 0 tl que x < x 0 f(x) L < ε. Exemplo: Vmos provr que lim x + x = 0. De fto, ddo ε > 0 tommos x 0 = ε e temos x > x 0 x > ε 0 < x < ε x < ε. 9

20 Exercício: Sejm f : I R um função definid em um vizinhnç de + e L R tl que lim f(x) = L. Prove que existem x 0 > 0 e M > 0 tis x + que x > x 0 f(x) < M. A seguir estbelecemos lgums proprieddes opercionis dos limites no infinito. Teorem: Sejm f e g funções definids em um vizinhnç de + ; L, M R tis que lim f(x) = L e lim g(x) = M e k um constnte rel. x + x + Então: ) Existe lim (f(x) + g(x)) e lim x + (f(x) g(x)) e lim b) Existe lim x + c) Existe lim (f(x).g(x)) e x + d) Existe lim kf(x) e lim x + e) Se M 0, existe lim x + (f(x) + g(x)) = L + M. x + (f(x) g(x)) = L M. x + lim x + x + f(x) g(x) e (f(x).g(x)) = L.M. kf(x) = kl. lim f(x) x + g(x) = L M. Demonstrção: ) Sej ε > 0. De cordo com noss hipótese temos que existem x > 0 e x > 0 tis que x > x f(x) L < ε Tomndo x 0 = mx{x, x } temos que x > x g(x) M < ε x > x 0 f(x) + g(x) (L + M) < < f(x) L + g(x) M < ε + ε = ε. b) Deixmos como exercício. d) Se k = 0 então é trivil. Suponhmos k 0. Sej ε > 0. D noss hipótese temos que existem x 0 > 0 tl que Assim temos x > x 0 f(x) L < ε k. x > x 0 kf(x) kl = k f(x) L < k ε k = ε. c) Inicilmente observemos que f(x).g(x) = 4 [(f(x)+g(x)) (f(x) g(x)) ]. 0

21 Provemos que, dd um função h definid em um vizinhnç de +, e stisfzendo lim h(x) = N temos lim x + x + h(x) = N. De fto, pelo exercício cim, Além disso, ddo ε > 0, temos x > 0, K > 0 tis que x > x h(x) < K x > 0 tl que x > x h(x) N < Tommos x 0 stisfzendo x 0 = mx{x, x } temos Dest form ε K + N x > x 0 h(x) N = h(x) N h(x) + N < < ε ε ( h(x) + N ) < (K + N ) K + N K + N = ε. lim (f(x).g(x)) = lim x + x + 4 [(f(x) + g(x)) (f(x) g(x)) ] = Pel propriedde d) temos = 4 e pel propriedde b) = 4 lim [(f(x) + x + g(x)) (f(x) g(x)) ] = lim (f(x) + x + g(x)) 4 lim (f(x) x + g(x)) = e plicndo o que cbmos de provr = 4 ( lim x + (f(x) + g(x))) 4 ( lim x + (f(x) g(x))) = e voltndo plicr ) e b) finlmente temos = 4 [(L + M) (L M) ] = LM e) Pr provrmos e) é suficiente provrmos que lim f(x) g(x) = f(x). g(x) Sej ε > 0. Como lim x + e sbemos operr o produto por d). g(x) = M 0 temos que x > 0 tl que x > x g(x) M < M x + g(x) > M g(x) = M. De fto

22 Por outro ldo x > 0 tl que x > x g(x) M < M ε Tomndo x 0 = mx{x, x } temos x > x 0 g(x) M < = g(x) M g(x) M M g(x) M < M M ε = ε Observe que o resultdo cim continu válido se considerrmos x. <.7 Limites Infinitos Nest seção estudremos os limites infinitos. Neste cso os vlores de f(x) é que ssumem vlores rbitrrimente grndes medid que x proxim-se de lgum ponto p ou de ±. Definição: ) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç à direit de p R. Dizemos que o limite de f(x) o x tender à p pel direit é igul + e denotmos lim f(x) = + x p + se pr todo M > 0 existir um δ > 0 tl que x (p, p + δ) f(x) > M. b) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç à direit de p R. Dizemos que o limite de f(x) o x tender à p pel direit é igul e denotmos lim f(x) = x p + se pr todo M > 0 existir um δ > 0 tl que x (p, p + δ) f(x) < M. c) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç à esquerd de p R. Dizemos que o limite de f(x) o x tender à p pel esquerd é igul + e denotmos lim x p f(x) = + se pr todo M > 0 existir um δ > 0 tl que x (p δ, p) f(x) > M.

23 d) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç à esquerd de p R. Dizemos que o limite de f(x) o x tender à p pel esquerd é igul e denotmos lim x p f(x) = se pr todo M > 0 existir um δ > 0 tl que x (p δ, p) f(x) < M. e) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç de +. Dizemos que o limite de f(x) o x tender à + é igul + e denotmos lim f(x) = + x + se pr todo M > 0 existir um N > 0 tl que x > N f(x) > M. f) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç de +. Dizemos que o limite de f(x) o x tender à + é igul e denotmos lim f(x) = x + se pr todo M > 0 existir um N > 0 tl que x > N f(x) < M. g) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç de. Dizemos que o limite de f(x) o x tender à é igul + e denotmos lim f(x) = + x se pr todo M > 0 existir um N > 0 tl que x < N f(x) > M. h) Sej f : I R um função definid em um vizinhnç de. Dizemos que o limite de f(x) o x tender à é igul e denotmos lim f(x) = x se pr todo M > 0 existir um N > 0 tl que Exemplos: ) Provemos que lim x 0 + x = +. x < N f(x) < M. 3

24 De fto, ddo M > 0 existe δ = M x (0, tl que M ) x > M. ) Provemos que lim x x =. De fto, ddo M > 0 tommos δ = min{ M, } e temos x ( δ, ) x ( δ, 0) x < δ < M. A seguir presentmos ritmétic do infinito isto é, estbelecemos s relções entre os limites infinitos e s operções. Deixmos prov do teorem como exercício. Teorem: Sejm f, g : I R definids num vizinhnç de p R, exceto possivelmente em p. Vlem s seguintes tbels: TABELA I lim x p lim g(x) x p lim (f (x) + g(x) x p indeterminção α R + + α R TABELA II lim x p lim g(x) x p lim f (x).g(x) x p indeterminção 0 indeterminção α > α > 0 α < 0 + TABELA III f(x) g(x) lim x p x p x p α R + 0 α R indeterminção + indeterminção α > α > 0 0 α < α <

25 Observção: Indeterminção signific que nd se pode firmr sobre o limite em questão. Depende de f e g em cd cso prticulr. O teorem continu válido pr vizinhnç à direit de p x p + vizinhnç à esquerd de p x p vizinhnç de + x + vizinhnç de x.8 Limite de Funções Composts Pr encerrrmos este cpítulo veremos como procedermos o clculo de limite de composts de funções. Teorem: Sejm f : I R e g : I R funções definids em um vizinhnç de p R e R, respectivmente, stisfzendo: ) f(i ) I ; b) lim f(x) = ; x p c) lim g(u) = L; u d) Existe r > 0 tl que f(x) pr 0 < x p < r. Então lim g(f(x)) = lim g(u) = L. x p u Demonstrção: Sej ε > 0. Como lim u g(u) = L temos que existe δ > 0 tl que 0 < u < δ g(u) L < ε. Além disso, como lim x p f(x) = existe δ > 0 tl que Tomndo δ = min{δ, r} temos 0 < x p < δ f(x) < δ. 0 < x p < δ 0 < f(x) < δ g(f(x)) L < ε. O teorem cim permnece válido pr limites lteris, com s devids dptções. Fç isso como exercício. Exemplo: Observe importânci d hipótese d). Consideremos o seguinte exemplo: f(x) =, x R { u +, u g(u) = 3, u = 5

26 Temos lim x = lim u = e no entnto lim g(f(x)) = 3 lim g(u). x u Teorem: Sejm f : I R e g : I R funções definids em um vizinhnç do + e em um vizinhnç de R (exceto possivelmente em ), respectivmente, e L R stisfzendo: ) f(i ) I ; b) lim x + f(x) = ; c) Existe N > 0 tl que pr x > N tem-se f(x). d) lim g(u) = L. u Então lim x + g(f(x)) = lim u g(u) = L. Demonstrção: Sej ε > 0. Como lim u g(u) = L temos que existe δ > 0 tl que 0 < u < δ g(u) L < ε. Como lim f(x) = existe N > 0 tl que x + Tomndo N = mx{n, N } temos x > N f(x) < δ. x > N 0 < f(x) < δ g(f(x)) L < ε. O teorem permnece válido considerrmos x. 3 Continuidde de Funções Reis de Vriável Rel 3. Definição de Continuidde Neste cpítulo introduziremos o conceito de continuidde. Restringiremos nosso estudo pr s funções reis definids em intervlos. Deixremos pr o curso de Análise Mtemátic o estudo d continuidde qundo s funções estão definids em um subconjunto qulquer d ret. Tods s funções que considerremos neste cpítulo são do tipo f : I R onde I é um união de intervlos. 6

27 Definição: ) Um função f : I R é dit contínu em p I se pr todo ε > 0 existir δ > 0 tl que x I (p δ, p + δ) f(x) f(p) < ε. b) Um função f : I R é dit contínu se o for em todos os pontos de seu domínio. c) Um função f : I R é dit descontínu em p I se f não é contínu em p. Observções: A verificção d continuidde de funções definids em intervlos (, b) ou [, b] é um pouco mis simples: ) De cordo com definição cim, temos que f : (, b) R é contínu se existir lim f(x), pr todo p (, b) e ind lim f(x) = f(p). Em prticulr, x p x p usndo crcterizção de limites por sequêncis terímos que f é contínu em p se e somente se (x n ) tl que x n p tem-se f (x n ) f (p). ) De cordo com definição cim, temos que f : [, b] R é contínu se: ) Existe lim f(x), pr todo p (, b) e lim f(x) = f(p); x p x p b) Existe lim f(x) e lim f(x) = f(); x + x + c) Existe lim f(x) e lim f(x) = f(b). x b x b 3. Operções com Funções e Continuidde Os resultdos que obteremos nest seção são demonstrdos d mesm form que os nálogos pr limites. Teorem: Sejm f : I R, g : I R funções contínus em p I e k R um constnte. Então: ) f + g é contínu em p. b) f g é contínu em p. c) f.g é contínu em p. d) Se g(p) 0 então f g é contínu em p. e) kf é contínu em p. Um consequênci imedit do resultdo cim é: Corolário: ) Tod função polinomil é contínu. b) Tod função rcionl é contínu. Demonstrção: 7

28 ) De fto, se f é polinomil então existe um polinômio p(x) = 0 + x n x n tl que f(x) = p(x), pr todo x R. Como s funções dds por x m, m N, são contínus, segue do teorem cim que s funções dds por j x j, j {0,,..., n}, tmbém o são. Como som de funções contínus é contínu, segue que tod função polinomil é contínu. b) De fto, se f é um função rcionl, então existem polinômios p, q tis que f(x) = p(x) q(x). Como o quociente de funções contínus é contínu, desde que o polinômio do denomindor não se nule, segue que tod função rcionl é contínu pois o é em todos os pontos de seu domínio. Teorem: Sejm f : I R e g : I R stisfzendo que f(i ) I, f é contínu em p I e que g é contínu em f(p). Então g f é contínu em p. Demonstrção: Sej ε > 0. Como g é contínu em f(p) temos que existe δ > 0 tl que u I (f(p) δ, f(p) + δ ) g(u) g(f(p)) < ε. Como f é contínu em p temos que existe δ > 0 tl que x I (p δ, p + δ) f(x) I, f(x) f(p) < δ f(x) I (f(p) δ, f(p) + δ ) g(f(x)) g(f(p)) < ε. 3.3 Algums Proprieddes ds Funções Contínus Nest seção provremos lguns resultdos sobre conservção de sinl e sobre continuidde de funções monótons. Teorem: Sej f : I R um função contínu em p I. Se f(p) > 0 então existe δ > 0 tl que x I (p δ, p + δ) f(x) > 0. Demonstrção: Como f(p) > 0, tommos ε = f(p) e temos que existe δ > 0 tl que x I (p δ, p + δ) f(x) f(p) < f(p) f(x) > f(p) > 0. 8

29 Teorem: Sej f : I R um função contínu em p I. Se f(p) < 0 então existe δ > 0 tl que x I (p δ, p + δ) f(x) < 0. Demonstrção: Como f(p) < 0, tommos ε = f(p) e temos que existe δ > 0 tl que x I (p δ, p+δ) f(x) f(p) < f(p) f(x) < f(p) f(p) = f(p) < 0. Teorem: Se f : I R for crescente (ou decrescente) e lém disso tnto imgem qunto o domínio de f forem intervlos então f é contínu. Demonstrção: Sem perd de generlidde vmos supor que f é crescente. Ddo p I, provemos continuidde de f em p. Sej ε > 0. Suponhmos tmbém que f(p) não sej extremidde do intervlo que é imgem. Como f(i) é um intervlo então existem x, x I tis que f(x ) = f(p) ε e f(x ) = f(p) + ε. Assim bst tomrmos δ = min{p x, x p} e temos x p < δ f(p) ε = f(x ) < f(x) < f(x ) = f(p) + ε. Deixmos como exercício o cso gerl. Corolário: As funções trigonométrics inverss são contínus. Demonstrção: É imedito pelo teorem cim, visto que loclmente tods s trigonométrics inverss são crescentes ou decrescentes e seus domínios e imgens são intervlos. 3.4 O Teorem do Vlor Intermediário Nest seção estudremos o principl teorem reltivo continuidde. O seu enuncido é bstnte simples ms s consequêncis são extremmente importntes. Imgine um função que sej contínu em um intervlo [, b]. Suponhmos que d está entre f() e f(b). Como função é contínu o seu gráfico pode ser desenhdo sem que soltemos o lápis. De fto, continuidde impede que o gráfico presente sltos. Dest form não tem como sirmos de (, f()) e chegrmos em (b, f(b)) sem que no cminho pssemos por um ponto que tenh ordend d. Logo concluímos que deve existir lgum ponto c em [, b] tl que f(c) = d. Est é conclusão do Teorem do Vlor Intermediário. Vmos enuncir este teorem. Teorem do Vlor Intermediário: Sejm f : [, b] R contínu e d entre f() e f(b). Então existe c [, b] tl que f(c) = d. 9

30 Demonstrção : Dividiremos prov em dois csos. o Cso: Suponhmos que f() < 0 e que f(b) > 0 e mostremos que existe c [, b] tl que f(c) = 0. Fçmos 0 = e b 0 = b. Consideremos c 0 o ponto médio de [ 0, b 0 ]. Clculmos f(c 0 ). Se f(c 0 ) < 0 então definimos = c 0 e b = b 0 ( se f(c 0 ) = 0 não temos mis o que provr e se f(c 0 ) > 0 então definimos = 0 e b = c 0 ). Em seguid considermos c o ponto médio de [, b ] e repetimos o processo cim. Prosseguindo com este rciocínio, construiremos um sequênci de intervlos encixntes [ 0, b 0 ] [, b ]... [ n, b n ]... tis que f( n ) < 0 e f(b n ) > 0. Além disso b n n proxim-se de zero qundo n cresce indefinidmente. O Teorem dos Intervlos Encixntes nos que diz que existe um único c R tl que, pr todo n, n c b n. A continuidde d f nos grnte que f(c) = 0 pois se fosse diferente de zero o teorem d conservção do sinl implicri que f( n ) e f(b n ) terim o mesmo sinl pr n suficientemente grnde, já que distânci de n b n tende zero. D mesm form, se f() > 0 e f(b) < 0 existe c [, b] tl que f(c) = 0. Logo, se f for contínu em [, b] e se f() e f(b) tiverem sinis contrários, então existirá pelo menos um c em [, b] tl que f(c) = 0. o Cso: Cso Gerl. Sem perd de generlidde, suponhmos que f() < d < f(b). Consideremos função g(x) = f(x) d. Obvimente g é contínu e g() < 0, g(b) > 0. Pelo o cso existe c [, b] tl que g(c) = 0. Logo f(c) = d. Exemplos: ) Prove que x 3 4x + 8 = 0 tem pelo menos um riz rel. Considere f : [ 3, 0] R dd por f(x) = x 3 4x + 8. Como f é polinomil segue que f é contínu. Além disso, f( 3) = 7 < 0, f(0) = 8 > 0. Logo pelo Teorem do Vlor Intermediário, c [ 3, 0] tl que f(c) = 0. Logo o polinômio cim dmite um riz rel. ) Todo polinômio de gru ímpr dmite um riz rel. De fto, sej p(x) = n x n + n x n x + 0 com n ímpr. Suponhmos, sem perd de generlidde, que n > 0. Provemos inicilmente que p(x) = + e lim p(x) =. lim x + x 30

31 Temos lim p(x) = lim ( nx n + n x n x + 0 ) = x ± x ± = lim nx n ( + n x ± n x n x n + 0 n x n ) = = ±. Logo existem e b tis que p() < 0, p(b) > 0. Aplicndo o TVI em [, b] segue o resultdo. 3.5 O Teorem de Weierstrss Nest seção demonstrremos outr importnte propriedde ds funções contínus. Provremos que se um função for contínu em um intervlo fechdo [, b] então el ssumirá um vlor máximo e um vlor mínimo. Teorem d Limitção: Se f : [, b] R é contínu então existe M > 0 tl que f(x) < M, x [, b]. Demonstrção: Suponhmos que não exist um M > 0 stisfzendo o que é desejdo. Chmmos =, b = b. Deve então existir x [, b ] tl que f(x ) >. Sej c o ponto médio de [, b ]. Como f não é limitd em [, b ] então f não será limitd em [, c ] ou em [c, b ]. Sem perd de generlidde, suponhmos que f não é limitd em [c, b ]. Chmmos = c, b = b. Como f não é limitd em em [, b ] existe x [, b ] tl que f(x ) >. Prosseguindo com este rciocínio construímos um sequênci [, b ]... [ n, b n ]... stisfzendo que distânci b n n está se proximndo de zero qundo n cresce e que, pr todo nturl n, existe x n [ n, b n ] com f(x n ) > n. Pelo T. I. Encixntes, existe c, o único rel tl que c [ n, b n ], pr todo n N. É clro que x n está convergindo pr c e que f(x n ) está divergindo pr o infinito. Pel continuidde de f terímos que lim f(x) = +. Observemos x c que isto é um bsurdo. Logo existe M > 0 tl que f(x) < M, x [, b]. 3

32 Teorem de Weierstrss: Se f : [, b] R é contínu existem x e x em [, b] tis que f(x ) f(x) f(x ), pr qulquer x [, b]. Demonstrção : Sendo f contínu em [, b], pelo teorem nterior f será limitd em [, b]. Assim o conjunto A = {f(x) x [, b]} dmite supremo e ínfimo. Sejm M = sup A, m = inf A. Está clro que m f(x) M. Rest-nos provr que existem x e x tis que f(x ) = m e f(x ) = M. Observe que se f(x) < M pr todo x então função dd por g(x) =, x [, b] M f(x) seri contínu ms não seri limitd. Logo existe x tl que f(x ) = M. Anlogmente provmos existênci de x. 3.6 Potêncis Irrcionis N seção.3 lembrmos lgums proprieddes ds potêncis rcionis. Ddo m n Q, > 0 definimos b = m n m b n =. O objetivo dest seção é definirmos x, x R. O que signific 3? Sbemos que os rcionis não ocupm todo o espço d ret ms mesmo ssim eles estão presentes em qulquer intervlo, por menor que sej. Assim em qulquer intervlo contendo existem rcionis e nestes sbemos clculr s potêncis. Seri nturl então definirmos 3 como o limite de 3 r, r Q, o r tender. A dúvid que sobr é se esse limite relmente existe. O teorem que iremos enuncir seguir nos grntirá que existe um únic função contínu em R tl que f(r) = 3 r, pr qulquer r Q. Em outrs plvrs, existe um únic mneir de completrmos o pontilhdo do gráfico cim e obtermos um função contínu. Assim iremos definir 3 = f( ) = lim x f(x). Teorem: Ddo > 0, temos que existe um únic função contínu definid em R tl que f(r) = r, r Q. Pr provrmos o teorem cim precisremos de 3 resultdos preliminres. 3

33 Lem : Sej > um rel ddo. Então pr todo ε > 0, existe um nturl n tl que < ε n Demonstrção: Pel desiguldde de Bernoulli Bst tomrmos n > ε. ( + ε) n + nε. Lem : Sejm > e x dois reis ddos. rcionis r e s, com r < x < s tis que Pr todo ε > 0 existem s s < ε. Demonstrção: Tommos t > x, rcionl; ssim, pr qulquer rcionl r < x, tem-se r < t.pelo lem, existe n nturl tl que t ( n ) < ε. Se escolhermos rcionis r e s com r < x < s e stisfzendo s r < n teremos s r = r ( s r ) < t ( n ) < ε. Lem 3: Sej > um rel ddo. Então, pr todo x rel ddo, existe um único rel γ tl que r < γ < s pr quisquer que sejm os rcionis r e s, com r < x < s. Demonstrção: Como o conjunto { r r rcionl, r < x} é não vzio e limitdo superiormente por todo s, s rcionl, tl conjunto dmite um supremo que indicmos por γ. Segue que r < γ < s. Flt provrmos que tl γ é único. De fto, se γ for tl que r < γ < s quisquer que sejm os rcionis r e s, com r < x < s terímos e pelo lem terímos que γ γ < s r γ γ < ε, ε > 0 33

34 e dí γ = γ. Prov do Teorem: Inicilmente vmos supor >. Com relção o lem nterior, se x for rcionl então γ = x. O único γ será indicdo por f (x). Fic construíd, ssim, um função f definid em R, e tl que f (r) = r pr todo rcionl r. Antes de provrmos continuidde de f provemos que f é crescente. Sejm x < x. Temos < f (x ) < s e r r < f (x ) < s quisquer que sejm os rcionis r, s, r e s tis que r < x < s e r < x < s. Assim, sendo s um rcionl com x < s < x temos f (x ) < s < f (x ) o que prov que f é crescente. Vmos provr continuidde de f. Sej p R. Pelo lem ddo ε > 0 existem rcionis r e s com r < p < s tis que Pr todo x (r, s) temos s r < ε. f (x) f (p) < s r < ε o que prov continuidde d f em p. Segue que f é contínu em R. Finlmente se 0 < < bst considerrmos função dd por ( ) x f(x) =. A função f : R R dd por f(x) = x, > 0, é chmd de FUNÇÃO EXPONENCIAL. 4 Derivds de Funções Reis de Vriável Rel 4. Introdução e Definição de Derivd Definição: Sej f : I R, um função definid em I R um união de intervlos bertos. ) Dizemos que f é derivável em p I se existe o limite lim h 0 f(p + h) f(p). h 34

35 Neste cso chmmos tl limite de derivd d f em p e denotmos: f f(p + h) f(p) (p) = lim. h 0 h b) Dizemos que f é derivável em I se o for em todos os pontos de I. Observções: ) Dizer que existe derivd de um função f em um ponto p signific geometricmente que seu gráfico present um ret tngente no ponto (p, f(p)). Isto signific que o gráfico não pode presentr um quin neste ponto. ) Observe que f f(p + h) f(p) f(x) f(p) (p) = lim = lim. h 0 h x p x p De fto bst considerrmos mudnç de vriável x = p + h. Assim pr o cálculo d derivd podemos escolher um dos limites cim. Definição: Ddo um função derivável f : I R definimos função derivd f : I R por f f(x + h) f(x) (x) = lim. h 0 h Teorem: Sej f : I R, um função definid em I R um união de intervlos bertos. Se f é derivável em p I então f é contínu em p. e Demonstrção: Bst provrmos que De fto, temos lim f(x) = f(p). x p lim f(x) = f(p) lim (f(x) f(p)) = 0 x p x p [ ] (f(x) f(p)) lim (f(x) f(p)) = lim. (x p) = x p x p (x p) = f (p).0 = 0. Observção: Ser derivável é condição suficiente pr ser contínu e ser contínu é condição necessári pr ser derivável isto é derivável contínu. A recíproc é fls, isto é, ser derivável não é necessário pr ser contínu e ser contínu não é suficiente pr ser derivável isto é contínu derivável. De fto, considere por exemplo função f : R R dd por f (x) = x. Temos que f é contínu em x = 0 ms não é derivável em x = 0. 35

36 4. Regrs de Derivção Nest seção clculremos derivd d som, d diferenç, do produto e do quociente de funções. Em seguid estudremos derivd d compost de dus funções. Teorem : Sejm I R, um união de intervlos bertos, f, g : I R funções deriváveis em p I e k R um constnte rel. Temos: ) (f ± g) é derivável em p e (f ± g) (p) = f (p) ± g (p). b) (kf) é derivável em p e (kf) (p) = kf (p). c) (fg) é derivável em p e (fg) (p) = f(p)g (p) + f (p) g (p). d) Se g (p) 0 então ( f g ) é derivável em p e Demonstrção: ) A prov se reduz o cálculo do limite ( f g (f ± g) (p) = (f ± g) (p + h) (f ± g) (p) lim = h 0 h = f (p + h) ± g (p + h) f (p) g (p) lim h 0 = lim h 0 h [( f (p + h) f (p) = f (p) ± g (p). b) Deixmos como exercício. c) A prov se reduz o cálculo do limite h ) ± (f.g) (p) = (f.g) (p + h) (f.g) (p) lim = h 0 h = f (p + h).g (p + h) f (p).g (p) lim = h 0 h ) (p) = g(p)f (p) f(p)g (p) g(p). = ( )] g (p + h) g (p) = h f (p + h).g (p + h) f (p) g (p + h) + f (p) g (p + h) f (p).g (p) = lim = h 0 h [ ( ) ( )] f (p + h) f (p) g (p + h) g (p) = lim g (p + h) + f (p) = h 0 h h Como g é derivável em p então g é contínu em p e portnto Assim temos d) Vmos inicilmente provr que lim g (p + h) = g (p). h 0 = f(p)g (p) + f (p) g (p). ( ) (p) = g (p) g g (p). 36

37 De fto, clculemos o limite ( ) (p) = lim g h 0 = lim h 0 ( = lim h 0 [ = lim h 0 g = g (p) g (p). ) (p + h) h g(p+h) g(p) h g(p) g(p+h) g(p+h)g(p) = ( = h g (p + h) g (p) g ) (p) = ] g (p + h) g (p) = h Pr obtermos o cso gerl bst plicrmos c) e o que provmos cim. Teorem (REGRA DA CADEIA):Sejm f : I R e g : J R stisfzendo que f (I) J. Se f é derivável em p e g é derivável em f(p) então g f : I R é derivável em p e (g f) (p) = g (f (p)).f (p). Demonstrção: Clculemos o limite (g f) (g f) (p + h) (g f) (p) (p) = lim = h 0 h g (f (p + h)) g (f (p)) = lim = h 0 h Pr simplificrmos nosso cálculo vmos supor que existe δ > 0 tl que Assim temos 0 < h < δ f (p + h) f (p). k = f (p + h) f (p) g(f (p) + k) g (f (p)) f (p + h) f (p) = lim. = h 0 k h = g (f (p)).f (p). 4.3 Derivd d Função Invers Nest seção prenderemos como derivr invers de um dd função. Teorem: Sej f : I R um função inversível, com função invers f : f (I) R. Se f for derivável em q = f (p), com f (q) 0 e se f 37

38 for contínu em p, então f será derivável em p e ( f ) (p) = f (q). Demonstrção: Temos f (x) f (p) x p = = f(f (x)) f(f (p)) f (x) f (p) f (x) f (p) f (f (x)) f (f (p)) =, pr x p. Fzendo u = f (x), pel continuidde de f em p temos que u q pr x p e f (x) f (p) lim = lim = x p x p u q f(u) f(q) f (q). 5 O Teorem do Vlor Médio e Aplicções Estudremos um dos principis teorems do Cálculo: O Teorem do Vlor Médio. A prtir deste teorem poderemos fzer um nálise detlhd do gráfico de funções reis de vriável rel. Pr provrmos este teorem precismos inicilmente estudr máximos e mínimos. u q 5. Máximos e Mínimos: O Teorem de Fermt Lembremos que o Teorem de Weierstrss grnte que se f : I R for contínu, e I for um intervlo fechdo [, b] então existem x e x em [, b] tis que f (x ) f (x) f (x ), x [, b]. f (x ) é chmdo de mínimo e f (x ) de máximo de f. Nest seção estudremos máximos e mínimos de funções f : I R onde I é um intervlo qulquer d ret. Utilizremos derivd pr tl estudo. Proposição: Sejm f : I R e c I um ponto onde f é derivável. ) Se f (c) > 0 então existe δ > 0 tl que pr tem-se c δ < x < c < x < c + δ f (x ) < f (c) < f (x ). b) Se f (c) < 0 então existe δ > 0 tl que pr c δ < x < c < x < c + δ 38

39 tem-se f (x ) > f (c) > f (x ). Demonstrção: Vmos provr ) e deixremos b) como exercício. Se f (c) > 0 então temos Logo existe δ > 0 tl que c < x < c + δ f (x) f (c) lim > 0. x c x c f (x) f (c) x c D mesm form, existe δ > 0 tl que c δ < x < c Tomndo δ = min{δ, δ } temos f (x) f (c) x c > 0 f (c) < f (x). > 0 f (x) < f (c). c δ < x < c < x < c + δ c δ < x < c e c < x < c + δ f (x ) < f (c) < f (x ). Definição: Sej f : I R. ) Dizemos que c I é um ponto de máximo de f e f (c) é um vlor máximo de f se f (x) f (c), x I. b) Dizemos que c I é um ponto de mínimo de f e f (c) é um vlor mínimo de f se f (x) f (c), x I. c) Dizemos que c I é um ponto de máximo locl de f se existir δ > 0 tl que x c < δ f (x) f (c). d) Dizemos que c I é um ponto de mínimo locl de f se existir δ > 0 tl que x c < δ f (c) f (x). Teorem de Fermt: Sej f : I R um função derivável em c I, um ponto interior de I. Se c é ponto de máximo ou mínimo locl de f então f (c) = 0. Demonstrção: Suponhmos que f (c) 0. Sem perd de generlidde podemos supor f (c) > 0 e que c é ponto de máximo locl. 39

40 Pel proposição nterior, existe δ > 0 tl que pr tem-se c δ < x < c < x < c + δ f (x ) < f (c) < f (x ). Como c é ponto de máximo locl, existe δ > 0 tl que x c < δ f (x) f (c). Tomndo δ = min{δ, δ } e x stifzendo c < x < c + δ segue que e portnto c < x < c + δ e x c < δ f (c) < f (x ) e f (x ) f (c). Est contrdição implic que f (c) = 0. Observções: ) Observe que o teorem de Fermt dá um condição necessári os pontos de máximo e mínimo locis de f. A condição não é suficiente. Considere por exemplo f (x) = x 3. Temos que f (0) = 0 e no entnto 0 não é ponto de máximo locl nem de mínimo locl. ) Dd um função f : I R, podem ocorrer pontos de máximo e mínimo em pontos onde f não é derivável. Considere por exemplo f (x) = x. Observe que 0 é um ponto de mínimo locl e no entnto não existe f (0). Definição:c é um ponto crítico de f : I R se f (c) = 0 ou se não existe f (c). Teorem: Sej f : [, b] R contínu. Os vlores máximo e mínimo de f são ssumidos ou nos pontos críticos de f ou nos extremos do intervlo. Demonstrção: O Teorem de Weierstrss grnte existênci de x e x pontos de máximo e mínimo de f. Se x e x {, b} nd temos provr. Se um deles pertencer (, b) então em tl ponto f é ou não derivável. Se não for derivável então o ponto será crítico e se for derivável então o teorem de Fermt grnte que derivd em tl ponto se nulrá, ou sej o ponto será crítico. Teorem: Sejm f : I R derivável e, b I, < b. Se f ().f (b) < 0 então existe x 0 (, b) tl que f (x 0 ) = 0. Demonstrção: Pelo teorem de Weierstrss existem α, β [, b] tis que f (α) e f (β) são os vlores máximo e mínimo de f em [, b]. Se α = β então f é constnte em [, b] e o teorem é trivilmente stisfeito. Se α β então temos 3 possibiliddes: 40

41 ) Se pelo menos um dos dois está em (, b) então o Teorem de Fermt plic-se tl ponto e o teorem está provdo. b) Se α = e β = b então f ( +) = f (x) f () lim 0 x + x f ( b ) = f (x) f (b) lim 0 x b x b e isto contrri hipótese que f ().f (b) < 0. c) Se α = b e β = então f ( +) = f (x) f () lim 0 x + x f ( b ) = f (x) f (b) lim 0 x b x b e isto contrri hipótese que f ().f (b) < 0. Teorem (Propriedde do Vlor Intermediário pr Derivds): Sejm f : I R derivável e < b I. Se k R stisfz f () < k < f (b) então existe x 0 (, b) tl que f (x 0 ) = k. Demonstrção: Bst plicr o teorem nterior pr F (x) = f (x) kx. Corolário: Sejm f : I R derivável e < b I. Se f (x) 0 em [, b] então f tem sinl constnte em [, b]. Demonstrção: Se existissem x e x tis que f (x ) < 0 e f (x ) > 0 então existiri x 0 tl que f (x 0 ) = Os Teorems de Rolle e do Vlor Médio Nest seção provremos o TVM (Teorem do Vlor Médio) prtir d prov de um cso prticulr (Teorem de Rolle). Teorem (Teorem de Rolle): Sej f : [, b] R contínu em [, b] e derivável em (, b). Se f () = f (b) então existe c (, b) tl que f (c) = 0. Demonstrção: Se f for constnte em [, b] então f (x) = 0, pr todo x (, b) e neste cso nd temos pr provr. Se f não for constnte então, pelo Teorem de Weierstss, existem x e x em [, b], x x, tis que x é ponto de máximo e x é ponto de mínimo. Como f () = f (b) então necessrimente um dos dois está em (, b). De fto, cso contrário f seri constnte. Sem perd de generlidde, suponhmos que x (, b). Como f é derivável em x segue, pel proposição nterior que f (x ) = 0 e portnto bst tomrmos c = x. 4

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução Elementos de Análise - List 6 - Solução 1. Pr cd f bixo considere F (x) = x f(t) dt. Pr quis vlores de x temos F (x) = f(x)? () f(x) = se x 1, f(x) = 1 se x > 1; F (x) = se x 1, F (x) = x 1 se x > 1. Portnto

Leia mais

Cálculo de Limites. Sumário

Cálculo de Limites. Sumário 6 Cálculo de Limites Sumário 6. Limites de Sequêncis................. 3 6.2 Exercícios Recomenddos............... 5 6.3 Limites de Funções.................. 7 6.4 Exercícios Recomenddos...............

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

Os números racionais. Capítulo 3

Os números racionais. Capítulo 3 Cpítulo 3 Os números rcionis De modo informl, dizemos que o conjunto Q dos números rcionis é composto pels frções crids prtir de inteiros, desde que o denomindor não sej zero. Assim como fizemos nteriormente,

Leia mais

(x, y) dy. (x, y) dy =

(x, y) dy. (x, y) dy = Seção 7 Função Gm A expressão n! = 1 3... n (1 está definid pens pr vlores inteiros positivos de n. Um primeir extensão é feit dizendo que! = 1. Ms queremos estender noção de ftoril inclusive pr vlores

Leia mais

1. Conceito de logaritmo

1. Conceito de logaritmo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Logritmos Prof.: Rogério

Leia mais

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL MAT 103 - Complementos de Mtemátic pr Contbilidde - FEAUSP 1 o semestre de 011 Professor Oswldo Rio Brnco de Oliveir INTEGRAL Suponhmos um torneir bert em um recipiente e com velocidde de escomento d águ

Leia mais

1. Sejam R e S duas relações entre os conjuntos não vazios E e F. Então mostre que

1. Sejam R e S duas relações entre os conjuntos não vazios E e F. Então mostre que 2 List de exercícios de Álgebr 1. Sejm R e S dus relções entre os conjuntos não vzios E e F. Então mostre que ) R 1 S 1 = (R S) 1, b) R 1 S 1 = (R S) 1. Solução: Pr primeir iguldde, temos que (, b) R 1

Leia mais

Prova 1 Soluções MA-602 Análise II 27/4/2009 Escolha 5 questões

Prova 1 Soluções MA-602 Análise II 27/4/2009 Escolha 5 questões Prov 1 Soluções MA-602 Análise II 27/4/2009 Escolh 5 questões 1. Sej f : [, b] R um função limitd. Mostre que f é integrável se, e só se, existe um sequênci de prtições P n P [,b] do intervlo [, b] tl

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA ANÁLISE MATEMÁTICA Edurdo Brietzke Neuz Kzuko Kkut Pulo Ricrdo d Silv SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - 26 1 INTRODUÇÃO Este texto surgiu ds nots de uls

Leia mais

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática Universidde Tecnológic Federl do Prná Cmpus Curitib Prof. Lucine Deprtmento Acdêmico de Mtemátic NOTA DE AULA Tópicos em Mtemátic Fonte: http://eclculo.if.usp.br/ 1. CONJUNTOS NUMÉRICOS: 1.1 Números Nturis

Leia mais

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i Integrl Noção de Integrl. Integrl é o nálogo pr unções d noção de som. Ddos n números 1, 2,..., n, podemos tomr su som 1 + 2 +... + n = i. O integrl de = té = b dum unção contínu é um mneir de somr todos

Leia mais

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1.

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1. Revist d Mtemátic UFOP, Vol I, 2011 - X Semn d Mtemátic e II Semn d Esttístic, 2010 ISSN 2237-8103 ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX Aln Cvlcnte Felippe 1, Júlio Césr do Espírito Snto 1 Resumo: Este trblho

Leia mais

1 A Integral de Riemann

1 A Integral de Riemann Medid e Integrção. Deprtmento de Físic e Mtemátic. USP-RP. Prof. Rfel A. Rosles 22 de mio de 27. As seguintes nots presentm lgums limitções d integrl de Riemnn com o propósito de justificr construção d

Leia mais

Conjuntos Numéricos. Conjuntos Numéricos

Conjuntos Numéricos. Conjuntos Numéricos UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA.. Proprieddes dos números

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT 5 SEVERINO TOSCANO DO REGO MELO. Polinômios de Tylor A ret tngente o gráfico de um função f derivável em um ponto define função de primeiro gru que melhor proxim função em pontos

Leia mais

Integrais Imprópias Aula 35

Integrais Imprópias Aula 35 Frções Prciis - Continução e Integris Imprópis Aul 35 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 05 de Junho de 203 Primeiro Semestre de 203 Turm 20304 - Engenhri de Computção

Leia mais

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci MÓDULO - AULA 7 Aul 7 Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci Objetivo Conhecer dois critérios de convergênci de integris imprópris:

Leia mais

Teorema 1. Seja A um anel comutativo. Então A é um domínio de integridade se e somente se A é isomorfo a um subanel de um corpo.

Teorema 1. Seja A um anel comutativo. Então A é um domínio de integridade se e somente se A é isomorfo a um subanel de um corpo. 1. Domínios Um domínio de integridde (ou simplesmente domínio) é um nel comuttivo unitário A tl que se, b A e b = 0 então = 0 ou b = 0. Por exemplo Z e Z[X] são domínios e mis em gerl se A é um domínio

Leia mais

ÁLGEBRA LINEAR Equações Lineares na Álgebra Linear EQUAÇÃO LINEAR SISTEMA LINEAR GEOMETRIA DA ESQUAÇÕES LINEARES RESOLUÇÃO DOS SISTEMAS

ÁLGEBRA LINEAR Equações Lineares na Álgebra Linear EQUAÇÃO LINEAR SISTEMA LINEAR GEOMETRIA DA ESQUAÇÕES LINEARES RESOLUÇÃO DOS SISTEMAS EQUAÇÃO LINEAR SISTEMA LINEAR GEOMETRIA DA ESQUAÇÕES LINEARES RESOLUÇÃO DOS SISTEMAS Equção Liner * Sej,,,...,, (números reis) e n (n ) 2 3 n x, x, x,..., x (números reis) 2 3 n Chm-se equção Liner sobre

Leia mais

1 Conjuntos Finitos e Infinitos

1 Conjuntos Finitos e Infinitos Conjuntos Finitos e Infinitos. Números Nturis Definição O conjunto N dos nturis é tl que Existe s : N N injetiv tl que Im (s) = N {}; } X N X = N s (X) X Teorem 2 (Princípio d Bo Ordenção) } A N A possui

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS NOTAÇÕES BÁSICAS. : Variáveis e parâmetros. : Conjuntos. : Pertence. : Não pertence. : Está contido. : Não está contido.

CONJUNTOS NUMÉRICOS NOTAÇÕES BÁSICAS. : Variáveis e parâmetros. : Conjuntos. : Pertence. : Não pertence. : Está contido. : Não está contido. CONJUNTOS NUMÉRICOS NOTAÇÕES BÁSICAS,,... A, B,... ~ > < : Vriáveis e prâmetros : Conjuntos : Pertence : Não pertence : Está contido : Não está contido : Contém : Não contém : Existe : Não existe : Existe

Leia mais

xy 1 + x 2 y + x 1 y 2 x 2 y 1 x 1 y xy 2 = 0 (y 1 y 2 ) x + (x 2 x 1 ) y + (x 1 y 2 x 2 y 1 ) = 0

xy 1 + x 2 y + x 1 y 2 x 2 y 1 x 1 y xy 2 = 0 (y 1 y 2 ) x + (x 2 x 1 ) y + (x 1 y 2 x 2 y 1 ) = 0 EQUAÇÃO DA RETA NO PLANO 1 Equção d ret Denominmos equção de um ret no R 2 tod equção ns incógnits x e y que é stisfeit pelos pontos P (x, y) que pertencem à ret e só por eles. 1.1 Alinhmento de três pontos

Leia mais

CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES

CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES 5.- Teorems Fundmentis do Cálculo Diferencil Os teorems de Rolle, de Lgrnge, de Cuch e regr de L Hospitl são os qutro teorems fundmentis do cálculo diferencil

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas. CÁLCULO L1 NOTAS DA DÉCIMA SÉTIMA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nest ul, utilizremos o Teorem Fundmentl do Cálculo (TFC) pr o cálculo d áre entre dus curvs. 1. A áre entre dus curvs A

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM MATRIZES Definição e Notção... 11 21 m1 12... 22 m2............ 1n.. 2n. mn Chmmos de Mtriz todo conjunto de vlores, dispostos

Leia mais

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade 1 Limite - Revisão O conceito de limite de um função contribui pr nálise do comportmento d função n vizinhnç de um determindo ponto. Intuitivmente, dd um função f(x) e um ponto b que pertence o domínio

Leia mais

Integral de Kurzweil para funções a valores em um espaço de Riesz - uma introdução. Giselle Antunes Monteiro

Integral de Kurzweil para funções a valores em um espaço de Riesz - uma introdução. Giselle Antunes Monteiro Integrl de Kurzweil pr funções vlores em um espço de Riesz - um introdução Giselle Antunes Monteiro DISSERTAÇÃO APRESENTADA AO INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PARA OBTENÇÃO

Leia mais

FUNÇÕES. Mottola. 1) Se f(x) = 6 2x. é igual a (a) 1 (b) 2 (c) 3 (d) 4 (e) 5. 2) (UNIFOR) O gráfico abaixo. 0 x

FUNÇÕES. Mottola. 1) Se f(x) = 6 2x. é igual a (a) 1 (b) 2 (c) 3 (d) 4 (e) 5. 2) (UNIFOR) O gráfico abaixo. 0 x FUNÇÕES ) Se f() = 6, então f ( 5) f ( 5) é igul () (b) (c) 3 (d) 4 (e) 5 ) (UNIFOR) O gráfico bio 0 () não represent um função. (b) represent um função bijetor. (c) represent um função não injetor. (d)

Leia mais

Prof. Ms. Aldo Vieira Aluno:

Prof. Ms. Aldo Vieira Aluno: Prof. Ms. Aldo Vieir Aluno: Fich 1 Chmmos de mtriz, tod tbel numéric com m linhs e n coluns. Neste cso, dizemos que mtriz é do tipo m x n (onde lemos m por n ) ou que su ordem é m x n. Devemos representr

Leia mais

Cálculo Infinitesimal. Gabriela Chaves

Cálculo Infinitesimal. Gabriela Chaves Cálculo Infinitesiml Gbriel Chves versão de Agosto de ii Índice Índice iii Proprieddes básics dos números. Operções de dição e multiplicção...................................... Relção de ordem.................................................

Leia mais

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por SÉRIES DE FOURIER 1. Um série trigonométric e su sequênci ds soms prciis (S N ) N são dds por (1) c n e inx, n Z, c n C, x R ; S N = n= c n e inx. Tl série converge em x R se (S N (x)) N converge e, o

Leia mais

O conceito de integral e suas propriedades básicas

O conceito de integral e suas propriedades básicas 17 O conceito de integrl e sus proprieddes básics Sumário 17.1 Introdução....................... 2 17.2 Integrl denid de f : [, b] R.......... 5 17.3 Soms de Riemnn.................. 6 17.4 A integrl denid

Leia mais

Simulado EFOMM - Matemática

Simulado EFOMM - Matemática Simuldo EFOMM - Mtemátic 1. Sejm X, Y, Z, W subconjuntos de N tis que: 1. (X Y ) Z = {1,,, },. Y = {5, 6}, Z Y =,. W (X Z) = {7, 8},. X W Z = {, }. Então o conjunto [X (Z W)] [W (Y Z)] é igul (A) {1,,,,

Leia mais

Profª Cristiane Guedes DERIVADA. Cristianeguedes.pro.br/cefet

Profª Cristiane Guedes DERIVADA. Cristianeguedes.pro.br/cefet Proª Cristine Guedes 1 DERIVADA Cristineguedes.pro.br/ceet Ret Tngente Como determinr inclinção d ret tngente curv y no ponto P,? 0 0 Proª Cristine Guedes Pr responder ess pergunt considermos um ponto

Leia mais

Profª Cristiane Guedes LIMITE DE UMA FUNÇÃO. Cristianeguedes.pro.br/cefet

Profª Cristiane Guedes LIMITE DE UMA FUNÇÃO. Cristianeguedes.pro.br/cefet LIMITE DE UMA FUNÇÃO Cristineguedes.pro.br/ceet Vizinhnç de um ponto Pr um vlor rbitrrimente pequeno >, vizinhnç de é o conjunto dos vlores de pertencentes o intervlo: - + OBS: d AB = I A B I Limite de

Leia mais

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2011/12 LMAC, MEFT, MEBIOM

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2011/12 LMAC, MEFT, MEBIOM AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I o SEMESTRE 0/ LMAC, MEFT, MEBIOM. Aul 6 de Setembro de 0 Apresentção. José Mtis (responsável) Págin d cdeir: https://fenix.ist.utl.pt/disciplins/cdi6/0-0/-semestre

Leia mais

Notas das Aulas Teóricas de CDI-I

Notas das Aulas Teóricas de CDI-I Nots ds Auls Teórics de CDI-I Prof. Responsável: Ctrin Crvlho o Semestre de 206/207 Aul 9/9/206 Informções sobre cdeir: págin Fénix. 0 Revisões de Lógic (Ver Texto de Apoio - Lógic.) Implicção e equivlênci:

Leia mais

1 Definição de integral (definida) de Riemann

1 Definição de integral (definida) de Riemann 1 Definição de integrl (definid) de Riemnn Sej seguir sempre f : [, b] R limitd (com [, b] limitdo); logo existem m, M tis que m f(x) M. Definição: chmmos Prtição de [, b] um conjunto finito de pontos

Leia mais

Prof. Dr. Maurício Zahn UFPel. Análise real II

Prof. Dr. Maurício Zahn UFPel. Análise real II Prof. Dr. Murício Zhn UFPel Análise rel II texto de mensgem... Dedicmos este trblho... Prefácio Este mteril foi elbordo durnte o Segundo Semestre letivo de 2016, pr tender Disciplin de Análise Rel II

Leia mais

Equações diofantinas lineares a duas e três variáveis

Equações diofantinas lineares a duas e três variáveis Equções diofntins lineres dus e três vriáveis Eudes Antonio Cost Fbino F. T. dos Sntos Introdução O objetivo deste rtigo é presentr teori básic envolvid ns equções diofntins lineres dus e três incógnits

Leia mais

x u 30 2 u 1 u 6 + u 10 2 = lim (u 1)(1 + u + u 2 + u 3 + u 4 )(2 + 2u 5 + u 10 )

x u 30 2 u 1 u 6 + u 10 2 = lim (u 1)(1 + u + u 2 + u 3 + u 4 )(2 + 2u 5 + u 10 ) Universidde Federl de Viços Deprtmento de Mtemátic MAT 40 Cálculo I - 207/II Eercícios Resolvidos e Comentdos Prte 2 Limites: Clcule os seguintes ites io se eistirem. Cso contrário, justique não eistênci.

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral - Notas de Aula. Márcia Federson e Gabriela Planas

Cálculo Diferencial e Integral - Notas de Aula. Márcia Federson e Gabriela Planas Cálculo Diferencil e Integrl - Nots de Aul Márci Federson e Gbriel Plns de mrço de 03 Sumário Os Números Reis. Os Números Rcionis................................ Os Números Reis.................................

Leia mais

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2017/18 MEAER

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2017/18 MEAER AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I o SEMESTRE 07/8 MEAER. Aul Apresentção. José Mtis (responsável) Págin d cdeir: https://fenix.tecnico.ulisbo.pt/disciplins/cdi7/07-08/-semestre

Leia mais

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques

TÓPICO. Fundamentos da Matemática II DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8. Licenciatura em Ciências USP/ Univesp. Gil da Costa Marques DERIVADA DIRECIONAL E PLANO TANGENTE8 TÓPICO Gil d Cost Mrques Fundmentos d Mtemátic II 8.1 Diferencil totl de um função esclr 8.2 Derivd num Direção e Máxim Derivd Direcionl 8.3 Perpendiculr um superfície

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

Exercícios. setor Aula 25. f(2) = 3. f(3) = 0. f(11) = 12. g(3) = 14. Temos: 2x 1 = 5 x = 3 Logo, f(5) = 3 2 = 9

Exercícios. setor Aula 25. f(2) = 3. f(3) = 0. f(11) = 12. g(3) = 14. Temos: 2x 1 = 5 x = 3 Logo, f(5) = 3 2 = 9 setor 07 070409 070409-SP Aul 5 FUNÇÃO (COMPOSIÇÃO DE FUNÇÕES) FUNÇÃO COMPOSTA Sej f um função de A em B e sej g um função de B em C. Chm-se função compost de g com f função h definid de A em C, tl que

Leia mais

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c.

EQUAÇÃO DO 2 GRAU. Seu primeiro passo para a resolução de uma equação do 2 grau é saber identificar os valores de a,b e c. EQUAÇÃO DO GRAU Você já estudou em série nterior s equções do 1 gru, o gru de um equção é ddo pelo mior expoente d vriável, vej lguns exemplos: x + = 3 equção do 1 gru já que o expoente do x é 1 5x 8 =

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos Mtemátic pr Economists LES uls e Mtrizes Ching Cpítulos e Usos em economi Mtrizes ) Resolução sistems lineres ) Econometri ) Mtriz Insumo Produto Márci.F. Dis de Mores Álgebr Mtricil Conceitos Básicos

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO XXVIII OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) C 6) B ) C 6) D ) D ) C 7) B ) D 7) A ) D 3) C 8) B 3) A 8) D 3) D 4) A 9) B 4) C 9) D 4) E 5)

Leia mais

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2007/08 LCEIC-TAGUS, LCERCI, LCEGI E LCEE

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2007/08 LCEIC-TAGUS, LCERCI, LCEGI E LCEE AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I o SEMESTRE 007/08 LCEIC-TAGUS, LCERCI, LCEGI E LCEE MIGUEL ABREU. Aul 6 de Setembro de 007 Apresentção. Miguel Abreu (responsável)

Leia mais

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green ÁLULO VETORIAL álculo Vetoril pítulo 6 6.4 Teorem de Green Nest seção, prenderemos sore: O Teorem de Green pr váris regiões e su plicção no cálculo de integris de linh. INTROUÇÃO O Teorem de Green fornece

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte Neste texto vmos provr um importnte resultdo que nos permite clculr integris definids. Ele pode ser enuncido como

Leia mais

COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR

COLÉGIO OBJETIVO JÚNIOR COLÉGIO OJETIVO JÚNIOR NOME: N. o : DT: / /0 FOLHETO DE MTEMÁTIC (V.C. E R.V.) 9. o NO Este folheto é um roteiro pr você recuperr o conteúdo trblhdo em 0. Como ele vi servir de bse pr você estudr pr s

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

MÉTODO DA POSIÇÃO FALSA EXEMPLO

MÉTODO DA POSIÇÃO FALSA EXEMPLO MÉTODO DA POSIÇÃO FALSA Vimos que o Método d Bissecção encontr um novo intervlo trvés de um médi ritmétic. Ddo o intervlo [,], o método d posição fls utiliz médi ponderd de e com pesos f( e f(, respectivmente:

Leia mais

IME MATEMÁTICA. Questão 01. Calcule o número natural n que torna o determinante abaixo igual a 5. Resolução:

IME MATEMÁTICA. Questão 01. Calcule o número natural n que torna o determinante abaixo igual a 5. Resolução: IME MATEMÁTICA A mtemátic é o lfbeto com que Deus escreveu o mundo Glileu Glilei Questão Clcule o número nturl n que torn o determinnte bixo igul 5. log (n ) log (n + ) log (n ) log (n ) Adicionndo s três

Leia mais

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Módulo I: Cálculo Diferencial e Integral

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Módulo I: Cálculo Diferencial e Integral Escol Superior de Agricultur Luiz de Queiroz Universidde de São Pulo Módulo I: Cálculo Diferencil e Integrl Teori d Integrção e Aplicções Professor Rent Alcrde Sermrini Nots de ul do professor Idemuro

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral.

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Auls n o 8: Técnics de Integrção I - Método d Substituição Objetivos d Aul Apresentr técnic de integrção por substituição; Utilizr técnics presentds

Leia mais

um número finito de possibilidades para o resto, a saber, 0, 1, 2,..., q 1. Portanto, após no máximo q passos,

um número finito de possibilidades para o resto, a saber, 0, 1, 2,..., q 1. Portanto, após no máximo q passos, Instituto de Ciêncis Exts - Deprtmento de Mtemátic Cálculo I Profª Mri Juliet Ventur Crvlho de Arujo Cpítulo : Números Reis - Conjuntos Numéricos Os primeiros números conhecidos pel humnidde são os chmdos

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3)

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3) Universidde Federl do Rio de Jneiro Instituto de Mtemátic Deprtmento de Métodos Mtemáticos Integrl Imprópri Integrl imprópri em R n (n =,, 3) Autores: Angel Cássi Bizutti e Ivo Fernndez Lopez Introdução

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

Definição: uma permutação do conjunto de inteiros {1, 2,..., n} é um rearranjo destes inteiros em alguma ordem sem omissões ou repetições.

Definição: uma permutação do conjunto de inteiros {1, 2,..., n} é um rearranjo destes inteiros em alguma ordem sem omissões ou repetições. DETERMINANTES INTRODUÇÃO Funções determinnte, são funções reis de um vriável mtricil, o que signific que ssocim um número rel (X) um mtriz qudrd X Sus plicções envolvem crcterizção de mtriz invertível,

Leia mais

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2014/15 LMAC, MEBIOM, MEFT MIGUEL ABREU E RUI LOJA FERNANDES

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2014/15 LMAC, MEBIOM, MEFT MIGUEL ABREU E RUI LOJA FERNANDES AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I o SEMESTRE 04/5 LMAC, MEBIOM, MEFT MIGUEL ABREU E RUI LOJA FERNANDES. Aul 5 de Setembro de 04 Apresentção. Miguel Abreu (responsável)

Leia mais

Exercícios. setor Aula 25

Exercícios. setor Aula 25 setor 08 080409 080409-SP Aul 5 PROGRESSÃO ARITMÉTICA. Determinr o número de múltiplos de 7 que estão compreendidos entre 00 e 000. r 7 00 7 PA 05 30 4 n 994 00 98 98 + 7 05 n + (n ) r 994 05 + (n ) 7

Leia mais

Universidade Federal do Paraná. Notas de aula. (ainda em preparação!) Análise na Reta. Higidio Portillo Oquendo.

Universidade Federal do Paraná. Notas de aula. (ainda em preparação!) Análise na Reta. Higidio Portillo Oquendo. Universidde Federl do Prná Nots de ul (ind em preprção!) Análise n Ret Higidio Portillo Oquendo http://people.ufpr.br/ higidio Últim tulizção: de novembro de 206 Sumário Preliminres 4. Conjuntos e Funções.................................

Leia mais

V ( ) 3 ( ) ( ) ( ) ( ) { } { } ( r ) 2. Questões tipo exame Os triângulos [ BC Da figura ao lado são semelhantes, pelo que: BC CC. Pág.

V ( ) 3 ( ) ( ) ( ) ( ) { } { } ( r ) 2. Questões tipo exame Os triângulos [ BC Da figura ao lado são semelhantes, pelo que: BC CC. Pág. António: c ; Diogo: ( ) i e ; Rit: e c Pág Se s firmções dos três migos são verddeirs, firmção do António é verddeir, pelo que proposição c é verddeir e, consequentemente, proposição c é fls Por outro

Leia mais

Aula 5 Plano de Argand-Gauss

Aula 5 Plano de Argand-Gauss Ojetivos Plno de Argnd-Guss Aul 5 Plno de Argnd-Guss MÓDULO - AULA 5 Autores: Celso Cost e Roerto Gerldo Tvres Arnut 1) presentr geometricmente os números complexos ) Interpretr geometricmente som, o produto

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2009/10 MEC & LEGM

AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I 1 o SEMESTRE 2009/10 MEC & LEGM AULAS TEÓRICAS DE CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I o SEMESTRE 009/0 MEC & LEGM MIGUEL ABREU E RUI LOJA FERNANDES. Aul de Setembro de 009 Apresentção. Rui Loj Fernndes (responsável)

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Prof. Emerson Veig Prof. Tigo Coelho Aul n o 26: Teorem do Vlor Médio pr Integris. Teorem Fundmentl do Cálculo II. Funções dds por

Leia mais

ALGEBRA LINEAR AUTOVALORES E AUTOVETORES. Prof. Ademilson

ALGEBRA LINEAR AUTOVALORES E AUTOVETORES. Prof. Ademilson LGEBR LINER UTOVLORES E UTOVETORES Prof. demilson utovlores e utovetores utovlores e utovetores são conceitos importntes de mtemátic, com plicções prátics em áres diversificds como mecânic quântic, processmento

Leia mais

TEORIA DOS LIMITES LIMITES. Professor: Alexandre 2. DEFINIÇÃO DE LIMITE

TEORIA DOS LIMITES LIMITES. Professor: Alexandre 2. DEFINIÇÃO DE LIMITE TEORIA DOS LIMITES Professor: Alendre LIMITES. NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE Vmos nlisr o comportmento gráfico d função f ( ) qundo tende pr. ) Primeirmente vmos tender vriável por vlores inferiores, ou sej,

Leia mais

Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Luiz Fernando Satolo

Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Luiz Fernando Satolo Mtemátic pr Economists LES Auls 5 e Mtrizes Ching Cpítulos e 5 Luiz Fernndo Stolo Mtrizes Usos em economi ) Resolução sistems lineres ) Econometri ) Mtriz Insumo Produto Álgebr Mtricil Conceitos Básicos

Leia mais

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < <

1 Assinale a alternativa verdadeira: a) < < MATEMÁTICA Assinle lterntiv verddeir: ) 6 < 7 6 < 6 b) 7 6 < 6 < 6 c) 7 6 < 6 < 6 d) 6 < 6 < 7 6 e) 6 < 7 6 < 6 Pr * {} temos: ) *, * + e + * + ) + > + + > ) Ds equções (I) e (II) result 7 6 < ( 6 )

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas;

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o : Áre entre Curvs, Comprimento de Arco e Trblho Objetivos d Aul Clculr áre entre curvs; Clculr o comprimento de rco; Denir Trblho. 1 Áre entre

Leia mais

Aprender o conceito de vetor e suas propriedades como instrumento apropriado para estudar movimentos não-retilíneos;

Aprender o conceito de vetor e suas propriedades como instrumento apropriado para estudar movimentos não-retilíneos; Aul 5 Objetivos dest Aul Aprender o conceito de vetor e sus proprieddes como instrumento proprido pr estudr movimentos não-retilíneos; Entender operção de dição de vetores e multiplicção de um vetor por

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS Um dos grndes problems de mtemátic n ntiguidde er resolução de equções polinomiis. Encontrr um fórmul ou um método pr resolver tis equções er um grnde desfio. E ind hoje

Leia mais

Notas das Aulas Teóricas de CDI-I

Notas das Aulas Teóricas de CDI-I Nots ds Auls Teórics de CDI-I Prof. Responsável: Ctrin Crvlho, o Semestre de 205/206 Aul 5/9/205 Informções sobre cdeir: págin Fénix. Números Reis e Sucessões Nests primeirs uls vmos ver como se pode definir

Leia mais

As fórmulas aditivas e as leis do seno e do cosseno

As fórmulas aditivas e as leis do seno e do cosseno ul 3 s fórmuls ditivs e s leis do MÓDULO 2 - UL 3 utor: elso ost seno e do cosseno Objetivos 1) ompreender importânci d lei do seno e do cosseno pr o cálculo d distânci entre dois pontos sem necessidde

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Análise Matemática I Frequência

Instituto Politécnico de Bragança Escola Superior de Tecnologia e Gestão. Análise Matemática I Frequência Instituto Politécnico de Brgnç Escol Superior de Tecnologi e Gestão Análise Mtemátic I Frequênci Durção d prov: h min Dt: // Tolerânci: 5 min Cursos: EQ, IG, GEI Resolução Grupo I g π. ) Considere função

Leia mais