CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK"

Transcrição

1 CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA Fernando de Fretas Maués AZEVEDO PPGEQ/ITEC/UFPA Nélo Texera MACHADO Marlena Emm ARAÚJO RESUMO Óleos e gorduras são consttuídos predomnantemente de uma cadea de trglcerídeos e como consttuntes em menores proporções, ácdos graxos lvres, monoglcerídeos, dglcerídeos, mpurezas e outra pequena quantdade de outros consttuntes não glcerídcos de alto valor agregado como esqualeno, tocoferós, carotenodes e esterós. Os trglcerídeos são mportantes fontes renováves de energa e de matéras prmas para a oleoquímca, com aplcações nas áreas de almentos, fármacos e cosmétcos. Há um consderável nteresse na lteratura sobre a aplcação da tecnologa supercrítca para a extração e fraconamento de óleos e gorduras e o dóxdo de carbono é o solvente mas utlzado por ser nerte, atóxco, de baxo custo e com alta volatldade. O equlíbro de fases de sstemas multcomponentes de consttuntes de óleos e gorduras em dóxdo de carbono supercrítco é partcularmente complexo. Dados de equlíbro de fases são a base para a análse da separação, determnando as condções ótmas de operação (P,T) e outros parâmetros de projeto como número de estágos de separação. Este trabalho teve como objetvo a correlação de dados expermentas de equlbro de fases do sstema multcomponente ésteres etílcos do óleo de murumuru em dóxdo de carbono supercrítco, empregando a equação de estado cúbca de Soave-Redlch- Kwong com as regras de mstura de van der Waals com dos parâmetros de nteração bnára. Fo utlzado o pacote computaconal PE 2000 para a determnação dos parâmetros de nteração aplcando o método Smplex modfcado, com o cálculo do equlíbro de fases empregando o algortmo PT flash. Para todas as condções estudadas a equação de Soave-Redlch-Kwong apresentou bons resultados para ambas as fases. Palavras-chave: Equlíbro de fases, Soave-Redlch-Kwong, Fraconamento de óleos. 1 INTRODUÇÃO A utlzação de fludo supercrítco, em processos de extração, se mostra extremamente atratva para a ndústra químca, de almentos e farmacêutca, prncpalmente por proporconar a obtenção de produtos com baxa toxcdade e que, quando comparados aos produtos obtdos por técncas convenconas, apresentam qualdade superor. O conhecmento da tecnologa supercrítca sob o enfoque de dversas áreas de estudo é de vtal mportânca para o sucesso das mas dversas aplcações deste tpo de tecnologa. Isto nclu aspectos fundamentas sobre a transferênca de massa e a termodnâmca do equlíbro de fases. O equlíbro de fases termodnâmco determna os lmtes para a transferênca de massa entre dferentes fases as quas estão envolvdos em dversos processos. As equações de estado cúbcas são os modelos termodnâmcos mas utlzados pelos smuladores de processos para o cálculo do equlíbro de fases a altas pressões, apresentando uma ampla aplcabldade para a determnação das propredades de mstura. O conhecmento dos dados de equlíbro de fases é de fundamental mportânca para projetos de extração, uma vez que fornece a base para a análse termodnâmca da separação (MACHADO & BRUNNER, 2012; GAST et al 2005). Frente à mportânca que o equlíbro de fases representa para o projeto e a otmzação das dversas aplcações da tecnologa de extração/separação em condções supercrítcas e da mportânca desta para, dentre outras, a ndústra químca, este trabalho teve como objetvo prncpal realzar a correlação do equlíbro de fases dos consttuntes do bodesel de murumuru 752

2 com CO 2 em condções supercrítcas, utlzando a equação de Soave-Redlch-Kwong combnada com a regra de mstura de van der Waals, a fm de contrbur para o processo de extração de componentes boatvos encontrados em tal oleagnosa. 2 MÉTODOS E PROCEDIMENTOS Os dados expermentas de equlíbro de fases da lteratura foram correlaconados com a equação de estado cúbca de Soave-Redlch-Kwong (SRK) (Eq.1) com a regra de mstura de van der Waals com dos parâmetros de nteração bnára A equação de Soave-Redlch-Kwong (Soave, 1972) é descrta abaxo: at V b RT P (1) V b V Para msturas os parâmetros a e b são obtdos através das propredades termofíscas dos componentes puros T c, P c,, da composção, e da utlzação de uma regra de mstura, com as nterações entre os componentes da mstura representadas pelos parâmetros de nteração bnára. Neste trabalho fo aplcada a regra de mstura de van der Waals (quadrátca) (Eq. 2 a 5) com dos parâmetros de nteração bnára. a m x x jaj (2) b x x b (3) m 1 aa jj 2 Kj b b jj aj 1 bj 1 2 j j j onde são os parâmetros de nteração bnára, determnados através do ajuste de dados expermentas de equlíbro líqudo-vapor. Devdo a degradação sofrda por estas substâncas com o aumento da temperatura, suas propredades termofíscas Tc,Pc, são estmadas empregando métodos predtvos que na maora das vezes são métodos de contrbução de grupos. Para a correlação de dados foram utlzadas as propredades crítcas Tc, Pc e os fatores acêntrcos publcadas pelos autores dos dados expermentas. Na Tabela 1 são apresentados os valores das propredades termofíscas dos compostos puros e pseudo-puros utlzados neste trabalho. Tabela 1 Propredades Termofíscas das Substâncas Puras e Pseudo-Puras. Substânca M (g/mol) ( ) ( ) CO 2 44,00 304,1 73,8 0,225 Etl Mrstato 256,42 743,41 14,548 0,8062 Etl Palmtato 284,48 765,18 13,152 0,8695 Etl Estearato 312,00 761,8 16,17 0,887 Etl Oleato 310, ,1 0,992 Etl Lnoleato 308,00 783,7 12,64 1,082 Ésteres etílcos de óleo de murumuru 247,35 695,22 14,11 0,8248 (4) (5) 753

3 Foram utlzados os pacotes computaconas PE 2000, desenvolvdo por Pfohl et al. (2000), e EDEFlash, desenvolvdo por Araújo et al. (2006), para o ajuste dos dados expermentas de equlíbro. Os programas utlzam o algortmo P-T flash e o método matemátco Smplex modfcado de Nelder e Mead (1965) para a regressão dos dados. Os valores dos parâmetros de nteração bnára foram calculados para cada soterma mnmzando uma função objetvo (FO) de desvo médo relatvo de ambas as fases entre os valores calculados e expermentas (Eq.6) n e c e c x x y y FO (6) n 1 e e x y onde x e y representam as composções das espéces nas fases coexstentes lqudo e gás, sendo os índces e e c relatvos aos valores das composções determnadas expermentalmente e calculadas respectvamente. 3 RESULTADOS E DISCUSSÕES O sstema pseudo-bnáro CO 2 / Ésteres Etílcos do Óleo de Murumuru foram meddos expermentalmente por AZEVEDO (2007) e estão apresentados na Tabela 2. Tabela 2 Equlíbro Líqudo-Gás Expermental do Sstema Pseudo-bnáro (em fração em massa de CO 2 ) Sstemas Pressão (bar) T (K) ,15 0,5573 0,9995 Ésteres etílcos do óleo de murumuru / CO ,15 0,6188 0, ,15 0,9132 0, ,15 0,9615 0,9639 A Tabela 3 apresenta a composção de cada éster etílco obtdo da mstura de ésteres para cada condção expermental de equlíbro de fases determnado por AZEVEDO (2007). Tabela 3 Composção das Fases Líquda e Gás em fração em massa do Sstema Multcomponente de Ésteres Etílcos de Óleo de Murumuru/CO 2 (em base lvre de CO 2 ) P (bar) ec12:0 ec14:0 ec16:0 ec18:0 ec18:1 ec18:2 333,15 90 Líqudo 0, , , , , ,02459 Gás 0, , , ,0 0,0 0,0 333, Líqudo 0, , , , , ,02391 Gás 0, , , , , , , Líqudo 0, , , , , ,02294 Gás 0, , , , , , , Líqudo 0, , , , , ,01126 Gás 0, , , , , ,

4 Neste trabalho, o sstema Ésteres Etílcos do Óleo de Murumuru de AZEVEDO (2007) fo correlaconado como multcomponente utlzando o programa PE convertdas em uma mstura modelo de 5 componentes, consderando apenas os consttuntes do óleo de maor composção, devdo a lmtação do programa utlzado. O sstema multcomponente meddo expermentalmente fo normatzado para a mstura modelo em estudo em base lvre de CO 2 (Tabela 4) e, convertdo em base do solvente (Tabela 5) para poder realzar a smulação utlzando a EDE SRK combnada com a regra de mstura Quadrátca para comparação com os resultados obtdos para o sstema pseudo-bnáro. Tabela 4 Composção das Fases Líquda e Gás do Sstema Multcomponente Ésteres Etílcos de Óleo de Murumuru/CO 2 normatzados para a mstura modelo Etl Laurato (2)/ Etl Mrstato (3)/ Etl Estearato (4)/ Etl Oleato (5) (em base lvre de CO 2 ) a 333,15 K. P(bar) 90 0,5222 0,3651 0,0333 0,0794 0,7723 0, ,5269 0,3639 0,0322 0,0769 0,7154 0,2559 0,0076 0, ,5517 0,3517 0,0281 0,0685 0,6514 0,3066 0,0116 0, ,6087 0,3298 0,0172 0,0444 0,6169 0,3281 0,0152 0,0396 O sstema multcomponente acma, depos de convertdos em base de CO 2, foram mplementados no programa PE, para que o mesmo realzasse a correlação dos dados expermentas. Assm como para o sstema de ésteres metílcos de CHUANG (2006), não fo possível obter os parâmetros de nteração bnára do sstema multcomponente. Deste modo, foram realzados os cálculos de ELG para o sstema de Ésteres Etílcos do Óleo de Murumuru utlzando parâmetros de nteração de sstemas bnáros otmzados com a EDE SRK combnada com a regra de mstura Quadrátca para cada sstema (Tabelas 6 e 7), determnados prevamente por SILVA (2014). Tabela 5 Composção das Fases Líquda e Gás do Sstema Multcomponente Ésteres Etílcos de Óleo de Murumuru/CO 2 normatzados para a mstura modelo CO 2 (1)/ Etl Laurato (2)/ Etl Mrstato (3)/ Etl Estearato (4)/ Etl Oleato (5) a 333,15 K. P (bar) CO 2 (1) ec12:0 (2) ec14:0 (3) ec18:0 (4) ec18:1 (5) 90 Líqudo 0,5573 0, , , , Gás 0,9995 0, , Líqudo 0,6188 0, , , , Gás 0,9974 0, , ,97E-05 5,48E Líqudo 0,9132 0, , , , Gás 0,9887 0, , , , Líqudo 0,9615 0, , , , Gás 0,9639 0, , , ,

5 Tabela 6 Parâmetro otmzado pela equação de estado SRK combnado com a regra de mstura Quadrátca utlzado para o cálculo do equlíbro de fases do sstema multcomponente dos Ésteres de Etílcos do Óleo de Murumuru a 333,15K. CO 2 ec12:0 ec14:0 ec18:0 ec18:1 CO 2-0, , , ,06435 ec12:0 0, ec14:0 0, ec18:0 0, ec18:1 0, Tabela 7 Parâmetro otmzado pela equação de estado SRK combnado com a regra de mstura Quadrátca utlzado para o cálculo do equlíbro de fases do sstema multcomponente dos Ésteres de Etílcos do Óleo de Murumuru a 333,15K. CO 2 ec12:0 ec14:0 ec18:0 ec18:1 CO 2-0, , , ,00984 ec12:0 0, ec14:0 0, ec18:0 0, ec18:1 0, A respeto da correlação do sstema pseudo-bnáro realzada por AZEVEDO (2007), a Tabela 8 apresenta os parâmetros de nteração bnára e o desvo médo absoluto em porcentagem obtdos destes sstemas. Tabela 8 Parâmetros de Interação do Sstemas Pseudo-bnáro para a Equação de Soave-Redlch- Kwong. Sstemas Ésteres Etílcos do Óleo de Murumuru/CO 2 Temperatura (K) (% massa) (% massa) 333,15 0, , ,13 0,18 Como pode ser vsto, a equação de estado de Soave-Redlch-Kwong combnada com a regra de mstura Quadrátca, conseguu descrever com precsão os dados expermentas do sstema pseudo-bnáro estudado. Em relação ao cálculo do ELV dos sstemas multcomponentes de Ésteres Etílcos do Óleo de Murumuru, a Tabela 9 apresenta os desvos médos absolutos em porcentagem mássca para ambas as fases. 756

6 Tabela 9 Desvos médos absolutos em porcentagem mássca do sstema multcomponente dos ésteres etílcos de óleo de murumuru/co 2 para a mstura modelo CO 2 (1)/ Etl Laurato (2)/ Etl Mrstato (3)/ Etl Estearato (4)/ Etl Oleato (5) T (K) 333,15 10,475 4,645 4,082 0,513 1,234 1,257 0,937 0,339 0,018 0,043 Em relação ao sstema multcomponente de ésteres etílcos do óleo de murumuru, resultados smlares aos encontrados para o sstema pseudo-bnáro correlaconado por AZEVEDO (2007), demonstrando que um sstema multcomponente pode ser descrto através de sstemas bnáros CO 2 (1)/Componente(). 4 CONCLUSÕES O conhecmento do comportamento das fases é essencal para o projeto de qualquer processo aplcando a tecnologa com fludos supercrítcos. Este trabalho teve como objetvo correlaconar dados expermentas de ésteres etílcos do óleo de murumuru e medr o equlíbro através do uso de parâmetros de nteração bnára de sstemas bnáros de ésteres etílcos ajustados. A modelagem termodnâmca fo feta utlzando a equação de estado de Soave-Redlch- Kwong combnada com a regra de mstura de van der Waals com dos parâmetros de nteração bnára. Assm, como para CHUANG (2006), o sstema de ésteres etílcos não obteve convergênca quando correlaconado pelo programa PE. Em relação ao cálculo do equlíbro de fases utlzando o programa EDEflash, resultados smlares aos de AZEVEDO (2007) para o sstema pseudo-bnáro CO 2 /Ésteres etílcos do óleo de murumuru foram encontrados para o sstema multcomponente, o que confrma que o uso de parâmetros de nteração de sstemas bnáros conseguem descrever muto bem o equlíbro de fases do sstema em estudo. 5 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ARAÚJO, M. E.; AZEVEDO-Jr., C. M.; SANTOS, J. L.; PENA, M. V.; MEIRELES, M. A. A. Programa Computaconal para o Cálculo do Equlíbro de Fases de Sstemas Multcomponentes empregando o Algortmo Flash. Proceedngs of XXVII Iberan Latn Amercan Congress on Computatonal Methods n Engneerng, CD-ROM, p. 1-19, setembro, AZEVEDO, F. F. M. Determnação Expermental de Equlíbro de Fases a Altas Pressões dos Sstemas Ésteres Etílcos de Óleo de Dendê e Ésteres de Óleo de Murumuru em Dóxdo de Carbono. Belém, Dssertação (Mestrado em Engenhara Químca) PPEQ/ITEC/UFPA, Belém, CHUANG, M-H.; BRUNNER, G. Concentraton of Mnor Components n Crude Palm Ol. Journal of Supercrtcal Fluds. v. 37, p , GAST, K.; JUNGFER, M.; SAURE, C.; BRUNNER, G. Purfcaton of Tocochromanols from Edble Ol. Journal of Supercrtcal Fluds. v. 34 p ,

7 MACHADO, N. T; BRUNNER, G. Process Desgn Methodology for Fractonaton of Fatty Acds from Palm Fatty Acd Dstllates n Countercurrent Packed Columns wth Supercrtcal CO2. The Journal of Supercrtcal Fluds, v. 66, p , SILVA, W. A. Modelagem e Smulação de Sstemas Multcomponentes a Altas Pressões Aplcada a Separação de Compostos Boatvos. Belém, Dssertação (Mestrado em Engenhara Químca) PPGEQ/ITEC/UFPA, Belém, SOAVE, G. Equlbrum Constants from a Modfed Redlch-Kwong Equaton of State. Chemcal Engneerng Scence 27 : , PFOHL, O.; PETKOV, S.; BRUNNER, G. PE A Powerful Tool to Correlate Phase Equlbra. Herbert Utz Verlag- Wssenschaft,

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

PREDIÇÃO DO FENÔMENO DE VAPORIZAÇÃO RETRÓGRADA DUPLA EM MISTURAS DE HIDROCARBONETOS

PREDIÇÃO DO FENÔMENO DE VAPORIZAÇÃO RETRÓGRADA DUPLA EM MISTURAS DE HIDROCARBONETOS Copyrght 004, Insttuto Braslero de Petróleo e Gás - IBP Este Trabalho Técnco Centífco fo preparado para apresentação no 3 Congresso Braslero de P&D em Petróleo e Gás, a ser realzado no período de a 5 de

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO

DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO A. M. M. BESSA 1 ; F. M. R. MESQUITA 1 ; F. R. DO CARMO 1 ; H.B.DE SANT ANA 1 E R.S.DE SANTIAGO-AGUIAR 1 1 Unversdade Federal do

Leia mais

ESTUDO DO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-LÍQUIDO APLICADO À SEPARAÇÃO BIODIESEL/ GLICEROL PELO MÉTODO UNIFAC

ESTUDO DO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-LÍQUIDO APLICADO À SEPARAÇÃO BIODIESEL/ GLICEROL PELO MÉTODO UNIFAC ESTUDO DO EQULÍBRO LÍQUDO-LÍQUDO APLCADO À SEPARAÇÃO BODESEL/ GLCEROL PELO MÉTODO UFAC ury Sousa e Slva, 2 Ana Carolna de Sousa Maa, 2 Jonathan da Cunha Texera, 3 Luz Stragevtch Bolssta de ncação Centífca

Leia mais

CÁLCULO DE VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS COM A EDE CUBIC- PLUS-ASSOCIATION INCORPORADA AO MODELO EYRING

CÁLCULO DE VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS COM A EDE CUBIC- PLUS-ASSOCIATION INCORPORADA AO MODELO EYRING CÁLCULO DE VISCOSIDADE DE LÍQUIDOS COM A EDE CUBIC- PLUS-ASSOCIATION INCORPORADA AO MODELO EYRING I. Q. MATOS 1, J. P. L. SANTOS 1 e G. F. SILVA 1 1 Unversdade Federal de Sergpe, Departamento de Engenhara

Leia mais

INFERÊNCIAS EM COLUNA DE DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTE

INFERÊNCIAS EM COLUNA DE DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA QUÍMICA INFERÊNCIAS EM COLUNA DE DESTILAÇÃO MULTICOMPONENTE Alexandre Casagrande Texera Floranópols, Junho de 2003 Monografa Identfcação

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

EXTENSÃO DO MODELO F-SAC PARA GASES LEVES VIA UMA REGRA DE MISTURA E EQUAÇAO CÚBICA DE ESTADO

EXTENSÃO DO MODELO F-SAC PARA GASES LEVES VIA UMA REGRA DE MISTURA E EQUAÇAO CÚBICA DE ESTADO XTNSÃO DO MODLO F-SAC PARA GASS LVS VIA UMA RGRA D MISTURA QUAÇAO CÚBICA D STADO G. B. FLÔRS, P. B. STAUDT e R. de P. SOARS Unversdade Federal do Ro Grande do Sul, Departamento de ngenhara Químca -mal

Leia mais

Coeficiente de Partição

Coeficiente de Partição Físco-Químca Expermental Coefcente de Partção 1. Introdução Suponha dos solventes A e B, parcalmente mscíves à temperatura T, formando as fases α (uma solução dluída de B na fase A) e β (uma solução dluída

Leia mais

CONSISTÊNCIA TERMODINÂMICA DE DADOS EXPERIMENTAIS DE EQUILÍBRIO DE FASES EM SISTEMAS BINÁRIOS

CONSISTÊNCIA TERMODINÂMICA DE DADOS EXPERIMENTAIS DE EQUILÍBRIO DE FASES EM SISTEMAS BINÁRIOS CONSISTÊNCIA TERMODINÂMICA DE DADOS EXPERIMENTAIS DE EQUILÍBRIO DE FASES EM SISTEMAS BINÁRIOS J.F. GUIMARÃES 1, P.F. ARCE-CASTILLO 1 1 Unversdade de São Paulo, Escola de Engenhara de Lorena, Depto de Engenhara

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Critério de Equilíbrio

Critério de Equilíbrio Crtéro de Equlíbro ara um sstema echado onde exstem ases em equlíbro, o crtéro geral de equlíbro de ases mpõe que o potencal químco de cada espéce presente seja gual em todas as ases. α β π µ = µ = K=

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

VISCOSIDADES DE MISTURAS FORMADAS POR TRIACILGLICERÓIS, ÁCIDOS GRAXOS E ALCOÓIS.

VISCOSIDADES DE MISTURAS FORMADAS POR TRIACILGLICERÓIS, ÁCIDOS GRAXOS E ALCOÓIS. VISCOSIDADES DE MISTURAS FORMADAS POR TRIACILGLICERÓIS, ÁCIDOS GRAXOS E ALCOÓIS. P. M. FLORIDO 1, D. P. S. LOBO 1, G. A. FARIA 1, K. K. ARACAVA 1, C. E. C. RODRIGUES 1, R. CERIANI 2 e C. B. GONÇALVES 1

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS. 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES

IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS. 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES IX CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA E CIÊNCIAS TÉRMICAS 9th BRAZILIAN CONGRESS OF THERMAL ENGINEERING AND SCIENCES Paper CIT02-0026 METODOLOGIA PARA CORRELAÇÃO DE DADOS CINÉTICOS ENTRE AS TÉCNICAS DE

Leia mais

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA II.1. HIPOTESES BASICAS A modelagem aqu empregada está baseado nas seguntes hpóteses smplfcadoras : - Regme permanente; - Ausênca de forças de campo; - Ausênca de trabalho

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PETÓLEO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PETÓLEO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE PETÓLEO Estudo do Controle de Poço Consderando-se o Comportamento de Fases da Mstura Gás- Líqudo Autora:

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES

FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES FUNÇÃO NO R PARA OBTENÇÃO DO DESENHO D-ÓTIMO EM MODELOS DE MISTURAS COM RESTRIÇÕES Edmlson Rodrgues Pnto Leandro Alves Perera Faculdade de Matemátca Faculdade de Matemátca Unversdade Federal de Uberlânda

Leia mais

Determinação experimental da viscosidade e condutividade térmica de óleos vegetais

Determinação experimental da viscosidade e condutividade térmica de óleos vegetais ISSN 0101-061 Cênca e Tecnologa de Almentos Determnação expermental da vscosdade e condutvdade térmca de óleos vegetas Expermental measurements of vscosty and thermal conductvty of vegetable ols Josane

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS MODELOS DE WON, PEDERSEN E ERICKSON PARA O CÁLCULO DA TIAC

UMA AVALIAÇÃO DOS MODELOS DE WON, PEDERSEN E ERICKSON PARA O CÁLCULO DA TIAC 4 o PDPETRO, Campnas, SP 3.1.0047 2 1 UMA AVAIAÇÃO DOS MODEOS DE WON, PEDERSEN E ERICKSON PARA O CÁCUO DA TIAC Rodrgues 1, E. A., Rbero 1, T. S., Costa 1, G. M. N. 1 Centro de Estudos em Petróleo e Gás

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

EQUILÍBRIO LÍQUIDO-LÍQUIDO DE SISTEMAS CONTENDO FENOL- ÁGUA-SOLVENTE: OBTENÇÃO E MODELAGEM TERMODINÂMICA.

EQUILÍBRIO LÍQUIDO-LÍQUIDO DE SISTEMAS CONTENDO FENOL- ÁGUA-SOLVENTE: OBTENÇÃO E MODELAGEM TERMODINÂMICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LUCIANA MEIRELES HACKBART EQUILÍBRIO LÍQUIDO-LÍQUIDO DE SISTEMAS CONTENDO FENOL- ÁGUA-SOLVENTE: OBTENÇÃO E MODELAGEM TERMODINÂMICA. CURITIBA 2007 LUCIANA MEIRELES HACKBART

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

Miscibilidade de Sistemas Poliméricos à Base de Poli(Metacrilato de Metila) e Poli(Óxido de

Miscibilidade de Sistemas Poliméricos à Base de Poli(Metacrilato de Metila) e Poli(Óxido de A R T G o Mscbldade de Sstemas Polmércos à Base de Pol(Metacrlato de Metla) e Pol(Óxdo de, Propleno-b-Oxdo de Etleno) Elzabete F. Lucas. Clara Marze F. Olvera e Roger S. Porter Resumo: Ograu de mscbldade

Leia mais

MODELAGEM TERMODINÂMICA NA EXTRAÇÃO DE -3 COM CO 2 SUPERCRÍTICO

MODELAGEM TERMODINÂMICA NA EXTRAÇÃO DE -3 COM CO 2 SUPERCRÍTICO Revsta Braslera de Produtos Agrondustras, Campna Grande, v.4, n., p.135-140, 00 ISSN: 1517-8595 135 MODEAGEM TERMODINÂMICA NA EXTRAÇÃO DE -3 COM CO SUPERCRÍTICO Anaram P. de Souza 1, José da Paxão. dos

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica

CQ049 : FQ IV - Eletroquímica CQ049 FQ prof. Dr. Marco Vdott LEAP Laboratóro de Eletroquímca e Polímeros mvdott@ufpr.br Imagens de Rorschach A Eletroquímca pode ser dvdda em duas áreas: Iônca: Está relaconada com os íons em solução

Leia mais

APLICAÇÃO DA TERMODINÂMICA CONTÍNUA NA MODELAGEM DA PRESSÃO DE VAPOR DA GASOLINA AUTOMOTIVA

APLICAÇÃO DA TERMODINÂMICA CONTÍNUA NA MODELAGEM DA PRESSÃO DE VAPOR DA GASOLINA AUTOMOTIVA 2 o Congresso Naconal em P&D em Petróleo e Gás Natural 1 APLICAÇÃO DA TERMODINÂMICA CONTÍNUA NA MODELAGEM DA PRESSÃO DE VAPOR DA GASOLINA AUTOMOTIVA L.C. Araújo 1, F.R. Carvalho 2, L. Stragevtch 3 Departamento

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

APLICAÇÃO DAS TEORIAS DE ADSORÇÃO IDEAL E REAL NA MODELAGEM DA BIOSSORÇÃO DA MISTURA Cr 2+ -Ni 2+ PELA ALGA MARINHA Sargassum filipendula

APLICAÇÃO DAS TEORIAS DE ADSORÇÃO IDEAL E REAL NA MODELAGEM DA BIOSSORÇÃO DA MISTURA Cr 2+ -Ni 2+ PELA ALGA MARINHA Sargassum filipendula APLICAÇÃO DAS TEORIAS DE ADSORÇÃO IDEAL E REAL NA MODELAGEM DA BIOSSORÇÃO DA MISTURA Cr 2+ -N 2+ PELA ALGA MARINHA Sargassum flpendula Tago Das Martns 1, Aracel Aparecda Seolatto 2, Rafael Caneves 3, Márca

Leia mais

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral

Estabilidade de Lyapunov e Propriedades Globais para Modelo de Dinâmica Viral Establdade de Lyapunov e Propredades Globas para Modelo de Dnâmca Vral Nara Bobko Insttuto de Matemátca Pura e Aplcada 22460-320, Estrada Dona Castorna, Ro de Janero - RJ E-mal: narabobko@gmal.com. Resumo:

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS DE BIODIESEL DE PINHÃO MANSO: AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PREDITIVOS PARA CÁLCULOS DE VISCOSIDADE E DENSIDADE.

PROPRIEDADES FÍSICAS DE BIODIESEL DE PINHÃO MANSO: AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PREDITIVOS PARA CÁLCULOS DE VISCOSIDADE E DENSIDADE. PROPRIEDADES FÍSICAS DE BIODIESEL DE PINHÃO MANSO: AVALIAÇÃO DE MÉTODOS PREDITIVOS PARA CÁLCULOS DE VISCOSIDADE E DENSIDADE. P. M. FLORIDO 1, K. K. ARACAVA 1, I. C. F. MORAES 1, R. A. FERRARI 2, P. J.

Leia mais

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ M. G. F. Costa, C. F. F. Costa Flho, M. C. Das, A. C. S.Fretas. Unversdade do Amazonas Laboratóro de Processamento Dgtal de Imagens Av. Gal.

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira. Informação Esta publcação é uma tradução do Gua de Calbração EURAMET Gua para a Estmatva da Incerteza em Medções de Dureza (EURAMET/cg-16/v.01, July 007). Os dretos autoras do documento orgnal pertencem

Leia mais

3.1. Conceitos de força e massa

3.1. Conceitos de força e massa CAPÍTULO 3 Les de Newton 3.1. Concetos de força e massa Uma força representa a acção de um corpo sobre outro,.e. a nteracção físca entre dos corpos. Como grandeza vectoral que é, só fca caracterzada pelo

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

ESTUDO DE REVESTIMENTOS ANTIADERENTES À RESINA EPÓXI

ESTUDO DE REVESTIMENTOS ANTIADERENTES À RESINA EPÓXI ESTUDO DE REVESTIMENTOS ANTIADERENTES À RESINA EPÓXI André M. Kehrwald 1, Gulherme M.O. Barra 1 *, Fabano G. Wolf 1, Celso P. Fernandes 1 1 Unversdade Federal de Santa Catarna UFSC Departamento de Engenhara

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA

DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA DESENVOLVIMENTO DE UM PRÉ-PROCESSADOR PARA ANÁLISE ISOGEOMÉTRICA Pedro Luz Rocha Evandro Parente Junor pedroluzrr04@gmal.com evandroparentejr@gmal.com Laboratóro de Mecânca Computaconal e Vsualzação, Unversdade

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

COMPONENTES QUÍMICOS E ESTUDO DA UMIDADE DE EQUILÍBRIO EM VAGENS DE ALGAROBA

COMPONENTES QUÍMICOS E ESTUDO DA UMIDADE DE EQUILÍBRIO EM VAGENS DE ALGAROBA ISSN:1517-8595 43 COMPONENTES QUÍMICOS E ESTUDO DA UMIDADE DE EQUILÍBRIO EM VAGENS DE ALGAROBA Francsco de Asss C. Almeda 1, José Euflávo da Slva 2, Mara Elessandra R. Araújo 2, Josvanda P. Gomes de Gouvea

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO

SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO ! "#$ " %'&)(*&)+,.- /10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

INFLUÊNCIA DA POROSIDADE TOTAL DO LEITO NA CROMATOGRAFIA PREPARATIVA EM BATELADA DOS ENANTIÔMEROS DO OMEPRAZOL

INFLUÊNCIA DA POROSIDADE TOTAL DO LEITO NA CROMATOGRAFIA PREPARATIVA EM BATELADA DOS ENANTIÔMEROS DO OMEPRAZOL INFLUÊNCIA DA POROSIDADE TOTAL DO LEITO NA CROMATOGRAFIA PREPARATIVA EM BATELADA DOS ENANTIÔMEROS DO OMEPRAZOL A. F. N. DOMINGUES 1 e C. C. SANTANA 2 1 Embrapa Amazôna Orental, Laboratóro de Agrondústra

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE CORRELAÇÕES PVT DE PETRÓLEOS

ANÁLISE ESTATÍSTICA DE CORRELAÇÕES PVT DE PETRÓLEOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO ROGRAMA DE ÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA GARBEN BRAVIM GOMES ANÁLISE ESTATÍSTICA DE CORRELAÇÕES VT DE ETRÓLEOS VITÓRIA 8 GARBEN BRAVIM GOMES

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. 04 a 07 de outubro de 2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Química. 04 a 07 de outubro de 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Semnáro do Programa de Pós-Graduação em Engenhara Químca X Otoberfórum PPGEQ 04 a 07 de outubro de 2011 NOVO MODELO DE COEFICIENTE DE ATIVIDADE BASEADO EM CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Isotermas de Sorção de Ägua dos Grãos de Quinoa

Isotermas de Sorção de Ägua dos Grãos de Quinoa Isotermas de Sorção de Ägua dos Grãos de Qunoa 92 Jame Danel Bustos, Paulo Cesar Correa, Lara Santana Fernandes, Renata Cássa Campos RESUMO A qunoa (Chenopodum qunoa) é um grão, que apresenta elevado valor

Leia mais

SIMULAÇÃO DINÂMICA DO PROCESSO DE DESTILAÇÃO DE BIOETANOL EM SIMULADOR BASEADO EM EQUAÇÕES (EMSO) José Izaquiel Santos da Silva

SIMULAÇÃO DINÂMICA DO PROCESSO DE DESTILAÇÃO DE BIOETANOL EM SIMULADOR BASEADO EM EQUAÇÕES (EMSO) José Izaquiel Santos da Silva SIMULAÇÃO DINÂMICA DO PROCESSO DE DESTILAÇÃO DE BIOETANOL EM SIMULADOR BASEADO EM EQUAÇÕES (EMSO) José Izaquel Santos da Slva São Carlos, SP Julho/2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS

Leia mais

Estabilidade de Fases em Processos Industriais de Polimerização de Eteno a Alta Pressão

Estabilidade de Fases em Processos Industriais de Polimerização de Eteno a Alta Pressão Establdade de Fases em Processos Industras de Polmerzação de Eteno a Alta Pressão Glora Meyberg Nunes Costa TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA INDUSTRIAL DA UNIVERSIDADE

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE FÍSICA E MATEMÁTICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LERAS DE RIBEIRÃO PREO DEPARAMENO DE FÍSICA E MAEMÁICA JOSÉ RAFAEL PEREIRA INERAÇÃO DE ESRAÉGIAS EM UM MERCADO DE OPÇÕES EUROPÉIAS: UMA ABORDAGEM

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PREDITIVA DA CARACTERIAÇÃO DO ÓLEO NO CÁLCULO DA PRESSÃO DE BOLHA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PREDITIVA DA CARACTERIAÇÃO DO ÓLEO NO CÁLCULO DA PRESSÃO DE BOLHA 4 o PDPETRO, Campnas, SP.3. -1-1 1-4 de Outubro de 7 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE PREDITIVA DA CARACTERIAÇÃO DO ÓLEO NO CÁLCULO DA PRESSÃO DE BOLHA Paulo, S. M. V. Rocha 1 (PETROBRAS), Franssco, A. Santago

Leia mais

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas

Análise Dinâmica de uma Viga de Euler-Bernoulli Submetida a Impacto no Centro após Queda Livre Através do Método de Diferenças Finitas Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Appled and Computatonal Mathematcs, Vol. 4, N., 06. Trabalho apresentado no DINCON, Natal - RN, 05. Proceedng Seres of the Brazlan Socety of Computatonal and Appled

Leia mais

MODELO MATEMÁTICO DE ELEMENTOS FINITOS DE VOLUME APLICADO AO CONTROLE DO PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO DE ALIMENTOS ENLATADOS SÓLIDOS E PASTOSOS

MODELO MATEMÁTICO DE ELEMENTOS FINITOS DE VOLUME APLICADO AO CONTROLE DO PROCESSO DE ESTERILIZAÇÃO DE ALIMENTOS ENLATADOS SÓLIDOS E PASTOSOS MODELO MAEMÁICO DE ELEMENOS FINIOS DE VOLUME APLICADO AO CONOLE DO POCESSO DE ESEILIZAÇÃO DE ALIMENOS ENLAADOS SÓLIDOS E PASOSOS VIO ALEX OLIVEIA ALVES, CLAUDIO GACIA * Escola de Engenhara Mauá Praça Mauá,

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias.

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias. Otmzação da localzação das bases de ambulâncas e do dmensonamento das suas regões de cobertura em rodovas. Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Departamento de Engenhara de Produção Unversdade Federal de São

Leia mais

Eletroquímica 2017/3. Professores: Renato Camargo Matos Hélio Ferreira dos Santos.

Eletroquímica 2017/3. Professores: Renato Camargo Matos Hélio Ferreira dos Santos. Eletroquímca 2017/3 Professores: Renato Camargo Matos Hélo Ferrera dos Santos http://www.ufjf.br/nups/ Data Conteúdo 07/08 Estatístca aplcada à Químca Analítca Parte 2 14/08 Introdução à eletroquímca 21/08

Leia mais

MODELAGEM DO EQUILÍBRIO DE FASES ENTRE ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DE ÓLEO DE PEIXE COM DIÓXIDO DE CARBONO SUPERCRÍTICO.

MODELAGEM DO EQUILÍBRIO DE FASES ENTRE ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DE ÓLEO DE PEIXE COM DIÓXIDO DE CARBONO SUPERCRÍTICO. MODELAGEM DO EQUILÍBRIO DE FASES ENTRE ÉSTERES DE ÁCIDOS GRAXOS DE ÓLEO DE PEIXE COM DIÓXIDO DE CARBONO SUPERCRÍTICO. M. P. SILVA 1, A.L. GONÇALVES 1, J. V. M. LOPES 2, N. T. MACHADO 2 M. E. ARAÚJO 2 1

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE DA RECUPERAÇÃO DE CALOR DOS GASES DE EXAUSTÃO EM MOTORES PARA REFRIGERAÇÃO DE CARGAS TÍPICAS EM MEIOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO

ESTUDO DE VIABILIDADE DA RECUPERAÇÃO DE CALOR DOS GASES DE EXAUSTÃO EM MOTORES PARA REFRIGERAÇÃO DE CARGAS TÍPICAS EM MEIOS DE TRANSPORTE RODOVIÁRIO Pontfíca Unversdade Católca de Mnas Geras Programa de Pós-Graduação em Engenhara Mecânca Dssertação de Mestrado ESUDO DE VIABILIDADE DA RECUPERAÇÃO DE CALOR DOS GASES DE EXAUSÃO EM MOORES PARA REFRIGERAÇÃO

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO

NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO I Congresso Baano de Engenhara Santára e Ambental - I COBESA NOVA METODOLOGIA PARA RECONCILIAÇÃO DE DADOS: CONSTRUÇÃO DE BALANÇÃO HÍDRICOS EM INDÚSTRIA UTILIZANDO O EMSO Marcos Vnícus Almeda Narcso (1)

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO

IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO IMPLEMENTAÇÃO DO MÉTODO DE FATORAÇÃO DE INTEIROS CRIVO QUADRÁTICO Alne de Paula Sanches 1 ; Adrana Betâna de Paula Molgora 1 Estudante do Curso de Cênca da Computação da UEMS, Undade Unverstára de Dourados;

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Problemas Associados a Cones de Segunda Ordem

Problemas Associados a Cones de Segunda Ordem Problemas Assocados a Cones de Segunda Ordem Dense S. Trevsol, Mara A. D. Ehrhardt, Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca, IMECC, UNICAMP, 1383-859, Campnas, SP E-mal: ra8477@me.uncamp.br,

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

predizê-los. Com isso, este trabalho tem como objetivo a avaliação técnica da destilação extrativa salina, em colunas de destilação recheadas, para a

predizê-los. Com isso, este trabalho tem como objetivo a avaliação técnica da destilação extrativa salina, em colunas de destilação recheadas, para a . INTRODUÇÃO A separação dos componentes de uma mstura é de grande mportânca na ndústra químca, sendo a destlação o método de separação mas usado atualmente. Algumas msturas, no entanto, apresentam característcas

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Geração de poses de faces utilizando Active Appearance Model Tupã Negreiros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3

Geração de poses de faces utilizando Active Appearance Model Tupã Negreiros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3 Geração de poses de faces utlzando Actve Appearance Model Tupã Negreros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3 1, 2, 3 Escola Poltécnca da Unversdade de São Paulo (POLI/USP) Caxa Postal 61548 CEP 05508-900

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

Características das Águas Residuárias

Características das Águas Residuárias Característcas das Águas Resduáras Marco Gomes Barboza Unversdade Federal de Alagoas Centro de Tecnologa e-mal: mbarboza@ctec.ufal.br 1. Introdução Orgem dos esgotos Esgotos doméstcos ou santáros Resdêncas,

Leia mais

O Método de Redes Neurais com Função de Ativação de Base Radial para Classificação em Data Mining

O Método de Redes Neurais com Função de Ativação de Base Radial para Classificação em Data Mining O Método de Redes Neuras com Função de Atvação de Base Radal para Classfcação em Data Mnng Ana Paula Scott 1, Mersandra Côrtes de Matos 2, Prscyla Walesa T. A. Smões 2 1 Acadêmco do Curso de Cênca da Computação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PAOLA DOS SANTOS GASCHI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PAOLA DOS SANTOS GASCHI UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PAOLA DOS SANTOS GASCHI EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR (ELV) E LÍQUIDO-LÍQUIDO (ELL) DE SISTEMAS DO BIODIESEL: DADOS (BINÁRIO E TERNÁRIO) E AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS DOS MODELOS

Leia mais

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO

ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO ANÁLISE DE CONFIABILIDADE DO MODELO SCS-CN EM DIFERENTES ESCALAS ESPACIAIS NO SEMIÁRIDO J. W. B. Lopes 1 ; E. A. R. Pnhero 2 ; J. R. de Araújo Neto 3 ; J. C. N. dos Santos 4 RESUMO: Esse estudo fo conduzdo

Leia mais

4 Análise termoeconômica

4 Análise termoeconômica 4 Análse termoeconômca Os capítulos precedentes abordaram questões emnentemente térmcas da aplcação de nanofludos em sstemas ndretos de refrgeração. Ao tratar das magntudes relatvas e da natureza das componentes

Leia mais

COMBUSTÃO. A termodinâmica permite um estudo elementar de combustão através da termoquímica.

COMBUSTÃO. A termodinâmica permite um estudo elementar de combustão através da termoquímica. COMBUSTÃO A termodnâmca permte um estudo elementar de combustão através da termoquímca. Aplcação de balanço de massa e energa (1º le) e de defenção de condções de equlíbro e sentdo de evoluções termodnâmcas

Leia mais