Praciano-Pereira, Tarcisio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Praciano-Pereira, Tarcisio"

Transcrição

1 Produto de convolução de funções contínus Prcino-Pereir, Trcisio Sobrl Mtemátic Universidde Estdul Vle do Acrú 26 de dezembro de 2014 préprints d Sobrl Mtemátic no Editor Trcisio Prcino-Pereir Resumo Neste rtigo demonstro, detlhdmente, que h = f g é um função de clsse C 1 se pens f,g forem funções contínus e suporte compcto. Além disto presento um sistem de progrms em python que podem ser usdos pr fzer simulções com convolução. A condição sobre o suporte ser compcto pode ser livid pr um dos ftores no produto por convolução, o que vou mostrr ns considerções finis. plvrs chve: convolução, diferencibilidde do produto de convolução, funções à suporte compcto. The point with this pper is to show tht the product of convolution defines continuously differentible functions from pir of continuous functions with compct support. In ddition I present collection of python progrms to produce simultions with convolution. The restriction of compctness of the support cn be dropped from one of the convolution fctors, this will be shown in lst prt. keywords: convolution, differentibilility of convolution product, compct support fuctions. 1

2 1 O que é convolução Um pouco de históri pr justificr que um resultdo não tão importnte mereç lgum coinsiderção n produção de um demontrção elementr, que é o objetivo deste trblho. Entre 1932 e 1957, muito se escreveu sobre f g, confir [4] onde está registrd um troc de correspondênci entre Rudin e Dieudonné em que este último pede que Rudin lhe mostre onde estri o erro em su demonstrção respeito d álgebr L 1 (R n ). Rudin cbv de nuncir um melhor dum fmoso resultdo de Slem, [5], [6], estbelecedo que L 1 (R n ) L 1 (R n ) = L 1 (R n ) (1) e Dieudonné hvi demonstrdo um inclusão estrit em vez de iguldde presentndo um exemplo de função de L 1 (R n ) que não podi ser o produto de convolução de dus outrs funções de L 1 (R n ). A importânci d convolução pr os dis de hoje prece no que chmo de progrm de Widder,[8] em que ele esboç o projeto de representr os opercores integris como operdores de convolução sobre que flo um pouco mis em seguid. Até 1950 o produto de convolução preci nos cpítulos vnçdos dos livros de Cálculo como um método de regulrizção de funções, tornv contínus s funções descontínus, ms não pssv dum instrumento teórico porque pel definição: (f,g) h;h(x) = f(t)g(x t)dt = f g(x); (2) já er um exercício ssustdor. A convolução já teri precido nos trblhos de D Alembert em 1754, [9, Convolution], liás, tmbém nest citção,[9, Convolution], você irá encontrr um interessnte gráfico mostrndo porque convolução é lgums vezes chmd de médi vijnte, ou trvelling men. O rtigo citdo, d Wikipedi, mostr que os instrumentos computcionis que se encontrm à noss disposição hoje é que recuperrm convolução pr torná-l ferrment que que Widder e Hirschmn ntevirm como solução pr entender os operdores diferenciis n décd de 40. Tmbém mis frente, neste rtigo, estrei presentndo lguns progrms que lhe vão oferecer oportunidde de repetir s experiêncis com convolução usds qui sssim como lterá-los pr que você fç s sus própris experiêncis ou utilize modificções destes progrms como ferrments didátics em uls de Cálculo. Em vários rtigos, Widder e Hirschmn começrm montr um teori gerl d convolução com prente idei de que os operdores de convolução representrim um form generlizd de trblhr com operdores diferenciis, ver [8] pr ter um idei, é um rtigo livremente distribuido no site d Americn Mthemticl Society. Eles não estvm errdos, são os operdores de convolução que representm um grnde prte ds simulções com que os

3 2 CONDIÇÃO DE DIFERENCIABILIDADE DE F G 2 operdores são estuddos pr compreender o comportmento ds soluções ds equções diferenciis prciis que é form como tulmente se estudm este tipo de equções. A medid de Dirc com frequênci chmd erronemente de função de Dirc, é unidde reltivmente o produto de convolução presentndo o excitnte problem dum álgebr de funções cuj unidde não pertence à álgebr: (f,δ 0 ) f;f = f δ 0 ; (3) Ms f g não pode ser definid rbitrrimente porque integrl precis existir o que se resolve loclizndo teori num espço vetoril de funções proprido pr trblhr com operdores de convolução, ou se deix est questão em berto como prte do problem gurdndo que construção d teori finlmente feche questão de form hrmonios. Pr o contexto deste rtigo vou deixr convolução bem definid, sem muito mis Mtemátic do que um estudnte de Cálculo poss, com lgum esforço extr, compnhr, considerndo um álgebr de funções à suporte compcto, então convolução é um operção intern dest álgebr. As funções crcterístics são exemplos de tis funções portnto estou num contexto relístico no qul vou desenvolver o próximo prágrfo. O objetivo deste rtigo é demonstrção dum teorem bem conhecido ms cuj demontrção você terá grnde dificuldde de encontrr feit, eu procurei e não encontrei! É um clsse de resultdos que todos conhecem e usm, um resultdo que todo mundo sbe que é verddeiro, digmos, um exercício vnçdo e n verdde você vi ver que ele se enqudr n list dos teorems cuj fronteir de vlidde é difus, isto ficrá clro n seção finl do rtigo. 2 Qundo f g é de clsse C 1 O objetivo dest seção é demonstrção do teorem Teorem 1 (diferencibilidde contínu ) d convolução Se f,g forem funções reis contínus e suporte compcto então h = f g é um função de clsse C 1. Dem : Deixe-me fzer um suposição e estbelecer um notção, suporte(f) = [A,B];f(t) = 0;t / [A,B]; Este será o significdo ds vriáveis A,B prtir de gor. Por definição h(x) = h(x) = x B x A f(t)g(x t)dt = f g(x); (4) B h(x) = f(t)g(x t)dt; (5) A f(x u)g(u)du = x A x B f(x u)g(u)du; (6)

4 2 CONDIÇÃO DE DIFERENCIABILIDADE DE F G 3 em que x é um prâmetro no integrndo, um tipo de equção chmd de integrl dependendo dum prâmetro e que pel operção usulmente chmd de mudnç de vriáveis posso reescrever no formto d equção (eq. 2.6). Vou usr o lem do vlor médio ds funções contínus: Lem 1 (do vlor médio pr funções contínus) Se φ : [,b] [m,m] for um função contínu e sobrejetiv, então ddo qulquer q [m,m] existe pelo menos um p [,b] tl que φ(p) = q. Dem : Não cberi fzer um demonstrção já que é um conhecido teorem dos livros de Análise n ret, ms é instrutiv form de demonstrção que vou usr porque estrei introduzindo um lgoritmo que não é usdo ns demonstrções e que será usdo logo neste rtigo. Se φ for função contínu, é integrável à Riemnn sobre qulquer intervlo compcto [, b] e 1 b φ(x)dx [m,m] b é o vlor médio integrl de φ em [,b] e como 1 b b x [,b] m φ(x) M; (7) mdx = m 1 b b x [,b[ m 1 b x Ms ddo q [m,m] vou colocr equção: Φ(x) = 1 x x φ(x)dx 1 b b Mdx = M; (8) x φ(t)dt M; (9) φ(t)dt = q [m,m]; Suponh, por bsurdo que Φ(x) < q, pr qulquer que sej x [,b], então φ não é sobrejetiv! Suponh gor, por bsurdo, que Φ(x) > q, pr qulquer que sej x [,b] e então novmente φ não é sobrejetiv! Então, pel lei do terceiro excluso deve hver p [,b] tl que Φ(p) = q. q.e.d. Usei demonstrção clássic de que [m,m] é um conjunto conexo escondid n demonstrção por bsurdo. Observção 1 Vlor médio integrl q [m,m] é um vlor médio de φ à volt de p [,b]. Observe que q = M ou q = m são dus possibiliddes inteirmente legis pr um vlor médio. p,p+ǫ [,b) q = m(φ) p,ǫ = 1 ǫ p = b,ǫ < (b ) q = m(φ) p,ǫ = 1 ǫ p+ǫ p p p ǫ φ(t)dt; (10) φ(t)dt; (11) é um vlor médio integrl de φ à volt de p que vi interessr-me. O vlor médio integrl depende do intervlo considerdo sendo est rzão d notção q = m(φ) p,ǫ ; (12) Como consequênci do lem 1 e do Teorem Fundmentl do Cálculo Integrl, se φ for um função contínu então posso eliminr m, ǫ, n equção (2.12):

5 2 CONDIÇÃO DE DIFERENCIABILIDADE DE F G 4 Lem 2 (Primitiv e derivd) Sej φ um função contínu definid em [,b]. A função x h (x) = φ(t)dt é de clsse C 1 com h (q) = lim m(φ) q,ǫ = m(φ) q = φ(q); (13) ǫ=0 A leitor deve reconhecer que notção h tem objetivo de fzer referênci à primitiv com condição inicil e n sequênci vou omitir est referênci pr simplificr simbologi ficndo implícito d integrl que se trt dum primitiv com condição inicil indicd. Sendo preciso observr que pr x = b é derivd à esquerd que se tem, pr x; < x < b pel definição do limite no (lem 2) está definid derivd à direit pr x = se tem pens derivd à direit. Quero plicr o (lem 2) o produto de convolução ds dus funções contínus f,g que estou supondo que são à suporte compcto. Pr proveitr notção do (lem 2 ) vou usr o intervlo [, b] como som de conjuntos dos suportes de f e de g, que é o suporte d função f g e os cálculos seguintes nos conduzem à conclusão do nosso objetivo imedito, demonstrção do teorem 1: h(x) = h(x) = h(x+ǫ) h(x) = + f(t)g(x t)dt = f g(x) = x b x f(x u)g(u)du = x x b b f(t)g(x t)dt; (14) f(x u)g(u)du; (15) Considere x [,b[ então ǫ > 0; (16) x +ǫ x b+ǫ x x b+ǫ h (x) = lim = + f(x+ǫ u)g(u)du x b+ǫ x b x x b f(x u)g(u)du;= (17) f(x u)g(u)du+ (18) (f(x+ǫ u) f(x u))g(u)du+ (19) x +ǫ x x 1 ǫ=0 ǫ x b+ǫ f(x+ǫ u)g(u)du; (20) (f(x+ǫ u) f(x u))g(u)du (21) O limite ns equções (eq. 2.18) e (eq. 2.20), sob divisão por ǫ, é um cálculo de vlor médio e qundo ǫ = 0 vle zero, rest clculr o limite n equção (eq. 2.21). Ms é mis simples retomr equção (eq. 2.14) e reclculr h(x+ǫ) h(x). Observe-se, en psnt, que se eu tivesse hipótese de diferencibilidde de f, que não tenho, poderi deduzir d equção (eq. 2.21) conhecid fórmul de diferencição d convolução h 1 (x) = lim ǫ=0 ǫ x x b+ǫ (f(x+ǫ u) f(x u))g(u)du = ( f g ) (x) = ( f g ) (x) (22) vlendo o termo à direit com hipótese de diferencibilidde de g. Aqui vle um comentário que põe em evidênci dificuldde dest demonstrção, o que liás justific que el sej feit detlhdmente. O vlor de h (x) não é óbvio e nem existe como um expressão simples e isto é bem conhecido o longo dos 300 nos de uso dest operção intrignte.

6 2 CONDIÇÃO DE DIFERENCIABILIDADE DE F G 5 A convolução é responsável pelo fenômeno de Gibbs devido o vlor médio usndo o núcleo de Dirichlet, por exemplo, e o regulrizr um função descontínu el elimin Dirc clculndo um ponto médio do slto. Num ponto de slto trnsformd de Fourier pss no ponto médio do slto. Em sum, não é possível exibir-se um expressão simples, envolvendo vlores de f e de g no cálculo de h (x). Os progrms usdos ns simulções deste rtigo servem pr deixr isto clro, e tmbém mostrm tenttiv flh deste utor n busc dest formulção simples em lgum cso especil, por exemplo um expressão semelhnte à derivd do produto, usndo convolução como trnsformção biliner. O cálculo impossível de ser feito n equção (2.22) é ilustrtivo: h = f g; h = f g ; Nenhum dos dois resultdos cim... Pr demonstrr existênci d derivd, n impossibilidde de um cálculo rápido prtir d equção (eq. 2.21) eu vou retormr s conts prtir d equção (eq. 2.14). h(x) = h(x+ǫ) h(x) = f(t)g(x t)dt = b h(x+ǫ) h(x) (b ) f b h(x+ǫ) h(x) (b ) f b b f(t)g(x t)dt; (23) f(t)(g(x+ǫ t) g(x t)); (24) g(x+ǫ t) g(x t) dt; (25) ǧ(t x ǫ) ǧ(t x) dt; (26) h(x+ǫ) h(x) (b ) f ǧ x+ǫ ǧ x 1 ; (27) Ns equções (2.26) e (2.27) prece distânci em L 1 m (R) ds trnsltds d função contínu ǧ, por x+ǫ e x, um vez que, se g for contínu tmbém ǧ o será. O índice m, em L 1 m(r) se refere à medid de Lebesgue d ret. Em L 1 m (R) trnslção é um função liner contínu, e isto signific que ddo ρ, existe ǫ tl que ǧ x+ǫ ǧ x 1 < ρ pr números reis positivos, ρ,ǫ. Como trnslção é liner, então ρ = Cǫ, é um múltiplo de ǫ, e C é um constnte muito prticulr que é específic de cd trnsformção liner muito à mneir do que contece n Álgebr Liner dimensão finit, mis crcterístico ind no cso d Álgebr Liner de dimensão 1, x Cx;C R, em que C é própri mtriz. Em dimensão mior do que 1, ms ind finit, C é um constnte ser deduzid ds entrds d mtriz d trnsformção liner. Aqui estou usndo um conhecido teorem que estbelece que s funções lineres são Lipschitz-contínus e C é constnte de Lipschitz d trnslção. C é chmd comumente de módulo de continuidde porque corresponde à norm d trnsformção liner como elemento dum espço vetoril normdo de funções, no cso d trnslção C = 1, qundo medid for invrinte por trnslção, e é o cso d medid de Lebesgue. Assim tenho h(x+ǫ) h(x) ǫ (b ) f ǧ x+ǫ ǧ x 1 (b ) f ρ; (28) h(x+ǫ) h(x) ǫ = (b ) f ǫ = O(ǫ); (29) implicndo que h(x+ǫ) h(x) lim = h (x) (30) ǫ=0 ǫ existe pr cd x [,b[. Pr x = b se obtem derivd à esquerd bstndo pens usr h(x ǫ) h(x) em lugr de h(x+ǫ) h(x). No ponto x = tmbém o que obtive foi derivd à direit.

7 2 CONDIÇÃO DE DIFERENCIABILIDADE DE F G 6 Pr terminr pens um observção, h (x) nd mis é do que o vlor médio integrl d função t f(t)g(x t), à volt do ponto x, que é um função contínu portnto h é contínu sendo h = f g C 1 (R), pelo lem 2. q.e.d. 2.1 Simulções com um progrm em Python Fiz lgums simulções com um progrm em Python presentdo num pêndice o finl do rtigo que pode ser bixdo de [3, Convoluco02 py]. Ele foi usdo pr pr conseguir evidêncis computcionis dos resultdos, n verdde tenttivs pr encontrr um fórmul simples, n lgum cso, pr h (x). Eu estv com tentndo encontrr um fórmul que se ssemelhsse à do produto pr derivds, usndo gor o produto por convolução como um trnsformção biliner, e minhs tenttivs flhrm. As tbels (tb. 1), (tb. 2), (tb. 3) que tmbém se encontrm o finl, no pêndice, que form tmbém gerds pelo progrm em Python, mostrm três simulções d equção (2.21) feits com o progrm com tres vlores pr ǫ indicdos no cbeçlho de cd um ds tbels. A tbel 4, que tmbém está presentd no pêndice, mostr o resultdo d simulção usndo f,g = χ [ 1 2,1 2 ] n qul podemos ver lguns resultdos curiosos pelo fto de serem produzidos por um progrm, n terceir colun, usndo ǫ = 1 10 prece o número ± pr o qul não consegui um explicção. 5 Usndo ǫ = 1 10 o vlor que prece é ±0.95 qundo minh expecttiv seri de que precessem vlores grndes em vlor bsoluto pens nos pontos de slto, mostrndo presenç d Dirc. O progrm, [3, Convoluco02 py], está disponível pr quem desejr nlisr lgum erro no lgoritmo, eu grdeceri um retorno. A figur (1) págin 6, mostr o produto d função triângulo com suporte Convol Tri*qud 0.0 "ddos1" "ddos2" Figur 1: produto de convolução Tri qud

8 3 UM EXEMPLO 7 [ 1,1] e um 2-splines que tem o mesmo suporte [ 1,1] e figur (2) págin 7, mostr o produto de convolução d função triângulo por el mesm. O Convol Tri*Tri 0.0 "ddos1" "ddos2" Figur 2: produto de convolução Tri Tri progrm em Python, presentdo o finl no pêndice, [3, Convoluco02 py] us os módulos scipy, system, os que são distribuidos com lingugem, e os módulos produzidos por este utor, gnuplot, operdores, nucleo, mbiente, funcoes que estão descritos qui, [2]. Você pode bixr o progrm que foi usdo neste rtigo de [3, Convoluco02 py], e ltere Convoluco02 py pr Convoluco02.py pr que o interpretdor Python o reconheç. Este resultdo é muito forte ms inteirmente esperdo, ver [1], em que potênci de convolução de funções crcterístics é clculd sendo um função contínu, prtir d segund potênci. N próxim seção vou considerr um hipótese mis frc e dr um exemplo mostrndo que hipótese de continuidde não pode ser retird o desejrmos continuidde d derivd de f g. 3 Os ftores têm que ser contínuos Considere H 0 função de Heviside que é descontínu com um slto unitário n origem, constnte zero n semiret negtiv constnte 1 n semiret positiv. Su derivd é medid de Dirc δ 0, confir [7, págin 36] consequentemente (H 0 H 0 ) = H 0 δ 0 = H 0 (31) então o produto de convolução H 0 H 0 é um função contínu ms su derivd é descontínu, mis extmente, H 0 H 0 é nul pr x 0 e coincide com

9 3 UM EXEMPLO 8 primeir bissetriz pr x 0: (H 0 H 0 )(x) = { 0 x 0; x x > 0; (32) A derivd tem um slto no ponto zero. 3.1 Visão gerl do domínio d convolução Um desiguldde resolve especificção dum domínio pr convolução: Teorem 2 (convolução) norm e desiguldde Usndo o símbolo p pr representr s norms dos espços de Lebesgue, e nturlmente, sob suposição de que f p exist n expressão bixo, temos seguinte cópi d desiguldde de Hölder pr funções reis de vriáveis reis f g 1 f p g q ; 1 p = 1 (33) Dem : Se f p, g q forem números, então h(x) = = f(t)g(x t)dt = (34) f(t)g x ( t)dt (35) f p ǧ x q f p g q (36) N equção (3.36) prece notção ǧ(x) = g(x t), e estou usndo o fto de que s trnsltds de qulquer função em L q tem mesm norm pel invriânci de trnslção d medid de Lebesgue. q.e.d. Com est desiguldde convolução pode ser definid como um operdor no dul dequdo dum espço de Lebesgue de cordo com desiguldde de Hölder. Em prticulr s funções do prágrfo inicil pertencem qulquer espço de Lebesgue que se deseje. O exemplo d função de Heviside mostr que continuidde não pode ser elimind pr que f g tenh um derivd contínu, e o teorem 2 mostr que é preciso hver um condição tipo desiguldde de Hölder pr que um produto de funções sej integrável. Ms se desejrmos pens grntir que o produto sej de clsse C 1 o teorem 2 é excessivo como condição pr s dus funções. Com isto chegmos à hipótese cert: um dos ftores precis estr num espço de Lebesgue, que é o que nos permite o uso d norm de L p n desiguldde finl d demontrção do teorem 1.

10 REFERÊNCIAS 9 e outro é suficiente que sej um função integrável e limitd em qulquer intervlocompcto[,b]oquenosvipermitirdeusrnormdosupremo n desiguldde finl d demontrção do teorem 1. Teorem 3 (diferencibilidde) d convolução Se um d ftores f,g, for um elemento dum espço L p (R) e outro for um função integrável e limitd em qulquer intervlo compcto, então f g é de clsse C 1 (R). Dem : A demonstrção do teorem 1 se plic com um modificção: uso d norm de L p (R) onde está sendo usd norm de L 1 (R). q.e.d. Observe que há um gnho significtivo neste teorem finl, eliminei condição sobre o suporte de mbos os ftores ssim como d continuidde, ficou pens condição de integrbilidde forte, pertencer um espço L p (R), pr um dos ftores, e pr o outro ser integrável e ter supremo em qulquer intervlo compcto. Consequentemente se f = χ [A,B] e g L p (R) então f g C 1 (R) pens não sbemos escrever de form simples o vlor d derivd nos pontos A,B, ms você tem um progrm qui, à su disposição, pr lhe informr um vlor proximdo de (f g) (A),(f g) (B). Referêncis [1] A.J. Neves nd T. Prcino-Pereir. Convolutions power of chrcteristic function. rxiv.org, 2012, April, 22:16, [2] T Prcino-Pereir. Python progrm to solve ordinry differentil equtions. Technicl report, Sobrl Mtemtic [3] Trcisio Prcino-Pereir. Progrms pr cálculo numérico. Technicl report, [4] Kenneth A. Ross. A trip from clssicl to bstrct fourier nlysis. Notices of AMS, Vol 61 (9):6, [5] Rphël Slem. Sur les trnsformtions des séries de fourier. Fund. Mth, 33:6, [6] Rphël Slem. Oeuvres Mthémtiques. Hermn - Pris, [7] Lurent Schwrtz. Théorie des Distribution. Hermnn, [8] D V. Widder. The convolution trnsform. Bulletin of Americn Mthemticl Society, 60,5: , 1954.

11 REFERÊNCIAS 10 [9] the free enciclopedi in the Internet Wikipedi. Wikipedi, the free enciclopedi in the internet.

12 REFERÊNCIAS 11 Tbels e o progrm em Python Tbel 1: derivd e equção (0.24) ǫ = x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) Tbel 2: derivd e equção (0.24) ǫ = x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14)

13 REFERÊNCIAS 12 Tbel 3: derivd e equção (0.24) ǫ = x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) #! /usr/bin/python # -*- coding: utf-8 -*- ## distribuido sob GPL n vers~o que lhe melhor convier. ## seç~o incluindo módulos externos from mth import * import scipy s sp from scipy import specil from os import system, remove from gnuplot import * ## grfunn nd friends N=1...5 from operdores import * ## operdores from nucleo import * ## funçoes e núcleos from mbiente import * from funcoes import * ### fim d importç~o ######################### ################################################## ## tiv clsse mbiente mbi = mbiente(); ############### definiç~o de funç~oes ############### ############### ltere Convol(x,Tri,Tri) pr Convol(x,f,g); def h(x): return Convol(x,Tri,Tri); ## pr núcleo com suporte [-1,1] def dh(x): return Dif(x,h); ## clcul equç~o (2.17) - ## rtigo: Produto de convoluç~o de funç~oes contínus def teste(x,epsilon,lph, bet,f,g): return (1.0/epsilon)*RiemSpl( lmbd u:(tri(x+epsilon-u)-tri(x-u))*qud(u),x-bet+ep

14 REFERÊNCIAS 13 Tbel 4: derivd e equção (0.24) ǫ = x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) x= h ( ) = = equção (eq. 0.14) ## Clcul s tbels do rtigo Produto de convoluç~o de funç~oes contínus def cri_tbel(lph, bet, delt_x, referenci,f,g): x = lph; slto = 0.1; ## é slto d tbel, grnulridde d tbel tbel = open("convoluco_tbel.tex", "w"); tbel.write(" %% tbel crid por progrm escrito em Python \n"); tbel.write(" \\begin{tble}[h] \n"); tbel.write(" \\centering \n"); tbel.write(" \\cption{derivd e equç~o\ \\ddtocounter{equcocinco}{10}\ (\\rbic{section}.\\rbic{equcocinco})$ \\epsilon = %f$}\ \n"\ %(delt_x) ); referenci = "DerivdSimulco"+referenci; tbel.write(" \\lbel{"+referenci+"}\n"); tbel.write(" \\begin{tbulr}{ l r r } \\hline \n"); while(x <= bet): C= teste(x,delt_x,lph, bet,f,g); ## chm funç~o teste com os pr^metros x,d tbel.write("x= %f & h (%f) = %f & %f = equç~o\ (\\rbic{section}.\\rbic{equcocinco}) \\\\ \\hline \n"\ %( x, x, dh(x), C ));

15 REFERÊNCIAS 14 x += slto; ## slto d tbel no LTeX tbel.write(" \\end{tbulr} \n"); tbel.write(" \\end{tble} \\ddtocounter{equcocinco}{-10} \n"); tbel.close(); lph, bet, delt_x = -2, 2, ; ## selecione qui ddos d tbel referenci="tres"; ## refer^enci d tbel no LTeX cri_tbel(lph, bet, delt_x, referenci,f,g); ## elimine comentário pr crir t ## quit(); ## se eliminr este comentário o progrm pr qui ## ltere mensgem indicndo qul é convoluç~o inicio =-2;fim =2;mensgem="Convoluç~o Tri*qud ";n=3000; grfun2(h, dh, inicio, fim, n, mensgem); mbi.peteco2(); quit();

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

Função de onda e Equação de Schrödinger

Função de onda e Equação de Schrödinger Função de ond e Equção de Schrödinger A U L A 4 Met d ul Introduzir função de ond e Equção de Schrödinger. objetivos interpretr fisicmente função de ond; obter informção sobre um sistem microscópico, prtir

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Aula 10 Estabilidade

Aula 10 Estabilidade Aul 0 Estbilidde input S output O sistem é estável se respost à entrd impulso 0 qundo t Ou sej, se síd do sistem stisfz lim y(t) t = 0 qundo entrd r(t) = impulso input S output Equivlentemente, pode ser

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A.

Objetivo. Conhecer a técnica de integração chamada substituição trigonométrica. e pelo eixo Ox. f(x) dx = A. MÓDULO - AULA Aul Técnics de Integrção Substituição Trigonométric Objetivo Conhecer técnic de integrção chmd substituição trigonométric. Introdução Você prendeu, no Cálculo I, que integrl de um função

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática

AULA 1. 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Linguagem Matemática 1 NÚMEROS E OPERAÇÕES 1.1 Lingugem Mtemátic AULA 1 1 1.2 Conjuntos Numéricos Chm-se conjunto o grupmento num todo de objetos, bem definidos e discerníveis, de noss percepção ou de nosso entendimento, chmdos

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL Clculo Integrl AMI ESTSetubl-DMAT 15 de Dezembro de 2012 AMI (ESTSetubl-DMAT) LIC ~AO 18 15 de Dezembro de 2012 1 / 14 Integrl de Riemnn Denic~o: Sej [, b] um intervlo

Leia mais

Os números racionais. Capítulo 3

Os números racionais. Capítulo 3 Cpítulo 3 Os números rcionis De modo informl, dizemos que o conjunto Q dos números rcionis é composto pels frções crids prtir de inteiros, desde que o denomindor não sej zero. Assim como fizemos nteriormente,

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

José Miguel Urbano. Análise Infinitesimal II Notas de curso

José Miguel Urbano. Análise Infinitesimal II Notas de curso José Miguel Urbno Análise Infinitesiml II Nots de curso Deprtmento de Mtemátic d Universidde de Coimbr Coimbr, 2005 Conteúdo Primitivs 3 2 O integrl de Riemnn 8 2. Proprieddes do integrl de Riemnn..............

Leia mais

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes

Material envolvendo estudo de matrizes e determinantes E. E. E. M. ÁREA DE CONHECIMENTO DE MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROFESSORA ALEXANDRA MARIA º TRIMESTRE/ SÉRIE º ANO NOME: Nº TURMA: Mteril envolvendo estudo de mtrizes e determinntes INSTRUÇÕES:. Este

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

1. Conceito de logaritmo

1. Conceito de logaritmo UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA Logritmos Prof.: Rogério

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial Cpítulo 9 Integrção Numéric 9. Introdução A integrção numéric é o processo computcionl cpz de produzir um vlor numérico pr integrl de um função sobre um determindo conjunto. El difere do processo de ntidiferencição,

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Relações em triângulos retângulos semelhantes

Relações em triângulos retângulos semelhantes Observe figur o ldo. Um escd com seis degrus está poid em num muro de m de ltur. distânci entre dois degrus vizinhos é 40 cm. Logo o comprimento d escd é 80 m. distânci d bse d escd () à bse do muro ()

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha

Incertezas e Propagação de Incertezas. Biologia Marinha Incertezs e Propgção de Incertezs Cursos: Disciplin: Docente: Biologi Biologi Mrinh Físic Crl Silv Nos cálculos deve: Ser coerente ns uniddes (converter tudo pr S.I. e tender às potêncis de 10). Fzer um

Leia mais

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período

EXAME DE INGRESSO 2014 3º Período PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA ÁREA DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO (141) ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO EXAME DE INGRESSO 2014 º Período NOME: Oservções Importntes: 1. Não

Leia mais

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x.

1 x 5 (d) f = 1 + x 2 2 (f) f = tg 2 x x p 1 + x 2 (g) f = p x + sec 2 x (h) f = x 3p x. (c) f = 2 sen x. sen x p 1 + cos x. p x. 6. Primitivs cd. 6. Em cd cso determine primitiv F (x) d função f (x), stisfzendo condição especi- () f (x) = 4p x; F () = f (x) = x + =x ; F () = (c) f (x) = (x + ) ; F () = 6. Determine função f que

Leia mais

Praciano-Pereira, T 1. 15 de abril de 2013. Introdução à integração múltipla Praciano-Pereira, T http://www.sobralmatematica.org. 15 de abril de 2013

Praciano-Pereira, T 1. 15 de abril de 2013. Introdução à integração múltipla Praciano-Pereira, T http://www.sobralmatematica.org. 15 de abril de 2013 Introdução à integrção múltipl Prcino-Pereir, T http://www.sobrlmtemtic.org 5 de bril de Introdução à integrl múltipl Prcino-Pereir, T 5 de bril de http://www.sobrlmtemtic.org . Integrl geométric Este

Leia mais

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2.

Reforço Orientado. Matemática Ensino Médio Aula 4 - Potenciação. Nome: série: Turma: t) (0,2) 4. a) 10-2. b) (-2) -2. 2 d) e) (0,1) -2. Reforço Orientdo Mtemátic Ensino Médio Aul - Potencição Nome: série: Turm: Exercícios de sl ) Clcule s potêncis, em cd qudro: r) b) (-) Qudro A s) t) (0,) Qudro B - b) (-) - e) (-,) g) (-) h) e) (0,) -

Leia mais

Teorema de Green no Plano

Teorema de Green no Plano Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires Teorem de Green no Plno O teorem de Green permite relcionr o integrl de linh o longo de um curv fechd com

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto

Aula 8: Gramáticas Livres de Contexto Teori d Computção Segundo Semestre, 2014 ul 8: Grmátics Livres de Contexto DINF-UTFPR Prof. Ricrdo Dutr d Silv Veremos gor mneir de gerr s strings de um tipo específico de lingugem, conhecido como lingugem

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

Notas Teóricas de Análise Matemática

Notas Teóricas de Análise Matemática Nots Teórics de Análise Mtemátic Rui Rodrigues Deprtmento de Físic e Mtemátic Instituto Superior de Engenhri de Coimbr Índice Primitivção de funções reis de vriável rel. Primitivção...................................2

Leia mais

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS

EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS EQUAÇÕES E INEQUAÇÕES POLINOMIAIS Um dos grndes problems de mtemátic n ntiguidde er resolução de equções polinomiis. Encontrr um fórmul ou um método pr resolver tis equções er um grnde desfio. E ind hoje

Leia mais

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares

Rresumos das aulas teóricas Cap Capítulo 4. Matrizes e Sistemas de Equações Lineares Rresumos ds uls teórics ------------------ Cp ------------------------------ Cpítulo. Mtrizes e Sistems de Equções ineres Sistems de Equções ineres Definições Um sistem de m equções lineres n incógnits,

Leia mais

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1;

f(x) é crescente e Im = R + Ex: 1) 3 > 81 x > 4; 2) 2 x 5 = 16 x = 9; 3) 16 x - 4 2x 1 10 = 2 2x - 1 x = 1; Curso Teste - Eponencil e Logritmos Apostil de Mtemátic - TOP ADP Curso Teste (ii) cso qundo 0 < < 1 EXPONENCIAL E LOGARITMO f() é decrescente e Im = R + 1. FUNÇÃO EXPONENCIAL A função f: R R + definid

Leia mais

O Teorema Fundamental do Cálculo e Integrais Indefinidas

O Teorema Fundamental do Cálculo e Integrais Indefinidas Cpítulo O Teorem Fundmentl do Cálculo e Integris Indefinids. Introdução Clculr integris usndo soms de Riemnn, tl qul vimos no cpítulo nterior, é um trblho penoso e por vezes muito difícil (ou quse impossível).

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB.

tem-se: Logo, x é racional. ALTERNATIVA B AB : segmento de reta unindo os pontos A e B. m (AB) : medida (comprimento) de AB. MÚLTIPL ESCOLH NOTÇÕES C : conjunto dos números compleos. Q : conjunto dos números rcionis. R : conjunto dos números reis. Z : conjunto dos números inteiros. N {0,,,,...}. N* {,,,...}. : conjunto vzio.

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

Linguagens Formais Capítulo 5: Linguagens e gramáticas livres de contexto

Linguagens Formais Capítulo 5: Linguagens e gramáticas livres de contexto Lingugens ormis Cpítulo 5: Lingugens e grmátics livres de contexto José Lucs Rngel, mio 1999 5.1 - Introdução Vimos no cpítulo 3 definição de grmátic livre de contexto (glc) e de lingugem livre de contexto

Leia mais

Cálculo Integral em R

Cálculo Integral em R Cálculo Integrl em R (Primitivção e Integrção) Miguel Moreir e Miguel Cruz Conteúdo Primitivção. Noção de primitiv......................... Algums primitivs imedits................... Proprieddes ds primitivs....................4

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades?

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades? UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DCET / CAMPUS I DISCIPLINA: Cálculo II (MAT 089 CH: 75 PROFESSOR: Adrino Ctti SEMESTRE: 0. ALUNO: APOSTILA 0: INTEGRAL INDEFINIDA

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto:

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: www.engenhrifcil.weely.com Resumo com eercícios resolvidos do ssunto: (I) (II) Teorem Fundmentl do Cálculo Integris Indefinids (I) Teorem Fundmentl do Cálculo Ness postil vmos ordr o Teorem Fundmentl do

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade

1 Distribuições Contínuas de Probabilidade Distribuições Contínus de Probbilidde São distribuições de vriáveis letóris contínus. Um vriável letóri contínu tom um numero infinito não numerável de vlores (intervlos de números reis), os quis podem

Leia mais

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 7 _ Função Modular, Exponencial e Logarítmica Professor Luciano Nóbrega

TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL. Aula 7 _ Função Modular, Exponencial e Logarítmica Professor Luciano Nóbrega 1 TECNÓLOGO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Aul 7 _ Função Modulr, Eponencil e Logrítmic Professor Lucino Nóbreg FUNÇÃO MODULAR 2 Módulo (ou vlor bsolutode um número) O módulo (ou vlor bsoluto) de um número rel, que

Leia mais

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos

Matrizes. Matemática para Economistas LES 201. Aulas 5 e 6 Matrizes Chiang Capítulos 4 e 5. Márcia A.F. Dias de Moraes. Matrizes Conceitos Básicos Mtemátic pr Economists LES uls e Mtrizes Ching Cpítulos e Usos em economi Mtrizes ) Resolução sistems lineres ) Econometri ) Mtriz Insumo Produto Márci.F. Dis de Mores Álgebr Mtricil Conceitos Básicos

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Integral e derivada. Tarcisio Praciano-Pereira. Dep. de Matemática - Univ. Estadual Vale do Acaraú versão 2002

Integral e derivada. Tarcisio Praciano-Pereira. Dep. de Matemática - Univ. Estadual Vale do Acaraú versão 2002 2 Integrl e derivd de funções multivrids Trcisio Prcino-Pereir Dep. de Mtemátic - Univ. Estdul Vle do Acrú versão 22 2 SUMÁRIO 6 Fórmuls Integris 35 6. Generlizções d integrl...................... 35 6..

Leia mais

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON

MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES PROF. JORGE WILSON PROFJWPS@GMAIL.COM MATRIZES Definição e Notção... 11 21 m1 12... 22 m2............ 1n.. 2n. mn Chmmos de Mtriz todo conjunto de vlores, dispostos

Leia mais

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a)

A integral definida. f (x)dx P(x) P(b) P(a) A integrl definid Prof. Méricles Thdeu Moretti MTM/CFM/UFSC. - INTEGRAL DEFINIDA - CÁLCULO DE ÁREA Já vimos como clculr áre de um tipo em específico de região pr lgums funções no intervlo [, t]. O Segundo

Leia mais

Resumo da última aula. Compiladores. Conjuntos de itens LR(0) Exercício SLR(1) Análise semântica

Resumo da última aula. Compiladores. Conjuntos de itens LR(0) Exercício SLR(1) Análise semântica Resumo d últim ul Compildores Verificção de tipos (/2) Análise semântic Implementção: Esquems -tribuídos: Mecnismo bottom-up direto Esquems -tribuídos: Mecnismo top-down: Necessit grmátic não recursiv

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trabalhador e oferta de trabalho

Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trabalhador e oferta de trabalho Equilíbrio do indivíduo-consumidor-trblhdor e ofert de trblho 6 1 Exercício de plicção: Equilíbrio de um consumidor-trblhdor e nálise de estátic comprd Exercícios pr prátic do leitor Neste cpítulo, presentmos

Leia mais

Eletrotécnica TEXTO Nº 7

Eletrotécnica TEXTO Nº 7 Eletrotécnic TEXTO Nº 7 CIRCUITOS TRIFÁSICOS. CIRCUITOS TRIFÁSICOS EQUILIBRADOS E SIMÉTRICOS.. Introdução A quse totlidde d energi elétric no mundo é gerd e trnsmitid por meio de sistems elétricos trifásicos

Leia mais

Análise Matemática I. Feliz Minhós

Análise Matemática I. Feliz Minhós Análise Mtemátic I Feliz Minhós ii Conteúdo Objectivos Geris Progrm 3 Sucessões 5. De nição............................. 5.2 Subsucessão............................ 6.3 Sucessões monótons.......................

Leia mais

6.1 Derivação & Integração: regras básicas

6.1 Derivação & Integração: regras básicas 6. Derivção & Integrção: regrs básics REGRAS BÁSICAS DE DERIVAÇÃO. Regr d som:........................................ (u + k v) = u + k v ; k constnte. Regr do Produto:.....................................................

Leia mais

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO ANÁLISE MATEMÁTICA I TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO 3 Índice Noções Topológics, Indução Mtemátic e Sucessões. Noções topológics em R............................. Indução mtemátic..............................

Leia mais

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido

Matemática /09 - Integral de nido 68. Integral de nido Mtemátic - 8/9 - Integrl de nido 68 Introdução Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I = [; b] e tl que f () ; 8 [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos

Leia mais

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas

8.1 Áreas Planas. 8.2 Comprimento de Curvas 8.1 Áres Plns Suponh que um cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3)

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3) Universidde Federl do Rio de Jneiro Instituto de Mtemátic Deprtmento de Métodos Mtemáticos Integrl Imprópri Integrl imprópri em R n (n =,, 3) Autores: Angel Cássi Bizutti e Ivo Fernndez Lopez Introdução

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy

3 Teoria dos Conjuntos Fuzzy 0 Teori dos Conjuntos Fuzzy presentm-se qui lguns conceitos d teori de conjuntos fuzzy que serão necessários pr o desenvolvimento e compreensão do modelo proposto (cpítulo 5). teori de conjuntos fuzzy

Leia mais

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana.

PROCESSO SELETIVO/2006 RESOLUÇÃO 1. Braz Moura Freitas, Margareth da Silva Alves, Olímpio Hiroshi Miyagaki, Rosane Soares Moreira Viana. PROCESSO SELETIVO/006 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Brz Mour Freits, Mrgreth d Silv Alves, Olímpio Hiroshi Miygki, Rosne Sores Moreir Vin QUESTÕES OBJETIVAS 0 Pr rrecdr doções, um Entidde Beneficente usou um cont

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES

Universidade Federal do Rio Grande FURG. Instituto de Matemática, Estatística e Física IMEF Edital 15 - CAPES MATRIZES Universidde Federl do Rio Grnde FURG Instituto de Mtemátic, Esttístic e Físic IMEF Editl - CAPES MATRIZES Prof. Antônio Murício Medeiros Alves Profª Denise Mri Vrell Mrtinez Mtemátic Básic pr Ciêncis Sociis

Leia mais

Aprender o conceito de vetor e suas propriedades como instrumento apropriado para estudar movimentos não-retilíneos;

Aprender o conceito de vetor e suas propriedades como instrumento apropriado para estudar movimentos não-retilíneos; Aul 5 Objetivos dest Aul Aprender o conceito de vetor e sus proprieddes como instrumento proprido pr estudr movimentos não-retilíneos; Entender operção de dição de vetores e multiplicção de um vetor por

Leia mais

5) Para b = temos: 2. Seja M uma matriz real 2 x 2. Defina uma função f na qual cada elemento da matriz se desloca para a posição. e as matrizes são:

5) Para b = temos: 2. Seja M uma matriz real 2 x 2. Defina uma função f na qual cada elemento da matriz se desloca para a posição. e as matrizes são: MATEMÁTIA Sej M um mtriz rel x. Defin um função f n qul cd elemento d mtriz se desloc pr posição b seguinte no sentido horário, ou sej, se M =, c d c implic que f (M) =. Encontre tods s mtrizes d b simétrics

Leia mais

A Lei das Malhas na Presença de Campos Magnéticos.

A Lei das Malhas na Presença de Campos Magnéticos. A Lei ds Mlhs n Presenç de mpos Mgnéticos. ) Revisão d lei de Ohm, de forç eletromotriz e de cpcitores Num condutor ôhmico n presenç de um cmpo elétrico e sem outrs forçs tundo sore os portdores de crg

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVEST VESTIBULAR 2010 1 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA FUVET VETIBULAR 00 Fse Prof. Mri Antôni Gouvei. Q-7 Um utomóvel, modelo flex, consome litros de gsolin pr percorrer 7km. Qundo se opt pelo uso do álcool, o utomóvel consome 7 litros

Leia mais

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.!

!!!!!! Este programa foi desenvolvido pelo Departamento dos ministérios da Criança a partir das propostas de textos das palestras para os adultos.! Este progrm foi desenvolvido pelo Deprtmento dos ministérios d Crinç prtir ds proposts de textos ds plestrs pr os dultos. Nots importntes pr o Monitor: Sempre que ler um texto bíblico, fç-o com Bíbli bert.

Leia mais