01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:"

Transcrição

1 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa, o Brasl é o quarto maor poludor, conforme a tabela abao: Classfcação País Porcentagem o Estados Undos 5,8 o Chna,9 o Brasl 5, 7 o Japão, 9 o Malása, o Canadá,8 (Apocalpse já Veja, São Paulo, n 96, p 8, 6 jun 6 Adaptado) É CORRETO afrmar que a porcentagem de gases emtdos juntamente por Japão e Canadá, em relação aos gases emtdos pelo Brasl, é apromadamente: a) 9,% b) 9,7% c) 9,% d) 9,6% e) 9,5% NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Porcentagem RESPOSTA: Letra (d) Pela tabela acma tem-se que Japão e Canadá juntos emtem 5 % do total de gases do efeto estufa Como o Brasl emte 5,%, decorre, por uma regra de três smples, que 5 de 5, correspondem a 5 9,6%, 5, que é a porcentagem de gases emtdos juntamente por Japão e Canadá, em relação aos gases emtdos pelo Brasl

2 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 No jogo abao, o jogador precsa descobrr em quas dos otenta e um quadradnhos estão colocadas bombas No quadradnho onde aparece um número é certeza que não há uma bomba Por sua vez, o número que aparece dentro do quadradnho ndca quantas bombas há nos oto quadradnhos que o cercam Por eemplo, o número ndca que há duas bombas espalhadas nos oto quadradnhos que cercam o número Consdere Q a regão delmtada pelo quadrado que contém o número, formada por nove quadradnhos; e R a regão delmtada pelo retângulo que contém os números e, formada por dezoto quadradnhos Baseado nestas nformações, assnale a afrmatva INCORRETA: a) As bombas podem estar dstrbuídas na regão Q de 8 maneras dstntas b) A probabldade de o jogador escolher um quadradnho que não contenha bomba é maor na regão R do que na regão Q c) A probabldade de o jogador escolher um quadradnho na regão Q que contenha uma bomba é gual a,5 d) A probabldade de o jogador escolher um quadradnho que não contenha uma bomba na regão R é gual a,75 e) As bombas podem estar dstrbuídas na regão R de 8 maneras dstntas ANÁLISE COMBINATÓRIA E PROBABILIDADE Cálculo combnatóro: combnações Probabldade: concetos báscos RESPOSTA: Letra (b) a) Na regão Q há duas bombas, b e b, espalhadas nos oto quadradnhos que cercam o número Como, por eemplo, uma dstrbução na qual b está no prmero quadradnho e b no segundo representa a mesma dstrbução que aquela onde b está no segundo quadradnho e b no prmero, temos uma combnação de oto quadradnhos tomados dos a dos Dessa forma, o número de maneras dstntas é dado por: 8! 8! 6! C 8, 8! 8!! 6!! 6! Portanto, a afrmatva (a) é CORRETA ( ) b) Na regão R, há quatro bombas que estão dstrbuídas em dezesses quadradnhos Logo, o número de casos favoráves a não encontrar uma bomba é Assm, a probabldade do jogador escolher um quadradnho que não contenha uma bomba na regão R é,75 6

3 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO Por outro lado, na regão Q há duas bombas que estão dstrbuídas em oto quadradnhos Logo, o número de casos favoráves a não encontrar uma bomba é 6 e, portanto, a probabldade do jogador escolher um quadradnho que não contenha uma bomba na regão Q é 6,75 8 Deste modo a probabldade é a mesma nas regões R e Q Portanto, a afrmatva (b) é INCORRETA c) Utlzando o tem (b) tem-se que a probabldade do jogador escolher um quadradnho na regão Q que contenha uma bomba é gual a,75,5 Portanto, a afrmatva (c) é CORRETA d) Pelo tem (b) segue que a probabldade de escolher um quadradnho que não contenha uma bomba na regão R é,75 Portanto, a afrmatva (d) é CORRETA e) O número de maneras dstntas de dstrbur três bombas nos oto quadradnhos que cercam o número é dado por C 8, e o número de maneras dstntas de dstrbur uma bomba nos oto quadradnhos que cercam o número é dado por C 8, Pelo prncípo multplcatvo, as bombas podem ser dstrbuídas na regão R de Portanto, a afrmatva (e) é CORRETA 8! 8! C8, C8, 8 8 maneras!! 6 ( 8 )!! ( 8 ) Seja Ω { A,B, C,D,E,F, G,H,I, J,K,L, L, X,Y,Z }, conjunto das letras do alfabeto braslero (nclundo K, W, Y) Consdere Ω um subconjunto de RI e f : Ω Ω a função defnda por f ( A), f ( B) 7, f ( C), f ( D) 87 e assm por dante Suponha, anda, que f é bjetora e que f é sua nversa Calculando 9 5 f () f ( ) f ( ) f ( ) e mantendo esta ordem, obtém-se a palavra: a) A N E L b) A L G O c) A L E M d) A M E I e) A N I L FUNÇÕES Função Inversa RESPOSTA: Letra (c)

4 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 De acordo com o enuncado, temos que f (A) f ( B ) f (C) f (D) M ( ) ( ) ( ) ( ) Como a dsposção dos elementos de Ω é a ordem das letras do alfabeto braslero (nclundo K, W e Y), a letra A está na posção, a B na posção, a C na posção, a D na posção, e assm sucessvamente Portanto, a função pode ser dada de acordo com a segunte regra: Desta forma, tem-se [ (posção da letra) ] f (letra) f ( ) f ( ) A, que é a letra na posção ( f ) f ( ) L, que é a letra na posção ( 9 5 f ) f ( ) E, que é a letra na posção 5 ( 5 Mantendo esta ordem, obtém-se a palavra: A L E M f ) f ( ) M, que é a letra na posção Com uma chapa de aço na forma de um setor crcular AOB, de ângulo central α AOB radanos e rao r, constró-se um recpente na forma de um cone crcular reto, unndo os segmentos OA e OB, conforme lustra a fgura abao A B A B A B α O O O α r O volume do cone assm obtdo é V α Dmnundo em % o valor de r e mantendo constante o ângulo central α, a capacdade do recpente, em porcentagem, dmnu em: a) 5,% b) 58,8% c) 9,8% d) 8,8% e) 5,% GEOMETRIA NO ESPAÇO Volumes dos sóldos: cone (e respectvos troncos) NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Porcentagens RESPOSTA: Letra (d)

5 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO 5 Tem-se que V α α r é o volume do recpente Dmnundo em % o valor de r, obtém-se um novo cone de rao,8 r e volume V dado por ( ) V,5 (,8),8 V α α α α r r Assm, o novo recpente tem capacdade de 5,% do orgnal Portanto, a capacdade do recpente, em porcentagem, dmnu em 8,8% 5 A área do polígono cujos vértces são as raízes compleas da equação ) ( z é gual a: a) 9 b) 8 c) d) 6 e) CONJUNTOS NUMÉRICOS Números reas: potencação e radcação Números compleos: forma polar, raízes n-ésmas de números compleos, representação geométrca dos números compleos GEOMETRIA PLANA Área de polígonos RESPOSTA: Letra (e) Consdere z w Logo ) ( z w Devemos determnar CI k z tal que + k k w z, onde CI k w e k w Como a forma trgonométrca do número compleo é ( ) + sen cos, segue pela segunda fórmula de De Movre que sen cos k k w k, onde k assume os valores,, ou Logo, as raízes quartas do número compleo são: w sen cos o w sen cos w + 5 sen 5 cos w + 7 sen 7 cos

6 6 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 Desta forma, as raízes compleas da equação ( z ) são: z o wo + +, cujo afo é o ponto P o (,) z w + +, cujo afo é o ponto P (,) z w +, cujo afo é o ponto P (, ) z w +, cujo afo é o ponto P (, ) Como os pontos P o, P, P e P são vértces de um quadrado de lado, a área do polígono formado é de undades quadradas 6 Sob duas ruas paralelas de uma cdade serão construídos, a partr das estações A e B, passando pelas estações C e D, dos túnes retlíneos, que se encontrarão na estação X, conforme lustra a fgura abao X túnel túnel C D rua km,5 km A B rua A dstânca entre as estações A e C é de km e entre as estações B e D, de,5 km Em cada um dos túnes são perfurados m por da Sabendo que o túnel demandará 5 das para ser construído e que os túnes deverão se encontrar em X, no mesmo da, é CORRETO afrmar que o número de das que a construção do túnel deverá anteceder à do túnel é: a) 5 b) 5 c) 5 d) 5 e) 5 GEOMETRIA PLANA Paralelsmo Semelhança e congruênca de fguras planas UNIDADES DE MEDIDAS Meddas de comprmento Transformações das undades de meddas RESPOSTA: Letra (c) Como o túnel demandará 5 das para ser construído e são perfurados metros por da, podemos afrmar que o túnel mede 5 metros da estação A até a X Logo, a dstânca da estação C até a X é metros ( km m) Pelo Teorema de Thales, segue que CX DX DX DX metros AC BD 5 Assm, o túnel mede 5 metros da estação B até a estação X Então sua construção demandará 5 75 das Portanto, para que os túnes encontrem-se em X, no mesmo da, a construção do túnel deverá anteceder à do túnel em das

7 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO 7 7 Sejam a e b números reas tas que a reta de equação ( b + a) + y + b é paralela ao eo das abscssas e ntercepta a bssetrz dos quadrantes pares no ponto de abscssa 6 O valor de a é: a) 9 b) 6 c) d) 9 e) GEOMETRIA PLANA Paralelsmo GEOMETRIA ANALÍTICA As equações da reta Posções relatvas de retas MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES Dscussão e resolução de sstemas de equações lneares RESPOSTA: Letra (d) b + a b A forma reduzda da equação da reta ( b + a) + y + b é y Logo, o coefcente b + a angular dessa reta é m Sendo que a reta é paralela ao eo das abscssas e que ntercepta a bssetrz dos quadrantes pares no ponto de abscssa 6, para determnar o valor de a, basta resolver o sstema b + a b + a Desta forma, segue que b e a 9 ( 6 ) b 6 b + a b Uma empresa de entrega de mercadoras possu váras flas em uma cdade A fm de mamzar a dstrbução, a empresa dvdu a cdade em 5 setores, desgnando um número natural a cada setor A tabela abao mostra parte do quadro de dstrbução de uma das flas desta empresa, sendo que os demas setores seguem a forma de dstrbução apresentada Das da Semana Setor Segunda 7 Terça 6 Quarta 8 Qunta 5 Seta 9 5 Sábado O da da semana em que essa flal atenderá o setor 75 é: a) sábado b) qunta c) segunda d) seta e) quarta

8 8 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 CONJUNTOS NUMÉRICOS Números naturas e nteros: operações fundamentas RESPOSTA: Letra (b) Note que no quadro de dstrbução há 6 das da semana e que, ao dvdr um número natural n por 6, obtém-se um quocente q e um resto r de tal forma que n q + r r,,,,, 5 Observe 6, onde { } também que na segunda, terça, quarta, qunta, seta e sábado estão os setores cujos números, ao serem dvddos por 6, deam resto,,, 5, e, respectvamente Como a dvsão de 75 por 6 dea resto 5, conclu-se que o setor 75 está na qunta 9 Consdere f : IR IR uma função real defnda por cartesano que melhor representa a função f é: cos f ( ) det sen O gráfco sen cos a) y b) y c) y d) y e) y MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES Prncpas propredades de determnantes FUNÇÕES Gráfco de função TRIGONOMETRIA Funções Crculares: funções seno, cosseno

9 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO 9 RESPOSTA: Letra (a) Desenvolvendo a epressão da função f tem-se cos f ( ) det sen cos sen + sen cos sen cos cos sen cos() sen cos Note que o arco eecuta uma volta completa no cclo se vara entre e Isso sgnfca que o período da função f é Além dsso, tabelando alguns valores da função f tem-se: f ( ) cos() Portanto, o gráfco cartesano que melhor representa a função f é: y Um satélte descreve uma órbta elíptca em torno da Terra Consderando a Terra como um ponto na orgem do sstema de coordenadas, a equação da órbta do satélte é dada por y 88 96, onde e y são meddos em mlhares de qulômetros Nessas condções, é CORRETO afrmar que: a) a menor dstânca do satélte à Terra é 6 km b) a dstânca do ponto ( 6,) da órbta do satélte à Terra é 8 km c) a maor dstânca do satélte à Terra é 6 km d) a órbta do satélte passa pelo ponto de coordenadas (,6) e) a ecentrcdade da órbta do satélte é CÁLCULO ALGÉBRICO Operações com epressões algébrcas Produtos notáves CONJUNTOS NUMÉRICOS Números reas: valor absoluto GEOMETRIA ANALÍTICA Seções côncas: elpse RESPOSTA: Letra (c)

10 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 A órbta do satélte é descrta pela equação y Nesta equação, completando, separadamente, o quadrado perfeto nas varáves e y, segue que y y ( ) + 5 y 96 9 ( + 6 ) + 5 y ( 6) + 5 y 6 ( 6) ( y ) + ( ) A epressão ( ) é a equação reduzda da elpse que representa a órbta do satélte Como a Terra está na orgem do sstema de coordenadas e o eo maor da órbta está ao longo do eo das abscssas, a maor dstânca ocorre no ponto de coordenadas ( a, ) sobre a elpse, conforme o esboço abao Terra ( a,) Substtundo as coordenadas do ponto ( a, ) na equação ( ), tem-se ( a 6) ( ) + ( a 6) a 6 a ou a + 6 Portanto, a maor dstânca do satélte à Terra, em mlhares de qulômetros, é 6 ou, equvalentemente, 6 km Se a, b, e c são raízes reas do polnômo p ( ) , então log( a + b + c ), onde log denota logartmo decmal, é: a) b) c) d) e) POLINÔMIOS Equações polnomas: relações de Grard FUNÇÃO LOGARÍTMICA Defnção e propredades RESPOSTA: Letra (e)

11 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO De acordo com as relações de Grard, tem-se que abc, 9 ab + ac + bc, a + b + c Como ( a + b + c) a + b + c + ( ab + ac + bc), segue que consegunte, log( a + b + c ) log log 9 a + b + c ( ) e, por Mona verfcou que o preço de um televsor era R$ 8, Após uma semana, retornou à mesma loja e constatou que o preço da mesma televsão fora reajustado em mas 5% O desconto que Mona deve receber para que o valor da televsão retorne ao preço anteror é, apromadamente, de: a) % b),5% c) % d),5% e) 5% NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Regra de três smples e composta Porcentagens RESPOSTA: Letra (a) 5 Como 5% de 8 representam 8 6, o novo preço do televsor passará a ser, em reas, Por uma regra de três smples, decorre que 6 de 966 correspondem, em porcentagem, a 6, que vale apromadamente % 966 Dzemos que ( a, f ( a)) é um ponto fo do gráfco de uma função real f : IR IR se f ( a) a Se f ( ) , então a dstânca entre os pontos fos do gráfco de f é: a) 7 b) c) 8 d) 5 e) 6 CÁLCULO ALGÉBRICO Operações com epressões algébrcas FUNÇÃO DO O ANALÍTICA Dstânca entre dos pontos GRAU Zeros GEOMETRIA

12 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 RESPOSTA: Letra (d) De acordo com o enuncado, ( a, f ( a)) é ponto fo do gráfco da função f se a satsfaz à condção f ( a) a, ou seja, a + 8 a + 6 a Desta epressão, obtém-se a equação a + 7 a + 6, cujas raízes são a e a 6 Deste modo, os pontos fos do gráfco de f são (, ) e ( 6, 6) Portanto, a dstânca entre os pontos fos do gráfco de f é ( 6 + ) + ( 6 + ) 5 Sejam f e g funções reas tas que f ( g ( )) + e g ( ), para todo IR A partr dessas nformações, consdere as seguntes afrmatvas, atrbundo V para a(s) verdadera(s) e F para a(s) falsa(s): ( ) As raízes de f são e ( ) O produto de f () e g ( f (7)) é gual a 6 ( ) O resto da dvsão de f ( g ( ) ) por g () é gual a ( ) Para todo tem-se que f ( g ( )) A seqüênca CORRETA é: a) F, F, V, F b) V, F, V, F c) F, V, V, F d) V, V, F, V e) F, V, F, V FUNÇÕES Composção de funções FUNÇÃO DO O GRAU Zeros FUNÇÃO DO O GRAU Inequações produto CÁLCULO ALGÉBRICO Operações com epressões algébrcas POLINÔMIOS Teorema do Resto RESPOSTA: Letra (b) Sendo a, temos que a + Agora, de acordo com o enuncado, f ( ) + a + a + consegunte, f ( a ) + e, desenvolvendo esta epressão, obtém-se partr dsso pode-se analsar cada uma das afrmatvas: ( V ) As raízes de f são e De fato, as raízes de f são as soluções da equação f ( a), ou seja, os números e ( F ) O produto de f () e g ( f (7)) é gual a 6 Por f ( a) a A 7 Com efeto, f (7) e f () Logo g ( f ( 7 ) ) g( ) e, conseqüentemente, f ( ) g( f (7))

13 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO ( V ) O resto da dvsão de f ( g ( ) ) por g () é gual a De fato, pelo Teorema do Resto, tem-se que o resto da dvsão de f ( g ( ) ) por g () é gual a f g Como g, segue que ( F ) Para todo tem-se que f ( g ( )) f g () f Com efeto, f ( g ( ) ) + ( ) De acordo com o dspostvo prátco abao snal de : snal de : snal de ( ): + + conclu-se que f ( g ( )) é válda para todo Portanto, a seqüênca CORRETA é: V, F, V, F 5 Um pecuarsta fca sabendo que seus anmas devem ngerr daramente 6 g do nutrente A e g do nutrente B Este pecuarsta dspõe de três tpos de ração, com as seguntes característcas, por qulograma: A ração I contém 5 gramas do nutrente A e 8 gramas do nutrente B; custa R$, A ração II contém 5 gramas do nutrente A e gramas do nutrente B; custa R$, A ração Ш contém 5 gramas do nutrente A e 8 gramas do nutrente B; custa R$ 8, O pecuarsta pretende msturar as rações І, II e Ш, de manera que seus anmas possam ngerr a quantdade de nutrentes recomendada Se, além dsso, ele deseja gastar eatamente R$,, é CORRETO afrmar que: a) é mpossível o pecuarsta fazer a mstura de modo que seus anmas possam ngerr daramente 6 g do nutrente A, g do nutrente B e gastar eatamente R$, b) é possível o pecuarsta fazer a mstura combnando kg da ração I, kg da ração II e kg da ração Ш c) a mstura deve ser feta combnando kg da ração I, kg da ração II e kg da ração Ш d) estem váras formas de fazer a mstura de modo que seus anmas possam ngerr daramente 6 g do nutrente A, g do nutrente B e gastar eatamente R$, e) a mstura deve ser feta combnando kg da ração I, kg da ração II e kg da ração Ш MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES Dscussão e resolução de sstemas de equações lneares RESPOSTA: Letra (a) Os dados do problema podem ser organzados, conforme a tabela abao: Nutrente A Nutrente B Preço/kg ração I 5 g 8 g R$, ração II 5 g g R$, ração Ш 5 g 8 g R$ 8,

14 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 Sejam, y e z as quantdades, em kg, das rações І, II e Ш, respectvamente, que devem ser msturadas De acordo com o enuncado, para consegur a quantdade recomendada dos nutrentes A e B, gastando eatamente R$,, as ncógntas, y e z devem satsfazer o segunte sstema de equações: ou, equvalentemente, 5 + 5y + 5z y + 8z + y + 8z + y + z + y + z + y + 8z () ( ) ( ) Subtrando, membro a membro, as equações ( ) e ( ), obtém-se z Por outro lado, multplcando, membro a membro, a equação ( ) por e subtrando, membro a membro, da equação ( ), tem-se z Como, decorre que o sstema não tem solução, ou seja, é mpossível o pecuarsta fazer a mstura do modo requerdo QUESTÕES DISCURSIVAS Em computação gráfca, quando um programa altera a forma de uma magem, está transformando cada ponto de coordenadas (, y), que forma a magem, em um novo ponto de coordenadas ( a, b) A fgura ao lado lustra a transformação da magem na magem (, y) ( a, b) Um dos procedmentos que consste em transformar o ponto (, y) no ponto ( a, b) é realzado, através de operações com matrzes, de acordo com as seguntes etapas: Fe duas matrzes nvertíves M e E, de ordem, e consdere M a matrz nversa de M Etapa : Etapa : Tome P e Q as matrzes cujas entradas são as coordenadas dos pontos (, y) e ( a, b), a respectvamente, sto é, P e Q y b magem Etapa : Obtenha Q a partr de P por meo da epressão Q E M P magem Consderando estas etapas e as matrzes a) a nversa de M M e E, determne: b) o ponto ( a, b) que é obtdo do ponto (, ) por meo da epressão Q E M P MATRIZES, DETERMINANTES E SISTEMAS LINEARES Multplcação de matrzes Inversão de matrzes Resolução de sstemas de equações lneares

15 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO 5 u v a) Consderando M, segue, por defnção, que z w u v M M z w Efetuando o produto e utlzando a gualdade de matrzes, obtêm-se os sstemas: cujas soluções são u + z u + z z, u, w e 6 e v Portanto, 6 6 M 6 v + w v + w b) Pelo tem a) decorre que Q 6 6 Efetuando o produto de matrzes obtém-se epressão Q E M P é o ponto (, ) Q Portanto, a magem do ponto (, ) por meo da Uma fábrca deseja produzr uma chapa retangular a partr de uma chapa metálca que tem a forma de um trângulo sósceles Suponha que A, B e C são os vértces da chapa trangular; que D, E, F e G são os vértces da chapa retangular; e que AB AC m e A BC ˆ 6o, conforme lustra a fgura ao lado Determne: a) o coefcente angular da reta que passa pelos pontos A e B G y A D b) a área S da chapa retangular em função de o, onde o é a abscssa do ponto D C F E 6 o B c) as dmensões, em metros, da chapa retangular para que sua área seja máma TRIGONOMETRIA Seno, cosseno e tangente Relações trgonométrcas em trângulo retângulo CÁLCULO ALGÉBRICO Operações com epressões algébrcas CONJUNTOS NUMÉRICOS Números reas: operações fundamentas FUNÇÃO DO O GRAU Estudo do vértce da parábola: coordenadas do vértce, valor mámo ou valor mínmo a) O coefcente angular da reta que passa pelos pontos A e B é dado por tgo tg6o

16 6 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 b) O ponto E tem coordenadas ( o, ), pos o é a abscssa do ponto D Além dsso, como o trângulo ABC é sósceles, o ponto F tem coordenadas ( o, ) Deste modo, a largura da chapa é EF o ( o ) o Agora, sejam ( b, ) as coordenadas do ponto B e O a orgem do sstema de coordenadas Como o trângulo AOB é retângulo e AB m, tem-se que OB cos 6o b b AB Por outro lado, o trângulo BDE é retângulo e BE o, pos B (, ) e E( o, ) Assm, DE DE tg6o, BE e, por consegunte, a altura da chapa é DE ( ) Como a chapa tem a forma de um retângulo, sua área S em função de o é dada por S EF DE ( ) c) A área da chapa retangular é máma no vértce da parábola de equação S o ( o ) Como a abscssa do vértce é o ponto médo das raízes de S, segue que + v Portanto, a chapa retangular de área máma tem largura e altura, em metros, guas a EF e DE ( ) o o o o Durante uma tempestade, um pequeno avão sau da cdade A com destno à cdade C, dstante 95 km Quando o avão estava no ponto D, dstante 7 km do ponto de partda, o ploto detectou que o avão se desvara do seu curso segundo a trajetóra AE, conforme lustra a fgura ao lado Sendo α o o ângulo para um curso paralelo a AC e β o ângulo tal que α + β é o ângulo de correção para que o avão chegue à cdade C, calcule: (Consdere, 7 ) a) a dstânca entre B e D C B β α D E b) o ângulo de correção GEOMETRIA PLANA Paralelsmo e perpendcularsmo TRIGONOMETRIA Seno, cosseno, tangente Relações trgonométrcas em um trângulo retângulo A a) Uma vez que o curso determnado pelo ângulo α o é paralelo a AC, conclu-se que o ângulo CAD ˆ é gual a o e o ângulo BCD ˆ é gual a β Como o trângulo ABD é retângulo e AD 7, segue que Portanto, BD BD sen o AD 7 BD 7 5

17 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO 7 b) Note que Conseqüentemente, e, uma vez que AC 95, AB AB cos o AD 7 AB 7 5,7 595 BC AC - AB Como o ângulo BCD ˆ é gual a β e o trângulo BCD é retângulo, tem-se que BD 5 tg β BC 5 Assm, β 5o e, por consegunte, o ângulo de correção requerdo é α + β o + 5o 75o A fm de medr a magntude de um terremoto, os ssmólogos Charles Francs Rchter e Beno Gutenberg desenvolveram a escala Rchter em 95 Nesta escala, o maor terremoto já regstrado fo o Grande Terremoto do Chle, em 96, atngndo a magntude de 9,5, segudo do ocorrdo na Indonésa, em, que atngu a magntude de 9, Na escala Rchter, a magntude M é dada por M log A log A onde log denota logartmo decmal, A é a ampltude máma medda pelo ssmógrafo e A é uma 7 ampltude de referênca padrão Sabe-se também que a energa E, em ergs ( erg Joules), lberada em um terremoto está relaconada à sua magntude M por meo da epressão A partr das nformações acma, faça o que se pede: log E,8 +, 5 M a) Sabendo que no ltoral do Brasl, em 955, fo regstrado um terremoto de magntude 6, na escala Rchter, determne a razão entre as energas lberadas nos terremotos ocorrdos na Indonésa e no Brasl b) Consderando A a ampltude máma de um terremoto e E sua energa, e A a ampltude máma de outro terremoto e E sua energa, determne k tal que k A E A E CONJUNTOS NUMÉRICOS Números reas: operações fundamentas FUNÇÃO LOGARÍTMICA Defnção e propredades CÁLCULO ALGÉBRICO Operações com epressões algébrcas a) Sejam E e E b as energas lberadas nos terremotos ocorrdos na Indonésa e no Brasl, respectvamente Então, de acordo com o enuncado, Deste modo, e, conseqüentemente, log E,8 +,5 9, 5,75 e log E,8 +,5 6,, 5 E log log E log Eb,5 E b E E b,5 b

18 8 RESOLUÇÃO PROCESSO SELETIVO 7 b) Consdere M a magntude de um terremoto e M a magntude do outro De acordo com o enuncado, e, por consegunte, Além dsso, Assm M log A log A e M log A log A A M log M log A log A ( ) A log E + M E + M,8, 5 e log,8, 5 E log log E log E,5 ( M M ) ( ) E Das epressões ( ) e ( ), segue que E A E log,5 log log E A E A log A Portanto, k A log A A A E E A log A E log E E log E / / 5 Durante um tratamento médco verfcou-se que a concentração C, em mlgramas por ltro, de um certo medcamento na corrente sanguínea satsfaz a desgualdade ( C) C C a) Verfque se a concentração do medcamento na corrente sanguínea pode ser gual a,5 mlgramas por ltro Justfque, mostrando seus cálculos b) Determne o menor valor da concentração deste medcamento na corrente sanguínea Justfque, mostrando seus cálculos CONJUNTOS NUMÉRICOS Números reas: operações fundamentas, valor absoluto FUNÇÃO MODULAR Equações e nequações modulares CONJUNTOS Representação de um conjunto Operações com conjuntos: unão Sabemos que C se C C e C se C < a) Fazendo C,5 e utlzando a defnção de módulo, obtém-se C se C C C se C < ( C) C C (,5),5,5,5,5,5,75 que não satsfaz a nequação ( C) C C Logo a concentração do medcamento na corrente sanguínea não pode ser gual a,5 b) Como C então a desgualdade dada é equvalente a Neste caso temos de analsar duas possbldades: ( C) C C

19 PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO 9 (I) Se C <, tem-se que C > e ( C) C C ( C) C ( C) ( C) (C ) Assm, C < e C Daí, S {C IR C < } (II) Se C, tem-se que C e ( C) C C ( C) C ( C ) ( C ) ( C ) Assm, C e C Daí, S Então, a solução da nequação dada é S < S S {C IR C } Portanto, o menor valor da concentração deste medcamento na corrente sanguínea é

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBULAR 2010 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFBA VESTIBUAR a Fase RESOUÇÃO: Proa Mara Antôna Gouvea Questão Um quadrado mágco é uma matr quadrada de ordem maor ou gual a cujas somas dos termos de cada lnha de cada coluna da

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000)

Escola Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Matemática 12.º ano Números Complexos - Exercícios saídos em (Exames Nacionais 2000) Internet: http://rolvera.pt.to ou http://sm.page.vu Escola Secundára Dr. Ângelo Augusto da Slva Matemátca.º ano Números Complexos - Exercícos saídos em (Exames Naconas 000). Seja C o conjunto dos números

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t Matemátca 0 Dos veículos, A e B, partem de um ponto de uma estrada, em sentdos opostos e com velocdades constantes de 50km/h e 70km/h, respectvamente Após uma hora, o veículo B retorna e, medatamente,

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS

ESPELHOS E LENTES ESPELHOS PLANOS ESPELHOS E LENTES 1 Embora para os povos prmtvos os espelhos tvessem propredades mágcas, orgem de lendas e crendces que estão presentes até hoje, para a físca são apenas superfíces poldas que produzem

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

valor do troco recebido foi a) R$ 0,50. b) R$ 1,00. c) R$ 1,50. d) R$ 2,50. e) R$ 2,00.

valor do troco recebido foi a) R$ 0,50. b) R$ 1,00. c) R$ 1,50. d) R$ 2,50. e) R$ 2,00. Nome: nº Data: / _ / 017 Professor: Gustavo Bueno Slva - Ensno Médo - 3º ano Lsta de Revsão 1. (Upe-ssa 017) Márca e Marta juntas pesam 115 kg; Marta e Mônca pesam juntas 113 kg; e Márca e Mônca pesam

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 10. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisores. Prof. Samuel Feitosa

Polos Olímpicos de Treinamento. Aula 10. Curso de Teoria dos Números - Nível 2. Divisores. Prof. Samuel Feitosa Polos Olímpcos de Trenamento Curso de Teora dos Números - Nível 2 Prof. Samuel Fetosa Aula 10 Dvsores Suponha que n = p α 1 2...pα é a fatoração em prmos do ntero n. Todos os dvsores de n são da forma

Leia mais

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS

MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS MATEMÁTICA LISTA DE EXERCÍCIOS NÚMEROS COMPLEXOS PROF: Claudo Saldan CONTATO: saldan.mat@gmal.com PARTE 0 -(MACK SP/00/Janero) Se y = x, sendo x= e =, o valor de (xy) é a) 9 9 9 9 e) 9 0 -(FGV/00/Janero)

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho

ESTATÍSTICA. PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Inteiros e Racionais ESTATÍSTICA. Professor Luiz Antonio de Carvalho PROBABILIDADES Professora Rosana Relva Números Interos e Raconas APRESENTAÇÃO ROL:,,, 4, 4,,, DISCRETA : rrelva@globo.com PROGRESSÃO ARITMÉTICA CONTÍNUA PROGRESSÃO ARITMÉTICA DISTRIBUIÇÃO DE REQUÊCIAS

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

TE210 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS

TE210 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS TE0 FUNDAMENTOS PARA ANÁLISE DE CIRCUITOS ELÉTRICOS Números Complexos Introdução hstórca. Os números naturas, nteros, raconas, rraconas e reas. A necessdade dos números complexos. Sua relação com o mundo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

a) 3 c) 5 d) 6 b) i d) i

a) 3 c) 5 d) 6 b) i d) i Colégo Marsta Docesano de Uberaba ª Lsta de eercícos de Compleos Prof. Maluf Se é a undade magnára, para que a b seja um número real, a relação c d entre a, b, c e d deve satsfaer: 0 - (UNESP SP/00) a)

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2

2) A área da parte mostarda dos 100 padrões é 6. 9. 2. 3) A área total bordada com a cor mostarda é (5400 + 3700) cm 2 = 9100 cm 2 MATEMÁTICA 1 Um tapete deve ser bordado sobre uma tela de m por m, com as cores marrom, mostarda, verde e laranja, da seguinte forma: o padrão quadrado de 18 cm por 18 cm, mostrado abaio, será repetido

Leia mais

C são matrizes que satisfazem

C são matrizes que satisfazem Eercícos de Álgebra Lnear Prof: José ndré UNIPLI - 9 () Construa as guntes matrzes: a) tal que por a b) tal que < > a a a. () Consdere a rede de telecomuncações com nós e coneões reprentada abao: a) Escreva

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

Resolução das Questões Objetivas

Resolução das Questões Objetivas COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO COPESE PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD CONCURSO PISM III - TRIÊNIO 2008-2010 Prova de Matemátca Resolução das Questões Objetvas São apresentadas abaxo possíves soluções

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

Números Complexos. Conceito, formas algébrica e trigonométrica e operações. Autor: Gilmar Bornatto

Números Complexos. Conceito, formas algébrica e trigonométrica e operações. Autor: Gilmar Bornatto Números Complexos Conceto, formas algébrca e trgonométrca e operações. Autor: Glmar Bornatto Conceto (parte I) Os números complexos surgram para sanar uma das maores dúvdas que atormentavam os matemátcos:

Leia mais

Lista de Matemática ITA 2012 Números Complexos

Lista de Matemática ITA 2012 Números Complexos Prof Alex Perera Beerra Lsta de Matemátca ITA 0 Números Complexos 0 - (UFPE/0) A representação geométrca dos números complexos que satsfaem a gualdade = formam uma crcunferênca com rao r e centro no ponto

Leia mais

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1

Análise Complexa Resolução de alguns exercícios do capítulo 1 Análse Complexa Resolução de alguns exercícos do capítulo 1 1. Tem-se:. = (0, 1) = (0, 1) =. 3. Sejam a, b R. Então Exercíco nº1 = (0, 1).(0, 1) = (0.0 1.1, 0.1 + 1.0) = ( 1, 0) = 1. a + b = a b = a +

Leia mais

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento.

Trabalho e Energia. Definimos o trabalho W realizado pela força sobre uma partícula como o produto escalar da força pelo deslocamento. Trabalho e Energa Podemos denr trabalho como a capacdade de produzr energa. Se uma orça eecutou um trabalho sobre um corpo ele aumentou a energa desse corpo de. 1 OBS: Quando estudamos vetores vmos que

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais

Notas de Aula de Física

Notas de Aula de Física Versão prelmnar 7 de setembro de Notas de Aula de Físca 7. TRABAO E ENERGIA CINÉTICA... MOVIMENTO EM UMA DIMENSÃO COM FORÇA CONSTANTE... TRABAO EXECUTADO POR UMA FORÇA VARIÁVE... Análse undmensonal...

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFMG VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UFMG VESTIBULAR 2011 2 a Fase. RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UFMG VESTIBULAR 0 a Fase Profa Mara Antôna Gouvea PROVA A QUESTÃO 0 Consdere as retas r, s e t de equações, resectvamente, y x, y x e x 7 y TRACE, no lano cartesano abaxo, os gráfcos

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

CPV 82% de aprovação dos nossos alunos na ESPM

CPV 82% de aprovação dos nossos alunos na ESPM CPV 8% de aprovação dos nossos alunos na ESPM ESPM Resolvida Prova E 11/novembro/01 MATEMÁTICA 1. A distribuição dos n moradores de um pequeno prédio de 4 5 apartamentos é dada pela matriz 1 y, 6 y + 1

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12.

Nesse circuito, os dados indicam que a diferença de potencial entre os pontos X e Y, em volts, é a) 3,3 c) 10 e) 18 b) 6,0 d) 12. Aprmorando os Conhecmentos de Eletrcdade Lsta 7 Assocação de esstores Prof.: Célo Normando. (UNIFO-97) O resstor, que tem a curva característca representada no gráfco abao, é componente do crcuto representado

Leia mais

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV

CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV CPV O Cursinho que Mais Aprova na GV FGV Economia 1 a Fase /nov/014 MATEMÁTICA 01. Observe o diagrama com 5 organizações intergovernamentais de integração sul-americana: Dos 1 países que compõem esse diagrama,

Leia mais

MA.01. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) = a 3 + 3a 2 b + 3ab 2 + b 3 a 3 b 3 = = 3a 2 b + 3ab 2 = 3ab (a + b)

MA.01. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) = a 3 + 3a 2 b + 3ab 2 + b 3 a 3 b 3 = = 3a 2 b + 3ab 2 = 3ab (a + b) Reformulação Pré-Vestibular matemática Cad. 1 Mega OP 1 OP MA.01 1.. 3. 4. Sejam a e b esses números naturais: (a + b) 3 (a 3 + b 3 ) a 3 + 3a b + 3ab + b 3 a 3 b 3 3a b + 3ab 3ab (a + b) Reformulação

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

TRIÂNGULO RETÂNGULO. Triângulo retângulo é todo triângulo que tem um ângulo reto. O triângulo ABC é retângulo em A e seus elementos são:

TRIÂNGULO RETÂNGULO. Triângulo retângulo é todo triângulo que tem um ângulo reto. O triângulo ABC é retângulo em A e seus elementos são: TRIÂNGULO RETÂNGULO Triângulo retângulo é todo triângulo que tem um ângulo reto. O triângulo ABC é retângulo em A e seus elementos são: a: hipotenusa b e c: catetos h: altura relativa a hipotenusa m e

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

1. Determine x no caso a seguir: 2. No triângulo ABC a seguir, calcule o perímetro.

1. Determine x no caso a seguir: 2. No triângulo ABC a seguir, calcule o perímetro. 1. Determine x no caso a seguir: 2. No triângulo ABC a seguir, calcule o perímetro. 3. (Ufrrj) Milena, diante da configuração representada abaixo, pede ajuda aos vestibulandos para calcular o comprimento

Leia mais

12) A círculo = π r 2. 13) A lateral cone = π.r.g. 16) V esfera = 18) A lateral pirâmide = 19) (y y 0 ) = m(x x 0 ) 20) T p+1 = a

12) A círculo = π r 2. 13) A lateral cone = π.r.g. 16) V esfera = 18) A lateral pirâmide = 19) (y y 0 ) = m(x x 0 ) 20) T p+1 = a MATEMÁTICA FORMULÁRIO 0 o 45 o 60 o sen cos tg base altura ) A triângulo = ) A círculo = π r x y ) A triângulo = D, onde D = x y x y ) A lateral cone = π.r.g ) sen (x)+ cos (x)= 4) A retângulo = base altura

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade

Departamento de Informática. Modelagem Analítica. Modelagem Analítica do Desempenho de Sistemas de Computação. Disciplina: Medida de Probabilidade Departaento de Inforátca Dscplna: do Desepenho de Ssteas de Coputação Medda de Probabldade Prof. Sérgo Colcher colcher@nf.puc-ro.br Teora da Probabldade Modelo ateátco que perte estudar, de fora abstrata,

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS DE BARRAS PELO MÉTODO DE RIGIDEZ

ANÁLISE MATRICIAL DE ESTRUTURAS DE BARRAS PELO MÉTODO DE RIGIDEZ ANÁISE MATRICIA DE ESTRUTURAS DE BARRAS PEO MÉTODO DE RIGIDEZ A análse matrcal de estruturas pelo método de rgdez compreende o estudo de cnco modelos estruturas báscos: trelça plana, trelça espacal, pórtco

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA CENRO ECNOLÓGICO DEPARAMENO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENE DA EDIFICAÇÃO ELABORADO POR: Martn

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

Aula 03 Erros experimentais Incerteza. Aula 03 Prof. Valner Brusamarello

Aula 03 Erros experimentais Incerteza. Aula 03 Prof. Valner Brusamarello Aula 03 Erros epermentas Incerteza Aula 03 Prof. Valner Brusamarello Incerteza Combnada Efeto da Incerteza sobre = f ± u, ± u, L, ± u, L ( ) 1 1 Epansão em Sére de Talor: k k L f = f 1,, 3, + ± uk + L,,,

Leia mais

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Potências e raízes Propostas de resolução

MATEMÁTICA A - 12o Ano N o s Complexos - Potências e raízes Propostas de resolução MATEMÁTICA A - 1o Ano N o s Complexos - Potêncas e raízes Propostas de resolução Exercícos de exames e testes ntermédos 1. Smplfcando a expressão de z na f.a., como 5+ ) 5 1 5, temos: z 1 + 1 ) + 1 1 1

Leia mais

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V

Capítulo. Associação de resistores. Resoluções dos exercícios propostos. P.135 a) R s R 1 R 2 R s 4 6 R s 10 Ω. b) U R s i U 10 2 U 20 V apítulo 7 da físca Exercícos propostos Undade apítulo 7 ssocação de resstores ssocação de resstores esoluções dos exercícos propostos 1 P.15 a) s 1 s 6 s b) U s U 10 U 0 V c) U 1 1 U 1 U 1 8 V U U 6 U

Leia mais

TRIÂNGULO RETÂNGULO. Os triângulos AHB e AHC são semelhantes, então podemos estabelecer algumas relações métricas importantes:

TRIÂNGULO RETÂNGULO. Os triângulos AHB e AHC são semelhantes, então podemos estabelecer algumas relações métricas importantes: TRIÂNGULO RETÂNGULO Num triângulo retângulo, os lados perpendiculares, aqueles que formam um ângulo de 90º, são denominados catetos e o lado oposto ao ângulo de 90º recebe o nome de hipotenusa. O teorema

Leia mais

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota:

Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Escola: ( ) Atividade ( ) Avaliação Aluno(a): Número: Ano: Professor(a): Data: Nota: Questão 1 (OBMEP RJ) Num triângulo retângulo, definimos o cosseno de seus ângulos agudos O triângulo retângulo da figura

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 O DIA GABARITO MATEMÁTICA QUESTÕES DE A 5. Em porcentagem das emissões totais de gases do eeito estua, o Brasil é o quarto maior poluidor, conorme a tabela abaio: Classiicação País

Leia mais

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág.

Física. Setor A. Índice-controle de Estudo. Prof.: Aula 25 (pág. 86) AD TM TC. Aula 26 (pág. 86) AD TM TC. Aula 27 (pág. Físca Setor Prof.: Índce-controle de studo ula 25 (pág. 86) D TM TC ula 26 (pág. 86) D TM TC ula 27 (pág. 87) D TM TC ula 28 (pág. 87) D TM TC ula 29 (pág. 90) D TM TC ula 30 (pág. 90) D TM TC ula 31 (pág.

Leia mais

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria

Universidade do Estado do Rio de Janeiro Instituto de Matemática e Estatística Econometria Unversdade do Estado do Ro de Janero Insttuto de Matemátca e Estatístca Econometra Revsão de modelos de regressão lnear Prof. José Francsco Morera Pessanha professorjfmp@hotmal.com Regressão Objetvo: Estabelecer

Leia mais

2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS

2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS 20 2 CONSIDERAÇÕES TEÓRICAS 2.1. Defnção de gás Um gás é defndo como um fludo cujas condções de temperatura e pressão são superores às do ponto crítco, não podendo haver duas fases presentes em um processo,

Leia mais

Arcos na Circunferência

Arcos na Circunferência Arcos na Circunferência 1. (Uerj 015) Um tubo cilíndrico cuja base tem centro F e raio r rola sem deslizar sobre um obstáculo com a forma de um prisma triangular regular. As vistas das bases do cilindro

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

- PROVA OBJETIVA - Câmpus Santos Dumont - Edital 005/2014

- PROVA OBJETIVA - Câmpus Santos Dumont - Edital 005/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO DE DOCENTES ÁREA: Matemática - PROVA OBJETIVA - Câmpus

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Aula 10 Triângulo Retângulo

Aula 10 Triângulo Retângulo Aula 10 Triângulo Retângulo Projeção ortogonal Em um plano, consideremos um ponto e uma reta. Chama-se projeção ortogonal desse ponto sobre essa reta o pé da perpendicular traçada do ponto à reta. Na figura,

Leia mais