No campo da eletrcidade podemos sintetizar 03 elementos fundamentais passivos e são eles: resisores, capacitores e indutores.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "No campo da eletrcidade podemos sintetizar 03 elementos fundamentais passivos e são eles: resisores, capacitores e indutores."

Transcrição

1 SIMULAÇÃO MODELAGEM DE SISTEMAS POR LAPLACE Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 A modelagem matemática de um itema é empre uma tarea muito complexa para o engenheiro de itema e depende da experiência em projeto anteriore dea natureza. Inicialmente é precio ormular hipótee impliicada de modo que o modelo reultante eja o mai aproximado poíel do modelo real. Quando poíel or o modelo pode er emulado a partir de dado experimentai e uando, por exemplo, técnica com rede neurai e lógica uzzy na identiicação e obtenção do modelo direto ou inero. Muita eze o engenheiro do itema dipõe da unção de tranerência do itema que nada mai é a relação entrada e aída do itema e quando é decrito pela ua FT é poíel a imulação no domínio de tempo e da reqüência e obter a repota dinâmica do itema. Um itema pode er decrito de ária orma, como por exemplo, pela equação dierencial ordinária na ariáei de entrada e aída, pela ua unção de tranerência e o modelo decree o eu comportamento dinâmico. Quando e conhece o comportamento dinâmico do itema o engenheiro de itema conegue preer qual erá a ua repota e aplicar técnica de compenaçõe a im de garantir a etabilidade do itema, poi um itema etá ujeito à perturbaçõe ou ruído, o quai podem lear o itema a repota indeejáel. Aim é muito importante o conhecimento do itema e aim atraé de imulaçõe, o engenheiro de itema pode etudar o comportamento do itema ujeito à certo tipo de intererência e a ua etabilidade. A imulação é uma erramenta abuloa para apoiar o etudo do comportamento de itema e uma da mai importante nea área é o Matlab que dipõe de recuro matemático muito importante, como tranormada de Laplace para etudo do comportamento do itema ou a repota em reqüência e a ua antitranormada para o domínio no tempo. MODELAGEM DO SISTEMA ELÉTRICO No campo da enegenharia elétrica temo trê área de etudo a aber: eletrônica, elétricidade e eletromagnetimo. Nee etudo ocaremo omente no campo da eletricidade e etudaremo o circuito elétrico. Denominaremo de elemento paio o componente báico e que não geram energia e omente a recebem e o elemento atio ão contrário do paio e geram energia. FUNÇÕES DE TRANSFERÊNCIAS DE CIRCUITOS ELÉTRICOS No campo da eletrcidade podemo intetizar 03 elemento undamentai paio e ão ele: reiore, capacitore e indutore. RESISTOR O reitor é um elemento paio que poui uma propriedade chamada de reitência elétrica e que é medida em ohm (Ω). A reitência elétrica, como o próprio nome ugere é a capacidade que um elemento poui de e opor à paagem de corrente elétrica. Um reitor ôhmico oerece um relacionamento linear entre tenão e corrente em eu terminai. Podemo deinir a reitência elétrica pela lei de OHM, onde: V R =, onde V é a tenão ou oltagem elétrica e I é a corrente elétrica que atraea o reito. I CAPACITOR Um capacitor bipolar (ou um elemento paio bipolar qualquer de circuito elétrico) tem a capacitância de um arad e, carregado com uma carga elétrica q de um coulomb, apreenta uma dierença de potencial elétrico de um olt entre o eu terminai. Pág.

2 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 V C = ou podemo ecreer: q dv i(t) = C ou V(t) = i(t) C, onde V é a tenão elétrica e I a corrente elétrica e q a carga elétrica. INDUTOR O indutor é um elemento paio capaz de armazenar e ornecer quantidade inita de energia. Ao contrário de uma onte ideal, ele não podem ornecer quantidade ilimitada de energia ou manter o ornecimento de uma determinada potência média. Quando a corrente que atraea um condutor aria, o luxo magnético que o enole também aria. Eta ariação de luxo magnético φ ocaiona a indução de uma oltagem num circuito próximo ao condutor. Eta oltagem induzida é proporcional à razão de ariação da corrente geradora do campo magnético com o tempo. Ea contante de proporcionalidade é chamada indutância e é imbolizada pela letra L. A unidade de indutância é Henry (H) e a relação é portanto: L φ =, onde φ é o luxo magnético e i a corrente elétrica. I Podemo ecreer que: di(t) V(t) = L ou i(t) = V(t) L, onde V é a tenão elétrica e I a corrente elétrica. A tabela a eguir reume o componente e a relaçõe entre a tenão corrente e entre a tenão e carga ob condiçõe iniciai iguai a zero. Utilizndo-e como princípo a lei de Kircho, onde omando-e a tenõe ao longo da malha e a corrente em nó. A combinação dee elemento implementa-e o circuito elétrico e obter a ua unção de tranerência. Componente Tenão-corrente Corrente-tenão Tenão-carga Impedância Z() = V()/I() Admitância Y() = I()/V() Indutor Ω Exemplo: Obter a unção de tranerência do circuito elétrico RLC a eguir relacionando a tenão no capacitor V C () e a tenão de entrada V(). São dado L, C e R. Pág.

3 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Aplicando-e a lei de Kircho para a malha em quetão, temo: t di(t) Ri(t) L i(t) (t) C = dq () e i(t) = (), temo: 0 dq(t) dq(t) L R q(t) = (t), q(t) = C c. C d(t) c d LC RC c c(t) = (t) Aplicando-e a tranormada de laplace e admitindo-e que a condiçõe iniciai ejam nula, temo: LC V c () RCV c () V c () = V() ou V c ()(LC RC ) = V(). A unção de tranerência é: V C() = = LC V() LC RC R L LC MODELAGEM MATEMÁTICA DE SISTEMAS MECÂNICOS O itema mecânico ão claiicado em doi grupo: ão ele o itema mecânico de tranlação,e o itema mecânico de rotação. Para recordação, a eguir apreentamo algun conceito importante relatio ao itema mecânico. Maa A maa de um corpo é uma quantidade de matéria do corpo que é contante. Fiicamente, a maa de um corpo é reponáel pela inércia do memo, ito é, a reitência à mudança de moimento de um corpo. O peo de um corpo, é a orça com a qual a terra exerce atração dete corpo. P = mg, onde: M = maa = (Kg) g = aceleração da graidade (m/ ) P = peo do corpo (Kg) Pág. 3

4 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Embora o peo de um corpo poa ariar de um ponto para outro, a maa do memo não aria. Força A orça é deinida como a caua a qual pode produzir uma mudança na poição de um corpo, no qual a orça atua. A orça, podem er claiicada de dua orma, orça de contato e orça de campo. A orça de contato ão aquela que tem um contato direto com o corpo, enquanto a orça de campo não apreentam contato direto com o corpo, como por exemplo, orça magnética e orça graitacional. Torque O torque T é deinido como qualquer caua que tende a produzir uma mudança na poição angular (rotacional) de um corpo, no qual o torque eteja atuando. Delocamento, Velocidade e Aceleração O delocamento x(t) é a troca de poição de um ponto, tomado como reerência, para outro. A elocidade é a deriada temporal do delocamento x(t). dx(t) (t) = = x(t) & A aceleração é a deriada temporal da elocidade: d(t) d x(t) a(t) = (t) x(t) = & = = && Delocamento Angular, Velocidade Angular e Aceleração Angular O delocamento angular θ(t), é deinido como a troca de poição angular, obre um eixo, de um ângulo tomado como reerência e outro. É medido em radiano. A direção anti-horário é tomada como poitia. A elocidade angular ω(t), é a deriada temporal do delocamento angular θ(t). d θ(t) ω (t) = =θ & (t) A aceleração angular α(t), é a deriada temporal da elocidade angular ω. Onde α é: d ω(t) d θ(t) α (t) = =ω & (t) = =θ && (t) Ob: Se a elocidade ou a elocidade angular é medida em relação a uma reerência ixa, então chamamo de elocidade aboluta ou elocidade angular aboluta. Cao contrário erão grandeza relatia. O memo é álido para a aceleração. LEIS DE NEWTON Da trê lei que oram ormulada por Newton, a egunda lei é a mai importante, para a obtenção de modelo matemático de itema mecânico. Pág. 4

5 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Segunda lei de Newton (Tranlação) A aceleração adquirida por de qualquer corpo rígido é diretamente proporcional a orça que atuam nete corpo, e ineramente proporcional a maa dete corpo. orça = ma Segunda lei de Newton (Rotação) A aceleração angular de qualquer corpo rígido é diretamente proporcional ao torque que atuam nete corpo, e ineramente proporcional ao momento de inércia dete corpo. Onde: J Momento de inércia; torque = Jα SISTEMAS MECÂNICOS DE TRANSLAÇÃO No itema mecânico de tranlação, há trê elemento mecânico enolido que ão: elemento de inércia, elemento de amortecimento, elemento de elaticidade. ELEMENTO DE INÉRCIA O elemento de inércia é a maa M é rígida e a orça aplicadda (t) dee er uiciente para delocar a maa M em x(t). (t) = M.a(t), onde a(t) é a aceleração da maa M ubmentida a orça aplicada (t). Podemo ecreer: dv(t) d x(t) (t) = M = M ELEMENTO DE AMORTECIMENTO (AMORTECEDOR) No cao dete elemento exite um delocamento relatio entre o ponto de conexão entrada e o ponto de conexão aída. Portanto, exite a neceidade de dua ariáei delocamento para decreer ete elemento. A realização íica dete elemento é a ricção icoa aociada ao óleo ou ar. Pág. 5

6 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Sendo x (t) e x (t) delocamento da conexão inerior e uperior, pode-e ecreer que: dx (t) dx (t) (t) = ( ) = ( (t) (t)), onde é o coeiciente de amortecimento e a elocidade. ELEMENTO DE ELASTICIDADE Ete elemento, pode er deormado por uma orça externa, tal que a deormação é diretamente proporcional a eta orça. Sendo x (t) e x (t) o delocamento repectio a conexão de entrada e a conexão de aída. Podemo ecreer que: (t) K(x (t) x (t)). A tabela a eguir reume o componente e a relaçõe entre a tenão-corrente é equialente a relação entre orça-elocidade e a tenão-carga elétrica q é aociada com a orça-delocamento x., ob condiçõe iniciai iguai a zero. Utilizndo-e como princípo a lei de Newton e a combinação dee elemento implementa-e o circuito mecânico e obter a ua unção de tranerência. Pág. 6

7 Componente Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Forçaelocidade Forçadelocamento Impedância Z m ()=F()/X() Mola Amortecedor icoo Maa Nota: O eguinte conjunto de ímbolo e unidade ão uada ao longo dete liro: ( t ) = N (newton), x( t ) = m (metro), ν( t ) = m/ (metro/egundo), K =N/ m (newton/metro), ν = N./ m (newton-egundo/ metro), M =g (quilograma = newton.egundo / metro). ANALOGIAS COM SISTEMA ELÉTRICO Exitem analogia entre o itema elétrico e o itema mecânico. Ea analogia do itema elétrico com o itema mecânico têm-e elemento báico conhecido paio e lineare. São ele a mola, a maa como armazenadore de energia e o amortecedor icoo como diipador de energia. Aociamo a mola analogamente ao capacitor elétrico, a maa como indutor elétrico e o amortecedor icoo como o reitor elétrico. No quadro mecãnico acima K, e M ão chamado repectiamente de contante da mola, coeiciente de atrito icoo e maa. No quadro elétrico analogamente a tenão-corrente é a orçaelocidade endo a tenão elétrica a orça mecânica e a corrente elétrica a elocidade mecânica. A tenãocarga elétrica q é aociada com a orça-delocamento x. Podemo também aociar que a omatória da orça reerente á elocidade é análoga á omatória da corrente na malha de um circuito elétrico. Aim a equaçõe de malha podem er aplicada ao itema mecânico. O itema mecânico de tranlação pode er reolido analogamente ao circuito RLC. A equação cde moimento decrito por uma equação dierencial e aplicando-e a lei de Newton. Como no itema elétrico ecolhe-e o entido do moimento como poitio e determinando toda a orça obre o corpo a que agem no entido do moimento e a opota ao moimento. Pela lei de Newton controi-e a lei do moimento omando-e a orça e Pág. 7

8 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 igualando-e a oma a zero. Supondo-e a condiçõe iniciai nula e aplicando-e a tranormada de Laplace. Exemplo: Obter a unção de tranerência X()/F(), para o itema a eguir. Ee é um problema cláico para modelagem de itema dinâmico, poi e uma combinação do elemento de inércia, elaticidade e amortecimento. Uma ez que o elemento mecânico do moimento de tranlação etão deinido, a equaçõe de itema mecânico de tranlação podem er ecrita eguindo a lei de Newton. Nete itema, trê orça exercem inluência obre a maa M: orça aplicada (t), a orça de amortecimento e a orça de elaticidade. A unção de tranerência, pode er obtida, coniderando-e a orça aplicada como entrada e o delocamento x(t) como aída. dx(t) dx(t) (t) = M Kx(t) e podemo ecreer que: F() = M X() BX() KX() X() = = M F() M K K M M Exercício: Para o itema mecânico a eguir determinar a ua unção de tranerência X ()/F(). Pág. 8

9 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 O problema tem doi gráu de liberdade enquanto uma maa moe na horizontal a outra maa permanece parada. Aim ão neceária dua equaçõe de moimento para decreer o itema. A dua equaçõe êm do diagrama de corpo lire de cada maa. Para a olução do problema deemo aplicar o princípio da uperpoição do moimento. O princípio da uperpoição diz que primeiro deemo coniderar uma maa M, por exemplo, em moimento e a maa M em repouo e daí calcula-e a orça exercida pelo moimento na maa M. Em eguida coniderarermo a maa M em repouo e a maa M em moimento. Calcula-e a orça exercida pelo moimento na maa M. O reultado inal é a oma da orça na dua ituaçõe decrita. Aim amo coniderar primeiro a maa M em moimento e a maa M parada. A igura a eguir motra a dua ituaçõe, onde a igura a) é a ituação M em moimento e M parado e a igura b) é a ituação M parado e M em moimento e a igura c) é o reultado inal com a omatória da orça. A equaçõe ão: 3 3 F() = [M ( ) (K K )]X () ( K )X () Da mema orma com relação a M procedemo da mema orma e primeiro delocamo M e mantemo M em repouo e em eguida delocamento M e mantemo M em repouo. O reultado inal é a uperpoição do moimento em M e a omatória da orça aplicada. A igura a eguir motra a) com M em moimento e M parado e da mema orma em b) com M parado e M em moimento e a igura c) é o reultado inal com a uperpoição do moimento. Pág. 9

10 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Pág. 0 Da igura c) podemo ecreer a egunda equação do moimento em relação à maa M ( K )X () [M ( ) (K K )]X () 0 = A unção de tranerência ica: SISTEMAS MECÂNICOS EM ROTAÇÃO Aim como no moimento de tranlação, o moimento de rotação pode er modelado dinamicamente, exceto que o torque ubtitui a orça e o delocamento angular ubtitui o delocamento em tranlação. O componente mecânico ão o memo exceto o moimento de rotação e não mai tranlação. ( ) ( ) [ ] ( ) ( ) ( ) () ( ) ( ) ( ) ( ) [ ] ( ) = = a b X M X F X X M () ( ) ( ) ( ) ( ) 3 3 ab F X G = =

11 ELEMENTO DE INÉRCIA Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 d ω(t) d θ(t) T(t) = J α (t) = J = J Onde: J Momento de inércia; T(t) Torque aplicado; θ(t) Delocamento angular. α(t) Aceleração angular; ω(t) Velocidade angular. Elemento de Amortecimento (Amortecedor) T(t) = D( θ& (t) θ& (t)), onde θ & (t) elemento amortecedor. Elemento de Elaticidade (Mola) é a elocidade angular entrada e θ & (t) é a elocidade angular de aída do T(t) = K( θ(t) θ (t)), onde θ (t) e θ (t) é poicionamento angular entrada e aída repectiamente. A tabela a eguir motra o componente e a relaçõe entre torque e elocidade angular, como entre torque e delocamento angular. Aim como procedemo com o outro itema o componente unbetido ao moimento de rotação apreenta a eguinte equaçõe. Pág.

12 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Componente Torque - elocidade angular Torque - delocamento angular Impedância Z m () = T() / θ() Mola Amortecedor icoo Inércia Nota: O eguinte conjunto de ímbolo e unidade ão uada ao longo dete liro: T ( t ) = N.m (newton.metro), Θ( t ) = rad (radiano), ω( t ) = rad/ (radiano /egundo), K =N.m /rad (newton.metro / radiano), D ν = N.m./ rad (newton.metro.egundo/ radiano), J =g.m (quilograma.metro = newton.metro.egundo / radiano). O termo maa oi ubtituído por inércia. O alore K,D e J ão chamado repectiamente de contante de mola, coeiciente de atrito icoo e momento de inércia. O conceito de gráu de liberdade é álido, com exceção que tetamo um ponto de moimento por meio de uma rotação, mantendo-e todo o outro ponto de moimento parado. O número de ponto de moimento que podem er ubmetido a delocamento angulare, enquantpo e mantêm parado todo o demai é igual ao número de equaçõe de moimento neceário para decreer o itema. Ecreer a equaçõe de moimento para itema em rotação é emelhante a ecreê-la para o itema em tranlação, endo a dierença é que o corpo lire conite em torque ao iné de orça. Também aqui aplica-e o princípio da uperpoição de moimento, onde primeiro giramo um corpo mantendo-e parado todo o demai e pondo no diagrama de corpo lire todo o torque deido ao próprio moimento. Em eguida, mantendo-e o corpo parado, giramo o ponto de moimento adjacente, um a um, e acrecentamo o torque deido ao moimento adjacente ao Pág.

13 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 corpo lire. O proceo é repetido para cada um do ponto de moimento. Para cada um do diagrama de corpo lire, ete torque ão omado e igualado a zero para ormar a equaçõe de moimento. Exercício: Obter a unção de tranerência do itema mecânico em rotação θ ()/T(). O eixo elático é upeno por meio de mancai em cada uma da extremidade e é ubmetido á torção. Um torque é aplicado à equerda e o delocamento angular é medido à direita. A igura a eguir motra em a) o itema íico, em b) o equemae em c) o diagrama de bloco. Primeiramente a partir da igura a) o itema íico dee-e obter o diagrama equemático do itema íico. A torção atua como uma mola concentrada em um ponto do eixo, com uma inércia J à equerda (entrada) e uma inércia J à direita (aída). Aim o diagrama equemático é apreentado na igura b). Há doi gráu de liberdade, uma ez que cada inércia pode girar enquanto a outra permanece parada. Portanto teremo dua equaçõe imultãnea para reoler o itema. Em eguida, deenha-e o diagrama do corpo lire de J, uando uperpoição. A igura a) motra o torque obre J e J or mantida parada e J girar. A igura b) motra o torque J e J e J or mantida parada e J girar. Finalmente, a oma da igura a) e b) motrada na igura c) o diagrama do corpo lire inal para J. T() = (J D K) θ () K θ () Pág. 3

14 Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Em relação a J deido ao moimento de J erá a mema análie utilizada para J. O diagrama do corpo lire para J é apreentado a eguir. K θ () (J D K) θ () = 0 A dua equaçõe tiramo a relação θ ()/T() endo a unção de tranerência. ( J D ) θ( ) θ( ) = T( ) θ θ ( ) ( ) ( J D ) θ( ) = 0 a ANALOGIA ENTRE SISTEMAS ELÉTRICOS E MECÂNICOS Entre o itema elétrico e mecânico, exitem doi tipo de analogia: Analogia Força-Tenão; Analogia Força-Corrente. b bθ( ) abθ( ) = ubtituindo temo θ θ( ) θ = () ou = T( ) ab T() ab K K = T ( ) ( ) Pág. 4

15 a) Analogia Força-Tenão Pro. Luí Calda Simulação de Proceo em Eng. de Materiai Diiciplina - MR070 Abaixo é motrado a grandeza análoga entre o itema Elétrico e Mecânico para ete cao. Sitema Elétrico Sitema mecânico De tranlação Sitema mecãnico De rotação Tenão elétrica V(t) Força (t) Torque T(t) Indutância L Maa M Momento de Inércia J Reitência R Coeic. de atrito Coe. de atrito D Inero da Capacitância /C Coe. de elaticidade K Coe. de elaticidade K Carga elétrica q Delocamento x(t) Deloc. angular θ(t) Corrente elétrica i(t) Velocidade dx(t)/ Veloc. angular dθ(t)/ = ω(t) b) Analogia Força-Corrente Sejam o itema elétrico e mecânico, abaixo repreentado. Sitema Elétrico Sitema mecânico De tranlação Sitema mecãnico De rotação Corrente elétrica i(t) Força (t) Torque T(t) Capacitãncia C Maa M Momento de Inércia J Inero da Reitência /R Coeic. de atrito Coe. de atrito D Inero da Indutância /L Coe. de elaticidade K Coe. de elaticidade K Fluxo magnético φ(t) Delocamento x(t) Deloc. angular θ(t) Reerência: Nize, Norman S. Engenharia de Sitema de Controle 3.a edição LTC -00. Hey, L.H. Apotila de Sitema de Controle I 997. Pág. 5

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Modelagem de sistemas no domínio da frequência Prof. Marcio Kimpara FUDAMETOS DE COTROLE E AUTOMAÇÃO Aula 4 Modelagem de itema no domínio da requência Pro. Marcio impara Unieridade Federal de Mato Groo do Sul Sitema mecânico tranlação Elemento Força deloc. tempo Laplace

Leia mais

Professora FLORENCE. Resolução:

Professora FLORENCE. Resolução: 1. (FEI-SP) Qual o valor, em newton, da reultante da força que agem obre uma maa de 10 kg, abendo-e que a mema poui aceleração de 5 m/? Reolução: F m. a F 10. 5 F 50N. Uma força contante F é aplicada num

Leia mais

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos

CAPÍTULO 10 Modelagem e resposta de sistemas discretos CAPÍTULO 10 Modelagem e repota de itema dicreto 10.1 Introdução O itema dicreto podem er repreentado, do memo modo que o itema contínuo, no domínio do tempo atravé de uma tranformação, nete cao a tranformada

Leia mais

Resolução Física. Atividades 2. FM.09 1. e Após abandonar a mão do jogador, a bola só sofre a ação exclusiva da força peso. FM.10 1.

Resolução Física. Atividades 2. FM.09 1. e Após abandonar a mão do jogador, a bola só sofre a ação exclusiva da força peso. FM.10 1. eolução Fíica FM.09. e pó abandonar a mão do jogador, a bola ó ofre a ação excluia da força peo.. c Como a força formam 90 entre i e têm o memo módulo (), temo: F Como ele dece em MU, a força reultante

Leia mais

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B

= T B. = T Bloco A: F = m. = P Btang. s P A. 3. b. P x. Bloco B: = 2T s T = P B 2 s. s T = m 10 B 2. De (I) e (II): 6,8 m A. s m B eolução Fíica FM.9 1. e Com bae na tabela, obervamo que o atleta etá com 5 kg acima do peo ideal. No gráfico, temo, para a meia maratona: 1 kg,7 min 5 kg x x,5 min. Na configuração apreentada, a força

Leia mais

Quantas equações existem?

Quantas equações existem? www2.jatai.ufg.br/oj/index.php/matematica Quanta equaçõe exitem? Rogério Céar do Santo Profeor da UnB - FUP profeorrogeriocear@gmail.com Reumo O trabalho conite em denir a altura de uma equação polinomial

Leia mais

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot

AULA 02 POTÊNCIA MECÂNICA. = τ. P ot AULA 0 POTÊNCIA MECÂNICA 1- POTÊNCIA Uma força pode realizar um memo trabalho em intervalo de tempo diferente. Quando colocamo um corpo de maa m obre uma mea de altura H num local onde a aceleração da

Leia mais

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada.

Compensadores. Controle 1 - DAELN - UTFPR. Os compensadores são utilizados para alterar alguma característica do sistema em malha fechada. Compenadore 0.1 Introdução Controle 1 - DAELN - UTFPR Prof. Paulo Roberto Brero de Campo O compenadore ão utilizado para alterar alguma caracterítica do itema em malha fechada. 1. Avanço de fae (lead):

Leia mais

Apostila de SINAIS E SISTEMAS

Apostila de SINAIS E SISTEMAS Apotila de SINAIS E SISTEMAS Álvaro Luiz Stelle (PhD) DAELN CPGEI CEFET PR Março de 5 I PREFÁCIO Eta apotila tem como objetivo dar ao leitor um embaamento teórico da Tranformada de Laplace, de Fourier

Leia mais

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo

PROTEÇÕES COLETIVAS. Modelo de Dimensionamento de um Sistema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema de Guarda-Corpo PROTEÇÕES COLETIVAS Modelo de Dimenionamento de um Sitema

Leia mais

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação

Confrontando Resultados Experimentais e de Simulação Confrontando Reultado Experimentai e de Simulação Jorge A. W. Gut Departamento de Engenharia Química Ecola Politécnica da Univeridade de São Paulo E mail: jorgewgut@up.br Um modelo de imulação é uma repreentação

Leia mais

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori.

Física 1 Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Fíica Capítulo 7 Dinâmica do Movimento de Rotação Prof. Dr. Cláudio Sérgio Sartori. Introdução: Ao uarmo uma chave de roda para retirar o parafuo para trocar o pneu de um automóvel, a roda inteira pode

Leia mais

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Automação e Controle I

Universidade Presbiteriana Mackenzie. Automação e Controle I Univeridade Prebiteriana Mackenzie Curo de Engenharia Elétrica Automação e Controle I Nota de Aula Prof. Marcio Eiencraft Segundo emetre de 006 Univeridade Prebiteriana Mackenzie Curo de Engenharia Elétrica

Leia mais

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador

Tensão Induzida por Fluxo Magnético Transformador defi deartamento de fíica Laboratório de Fíica www.defi.ie.i.t Tenão Induzida or Fluxo Magnético Tranformador Intituto Suerior de Engenharia do Porto- Deartamento de Fíica Rua Dr. António Bernardino de

Leia mais

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico

Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático considerando o efeito do atrito dinâmico Modelagem Matemática e Simulação computacional de um atuador pneumático coniderando o efeito do atrito dinâmico Antonio C. Valdiero, Carla S. Ritter, Luiz A. Raia Depto de Ciência Exata e Engenharia, DCEEng,

Leia mais

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras

Livro para a SBEA (material em construção) Edmundo Rodrigues 9. peneiras Livro para a SBEA (material em contrução) Edmundo Rodrigue 9 4.1. Análie granulométrica Granulometria, graduação ou compoição granulométrica de um agregado é a ditribuição percentual do eu divero tamanho

Leia mais

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara

Modelagem de Sistemas Dinâmicos. Eduardo Camponogara Equações Diferenciais Ordinárias Modelagem de Sistemas Dinâmicos Eduardo Camponogara Departamento de Automação e Sistemas Universidade Federal de Santa Catarina DAS-5103: Cálculo Numérico para Controle

Leia mais

Capítulo 5: Análise através de volume de controle

Capítulo 5: Análise através de volume de controle Capítulo 5: Análie atravé de volume de controle Volume de controle Conervação de maa Introdução Exite um fluxo de maa da ubtância de trabalho em cada equipamento deta uina, ou eja, na bomba, caldeira,

Leia mais

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente.

Nestas notas será analisado o comportamento deste motor em regime permanente. MOTO DE INDUÇÃO TIFÁSICO 8/0/006 Ivan Camargo Introdução O motor de indução trifáico correponde a, aproximadamente, 5 % da carga elétrica do Brail, ou eja, 50 % da carga indutrial que, por ua vez, correponde

Leia mais

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE

P U C R S PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CONCRETO ARMADO II FORÇA CORTANTE P U C R S PONTIFÍCI UNIERSIDDE CTÓLIC DO RIO GRNDE DO SUL FCULDDE DE ENGENHRI CURSO DE ENGENHRI CIIL CONCRETO RMDO II FORÇ CORTNTE Pro. lmir Schäer PORTO LEGRE MRÇO DE 006 1 FORÇ CORTNTE 1- Notaçõe principai

Leia mais

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS

ESTUDOS EXPERIMENTAIS SOBRE A AVALIAÇÃO DAS PROPRIEDADES DE FLUIDOS DE PERFURAÇÃO EM MEIOS POROSOS ANISOTRÓPICOS 3 a 6 de outubro de 0 Univeridade Federal Rural do Rio de Janeiro Univeridade Severino Sombra aoura RJ ESTUDOS EXPERIMENTIS SOBRE LIÇÃO DS PROPRIEDDES DE FLUIDOS DE PERFURÇÃO EM MEIOS POROSOS NISOTRÓPICOS.

Leia mais

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque

Máquinas Eléctricas. Motores de indução. Motores assíncronos. Arranque Motore de indução Arranque São motore robuto e barato (fabricado em maa), embora tendo o inconveniente de não erem regulávei. Conequentemente, uma vez definido um binário e uma corrente, ete apena dependem

Leia mais

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2

Resistência dos Materiais SUMÁRIO 1. TENSÕES DE CISALHAMENTO... 1 1.1 DIMENSIONAMENTO... 2 1.2 EXEMPLOS... 2 Reitência do Materiai SUMÁRIO 1. TESÕES DE CISLHMETO... 1 1.1 DIMESIOMETO... 1. EXEMPLOS... Cialhamento 0 Prof. Joé Carlo Morilla Reitência do Materiai 1. Tenõe de Cialhamento Quando dua força cortante

Leia mais

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030

ENG04030 - ANÁLISE DE CIRCUITOS I ENG04030 EG04030 AÁISE DE IRUITOS I Aula 20 ircuito de ª ordem: análie no domínio do tempo apacitore e indutore em regime permanente ; circuito diviore de corrente e de tenão em capacitore e indutore Sérgio Haffner

Leia mais

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA

Experimento #4. Filtros analógicos ativos LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA UNIVESIDADE FEDEAL DE CAMPINA GANDE CENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA E INFOMÁTICA DEPATAMENTO DE ENGENHAIA ELÉTICA LABOATÓIO DE ELETÔNICA Experimento #4 Filtro analógico ativo EXPEIMENTO #4 Objetivo Gerai Eta

Leia mais

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.)

Um exemplo de Análise de Covariância. Um exemplo de Análise de Covariância (cont.) Um exemplo de Análie de Covariância A Regreão Linear e a Análie de Variância etudada até aqui, ão cao particulare do Modelo Linear, que inclui também a Análie de Covariância Em qualquer deta trê ituaçõe

Leia mais

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1:

Capítulo I Tensões. Seja um corpo sob a ação de esforços externos em equilíbrio, como mostra a figura I-1: apítuo I Seja um corpo ob a ação de eforço externo em equiíbrio, como motra a figura I-1: Figura I-3 Eforço que atuam na eção para equiibrar o corpo Tome-e, agora, uma pequena área que contém o ponto,

Leia mais

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace

Equações Diferenciais (GMA00112) Resolução de Equações Diferenciais por Séries e Transformada de Laplace Equaçõe Diferenciai GMA Reolução de Equaçõe Diferenciai por Série e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto tocano@im.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

SISTEMA S01 - Sistema Mecânico Massa-Mola- Amortecedor montado em um carro

SISTEMA S01 - Sistema Mecânico Massa-Mola- Amortecedor montado em um carro CCI- Matemática Computacional/ 008 SISTEMA S0 - Sistema Mecânico Massa-Mola- Amortecedor montado em um carro Considere um sistema mecânico massa-mola-amortecedor montado em um carro de massa desprezíel,

Leia mais

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida.

v t Unidade de Medida: Como a aceleração é dada pela razão entre velocidade e tempo, dividi-se também suas unidades de medida. Diciplina de Fíica Aplicada A / Curo de Tecnólogo em Geão Ambienal Profeora M. Valéria Epíndola Lea. Aceleração Média Já imo que quando eamo andando de carro em muio momeno é neceário reduzir a elocidade,

Leia mais

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace

Resolução de Equações Diferenciais Ordinárias por Série de Potências e Transformada de Laplace Reolução de Equaçõe Diferenciai Ordinária por Série de Potência e Tranformada de Laplace Roberto Tocano Couto rtocano@id.uff.br Departamento de Matemática Aplicada Univeridade Federal Fluminene Niterói,

Leia mais

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO

ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO ESTUDO DINÂMICO DA PRESSÃO EM VASOS SEPARADORES VERTICAIS GÁS-LÍQUIDO UTILIZADOS NO PROCESSAMENTO PRIMÁRIO DE PETRÓLEO Thale Cainã do Santo Barbalho 1 ; Álvaro Daniel Tele Pinheiro 2 ; Izabelly Laria Luna

Leia mais

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS FACULDADE DE ENGENHARIA ELÉTRICA E DE COMPUTAÇÃO - UNICAMP EE-832 - LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA INDUSTRIAL EXPERIÊNCIA 7 CONVERSORES PARA ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS 7. Introdução A máquina de corrente

Leia mais

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( )

( ) ( ) ( ( ) ( )) ( ) Física 0 Duas partículas A e, de massa m, executam movimentos circulares uniormes sobre o plano x (x e representam eixos perpendiculares) com equações horárias dadas por xa ( t ) = a+acos ( ωt ), ( t )

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET SP Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Lita de Exercício Reolvido Profeor: 1 de 11 Data: 13/0/08 Caruo 1. Um menino, na tentativa de melhor conhecer o fundo do mar, pretende chegar a uma profundidade de

Leia mais

Campinas www.elitecampinas.com.br Fone: (19) 3232-2713 O ELITE RESOLVE IME 2004 FÍSICA. = +, onde x é a distância entre o plano da lente e a

Campinas www.elitecampinas.com.br Fone: (19) 3232-2713 O ELITE RESOLVE IME 2004 FÍSICA. = +, onde x é a distância entre o plano da lente e a I É-VSIBU www.elitecampina.com.br Fone: (9) -7 O I SOV IM 4 FÍSIC GBIO IM FÍSIC QUSÃO. igura abaio motra uma enda iluminada por uma luz de comprimento de onda. Com a mola não deormada, o ângulo correpondente

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC

Programa de Formação Técnica Continuada. Categoria de Emprego para Motores CA / CC Programa de Formação Técnica Continuada Categoria de Emprego para Motore CA / CC Índice.Introdução.... Chave manuai etrela triângulo.... O motore.... Motore de indução tipo gaiola.... Motore de indução

Leia mais

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: Tubo Evaporador; Modelo de Drift Flux; Escoamento Bifásico, Simulação Numérica. 1. INTRODUÇÃO IN 1984-818 Reolução da Equaçõe de Conervação da Maa, Eneria e Momento em Termo de Preão, Título Máico e Fração de Vazio para um Tubo Evaporador Utilizando o Modelo de Drit Flux Luí Henrique Gazeta de

Leia mais

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s).

Estrutura geral de um sistema com realimentação unitária negativa, com um compensador (G c (s) em série com a planta G p (s). 2 CONTROLADORES PID Introdução Etrutura geral de um itema com realimentação unitária negativa, com um compenador (G c () em érie com a planta G p (). 2 Controladore PID 2. Acção proporcional (P) G c ()

Leia mais

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória.

Palavras-chave:Algoritmo Genético; Carregamento de Contêiner; Otimização Combinatória. Reolução do Problema de Carregamento e Decarregamento 3D de Contêinere em Terminai Portuário para Múltiplo Cenário via Repreentação por Regra e Algoritmo Genético Aníbal Tavare de Azevedo (UNICAMP) anibal.azevedo@fca.unicamp.br

Leia mais

Exercícios Resolvidos de Biofísica

Exercícios Resolvidos de Biofísica Exercício Reolvido de Biofíica Faculdade de Medicina da Univeridade de oimbra Exercício Reolvido de Biofíica Metrado ntegrado em Medicina MEMBRNS HOMOGÉNES Exercício 1. Numa experiência com uma membrana

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC - GAT XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Verão.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recife PE GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA CA E CC GAT

Leia mais

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL

EFEITOS DO COEFICIENTE DE POISSON E ANÁLISE DE ERRO DE TENSÕES EM TECTÔNICA DE SAL Copright 004, Intituto Braileiro de Petróleo e Gá - IBP Ete Trabalho Técnico Científico foi preparado para apreentação no 3 Congreo Braileiro de P&D em Petróleo e Gá, a er realizado no período de a 5 de

Leia mais

λ =? 300 m/ n = 3ventres nv = 3.300 = 2.6 2.6

λ =? 300 m/ n = 3ventres nv = 3.300 = 2.6 2.6 PROVA DE ÍSICA º ANO - 3ª MENSAL - 3º TRIMESTRE TIPO A 01) E relação ao que oi etudado obre ondulatória, ainale V (erdadeiro) ou (alo). (V) A elocidade de ua onda é igual ao produto do copriento de onda

Leia mais

Mecânica dos Fluidos (MFL0001) CAPÍTULO 4: Equações de Conservação para Tubo de Corrente

Mecânica dos Fluidos (MFL0001) CAPÍTULO 4: Equações de Conservação para Tubo de Corrente Mecânica do Fluido (MFL000) Curo de Engenharia Civil 4ª fae Prof. Dr. Doalcey Antune Ramo CAPÍTULO 4: Equaçõe de Conervação ara Tubo de Corrente Fonte: Bitafa, Sylvio R. Mecânica do Fluido: noçõe e alicaçõe.

Leia mais

5. Resolva o problema 4 sabaendo que há atrito entre as rodinhas do armário e o chão e o coeficiente de atrito cinético vale k = 0.25.

5. Resolva o problema 4 sabaendo que há atrito entre as rodinhas do armário e o chão e o coeficiente de atrito cinético vale k = 0.25. Dinâica do Sólido Tranlação de Sólido Centro de aa e Moento Angular ATIVIDADE 1 0 Bietre 1. A epilhadeira otrado pea W = 50 lb e é uado para levantar u caixote de peo 500 lb. A epilhadeira etá ovendo-e

Leia mais

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física

Vestibular 2013 2 a fase Gabarito Física etibular 203 2 a fae Gabarito Fíica Quetão 0 (alor: 5 ponto) Cálculo da variação da quantidade de movimento A velocidade inicial no momento do impacto erá a velocidade final da queda Aplicando conervação

Leia mais

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma

A transformada de Laplace pode ser usada para resolver equações diferencias lineares com coeficientes constantes, ou seja, equações da forma Introdução A tranformada de Laplace pode er uada para reolver equaçõe diferencia lineare com coeficiente contante, ou eja, equaçõe da forma ay + by + cy = ft), para a, b, c R Para io, a equação diferencial

Leia mais

CAPÍTULO 6 - Testes de significância

CAPÍTULO 6 - Testes de significância INF 16 CAPÍTULO 6 - Tete de ignificância Introdução Tete de ignificância (também conhecido como Tete de Hipótee) correpondem a uma regra deciória que no permite rejeitar ou não rejeitar uma hipótee etatítica

Leia mais

AÇÕES DE CONTROLE. Ações de Controle Relação Controlador/Planta Controlador proporcional Efeito integral Efeito derivativo Controlador PID

AÇÕES DE CONTROLE. Ações de Controle Relação Controlador/Planta Controlador proporcional Efeito integral Efeito derivativo Controlador PID AÇÕES E CONTROLE Açõe de Controle Relação Controlador/Planta Controlador roorcional Efeito integral Efeito derivativo Controlador PI Controle de Sitema Mecânico - MC - UNICAMP Açõe comun de controle Ação

Leia mais

Competências/ Objetivos Especifica(o)s

Competências/ Objetivos Especifica(o)s Tema B- Terra em Tranformação Nº previta Materiai Contituição do mundo material Relacionar apecto do quotidiano com a Química. Reconhecer que é enorme a variedade de materiai que no rodeiam. Identificar

Leia mais

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios.

Caracterização temporal de circuitos: análise de transientes e regime permanente. Condições iniciais e finais e resolução de exercícios. Conteúdo programático: Elementos armazenadores de energia: capacitores e indutores. Revisão de características técnicas e relações V x I. Caracterização de regime permanente. Caracterização temporal de

Leia mais

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS

SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS SITE EM JAVA PARA A SIMULAÇÃO DE MÁQUINAS ELÉTRICAS Reumo Luca Franco de Ai¹ Marcelo Semenato² ¹Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia/Campu Jataí/Engenharia Elétrica/PIBIT-CNPQ lucafranco_jty@hotmail.com

Leia mais

Marés, fases principais da Lua e bebês

Marés, fases principais da Lua e bebês Maré, fae principai da ua e bebê CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE FÍSICA, FORIANÓPOIS, V.0, N. 1: P.10-9, ABR. 003 Fernando ang da Silveira Univeridade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Intituto de Fíica

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Mecânica dos Fluidos Aplicada Exercícios Resolvidos 1 a lista.

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CEFET-SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Mecânica dos Fluidos Aplicada Exercícios Resolvidos 1 a lista. ÁREA INDUSTRIAL Diciplina: Mecânica do Fluido Aplicada Exercício Reolvido 1 a lita Profeor: 1 de 7 Data: /03/008 Caruo Em todo o problema, ão upoto conhecido: água =1000kgm 3 e g= 9,80665m 1. Motrar que

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais

Laboratório de Sistemas e Sinais Equações Diferenciais Laboratório e Sitema e Sinai Equaçõe Diferenciai Luí Cala e Oliveira Abril 2009 O objectivo ete trabalho e laboratório é o e realizar experiência com moelo e itema em tempo contínuo ecrito por equaçõe

Leia mais

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos

Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Processos em Engenharia: Introdução a Servomecanismos Prof. Daniel Coutinho coutinho@das.ufsc.br Departamento de Automação e Sistemas DAS Universidade Federal de Santa Catarina UFSC DAS 5101 - Aula 7 p.1/47

Leia mais

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc.

TRANSMISSÃO DE CALOR II. Prof. Eduardo C. M. Loureiro, DSc. TRANSMISSÃO DE CAOR II Prof. Eduardo C. M. oureiro, DSc. MECANISMOS FÍSICOS T T at A condenação ocorre quando a temperatura de um vapor é reduzida a vaore inferiore ao de ua temperatura de aturação. Em

Leia mais

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA

UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA UMA ABORDAGEM GLOBAL PARA O PROBLEMA DE CARREGAMENTO NO TRANSPORTE DE CARGA FRACIONADA Benjamin Mariotti Feldmann Mie Yu Hong Chiang Marco Antonio Brinati Univeridade de São Paulo Ecola Politécnica da

Leia mais

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações

Avaliação de Ações. Mercado de Capitais. Luiz Brandão. Ações. Mercado de Ações Mercado de Capitai Avaliação de Açõe Luiz Brandão O título negociado no mercado podem de renda fixa ou de renda variável. Título de Renda Fixa: Conhece-e de antemão qual a remuneração a er recebida. odem

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SÃO PAULO CEFET SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Máquinas Hidráulicas MHL Exercícios resolvidos

ESCOLA TÉCNICA FEDERAL DE SÃO PAULO CEFET SP ÁREA INDUSTRIAL Disciplina: Máquinas Hidráulicas MHL Exercícios resolvidos Diciplina: Máquina Hidráulica MHL Exercício reolido /7 Data: 02/0/00 ) Deontrar a igualdade nuérica entre a aa de u fluido no itea MKS e eu peo no itea MK*S Seja x o núero que repreenta, ito é: x coo:

Leia mais

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M.

CONTROLO DE SISTEMAS. APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox. Pedro Dinis Gaspar António Espírito Santo J. A. M. UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROMECÂNICA CONTROLO DE SISTEMAS APONTAMENTOS DE MATLAB CONTROL SYSTEM Toolbox Pedro Dini Gapar António Epírito Santo J. A. M. Felippe de Souza

Leia mais

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2

Física Básica: Mecânica - H. Moysés Nussenzveig, 4.ed, 2003 Problemas do Capítulo 2 Fíica Báica: Mecânica - H. Moyé Nuenzveig, 4.ed, 003 Problea do Capítulo por Abraha Moyé Cohen Departaento de Fíica - UFAM Manau, AM, Brail - 004 Problea Na célebre corrida entre a lebre e a tartaruga,

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição

PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Votos e Contribuição PROCEDIMENTO DE MERCADO AM.04 Cálculo de Voto e Contribuição Reponável pelo PM: Acompanhamento do Mercado CONTROLE DE ALTERAÇÕES Verão Data Decrição da Alteração Elaborada por Aprovada por PM AM.04 - Cálculo

Leia mais

O CORPO HUMANO E A FÍSICA

O CORPO HUMANO E A FÍSICA 1 a fae Prova para aluno do 9º e 1º ano LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO: 01) Eta prova detina-e excluivamente a aluno do 9 o ano do enino fundamental e 1º ano do enino médio. Ela contém trinta quetõe.

Leia mais

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos

Análise de Sensibilidade de Anemômetros a Temperatura Constante Baseados em Sensores Termo-resistivos UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE ELETRICIDADE Análie de Senibilidade de Anemômetro a Temperatura Contante Baeado em Senore Termo-reitivo

Leia mais

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL

METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL METODOLOGIA DE PROJETO DE FILTROS DE SEGUNDA ORDEM PARA INVERSORES DE TENSÃO COM MODULAÇÃO PWM DIGITAL Leandro Michel * Robinon F. de Camargo * michel@ieee.org robinonfc@bol.com.br Fernando Botterón *

Leia mais

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica;

s Rede Locais s Shielded Twisted Pair (STP); s Unshielded Twisted Pair (UTP); s Patch Panels; s Cabo Coaxial; s Fibra Óptica; Rede de Computadore Rede Locai Shielded Twited Pair (STP); Unhielded Twited Pair (UTP); Patch Panel; Cabo Coaxial; Fibra Óptica; 2 2010 Airton Junior. All right reerved. Rede de Computadore É um conjunto

Leia mais

TRABALHO E ENERGIA PROF. JOÃO VICENTE

TRABALHO E ENERGIA PROF. JOÃO VICENTE TRABALHO E ENERGIA PRO. JOÃO VICENTE ESTAÇÃO ECOLOGICA DE PETI 1 - CONCEITO DE TRABALHO Observe a figura abaixo: d Se o corpo sofreu a ação de força durante um certo deslocamento, foi realizado no corpo

Leia mais

Fenômenos de Transporte I

Fenômenos de Transporte I Fenômeno de Tranorte I Aula Prof. r. Gilberto Garcia Cortez 9.3 Ecoamento em um duto e tubo. 9.3. Conideraçõe erai O ecoamento em duto ou tubo é etudo de rande imortância, oi ão o reonáei elo tranorte

Leia mais

Filtros Analógicos Ativos

Filtros Analógicos Ativos Filtro Analógico Ativo Topologia Sallen-Key FPB Prof. láudio A. Fleury onteúdo. Introdução. Filtro Paa-Baixa de a. Ordem 3. Mudança de Ecala 4. Filtro Paa-Alta de a. Ordem 5. Filtro Paa-Faixa e ejeita-faixa

Leia mais

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas.

Reconhece e aceita a diversidade de situações, gostos e preferências entre os seus colegas. Ecola Báic a 2º º e 3º º Ciclo Tema 1 Viver com o outro Tema Conteúdo Competência Actividade Tema 1 Viver com o outro Valore Direito e Devere Noção de valor O valore como referenciai para a acção: - o

Leia mais

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1

Modelagem no Domínio do Tempo. Carlos Alexandre Mello. Carlos Alexandre Mello cabm@cin.ufpe.br 1 Carlos Alexandre Mello 1 Modelagem no Domínio da Frequência A equação diferencial de um sistema é convertida em função de transferência, gerando um modelo matemático de um sistema que algebricamente relaciona

Leia mais

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO

Curso de Análise Matricial de Estruturas 1 I - INTRODUÇÃO Curo de Análie Matricial de Etrutura 1 I - INTRODUÇÃO I.1 - Introdução O proceo de um projeto etrutural envolve a determinação de força interna e de ligaçõe e de delocamento de uma etrutura. Eta fae do

Leia mais

31.1 Treliça de Mörsch

31.1 Treliça de Mörsch Univeridade Católica de Goiá - Departamento de Engenharia Etrutura de Concreto Armado I - Nota de Aula conteúdo 31 cialhamento 31.1 Treliça de Mörch O comportamento de peça fletida (fiurada) de concreto

Leia mais

1. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PARA A CONCEPÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA SENSIBILIDADE ESTRUTURAL

1. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PARA A CONCEPÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DA SENSIBILIDADE ESTRUTURAL UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CCT CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEC DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL APOSTILA DE CONCRETO ARMADO I CAR I 2º emetre de 2011 Proa. Sandra Denie Kruger Alve

Leia mais

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE

Associação de Professores de Matemática PROPOSTA DE RESOLUÇÃO DO EXAME DE MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS (PROVA 835) 2013 2ªFASE Aociação de Profeore de Matemática Contacto: Rua Dr. João Couto, n.º 7-A 1500-36 Liboa Tel.: +351 1 716 36 90 / 1 711 03 77 Fax: +351 1 716 64 4 http://www.apm.pt email: geral@apm.pt PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

Leia mais

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis

Simplified method for calculation of solid slabs supported on flexible beams: validation through the non-linear analysis Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.14, p.71-81, Outubro, 2009 Método implificado para cálculo de laje maciça apoiada em viga fleívei: validação por meio da análie não linear Simplified method for

Leia mais

APOSTILA DE USO DO SOFTWARE COMPUTACIONAL ModSym

APOSTILA DE USO DO SOFTWARE COMPUTACIONAL ModSym UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO E AUTOMAÇÃO APOSTILA DE USO DO SOFTWARE COMPUTACIONAL ModSym Prof. André Laurindo Maitelli 28 de

Leia mais

Sobre um corpo de 25kg, de massa atuam, em sentidos opostos de uma mesma direção, duas forças de intensidades. algarismos significativos é: a)

Sobre um corpo de 25kg, de massa atuam, em sentidos opostos de uma mesma direção, duas forças de intensidades. algarismos significativos é: a) Sobre um corpo de 5kg, de maa atuam, em entido opoto de uma mema direção, dua força de intenidade 50, 40 N e 50, 40 N, repectivamente. A opção que oferece o módulo da aceleração reultante com o número

Leia mais

6.2.1 Prescrições gerais

6.2.1 Prescrições gerais CAPÍTULO 6.2 PRESCRIÇÕES RELATIVAS AO FABRICO E AOS ENSAIOS SOBRE OS RECIPIENTES SOB PRESSÃO, AEROSSÓIS, RECIPIENTES DE BAIXA CAPACIDADE CONTENDO GÁS (CARTUCHOS DE GÁS) E CARTUCHOS DE PILHAS DE COMBUSTÍVEL

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA

IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS DE UM MOTOR DE CORRENTE ALTERNADA Anai do 12 O Encontro de Iniciação Científica e Pó-Graduação do ITA XII ENCITA / 26 Intituto Tecnológico de Aeronáutica São Joé do Campo SP Brail Outubro 16 a 19 26 IDENTIFICAÇÃO DOS PARÂMETROS ELÉTRICOS

Leia mais

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS

ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO E ANÁLISE PLÁSTICA DE VIGAS DE EDIFÍCIOS Anai do 47º Congreo Braileiro do Concreto - CBC005 Setembro / 005 ISBN 85-98576-07-7 Volume XII - Projeto de Etrutura de Concreto Trabalho 47CBC06 - p. XII7-85 005 IBRACON. ANÁLISE LINEAR COM REDISTRIBUIÇÃO

Leia mais

ITA 2011/2012 GABARITO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA. Professores:

ITA 2011/2012 GABARITO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA. Professores: ITA 011/01 GABARITO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Profeore: Carlo Graterol Dadalti Dilmer Silva Fábio Moreira Fábio Oliveira Fábio Rodrigue Humberto Machado Leonardo Domingo Márcio Lima Matheu Secco

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNCIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS COM VAZÃO VARIÁVEL. Renata Akemi Sassaki

DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNCIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS COM VAZÃO VARIÁVEL. Renata Akemi Sassaki DISTRIBUIÇÃO DE TEMPOS DE RESIDÊNIA EM SISTEMAS ALIMENTADOS OM VAZÃO VARIÁVEL Renata Akemi Saaki TESE SUBMETIDA AO ORPO DOENTE DA OORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Princípios de Instrumentação Biomédica. Módulo 4 Universidade Federal do Rio de Janeiro Princípios de Instrumentação Biomédica Módulo 4 Faraday Lenz Henry Weber Maxwell Oersted Conteúdo 4 - Capacitores e Indutores...1 4.1 - Capacitores...1 4.2 - Capacitor

Leia mais

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa C. alternativa D. Características Amostra 1 Amostra 2. Pressão (atm) 1,0 0,5

Questão 46. Questão 48. Questão 47. alternativa E. alternativa C. alternativa D. Características Amostra 1 Amostra 2. Pressão (atm) 1,0 0,5 Questão 46 Um corpo de 50 g de massa encontra-se em equilíbrio, preso a uma mola helicoidal de massa desprezíel e constante elástica k igual a 100 N/m, como mostra a figura a seguir. O atrito entre as

Leia mais

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente:

Considere as seguintes expressões que foram mostradas anteriormente: Demontração de que a linha neutra paa pelo centro de gravidade Foi mencionado anteriormente que, no cao da flexão imple (em eforço normal), a linha neutra (linha com valore nulo de tenõe normai σ x ) paa

Leia mais

Programa de Formação Técnica Continuada. Proteção contra descargas Atmosféricas

Programa de Formação Técnica Continuada. Proteção contra descargas Atmosféricas Programa de Formação Técnica Continuada Proteção contra decarga Atmoférica 1. Origem e formação da decarga atmoférica...2 Índice 2. O parâmetro do Raio...4 3. Claificação da intalaçõe...4 4. Técnica de

Leia mais

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate

I Desafio Petzl Para Bombeiros Regulamento Campeonato Internacional de Técnicas Verticais e Resgate ! I Deafio Petzl Para Bombeiro Regulamento Campeonato Internacional de Técnica Verticai e Regate A Spelaion, ditribuidor excluivo Petzl no Brail e o Corpo de Bombeiro de Goiá, etá organizando o Primeiro

Leia mais

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler.

GABARITO NÍVEL III. Questão 1) As Leis de Kepler. SOCIEDADE ASTONÔMICA BASILEIA SAB IV Olimpíada Braileira de Atronomia IV OBA - 001 Gabarito da Prova de nível III (para aluno do enino médio) GABAITO NÍVEL III Quetão 1) A Lei de Kepler. Johanne Kepler,

Leia mais

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2

Matemática / Física. Figura 1. Figura 2 Matemática / Fíica SÃO PAULO: CAPITAL DA VELOCIDADE Diveo título foam endo atibuído à cidade de São Paulo duante eu mai de 00 ano de fundação, como, po exemplo, A cidade que não pode paa, A capital da

Leia mais

Observação: CURSOS MICROSOFT

Observação: CURSOS MICROSOFT Obervação: O material utilizado nete curo é de propriedade e ditribuição da emprea Microoft, podendo er utilizado por qualquer peoa no formato de ditribuição WEB e leitura em PDF conforme decrito na lei

Leia mais

Cap. 8 - Controlador P-I-D

Cap. 8 - Controlador P-I-D CONTROLADOR ID Metrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (MEEC) Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Comptadore (DEEC) CONTROLO º emetre 7/8 Tranparência de apoio à ala teórica

Leia mais

Lei de Coulomb: Campo Elétrico:

Lei de Coulomb: Campo Elétrico: Lei de Coulomb: Método para distribuição de cargas: Dividir a distribuição em infinitos dq Analisar feito por dq Dividir em suas componentes dfx e dfy Analisar se há alguma forma de simetria que simplifica

Leia mais

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE

TENSÕES E CORRENTES TRANSITÓRIAS E TRANSFORMADA LAPLACE TNSÕS CONTS TANSTÓAS TANSFOMADA D APAC PNCPAS SNAS NÃO SNODAS Degrau de ampliude - É um inal que vale vol para < e vale vol, conane, para >. Ver fig. -a. v (a) (b) v Fig. A fig. -b mora um exemplo da geração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA - CT DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO - DELC PROJETO REENGE - ENG. ELÉTRICA CADERNO DIDÁTICO DE SISTEMAS DE CONTROLE 1 ELABORAÇÃO:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA. Eletricidade UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Eletricidade Análise de Circuitos alimentados por fontes constantes Prof. Ilha Solteira,

Leia mais

RESUMO 01: SEÇÃO RETANGULAR ARMADURA SIMPLES E DUPLA

RESUMO 01: SEÇÃO RETANGULAR ARMADURA SIMPLES E DUPLA 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II PROF. IBERÊ 1 / 8 0851 CONSTRUÇÕES DE CONCRETO RDO II RESUO 01: SEÇÃO RETNGULR RDUR SIPLES E DUPL TERIIS - ço y y 1,15 C 50 y 5000 g / m y 4348 g / m σ y tração Diagrama

Leia mais