José Miguel Urbano. Análise Infinitesimal II Notas de curso

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Miguel Urbano. Análise Infinitesimal II Notas de curso"

Transcrição

1 José Miguel Urbno Análise Infinitesiml II Nots de curso Deprtmento de Mtemátic d Universidde de Coimbr Coimbr, 2005

2 Conteúdo Primitivs 3 2 O integrl de Riemnn 8 2. Proprieddes do integrl de Riemnn Condições suficientes de integrbilidde O Teorem Fundmentl do Cálculo Os teorems clássicos do Cálculo Integrl O logritmo e exponencil Integrção numéric Aplicções do cálculo integrl Áre de figurs plns Volume de sólidos de revolução Comprimento de curvs Integris impróprios Intervlo de integrção ilimitdo Função integrnd ilimitd Critérios de comprção Séries Numérics Séries convergentes e séries divergentes Convergênci bsolut e convergênci condicionl Critérios de convergênci Comuttividde Sucessões de funções Convergênci simples e convergênci uniforme Proprieddes d convergênci uniforme Séries de funções 6 7. Séries de potêncis Séries de Fourier

3 Primitivs A primitivção é o processo inverso d derivção. Definição. Sej I R um intervlo e f : I R um função. Um primitiv de f em I é um função derivável F : I R tl que F = f. Pr designr F usm-se os símbolos P f ou f ou f(x) dx ; no último destes símbolos, prtícul dx não tem nenhum significdo prticulr, servindo pens pr indicr qul vriável independente em cus no processo. Exemplo. Como (sin x) = cos x, tem-se cos x dx = sin x. Observção. Chm-se enfticmente tenção pr o fcto de só se considerr primitiv de um função definid num intervlo. Só este cso é verddeirmente relevnte e o que se gnh em termos de fcilidde n exposição super clrmente o que se perde em termos de generlidde. Qundo não for explicitmente indicdo o intervlo em cus, consider-se que se trt do mior intervlo em que função está definid. Colocm-se, de imedito, três questões:. Um função definid num intervlo tem necessrimente primitiv? 2. Qundo existe, primitiv é únic? 3. Como se determin primitiv de um função num intervlo? ou nti-derivd ou integrl indefinido 3

4 A respost à primeir questão é obvimente negtiv. O teorem de Drboux firm que se um função for derivável num intervlo [, b], su derivd stisfz necessrimente condição do vlor intermédio (mesmo sendo descontínu). Assim, um função que não stisfç est condição num intervlo não pode, nesse intervlo, ser derivd de nenhum função e portnto não tem primitiv. Exemplo.2 A função f : [, ] R definid por 0 se x [, 0] f(x) = se x (0, ] não tem primitiv em [, ], pois não verific nesse intervlo condição do vlor intermédio. A segund questão tem tmbém respost negtiv. Bst observr que se F for um primitiv de f num ddo intervlo então F + C, com C um qulquer constnte, tmbém é um primitiv de f nesse intervlo pois (F + C) = F + C = f + 0 = f. Ms não há outrs primitivs pr lém dests, como explicit o próximo resultdo. Proposição. Sejm F e F 2 dus primitivs de f num intervlo I. Então F F 2 é constnte em I. Demonstrção: A função F F 2 é contínu em I e (F F 2 ) = F F 2 = f f = 0. Por um dos corolários do teorem de Lgrnge, F F 2 é constnte em I. Por este motivo, de gor em dinte, pssmos escrever f = F + C, 4

5 onde F é um qulquer primitiv de f e C é um constnte rbitrári. Indicmos ssim fmíli de tods s primitivs de f no intervlo em cus. Pssemos gor à questão d determinção d primitiv de um dd função. Um primeir not diz respeito à impossibilidde de determinr primitiv nlguns csos, mesmo qundo se sbe que primitiv existe. Veremos dinte que tod função contínu num intervlo I tem primitiv nesse intervlo. Por exemplo, s funções sin x x ; e x2 ; sin(x 2 ) ; ln x são contínus em intervlos propridos, tendo portnto primitiv nesses intervlos. Sucede que s primitivs não podem ser determinds! Isto signific que se demonstr não ser possível exprimir primitiv usndo um número finito de operções usuis envolvendo s funções elementres. O cálculo de primitivs bsei-se num conjunto de regrs, s chmds regrs de primitivção. As mis simples são s que resultm d identificção imedit de um função como um derivd são s regrs de primitivção imedit, que se obtêm por inversão de um tbel de derivds. Trtndo-se primitivção do processo inverso d derivção, é nturl que se obtenhm regrs de primitivção prtir ds regrs de derivção. Regr d decomposição: é consequênci d regr d derivd d som e d regr d derivd do produto por um constnte; sejm F e G primitivs de f e g, respectivmente; como (αf + βg) = αf + βg = αf + βg tem-se (αf + βg) = αf + βg + C, ou sej, (αf + βg) = α f + β g + C 5

6 Exemplo.3 (2x sinh x ) dx = 2 x cosh x + C. Regr d integrção por prtes: é consequênci d regr d derivd do produto; sej F primitiv de f; como (F g) = F g + F g = f g + F g tem-se (f g + F g ) = F g + C e, pel regr d decomposição, (f g) = F g (F g ) + C, ou sej, ( (f g) = ) [( f g ) ] f g + C A designção d regr é clr: primitiv-se primeiro um dos fctores, portnto um prte (n notção cim f), determinndo-se depois outr primitiv ( [( f ) g ] ), que deverá ser mis simples de clculr do que primitiv inicil. Em gerl, começ-se primitivr pelo fctor que menos se simplific por derivção, ms há excepções est regr (ver exemplo.5). Exemplo.4 x cos x dx = (sin x)x sin x dx = x sin x + cos x + C. Exemplo.5 x ln x dx = x2 x 2 2 ln x 2 x2 x2 dx = ln x x C. 6

7 Exemplo.6 ln x dx =. ln x dx = x ln x x dx = x ln x x + C. x Regr d integrção por substituição: é consequênci d regr d derivd d função compost; sej G primitiv de g e f um função invertível; como (G f) = ( G f ) f = (g f) f tem-se [(g f) f ] = G f = ( ) g f e portnto ( [(g g = f) f ]) f que se pode escrever, de form mis sugestiv, como [ g(x) dx = ] g[f(t)] f (t) dt t=f (x) trt-se, n prátic, de efectur um substituição de vriável, x = f(t), que trnsform primitiv noutr primitiv mis simples de clculr. A substituição dequd depende nturlmente d expressão que define g e existem tbels que listm os principis csos. Exemplo.7 Pr um função do tipo d indicd seguir, tbel sugere substituição x = ln t t = e x ; ssim, [ ] e x [ cosh x dx = 2t t + t dt t t=e x = ] 2t t 2 + : dt t=e x = [ ln(t 2 + ) + C ] t=e x = ln(e 2x + ) + C. 7

8 2 O integrl de Riemnn If I hve seen further, it is by stnding on the shoulders of gints. Isc Newton, num crt pr Robert Hooke, 676. Apesr de s sus origens remontrem à ntiguidde e, em prticulr, os trblhos de Arquimedes, foi no século XVII que se desenvolveu de form sistemátic o Cálculo Integrl, com descobert por Newton e Leibniz d relção de reciprocidde entre integrção e diferencição pedr ngulr d Análise Infinitesiml. O estbelecimento de um rigoros teori d integrção só foi, no entnto, possível depois de dequdmente fundmentd nálise rel, em que se destcrm Cuchy e Riemnn. Definição 2. Sej [, b] um intervlo limitdo e fechdo. Um prtição de [, b] é um subconjunto finito de [, b] que contém e b. Convencionmos escrever sempre os elementos de um prtição de um intervlo [, b], P = {t 0, t,..., t n }, por ordem crescente. Assim, n notção cim, = t 0 < t <... < t n = b. Observe-se que um prtição com n + pontos divide (ou prticion) o intervlo [, b] em n subintervlos d form [t i, t i ], com i =, 2,..., n. Exemplo 2. {, 2, π, 5} é um prtição do intervlo [, 5]. Já {0, 4 3, 3} não é um prtição de [0, 6], pois não contém 6. Dd um função f : [, b] R limitd, definem-se m = inf f(x) e M = sup f(x) x [,b] x [,b] e, nlogmente, dd um prtição P = {t 0, t,..., t n } de [, b], m i = inf f(x) e M i = sup f(x). x [t i,t i ] x [t i,t i ] 8

9 Definição 2.2 A som inferior de f reltivmente à prtição P é o número rel n s (f; P ) = m i (t i t i ) ; i= som superior de f reltivmente à prtição P é o número rel S (f; P ) = n M i (t i t i ). i= É evidente que, qulquer que sej prtição P de [, b], m(b ) s (f; P ) S (f; P ) M(b ). () Observção 2. No cso em que f é não negtiv em [, b], os números reis s (f; P ) e S (f; P ) são vlores proximdos, respectivmente por defeito e por excesso, pr medid d áre d região limitd pelo gráfico de f, pelo eixo ds bcisss e pels rects verticis x = e x = b. Ambos correspondem à som ds medids ds áres de rectângulos: no primeiro cso, inscritos n região, no segundo cso, circunscritos. Definição 2.3 Dds dus prtições, P e Q, de um intervlo [, b], diz-se que Q é mis fin do que P (ou que Q refin P ) se Q P. Exemplo 2.2 {, 2, 3, π, 5} é mis fin do que {, 2, π, 5}. O resultdo seguinte firm que, qundo se refin um prtição, som inferior de um função f não diminui e som superior não ument. Teorem 2. Sej f : [, b] R limitd e Q P dus prtições de [, b]. Então s (f; Q) s (f; P ) e S (f; Q) S (f; P ). 9

10 Demonstrção: Provmos pens o resultdo reltivo à som superior (o outro cso é inteirmente nálogo). Suponhmos que Q = P {r} = {t 0, t,..., t n } {r}, ou sej, que Q refin P por créscimo de um só ponto r. Nturlmente, r (t j, t j ), pr lgum j n. Definindo M = sup f(x) e M = sup f(x) x [t j,r] x [r,t j ] e recordndo que M j = sup f(x), x [t j,t j ] é evidente que M j M e M j M. Assim S (f; P ) S (f; Q) = M j (t j t j ) M (r t j ) M (t j r) = M j (t j r + r t j ) M (r t j ) M (t j r) = (M j M )(r t j ) + (M j M )(t j r) 0. No cso gerl, em que Q se obtém de P crescentndo-lhe k pontos, repete-se este rciocínio k vezes. Corolário 2. Sej f : [, b] R limitd e P e Q dus quisquer prtições de [, b]. Então s (f; Q) S (f; P ). Demonstrção: De fcto, P Q refin simultnemente P e Q. Assim, result do Teorem 2. e de () que s (f; Q) s (f; P Q) S (f; P Q) S (f; P ). 0

11 Result ds desigulddes () que o conjunto formdo por tods s soms inferiores de f ou sej, pels soms inferiores de f reltivs tods s prtições de [, b] é limitdo (e o mesmo vle pr s soms superiores). Fz portnto sentido seguinte Definição 2.4 O integrl inferior de f em [, b] é o número rel f(x) dx = sup P s (f; P ) ; o integrl superior de f em [, b] é o número rel f(x) dx = inf P S (f; P ), sendo o supremo e o ínfimo tomdos reltivmente tods s prtições de [, b]. Recordemos um resultdo reltivo ínfimos e supremos cuj demonstrção é deixd como exercício (muito instrutivo). Lem 2. Sejm A e B dois subconjuntos limitdos de R tis que Então: (i) sup A inf B. A, b B, b. (ii) sup A = inf B se, e só se, ɛ > 0, A, b B : b < ɛ. Um outro corolário do Teorem 2. é o Corolário 2.2 Sej f : [, b] R limitd, com m f(x) M, x [, b]. Então m(b ) f(x) dx f(x) dx M(b ).

12 Demonstrção: A primeir e últim desigulddes resultm trivilmente de (). A outr segue-se do Corolário 2. e do Lem 2.-(i). Definição 2.5 Um função limitd f : [, b] R é integrável (à Riemnn) em [, b] se f(x) dx = f(x) dx. O vlor comum é o integrl (de Riemnn) de f em [, b], que se denot por f(x) dx. Observção 2.2 Geometricmente, e no cso em que f é não negtiv em [, b], existênci do integrl signific que região limitd pelo gráfico de f, pelo eixo ds bcisss e pels rects verticis x = e x = b é mensurável (isto é, pode medir-se) e o vlor do integrl é, por definição, medid d áre dess região. Observção 2.3 Dd um prtição P, chm-se mplitude d prtição, e represent-se por P, o mior dos comprimentos dos subintervlos de P. Um prtição pontilhd P é um prtição pr qul form escolhidos rbitrrimente n pontos ξ i [t i, t i ]. Um lterntiv à definição de integrl presentd consiste em considerr soms de Riemnn pr f em [, b] (f; P ) = n f(ξ i )(t i t i ) i= e tomr o limite I dests soms qundo mplitude d prtição tende pr zero. Mostr-se que f é integrável se, e só se, esse limite existe e, nesse cso, tem-se I = f(x) dx. O limite é tomdo no seguinte sentido: ɛ > 0, δ > 0 : (f; P ) I < ɛ, P : P < δ. 2

13 Exemplo 2.3 Sej f : [, b] R tl que f(x) = c, pr todo o x [, b], ou sej, f é constnte em [, b]. Esper-se, como é óbvio, que est função sej integrável e que o seu integrl sej áre de um rectângulo de comprimento b e lrgur c, ou sej c(b ). Sej P um qulquer prtição de [, b]. Como f é constnte igul c, tem-se m i = M i = c, i =, 2,..., n. Assim s (f; P ) = n n m i (t i t i ) = c (t i t i ) = c(b ) i= i= e, nlogmente, S (f; P ) = c(b ). Logo, os conjuntos ds soms inferiores e ds soms superiores só têm o elemento c(b ), pelo que o integrl inferior e o integrl superior são mbos iguis c(b ). Portnto, f é integrável e f(x) dx = c(b ). Exemplo 2.4 A função de Dirichlet ϕ : [, b] R tl que se x Q ϕ(x) = 0 se x R \ Q não é integrável. De fcto, dd um qulquer prtição Q de [, b], tem-se m i = 0 e M i = (i =, 2,..., n), já que, em qulquer dos subintervlos, existem números rcionis e números irrcionis. Assim S (ϕ; Q) = n M i (t i t i ) = i= e, nlogmente, s (ϕ; Q) = 0. Logo, 0 = ϕ(x) dx n (t i t i ) = b i= ϕ(x) dx = b. O teorem seguinte fornece condições necessáris e suficientes de integrbilidde. Teorem 2.2 Sej f : [, b] R limitd. São equivlentes: 3

14 (i) f é integrável em [, b]. (ii) ɛ > 0, existem prtições P e Q de [, b], tis que S (f; Q) s (f; P ) < ɛ. (iii) ɛ > 0, existe um prtição R de [, b], tl que S (f; R) s (f; R) < ɛ. Demonstrção: O conjunto ds soms inferiores e o conjunto ds soms superiores stisfzem, em virtude do Corolário 2., hipótese do Lem 2.. Assim s implicções (i) (ii) e (iii) (i) são consequêncis imedits do Lem 2.-(ii). Pr provr que (ii) (iii), fixemos ɛ > 0. Existem prtições P e Q de [, b], tis que S (f; Q) s (f; P ) < ɛ. Sej R = P Q, um prtição que refin simultnemente P e Q. Pelo Teorem 2., s (f; P ) s (f; R) S (f; R) S (f; Q), pelo que S (f; R) s (f; R) S (f; Q) s (f; P ) < ɛ. Exemplo 2.5 Vmos usr o resultdo nterior pr mostrr que, modificndo o vlor de um função constnte num ponto, função permnece integrável e o seu integrl não se lter. Sej f : [, b] R tl que c se x [, b] \ {x 0 } f(x) =, c se x = x 0 onde x 0 [, b] e, sem perd de generlidde, c > c. Dd um qulquer prtição P de [, b], sej [t j, t j ] o subintervlo que contém x 0. Tem-se m i = c, pr todo o i =, 2,..., n; e M i = c pr i j, M j = c. Assim S (f; P ) s (f; P ) = (c c)(t j t j ). 4

15 Ddo ɛ > 0, escolhemos um prtição P tl que t j t j < ɛ c c. Então S (f; P ) s (f; P ) = (c c)(t j t j ) < (c ɛ c) c c = ɛ e, pelo Teorem 2.2, f é integrável. Mis, como tods s soms inferiores são iguis c(b ), tem-se f(x) dx = f(x) dx = c(b ). 2. Proprieddes do integrl de Riemnn A demonstrção do seguinte resultdo pode ser encontrd em [4, págs. 308 e 37]. Teorem 2.3 Sej < c < b. Um função f : [, b] R limitd é integrável no intervlo [, b] se, e só se, s sus restrições os intervlos [, c] e [c, b] são integráveis. Nesse cso, tem-se f(x) dx = c f(x) dx + c f(x) dx. (2) De gor em dinte, convencion-se que f(x) dx = 0 e b f(x) dx = f(x) dx, pssndo (2) fzer sentido pr quisquer vlores reis de, b e c desde que f sej integrável no mior dos intervlos em cus. Exemplo 2.6 Um função ξ : [, b] R chm-se um função em escd se existirem um prtição = t 0 < t <... < t n = b de [, b] e números reis c,..., c n, tis que ξ(x) = c i, x (t i, t i ) ; i =, 2,..., n. 5

16 Usndo (2) e o Exemplo 2.5, conclui-se que um função em escd é integrável e que ξ(x) dx = n c i (t i t i ). i= Observe-se que o vlor do integrl não depende dos vlores de ξ nos extremos dos subintervlos d prtição. Teorem 2.4 Sejm f, g : [, b] R funções integráveis. Então:. se f(x) g(x), x [, b] então f(x) dx g(x) dx ; 2. f é integrável e f(x) dx f(x) dx ; 3. som f + g é integrável e [f(x) + g(x)] dx = 4. o produto fg é integrável; se c R, cf(x) dx = c f(x) dx + g(x) dx ; (3) f(x) dx ; (4) 5. se 0 < k g(x), x [, b] então o quociente f/g é integrável. Demonstrção:. O resultdo é trivil, bstndo observr que, pr qulquer prtição P, se tem s(f; P ) s(g; P ) e S(f; P ) S(g; P ). 2. Pr mostrr que f é integrável us-se o Teorem 2.2 e o fcto (cuj demonstrção é deixd como exercício) de, pr um função g : X R limitd, se ter sup g(x) inf g(x) = sup x X x X x,y X 6 g(x) g(y). (5)

17 Ddo ɛ > 0, como f é integrável, existe um prtição P = {t 0, t,..., t n } de [, b] tl que S(f; P ) s(f; P ) < ɛ. Então ( ) n S( f ; P ) s( f ; P ) = sup f(x) inf f(x) (t i t i ) i= x [t i,t i ] x [t i,t i ] n = sup f(x) f(y) (t i t i ) = i= x,y [t i,t i ] n sup i= x,y [t i,t i ] ( n i= sup x [t i,t i ] f(x) f(y) = S(f; P ) s(f; P ) < ɛ, (t i t i ) f(x) inf f(x) x [t i,t i ] ) (t i t i ) onde segund e penúltim igulddes resultm de (5) e desiguldde b b,, b R é de verificção imedit. Logo, f é integrável. A desiguldde entre o módulo do integrl e o integrl do módulo é consequênci imedit de e d propriedde. f(x) f(x) f(x), x [, b] 3. Sej P = {t 0, t,..., t n } um prtição de [, b] e m i = inf f(x) ; x [t i,t i ] m i = inf g(x) ; m i = inf (f + g)(x). x [t i,t i ] x [t i,t i ] Tem-se m i + m i m i já que, pr f e g limitds, inf(f + g) inf f + inf g ( demonstrção deste fcto é deixd como exercício). Assim, qulquer que sej prtição P, s(f; P ) + s(g; P ) s(f + g; P ) Se considerrmos dus prtições P e Q, temos (f + g)(x) dx. s(f; P ) + s(g; Q) s(f; P Q) + s(g; P Q) s(f + g; P Q) 7 (f + g)(x) dx.

18 Logo, f(x) dx + g(x) dx = sup P = sup P,Q s(f; P ) + sup s(g; Q) Q ] [ s(f; P ) + s(g; Q) (f + g)(x) dx De modo nálogo se demonstr terceir ds desigulddes seguintes (sendo segund trivil): f + g (f + g) (f + g) f+ Como f e g são integráveis, ests desigulddes reduzem-se igulddes, obtendo-se o pretendido. Omitimos demonstrção ds proprieddes 4. e 5. (ver [4]). Observção 2.4 As proprieddes (3) e (4) trduzem lineridde do integrl de Riemnn como operdor definido no espço vectoril ds funções integráveis em [, b], com vlores em R. Corolário 2.3 Sej f : [, b] R integrável. Então:. se f(x) 0, x [, b], 2. se f(x) k, x [, b], f(x) dx 0 ; f(x) dx k(b ). g 8

19 Observção 2.5 Um função não-negtiv pode ter integrl igul zero sem ser identicmente nul. Um exemplo é ddo pel função f : [0, 4] R, definid por 0 se x [0, 4] \ {π} f(x) = 2 se x = π. No entnto, se f : [, b] R for não-negtiv e integrável em [, b] e se for contínu num ponto c [, b] tl que f(c) > 0, então necessrimente f(x) dx > Condições suficientes de integrbilidde A noção de continuidde pr um função f : X R é um noção locl: se pr cd ponto x X existir um vizinhnç V x tl que restrição de f V x X é contínu, então f é contínu em X. Introduz-se, de seguid, um noção de continuidde globl, que não decorre directmente do comportmento de f n vizinhnç de cd ponto. Definição 2.6 Sej X R. Um função f : X R diz-se uniformemente contínu em X se ɛ > 0, δ > 0 : x, y X x y < δ } f(x) f(y) < ɛ. Nest definição, x e y desempenhm ppéis inteirmente simétricos. Fixdo ɛ, escolh de δ só depende de ɛ, o contrário do que sucede n definição de função contínu num ponto em que, pr cd ɛ, escolh de δ depende de ɛ e do ponto em cus. Exemplo 2.7 A função f : [ 2, 2] \ {0} R definid por se x [ 2, 0) f(x) = se x (0, 2] não é uniformemente contínu em [ 2, 2] \ {0}, pesr de ser obvimente contínu. De fcto, fixdo ɛ =, é possível, qulquer que sej δ > 0, 9

20 encontrr pontos x, y em [ 2, 2] \ {0}, por exemplo { x = mx 2, δ } { } δ y = min 4 4, 2, tis que x y = min { δ 2, 4} < δ e f(x) f(y) = = 2 > = ɛ. A demonstrção do resultdo seguinte pode ser consultd em [4, pág. 244]. Teorem 2.5 Um função contínu num conjunto limitdo e fechdo X é uniformemente contínu em X. A função do exemplo nterior flh condição de estr definid num conjunto fechdo. Apresentmos, gor, dus condições suficientes de integrbilidde pr um função f : [, b] R, sber, continuidde e monotoni. Teorem 2.6 Um função contínu f : [, b] R é integrável em [, b]. Demonstrção: Como [, b] é limitdo e fechdo, f é uniformemente ɛ contínu em [, b] (pelo Teorem 2.5). Fixemos ɛ > 0. Como b > 0, pel continuidde uniforme de f, } x, y X δ > 0 : f(x) f(y) < ɛ x y < δ b. Escolhemos um prtição P de [, b] tl que t i t i < δ, i {, 2,..., n}. Então, S(f; P ) s(f; P ) = = < = n (M i m i )(t i t i ) i= n [f(x i ) f(y i )] (t i t i ) ; x i, y i [t i, t i ] i= ɛ n (t i t i ) b i= ɛ (b ) = ɛ b 20

21 e integrbilidde de f segue-se do Teorem 2.2. A segund iguldde cim result do teorem de Weirstrß, já que f é contínu em cd intervlo fechdo e limitdo [t i, t i ]. A desiguldde é consequênci d continuidde uniforme, já que, pr x i, y i [t i, t i ], se tem necessrimente x i y i < δ, em virtude do modo como foi escolhid d prtição. Teorem 2.7 Um função monóton f : [, b] R é integrável em [, b]. Demonstrção: Suponhmos, sem perd de generlidde, que f é nãocrescente. Fixemos ɛ > 0. Observndo que f() f(b) > 0 (excepto no cso trivil em que f é constnte), escolhemos um prtição P de [, b] tl que Então, t i t i < ɛ f() f(b), i {, 2,..., n}. S(f; P ) s(f; P ) = = < = n (M i m i )(t i t i ) i= n [f(t i ) f(t i )] (t i t i ) i= ɛ n [f(t i ) f(t i )] f() f(b) i= ɛ [f() f(b)] = ɛ f() f(b) e integrbilidde de f segue-se do Teorem 2.2. Finlmente, enuncimos, sem demonstrção, um outr condição suficiente de integrbilidde, que mostr que um função limitd não-integrável tem necessrimente um infinidde não-numerável de descontinuiddes. Teorem 2.8 Se o conjunto ds descontinuiddes de um função limitd f : [, b] R for numerável então f é integrável em [, b]. 2

22 2.3 O Teorem Fundmentl do Cálculo A pedr ngulr do Cálculo Infinitesiml é relção de reciprocidde entre os conceitos de derivd e integrl estbelecid pelo seguinte teorem, justmente peliddo de fundmentl. Teorem 2.9 (Teorem Fundmentl do Cálculo) Sej f : [, b] R contínu. A função definid em [, b] por é um primitiv de f em [, b]. G(x) = x f(t) dt Demonstrção: Mostremos que G +(x 0 ) = f(x 0 ), pr todo o x 0 [, b). De modo nálogo se provri que G (x 0 ) = f(x 0 ), pr todo o x 0 (, b]. Sej então x 0 [, b). Ddo ɛ > 0, como f é contínu em x 0, δ > 0 : t (x 0 δ, x 0 + δ) [, b] f(t) f(x 0 ) < ɛ. Sej 0 < h < δ tl que x 0 + h [, b]. Então, G(x 0 + h) G(x 0 ) f(x 0 ) h = x0 +h h f(t) dt hf(x 0 ) x 0 = x0 +h h [f(t) f(x 0 )] dt h x 0 x0 +h x 0 f(t) f(x 0 ) dt h h ɛ = ɛ porque, pr t [x 0, x 0 + h], se tem t x 0 h < δ. Dqui result que G(x 0 + h) G(x 0 ) lim = f(x 0 ), h 0 + h ou sej, que G +(x 0 ) = f(x 0 ). 22

23 Exemplo 2.8 ( x 2 sin t dt) = sin(x 2 )(x 2 ) = 2x sin(x 2 ), 0 plicndo o teorem d derivd d função compost e o Teorem Fundmentl do Cálculo. ] b De gor em dinte, será utilizd notção F = F (b) F (). Corolário 2.4 (Fórmul de Brrow 2 ) Sej f : [, b] R contínu e F um qulquer primitiv de f em [, b]. Então, ] b f(x) dx = F = F (b) F (). Demonstrção: Como dus primitivs de um mesm função num intervlo diferem por um constnte (Proposição.), result do Teorem Fundmentl do Cálculo que F (x) x f(t) dt = C, x [, b]. Pondo x =, vem imeditmente C = F (). A fórmul de Brrow result gor de escolher x = b nest identidde. O teorem mostr que tod função contínu num intervlo tem primitiv nesse intervlo e justific notção f e designção de integrl indefinido, utilizds nteriormente pr primitiv de um função. Exemplo x 2 dx = x3 ] 3 = 0 3 ; π 0 ] π cos x dx = sin x = Isc Brrow ( ), professor de Isc Newton. 23

24 2.4 Os teorems clássicos do Cálculo Integrl Apresentmos, de seguid, lguns resultdos que são consequênci, mis ou menos imedit, do Teorem Fundmentl do Cálculo. Teorem 2.0 (mudnç de vriável) Sej f : [, b] R contínu e g : [c, d] R de clsse C tl que g ([c, d]) [, b]. Então, g(d) g(c) f(x) dx = d c f [g(t)] g (t) dt. Demonstrção: Como f é contínu em [, b], possui um primitiv F. A fórmul de Brrow dá-nos g(d) g(c) f(x) dx = F ] g(d) g(c) = F [g(d)] F [g(c)]. (6) Por outro ldo, pelo teorem d derivd d função compost, (F g) (t) = f [g(t)] g (t) em [c, d] e portnto, usndo outr vez fórmul de Brrow, d c ] d f [g(t)] g (t) dt = F g c = (F g)(d) (F g)(c) = F [g(d)] F [g(c)]. (7) Comprndo (6) com (7), obtemos o resultdo. Teorem 2. (integrção por prtes) Sejm f, g : [, b] R funções de clsse C. Então, ] b f(x)g (x) dx = fg f (x)g(x) dx. Demonstrção: Como, pelo teorem d derivd do produto, (fg) (x) = f (x)g(x) + f(x)g (x), o resultdo é consequênci imedit d plicção d fórmul de Brrow. 24

25 Definição 2.7 A médi de um função contínu f : [, b] R é o número rel f(x) dx = b f(x) dx. Teorem 2.2 (fórmul do vlor médio) Se f : [, b] R é contínu então su médi é tingid em (, b), i.e., existe c (, b) tl que f(x) dx = f(c). Demonstrção: Sej F um primitiv de f em [, b]. Como F está ns condições do teorem do vlor médio de Lgrnge, existe c (, b) tl que F (b) F () = F (c). Assim, b f(x) dx = b f(x) dx = F (b) F () b = F (c) = f(c). O resultdo tem um interpretção geométric muito simples pr funções não-negtivs: medid d áre d região limitd pelo gráfico d função, pelo eixo ds bcisss e pels rects verticis x = e x = b é igul à de um rectângulo de comprimento igul b e lrgur igul o vlor d função nlgum ponto c (, b). Lem 2.2 Sej ϕ : [0, ] R de clsse C n. Então, pr todo o n =, 2,..., ϕ() = n i=0 ϕ (i) (0) i! ( t) n + ϕ (n) (t) dt. 0 (n )! Demonstrção: A prov é por indução. O cso n = result imeditmente do Teorem Fundmentl do Cálculo: ϕ() = ϕ(0) ϕ (t) dt.

26 Suponhmos que o resultdo é válido pr k e provemos que tmbém é válido pr k. Or, plicndo primeiro o teorem d integrção por prtes e depois hipótese de indução, obtemos 0 ( t) k (k )! ϕ (k) (t) dt = ( t)k (k )! = ϕ(k ) (0) (k )! k = ϕ() i=0 ] ϕ (k ) (t) + 0 k 2 + ϕ() ϕ (i) (0) i!, i=0 0 ( t) k 2 (k 2)! ϕ (i) (0) i! ϕ (k ) (t) dt tendo em cont, n primeir iguldde, que ( ( t) k (k )! O resultdo está demonstrdo. ) (k )( t)k 2 = (k )(k 2)! ( t)k 2 = (k 2)! A seguinte fórmul de Tylor present um resto n form integrl que é útil, em muits circunstâncis, pr obtenção de bos estimtivs de erro qundo se proxim um função usndo o seu polinómio de Tylor. Teorem 2.3 (fórmul de Tylor com resto integrl) função de clsse C n no intervlo [, + h]. Então, f( + h) = n i=0 f (i) () i!. Sej f um [ h i ( t) n ] + f (n) ( + th) dt h n. 0 (n )! Demonstrção: Definindo, no intervlo [0, ], função ϕ(t) = f( + th), tem-se ϕ (i) (0) = f (i) () h i. O resultdo é consequênci imedit do Lem

27 2.5 O logritmo e exponencil Usndo o cálculo integrl, é possível definir o logritmo de form lterntiv. Definição 2.8 Chm-se logritmo à função ln : R + R x ln x = Result imeditmente d definição que ln x < 0 pr 0 < x <, ln = 0 e ln x > 0 pr x >. x dt t É ind evidente que o logritmo é um função infinitmente derivável, logo de clsse C. Como (ln x) = /x > 0, é um função monóton crescente e como (ln x) = /x 2 < 0, é côncv (tem concvidde voltd pr bixo). Teorem 2.4 Pr quisquer x, y R +, tem-se ln(xy) = ln x + ln y.. Demonstrção: Tem-se ln(xy) = xy dt t = x dt xy t + dt xy x t = ln x + dt x t. Efectundo mudnç de vriável t = xs, obtemos e o resultdo. xy x dt t = y x xs ds = y ds s = ln y Corolário 2.5 Pr quisquer r Q e x R +, tem-se ln(x r ) = r ln x. Demonstrção: Result imeditmente do Teorem 2.4 que, pr todo n N, se tem ln(x n ) = n ln x. A extensão do resultdo r Z é consequênci de 0 = ln = ln(x n x n ) = ln(x n ) + ln(x n ) = n ln x + ln(x n ) que dá ln(x n ) = n ln x. No cso gerl r = p/q, tem-se ( p ln x = ln (x p ) = ln (x p/q ) q) = q ln (x p/q) donde ln(x r ) = ln ( x p/q) = p q ln x = r ln x. 27

28 Corolário 2.6 A função logritmo é bijectiv. Demonstrção: A injectividde é consequênci d monotoni. A função é contínu, logo o seu contrdomínio é um intervlo. Como, qundo n +, ln(2 n ) = n ln 2 + ; ln(2 n ) = n ln 2 esse intervlo é (, + ). Sendo bijectiv, função logritmo é invertível. A su invers chm-se função exponencil exp : R R + x exp x : y = exp x x = ln y e s sus proprieddes poderim gor deduzir-se prtir ds proprieddes demonstrds pr o logritmo. 2.6 Integrção numéric O cálculo do vlor de um integrl trvés d fórmul de Brrow exige determinção de um primitiv d função integrnd. Qundo tl não é possível, por exemplo porque primitiv não é um função elementr (ver secção ), ssume prticulr importânci o cálculo de um vlor proximdo pr o integrl, trvés dos chmdos métodos numéricos. Neste contexto, é tmbém muito relevnte obtenção de estimtivs pr o erro cometido com proximção. O que está essencilmente em cus nos métodos numéricos pr o cálculo de integris é proximr o processo de nturez infinitesiml do cálculo do integrl por um processo discreto som de um número finito de prcels em que intervêm os vlores d função num número finito de pontos. Consideremos um intervlo [, b] e um su prtição {t 0, t,..., t n } uniforme, i.e., um prtição em que os subintervlos têm todos o mesmo comprimento: t i = + ih, i = 0,,..., n ; h = b n. 28

29 Um primeir possibilidde, que surge nturlmente prtir d definição do integrl de Riemnn, é proximr função usndo funções em escd. Geometricmente, trt-se de proximr áre sob o gráfico d função pel som ds áres de rectângulos. São exemplos s proximções que usm os vlores d função no extremo inferior ou esquerdo (left) dos subintervlos f(x) dx h n i= ou no extremo superior ou direito (right) [ ] f(t i ) = h f(t 0 ) f(t n ) =: L n f(x) dx h n i= [ ] f(t i ) = h f(t ) f(t n ) =: R n pr contrdomínio ds funções em escd (ou, geometricmente, pr os comprimentos dos rectângulos). Outr possibilidde é proximr função trvés de funções seccionlmente lineres que coincidm com f nos extremos de cd subintervlo. Geometricmente, trt-se de proximr áre sob o gráfico d função pel som ds áres de trpézios, limitdos superiormente pelo segmento de rect que une os pontos (t i, f(t i )) e (t i, f(t i )), i =,..., n. Obtém-se, deste modo, regr do trpézio: f(x) dx h = h 2 n f(t i ) + f(t i ) 2 i= [ ] f(t 0 ) + 2f(t ) f(t n ) + f(t n ) =: T n. Trt-se, como se observ fcilmente, d médi ritmétic ds proximções nteriores: T n = 2 (L n + R n ). Outr proximção possível consiste em usr trpézios limitdos superiormente pel tngente o gráfico de f no ponto médio de cd subintervlo t i = t i + t i 2. É elementr verificr que s áres destes trpézios coincidem com s áres dos rectângulos de comprimento f(t i ). Obtemos ssim regr do ponto 29

30 médio (ou d tngente): f(x) dx h n i= [ ] f(t i ) = h f(t ) f(t n ) =: M n. O teorem seguinte present um estimtiv pr o erro E M = f(x) dx M n que se comete o proximr o vlor do integrl usndo regr do ponto médio. Teorem 2.5 Sej f : [, b] R um função de clsse C 2 tl que f (x) K, x [, b]. Então E M K(b )3 24n 2. Demonstrção: No subintervlo [t i, t i ], tngente o gráfico de f no seu ponto médio é rect de equção y = φ(x), com φ(x) = f(t i ) + f (t i )(x t i ), que não é senão o polinómio de Tylor de ordem de f no ponto t i. Considerndo fórmul de Tylor com resto de Lgrnge f(x) = φ(x) + f (c) 2 (x t i) 2, em que c está entre x e t i, obtemos seguinte estimtiv: ti [ ] ti f(x) φ(x) dx f (c) 2 (x t i) 2 dx t i t i K 2 = K 2 ti t i (x t i ) 2 dx (x t i ) 3 3 ] ti t i 30

31 = K 2 [ (h/2) 3 3 ] ( h/2)3 3 = Kh3 24. Assim, o erro totl é mjordo por E M nkh3 24 = K(b )3 24n 2. Um estimtiv do erro pr regr do trpézio, com mesm hipótese cerc d mjorção uniforme d segund derivd de f, é dd por E T K(b )3 2n 2. Exemplo 2.0 O cálculo proximdo de ln 2 = 2 x dx, com n = 5 (ou sej, h = /5), dá 2 x dx ( 5, +, 3 +, 5 +, 7 + ), 9 0, 69908, usndo regr do ponto médio e 2 x dx ( + 2 0, 2 + 2, 4 + 2, 6 + 2, 8 + ) 2 0, , usndo regr do trpézio. Refir-se que o erro cometido é mior no cso d regr do trpézio. Finlmente, presentmos regr de Simpson, que corresponde proximr função usndo prábols que coincidem com f nos extremos de cd pr de subintervlos, ou sej, nos pontos (t i, f(t i )), (t i, f(t i )) e (t i+, f(t i+ )), i =, 3,..., n, com n pr: f(x) dx h 3 [ f(t 0 ) + 4f(t ) + 2f(t 2 )+ 3

32 ] f(t n 3 )+2f(t n 2 )+4f(t n )+f(t n ) =: S n. O pdrão dos coeficientes é o seguinte: ( ), 4, 2,..., 4, 2 } {{ }, 4,. n 2 2 pres (4, 2) Refir-se que S 2n = 3 T n M n, ou sej, s proximções pel regr de Simpson são médis pesds ds proximções pels regrs do ponto médio e do trpézio. A estimtiv pr o erro, supondo que f (4) (x) K, x [, b], é dd por E S K(b )5 80n 4. 32

33 3 Aplicções do cálculo integrl 3. Áre de figurs plns O cálculo d medid d áre de um figur pln, limitd superiormente pelo gráfico de um função contínu e não-negtiv, serviu de motivção pr definição de integrl. Em gerl, medid d áre d figur pln limitd pelos gráficos de dus funções contínus f, g : [, b] R e pels rects verticis x = e x = b é dd por A = f(x) g(x) dx 3.2 Volume de sólidos de revolução Consideremos o sólido obtido por rotção em torno do eixo OX de um figur pln limitd inferiormente pelo eixo OX, superiormente pelo gráfico de um função contínu e não-negtiv f e lterlmente pels rects verticis x = e x = b. Pr clculr o seu volume comecemos por considerr um prtição de [, b] e por escolher um ponto ξ i em cd subintervlo [t i, t i ]. O volume do sólido obtido por rotção em torno do eixo OX d figur formd pelos n rectângulos de lrgur t i t i e comprimento f(ξ i ), pr i =,..., n, é ddo por n π [f(ξ i )] 2 (t i t i ), i= já que estmos em presenç de n cones com rio d bse igul f(ξ i ) e ltur t i t i. Or expressão nterior não é senão um som de Riemnn pr função πf 2 (ver Observção 2.3), pelo que o volume pretendido é ddo pel fórmul V = π [f(x)] 2 dx 33

34 Exemplo 3. Um esfer de rio R pode obter-se por rotção em torno do eixo OX do semi-círculo centrdo n origem e com rio R, que é gráfico d função f : [ R, R] R tl que f(x) = R 2 x 2. Aplicndo fórmul cim, obtemos o volume de um esfer de rio R: R V = π R 3.3 Comprimento de curvs [ ] ] 2 R R 2 x 2 dx = π [R 2 x x3 = 4 3 R 3 πr3. Consideremos curv definid pel porção do gráfico de um função de clsse C, f : [, b] R, compreendid entre os pontos (, f()) e (b, f(b)). Dd um prtição de [, b], o comprimento d linh quebrd formd pelos n segmentos de rect que unem os n + pontos (t i, f(t i )), i = 0,..., n, é ddo por n (t i t i ) 2 + i= [ f(t i ) f(t i )] 2. (8) Como função f é de clsse C, em cd subintervlo [t i, t i ] existe um ponto ξ i tl que f(t i ) f(t i ) t i t i = f (ξ i ), como consequênci do Teorem de Lgrnge. Substituindo em (8), obtemos n (t i t i ) 2 + i= [ f (ξ i )] 2(ti t i ) 2 = n + [f (ξ i )] 2 (t i t i ), que é um som de Riemnn pr função + [f ] 2. Assim, o comprimento pretendido é ddo pel fórmul C = i= + [f (x)] 2 dx 34

35 4 Integris impróprios A definição do integrl de Riemnn só fz sentido pr funções definids num intervlo limitdo [, b] e que sejm limitds. De fcto, se o intervlo for ilimitdo, qulquer prtição contém, pelo menos, um subintervlo ilimitdo e, portnto, de comprimento infinito, o que invibiliz definição ds soms de Drboux. O mesmo contece no cso de função não ser limitd pois nesse cso, hverá pelo menos um subintervlo onde o ínfimo ou o supremo d função não existem. Os integris que envolvem intervlos de integrção ilimitdos ou funções ilimitds dizem-se, por isso, impróprios e o seu significdo deverá ser torndo preciso estendendo definição de integrl. 4. Intervlo de integrção ilimitdo Definição 4. Sej f : [, + ) R um função integrável em cd intervlo limitdo [, X], pr X >. O integrl impróprio diz-se convergente se existir escrevendo-se, nesse cso, + X lim f(x) dx, X + f(x) dx = X lim f(x) dx. X + Cso o limite não exist, o integrl impróprio diz-se divergente. X lim X + x α dx = lim X α = X + α + f(x) dx Exemplo 4. Sej f : [, + ) R tl que f(x) =. Se α, tem-se xα α se α > + se α <. Por seu ldo, X lim X + x dx = lim ln X = +. X + 35

36 + Assim, o integrl impróprio dx é divergente pr α e convergente pr α >, xα com + x α dx = α. Exemplo dx + x2 = lim 0 X + = lim X + X 0 + x 2 dx ( rctn X rctn 0 ) = π 2. Pr um integrl impróprio do tipo f(x) dx definição é nálog. No cso em que f : (, + ) R, escolhe-se um ponto rbitrário c R (gerlmente c = 0) e fz-se + f(x) dx = c f(x) dx + + c f(x) dx. O integrl diz-se convergente se mbos os integris no segundo membro forem convergentes. Refir-se enfticmente que est definição não é equivlente tomr-se X lim f(x) dx, X + X que, qundo existe, se chm vlor principl de Cuchy do integrl impróprio. É evidente que se o integrl for convergente o vlor principl de Cuchy coincide com o vlor do integrl. A existênci do vlor principl de Cuchy é, no entnto, mis gerl como mostr o exemplo seguinte. Exemplo 4.3 O integrl impróprio + xdx é divergente já que, por exemplo, Porém, existe X lim x dx = X + 0 vp + x dx = X 2 lim X + 2 = +. X lim x dx = 0. X + X 36

37 4.2 Função integrnd ilimitd Definição 4.2 Sej f : (, b] R um função ilimitd ms integrável em qulquer intervlo do tipo [ + ɛ, b], pr 0 < ɛ < b. O integrl impróprio escrevendo-se, nesse cso, f(x) dx diz-se convergente se existir lim f(x) dx, ɛ 0 + +ɛ f(x) dx = lim f(x) dx. ɛ 0 + +ɛ Cso o limite não exist, o integrl impróprio diz-se divergente. Exemplo 4.4 Sej f : (0, ] R tl que f(x) =. Se α, tem-se xα + se α > Por seu ldo, lim ɛ 0 + ɛ ɛ α dx = lim xα ɛ 0 + α = lim ɛ 0 + Assim, o integrl impróprio pr α <, com ɛ x 0 0 α se α < dx = lim ln ɛ) = +. ɛ 0 +( dx é divergente pr α e convergente xα x α dx = α.. O cso de um função ilimitd f : [, b) R trt-se de form nálog e o cso de f : (, b) R reduz-se os nteriores, escolhendo c (, b) e pondo f(x) dx = c f(x) dx + c f(x) dx. 37

38 4.3 Critérios de comprção Pr determinr nturez de um integrl impróprio, isto é, decidir se o integrl é convergente ou divergente, nem sempre é prático utilizr definição. Assumem, por isso, prticulr relevânci lguns critérios que permitem obter conclusões cerc d nturez de certos integris impróprios por comprção com outros cuj nturez é conhecid (como os dos Exemplos 4. e 4.4). Restringir-nos-emos o cso de integris impróprios em que o intervlo de integrção é ilimitdo ms existem resultdos nálogos pr o cso de integris impróprios de funções ilimitds. Teorem 4. ( o critério de comprção) Sejm f, g : [, + ) R funções integráveis em [, X], pr todo o X >, e não-negtivs. Se existir um constnte k > 0, tl que f(x) k g(x), x [, + ) e o integrl impróprio + g(x) dx for convergente então o integrl impróprio + f(x) dx tmbém é convergente. Demonstrção: As funções φ(x) = X f(x) dx e ϕ(x) = X g(x) dx são não-decrescentes em [, + ] já que s sus derivds f e g, respectivmente, são não-negtivs. Como φ(x) = X f(x) dx X k g(x) dx = k ϕ(x) e ϕ é limitd (porque o integrl impróprio + g(x) dx é convergente), concluímos que φ(x) tmbém é limitd. Logo, existe lim X + φ(x) e o integrl impróprio + f(x) dx é convergente. 38

39 Teorem 4.2 (2 o critério de comprção) Sejm f, g : [, + ) R funções integráveis em [, X], pr todo o X >, com f não-negtiv e g positiv. Se então lim x + f(x) g(x) = λ,. se λ R +, os integris impróprios + f(x) dx e + g(x) dx são d mesm nturez; 2. se λ = 0, convergênci de + g(x) dx implic convergênci de + f(x) dx; 3. se λ = +, convergênci de + f(x) dx implic convergênci de + g(x) dx. Demonstrção: Considermos pens o cso. demonstrm de form nálog. Sej 0 < ɛ < λ. Pel definição de limite, A > : x > A = f(x) g(x) λ < ɛ. Obtemos então s dus desigulddes f(x) < (λ + ɛ) g(x) e g(x) < λ ɛ f(x) já que os restntes se válids em [A, + ), com λ + ɛ e λ ɛ constntes positivs. Pelo Teorem 4., os integris impróprios + A f(x) dx e + A g(x) dx são d mesm nturez. Como + f(x) dx = A f(x) dx + + A f(x) dx e o mesmo sucede com g, o resultdo está demonstrdo. 39

40 Exemplo 4.5 O integrl impróprio + dx é convergente já que 5x 4 +3x+π lim X + e o integrl impróprio + 5x 4 +3x+π x 4 = lim X + x 4 5x 4 + 3x + π = 5 x 4 dx é convergente (ver Exemplo 4.). Exemplo 4.6 O integrl impróprio + e x2 dx é convergente já que lim X + e x2 e o integrl impróprio + = lim x 2 X + Exemplo 4.7 O integrl impróprio + lim X + ln x x x 2 e x2 = lim X + 2x 2x e x2 = 0 x 2 dx é convergente (ver Exemplo 4.). = lim X + x ln x = ln x dx é divergente já que lim X + x = +. De fcto, usndo 3. no Teorem 4.2, convergênci deste integrl implicri do integrl + x dx que sbemos ser divergente (ver Exemplo 4.). Definição 4.3 Sej f : [, + ) R. O integrl impróprio + f(x) dx diz-se bsolutmente convergente se for convergente o integrl impróprio + f(x) dx. Teorem 4.3 (3 o critério de comprção) Sej f : [, + ) R um função integrável em [, X], pr todo o X >. Se o integrl impróprio + f(x) dx for bsolutmente convergente então é convergente e verificse relção + + f(x) dx f(x) dx. (9) Demonstrção: A integrbilidde de f em qulquer intervlo [, X], com X >, é grntid pelo Teorem , do qul result ind desiguldde X X f(x) dx f(x) dx. (0) 40

41 Ds desigulddes 0 f(x) + f(x) 2 f(x) e d convergênci de + f(x) dx result, pelo Teorem 4., convergênci de + ( ) f(x) + f(x) dx. A convergênci de + f(x) dx segue-se d iguldde f(x) = f(x) + f(x) f(x). Pr obter (9) bst tomr lim x + em (0). dx é bsolutmente conver- Exemplo 4.8 O integrl impróprio + sin x x 2 gente já que + dx é convergente pois sin x x 2 sin x x 2 x 2 e o integrl + x 2 dx é convergente (ver Exemplo 4.). 4

42 5 Séries Numérics A noção de som infinit de números reis é o objecto deste cpítulo. A tribuição de um significdo mtemático preciso um expressão do tipo n +..., com um infinidde de prcels, fz uso do conceito de limite, ubíquo em Análise Infinitesiml. 5. Séries convergentes e séries divergentes Sej ( n ) n N um sucessão de números reis. A série numéric de termo gerl n é som infinit + n= n. Definição 5. A sucessão ssocid 3 à série numéric + n= n é sucessão de termo gerl s n = n i = n. i= Definição 5.2 A série numéric + n= n diz-se convergente se su sucessão ssocid (s n ) for convergente. Nesse cso, chm-se som d série o limite d sucessão ssocid e escreve-se + n= n = lim s n. Se su sucessão ssocid for divergente, série diz-se divergente. Nesse cso, não fz sentido flr em som. Observção 5. A vrição do índice mudo n n expressão que define série não tem necessrimente de ocorrer em N, ou sej, de +. Por vezes, é conveniente considerr séries do tipo + n=0 n, ou mesmo + n=p n, com p um inteiro. 3 ou sucessão ds soms prciis ou sucessão ds reduzids 42

43 Exemplo 5. Sej R. À série numéric + n= n = chm-se série geométric de rzão. A su sucessão ssocid é s n = n i = i= A série é convergente (e su som é n se n se =. ) se < e divergente se. Exemplo 5.2 A série numéric, dit série telescópic, tem como sucessão ssocid s n = = = n i(i + ) n ( i i= i= ( 2 ) + = n +. i + ) ( n= n(n + ) A série é portnto convergente (e su som é ). ) ( n ) ( + n n ) n + A determinção d som de um série numéric, qundo convergente, exige normlmente o recurso séries de funções, que serão estudds mis dinte. Os csos em que é possível obter som usndo pens definição esgotm-se prticmente nos exemplos nteriores e sus vrintes. O principl objectivo de or em dinte vi ser o d determinção d nturez de um dd série numéric, isto é, o de decidir se série é convergente ou 43

44 divergente. Neste contexto, ssume um crácter irrelevnte indicção express dos índices n escrit do somtório e pssremos usr simplesmente notção n pr nos referirmos um série numéric. O próximo resultdo é um condição necessári de convergênci. Teorem 5. Se n é um série convergente então lim n = 0. Demonstrção: Sej (s n ) sucessão ssocid à série e s = lim s n som d série. Define-se um nov sucessão (t n ), com 0 se n = t n = s n se n 2. É evidente que lim t n = lim s n = s e que s n t n = n. Assim lim n = lim(s n t n ) = lim s n lim t n = s s = 0. Portnto, se o termo gerl de um série numéric não tender pr zero conclui-se imeditmente que série é divergente. No entnto, o recíproco do teorem nterior é flso. O exemplo clássico é ddo pelo Exemplo 5.3 A série hrmónic + n= n, cujo termo gerl tende pr zero, é divergente. De fcto, subsucessão (s 2 n) n N d su sucessão ssocid é divergente: s 2 n = + ( ) ( ) ( + 2 n ) 2 } {{ n } > n 2 n = + n n prcels 44

45 A sucessão ssocid um série n de termos não-negtivos n 0 é obvimente não-decrescente pois s n+ s n = n+ 0, n. Assim, série converge se, e só se, (s n ) for limitd. E diverge se, e só se, lim s n = +. Neste cso, escrevemos n = +. Exemplo 5.4 A série de termos positivos + n= n α, com α >, é convergente pois su sucessão ssocid é limitd: 0 s n c, n N. N verdde, ddo n N, sej k N tl que n 2 k. Então, s n s 2 k ( = + 2 α + ) ( 3 α + 4 α + 5 α + 6 α + ( α α k = k i=0 ( 2 2 α ) i + i=0 (2 k ) α ) i = ( 2 2 α 7 α ) +... ) (2 k ) α (2 k ) } {{ α } 2 α c, 2 k prcels visto que rzão d série geométric é 0 < 2 α < porque α >. Apresentmos de seguid um critério de comprção pr séries de termos não-negtivos. 45

46 Teorem 5.2 Sejm n e b n séries de termos não-negtivos tis que, pr um constnte c > 0 e um certo n 0 N, n c b n, n > n 0. () Então se b n convergir, n tmbém converge. Demonstrção: Sem perd de generlidde, podemos supor que () é válid pr todo o n N. Sendo (s n ) e (t n ) s sucessões ssocids, respectivmente, n e b n, tem-se imeditmente s n c t n, n N. Sendo b n convergente, (t n ) é limitd: M > 0 : 0 t n M, n N. Logo, (s n ) tmbém é limitd: 0 s n c M, n N. Segue-se que n é convergente. Exemplo 5.5 A série de termos positivos + n= com α <, é divergente. N verdde, n α, n n α, n N e conclusão result do critério de comprção e d divergênci d série hrmónic. 5.2 Convergênci bsolut e convergênci condicionl Definição 5.3 Um série n diz-se bsolutmente convergente se série dos módulos n for convergente. 46

47 Exemplo 5.6 Tod série convergente de termos não-negtivos é bsolutmente convergente. Exemplo 5.7 A série geométric é bsolutmente convergente. + n= ( ) n 2 Exemplo 5.8 A série + n= ( ) n+ não é bsolutmente convergente já que su série dos módulos é série hrmónic n que é divergente. n Definição 5.4 Um série convergente que não sej bsolutmente convergente diz-se condicionlmente convergente. Teorem 5.3 (Critério de Leibniz) Sej ( n ) um sucessão não-crescente com lim n = 0. Então série + n= ( ) n+ n é convergente. Demonstrção: A sucessão ssocid à série é s n = ( ) n+ n. A subsucessão (s 2n ) dos termos de ordem pr é não-decrescente já que s 2n+2 s 2n = 2n+2 + 2n+ 0 ; subsucessão (s 2n ) dos termos de ordem ímpr é não-crescente já que s 2n+ s 2n = 2n+ 2n 0. Por outro ldo, s 2n s 2n = 2n 0 (2) 47

48 e portnto tem-se s 2 s 4... s 2n... s 2n... s 3 s. Assim, mbs s subsucessões são limitds inferiormente por s 2 e superiormente por s. Como tmbém são monótons, são convergentes. Result então de (2) que lim s 2n lim s 2n = lim (s 2n s 2n ) = lim 2n = 0 e portnto lim s 2n = lim s 2n donde (s n ) é convergente. Exemplo 5.9 A série do Exemplo 5.8 é condicionlmente convergente. A série + n= ( ( ) n+ ln + ) n é condicionlmente convergente. Porquê? Mostremos gor que tod série bsolutmente convergente é convergente. Dd um sucessão ( n ), definimos dus novs sucessões: n se n 0 p n = mx{ n, 0} = 0 se n 0 designd por prte positiv de n ; e 0 se n 0 q n = mx{ n, 0} = n se n 0 designd por prte negtiv de n. São de verificção imedit s seguintes proprieddes ds prtes positiv e negtiv: p n, q n 0 ; p n + q n = n ; p n q n = n. Teorem 5.4 Tod série bsolutmente convergente é convergente. 48

49 Demonstrção: Sej n convergente. Como p n, q n n, segue-se do Teorem 5.2 que p n e q n são convergentes. convergente série n = (p n q n ) = p n q n. Assim, tmbém é Observção 5.2 O resultdo pode interpretr-se do seguinte modo: dd um série convergente de termos não-negtivos, nenhum troc de sinis dos termos d série lter su nturez. Corolário 5. Se n for condicionlmente convergente então p n = qn = +. Demonstrção: Se convergir um ds séries, por exemplo p n, ter-se-á qn = (p n n ) = p n n e outr tmbém converge. Ms então n = (p n + q n ) = p n + q n é convergente, o que é bsurdo. 5.3 Critérios de convergênci Teorem 5.5 Sej b n um série bsolutmente convergente, com b n 0, n. Se sucessão ( n / b n ) n for limitd (em prticulr, se for convergente) então série n é bsolutmente convergente. Demonstrção: Se ( n bn for limitd, existe c > 0 tl que )n n b n c n c b n, n. O resultdo segue-se do Teorem 5.2. Exemplo 5.0 A série n 3 n 3 +4n 2 +π é bsolutmente convergente e lim n 3 +4n 2 +π n 3 = lim é bsolutmente convergente; de fcto, n 3 n 3 + 4n 2 + π =. 49

50 Corolário 5.2 (Critério de d Alembert) Sej n 0, n. Se existir um constnte 0 < c < e um ordem n 0 N tis que n+ c, n > n 0 (em prticulr, se lim n+ n Demonstrção: Temos, pr todo o n > n 0, n < ) então n é bsolutmente convergente. n+ n c = cn+ c n n+ c n+ n c n, pelo que sucessão de termos não-negtivos ( n / c n ) n é não-crescente prtir de um cert ordem, logo limitd. Como c n é um série geométric (bsolutmente) convergente, seguese do teorem que n é convergente. Observção 5.3 N generlidde dos csos práticos, plicção do critério de d Alembert consiste no cálculo de lim n+ n = L. Se L <, série n é bsolutmente convergente. Se L >, série é divergente pois o seu termos gerl não tende pr zero já que, prtir de um cert ordem, se tem n+ > n. Se L =, o critério é inclusivo como mostrm os exemplos ds séries n 2 e n. Exemplo 5. A série n! n n lim (n+)! (n+) (n+) n! n n é bsolutmente convergente: ( ) n n = lim = n + e <. 50

51 Teorem 5.6 (Critério de Cuchy) Se existir um constnte 0 < c < e um ordem n 0 N tis que n n c, n > n 0 (em prticulr, se lim n n < ) então n é bsolutmente convergente. Demonstrção: Temos, pr todo o n > n 0, n n c n c n. Como c n é um série geométric (bsolutmente) convergente, segue-se do Teorem 5.2 que n é convergente. Observção 5.4 N generlidde dos csos práticos, plicção do critério de Cuchy consiste no cálculo de lim n n = L. Se L <, série n é bsolutmente convergente. Se L >, série é divergente pois o seu termos gerl não tende pr zero já que, prtir de um cert ordem, se tem n >. Se L =, o critério é inclusivo como mostrm os exemplos ds séries n 2 e n. Exemplo 5.2 A série ( ) ln n n n é bsolutmente convergente: (ln ) n n lim n = lim ln n n n = 0 <. O resultdo seguinte, cuj demonstrção pode ser consultd em [4, pág. 43], relcion os dois limites referidos nteriormente. Teorem 5.7 Sej n 0, n. Se lim n+ n = L então lim n n = L. 5

52 5.4 Comuttividde Pr soms finits de números reis é válid propriedde comuttiv. No cso ds séries, nem sempre convergênci e som d série são independentes d ordem ds prcels. Definição 5.5 Um série n diz-se comuttivmente convergente se, dd qulquer bijecção ϕ : N N, série ϕ(n) for convergente e ϕ(n) = n. Exemplo 5.3 A série + n= ( ) n+ n é (condicionlmente) convergente. Sej s su som; então s = s 2 = , multiplicndo por /2 e crescentndo prcels nuls. Somndo gor termo termo s dus séries nteriores, obtém-se 3s 2 = que é um série com os mesmos termos d série inicil, tomdos por um ordem diferente. Est reordenção conduziu um som diferente d inicil logo série não é comuttivmente convergente. Os dois próximos resultdos mostrm que s séries comuttivmente convergentes são s séries bsolutmente convergentes. Teorem 5.8 Tod série bsolutmente convergente é comuttivmente convergente. 52

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos

3. Cálculo integral em IR 3.1. Integral Indefinido 3.1.1. Definição, Propriedades e Exemplos 3. Cálculo integrl em IR 3.. Integrl Indefinido 3... Definição, Proprieddes e Exemplos A noção de integrl indefinido prece ssocid à de derivd de um função como se pode verificr prtir d su definição: Definição

Leia mais

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução

Elementos de Análise - Lista 6 - Solução Elementos de Análise - List 6 - Solução 1. Pr cd f bixo considere F (x) = x f(t) dt. Pr quis vlores de x temos F (x) = f(x)? () f(x) = se x 1, f(x) = 1 se x > 1; F (x) = se x 1, F (x) = x 1 se x > 1. Portnto

Leia mais

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL

FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL FUNC ~ OES REAIS DE VARI AVEL REAL Clculo Integrl AMI ESTSetubl-DMAT 15 de Dezembro de 2012 AMI (ESTSetubl-DMAT) LIC ~AO 18 15 de Dezembro de 2012 1 / 14 Integrl de Riemnn Denic~o: Sej [, b] um intervlo

Leia mais

Cálculo Integral em R

Cálculo Integral em R Cálculo Integrl em R (Primitivção e Integrção) Miguel Moreir e Miguel Cruz Conteúdo Primitivção. Noção de primitiv......................... Algums primitivs imedits................... Proprieddes ds primitivs....................4

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2

CDI-II. Resumo das Aulas Teóricas (Semana 12) y x 2 + y, 2. x x 2 + y 2), F 1 y = F 2 Instituto Superior Técnico eprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise Prof. Gbriel Pires CI-II Resumo ds Auls Teórics (Semn 12) 1 Teorem de Green no Plno O cmpo vectoril F : R 2 \ {(, )} R 2 definido

Leia mais

2.4 Integração de funções complexas e espaço

2.4 Integração de funções complexas e espaço 2.4 Integrção de funções complexs e espço L 1 (µ) Sej µ um medid no espço mensurável (, F). A teori de integrção pr funções complexs é um generlizção imedit d teori de integrção de funções não negtivs.

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana.

INTEGRAL DEFINIDO. O conceito de integral definido está relacionado com um problema geométrico: o cálculo da área de uma figura plana. INTEGRAL DEFINIDO O oneito de integrl definido está reliondo om um prolem geométrio: o álulo d áre de um figur pln. Vmos omeçr por determinr áre de um figur delimitd por dus rets vertiis, o semi-eio positivo

Leia mais

Usando qualquer um dos métodos de primitivação indicados anteriormente, determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. e x e 2x + 2e x + 1

Usando qualquer um dos métodos de primitivação indicados anteriormente, determine uma primitiva de cada uma das seguintes funções. e x e 2x + 2e x + 1 Instituto Superior Técnico Deprtmento de Mtemátic Secção de Álgebr e Análise CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I LEIC-ALAMEDA o SEM. 7/8 6 FICHA DE EXERCÍCIOS I. Treino Complementr de Primitivs. CÁLCULO INTEGRAL

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 2 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte 2 No teto nterior vimos que, se F é um primitiv de f em [,b], então f()d = F(b) F(). Isto reduz o problem de resolver

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5,

x 0 0,5 0,999 1,001 1,5 2 f(x) 3 4 4,998 5, - Limite. - Conceito Intuitivo de Limite Considere função f definid pel guinte epressão: f - - Podemos obrvr que função está definid pr todos os vlores de eceto pr. Pr, tnto o numerdor qunto o denomindor

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral I 2 o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec

Cálculo Diferencial e Integral I 2 o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec Cálculo Diferencil e Integrl I o Teste - LEAN, MEAer, MEAmb, MEBiol, MEMec de Junho de, h Durção: hm Apresente todos os cálculos e justificções relevntes..5 vl.) Clcule, se eistirem em R, os limites i)

Leia mais

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido

MTDI I /08 - Integral de nido 55. Integral de nido MTDI I - 7/8 - Integrl de nido 55 Integrl de nido Sej f um função rel de vriável rel de nid e contínu num intervlo rel I [; b] e tl que f (x) ; 8x [; b]: Se dividirmos [; b] em n intervlos iguis, mplitude

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO

TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO ANÁLISE MATEMÁTICA I TEORIA E EXERCÍCIOS ANA SÁ BENTO LOURO 3 Índice Noções Topológics, Indução Mtemátic e Sucessões. Noções topológics em R............................. Indução mtemátic..............................

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática

Comprimento de arco. Universidade de Brasília Departamento de Matemática Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Comprimento de rco Considerefunçãof(x) = (2/3) x 3 definidnointervlo[,],cujográficoestáilustrdo bixo. Neste texto vmos desenvolver um técnic pr clculr

Leia mais

Notas Teóricas de Análise Matemática

Notas Teóricas de Análise Matemática Nots Teórics de Análise Mtemátic Rui Rodrigues Deprtmento de Físic e Mtemátic Instituto Superior de Engenhri de Coimbr Índice Primitivção de funções reis de vriável rel. Primitivção...................................2

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Resumo. Nesta aula, utilizaremos o Teorema Fundamental do Cálculo (TFC) para o cálculo da área entre duas curvas. CÁLCULO L1 NOTAS DA DÉCIMA SÉTIMA AULA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Resumo. Nest ul, utilizremos o Teorem Fundmentl do Cálculo (TFC) pr o cálculo d áre entre dus curvs. 1. A áre entre dus curvs A

Leia mais

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1.

ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX. Introdução. Partição de um Intervalo. Alana Cavalcante Felippe 1, Júlio César do Espírito Santo 1. Revist d Mtemátic UFOP, Vol I, 2011 - X Semn d Mtemátic e II Semn d Esttístic, 2010 ISSN 2237-8103 ESTUDO SOBRE A INTEGRAL DE DARBOUX Aln Cvlcnte Felippe 1, Júlio Césr do Espírito Snto 1 Resumo: Este trblho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CCEN DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA EXAME DE QUALIFICAÇÃO PARA O MESTRADO EM MATEMÁTICA PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 13 de Fevereiro de 2015 Prte I Álgebr Liner 1 Questão: Sejm

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região S utilizndo retângulos e depois

Leia mais

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa

Diogo Pinheiro Fernandes Pedrosa Integrção Numéric Diogo Pinheiro Fernndes Pedros Universidde Federl do Rio Grnde do Norte Centro de Tecnologi Deprtmento de Engenhri de Computção e Automção http://www.dc.ufrn.br/ 1 Introdução O conceito

Leia mais

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT

FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT FÓRMULA DE TAYLOR USP MAT 5 SEVERINO TOSCANO DO REGO MELO. Polinômios de Tylor A ret tngente o gráfico de um função f derivável em um ponto define função de primeiro gru que melhor proxim função em pontos

Leia mais

Introdução ao estudo de equações diferenciais

Introdução ao estudo de equações diferenciais MTDI I - 2007/08 - Introdução o estudo de equções diferenciis 63 Introdução o estudo de equções diferenciis Existe um grnde vriedde de situções ns quis se desej determinr um quntidde vriável prtir de um

Leia mais

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL

MAT Complementos de Matemática para Contabilidade - FEAUSP 1 o semestre de 2011 Professor Oswaldo Rio Branco de Oliveira INTEGRAL MAT 103 - Complementos de Mtemátic pr Contbilidde - FEAUSP 1 o semestre de 011 Professor Oswldo Rio Brnco de Oliveir INTEGRAL Suponhmos um torneir bert em um recipiente e com velocidde de escomento d águ

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

6 Cálculo Integral. 1. (Exercício VI.1 de [1]) Considere a função f definida no intervalo [0, 2] por. 1 se x [0, 1[ 3 se x ]1, 2]

6 Cálculo Integral. 1. (Exercício VI.1 de [1]) Considere a função f definida no intervalo [0, 2] por. 1 se x [0, 1[ 3 se x ]1, 2] 6 Cálculo Integrl. (Eercício VI. de []) Considere função f definid no intervlo [, ] por se [, [ f () = se = 3 se ], ] () Mostre que pr tod decomposição do intervlo [, ], s soms superior S d ( f ) e inferior

Leia mais

Análise Matemática I. Feliz Minhós

Análise Matemática I. Feliz Minhós Análise Mtemátic I Feliz Minhós ii Conteúdo Objectivos Geris Progrm 3 Sucessões 5. De nição............................. 5.2 Subsucessão............................ 6.3 Sucessões monótons.......................

Leia mais

Cálculo de Limites. Sumário

Cálculo de Limites. Sumário 6 Cálculo de Limites Sumário 6. Limites de Sequêncis................. 3 6.2 Exercícios Recomenddos............... 5 6.3 Limites de Funções.................. 7 6.4 Exercícios Recomenddos...............

Leia mais

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles

Somos o que repetidamente fazemos. A excelência portanto, não é um feito, mas um hábito. Aristóteles c L I S T A DE E X E R C Í C I O S CÁLCULO INTEGRAL Prof. ADRIANO PEDREIRA CATTAI Somos o que repetidmente fzemos. A ecelênci portnto, não é um feito, ms um hábito. Aristóteles Integrl Definid e Cálculo

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral

CÁLCULO I. 1 Funções denidas por uma integral CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Prof. Emerson Veig Prof. Tigo Coelho Aul n o 26: Teorem do Vlor Médio pr Integris. Teorem Fundmentl do Cálculo II. Funções dds por

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28

A integral de Riemann e Aplicações Aula 28 A integrl de Riemnn - Continução Aplicções d Integrl A integrl de Riemnn e Aplicções Aul 28 Alexndre Nolsco de Crvlho Universidde de São Pulo São Crlos SP, Brzil 16 de Mio de 2014 Primeiro Semestre de

Leia mais

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU

Cálculo Numérico Faculdade de Engenharia, Arquiteturas e Urbanismo FEAU Cálculo Numérico Fculdde de Enenhri, Arquiteturs e Urnismo FEAU Pro. Dr. Serio Pillin IPD/ Físic e Astronomi V Ajuste de curvs pelo método dos mínimos qudrdos Ojetivos: O ojetivo dest ul é presentr o método

Leia mais

Área entre curvas e a Integral definida

Área entre curvas e a Integral definida Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Áre entre curvs e Integrl definid Sej S região do plno delimitd pels curvs y = f(x) e y = g(x) e s rets verticis x = e x = b, onde f e g são funções

Leia mais

(x, y) dy. (x, y) dy =

(x, y) dy. (x, y) dy = Seção 7 Função Gm A expressão n! = 1 3... n (1 está definid pens pr vlores inteiros positivos de n. Um primeir extensão é feit dizendo que! = 1. Ms queremos estender noção de ftoril inclusive pr vlores

Leia mais

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1

Teorema Fundamental do Cálculo - Parte 1 Universidde de Brsíli Deprtmento de Mtemátic Cálculo Teorem Fundmentl do Cálculo - Prte Neste texto vmos provr um importnte resultdo que nos permite clculr integris definids. Ele pode ser enuncido como

Leia mais

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3)

Integral imprópria em R n (n = 1, 2, 3) Universidde Federl do Rio de Jneiro Instituto de Mtemátic Deprtmento de Métodos Mtemáticos Integrl Imprópri Integrl imprópri em R n (n =,, 3) Autores: Angel Cássi Bizutti e Ivo Fernndez Lopez Introdução

Leia mais

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Módulo I: Cálculo Diferencial e Integral

Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Módulo I: Cálculo Diferencial e Integral Escol Superior de Agricultur Luiz de Queiroz Universidde de São Pulo Módulo I: Cálculo Diferencil e Integrl Teori d Integrção e Aplicções Professor Rent Alcrde Sermrini Nots de ul do professor Idemuro

Leia mais

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x?

INTEGRAIS DEFINIDAS. Como determinar a área da região S que está sob a curva y = f(x) e limitada pelas retas verticais x = a, x = b e pelo eixo x? Cálculo II Prof. Adrin Cherri 1 INTEGRAIS DEFINIDAS O Prolem d Áre Como determinr áre d região S que está so curv y = f(x) e limitd pels rets verticis x =, x = e pelo eixo x? Um idei é proximrmos região

Leia mais

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que:

fundamental do cálculo. Entretanto, determinadas aplicações do Cálculo nos levam a formulações de integrais em que: Cpítulo 8 Integris Imprópris 8. Introdução A eistênci d integrl definid f() d, onde f é contínu no intervlo fechdo [, b], é grntid pelo teorem fundmentl do cálculo. Entretnto, determinds plicções do Cálculo

Leia mais

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos

CONJUNTOS NUMÉRICOS Símbolos Matemáticos CONJUNTOS NUMÉRICOS Símolos Mtemáticos,,... vriáveis e prâmetros igul A, B,... conjuntos diferente pertence > mior que não pertence < menor que está contido mior ou igul não está contido menor ou igul

Leia mais

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana

Interpretação Geométrica. Área de um figura plana Integrl Definid Interpretção Geométric Áre de um figur pln Interpretção Geométric Áre de um figur pln Sej f(x) contínu e não negtiv em um intervlo [,]. Vmos clculr áre d região S. Interpretção Geométric

Leia mais

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é

Trabalhando-se com log 3 = 0,47 e log 2 = 0,30, pode-se concluir que o valor que mais se aproxima de log 146 é Questão 0) Trlhndo-se com log = 0,47 e log = 0,0, pode-se concluir que o vlor que mis se proxim de log 46 é 0),0 0),08 0),9 04),8 0),64 Questão 0) Pr se clculr intensidde luminos L, medid em lumens, um

Leia mais

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA

Capítulo III INTEGRAIS DE LINHA pítulo III INTEGRIS DE LINH pítulo III Integris de Linh pítulo III O conceito de integrl de linh é um generlizção simples e nturl do conceito de integrl definido: f ( x) dx Neste último, integr-se o longo

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Matemática Vestibulr UFRG 0 Resolução d Prov de Mtemátic 6. Alterntiv (C) 00 bilhões 00. ( 000 000 000) 00 000 000 000 0 7. Alterntiv (B) Qundo multiplicmos dois números com o lgrismo ds uniddes igul 4, o lgrismo

Leia mais

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo.

TRIGONOMETRIA. A trigonometria é uma parte importante da Matemática. Começaremos lembrando as relações trigonométricas num triângulo retângulo. TRIGONOMETRIA A trigonometri é um prte importnte d Mtemátic. Começremos lembrndo s relções trigonométrics num triângulo retângulo. Num triângulo ABC, retângulo em A, indicremos por Bˆ e por Ĉ s medids

Leia mais

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE

1. VARIÁVEL ALEATÓRIA 2. DISTRIBUIÇÃO DE PROBABILIDADE Vriáveis Aletóris 1. VARIÁVEL ALEATÓRIA Suponhmos um espço mostrl S e que cd ponto mostrl sej triuído um número. Fic, então, definid um função chmd vriável letóri 1, com vlores x i2. Assim, se o espço

Leia mais

Prova 1 Soluções MA-602 Análise II 27/4/2009 Escolha 5 questões

Prova 1 Soluções MA-602 Análise II 27/4/2009 Escolha 5 questões Prov 1 Soluções MA-602 Análise II 27/4/2009 Escolh 5 questões 1. Sej f : [, b] R um função limitd. Mostre que f é integrável se, e só se, existe um sequênci de prtições P n P [,b] do intervlo [, b] tl

Leia mais

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe

4. Teorema de Green. F d r = A. dydx. (1) Pelas razões acima referidas, a prova deste teorema para o caso geral está longe 4 Teorem de Green Sej U um berto de R 2 e r : [, b] U um cminho seccionlmente, fechdo e simples, isto é, r não se uto-intersect, excepto ns extremiddes Sej região interior r([, b]) prte d dificuldde n

Leia mais

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc.

Apoio à Decisão. Aula 3. Aula 3. Mônica Barros, D.Sc. Aul Métodos Esttísticos sticos de Apoio à Decisão Aul Mônic Brros, D.Sc. Vriáveis Aletóris Contínus e Discrets Função de Probbilidde Função Densidde Função de Distribuição Momentos de um vriável letóri

Leia mais

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i

Integral. (1) Queremos calcular o valor médio da temperatura ao longo do dia. O valor. a i Integrl Noção de Integrl. Integrl é o nálogo pr unções d noção de som. Ddos n números 1, 2,..., n, podemos tomr su som 1 + 2 +... + n = i. O integrl de = té = b dum unção contínu é um mneir de somr todos

Leia mais

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por

SÉRIES DE FOURIER. 1. Uma série trigonométrica e sua sequência das somas parciais (S N ) N são dadas por SÉRIES DE FOURIER 1. Um série trigonométric e su sequênci ds soms prciis (S N ) N são dds por (1) c n e inx, n Z, c n C, x R ; S N = n= c n e inx. Tl série converge em x R se (S N (x)) N converge e, o

Leia mais

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada

{ 2 3k > 0. Num triângulo, a medida de um lado é diminuída de 15% e a medida da altura relativa a esse lado é aumentada MATEMÁTICA b Sbe-se que o qudrdo de um número nturl k é mior do que o seu triplo e que o quíntuplo desse número k é mior do que o seu qudrdo. Dess form, k k vle: ) 0 b) c) 6 d) 0 e) 8 k k k < 0 ou k >

Leia mais

f(x) dx. Note que A é a área sob o gráfico

f(x) dx. Note que A é a área sob o gráfico FFCLRP-USP AULA-INTEGRAL - CÁLCULO II- ECONOMIA Professor: Jir Silvério dos Sntos PROPRIEDADES DA INTEGRAL Sejm f,g : [,b] R funções integráveis. Então (i) [f(x) + g(x)]dx = (ii) Se λ é um número rel,

Leia mais

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência

Aula 27 Integrais impróprias segunda parte Critérios de convergência Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci MÓDULO - AULA 7 Aul 7 Integris imprópris segund prte Critérios de convergênci Objetivo Conhecer dois critérios de convergênci de integris imprópris:

Leia mais

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR

3. CÁLCULO INTEGRAL EM IR 3 CÁLCULO INTEGRAL EM IR A importâni do álulo integrl em IR reside ns sus inúmers plições em vários domínios d engenhri, ms tmém em ísi, em teori ds proiliddes, em eonomi, em gestão 3 Prtição de um intervlo

Leia mais

Análise de Variância com Dois Factores

Análise de Variância com Dois Factores Análise de Vriânci com Dois Fctores Modelo sem intercção Eemplo Neste eemplo, o testrmos hipótese de s três lojs terem volumes médios de vends iguis, estmos testr se o fctor Loj tem influênci no volume

Leia mais

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes

Bhaskara e sua turma Cícero Thiago B. Magalh~aes 1 Equções de Segundo Gru Bhskr e su turm Cícero Thigo B Mglh~es Um equção do segundo gru é um equção do tipo x + bx + c = 0, em que, b e c são números reis ddos, com 0 Dd um equção do segundo gru como

Leia mais

Cálculo integral. 4.1 Preliminares

Cálculo integral. 4.1 Preliminares Cpítulo 4 Cálculo integrl 4. Preinres Considere um decomposição do intervlo [, ] R em su-intervlos d orm [x, x ], [x, x ],..., [x n, x n ], onde = x < x < < x n < x n = e n N. Por um questão de simplicidde,

Leia mais

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução

Resolução A primeira frase pode ser equacionada como: QUESTÃO 3. Resolução QUESTÃO 2 QUESTÃO 4. Resolução (9) - www.elitecmpins.com.br O ELITE RESOLVE MATEMÁTICA QUESTÃO Se Améli der R$, Lúci, então mbs ficrão com mesm qunti. Se Mri der um terço do que tem Lúci, então est ficrá com R$, mis do que Améli. Se

Leia mais

Cálculo em Computadores 2006 Integrais e volumes 1. Cálculo em Computadores Integrais de funções de duas variáveis reais 4

Cálculo em Computadores 2006 Integrais e volumes 1. Cálculo em Computadores Integrais de funções de duas variáveis reais 4 Cálculo em Computdores 2006 Integris e volumes 1 Contents Cálculo em Computdores 2006 Integris de funções de dus vriáveis 1 Áres no plno 2 1.1 exercícios...............................................

Leia mais

1 A Integral de Riemann

1 A Integral de Riemann Medid e Integrção. Deprtmento de Físic e Mtemátic. USP-RP. Prof. Rfel A. Rosles 22 de mio de 27. As seguintes nots presentm lgums limitções d integrl de Riemnn com o propósito de justificr construção d

Leia mais

CÁLCULO I. Denir e calcular o centroide de uma lâmina.

CÁLCULO I. Denir e calcular o centroide de uma lâmina. CÁLCULO I Prof. Mrcos Diniz Prof. André Almeid Prof. Edilson Neri Júnior Aul n o : Aplicções d Integrl: Momentos. Centro de Mss Objetivos d Aul Denir momento em relção um ponto xo e um ret. Denir e clculr

Leia mais

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades?

Se conhecemos a taxa de variação de uma quantidade em relação a outra, podemos determinar a relação entre essas quantidades? UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA DCET / CAMPUS I DISCIPLINA: Cálculo II (MAT 089 CH: 75 PROFESSOR: Adrino Ctti SEMESTRE: 0. ALUNO: APOSTILA 0: INTEGRAL INDEFINIDA

Leia mais

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa

Física 1 Capítulo 3 2. Acelerado v aumenta com o tempo. Se progressivo ( v positivo ) a m positiva Se retrógrado ( v negativo ) a m negativa Físic 1 - Cpítulo 3 Movimento Uniformemente Vrido (m.u.v.) Acelerção Esclr Médi v 1 v 2 Movimento Vrido: é o que tem vrições no vlor d velocidde. Uniddes de celerção: m/s 2 ; cm/s 2 ; km/h 2 1 2 Acelerção

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

3 DECISÃO SOB INCERTEZA

3 DECISÃO SOB INCERTEZA 3 DECISÃO SOB INCERTEZA Este cpítulo fz um resumo dos princípios e critérios de decisão so incertez, descrevendo su fundmentção mtemátic e discutindo su plicção. DECISÃO SOB INCERTEZA 4 3. INTRODUÇÃO A

Leia mais

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0

Função Modular. x, se x < 0. x, se x 0 Módulo de um Número Rel Ddo um número rel, o módulo de é definido por:, se 0 = `, se < 0 Observção: O módulo de um número rel nunc é negtivo. Eemplo : = Eemplo : 0 = ( 0) = 0 Eemplo : 0 = 0 Geometricmente,

Leia mais

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade

1 Limite - Revisão. 1.1 Continuidade 1 Limite - Revisão O conceito de limite de um função contribui pr nálise do comportmento d função n vizinhnç de um determindo ponto. Intuitivmente, dd um função f(x) e um ponto b que pertence o domínio

Leia mais

O conceito de integral e suas propriedades básicas

O conceito de integral e suas propriedades básicas 17 O conceito de integrl e sus proprieddes básics Sumário 17.1 Introdução....................... 2 17.2 Integrl denid de f : [, b] R.......... 5 17.3 Soms de Riemnn.................. 6 17.4 A integrl denid

Leia mais

1 Definição de integral (definida) de Riemann

1 Definição de integral (definida) de Riemann 1 Definição de integrl (definid) de Riemnn Sej seguir sempre f : [, b] R limitd (com [, b] limitdo); logo existem m, M tis que m f(x) M. Definição: chmmos Prtição de [, b] um conjunto finito de pontos

Leia mais

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade

Capítulo IV. Funções Contínuas. 4.1 Noção de Continuidade Cpítulo IV Funções Contínus 4 Noção de Continuidde Um idei muito básic de função contínu é de que o seu gráfico pode ser trçdo sem levntr o lápis do ppel; se houver necessidde de interromper o trço do

Leia mais

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas;

Objetivo. Integrais de funções vetoriais. Conhecer a integral de funções vetoriais; Aprender a calcular comprimentos de curvas parametrizadas; Funções vetoriis Integris MÓDULO 3 - AULA 35 Aul 35 Funções vetoriis Integris Objetivo Conhecer integrl de funções vetoriis; Aprender clculr comprimentos de curvs prmetrizds; Aprender clculr áres de regiões

Leia mais

MATEMÁTICA II. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari

MATEMÁTICA II. Profa. Dra. Amanda Liz Pacífico Manfrim Perticarrari MATEMÁTICA II Prof. Dr. Amnd Liz Pcífico Mnfrim Perticrrri mnd.perticrrri@unesp.r DEFINIÇÃO. Se f é um função contínu definid em x, dividimos o intervlo, em n suintervlos de comprimentos iguis: x = n Sejm

Leia mais

Introdução ao Cálculo Numérico S(M, B) = (y i Mx i B) 2

Introdução ao Cálculo Numérico S(M, B) = (y i Mx i B) 2 Introdução o Cálculo Numérico 25 List de Exercícios 2 Observção importnte: Resolv o proplem pr o di d prov com função f(x) = cos(πx/2) e não com f(x) = sin(πx)! Problem 1. Sejm {x i, y i } n i= números

Leia mais

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral

Resumo com exercícios resolvidos do assunto: Aplicações da Integral www.engenhrifcil.weely.com Resumo com exercícios resolvidos do ssunto: Aplicções d Integrl (I) (II) (III) Áre Volume de sólidos de Revolução Comprimento de Arco (I) Áre Dd um função positiv f(x), áre A

Leia mais

1 Conjuntos Finitos e Infinitos

1 Conjuntos Finitos e Infinitos Conjuntos Finitos e Infinitos. Números Nturis Definição O conjunto N dos nturis é tl que Existe s : N N injetiv tl que Im (s) = N {}; } X N X = N s (X) X Teorem 2 (Princípio d Bo Ordenção) } A N A possui

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

FUNÇÕES. Mottola. 1) Se f(x) = 6 2x. é igual a (a) 1 (b) 2 (c) 3 (d) 4 (e) 5. 2) (UNIFOR) O gráfico abaixo. 0 x

FUNÇÕES. Mottola. 1) Se f(x) = 6 2x. é igual a (a) 1 (b) 2 (c) 3 (d) 4 (e) 5. 2) (UNIFOR) O gráfico abaixo. 0 x FUNÇÕES ) Se f() = 6, então f ( 5) f ( 5) é igul () (b) (c) 3 (d) 4 (e) 5 ) (UNIFOR) O gráfico bio 0 () não represent um função. (b) represent um função bijetor. (c) represent um função não injetor. (d)

Leia mais

Primitivas. Noção de primitiva. A primitivação é a operação inversa da derivação.

Primitivas. Noção de primitiva. A primitivação é a operação inversa da derivação. Primitivs Noção de primitiv A primitivção é operção invers d derivção. Definição: Sej f um função definid num intervlo I. Qulquer função F definid e diferenciável em I tl que F x fx, pr todo o x I, diz-se

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial

9.2 Integração numérica via interpolação polinomial Cpítulo 9 Integrção Numéric 9. Introdução A integrção numéric é o processo computcionl cpz de produzir um vlor numérico pr integrl de um função sobre um determindo conjunto. El difere do processo de ntidiferencição,

Leia mais

Cálculo Diferencial e Integral - Notas de Aula. Márcia Federson e Gabriela Planas

Cálculo Diferencial e Integral - Notas de Aula. Márcia Federson e Gabriela Planas Cálculo Diferencil e Integrl - Nots de Aul Márci Federson e Gbriel Plns de mrço de 03 Sumário Os Números Reis. Os Números Rcionis................................ Os Números Reis.................................

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias

e dx dx e x + Integrais Impróprias Integrais Impróprias UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL I. Integris imprópris

Leia mais

Recordando produtos notáveis

Recordando produtos notáveis Recordndo produtos notáveis A UUL AL A Desde ul 3 estmos usndo letrs pr representr números desconhecidos. Hoje você sbe, por exemplo, que solução d equção 2x + 3 = 19 é x = 8, ou sej, o número 8 é o único

Leia mais

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas;

CÁLCULO I. 1 Área entre Curvas. Objetivos da Aula. Aula n o 24: Área entre Curvas, Comprimento de Arco e Trabalho. Calcular área entre curvas; CÁLCULO I Prof. Edilson Neri Júnior Prof. André Almeid Aul n o : Áre entre Curvs, Comprimento de Arco e Trblho Objetivos d Aul Clculr áre entre curvs; Clculr o comprimento de rco; Denir Trblho. 1 Áre entre

Leia mais

CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES

CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES CAPÍTULO 5 - ESTUDO DA VARIAÇÃO DAS FUNÇÕES 5.- Teorems Fundmentis do Cálculo Diferencil Os teorems de Rolle, de Lgrnge, de Cuch e regr de L Hospitl são os qutro teorems fundmentis do cálculo diferencil

Leia mais

Cálculo Infinitesimal. Gabriela Chaves

Cálculo Infinitesimal. Gabriela Chaves Cálculo Infinitesiml Gbriel Chves versão de Agosto de ii Índice Índice iii Proprieddes básics dos números. Operções de dição e multiplicção...................................... Relção de ordem.................................................

Leia mais