Apêndice B Frações mássicas, molares e volúmicas. Estequiometria.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apêndice B Frações mássicas, molares e volúmicas. Estequiometria."

Transcrição

1 Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B Apêndce B Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra. O engenhero químco lda constantemente com msturas de compostos químcos em stuações que mporta caracterzar a mstura não só em termos da sua quantdade (ou caudal se se tratar de uma corrente processual funconando em contínuo) mas também da sua composção. onhecer a composção de uma mstura ou corrente processual consste em especfcar a fração (ou percentagem, que podem ser de dferente natureza: mássca, molar ou volúmca) cada componente (ou entdade químca) presente na mstura. Fração e percentagem mássca A composção de uma mstura é convenentemente epressa em termos de frações másscas. Eemplo B..: Determne a composção de uma mstura gasosa que contém 00g de metano (), 00g de etano (2) e 200g de propano (3). A fração de cada componente na mstura é dada pela razão da sua quantdade pela quantdade total: = F f, onde f representa a quantdade de cada componente e F a quantdade total, F = = f (numa mstura com componentes). Neste caso, tem-se F = 400g. E, logo; = = 0.25, 2 = = 0.25 e 3 = = omo será faclmente compreenddo, a soma (etensva a todos os componentes numa mstura) das frações másscas é gual à undade:. É fácl verfcar também, o que resulta dretamente da defnção, que a quantdade (ou caudal) de cada componente na mstura se obtém multplcando a sua fração mássca pela quantdade (ou caudal) total: f = F. É comum apresentar a composção de uma mstura ou corrente em termos de percentagens másscas. As percentagens másscas são as respetvas frações másscas multplcadas por 00. Portanto, no caso do Eemplo B., dr-se-á que a mstura é consttuída por 25% de metano, 25% de etano e 50% de propano. Fração e percentagem molares utas vezes há vantagem de eprmr a quantdade (ou caudal) de uma mstura ou corrente processual em termos de moles (ou moles/s). Desgna-se de mole a quantdade de materal FEUP - IEQ EQ0060 Apêndce B: Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra B. = =

2 Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B correspondente a um número de moléculas gual ao número de Avogadro ( ). O peso molecular,, de um composto é a massa de uma mole e é gual à soma das massas atómcas dos elementos consttuntes: = k= N E m k A k, onde N E o número de elementos dstntos presentes na molécula, m k é o número de átomos do tpo k, e A k o seu peso atómco. Na tabela B. são apresentados os pesos atómcos dos elementos. Eemplo B.2.: Determne a massa molecular do metano (), do etano (2) e do propano (3). etano (H 4 ): = = g/mole; (para a generaldade dos problemas que aqu se pretendem resolver, não é necessára toda a precsão dos pesos atómcos) Etano ( 2 H 6 ): 2 = = 30.0 g/mole; Propano ( 3 H 8 ): 3 = = 44.0 g/mole; Quando mole é a undade de massa utlzada para a quantdade (ou caudal) de uma mstura ou corrente processual, a sua composção é mas convenentemente epressa em frações molares. De mesmo modo que as frações másscas acma defndas, a fração molar de um componente numa mstura ou corrente processual é a razão entre o seu número de moles e o número total fˆ de moles na mstura (ou caudal da corrente): ˆ = onde Fˆ = fˆ é o número total de Fˆ = moles (ou caudal molar). Também aqu, naturalmente, a quantdade (ou caudal) de cada componente na mstura (ou corrente processual) é obtda pelo produto fˆ = Fˆ ˆ. Na apresentação da composção de uma corrente podem apresentar-se percentagens molares (em vez de frações) que são as frações molares multplcadas pelo fator 00. Eemplo B.3.: Determne a composção da mstura metano ()/ etano (2)/ propano (3) dos eemplos anterores em termos de percentagens molares. Para calcular frações ou percentagens molares, tem de se calcular o número total de moles. Que será, naturalmente, gual à soma do número de moles de cada componente: fˆ = f / etano (H 4 ): = 00/6 = 6.25 moles; 2 f / Etano ( 2 H 6 ): 2 2 fˆ = = 00/30 = 3.33 moles; 3 f / Propano ( 3 H 8 ): 3 3 fˆ = = 200/44 = 4.55 moles; FEUP - IEQ EQ0060 Apêndce B: Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra B.2

3 Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B O número total de moles é: Fˆ = = 4.3 moles; Portanto, as percentagens molares são: ˆ = 00 = 44.2%, ˆ 2 = 00 = 23.6%, e ˆ 3 = 00 = 32.2% É possível, com alguma facldade, dervar as relações algébrcas que nos permtem calcular as frações másscas a partr das frações molares e vce-versa. De facto, se a frações másscas forem especfcadas, assumndo uma base de g da mstura, então as quantdades de cada componente na mstura são numercamente guas às frações másscas,. E, portanto, anda na base de g de materal, o número de moles de cada componente é fˆ =. omo a fração molar deste componente é este número de moles sobre o total, obtém-se: ˆ =. = / / Um racocíno muto semelhante permte obter a relação nversa, sto é, aquela que nos pode permtr calcular a fração mássca a partr da fração molar. Assm, conhecendo composção de uma mstura (ou corrente processual) em termos de frações molares, admtndo uma base de mole da mstura, sgnfca que o número de moles de cada componente é numercamente gual à sua fração molar, ˆ. Assm, a massa correspondente é f = fração mássca é a razão entre esta massa e a massa total, tem-se que ˆ. Agora, como a sua =. Eemplo B.4.: Num tanque de mstura são adconadas três correntes, uma de água (000kg/h), outra de NaOH (50 kg/h) e uma tercera (200 kg/h) contendo 70% água e 30% Nal (% s másscas). Admtndo que estes caudas se mantêm constantes, que o tanque é perfetamente agtado de modo que a composção é a mesma em qualquer ponto do tanque e que esta composção no nteror do tanque se mantém constante com o tempo, determne o caudal (em moles/h) e a composção, em frações molares, da corrente retrada do tanque de modo que o nível de líqudo no nteror seja mantdo constante. ˆ = ˆ É claro que, para que o nível de líqudo no tanque não se altere, o caudal de produto retrado tem de ser gual ao caudal total almentado: F = = 250 kg/h. FEUP - IEQ EQ0060 Apêndce B: Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra B.3

4 Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B omo o tanque é perfetamente agtado e a composção do materal no seu nteror se mantém constante, a quantdade de cada componente retrada é gual à almentada: Água () = 40 kg/h, NaOH (2) = 50 kg/h e Nal (3) = 60 kg/h. Portanto, a composção da corrente de saída, em frações másscas, é: = = 0.92, 2 = = , 3 = = Para a eprmr em frações molares, são necessáras as massas moleculares: da tabela B.: = 8 g/mole, 2 = 40 g/mole e 3 = g/mole. A composção da corrente de saída é, pos: 0.92 / 8 ˆ = = / / / / 40 ˆ 2 = = / / / / ˆ 2 = = / / / O caudal molar da corrente de saída é: Fˆ = + + = 65.6 mole/h É mportante aqu referr que mole não é a únca undade molar. De facto, pode defnr-se gmole (grama-mole) como sendo a massa de uma substânca com o mesmo número de moléculas que átomos de carbono 2 puro em 2g deste elemento. E, nestas crcunstâncas, gmole concde com mole. Porém, esta defnção é vantajosa porque permte estabelecer múltplos da undade molar. Assm, por eemplo, defne-se kgmole (qulograma-mole) como sendo a quantdade de uma substânca com o mesmo número de moléculas que átomos de carbono 2 puro em 2kg deste elemento. É fácl verfcar que kgmole = 000 gmole (e concde com kmole). A undade molar mas útl quando se lda com undades nglesas é a lbmole (lbra-mole). É defnda, como já será de prever, como sendo a quantdade de uma substânca com um número de moléculas gual ao de átomos estentes em 2lb de arbono 2 puro. Dretamente, desta defnção, pode-se estabelecer que lbmole = gmole. Eemplo B.5.: Determne a massa molecular do metano em lb/lbmole. lb gmole Para o etano (H 4 ): = 6.0 g/gmole = 6.0 lb/lbmole; g lbmole FEUP - IEQ EQ0060 Apêndce B: Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra B.4

5 Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B omo consequênca deste resultado, se smplesmente se dvdr a quantdade epressa em qualquer undade de massa (g, kg, lb, ton, etc.) pela massa molecular e obtém-se a quantdade nas correspondentes undades molares (gmole, kgmole, lbmole, tonmole, etc., respetvamente). E vce-versa, sto é, se uma quantdade (ou caudal) estver epresso nestas undades basta multplcar pelo seu peso molecular para a obter na correspondente undade de massa. Os fatores de conversão entre estas undades molares concdem com os fatores de conversão das correspondentes undades de massa. Fração e percentagem volúmcas Embora não seja tão comum, a composção de uma mstura (ou corrente processual) pode ser estabelecda em frações volúmcas (ou respetvas percentagens volúmcas). omo será faclmente compreensível nesta altura, a fração volúmca é a razão entre o volume ocupado por um componente e o volume total. Usa-se quando as quantdades (ou caudas) se epressem em undades de volume. Para estabelecer a relação entre frações volúmcas e frações másscas, é necessáro conhecer a densdade de cada componente, ρ [=] /L 3 (g/cm 3, kg/m 3, ou lb/ft 3 por eemplo). omo esta grandeza depende da pressão, temperatura e até composção, só é usada em condções muto específcas. omo é o caso de gases sujetos às mesmas condções de pressão e temperatura. Gases a baas pressões A baas pressões, admtndo que os gases se comportam como gases perfetos, as suas propredades obedecem à le PV = nrt. Numa mstura de gases às mesmas condções de P e T, cada um dos gases deve obedecer a esta le dos gases perfetos e, portanto PV = n RT, onde V é a porção do volume total ocupado por n moles do gás. Ou seja, V = kn, sendo que este k é gual para todos os gases presentes na mstura. Portanto, a fração volúmca, V ~ = = = = V kn = kn ˆ, ou seja, a fração volúmca é gual à fração molar. Admte-se aqu que o gás, agora numa mstura, contnua se comportando como gás deal, sto é, que a nteração entre moléculas de dferente natureza não altera o comportamento ndvdual de cada molécula de gás. Líqudos de densdade conhecda Tratando-se de líqudos, o problema de estabelecer a relação entre frações volúmcas, másscas e molares é algo dêntco ao problema acma equaconado envolvendo frações másscas e molares. Seja, então, uma mstura da qual se conhece a composção em termos de FEUP - IEQ EQ0060 Apêndce B: Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra B.5

6 Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B ~ f frações volúmcas, ~ F ~ ~ ~ =, onde f é o volume do componente e F o volume total. Para um base de F ~ = (undades de volume coerentes com as de ρ, m 3, por eemplo) então ~ concde com o volume ocupado por cada componentes. Se ρ for a sua densdade (em kg/m 3, por eemplo), então ~ ρ = f = ~ ρ é a massa de. Usando a defnção de fração mássca: =. Não será agora dfícl deduzr que a relação nversa é ~ ρ ~ =. Eemplo B.6.: Determne a composção em frações másscas e molares de um vnho com º de teor alcoólco. Assuma que o vnho é uma mstura bnára água()/etanol(2) ( 2 H 6 O) com % de álcool em volume. Use como densdade da água ton/m 3 e a do álcool 0.79 g/cm 3. = / ρ / ρ Para calcular as frações molares são necessáras as massas moleculares: = 8 kg/kgmole, 2 = 46 kg/kgmole. ~ ρ As frações másscas calculam-se por = (valores tabelados em %). As frações ~ = molares calculam-se a partr das másscas usando ˆ Podemos ensaar o uso de uma folha de cálculo: densdade ρ = (valores tabelados em %). = / kg/m 3 kg/kgmole (vol) % (mas) % (mol) % () Água ,0 9,0 96,32 (2) Etanol ,0 8,90 3,68 / Estequometra Estabelecer as relações quanttatvas entre undades de massa e molares é partcularmente mportante quando se lda com reações químcas. Na equação de uma reação químca (acertada) os coefcentes estequométrcos transmtem uma nformação mportante sobre as quantdades relatvas de reagentes que se consomem, e dos produtos de reação que resultam. Por eemplo, na reação de produção de hdródo de sódo a partr do hdródo de cálco: a(oh) 2 + Na 2 O 3 ao NaOH FEUP - IEQ EQ0060 Apêndce B: Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra B.6

7 Elementos de Engenhara Químca I Apêndce B o que podemos desde logo saber é que cada mole de hdródo de cálco reage com uma mole de carbonato de sódo dando orgem a uma mole de carbonato de cálco e duas moles de hdródo de sódo. Esta relação permte dar resposta a mutas questões pertnentes. Eemplo B.7.: onsdere a reação de produção do hdródo de sódo acma apresentada: a) Determne as massas de reagentes necessáros para produzr ton de hdródo de cálco; b) Determne a quantdade formada de carbonato de cálco; c) Verfque que o número de moles vara, mas a massa mantém-se. a) As relações entre as quantdades dos dferentes componentes são conhecdas em moles. Logo, comece-se por passar ton = 000 kg de NaOH para moles: (numeramos os componentes para facltar a referênca a cada um deles): : a(oh) 2 ; 2: Na 2 O 3 ; 3: ao 3 ; 4: NaOH 4 = 40 kg/kgmole. Logo, fˆ 4 = 000/40 = 25.0 kgmole O número de moles de () e (2) necessáro para formar 25.0 kgmole de (4) é: fˆ = fˆ = 25.0 /2 2.5 kgmole; 2 = om = = kg/kgmole e 2 = = 06 kg/kgmole alculam-se f = = kg e f 2 = = 325 kg que são as quantdades peddas no problema; b) A quantdade de 3 formada é f 3 = = 25 kg já que 3 = kg/kgmole. c) De facto, o número de moles vara (basta ver pela estequometra da reação: por cada 2 moles de reagentes obtém-se 3 moles de produtos de reação. Em valores totas, para uma ton de hdródo de sódo, reagem 25.0 kgmole e obtém-se como produto de reação 37.5 kgmole. Porém, em massa: reagentes: f + f 2 = = 225 kg; produtos: f 3 + f 4 = = 225 kg; FEUP - IEQ EQ0060 Apêndce B: Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra B.7

8 Elementos de Engenhara Químca I Tabela B. Números atómcos (N) e massa atómca (). Apêndce B N N fonte: Pure Appl. hem., 58, 677 (986). Um valor entre parêntess sgnfca a massa atómca do sótopo mas estável. FEUP - IEQ EQ0060 Apêndce B: Frações másscas, molares e volúmcas. Estequometra B.8

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria.

Problemas Propostos. Frações mássicas, volúmicas ou molares. Estequiometria. Elementos de Engenhara Químca I II. Frações e Estequometra (problemas resolvdos) Problemas Propostos. Frações másscas, volúmcas ou molares. Estequometra.. Em 5 moles de Benzeno (C 6 H 6 ) quanto é que

Leia mais

V.1. Introdução. Reações Químicas.

V.1. Introdução. Reações Químicas. V.1. Introdução. Reações Químcas. V. Balanços Materas a Processos com Reação Químca Uma equação químca acertada ornece muta normação. Por exemplo, a reação de síntese do metanol: CO (g) + 3H (g) CH 3 OH

Leia mais

COMBUSTÃO. A termodinâmica permite um estudo elementar de combustão através da termoquímica.

COMBUSTÃO. A termodinâmica permite um estudo elementar de combustão através da termoquímica. COMBUSTÃO A termodnâmca permte um estudo elementar de combustão através da termoquímca. Aplcação de balanço de massa e energa (1º le) e de defenção de condções de equlíbro e sentdo de evoluções termodnâmcas

Leia mais

2 Incerteza de medição

2 Incerteza de medição 2 Incerteza de medção Toda medção envolve ensaos, ajustes, condconamentos e a observação de ndcações em um nstrumento. Este conhecmento é utlzado para obter o valor de uma grandeza (mensurando) a partr

Leia mais

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA

CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA CAPITULO II - FORMULAÇAO MATEMATICA II.1. HIPOTESES BASICAS A modelagem aqu empregada está baseado nas seguntes hpóteses smplfcadoras : - Regme permanente; - Ausênca de forças de campo; - Ausênca de trabalho

Leia mais

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos

Laboratório de Mecânica Aplicada I Estática: Roldanas e Equilíbrio de Momentos Laboratóro de Mecânca Aplcada I Estátca: Roldanas e Equlíbro de Momentos 1 Introdução O conhecmento das condções de equlíbro de um corpo é mprescndível em númeras stuações. Por exemplo, o estudo do equlíbro

Leia mais

Exemplo V.1.: O clorometano pode ser obtido através da reação de cloração do metano: CH 3Cl (g) + HCl (g)

Exemplo V.1.: O clorometano pode ser obtido através da reação de cloração do metano: CH 3Cl (g) + HCl (g) As equações de balanço materal (as equações M), conforme ntroduzdas no capítulo anteror, são apenas aplcáves a processos de separação ou mstura. Na presença de reação(ões) químca(s), e para os compostos

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Coeficiente de Partição

Coeficiente de Partição Físco-Químca Expermental Coefcente de Partção 1. Introdução Suponha dos solventes A e B, parcalmente mscíves à temperatura T, formando as fases α (uma solução dluída de B na fase A) e β (uma solução dluída

Leia mais

8. Estudo da não-idealidade da fase líquida

8. Estudo da não-idealidade da fase líquida PQI 58 Fundamentos de Processos em Engenhara Químca II 009 8. Estudo da não-dealdade da fase líquda Assuntos. A le de Raoult. Defnção de atvdade 3. Convenções assmétrcas e a le de Henry 4. Exercícos 8..

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ 1 É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Numa relação expermental os valores de uma das

Leia mais

Capítulo 19. A teoria cinética dos gases

Capítulo 19. A teoria cinética dos gases Capítulo 19 A teora cnétca dos gases Neste capítulo, a ntroduzr a teora cnétca dos gases que relacona o momento dos átomos e moléculas com olume, pressão e temperatura do gás. Os seguntes tópcos serão

Leia mais

Prof. Lorí Viali, Dr.

Prof. Lorí Viali, Dr. Prof. Lorí Val, Dr. val@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~val/ É o grau de assocação entre duas ou mas varáves. Pode ser: correlaconal ou expermental. Prof. Lorí Val, Dr. UFRG Insttuto de Matemátca

Leia mais

Física I LEC+LET Guias de Laboratório 2ª Parte

Física I LEC+LET Guias de Laboratório 2ª Parte Físca I LEC+LET Guas de Laboratóro 2ª Parte 2002/2003 Experênca 3 Expansão lnear de sóldos. Determnação de coefcentes de expansão térmca de dferentes substâncas Resumo Grupo: Turno: ª Fera h Curso: Nome

Leia mais

AULA Espaços Vectoriais Estruturas Algébricas.

AULA Espaços Vectoriais Estruturas Algébricas. Note bem: a letura destes apontamentos não dspensa de modo algum a letura atenta da bblografa prncpal da cadera Chama-se a atenção para a mportânca do trabalho pessoal a realzar pelo aluno resolvendo os

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA - 3C13 - Profª

ESTEQUIOMETRIA - 3C13 - Profª ESTEQUIOMETRIA - 3C13 - Profª Estequiometria é a parte da Química que estuda as proporções dos elementos que se combinam ou que reagem. MASSA ATÔMICA (u) É a massa do átomo medida em unidades de massa

Leia mais

do Semi-Árido - UFERSA

do Semi-Árido - UFERSA Unversdade Federal Rural do Sem-Árdo - UFERSA Temperatura e Calor Subêna Karne de Mederos Mossoró, Outubro de 2009 Defnção: A Termodnâmca explca as prncpas propredades damatéra e a correlação entre estas

Leia mais

Leis de conservação em forma integral

Leis de conservação em forma integral Les de conservação em forma ntegral J. L. Balño Departamento de Engenhara Mecânca Escola Poltécnca - Unversdade de São Paulo Apostla de aula Rev. 10/08/2017 Les de conservação em forma ntegral 1 / 26 Sumáro

Leia mais

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos

Curso de extensão, MMQ IFUSP, fevereiro/2014. Alguns exercício básicos Curso de extensão, MMQ IFUSP, feverero/4 Alguns exercíco báscos I Exercícos (MMQ) Uma grandeza cujo valor verdadero x é desconhecdo, fo medda três vezes, com procedmentos expermentas dêntcos e, portanto,

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso de Admnstração em Gestão Públca Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos uns dos

Leia mais

Associação entre duas variáveis quantitativas

Associação entre duas variáveis quantitativas Exemplo O departamento de RH de uma empresa deseja avalar a efcáca dos testes aplcados para a seleção de funconáros. Para tanto, fo sorteada uma amostra aleatóra de 50 funconáros que fazem parte da empresa

Leia mais

Critério de Equilíbrio

Critério de Equilíbrio Crtéro de Equlíbro ara um sstema echado onde exstem ases em equlíbro, o crtéro geral de equlíbro de ases mpõe que o potencal químco de cada espéce presente seja gual em todas as ases. α β π µ = µ = K=

Leia mais

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico

γ = C P C V = C V + R = q = 2 γ 1 = 2 S gas = dw = W isotermico Q1 Um clndro feto de materal com alta condutvdade térmca e de capacdade térmca desprezível possu um êmbolo móvel de massa desprezível ncalmente fxo por um pno. O rao nterno do clndro é r = 10 cm, a altura

Leia mais

ESTEQUIOMETRIA (Conceitos básicos) QUÍMICA A 1415 ESTEQUIOMETRIA

ESTEQUIOMETRIA (Conceitos básicos) QUÍMICA A 1415 ESTEQUIOMETRIA ESTEQUIOMETRIA Estequiometria é a parte da Química que estuda as proporções dos elementos que se combinam ou que reagem. MASSA ATÓMICA (u) É a massa do átomo medida em unidades de massa atómica (u). A

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Relações Mássicas em Reacções Químicas

Relações Mássicas em Reacções Químicas Capítulo 3 Relações Mássicas em Reacções Químicas Massa Atómica N.º de Avogadro e Massa Molar Massa Molecular Espectrómetro de Massa Composição Percentual dos Compostos Determinação Experimental de Fórmulas

Leia mais

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA

1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 1. ANÁLISE EXPLORATÓRIA E ESTATÍSTICA DESCRITIVA 014 Estatístca Descrtva e Análse Exploratóra Etapas ncas. Utlzadas para descrever e resumr os dados. A dsponbldade de uma grande quantdade de dados e de

Leia mais

18 e 20/Abr/2016 Aulas 12 e 13. Introdução à Física Estatística Postulados Equilíbrio térmico Função de Partição; propriedades termodinâmicas

18 e 20/Abr/2016 Aulas 12 e 13. Introdução à Física Estatística Postulados Equilíbrio térmico Função de Partição; propriedades termodinâmicas 01/Abr/2016 Aula 11 Potencas termodnâmcos Energa nterna total Entalpa Energas lvres de Helmholtz e de Gbbs Relações de Maxwell 18 e 20/Abr/2016 Aulas 12 e 13 Introdução à Físca Estatístca Postulados Equlíbro

Leia mais

MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES

MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES MOQ-14 PROJETO E ANÁLISE DE EXPERIMENTOS LISTA DE EXERCÍCIOS 1 REGRESSÃO LINEAR SIMPLES 1. Obtenha os estmadores dos coefcentes lnear e angular de um modelo de regressão lnear smples utlzando o método

Leia mais

QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS

QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS QUÍMICA CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS CÁLCULOS ESTEQUIOMÉTRICOS Os cálculos estequiométricos correspondem aos cálculos de massa, de quantidade de matéria e em alguns casos, de volumes das substâncias envolvidas

Leia mais

Mecânica. Sistemas de Partículas

Mecânica. Sistemas de Partículas Mecânca Sstemas de Partículas Mecânca» Sstemas de Partículas Introdução A dnâmca newtonana estudada até aqu fo utlzada no entendmento e nas prevsões do movmento de objetos puntformes. Objetos dealzados,

Leia mais

CORRELAÇÃO E REGRESSÃO

CORRELAÇÃO E REGRESSÃO CORRELAÇÃO E REGRESSÃO Constata-se, freqüentemente, a estênca de uma relação entre duas (ou mas) varáves. Se tal relação é de natureza quanttatva, a correlação é o nstrumento adequado para descobrr e medr

Leia mais

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média.

Ao se calcular a média, moda e mediana, temos: Quanto mais os dados variam, menos representativa é a média. Estatístca Dscplna de Estatístca 0/ Curso Superor de tecnólogo em Gestão Ambental Profª. Me. Valéra Espíndola Lessa e-mal: lessavalera@gmal.com Meddas de Dspersão Indcam se os dados estão, ou não, prómos

Leia mais

Mecânica Estatística. - Leis da Física Macroscópica - Propriedades dos sistemas macroscópicos

Mecânica Estatística. - Leis da Física Macroscópica - Propriedades dos sistemas macroscópicos Mecânca Estatístca Tal como a Termodnâmca Clássca, também a Mecânca Estatístca se dedca ao estudo das propredades físcas dos sstemas macroscópcos. Tratase de sstemas com um número muto elevado de partículas

Leia mais

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 7. Teorema de Liouville Fluxo no Espaço de Fases Sistemas Caóticos Lagrangeano com Potencial Vetor

MECÂNICA CLÁSSICA. AULA N o 7. Teorema de Liouville Fluxo no Espaço de Fases Sistemas Caóticos Lagrangeano com Potencial Vetor 1 MECÂNICA CLÁSSICA AULA N o 7 Teorema de Louvlle Fluo no Espaço de Fases Sstemas Caótcos Lagrangeano com Potencal Vetor Voltando mas uma ve ao assunto das les admssíves na Físca, acrescentamos que, nos

Leia mais

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1

FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 FICHA de AVALIAÇÃO de MATEMÁTICA A 10.º Ano Versão 1 Nome Nº Turma: Data: / / Professor 10.º Ano Classfcação Apresente o seu racocíno de forma clara, ndcando todos os cálculos que tver de efetuar e todas

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 5.3. Afectação de Bens Públicos: a Condição de Samuelson Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 5.3 Afectação de Bens Públcos: a Condção de Isabel Mendes 2007-2008 5/3/2008 Isabel Mendes/MICRO II 5.3 Afectação de Bens

Leia mais

Aula 10: Corrente elétrica

Aula 10: Corrente elétrica Unversdade Federal do Paraná Setor de Cêncas Exatas Departamento de Físca Físca III Prof. Dr. Rcardo Luz Vana Referêncas bblográfcas: H. 28-2, 28-3, 28-4, 28-5 S. 26-2, 26-3, 26-4 T. 22-1, 22-2 Aula 10:

Leia mais

Física e Química A 10º ANO FICHA DE APOIO N.º 3

Física e Química A 10º ANO FICHA DE APOIO N.º 3 Física e Química A º ANO FICHA DE APOIO N.º 3 TEMA: MOLE, MASSA MOLAR E VOLUME MOLAR I A mole Quando estamos a estudar uma porção de matéria, seja ela no estado sólido, líquido ou gasoso, eiste um número

Leia mais

Estequiometria. Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da madeira I

Estequiometria. Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da madeira I Estequiometria Mestranda: Daniele Potulski Disciplina: Química da madeira I Estequiometria Estequiometria é o cálculo da quantidade de reagentes e produtos da reação, baseado nas leis das reações químicas.

Leia mais

Análise de Regressão

Análise de Regressão Análse de Regressão método estatístco que utlza relação entre duas ou mas varáves de modo que uma varável pode ser estmada (ou predta) a partr da outra ou das outras Neter, J. et al. Appled Lnear Statstcal

Leia mais

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do

3. Um protão move-se numa órbita circular de raio 14 cm quando se encontra. b) Qual o valor da velocidade linear e da frequência ciclotrónica do Electromagnetsmo e Óptca Prmero Semestre 007 Sére. O campo magnétco numa dada regão do espaço é dado por B = 4 e x + e y (Tesla. Um electrão (q e =.6 0 9 C entra nesta regão com velocdade v = e x + 3 e

Leia mais

Notas de Aula de Probabilidade A

Notas de Aula de Probabilidade A VII- VARIÁVEIS ALEATÓRIAS UNIDIMENSIONAIS. 7. CONCEITO DE VARIÁVEIS ALEATÓRIAS: Informalmente, uma varável aleatóra é um característco numérco do resultado de um epermento aleatóro. Defnção: Uma varável

Leia mais

DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO

DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO DENSIDADE DE BIODIESEL EM FUNÇÃO DA TEMPERATURA: EXPERIMENTAL X PREDIÇÃO A. M. M. BESSA 1 ; F. M. R. MESQUITA 1 ; F. R. DO CARMO 1 ; H.B.DE SANT ANA 1 E R.S.DE SANTIAGO-AGUIAR 1 1 Unversdade Federal do

Leia mais

Palavras-Chave: Métodos Interativos da Potência e Inverso, Sistemas Lineares, Autovetores e Autovalores.

Palavras-Chave: Métodos Interativos da Potência e Inverso, Sistemas Lineares, Autovetores e Autovalores. MSc leandre Estáco Féo ssocação Educaconal Dom Bosco - Faculdade de Engenhara de Resende Caa Postal 8.698/87 - CEP 75-97 - Resende - RJ Brasl Professor e Doutorando de Engenhara aefeo@yahoo.com.br Resumo

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Capítulo XI. Teste do Qui-quadrado. (χ 2 )

Capítulo XI. Teste do Qui-quadrado. (χ 2 ) TLF 00/ Cap. XI Teste do Capítulo XI Teste do Qu-quadrado ( ).. Aplcação do teste do a uma dstrbução de frequêncas 08.. Escolha de ntervalos para o teste do.3. Graus de lberdade e reduzdo.4. Tabela de

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II

Introdução a Combinatória- Aplicações, parte II Introdução a Combnatóra- Aplcações, AULA 7 7.1 Introdução Nesta aula vamos estudar aplcações um pouco dferentes das da aula passada. No caso estudaremos arranjos com repetção, permutações crculares e o

Leia mais

IME º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

IME º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR IME - 2003 3º DIA QUÍMICA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR Química Questão 01 Uma fonte de vanádio é o mineral vanadinita, cuja fórmula é Pb 5 (VO 4 ) 3 Cl. DETERMINE: A) A porcentagem em massa de vanádio

Leia mais

Conceitos Básicos sobre gases

Conceitos Básicos sobre gases Conceitos Básicos sobre gases ara este estudo não vamos fazer distinção entre gás e vapor, desta forma neste capítulo, o estado gasoso (gás ou vapor) será sempre referido como gás... ressão dos gases Suponha

Leia mais

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha)

X = 1, se ocorre : VB ou BV (vermelha e branca ou branca e vermelha) Estatístca p/ Admnstração II - Profª Ana Cláuda Melo Undade : Probabldade Aula: 3 Varável Aleatóra. Varáves Aleatóras Ao descrever um espaço amostral de um expermento, não especfcamos que um resultado

Leia mais

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 4 ESTEQUIOMETRIA

E-books PCNA. Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 4 ESTEQUIOMETRIA E-books PCNA Vol. 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 4 ESTEQUIOMETRIA 1 QUÍMICA ELEMENTAR CAPÍTULO 4 SUMÁRIO Apresentação -------------------------------------------- 2 Capítulo 4 ------------------------------------------------

Leia mais

EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS

EXPANSÃO TÉRMICA DOS LÍQUIDOS Físca II Protocolos das Aulas Prátcas 01 DF - Unversdade do Algarve EXPANSÃO ÉRMICA DOS ÍQUIDOS 1 Resumo Estuda-se a expansão térmca da água destlada e do glcerol utlzando um pcnómetro. Ao aquecer-se,

Leia mais

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear

Estatística II Antonio Roque Aula 18. Regressão Linear Estatístca II Antono Roque Aula 18 Regressão Lnear Quando se consderam duas varáves aleatóras ao mesmo tempo, X e Y, as técncas estatístcas aplcadas são as de regressão e correlação. As duas técncas estão

Leia mais

Conteúdo 28/03/2017. Equações Químicas e Estequiometria, Balanceamento de Equações Químicas, Relação de Massa em Equações Químicas,

Conteúdo 28/03/2017. Equações Químicas e Estequiometria, Balanceamento de Equações Químicas, Relação de Massa em Equações Químicas, Química Geral I Química - Licenciatura Prof. Udo Eckard Sinks Conteúdo 28/03/2017 Equações Químicas e Estequiometria, Balanceamento de Equações Químicas, Relação de Massa em Equações Químicas, Química

Leia mais

D = POLINÔMIO INTERPOLADOR DE NEWTON 1) DIFERENÇAS DIVIDIDAS 1.1) DIFERENÇAS DIVIDIDAS ORDINÁRIAS (D) Sejam n+1 pontos de uma função y = f(x):

D = POLINÔMIO INTERPOLADOR DE NEWTON 1) DIFERENÇAS DIVIDIDAS 1.1) DIFERENÇAS DIVIDIDAS ORDINÁRIAS (D) Sejam n+1 pontos de uma função y = f(x): POLINÔMIO INTERPOLAOR E NEWTON ) IFERENÇAS IVIIAS.) IFERENÇAS IVIIAS ORINÁRIAS () Sejam n pontos de uma função f():... n f( )... n - ferença dvdda de ordem zero: n n M - ferença dvdda de ordem um: M M

Leia mais

Curvas Horizontais e Verticais

Curvas Horizontais e Verticais Insttução: Faculdade de Tecnologa e Cêncas Professor: Dego Queroz de Sousa Dscplna: Topografa Curvas Horzontas e ertcas 1. Introdução Exstem dversas ocasões na engenhara em que os projetos são desenvolvs

Leia mais

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência.

Os modelos de regressão paramétricos vistos anteriormente exigem que se suponha uma distribuição estatística para o tempo de sobrevivência. MODELO DE REGRESSÃO DE COX Os modelos de regressão paramétrcos vstos anterormente exgem que se suponha uma dstrbução estatístca para o tempo de sobrevvênca. Contudo esta suposção, caso não sea adequada,

Leia mais

HOMOTETIAS, COMPOSIÇÃO DE HOMOTETIAS E O PROBLEMA 6 DA IMO 2008 Carlos Yuzo Shine Nível Avançado

HOMOTETIAS, COMPOSIÇÃO DE HOMOTETIAS E O PROBLEMA 6 DA IMO 2008 Carlos Yuzo Shine Nível Avançado HMTETIS, MPSIÇÃ DE HMTETIS E PREM 6 D IM 008 arlos Yuzo Shne Nível vançado ntes de começar a dscussão, vamos enuncar o problema 6 da IM 008, que é a motvação prncpal desse artgo. Problema 6, IM 008. Seja

Leia mais

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012

Notas Processos estocásticos. Nestor Caticha 23 de abril de 2012 Notas Processos estocástcos Nestor Catcha 23 de abrl de 2012 notas processos estocástcos 2 O Teorema de Perron Frobenus para matrzes de Markov Consdere um processo estocástco representado por um conunto

Leia mais

QUÍMICA. A Ciência Central 9ª Edição. Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas. Prof. Kleber Bergamaski.

QUÍMICA. A Ciência Central 9ª Edição. Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas. Prof. Kleber Bergamaski. QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas Prof. Kleber Bergamaski Equações químicas 1789, lei da conservação da massa A massa total de uma

Leia mais

SÉRIE DE PROBLEMAS: CIRCUITOS DE ARITMÉTICA BINÁRIA. CIRCUITOS ITERATIVOS.

SÉRIE DE PROBLEMAS: CIRCUITOS DE ARITMÉTICA BINÁRIA. CIRCUITOS ITERATIVOS. I 1. Demonstre que o crcuto da Fg. 1 é um half-adder (semsomador), em que A e B são os bts que se pretendem somar, S é o bt soma e C out é o bt de transporte (carry out). Fg. 1 2. (Taub_5.4-1) O full-adder

Leia mais

2005 by Pearson Education. Capítulo 03

2005 by Pearson Education. Capítulo 03 QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas David P. White Equações químicas Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações

Leia mais

QUÍMICA MÓDULO 20 CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Professor Edson Cruz

QUÍMICA MÓDULO 20 CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO. Professor Edson Cruz QUÍMICA Professor Edson Cruz MÓDULO 20 CÁLCULO ESTEQUIOMÉTRICO INTRODUÇÃO Agora que já sabemos os pré-requisitos para o entendimento do cálculo estequiométrico, podemos defini-lo como "o método matemático

Leia mais

AULA 10 Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica

AULA 10 Entropia e a Segunda Lei da Termodinâmica UFABC - BC0205 - Prof. Germán Lugones AULA 10 Entropa e a Segunda Le da ermodnâmca Sad Carnot [1796-1832] R. Clausus [1822-1888] W. homson (Lord Kelvn) [1824-1907] Quando um saco de ppocas é aquecdo em

Leia mais

numérico é: a) H 2 CO 3 b) H 4 P 2 O 7 c) C 6 H 12 O 6 d) Al 2 (SO 4 ) 3 e) Fe 2 (CO 3 ) 3 f) Ca 3 (PO 4 ) 2 g) (NH 4 ) 2 S

numérico é: a) H 2 CO 3 b) H 4 P 2 O 7 c) C 6 H 12 O 6 d) Al 2 (SO 4 ) 3 e) Fe 2 (CO 3 ) 3 f) Ca 3 (PO 4 ) 2 g) (NH 4 ) 2 S Constante de Avogadro (antigamente chamada número de Avogadro é o número de átomos de 1 C contidos em 0,01 kg de 1 C. Seu valor numérico é: Cálculos Químicos Massa atômica, massa molecular e mol átomo

Leia mais

Revisão 1 H 99,985 2 H 0, C 98,89 13 C 1,11 14 N 99,63 15 N 0,37 16 O 99, O 0, O 0,204

Revisão 1 H 99,985 2 H 0, C 98,89 13 C 1,11 14 N 99,63 15 N 0,37 16 O 99, O 0, O 0,204 Revisão Número de massa A característica fundamental que define um elemento químico é o número de prótons (Z) no núcleo. Se chamarmos de N o número de nêutrons no núcleo, o número de massa A é dado por:

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Química Geral e Experimental II Gases Resolução comentada de exercícios selecionados versão gases_v2_2005 Prof. Fabricio R.

Química Geral e Experimental II Gases Resolução comentada de exercícios selecionados versão gases_v2_2005 Prof. Fabricio R. Química Geral e Experimental II Gases Resolução comentada de exercícios selecionados Prof. Fabricio R. Sensato 1) Imagine que o pneu de uma bicicleta, contendo 0,406 mol de ar arrebente se a pressão interna

Leia mais

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV)

2 Principio do Trabalho Virtual (PTV) Prncpo do Trabalho rtual (PT)..Contnuo com mcroestrutura Na teora que leva em consderação a mcroestrutura do materal, cada partícula anda é representada por um ponto P, conforme Fgura. Porém suas propredades

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO

COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO COMBUSTÍVEIS E COMBUSTÃO PROF. RAMÓN SILVA Engenhara de Energa Dourados MS - 2013 CHAMAS DIFUSIVAS 2 INTRODUÇÃO Chamas de dfusão turbulentas tpo jato de gás são bastante comuns em aplcações ndustras. Há

Leia mais

Prof. Vanderlei I Paula -

Prof. Vanderlei I Paula - Centro Universitário Anchieta Engenharia Química Físico Química I Prof. Vanderlei I Paula Gabarito 3 a lista de exercícios 01 Alimentos desidratados apresentam maior durabilidade e mantêm a maioria das

Leia mais

Atividade em Soluções Eletrolíticas

Atividade em Soluções Eletrolíticas Modelo de solução eletrolítca segundo Debye-Hückel. - A le lmte de Debye-Hückel (LLDH) tem o lmte que está em: I 0,01. log z.z A I 1/ valêncas do íons + e do eletrólto I 1 [ z b / b ] constante que depende

Leia mais

Eletroquímica 2017/3. Professores: Renato Camargo Matos Hélio Ferreira dos Santos.

Eletroquímica 2017/3. Professores: Renato Camargo Matos Hélio Ferreira dos Santos. Eletroquímca 2017/3 Professores: Renato Camargo Matos Hélo Ferrera dos Santos http://www.ufjf.br/nups/ Data Conteúdo 07/08 Estatístca aplcada à Químca Analítca Parte 2 14/08 Introdução à eletroquímca 21/08

Leia mais

PARTE III Balanço de massa

PARTE III Balanço de massa PARTE III Balanço de massa 1. Procedimentos para cálculo de Balanço de Massa i. Escolha como base de cálculo uma quantidade ou vazão de uma das correntes do processo. ii. Desenhe o fluxograma e rotule

Leia mais

Atividade em Soluções Eletrolíticas

Atividade em Soluções Eletrolíticas Modelo de solução eletrolítca segundo Debye-Hückel. - A le lmte de Debye-Hückel (LLDH) tem o lmte que está em: I 0,01. log z.z A I 1/ valêncas do íons + e do eletrólto I 1 [ z b / b ] constante que depende

Leia mais

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D

Física. Física Módulo 1 Vetores, escalares e movimento em 2-D Físca Módulo 1 Vetores, escalares e movmento em 2-D Vetores, Escalares... O que são? Para que servem? Por que aprender? Escalar Defnção: Escalar Grandea sem dreção assocada. Eemplos: Massa de uma bola,

Leia mais

4/6/2010. Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações químicas: descrições de. Equações químicas

4/6/2010. Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. Equações químicas: descrições de. Equações químicas QUÍMICA A Ciência Central 9ª Edição Capítulo 3 Estequiometria: cálculos com fórmulas e equações químicas Lavoisier: a massa é conservada em uma reação química. : descrições de reações químicas. Duas partes

Leia mais

Estequiometria deriva do grego STOICHEON, que significa a medida dos elementos químicos.

Estequiometria deriva do grego STOICHEON, que significa a medida dos elementos químicos. Estequiometria: Estequiometria deriva do grego STOICHEON, que significa...... a medida dos elementos químicos. Em outras palavras, é o cálculo das quantidades de reagentes e/ou produtos das reações químicas

Leia mais

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK

CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK CORRELAÇÃO DO EQUILÍBRIO DE FASES DO SISTEMA MULTICOMPONENTE ÉSTERES ETÍLICOS DO ÓLEO DE MURUMURU/DIÓXIDO DE CARBONO COM A EQUAÇÃO SRK Welsson de Araújo SILVA PRODERNA/ITEC/UFPA waslva89@hotmal.com Fernando

Leia mais

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Optimização. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 1 Programação Não Lnear com Restrções Aula 9: Programação Não-Lnear - Funções de Váras Varáves com Restrções Ponto Regular; Introdução aos Multplcadores de Lagrange; Multplcadores de Lagrange e Condções

Leia mais

ELEMENTOS DE COMBUSTÃO

ELEMENTOS DE COMBUSTÃO INSTITUTO TECNOLÓGICO DE AERONÁUTICA Departamento de Propulsão ELEMENTOS DE COMBUSTÃO Prof. Pedro Teera Lacava São José dos Campos 14 Teora da Combustão - Pedro Teera Lacava Capítulo 1 Termoquímca: Balanços

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br 1 soluções eletrolítcas Qual a dferença entre uma solução 1,0 mol L -1 de glcose e outra de NaCl de mesma concentração?

Leia mais

AULA 05: Isso significa que 1 átomo de hidrogênio pesa 1/12 da massa do carbono-12.

AULA 05: Isso significa que 1 átomo de hidrogênio pesa 1/12 da massa do carbono-12. SETOR 2306 Turma de Maio/Manhã Aulas 05 e 06 Resolução dos eercícios de sala AULA 05: EXERCÍCIO 1) (discutido em sala) Hidrogênio (MA = 1,0 u). Isso significa que 1 átomo de hidrogênio pesa 1/12 da massa

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO Área Centfca Curso Matemátca Engenhara Electrotécnca º Semestre º 00/0 Fcha nº 9. Um artgo da revsta Wear (99) apresenta dados relatvos à vscosdade do óleo e ao desgaste do aço maco. A relação entre estas

Leia mais

Mole, massa molar, rendimento e grau de pureza.

Mole, massa molar, rendimento e grau de pureza. Mole, massa molar, rendimento e grau de pureza. Massa atómica relativa É um número que indica quantas vezes a massa de um átomo é >ou< que 1/12 da massa do átomo 12 C. A maioria dos elemento possui vários

Leia mais

Capítulo 3. Espécie 1 (Massa molar M 1 ) Espécie 2 (Massa molar M 2 ) Espécie 3 (Massa molar M 3 ) Espécie N (Massa molar M N )

Capítulo 3. Espécie 1 (Massa molar M 1 ) Espécie 2 (Massa molar M 2 ) Espécie 3 (Massa molar M 3 ) Espécie N (Massa molar M N ) Capítulo 3 COCETRAÇÕES, VELOCDADES E FLUXOS Antes de apresentarmos as equações fundamentas da dfusão de calor e massa, objetvo central dos Capítulos 4 e 5, é convenente ntroduzrmos concetos assocados ao

Leia mais

Relações de massa. Situando-se ao assunto...

Relações de massa. Situando-se ao assunto... Situando-se ao assunto... Relações de massa Prof. : Drielle Caroline Conceito de mol A unidade fundamental do pensamento químico é o átomo ou a molécula; por isso, não surpreende que seja da maior importância

Leia mais

QiD 6 3ª SÉRIE/PRÉ - VESTIBULAR PARTE 3 QUÍMICA

QiD 6 3ª SÉRIE/PRÉ - VESTIBULAR PARTE 3 QUÍMICA PARA A VALIDADE DO QD, AS RESPOSTAS DEVEM SER APRESENTADAS EM FOLHA PRÓPRIA, FORNECIDA PELO COLÉGIO, COM DESENVOLVIMENTO E SEMPRE A TINTA. TODAS AS QUESTÕES DE MÚLTIPLA ESCOLHA DEVEM SER JUSTIFICADAS.

Leia mais

Análise de Regressão Linear Múltipla VII

Análise de Regressão Linear Múltipla VII Análse de Regressão Lnear Múltpla VII Aula 1 Hej et al., 4 Seções 3. e 3.4 Hpótese Lnear Geral Seja y = + 1 x 1 + x +... + k x k +, = 1,,..., n. um modelo de regressão lnear múltpla, que pode ser escrto

Leia mais

R X. X(s) Y Y(s) Variáveis aleatórias discretas bidimensionais

R X. X(s) Y Y(s) Variáveis aleatórias discretas bidimensionais 30 Varáves aleatóras bdmensonas Sea ε uma experênca aleatóra e S um espaço amostral assocado a essa experênca. Seam X X(s) e Y Y(s) duas funções cada uma assocando um número real a cada resultado s S.

Leia mais

O que heterocedasticidade? Heterocedasticidade. Por que se preocupar com heterocedasticidade? Exemplo de heterocedasticidade.

O que heterocedasticidade? Heterocedasticidade. Por que se preocupar com heterocedasticidade? Exemplo de heterocedasticidade. Heterocedastcdade y = β 0 + β + β + β k k + u O que heterocedastcdade? Lembre-se da hpótese de homocedastcdade: condconal às varáves eplcatvas, a varânca do erro, u, é constante Se sso não for verdade,

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais