ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL"

Transcrição

1 XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO -V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS DE POTÊNCIA - GPC ANALISADOR DE EVENTOS EM TEMPO QUASE-REAL W. Guerra, N. Kagan, Juan C. Cebran, J. C. Guaraldo, S. X. Duarte A. Alves M. Enerq ct Centro de Estudos em Regulação e Energa Elétrca Energas do Brasl - Enersul Departamento de Engenhara de Energa e Automação Escola Poltécnca - USP - São Paulo RESUMO Este trabalho apresenta a mplementação de uma ferramenta (aplcatvo computaconal) para análse, em tempo quase real, dos eventos na rede elétrca que envolva varações momentâneas de curta duração (VTCD's). Essa ferramenta permtrá dagnostcar: as ocorrêncas quanto à natureza do fenômeno, a localzação da sua causa, a extensão das suas conseqüêncas no sstema e a caracterzação dos valores das grandezas nas barras afetadas pela VTCD's. Também faz parte deste trabalho a ntegração deste sstema desenvolvdo com os sstemas exstentes. Desta forma, fo desenvolvda a comuncação com o banco de dados de regstros osclográfcos exstentes de modo que, a partr do arquvo do regstro, seja possível realzar a análse da perturbação captada. Este aplcatvo fo mplementado para a Empresa de Dstrbução Energas do Brasl (ENERSUL). Apresentam-se resultados das smulações para dferentes eventos. PALAVRAS-CHAVE Localzador de faltas em lnhas de transmssão, Estmação de grandezas, Faltas monofáscas bfáscas trfáscas, VTCD's INTRODUÇÃO As faltas em sstemas de potênca acarretam deslgamentos não programados de seus componentes. Sua extnção deve ser feta de forma rápda e aproprada pelos equpamentos de proteção, desatvando apenas a parte defetuosa do sstema. O tempo e a freqüênca de deslgamento é regulada pela Agênca Naconal de Energa Elétrca ANEEL [2] e [3], através das Resoluções 24 e 505, que defnem a Duração Equvalente de Interrupção por Undade Consumdora (DEC) e a Duração Relatva da Transgressão de Tensão Precára (DRP) respectvamente. Nesse sentdo, é de preocupação das concessonáras desenvolver mecansmos adequados para operar suas redes da forma mas adequada. Este trabalho apresenta, como é a forma de montoração quase on-lne do método de localzação de faltas mplementado na rede de subtransmssão da ENERSUL, onde, após a falta uma análse mas detalhada é mprescndível para a avalação do desempenho das grandezas do sstema, para sso, destaca-se a mportânca da osclografa, que consste do constante montoramento das grandezas elétrcas do sstema de potênca e do estado de operação do sstema de proteção. Na lteratura exstem város trabalhos entre os quas estão o apresentado em [3], onde se faz uma detecção e classfcação de faltas em lnhas de transmssão, a partr da análse de regstros osclográfcos va redes neuras Avenda professor Lucano Gualberto, travessa 3, 158 Bloco A - São Paulo-Brasl) Tel: (+55 11) Emal:

2 2 artfcas e transformada wavelet. Em [4] apresenta-se a aplcação de Redes Neuras artfcas (RNAs) como uma alternatva para atuar como um localzador de faltas em uma lnha de transmssão. Em [5] utlza-se os parâmetros de seqüênca zero ndependente das característcas físcas do local. Este trabalho utlza uma busca com regras determnístcas para a classfcação e localzação de faltas, onde o dagrama de mpedâncas de seqüêncas postva e zero (confguração de operação) são mprescndíves para o desenvolvmento da metodologa proposta. Este trabalho fo dvddo em três partes: na prmera detalha-se a rede admnstrada pela ENERSUL; a segunda parte lustra a metodologa para fnalmente apresentar alguns resultados dos testes fetos DESCRIÇÃO DO SISTEMA A rede de ENERSUL esta consttuída por sub-estacões (SEs) nterlgadas por váras lnhas em tensão de 138 kv, 69 kv, 34,5 kv e 13,8 kv. O sstema de medção nstalado montora prortaramente as tensões nas barras de 138 kv, o sstema de localzação desenvolvdo esta restrto à localzação de faltas que ocorram entre trechos de lnhas nesse nível de tensão. Quando houver nformações de abertura de dsjuntor que possblte dentfcar defetos em níves de tensão nferores e esse recurso poderá ser utlzado. Como crtéro ncal estabeleceu-se que serão fetas localzações de faltas em lnhas entre as quas exstam barras montoradas pelos regstradores dgtas de perturbações (RDPs). Como em alguns trechos da rede em estudo exstem malhas, se utlzou um método de localzação de faltas que utlza prncpalmente as nformações das tensões regstradas pelos RDPs nstalados em todas as barras das SEs que consttuem a área ploto, defnda neste trabalho. Além das nformações das tensões, ressalta-se que também podem ser utlzadas as nformações referentes às correntes regstradas pelos RDPs e/ou, alternatvamente, as nformações de operação dos dsjuntores das lnhas a fm de possbltar a localzação de faltas em trechos mas restrtos, melhorando o processo de busca do local da falta. A déa para atvação do sstema de localzação de faltas em desenvolvmento admte que esse sstema de localzação seja aconado automatcamente quando algum dos RDPs nstalados regstre alguma ocorrênca de falta na rede. Neste caso, quando algum RDP regstre a ocorrênca de uma falta, o aplcatvo de localzação deve ser atvado automatcamente, efetuar a localzação do defeto e ndcar em uma tela de saída (letura) uma lsta de prováves locas de ocorrênca da falta DESCRIÇÃO DO TRABALHO 3.1 Requstos Báscos para os Equpamentos de Detecção e Medção de Vtcd Para realzar o processo de medção é necessáro que durante o processo de analse das nformações, mantenha umas especfcações necessáras tas como: a. Captura de formas de onda de tensão e de corrente em todas as fases pela montoração contínua dos valores efcazes dessas grandezas, que deverão ser calculados consderando janela de 1 cclo e atualzação a cada ½ cclo (com opção para atualzação a cada 1 cclo); b. Regstro de valores efcazes de tensão e de corrente de todas as fases junto com a captura de formas de onda; regstro durante período ajustável de até 1,5 mnutos contado a partr do nstante de detecção das condções para a captura, sem reníco da contagem caso ocorram novas condções de detecção durante esse período; c. Tensão de referênca para captura pelo valor efcaz de tensão: prever possbldade de escolha entre: valor fxo ajustável, valor flutuante, baseado no últmo valor VTM (valor de 10 mn) da medção do nível de tensão; d. Valores lmtes de tensão para dsparo pelo valor efcaz de tensão: ajustáves, com os seguntes valores default: 90% da tensão de referênca (para detecção) no caso de afundamento e 110% da tensão de referênca (para detecção) no caso de elevação; e. Valores lmtes de corrente para dsparo pelo valor efcaz de corrente: ajustáves de forma ndependente para as correntes de fase e de neutro; f. Regstro da forma de onda com resolução reduzda até a taxa mínma de 16 amostras/cclo, mas preferencalmente de 64 amostras/cclo; g. No níco da ocorrênca: regstro de 30 cclos, sendo 4 cclos antes do nstante de detecção da VMT e 26 cclos após; h. No fnal da ocorrênca: regstro de 10 cclos, caso a duração for superor a 30 cclos, sendo 2 cclos antes do nstante do térmno da VMT e 8 cclos após;

3 3. Regstro de todas as tensões fase-neutro, ndependentemente da fase onde se detectou a ocorrênca de VMT. 3.2 Processamento dos dados de medção Os prncpas dados a serem utlzados no localzador são provenentes dos regstros dos valores nstantâneos das grandezas tensão e corrente de cada fase dos valores efcazes cclo a cclo, capturados por meddores de qualdade de energa quando ocorrem anomalas de tensão (afundamento ou elevação) ou de corrente (sobrecorrente). As prncpas nformações fornecdas pelo processamento ncal são: a. Localzação do meddor; b. Data e horáro de ocorrênca dos eventos regstrados; c. Fasores das tensões e correntes nos períodos pré-falta e durante a falta e do fnal do regstro; d. Componentes de seqüênca postva, negatva e zero nos períodos de pré-falta e durante a falta; e. Varação da tensão efcaz entre as stuações pré-falta e durante falta; f. Fases envolvdas na falta; g. Informações quanto à duração do evento para cada fase; h. Informações quanto à operação de dsjuntor(es), se dsponíves;. Indcação se ocorreu nterrupção de curta ou de longa duração Grandezas a serem obtdas a partr das medções As grandezas serão obtdas a partr de arquvos de regstro das formas de onda das tensões e correntes, para as janelas de pré-falta, de falta e de fnal de regstro. Essas janelas devem ter um período de um cclo, comuns para todas as fases. As grandezas a serem obtdas para estas janelas são: Tensão: - Valores efcazes totas das tensões das três fases; - Valores efcazes dos fasores das tensões das três fases na de freqüênca fundamental; - Angulos dos fasores das tensões (na freqüênca fundamental) das três fases com referênca ao fasor de tensão de uma das fases (a fase A); - Valores efcazes dos componentes de seqüênca postva, negatva e zero das tensões. Corrente: - Valores efcazes totas das correntes das três fases; - Valores efcazes dos fasores das correntes das três fases na freqüênca fundamental; - Ângulos dos fasores das correntes (na freqüênca fundamental) das três fases com referênca ao fasor de tensão de uma das fases (a fase A); - Valor efcaz da corrente de neutro calculada pela soma dos fasores das três correntes de lnha (sstema trfásco), caso não seja dsponível dretamente do meddor; - Valores efcazes dos componentes de seqüênca postva, negatva e zero das correntes Determnação das janelas para obtenção dos fasores de tensão e corrente A defnção aproprada da janela que fo utlzada para obter os fasores de tensões e de correntes representatvos do evento é um ponto mportante para a obtenção de bons resultados no processamento ncal. Isto porque estes fasores servrão de base para a estmação de VTCDs. A defnção nadequada da janela pode fornecer resultados ndesejáves.

4 4 Foram apresentados os crtéros para a defnção das janelas para a obtenção dos fasores que rão caracterzar os períodos de pré-falta, durante a falta e fnal do regstro e que foram elaborados buscando uma compatbldade com o método de caracterzação de VTCDs utlzado. 3.3 Classfcação da falta Os curtos crcutos podem ser dvddos em dos grupos: Curtos equlbrados e curtos desequlbrados. Os curtos podem envolver ou não mpedâncas de defetos, que por sua vez podem ser mpedâncas entre fases ou mpedâncas para a terra. Uma outra forma de dvdr os curtos é consderando os curtos que envolvem a terra e os curtos que não envolvem a terra. Uma tercera forma de classfcar os curtos crcutos é pelo número de fases envolvdas, que pode conter uma, duas ou três fases. São consderados os seguntes tpos de falta: - Trfásca; - Fase-terra, sem e com mpedânca de defeto; - Dupla fase; - Dupla fase - terra, sem e com mpedânca de defeto. 3.4 Localzação da falta Esta etapa de localzação é subdvdda em duas partes: 1. Análse prelmnar das nformações; 2. Execução do algortmo de estmação pelo método de mínmos quadrados. Na análse prelmnar é realzada uma verfcação quanto às fases envolvdas no evento, componentes smétrcas das tensões e outras nformações dsponíves, efetuando uma tragem quanto aos tpos de falta que podem ter ocorrdo, ndcação de localzação em alguma parte específca do sstema, etc. Verfca-se também se a VTCD é orgnára do sstema suprdor. A segur, com os dados de medção e do arquvo de dados de smulações, executa-se o algortmo de localzação de falta baseado no método de mínmos quadrados, descrto na mas adante para logo determnar o tpo e local da falta, que são calculadas as tensões em todos os pontos de nteresse da rede, utlzando o módulo de cálculo de curto-crcuto, que produzrá um arquvo de medções vrtuas. a) Fluxo de carga Após classfcar o tpo de falta fo necessáro utlzar um método de fluxo de carga que determnara as condções de tensão e de corrente na rede em regme permanente e os resultados são utlzados no módulo de cálculo de curto-crcuto como valores pré-falta. O programa de fluxo de potênca utlzado neste estmador suporta redes em malha e com város pontos de suprmento/geração. b) Impedâncas de falta Na secção relatva a cálculos de curto-crcuto, nos casos de faltas que envolvem terra serão usadas mpedâncas de defeto de 0, 1, 5, 10, 20 e 40 ohm. As faltas serão na montante do ponto de suprmento. O localzador dentfcará as stuações de falta a montante (faltas no sstema suprdor) através da análse das dferenças de tensão entre a condção pré-falta e durante a falta nos pontos de medção. Quando as dferenças de tensão para todos os pontos, fase a fase, forem próxmas para os pontos montorados, fo dentfcado o caso de falta a montante. c) Cálculo das condções de curto-crcuto O módulo de cálculo de curto-crcuto é utlzado em duas ocasões: - Obtenção das tensões em condções de curto-crcuto para produzr o arquvo de dados de smulações que conterão as tensões nos pontos de localzação dos meddores para dversas stuações de falta, - Cálculo das tensões em pontos de nteresse da rede, fornecendo resultados de VTCDs estmados para a stuação de falta dentfcada, e;

5 5 - Além dos valores das tensões, devem-se calcular as correntes dos crcutos que são montorados. O programa de curto-crcuto utlzado neste estmador suporta rede em malha e com város pontos de suprmento/geração. Serão guardados em arquvos os valores das tensões da rede obtdos com as smulações de curto-crcuto Tabela 1. Comparação dos resultados entre AnaFas e Aplcatvo consderando város tpos de falta e város pontos de falta, nclundo pontos ntermedáros dos trechos de lnha. 3.5 Smulações ao longo de lnhas É comum que os defetos não sejam orgnados nos barramentos ou nos equpamentos de barra. E como em uma lgação a mpedânca vara ao longo do seu comprmento, é mportante que se faça smulações não apenas em um ponto, mas no decorrer de todos os pontos de cada lgação. Uma dstrbução ntutva para as lnhas sera dvdí-las em 10 segmentos de trechos unformes. Porém, como há trechos de lnha de város comprmentos, o Localzador podera dvdr os trechos em segmentos de 5 ou 10 ohms, por exemplo, calculando os valores a partr das nformações da rede. Banco de Dados da Rede MÓDULO 3 Fluxo de Potênca LOCAL 1 LOCAL 2 LOCAL N Meddor Meddor Meddor MÓDULO 1 Processamento ncal dos dados MÓDULO 2 Controlador de Transmssão de Dados MÓDULO 1 Processamento ncal dos dados... Arquvos de Dados de Medções MÓDULO 1 Processamento ncal dos dados MÓDULO 4 Curto-Crcuto (correntes/ tensões) Arquvos de Dados de Smulações Localzador de faltas Arquvos de Medções Vrtuas Estmador das grandezas Dagnóstco Fgura 1. Fluxograma de Estmação

6 6 3.6 Método de mínmos quadrados O prncípo de localzação de faltas deste estmador é baseado no método de mínmos quadrados aplcado à tensão nos pontos montorados. Por meo desse método procura-se a stuação de falta no sstema que forneça a menor soma dos quadrados das dferenças entre os valores meddos e valores calculados de tensão como lustra a equação (1). Esse ajuste fornece o tpo de falta e a sua localzação no sstema. Consderando um determnado evento da qual se tem os valores de medção de VTCDs, tem-se, para um ponto de medção, a soma dos quadrados dos desvos das tensões (módulos) das 3 fases, para um dado tpo de falta f e local de falta j: med calc med calc med calc [ ] = ( Va Va ) ) + ( Vb ( Vb ) ) + ( Vc ( Vc ) 2 f, j ( f, j f, j ) f, j δ (1) Tomando-se os valores das tensões meddas e os resultantes de smulações, verfca-se, para cada posção de falta e para cada tpo de falta, a somatóra dos quadrados das dferenças entre os valores meddos e calculados de todas as fases de todos os pontos com medção. A posção de falta que fornece a menor somatóra é o local mas provável para a falta consderada. De todos os tpos de falta consderados, aquele que fornecer o menor valor é o tpo que será consderado o mas provável de ter ocorrdo. 3.7 Processamento de Localzador Na Fgura 1, lustra-se o fluxograma do localzador de faltas APLICAÇAO Este trabalho apresenta a especfcação do módulo de localzação de faltas para a rede de subtransmssão da ENERSUL e avalação do mpacto. Na Fgura 2 está o esboço de uma das redes utlzadas na comparação dos valores calculados. Observa-se que os Regstradores Dgtas de Perturbação (RDPs) encontram-se alocados, na rede elétrca da ENERSUR em barras de 138 kv, montorando tensões em barras e correntes nos crcutos vznhos e alocados nos seguntes pontos: Aqudauana CG Almoxarfado CG Cuabá CG Centro CG Industral Maracaju Mmoso (2 RDPs) Ro Verde CG Imbrussú CG José Abraão CG Mguel Couto CG Asss Scaffa Ro Verde Jardm Chapadão do Sul Dourados das Nações (2 RDPs). O Sstema de Osclografa da ENERSUL será o responsável pelo fornecmento da forma de onda da tensão da barra onde está nstalado (138 kv), mutas vezes confgurado para medr também as tensões em barras de baxas de transformadores, por exemplo, 69 kv ou 34.5 kv. Város canas montoram as contrbuções de correntes de defeto em crcutos adjacentes ao RDP. Estas nformações são mportantes para se restrngr a LT em falta, ou anda para se seleconar o transformador de subtransmssão que almenta eventual defeto provenente da rede de 69 kv, por exemplo. De forma a aferr a utlzação deste aplcatvo foram fetos anterormente dversas smulações do aplcatvo AnaFas, e os resultados após os ajustes necessáros foram consderados dêntcos. Na Tabela 1 está o esboço de uma das redes utlzadas na comparação. Observa-se que a dferenca dos valores calculados e valores obtdos dos regstradores (erro%) estão próxmo a zero. Na Fgura 3 e Fgura 4, lustra-se a tela do aplcatvo desenvolvdo, assm como resultados da smulação de uma falta respectvamente. Como se pode ver tem-se três locas prováves. Na tabela 4, pode ver-se os valores das tensões durante a falta e o trechos prováves onde aconteceu a falta, que são trecho 49, 47, 49 ou 51. Apresentando maor probabldade o trecho 49 com um erro aproxmado de 0,34%. Tem-se também a estmação dos valores das grandezas como são as correntes e as tensões nas demas barras do sstema, lustrando-se só parte dos valores na Fgura 4.

7 2 Fgura 2. Sstema de 138 kv. Fgura 3. Sstema de ENERSUL CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES As grandezas calculadas através do fluxo de potenca utlzando metodologa de calculo comparada com os valores extraídos dos regstradores são muto confáves. Os erros estão próxmos a zero. Os resultados obtdos para o sstema ploto foram confáves, porque o localzador determnou um mínmo de locas com seus respectvos desvos. O que faz que o aplcatvo seja de enorme ajuda na operação do sstema, permtndo um rápdo plano de restauração do sstema através de uma adequada toma de decsões dos operadores, prncpalmente reduzndo o DEC.

8 3 Adconalmente este localzador trabalha quase on-lne na operação no sstema de ENERSUL, faz que com que os tempos de atuação dos operadores sejam muto rápdos, o que ncrementa o valor agregado ao servço. As nformações obtdas das correntes montoradas em alguns crcutos, fzeram ao localzador ser mas efcente na aproxmação do local de falta. Para trabalhos futuros sugere-se utlzar métodos de otmzação para reduzr o tempo de processamento para a localzação e estmação da falta, através de estratégas utlzadas na area de ntelgênca artfcal. Fgura 4. Resultado do aplcatvo REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS (1) ANEEL. Agênca Naconal de Energa Elétrca: Resolução Nº p. 27 de Janero de (2) ANEEL. Agênca Naconal de Energa Elétrca: Resolução Nº p. 26 de Novembro de (3) Kleber M. S, Benemar A. de S, Núba S. D. B, Karcus M. D, Flávo B. C, Sandra S. B. S. Detecção e Classfcação de Faltas a partr da Análse de Regstros Osclográfcos va Redes Neuras Artfcas e Transformada Wavelet Revsta Controle & Automação, Abrl, Mao e Junho 2007, Vol.18 no.2 pp (4) Davd C, Jorge D. V. C, André C.P.L.F. de C. Localzação de Faltas em Lnhas de Transmssão de Energa Elétrca Utlzando, Proceedngs of the IV Brazlan Conference on Neural Networks - IV Congresso Braslero de Redes Neuras, 1999 ITA, São José dos Campos - SP Brazl, pp , July (5) Hélo A. da S, Jacques S. Localzação precsa de falhas em Lnhas de Transmssão sem uso da Sequênca Zero, XV SNPTEE Semnáro Naconal de Produção e Transmssão de Energa Elétrca, Outubro 1999, GPC/05.

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Estudo de Curto-Circuito

Estudo de Curto-Circuito Estudo de Curto-Crcuto Rotero. Objetvo / aplcações. Natureza da corrente de defeto 3. Resposta em regme (4 tpos de defeto) 4. Resposta transtóra 5. Conclusões Objetvo Determnação de correntes e tensões

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica

NODAL Versão 3.0 Programa de Simulação de Tarifas de Uso do Sistema Elétrico MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica NODAL Versão 3.0 Programa de Smulação de Tarfas de Uso do Sstema Elétrco MANUAL DO USUÁRIO ANEEL Agênca Naconal de Energa Elétrca ÍNDICE. INTRODUÇÃO...-.. CONSIDERAÇÕES...-.2. FUNÇÃO DO PROGRAMA...-2.3.

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída

INTRODUÇÃO SISTEMAS. O que é sistema? O que é um sistema de controle? O aspecto importante de um sistema é a relação entre as entradas e a saída INTRODUÇÃO O que é sstema? O que é um sstema de controle? SISTEMAS O aspecto mportante de um sstema é a relação entre as entradas e a saída Entrada Usna (a) Saída combustível eletrcdade Sstemas: a) uma

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL.

BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. BALANÇO HÍDRICO: UMA FERRAMENTA PARA GESTÃO INDUSTRIAL E OTIMIZAÇÃO AMBIENTAL. Leonardo Slva de Souza (1) Mestrando em Engenhara Químca(UFBA). Pesqusador da Rede Teclm. Bárbara Vrgína Damasceno Braga (1)

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS Rodrgues, Rcardo Martn; Sern, Paulo José Amaral; Rodrgues, José Francsco Departamento de Engenhara Elétrca Faculdade

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por Cláudio Afonso Kock e Sérgio Pinheiro de Oliveira. Informação Esta publcação é uma tradução do Gua de Calbração EURAMET Gua para a Estmatva da Incerteza em Medções de Dureza (EURAMET/cg-16/v.01, July 007). Os dretos autoras do documento orgnal pertencem

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Marcus Rodrigo Carvalho

Marcus Rodrigo Carvalho Marcus Rodrgo Carvalho ESTUDO COMPARATIVO DE FLUXO DE POTÊNCIA PARA SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO RADIAL Dssertação apresentada à Escola de Engenhara de São Carlos, da Unversdade de São Paulo, como parte dos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada

Uso dos gráficos de controle da regressão no processo de poluição em uma interseção sinalizada XXIII Encontro Nac. de Eng. de Produção - Ouro Preto, MG, Brasl, 1 a 4 de out de 003 Uso dos gráfcos de controle da regressão no processo de polução em uma nterseção snalzada Luz Delca Castllo Vllalobos

Leia mais

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20

Eletricidade 3. Campo Elétrico 8. Energia Potencial Elétrica 10. Elementos de Um Circuito Elétrico 15. Elementos de Um Circuito Elétrico 20 1 3º Undade Capítulo XI Eletrcdade 3 Capítulo XII Campo Elétrco 8 Capítulo XIII Energa Potencal Elétrca 10 Capítulo XIV Elementos de Um Crcuto Elétrco 15 Capítulo XV Elementos de Um Crcuto Elétrco 20 Questões

Leia mais

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE

UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE UM MODELO DE ALOCAÇÃO DINÂMICA DE CAMINHÕES VISANDO AO ATENDIMENTO DE METAS DE PRODUÇÃO E QUALIDADE RESUMO Felppe Perera da Costa, PPGEM/UFOP, Mestrando. felppe@mneral.em.ufop.br Marcone Jamlson Fretas

Leia mais

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS

PREVISÃO DE PARTIDAS DE FUTEBOL USANDO MODELOS DINÂMICOS PREVISÃO DE PRTIDS DE FUTEBOL USNDO MODELOS DINÂMICOS Oswaldo Gomes de Souza Junor Insttuto de Matemátca Unversdade Federal do Ro de Janero junor@dme.ufrj.br Dan Gamerman Insttuto de Matemátca Unversdade

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves

Software para Furação e Rebitagem de Fuselagem de Aeronaves Anas do 14 O Encontro de Incação Centífca e Pós-Graduação do ITA XIV ENCITA / 2008 Insttuto Tecnológco de Aeronáutca São José dos Campos SP Brasl Outubro 20 a 23 2008. Software para Furação e Rebtagem

Leia mais

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA O ENSINO DO MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS NO NÍVEL MÉDIO E INÍCIO DO CURSO SUPERIOR

Leia mais

Otimização do Carregamento de Transformadores de Distribuição de Energia Elétrica

Otimização do Carregamento de Transformadores de Distribuição de Energia Elétrica 1 Otmzação do arregamento de Transformadores de Dstrbução de Energa Elétrca E. J. Robba,..B. de Olvera,.A. Penn, R.P. asolar, Unversdade de São Paulo L.N. da Slva, H.R.P.M. de, AES Sul Resumo - O desenvolvmento

Leia mais

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20

Eletricidade 3 Questões do ENEM. 8. Campo Elétrico 11 Questões do ENEM 13. Energia Potencial Elétrica 15 Questões do ENEM 20 1 4º Undade Capítulo XIII Eletrcdade 3 Questões do ENEM. 8 Capítulo XIV Campo Elétrco 11 Questões do ENEM 13 Capítulo XV Energa Potencal Elétrca 15 Questões do ENEM 20 Capítulo XVI Elementos de Um Crcuto

Leia mais

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados

1 Topologias Básicas de Conversores CC-CC não-isolados 1 opologas Báscas de Conversores CC-CC não-solados 1.1 Prncípos báscos As análses que se seguem consderam que os conversores não apresentam perdas de potênca (rendmento 100%). Os nterruptores (transstores

Leia mais

Oliveira, L. M. R. e Cardoso, A. J. M.: "Diagnóstico de avarias de transformadores trifásicos em serviço através da análise do Vector de Park das

Oliveira, L. M. R. e Cardoso, A. J. M.: Diagnóstico de avarias de transformadores trifásicos em serviço através da análise do Vector de Park das Olvera, L. M. R. e Cardoso, A. J. M.: "Dagnóstco de avaras de transformadores trfáscos em servço através da análse do Vector de Park das correntes de exctação em carga", Lvro de Comuncações do 7º Congresso

Leia mais

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA

AS COMPONENTES SIMÉTRICAS INSTANTÂNEAS E A MÁQUINA SIMÉTRICA CAPÍTULO 5 A COMPONENTE IMÉTICA INTANTÂNEA E A MÁQUINA IMÉTICA 5. INTODUÇÃO O emprego das componentes smétrcas nstantâneas permte a obtenção de modelos mas smples que aqueles obtdos com a transformação

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

ESTUDO DE TEMPOS (AULA INTRODUTÓRIA VISÃO GERAL)

ESTUDO DE TEMPOS (AULA INTRODUTÓRIA VISÃO GERAL) Você verá nesta dscplna: ESTUDO DE TEMPOS (AULA ITRODUTÓRIA VISÃO GERAL) Determnação dos tempos padrões através da cronometragem. Metodologas dos tempos predetermnados e da amostragem do trabalho. Determnação

Leia mais

Fast Multiresolution Image Querying

Fast Multiresolution Image Querying Fast Multresoluton Image Queryng Baseado no artgo proposto por: Charles E. Jacobs Adan Fnkelsten Davd H. Salesn Propõe um método para busca em um banco de dados de magem utlzando uma magem de consulta

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2

LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE. Ricardo Silva Tavares 1 ; Roberto Scalco 2 LOCALIZAÇÃO ESPACIAL DA MÃO DO USUÁRIO UTILIZANDO WII REMOTE Rcardo Slva Tavares 1 ; Roberto Scalco 1 Aluno de Incação Centífca da Escola de Engenhara Mauá (EEM/CEUN-IMT); Professor da Escola de Engenhara

Leia mais

2 - Análise de circuitos em corrente contínua

2 - Análise de circuitos em corrente contínua - Análse de crcutos em corrente contínua.-corrente eléctrca.-le de Ohm.3-Sentdos da corrente: real e convenconal.4-fontes ndependentes e fontes dependentes.5-assocação de resstêncas; Dvsores de tensão;

Leia mais

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010

CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E PÓS-GRADUAÇÃO - I CICPG SUL BRASIL Florianópolis 2010 Floranópols 200 ANÁLISE COMPARATIVA DA INFLUÊNCIA DA NEBULOSIDADE E UMIDADE RELATIVA SOBRE A IRRADIAÇÃO SOLAR EM SUPERFÍCIE Eduardo Wede Luz * ; Nelson Jorge Schuch ; Fernando Ramos Martns 2 ; Marco Cecon

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D*

Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* Instruções de segurança VEGAWELL WL51/52.A********C/D* VEGAWELL WELL72.A*******- C/D* NCC 13.2121 X Ex a IIC T6 Ga, Gb 0044 Document ID: 46341 Índce 1 Valdade... 3 2 Geral... 3 3 Dados técncos... 3 4 Proteção

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

2 ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS

2 ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS ANÁLISE ESPACIAL DE EVENTOS Glberto Câmara Marla Sá Carvalho.1 INTRODUÇÃO Neste capítulo serão estudados os fenômenos expressos através de ocorrêncas dentfcadas como pontos localzados no espaço, denomnados

Leia mais

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE DADOS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO À AÁLISE DE DADOS AS MEDIDAS DE GRADEZAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...4

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol

Modelos estatísticos para previsão de partidas de futebol Modelos estatístcos para prevsão de partdas de futebol Dan Gamerman Insttuto de Matemátca, UFRJ dan@m.ufrj.br X Semana da Matemátca e II Semana da Estatístca da UFOP Ouro Preto, MG 03/11/2010 Algumas perguntas

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP SISTEMA

Leia mais

Alocação de Bancos de Capacitores em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Utilizando Algoritmos Genéticos

Alocação de Bancos de Capacitores em Sistema de Distribuição de Energia Elétrica Utilizando Algoritmos Genéticos RAFAEL TERPLAK BEÊ Alocação de Bancos de Capactores em Sstema de Dstrbução de Energa Elétrca Utlzando Algortmos Genétcos Dssertação apresentada como requsto parcal para a obtenção do grau de Mestre, no

Leia mais