Renato Frade Eliane Scheid Gazire

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Renato Frade Eliane Scheid Gazire"

Transcrição

1 APÊNDICE A CADENO DE ATIVIDADES PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DE MINAS GEAIS Mestado em Ensino de Ciências e Matemática COMPOSIÇÃO E/OU DECOMPOSIÇÃO DE FIGUAS PLANAS NO ENSINO MÉDIO: VAN HIELE, UMA OPÇÃO enato Fade Eliane Scheid Gazie

2 INTODUÇÃO O pesente tabalho, esultado decoente de um pocesso de pesquisa no Mestado de Ensino de Ciências e Matemática da PUC-Minas, foi oientado e sugeido pela pofessoa Eliane Scheid Gazie e tem como objetivo apesenta ao educado uma possibilidade de intevenção pedagógica no ensino da Matemática, mais especificamente na composição e/ou decomposição de figuas planas na esolução de poblemas geométicos. Neste módulo são apesentadas sugestões de vinte questões envolvendo o tema, com a sua esolução, oientações e comentáios paa o pofesso tabalhá-las em sala de aula. As atividades foam pepaadas dento de uma linha metodológica voltada paa a esolução de poblemas, definidas e testadas duante o pocesso da pesquisa. Após o contato com essas questões, muitas outas podem se pepaadas pelo pópio usuáio que tenha inteesse docente. Acompanha este módulo um CD com os poblemas paa seem aplicados na sala de aula. A intenção é que este mateial, como modelo didático-metodológico, contibua paa o desenvolvimento de habilidades e de conceitos geométicos, de aciocínio lógico e, em suma, de compeensão do pocesso de composição e/ou decomposição de figuas planas. Neste Cadeno de Atividades, apesentaemos sugestões de questões paa que os pofessoes de Matemática tabalhem com os alunos do Ensino Médio. Emboa tenha sido feita uma tentativa de colocá-las em odem cescente de dificuldade, o pofesso, conhecendo as potencialidades dos seus alunos, é que deveá decidi se apesentaá esse ou aquele poblema ao seu educando ou, ainda, a odem a se disponibilizada. Aceditamos que, após a leitua deste tabalho, pofessoes e estudantes de Matemática estaão mais bem pepaados paa desenvolve atividades que envolvam a composição e/ou decomposição de figuas planas. Os autoes.

3 PEFÁCIO Pezado (a) leito (a): Um dos pincipais objetivos do ensino de Matemática é faze o aluno a pensa podutivamente e, paa isso, nada melho que apesenta-lhe situações-poblema que o envolvam, o desafiem e o motivem a quee esolvê-las. (DANTE, 00, p.11). Sugeimos, como poposta de tabalho pedagógico, atividades pautadas no modelo Van Hiele de desenvolvimento do pensamento geomético, uma vez que sugee uma oganização do tabalho de modo a popicia uma apendizagem significativa das habilidades geométicas, possibilitando ao aluno da ª séie do Ensino Médio a competência necessáia à esolução de poblemas po meio da composição e/ou decomposição de figuas planas. O modelo consiste em cinco níveis ascendentes de compeensão, descevendo caacteísticas do pocesso de pensamento. O pogesso de um nível paa o seguinte se dá aceca da vivência de atividades adequadas, não dependendo da idade ou matuação do aluno (LOPES; NASSE, 1997). O modelo Van Hiele é fundamentado numa visão que valoiza a apendizagem da Geometia ao longo de todos os anos de Ensino Básico, uma vez que se move sequencialmente a pati do nível inicial (visualização), até o nível mais elevado (igo), sendo cada nível caacteizado po elações ente os objetos de estudo e linguagens pópias. Po isso, duante o estudo, é necessáio um acompanhamento sistemático po pate do educado, no sentido de gaanti ao educando atividades po meio das quais ele possa vivencia cada nível de aciocínio a pati do domínio dos níveis anteioes. Assim, deve-se esta atendo aos cinco níveis de compeensão, a sabe: Visualização: Apenas a foma de uma figua é pecebida. Análise: A figua é analisada e seus componentes e popiedades são descobetos.

4 Dedução infomal: Pecebe-se que uma figua pode te mais do que um nome (inclusão de classes). Exemplo: um quadado também é um etângulo (e um paalelogamo!). Dedução: Constói-se demonstações e não apenas as memoiza; enxega a possibilidade de desenvolve uma demonstação de mais de uma maneia; compeende a inteação das condições necessáias e suficientes; distingue uma afimação e sua ecípoca. igo: A Geometia é vista no plano abstato. Este nível ecebe pouca atenção dos pesquisadoes, po isso é menos desenvolvido. Até mesmo Van Hiele, fundamentado do modelo que leva seu nome, se dedicava mais aos quato pimeios níveis do que a este. Vale essalta, ainda, que, são os desafios popostos pelo pofesso que vão oienta o tabalho do discente, tonando-o capaz de ealiza quaisque atividades que envolvam as habilidades adquiidas. Essas consideações mostam que o pofesso inteessado na evolução cognitiva de seus alunos não pode apenas estingi-se ao conhecimento do conteúdo a se desenvolvido em sala de aula. É necessáio busca estatégias de ensino que favoeçam o inteesse e a motivação dos alunos. Po fim, este tabalho tem como objetivo auxilia o docente no execício de seu ofício, a desenvolve habilidades geométicas baseando-se no modelo Van Hiele.

5 SUGESTÕES DE ATIVIDADES

6 ATIVIDADE 1 Consideando como unidade de medida o a quantos quadinhos? A) 10 B) 1 C) 17 D), a áea destacada da figua coesponde esolução Altenativa C Pelo fato da figua esta sobe a malha quadiculada espea-se que os alunos optem po contaem quadadinho po quadadinho, uma vez que a efeência dada epesenta a áea de um quadadinho. Logo, conta-se quantos quadadinhos a figua tem e obtém a esposta. Potanto, altenativa C. Nesse caso, sugee-se o empego do modelo Van Hiele que exploe a visualização e a analise da figua.

7 ATIVIDADE Na figua, o lado de cada quadadinho mede 1 cm. Qual é a áea da egião cinza? A) 10 cm B) 1,5 cm C) 1,5 cm D) 16 cm esolução Altenativa B Uma solução é obseva que é possível sobepo a egião banca do quadado à egião cinza, bastando paa isso giá-la 180º ao edo do cento do quadado. Logo elas têm a mesma áea, que é igual á metade da áea do quadado, ou seja, 5 1,5 cm. Outa solução é calcula a áea da egião cinza po pates, como na figua ao lado. Paa isso, usamos epetidamente o fato de que a diagonal de um etângulo divide esse etângulo em dois tiângulos de mesma áea. Na figua, decompomos a egião cinza em tiângulos e etângulos, indicando em cada um sua áea. Logo a áea da egião cinza é 1 1 0,5,5 1 0,5 1,5 cm. Nessa atividade sugee-se uma visualização cuidadosa das figuas inseidas na malha, seguida de uma análise citeiosa e da aplicação da dedução.

8 ATIVIDADE Na malha etangula ao lado, o peímeto da figua A é 156 cm e o da figua B é 1 cm. Qual é o peímeto da figua C? A) 15 cm B) 1 cm C) 160 cm D) 17 cm esolução Altenativa B Sejam b, h e d, espectivamente, os compimentos da base, altua e diagonal dos etângulos da malha. O peímeto da figua A é igual a 1 d, donde 156 concluímos que d 1. O 1 peímeto da figua B é igual a 1 8d h 5. O teoema de Pitágoas diz que 8 8h 8d, donde concluímos que 1 8h 8d d b h e segue que b Finalmente o peímeto da figua C é igual a 6b h d, ou seja, cm. Já nessa atividade faz-se necessáio o empego do modelo de van Hiele pesente na esolução de poblemas que tabalhe com a visualização, a análise e a dedução infomal. e

9 ATIVIDADE Uma egião a se cultivada está epesentada na malha quadiculada seguinte. Se a malha é quadiculada com quadados de lados iguais a 1 km, então, a áea, em km, da egião a se cultivada, é: A) 9 B) 1 C) D) 0 esolução Altenativa B Essa é uma questão que veifica a capacidade de os alunos decompoem a figua em polígonos tiangulaes e quadangulaes. Sendo assim, os pé equisitos são básicos (áea do tiângulo, áea do etângulo, áea do quadado, áea do tapézio etc). Paa essa questão são apesentadas duas soluções, a segui. Obseve que paa esolve essa atividade é possível uma intevenção que tabalhe a visualização, a análise e a dedução infomal, confome o modelo Van Hiele.

10 Pimeia solução Mediante esses conhecimentos, uma possível solução é inicia a esolução decompondo a figua em um tapézio e em um tiângulo. Consideando A, como a áea da egião a se cultivada, tem-se: A Áea Tapézio Áea Tiângulo A A ( 10 6) 7 7 A 1 km esposta. Utilizando essa estatégia de decomposição, têm-se outas maneias de se chega à Segunda solução Pelo fato de a figua esta sobe a malha quadiculada, espeava-se um alto índice de aceto, pois muitos alunos, ao se depaaem com esse tipo de questão, optam po contaem quadadinho po quadadinho, uma vez que a efeência dada (1x1) epesenta a sua áea. Logo, conta-se quantos quadadinhos a figua tem e, po apoximações, obtém-se a esposta.

11 ATIVIDADE 5 O tangam é um conhecido queba-cabeça que consiste em um quadado composto po sete polígonos: cinco tiângulos etângulos isósceles, um quadado e um paalelogamo. Com um tangam, em que AB = 10 cm, constuímos este matelo : A áea do matelo mede: A) 100 cm B) 50 cm C) 100( 1) cm D) 50( 1) cm esolução Altenativa A Ao constuimos qualque figua com todas as peças do tangam as áeas seão iguais, potanto paa descobi a áea do matelo basta sabe a áea do quadado ( ). Potanto, altenativa A. Na esolução do poblema apesentado, deve-se segui o modelo Van Hiele quanto à visualização, à analise, à dedução infomal e à dedução.

12 ATIVIDADE 6 No etângulo a segui, A, B e C são pontos médios de seus lados e O é o ponto de enconto de suas diagonais. A áea da egião sombeada é: 1 A) da áea do etângulo. 1 B) da áea do etângulo. 1 C) da áea do etângulo. D) da áea do etângulo. 5 esolução Altenativa C O aluno econhece que a figua pode se dividida em quato pates, pecebendo que a egião sombeada possui áea igual a da egião banca, logo, a áea sombeada é metade da áea do etângulo. Paa a solução do poblema pode-se utiliza os níveis de visualização e análise. do modelo Van Hiele.

13 ATIVIDADE 7 Na figua está epesentado o etângulo ABCD cuja diagonal AC foi dividida em tês pates iguais pelos pontos P e Q: Consideando-se que BC 1 e CD 9 é COETO afima que a áea do tiângulo CDQ é A) 18. B) 18,75. C),50. D) 5. esolução Altenativa A Consideem-se as seguintes constuções na figua inicial:

14 Tata-se de um item de nível elevado, pois o aluno pecisa te uma abstação capaz de visualiza uma eta, passando po D, paalela ao segmento AC. Entende-se, assim, que todo segmento pependicula às duas etas é a altua. Infei essa definição não é fácil. Além disso, o aluno deve te o domínio de que a áea de um tiângulo não se altea quando sua base pemanece fixa e o teceio vétice pecoe uma eta paalela à base. Finalmente, quando duas figuas possuem mesma áea, dizemos que elas são equivalentes. A questão apesenta como habilidades cognitivas pimodiais a compeensão, intepetação e extapolação. A decomposição da figua se faz pesente, uma vez que, pimeiamente, decompõese o etângulo em duas pates iguais, atavés da diagonal AC e, posteiomente, uma nova decomposição em tês pates iguais, pois os tiângulos ADP, PDQ e QDC possuem mesma base e mesma altua, logo, são conguentes e possuem áea igual a 18, potanto altenativa coeta é a A. Potanto, nessa atividade, a visualização, a análise e a dedução infomal é de suma impotância paa a solução da questão apesentada.

15 ATIVIDADE 8 Obsevando a figua a segui, na qual ABCD é um quadado, detemine a distância pecoida po uma pessoa que sai do vétice A e pecoe os contonos das semicicunfeências, etonando ao ponto A. ( Obsevação: Considea,1). A) 6 unidades de compimento. B) 7 unidades de compimento. C) 7,68 unidades de compimento. D) 8,68 unidades de compimento. esolução Altenativa C Devemos pecebe que o que se pede é o peímeto de quato semicicunfeências. A segui, econhecemos que o lado do quadado é 6, uma vez que a diagonal do quadado é 6. Logo, o aio das cicunfeências é, metade do lado do quadado. Esta questão exige pimeiamente, visualização além do econhecimento da fómula do compimento de uma cicunfeência, C. Sendo assim, calcula-se C,1 C 18, 8. Como são duas semicicunfeências, a distância pecoida é 18,8 7,68. Potanto, altenativa C. Nesta atividade, pecebem-se os níveis visualização, análise, dedução infomal e dedução do modelo Van Hiele.

16 ATIVIDADE 9 A cicunfeência cicunscita ao hexágono egula possui aio de cm. em cm: A pati dessa infomação, é COETO afima que o caminho em negito mede A) 0 B) 8 0 C) 8 D) esolução Altenativa A Obseva-se que o caminho em negito da figua epesenta o seu peímeto. Paa a esolução da mesma, é necessáio que o aluno visualize as codas CD e AF sendo essas os diâmetos das semicicunfeências, e tenha conhecimento da fómula esolutiva do compimento de uma cicunfeência e da popiedade de polígonos inscitíveis. Paa tanto, o caminho em negito é calculado da seguinte maneia: Peímeto Peímeto 5 0 Peímeto 0 Nesta atividade pecebem-se os níveis visualização, análise e dedução infomal e dedução.

17 ATIVIDADE 10 Na figua, vê-se uma semicicunfeência de diâmeto AC, no qual foam constuídas as semicicunfeências de diâmeto AB e BC, cujas medidas são 6 cm e cm, espectivamente. O peímeto da egião destacada, em cm, é: A) 5. B) 10. C) 19. D) 0. esolução Altenativa B Paa esolve essa questão, os alunos pecisam se capazes de visualiza e analisa as infomações do texto com a figua, devendo pecebe a decomposição da figua, econhecendo que o que se pede é a somatóia do peímeto de cada uma das tês semicicunfeências e não a áea, apesa de a figua o induzi a pensa dessa foma. Uma vez memoizado que o compimento C de uma cicunfeência é dado pela fómula C =, o peímeto (P) da egião sombeada é dado po: P = P = 10 Nesta atividade pecebem-se os níveis visualização, análise e dedução infomal e dedução.

18 ATIVIDADE 11 Na figua, o etângulo ABCD tem dimensões 15m e 6m e os acos CE e AF têm centos nos vétices B e D, espectivamente. A áea da egião sombeada, em m², consideando, é igual a A) 81 B) 6 C) 6 D) 18 esolução Altenativa C Nessa questão, espea-se que os alunos sejam capazes de visualiza e analisa as infomações do texto com a figua. Eles devem, potanto, pecebe a decomposição e composição da figua, econhecendo que o que se pede é a áea do etângulo menos a metade da áea do cículo (composição de duas pates). Uma vez que a áea do etângulo é o poduto da base pela altua e que a do cículo é., a esolução da questão é imediata: 90-5 = 6. Aconselha-se etoma as definições de cículo, cicunfeência, quadiláteos, paalelogamos e etângulos, aplicando o modelo Van Hiele quanto à visualização e à análise das figuas apesentadas.

19 ATIVIDADE 1 Considee que os ângulos de todos os cantos da figua abaixo são etos e que todos os acos são acos de cicunfeências de aio, com centos sobe os pontos em destaque: Nesse caso, a áea da egião sombeada é igual a: A). B). C) 16. D) 16. esolução Altenativa C Consideando as seguintes constuções na figua inicial e indicando po AS a áea sombeada, tem-se duas opções de eagupamento da egião sombeada mencionada no texto, que sejam: a) b) A S l A S A S 16 infomal. Nesta atividade, estão pesentes os níveis Van Hiele, visualização, análise e dedução

20 ATIVIDADE 1 Obseve a figua: Nela, a cicunfeência de cento O tem aio e acos AB, BC, CD, DE, EF, FG, GH e HA conguentes. O valo da áea sombeada, em função de, é A) ( ). B) ( 1). C). D) ( 1). esolução Altenativa A Dado que os acos são todos conguentes, então, podemos calcula os ângulos centais: A cicunfeência completa mede 60º, ou seja, 60º equivale a 8 acos, logo, 1 aco equivale a 60º/8, que dá 5º. Potanto, 5º é a medida de cada um dos ângulos de cada tiângulo etângulo. Isso indica que cada tiângulo etângulo é isósceles (tem catetos iguais). Então, paa cada tiângulo:

21 hipotenusa ( aio do cículo) cateto a a a a a a a Pecebe-se que na composição de dois tiângulos obtém-se um quadado. A áea sombeada, po sua vez, é obtida pela difeença ente a áea do cículo e quato vezes a áea do quadado, logo: A s Áea Sombeada Áea do Cículo Áea do Quadado Seja A s atividade. As a áea sombeada. A s A s Os níveis visualização, análise, dedução infomal e dedução estão pesentes nesta

22 ATIVIDADE 1 Nessa figua, o tiângulo equiláteo ABC está inscito numa cicunfeência de aio : Então, a áea da egião hachuada é: A). B). C). D). esolução Altenativa A Considee as seguintes constuções na figua inicial:

23 A áea da egião hachuada é igual a um teço da difeença ente a áea do cículo e a áea do tiângulo ABC. Como a única medida fonecida é o valo do aio, deve-se esceve o lado CB do tiângulo, de medida igual a l, e sua altua AH, de medida igual a h, necessáios paa o cálculo de sua áea, em função do aio da cicunfeência. A altua do tiângulo é igual à soma de seu apótema, a = OH, com o aio, = AO, da cicunfeência. Assim, deve-se esceve o apótema em função do aio. O tiângulo ABC é equiláteo e está inscito na cicunfeência. O segmento OH= a = 1 1, pois epesenta da altua. Como o segmento AO = =, tem-se que h =. Utilizando-se do Teoema de Pitágoas, chega-se a: OB OH HB 1 HB 1 HB HB, logo, o lado do tiângulo é l = 1 Áea hachuada 1 Áea hachuada Áea do Cículo l 1 Áea hachuada 1 1 Áea hachuada 1 Áea hachuada Áea hachuada Áea do Tiângulo Os níveis de Van Hiele pesentes na esolução são: visualização, análise e dedução infomal e dedução.

24 ATIVIDADE 15 Obseve a figua: Nessa figua, ABCD epesenta um quadado de lado 11 e AP = AS = C = CQ. O peímeto do quadiláteo PQS é A) 11. B). C) 11. D). esolução Altenativa D Consideando-se as seguintes constuções na figua inicial e indicando po P o peímeto do quadiláteo PQS, tem-se: P x 11 x x 11 x P x 11 x x 11 x P Os níveis de Van Hiele pesentes na esoluçã são: visualização, análise e dedução infomal e dedução.

25 ATIVIDADE 16 Na figua abaixo, os cículos menoes são tangentes ente si e aos cículos concênticos de aio e. A áea da egião sombeada é: A) ). ( B) ). ( C) ). ( D) ). ( E) ). ( esolução Altenativa C Paa esolve a questão é necessáio que o aluno peceba a áea sombeada como sendo a difeença ente o Cículo maio e a somatóia do cículo intemediáio com os 1 menoes: 1 A 1 A ] 6 [ A A 6 A. Potanto, altenativa C. É impotante essalta que pelo fato de os dados da questão apesentada acima não seem numéicos, dificulta a esolução da questão. Como sugestão de atividades de intevenção pedagógica é inteessante discuti questões que facilitem a passagem de dados aitméticos paa algébicos. Os níveis Van Hiele pesentes na esolução são: visualização, análise e dedução infomal e dedução.

26 ATIVIDADE 17 A figua mosta um etângulo de áea cm com os pontos médios dos lados em destaque. Qual é a áea, em cm, da egião cinza? i. 8 ii. 10 iii. 1 iv. 1 esolução Altenativa D Considee a decomposição do etângulo indicada na figua, e seja a a áea do etângulo. As áeas B1 e B são iguais, pois coespondem a áeas de tiângulos com mesma medida de base e altua; o mesmo ocoe com B e B. O tiângulo etângulo fomado po B 1, B e B tem como catetos um lado do etângulo e metade do outo lado; sua áea é então B a e temos 1 B B B B B que a B1 B B ; o mesmo ocoe com B B B. Logo, o que implica em B1 B. Logo B1 B B B e segue a a B 1 B 1 B 1 B 1, donde B1. Po simetia, todas essas conclusões se 1 a a aplicam a C 1, C, C e C. Logo A a 8 1cm. 1 Os níveis Van Hiele pesentes na esolução são: visualização, análise e dedução infomal e dedução.

27 ATIVIDADE 18 Obseve a figua: Nela, a cicunfeência maio C tem aio, e cada uma das cicunfeências menoes, C 1, C, C e C, é tangente a C e a um lado do quadado inscito. Os centos de C 1, C, C e C estão em diâmetos de C pependiculaes a lados do quadado. A soma das áeas limitadas po essas quato cicunfeências menoes é A) 8 ( ). B) ( ). C) ( ). D) ( ). esolução Altenativa D Consideando as seguintes constuções na figua inicial e, posteiomente, aplicando o Teoema de Pitágoas, tem-se:

28 x x x x A A A 6 A A 6 A Como sugestão, desenvolve atividades que envolvam figuas inscitíveis e cicunscitíveis em difeentes níveis de dificuldade, confome os níveis Van Hiele: visualização, análise e dedução infomal e dedução.

29 ATIVIDADE 19 Obseve esta figua: Nessa figua, o quadado ABCD tem áea igual a 1; o tiângulo BPQ é equiláteo; e os pontos P e Q petencem, espectivamente, aos lados AD e CD. Assim sendo, a áea do tiângulo BCQ é: A) 1. B) C) D).. esolução Altenativa C Paa a esolução desta questão, é necessáio que o aluno tenha conhecimentos sobe os seguintes conteúdos: elações méticas no tiângulo etângulo e áea de tiângulos e quadiláteos.

30 Na figua abaixo, ABCD é um quadado de lado 1 e BPQ é um tiângulo eqüiláteo, cujo lado é equivalente à hipotenusa do tiângulo etângulo BCQ, de altua 1 e base x: A pati do Teoema de Pitágoas, conclui-se que equivalente a PB e PQ. A pati do tiângulo etângulo DPQ, tem-se que: 1 x x 1 0 ( 1 x) (1 x) x As aízes da equação acima são BQ 1 x. Esse valo é Paa essa situação, tem-se como condição de existência x < 1. No entanto, a solução da equação é dada po x =, consequentemente, a áea do tiângulo BCQ é igual a. Potanto, a altenativa coeta é a leta C. Sugeimos, como atividade de intevenção pedagógica, questões envolvendo a decomposição de figuas planas, enfatizando o Teoema de Pitágoas, a áea de polígonos associadas à condição de existência de um dado poblema, em que os níveis Van Hiele visualização, análise e dedução infomal e dedução estejam pesentes.

31 ATIVIDADE 0 O tapézio isósceles da figua tem um ângulo agudo de 60 e áea. A áea do cículo inscito nesse tapézio é: A) B) C) D) esolução Altenativa D Consideando-se as seguintes constuções na figua inicial, obseva-se que, paa se obte a áea do cículo, é necessáio detemina o aio do mesmo:

32 Sendo assim, utiliza-se a tigonometia básica paa obte: cateto oposto tg 0 x x cateto adjacente x tg 0 y y y Dado que a áea do tapézio é de, e mediante a figua inicial (metade da figua, uma vez que a figua é simética), tem-se: ( Base Maio Base meno) altua Sabendo-se que a áea do cículo é dada pela fómula: A, conclui-se que A. Sugeimos como atividade de intevenção pedagógica, questões envolvendo a decomposição de figuas planas, enfatizando o Teoema de Pitágoas, as áeas dos quadiláteos e do cículo e a tigonometia básica, focadas nos níveis Van Hiele: visualização, análise e dedução infomal e dedução.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo.

GEOMETRIA ESPACIAL. a) Encher a leiteira até a metade, pois ela tem um volume 20 vezes maior que o volume do copo. GEOMETRIA ESPACIAL ) Uma metalúgica ecebeu uma encomenda paa fabica, em gande quantidade, uma peça com o fomato de um pisma eto com base tiangula, cujas dimensões da base são 6cm, 8cm e 0cm e cuja altua

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E

Questão 1. Questão 2. Questão 3. alternativa C. alternativa E Questão 1 Dois pilotos iniciaam simultaneamente a disputa de uma pova de automobilismo numa pista cuja extensão total é de, km. Enquanto Máio leva 1,1 minuto paa da uma volta completa na pista, Júlio demoa

Leia mais

PARTE IV COORDENADAS POLARES

PARTE IV COORDENADAS POLARES PARTE IV CRDENADAS PLARES Existem váios sistemas de coodenadas planas e espaciais que, dependendo da áea de aplicação, podem ajuda a simplifica e esolve impotantes poblemas geométicos ou físicos. Nesta

Leia mais

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ

RESOLUÇÃO DA AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA 2 o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 10/08/13 PROFESSOR: MALTEZ ESOLUÇÃO DA AALIAÇÃO DE MATEMÁTICA o ANO DO ENSINO MÉDIO DATA: 0/08/ POFESSO: MALTEZ QUESTÃO 0 A secção tansvesal de um cilindo cicula eto é um quadado com áea de m. O volume desse cilindo, em m, é: A

Leia mais

Áreas parte 2. Rodrigo Lucio Isabelle Araújo

Áreas parte 2. Rodrigo Lucio Isabelle Araújo Áeas pate Rodigo Lucio Isabelle Aaújo Áea do Cículo Veja o cículo inscito em um quadado. Medida do lado do quadado:. Áea da egião quadada: () = 4. Então, a áea do cículo com aio de medida é meno do que

Leia mais

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F

- B - - Esse ponto fica à esquerda das cargas nos esquemas a) I e II b) I e III c) I e IV d) II e III e) III e IV. b. F. a. F LIST 03 LTROSTÁTIC PROSSOR MÁRCIO 01 (URJ) Duas patículas eleticamente caegadas estão sepaadas po uma distância. O gáfico que melho expessa a vaiação do módulo da foça eletostática ente elas, em função

Leia mais

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano

MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação. Aula 05. Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano MESTRADO EM MACROECONOMIA e FINANÇAS Disciplina de Computação Aula 5 Pof. D. Maco Antonio Leonel Caetano Guia de Estudo paa Aula 5 Poduto Vetoial - Intepetação do poduto vetoial Compaação com as funções

Leia mais

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes.

Objetivo Estudo do efeito de sistemas de forças não concorrentes. Univesidade edeal de lagoas Cento de Tecnologia Cuso de Engenhaia Civil Disciplina: Mecânica dos Sólidos 1 Código: ECIV018 Pofesso: Eduado Nobe Lages Copos Rígidos: Sistemas Equivalentes de oças Maceió/L

Leia mais

Matemática do Ensino Médio vol.2

Matemática do Ensino Médio vol.2 Matemática do Ensino Médio vol.2 Cap.11 Soluções 1) a) = 10 1, = 9m = 9000 litos. b) A áea do fundo é 10 = 0m 2 e a áea das paedes é (10 + + 10 + ) 1, = 51,2m 2. Como a áea que seá ladilhada é 0 + 51,2

Leia mais

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2

75$%$/+2(327(1&,$/ (/(75267È7,&2 3 75$%$/+(37(&,$/ (/(7567È7,& Ao final deste capítulo você deveá se capa de: ½ Obte a epessão paa o tabalho ealiado Calcula o tabalho que é ealiado ao se movimenta uma caga elética em um campo elético

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Polícia odoviáia edeal Pof. Diceu Peeia ísica 3.4. OÇAS EM TAJETÓIAS CUILÍNEAS Se lançamos um copo hoizontalmente, póximo a supefície da Tea, com uma velocidade inicial de gande intensidade, da odem de

Leia mais

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria

APÊNDICE. Revisão de Trigonometria E APÊNDICE Revisão de Tigonometia FUNÇÕES E IDENTIDADES TRIGONOMÉTRICAS ÂNGULOS Os ângulos em um plano podem se geados pela otação de um aio (semi-eta) em tono de sua etemidade. A posição inicial do aio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL OBJETIVOS DO CURSO UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ FACULDADE DE ENGENHARIA CIVIL CÁLCULO VETORIAL Fonece ao aluno as egas básicas do cálculo vetoial aplicadas a muitas gandezas na física e engenhaia (noção de

Leia mais

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário

Unidade 13 Noções de Matemática Financeira. Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto racional ou real Desconto comercial ou bancário Unidade 13 Noções de atemática Financeia Taxas equivalentes Descontos simples e compostos Desconto acional ou eal Desconto comecial ou bancáio Intodução A atemática Financeia teve seu início exatamente

Leia mais

física eletrodinâmica GERADORES

física eletrodinâmica GERADORES eletodinâmica GDOS 01. (Santa Casa) O gáfico abaixo epesenta um geado. Qual o endimento desse geado quando a intensidade da coente que o pecoe é de 1? 40 U(V) i() 0 4 Do gáfico, temos que = 40V (pois quando

Leia mais

O perímetro da circunferência

O perímetro da circunferência Univesidade de Basília Depatamento de Matemática Cálculo 1 O peímeto da cicunfeência O peímeto de um polígono de n lados é a soma do compimento dos seus lados. Dado um polígono qualque, você pode sempe

Leia mais

Geometria: Perímetro, Área e Volume

Geometria: Perímetro, Área e Volume Geometia: Peímeto, Áea e Volume Refoço de Matemática ásica - Pofesso: Macio Sabino - 1 Semeste 2015 1. Noções ásicas de Geometia Inicialmente iemos defini as noções e notações de alguns elementos básicos

Leia mais

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS

ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS ARITMÉTICA DE PONTO FLUTUANTE/ERROS EM OPERAÇÕES NUMÉRICAS. Intodução O conjunto dos númeos epesentáveis em uma máquina (computadoes, calculadoas,...) é finito, e potanto disceto, ou seja não é possível

Leia mais

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites

Movimentos de satélites geoestacionários: características e aplicações destes satélites OK Necessito de ee esta página... Necessito de apoio paa compeende esta página... Moimentos de satélites geoestacionáios: caacteísticas e aplicações destes satélites Um dos tipos de moimento mais impotantes

Leia mais

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência

3. Elementos de Sistemas Elétricos de Potência Sistemas Eléticos de Potência. Elementos de Sistemas Eléticos de Potência..4 apacitância e Susceptância apacitiva de Linhas de Tansmissão Pofesso:. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:aphaelbenedito@utfp.edu.b

Leia mais

Prof. Dirceu Pereira

Prof. Dirceu Pereira Aula de UNIDADE - MOVIMENTO VERTICAL NO VÁCUO 1) (UFJF-MG) Um astonauta está na supefície da Lua quando solta, simultaneamente, duas bolas maciças, uma de chumbo e outa de madeia, de uma altua de,0 m em

Leia mais

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva

De Kepler a Newton. (através da algebra geométrica) 2008 DEEC IST Prof. Carlos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da algeba geomética) 008 DEEC IST Pof. Calos R. Paiva De Keple a Newton (atavés da álgeba geomética) 1 De Keple a Newton Vamos aqui mosta como, a pati das tês leis de Keple sobe

Leia mais

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão

I~~~~~~~~~~~~~~-~-~ krrrrrrrrrrrrrrrrrr. \fy --~--.. Ação de Flexão Placas - Lajes Placas são estutuas planas onde duas de suas tês dimensões -lagua e compimento - são muito maioes do que a teceia, que é a espessua. As cagas nas placas estão foa do plano da placa. As placas

Leia mais

Transformações geométricas

Transformações geométricas Instituto Politécnico de Bagança Escola upeio de Educação Tansfomações geométicas 1 Tanslações endo dado um vecto u, a tanslação associada a u é a aplicação que faz coesponde ao ponto M o ponto M tal que

Leia mais

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6

)25d$0$*1e7,&$62%5( &21'8725(6 73 )5d$0$*1e7,&$6%5( &1'875(6 Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a ação de um campo magnético sobe um conduto conduzindo coente. ½ Calcula foças sobe condutoes pecoidos po coentes,

Leia mais

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista.

Caro cursista, Todas as dúvidas deste curso podem ser esclarecidas através do nosso plantão de atendimento ao cursista. Cao cusista, Todas as dúvidas deste cuso podem se esclaecidas atavés do nosso plantão de atendimento ao cusista. Plantão de Atendimento Hoáio: quatas e quintas-feias das 14:00 às 15:30 MSN: lizado@if.uff.b

Leia mais

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA

CAMPOS MAGNETOSTÁTICOS PRODUZIDOS POR CORRENTE ELÉTRICA ELETOMAGNETMO 75 9 CAMPO MAGNETOTÁTCO PODUZDO PO COENTE ELÉTCA Nos capítulos anteioes estudamos divesos fenômenos envolvendo cagas eléticas, (foças de oigem eletostática, campo elético, potencial escala

Leia mais

singular GEOMETRIA ANALÍTICA 2º E.M. Tarde Colégio Técnico Noturno Profª Liana (Lista de exercícios elaborada pelo professor DANRLEY)

singular GEOMETRIA ANALÍTICA 2º E.M. Tarde Colégio Técnico Noturno Profª Liana (Lista de exercícios elaborada pelo professor DANRLEY) 1 singula GEOMETRIA ANALÍTICA 2º E.M. Tade Colégio Técnico Notuno Pofª Liana (Lista de eecícios elaboada pelo pofesso DANRLEY) SISTEMA CARTESIANO ORTOGONAL 2 1) Indique a que quadante petence cada ponto:

Leia mais

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ

LISTA de GRAVITAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ LISA de GRAVIAÇÃO PROFESSOR ANDRÉ 1. (Ufgs 01) Em 6 de agosto de 01, o jipe Cuiosity" pousou em ate. Em um dos mais espetaculaes empeendimentos da ea espacial, o veículo foi colocado na supefície do planeta

Leia mais

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA

ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA CONCURSO DE ADMISSÃO AO CFS B 2/2002 PROVA DE MATEMÁTICA FÍSICA QUÍMICA ESCOL DE ESPECILISTS DE ERONÁUTIC CONCURSO DE DMISSÃO O CS /00 PROV DE MTEMÁTIC ÍSIC QUÍMIC CÓDIGO D PROV 9 MRQUE NO CRTÃO DE RESPOSTS O CÓDIGO D PROV. s questões de 0 a 0 efeem se a Matemática 0 Se a

Leia mais

Análise de Correlação e medidas de associação

Análise de Correlação e medidas de associação Análise de Coelação e medidas de associação Pof. Paulo Ricado B. Guimaães 1. Intodução Muitas vezes pecisamos avalia o gau de elacionamento ente duas ou mais vaiáveis. É possível descobi com pecisão, o

Leia mais

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2

/(,'(%,276$9$57()/8;2 0$*1e7,&2 67 /(,'(%,76$9$57()/8; 0$*1e7,& Ao final deste capítulo você deveá se capaz de: ½ Explica a elação ente coente elética e campo magnético. ½ Equaciona a elação ente coente elética e campo magnético, atavés

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE GRADUAÇÃO FÍSICA CONCURSO DE DMISSÃO O CURSO DE GRDUÇÃO FÍSIC CDERNO DE QUESTÕES 2008 1 a QUESTÃO Valo: 1,0 Uma bóia náutica é constituída de um copo cilíndico vazado, com seção tansvesal de áea e massa m, e de um tonco

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA EXPRESSÃO GRÁFICA BÁSICA - ENG 1070

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA EXPRESSÃO GRÁFICA BÁSICA - ENG 1070 PONTIFÍI UNIVERSIDDE TÓLI DE GOIÁS DEPRTMENTO DE ENGENHRI EXPRESSÃO GRÁFI ÁSI - ENG 1070 I - Elementos Fundamentais da Geometia 1- Ponto: O ponto geomético é um ente ideal, isto é, só existe na nossa imaginação.

Leia mais

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material.

Fig. 8-8. Essas linhas partem do pólo norte para o pólo sul na parte externa do material, e do pólo sul para o pólo norte na região do material. Campo magnético Um ímã, com seus pólos note e sul, também pode poduzi movimentos em patículas, devido ao seu magnetismo. Contudo, essas patículas, paa sofeem esses deslocamentos, têm que te popiedades

Leia mais

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS

VETORES GRANDEZAS VETORIAIS VETORES GRANDEZAS VETORIAIS Gandezas físicas que não ficam totalmente deteminadas com um valo e uma unidade são denominadas gandezas vetoiais. As gandezas que ficam totalmente expessas po um valo e uma

Leia mais

EM423A Resistência dos Materiais

EM423A Resistência dos Materiais UNICAMP Univesidade Estadual de Campinas EM43A esistência dos Mateiais Pojeto Tação-Defomação via Medidas de esistência Pofesso: obeto de Toledo Assumpção Alunos: Daniel obson Pinto A: 070545 Gustavo de

Leia mais

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL

TEORIA DA GRAVITAÇÃO UNIVERSAL Aula 0 EORIA DA GRAVIAÇÃO UNIVERSAL MEA Mosta aos alunos a teoia da gavitação de Newton, peda de toque da Mecânica newtoniana, elemento fundamental da pimeia gande síntese da Física. OBJEIVOS Abi a pespectiva,

Leia mais

Interbits SuperPro Web

Interbits SuperPro Web 1. (Unesp 2013) No dia 5 de junho de 2012, pôde-se obseva, de deteminadas egiões da Tea, o fenômeno celeste chamado tânsito de Vênus, cuja póxima ocoência se daá em 2117. Tal fenômeno só é possível poque

Leia mais

GEOMETRIA DINÂMICA E O ESTUDO DE TANGENTES AO CÍRCULO

GEOMETRIA DINÂMICA E O ESTUDO DE TANGENTES AO CÍRCULO GEMETRIA DINÂMICA E ESTUD DE TANGENTES A CÍRCUL Luiz Calos Guimaães, Elizabeth Belfot e Leo Akio Yokoyama Instituto de Matemática UFRJ lcg@labma.ufj.b, beth@im.ufj.b, leoakyo@yahoo.com.b INTRDUÇÃ: CÍRCULS,

Leia mais

Dinâmica Trabalho e Energia

Dinâmica Trabalho e Energia CELV Colégio Estadual Luiz Vianna Física 1 diano do Valle Pág. 1 Enegia Enegia está elacionada à capacidade de ealiza movimento. Um dos pincípios básicos da Física diz que a enegia pode se tansfomada ou

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA

Escola Secundária com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Escola Secundáia com 3º Ciclo do E. B. de Pinhal Novo Física e Química A 10ºAno MEDIÇÃO EM QUÍMICA Medi - é compaa uma gandeza com outa da mesma espécie, que se toma paa unidade. Medição de uma gandeza

Leia mais

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira

Densidade de Fluxo Elétrico. Prof Daniel Silveira ensidade de Fluxo Elético Pof aniel ilveia Intodução Objetivo Intoduzi o conceito de fluxo Relaciona estes conceitos com o de campo elético Intoduzi os conceitos de fluxo elético e densidade de fluxo elético

Leia mais

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling

Sejam todos bem-vindos! Física II. Prof. Dr. Cesar Vanderlei Deimling Sejam todos bem-vindos! Física II Pof. D. Cesa Vandelei Deimling Bibliogafia: Plano de Ensino Qual a impotância da Física em um cuso de Engenhaia? A engenhaia é a ciência e a pofissão de adquii e de aplica

Leia mais

Matemática e suas Tecnologias Matemática Alexmay Soares, Cleiton Albuquerque, Fabrício Maia, João Mendes e Thiago Pacífico

Matemática e suas Tecnologias Matemática Alexmay Soares, Cleiton Albuquerque, Fabrício Maia, João Mendes e Thiago Pacífico Univesidade Abeta do Nodeste e Ensino a Distância são macas egistadas da Fundação Demócito Rocha É poibida a duplicação ou epodução deste fascículo Cópia não autoizada é Cime Matemática e suas Tecnologias

Leia mais

As grandezas vetoriais

As grandezas vetoriais As gandezas vetoiais No capítulo I, vimos o poquê da utilização de vetoes na caacteização de algumas gandezas físicas, difeenciando as gandezas escalaes das vetoiais. As gandezas escalaes são aquelas pefeitamente

Leia mais

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009

Termodinâmica 1 - FMT 159 Noturno, segundo semestre de 2009 Temodinâmica - FMT 59 Notuno segundo semeste de 2009 Execícios em classe: máquinas témicas 30/0/2009 Há divesos tipos de motoes témicos que funcionam tanfeindo calo ente esevatóios témicos e ealizando

Leia mais

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação:

Capítulo 12. Gravitação. Recursos com copyright incluídos nesta apresentação: Capítulo Gavitação ecusos com copyight incluídos nesta apesentação: Intodução A lei da gavitação univesal é um exemplo de que as mesmas leis natuais se aplicam em qualque ponto do univeso. Fim da dicotomia

Leia mais

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012

Física Geral I - F 128 Aula 8: Energia Potencial e Conservação de Energia. 2 o Semestre 2012 Física Geal I - F 18 Aula 8: Enegia Potencial e Consevação de Enegia o Semeste 1 Q1: Tabalho e foça Analise a seguinte afimação sobe um copo, que patindo do epouso, move-se de acodo com a foça mostada

Leia mais

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL

SEGUNDA LEI DE NEWTON PARA FORÇA GRAVITACIONAL, PESO E NORMAL SEUNDA LEI DE NEWON PARA FORÇA RAVIACIONAL, PESO E NORMAL Um copo de ssa m em queda live na ea está submetido a u aceleação de módulo g. Se despezamos os efeitos do a, a única foça que age sobe o copo

Leia mais

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO

Todos os exercícios sugeridos nesta apostila se referem ao volume 3. MATEMÁTICA III 1 GEOM. ANALÍTICA ESTUDO DO PONTO INTRODUÇÃO... NOÇÕES BÁSICAS... POSIÇÃO DE UM PONTO EM RELAÇÃO AO SISTEMA...4 DISTÂNCIA ENTRE DOIS PONTOS...6 RAZÃO DE SECÇÃO... 5 DIVISÃO DE UM SEGMENTO NUMA RAZÃO DADA... 6 PONTO MÉDIO DE UM SEGMENTO...

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueador Sênior PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Sênio Dados da Empesa Razão Social: MF 1000 FRANQUIA DE COSMÉTICOS LTDA Nome Fantasia: VITA DERM DAY CLINIC Data de fundação: 12/03/1984

Leia mais

Os Fundamentos da Física

Os Fundamentos da Física TEMA ESPECAL DNÂMCA DAS TAÇÕES 1 s Fundamentos da Física (8 a edição) AMALH, NCLAU E TLED Tema especial DNÂMCA DAS TAÇÕES 1. Momento angula de um ponto mateial, 1 2. Momento angula de um sistema de pontos

Leia mais

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET

ELETRÔNICA II. Engenharia Elétrica Campus Pelotas. Revisão Modelo CA dos transistores BJT e MOSFET ELETRÔNICA II Engenaia Elética Campus Pelotas Revisão Modelo CA dos tansistoes BJT e MOSFET Pof. Mácio Bende Macado, Adaptado do mateial desenvolvido pelos pofessoes Eduado Costa da Motta e Andeson da

Leia mais

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO

IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTICO REPRESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS. José Roberto Securato 1 RESUMO IV SEMEAD TÍTULO SINTÉTIO EPESENTATIVO DE UM FUNDO DE INVESTIMENTOS José obeto Secuato ESUMO O atigo tata da possibilidade de obtemos um título sintético que seja uma mímica em temos de isco e etono de

Leia mais

FAÇA AS ATIVIDADES NAS DATAS SUGERIDAS PARA RELEMBRAR O QUE JÁ APRENDEMOS.

FAÇA AS ATIVIDADES NAS DATAS SUGERIDAS PARA RELEMBRAR O QUE JÁ APRENDEMOS. NOME: QUEIDO(A) EDUCANDINHO(A). FAÇA AS ATIVIDADES NAS DATAS SUGEIDAS PAA ELEMBA O QUE JÁ APENDEMOS. APOVEITE AS FÉIAS PAA DESCANSA E FAZE MUITAS COISAS GOSTOSAS E DIVETIDAS. VEJA ALGUMAS DICAS: BINCA

Leia mais

MATEMÁTICA 3 A SÉRIE - E. MÉDIO

MATEMÁTICA 3 A SÉRIE - E. MÉDIO 1 MTEMÁTIC 3 SÉRIE - E. MÉDIO Pof. Rogéio Rodigues ELEMENTOS PRIMITIVOS / ÂNGULOS NOME :... NÚMERO :... TURM :... 2 I) ELEMENTOS PRIMITIVOS ÂNGULOS Os elementos pimitivos da Geometia são O Ponto, eta e

Leia mais

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano

Escola Secundária/3 da Sé-Lamego Ficha de Trabalho de Matemática Ano Lectivo 2003/04 Geometria 2 - Revisões 11.º Ano Escola Secundáia/ da Sé-Lamego Ficha de Tabalho de Matemática Ano Lectivo 00/04 Geometia - Revisões º Ano Nome: Nº: Tuma: A egião do espaço definida, num efeencial otonomado, po + + = é: [A] a cicunfeência

Leia mais

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE

DISCIPLINA ELETRICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈRE DISCIPLINA ELETICIDADE E MAGNETISMO LEI DE AMPÈE A LEI DE AMPÈE Agoa, vamos estuda o campo magnético poduzido po uma coente elética que pecoe um fio. Pimeio vamos utiliza uma técnica, análoga a Lei de

Leia mais

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang

Relatório Interno. Método de Calibração de Câmaras Proposto por Zhang LABORATÓRIO DE ÓPTICA E MECÂNICA EXPERIMENTAL Relatóio Inteno Método de Calibação de Câmaas Poposto po Zhang Maia Cândida F. S. P. Coelho João Manuel R. S. Tavaes Setembo de 23 Resumo O pesente elatóio

Leia mais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais

Módulo 5: Conteúdo programático Eq da continuidade em Regime Permanente. Escoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Módulo 5: Conteúdo pogamático Eq da continuidade em egime Pemanente Bibliogafia: Bunetti, F. Mecânica dos Fluidos, São Paulo, Pentice Hall, 7. Eoamento dos Fluidos - Equações Fundamentais Popiedades Intensivas:

Leia mais

REINTERPRETANDO A CONSTRUÇÃO DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL DE LEIBNIZ COM USO DE RECURSOS GEOMÉTRICOS

REINTERPRETANDO A CONSTRUÇÃO DO CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL DE LEIBNIZ COM USO DE RECURSOS GEOMÉTRICOS REINERPREAND A CNSRUÇÃ D CÁLCUL DIFERENCIAL E INEGRAL DE LEIBNIZ CM US DE RECURSS GEMÉRICS Intodução Ségio Caazedo Dantas segio@maismatematica.com.b Resumo Nesse teto apesentamos algumas deduções que Leibniz

Leia mais

NÍVEL 3 = (L BS) + L + CY ) = BS

NÍVEL 3 = (L BS) + L + CY ) = BS 009 www.cusoanglo.com.b Teinamento paa limpíadas de atemática ÍVE 3 Resoluções US 3 35 Em lasse T. emonstação o enunciado, podemos constui a figua ao lado: Sejam Z, T, S, Y, K e pontos de tangência. Então,

Leia mais

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST

Vedação. Fig.1 Estrutura do comando linear modelo ST 58-2BR Comando linea modelos, -B e I Gaiola de esfeas Esfea Eixo Castanha Vedação Fig.1 Estutua do comando linea modelo Estutua e caacteísticas O modelo possui uma gaiola de esfeas e esfeas incopoadas

Leia mais

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS

Aula ONDAS ELETROMAGNÉTICAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS Aula 6 META Intoduzi aos alunos conceitos básicos das ondas eletomagnéticas: como elas são poduzidas, quais são suas caacteísticas físicas, e como desceve matematicamente sua popagação.

Leia mais

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho

A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do Rio Pardinho A Disposição a Paga pelo Uso da Água na Bacia Hidogáfica do Rio Padinho Auto: Augusto Mussi Alvim (CPF: 564402430-04). Douto em Economia, Pofesso Adunto do Depatamento de Ciências Econômicas, PUCRS. Av.

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV RJ_MATEMATICA_9_0_08 FGV-RJ A dministação Economia Dieito C Administação 26 26 das 200 vagas da GV têm ficado paa os alunos do CPV CPV O cusinho que mais apova na GV Ciências Sociais ociais GV CPV. ociais

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Pé Vemelho Ensino Pofissionalizante SS LTDA Nome Fantasia: BIT Company Data de fundação: 23/05/2009

Leia mais

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência

Resistência dos Materiais IV Lista de Exercícios Capítulo 2 Critérios de Resistência Lista de Execícios Capítulo Citéios de Resistência 0.7 A tensão de escoamento de um mateial plástico é y 0 MPa. Se esse mateial é submetido a um estado plano de tensões ocoe uma falha elástica quando uma

Leia mais

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1

digitar cuidados computador internet contas Assistir vídeos. Digitar trabalhos escolares. Brincar com jogos. Entre outras... ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 ATIVIDADES - CAPÍTULO 1 1 COMPLETE AS FASES USANDO AS PALAVAS DO QUADO: CUIDADOS INTENET CONTAS DIGITA TAEFAS COMPUTADO A COM O COMPUTADO É POSSÍVEL DE TEXTO B O COMPUTADO FACILITA AS tarefas digitar VÁIOS

Leia mais

O Paradoxo de Bertrand para um Experimento Probabilístico Geométrico

O Paradoxo de Bertrand para um Experimento Probabilístico Geométrico O Paadoxo de etand paa um Expeimento Pobabilístico Geomético maildo de Vicente 1 1 Colegiado do Cuso de Matemática Cento de Ciências Exatas e Tecnológicas da Univesidade Estadual do Oeste do Paaná Caixa

Leia mais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais

2. Projetos de Investimento como Opções Reais 8. Pojetos de nvestimento como Opções Reais Uma fima que possui uma opotunidade de investimento adquiiu algo semelhante a uma opção de compa financeia: ela possui o dieito, mas não necessaiamente a obigação

Leia mais

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado

PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoria Franqueado PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Infotec Cusos Pofissionalizantes Ltda. Nome Fantasia: CEBRAC Cento Basileio de Cusos Data de fundação:

Leia mais

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1

Engenharia Electrotécnica e de Computadores Exercícios de Electromagnetismo Ficha 1 Instituto Escola Supeio Politécnico de Tecnologia ÁREA INTERDEPARTAMENTAL Ano lectivo 010-011 011 Engenhaia Electotécnica e de Computadoes Eecícios de Electomagnetismo Ficha 1 Conhecimentos e capacidades

Leia mais

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução

2.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD. 2.6.1 Introdução Capítulo Técnicas de Caacteização Estutual: RS.6 RETRODISPERSÃO DE RUTHERFORD.6. Intodução De modo a complementa a análise estutual das váias amostas poduzidas paa este tabalho, foi utilizada a técnica

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice:

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO. Índice: ANEXO 4 ROTEIRO DE VERIFICAÇÃO DO CÁLCULO DO CUSTO DO CAPITAL Roteio de Veificação do Cálculo do Custo do Capital Índice: Índice: Conceitos Veificações 1 VISÃO GERAL... 3 1.1 O QUE É CUSTO DE CAPITAL...

Leia mais

Credenciamento Portaria MEC 3.613, de D.O.U

Credenciamento Portaria MEC 3.613, de D.O.U edenciamento Potaia ME 3.63, de 8..4 - D.O.U. 9..4. MATEMÁTIA, LIENIATURA / Geometia Analítica Unidade de apendizagem Geometia Analítica em meio digital Pof. Lucas Nunes Ogliai Quest(iii) - [8/9/4] onteúdos

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica

Antenas. Antena = transição entre propagação guiada (circuitos) e propagação não-guiada (espaço). Antena Isotrópica Antenas Antena tansição ente popagação guiada (cicuitos) e popagação não-guiada (espaço). Antena tansmissoa: Antena eceptoa: tansfoma elétons em fótons; tansfoma fótons em elétons. Antena sotópica Fonte

Leia mais

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas.

Grandezas vetoriais: Além do módulo, necessitam da direção e do sentido para serem compreendidas. NOME: Nº Ensino Médio TURMA: Data: / DISCIPLINA: Física PROF. : Glênon Duta ASSUNTO: Gandezas Vetoiais e Gandezas Escalaes Em nossas aulas anteioes vimos que gandeza é tudo aquilo que pode se medido. As

Leia mais

Aulas Particulares on-line

Aulas Particulares on-line Esse mateial é pate integante do ulas Paticulaes on-line do IESDE BSIL S/, MTEMÁTI PÉ-VESTIBUL LIVO DO POFESSO 006-009 IESDE Basil S.. É poibida a epodução, mesmo pacial, po qualque pocesso, sem autoização

Leia mais

Matemática B Extensivo V. 6

Matemática B Extensivo V. 6 Matemática Etensivo V. 6 Eecícios ) Seja: + e s a eta pependicula a : omo s, temos: m s m s Logo, a equação da eta s é dada po: m ( ) ( ) ( ) + + + ) + + Temos ainda: m + + m m omo as etas acima são paalelas,

Leia mais

LISTA COMPLETA PROVA 03

LISTA COMPLETA PROVA 03 LISTA COMPLETA PROVA 3 CAPÍTULO 3 E. Quato patículas seguem as tajetóias mostadas na Fig. 3-8 quando elas passam atavés de um campo magnético. O que se pode conclui sobe a caga de cada patícula? Fig. 3-8

Leia mais

Dimensionamento de uma placa de orifício

Dimensionamento de uma placa de orifício Eata de atigo do engenheio Henique Bum da REBEQ 7-1 Po um eo de fechamento de mateial de ilustação, pate do atigo do Engenheio Químico Henique Bum, publicado na seção EQ na Palma da Mão, na edição 7-1

Leia mais

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO

CÁLCULO VETORIAL E GEOMETRIA ANALÍTICA Luiz Francisco da Cruz Departamento de Matemática Unesp/Bauru CAPÍTULO 2 VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Lui Fancisco da Cu Depatamento de Matemática Unesp/Bauu CAPÍTULO VETORES NO PLANO E NO ESPAÇO Vetoes no plano O plano geomético, também chamado de R, simbolicamente escevemos: R RR {(,), e R}, é o conunto

Leia mais

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON

PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Pofa Stela Maia de Cavalho Fenandes 1 PRINCÍPIOS DA DINÂMICA LEIS DE NEWTON Dinâmica estudo dos movimentos juntamente com as causas que os oiginam. As teoias da dinâmica são desenvolvidas com base no conceito

Leia mais

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO

FORÇA ENTRE CARGAS ELÉTRICAS E O CAMPO ELETROSTÁTICO LTOMAGNTISMO I FOÇA NT CAGAS LÉTICAS O CAMPO LTOSTÁTICO Os pimeios fenômenos de oigem eletostática foam obsevados pelos gegos, 5 séculos antes de Cisto. les obsevaam que pedaços de âmba (elekta), quando

Leia mais

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos

Avaliação: por que? Técnicas de Avaliação. Avaliação: Estudos em Laboratório. Objetivos da Avaliação. Avaliação Outros Grupos intemidia.usp.b Avaliação: po que? intemidia.usp.b Técnicas de Avaliação Avalia adequação de designs Testa a usabilidade e a funcionalidade do sistema Requisitos dos usuáios estão efetivamente sendo atendidos?

Leia mais

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos

4.4 Mais da geometria analítica de retas e planos 07 4.4 Mais da geometia analítica de etas e planos Equações da eta na foma simética Lembemos que uma eta, no planos casos acima, a foma simética é um caso paticula da equação na eta na foma geal ou no

Leia mais

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola

1 - Nome do projeto ou do programa de responsabilidade social: Programa SOS na Escola PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE RESPONSABILIDADE SOCIAL 2011 Categoia Fanqueado Dados da Empesa Razão Social: Montese Educação pofissional Ltda. Nome Fantasia: SOS Educação Pofissional Data de fundação: 10/03/2010

Leia mais

MATEMÁTICA CADERNO 7 CURSO E. FRENTE 1 ÁLGEBRA n Módulo 28 Dispositivo de Briot-Ruffini Teorema Do Resto

MATEMÁTICA CADERNO 7 CURSO E. FRENTE 1 ÁLGEBRA n Módulo 28 Dispositivo de Briot-Ruffini Teorema Do Resto MATEMÁTICA FRENTE ÁLGEBRA n Módulo 8 Dispositivo de Biot-Ruffini Teoema Do Resto ) x + x x x po x + Utilizando o dispositivo de Biot-Ruffini: coeficientes esto Q(x) = x x + x 7 e esto nulo ) Pelo dispositivo

Leia mais

MECÂNICA. F cp. F t. Dinâmica Força resultante e suas componentes AULA 7 1- FORÇA RESULTANTE

MECÂNICA. F cp. F t. Dinâmica Força resultante e suas componentes AULA 7 1- FORÇA RESULTANTE AULA 7 MECÂICA Dinâmica oça esultante e suas componentes 1- ORÇA RESULTATE oça esultante é o somatóio vetoial de todas as foças que atuam em um copo É impotante lemba que a foça esultante não é mais uma

Leia mais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais

Mecânica Clássica (Licenciaturas em Física Ed., Química Ed.) Folha de problemas 4 Movimentos de corpos sob acção de forças centrais Mecânica Clássica (icenciatuas em Física Ed., Química Ed.) Folha de oblemas 4 Movimentos de coos sob acção de foças centais 1 - Uma atícula de massa m move-se ao longo do eixo dos xx, sujeita à acção de

Leia mais

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba

FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético. Prof. Alexandre A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Curitiba FÍSICA 3 Fontes de Campo Magnético Pof. Alexande A. P. Pohl, DAELN, Câmpus Cuitiba EMENTA Caga Elética Campo Elético Lei de Gauss Potencial Elético Capacitância Coente e esistência Cicuitos Eléticos em

Leia mais

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA

Departamento de Física - Universidade do Algarve FORÇA CENTRÍFUGA FORÇA CENTRÍFUGA 1. Resumo Um copo desceve um movimento cicula unifome. Faz-se vaia a sua velocidade de otação e a distância ao eixo de otação, medindo-se a foça centífuga em função destes dois paâmetos..

Leia mais

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura.

REVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência. h, onde b representa a base e h representa a altura. NOME: ANO: º Nº: POFESSO(A): Ana Luiza Ozores DATA: Algumas definições Áreas: Quadrado: EVISÃO Lista 07 Áreas, Polígonos e Circunferência A, onde representa o lado etângulo: A b h, onde b representa a

Leia mais

( ) 10 2 = = 505. = n3 + n P1 - MA Questão 1. Considere a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo:

( ) 10 2 = = 505. = n3 + n P1 - MA Questão 1. Considere a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo: P1 - MA 1-011 Questão 1 Considee a sequência (a n ) n 1 definida como indicado abaixo: a 1 = 1 a = + 3 a 3 = + 5 + 6 a = 7 + 8 + 9 + 10 (05) (a) O temo a 10 é a soma de 10 inteios consecutivos Qual é o

Leia mais

Campo Gravítico da Terra

Campo Gravítico da Terra Campo Gavítico da ea 1. Condiçõe de medição eodéica O intumento com que ão efectuada a mediçõe eodéica, obe a upefície da ea, etão ujeito à foça da avidade. Paa pode intepeta coectamente o eultado da mediçõe,

Leia mais

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng.

Professor: Newton Sure Soeiro, Dr. Eng. UNIVERSIDDE FEDERL DO PRÁ MESTRDO EM ENGENHRI MECÂNIC GRUPO DE VIRÇÕES E CÚSTIC nálise Modal Expeimental Pofesso: Newton Sue Soeio, D. Eng. elém Paá Outubo/00 Gupo de Vibações e cústica UFP nálise Modal

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA

EXPERIÊNCIA 5 - RESPOSTA EM FREQUENCIA EM UM CIRCUITO RLC - RESSONÂNCIA UM/AET Eng. Elética sem 0 - ab. icuitos Eléticos I Pof. Athemio A.P.Feaa/Wilson Yamaguti(edição) EPEIÊNIA 5 - ESPOSTA EM FEQUENIA EM UM IUITO - ESSONÂNIA INTODUÇÃO. icuito séie onsideando o cicuito da

Leia mais