3. DIMENSIONAMENTO À FEXÃO NORMAL SIMPLES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3. DIMENSIONAMENTO À FEXÃO NORMAL SIMPLES"

Transcrição

1 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I 3. DIENSIONENTO À FEXÃO NORL SIPLES 3.1 VIGS Viga, omo menionao no apítulo, ão elemento lineare, ou e barra, one a imenõe a eção tranveral ão bem menore que o omprimento ou vão a peça. Geralmente, na eção tranveral, a imenão preominante é a altura. São elemento etruturai que, na maioria a etrutura onvenionai, enontram-e na poição horizontal Função etrutural No ao e eiíio onvenionai, a viga geralmente reebem o arregamento proveniente a laje, e paree e e outra viga, tranmitino-o para o pilare. im, o eorço preominante ão o momento letor, o eorço ortante e o momento torçor Tipo e viga Quanto à geometria, a viga e onreto armao poem apreentar ivera orma e eção tranveral, poeno er retangulare maiça, irulare, triangulare, T, I, vazaa ou aião, et. Eta eção tranveral poe ou não er ontante ao longo o vão. Nete ao, o projetita eve empre veriiar a eçõe mai vulnerávei a peça, memo que não etejam em treho e momento letore máimo. Quanto à unção etrutural em eiíio, baiamente a viga poem er onvenionai ou e ontraventamento (onetam a etremiae uperiore e pilare ou ua viga), balrame (onetam elemento e unação) e e tranição, quano ervem e apoio para pilare. De ato, qualquer viga que onete pilare ajua a ontraventar a etrutura e quae empre etão ujeita a arregamento normai. 65

2 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I çõe a onierar prinipai açõe a onierar ão a açõe normai. Entretanto, eta açõe geram oliitaçõe omo o momento letor, o eorço ortante e o momento torçor. Nete apítulo erá aa maior ênae ao eeito o momento letor obre a viga, pelo ato o imenionamento a armaura e leão er o prinipal objetivo. Deve-e lembrar que a açõe normai poem aumir ivera oniguraçõe, omo arga uniormemente itribuía, onentraa e, alguma veze, não uniormemente itribuía (triangulare, trapezoiai, et.). Na eiiaçõe orrente, o peo a paree atua iretamente obre a viga, ultrapaano, em algun ao, o arregamento impoto pela laje. 3. DIENSIONENTO E ESTDO LIITE ÚLTIO (ELU) Baiamente o imenionamento etrutural onite em eguir ua reomenaçõe báia, quai ejam: a) Uma eção tranveral eve er eterminaa e orma a uportar a oliitaçõe máima a que poerá etar ujeita; b) Uma eção previamente etabeleia eve er apaz e uportar a oliitaçõe mai eavorávei que poam oorrer. primeira reomenação reere-e ao imenionamento e uma eção tranveral a partir e uma oliitação onheia. eguna preoniza que uma eterminaa eção eve er veriiaa para que a oniçõe mínima e egurança ejam obeeia (veriiação etrutural). lém a oniçõe aima, a viga evem er imenionaa para que não oorra eperíio e reitênia o materiai. De preerênia, a eçõe a viga evem er imenionaa no omínio 3, alvo em ao partiulare one a raionalização o materiai não eja a prinipal eigênia. Como menionao, é no omínio 3 que e poe obter peça normalmente armaa, om a ruptura oorreno imultaneamente por emagamento o onreto e eormação plátia eeiva a armaura e leão. 66

3 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I 3..1 Diagrama retangular e tenõe para o onreto norma braileira, para impliiar o proeimento e álulo, permite ubtituir o iagrama parábola-retângulo por um iagrama retangular e tenõe no onreto, omo motra a igura 3.1. Eta zona omprimia e etene a bora omprimia até uma prouniae 0,8, one é a prouniae a linha neutra. limitação 0,85 é apliaa a eçõe retangulare em leão normal. Para outra ituaçõe eve-e utilizar 0,80 retangular impliia obremaneira o imenionamento a viga.. aoção o iagrama Figura 3.1 Ditribuição a tenõe na zona omprimia e onreto 3.. omento limite para eçõe normalmente armaa Foi vito anteriormente que no omínio 4 oorre uma ruptura rágil, em avio prévio, e que eve er evitaa. O primeiro pao no imenionamento é veriiar e o problema ao orrepone a uma ituação no omínio 4. Para tanto, etermina-e o momento limite para o omínio 3, one a ruptura é útil, e e o momento oliitante e álulo or menor ou igual a ee momento limite, igniia que a eção erá ubarmaa ou normalmente armaa, repetivamente. Quano há iniação e que a eção erá uperarmaa, emprega-e armaura upla para evitar ea ituação. Ete aunto erá vito om mai etalhe aiante. O momento limite para eçõe normalmente armaa é obtio amitino-e que a máima eormação e ompreão no onreto é e que a eormação e tração na armaura é. im, o iagrama e eormaçõe onierao orrepone ao limite y entre o omínio 3 e 4, omo motra a igura

4 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Figura 3. Diagrama e eormaçõe no limite entre o omínio 3 e 4 Por emelhança e triângulo, lim lim y lim y O ínie lim inia que o limite entre o omínio 3 e 4. Poe-e veriiar também que a prouniae a linha neutra epene o onheimento a altura útil. Em geral, ete é um ao o problema. Quano a altura útil não or menionaa, poe onuzir o imenionamento aotano-e h 40 mm, eno h a altura total a viga. eormação y epene o tipo e aço empregao, e aoro om o epoto no apítulo 1. Para o aço C50 om patamar e eoamento poe-e azer y E y ,07 Por e tratar e imenionamento no regime elátio, o leitor ailmente etermina a eormação e álulo a partir a araterítia meânia o material. Para o aço C60 om patamar e eoamento ete valor paa a er,48. Quano ete aço não apreentam patamar e eoamento, a eormaçõe aima evem er areia e, ou eja, paam a er 4,07 e 4,48 para o aço C50 e C60, repetivamente. 68

5 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I igura 3.3 motra a reultante e ompreão e tração evia à reitênia o materiai. Deve-e notar que eta reultante irão gerar um binário reitente que ombaterá o momento oliitante e álulo, manteno a eção em equilíbrio. Figura 3.3 omento oliitante e binário reitente orça reultante na zona omprimia e onreto erá R, lim 0,8 b lim 0, 85 enquanto que a reultante e tração na armaura e leão erá R y O braço e alavana o binário reitente é ao por Z lim, 4 0 lim Como a eção eve permaneer em equilíbrio, o momento oliitante eve er igual ao momento reitente, oriuno e uma a omponente o binário. im,, lim R,lim Z lim Logo, 0,8 b lim 0,85 ( 0,4 lim ), lim 69

6 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I ou 0,68 b lim ( 0,4 lim ), lim Para o aço C50 om patamar e eoamento, lim 0,,07 68 y E o momento oliitante limite erá, 0, 3 b lim Dete moo, poe-e eterminar o momento limite para o aço mai empregao na ontrução ivil braileira. Dao o momento letor oliitante, ompara-e om o momento limite e, ao o momento oliitante eja menor ou igual ao momento limite, a eção erá ubarmaa ou normalmente armaa. Cao ontrário, a eção erá uperarmaa e, para evitar eta ituação, aota-e armaura upla para reorçar a zona omprimia e onreto Dimenionamento e eçõe retangulare om armaura imple No item anterior oi etabeleio o momento limite para que uma eção tranveral eteja no limite o omínio 3 e 4, eveno-e evitar o omínio 4. Entretanto, quano a eormação a armaura é maior que a eormação e eoamento e álulo, ou eja,, a ruptura a viga é útil, om eormação plátia eeiva a armaura, etano a eção entre o omínio e 3. Nete ao, a eção poe er ubarmaa ou normalmente armaa ( ), e a prouniae a linha neutra é repreentaa generiamente por, omo motra a igura 3.4. Na igura, também é poível obervar a oniguração o binário reitente, reponável por ombater, agora, um momento oliitante, lim. y y 70

7 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Figura 3.4 Deormaçõe e binário reitente na eção tranveral Nete ao, torna-e neeário eterminar a poição a linha neutra e etabeleer em que omínio enontra-e a eção. Fazeno o equilíbrio o momento em relação ao entro e grávia a armaura e leão, R Z R Z 0 Logo, 0,8 b 0,85 ( 0,4 ) 0 0,68 b ( 0,4 ) 0 E a prouniae a linha neutra poe er obtia reolveno-e a equação o eguno grau em. 0,68 b 0,7 b 0 0,7 b 0,68 b 0 ou 0,7 0,68 b 0 71

8 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I pena um valor e é válio, e é aquele que etá poiionao entro a eção tranveral. O valor e obtio ever er omparao om aquele ituao no limite o omínio, para que e etermine e a armaura realmente eoou. De preerênia, o valor e eve etar no intervalo,3 3, 4, para que eja evitaa a eormação eeiva o aço (iura emaiaamente aberta) e a uperarmação, repetivamente.,3 0,,07 68 y 0, Para Para 0, 59 Domínio ; 0,59 0, 68 Domínio 3. Determinano o omínio em que a peça etá trabalhano. Se ete omínio or o 4, poe-e aumentar a altura a viga, ao eja permitio no projeto, evitano a uperarmação. De outro moo eve-e prever uma armaura longituinal para a zona omprimia e onreto. Outra obervação reere-e à eormação o onreto. O leitor, atento, eve ter perebio que a eormação e ompreão o onreto poe, em etágio intermeiário e arregamento, er menor que, om o aço em qualquer omínio. Nete ao, o leitor poe ter iiulae para ientiiar em que omínio a eção etá trabalhano, o que é pereitamente normal, uma vez que o omínio reerem-e ao etao limite último a eção, om o aço ou o onreto, ou ambo, em ruína. Para a ituação levantaa, o valore e evem er etabeleio (ritério e projeto ou etenometria), poibilitano a eterminação a tenão no onreto (equação 1.6 o apítulo 1, σ 0,85 1 (1 ) ) e o oneqüente 0,00 valor e. Realta-e que a tenão no onreto erá menor que aequar a equação para eterminação a poição a linha neutra. 0,85, eveno-e O álulo a armaura e leão, para o omínio e 3, é realizao e orma imple, aotano o valor e obtio a equação o eguno grau, ou eja, az-e o equilíbrio o 7

9 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I momento obre o entro e graviae o retângulo e ompreão o onreto e ubtitui-e o valor o braço e alavana. R Z ( 0,4 ) ( 0,4 ) mitino-e que a eção eteja trabalhano no omínio ou 3, para um melhor aproveitamento a armaura, tem-e eoamento ( ). área e aço erá aa pela equação 3.1. y, reultano que a tenão na armaura é a e y ( 0,4 ) (3.1) y Determinaa a armaura e leão e a emai armaura, a viga poe er etalhaa. Uma ituação batante omum envolve o imenionamento e eçõe tranverai om a imenõe pré-etabeleia em projeto, ma epeiiamente a altura h e a largura b. Em alguma ituaçõe, o projetita etrutural tem liberae e eterminar a imenõe a eçõe, etabeleeno em que omínio a eção everá trabalhar. Eta e outra ituaçõe erão trataa a eguir. Eemplo 3.1 Coniere uma viga iotátia om arga itribuía e 17 kn/m e apoiaa em oi pilare quarao om 00 mm e lao aa. viga poui a eguinte araterítia: omprimento = mm, b 150 mm, h = 500 mm, obrimento inerior e 5 mm, trabalha em etao limite último, 5 Pa e aço C50 om patamar e eoamento. Calular a armaura longituinal e tração, k. a) ateriai Conreto: k 5 17, 86 1,4 Pa 73

10 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I ço: y 500 y 434, 78 1,15 Pa b) Cálulo o momento oliitante Vão e álulo ou teório = = mm 17 5,8 k 1,4 100 kn m N mm 8 ) Poição a linha neutra h mm 0,7 0,68 b 0 1 = 1.014,74 mm (valor maior que, eve er eartao) = 135,6 mm 0,68 0, ,88,07 y mm,3 0,59 0, ,14 10 mm,3 = 119,14 < = 135,6 < = 88,88 eção trabalha no omínio 3, om = 8,40 > y =,07. Ok! ) Cálulo a armaura mm ( mm ) ( 0,4 ) 434,78 (460 0,4 135,6) y e) Detalhamento a eção 74

11 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I igura abaio motra o etalhamento a eção tranveral a viga. O erro e 5,0 mm poiionao na zona omprimia auiliam a armação a viga e ão hamao e porta etribo, ontribuino na reitênia aquela região. O etribo oram poiionao a aa 15 m apena por omoiae. O imenionamento ao eorço ortante erá vito mai aiante, bem omo a emai regra para etalhamento a armaura (epaçamento entre barra, por eemplo). Eemplo 3. Coniere uma viga iotátia biapoiaa om arga onentraa e 80 kn apliaa no meio o vão e mm. viga poui a eguinte araterítia: b 150 mm, h = 500 mm, obrimento inerior e 5 mm, trabalha em etao limite último, 5 Pa e aço C50 om patamar e eoamento. Calular a armaura longituinal e tração,. k a) ateriai Conreto: ço: k 5 17, 86 1,4 y 500 y 434, 78 1,15 Pa Pa 75

12 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I b) Cálulo o momento oliitante Vão e álulo ou teório = mm 80 5,6 k 1,4 156,80 kn m N mm 4 ) Poição a linha neutra h mm 0,7 0,68 b 0 1 = 914,7 mm (valor maior que, eve er eartao) = 35,8 mm,3 0,59 0, ,14 10 mm 0,68 0, ,88,07 y mm,3 = 119,14 < = 35,8 < = 88,88 eção trabalha no omínio 3, om = 3,34 > y =,07. Ok! ) Cálulo a armaura mm ( mm ) ( 0,4 ) 434,78 (460 0,4 35,8) y e) Detalhamento a eção Como a bae a viga não omporta ino barra e 16 mm e iâmetro, poi o epaçamento entre a mema erão menore que o permitio por norma, a armaura terá que er 76

13 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I itribuía em ua amaa. Nete ao, o valor e erá um pouo menor, e a viga everá er realulaa para o valor orreto e. Para ua amaa e armaura, a altura útil poe er eterminaa om o auilio a igura 3.5 e a equaçõe 3. e 3.3. Figura 3.5 Centro e graviae e armaura em mai e uma amaa y y 1 1 (3.) 1 y h y (3.3) otano o epaçamento entre a amaa e 0 mm e etribo e 5,0 mm, para o eemplo ao, o valor e erá: y 5,4 mm h y 500 5,4 447,6 460 mm Reultano na eguinte área e aço: mm ( mm ) ( 0,4 ) 434,78(447,6 0,4 39,90) y 77

14 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I eção aina trabalha no omínio 3, om = 3,14 > y =,07. Ok! im, poe-e obervar que, para ete ao epeíio, a orreção e não moiiou a área e armaura aotaa. Cao oe neeário alterar a área e aço, reomena-e moiiar o iâmetro a barra uperiore, não eno neeário orrigir novamente a altura útil. Eemplo 3.3 Coniere uma viga em balanço om arga itribuía e 9 kn/m. viga poui a eguinte araterítia: vão = mm, b 10 mm, h = 350 mm, obrimento inerior e 5 mm, trabalha em etao limite último, 40 Pa e aço C60 om patamar e eoamento. Calular a armaura longituinal e tração, k. a) ateriai Conreto: ço: k 40 8, 57 1,4 y 600 y 51, 74 1,15 Pa Pa b) Cálulo o momento oliitante 78

15 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Vão e álulo ou teório = mm 9 3 k 1,4 56,7 kn m N mm ) Poição a linha neutra h mm 0,7 0,68 b 0 1 = 686,43 mm (valor maior que, eve er eartao) = 88,57 mm 0,585 0, ,31,48 y mm,3 0,59 0, ,9 10 mm,3 = 80,9 < = 88,57 < = 181,31 eção trabalha no omínio 3, om = 8,75 > y =,48. Ok! ) Cálulo a armaura mm ( mm ) ( 0,4 ) 51,74 (310 0,4 88,57) y Eemplo 3.4 Coniere o eemplo anterior, ma utilizano aço C50 em patamar e eoamento. Calular a armaura longituinal e tração,. a) ateriai 79

16 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Conreto: ço: k 40 8, 57 1,4 y 500 y 434, 78 1,15 Pa Pa b) Cálulo o momento oliitante Vão e álulo ou teório = mm 9 3 k 1,4 56,7 kn m N mm ) Poição a linha neutra h mm 0,7 0,68 b 0 1 = 686,43 mm (valor maior que, eve er eartao) = 88,57 mm 0,46 0, , 4,07 y mm,3 0,59 0, ,9 10 mm,3 = 80,9 < = 88,57 < = 143, eção trabalha no omínio 3, om = 8,75 > y = 4,07. Ok! ) Cálulo a armaura mm ( 4 1,5 491 mm ) ( 0,4 ) 434,78 (310 0,4 88,57) y 80

17 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Para ua amaa eve-e orrigir, que reulta em mm ( 4 1,5 491 mm ) ( 0,4 ) 434,78(97,5 0,4 93,50) y Como a ierença é muito pequena, mantém-e a área e 491 mm. De moo geral, eta ierença erá empre pequena e eprezível ae ao oeiiente e majoração e minoração empregao. Entretanto, para mai amaa e armaura, eta orreção eve er realizaa. Eemplo 3.5 ina utilizano o eemplo anterior, ma agora om aço C60 em patamar e eoamento. ço: y 600 y 51, 74 1,15 Pa 0,7 = = 88,57 mm 0,68 b 0 0,438 0, ,78 4,48 y mm,3 0,59 0, ,9 10 mm,3 = 80,9 < = 88,57 < = 135,78 eção trabalha no omínio 3, om = 8,75 > y = 4,48. Ok! mm ( mm ) ( 0,4 ) 51,74 (310 0,4 88,57) y O aumento a reitênia o aço reuziu em aproimaamente 0% o onumo e aço. 81

18 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Do eemplo motrao, empre que a eormação o onreto or amitia (poe er menor, ma ubutiliza o onreto), para que a eção trabalhe no omínio, a eormação a armaura erá empre 10, que é a máima eormação permitia. Para a eção entrar no omínio 3, uma alternativa é reuzir a altura a viga. norma braileira NBR 7480 (1996) etabelee que too aço em barra, ao o C5 e C50, eve apreentar patamar e eoamento (laminação a quente), e o io ( 10 mm), ao o C60, em ete patamar (treilação). Com bae neta reomenaçõe, a NBR 6118 (003) permite que o aço C60 em patamar e eoamento eja tratao e orma emelhante ao aço om patamar, iano a eormaçõe para o aço C50 igual a,07 e para o aço C60 igual a,48. Eta reomenação permite ao aço em patamar orneçer maiore valore teório para 3, 4 e, oneqüentemente, maiore momento reitente om menore área e aço, poi a tenão e eoamento o aço C60 oi mantia. Foi também eliminaa a utilização o aço C40 em etrutura e onreto armao. C50 om patamar: 0,,07 68 ; y C50 em patamar (não permitio): réimo em 3, 4 = 36%. 0, 4,07 46 ; y C60 om patamar (não permitio): 0,, ; y C60 em patamar: 0, 4, ; y réimo em 3, 4 = 34%. O eemplo om aço em patamar e eoamento objetivaram inormar ao leitor o omportamento reai o aço, e veriiao em laboratório. Eta imulaçõe ão vália para veriiaçõe e eçõe eeutaa one poem eitir barra e aço om omportamento não previto em norma. Entretanto, a partir e agora, para impliiar o álulo, a eormaçõe e eoamento o aço C50 e C60 erão onieraa,07 e,48, repetivamente. 8

19 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I 3..4 Cálulo o máimo momento reitente a eção ( eonheia) nteriormente, onheia-e e eterminava-e. Nete item erá analiaa uma ituação one e onheem a imenõe a eção ( b e ), o tipo e aço ( y e y ) e a reitênia araterítia o onreto ( k ), e eeja-e eterminar em qual omínio e onegue o maior momento araterítio que a eção onegue reitir. De aoro om o que já oi etuao até aqui, para a reitênia última o onreto igual a 0,85, valore menore que, 3 onuzirão a valore e 10, o que não é permitio (eormaçõe eeiva). Para valore menore que 0,85, a eção não utiliza toa a reitênia o onreto e a tenão e álulo ontinua eno y, ou eja, no omínio não e tem o máimo aproveitamento a eção. Para ma y, o momento reitente poe er máimo,, e o aço não é bem utilizao, onuzino a valore elevao e, além e e ter viga uperarmaa, o que eria ineejável. im, o máimo momento reitente e uma eção, om a otimização o materiai, é obtio no limite o omínio 3 e 4, ou eja, om. Para o aço C50: Para o aço C60: 0,,07 68 y 0,, y Subtituino ete valore, a equaçõe para o momento limite, e máimo, erão: Para o aço C50: Para o aço C60: ( 0,7 0,68 ) b 0, 3 ( 0,7 0,68 ) b 0, 30 b b E a ierença entre o momento reitente máimo entre o omínio 3 e 4 torna-e inigniiante, ma a área e aço alulaa om o aço C60 erá em torno e 17% menor, evio à tenão e eoamento er maior que a o aço C50. 83

20 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Eemplo 3.6 Coniere a eção tranveral e uma viga om b 10 mm e = 180 mm. Determinar o momento reitente máimo araterítio a eção e a área e aço mai eonômia para ete momento. Coniere 0 Pa e aço C50. k Para o aço C50: 3 ( 0,7 0,68 ) b 0, 3 b,4 Lembrano que k, 1,4 0, , N.mm = 18 kn.m O momento araterítio máimo que poerá er apliao na viga erá: k k 18 1,4 13 kn.m E a área e aço neeária para gerar a outra omponente o binário que equilibrará a eção erá: y ( 0,4 3, 4 ) 0,68 0, mm mm = 3 m 0,4 ) 435 (180 0,4 113) y ( 3, 4 O que reulta em aproimaamente 4 10, 0 em ua amaa ou 16, 0 em uma amaa. 84

21 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I 3..5 Cálulo o máimo momento reitente a eção ( onheia) Eta é uma ituação batante onheia na prátia. araterítia meânia e geométria a eção ão inteiramente onheia, e eeja-e eterminar a apaiae reitente a eção. Deve-e obervar que na ituação anterior a armaura era eterminaa para o limite entre o omínio 3 e 4 ( 3, 4 ). gora, a armaura é aa, e a linha neutra não poe mai er onieraa no limite entre o omínio 3 e 4 ( 3, 4 ), eveno er eterminaa. O problema é e áil olução, batano veriiar e a eção não etá no omínio 4, ou eja, a armaura eve apreentar y, iano implíito que y. Lembrano que a reultante e ompreão é R 0, 68 b e a reultante e tração no aço é R, e que a eção eve etar em equilíbrio, ou eja, R R, a linha neutra y é eterminaa pela equação 3.4. R R 0,68 b y y (3.4) 0, 68 b E o momento reitente poe er eterminao azeno-e o omatório o momento no ponto e apliação a reultante na zona omprimia e onreto. R z ( 0,4 ) (3.5) y Cao a eção eteja trabalhano no omínio 4 ( 3, 4 ), y e y, eveno er eterminao o valor a tenão que atua na armaura, não mai igual à e eoamento. Para e eterminar ete valor, emprega-e a Lei e Hooke e o oeiiente e minoração o aço. lgun autore hamam ete proeimento e orrigir o valor e. 85

22 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I E 1,15 Por emelhança e triângulo no iagrama e eormaçõe, Logo, E 0,0035 1,15 Subtituino novamente na equação e equilíbrio a orça reultante que atuam na eção, a prouniae a linha neutra poe er eterminaa pela equação o eguno grau 3.6. R R 0,68 b 0,68 b E 0,0035 1,15 0,78 b 0,0035 E 0,0035 E 0 (3.6) Obtio o valor a prouniae a linha neutra, o momento reitente é ailmente eterminao pela equação 3.7. ( 0,4 ) (3.7) Deve-e realtar que eta ituação, a eção atuano no omínio 4, eve er empre evitaa. Para io, bata aumentar a altura útil a eção, quano o projeto permitir, ou aiionar armaura na zona e ompreão (armaura upla), ituação a er analiaa aiante. 86

23 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Eemplo 3.7 Calular o momento reitente araterítio e uma viga om imenõe b 10 mm e 180 mm, para a eguinte ituaçõe: 0 Pa, aço C50, 190 mm e 390 mm. k Situação 1: 190 mm a) Poição a linha neutra y ,9 mm 0,68b 0, ,3 0,68 0, ,1 mm,07 y,3 0,59 0, ,7 10 mm,3 = 46,7 < = 70,9 < = 113,1 eção trabalha no omínio 3, om = 5,4 > y =,07. Ok! b) omento reitente araterítio y ( 0,4 ) (180 0,4 70,9) N.mm 1,5 kn.m k 1,5 8,9 1,4 kn.m Situação : 390 mm a) Poição a linha neutra y ,5 mm 0,68 b 0, ,3 87

24 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I 0,68 0, ,1 mm,07 y,3 0,59 0, ,7 10 mm = 145,5 > = 113,1 eção trabalha no omínio 4, om = 0,83 < y =,07. Corrigir! b) Correção e 0,78 b 0,0035 E 0,0035 E 0 0, ,3 0, , , , ,9 Deprezano o valor negativo, 116, 5 mm e = 1,91. ) Cálulo e E , ,0035 0, ,3 Pa 1,15 116,5 1,15 ) omento reitente araterítio ( 0,4 ) ,3 (180 0,4 116,5) N.mm 18,1 kn.m k 18,1 1,9 1,4 kn.m Lembrano que o omínio 4 eve er evitao. 88

25 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I 3..6 Cálulo a altura mínima e uma eção om armaura imple No item anterior o leitor perebeu que o máimo momento que uma eção poe reitir, om o máimo aproveitamento a apaiae reitente o materiai, oorre no limite entre o omínio 3 e 4, eiano eviente que a altura útil ( mín ) mai eonômia neeária para reitir a um momento qualquer erá unção a prouniae a linha neutra no limite o omínio 3 e 4 ( 3, 4 ). Ete momento qualquer ( ) everá e menor ou igual ao momento reitente máimo eta eção ( 3, 4 ), ou eja, 3, 4. O álulo a altura mínima permite ao projetita etrutural etabeleer área e aço eonômia, ompatívei ou balaneaa (em equilíbrio) om a zona omprimia. Tomano-e a epreão generalizaa para o momento reitente máimo, tem-e: a) Poição a linha neutra Para o aço C50: 0,,07 68 y Para o aço C60: 0,, y b) omento reitente Para o aço C50: Para o aço C60: 3 ( 0,7 0,68 ) b 0, 3 b,4,4 3 ( 0,7 0,68 ) b 0, 30 b ) ltura mínima a eção ( mín ) Para o aço C50: mín 0,3 b Para o aço C60: mín 0,30 b 89

26 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Poeno-e uar um valor méio para ambo o aço igual a mín 1,80, om b meno e % e aréimo e reução em mín para o aço C50 e C60, repetivamente. Oberva-e que mín é um valor io e erve e parâmetro para e etabeleer a apaiae reitente a eção. Eta einição também leva à eguinte onluão: Se min, eção no omínio ou 3 = eção ubarmaa; y Se min, eção no omínio 4 = eção uperarmaa; y Se min, eção no limite o omínio 3 e 4 = eção normalmente y armaa. igura 3.6 motra o omportamento a eção tranveral em unção a variação a altura útil a viga. Figura 3.6 Deormação na armaura em unção a altura útil Eemplo 3.8 Calular a altura útil mínima e a área e armaura longituinal para uma viga om a eguinte araterítia a eção tranveral: b 10 mm, 0 Pa, aço C50 e 18 knm. k 90

27 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I a) ateriai Conreto: ço: k 0 14, 3 1,4 y 500 y 435 Pa 1,15 Pa b) ltura mínima mín 1,80 1, b 10 14,3 mm ) Cálulo a armaura longituinal 0,68 0, mm,07 y y ( 0,4 ) y ( min 0, mm ) 435 (184 0,4 116) 3 m Que é igual ao valor enontrao no eemplo 3.6. Deve-e realtar que a eormação o aço oi aotaa y,07 para e eterminar 3, 4. Cao a altura útil, por razõe e projeto, paae a er 300 mm, a área e aço paaria a er apena 150 mm, ma a eormação na armaura paaria a er e 15,4. Ete valor etaria aima o reomenao para e evitar eormaçõe eeiva, 10. Nete ao, poeria-e aumentar a área e aço para e evitar eormaçõe eeiva ( 10 ). Com o aço C60 a armaura paaria e 150 mm para 170 mm, reultano em um aréimo e 13% e 35% e armaura e reitênia na eção, repetivamente. ituação aima poe e reerir, por eemplo, a preença e equaria logo abaio a viga, om o projeto arquitetônio etabeleeno a altura a eção em aumentar o momento oliitante. O alulita eve etar preparao para oluionar eta e outra ituaçõe em oloar em rio a integriae a peça, evitano a iuração preoe. 91

28 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Eemplo 3.9 Calular a altura útil mínima e a área e armaura longituinal para uma viga om a eguinte araterítia a eção tranveral: b 10 mm, 35 Pa, aço C50 e 18 knm. k a) ateriai Conreto: k ,4 Pa b) ltura mínima mín 1,80 1, b 10 5 mm ) Cálulo a armaura longituinal 0,68 0,68140,07 y 88 mm y ( 0,4 ) y ( min 0, mm ) 435 (140 0,4 88) 4 m Eemplo 3.10 Coniere um momento oliitante e álulo 10 knm atuano obre uma viga biapoiaa. eção tranveral a viga poui a eguinte araterítia: b 150 mm, = 560 mm, k 30 Pa e aço C50. Calular a armaura longituinal e tração,. a) ateriai Conreto: ço: k 30 1, 4 1,4 y 500 y 434, 8 1,15 Pa Pa 9

29 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I b) omento oliitante N mm ) Poição a linha neutra 0,7 0,68 b 0 1 = 1.94 mm (valor maior que, eve er eartao) = 106 mm 0,68 0, ,07 y mm,3 0,59 0, mm = 106 mm <,3 = 145 mm eção trabalha no omínio, om = 15 > viga apreentará eormaçõe eeiva na armaura longituinal, o que poe gerar iuração preoe. Deve-e aumentar a área e aço ou reuzir a altura a viga. Na maioria o ao é reomenável aumentar a área e aço, poi a altura a viga poe ter io etabeleia em projeto, em poibiliae e reução. ) Cálulo a armaura menor área e aço, para que a eormação máima permitia eja e 10, é obtia tomano-e a linha neutra no limite o omínio e 3, ou eja,,3 0,59 0, mm 10 93

30 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Como a armaura erá moiiaa, o momento reitente também muará, e paará a er maior que o oliitante. nova área e aço é obtia atravé o equilíbrio a reultante e tração e ompreão que atuam na eção, poi o novo momento reitente aina é ineterminao. 0,85 0,80 0,68 b b, 3 0,68 1, mm 434,8 y Que reulta em 6 1,5 736 mm ou mm. y e) Cálulo o momento reitente R 159 kn m z y 0,4 ) ( 0,4 ( y, 3 ) ,8 (560 0,4 145) Ete momento reitente é aproimaamente 3% maior que o momento oliitante, o que torna a eção antieonômia, ma paou a atener à reomenaçõe normativa quanto à eormação eeiva. Eemplo 3.11 Calular a armaura longituinal e tração e uma viga para reitir a um momento e álulo e 80 knm. Coniere b 150 mm, 30 Pa e aço C50. k altura mai eonômia é obtia om 0,,07 68, y que reulta em mín 1,80 1,80, logo: b b mín 1,80 1,80 84 b 150 1,4 0,68 mín 0, mm mm y ( 0,4 ) mm y ( min 0, mm ) 435 (84 0,4 178) Lembrano que para ub armar a eção, em perer reitênia, bata etabeleer mín. 94

31 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I 3.3 FÓRULS DIENSIONIS E TBEL PR DIENSIONENTO DE SEÇÕES RETNGULRES pó a ae e iuão e análie o omportamento a eçõe retangulare o leitor eve etar amiliarizao om a órmula empregaa no imenionamento e veriiação a mema. im, torna-e onveniente e prátia a apliação e órmula aimenionai e tabela e imenionamento poi, além e agilizarem o álulo, ailitam o emprego a mai ivera uniae. Na orma aimenional a equaçõe iam: a) Equação para Diviino ambo o termo a equação para por b, tem-e: b ( 0,7 0,68 ) b 0,68 0, 7 b (3.8) Chamano b Km e K, a equação 3.8 poe er reerita omo egue. Km 0,68 K 0,7 K (3.9) Veriia-e que a equação 3.9 apreenta omente termo aimenionai, e que K ó poe variar e 0 a 1 ( = 0 e = ), ou eja, = 0 (iníio o omínio ) K 0 Km 0 ; = (inal o omínio 4) K 1 Km 0, 408. b) Equação para o braço e alavana z Diviino o termo por, tem-e: z 0,4 1 0, 4 95

32 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Chamano z Kz e lembrano que K, tem-e a equação Kz 1 0, 4 K (3.10) ) Equação para o álulo a armaura longituinal armaura poe er eterminaa onvenionalmente pela epreão lembrano que z Kz, tem-e:. a, z Kz (3.11) ) Equação para a eormaçõe K (3.1) Com too o aimenionai einio, poe-e oneionar tabela para imenionamento a eçõe retangulare. tabela 3.1 oi montaa etabeleeno-e valore válio para Km e eterminao-e K. Em eguia, etabeleeu-e valore para a eormaçõe o aço e o onreto à ompreão, om iníio no omínio e término no omínio 4. Foram iniialmente lançaa a eormaçõe o onreto para, em eguia, eterminar a eormaçõe o aço, om o emprego e K. Deve-e realtar que na tabela apareem etaaa a eormaçõe e eoamento e álulo para o aço C50 e C60, eno que para valore abaio ete tem-e o omínio 4. 96

33 UFP/FEC - Etrutura e Conreto rmao I Tabela 3.1 Valore para imenionamento e eçõe retangulare Km K Kz ( ) ( ) 0,010 0,0148 0,9941 0,150 10,0000 0,00 0,098 0,9881 0, ,0000 0,030 0,0449 0,980 0, ,0000 0,040 0,0603 0,9759 0, ,0000 0,050 0,0758 0,9697 0,805 10,0000 0,055 0,0837 0,9665 0, ,0000 0,060 0,0916 0,9634 1, ,0000 0,065 0,0996 0,960 1, ,0000 0,070 0,1076 0,9570 1,054 10,0000 0,075 0,1156 0,9537 1, ,0000 0,080 0,138 0,9505 1,416 10,0000 0,085 0,130 0,947 1,503 10,0000 0,090 0,140 0,9439 1, ,0000 0,095 0,1485 0,9406 1, ,0000 0,100 0,1569 0,937 1, ,0000 0,105 0,1653 0,9339 1, ,0000 0,110 0,1739 0,9305, ,0000 0,115 0,184 0,970,314 10,0000 0,10 0,1911 0,936,361 10,0000 0,15 0,1998 0,901, ,0000 0,130 0,086 0,9166, ,0000 0,135 0,174 0,9130, ,0000 0,140 0,64 0,9094,963 10,0000 0,145 0,354 0,9058 3, ,0000 0,150 0,445 0,90 3,363 10,0000 0,155 0,537 0,8985 3, ,0000 0,160 0,630 0,8948 3,5000 9,8104 0,165 0,73 0,8911 3,5000 9,3531 0,170 0,818 0,8873 3,5000 8,9 0,175 0,913 0,8835 3,5000 8,5154 0,180 0,3009 0,8796 3,5000 8,1306 0,185 0,3107 0,8757 3,5000 7,766 0,190 0,305 0,8718 3,5000 7,404 0,195 0,3304 0,8678 3,5000 7,0919 0,00 0,3405 0,8638 3,5000 6,7793 0,05 0,3507 0,8597 3,5000 6,4814 0,10 0,3609 0,8556 3,5000 6,1971 0,15 0,3713 0,8515 3,5000 5,955 0,0 0,3819 0,8473 3,5000 5,6658 0,5 0,395 0,8430 3,5000 5,4170 0,30 0,4033 0,8387 3,5000 5,1785 0,35 0,414 0,8343 3,5000 4,9496 0,40 0,453 0,899 3,5000 4,797 0,45 0,4365 0,854 3,5000 4,5181 0,50 0,4479 0,808 3,5000 4,3144 0,55 0,4594 0,816 3,5000 4,1181 0,60 0,4711 0,8115 3,5000 3,987 0,65 0,4830 0,8068 3,5000 3,7459 0,70 0,4951 0,800 3,5000 3,5691 Domínio Domínio 3 Km K Kz ( ) ( ) 0,75 0,5074 0,7970 3,5000 3,3981 0,80 0,5199 0,791 3,5000 3,34 0,85 0,536 0,7870 3,5000 3,0719 0,90 0,5455 0,7818 3,5000,916 0,95 0,5587 0,7765 3,5000,7649 0,300 0,571 0,771 3,5000,6179 0,305 0,5858 0,7657 3,5000,4748 0,310 0,5998 0,7601 3,5000,3355 0,315 0,6141 0,7544 3,5000,1997 0,30 0,687 0,7485 3,5000,067 0,35 0,6437 0,745 3,5000 1,9376 0,330 0,6590 0,7364 3,5000 1,8110 0,335 0,6748 0,7301 3,5000 1,6869 0,340 0,6910 0,736 3,5000 1,565 0,345 0,7077 0,7169 3,5000 1,4458 0,350 0,749 0,7100 3,5000 1,383 0,355 0,747 0,709 3,5000 1,15 0,360 0,761 0,6955 3,5000 1,0983 0,365 0,7803 0,6879 3,5000 0,9853 0,370 0,8003 0,6799 3,5000 0,873 0,375 0,813 0,6715 3,5000 0,7618 0,380 0,8433 0,667 3,5000 0,6506 C60 Domínio 3 C50 Domínio 4 O limite para o omínio 3 e 4 ão aproimao e apliam-e apena ao aço C50 e C60 om patamar e eoamento. Para melhor eini-lo, o leitor everá reinar a tabela. 97

RESUMO 01: SEÇÃO RETANGULAR ARMADURA SIMPLES E DUPLA

RESUMO 01: SEÇÃO RETANGULAR ARMADURA SIMPLES E DUPLA 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 8 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 01: SEÇÃO RETNGULR RDUR SIPLES E DUPL TERIIS - ço y y 1,15 C 50 y 5000 g / m y 4348 g / m σ y tração Diagrama

Leia mais

Nas vigas de concreto armado, os momentos fletores e as forças cortantes são responsáveis pela existência de dois tipos de armadura (Figura 5.

Nas vigas de concreto armado, os momentos fletores e as forças cortantes são responsáveis pela existência de dois tipos de armadura (Figura 5. 5 FLEXÃO SIPLES RDUR LONGITUDINL DE VIG 5.1 INTRODUÇÃO Uma viga reta, ee que não poua arregamento horizontai ou inlinao, erá oliitaa por momento letore e orça ortante, omo motrao na Figura 5.1. Figura

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FLEXÃO SIMPLES P U C S PONTIFÍCIA UNIVESIDADE CATÓLICA DO IO GANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHAIA CUSO DE ENGENHAIA CIVIL CONCETO AADO II FLEXÃO SIPLES Prof. Almir Shäffer POTO ALEGE AÇO DE 006 1 FLEXÃO SIPLES 1- Generaliae

Leia mais

5FLEXÃO SIMPLES ARMADURA LONGITUDINAL DE VIGA

5FLEXÃO SIMPLES ARMADURA LONGITUDINAL DE VIGA 5 5FLEXÃO SIPLES RDUR LONGITUDINL DE VIG 5.1 Introução Uma viga reta, ee que não poua arregamento horizontai ou inlinao, erá oliitaa por momento letore e orça ortante, omo motrao na Figura 5.1. orça ortante

Leia mais

BASES PARA O CÁLCULO

BASES PARA O CÁLCULO ESTÁDIOS BSES PR O CÁLCULO pliação e uma orça: 0 até a ruptura a peça ESTÁDIO 1 Iníio o arregamento; Tenõe atuante menore que a reitênia à tração o onreto; Diagrama linear e tenõe Vale Lei e Hooke; Momento

Leia mais

Calcular os pilares, a viga intermediária e a viga baldrame do muro de arrimo misto indicado na figura 40. Dados:

Calcular os pilares, a viga intermediária e a viga baldrame do muro de arrimo misto indicado na figura 40. Dados: 8.. uro e arrimo mito Calcular o pilare, a viga intermeiária e a viga balrame o muro e arrimo mito inicao na figura 4. Dao: Peo epecífico aparente o olo: 3 γ 18 kn/m ; Angulo e atrito natural o olo: j

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDDE ESTDUL PULIST UNESP - Campu e Bauru/SP FCULDDE DE ENGENHRI Departamento e Engenharia Civil Diciplina: 117 - ESTRUTURS DE CONCRETO I NOTS DE UL FLEXÃO NORL SIPLES - VIGS Prof. Dr. PULO SÉRGIO

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO AO ESFORÇO CORTANTE

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO AO ESFORÇO CORTANTE 1309 Etrutura de Conreto II Dimenionamento de iga de Conreto rmado ao Eforço Cortante 1 DIMENSIONMENTO DE IGS DE CONCRETO RMDO O ESFORÇO CORTNTE 1. INTRODUÇÃO Uma viga de onreto armado reite a arregamento

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE P U C R S PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI CURSO DE ENGENHRI CIIL CONCRETO RMDO II FORÇ CORTNTE Pro. lmir Schäer PORTO LEGRE MRÇO DE 006 1 FORÇ CORTNTE 1- Notaçõe principai

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO À FORÇA CORTANTE

DIMENSIONAMENTO DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO À FORÇA CORTANTE UNIERSIDDE ESTDUL PULIST UNESP - Campu de Bauru/SP FCULDDE DE ENGENHRI Departamento de Engenharia Civil Diiplina: 2323 - ESTRUTURS DE CONCRETO II NOTS DE UL DIMENSIONMENTO DE IGS DE CONCRETO RMDO À FORÇ

Leia mais

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último

Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Civil Departamento de Estruturas. Solicitações normais Cálculo no estado limite último Univeridade Etadal de Campina Faldade de Engenaria Civil Departamento de Etrtra Soliitaçõe normai Cállo no etado limite último Nota de ala da diiplina AU414 - Etrtra IV Conreto armado Prof. M. Liz Carlo

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

flexão pura armadura dupla

flexão pura armadura dupla conteúo 28 flexão pura armaura upla 28.1 Domínio 4 A análise o iagrama e tensão o aço a figura 28.1, fs fy εy 10%o εs om.4 om.3 om.2 Figura 28.1 Diagrama e tensão o aço resulta que no omínio 4 a eformação

Leia mais

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES

RESUMO 02: SEÇÃO TÊ FALSA E VERDADEIRA ARMADURA SIMPLES 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 5 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 0: SEÇÃO TÊ FLS E VERDDEIR RDUR SIPLES ES COLBORNTE ação conjunta e lajes e vigas poe ser consieraa meiante

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais Laboratório e Sitema e Sinai Equaçõe Diferenciai Luí Cala e Oliveira Abril 2009 O objectivo ete trabalho e laboratório é o e realizar experiência com moelo e itema em tempo contínuo ecrito por equaçõe

Leia mais

SOLICITAÇÕES NORMAIS CÁLCULO NO ESTADO LIMITE ÚLTIMO

SOLICITAÇÕES NORMAIS CÁLCULO NO ESTADO LIMITE ÚLTIMO UIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPIAS FACULDADE DE EGEHARIA CIVIL Departamento e Etrtra EC 70 COCRETO ARMADO I SOLICITAÇÕES ORMAIS CÁLCULO O ESTADO LIMITE ÚLTIMO PROF. DR. GILSO B. FERADES P GR 70 501- R VERSÃO

Leia mais

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente:

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente: Demontração de que a linha neutra paa pelo centro de gravidade Foi mencionado anteriormente que, no cao da flexão imple (em eforço normal), a linha neutra (linha com valore nulo de tenõe normai σ x ) paa

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

31.1 Treliça de Mörsch

31.1 Treliça de Mörsch Univeridade Católica de Goiá - Departamento de Engenharia Etrutura de Concreto Armado I - Nota de Aula conteúdo 31 cialhamento 31.1 Treliça de Mörch O comportamento de peça fletida (fiurada) de concreto

Leia mais

Técnicas Econométricas para Avaliação de Impacto. Problemas de Contaminação na Validação Interna

Técnicas Econométricas para Avaliação de Impacto. Problemas de Contaminação na Validação Interna Técnica Econométrica para Avaliação e Impacto Problema e Contaminação na Valiação Interna Rafael Perez Riba Centro Internacional e Pobreza Braília, 18 e junho e 28 Introução Valiação Interna é quano um

Leia mais

2 Revisão Bibliográfica

2 Revisão Bibliográfica Revião Bibliográia.1. Introdução A eiiênia do itema de reorço om omóito de ibra de arbono e o etabeleimento de ritério de dimenionamento requerem uma maior omreenão do meanimo de aderênia que envolvem

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

5 Modelagem da máquina síncrona e seus controles associados

5 Modelagem da máquina síncrona e seus controles associados 5 Moelagem a máuina íncrona e eu controle aociao 5.1 Introução O geraore em conjunto com eu controle aociao e contituem no euipamento mai importante e mai complexo preente no itema e potência. Geram toa

Leia mais

2 Dimensionamento de Vigas de Edifícios de Concreto Armado

2 Dimensionamento de Vigas de Edifícios de Concreto Armado Dimenionamento e Viga e Eiíio e Coneto mao. Intoução Nete apítulo ão apeentao o métoo e a otina utilizao paa o imenionamento e iga e eiíio e oneto amao eguino a peiçõe a noa noma baileia BNT NB 68, 3 [3].

Leia mais

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO IN 1984-818 Reolução da Equaçõe de Conervação da Maa, Eneria e Momento em Termo de Preão, Título Máico e Fração de Vazio para um Tubo Evaporador Utilizando o Modelo de Drit Flux Luí Henrique Gazeta de

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

No campo da eletrcidade podemos sintetizar 03 elementos fundamentais passivos e são eles: resisores, capacitores e indutores.

No campo da eletrcidade podemos sintetizar 03 elementos fundamentais passivos e são eles: resisores, capacitores e indutores. SIMULAÇÃO MODELAGEM DE SISTEMAS POR LAPLACE Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 A modelagem matemática de um itema é empre uma tarea muito complexa para o engenheiro

Leia mais

consumidores por hora. Uma média de três clientes por hora chegam solicitando serviço. A capacidade

consumidores por hora. Uma média de três clientes por hora chegam solicitando serviço. A capacidade D i i l i n a : P e u i a O e r a i o n a l C u r o : E e i a l i z a ç ã o e m M é t o d o Q u a n t i t a t i v o : E t a t í t i a e M a t e m á t i a A l i a d a i t a d o i d e e x e r í i o o b r

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

1. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PARA A CONCEPÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA SENSIBILIDADE ESTRUTURAL

1. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PARA A CONCEPÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA SENSIBILIDADE ESTRUTURAL UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE CONCRETO ARMADO I CAR I 2º emetre de 2011 Proa. Sandra Denie Kruger Alve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO REFORÇADAS COM LÂMINAS DE CFRP TENSIONADAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO REFORÇADAS COM LÂMINAS DE CFRP TENSIONADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ - UFPR AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ESTRUTURAL DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO REFORÇADAS COM LÂMINAS DE CFRP TENSIONADAS CURITIBA 2003 CELCIO JOSÉ ESCOBAR AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul)

Figura 3.1 - Curva granulométrica por peneiramento e sedimentação de uma amostra de solo residual (Minas de calcáreo Caçapava do Sul) Nota de Aula - Mecânica do Solo 23 UNIDADE 3 GRANULOMETRIA DOS SOLOS 3.1 Introdução Todo o olo, em ua fae ólida, contêm partícula de diferente tamanho em proporçõe a mai variada. A determinação do tamanho

Leia mais

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2 Reitência do Materiai SUMÁRIO 1. TESÕES DE CISLHMETO... 1 1.1 DIMESIOMETO... 1. EXEMPLOS... Cialhamento 0 Prof. Joé Carlo Morilla Reitência do Materiai 1. Tenõe de Cialhamento Quando dua força cortante

Leia mais

ESTRUTURAS DE MADEIRA

ESTRUTURAS DE MADEIRA UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA - UNISUL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: ESTRUTURAS DE MADEIRA PROFESSOR: ROBERTO MOTTA BEZ ACADÊMICOS: ESTRUTURAS DE MADEIRA Palhoça, 014. DEFINIÇÕES E PRÉ-REQUISITOS

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

SISTEMA FOTOVOLTAICO COM CONDICIONAMENTO ATIVO DE POTÊNCIA EM SISTEMAS TRIFÁSICOS A QUATRO FIOS

SISTEMA FOTOVOLTAICO COM CONDICIONAMENTO ATIVO DE POTÊNCIA EM SISTEMAS TRIFÁSICOS A QUATRO FIOS Anai o XX Congreo Braileiro e Automát Belo Horizonte MG 2 a 24 e Setembro e 214 SISTEMA FOTOVOLTAICO COM CONDICIONAMENTO ATIVO DE POTÊNCIA EM SISTEMAS TRIFÁSICOS A QUATRO FIOS LEONARDO B. G. CAMPANHOL

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Introdução a Robótica

Introdução a Robótica Introdução a Robótia Índie Analítio Introdução.... Robô Indutriai.... O Etado da Arte.... Apliaçõe e Benefíio.... Fundamento da Tenologia em Robótia...8. Braço Meânio...8 Tipo de Junta...8 Grau de Liberdade...9

Leia mais

UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE CONCRETO ARMADO I CAR1001 º emetre de 014 Verão baeada na NBR 6118/014

Leia mais

Resolução Física. Atividades 2. FM.09 1. e Após abandonar a mão do jogador, a bola só sofre a ação exclusiva da força peso. FM.10 1.

Resolução Física. Atividades 2. FM.09 1. e Após abandonar a mão do jogador, a bola só sofre a ação exclusiva da força peso. FM.10 1. eolução Fíica FM.09. e pó abandonar a mão do jogador, a bola ó ofre a ação excluia da força peo.. c Como a força formam 90 entre i e têm o memo módulo (), temo: F Como ele dece em MU, a força reultante

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

José Milton de Araújo Escola de Engenharia - FURG - Rio Grande, RS

José Milton de Araújo Escola de Engenharia - FURG - Rio Grande, RS Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.1-13, Otbro, 2009 Dimenionamento à flexão imple e eçõe tranverai e concreto armao com ênfae na ctiliae Deign of reinforce concrete cro ection bject to flexre

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE REFORÇO À FLEXÃO E AO CORTE COM FRP SEGUNDO AS RECOMENDAÇÕES DO ACI 440 Joaquim Barros Report 04-DEC/E-12

DIMENSIONAMENTO DE REFORÇO À FLEXÃO E AO CORTE COM FRP SEGUNDO AS RECOMENDAÇÕES DO ACI 440 Joaquim Barros Report 04-DEC/E-12 DIMENSIONAMENTO DE REFORÇO À FLEXÃO E AO CORTE COM FRP SEGUNDO AS RECOMENDAÇÕES DO ACI 440 Joaquim Barro Report 04-DEC/E-1 O autor agradece a bola SFRH/BSAB/91/00-POCTI concedida pela FCT e FSE no âmbito

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

CAPÍTULO 5: CISALHAMENTO

CAPÍTULO 5: CISALHAMENTO Curo de Engenaria Civil Univeridade Eadual de Maringá Cenro de Tecnologia Deparameno de Engenaria Civil CAPÍTULO 5: CSALHAMENTO 5. Tenõe de Cialameno em iga o Flexão Hipóee Báica: a) A enõe de cialameno

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS MATEMÁTICOS APLICADOS NA MEDIÇÃO DA TEMPERATURA DE PONTO DE ORVALHO EM CONDIÇÕES DE REFERÊNCIA

ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS MATEMÁTICOS APLICADOS NA MEDIÇÃO DA TEMPERATURA DE PONTO DE ORVALHO EM CONDIÇÕES DE REFERÊNCIA M E T R O L O G I A E I N O V A Ç Ã O ª C O N F E R Ê N C I A N A C I O N A L - 4 O U T U B R O 7 F U N C H A L - M A D E I R A ANÁLISE COMPARATIVA DE MODELOS MATEMÁTICOS APLICADOS NA MEDIÇÃO DA TEMPERATURA

Leia mais

ÁBACOS DE DIMENSIONAMENTO PELO MÉTODO DE SILVA Jr. COM CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. (1) AGUIRRE, Torrico Francisco (2) BARBOSA, Plácido

ÁBACOS DE DIMENSIONAMENTO PELO MÉTODO DE SILVA Jr. COM CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. (1) AGUIRRE, Torrico Francisco (2) BARBOSA, Plácido Instituto Brasileiro o Conreto ÁBACOS DE DIMENSIONAMENTO PELO MÉTODO DE SILVA Jr. COM CONCETO DE ALTO DESEMPENHO (1) AGUIE, Torrio Franiso (2) BABOSA, Pláio (1) Eng. Civil, Mestrano em Engenaria Civil

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS 3 a 6 de outubro de 0 Univeridade Federal Rural do Rio de Janeiro Univeridade Severino Sombra aoura RJ ESTUDOS EXPERIMENTIS SOBRE LIÇÃO DS PROPRIEDDES DE FLUIDOS DE PERFURÇÃO EM MEIOS POROSOS NISOTRÓPICOS.

Leia mais

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA

ELETRÔNICA DE POTÊNCIA MEAHEURO.COM.BR Prf. Jé Rbert Marque V.1. ELERÔNCA DE POÊNCA EXERCÍCO REOLVDO OBRE REFCADORE NÃO CONROLADO COM CARGA RL E FCEM 1Q) Da circuit abaix, cnieran i ieal, eterminar : a) O ângul e cnuçã i b)

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CAOR II Prof. Eduardo C. M. oureiro, DSc. MECANISMOS FÍSICOS T T at A condenação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida a vaore inferiore ao de ua temperatura de aturação. Em

Leia mais

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com

Estruturas de Concreto Armado. Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com Estruturas de Concreto Armado Eng. Marcos Luís Alves da Silva luisalves1969@gmail.com unip-comunidade-eca@googlegroups.com 1 CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL EA 851J TEORIA EC6P30/EC7P30

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DA ARMADURA DE FLEXÃO EM VIGAS CONCRETO ARMADO

DIMENSIONAMENTO DA ARMADURA DE FLEXÃO EM VIGAS CONCRETO ARMADO Escla e Engenharia Universiae Presbiteriana ackenzie Crenaria e Engenharia Civil Estruturas e Cncret II ula 4 Dimensinament à fleã 4 DIENSIONENTO D RDUR DE FLEXÃO E VIGS CONCRETO RDO Cpyright 005 Direits

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Introdução ao Concreto

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Introdução ao Concreto DIMENSIONAMENTO DE ESTRUTURAS EM CONCRETO ARMADO Índice : ii 1 INTRODUÇÃO...1 1.1 Introdução ao Concreto... 1 1.2 Hitória do Concreto... 2 1.3 Vantagen e Devantagen do Concreto Armado... 4 1.3.1 Vantagen

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA

ESTRUTURAS DE BETÃO ARMADO I PROGRAMA PROGRAMA 1.Introdução ao betão armado 2.Bae de Projecto e Acçõe 3.Propriedade do materiai: betão e aço 4.Durabilidade 5.Etado limite último de reitência à tracção e à compreão 6.Etado limite último de

Leia mais

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo

Vicente Leite (1), Henrique Teixeira (1), Rui Araújo (2), Diamantino Freitas (2) Resumo Sitema Electrónico de Condicionamento e Proceamento, em Tempo Real, da Tenõe e Corrente do Motor de Indução Trifáico Alimentado por Converore de Frequência Vicente Leite (1), Henrique Teieira (1), Rui

Leia mais

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES

APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERVATÓRIOS E EDIFICAÇÕES & Construções CONCRETO PROTENDIDO APLICANDO A PROTENSÃO EM PONTES, PISOS, RESERATÓRIOS E EDIFICAÇÕES Instituto Brasileiro do Conreto Ano XLIII 78 ABR-JUN 2015 ISSN 1809-7197 www.ibraon.org.br PERSONALIDADE

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento.

Lider. ança. para criar e gerir conhecimento. }A liderança é um fator essencial para se alcançar o sucesso também na gestão do conhecimento. Liderança para criar e gerir conhecimento Lider ança para criar e gerir conhecimento }A liderança é um fator eencial para e alcançar o uceo também na getão do conhecimento.~ 48 R e v i t a d a ES P M janeiro

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço

3.1.1. Influência do Trabalho a Frio nas Propriedades Mecânicas do Aço 3 Projeto do Peril 3.1. ntrodução Este capítulo descreve o processo de avaliação da resistência estrutural de seções compostas por chapas de aço dobradas a rio, considerando as características apresentadas

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Intruçõe Breve Verão 1 0 junho 2005 INSTRUÇÕES APENAS PARA PESSOAL QUALIFICADO APERTO DO CONJUNTO DE SUPORTES AVISO: O funcionamento da ua coluna como componente de um itema upeno pode potencialmente expor

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Proteção contra descargas Atmosféricas

Programa de Formação Técnica Continuada. Proteção contra descargas Atmosféricas Programa de Formação Técnica Continuada Proteção contra decarga Atmoférica 1. Origem e formação da decarga atmoférica...2 Índice 2. O parâmetro do Raio...4 3. Claificação da intalaçõe...4 4. Técnica de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Questões e rovas e Testes (Deformações na Flexão) UNIVERSIDDE FEDERL FLUMINENSE DERTMENTO DE ENGENHRI IVIL RESISTÊNI DOS MTERIIS XI - Engenharia Mecânica rof. amplona 2004-01 e L w (1) 1 a. Questão - ara

Leia mais

φ p 400 mm. A carga de cálculo transmitida pela laje ao pilar é igual a Q d 1120 kn

φ p 400 mm. A carga de cálculo transmitida pela laje ao pilar é igual a Q d 1120 kn GBRITO UEL - CTU Departamento de Etrutura a. Prova TRU 04 Contruçõe em Concreto Etrutural C, 08005, 1a. Parte 1 a. Quetão ponto) ): Conidere, no ELU Punção, uma laje lia em viga), apoiada obre um pilar

Leia mais

Dando seqüência ao projeto do edifício exemplo, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas.

Dando seqüência ao projeto do edifício exemplo, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas. 3 Cálculo as Vigas 3.1 Introução Dano seqüência ao projeto o eiício exemplo, partiremos agora para o cálculo e imensionamento as vigas. 3.1.1 Ações As ações geram solicitações nas estruturas. Estas solicitações

Leia mais

LUCIANO CAETANO DO CARMO

LUCIANO CAETANO DO CARMO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA CIVIL LUCIANO CAETANO DO CARMO DUCTILIDADE DE VIGAS DE CONCRETO ARMADO CONVENCIONAL E DE ALTA RESISTÊNCIA REFORÇADAS

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

Adaptação à Regulamentação Portuguesa RSA, REBAP, EC3, EC4, EC5, EC6 e EC9.

Adaptação à Regulamentação Portuguesa RSA, REBAP, EC3, EC4, EC5, EC6 e EC9. Anexo A Aaptação à Regulamentação Portuguesa RSA REBAP EC3 EC4 EC5 EC6 e EC9. Introução Neste anexo reúne-se a implementação no programa os ierentes regulamentos e cumprimento obrigatório em Portugal.

Leia mais

A ESTRUTURA DE CAPITAL É RELEVANTE? NOVAS EVIDÊNCIAS A PARTIR DE DADOS NORTE-AMERICANOS E LATINO-AMERICANOS

A ESTRUTURA DE CAPITAL É RELEVANTE? NOVAS EVIDÊNCIAS A PARTIR DE DADOS NORTE-AMERICANOS E LATINO-AMERICANOS A ESTRUTURA E CAPITAL É RELEVANTE? NOVAS EVIÊNCIAS A PARTIR E AOS NORTE-AMERICANOS E LATINO-AMERICANOS ARTIGO Ruben Famá Profeor outor o epartamento e Aminitração a Faulae e Eonomia, Aminitração e Contabiliae

Leia mais

Filtros Analógicos Ativos

Filtros Analógicos Ativos Filtro Analógico Ativo Topologia Sallen-Key FPB Prof. láudio A. Fleury onteúdo. Introdução. Filtro Paa-Baixa de a. Ordem 3. Mudança de Ecala 4. Filtro Paa-Alta de a. Ordem 5. Filtro Paa-Faixa e ejeita-faixa

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

6 Vigas: Solicitações de Flexão

6 Vigas: Solicitações de Flexão 6 Vigas: Solicitações de Fleão Introdução Dando seqüência ao cálculo de elementos estruturais de concreto armado, partiremos agora para o cálculo e dimensionamento das vigas à fleão. Ações As ações geram

Leia mais

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler

QUESTÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rodrigo Penna QUESTÕES CORRIGIDAS GRAVITAÇÃO ÍNDICE. Leis de Kepler QUESÕES CORRIGIDAS PROFESSOR Rorigo Penna QUESÕES CORRIGIDAS GRAVIAÇÃO 1 ÍNDICE LEIS DE KEPLER 1 GRAVIAÇÃO DE NEWON 4 Leis e Kepler 1. (UERJ/000) A figura ilustra o movimento e um planeta em torno o sol.

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo)

Força Elétrica. 6,0 C, conforme descreve a figura (Obs.: Q 4 é negativo) Força Elétrica 1. (Ueg 01) Duas partículas e massas m 1 e m estăo presas a uma haste retilínea que, por sua vez, está presa, a partir e seu ponto méio, a um fio inextensível, formano uma balança em equilíbrio.

Leia mais

NOTA TÉCNICA IDENTIFICANDO A DEMANDA E A OFERTA DE CRÉDITO BANCÁRIO NO BRASIL. ipea (1) y =α +α r +α X +ν (2) (1 ) (2 )

NOTA TÉCNICA IDENTIFICANDO A DEMANDA E A OFERTA DE CRÉDITO BANCÁRIO NO BRASIL. ipea (1) y =α +α r +α X +ν (2) (1 ) (2 ) NOTA TÉCNICA IDENTIFICANDO A DEMANDA E A OFERTA DE CRÉDITO BANCÁRIO NO BRASIL Mário Jorge Menonça* Aolfo Sachia* INTRODUÇÃO Um pono que merece eaque iz repeio ao enenimeno e como e procea o equilíbrio

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais