Previsão Hidroclimática de Vazão de Curto Prazo na Bacia do Rio São Francisco

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Previsão Hidroclimática de Vazão de Curto Prazo na Bacia do Rio São Francisco"

Transcrição

1 RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 12 n.3 Jul/Set 27, Prevsão Hdroclmátca de Vazão de Curto Prazo na Baca do Ro São Francsco Benedto Cláudo da Slva, Walter Collschonn, Carlos Eduardo Morell Tucc Robn Thomas Clarke, Martn Delgado Corbo Insttuto de Pesqusas Hdráulcas IPH UFRGS Recebdo: 25/5/6 revsado: 22/8/6 aceto: 2/3/7 RESUMO A prevsão da vazão com grande antecedênca depende da estmatva da prevsão da precptação. O aprmoramento dos modelos atmosfércos e hdrológcos permtu aumentar a antecedênca da prevsão pela ntegração destes modelos (prevsão hdroclmátca). Neste artgo é apresentado o resultado da ntegração do modelo regonal de tempo ETA e do modelo precptação-vazão dstrbuído MGB-IPH, para a prevsão de vazões de curto prazo. Adconalmente, empregou-se um modelo estocástco para correção da vazão prevsta através da prevsão dos resíduos do modelo hdroclmátco. O modelo hdrológco dstrbuído MGB-IPH fo ajustado à baca do ro São Francsco (cerca de 639. km 2 ). As prevsões de precptação do modelo ETA, operado pelo Centro de Prevsão do Tempo e Estudos Clmátcos - CPTEC, foram utlzadas como entrada no modelo hdrológco. Foram fetas prevsões de vazão para toda baca do ro São Francsco, mas os resultados foram analsados com enfoque nas usnas de Três Maras e Sobradnho. Foram usadas prevsões de precptação do modelo ETA com alcance de 1 das e produzram-se prevsões de vazão méda semanal para até duas semanas em Três Maras e quatro semanas em Sobradnho, sendo que após o décmo da consderou-se chuva gual a zero. Os resultados mostram que as prevsões obtdas nas duas usnas apresentam melhora com relação aos métodos tradconalmente empregados. Palavras-chave: Prevsão de vazão, prevsão de precptação, ro São Francsco INTRODUÇÃO As metodologas normalmente utlzadas para a prevsão de vazão podem ser dferencadas de acordo com as varáves empregadas para realzar a prevsão e de acordo com as metodologas de cálculo. Com relação às metodologas de cálculo usadas, os modelos podem ser classfcados em empírcos, concetuas ou combnados. Dentre os prncpas técncas atualmente utlzadas pode-se ctar: modelos físcos; modelos estocástcos; modelos estatístcos e modelos baseados em técncas de ntelgênca artfcal. Os modelos empírcos não utlzam concetos físcos dos processos hdrológcos. A vantagem dos modelos empírcos é a rapdez na elaboração e a facldade na atualzação dos parâmetros em tempo real, enquanto que os modelos concetuas têm maor capacdade de extrapolação e tratamento das varantes hdrológcas. Os modelos empírcos do tpo estocástcos tem sdo utlzados na prátca em város setores. No Brasl estes modelos são usados prncpalmente pelo setor elétrco, que possu uma cadea de modelos, com dferentes antecedêncas, para prevsão de vazões afluentes aos reservatóros do Sstema Interlgado Naconal SIN (ONS, 21). Entretanto, eventos recentes, como o período de estagem anteror à crse de energa em 21, mostraram a necessdade de se buscar novas metodologa de prevsão, tendo como requsto prncpal a capacdade de ncorporar crescente varabldade clmátca do globo. Neste sentdo, destaca-se o aprmoramento da ntegração entre os modelos atmosfércos e hdrológcos determnístcos, como destacado por trabalhos como de Anderson et al. (22) na baca do ro Calavera (Calfórna, EUA), Kousss et al. (23) para a baca do ro Kfssos (219 km 2 ) em Atenas e de Collschonn et al. (25) para o ro U- rugua (32. km 2 ). Todos estes trabalhos apresentam resultados que podem ser consderados bastante promssores. Dentre as prncpas lmtações destacadas nestes trabalhos está a estrutura de atualzação dos modelos concetuas dstrbuídos. De manera geral, os modelos de prevsão de vazões pode ser operado com atualzação de varáves e/ou parâmetros du- 31

2 Prevsão Hdroclmátca de Vazão de Curto Prazo na Baca do Ro São Francsco rante o processo de prevsão (Toth et al., 1999; Madsen e Skotner, 25; Moore et al., 25). A atualzação é um processo recursvo de determnação de varáves de estado e parâmetros, baseados nos dados observados de varáves como a precptação, temperatura, vazão, volume armazenado e umdade do solo (Hsu et al., 23). Um novo ajuste dos parâmetros pode ser feto após cada prevsão, mas sto normalmente é aplcado quando a estrutura do modelo é bastante smples (Moore et al., 25), devdo ao elevado custo computaconal requerdo. Nos modelos hdrológcos dstrbuídos exste grande quantdade de parâmetros e varáves de estado. A análse dos erros, ou resíduos, da prevsão é uma alternatva para correção das prevsões e atualzações. Consste em corrgr somente a varável de saída do modelo (vazão prevsta), ou seja, a correção é feta externamente ao modelo e smplfca consderavelmente o processo de atualzação. A persstênca nos erros pode ser usada para desenvolver um procedmento de prevsão (Lettenmaer e Wood, 1993). Uma estrutura smples para um modelo de erros pode ser obtda com o uso de um modelo estocástco auto-regressvo AR, mas modelos de erros com maor complexdade podem ser testados, como ARMA ou ARIMA (Toth et al., 1999), ou anda modelos estocástcos função de transferênca, que permtem ntroduzr outras varáves como a chuva e varáves de estado do modelo hdrológco (Makrdars et al., 1998). Conforme descrto nos tens a segur, neste artgo buscou-se aprmorar a prevsão de vazão de curto prazo, através do uso ntegrado de um modelo atmosférco e um modelo precptação-vazão determnístco, também denomnada por prevsão hdroclmátca (Slva, 26). Este modelo fo complementado por um modelo estocástco para prever o resíduo resultante da prevsão. A metodologa e os resultados obtdos são apresentados ao longo do texto que segue. METODOLOGIA O modelo utlzado tem os seguntes componentes: (a) prevsão de precptação: modelos de prevsão de tempo CPTEC e ETA;(b) prevsão de vazão: modelo hdrológco de grandes bacas MGB- IPH; (c) modelo de estmatva dos resíduos. O modelo ETA (Mesnger, 1988; Black, 1994); fo utlzado para gerar prevsões de chuva, utlzando as condções de contorno do modelo global desde dezembro de 1996, na resolução de 4 km sobre toda Amérca do Sul. O modelo possu camadas na vertcal, sendo que a prmera camada do modelo ETA possu apenas 2 m. As condções de contorno lateras são provenentes do modelo AGCM do CPTEC. Estas condções são atualzadas a cada 6 horas, sendo que as tendêncas nos contornos lateras são nterpoladas lnearmente neste ntervalo. A prevsão da vazão é estmada pelo modelo MGB-IPH (Collschonn, 21; Collschonn e Tucc, 21) tendo como entrada as precptações observadas até o tempo t e as precptações prevstas para o futuro. O Modelo de Grandes Bacas (MGB-IPH) fo desenvolvdo por Collschonn (21), com base na estrutura do modelo LARSIM (Bremcker, 1998) e com algumas adaptações do modelo VIC-2L (Lang et al., 1994). Uma descrção das aplcações do modelo em bacas da Amérca do Sul é apresentada em Allasa et al. (26). O modelo é ajustado à baca com base nos dados observados de vazão e precptação observados no passado. A prevsão de curto prazo é realzada com perodcdade semanal e, no níco de cada prevsão, são atualzadas as varáves de estado do modelo hdrológco com base nas vazões observadas até a data atual. Os resultados são analsados em termos de vazões médas semanas. O modelo estocástco dos resíduos, ou erros, está baseado nos modelos função de transferênca (Makrdaks et al., 1998), que relaconam um conjunto de varáves de entrada (umdade nas camadas do solo, prevsões da precptação,...) a uma varável de saída (vazão semanal natural), além dos resíduos das prevsões anterores. Os resíduos são defndos por: E ( t ) Q ( t ) Q ( t ) = (1) obs prev onde: t é o ntervalo de tempo (semanal), E(t) é o resíduo; Q obs (t) é a vazão observada e Q prev (t) é a vazão prevsta pelo modelo hdroclmátco. Os modelos função de transferênca testados possuem a segunte forma: E + ( t ) = a1. E ( t 1) + a2. E ( t 2) b1. PETA ( t ) b2. WCI ( t 1) + ξ ( t ) + (2) onde: P ETA (t) é a precptação prevsta pelo modelo ETA para a semana t; WCI(t-1) é a umdade do solo no modelo hdrológco antes do níco da prevsão, semana t-1; a1, a2,..., b1, b2,... são parâmetros do modelo; e ξ (t ) é um termo completamente aleatóro. Dessa forma, a vazão prevsta pelo modelo MGB, com chuva prevsta pelo ETA, é corrgda por:

3 RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 12 n.3 Jul/Set 27, Q ( t ) Q ( t ) E ( t ) = (3) corr prev + onde: Q corr (t) é a vazão prevsta corrgda; Q prev (t) é a vazão prevsta pelos modelos ETA/MGB; E(t) é o resíduo prevsto. O modelo hdrológco fo calbrado para toda a baca do ro São Francsco, utlzando-se os dados observados do período 1977 a 1986, sendo que o período de 1986 a 1996 fo utlzado na sua verfcação. Para avalação da qualdade das prevsões são usados os erros médos relatvos EMR (Equação 4). n QP QO EMR = 1 n (4) QO = 1 onde, é a semana, n é o número total de semanas; QO a vazão observada; QP é a vazão prevsta pelo modelo hdroclmátco. regonal apresenta uma varabldade assocada à transção do úmdo para o árdo, com temperatura méda anual varando de 18o a 27oC e, anda, um baxo índce de nebulosdade e grande ncdênca de radação solar. As maores declvdades no curso prncpal do São Francsco são encontradas nas cabeceras e nas proxmdades da foz, e são nesses trechos que estão localzados os prncpas aprovetamentos hdrelétrcos, apontados na Fgura 1. AJUSTE DO MODELO HIDROLÓGICO Devdo a defcêncas nos dados meteorológcos e hdrológcos dsponíves para a regão semárda do médo e sub-médo São Francsco, a baca fo separada em duas regões com dferentes resoluções, ou seja: das nascentes do ro São Francsco até a foz do ro Urucua (nclusve) são utlzadas células de,1 grau (aproxmadamente 1x1 km) e para o restante da baca são usadas células de,2 grau (aproxmadamente 2x2 km). Os resultados dos períodos de calbração e verfcação mostraram que o modelo apresenta bom desempenho para representar tanto as vazões observadas nos postos fluvométrcos, quanto às vazões naturas dos aprovetamentos hdrelétrcos. Detalhes sobre o ajuste do modelo MGB-IPH na baca do ro São Francsco são apresentados em Slva (25). PREVISÕES DE PRECIPITAÇÃO Fgura 1 - Regões fsográfcas da baca do ro São Francsco e localzação dos prncpas aprovetamentos hdrelétrcos. BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO A baca do São Francsco possu uma área de 639. km2 e seu curso prncpal tem extensão de 2.7 km. A área da baca corresponde a aproxmadamente 8% do terrtóro naconal e abrange parte de ses estados e do dstrto federal. O clma 33 Foram dsponblzados arquvos de dados de prevsão de precptação do modelo ETA, gerados pelo CPTEC, para o período de janero de 1996 a dezembro de 23. Estes arquvos foram ceddos pelo ONS e correspondem às prevsões de perodcdade semanal, que ncam sempre às quartasferas. O horzonte de prevsão é de 1 das, ncando sempre na quarta-fera de uma semana (nclusve) e termnando na sexta fera da semana segunte (nclusve). Os dados referem-se às chuvas acumuladas em períodos de 24 horas. Para análse e comparação das prevsões de chuva com os valores observados, ambos os dados foram nterpolados para os pontos de grade do modelo hdrológco e, posterormente, foram determnadas precptações médas (prevstas e observadas) sobre as áreas das seguntes sub-bacas (Fgura 1): a) ro São Francsco até Três Maras; b) ro São Francsco até Sobradnho (essa baca contém a prmera). A Fgura 2a apresenta a comparação entre os valores de chuva observada e prevsta para 1 da

4 Prevsão Hdroclmátca de Vazão de Curto Prazo na Baca do Ro São Francsco de antecedênca, na baca até Três Maras. Observam-se freqüentes super-estmatvas da chuva (pontos acma da lnha tracejada) e, também, város das de elevada chuva observada com pouca chuva prevsta (sub-estmatvas) (a) (b) As mesmas análses de correlação entre chuvas observadas e prevstas foram realzadas consderando os valores totas acumulados em ntervalos de 1 a 1 das. A Fgura 3 apresenta os gráfcos de correlação entre chuvas acumuladas observadas e prevstas para os horzontes de 3 e 7 das. O modelo ETA apresenta uma tendênca de superestmatva da precptação acumulada para o horzonte de 3 das, em ambas as sub-bacas, mas com maor evdênca em Sobradnho. Entretanto, de manera geral, os gráfcos mostram que os valores acumulados reduzem a dspersão em relação à Fgura 2. PREVISÕES DE VAZÃO Fgura 2 - Correlação entre chuvas observadas e prevstas pelo modelo ETA na baca do ro São Francsco (a) até Três Maras e (b) até Sobradnho, com 1 da de antecedênca. A Fgura 2b apresenta resultados semelhantes para a baca do ro São Francsco até Sobradnho, onde se observa que a prevsão de chuva méda tem erros nferores à baca de Três Maras, devdo à área maor da baca. Nestas análses se observou que o horzonte que apresenta a melhor correlação é, normalmente, o tercero da,. Ou seja, o desempenho das prevsões cresce até o tercero das e só passa a reduzr Três Maras - ETA acumulado 3 das (a) Sobradnho - ETA acumulado 3 das (c) Três Maras - ETA acumulado 7 das (b) Sobradnho - ETA acumulado 7 das (d) Fgura 3 - Correlações entre chuvas acumuladas observadas e prevstas para horzontes de 3 e 7 das nas bacas de Três Maras e Sobradnho. 34 Os dados observados de chuva nos postos pluvométrcos foram utlzados como dados de entrada para o modelo hdrológco até o da anteror ao níco da prevsão. A partr do prmero da da prevsão foram utlzados os dados de prevsão de chuva do modelo ETA, até o décmo da de prevsão. A partr do décmo prmero da de prevsão consderou-se que a chuva é nula. Dados de vazão observada em dferentes postos fluvométrcos também foram utlzados para o procedmento de atualzação do modelo hdrológco. As prevsões foram ncadas sempre as quartas feras, estendendo-se por duas semanas para Três Maras e por quatro semanas para Sobradnho. Para comparação, também é calculada a prevsão de vazão baseada na chuva observada que, embora não seja possível de ser obtda operaconalmente, é mportante de ser calculada para efetos de comparação, pos pode ser consderada como a prevsão perfeta de chuva. Resultados em Três Maras Para que futuramente se possa realzar uma avalação comparatva do desempenho do modelo ETA/MGB, com os resultados obtdos com os modelo do ONS, as prevsões dáras foram transformadas em vazões médas semanas, segundo os formatos adotados pelo ONS. Na Fgura 4 são apresentados os resultados de alguns anos do período estudado. Para prevsões com base na chuva prevsta pelo modelo ETA, o desempenho geral é muto bom com uma semana de antecedênca (Fgura 4). Nota-se que essas prevsões acompanham de forma muto próxma à prevsão com chuva observada, ndcando que a chuva prevsta pelo modelo ETA é muto boa sobre a baca contrbunte a Três Maras para uma semana de antescedênca. Os maores pcos são bem represen-

5 RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 12 n.3 Jul/Set 27, Natural Três Maras Prevsão obs semana 1 Prevsão ETA semana Natural Três Maras Prevsão obs semana 1 Prevsão ETA semana /8/96 1/11/96 1/2/97 1/5/97 1/8/97 1/8/22 1/11/22 1/2/23 1/5/23 1/8/23 Fgura 4 - Prevsões de vazão semanal com uma semana de antecedênca para a usna hdrelétrca de Três Maras. tados, sendo o verão de 2/21 o período que apresenta as maores dscrepâncas com a vazão natural. Os erros médos das prevsões de vazão para as antecedêncas de uma a quatro semanas em Três Maras são apresentados na Fgura 5. Nota-se que, na prevsão com chuva observada os valores são de aproxmadamente 2% para todas antecedêncas. Valores consderados elevados para as duas prmeras semanas de antecedênca. Os valores relatvamente elevados de EMR para a prevsão com chuva observada, na prmera e segunda semana, se devem a erros de ajuste do modelo MGB nas vazões de estagem, ou a nconsstêncas nas vazões naturas. O modelo ETA em algumas ocasões gerou eventos de chuva durante as estagens que não ocorreram. Estes eventos, embora de pequena magntude, são percentualmente grandes, elevando os valores de EMR. Para as antecedêncas de três e quatro semanas, a chuva prevsta pelo ETA perde a nfluênca sobre as vazões, reduzndo os erros na estagem devdos a falsos eventos e, com sso, reduzndo os valores de EMR. Erro médo relatvo (%) Prevsão com chuva observada Prevsão com chuva ETA Antecedênca (semana) Fgura 5 - Médas dos erros das prevsões de vazão semanal em Três Maras. Resultados em Sobradnho A Fgura 6 apresenta as vazões prevstas pelos modelos com uma semana de antecedênca para anos entre 1996 e 23. Observa-se que não fo nserda a prevsão baseada na chuva observada, uma vez que pratcamente não exste dferença entre esta e a vazão natural. Pos, no horzonte de uma semana a vazão afluente a Sobradnho depende, bascamente, do volume de água que já se encontra na calha do ro prncpal. As prevsões de chuva do ETA têm muto pouca nfluênca para a antecedênca de uma semana em Sobradnho. Nas vazões máxmas, nota-se que os pcos dos últmos três períodos úmdos (2/21 a 22/23) são bem prevstos. Entretanto, nos verões de 1996/1997 a 1999/2 os prncpas pcos de vazão são subestmados. Em relação aos períodos de estagem, o modelo hdroclmátco apresenta tendênca de superestmatva até outubro de 2. No ano de 21 as vazões de estagem são bem representadas, em 22 exstem semanas de sub e superestmatva, e em 23 o modelo subestma todo o período seco. A explcação para estas dferenças se deve provavelmente aos problemas de balanço no reservatóro de Sobradnho, descrtos em ONS (23a), que nterferem dretamente no cálculo das vazões naturas de Sobradnho e, conseqüentemente nas prevsões. Os erros das prevsões de vazão para as antecedêncas de uma a quatro semanas em Sobradnho são apresentados na Fgura 7. Observa-se que as prevsões com chuva prevsta pelo modelo ETA a- presentam valores pratcamente dêntcos à prevsão com chuva observada, nas antecedêncas de uma e duas semanas. Isto se deve à longa memóra da baca 35

6 Prevsão Hdroclmátca de Vazão de Curto Prazo na Baca do Ro São Francsco Natural Sobradnho Prevsão ETA semana 1 7 Natural Sobradnho Prevsão ETA semana /6/96 1/9/96 1/12/96 1/3/97 1/6/97 1/9/97 1/6/2 1/9/2 1/12/2 1/3/3 1/6/3 1/9/3 Fgura 6 - Prevsões de vazão semanal com 1 semana de antecedênca para a usna hdrelétrca de Sobradnho no período de janero de 1996 a dezembro de 23. contrbunte à usna de Sobradnho. Para três semanas os valores amplam de forma sgnfcatva, mas somente para quatro semanas é que os erros devdo à chuva (ETA e nula após 1 das) se tornam maores do que a parcela de erros devdo ao modelo hdrológco MGB. Em Sobradnho não ocorrem os problemas observados em Três Maras, porque a baca contrbunte é consderavelmente maor e a nfluênca de pequenos eventos de chuva durante a estagem não é tão mportante no cálculo do EMR, como em Três Maras. que no caso de uma semana (-65,48 e -43,66 m 3 /s, respectvamente), a varânca nas prevsões de duas semanas é sgnfcatvamente maor. Tabela 1 - Estatístcas dos resíduos da prevsão de vazões em Três Maras Antecedênca Méda Desvo (m 3 /s) (m 3 /s) 1 semana -65,48 177,31 2 semanas -43,66 389,57 Padrão Erro médo relatvo (%) Prevsão com chuva observada Prevsão com chuva ETA Antecedênca (semana) Fgura 7 - Médas dos erros absolutos das prevsões de vazão em Sobradnho, nas antecedêncas de uma a quatro semanas. PREVISÃO DOS RESÍDUOS Prevsão dos resíduos: Três Maras Na Tabela 1 são apresentados os valores de méda e desvo padrão das séres de resíduos em Três Maras, para 1 e 2 semanas de antecedênca. Nota-se que, embora o erro médo das prevsões com antecedênca de duas semanas seja menor do Os parâmetros dos modelos dos resíduos foram determnados através da mnmzação do somatóro dos quadrados dos erros, utlzando o algortmo de otmzação SCE-UA (Duan et al., 1994), baseado na técnca de algortmos genétcos. Para uma prmera estmatva, esse procedmento fo realzado utlzando as semanas de 1 a 156, sendo que a semana 1 tem níco em 3/1/1996 e a semana 156 se nca em 23/12/1998. Para escolha do melhor modelo de prevsão dos resíduos, foram avalados os resultados em termos de erros médos entre a vazão natural (Q nat ) e a vazão prevsta corrgda (Q corr ), além da análse gráfca dos hdrogramas. Para uma semana de antecedênca a prevsão com o modelo hdroclmátco apresenta EMR gual de 26,2% nas 156 semanas de ajuste do modelo de resíduos. Aplcando a prevsão dos resíduos, o melhor desempenho fo obtdo com o modelo função de transferênca que usa um termo autoregressvo de ordem 1 e a chuva prevsta pelo modelo ETA acumulada nos 7 das de prevsão, conforme a Equação 5. Com esse modelo o valore EMR se reduzu para 19,9%. 36

7 RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 12 n.3 Jul/Set 27, ( t ) = a. E ( t 1) + b1. P ( t ) + ( t ) E 1 ETA ξ (5) Para as prevsões com duas semanas de antecedênca, os termos do lado dreto E(t-1) e WCI(t- 1) alterados para E(t-2) e WCI(t-2), uma vez que a prevsão operaconal dos resíduos de duas semanas é possível somente com o defasagem gual a 2. Além dsso, o termo P ETA corresponde ao total de chuva prevsta pelo modelo ETA nos 1 das do horzonte de prevsão. Novamente, o modelo com a chuva prevsta (Equação 6) resultou em melhor ajuste, pos reduzu o valor de EMR para 42,5%, obtdos com o modelo hdroclmátco, para 35,3%. ( t ) = a. E ( t 2) + b1. P ( t ) + ( t ) E 1 ETA ξ (6) Após a defnção do modelo com melhor resultado para as duas antecedêncas, foram fetas prevsões dos resíduos para as demas semanas, ou seja, da semana 157 (ncada em 3/12/1998) até a 413 (ncada em 26/11/23). Nesta etapa, foram testadas duas formas de atualzação dos parâmetros, em relação à quantdade de dados usados para ajuste do modelo. Na prmera, a partr da semana 156 os parâmetros foram sendo atualzados para cada nova prevsão, mas utlzando-se sempre uma janela móvel de 156 semanas. Isto sgnfca que, para a prevsão da semana 157 os parâmetros foram otmzados consderando os erros das semanas 1 a 156, para a semana 158 foram usadas os dados das semanas 2 a 157, e assm por dante. No segundo crtéro, a janela de dados é sempre crescente, ou seja, o lmte nferor é sempre a prmera semana da sére, resultando que, na prevsão da semana 413, por exemplo, foram usados os dados da semana 1 a 412 para atualzação dos parâmetros. Tabela 2 - Erros médos das prevsões de vazão corrgdas em Três Maras, para o período total de 413 semanas e os crtéros de atualzação dos parâmetros com janela constante de 156 semanas e janela crescente. Antecedênca Janela Constante EMR (%) Janela Crescente 1 semana 23, 23,8 2 semanas 34, 33,4 Os resultados de ambos os crtéros, meddos em termos de erros médos das vazões naturas prevstas corrgdas, são apresentados na Tabela 2. Nota-se que os resultados são pratcamente dêntcos, mostrando que, para o período analsado, a janela constante de 156 semanas (3 anos) se mostrou sufcentemente representatva para um ajuste adequado do modelo de prevsão dos resíduos. Além destes resultados, a escolha de uma janela móvel se justfca porque o comportamento dos resíduos da prevsão pode se modfcar por alterações permanentes nos modelos ou na rede hdrometeorológca. Com sso, os dados anterores perdem rapdamente a nfluênca sobre o modelo, gerando contrbuções nsgnfcantes ou, até mesmo, pode provocar a pora dos resultados. Assm, os resultados das correções com a janela móvel de atualzação dos parâmetros são utlzados em comparação com as prevsões orgnalmente geradas pelos modelos hdroclmátco. Na Fgura 8 são apresentados os resultados das correções para 1 semana de antecedênca no verão de 22/ Natural Três Maras Prevsão ETA semana 1 Prevsão corrgda 1 1/6/22 1/1/22 1/2/23 1/6/23 1/1/23 Fgura 8 - Prevsões corrgdas de vazão semanal com 1 semana de antecedênca para Três Maras no verão de 22/23. A Fgura 9 apresenta os resultados em termos de erros médos relatvos. Verfca-se nessa fgura que as maores reduções de erros ocorrem para 1 semana de antecedênca, de forma que os erros das prevsões corrgdas fcaram muto próxmos das prevsões com chuva observada, para 1 semana. Prevsão dos resíduos em Sobradnho As séres de resíduos em Sobradnho apresentam dos períodos de comportamento bastante dstntos, pos até o fnal do ano de 2 os erros possuem um comportamento sazonal bem defndo, com valores postvos e de grande ampltude durante os verões e valores negatvos e de menor ampltu- 37

8 Prevsão Hdroclmátca de Vazão de Curto Prazo na Baca do Ro São Francsco de durante as estagens. A partr de 21 o comportamento das séres muda e, embora a ampltude dos erros se mantenha, a sazonaldade pratcamente desaparece. Na Fgura 1 é apresentada a sére dos resíduos para 1 semana de antecedênca. Este comportamento se deve, provavelmente, a dos motvos prncpas: ) vazões excepconalmente baxas no verão 2/21 e ) as séres de vazões naturas foram revsadas somente até dezembro de 21 (ONS, 23b). Os valores de 22 e 23 apresentam ruídos, orgnáros dos cálculos de balanço hídrco dos reservatóros, que nfluencam dretamente nos resíduos das prevsões. Erro médo relatvo (%) Prevsão com chuva observada Prevsão ETA/MGB Prevsão ETA/MGB corrgda 1 2 Antecedênca (semana) Fgura 9 - Erros médos relatvos das prevsões em Três Maras, no período de janero de 1996 a dezembro de 23. Devdo a essas característcas dos resíduos em Sobradnho, optou-se por realzar o ajuste de modelos dferentes para os dos períodos dentfcados. Para os anos de 1996 a 2, assm como em Três Maras, ncalmente foram consderados os três prmeros anos das séres, ou seja, as prmeras 156 semanas. Nesse caso, antes de realzar o ajuste, retrou-se a sazonaldade das séres. Para os anos de 21 a 23 o ajuste ncal dos modelos fo realzado utlzando-se apenas 52 semanas (1 ano), uma vez que todo esse período possu o total de 153 semanas. Resduo (m 3 /s) /1/96 3/7/97 3/1/99 3/7/ 3/1/2 3/7/3 Fgura 1 Sére de resíduos das prevsões de vazão com 1 semana de antecedênca em Sobradnho Através de análses semelhantes às realzadas para Três Maras, para 1 semana de antecedênca escolheu-se o modelo da Equação 7 para prevsão dos resíduos no período de 1996 a 2 e o modelo da Equação 8 para 21 a 23. Devdo a grande memóra da baca em Sobradnho, o acréscmo de outras varáves não trouxe benefícos sgnfcatvos. E ( t ) = a. Y ( t 1) + a2. Y ( t 2) + ξ ( t ) 1 (7) com, Y ( t ) E ( t ) EM =, para = 1, 2,..., 52 semanas. onde: EM é o resíduo médo hstórco da semana ; Y(t) é o resíduo sem a sazonaldade. ( t ) = a. E ( t 1) + a2. E ( t 2) + ( t ) E 1 ξ (8) Para duas semanas de antecedênca escolheu-se o modelo da Equação 9 para o período de 1996 a 2 e o modelo da Equação 1 para 21 a 23. E ( t ) = a. Y ( t 2) + ξ ( t ) 1 (9) ( t ) = a. E ( t 2) + ( t ) E 1 ξ (1) Para correção das prevsões nas demas semanas do período de 1996 a 2, os parâmetros do modelo de resíduo foram sendo atualzados para cada nova prevsão, a partr da semana 156, mas utlzando-se sempre uma janela móvel de 156 semanas. No segundo período das séres (21 a 23), fo utlzada uma janela de dados sempre crescente, ou seja, o lmte nferor é sempre a prmera semana da sére. A Fgura 11 apresenta o resultado das correções nas prevsões com 1 semana de antecedênca para o período de março de 1996 a setembro de Na Fgura 12 são apresentados os erros médos das vazões corrgdas, para 1 e 2 semanas de antecedênca. Os gráfcos mostram que a redução nos erros fo maor, proporconalmente, do que em Três Maras, tanto para uma como para duas semanas. Também se observa que as dferenças são muto pequenas entre as prevsões com chuva observada e com chuva do ETA, devdo à grande memóra da baca. Com sso os erros da prevsão se devem quase que totalmente ao modelo hdrológco, para até duas semanas de antecedênca. Dessa forma, os erros médos com as correções dos resíduos são meno- 38

9 RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 12 n.3 Jul/Set 27, res do que com a chuva observada, pos são corrgdas as defcêncas no ajuste do modelo hdrológco e/ou nconsstênca nas séres de vazões observadas e naturas Natural Sobradnho Prevsão ETA semana 1 Prevsão corrgda 1 1/4/96 1/7/96 1/1/96 1/1/97 1/4/97 1/7/97 1/1/97 Fgura 11 - Prevsões corrgdas de vazão semanal com 1 semana de antecedênca para Sobradnho. Erro médo relatvo (%) Prevsão com chuva observada Prevsão com chuva ETA Prevsão corrgda 1 2 Antecedênca (semana) Fgura 12 - Erros médos relatvos das prevsões em Sobradnho, no período de 1996 a 23. CONCLUSÕES O presente estudo ntegra o conhecmento clmátco e hdrológco para a prevsão de vazão de curto prazo, afluente a reservatóros hdrelétrcos da baca do ro São Francsco. As prevsões foram fetas com base em prevsões de precptação do modelo ETA, com ntervalo de tempo dáro até o horzonte de 1 das. Utlzando o modelo hdrológco MGB- IPH, as prevsões de vazão foram avaladas para antecedêncas de duas semanas em Três Maras e até quatro em Sobradnho. Além dsso, foram testados modelos de estmatva dos resíduos das prevsões em Três Maras e Sobradnho. O modelo utlzado fo do tpo função de transferênca, que nclu um termo autoregressvo dos resíduos e a precptação prevsta pelo ETA como varável explcatva. Em relação à precptação prevsta pelo modelo ETA, conclu-se que os melhores resultados são obtdos para valores acumulados de 3 das ou mas. Ou seja, o modelo possu melhor desempenho na prevsão de volumes totas de um conjunto de das (nos casos estudados, 3 das ou mas). Os modelos atmosfércos de uso operaconal são, normalmente, ajustados com base em um resultado médo de áreas bem maores do que a maora das bacas hdrográfcas. Por sso, o desempenho pode ser bastante dstnto para dferentes bacas, prncpalmente se estverem em regões nfluencadas por dferentes condconantes clmátcos. Dessa forma, cada baca deve ser analsada de forma partcular e, com o rápdo desenvolvmento dos computadores em clusters, a tendênca futura poderá ser um ajuste específco do modelo atmosférco regonal para cada baca de nteresse. Ou anda, o uso de modelos dferentes para cada baca. Em relação à prevsão de vazão, fo observado que o modelo hdroclmátco apresentou um desempenho bastante promssor. O prncpal ponto postvo está relaconado à capacdade de antecpar eventos de forte crescmento nas vazões, que os modelos estocástcos normalmente têm dfculdades em representar. Os erros nas vazões para a baca até Três Maras são relatvamente grandes, mas estão abaxo do esperado para os modelos do tpo estocástcos. Além dsso, deve-se consderar que estes resultados podem ter melhoras sgnfcatvas, uma vez que exstem postos de medção de vazão e chuva, como os da empresa CEMIG, que não foram usados neste trabalho. É mportante salentar que os resultados foram comparados com as séres de vazões naturas dos aprovetamentos, que podem conter nconsstêncas nerentes ao processo de cálculo, que nclu o balanço hídrco dos reservatóros. Pequenos erros na estmatva dos volumes armazenados podem causar dferenças mportantes nas vazões. No caso de Sobradnho, a dfculdade em realzar o balanço hídrco já é bastante conhecda (ONS, 23a) e, certamente, é a prncpal fonte dos erros sstemátcos das prevsões, corrgdas posterormente pelo modelo de prevsão dos resíduos. A ntegração de modelos do tpo estocástco, para correção da vazão prevsta pelo modelo hdroclmátco, apresentou benefícos sgnfcatvos. Ou seja, apesar da grande sofstcação dos modelos de- 39

10 Prevsão Hdroclmátca de Vazão de Curto Prazo na Baca do Ro São Francsco termnístcos usados nessa pesqusa, a carênca de dados e a dfculdade em representar alguns processos conduzem a erros que justfcam o emprego dos modelos de correção. Apesar das lmtações anda exstentes, este tpo de prevsão tem sdo objeto crescente de estudos, motvados pela mnmzação dos rscos da varabldade clmátca global. Esta é, certamente, a prncpal vantagem deste método pos, o processo de prevsão ntegra nformações atuas do clma em todo o globo e não somente dados do passado da baca hdrográfca. A prncpal desvantagem da prevsão hdroclmátca resde na sua operaconalzação, que demanda a exstênca de uma extensa rede de postos telemétrcos de chuva e vazão, além de estações meteorológcas. E anda são pouquíssmas as bacas brasleras que dspõem de um montoramento adequado a este tpo de aplcação. Os resultados obtdos devem ser vstos dentro de um processo evolutvo de conhecmento e de resposta às necessdades de dversos setores da socedade, como energa, agrcultura, navegação, abastecmento, dentre outros. Anda são mutos os desenvolvmentos possíves de serem mplementados neste tpo de prevsão, dentre os quas destacam-se: ) avalar a nfluênca do método de nterpolação da chuva observada e prevsta; ) desenvolver métodos de assmlação de dados de satélte, como evapotranspração, umdade do solo e chuva; ) testar as prevsões por conjunto (Georgakakos e Krzysztofowcz, 21); v) operaconalzar o modelo (Habets et al., 24); v) ncorporar novos desenvolvmentos nos modelos atmosfércos e hdrológcos. Fnalmente, pode-se conclur que o desenvolvmento do trabalho permtu amplar o conhecmento dos processos meteorológcos e hdrológcos na baca do ro São Francsco, podendo contrbur para o melhor gerencamento dos sstemas hdrelétrcos da baca. Também ncrementou o conhecmento centífco e tecnológco, até mesmo em nível mundal, sobre a aplcabldade de ferramentas poderosas de prevsão, como os modelos determnístcos. AGRADECIMENTOS Os autores agradecem ao CNPq/CT-Hdro pela concessão da bolsa de estudos a Benedto C. Slva, a Agênca Naconal de Energa Elétrca (ANE- EL) e Agênca Naconal de Águas (ANA) Operador Naconal do Sstema Elétrco (ONS) pelo fornecmento de dados hdrometeorológcos, e a Organzação Meteorológca Mundal (OMM) e ANEEL pelo fnancamento dos estudos. REFERÊNCIAS ALLASIA, D.G.; SILVA, B.C.; COLLISCHONN, W.; TUCCI, C.E.M. Large basn smulaton experence n Brazl. In: SIVAPALAN, M. et al. PUB: Promses and Progress. Proceedngs of VII IAHS Scentfc Assembly - Freshwater: Sustanablty wthn Uncertanty. Foz do Iguaçu, Brazl. 26. ANDERSON, M.L.; CHEN, Z.-Q.; KAVVAS, M.L.; FELDMAN, A. Couplng HEC-HMS wth Atmospherc Models for Predcton of Watershed Runoff. Journal of Hydrologc Engneerng. V.7, n.4, jul, p BLACK, T.L. The new NMC mesoscale Eta Model: descrpton and forecast examples. Wea. Analyses and Forecastng. v.9,p BREMICKER, M. A ufbau enes Wasserhaushaltsmodells für das Weser und das Ostsee Enzugsgebet als Bausten enes Atmosphären-Hydrologe-Modells. Dssertaton - Geowssenschaftlcher Fakultät, Albert- Ludwgs-Unverstät. Freburg. Jul COLLISCHONN, W. Smulação Hdrológca de Grandes Bacas. Porto Alegre: UFRGS. Tese, Insttuto de Pesqusas Hdráulcas da Unversdade Federal do Ro Grande do Sul. 194p. 21. COLLISCHONN, W.; TUCCI, C. E. M. Smulação hdrológca de grandes bacas. Revsta Braslera de Recursos Hídrcos. Vol.6, n COLLISCHONN, W; HAAS, R.; ANDREOLLI, I.; TUCCI, C.E.M. Forecastng Rver Uruguay flow usng ranfall forecasts from a regonal weather-predcton model. Journal of Hydrology. Vol.35, p DUAN, Q.; SOROOSHIAN, S.; GUPTA, V. Optmal use of the SCE UA global optmzaton method for calbratng watershed models. Journal of Hydrology, Vol 158 pp GEORGAKAKOS, K.P.; KRZYSZTOFOWICZ, R. Probablstc and ensemble forecastng. Journal of Hydrology. 249, p HABETS, F.; LEMOIGNE, P.; NOILHAN, J. On the utlty of operatonal precptaton forecasts to served as nput for streamflow forecastng. Journal of Hydrology. V.293, P HSU, M.-H.; FU, J.-C.; LIU, W.-C. Flood routng wth real-tme stage correcton method for flash flood forecastng n the Tanshu Rver, Tawan. Journal of Hydrology. V. 283, p KOUSSIS, A.D.; LAGOUVARDOS, K.; MAZI, K.; KOTRONI, V.; SITZMANN, D.; LANG, J.; ZAISS, H.; BUZZI, A.; MALGUZZI, P. Flood Forecasts for Urban Basn wth 4

11 RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 12 n.3 Jul/Set 27, Integrated Hydro-Meteorologcal Model. Journal of Hydrologc Engneerng. V.8, n.1, jan/fev, p LETTENMAIER D.P., WOOD E.F. Hydrologc Forecastng. In: MAIDMENT D., Handbook of Hydrology. McGraw- Hll, Chapter LIANG, X.; LETTENMAIER, D.P.; WOOD, E.F.; BURGES, S.J. A smple hydrologcally based model of land surface water and energy fluxes for general crculaton models. Journal of Geophyscal Research, Vol. 99, No. D7, p MADSEN, H.; SKOTNER, C. Adaptve state updatng n realtme rver flow forecastng a combned flterng and error forecastng procedure. Journal of Hydrology, Vol.38, P MAKRIDAKIS, S.; WHEELWRIGHT, S.C.; HYNDMAN, R.J. Forecastng Methods and Applcatons. John Wley & Sons: Unted States p. MESINGER, F.; JANJIC, Z. I.; NICKOVIC, S.; GAVRILOV, D.; DEAVEN, D. G.: The step-mountan coordnate: Model descrpton and performance for cases of Alpne lee cyclogeness and for a case of Appalachan redevelopment. Monthly Weather Revew, v.116, p , MOORE, R.J.; BELL, V.A.; JONES, D.A. Forecastng for flood warnng. Computes Rendus Geoscence. Vol.337, p ONS, OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO. Modelos Computaconas (Submódulo 18.2). Ro de Janero: ONS, jun, 26p. 21. ONS, OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO. Balanço Hídrco de Reservatóro de Sobradnho: caracterzação do Problema, Defnção de Ações. Ro de Janero: ONS, 27p., 23a. ONS, OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA ELÉTRICO. Reavalação de Séres de Vazões Naturas Baca do São Francsco: Análse de Dados das Estações Fluvométrcas e Pluvométrcas. São Paulo: Themag/Aquava, 128p., 23b. SILVA, B.C.; TUCCI, C.E.M.; COLLISCHONN, W. Prevsão Hdroclmátca de Vazào para a Baca do Ro São Francsco. Porto Alegre: UFRGS. Tese, Insttuto de Pesqusas Hdráulcas da Unversdade Federal do Ro Grande do Sul. 228p SILVA, B.C. ; COLLISCHONN, W. ; TUCCI, C. E. M.. Prevsão de Vazão com Modelos Hdroclmátcos. Revsta Braslera de Recursos Hídrcos (aceto). 26. TOTH, E.; MONTANARI, A.; BRATH A. Real-Tme Flood Forecastng va Combned Use of Conceptual and Stochastc Models. Physcs and Chemstry of the Earth. V.24, n.7, p Short-Range hydroclmatc Streamflow Forecast to the São Francsco Rver Basn ABSTRACT The streamflow forecast wth large ranges depends on the precptaton forecast. The ncrease n the forecast ranges, n recent years, was because the development n the atmospherc and hydrologc models and ther ntegrated applcaton (hdroclmatc forecast). In ths artcle s presented the result of ntegraton between ETA atmospherc regonal model and MGB-IPH dstrbuted hydrologc model, to short-range streamflow forecast. In addton, a stochastc model was used to correct the forecasted streamflow by the forecastng of hydroclmatc model resdues. The MGB-IPH dstrbuted hydrologc model was adjusted to the São Francsco rver basn (about 639, km2). The precptaton forecasts of ETA model, operated by Centro de Prevsão de Tempo e Estudos Clmátcos CPTEC, was used as nput to the hydrologc model. Streamflow forecasts were maded for the whole São Francsco basn, but the results were analyzed n detals to the Três Maras and Sobradnho hydropowers. The precptaton forecasts of ETA model was made up to 1 days range and were produced streamflow forecasts up to two weeks to Três Maras and four weeks to Sobradnho. After the tenth day of forecast the precptaton was consder equal to zero. The results show that the hydroclmatc forecasts obtaned to both hydropowers presents mprovements n relaton to the methods tradtonally employed. Key-words: Streamflow forecast, precptaton forecast, São Francsco Rver 41

Previsão Hidroclimática de Vazão de Curto Prazo na Bacia do Rio São Francisco

Previsão Hidroclimática de Vazão de Curto Prazo na Bacia do Rio São Francisco Prevsão Hdroclmátca de Vazão de Curto Prazo na Baca do Ro São Francsco Benedto Cláudo da Slva, Walter Collschonn, Carlos Eduardo Morell Tucc Robn Thomas Clarke, Martn Delgado Corbo Insttuto de Pesqusas

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Previsão de Cheias por Conjunto em Curto Prazo

Previsão de Cheias por Conjunto em Curto Prazo RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 19 n.3 Jul/Set 2014, 33-49 Prevsão de Cheas por Conjunto em Curto Prazo Adalberto Meller 1, Walter Collschonn 2, Fernando Fan 2, Dogo Costa Buarque 2, RodrgoCauduro

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO J. W. B. Lopes 1 ; E. A. R. Pnhero 2 ; J. R. de Araújo Neto 3 ; J. C. N. dos Santos 4 RESUMO: Esse estudo fo conduzdo

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER. Reinaldo Bomfim da Silveira 1 Juliana Maria Duarte Mol 1 RESUMO

ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER. Reinaldo Bomfim da Silveira 1 Juliana Maria Duarte Mol 1 RESUMO ALTERNATIVA PARA DETERMINAR ACURÁCIA DA PREVISÃO DO MBAR UTILIZANDO ÍNDICE DE BRIER Renaldo Bomfm da Slvera 1 Julana Mara Duarte Mol 1 RESUMO Este trabalho propõe um método para avalar a qualdade das prevsões

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.01 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

2. MATERIAIS E MÉTODOS

2. MATERIAIS E MÉTODOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS MODELOS DO IPCC-AR4 NO NORDESTE SETENTRIONAL DO BRASIL QUANTO À VARIABILIDADE PLURIANUAL DA PRECIPITAÇÃO NO SÉCULO XX RESUMO--- Os modelos globas do Intergovernmental Panel

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

2. BACIA HIDROGRÁFICA

2. BACIA HIDROGRÁFICA . BACIA HIDROGRÁFICA.1. GENERALIDADES Embora a quantdade de água exstente no planeta seja constante e o cclo em nível global possa ser consderado fechado, os balanços hídrcos quase sempre se aplcam a undades

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER

SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER SOFTWARE PARA CÁLCULO DO ÍNDICE DE SEVERIDADE DE SECA DE PALMER Rodrgo Cézar Lmera 1, Pedro Vera de Azevedo 2, Wagner de Aragão Bezerra 3, Josefa Morgana Vturno de Almeda 3 RESUMO: A modelagem consttu-se

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 2010-2012

POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 2010-2012 5 POLARIMETRIA ÓPTICA E MODELAGEM DE POLARES OBSERVADAS NO OPD/LNA NO PERÍODO DE 00-0 OPTICAL POLARIMETRY AND MODELING OF POLARS OBSERVED IN OPD/LNA IN THE PERIOD 00-0 Karleyne M. G. Slva Cláuda V. Rodrgues

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA

Leia mais

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 *

Análise da Situação Ocupacional de Crianças e Adolescentes nas Regiões Sudeste e Nordeste do Brasil Utilizando Informações da PNAD 1999 * Análse da Stuação Ocupaconal de Cranças e Adolescentes nas Regões Sudeste e Nordeste do Brasl Utlzando Informações da PNAD 1999 * Phllppe George Perera Gumarães Lete PUC Ro/Depto. De Economa IBGE/ENCE

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM Prncípos do Cálculo de Incertezas O Método GUM João Alves e Sousa Laboratóro Regonal de Engenhara Cvl - LREC Rua Agostnho Perera de Olvera, 9000-64 Funchal, Portugal. E-mal: jasousa@lrec.pt Resumo Em anos

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar

Análise do sistema logístico de descarga de cana inteira e picada de uma usina de cana de açúcar Análse do sstema logístco de descarga de cana ntera e pcada de uma usna de cana de açúcar Abstract Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Neto Unversdade Federal de São Carlos e-mal: pap@rs.ufscar.br Logstcs

Leia mais

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS

2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS 22 2 ENERGIA FIRME DE SISTEMAS HIDRELÉTRICOS Como vsto no capítulo 1, a energa frme de uma usna hdrelétrca corresponde à máxma demanda que pode ser suprda contnuamente

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ETANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2

INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ETANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2 INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2 C. R. SILVA 1, M. N. ESPERANÇA 1, A. J. G. CRUZ 1 e A. C. BADINO 1 1 Unversdade Federal de São Carlos, Departamento

Leia mais

O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO

O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO O USO DA INTEGRAL DEFINIDA NO CÁLCULO DA ÁREA ALAGADA DA BARRAGEM DO RIO BONITO Crstna Martns Paraol crstna@hotmal.com Insttuto Federal Catarnense Rua Prefeto Francsco Lummertz Júnor, 88 88960000 Sombro

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro *

Situação Ocupacional dos Jovens das Comunidades de Baixa Renda da Cidade do Rio de Janeiro * Stuação Ocupaconal dos Jovens das Comundades de Baxa Renda da Cdade do Ro de Janero * Alessandra da Rocha Santos Cínta C. M. Damasceno Dense Brtz do Nascmento Slva ' Mara Beatrz A. M. da Cunha Palavras-chave:

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP., NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE

SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP., NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE SELEÇÃO DE MODELOS VOLUMÉTRICOS PARA CLONES DE EUCALYPTUS SPP, NO PÓLO GESSEIRO DO ARARIPE Jáder da Slva Jale Joselme Fernandes Gouvea Alne Santos de Melo Denns Marnho O R Souza Kléber Napoleão Nunes de

Leia mais

RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS SUBSAL ATRAVÉS DE MIGRAÇÃO RTM

RESOLUÇÃO DE ESTRUTURAS SUBSAL ATRAVÉS DE MIGRAÇÃO RTM Copyrght 004, Insttuto Braslero de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnco Centífco fo preparado para apresentação no 3 Congresso Braslero de P&D em Petróleo e Gás, a ser realzado no período de a 5 de

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

2 ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS

2 ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS Glberto Câmara Marla Sá Carvalho.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo serão estudados os fenômenos expressos através de ocorrêncas dentfcadas como pontos localzados no espaço, denomnados

Leia mais

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR

1. CORRELAÇÃO E REGRESSÃO LINEAR 1 CORRELAÇÃO E REGREÃO LINEAR Quando deseja-se estudar se exste relação entre duas varáves quanttatvas, pode-se utlzar a ferramenta estatístca da Correlação Lnear mples de Pearson Quando essa correlação

Leia mais