RAUL ARRIOJA JUAREZ INGENIERO CIVIL, FACULTAD DE INGENIERIA, UNAM, MEXICO, 1975 MASTER OF SCIENCES, UNIVERSITY OF CALIFORNIA, BERKELEY, USA, 1977

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RAUL ARRIOJA JUAREZ INGENIERO CIVIL, FACULTAD DE INGENIERIA, UNAM, MEXICO, 1975 MASTER OF SCIENCES, UNIVERSITY OF CALIFORNIA, BERKELEY, USA, 1977"

Transcrição

1 RAUL ARRIOJA JUAREZ INGENIERO IVIL, FAULTAD DE INGENIERIA, UNAM, MEIO, 975 MASTER OF SIENES, UNIVERSITY OF ALIFORNIA, BERKELEY, USA, 977 A ORRELAÇÃO ESPÚRIA NA ENGENHARIA HIDRÁULIA Tese apesentada à Escola Politécnica da Univesidade de São Paulo paa a obtenção do título de Douto e Engenhaia Áea de concentação: Engenhaia Hidáulica Oientado: Pof. D. Podalyo Aaal de Souza Pofessso Douto do Depataento de Engenhaia Hidáulica e Sanitáia da EPUSP ooientado: D. Gabiel Echávez Aldape Pofeso Titula División de Estudios de Posgado de la Facultad de Ingenieía (DEPFI) Univesidad Nacional Autónoa de Méico (UNAM) SÃO PAULO

2 II À inha ãe à inha esposa à inha filha.

3 III AGRADEIMENTOS O auto agadece a todos os que, dieta ou indietaente, colaboaa paa conclusão deste tabalho. Reconhecientos especiais são feitos paa: ao Pof. D. Podalyo Aaal de Souza, pela oientação, confiança e estíulo dados paa o desenvolviento deste tabalho. ao Pof. D. Gabiel Echávez Aldape, Pofeso Titula definitivo de tiepo copleto da División de Estudios de Posgado de la Facultad de Ingenieía (DEPFI) da Univesidad Nacional Autónoa de Méico (UNAM), que na qualidade de cooientado deste tabalho no Méico, gaantiu a oientação técnica ao desenvolviento deste tabalho. ao Dipl. Geol. Host Hebet Blaesig Schlotfeldt, gaduado da Ludwig Maiilians Univesität München (Institut fü Allgeeine und Angewandte Geologie) pelo apoio logístico fonecido. ao Lic. F. M., andidato a M.., Diploado de la EE Raúl Magaña Zaoa, Pofeso Titula da ESIME ulhuacan do Instituto Politécnico Nacional (IPN) no Méico pela ajuda fonecida paa conclusão deste tabalho. ao D. Rodolfo Silva asain, pesquisado do Instituto de Ingenieía, UNAM, pelas sugestões fonecidas paa o diensionaento do canal epoduto de ondas descito no apítulo 5 desta tese. ao Ing. Jesús Manuel Acevedo Tejo, Pofeso Titula B da ESIME ulhuacan do Instituto Politécnico Nacional (IPN) no Méico. ao S. Albeto Sahoneo oonel e à Aq. aola Sahoneo Gutiéez pela hospitalidade ofeecida nas viagens pela Bolivia, uo ao Basil. Se estas ajudas não teia sido possível elaboa esta tese.

4 IV SUMÁRIO Lista de figuas Lista de tabelas Lista de síbolos VI VII VIII Resuo I Abstact Resuen II III INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFIA SOBRE O TEMA DE ORRELAÇÃO ESPÚRIA ORIENTADO À ENGENHARIA HIDRÁULIA. Intodução. Revisão bibliogáfica do tea abodado. onclusões 8 A FÓRMULA DE PEARSON PARA ALULAR O OEFIIENTE DE ORRELAÇÃO ESPÚRIA. Intodução. Eeplo de aplicação da fóula de Peason a u caso de estudo. Eeplo nuéico siples de aplicação DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO OMPUTAIONAL PARA O ÁLULO DO OEFIIENTE DE ORRELAÇÃO ESPÚRIA. Intodução

5 V. Descição do pogaa ESPURI. Eeplos de oganização de aquivos paa o pogaa e dos espectivos aquivos de saída de esultados 9. opilação do pogaa ESPURI 7.5 Usos de planilha de cálculo eletônica paa calcula os dados de ingesso paa o pogaa nu caso de estudo 8 5 ORIENTAÇÕES PARA APLIAÇÕES NA ENGENHARIA HIDRÁULIA Intodução aso de estudo No.. Poposta de equação paa ua cuva chave de u canal tapezoidal 6 5. aso de estudo No.. Geação de onda nu canal epoduto de ondas aso de estudo No.. Vetedouo tiangula 8 ONLUSÕES 8 SUGESTÕES PARA FUTURAS PESQUISAS 87 REFERÊNIAS BIBLIOGRÁFIAS 9 ANEO 9 Intodução 9 Eeplos de aplicação 9

6 VI LISTA DE FIGURAS Figua.- Disposição das vaiáveis y e z no plano catesiano. Figua.- Diagaa de fluo do pogaa de coputado ESPURI. 9 Figua.- Seção tansvesal de u canal tapezoidal. 6 Figua.- oelação ente y e z 69 Figua 5.- Seção longitudinal de u canal epoduto de ondas. 76 Figua 6.- Elevação do quebaa poposto co diensionaento. 77 Figua 7.- Vista e planta do canal de ondas. 79 Figua 8.- Seção tansvesal de u vetedouo tiangula de cista delgada. 8 Figua 9.- Seção longitudinal de u vetedouo tiangula de cista delgada instalado nu canal etangula. 8 Figua.- Gáfico paa obtenção do coeficiente de coelação espúia.

7 VII LISTA DE TABELAS Tabela.- Modelos algébicos popostos e foa de quociente. 7 Tabela.- Divesos odelos algébicos popostos e foa de poduto. Tabela.- Modelos algébicos ais feqüentes na engenhaia hidáulica. 59 Tabela.- Planilha de cálculo paa o caso de estudo No.. 68 Tabela 5.- Planilha de cálculo eletônica paa os paâetos estatísticos que intega o aquivo de ingesso paa o pogaa ESPURI. 7 Tabela 6.- álculo do núeo de Foude paa os valoes da Tabela. 7 Tabela 7.- Planilha de cálculo eletônica paa os paâetos estatísticos que intega o aquivo de ingesso paa o pogaa ESPURI paa o eecício onde usa-se núeos aleatóios paa todas as vaiáveis. 7 Tabela 8.- lassificação do escoaento de u vetedouo tiangula de cista delgada. 8 Tabela 9.- lassificação do coeficiente de coelação 85 Tabela.- Influência do valo elativo do coeficiente de vaiação sobe o coeficiente ρ. 9 Tabela.- oletânea de odelos cuja solução gáfica obté-se atavés da Figua. 99

8 VIII LISTA DE SÍMBOLOS A áea da seção tansvesal do canal b lagua do canal coeficiente de ugosidade de hezy coeficientes i i coeficiente de vaiação i i valo absoluto do quociente dos coeficientes de vaiação i, j j, P, Q, R, S vaiáveis de FORTRAN que caacteiza a função y, T, U, V, W vaiáveis de FORTRAN que caacteiza a função z R (I,J) vaiável de FORTRAN paa indica o coeficiente de coelação ente as vaiáveis co subíndices i e j d pofundidade do escoaento d c pofundidade cítica D taanho de gão Δ altua da onda de aeia ΔW udança de aazenaento da água po ano E valo da enegia usada na geação da onda Φ ângulo de abetua do vetedouo F núeo de Foude

9 I f a δ f (,,, ) a,... deivada pacial de ua função f ( i ) co δ a espeito a ua vaiável a g constante gavitacional g b δ g ( 5, 6, 7, 8 ) b 5,...8 deivada pacial de ua função g ( i ) co δ b espeito a ua vaiável b ρ GE gau de espueidade da coelação γ peso específico da água. h 5 altua de onda geada paa ua distância D hoizontal de 5 vezes a pofundidade de escoaento no ponto consideado H caga hidáulica do vetedouo KI 5 índice dento do pogaa ESPURI KF 8 índice dento do pogaa ESPURI Λ copiento da onda de aeia cotangente do talude do canal, édias,, 8 M (I) vaiável de FORTRAN paa indica a édia i n coeficiente de ugosidade de Manning NI índice dento do pogaa ESPURI NF índice dento do pogaa ESPURI p, q,, s, t, u, v, w epoentes P e altua efetiva de chuva

10 P e-po altua efetiva édia de chuva vazão coeficiente de coelação de Peason,, 8,,, coeficientes de coelação ente vaiáveis 78 R aio hidáulico da seção tansvesal do canal ρ coeficiente de coelação ρ coeficiente de coelação espúia s declividade do canal S declividade da linha de enegia SIGMA (I) vaiável de FORTRAN paa indica o desvio padão i, desvios padões,, 8 v velocidade de apoiação do escoaento d água v velocidade do fluo da água no canal V escoaento dieto anual V po escoaento dieto édio anual W i aazenaento da água po ano vaiáveis aleatóias p q s y função adiensional t u v w z função adiensional

11 I RESUMO A análise de coelação é ua técnica estatística uito difundida que investiga e odela a elação ente duas ou ais vaiáveis aleatóias ou conjuntos de dados epeientais odenados po duplas paa faze pedições paa ua vaiável aleatóia consideada coo dependente e função de ua ou váias vaiáveis aleatóias consideadas independentes. Na engenhaia hidáulica é feqüente a obtenção de paâetos adiensionais pelo uso do teoea de Buckingha, po eio da foação de podutos pi paa obte ditos paâetos. Na engenhaia epeiental tenta-se estabelece coelações ente dois ou ais paâetos adiensionais paa popósitos de intepolações ou etapolações. Às vezes inclui-se ua vaiável cou nos dois ou ais paâetos adiensionais coelacionados co o intuito de elhoa o gau de coelação, o que seia efletido nu valo ais alto do coeficiente de coelação. Poé, esta pática pode leva a valoes enganosaente altos de dito coeficiente pelo efeito da coelação espúia. Neste tabalho desenvolve-se ua etodologia estatística paa calcula o gau de coelação espúia que afeta u coeficiente de coelação dado paa estabelece citéios de aceitação ou ejeição de divesos odelos algébicos de coelação popostos feqüenteente na hidáulica que tenha ua vaiável cou. Tabé se faze ecoendações paa evita o poblea da coelação espúia. Paa facilita a aplicação desta etodologia, desenvolve-se u pogaa de coputado escito e FORTRAN.

12 II ABSTRAT oelation analysis is a statistical technique of widespead use which investigates and odels the elationship aong two o oe ando vaiables o sets of epeiental data odeed by pais to foecast values fo a ando vaiable consideed as dependent as a function of one o seveal ando vaiables deeed as independent. In hydaulic engineeing it is fequent to obtain adiensional paaetes using the Buckingha theoe, though the foation of pi poducts to obtain these paaetes. In epeiental engineeing it is often intended to establish a coelation aong two o oe adiensional paaetes fo puposes of intepolation o etapolation. Soeties a coon vaiable is included in the two o oe coelated adiensional paaetes in ode to ipove the degee of coelation, which would esult in a highe value of the coelation coefficient. Howeve, this pactice can lead to deceivingly high values of such coefficient due to the effect of spuious coelation. In this thesis a statistical ethodology is developed to calculate the degee of spuious coelation which affects a given coefficient of coelation in ode to establish acceptance o ejection citeia fo seveal coelation algebaic odels of fequent use in hydaulics which have a coon vaiable. Recoendations ae also foulated to avoid the poble of spuious coelation. To facilitate the application of this ethodology, a copute poga witten in FORTRAN is developed.

13 III RESUMEN El análisis de coelación es una técnica estadística de uso uy difundido que investiga y odela la elación ente dos o ás vaiables aleatoias o conjuntos de datos epeientales odenados po paes paa hace pedicciones paa una vaiable aleatoia consideada coo dependiente en función de una o vaias vaiables aleatoias consideadas independientes. En ingenieía hidáulica es fecuente la obtención de paáetos adiensionales con el uso del teoea de Buckingha, po edio de la foación de poductos pi paa obtene dichos paáetos. En la ingenieía epeiental suele intentase establece coelaciones ente dos o ás paáetos adiensionales paa popósitos de intepolaciones o etapolaciones. En ocasiones se incluye una vaiable coún en los dos o ás paáetos adiensionales coelacionados con objeto de ejoa el gado de coelación, lo que se eflejaía en un valo ás alto del coeficiente de coelación. Sin ebago, esta páctica puede conduci a valoes engañosaente altos de dicho coeficiente po el efecto de la coelación espuia. En este tabajo se desaolla una etodología estadística paa calcula el gado de coelación espuia que afecta a un coeficiente de coelación dado con objeto de establece citeios de aceptación o echazo de divesos odelos algebaicos de coelación de uso fecuente en la hidáulica que tienen una vaiable en coún. Asiiso se hacen ecoendaciones paa evita el poblea de la coelación espuia. Paa facilita la aplicación de esta etodología, se desaolla un pogaa de coputadoa escito en FORTRAN.

14 RAUL ARRIOJA JUAREZ Ingenieo ivil, Facultad de Ingenieía, UNAM, Méico, 975 Maste of Sciences, Univesity of alifonia, Bekeley, USA, 977 A ORRELAÇÃO ESPÚRIA NA ENGENHARIA HIDRÁULIA Tese apesentada à Escola Politécnica da Univesidade de São Paulo paa a obtenção do título de Douto e Engenhaia SÃO PAULO

15 APITULO INTRODUÇÃO Na engenhaia é cou tenta estabelece elações algébicas ou geoéticas ente duas ou ais vaiáveis aleatóias ou ente conjuntos de dados epeientais odenados co o intuito de pedize o valo de ua das vaiáveis aleatóias e função das outas. oncodando co as caacteísticas do epeiento ealizado, assinala-se a função de vaiável dependente a ua das vaiáveis aleatóias consideadas e às outas se assinala a de vaiáveis independentes. A vaiável dependente caacteiza-se po se a gandeza cujo valo deseja-se conhece, edindo-a e função das outas vaiáveis que são ais siples de edi, pode se edidas co aio eatidão, ou são de ode secundáia. Esta técnica ateática é conhecida geneicaente coo análise de coelação e é aplaente usada na engenhaia, sendo o eeplo ais difundido a coelação dos ínios quadados, que peite estabelece elações algébicas epíicas ente vaiáveis iniizando o eo eistente ente valoes obsevados e valoes estiados, seguindo o citéio de iniiza a soa dos quadados destas difeenças. Na análise de coelação define-se o coeficiente de coelação, que é u paâeto estatístico que tenta quantifica nueicaente a pocentage do gau de coelação estatística ente duas vaiáveis popostas. Poé, paa cetas condições epeientais apesenta-se o fenôeno da coelação espúia, ou falsa, que contibui enganosaente a ua sobe estiação do valo do coeficiente de coelação, o que é inconveniente do ponto de vista epeiental. O pieio objetivo deste tabalho visa o desenvolviento de ua etodologia paa estia a pocentage de coelação espúia que pode apesenta-se nua análise de coelação ente vaiáveis ou gupos de

16 vaiáveis, e tabé desenvolve estatégias paa iniiza ou eliina este tipo de coelação. Outossi, cada vaiável independente que intevé nu fenôeno te u copotaento difeente, co faias de vaiação divesas e eso de natueza distinta. Assi, feqüenteente a velocidade de u fluido pode-se vaia de foa continua, de odo que cuba a faia de inteesse epeiental, enquanto que as vaiáveis geoéticas, po eeplo, o diâeto de u tubo ou a lagua de u canal, vaia de foa disceta co ua possível dispesão ínia de cada valo, e a viscosidade do fluido, eso que intevenha de foa ipotante no fenôeno e po isso deve se consideada, não é odificada ne ua só vez (é consideada constante). Então tabé é ipotante, coo segundo objetivo deste tabalho, considea esta situação paa futuos tabalhos de pesquisas (vide Sugestões paa futuas pesquisas) co o objetivo de analisa coo esta difeença de copotaento intevé e influi nos esultados de u epeiento.

17 APÍTULO REVISÃO BIBLIOGRÁFIA SOBRE O TEMA DE ORRELAÇÃO ESPÚRIA ORIENTADO À ENGENHARIA HIDRÁULIA. Intodução Na engenhaia hidáulica é feqüente a obtenção de paâetos adiensionais epegando técnicas de análise diensional baseadas no teoea de Buckingha (foação de podutos pi paa obte paâetos adiensionais). Os paâetos adiensionais (hoogêneos) obtidos deve se tão siples quanto possível e deve inclui o eno núeo possível de vaiáveis epesentadas po gandezas de efeência. Po eeplo, na aioia dos pobleas de engenhaia considea-se coo diensões de efeência a assa, o copiento e o tepo, e o núeo de paâetos adiensionais que se pode calcula co o teoea de Buckingha são tês a enos que as gandezas de efeência que intevenha no poblea (habitualente tês ou duas). Eiste azões paa usa a análise diensional na engenhaia, coo po eeplo: ) as diensões são conceitos inventados pelo hoe que não coesponde necessaiaente aos fenôenos natuais estudados (po tanto, eque-se de ua feaenta adicional paa o estudo dos fenôenos natuais); ) as epesentações funcionais e teos de quantidades adiensionais são a foa ais siples de elações diensionalente hoogêneas e são invaiantes das unidades de edição; ) a análise diensional agupa as vaiáveis consideadas e paâetos adiensionais paa u fenôeno estudado (Mahood, 98). Ua definição de análise diensional pode se u étodo pelo qual se deduz infoação aceca de u fenôeno atavés de ua única peissa que os fenôenos possa se descitos po ua equação diensionalente coeta que inclua cetas vaiáveis (a

18 ethod by which we deduce infoation about a phenoenon fo the single peise that the phenoena can be descibed by a diensionally coect equation having cetain vaiables), (Mahood, 98).. Revisão bibliogáfica do tea abodado Na epeientação usa-se tabé, co uita feqüência, infeências baseadas e intepolações ou etapolações paa foula pedições, nas quais se estia o valo de ua vaiável dependente e teos de ua ou váias vaiáveis independentes, atavés de ua coelação estatística estabelecida po ua elação be definida ente paâetos dependentes e independentes que são pate de gandezas adiensionais que são as que govena a coelação dada. Pode-se defini a coelação coo O pocesso paa estabelece ua elação ente ua vaiável e ua ou ais vaiáveis elacionadas. A coelação é siples se eisti soente ua vaiável independente; e é últipla se eisti ais de ua vaiável independente. (The pocess of establishing a elation between a vaiable and one o oe elated vaiables. oelation is siple if thee is only one independent vaiable; ultiple if thee is oe than one independent vaiable.), (Langbein, 96b). Paa obte ua coelação ente ua e outa ou ais vaiáveis, usa-se pefeenteente equações ateáticas obtidas atavés de étodos estatísticos de egessão que são be conhecidos, coo po eeplo, o étodo dos ínios quadados (Mille, 985). A coelação ateática ente duas vaiáveis dadas pode epii-se po dois tipos de cuvas de egessão, que são ua eta (quando a egessão ente as vaiáveis é linea) ou ua cuva de gau n (quando a egessão ente as ditas vaiáveis é não linea), segundo a tendência geal apeciada nos dados epeientais quando estes são plotados nu diagaa de dispesão (Mille, 985). Tabé se pode obte ua cuva de coelação baseada nu étodo de coelação gáfica, coo po eeplo, pelo étodo poposto po

19 5 Seacy (96), do U. S. Geological Suvey, no qual se usa u gáfico logaítico paa plota as edianas das vazões consideadas paa duas estações de edição que se deseja coelaciona, agupadas segundo faias veticais e hoizontais, que pode vaia de 5 a e núeo, e que contenha pelo enos tês pontos, deteinando gaficaente paa cada faia a ediana do gupo de pontos da seguinte aneia: se o núeo de pontos nua faia fo pa, obté-se a édia dos tês pontos édios do gupo (tanto no sentido vetical coo hoizontal); se o núeo de pontos da faia fo ípa, obté-se a édia dos tês pontos édios do gupo, dando ao ponto édio u peso dois. Se ua faia conté enos de tês pontos, deve se descatada (Seacy, 96). Ofeece-se outa eposição bastante apla do tea da coelação gáfica e Linsley (975), onde se estuda e pieio teo a coelação gáfica ente duas vaiáveis, depois a coelação gáfica ente tês vaiáveis, e finalente a obtenção da coelação aial ente quato ou ais vaiáveis. Paa o pieio caso de estudo, enciona-se que paa ua coelação linea, a eta de elho ajuste deve passa sepe pelo ponto definido pelas édias dos valoes obsevados das duas vaiáveis consideadas e Y, eso paa ua eta obtida po eio da coelação gáfica que paa ua eta obtida pelo étodo dos ínios quadados. Paa a ápida obtenção de ua eta de elho ajuste pelo étodo gáfico, pode dividi-se os dados e dois ou ais gupos de valoes paa obte suas espectivas édias, e depois obte as édias das édias até defini a eta pocuada. Poé, o étodo gáfico fonece ua eta que iniiza a soa absoluta dos desvios ente valoes vedadeios e valoes estiados, enquanto que o étodo analítico dos ínios quadados iniiza a soa dos quadados dos ditos desvios. Nas duas seções estantes do Apêndice A (Linsley, 975) desceve-se étodos paecidos à etodologia epegada paa constui noogaas paa obte coelações ente tês ou ais vaiáveis. Os dois tipos de coelação, gáfica ou nuéica, visa o eso objetivo,

20 6 poé, difee no pocediento epegado. Segundo Seacy, as vantagens do pocediento de coelação gáfica epegado no seu caso de estudo de dois pontos de edição hidoética, u deles co u longo egisto históico de vazões e o outo co u egisto cuto, são que o plotado dos pontos da elação das vazões no papel logaítico tende a noaliza os dados e a tansfoa a elação oiginalente cuvilínea nua elação linea, e que o étodo analítico dos ínios quadados tende a da u peso ecessivo aos pontos eteos ou eotos da elação, contibuindo assi a ove a eta (ou cuva) de coelação poposta apoiando-a dos pontos eteos, intoduzindo assi u viés indesejável (Seacy, 96). Obté-se o eso efeito, eboa eno, se foe usadas as édias dos gupos de vazões no étodo gáfico e luga das edianas. O citéio ais couente epegado paa tenta avalia o gau de coelação apaente ente vaiáveis ou funções de pedição popostas é o coeficiente de coelação ρ, que está associado co ua epesentação gáfica da coelação poposta. Gealente considea-se que se foe obtidos valoes altos do coeficiente de coelação, os paâetos elacionados lineaente na coelação são eficientes paa pedize o valo da vaiável dependente. Poé, este citéio estatístico não é suficiente paa que a noa de pedição poposta seja ealente eficiente, que dize, que ealente se baseie e elações causaefeito be definidas. Paa gaanti esta condição, deve epega-se povas estatísticas de hipótese paa calcula intevalos de confiança paa os valoes estiados da vaiável dependente. Na pática estas povas ignoa-se, que po ua enganosa apaência de coelação que suge dos dados epeientais, que pela ipossibilidade de calcula intevalos de confiança paa as vaiáveis independentes consideadas. Isto gea condições que conduze à coelação espúia. O uso indisciinado das técnicas de análise

21 7 diensional já encionadas, baseadas no teoea de Buckingha, paa calcula paâetos adiensionais se contepla a azão física que deve se consideada paa estabelece ua elação válida causa-efeito, conduz a foulações incoetas que causa o poblea da coelação espúia. U valo alto do coeficiente de coelação associado à análise estatística não é suficiente paa estabelece ua elação causa-efeito. Alé dos aguentos acia epostos, feqüenteente pode apaece vaiáveis independentes epetidas eso nos paâetos dependentes que nos independentes nua elação poposta, cuja pesença intoduz ua coelação estatística que é fictícia, e que é conhecida coo coelação espúia. O pieio estudo conhecido na liteatua técnica sobe o tea da coelação espúia foi escito po Peason e 896, aplicado ao estudo da biologia. Neste estudo o auto estabelece que se houve duas funções u f, y), v f ( z, ) que conté tês vaiáveis ( y, y, z selecionadas aleatoiaente, de odo a não te coelação ente, y, ente y, z, ou ente z,, ainda pode calcula-se ua coelação ente u e v se se foae as fações z, paa o teno de vaiáveis (Peason, 896). Poé, o coeficiente de coelação obtido é y y espúio, desde que foi obtido a pati de vaiáveis co distibuição aleatóia. Peason ofeece u eeplo de sua hipótese ilustando u caso no qual obté ua quantidade de ossos de u ossuaiu, os quais são aanjados po gupos pocedentes de esqueletos individuais. Então se foa os índices féu, húeo tíbia húeo. Apaenteente, pode se espea que eista ua elação ogânica ente estes índices desde que pode calcula-se o coeficiente de coelação ente eles. Poé, devido às caacteísticas antopoéticas do esqueleto

22 8 huano, Peason conclui que o eso valo do coeficiente de coelação pode se obtido se os ossos tivesse sido soteados e foa copletaente aleatóia. Po esta azão, Peason define a coelação ogânica espúia coo a coelação que se enconta ente índices quando os valoes absolutos dos ógãos tê sido selecionados e foa copletaente aleatóia: I shall accodingly define spuious oganic coelation as the coelation which will be found between indices, when the absolute values of the ogans have been selected puely at ando. No capo da edicina o uso de índices é uito cou. Po eeplo, o índice povavelente ais utilizado na pesquisa édica seja o índice de assa copoal (Body Mass Inde, (BMI)), que se obté coo o quociente do peso de ua pessoa ente a estatua elevada ao quadado, e que se usa coo u índice de obesidade (Konal, 99). Outo eeplo é o índice de volue epiatóio foçado (Foced Epiatoy Volue, (FEV) dividido ente a estatua da pessoa elevada ao quadado usado paa deteina padões específicos dependentes da idade paa a função pulona paa abos os seos (Konal, 99). As coelações obtidas ente índices se considea as vedadeias elações causa efeito ente as vaiáveis estudadas pode conduzi a conclusões eadas e esquisitas. Po eeplo, cita-se o caso de u estudo no qual se obté ua coelação ente o índice do núeo de cegonhas po cada ulhees e o índice do núeo de cianças po ulhees paa ua dada egião, paa chega à conclusão absuda de que o núeo de cegonhas influi na taa de natalidade (Konal, 99). Poé, atavés de ua anipulação difeente dos dados, na qual se elaciona lineaente o núeo de cegonhas coo vaiável independente co a taa de natalidade, chega-se a ua conclusão dietaente contáia, que dize, o núeo de cegonhas está invesaente elacionado co a taa de natalidade (Konal, 99). E óbvio que os índices popostos nesta epeiência não tê nenhua

23 9 acionalidade do ponto de vista biológico. Paa esolve estes paadoos, ecoenda-se evita o uso de índices e epií-los coo pate do odelo de egessão linea atavés de inteações (podutos, po eeplo, ) (Konal, 99). Poé, nas catas diigidas ao auto (Konal, 99) (Lettes to the Editos), coenta-se que às vezes, no capo da edicina, há necessidade de usa índices po azões clínicas e tabé, popõe-se o uso de odelos de função eponencial ou aloéticos do tipo de atavés do uso de logaitos. Y α β ε, que pode lineaiza-se No capo da sociologia é feqüente o uso de índices que tê coo denoinado o taanho da população paa pode copaa quantidades, apesentando-se tabé o poblea da coelação espúia (Konal, 99). hayes (99) esceveu u estudo sobe coelação espúia aplicado à petogafia. Baseando-se na fóula geal de Reed (9) paa enconta o coeficiente de coelação ente dois índices e teos dos coeficientes de coelação das quato vaiáveis consideadas e seus coeficientes de vaiação (Peason, 896), hayes calcula foulações paa cinco casos de coelação ente índices que se apesenta e seguida: aso, coelação ente dois índices co denoinado cou, y, z aso, coelação de u índice co ua teceia vaiável, y, z aso, coelação de u índice co seu pópio denoinado, y, z aso, coelação de u índice co seu pópio nueado, y, z

24 aso 5, coelação ente índices quando o denoinado de u é o eso que o nueado do outo, y, z E seguida apeseta-se aplicações de foulações obtidas a casos de estudo da petogafia. hayes coenta que se obteve a foulação de Peason sob o suposto de que as vaiáveis individuais consideadas (edições absolutas) caacteizaa-se po esta noalente distibuídas e que paa cada vaiável o coeficiente de vaiação (desvio padão dividido pela édia) ea suficienteente pequeno paa ignoa as potências teceia e aioes do coeficiente. Tabé se coenta que (Reed, 9) chegou à esa foulação que Peason se especifica a possível distibuição pobabilística das vaiáveis consideadas. Finalente hayes conclui que, ao foa dois índices a pati de quato vaiáveis, não haveá coelação ente eles se não houve coelação ente as vaiáveis, e que, e geal, haveá coelação ente os índices se houve coelação ente ua ou ais duplas das vaiáveis consideadas (edições absolutas) se cada índice inclui ua vaiável da dupla. hayes conclui tabé que a coelação dos índices não é u citéio confiável paa avalia as coelações das vaiáveis consideadas (edições absolutas). No capo da estatística, o poblea da coelação espúia estuda-se sob o noe de ulticolineaidade (Montgoey, 99), a qual se define coo ua dependência quaselinea ente as vaiáveis de egessão consideadas. A ulticolineaidade é u poblea séio que pode afeta pofundaente a utilidade de u odelo de egessão (Montgoey, 99). A pesença da ulticolineaidade pode afeta pofundaente a pecisão de pedição dos coeficientes de egessão estiados paa u odelo de egessão poposto (po eeplo, o étodo dos ínios quadados) (Montgoey, 99). Se houve ua fote

25 ulticolineaidade, os coeficientes de egessão estiados tona-se uito sensíveis aos dados da população aostada. Tabé, as etapolações que se faze não seão uito confiáveis (Montgoey, 99). onfoe Montgoey e Mason cita-se quato fontes piaias de ulticolineaidade, que são: ) o étodo usado paa coleta dados ou técnica de aostage (po eeplo, se voluntáia ou involuntaiaente coleta-se aostas soente de u subespaço do espaço das vaiáveis de egessão, (Mason, 975); ) as estições físicas que liita ao odelo ou a população estudada (po eeplo, e quíica analítica, onde a soa de u núeo de coponentes nua solução deve se constante eboa os valoes das coponentes individuais vaie (Mason, 975); ) a eleição do odelo; e ) u odelo sobe-definido, caacteizado pela eistência de ais vaiáveis de egessão que obsevações (Mason, 975). E seguida eaina-se os efeitos da ulticolineaidade sobe o odelo de egessão de ínios quadados (Montgoey, 99), alguas técnicas ateático estatísticas paa detecta a ulticolineaidade (Montgoey, 99), e finalente discute-se alguns étodos popostos paa eedia a ulticolineaidade que são: ) coleta de dados adicionais (ecoendado confoe Montgoey coo o elho étodo paa cobate a ulticolineaidade); ) ua nova eleição de odelo; ) a aplicação da técnica de egessão e cistas (Nagib Elian, 988) (idge egession) e luga do étodo de ínios quadados; ) a aplicação do étodo genealizado de egessão e cistas (genealized idge egession), que é ua etensão do étodo anteio; 5) a aplicação do étodo de egessão das coponentes pincipais, 6) a aplicação do étodo de egessão de aízes latentes, 7) a copaação e avaliação de estiadoes co viés. Mason ecoenda tabé faze ua nova seleção de vaiáveis paa ipleenta o odelo de egessão.

26 Na econoia, estuda-se a ulticolineaidade no capo da econoetia na aplicação de odelos de egessão. Na constução de u odelo de egessão últipla, é peciso estia os coeficientes individuais de egessão. Se estes coeficientes ou egessoes foe otogonais, pode se faze infeências estatísticas co elativa facilidade (Montgoey, 99). Diz-se que os egessoes são otogonais quando não há ua elação linea ente eles. Feqüenteente, poé, os egessoes não são otogonais e uitas aplicações. Às vezes esta não otogonalidade não é séia. Poé, se os egessoes estivee quase pefeitaente elacionados lineaente, as infeências baseadas no odelo coespondente pode esta eadas. Esta dependência linea ente os egessoes é ua causa da ulticolineaidade. Paa obte u bo esultado nas infeências, u odelo linea de egessão deve te as tês seguintes caacteísticas essenciais: ) a vaiável aleatóia dependente y deve te ua distibuição noal de pobabilidade; ) deve se válida a hipótese de hoocedasticidade paa o odelo (Nagib Elian, 988), que dize, paa todo valo de, a vaiância ao edo da eta de egessão deve se constante ( Va( ε i ) constante). (A condição contáia é denoinada heteocedasticidade); ) o eo deve se independente paa cada valo de. Ua estatégia paa coigi a ulticolineaidade pode se segundo duas etapas sucessivas: detecção e coeção (Faa, 967). A ulticolineaidade é consideada coo ua condição estatística e vez de ateática, e po tanto, o poblea é avaliado e teos de sua seveidade, as não e teos de sua eistência ou não eistência (Faa, 967). Popõe-se ua ega epíica paa diagnostica o gau de seveidade da ulticolineaidade (ou intecoelação) que consiste e que, dado ij coelação de ode zeo ente duas vaiáveis independentes, e R y coelação últipla ente vaiáveis dependentes e independentes, a ulticolineaidade

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1 ÍNDICE

SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS Carlos Alberto Alves Varella 1 ÍNDICE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO IT Depataento de Engenhaia ÁREA DE MÁQUINAS E ENERGIA NA AGRICULTURA IT 154- MOTORES E TRATORES SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE TRATORES AGRÍCOLAS Calos Albeto Alves

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

Exercícios Resolvidos Astronomia (Gravitação Universal)

Exercícios Resolvidos Astronomia (Gravitação Universal) Execícios Resolvios Astonoia (Gavitação Univesal) 0 - Cite as leis e Keple o oviento os copos celestes I "As óbitas que os planetas esceve ao eo o Sol são elípticas, co o Sol ocupano u os focos a elipse"

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb

Curso de Física Básica - H. Moysés Nussenzveig Resolução do Volume III Capítulo 2 A Lei de Coulomb uso e Física Básica - H Mosés Nussenzveig Resolução o Volue III apítulo A Lei e oulob - Moste que a azão a atação eletostática paa a atação gavitacional ente u eléton e u póton é inepenente a istância

Leia mais

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante

Torque Eletromagnético de Máquinas CA. com Entreferro Constante 1. Intodução Apotila 4 Diciplina de Coneão de Enegia B Toque Eletoagnético de Máquina CA co Entefeo Contante Neta apotila ão abodado o pincipai apecto elacionado co a podução de toque e áquina de coente

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

, (eq.1) Gravitação Universal Com Gabarito. 1. Lei da Gravitação Universal de Newton (1642-1727): Turma ITA IME Professor Herbert Aquino

, (eq.1) Gravitação Universal Com Gabarito. 1. Lei da Gravitação Universal de Newton (1642-1727): Turma ITA IME Professor Herbert Aquino Gavitação Univesal Co Gabaito 1. Lei da Gavitação Univesal de Newton (1642-1727): Apoiado nos estudos de Copénico, Galileu e Keple, Isaac Newton apesentou sua lei da Gavitação Univesal. Ente dois copos

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p.

x p - O Valor do total das actividades consideradas, na região padrão p. Conceitos e Metodologias Medidas de Especialização Regional As medidas de análise egional, tadicionalmente utilizadas na análise dos tecidos podutivos egionais e em análises económicas sectoiais à escala

Leia mais

As grandezas vetoriais

As grandezas vetoriais As gandezas vetoiais No capítulo I, vimos o poquê da utilização de vetoes na caacteização de algumas gandezas físicas, difeenciando as gandezas escalaes das vetoiais. As gandezas escalaes são aquelas pefeitamente

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

ESTUDO DO MOONPOOL COMO SISTEMA DE MINIMIZAÇÃO DE MOVIMENTO EM UMA PLATAFORMA DO TIPO MONOCOLUNA

ESTUDO DO MOONPOOL COMO SISTEMA DE MINIMIZAÇÃO DE MOVIMENTO EM UMA PLATAFORMA DO TIPO MONOCOLUNA FERNANDO GOMES DA SIVA TORRES ESTUDO DO MOONPOO COMO SISTEMA DE MINIMIZAÇÃO DE MOVIMENTO EM UMA PATAFORMA DO TIPO MONOCOUNA Dissetação apesentada à Escola Politécnica da Univesidade de São Paulo paa obtenção

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I FOÇA NT CAGAS LÉTICAS O CAMPO LTOSTÁTICO Os pimeios fenômenos de oigem eletostática foam obsevados pelos gegos, 5 séculos antes de Cisto. les obsevaam que pedaços de âmba (elekta), quando

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

Renato Frade Eliane Scheid Gazire

Renato Frade Eliane Scheid Gazire APÊNDICE A CADENO DE ATIVIDADES PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE MINAS GEAIS Mestado em Ensino de Ciências e Matemática COMPOSIÇÃO E/OU DECOMPOSIÇÃO DE FIGUAS PLANAS NO ENSINO MÉDIO: VAN HIELE, UMA OPÇÃO

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br

F-328-2 º Semestre de 2013 Coordenador. José Antonio Roversi IFGW-DEQ-Sala 216 roversi@ifi.unicamp.br F-38 - º Semeste de 013 Coodenado. José Antonio Rovesi IFGW-DEQ-Sala 16 ovesi@ifi.unicamp.b 1- Ementa: Caga Elética Lei de Coulomb Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitoes e Dieléticos Coente

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

DESCRIÇÃO 18/06/2016 07:35

DESCRIÇÃO 18/06/2016 07:35 DESCRIÇÃO Registo 400693 Revisão 10/06/2016 Status Ativo Título Históia do Hospital Colônia Pedo Fontes e Educandáio Alzia Bley Data de início 01/04/2014 Pevisão de téino 31/12/2018 Data de apovação pelo

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA

DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA DETERMINAÇÃO DE ROTAS PARA EMPRESAS DE ENTREGA EXPRESSA Femin A. Tang Montané Pogama de Engenhaia de Sistemas, COPPE/UFRJ Vigílio José Matins Feeia Filho Depatamento de Engenhaia Industial/ UFRJ/ Escola

Leia mais

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido

CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO. 1. Leis Físicas Fundamentais. 3 leis escoamentos independentes da natureza do fluido CAPÍTULO III- DESCRIÇÃO DE UM FLUIDO EM MOVIMENTO 1. Leis Físicas Fundamentais 3 leis escoamentos independentes da natueza do fluido Leis Básicas Equações Fundamentais Lei da Consevação de Massa Equação

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Vesão pelimina de setembo de Notas de Aula de ísica 8. CONSRVAÇÃO DA NRGIA... ORÇAS CONSRVATIVAS NÃO-CONSRVATIVAS... TRABALHO NRGIA POTNCIAL... 4 ORÇAS CONSRVATIVAS - NRGIA MCÂNICA... 4 negia potencial

Leia mais

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos?

Leia mais

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO

ANÁLISE DA FIABILIDADE DA REDE DE TRANSPORTE E DISTRIBUIÇÃO NÁLIE D IBILIDDE D REDE DE TRNPORTE E DITRIBUIÇÃO. Maciel Babosa Janeio 03 nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição. Maciel Babosa nálise da iabilidade da Rede de Tanspote e Distibuição ÍNDICE

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA ESCOL DE ESPECILISTS DE ERONÁUTIC CONCURSO DE DMISSÃO O CS /00 PROV DE MTEMÁTIC ÍSIC QUÍMIC CÓDIGO D PROV 9 MRQUE NO CRTÃO DE RESPOSTS O CÓDIGO D PROV. s questões de 0 a 0 efeem se a Matemática 0 Se a

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005

Prova Teórica. Terça-feira, 5 de Julho de 2005 36 a Olimpíada Intenacional de Física. Salamanca (Espanha) 5 Pova Teóica Teça-feia, 5 de Julho de 5 Po favo, le estas instuções antes de inicia a pova:. O tempo disponível paa a pova teóica é de 5 hoas..

Leia mais

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva

PR I. Teoria das Linhas de Transmissão. Carlos Alberto Barreiro Mendes Henrique José da Silva PR I II Teoia das Linhas de Tansmissão Calos Albeto Baeio Mendes Henique José da Silva 5 Linhas de Tansmissão 1 LINHAS DE TRANSMISSÃO 1.1 Paâmetos distibuídos Um cabo coaxial ou uma linha bifila (mostados

Leia mais

João Eduardo de Souza Grossi

João Eduardo de Souza Grossi UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA MESTRADO PROFISSIONALIZANTE, MODELAGEM MATEMÁTICA EM FINANÇAS MODELO DISCRETO DE APREÇAMENTO

Leia mais

Exp. 10 - RESSONÂNCIA

Exp. 10 - RESSONÂNCIA apítulo Exp. 0 - RESSONÂNIA EÉTRIA. OBJETIVOS Estudo das oscilações eléticas foçadas em cicuitos essonantes em séie e em paalelo..2 PARTE TEÓRIA Muitos sistemas físicos estáticos e estáveis, quando momentaneamente

Leia mais

Capítulo III Lei de Gauss

Capítulo III Lei de Gauss ELECTROMAGNETISMO Cuso de Electotecnia e de Computadoes 1º Ano º Semeste 1-11 3.1 Fluxo eléctico e lei de Gauss Capítulo III Lei de Gauss A lei de Gauss aplicada ao campo eléctico, pemite-nos esolve de

Leia mais

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio

Equações Básicas na Forma Integral - I. Prof. M. Sc. Lúcio P. Patrocínio Fenômenos de Tanspote Equações Básicas na Foma Integal - I Pof. M. Sc. Lúcio P. Patocínio Objetivos Entende a utilidade do teoema de Tanspote de Reynolds. Aplica a equação de consevação da massa paa balancea

Leia mais

Simulador de Transmissões Digitais

Simulador de Transmissões Digitais Simulado de Tansmissões Digitais Fancisco A. Taveia Banco. Monteio, Fancisco A. B. Cecas IST - Depatamento de Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Instituto de Telecomunicações, IST - Toe ote -9, Av.

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

Estudo para Utilização de Energia Térmica Proveniente de Forno Cerâmico para Secagem de Cerâmica

Estudo para Utilização de Energia Térmica Proveniente de Forno Cerâmico para Secagem de Cerâmica Estudo paa Utilização de Enegia Téica Poveniente de Fono Ceâico paa Secage de Ceâica Glaube Recco* Moliza evestientos ceâicos Ltda, Rua de aio, 165, Moo da Fuaça - SC, Basil, *e-ail: glaube@oliza.co.b

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO SIMULAÇÃO DA DINÂMICA LATERAL DE VEÍCULOS ARTICULADOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO POSITIVO SIMULAÇÃO DA DINÂMICA LATERAL DE VEÍCULOS ARTICULADOS ENTRO NIVERSITÁRIO POSITIVO SIMLÇÃO D DINÂMI LTERL DE VEÍLOS RTILDOS RITI 007 LEXNDRE MSSO MIR LENDRO DE PL LIZ FONSO TORRES POLI SIMLÇÃO D DINÂMI LTERL DE VEÍLOS RTILDOS Tabalho de onlusão de uso apesentado

Leia mais

Gestão de Inventários: Introdução 1

Gestão de Inventários: Introdução 1 Gestão de Inventáios: Intodução 1 Gestão de Inventáios Intodução Definição de inventáio (ou stock) Acumulação de matéias-pimas, podutos semi-acabados e/ou podutos acabados, bem como de sobessalentes necessáios

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais Mecânica Clássica (icenciatuas em Física Ed., Química Ed.) Folha de oblemas 4 Movimentos de coos sob acção de foças centais 1 - Uma atícula de massa m move-se ao longo do eixo dos xx, sujeita à acção de

Leia mais

Alinhamento de Três Pontos

Alinhamento de Três Pontos ANO 0 DISIPLINA: Matemática PROFESSORA): Adiano Lima SERIE/TURMA: o Ano VALOR: ATIVIDADE TRABALHO PROVA PARIAL PROVA FINAL REUPERAÇÃO ETAPA: a Etapa SUPERVISORA: Lânia Rezende DATA: NOTA ALUNOA): N. o

Leia mais

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared

Structural changes in employment in the economy: 1996 and 2002 compared MPRA Munich Pesonal RePEc Achive Stuctual changes in employment in the economy: 1996 and 22 compaed Ichihaa, Silvio Massau; Guilhoto, Joaquim J.M. and Amoim, Mácio Guea 27 Online at http://mpa.ub.uni-muenchen.de/31514/

Leia mais

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:20. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica,

LISTA 3 - Prof. Jason Gallas, DF UFPB 10 de Junho de 2013, às 18:20. Jason Alfredo Carlson Gallas, professor titular de física teórica, LISTA 3 - Pof Jason Gallas, DF UFPB 1 de Junho de 13, às 18: Execícios Resolvidos de Física Básica Jason Alfedo Calson Gallas, pofesso titula de física teóica, Douto em Física pela Univesidade Ludwig Maximilian

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS.

FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS. FACULDADE DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SECÇÃO DE ESTRUTURAS MECÂNICA DOS SÓLIDOS Álvao Azevedo 996 PREFÁCIO A matéia leccionada na disciplina de Mecânica dos

Leia mais

Conversor CC-CC Bidirecional Buck-Boost Atuando como Controlador de Carga de Baterias em um Sistema Fotovoltaico

Conversor CC-CC Bidirecional Buck-Boost Atuando como Controlador de Carga de Baterias em um Sistema Fotovoltaico UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Seto de Tecnologia Faculdade de Engenhaia Pogama de Pós-Gaduação em Engenhaia Elética onveso - Bidiecional Buck-Boost Atuando como ontolado de aga de Bateias em um

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

Projeto rumo ao ita. Campo Elétrico e Lei de Gauss. Exercícios. ITA/IME Pré-Universitário

Projeto rumo ao ita. Campo Elétrico e Lei de Gauss. Exercícios. ITA/IME Pré-Universitário Pojeto uo ao ita Capo lético e Lei e Gauss 4 figua abaio osta u copo e assa e caga q, abanonao na posição sob a ação e seu peso P baio o plano hoizontal π, atua u capo elético unifoe, vetical e e intensiae

Leia mais

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas

2. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS. 2.1 Aplicação da Análise Experimental de Estruturas 3. A INVESTIGAÇÃO EXPERIMENTAL DE ESTRUTURAS.1 Aplicação da Análise Expeimental de Estutuas A qualidade de um sistema estutual é caacteizada po um deteminado conjunto de seus atibutos chamados de vaiáveis

Leia mais

4ª Unidade: Geometria Analítica no Espaço

4ª Unidade: Geometria Analítica no Espaço Geoeti Anlíti Engenhi Quíi/Quíi Industil 5 ª Unidde: Geoeti Anlíti no Espço Equções d et no IR Seos que dois pontos define u et Co pens u dos pontos té é possível defini posição de u et desde que tenhos

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Cultua Anglo Ameicana de Petolina LTDA Nome Fantasia: Yázigi Petolina Data de fundação 03 de janeio

Leia mais

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras

Introdução. Base de Dados: Linha de Calibração Observatório Nacional Agulhas Negras A impotância da eestutuação da Linha de Calibação Obsevatóio Nacional Agulhas Negas paa atende as caacteísticas dos gavímetos Scintex CG5. Fancisma Rimoli Bequó, IFF, Itapeuna, Basil*. Iis Peeia Escoba,

Leia mais

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino

F. Jorge Lino Módulo de Weibull MÓDULO DE WEIBULL. F. Jorge Lino MÓDULO DE WEIBULL F. Jorge Lino Departaento de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, Rua Dr. Roberto Frias, 4200-465 Porto, Portugal, Telf. 22508704/42,

Leia mais

2 Compressor Automotivo

2 Compressor Automotivo Compesso Automotivo Neste capítulo seá apesentado o desenvolvimento de um modelo de simulação de compessoes altenativos automotivos..1. Intodução O compesso é o componente mais impotante de um sistema

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

Instituto de Sistemas e Robótica * Pólo de Coimbra *

Instituto de Sistemas e Robótica * Pólo de Coimbra * Instituto de Sistemas e Robótica * Pólo de Coimba * Utilização de Filto de Kalman em Pocessos de Segmentação de Dados D de um LRF e na PediçãoEstimação da Posição de Objectos em Movimento Technical Repot

Leia mais

Capítulo 4 A FORMA DA TERRA

Capítulo 4 A FORMA DA TERRA J M Mianda, J F Luis, P Costa, F M Santos Capítulo 4 A FORMA DA ERRA 4.1 Potenciais Gavitacional, Centífugo e Gavítico Isaac Newton (164-177) explicou nos seus Pincípios Matemáticos da Filosofia Natual,

Leia mais

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler).

3 - DESCRIÇÃO DO ELEVADOR. Abaixo apresentamos o diagrama esquemático de um elevador (obtido no site da Atlas Schindler). 3 - DESCRIÇÃO DO EEVADOR Abaixo apesentamos o diagama esquemático de um elevado (obtido no site da Atlas Schindle). Figua 1: Diagama esquemático de um elevado e suas pates. No elevado alvo do pojeto, a

Leia mais

e A Formação do Circuito Equivalente

e A Formação do Circuito Equivalente Cadeno de Estudos de MÁQUINAS ELÉCTRICAS nº 4 A Coe nte Eléctica de Magnetização e A Fomação do Cicuito Equivalente Manuel Vaz Guedes (Pof. Associado com Agegação) Núcleo de Estudos de Máquinas Elécticas

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

Movimentos: Variações e Conservações

Movimentos: Variações e Conservações Movimentos: Vaiações e Consevações Volume único Calos Magno S. da Conceição Licinio Potugal Lizado H. C. M. Nunes Raphael N. Púbio Maia Apoio: Fundação Ceciej / Extensão Rua Visconde de Niteói, 1364 Mangueia

Leia mais

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn

Método Simbólico. Versus. Método Diagramas de Euler. Diagramas de Venn IV Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler E Diagraas de Venn - 124 - Método Sibólico Versus Método Diagraas de Euler e Diagraas de Venn Para eplicar o que é o Método Sibólico e e que aspecto difere

Leia mais