SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO"

Transcrição

1 ! "#$ " %'&)(*&)+,.- C)D 5.,.5FE)5.G.+ &4- (IHJ&?,.+ /?<>=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.- D - ;./);.& SCATTER SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE OTIMIZAÇÃO DA ALOCAÇÃO DE SONDAS DE PRODUÇÃO EM POÇOS DE PETRÓLEO Eduardo Fonseca de Olvera (FAESA) Fábo Bozz Pagoto (FAESA) Fláva Torezan Slva (FAESA) Lucano Lessa Lorenzon (FAESA) Este trabalho apresenta uma abordagem evoluconára baseada na meta-heurístca scatter search para a resolução do problema de alocação de sondas em poços de petróleo. O problema consste em defnr o tneráro de atendmento para cada sonnda, uma vez que dedcar exclusvamente uma sonda para cada poço de uma baca petrolífera torna-se nvável economcamente. O algortmo mplementado fo testado utlzando arquvos referencados na lteratura. Os resultados obtdos ndcam um bom desempenho do algortmo. Palavras-chaves: scatter search, otmzação, ntervenção em poços de petróleo

2 1. Introdução Desde o século XX, quando fo descoberto, o petróleo tornou-se alvo de grande nteresse pela socedade em função de sua forte nfluênca no desenvolvmento das nações e de seu alto valor estratégco para a economa. Ao logo desse tempo dversos problemas têm sdo estudados com o ntuto de explorar esse recurso de manera efcente. Um desses problemas é otmzar a ntervenção das sondas de produção terrestre (SPT). Antes do níco de funconamento dos poços de petróleo, para que operem de forma econômca e segura, eles sofrem uma ntervenção, chamada de completação, que consste na realzação das operações de equpagem ou anda na njeção de fludos nos reservatóros. Também ao longo do funconamento produtvo os poços requerem outras ntervenções para manutenção a fm de mantê-los em atvdade. Intervenções que vão desde as mas smples, como as operações de lmpeza, às mas complexas, como as operações de restauração de poços com baxa produção, de estmulação quando se faz necessáro aumentar a produtvdade do poço e de avalação cujo objetvo é medr os parâmetros dos reservatóros. As operações de manutenção são conhecdas genercamente como workover. Tanto as ntervenções de completação como as de manutenção são realzadas por undades móves denomnadas Sondas de Produção. O custo das sondas é elevado o que a torna um recurso restrto gerando uma perda consderável com a não produção dos poços que estão aguardando a realzação da ntervenção solctada. Em algumas stuações para reforçar a frota de sondas exstente é possível o aluguel temporáro de novas sondas. O custo e o tempo de cada ntervenção vara em função do tpo de sonda empregada e da operação a ser realzada. Uma descrção mas aprofundada do funconamento e das operações realzadas pelas sondas de produção pode ser encontrada em Thomas (1999) e em Accoly & Chyosh (2000). Dversas estratégas têm sdo utlzadas na resolução desse problema. Dentre essas destacamos: Têmpera Smulada (Pava (1997)), Busca Tabu (Maa et al. (2002)), Algortmo Memétco e Transgenétco (Gouvêa et al. (2002)), Colôna de Formgas (Alose et al. (2002)), GRASP (Costa (2005)) e Algortmos Genétcos (Alves & Ferrera (2006)). O restante do artgo está organzado da segunte forma: na seção 2 é formalzado o problema de alocação de sondas de petróleo modelando-o como um Problema Programação Lnear Intera. Na seção 3 descrevemos a estratéga de resolução do problema baseada na metaheurístca Scatter Search (SS). Os expermentos computaconas são apresentados na seção 4 e fnalmente, na seção 5, as conclusões e perspectvas futuras. 2. Descrção do Problema de Alocação de Sondas Uma vez que o poço solcta a ntervenção de uma sonda, ele entra em uma fla de demanda e al permanece até que seja atenddo. Cada poço dessa fla está assocado a um valor de perda de captação que ndca o quanto aquele poço está dexando de produzr. De acordo com Alose et al. (2002) o problema de otmzação da alocação de sondas de produção consste em encontrar a melhor seqüênca de atendmento para as sondas 2

3 dsponíves, vsando mnmzar o tempo de atendmento das solctações e maxmzar a produção méda dára da baca petrolífera, o que mplca em mnmzar a perda de vazão pela espera no atendmento da ntervenção solctada. A decsão de qual sonda alocar a uma determnada solctação de servço depende de fatores como: potencal produtvo do poço, localzação geográfca da sonda em relação ao poço, tempo de ntervenção no poço, questões de rsco ambental e segurança e lmtação técnca das sondas em relação ao tpo de ntervenção vsto que a frota de sondas pode não ser homogênea. Esse problema pode ser vsto como um caso especal do clássco problema dos k-servos sendo portanto classfcado como um problema NP-Árduo (Goldbarg & Luna, 2000). De acordo com Costa (2005) o problema pode ser modelado como um problema de programação lnear ntera com varáves de decsões bnáras da segunte forma. Consdere os conjuntos: N = {1,...,n} dos poços, M = {1,...,m} das sondas e T = {1,...,hp} dos nstantes de tempo no horzonte de planejamento hp. P a perda de vazão do Assocado a cada poço pertencente a N temos os seguntes atrbutos: d poço (m³/undade de tempo), a data de lberação do poço para níco dos servços, data para térmno dos servços no poço e t o tempo de servço no poço. D a X k t As varáves de decsão do problema são bnáras e assumem o valor 1 quando a sonda k nca a ntervenção no nstante t no poço e, assume o valor de 0, caso contráro. Dessa forma temos o segunte modelo assocado ao problema. Mn Sujeto a: t k k k t d 1 t X X hp k t k t X k t t= D t + 1 t = t + t 1 X j k t j N t = t tj + 1 X { 0,1} k t = 1 = 0 k = 0 1 ( t + t d ) P X kt N (2) k M ; N, t T N; k M, t T (6) Em (1) expressa-se o objetvo que consste em mnmzar a perda de vazão de petróleo em função do tempo de espera para atendmento e do tempo de atendmento propramente dto. As gualdades expressas em (2), (3) e (4) ndcam respectvamente que, cada poço deve ser atenddo uma únca vez por uma únca sonda e que o atendmento do poço não ocorrerá D antes do nstante d nem após ( - t ). As desgualdades expressas em (5) estabelecem que (1) (3) (4) (5) 3

4 quando uma sonda k nca os trabalhos no poço no nstante t, ela fca ndsponível para ncar outros trabalhos nos nstantes t subseqüentes, compreenddo na janela de tempo [t, t + t ], em todos os outros locas j dferentes de. Por fm em (6) tem-se a defnção das varáves como bnáras. 3. Estratéga de Resolução do Problema 3.1 Introdução a Meta-Heurístca Scatter Search Devdo à lmtação computaconal dos métodos exatos, os métodos heurístcos tornaram-se uma alternatva vável para a resolução do problema. Tas métodos procuram equlbrar o esforço computaconal e a qualdade da solução obtda. Uma vez que, renuncam a garanta da solução ótma para ganhar em velocdade, possbltam a resolução de problemas de maor porte em tempos acetáves. Os algortmos heurístcos tendem a dreconar a solução para um ponto ótmo, mas não garantem encontrar uma solução ótma. Sendo assm propomos a aplcação da meta-heurístca scatter search para a solução do problema de alocação de sondas. O scatter search é um método evoluconáro que fo formalmente ntroduzdo por Glover (1977) num estudo heurístco para a resolução de problemas de programação lnear ntera. Aplcações desse método tem atestado a sua efcênca na resolução de problemas em dversas áreas. Dentre esses destacamos: roteamento de veículos (Rochat & Tallard (1995) e Belfore & Yoshzak (2006)), escalonamento (Reeves & Yamada (1999) e Yamashta et al. 2006)), clusterzação (Scheuerer & Wendolsky(2006)) e Alocação Quadrátca (Cung et al. (1996)). Em comum com outros métodos evoluconáros, o Scatter Search opera sobre uma população de soluções, ao nvés de uma únca solução em cada teração, e emprega procedmentos para combnar essas soluções com o ntuto de gerar novas soluções. Por outro lado, dferentemente desses mesmos métodos, vola a premssa de que as abordagens evoluconáras devam ser baseadas em escolhas aleatóras, lmtando o uso da randomzação a procedmentos de dversfcação. Assm, ao nvés de explorar soluções de forma aleatóra, como os Algortmos Genétcos, o Scatter Search explora extensvamente regões pré-determnadas em cada teração. O Scatter Search opera sobre um Conjunto de Soluções Referênca (RS) para gerar novas soluções a partr de combnações lneares ponderadas das soluções pertencentes a subconjuntos estruturados do RS. O RS é composto pelas melhores soluções encontradas. O conceto de melhores neste caso não consdera apenas a característca de estar entre os melhores valores da função objetvo (FO), mas leva também em consderação a dversdade da solução em relação às outras pertencentes ao RS. Essa dversdade, determnada pela cração de regras de decsão aplcadas à estratéga de combnação, é muto mportante para evtar que o algortmo ao longo das combnações do RS caa em um ótmo local e não consga mas sar dele. No momento em que o algortmo entra nessa regão deve haver pelo menos uma solução dversfcada que garanta a geração de novas soluções dversfcadas. O algortmo Scatter Search pode ser estruturado, a partr do template proposto por Glover (1998), com base nas seguntes rotnas. 4

5 1 Método Gerador de soluções: gera as soluções que darão níco ao algortmo. Esse método deve gerar um número sufcente de elementos que garantam a dversdade das soluções. 2 Método de Melhoramento: transforma as soluções canddatas em uma ou mas soluções canddatas melhoradas. O objetvo é gerar soluções de alta qualdade que sejam dferentes uma das outras em város níves. 3 Método de atualzação do Conjunto Referênca (RS): gera o conjunto buscando as melhores soluções, onde as melhores soluções correspondem à dversdade e ao seu valor na função objetvo. 4 Método de geração de subconjuntos: dvde o RS em subconjuntos de soluções para permtr a combnação entre as mesmas. 5 Método de combnação de soluções: transforma um dado subconjunto de soluções em uma ou mas novas soluções combnadas. A Fgura 1 exbe, em sua forma geral, o fluxograma do algortmo. Fgura 1: Fluxo básco do Scatter Search Uma descrção detalhada e atualzada da meta-heurístca scatter seacrh pode ser encontrada em Glover et al. (2000) e Martí et al. (2006). 3.2 Aplcação do Scatter Search ao problema Representação da Solução Utlzou-se para representar uma solução do problema uma matrz cujas lnhas estão assocadas às sondas e cada lnha armazena a seqüênca de atendmento dos poços pela sonda. Na Fgura 2 tem-se a representação de uma solução consderando 3 sondas e 10 solctações de ntervenção assocadas cada uma a um poço. Fgura 2: Representação da Solução 5

6 Geração das soluções ncas Foram codfcados dos métodos para gerar as soluções ncas. Um totalmente aleatóro em que dos valores são gerados randomcamente, sendo um deles assocado ao poço que será nserdo na solução e o outro que ndca qual sonda atenderá o poço. São alocados novos poços contnuamente até que todos os poços façam parte da solução. Um outro método, denomnado guloso, basea-se na perda de vazão de cada poço para tomar a decsão de qual será o próxmo a ser alocado. Desta forma, os poços com maor perda de vazão têm maor probabldade de serem alocados nas prmeras colunas da matrz solução. Combnação de soluções Para combnar as soluções dos métodos foram mplementados: o prmero, chamado clássco, consste na dvsão aleatóra de duas soluções a partr de uma determnada coluna e a junção das partes complementares dessa dvsão com a exclusão de poços repetdos. No segundo, denomnado substtução ajustada, são gerados quatro números aleatóros que defnem duas posções, uma em cada solução, que serão substtuídas. Suponha que os números randômcos gerados tenham defndo a posção [2,3] para S1, representando a posção do poço 4, e [1,1] para S2, representando a posção do poço 5, como mostra a Fgura S S2 Fgura 3: Posções geradas nas Soluções S1 e S2 Os dos poços destacados serão permutados. Sendo que os flhos gerados serão desgnados por S1 e S2. S1 será obtdo a partr de S1 com a substtução da posção [1,1] pelo conteúdo da posção [1,1] de S2 e S2 será obtdo a partr de S2 com a substtução da posção [2,3] pelo conteúdo da posção [2,3] de S1. A confguração fnal da combnação, para não permtr valores repetdos na solução, pode trocar a posção antga com a do novo valor nserdo ou elmnar um elemento repetdo, fazendo os ajustes que forem necessáros, como exemplfcado na Fgura S S2 A quantdade de substtuções a serem fetas para gerar uma nova solução pode ser defnda antes da execução do algortmo. Neste trabalho, os testes basearam-se em 10% do número de poços. Geração dos Subconjuntos Fgura 4: Novas soluções S1 e S2 6

7 Os subconjuntos foram gerados a partr da combnação de todas as soluções de RS duas a duas. Atualzação do RS Para povoar ncalmente RS escolheu-se 30% dentre as melhores soluções da população ncal e o restante aleatoramente. Depos, as atualzações são fetas ncorporando apenas as melhores soluções. 4. Expermentos Computaconas O software fo desenvolvdo em Java na plataforma Eclpse e a confguração da máquna utlzada fo Athlon 2.2 Ghz com 512MB. Os expermentos foram realzados com os 25 arquvos gerados e dsponblzados por Costa (2005). Essa massa de dados possu nstâncas com 25, 50, 75, 100 e 125 poços e 2, 4, 6, 8 e 10 sondas. Assm as nstâncas foram nomeadas da segunte forma: PNA-S onde N corresponde ao número de poços, S ao número de sondas e A ao conjunto de exemplos. Por exemplo, P75A-4 é uma nstânca do problema com 75 poços e 4 sondas. Foram geradas dversas versões do algortmo a partr das combnações das dferentes possbldades de métodos de geração de solução e combnação de soluções propostas descrtos anterormente. Em todas as versões foram utlzados como parâmetros: número máxmo de terações gual a e o tamanho da população ncal fxado em 34 ndvíduos. O tamanho do conjunto referênca fo calbrado testando os valores 10, 15 e 20 soluções. A versão que apresentou os melhores resultados fo a que utlzou o método aleatóro para a geração das soluções ncas, o método de substtução ajustada para combnação de soluções e RS possundo 10 soluções. A Tabela 1 apresenta os resultados obtdos pelos algortmos SS, GRASP e HMD (heurístca de montagem dnâmca) que basea-se na testagem de todas as possbldades de alocação de um novo poço nclusve antes de cada um dos servços já nserdos na solução. Essas duas últmas mplementações foram desenvolvdas por Costa (2005). O crtéro de comparação utlzado fo o valor encontrado para a perda de vazão. Vale ressaltar que o SS fo calbrado de modo que o tempo computaconal fosse equvalente ao do GRASP e que esse tempo vara de acordo com o número de sondas e poços. Instânca SS GRASP HMD Instânca SS GRASP HMD P25A P100A P25A P100A P25A P100A P25A P100A P25A P100A P50A P125A P50A P125A

8 P50A P125A P50A P125A P50A P125A P75A P75A P75A P75A P75A Tabela 1: Comparação dos resultados computaconas Os resultados exbdos na Tabela 1 mostram o desempenho sempre superor do SS em relação ao GRASP e comparando com o HMD o desempenho é superor apenas para nstâncas com 25 poços. Se avalarmos a méda do desvo, para os grupos de nstâncas com 25, 50, 75, 100 e 150 poços, entre as soluções obtdas pelo SS e pelo GRASP e pelo SS e HMD, conforme Fgura 5, observamos que a dstânca entre as soluções encontradas pelo GRASP com relação ao SS é bem maor que a dstânca entre as soluções encontradas pelo SS em relação a HMD. O valor do desvo fo calculado a partr da dferença entre os valores das soluções dvddo pelo valor da melhor solução. Observe que o desvo entre o SS e o HDM passa a ser sgnfcatvo apenas para nstâncas com 100 poços ou mas e que especfcamente para 25 poços é negatvo pos o SS encontra melhores soluções para esse grupo de problemas PA25 PA50 PA75 PA100 PA150 SS x GRASP HMD x SS Fgura 5: Desvo médo entre as soluções encontradas (%) 5. Conclusões e perspectvas futuras O trabalho apresentou a metaheurístca Scatter Search aplcada ao problema de Alocação de Sondas de Petróleo classfcado como um problema NP-Árduo. Os resultados obtdos foram consderados promssores e podem ser melhorados a partr do aperfeçoamento do algortmo. Novas estratégas podem ser testadas tas como a mplementação de métodos de melhoramento, uma melhor calbração do algortmo, a defnção de novas formas para gerar os subconjuntos e a nclusão de path relnk. Um outro ponto a ser atacado é a exploração de novos métodos para a combnação de soluções pos observou-se que o crossover clássco não gerou boas soluções já que alteram 8

9 demasadamente as característcas das novas soluções. Em contrapartda, a substtução ajustada, pelo fato de alterar gradatvamente as posções dos poços conseguu melhorar o custo das novas soluções geradas. Uma outra vertente da pesqusa, smultaneamente ao aperfeçoamento do algortmo, é a aplcação a problemas com dados reas. 6. Referêncas ACCIOLY, R. & CHIYOSHI, Y. Modelando as operações de suas sondas de petróleo utlzadas na manutenção da produção. Edtora Petrobrás, ALOISE, D.; NORONHA, T.F.; MAIA, R.S.; BITTENCOURT, V.G. & ALOISE, D.J. Heurístca de colôna de formgas com path-relnkng para o problema de otmzação da alocação de sondas de produção terrestre. XXXIV Smpóso Braslero de Pesqusa Operaconal. Ro de Janero, RJ, ALVES, V.R.M. & FERREIRA, V. Algortmo genétco para a solução do problema de roteamento e seqüencamento de sondas de manutenção. XXXVIII Smpóso Braslero de Pesqusa Operaconal. Goâna, GO, BELFIORE, P.P. & YOSHIZAKI, H.T.H. Scatter search para problemas de roterzação de veículos com frota heterogênea, janelas de tempo e entregas fraconadas. Produção, Vol. 16, n.3, p , COSTA, L. R. Soluções para o Problema de Otmzação de Itneráro de Sondas. Dssertação de Mestrado Programa de Pós-Graduação de Engenhara da Unversdade Federal do Ro de Janero. Ro de Janero, CUNG, V-D.; MAUTOR, T.; MICHELON, P. & TAVARES, A. A Scatter Search based approach for the Quadratc Assgnment problem. In T. Bäck, Z.; Mchalewcz, X. Yao (eds.), Proceedngs of ICEC 97, IEEE Press, p , GLOVER, F. Heurstcs for nteger programmng usng surrogate constrants. Decson Scences, Vol. 8, n.1, p , GLOVER, F. A template for scatter search and path relnkng. In Hao, J.-K., Lutton, E., Ronald, E., Schoenauer, M. and Snyers D. (eds.), Artfcal Evoluton Lecture Notes n Computer Scence, Sprnger, 1363, p.13-54, GLOVER, F.; LAGUNA, M., MARTÍ, R. Fundamentals of Scatter Search and Path Relnkng, Control and Cybernetcs Vol. 29, n.3, p , GOLDBARG, M.C. & LUNA, H.P. Otmzação combnatóra e programação lnear: modelos e algortmos. Ro de Janero: Edtora Campus, GOUVÊA, E.F.; GOLDBARG, M.C. & COSTA, W. E. Algortmos de evoluconáros na solução do problema de otmzação do emprego de sondas de produção em poços de petróleo. XXXIV Smpóso Braslero de Pesqusa Operaconal. Ro de Janero, RJ, MAIA, R. S.; GONZAGA, C. M.; LIMA, F. C. & BITTENCOURT, V.G. Otmzação das ntervenções em poços de petróleo por sondas de produção terrestre: Busca Tabu. XXXIV Smpóso Braslero de Pesqusa Operaconal. Ro de Janero, RJ, MARTÍ, R.; LAGUNA, M.; GLOVER, F. Prncples of Scatter search. European Journal of Operatonal Research, Vol. 169, n.2, p , PAIVA, R.O. Otmzação do tneráro de Sondas de ntervenção com quantfcação de perdas através de smuladores de reservatóros. Dssertação de Mestrado - Uncamp, Campnas, SP, Brasl,

10 REEVES, C.R.; YAMADA, T. Goal-orented path tracng methods. In D. Corne, M. Dorgo, and Fred Glover, edtors, New Ideas n Optmzaton, McGraw-Hll, p , ROCHAT, Y. & TAILLARD, E.D. Probablstc dversfcaton and ntensfcaton n Local Search for Vehcle Routng. Journal of Heurstcs Vol. 22, p , SCHEUERER, S. & WENDOLSKY, R. A Scatter search heurstcfor the capactated clusterng problem. European Journal of Operatonal Research, Vol. 169, n.2, p , THOMAS, J. E. Fundamentos de Engenhara de Petróleo. Edtora Intercênca. Ro de Janero, YAMASHITA, D.S.; ARMENTANO, V.A. & LAGUNA, M. Scatter search for project schedulng wth resource avalablty cost. European Journal of Operatonal Research, Vol. 169, n.2, p ,

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL

ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL ALGORITMOS GENÉTICOS COMO FERRAMENTA AUXILIAR NA TOMADA DE DECISÃO EM ATIVIDADES DE GESTÃO AGROINDUSTRIAL Danlo Augusto Hereda VIEIRA 1 Celso Correa de SOUZA 2 José Francsco dos REIS NETO 3 Resumo. As

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item

MAE5778 - Teoria da Resposta ao Item MAE5778 - Teora da Resposta ao Item Fernando Henrque Ferraz Perera da Rosa Robson Lunard 1 de feverero de 2005 Lsta 2 1. Na Tabela 1 estão apresentados os parâmetros de 6 tens, na escala (0,1). a b c 1

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA.

SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA. A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves a 7 de novembro de, Natal-RN SEQÜENCIAMENTO DE TAREFAS COM MÁQUINAS PARALELAS, PERMITINDO ATRASOS E COM TEMPOS DE PREPARAÇÃO DE MÁQUINA DEPENDENTES DA SEQÜÊNCIA.

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO

TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO TRANSPORTE E ESTOCAGEM DE FUMO UM MODELO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR USADO NA TOMADA DE DECISÃO Janaína Poffo Possama janapoffo@gmal.com Unversdade Regonal de Blumenau Rua Antôno da Vega, 0 8902-900 - Blumenau

Leia mais

Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Engenharia Civil. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Mestrado em Transportes

Universidade Federal do Espírito Santo. Departamento de Engenharia Civil. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil. Mestrado em Transportes Unversdade Federal do Espírto Santo Departamento de Engenhara Cvl Programa de Pós-Graduação em Engenhara Cvl Mestrado em Transportes EDSON PIMENTEL PEREIRA MODELO MATEMÁTICO PARA PLANEJAMENTO DA CIRCULAÇÃO

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO

OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO OTIMIZAÇÃO DO FLUXO REVERSO DE PNEUS INSERVÍVEIS ATRAVÉS DE UM MODELO DE LOCALIZAÇÃO DE FACILIDADES: UM ESTUDO DE CASO Felpe Mendonca Gurgel Bandera (UFERSA) felpembandera@hotmal.com Breno Barros Telles

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Palavras-chave: Corte de cana-de-açúcar; pesquisa operacional; rendimento econômico.

Palavras-chave: Corte de cana-de-açúcar; pesquisa operacional; rendimento econômico. Uso de algortmos genétcos como ferramenta auxlar no processo decsóro em atvdades de gestão agrondustral 1 Use of genetc algorthms as auxlary tool for operatonal and economc decson makng process of agro-ndustry

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Suporte Básico para Sistemas de Tempo Real

Suporte Básico para Sistemas de Tempo Real Suporte Básco para Sstemas de Tempo Real Escalonamento e Comuncação Sldes elaborados por George Lma, com atualzações realzadas por Ramundo Macêdo Suporte Básco para Sstemas de Tempo-Real Escalonamento

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA

PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA PARALLEL ITERATED LOCAL SEARCH APLICADO AO PLANEJAMENTO OPERACIONAL DE LAVRA Sabr Rbas, Igor Machado Coelho Marcone Jamlson Fretas Souza, Davd Menott Unversdade Federal de Ouro Preto Departamento de Cênca

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

CLUSTERING SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO DE BERÇOS

CLUSTERING SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO DE BERÇOS CLUSTERING SEARCH APLICADO AO PROBLEMA DE ALOCAÇÃO DE BERÇOS Rudne Martns de Olvera Insttuto Naconal de Pesqusas Espacas - INPE rudmart@gmal.com Geraldo Regs Maur Unversdade Federal do Espírto Santo -

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE APLICADO AO TRANSPORTE DE CADEIRANTES

PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE APLICADO AO TRANSPORTE DE CADEIRANTES UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO TECNOLÓGICO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL TRANSPORTES PATRÍCIA PERRETTO RODRIGUES PROPOSTA DE UM MODELO MATEMÁTICO PARA O PROBLEMA DIAL-A-RIDE

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS

PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS PLANEJAMENTO DE EXPERIMENTOS E OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS MISTOS Smone P. Saramago e Valder Steffen Jr UFU, Unversdade Federal de Uberlânda, Curso de Engenhara Mecânca Av. João Naves de Ávla, 2160, Santa Mônca,

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Energia de deformação na flexão

Energia de deformação na flexão - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ESCOLA DE ENGENHARIA INDUSTRIAL METALÚRGICA DE VOLTA REDONDA PROFESSORA: SALETE SOUZA DE OLIVEIRA BUFFONI DISCIPLINA: RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS Energa de deformação na

Leia mais

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA

INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA INCLUSÃO DE RESTRIÇÕES DINÂMICAS NA ANÁLISE DE FLUXO DE POTÊNCIA ÓTIMO RAFAEL MONTES FONTOURA DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA DA

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Geração de poses de faces utilizando Active Appearance Model Tupã Negreiros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3

Geração de poses de faces utilizando Active Appearance Model Tupã Negreiros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3 Geração de poses de faces utlzando Actve Appearance Model Tupã Negreros 1, Marcos R. P. Barretto 2, Jun Okamoto 3 1, 2, 3 Escola Poltécnca da Unversdade de São Paulo (POLI/USP) Caxa Postal 61548 CEP 05508-900

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias.

Otimização da localização das bases de ambulâncias e do dimensionamento das suas regiões de cobertura em rodovias. Otmzação da localzação das bases de ambulâncas e do dmensonamento das suas regões de cobertura em rodovas. Ana Paula Iannon Renaldo Morabto Departamento de Engenhara de Produção Unversdade Federal de São

Leia mais

Alocação de Bancos de Capacitores em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Utilizando Algoritmos Genéticos

Alocação de Bancos de Capacitores em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Utilizando Algoritmos Genéticos RAFAEL TERPLAK BEÊ Alocação de Bancos de Capactores em Sstema de Dstrbução de Energa Elétrca Utlzando Algortmos Genétcos Dssertação apresentada como requsto parcal para a obtenção do grau de Mestre, no

Leia mais

EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS

EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS EFICIÊNCIA NO CONSUMO DE ENERGIA EM MUNICIPIOS FLUMINENSES CONSIDERANDO TEMPERATURAS João Carlos Correa Baptsta Soares de Mello Unversdade Federal Flmnense Lda Anglo Meza Unversdade Federal Flmnense Elane

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL

MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL IT 90 Prncípos em Agrcultura de Precsão IT Departamento de Engenhara ÁREA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA MAPEAMENTO DA VARIABILIDADE ESPACIAL Carlos Alberto Alves Varella Para o mapeamento da varabldade espacal

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 13 n.4 Out/Dez 2008, 83-98 Mercado de Água e o Estado: Lções da Teora dos Jogos Francsco de Asss de Souza Flho Unversdade Federal do Ceará - UFC assssouzaflho@gmal.com

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Algoritmo de Otimização para o Problema de Roteamento de Veículos no Transporte Conjunto de Cargas e de Passageiros

Algoritmo de Otimização para o Problema de Roteamento de Veículos no Transporte Conjunto de Cargas e de Passageiros Programa de Pós-Graduação em Engenhara Elétrca Centro de Pesqusa e Desenolmento em Engenhara Elétrca Escola de Engenhara da Unersdade Federal de Mnas Geras Algortmo de Otmzação para o Problema de Roteamento

Leia mais

SOM Hierárquico Aplicado à Compressão de Imagens

SOM Hierárquico Aplicado à Compressão de Imagens Proceedngs of the V Brazlan Conference on Neural Networks - V Congresso Braslero de Redes Neuras pp. 511 516, Aprl 2 5, 2001 - Ro de Janero - RJ - Brazl SOM Herárquco Aplcado à Compressão de Imagens José

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

3 Formulação da Metodologia

3 Formulação da Metodologia 54 3 Formulação da Metodologa 3.1. Resumo das Prncpas Heurístcas de Solução A maora das heurístcas de solução para o ELSP aborda o problema na sua forma clássca, sto é, quando os tempos e custos de setup

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NOVO MODELO PARA O CÁLCULO DE CARREGAMENTO DINÂMICO DE TRANSFORMADORES XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROBLEMA DE COLETA DE RESÍDUOS DE BIOMASSA DE MADEIRA PARA FINS ENERGÉTICOS Flávo de Almeda Galvão Jr. Programa de Mestrado em Engenhara de Sstemas Logístcos Escola Poltécnca da

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO: MODELAGEM E SOLUÇÃO VIA PLANILHA EXCEL & SOLVER.

PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO: MODELAGEM E SOLUÇÃO VIA PLANILHA EXCEL & SOLVER. PLANEJAMENTO AGREGADO DA PRODUÇÃO: MODELAGEM E SOLUÇÃO VIA PLANILHA EXCEL & SOLVER. AGGREGATE PRODUCTION PLANNING: MODELING AND SOLVING BY EXCEL SPREADSHEET & SOLVER. Oscar S. Slva Flho Centro de Tecnologa

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO ENZIMÁTICO ATRAVÉS DO MONITORAMENTO DE PARÂMETROS CINÉTICOS

OTIMIZAÇÃO DE PROCESSO ENZIMÁTICO ATRAVÉS DO MONITORAMENTO DE PARÂMETROS CINÉTICOS OTIMIZAÇÃO DE PROCEO ENZIMÁTICO ATRAVÉ DO MONITORAMENTO DE PARÂMETRO CINÉTICO Fabana Jung Noel Mestre em Engenhara, ULBRA, R; Pesqusadora do Pólo de Inovação Tecnológca do Paranhana FACCAT/CT, R Márco

Leia mais

UM ALGORITMO EXATO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE

UM ALGORITMO EXATO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE UM ALGORITMO EXATO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE Dssertação de mestrado em matemátca aplcada fnancada pelo CNPq IMECC - UNICAMP Pedro Ferraz Vllela Prof.

Leia mais

ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA

ÍNDICE NOTA INTRODUTÓRIA OGC00 05-0-06 ÍDICE. Introdução. Âmbto e defnções 3. Avalação da ncerteza de medção de estmatvas das grandezas de entrada 4. Cálculo da ncerteza-padrão da estmatva da grandeza 5 de saída 5. Incerteza de

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão).

(note que não precisa de resolver a equação do movimento para responder a esta questão). Mestrado Integrado em Engenhara Aeroespacal Mecânca e Ondas 1º Ano -º Semestre 1º Teste 31/03/014 18:00h Duração do teste: 1:30h Lea o enuncado com atenção. Justfque todas as respostas. Identfque e numere

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE

UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE INVESTIMENTO COM RESTRIÇÕES DE CARDINALIDADE Unversdade Estadual de Campnas Insttuto de Matemátca, Estatístca e Computação Centífca Departamento de Matemátca Aplcada DISSERTAÇÃO DE MESTRADO UM NOVO ALGORITMO GENÉTICO PARA A OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ETANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2

INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ETANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2 INFLUÊNCIA DAS VARIÁVEIS OPERACIONAIS NA REMOÇÃO DE ANOL DE VINHO DELEVEDURADO POR CO 2 C. R. SILVA 1, M. N. ESPERANÇA 1, A. J. G. CRUZ 1 e A. C. BADINO 1 1 Unversdade Federal de São Carlos, Departamento

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima

OTIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANTE EM SISTEMAS HIDROELÉTRICOS. Thales Sousa * José Antônio Jardini Mário Masuda Rodrigo Alves de Lima SNPEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E RANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉRICA GGH - 33 6 a 2 Outubro de 2005 Curtba - Paraná GRUPO I GRUPO DE ESUDO DE GERAÇÃO HIDRÁULICA - GGH OIMIZAÇÃO DO SERVIÇO DE RESERVA GIRANE

Leia mais

Modelo Analítico para Avaliar Plataformas Cliente/Servidor e Agentes Móveis Aplicado à Gerência de Redes

Modelo Analítico para Avaliar Plataformas Cliente/Servidor e Agentes Móveis Aplicado à Gerência de Redes Modelo Analítco para Avalar Plataformas Clente/Servdor e Agentes Móves Aplcado à Gerênca de Redes Julana Amaral Arantes, Carlos Becker Westphall, Rcardo Felpe Custódo {julana, westphal}@lrg.ufsc.br, custodo@nf.ufsc.br

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

ELEMENTOS DE CIRCUITOS

ELEMENTOS DE CIRCUITOS MINISTÉRIO D EDUCÇÃO SECRETRI DE EDUCÇÃO PROFISSIONL E TECNOLÓGIC INSTITUTO FEDERL DE EDUCÇÃO, CIÊNCI E TECNOLOGI DE SNT CTRIN CMPUS DE SÃO JOSÉ - ÁRE DE TELECOMUNICÇÕES CURSO TÉCNICO EM TELECOMUNICÇÕES

Leia mais