1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade"

Transcrição

1 1 Limite - Revisão O conceito de limite de um função contribui pr nálise do comportmento d função n vizinhnç de um determindo ponto. Intuitivmente, dd um função f(x) e um ponto b que pertence o domínio de f(x), dizemos que o limite à direit d função é L, qundo x! b +, f(x)! L. Anlogmente, dizemos que o limite à esquerd d função é M, qundo x! b, f(x)! M: Limites à direit e limites à esquerd são denomindos limites lteris. Cso L = M, então rmmos que existe o limite de f(x), ou sej: lim f(x) = L: x!b Limites in nitos ocorrem qundo x tende um determindo vlor, f(x) tende pr +1 ou 1, por exemplo: lim f(x) = +1, lim x!b + x!b f(x) = +1, lim f(x) = 1 e lim x!b + x!b f(x) = 1. Qundo x! +1 ou x! 1, o limite de f(x) é denomindo limite no in nito ( ou nos extremos do domíno), ou sej: lim f(x) = m, lim x!+1 f(x) = l: x! 1 A ret x = x 0 é denomind ssíntot verticl qundo os limites lteris de x 0 são limites in nitos. Anlogmente, ret y = y 0 é denomind ssíntot horizontl qundo y 0 é um limite no in nito. 1.1 Continuidde A f(x) é contínu em se e somente se s seguintes condições são stisfeits: i) f() existe, ii) existe o lim x! f(x), e iii) lim x! f(x) = f(). A função será descontínu em se um desss condições não for stisfeit. 1

2 2 Derivd A ret secnte é qulquer ret que psse por dois pontos de um função. Se el pssr pelos pontos P (x 1 ; f(x 1 )) e Q(x 1 + x; f(x 1 + x)), inclinção dest ret será: m P Q = f(x 1 + x) f(x 1 ) ; x 6= 0: x Sej o ponto P um ponto xo e Q móvel, podemos gor lterr x. Qundo x! 0, ret secnte tende à ret tngente. Sej f(x) contínu em x 1, ret tngente o grá co de f no ponto P (x 1 ; f(x 1 )) é: i) ret P, com inclinção: m(x 1 ) = lim x!0 f(x 1 + x) f(x 1 ) ; x ii) ret x = x 1, se o limite cim for +1 ou 1: Se nem i) e nem ii) forem stisfeits, então não existe ret tngente o grá co de f no ponto P (x 1 ; f(x 1 )): A derivd de um função f é função denotd por f 0, tl que seu vlor em qulquer vlor x do domínio de f sej ddo por: f 0 f(x + x) (x) = lim x!0 x se este limite existir. Pr x = x 1 : f(x) ; f 0 f(x 1 + x) f(x 1 ) (x 1 ) = lim ; x!0 x Se f é derivável em x 1, então f é contínu em x 1 : Um função não será derivável em x 1 pels seguintes rzões: i) se el for descontínu em x 1, ii) se el for contínu em x 1, ms f possui um ret verticl no ponto x = x 1, iii) se el for contínu em x 1, ms f não possui um ret tngente no ponto x = x 1. 2

3 2.1 Teorems sobre Derivção 1) f(x) = c ) f 0 (x) = 0; 2) f(x) = x n ) f 0 (x) = nx n 1 (n 2 Q); 3) f(x) = cx ) f 0 (x) = c; 4) h(x) = f(x) + g(x) ) h 0 (x) = f 0 (x) + g 0 (x); 5) h(x) = f(x)g(x) ) h 0 (x) = f 0 (x)g(x) + g 0 (x)f(x); 6) h(x) = f(x) ) g(x) h0 (x) = f 0 (x)g(x) g 0 (x)f(x) (g(x) 6= 0): (g(x)) Regr d Cdei Dd 2 funções f e g, função compost fog é de nid como: (fog)(x) = f(g(x)); e o domínio de fog é o conjunto de todos os vlores x no domínio de g tl que g(x) estej no domínio de f: Regr d Cdei: Se função g for derivável em x e função f for derivável em g(x), então fog será derivável em x, e: (fog) 0 (x) = f 0 (g(x))g 0 (x): 3

4 2.3 Aplicções de Derivd Um função f de nid num intervlo será crescente nquele intervlo, se e somente se, f(x 1 ) < f(x 2 ) sempre que x 1 < x 2, onde x 1 e x 2 são quisquer números no intervlo. Anlogmente, el será decrescente nquele intervlo, se e somente se, f(x 1 ) > f(x 2 ) sempre que x 1 < x 2 : Sej f um função contínu no intervlo fechdo [; b] e derivável em (; b): i) se f 0 (x) > 0 pr todo x em (; b), então f(x) será crescente em [; b]; ii) se f 0 (x) < 0 pr todo x em (; b), então f(x) será decrescente em [; b]: A função f terá um vlor máximo reltivo em c se existir um intervlo berto contendo c, no qul f(x) estej de nid, tl que f(c) f(x) pr todo x nesse intervlo. Anlogmente, el terá um vlor mínimo reltivo em c se f(c) f(x) pr todo x nesse intervlo. Se f(x) for de nid pr todos os vlores de x em (; b) e se f possuir um extremo reltivo em c ( < c < b), então f 0 (c) = 0; se f 0 (c) existir. Sej c um número no domínio de f e f 0 (c) = 0 ou f 0 (c) não existir, então c será denomindo ponto crítico de f: Teste d derivd primeir pr extremos reltivos: Sej f um função contínu em todos os pontos do intervlo berto (; b), contendo c e suponh que f 0 exist em todos os pontos de (; b); exceto possivelmente em c : i) se f 0 (x) > 0 pr todo os vlores de x em lgum intervlo tendo c como extremo direito, e se f 0 (x) < 0 pr todo os vlores de x em lgum intervlo tendo c como extremo esquerdo, então f terá um vlor máximo reltivo em c; ii) se f 0 (x) < 0 pr todo os vlores de x em lgum intervlo tendo c como extremo direito, e se f 0 (x) > 0 pr todo os vlores de x em lgum intervlo tendo c como extremo esquerdo, então f terá um vlor máximo reltivo em c; Pr determinr os extremos reltivos de f : 1) Clcule f 0 (x): 2) Encontre os pontos críticos de f, isto é, os vlores de x pr os quis f 0 (x) = 0, ou pr os quis f 0 (x) não existe. 3) Aplique o teste d derivd primeir. 4

5 2.4 Derivds de ordem superior Sej f(x) um função derivável, então f 0 (x) será denomind derivd primeir de f. Se derivd de f 0 (x) existir, então f 00 (x) será denomind derivd segund de f. E ssim sucessivmente podemos de nir f 000 (x) e outrs derivds de ordem superior, em que f n (x) represent derivd de ordem n de f: Sej f um função diferenciável em lgum intervlo berto contendo c, então: i) se f 00 (c) > 0, o grá co de f é côncvo em (c; f(c)); ii) se f 00 (c) < 0, o grá co de f é convexo em (c; f(c)): O ponto (c; f(c)) será um ponto de in exão do grá co f se o grá co possuir um ret tngente neste ponto e se existir um intervlo berto contendo c, tl que se x estiver neste intervlo: i) se f 00 (x) < 0 se x < c e f 00 (x) > 0 se x > c,ou ii) se f 00 (x) > 0 se x < c e f 00 (x) < 0 se x > c. Adicionlmente, se exister f 00 (c), então f 00 (c) = 0: Teste d derivd segund pr extremos reltivos: Sej c um número crítico de f, no qul f 0 (c) = 0 e suponhmos que f 0 exist pr todo x em lgum intervlo berto contendo c. Se f 00 (c) existe e i) se f 00 (c) < 0; então f tem um vlor máximo reltivo em c; ii) se f 00 (c) > 0; então f tem um vlor mínimo reltivo em c: Pr obter um esboço do grá co de um função f, você deve seguir os seguintes pssos: 1) Determine o domínio de f: 2) Encontre os interceptos y e x (se possível) do grá co. 3) Clcule f 0 (x) e f 00 (x). 4) Encontre os números críticos de f: 5) Aplique o teste d derivd primeir. 6) Determine os intervlos nos quis f é crescente (f 0 (x) > 0) ou decrescente (f 0 (x) < 0). 7) Encontre os pontos de in exão de f: 8) Veri que concvidde do grá co: côncv (f 00 (x) < 0) ou convex (f 00 (x) > 0). 9) Veri que existênci de possíveis ssíntots horizontis ou verticis. 5

6 3 Integrl 3.1 Antidiferencição Um função F será denomid ntiderivd de um função f em um intervlo se F 0 (x) = f(x) pr todo x que pertence este intervlo. Se f e g forem dus funções tis que f 0 (x) = g 0 (x) pr todo x em um determindo intervlo, então hverá um constnte C tl que: f(x) = g(x) + C Consequentemente se F for um ntiderivd prticulr de f em um determindo intervlo, então tod ntiderivd de f neste intervlo será dd por: F (x) + C; (1) onde C é um constnte rbitrári e tods s ntiderivds de f no intervlo poderão ser obtids de (1). Antidiferencição é o processo de de encontrr o conjunto de tods s ntiderivds de um dd função. O símbolo utilizdo pr est operção é R, e escrevemos: Z f(x)dx = F (x) + C; em que F 0 (x) = f(x); e df = f(x)dx: Est fórmul estbelece que qundo ntidiferencimos diferencil de um dd função, obtemos própri função mis um constnte rbitrári. Teorems: 1) R dx = x + C 2) R kf(x)dx = k R f(x)dx 3) R x n dx = xn+1 n+1 + C pr n 6= 1 ; (n 2 Q) 4) R (f(x) + g(x))dx = R f(x)dx + R g(x)dx 6

7 3.2 Regr d Cdei pr Antidiferencição Sej g um função diferenciável e sej o intervlo I imgem de g. Suponh que f sej um função de nid em I e que F sej um ntiderivd de f em I, então: Z f(g(x))[g 0 (x)dx] = F (g(x)) + C: Observção: sej u = g(x); então du = g 0 (x)dx: Z f(u)du = F (u) + C: 3.3 Integrl De nid Operdor Somtório O conceito de áre envolve som de váris prcels, ou sej, necessitmos d notção chmd somtóri pr de nir este conceito: nx F (i) = F (m) + F (m + 1) + ::: + F (n i=m onde m e n são inteiros, m n. Teorems: P 1) n c = cn; P 2) n P cf (i) = c n F (i); P 3) n P [F (i) + G(i)] = n P F (i) + n G(i); P 4) n i = n(n+1) 2 ; P 5) n i 2 = n(n+1)(2n+1) 6 : 1) + F (n); 7

8 3.3.2 Áre de um função Sej f um função contínu em um intervlo [; b] e f(x) 0, então áre é de nid como: A = lim n!1 nx f(c i )x; em que f(c i ) é o vlor mínimo do subintervlo x = b : Anlogmente: n A = lim n!1 nx f(d i )x; em que f(d i ) é o vlor máximo do subintervlo x: Som de Riemnn e Integrl De nid Sej f um função de nid no intervlo fechdo [; b]. Vmos dividir o intervlo em n subintervlos, escolhendo qulquer dos (n 1) pontos intermediários entre e b. Sej x 0 = e x n = b e x 1 ; x 2 ; :::; x n 1 tis que, x 0 < x 1 < :::x n, não necessrimente equidistntes, e o i-ésimo subintervlo é ddo por i x = x i x i 1 : Agor, pr cd subintervlo escolhemos " i, tl que, x i 1 " i x i. e de nimos seguinte som: nx f(" i ) i x Tl som é denomind Som de Riemnn. Observ-se que os vlores funcionis de f não são restritos os vlores não-negtivos. Se f é um função de nid no intervlo fechdo [; b], então integrl br de nid de f de té b; denotd por f(x)dx é dd por: f(x)dx = lim n!1 nx f(" i )x = lim kk!0 nx f(" i ) i x; em que k k represent norm d prtição, ou sej, o comprimento do mior subintervlo. Note que rmção " função f é integrável no 8

9 intervlo fechdo [; b]" signi c que "integrl de nid de f de té b existe". Este símbolo, R, lembr um S miúsculo, o que é proprido pr integrl de nid, pois est de nição é o limite de um som. Observção: O símbolo R é o mesmo que foi usdo pr indicr operção de ntidiferencição. A rzão pelo emprego do mesmo símbolo será dd pelo Segundo Teorem Fundmentl do Cálculo, que permite clculr integrl de nid trvés d determinção de um ntiderivd, tmbém denomind integrl inde nid. Teorem: Se um função for contínu no intervlo fechdo [; b], então el será integrável neste intervlo. De nição: Sej f um função contínu no intervlo fechdo [; b] e f(x) 0: Sej R região limitd pel curv y = f(x), pelo eixo x e pels rets x = e x = b. Então medid A d áre d região R é dd por: R = f(x)dx: Est de nição estbelece que se f(x) 0 pr todo x em [; b], integrl de nid poderá ser interpretd geometricmente como medid d áre d região R. De nições: i) se > b, então: f(x)dx = Z Z f(x)dx; se f(x)dx existir, ii) se f() existe, então: b b Z f(x)dx = 0 Proprieddes d Integrl De nid (Teorems): br 1) kdx = k(b ) br br 2) kf(x)dx = k f(x)dx 9

10 3) R b br br [f(x) + g(x)]dx = f(x)dx+ g(x)dx 4) Se função f for integrável em [; b], [; c] e [c; b], então: f(x)dx = Z c f(x)dx + f(x)dx; < c < b 5) Se função f for integrável num intervlo fechdo contendo os números ; b e c, então: c f(x)dx = Z c f(x)dx + f(x)dx; não importndo ordem de ; b e c: 6) Se s funções f e g forem integráveis no intervlo fechdo [; b], e se f(x) g(x) pr todo x em [; b]; então: c f(x)dx g(x)dx 3.4 Teorems Fundmentis do Cálculo Primeiro vmos enuncir o Teorem do vlor médio pr integris pr provr o Primeiro Teorem Fundmentl do Cálculo. Se f(x) 0; o Teorem do vlor médio pr integris estbelece que existe um número em [; b] tl que: f(x)dx = f()x Note que o Teorem não estbelece que este número é necessrimente único. 10

11 Observe que o vlor d integrl de nid depende pens d função f, e b, ou sej, não depende d vriável x, utilizdo como vriável independente, logo podemos utilizr outrs notções: f(x)dx = f(t)dt Se br f(t)dt existe e de nirmos x como um número em [; b], então f será contínu em [; x], pois é contínu em [; b]. Conseqüentmente, e é um vlor que depende de x: Logo, xr f(t)dt existe xr f(t)dt de ne um função F, tendo como domínio todos os números no intervlo [; b], cujo vlor funcionl em qulquer x em [; b] é ddo por: F (x) = Z x f(t)dt Primeiro Teorem Fundmentl do Cálculo. Sej f contínu em xr [; b] e sej x qulquer número em [; b]: Se F for de nid por F (x) = f(t)dt, então: F 0 (x) = f(x); ou sej, o teorem estbelece que integrl de nid com limite superior vriável é um ntiderivd de f: Segundo Teorem Fundmentl do Cálculo. Sej f contínu em [; b] e sej g um função tl que g 0 (x) = f(x) pr todo x em [; b], então: f(t)dt = g(b) g() Devido relção entre integrl de nid e ntiderivd, utilizmos o sinl de integrl R pr notção de ntiderivds. Vmos dispensr terminologi de ntiderivd e ntidiferencição e denominirmos R f(x)dx de integrl 11

12 inde nid. O processo de cálculo de um integrl de nid ou inde nid é chmdo integrção. 4 Função Logritmic Sbemos que: Z t n dt = tn+1 + C pr n 6= n + 1 1; (n 2 Q); entretnto pr clculr R t n dt pr n = 1, precismos de nir um função xr cuj derivd sej 1: Pelo primeiro teorem sbemos que est função é x A função logrítmic nturl é de nid por: ln x = Proprieddes pel de nição: 1R dt 1) ln 1 = = 0; t 1 2) ln(b) = b R 1 dt t = R 1 dt t 3) ln( ) = ln ln b; b 4) ln r = r ln b + R Z x 1 dt t ; x > 0: dt t = ln + ln b; dt t : 4.1 Diferencição logrítmic e Integris 2 D x [ln x] = D x 4 Z x 1 3 dt 5 = 1 t x : D x [ln g(x)] = g0 (x) g(x) ; 12

13 Z 1 dt = ln jtj + C: t 4.2 Mudnç de Bse e Diferencição log x = ln x ln ; D x [log x] = D x [ ln x ln ] = 1 x ln ; ln g(x) D x [log g(x)] = D x [ ln ] = g0 (x) g(x) ln ; 5 Função Invers e Teorem d Função Invers Um função é bijetor ou bijetiv se pr cd número em su imgem corresponde extmente um número em seu domínio, ou sej, pr todo x 1 e x 2, se x 1 6= x 2 ) f(x 1 ) 6= f(x 2 ): Se f for um função bijetor então existe um função f 1, denomind função invers de f, tl que: x = f 1 (y), y = f(x): O domínio de f 1 é imgem de f e imgem de f 1 é o domínio de f: Teorem d Função Invers. Sej f um função diferenciável em um intervlo e que possu invers. Se f 0 (x) 6= 0 pr todo x neste intervlo, então derivd d função invers f 1, de nid por x = f 1 (y) será: Df 1 (y) = 1 f 0 (x) 13

14 6 Função Exponencil Como função logrítmic nturl é crescente em todo o seu domínio, então el tem um função invers que é tmbém crescente e é denomind função exponencil nturl, ou sej: exp(x) = y se e somente se x = ln y: De nição: Se for um número positivo qulquer e x for um número rel qulquer, de nimos: x = exp(x ln ) De nição: O número e é de nido por: e = exp 1 Teorem: Pr todos os vlores de x : Proprieddes pel de nição: 1) e :e b = e +b ; 2) e = e b ; e b 3) (e ) b = e b : exp(x) = e x : 6.1 Derivds e Integris D x (e x ) = e x ; D x (e g(x) ) = e g(x) g 0 (x); Z e x dx = e x + C Função Exponencil de Bse : 1) h(x) = g(x) ) h 0 (x) = g(x) g 0 (x)ln ( > 0; 6= 1) 2) R x dx = x + C ( > 0; 6= 1) ln 14

15 7 Integrção por Prtes Pel regr de derivd do produto de dus funções, temos: D x [f(x)g(x)] = f 0 (x)g(x) + g 0 (x)f(x); Z g 0 (x)f(x) = D x [f(x)g(x)] g 0 (x)f(x)dx = f(x)g(x) Z f 0 (x)g(x); f 0 (x)g(x)dx 8 Bibliogr O Cálculo com Geometri Anlític - Louis Leithold: Cpítulo 3 - Derivd: ; , , Cpítulo 4 - Extremos Reltivos: e Cpítulo 5 - Antiderivds: , ; Integrl de nid: Cpítulo 7 - Função Invers: ; Função Logrítmic Nturl: ; Função Exponencil:

16 9 Regrs de Derivção 1) f(x) = c ) f 0 (x) = 0 2) f(x) = cx ) f 0 (x) = c 3) f(x) = x n ) f 0 (x) = nx n 1 (n 2 <) 4) h(x) = f(x) + g(x) ) h 0 (x) = f 0 (x) + g 0 (x) 5) h(x) = f(x)g(x) ) h 0 (x) = f 0 (x)g(x) + g 0 (x)f(x) 6) h(x) = f(x) ) g(x) h0 (x) = f 0 (x)g(x) g 0 (x)f(x) (g(x) 6= 0) (g(x)) 2 7) h(x) = ln(g(x)) ) h 0 (x) = g0 (x) g(x) (g(x) 6= 0) 8) h(x) = e g(x) ) h 0 (x) = e g(x) g 0 (x) 9) h(x) = g(x) ) h 0 (x) = g(x) g 0 (x)ln ( > 0; 6= 1) 10) h(x) = log g(x) ) h 0 (x) = g0 (x) em que log g(x) = g(x)ln ln g(x) ln ; log e = 1 ln (g(x) 6= 0; > 0; 6= 1); 10 Regrs de Integrção 1) R dx = x + C 2) R kf(x)dx = k R f(x)dx 3) R x n dx = x n+1 + C pr n 6= 1 n+1 ln jxj + C pr n = 1 ; (n 2 <) 4) R (f(x) + g(x))dx = R f(x)dx + R g(x)dx 5) R e x dx = e x + C 6) R x dx = x + C ( > 0; 6= 1) ln 7) Integrção por prtes: R g 0 (x)f(x)dx = f(x)g(x) R f 0 (x)g(x)dx 16

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28 A integrl de Riemnn - Continução Aplicções d Integrl A integrl de Riemnn e Aplicções Aul 28 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 16 de Mio de 2014 Primeiro Semestre de

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira. MAT146 - Cálculo I - Teoremas Fundamentais do Cálculo

Alexandre Miranda Alves Anderson Tiago da Silva Edson José Teixeira. MAT146 - Cálculo I - Teoremas Fundamentais do Cálculo MAT46 - Cálculo I - Teorems Fundmentis do Cálculo Alexndre Mirnd Alves Anderson Tigo d Silv Edson José Teixeir Os Teorems Fundmentis do Cálculo Os próximos teorems fzem conexão entre os conceitos de ntiderivd

Leia mais

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução Elementos de Análise - List 6 - Solução 1. Pr cd f bixo considere F (x) = x f(t) dt. Pr quis vlores de x temos F (x) = f(x)? () f(x) = se x 1, f(x) = 1 se x > 1; F (x) = se x 1, F (x) = x 1 se x > 1. Portnto

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte Neste texto vmos provr um importnte resultdo que nos permite clculr integris definids. Ele pode ser enuncido como

Leia mais

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x.

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x. 6. Primitivs cd. 6. Em cd cso determine primitiv F (x) d função f (x), stisfzendo condição especi- () f (x) = 4p x; F () = f (x) = x + =x ; F () = (c) f (x) = (x + ) ; F () = 6. Determine função f que

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas;

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o : Áre entre Curvs, Comprimento de Arco e Trblho Objetivos d Aul Clculr áre entre curvs; Clculr o comprimento de rco; Denir Trblho. 1 Áre entre

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli

Introdução à Integral Definida. Aula 04 Matemática II Agronomia Prof. Danilene Donin Berticelli Introdução à Integrl Definid Aul 04 Mtemátic II Agronomi Prof. Dnilene Donin Berticelli Áre Desde os tempos mis ntigos os mtemáticos se preocupm com o prolem de determinr áre de um figur pln. O procedimento

Leia mais

Matemática para Economia Les 201. Aulas 28_29 Integrais Luiz Fernando Satolo

Matemática para Economia Les 201. Aulas 28_29 Integrais Luiz Fernando Satolo Mtemátic pr Economi Les 0 Auls 8_9 Integris Luiz Fernndo Stolo Integris As operções inverss n mtemátic: dição e sutrção multiplicção e divisão potencição e rdicição A operção invers d diferencição é integrção

Leia mais

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido Mtemátic - 8/9 - Integrl de nido 68 Introdução Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I = [; b] e tl que f () ; 8 [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos

Leia mais

(x, y) dy. (x, y) dy =

(x, y) dy. (x, y) dy = Seção 7 Função Gm A expressão n! = 1 3... n (1 está definid pens pr vlores inteiros positivos de n. Um primeir extensão é feit dizendo que! = 1. Ms queremos estender noção de ftoril inclusive pr vlores

Leia mais

NOTAS DE AULAS DE CÁLCULO II

NOTAS DE AULAS DE CÁLCULO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE EDUCAÇÃO E SAÚDE UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO PROFESSORA: CÉLIA MARIA RUFINO FRANCO Aluno (): NOTAS DE AULAS DE CÁLCULO II Cpítulo Teorem d Função Invers

Leia mais

6.1 Derivação & Integração: regras básicas

6.1 Derivação & Integração: regras básicas 6. Derivção & Integrção: regrs básics REGRAS BÁSICAS DE DERIVAÇÃO. Regr d som:........................................ (u + k v) = u + k v ; k constnte. Regr do Produto:.....................................................

Leia mais

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x.

x = x 2 x 1 O acréscimo x é também chamado de diferencial de x e denotado por dx, isto é, dx = x. Universidde Federl Fluminense Mtemátic II Professor Mri Emili Neves Crdoso Cpítulo Integrl. Diferenciis dy Anteriormente, foi considerdo um símolo pr derivd de y em relção à, ms em lguns prolems é útil

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

8 AULA. Funções com Valores Vetoriais LIVRO. META Estudar funções de uma variável real a valores em R 3

8 AULA. Funções com Valores Vetoriais LIVRO. META Estudar funções de uma variável real a valores em R 3 1 LIVRO Funções com Vlores Vetoriis 8 AULA META Estudr funções de um vriável rel vlores em R 3 OBJETIVOS Estudr movimentos de prtículs no espço. PRÉ-REQUISITOS Ter compreendido os conceitos de funções

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas. CÁLCULO L1 NOTAS DA DÉCIMA SÉTIMA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nest ul, utilizremos o Teorem Fundmentl do Cálculo (TFC) pr o cálculo d áre entre dus curvs. 1. A áre entre dus curvs A

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1.

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1. Revist d Mtemátic UFOP, Vol I, 2011 - X Semn d Mtemátic e II Semn d Esttístic, 2010 ISSN 2237-8103 ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX Aln Cvlcnte Felippe 1, Júlio Césr do Espírito Snto 1 Resumo: Este trblho

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

Universidade de Mogi das Cruzes UMC. Cálculo Diferencial e Integral II Parte III

Universidade de Mogi das Cruzes UMC. Cálculo Diferencial e Integral II Parte III Cálculo Diferencil e Integrl II Págin Universidde de Mogi ds Cruzes UMC Cmpos Vill Lobos Cálculo Diferencil e Integrl II Prte III Engenhri Civil Engenhri Mecânic mrili@umc.br º semestre de 05 Cálculo Diferencil

Leia mais

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração

RESUMO DE INTEGRAIS. d dx. NOTA MENTAL: Não esquecer a constante para integrais indefinidas. Fórmulas de Integração RESUMO DE INTEGRAIS INTEGRAL INDEFINIDA A rte de encontrr ntiderivds é chmd de integrção. Desse modo, o plicr integrl dos dois ldos d equção, encontrmos tl d ntiderivd: f (x) = d dx [F (x)] f (x)dx = F

Leia mais

+ + = + lim. x 1. 1 x. , x 0 tem descontinuidade infinita no ponto x = 0 pois. =, x 0 tem descontinuidade de salto no ponto x = 0 pois

+ + = + lim. x 1. 1 x. , x 0 tem descontinuidade infinita no ponto x = 0 pois. =, x 0 tem descontinuidade de salto no ponto x = 0 pois Mtemátic II 9. Prof.: Luiz Gonzg Dmsceno E-mils: dmsceno4@yhoo.com.br dmsceno@uol.com.br dmsceno@hotmil.com http://www.dmsceno.info www.dmsceno.info dmsceno.info. Descontinuiddes Descontinuidde Infinit

Leia mais

CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES

CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES 5.- Teorems Fundmentis do Cálculo Diferencil Os teorems de Rolle, de Lgrnge, de Cuch e regr de L Hospitl são os qutro teorems fundmentis do cálculo diferencil

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

Integrais Imprópias Aula 35

Integrais Imprópias Aula 35 Frções Prciis - Continução e Integris Imprópis Aul 35 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 05 de Junho de 203 Primeiro Semestre de 203 Turm 20304 - Engenhri de Computção

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b).

equação paramêtrica/vetorial da curva: a lei γ(t) =... Dizemos que a curva é fechada se I = [a, b] e γ(a) = γ(b). 1 Lembrete: curvs Definição Chmmos Curv em R n : um função contínu : I R n onde I R é intervlo. (link desenho curvs) Definimos: Trço d curv: imgem equção prmêtric/vetoril d curv: lei (t) =... Dizemos que

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

Matemática para Economia Les 201

Matemática para Economia Les 201 Mtemátic pr Economi Les uls 8_9 Integris Márci znh Ferrz Dis de Mores _//6 Integris s operções inverss n mtemátic: dição e sutrção multiplicção e divisão potencição e rdicição operção invers d dierencição

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral II Prof. Ânderson Vieira

Cálculo Diferencial e Integral II Prof. Ânderson Vieira CÁLCULO DE ÁREAS Cálculo de áres Cálculo Diferencil e Integrl II Prof. Ânderson Vieir Considere região S que está entre dus curvs y = f(x) e y = g(x) e entre s curvs verticis x = e x = b, onde f e g são

Leia mais

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral.

CÁLCULO I. Apresentar a técnica de integração por substituição; Utilizar técnicas apresentadas no cálculo integral. CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Auls n o 8: Técnics de Integrção I - Método d Substituição Objetivos d Aul Apresentr técnic de integrção por substituição; Utilizr técnics presentds

Leia mais

x u 30 2 u 1 u 6 + u 10 2 = lim (u 1)(1 + u + u 2 + u 3 + u 4 )(2 + 2u 5 + u 10 )

x u 30 2 u 1 u 6 + u 10 2 = lim (u 1)(1 + u + u 2 + u 3 + u 4 )(2 + 2u 5 + u 10 ) Universidde Federl de Viços Deprtmento de Mtemátic MAT 40 Cálculo I - 207/II Eercícios Resolvidos e Comentdos Prte 2 Limites: Clcule os seguintes ites io se eistirem. Cso contrário, justique não eistênci.

Leia mais

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por SÉRIES DE FOURIER 1. Um série trigonométric e su sequênci ds soms prciis (S N ) N são dds por (1) c n e inx, n Z, c n C, x R ; S N = n= c n e inx. Tl série converge em x R se (S N (x)) N converge e, o

Leia mais

Universidade de São Paulo. Apostila de Cálculo

Universidade de São Paulo. Apostila de Cálculo Universidde de São Pulo Escol Superior de Agricultur Luiz de Queiroz" Apostil de Cálculo Roseli Aprecid Lendro Cristin Villegs Everton Btist d Roch Pircicb Estdo de São Pulo 2012 Conteúdo 1 Revisão de

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto:

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: www.engenhrifcil.weely.com Resumo com eercícios resolvidos do ssunto: (I) (II) Teorem Fundmentl do Cálculo Integris Indefinids (I) Teorem Fundmentl do Cálculo Ness postil vmos ordr o Teorem Fundmentl do

Leia mais

Matemática Parte II: Análise Matemática

Matemática Parte II: Análise Matemática Mtemátic Prte II: Lic. em Enologi 009/010 Funções reis de vriável rel Um função f, definid num certo conjunto D e com vlores num conjunto E, é um regr que fz corresponder cd elemento x de D um único elemento

Leia mais

Definição Definimos o dominio da função vetorial dada em (1.1) como: dom(f i ) i=1

Definição Definimos o dominio da função vetorial dada em (1.1) como: dom(f i ) i=1 Cpítulo 1 Funções Vetoriis Neste cpítulo estudremos s funções f : R R n, funções que descrevem curvs ou movimentos de objetos no espço. 1.1 Definições e proprieddes Definição 1.1.1 Um função vetoril, é

Leia mais

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática

NOTA DE AULA. Tópicos em Matemática Universidde Tecnológic Federl do Prná Cmpus Curitib Prof. Lucine Deprtmento Acdêmico de Mtemátic NOTA DE AULA Tópicos em Mtemátic Fonte: http://eclculo.if.usp.br/ 1. CONJUNTOS NUMÉRICOS: 1.1 Números Nturis

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT 5 SEVERINO TOSCANO DO REGO MELO. Polinômios de Tylor A ret tngente o gráfico de um função f derivável em um ponto define função de primeiro gru que melhor proxim função em pontos

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM MATRIZES Definição e Notção... 11 21 m1 12... 22 m2............ 1n.. 2n. mn Chmmos de Mtriz todo conjunto de vlores, dispostos

Leia mais

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR 3 CÁLCULO INTEGRAL EM IR A importâni do álulo integrl em IR reside ns sus inúmers plições em vários domínios d engenhri, ms tmém em ísi, em teori ds proiliddes, em eonomi, em gestão 3 Prtição de um intervlo

Leia mais

Comprimento de Curvas. Exemplo. Exemplos, cont. Exemplo 2 Para a cúspide. Continuação do Exemplo 2

Comprimento de Curvas. Exemplo. Exemplos, cont. Exemplo 2 Para a cúspide. Continuação do Exemplo 2 Definição 1 Sej : omprimento de urvs x x(t) y y(t) z z(t) um curv lis definid em [, b]. O comprimento d curv é definido pel integrl L() b b [x (t)] 2 + [y (t)] 2 + [z (t)] 2 dt (t) dt v (t) dt Exemplo

Leia mais

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS.

Quadratura por interpolação Fórmulas de Newton-Cotes Quadratura Gaussiana. Integração Numérica. Leonardo F. Guidi DMPA IM UFRGS. Qudrtur por interpolção DMPA IM UFRGS Cálculo Numérico Índice Qudrtur por interpolção 1 Qudrtur por interpolção 2 Qudrturs simples Qudrturs composts 3 Qudrtur por interpolção Qudrtur por interpolção O

Leia mais

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a)

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a) A integrl definid Prof. Méricles Thdeu Moretti MTM/CFM/UFSC. - INTEGRAL DEFINIDA - CÁLCULO DE ÁREA Já vimos como clculr áre de um tipo em específico de região pr lgums funções no intervlo [, t]. O Segundo

Leia mais

CÁLCULO A UMA VARIÁVEL

CÁLCULO A UMA VARIÁVEL Profª Cristine Guedes 1 CÁLCULO A UMA VARIÁVEL cristineguedes.pro.r/cefet Ement do Curso 2 Funções Reis Limites Continuidde Derivd Ts Relcionds - Funções Crescentes e Decrescentes Máimos e Mínimos Construção

Leia mais

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Integris imprópris

Leia mais

Lista 5: Geometria Analítica

Lista 5: Geometria Analítica List 5: Geometri Anlític A. Rmos 8 de junho de 017 Resumo List em constnte tulizção. 1. Equção d elipse;. Equção d hiperból. 3. Estudo unificdo ds cônics não degenerds. Elipse Ddo dois pontos F 1 e F no

Leia mais

dx f(x) dx p(x). dx p(x) + dx f (n) n! i=1 f(x i) l i (x) ), a aproximação seria então dada por f(x i ) l i (x) = i=1 i=1 C i f(x i ), i=1 C i =

dx f(x) dx p(x). dx p(x) + dx f (n) n! i=1 f(x i) l i (x) ), a aproximação seria então dada por f(x i ) l i (x) = i=1 i=1 C i f(x i ), i=1 C i = Cpítulo 7 Integrção numéric 71 Qudrtur por interpolção O método de qudrtur por interpolção consiste em utilizr um polinômio interpolnte p(x) pr proximr o integrndo f(x) no domínio de integrção [, b] Dess

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

Matemática III - LEC202

Matemática III - LEC202 Mtemátic III - LEC202 Séries numérics e integrção Texto de poio às uls volume I Sofi Cstro Gothen Fculdde de Economi do Porto Setembro de 2004 ... we sy thnks to you students... You re the posterity we

Leia mais

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci MÓDULO - AULA 7 Aul 7 Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci Objetivo Conhecer dois critérios de convergênci de integris imprópris:

Leia mais

CÁLCULO INTEGRAL. e escreve-se

CÁLCULO INTEGRAL. e escreve-se Primitivs CÁLCULO INTEGRAL Prolem: Dd derivd de um função descorir função inicil. Definição: Chm-se primitiv de um função f, definid num intervlo ] [ à função F tl que F = f e escreve-se,, F = P f ou F

Leia mais

Teoria VII - Tópicos de Informática

Teoria VII - Tópicos de Informática INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA ICET Cmpins Limeir Jundií Teori VII - Tópicos de Informátic 1 Fórmuls Especiis no Excel 2 Função Exponencil 3 Função Logrítmic Unip 2006 - Teori VII 1 1- FÓRMULAS

Leia mais

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura.

Definição 1. (Volume do Cilindro) O volume V de um um cilindro reto é dado pelo produto: V = area da base altura. Cálculo I Aul 2 - Cálculo de Volumes Dt: 29/6/25 Objetivos d Aul: Clculr volumes de sólidos por seções trnsversis Plvrs-chves: Seções Trnsversis - Volumes Volume de um Cilindro Nosso objetivo nest unidde

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green

16.4. Cálculo Vetorial. Teorema de Green ÁLULO VETORIAL álculo Vetoril pítulo 6 6.4 Teorem de Green Nest seção, prenderemos sore: O Teorem de Green pr váris regiões e su plicção no cálculo de integris de linh. INTROUÇÃO O Teorem de Green fornece

Leia mais

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas 8.1 Áres Plns Suponh que um cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região

Leia mais

Valor Absoluto. Propriedades do Valor Absoluto (b>0) PRÉ-CÁLCULO. Intervalos

Valor Absoluto. Propriedades do Valor Absoluto (b>0) PRÉ-CÁLCULO. Intervalos PRÉ-CÁLCULO Intervlos Os intervlos, n ret rel, clssiicm-se em: berto, echdo, semi-bertos e ininitos. A solução de um inequção desiguldde é um intervlo. Um desiguldde pode envolver vlores bsolutos módulo.

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral - Notas de Aula. Márcia Federson e Gabriela Planas

Cálculo Diferencial e Integral - Notas de Aula. Márcia Federson e Gabriela Planas Cálculo Diferencil e Integrl - Nots de Aul Márci Federson e Gbriel Plns de mrço de 03 Sumário Os Números Reis. Os Números Rcionis................................ Os Números Reis.................................

Leia mais

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam

Objetivo A = 2. A razão desse sucesso consiste em usar somas de Riemann, que determinam Aplicções de integris Volumes Aul 28 Aplicções de integris Volumes Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo de diversos tipos de volumes de sólidos, especificmente os chmdos método ds seções

Leia mais

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL Clculo Integrl AMI ESTSetubl-DMAT 15 de Dezembro de 2012 AMI (ESTSetubl-DMAT) LIC ~AO 18 15 de Dezembro de 2012 1 / 14 Integrl de Riemnn Denic~o: Sej [, b] um intervlo

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática

Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Exatas Departamento de Matemática Universidde Federl de Mins Geris Instituto de Ciêncis Exts Deprtmento de Mtemátic Aproximção Por Funções Polinomiis (Polinômios de Tylor) Wi Gerldo Moreir dos Sntos Belo Horizonte, Julho de 26 Em tudo

Leia mais

1. Prove a chamada identidade de Lagrange. u 1,u 3 u 2,u 3. u 1 u 2,u 3 u 4 = u 1,u 4 u 2,u 4. onde u 1,u 2,u 3 e u 4 são vetores em R 3.

1. Prove a chamada identidade de Lagrange. u 1,u 3 u 2,u 3. u 1 u 2,u 3 u 4 = u 1,u 4 u 2,u 4. onde u 1,u 2,u 3 e u 4 são vetores em R 3. Universidde Federl de Uberlândi Fculdde de Mtemátic Disciplin : Geometri Diferencil Assunto: Cálculo no Espço Euclidino e Curvs Diferenciáveis Prof. Sto 1 List de exercícios 1. Prove chmd identidde de

Leia mais

Integrais impróprias - continuação Aula 36

Integrais impróprias - continuação Aula 36 Integris imprópris - continução Aul 36 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 06 de Junho de 204 Primeiro Semestre de 204 Turm 20406 - Engenhri Mecânic Alexndre Nolsco de

Leia mais

Profª Cristiane Guedes LIMITE DE UMA FUNÇÃO. Cristianeguedes.pro.br/cefet

Profª Cristiane Guedes LIMITE DE UMA FUNÇÃO. Cristianeguedes.pro.br/cefet LIMITE DE UMA FUNÇÃO Cristineguedes.pro.br/ceet Vizinhnç de um ponto Pr um vlor rbitrrimente pequeno >, vizinhnç de é o conjunto dos vlores de pertencentes o intervlo: - + OBS: d AB = I A B I Limite de

Leia mais

Substituição Trigonométrica. Substituição Trigonométrica. Se a integral fosse. a substituição u = a 2 x 2 poderia ser eficaz, mas, como está,

Substituição Trigonométrica. Substituição Trigonométrica. Se a integral fosse. a substituição u = a 2 x 2 poderia ser eficaz, mas, como está, UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Introdução Se integrl

Leia mais

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos

Aula 29 Aplicações de integrais Áreas e comprimentos Aplicções de integris Áres e comprimentos MÓDULO - AULA 9 Aul 9 Aplicções de integris Áres e comprimentos Objetivo Conhecer s plicções de integris no cálculo d áre de um superfície de revolução e do comprimento

Leia mais

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3)

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3) Universidde Federl do Rio de Jneiro Instituto de Mtemátic Deprtmento de Métodos Mtemáticos Integrl Imprópri Integrl imprópri em R n (n =,, 3) Autores: Angel Cássi Bizutti e Ivo Fernndez Lopez Introdução

Leia mais

Notas de Apoio. Biomatemática. Licenciatura em Farmácia Biomédica

Notas de Apoio. Biomatemática. Licenciatura em Farmácia Biomédica Nots de Apoio Biomtemátic Licencitur em Frmáci Biomédic Ricrdo Mmede Deprtmento de Mtemátic, Fculdde de Ciêncis e Tecnologi Universidde de Coimbr 04 Índice Cálculo Diferencil. Generliddes sobre funções

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinantes

Universidade Federal de Pelotas Vetores e Álgebra Linear Prof a : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinantes Universidde Federl de Pelots Vetores e Álgebr Liner Prof : Msc. Merhy Heli Rodrigues Determinntes Determinntes Definição: Determinnte é um número ssocido um mtriz qudrd.. Determinnte de primeir ordem Dd

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET RACIOCÍNIO LÓGICO

C Sistema destinado à preparação para Concursos Públicos e Aprimoramento Profissional via INTERNET  RACIOCÍNIO LÓGICO Pr Ordendo RACIOCÍNIO LÓGICO AULA 06 RELAÇÕES E FUNÇÕES O pr ordendo represent um ponto do sistem de eixos rtesinos. Este sistem é omposto por um pr de rets perpendiulres. A ret horizontl é hmd de eixo

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Volume. Objetivos da Aula. Aula n o 25: Volume por Casca Cilíndrica e Volume por Discos

CÁLCULO I. 1 Volume. Objetivos da Aula. Aula n o 25: Volume por Casca Cilíndrica e Volume por Discos CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o 25: Volume por Csc Cilíndric e Volume por Discos Objetivos d Aul Clculr o volume de sólidos de revolução utilizndo técnic do volume por csc

Leia mais

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 5: Integral Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Integral

Cálculo I (2015/1) IM UFRJ Lista 5: Integral Prof. Milton Lopes e Prof. Marco Cabral Versão Exercícios de Integral Eercícios de Integrl Eercícios de Fição Cálculo I (5/) IM UFRJ List 5: Integrl Prof Milton Lopes e Prof Mrco Cbrl Versão 55 Fi : Determine se é Verddeiro (provndo rmtiv) ou Flso (dndo contreemplo): b ()

Leia mais

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana.

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana. INTEGRAL DEFINIDO O oneito de integrl definido está reliondo om um prolem geométrio: o álulo d áre de um figur pln. Vmos omeçr por determinr áre de um figur delimitd por dus rets vertiis, o semi-eio positivo

Leia mais

5) Para b = temos: 2. Seja M uma matriz real 2 x 2. Defina uma função f na qual cada elemento da matriz se desloca para a posição. e as matrizes são:

5) Para b = temos: 2. Seja M uma matriz real 2 x 2. Defina uma função f na qual cada elemento da matriz se desloca para a posição. e as matrizes são: MATEMÁTIA Sej M um mtriz rel x. Defin um função f n qul cd elemento d mtriz se desloc pr posição b seguinte no sentido horário, ou sej, se M =, c d c implic que f (M) =. Encontre tods s mtrizes d b simétrics

Leia mais

G.W. Leibniz ( ) I. Newton ( )

G.W. Leibniz ( ) I. Newton ( ) MAT 26 Cálculo diferencil e integrl 2 2 semestre de 25 Bchreldo em Mtemátic e Mtemátic Aplicd Docente: Prof. Dr. Pierluigi Benevieri Resumo ds uls e exercícios sugeridos - Atulizdo 27..25. Segund-feir,

Leia mais

Derivada da função composta, derivada da função inversa, derivada da função implícita e derivada de funções definidas parametricamente.

Derivada da função composta, derivada da função inversa, derivada da função implícita e derivada de funções definidas parametricamente. .5.- Derivd d função compost, derivd d função invers, derivd d função implícit e derivd de funções definids prmetricmente. Teorem.3 Derivd d Função Compost Suponh-se que g: A R é diferenciável no ponto

Leia mais

A força não provém da capacidade física, e sim de uma vontade indomável. Mahatma Gandhi

A força não provém da capacidade física, e sim de uma vontade indomável. Mahatma Gandhi A forç não provém d cpcidde físic, e sim de um vontde indomável. Mhtm Gndhi Futuros militres, postos! É hor de meter o ggá! Este é o módulo 8 do curso de MATEMÁTICA d turm AFA-EN-EFOMM- EsPCE-EEAr. Nesse

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em:

Relembremos que o processo utilizado na definição das três integrais já vistas consistiu em: Universidde Slvdor UNIFAS ursos de Engenhri álculo IV Prof: Il Reouçs Freire álculo Vetoril Texto 4: Integris de Linh Até gor considermos três tipos de integris em coordends retngulres: s integris simples,

Leia mais

TEORIA DOS LIMITES LIMITES. Professor: Alexandre 2. DEFINIÇÃO DE LIMITE

TEORIA DOS LIMITES LIMITES. Professor: Alexandre 2. DEFINIÇÃO DE LIMITE TEORIA DOS LIMITES Professor: Alendre LIMITES. NOÇÃO INTUITIVA DE LIMITE Vmos nlisr o comportmento gráfico d função f ( ) qundo tende pr. ) Primeirmente vmos tender vriável por vlores inferiores, ou sej,

Leia mais

Aspectos do Teorema Fundamental do Cálculo

Aspectos do Teorema Fundamental do Cálculo Aspectos do Teorem Fundmentl do Cálculo Luis Aduto Medeiros Conferênci proferid n Fculdde de Mtemátic - UFPA (Belém Mrço de 2008) Então porque pint? Por nd. Procuro simplesmente reproduzir o que vejo W.

Leia mais

FUNÇÃO LOGARITMICA. Professora Laura. 1 Definição de Logaritmo

FUNÇÃO LOGARITMICA. Professora Laura. 1 Definição de Logaritmo 57 FUÇÃO LOGARITMICA Professor Lur 1 Definição de Logritmo Chm se logritmo de um número > 0 em relção um bse (0 < 1), o expoente que se deve elevr bse, fim de que potênci obtid sej igul. log, onde: > 0,

Leia mais