P.º R. P. 80/2006 DSJ-CT-

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P.º R. P. 80/2006 DSJ-CT-"

Transcrição

1 P.º R. P. 80/2006 DSJ-CT- Configuração actual do prédio submetido a registo. Dificuldade, senão mesmo impossibilidade, em estabelecer a correspondência do prédio, tal como ele existe na realidade, com a descrição predial e o teor matricial. DELIBERAÇÃO Registo a qualificar: Conversão em definitivo da inscrição de aquisição n.º , a fls. 134v, do livro G-184, incidente sobre os prédios descritos na referida Conservatória sob os números: 472, fls. 39, do livro B-2; 4741, fls. 9, do livro B- 13; e 617, fls. 111, do livro B-2. Em 15 de Dezembro de 2005, pela Ap. 27, foi requisitada a conversão da citada inscrição de aquisição que havia sido lavrada provisoriamente por dúvidas, na sequência do registo solicitado sob a Ap. 57/ Consubstanciaram-se aquelas, nos termos do respectivo despacho de qualificação, em: 1.º - omissão de referência, nos documentos apresentados, ao regime matrimonial de bens do primeiro casamento do herdeiro José ; 2.º - incerteza, quanto à identidade do herdeiro António, casado com Natália, motivada pela dificuldade em apurar se se trata da mesma pessoa que, na escritura de habilitação de herdeiros por óbito de Maximina, aparece identificada como António, solteiro; 1 Sob esta apresentação, foi pedido o registo de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito a favor dos oito herdeiros identificados na correspondente requisição, na sucessão por óbito de Maximina, viúva, da totalidade dos prédios correspondentes às citadas descrições, os quais, em consonância com a declaração complementar, inserta no rosto do pedido, estão inscritos, o n.º 472 sob o artigo 6-H, o n.º 4741 sob os artigos rústicos 13, 14, 24, 25, 26, 32 e 33, todos da secção D, e o n.º 617 sob os artigos 2, 3, 7, 19 e 20, da secção H, situando-se, todos, na freguesia da, e correspondendo-lhes, respectivamente, os anteriores artigos 146.º, 134.º e 135.º. No verso da mesma requisição, o recorrente declarou o seguinte: Faço notar que o pinhal anexo ao prédio 472 fica situado na freguesia do, e os prédios 4741 e 617 pertencem actualmente à freguesia do.. Instruíram este registo oito escrituras de habilitação de herdeiros, duas certidões de nascimento, certidão de teor matricial dos referidos artigos, e uma certidão judicial. Os esclarecimentos assim trazidos ao processo de registo relativamente à correspondência matricial dos prédios em causa são reafirmados na declaração complementar contida na requisição objecto da Ap. 27/ (pedido de conversão). 1

2 3.º - falta de prova do actual estado civil de Joaquim, uma vez que, no título, consta casado, e na requisição aparece indicado como viúvo; 4.º - ausência de prova da instauração do processo de imposto sucessório por óbito de Amílcar e da inclusão no mesmo do prédio objecto do registo; 5.º - pedido do registo da totalidade do prédio, quando a autora da sucessão, a aludida Maximina, é titular inscrita de apenas metade; 6.º - falta de actualização do prédio, após a anexação e desanexações, designadamente, no que respeita às confrontações, área e artigos matriciais, bem como omissão de prova da correspondência entre os actuais artigos e os anteriores 134, 135 e 146; 7.º - omissão de certidão comprovativa do teor da inscrição matricial dos artigos 207 e 209 urbanos. A fundamentação legal invocada encontrou assento, consoante decorre do respectivo despacho, nos artigos 29.º, 31.º, 46.º, n.º 1, alínea a), 70.º e 72.º, todos do Código do Registo Predial. Do despacho de recusa que veio a recair sobre o identificado pedido do registo de conversão, resulta que não se mostram removidas as dúvidas antes elencadas sob os pontos 5 a 7, explicando-se os motivos de tal entendimento nos termos seguintes. Quanto ao ponto 5 Nos termos da inscrição n.º 9029, do livro G-12,os prédios em causa estão registados em nome de Maximina., viúva; e de José, casado com Maria ; João, casado com Adelaide ; Angélica e António, ambos solteiros, maiores, na proporção de ½ para a primeira, e de 1/8 para cada um dos restantes, na partilha hereditária (escritura lavrada em 1/08/30) por óbito de António, não decorrendo dos documentos agora juntos prova contrária à adjudicação efectuada por aquela escritura que serviu de título ao dito registo. 2 Quanto ao ponto 6 Os prédios em causa estão entre si anexados, desde 30/11/1930. Para proceder à actualização da respectiva composição, é necessária a declaração das actuais confrontações do prédio resultante daquela anexação, sendo que continua em falta a prova, por parte dos serviços de Finanças competentes, da correspondência entre os artigos rústicos actuais e os anteriores 134.º, 135.º e 2 O recorrente havia alegado complementarmente, no verso da requisição do registo de conversão, com o propósito de remover esta dúvida que: Maximina tem metade do prédio pela inscrição 4506, de 1902 (trata-se do registo de aquisição em nome do marido, António, com quem era casada em comunhão geral, e por óbito do qual teve lugar a partilha datada de 1930, que serviu de base ao registo de aquisição a favor da dita viúva e de seus filhos, pela inscrição n.º 9029, G-12) e a outra metade da herança corresponde ao registo de 1930, ou seja, a inscrição 9029 feita a seu favor e de seus filhos.. 2

3 146.º. Acresce, face às certidões matriciais apresentadas, que nenhum dos artigos se encontra inscrito em nome de qualquer um dos herdeiros a favor dos quais se pretende registar os prédios. 3 Quanto ao ponto 7 Não foi apresentada certidão comprovativa da eliminação do artigo 207.º urbano. O despacho de recusa a que acabamos de nos referir alicerçou-se, legalmente, no fundamento previsto no artigo 69.º, n.º 1, alínea e), do Código do Registo Predial. O recurso hierárquico desta qualificação desfavorável foi interposto em 8/03/06, tendo-lhe cabido a Ap. 37. Nele, e a propósito das dúvidas especificadas no mencionado ponto 5, o recorrente começa por questionar a adjudicação efectuada por força da escritura de partilhas de 1930, que serviu de título à inscrição n.º 9029 do livro G-12 (última inscrição em vigor sobre os prédios, à data do pedido do registo em causa), porque a dimensão e confrontações dos imóveis não foram ali correctamente inseridas. Refere, então, que, por esse título, foi atribuída à viúva Maximina ½ dos artigos rústicos 146.º, 134.º e 135.º (descrições n.º s 472, 4741 e 617), e a outra ½ dos mesmos aos cinco filhos, ou sejam, José, João, António, Angélica e Maria. 4 Esclarece ainda que o prédio n.º 472 tinha, desde 1872, dois núcleos distintos, a Quinta da, sita no, freguesia da, e o Pinhal, situado no Vale do, estrada de, abrangendo também o prédio n.º Em Maio de 1925 estava completo o conjunto formado por estes dois prédios, mais o n.º 617, os quais, todavia, do ponto de vista registral, nunca foram englobados numa nova descrição, resultante da anexação dos três, - como previa o art.º 219.º, 1.º do Código do Registo Predial, criado pelo D. L , publicado no Diário do Governo de 4 de Julho de circunstância que, no entender do recorrente, determinou que, na 3 Com vista à remoção destas dúvidas, o requisitante refere, na aludida declaração complementar, e em relação a cada um dos três artigos rústicos 134.º, 135.º e 146.º que não foram efectuadas anexações nem desanexações nestes prédios, remetendo, em termos de confrontações para a certidão passada, em 7/12/05, pelo Serviço de Finanças-2, de.. Relativamente à área, indica, para cada um deles, a que resulta do somatório das áreas dos actuais artigos rústicos 13, 14, 24, 25, 26, 32 e 33, da secção D (artigo 134.º), 2, 3, 7, 19 e 20, da secção H (artigo 135.º), e 6, da secção H (artigo 146.º). 4 Note-se para além da mudança de entendimento a propósito desta questão (cfr. nota 2 de rodapé) - que a leitura assim feita do título não está correcta, porquanto da referenciada escritura consta que a filha, Maria, recebeu tornas e não qualquer quota na compropriedade do dito prédio, ficando aquela ½ a pertencer apenas aos quatro irmãos. 5 Previa-se, de facto, naquele parágrafo, a abertura de uma nova descrição com referência ao número de ordem das inutilizadas, ligando-se estas com a nova 3

4 escritura de 1930, não se encontrassem devidamente fixados, no terreno, os limites reais. Situação que veio a ser agravada pelas diversas escrituras de compra e venda posteriormente efectuadas, titulando a transmissão de prédios que viriam a ser destacados, de forma indiscriminada, de dois ou mesmo de três prédios, em vez de se indicar o único prédio a que na realidade pertencia. Nas vendas de 1924 a 1931, os destaques incidiram sobre dois prédios; os efectuados de 1931 a 1942 incidiram sobre três prédios que constituíam a Quinta da (472, 4741 e 617) 6,e, por conseguinte, inscritos no registo predial a duplicação e/ou a triplicação de cada destaque, reduzindo as áreas das descrições 472, 4741 e 617. Conclui, assim, pela incorrecção da adjudicação titulada pela escritura de partilhas de 1930, que terá sido afectada por anomalias várias, desde erros de dimensão dos prédios dela objecto, à omissão do pinhal, à falta de anexação dos descrição por meio de averbamentos, quando da reunião e da anexação dos diferentes prédios resultar outra denominação ou dificuldade de reconhecer o novo prédio pelo meio indicado no corpo do artigo, que dizia: Quando for submetido a registo algum prédio formado de dois ou mais descritos, declarar-se-á, por averbamento a cada um deles, que todos constituem um só prédio, mencionandose num dos averbamentos qualquer modificação nos elementos da descrição resultante da união dos mesmos prédios.. Parece ter sido este o procedimento adoptado pela conservatória. Na sequência do registo a que correspondeu a inscrição mencionada no texto n.º 9029, Ap. 04/ , de cujo texto consta... transmissão em comum do prédio formado pelos descritos sob os n.º s 472, e ,foi averbado (Av. 06), pela Ap. 5, da mesma data, àquele primeiro prédio, que... à face dos documentos que serviram de base à inscrição 9029, declaro que o prédio supra n.º 472 é um prédio rústico e urbano, denominado P, sito no, freguesia da, que se compõe de casa, adega com lagar,... terra de semeadura, árvores de fruto, oliveiras e pinhal, a confrontar com... Nesta descrição está compreendida a descrição 4741do livro B-13, formando o prédio supra n.º 472 com o descrito sob o n.º e com o descrito sob o n.º um só prédio denominado Quinta da, inscrito nas matrizes da freguesia da sob os artigos 134.º, 135.º e 146.º da rústica, e 207.º e 209.º da urbana, da mesma freguesia.. (Destacados a negro nossos). Sob as Aps. 6 e 7 daquela mesma data, foi averbado às descrições 617 e 4741 (averbamentos n.ºs 4 e 3, respectivamente) que... o prédio n.º 617, conhecido pela denominação P de Baixo... forma um só prédio com os descritos sob os n.º s e com a denominação Quinta da, inscrito na matriz sob... os citados artigos, e que... o prédio supra 4741 está compreendido no av. 6 à descrição n.º , feito nesta data, formando com este prédio n.º 472 e com o descrito sob o n.º um só prédio denominado Quinta da, inscrito na matriz... sob os citados artigos. Não obstante, desde aquela data (3/11/1930) até 25/06/1942 sempre na vigência do referido Código do Registo Predial, que se prolongou até , os averbamentos de desanexação de diversos prédios foram feitos simultaneamente às descrições n.º s 472 e 4741 (com as mesmas datas e apresentações); os averbamentos daquela última data foram, por sua vez, efectuados às três descrições em causa. 6 Como decorre do que se referiu na anterior nota de rodapé, esta afirmação, pelo menos do ponto de vista tabular, não corresponde à verdade. 4

5 ditos prédios numa nova descrição e aos destaques registados em duplicado ou triplicado (reduzindo, indevidamente, a área real da Quinta da ). 7 Relativamente às dúvidas enunciadas no ponto 6 falta de actualização da composição do novo prédio, resultante da anexação dos referenciados três, falta de prova da correspondência matricial entre os artigos rústicos actuais e os antigos, e ainda inscrição matricial daqueles em nome de pessoas diversas dos ora interessados no registo -, o recorrente, em termos que se dão por integralmente reproduzidos, faz a história, não só dos prédios aqui directamente envolvidos, mas também de outros contíguos, por forma a patentear a dificuldade com que se depara para fornecer a composição actual do prédio resultante da aludida anexação, concluindo que houve, ao longo de muitos anos, deslocações da área dos prédios pertencentes à sua família para outros prédios, interrogando-se sobre a autoria de tais destaques, em sede notarial e registral, nesta última sem haver o devido trato sucessivo, pois os herdeiros legais nunca alienaram qualquer parcela ou a totalidade do pinhal em causa (isto, quanto à descrição n.º 472); mas, do mesmo modo, quanto às descrições n.º s 4741 e 617, acaba por concluir que o primeiro foi sobreposto por outros e também nesta descrição 617 houve sobreposições e deslocações de descrições, bem como destaques feitos no mesmo, registados em duplicado e triplicado, que causaram eliminação de grande área do prédio. No que respeita às dúvidas expostas no referido ponto 7, o recorrente apresenta a certidão matricial comprovativa da eliminação do artigo urbano 207. O Sr.Conservador recorrido, por despacho datado de 20 de Março de 2006, manteve a decisão de recusa, dispensando-se de mais considerações relativamente aos motivos antes invocados como seu fundamento. Tendo em linha de conta que o processo é próprio e válido, as partes são legítimas, o recurso foi interposto em tempo, e não se verificam nulidades, 7 Saliente-se, a este respeito, que, em parte alguma das descrições prediais em apreço, é feita qualquer referência à dimensão dos prédios correspondentes; o pinhal continua, como se comprova pela transcrição efectuada, a constar da descrição, a menos que a informação desta constante esteja prejudicada pelos destaques ulteriormente efectuados, cujo objecto desconhecemos, e que nada exclui que se tenham concretizado no dito pinhal. Quanto aos destaques registados em duplicado ou triplicado, o que constatamos é que os averbamentos respectivos, se bem que levados a cada uma das duas/três descrições, reportam-se aos mesmos prédios, pelo que a área correspondente é, em cada um deles, abatida apenas uma vez à área total. 5

6 excepções ou questões prévias que obstem ao conhecimento do mérito, a posição do Conselho vai expressa na seguinte Deliberação 1 - De acordo com o previsto no artigo 34.º, n.º 2, do Código do Registo Predial, a inscrição a favor do/s requisitante/s do prédio dela objecto, quando sobre o mesmo exista registo de aquisição, em compropriedade, a favor do transmitente e de outros titulares, só pode ser lavrada com carácter definitivo quando se verifique a intervenção destes últimos, sob pena de incumprimento do princípio do trato sucessivo, na modalidade da continuidade das inscrições. 2 A anexação de prédios numa nova unidade predial depende da verificação cumulativa de certos requisitos, a saber, contiguidade dos ditos, pertença de todos ao mesmo proprietário, de modo que sobre eles recaia um direito de propriedade unitário, figurando o proprietário, enquanto tal, como titular inscrito dos prédios a anexar, e ainda, no caso de se tratar de um averbamento autónomo não decorrente do próprio título submetido a registo, em que a anexação é feita oficiosamente consentimento do mesmo à formação de um novo prédio. 3 Na vigência do Código do Registo Predial, aprovado pelo D. L. n.º 17070, publicado no Diário do Governo, de 4 de Julho de 1929, a abertura de uma nova descrição do prédio formada pela anexação de dois ou mais prédios já descritos acontecia apenas quando dessa reunião resultasse outra denominação ou dificuldade em reconhecer o novo prédio, face à simples declaração, por averbamento a cada um deles, de que todos constituíam um só. (corpo do art.º 219.º e seu 1.º ). 4 Uma vez efectuada a predita anexação, e mesmo na eventualidade de não ter sido aberta uma nova descrição com referência ao número de ordem das inutilizadas, ligadas àquela por meio de averbamentos (parte final do cit. 1.º) -, deixaram de ter existência autónoma os prédios assim reunidos, mencionando-se num dos averbamentos a cada um deles qualquer modificação nos elementos da descrição resultante da união dos mesmos prédios (corpo do art.cit.); a 6

7 ulterior restauração daquela autonomia, determinando o fraccionamento do dito prédio, importaria a subordinação ao condicionalismo legal vigente à data em que aquele se viesse a efectivar. 5 Não constando do título submetido a registo a composição actual do prédio dele objecto (resultante da anexação), incumbirá ao requerente do mesmo fornecer os dados necessários para o efeito, através de declaração complementar prestada sob a forma legalmente exigida, em especial, nos casos em que de modo idêntico ao que sucede no caso em apreço (aquisição em comunhão hereditária) essa declaração é elemento integrante da titulação necessária ao registo. 6 No que respeita à matriz, considerando que as descrições dos prédios rústicos sitos nos concelhos onde vigora o cadastro geométrico não podem ser actualizadas quanto à localização, área e artigo em contradição com a correspondente inscrição matricial ou com o pedido da sua rectificação ou alteração, permite a lei, em caso de substituição das matrizes e quando os serviços de finanças certifiquem a impossibilidade de estabelecer a correspondência entre os actuais e os anteriores artigos matriciais 8, que essa prova seja suprida mediante declaração complementar dos interessados no registo. 7 Pertence ao conservador, no âmbito de aplicação do princípio da legalidade, plasmado no artigo 68.º do Código do Registo Predial, o dever de verificar a identidade do prédio, recusando, em obediência a tal princípio, a remoção das dúvidas suscitadas a esse respeito, quando entenda que há discordância entre os elementos declarados pelo interessado no acto de registo e os constantes da descrição a que os mesmos se reportam (sobretudo quando a actualidade daqueles se mostre comprometida pelos diversos destaques entretanto efectuados). Entendese que essa discrepância existe quando o requisitante fornece, em declaração complementar, a identificação autónoma de cada um dos artigos rústicos antigos, tabularmente englobados num único prédio, remetendo, em termos de área e de confrontações, para o teor matricial dos artigos novos (vários) que, em seu entender, vieram a corresponder 8 Rigorosamente, só em sede de recurso, é que os serviços de Finanças certificaram a não correspondência de artigos. Para a feitura do registo, essa correspondência foi feita pelo recorrente no requerimento da respectiva certidão. 7

8 àqueles, conquanto essa declaração se mostre infirmada pela circunstância fácil de comprovar através da simples consulta do ficheiro real da respectiva conservatória de alguns deles já integrarem a composição de outras descrições 9. 8 A recusa da conversão de um registo, com fundamento na não remoção das dúvidas apostas à sua feitura definitiva, tem assento legal no n.º 2 do artigo 69.ºdo Código do Registo Predial. Atento o exposto, concluímos pela improcedência do recurso Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Director-Geral em 9 É o que, por exemplo, sucede, no caso concreto, com: o artigo 7.º da secção H, que consta da descrição n.º 01529, da freguesia do (extractada do prédio n.º 824, a fls. 16, do livro B-3) cfr. pág. 326 dos autos; o artigo 14.º da secção D, que figura na descrição n.º 876, a fls. 42 do livro B-3 (hoje extractado, conforme alegações de recurso, a pág. 544 dos autos, sob o n.º 1116 cfr. pág. 396 dos mesmos; e o artigo 6.º da secção H, correspondente também, segundo as próprias alegações do recorrente, a pág. 547, à descrição n.º Recorde-se que, nos termos da referida declaração complementar (cfr. notas 1 e 3 de rodapé), esses artigos corresponderiam, na totalidade, ao/s prédio/s a que respeita o registo. Acresce que, dos documentos juntos aos autos (fls. 126/128), decorre que, por despacho datado de 14/02/2000, foram recusados os registos requeridos pelas Aps. 65/69, de 21/01/00, que tiveram por objecto as mesmas descrições 472, 4741 e 617, com base em diversos motivos, dos quais nos permitimos destacar os seguintes: 1 Não foi feita a declaração de identificação dos prédios sujeitos a registo. 2 Os prédios indicados foram objecto de várias desanexações, sem que se tenham indicado elementos que permitam a sua actualização, designadamente, área, confrontações e artigos matriciais. 4 Os prédios indicados na requisição foram objecto de divisão, titulada por escritura lavrada em 19/06/.., a fls.13 do livro 665/126, do.º Cartório Notarial de, divisão e demarcação, que fazem Maximina... e seus filhos, João..., José..., Angélica... e António... 5 Os prédios resultantes dessa divisão já foram, em princípio, todos registados a favor dos interessados.. (Destacados a negro nossos). 8

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT -Transacção judicial Registo de aquisição Título Reconhecimento do direito de propriedade Trato sucessivo Obrigações fiscais. DELIBERAÇÃO Vem o presente recurso hierárquico interposto

Leia mais

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT P.º R. P. 184/2009 SJC-CT Transferência de património, ao abrigo do D. L. n.º 112/2004 de 13 de Maio, entre dois organismos integrantes do sistema de segurança social, o Instituto da... e o Instituto Recusa

Leia mais

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT Pº R. P. 180/2008 SJC-CT - Inscrição de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito Prédio urbano constituído por várias moradias a que correspondem diferentes artigos matriciais Divergência

Leia mais

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO 1., advogado, apresentou na Conservatória do Registo Predial de, no dia de de ( Ap. ), um pedido de registo a que chamou

Leia mais

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT:

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: Renovação de registo provisório de aquisição lavrado com base em contrato-promessa de alienação. Documento comprovativo do consentimento das partes. Declarações complementares

Leia mais

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT - Aquisição. Usucapião. Justificação notarial para reatamento do trato sucessivo. Imposto de selo. Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho. Doação. Caducidade do ónus de eventual

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

R.P. 140, /2006 DSJ-CT-

R.P. 140, /2006 DSJ-CT- P.ºs R.P. 140, 141 e 142/2006 DSJ-CT- Averbamento de alteração da inscrição de aquisição Modificação subjectiva Alteração da firma ou denominação de sociedade estrangeira (no âmbito de transferência de

Leia mais

Pº R. P. 270/2004 DSJ-CT. Trato sucessivo e compropriedade Facto jurídico uno Transformação da comunhão hereditária em compropriedade.

Pº R. P. 270/2004 DSJ-CT. Trato sucessivo e compropriedade Facto jurídico uno Transformação da comunhão hereditária em compropriedade. Pº R. P. 270/2004 DSJ-CT. Trato sucessivo e compropriedade Facto jurídico uno Transformação da comunhão hereditária em compropriedade. DELIBERAÇÃO Registo a qualificar: Aquisição de 1/8 do prédio da ficha

Leia mais

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO Sobre o prédio da ficha nº, da freguesia de..., da Conservatória do Registo Predial de prédio urbano situado na Rua...,, inscrito

Leia mais

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT Prédio inscrito a favor dos autores da herança. Pagamento das dívidas destes. Penhora. Habilitação dos herdeiros. Identificação dos sujeitos. Documento bastante. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO 1. Indicando como objecto mediato o prédio descrito sob o nº... da freguesia de..., o recorrente apresentou na Conservatória do Registo

Leia mais

PARECER. Relatório. Instituto dos Registos e do Notariado. mod. 4

PARECER. Relatório. Instituto dos Registos e do Notariado. mod. 4 P.º R. P. 169/2008 SJC-CT- Justificação do direito de propriedade e compra e venda de fracção autónoma de prédio, objecto de fraccionamento e emparcelamento, divisão de coisa comum e constituição de propriedade

Leia mais

1 Em suporte deste entendimento, havia já a recorrente invocado, no âmbito do processo de suprimento

1 Em suporte deste entendimento, havia já a recorrente invocado, no âmbito do processo de suprimento P.º n.º R. P. 204/2009 SJC-CT Divergência de áreas do prédio registando entre a que consta no título e a resultante do teor matricial. Interpretação dos artigos 28.º-A e 28.º-B do Código do Registo Predial.

Leia mais

Diploma DRE. Secção I. Procedimentos simplificados de sucessão hereditária. Artigo 1.º. Atendimento prévio

Diploma DRE. Secção I. Procedimentos simplificados de sucessão hereditária. Artigo 1.º. Atendimento prévio Diploma Regulamenta os termos da prestação do serviço no «Balcão das Heranças» e no balcão «Divórcio com Partilha», no âmbito dos procedimentos simplificados de sucessão hereditária, e de partilha do património

Leia mais

Exame final de estágio para solicitadores (2015/2016)

Exame final de estágio para solicitadores (2015/2016) Exame final de estágio para solicitadores (2015/2016) Exame de Época Especial GRUPO I (17V) Madalena faleceu no dia 10 de Junho de 2014, no estado de solteira, maior, sem testamento ou qualquer outra disposição

Leia mais

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT - 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT Recorrente: Joaquim. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial do. Acto impugnado: Indeferimento liminar de pedidos de rectificação das inscrições 3 e 4 relativas à sociedade

Leia mais

Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de.

Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Registo a qualificar: Transmissão de dívida com hipoteca a favor de P Sociedade

Leia mais

N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 59/ CC /2016 N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação: 23-10-2016 Recorrente: Município de P... Recorrido: Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de.

Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Relatório 1. Com data de 13 de Outubro de 2008 ( cuja apresentação só foi anotada no Diário no dia 20090624,

Leia mais

MATRIZ MODELO 1 CADERNETA PREDIAL

MATRIZ MODELO 1 CADERNETA PREDIAL MATRIZ MODELO 1 CADERNETA PREDIAL A MATRIZ PREDIAL O IMI é um imposto que incide sobre a detenção de património imobiliário prédios-, tendo como principio base a capacidade contributiva e como sujeito

Leia mais

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT Pº R.P. 182/2008 SJC-CT- (i)legalidade de recusa de registo de aquisição pedido com base em inventário, com fundamento na sua manifesta nulidade, mediante invocação de que o prédio partilhado é alheio

Leia mais

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 52/ CC /2015 N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: 26-03-2015. Banco, S.A.. Conservatória do Registo Predial de. Assunto: Descrição aberta

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 1/ CC /2017 N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação: 20-01-2017 Recorrente: Francisco J.., representado por Constantino.., advogado.

Leia mais

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT Pº R.P. 132/2008 SJC-CT - Impugnação de decisão de recusa, consoante respeite a acto de registo nos termos requeridos ou rectificação de registos ( nºs 1 e 2, respectivamente, do art. 140º do C.R.P.) Interpretação

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1092.01 1 ; Ag: TC Santo Tirso; Age 2 : José Julião João, Rua Senhora da Conceição 25/27 Peniche; Aga 3 : Ivone da Conceição Antunes Romão, Rua Senhora da Conceição 25 Peniche. Acordam no Tribunal da

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R. P. 200/2008 SJC-CT- Registo de penhora executado separado de pessoas e bens - registo de aquisição a favor do executado casado no regime da comunhão geral - provisoriedade por natureza (artigo 92.º,

Leia mais

Comercial de M. d e Can aveses, frente à pretensão da A. no sentido de r ectificar o

Comercial de M. d e Can aveses, frente à pretensão da A. no sentido de r ectificar o PN 254.06-5; Ag: TC M. Canaveses 2º J. ( Ag.e: Ag.a: Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto. I. INTRODUÇÃO: (a) A recorrente não se conformou com a decisão de 1ª instância, que manteve o despacho

Leia mais

Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório:

Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório: P.º R. Co. 4/2007DSJ-CT - Registo da constituição da sociedade e nomeação de gerentes. Título constitutivo omisso quanto à data do encerramento do exercício social e ao número de identificação fiscal da

Leia mais

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO A. A ficha informática da freguesia de, do concelho da que descreve o 1º andar

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório 1 PºR. P. 95/2008 SJC-CT- Notificação de qualificação do registo de penhora como provisório por natureza (artigo 92º, nº2, alínea a) do Código do Registo Predial) consequências da sua omissão. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º R. P. 267/2008 SJC-CT-

P.º R. P. 267/2008 SJC-CT- P.º R. P. 267/2008 SJC-CT-Anexação de parcela de terreno para construção urbana (inicialmente integrada no domínio privado do município por cedência em alvará de loteamento) a prédio rústico do mesmo proprietário

Leia mais

P.º R. P. 99/2010 SJC-CT

P.º R. P. 99/2010 SJC-CT P.º R. P. 99/2010 SJC-CT Conversão da inscrição de penhora, provisória por natureza (alínea a) do n.º 2 do artigo 92.º do Código do Registo Predial), com fundamento em decisão judicial transitada em julgado

Leia mais

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS (Nos termos do nº3 do artº 92º do Decreto-Lei nº 169/99, de 18/09) --------- Reunião de 8 de Julho de 2008 --------- --- CANDIDATURA AO PROGRAMA

Leia mais

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO A ficha... descreve um terreno para construção com a área de 2 080m2, inscrito

Leia mais

P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície.

P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície. P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície. DELIBERAÇÃO 1. O prédio descrito sob nº... da freguesia de foi, na dependência

Leia mais

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório 1. Em 01/09/2008 foi apresentado, na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo. Envie-se a presente informação ao Sr. Director do Departamento Municipal de Gestão Urbanística, Arq. Aníbal Caldas. Anabela Moutinho Monteiro Chefe da Divisão de

Leia mais

R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório

R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório 1 R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER Relatório 1. Maria.vem apresentar recurso hierárquico da decisão de rejeição das aps. 30, 31 e 32 de / /24 relativas aos

Leia mais

P.º R. P. 240/2008 SJC-CT-

P.º R. P. 240/2008 SJC-CT- P.º R. P. 240/2008 SJC-CT- Escritura de partilha. Cumulação dos bens de heranças distintas. Qualificação do pedido de registo respeitante aos imóveis partilhados. DELIBERAÇÃO Relatório 1 Em 12 de Setembro

Leia mais

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT-

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- Fixação do sentido e alcance da norma contida no n.º 5 do artigo 31.º do D. L. 287/2003, de 12/11 Reconhecimento ao interessado da possibilidade de requerer hoje a liquidação

Leia mais

CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017. «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal

CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017. «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017 «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal A) Direito Privado I (6 v.) a) (1 valor) A cláusula é válida,

Leia mais

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 Foi solicitado à ASCR pelo Dr. Inácio Peres uma breve exposição sobre algumas questões notariais e registrais no âmbito da insolvência. Como

Leia mais

Notas sobre registo de Nascimento

Notas sobre registo de Nascimento Notas sobre registo de Nascimento O nascimento ocorrido em território português deve ser declarado no prazo de 20 dias em qualquer Conservatória do Registo Civil, ou em unidade de saúde em que esteja instalado

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º n.º R. P. 188/2008 SJC-CT- Escritura de revogação de justificação notarial. Cancelamento do registo de aquisição titulado por escritura de justificação. Direitos inscritos a favor de terceiros. DELIBERAÇÃO

Leia mais

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer Proc. R.C. 3/2008 SJC CT Parecer Recurso hierárquico. Aquisição da nacionalidade portuguesa por efeito de adopção por decisão transitada em julgado antes da entrada em vigor da Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro.

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO DAS ÁGUAS ROMANAS

CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO DAS ÁGUAS ROMANAS CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO DAS ÁGUAS ROMANAS As presentes condições de venda referem-se à alienação por lanços em hasta pública do prédio urbano, sito na

Leia mais

DELIBERAÇÃO. 2 Actualmente, a situação jurídica reflectida nas tábuas com pertinência para o caso é a seguinte:

DELIBERAÇÃO. 2 Actualmente, a situação jurídica reflectida nas tábuas com pertinência para o caso é a seguinte: Proc.º n.º R. P. 242/2009 SJC-CT Cancelamento da inscrição de aquisição com base em sentença judicial transitada em julgado. Cessação dos efeitos da referida inscrição mediante a sua transferência para

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 66/ CC /2016 N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: 16-12-2016 Recorrente:..-ALUGUER DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, LDA Recorrido: Conservatória

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 217/2006 DSJ-CT- Cancelamento de registo de hipoteca Título para registo Requerimento dirigido ao conservador, invocativo da prescrição Recusa. Relatório: DELIBERAÇÃO Do prédio urbano descrito

Leia mais

Artigo 3.º Uso a que se destina o prédio

Artigo 3.º Uso a que se destina o prédio CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DO PRÉDIO SITO EM PENELA, FREGUESIA DE SÃO MIGUEL, CONCELHO DE PENELA, DESTINADO A CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO DA CASA DE CHÁ FREIRE GRAVADOR As presentes condições de venda

Leia mais

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos.

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. Proc. C.C. 109/2010 SJC CT Deliberação Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. O Consulado de Portugal em B., Brasil, atento o despacho n.º

Leia mais

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A [ESCLARECIMENTOS SOBRE A ATRIBUIÇÃO DE BENEFÍCIOS FISCAIS NA ARU DA HORTA] ARU da Horta = Área de Reabilitação Urbana do centro Histórico da Cidade da Horta delimitada em sede de Assembleia Municipal do

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º ,

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º , CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA (Lote - UL ) ENTRE: PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º 500960046, com sede na Av. João XXI, n.º 63, em Lisboa, com o capital social

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL (14.ª Edição) Errata Código do Registo Predial 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL Errata BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Rua Fernandes Tomás, n.ºs 76, 78, 80 3000-167

Leia mais

Pº R.P. 241/2004 DSJ-CT. - Distrate de justificação notarial Intervenientes Cancelamento de registo de aquisição. DELIBERAÇÃO

Pº R.P. 241/2004 DSJ-CT. - Distrate de justificação notarial Intervenientes Cancelamento de registo de aquisição. DELIBERAÇÃO Pº R.P. 241/2004 DSJ-CT. - Distrate de justificação notarial Intervenientes Cancelamento de registo de aquisição. DELIBERAÇÃO Recorrente: Olinda. Recorrida: Conservatória do Registo Predial de. Registos

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Recorrente:. Banque Sucursal Portugal. Sumário: Registo de penhora de veículo provisório por natureza (art. 92º/2/a) do Código do Registo Predial) Certificação pelo Tribunal de que

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com. escritório na Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com. escritório na Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito da 2ª Secção de Comércio da Instância Central de Vila Nova de Gaia J1 Processo 1810/16.2T8VNG Insolvência de Deolinda Gomes Coelho da Silva V/Referência: Data:

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO 1. No âmbito de procedimento casa pronta 1, a Senhora Notária Afecta à

Leia mais

O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa.

O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa. O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa. Vítor Vasconcelos Nascimento Coimbra, 30 de Novembro de 2011 O procedimento administrativo

Leia mais

P.º R. P. 132/2006 DSJ-CT-

P.º R. P. 132/2006 DSJ-CT- P.º R. P. 132/2006 DSJ-CT- Sucessão testamentária. Aquisição por partilha extrajudicial, com base em escritura de habilitação de herdeiros e testamento público. Determinação do sentido e alcance da deixa

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMGUF, Arq.º Aníbal Caldas. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.05.12 N.º Inf: ( ) Ref.ª: ( ) Porto, 11/05/2010

Leia mais

LEILÃO VISITA: SOB MARCAÇÃO Vale da Estrada (Nave) Sarzedas - Castelo Branco / GPS: 39 50'04.3"N 7 38'33.9"W

LEILÃO VISITA: SOB MARCAÇÃO Vale da Estrada (Nave) Sarzedas - Castelo Branco / GPS: 39 50'04.3N 7 38'33.9W LEILÃO Insolvência: "Joel Conde & Fernandes, Lda." Processo de Insolvência n.º 1651/14.1TBBRG Comarca de Braga, Braga - Inst. Local - Secção Cível - J3 Por determinação do Exmo. Administrador de Insolvência,

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

3.º CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO PROVA ESCRITA DE DIREITO PRIVADO E REGISTAL (02/05/2015) I (7 valores)

3.º CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO PROVA ESCRITA DE DIREITO PRIVADO E REGISTAL (02/05/2015) I (7 valores) 3.º CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO PROVA ESCRITA DE DIREITO PRIVADO E REGISTAL (02/05/2015) A duração da prova é de três horas A) DIREITO PRIVADO I (7 valores) A, Sociedade

Leia mais

Por de 10 de Março de 2014, o SAIGS remeteu a informação proferida no âmbito do P.º RC SAIGS, para emissão de parecer, com urgência.

Por  de 10 de Março de 2014, o SAIGS remeteu a informação proferida no âmbito do P.º RC SAIGS, para emissão de parecer, com urgência. N.º 20 DGATJSR /2015 N/Referência: Assunto: Pº CC.23/2014 STJSR Data de despacho: 25-03-2014 Consulente: Consulta de SAIGS Transcrição de casamento Palavras-chave: Processo preliminar de casamento - Cidadã

Leia mais

Pº R. Co. 22/2009 SJC-CT. Recorrente: Clube de Futebol. Recorrida: Conservatória do Registo Predial/Comercial de..

Pº R. Co. 22/2009 SJC-CT. Recorrente: Clube de Futebol. Recorrida: Conservatória do Registo Predial/Comercial de.. Pº R. Co. 22/2009 SJC-CT. Recorrente: Clube de Futebol. Recorrida: Conservatória do Registo Predial/Comercial de.. Registo a qualificar: Constituição da sociedade. Futebol SAD com designação dos membros

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Manuela Gomes Directora do Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Concordo inteiramente com a presente Informação e proponho o seu envio ao Sr. Director da DMFP, Dr. José Branco. À consideração

Leia mais

P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo.

P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo. 1 P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo. PARECER 1. A coberto da ap...., de / /, foi pedido o registo de aquisição

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo B NIF 03 RENDIMENTOS OBTIDOS. RENDAS (Rendimento ilíquido) TITULAR Parte %

IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo B NIF 03 RENDIMENTOS OBTIDOS. RENDAS (Rendimento ilíquido) TITULAR Parte % MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2015 ORIGINAL PARA A AT Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fi scal.

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE DIREITO DE SUPERFÍCIE No dia de de dois mil e dezassete, nos Paços do Concelho,

CONSTITUIÇÃO DE DIREITO DE SUPERFÍCIE No dia de de dois mil e dezassete, nos Paços do Concelho, CONSTITUIÇÃO DE DIREITO DE SUPERFÍCIE ------ No dia de de dois mil e dezassete, nos Paços do Concelho, sito na Rua Miguel Bombarda, no Barreiro, perante mim, NIF, Notári_ com Cartório Notarial na, número,

Leia mais

P.º n.º R.P. 136/2011 SJC-CT Justificação notarial. Artigo 99.º, n.º 1 do Código do Notariado. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 136/2011 SJC-CT Justificação notarial. Artigo 99.º, n.º 1 do Código do Notariado. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 136/2011 SJC-CT Justificação notarial. Artigo 99.º, n.º 1 do Código do Notariado. DELIBERAÇÃO A ficha nº..., da freguesia de, do concelho de..., descreve um prédio misto com a área total de

Leia mais

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento Parecer P.º C. C. 73/2012 SJC-CT (Anexo IV) ASSUNTO: Dúvidas Emolumentares decorrentes das alterações introduzidas ao Regulamento Emolumentar dos Registos e do Notariado pelo Decreto-Lei n.º 209/2012,

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P.90/2007 DSJ-CT: Anexação de prédios descritos -recusa. Divergência entre a soma das áreas dos prédios a anexar e a área do prédio resultante da anexação invocação de erro de medição. Operação de

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA ENTRE:

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA ENTRE: CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA ENTRE: ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PRIMEIRA CONTRATANTE: ------------------------------------------------------------------------

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º R. P. 266/2008 SJC-CT: Registabilidade da acção em que a autora, alegadamente proprietária de um prédio urbano, constituído por dois blocos/edifícios, implantado num terreno para construção, descrito

Leia mais

P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER

P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER 1 P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER 1.... vem interpor recurso hierárquico da decisão de recusa de conversão da inscrição de aquisição apresentada sob o n.º...,

Leia mais

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA Disponíveis ou a disponibilizar no site www.predialonline.mj.pt os seguintes serviços: Certidão permanente Anúncio para a manifestação do direito legal de preferência Pedidos

Leia mais

P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT:

P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT: P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT: Cancelamento do registo de aquisição, por arrematação em execução fiscal. Sentido e alcance da decisão do Tribunal Tributário de 1ª instância que declara suspensa a execução

Leia mais

DISTRITO: 01 - AVEIRO CONCELHO: 10 - ILHAVO FREGUESIA: 03 - GAFANHA DA NAZARE SECÇÃO: ARTIGO MATRICIAL Nº: 3117 ARV: NOME/LOCALIZAÇÃO PRÉDIO

DISTRITO: 01 - AVEIRO CONCELHO: 10 - ILHAVO FREGUESIA: 03 - GAFANHA DA NAZARE SECÇÃO: ARTIGO MATRICIAL Nº: 3117 ARV: NOME/LOCALIZAÇÃO PRÉDIO CADERNETA PREDIAL RÚSTICA Modelo A SERVIÇO DE FINANÇAS: 0108 - ILHAVO IDENTIFICAÇÃO DO PRÉDIO DISTRITO: 01 - AVEIRO CONCELHO: 10 - ILHAVO FREGUESIA: 03 - GAFANHA DA NAZARE SECÇÃO: ARTIGO MATRICIAL Nº:

Leia mais

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra. Despacho:

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra. Despacho: 1/5 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) RENDIMENTOS ENGLOBADOS. RENDAS (Rendimento ilíquido) TITULAR Parte % TOTAL (ou a transportar)

IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) RENDIMENTOS ENGLOBADOS. RENDAS (Rendimento ilíquido) TITULAR Parte % TOTAL (ou a transportar) MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2011 ORIGINAL PARA A DGCI Os dados recolhidos são processados automaticamente, destinando-se à prossecução das atribuições legalmente cometidas à administração fi

Leia mais

NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE UM SEMI- REBOQUE

NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE UM SEMI- REBOQUE NORMAS APLICÁVEIS À ALIENAÇÃO EM HASTA PÚBLICA DE UM SEMI- REBOQUE ÍNDICE 1 Identificação da Entidade Alienante 2 Objeto 3 Consulta do processo 4 Condições de admissão à Hasta Pública 5 Documentos de habilitação

Leia mais

P.º n.º R.P. 10/2012 SJC-CT Repúdio da herança. Legitimidade Caducidade do direito de aceitação. Eficácia do repúdio. PARECER

P.º n.º R.P. 10/2012 SJC-CT Repúdio da herança. Legitimidade Caducidade do direito de aceitação. Eficácia do repúdio. PARECER P.º n.º R.P. 10/2012 SJC-CT Repúdio da herança. Legitimidade Caducidade do direito de aceitação. Eficácia do repúdio. ativa. PARECER 1. Pela ap., de 2011/11/14, foi pedido na conservatória do registo predial

Leia mais

Município de Espinho. Câmara Municipal. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor A da Feira Semanal

Município de Espinho. Câmara Municipal. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor A da Feira Semanal Concorrentes 1- Podem candidatar-se ao sorteio as pessoas singulares ou colectivas que sejam portadoras do cartão do cartão de feirante ou do comprovativo do pedido de cartão de feirante ou ainda do título

Leia mais

Pº R.P. 12/2009 SJC-CT-

Pº R.P. 12/2009 SJC-CT- Pº R.P. 12/2009 SJC-CT- Recusa do pedido de registo com base em culpa leve do serviço de registo Restituição do emolumento - descrição do caso em especial. Relatório: DELIBERAÇÃO Pela Ap. 45, de 11 de

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL E FINANÇAS ~ CONVITE ~

DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL E FINANÇAS ~ CONVITE ~ DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO GERAL E FINANÇAS SERVIÇOS MUNICIPAIS AQUISIÇÃO DE SERVIÇOS EM REGIME DE AVENÇA DE ASSESSORIA E COMUNICAÇÃO DO MUNICÍPIO DE SOURE ~ CONVITE ~ 1. O Município de Soure, pelo

Leia mais

Município de Espinho. Câmara Municipal. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor B da Feira Semanal

Município de Espinho. Câmara Municipal. Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor B da Feira Semanal Município de Espinho Câmara Municipal Procedimento para atribuição, por sorteio, do direito de ocupação dos lugares do Setor B da Feira Semanal Programa de procedimento Secção I Disposições Gerais Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA No dia 22 de setembro de 2016, intervieram no presente contrato os seguintes

CONTRATO DE COMPRA E VENDA No dia 22 de setembro de 2016, intervieram no presente contrato os seguintes CONTRATO DE COMPRA E VENDA ------ No dia 22 de setembro de 2016, intervieram no presente contrato os seguintes outorgantes: --------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Janeiro II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO 1/2005 Proc. nº R.P. 11/2004 DSJ-CT - Registo de acção trato sucessivo 2 Proc. nº R.P. 110/2004 DSJ-CT - Loteamento.

Leia mais

Pº R.P 167/2005 DSJ-CT-

Pº R.P 167/2005 DSJ-CT- Pº R.P 167/2005 DSJ-CT- Pedido de rectificação Averbamento de pendência Despacho de indeferimento liminar Âmbito do recurso hierárquico quanto a despacho de recusa em processo de rectificação Registo de

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P. 129/2007 DSJ-CT Eficácia jurídica retroactiva da personalidade jurídica de sociedade decorrente da natureza constitutiva do registo do contrato Formas de assunção do negócio celebrado entre o momento

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 458/2013. Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal Constitucional

ACÓRDÃO N.º 458/2013. Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal Constitucional Página 1 de 5 [ TC > Jurisprudência > Acordãos > Acórdão 458/2013 ] ACÓRDÃO N.º 458/2013 Processo n.º 420/13 3.ª Secção Relator: Conselheira Catarina Sarmento e Castro Acordam, na 3.ª Secção, do Tribunal

Leia mais

CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 07/05/2016. Direito Privado e Registal. A) Direito Privado

CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 07/05/2016. Direito Privado e Registal. A) Direito Privado CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 07/05/2016 Direito Privado e Registal A) Direito Privado I António, casado com Beatriz, desde Janeiro 1990, no regime de bens supletivo,

Leia mais

PROCEDIMENTO CONCURSAL HASTA PÚBLICA VENDA DE PRÉDIO (URBANO) SITO NA VILA DE MONTE REDONDO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente

PROCEDIMENTO CONCURSAL HASTA PÚBLICA VENDA DE PRÉDIO (URBANO) SITO NA VILA DE MONTE REDONDO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente PROCEDIMENTO CONCURSAL HASTA PÚBLICA VENDA DE PRÉDIO (URBANO) SITO NA VILA DE MONTE REDONDO TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1.º OBJECTO O presente regulamento tem por objeto a venda do seguinte bem:

Leia mais