R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório"

Transcrição

1 1 R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER Relatório 1. Maria.vem apresentar recurso hierárquico da decisão de rejeição das aps. 30, 31 e 32 de / /24 relativas aos registos de aquisição, cancelamento de hipoteca e constituição de usufruto sobre a fracção autónoma descrita sob o n.º 1226/., da freguesia de., concelho de.. 2. À rejeição da apresentação serviu de fundamento o disposto no artigo 66.º/1/e) do Código de Registo Predial (CRP), por não ter sido paga a quantia de 250,00 euros, que se considerou ser devida pelo incumprimento do prazo para promover o registo, pesando o entendimento de que o sujeito da obrigação de registar é a entidade tituladora (dado que o artigo 36.º/3 do Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho, que manda que o disposto no artigo 8.º-B/1/b), do CRP entre em vigor em 1 de Janeiro de 2009, só se aplica às situações de titulação por documento particular autenticado) e de que o prazo para promover o registo é de 10 dias a contar da data do cumprimento das obrigações fiscais, que, neste caso, por se tratar de uma transmissão gratuita, teria de ocorrer depois da titulação. 3. Na perspectiva alinhada no requerimento de recurso, o disposto na alínea b) do n.º 1 do artigo 8.º-B do CRP entra em vigor em 1 de Janeiro de 2009, pelo que, face ao disposto no artigo 8.º-C do Código de Registo Predial (CRP), o prazo para promover o registo começa a correr na data do pagamento das obrigações fiscais, neste caso, a partir de 10/10/ No despacho a que se refere o artigo 142.º-A do CRP, sustenta-se a decisão de rejeição da apresentação, reiterando-se toda a fundamentação contida no despacho inicial. *** O processo é o próprio, a recorrente tem legitimidade, o recurso foi interposto em tempo e não se verificam nulidades, excepções ou questões prévias que obstem ao conhecimento do mérito, pelo que cumpre emitir parecer.

2 2 Fundamentação 1. Considerando que o cancelamento de hipoteca e a constituição de usufruto não assumem autonomia do ponto de vista da obrigatoriedade do registo, o primeiro por estar inserido no «complexo factual» trazido a registo e o segundo por se tratar de facto sujeito a registo oficioso (artigo 97.º do CRP), o facto jurídico que releva para efeitos de verificação da obrigação de registar é apenas a doação titulada por escritura pública. 2. Sendo que o problema dos autos se analisa precisamente na definição do regime de obrigatoriedade (sujeito da obrigação de registar e prazo para promover o registo) que, à luz do disposto nos artigos 8.º-B e seguintes do CRP, caberá aplicar, na certeza de que se trata de facto jurídico sujeito a registo obrigatório, dado ter ocorrido depois de 21 de Julho de 2008 (artigo 8.º-A/1 do CRP e artigos 33.º/1 e 36.º do Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho). 3. Começando pelo sujeito da obrigação de registar, a interpretação que vimos fazendo do disposto no artigo 36.º/3/a), do Decreto-Lei n.º 116/2008 vai no sentido de que as entidades tituladoras só adquirem a qualidade de sujeito da obrigação de registar relativamente a actos (escritura pública, autenticação de documentos ou reconhecimento de assinaturas apostas em documentos particulares) praticados a partir de 1 de Janeiro de Logo, estando em causa uma escritura pública outorgada em 27/8/2008, o sujeito da obrigação de registar só poderá ser aqui o sujeito activo do facto (artigo 8.º-B/1/f), do CRP, na redacção vigente à data do pedido de registo), posto ser o único que se enquadra na ordem de entidades (sujeitos da obrigação de registar) estabelecida nas diversas alíneas do artigo 8.º-B que, ao tempo, se encontrava em vigor. 4. Assim sendo, o prazo para promover o registo há-de localizar-se apenas no âmbito do artigo 8.º-C/1 do CRP, que nos diz que o registo deve ser pedido no prazo de 30 dias a contar da data em que tiverem sido titulados os factos ou da 1 Embora se reconheça que, face ao corpo do preceito legal, algum desajustamento sistemático existe no conteúdo da alínea a) do n.º 3 do artigo 36.º do referido Decreto-Lei, tanto a letra da lei quanto a «ratio» que parece estar-lhe subjacente apontam no sentido interpretativo preconizado no texto (cfr., com mais desenvolvimento, o processo R.P. 278/2008 SJC-CT, publicado na Intranet).

3 3 data do pagamento das obrigações fiscais quando este deva ocorrer depois da titulação, posto que os restantes números do dito artigo se referem a outros factos e/ou outros sujeitos da obrigação de registar Deste modo, a questão que imediatamente se coloca é de saber se este registo de aquisição implica a prova do cumprimento de obrigações que deva ocorrer depois da titulação 2, porquanto desta resposta resultará a definição do termo inicial do prazo para a promoção do registo Ora, como sabemos, por força do disposto nos artigos 1.º/1 e 3/a), 2.º/b), e 3.º/3/a), todos do Código do Imposto de Selo, para efeitos da verba 1.2. da Tabela Geral, são consideradas transmissões gratuitas, designadamente, as que tenham por objecto o direito de propriedade sobre bens imóveis, sendo sujeitos passivos do imposto as pessoas singulares para quem se transmitam os bens, às quais, por serem titulares do interesse económico, se atribui igualmente o encargo com o imposto devido Porém, se a transmissão gratuita tiver como sujeito activo ou beneficiário o cônjuge, descendentes ou ascendentes, não haverá já lugar ao pagamento de imposto, dada a isenção subjectiva estipulada no artigo 6.º/e), do CIS, e, por isso, à falta de normativo que determine a verificação e declaração da isenção pelo serviço de finanças onde for apresentada a declaração prevista nos artigos 26.º, 27.º e 28.º do CIS 3, o prazo para promoção do registo não dependerá já, nestes casos, do momento da instauração do processo de liquidação deste encargo fiscal (artigo 72.º/3, do CRP) Assim, porque, de acordo com as declarações produzidas na escritura pública junta ao registo, o beneficiário da doação é filho dos doadores, o momento 2 Como se disse no processo R.P. 106/2009 SJC-CT, as obrigações fiscais relevantes para efeitos da contagem do prazo previsto no artigo 8.º-C/1, do CRP são apenas aquelas que, devendo ser cumpridas após a titulação do facto, não devam ser indiferentes no âmbito da qualificação do registo, ou seja, as que, nos termos do artigo 72.º do CRP, tenham de ser comprovadas no processo de registo. 3 Como acontece com as isenções de reconhecimento automático indicadas no artigo 10.º/8 do CIMT, cuja verificação e declaração compete agora ao serviço de finanças onde for apresentada a declaração prevista no n.º 1 do artigo 19.º do mesmo Código (cfr. as alterações ao CIMT introduzidas pela Lei n.º 64-A/2008, de 31 de Dezembro). 4 Cfr., neste sentido, o ponto 4 da deliberação proferida no processo RP 262/2008 DSJ-CT, disponível na Intranet.

4 4 relevante para efeitos de início da contagem do prazo para promoção do registo será a data em que o negócio jurídico tiver sido titulado, e é justamente o momento da titulação o que, para resolução do problema dos autos, nos interessa agora apurar Compulsando os termos da aludida escritura pública, temos que a mesma representa a formalização de um contrato de doação celebrado entre pais (os primeiros outorgantes) e filho (o terceiro outorgante) de que constituem objecto material vários prédios e fracções autónomas Por conter, além disso, a justificação simultânea de algumas das verbas doadas (artigo 93.º do CN), nas quais não se inclui a fracção autónoma a que se refere o registo dos autos, foi a dita escritura pública publicada, em 4 de Setembro de 2008, por meio de extracto do conteúdo atinente à justificação, pelo que só decorridos 30 dias sobre a data em que o referido extracto foi publicado e perante a ausência de comunicação de pendência da impugnação a que alude o artigo 101.º/1, do CN foi possível emitir certidão da escritura de justificação (artigo 101.º/1 do CN) Trata-se, portanto, de um acto notarial que apresenta algumas especificidades, posto que exige, pelo menos, como formalidades posteriores, a publicação de extracto do seu conteúdo e o decurso do prazo de 30 dias a partir da data da publicação, sem que tenha sido recebida comunicação da pendência da impugnação, para, uma vez «estabilizado» o seu conteúdo, poder operar os seus efeitos e, nomeadamente, admitir uma normal emissão de certidão E, sendo a justificação simultânea do direito do transmitente um pressuposto da formalização do negócio jurídico correspondente à doação (artigos 55.º/b) e 93.º do CN e artigo 9.º/3 do CRP), bem se compreende que também não possam ser extraídas certidões da escritura na parte relativa a este acto jurídico, porquanto também os termos em que o mesmo se encontra formalizado e a determinação da sua eficácia dependerão do desfecho de uma eventual impugnação do facto justificado (artigo 101.º/5) do CN). 5 Claro que se houver impugnação do facto justificado, o desfecho da acção respectiva será averbado à escritura pública (artigo 131.º/1/d), do CN), sendo que as certidões só poderão então ser passadas depois de efectuado o aludido averbamento (artigo 101.º/4 do CN).

5 Não obstante a distinção que sempre se deve fazer entre a forma do acto jurídico doação e as formalidades que funcionalmente o acompanham 6, cremos que o preceituado nos artigos 100.º e 101.º do CN não pode deixar de ser considerado como fazendo parte do processo tendente à titulação do acto de alienação E por isso, na contagem do prazo previsto no artigo 8.º-C/1, do CRP, que tenha como termo inicial a data em que tiverem sido titulados os factos, haverá que ter em conta, nestes casos, o momento em que estejam observados todos os requisitos legais, a saber, a realização da escritura pública, a publicação do extracto e o decurso do prazo de 30 dias sobre a data desta publicação sem que haja sido recebida comunicação da pendência da impugnação, ou, caso tenha havido impugnação, a feitura do averbamento da decisão definitiva da acção Por outro lado, embora o objecto da doação seja também constituído por bens imóveis cujos direitos se encontram legitimados pelo registo e que, portanto, não são abrangidos pela justificação 8, o certo é que, a despeito dos múltiplos efeitos que pode produzir, designadamente, ao nível da transferência de tantos direitos de propriedade quantos os bens envolvidos, a doação constitui um único acto jurídico No dizer de Pedro Pais de Vasconcelos, Teoria Geral do Direito Civil, 4.ª edição, p. 704, as formalidades «são actos ou factos complementares cuja satisfação ou verificação são exigidas para a prática do acto ou para a celebração do negócio», e «podem ser anteriores, concomitantes ou posteriores à celebração do negócio», mas não se confundem com a forma, que é «o modo como o acto e o negócio se manifestam ou exteriorizam»; as formalidades «são actos acessórios, que estão funcionalmente ligados ao negócio mas que dele não fazem parte. Acompanham-no mas não se identificam com ele, nem são por ele englobados». 7 Se tiver havido impugnação em juízo do facto justificado, as consequências que daí advierem ao nível da prova do direito do justificante e, em caso de justificação simultânea, da legitimação desse direito, terão, naturalmente, de ser ponderadas, posto que o facto jurídico só poderá produzir efeitos jurídicos relevantes para o registo se da acção não resultar declarado um valor negativo, quer do título quer dos actos jurídicos nele contidos, com referência ao objecto mediato do registo (prédio ou direito alienado). 8 Em princípio, à produção do efeito translativo do direito sobre bens com inscrição de aquisição em vigor a favor do alienante será indiferente o resultado de uma eventual impugnação da escritura de justificação. 9 Como refere Carvalho Fernandes, Teoria Geral do Direito Civil, II, 3.ª edição revista e actualizada, pp.11 e ss., «os factos são sempre eventos do mundo real (natural ou humano) que o Direito toma como causa de certas consequências juridicamente atendíveis», sendo os efeitos jurídicos

6 6 6. Dando então por assente que o processo formal tendente à exteriorização do negócio jurídico e à satisfação de todas as formalidades que funcionalmente o acompanham culminou, neste caso, com o decurso do prazo a que alude o artigo 101.º/2, do CN, o prazo para promover o registo ter-se-á iniciado em 7/10/2008 (artigo 279.º/e) do CC) e, como tal, sendo de 30 dias, ainda não havia expirado no momento da apresentação do registo de aquisição, em 24/10/2008. *** Pelo exposto, falhando fundamento para manter a decisão de rejeição das apresentações, propomos a procedência da impugnação e firmamos as seguintes CONCLUSÕES I- As entidades que realizem a escritura pública, a autenticação do documento particular ou o reconhecimento de assinaturas apostas em documento particular de titulação de facto jurídico sujeito a registo obrigatório (artigo 33.º/1, do Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho) só são sujeitos da obrigação de registar em relação aos actos praticados a partir de 1 de Janeiro de 2009 (artigo 36.º/3/a), do referido diploma legal). «consequências desses factos, com correspondência maior ou menor na vida social, que o Direito acolhe sob a sua tutela». Numa noção mais rigorosa, diz o autor, o facto jurídico, ou noutra expressão, o facto jurígena poderá ser definido como o evento a que a norma jurídica atribui efeitos de direito, sendo que «na mole imensa dos factos jurídicos» surge a categoria mais bem delimitada do acto jurídico, que, atenta a sua voluntariedade, pode ser definido como «a manifestação de vontade a que, como tal, a norma atribui efeitos de direito». 10 Acresce que, apesar de as formalidades previstas no artigo 100.º e 101.º do CN estarem relacionadas com o direito justificado, e, assim, poderem atingir apenas a parte do negócio jurídico de alienação que respeite a imóveis sem inscrição de aquisição em vigor a favor do alienante, o acto notarial não deixa de ser uno, estando o âmbito da sua eficácia e a «estabilização» do seu conteúdo dependentes, pelo menos para efeitos de prova, do completamento daquelas formalidades.

7 7 II- O registo obrigatório de doação titulada por escritura pública anterior a 1 de Janeiro de 2009, de que conste a justificação simultânea do direito do doador (artigo 93.º do Código do Notariado), deve ser pedido pelo sujeito activo do facto (artigo 8.º-B/1/f) do CRP) no prazo de 30 dias a contar da data em que se completem as formalidades previstas no artigo 101.º do mesmo Código, salvo quando houver lugar ao cumprimento de obrigações fiscais que deva ocorrer depois da titulação, caso em que o registo deverá ser pedido no prazo de 30 dias a contar da data desse cumprimento. III- Mas, se tiver havido impugnação do facto justificado (artigo 101.º/1 do Código do Notariado), a questão da obrigatoriedade do registo só assume relevância se nenhuma invalidade absoluta, insanável e de eficácia automática resultar da decisão judicial definitiva da respectiva acção, designadamente, com referência ao objecto mediato do registo Parecer aprovado em sessão do Conselho Técnico de 21 de Outubro de Maria Madalena Rodrigues Teixeira, relatora, Maria Eugénia Cruz Pires dos Reis Moreira, Luís Manuel Nunes Martins, Isabel Ferreira Quelhas Geraldes, António Manuel Fernandes Lopes, João Guimarães Gomes de Bastos, José Ascenso Nunes da Maia. Este parecer foi homologado pelo Exmo. Senhor Presidente em

P.ºR.P. 264/2008 SJC-CT - Registo de aquisição com base em partilha Obrigação de registar: prazo. PARECER Relatório

P.ºR.P. 264/2008 SJC-CT - Registo de aquisição com base em partilha Obrigação de registar: prazo. PARECER Relatório P.ºR.P. 264/2008 SJC-CT - Registo de aquisição com base em partilha Obrigação de registar: prazo. PARECER Relatório 1. Adelino vem apresentar recurso hierárquico da decisão de rejeição da ap.9 de 2008/

Leia mais

N/Referência: P.º C.P. 41/2016 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º C.P. 41/2016 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 10/ CC /2017 N/Referência: P.º C.P. 41/2016 STJ-CC Data de homologação: 20-01-2017 Consulente: Setor Técnico-Jurídico dos Serviços de Registo (STJSR). Assunto:

Leia mais

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório 1. Em 01/09/2008 foi apresentado, na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

Pº C.P. 35/2009 SJC-CT-

Pº C.P. 35/2009 SJC-CT- Pº C.P. 35/2009 SJC-CT- Gratuitidade prevista no nº 3 do art. 33º do referido D.L. nº 116/2008 - Pedidos efectuados para lá dos prazos previstos para o cumprimento atempado da obrigação de registar Agravamento

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CUBA PREÂMBULO

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CUBA PREÂMBULO PREÂMBULO Com a Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, regulam-se as relações jurídico-tributárias geradoras da obrigação de pagamento de taxas às autarquias locais pelas pessoas singulares ou colectivas

Leia mais

P.ºR.P. 106/2009 SJC-CT- Registo de aquisição com base em acordo de partilha em processo de inventário Obrigação de registar: prazo.

P.ºR.P. 106/2009 SJC-CT- Registo de aquisição com base em acordo de partilha em processo de inventário Obrigação de registar: prazo. P.ºR.P. 106/2009 SJC-CT- Registo de aquisição com base em acordo de partilha em processo de inventário Obrigação de registar: prazo. PARECER Relatório 1. Maria vem apresentar reclamação da conta do acto

Leia mais

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO 1., advogado, apresentou na Conservatória do Registo Predial de, no dia de de ( Ap. ), um pedido de registo a que chamou

Leia mais

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Registos e Notariado ª Edição. Actualização nº 2

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Registos e Notariado ª Edição. Actualização nº 2 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Registos e Notariado 2011 13ª Edição Actualização nº 2 1 [1] Código do Trabalho REGISTOS E NOTARIADO Actualização nº 2 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR

Leia mais

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto*

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* O Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT P.º R. P. 184/2009 SJC-CT Transferência de património, ao abrigo do D. L. n.º 112/2004 de 13 de Maio, entre dois organismos integrantes do sistema de segurança social, o Instituto da... e o Instituto Recusa

Leia mais

P.º R.P. 159/2009 SJC-CT- Registo de aquisição com base em partilha Obrigação de registar: prazo

P.º R.P. 159/2009 SJC-CT- Registo de aquisição com base em partilha Obrigação de registar: prazo P.º R.P. 159/2009 SJC-CT- Registo de aquisição com base em partilha Obrigação de registar: prazo PARECER Relatório 1. Adelino vem apresentar reclamação da conta do acto de registo pedido a coberto da ap.27

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO 1. Indicando como objecto mediato o prédio descrito sob o nº... da freguesia de..., o recorrente apresentou na Conservatória do Registo

Leia mais

Diploma. Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis

Diploma. Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis Diploma Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis Portaria n.º 794-B/2007 de 23 de Julho O Decreto-Lei n.º 263-A/2007, de 23 de Julho, veio criar um procedimento

Leia mais

P. n.º CP 163/2009 SJC-CT Hipoteca voluntária. Identificação dos sujeitos passivos. PARECER

P. n.º CP 163/2009 SJC-CT Hipoteca voluntária. Identificação dos sujeitos passivos. PARECER P. n.º CP 163/2009 SJC-CT Hipoteca voluntária. Identificação dos sujeitos passivos. PARECER 1. A propósito de um concreto acto de registo promovido por notário, na qualidade de entidade tituladora e em

Leia mais

P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER

P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER 1 P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER 1.... vem interpor recurso hierárquico da decisão de recusa de conversão da inscrição de aquisição apresentada sob o n.º...,

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 66/ CC /2016 N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: 16-12-2016 Recorrente:..-ALUGUER DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, LDA Recorrido: Conservatória

Leia mais

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT:

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: Renovação de registo provisório de aquisição lavrado com base em contrato-promessa de alienação. Documento comprovativo do consentimento das partes. Declarações complementares

Leia mais

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT - 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT Recorrente: Joaquim. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial do. Acto impugnado: Indeferimento liminar de pedidos de rectificação das inscrições 3 e 4 relativas à sociedade

Leia mais

Prazo para promover o registo Aquisição Bens futuros Plano de Pormenor Loteamento. PARECER. Relatório

Prazo para promover o registo Aquisição Bens futuros Plano de Pormenor Loteamento. PARECER. Relatório N.º 54/ CC /2014 N/Referência: PROC.: C. P. 63/2013 STJ-CC Data de homologação: 20-10-2014 Consulente: Conservatória do Registo Predial de. Assunto: Termo inicial do prazo para promover o registo de aquisição

Leia mais

Pronúncia. A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação

Pronúncia. A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação Pº C.Co. 34/2011 SJC-CT Relatório Em relatório elaborado no âmbito de auditoria levada a cabo à actuação de um conjunto de conservatórias, quanto ao dever de fiscalizar o cumprimento da obrigação de promover

Leia mais

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos.

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. Proc. C.C. 109/2010 SJC CT Deliberação Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. O Consulado de Portugal em B., Brasil, atento o despacho n.º

Leia mais

autónoma; e que o prazo último e final para a outorga da escritura termina em 31 de Dezembro de 2011.

autónoma; e que o prazo último e final para a outorga da escritura termina em 31 de Dezembro de 2011. 1 P.º n.º R.P. 19/2011 SJC-CT Contrato-promessa. Aquisição. Registo provisório. Celebração do contrato prometido. Prazo. Interpretação dos artigos 47.º, n.º 4 e 92.º, n.º 4 do Código do Registo Predial.

Leia mais

REGULAMENTO DE TAXAS, LICENÇAS E SERVIÇOS DA JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARIA DOS OLIVAIS. Preâmbulo

REGULAMENTO DE TAXAS, LICENÇAS E SERVIÇOS DA JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARIA DOS OLIVAIS. Preâmbulo REGULAMENTO DE TAXAS, LICENÇAS E SERVIÇOS DA JUNTA DE FREGUESIA DE SANTA MARIA DOS OLIVAIS Preâmbulo A Tabela de Taxas de Atestados em vigor foi aprovada por deliberação de Junta em 23/11/99 e por deliberação

Leia mais

REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em )

REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em ) PREÂMBULO REGULAMENTO DE TARIFAS E PREÇOS DE MUNICÍPIO DE BEJA (aprovado pela Câmara Municipal de Beja em 27-11- 2011) A presente Tabela de Tarifas e Preços do Município de Beja e respectivo regulamento

Leia mais

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA Disponíveis ou a disponibilizar no site www.predialonline.mj.pt os seguintes serviços: Certidão permanente Anúncio para a manifestação do direito legal de preferência Pedidos

Leia mais

Lei n.º 64/2014, de Crédito Bonificado Pessoa com deficiência Ónus de inalienabilidade. PARECER. Relatório

Lei n.º 64/2014, de Crédito Bonificado Pessoa com deficiência Ónus de inalienabilidade. PARECER. Relatório DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 8/ CC /2016 N/Referência: P.º C.P. 53/2015 STJ-CC Data de homologação: 07-01-2016 Consulente: Setor Técnico-Jurídico dos Serviços de Registo (STJSR). Assunto:

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

Imposto do selo especial sobre a transmissão de bens imóveis destinados a habitação

Imposto do selo especial sobre a transmissão de bens imóveis destinados a habitação Imposto do selo especial sobre a transmissão de bens imóveis destinados a habitação Grupo de Trabalho para a Promoção do Desenvolvimento Sustentável do Mercado Imobiliário Objectivo da criação do imposto

Leia mais

Pº R.P. 12/2009 SJC-CT-

Pº R.P. 12/2009 SJC-CT- Pº R.P. 12/2009 SJC-CT- Recusa do pedido de registo com base em culpa leve do serviço de registo Restituição do emolumento - descrição do caso em especial. Relatório: DELIBERAÇÃO Pela Ap. 45, de 11 de

Leia mais

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT - Aquisição. Usucapião. Justificação notarial para reatamento do trato sucessivo. Imposto de selo. Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho. Doação. Caducidade do ónus de eventual

Leia mais

P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície.

P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície. P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície. DELIBERAÇÃO 1. O prédio descrito sob nº... da freguesia de foi, na dependência

Leia mais

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de.

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Pº C.Co.53/2010 SJC-CT Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Consulta: Qual a data a considerar como sendo a da designação e da cessação de funções de membros dos órgãos

Leia mais

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: 1. O Decretos-lei n.º 28/2000, de 13 de Março, n.º 237/2001, de 30 de Agosto e n.º 76-A/2006, de 29 de Março atribuíram, nomeadamente, aos advogados e aos solicitadores,

Leia mais

P.º R.P. 83/2009 SJC-CT-

P.º R.P. 83/2009 SJC-CT- P.º R.P. 83/2009 SJC-CT- Registo predial online Erro na indicação do número da descrição do prédio. Documento particular autenticado Suporte e requisitos. PARECER 1. Através do sítio www.predialonline.pt,

Leia mais

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT Pº R.P. 132/2008 SJC-CT - Impugnação de decisão de recusa, consoante respeite a acto de registo nos termos requeridos ou rectificação de registos ( nºs 1 e 2, respectivamente, do art. 140º do C.R.P.) Interpretação

Leia mais

Critérios. Todo o enunciado deve ser entregue juntamente com a(s) respetiva(s) folha(s) de resposta ao exame e faz parte integrante dela(s)

Critérios. Todo o enunciado deve ser entregue juntamente com a(s) respetiva(s) folha(s) de resposta ao exame e faz parte integrante dela(s) Critérios Todo o enunciado deve ser entregue juntamente com a(s) respetiva(s) folha(s) de resposta ao exame e faz parte integrante dela(s) Exame final de estágio para solicitadores (2015/2016) 2.ª Época

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

AVISO REGULAMENTO PARA ALIENAÇÃO DE FOGOS PROPRIEDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTALEGRE NOTA JUSTIFICATIVA

AVISO REGULAMENTO PARA ALIENAÇÃO DE FOGOS PROPRIEDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTALEGRE NOTA JUSTIFICATIVA Publique-se no Diário da República O Presidente da Câmara, AVISO Aprovado pela Câmara Municipal de Portalegre em sua reunião ordinária, realizada em 12 de Novembro de 2003 e pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer Proc. R.C. 3/2008 SJC CT Parecer Recurso hierárquico. Aquisição da nacionalidade portuguesa por efeito de adopção por decisão transitada em julgado antes da entrada em vigor da Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro.

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO 1. No âmbito de procedimento casa pronta 1, a Senhora Notária Afecta à

Leia mais

3 - Documentos particulares autenticados e termos de autenticação

3 - Documentos particulares autenticados e termos de autenticação 3 - Documentos particulares autenticados e termos de autenticação Cumprimento das formalidades comuns aplicáveis (151º - 1 e 46º -1 a) a n) CN): - Data - Identificação titulador - Identificação intervenientes

Leia mais

Apreciação. câmaras municipais acaba por se perder perante a dúvida que a informação entretanto reunida no processo

Apreciação. câmaras municipais acaba por se perder perante a dúvida que a informação entretanto reunida no processo P.º n.º R.P. 189/2010 SJC-CT Escritura pública realizada por notário privativo de câmara municipal. Lei n.º 12-A/2008 de 27 de Fevereiro. Valor probatório do documento. PARECER 1. A coberto da ap., de

Leia mais

Guia de Permuta de Imóveis

Guia de Permuta de Imóveis Guia de Permuta de Imóveis Portal Imobiliário CasaYES Todos os direitos reservados 1 Vai Permutar a sua Casa? Casa? Preste atenção ao seguinte! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos

Leia mais

FREGUESIA DE PAREDES DE VIADORES E MANHUNCELOS. REGULAMENTO e TABELA GERAL de TAXAS E LICENÇAS

FREGUESIA DE PAREDES DE VIADORES E MANHUNCELOS. REGULAMENTO e TABELA GERAL de TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO e TABELA GERAL de TAXAS E LICENÇAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n 2 do artigo 17º conjugada com a alínea b) do n 5 do artigo 34º da Lei das Autarquias Locais (Lei n

Leia mais

Exame de Estágio Época Especial. Direito Fiscal. I Grupo

Exame de Estágio Época Especial. Direito Fiscal. I Grupo Exame de Estágio Época Especial Direito Fiscal I Grupo Casimiro (promitente vendedor), celebrou um contrato de promessa de compra e venda, com Duarte (promitente comprador), no qual existia uma cláusula

Leia mais

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT -Transacção judicial Registo de aquisição Título Reconhecimento do direito de propriedade Trato sucessivo Obrigações fiscais. DELIBERAÇÃO Vem o presente recurso hierárquico interposto

Leia mais

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT-

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- Fixação do sentido e alcance da norma contida no n.º 5 do artigo 31.º do D. L. 287/2003, de 12/11 Reconhecimento ao interessado da possibilidade de requerer hoje a liquidação

Leia mais

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT Prédio inscrito a favor dos autores da herança. Pagamento das dívidas destes. Penhora. Habilitação dos herdeiros. Identificação dos sujeitos. Documento bastante. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO Sobre o prédio da ficha nº, da freguesia de..., da Conservatória do Registo Predial de prédio urbano situado na Rua...,, inscrito

Leia mais

Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de.

Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Registo a qualificar: Transmissão de dívida com hipoteca a favor de P Sociedade

Leia mais

N/Referência: C. Co. 15/2016 STJSR-CC Data de homologação: Relatório. Pronúncia

N/Referência: C. Co. 15/2016 STJSR-CC Data de homologação: Relatório. Pronúncia DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 32/ CC /2016 N/Referência: C. Co. 15/2016 STJSR-CC Data de homologação: 29-07-2016 Consulente: Serviços Jurídicos. Assunto: Palavras-chave: Regime especial

Leia mais

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados.

Não dispensa a consulta do Diário da República Imojuris. Todos os direitos reservados. REGIME ESPECIAL APLICÁVEL AOS FUNDOS DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL E ÀS SOCIEDADES DE INVESTIMENTO IMOBILIÁRIO PARA ARRENDAMENTO HABITACIONAL Aprovado pelos artigos 102.º a

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL (14.ª Edição) Errata Código do Registo Predial 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL Errata BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Rua Fernandes Tomás, n.ºs 76, 78, 80 3000-167

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

Artigo 3.º Uso a que se destina o prédio

Artigo 3.º Uso a que se destina o prédio CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DO PRÉDIO SITO EM PENELA, FREGUESIA DE SÃO MIGUEL, CONCELHO DE PENELA, DESTINADO A CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO DA CASA DE CHÁ FREIRE GRAVADOR As presentes condições de venda

Leia mais

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 Foi solicitado à ASCR pelo Dr. Inácio Peres uma breve exposição sobre algumas questões notariais e registrais no âmbito da insolvência. Como

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 217/2006 DSJ-CT- Cancelamento de registo de hipoteca Título para registo Requerimento dirigido ao conservador, invocativo da prescrição Recusa. Relatório: DELIBERAÇÃO Do prédio urbano descrito

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. N. o de Julho de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 9969

MINISTÉRIO DA SAÚDE. N. o de Julho de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 9969 N. o 130 8 de Julho de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA II SÉRIE 9969 5) Equipa de Relações Internacionais Ana Carmo Moreira Manuel (chefe de equipa); 6) Equipa de Histórico de Remunerações Lúcia Agostinho Fernandes

Leia mais

CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017. «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal

CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017. «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017 «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal A) Direito Privado I (6 v.) a) (1 valor) A cláusula é válida,

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE)

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) ORDEM DOS ADVOGADOS CNEF / CNA Comissão Nacional de Estágio e Formação / Comissão Nacional de Avaliação PROVA ESCRTA NACONAL DO EXAME FNAL DE AVALAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) GRELHAS DE CORRECÇÃO ÁREAS OPCONAS

Leia mais

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO A. A ficha informática da freguesia de, do concelho da que descreve o 1º andar

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMPA, Eng.º António Rebelo. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.03.15 N/Ref.ª: (...) S/Ref.ª: ( ) Porto,

Leia mais

Foi publicada no último dia de 2008, a Lei n.º 64-A/2008 de 31 de Dezembro (Lei que aprova o Orçamento do Estado para 2009).

Foi publicada no último dia de 2008, a Lei n.º 64-A/2008 de 31 de Dezembro (Lei que aprova o Orçamento do Estado para 2009). O OE 2009 e os advogados Caros Colegas Foi publicada no último dia de 2008, a Lei n.º 64-A/2008 de 31 de Dezembro (Lei que aprova o Orçamento do Estado para 2009). O Conselho Distrital do Porto promoveu,

Leia mais

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

Legislação. Resumo: Despacho que aprova as tabelas de retenção de IRS na fonte para vigorarem durante o ano de 2016 na Região Autónoma da Madeira.

Legislação. Resumo: Despacho que aprova as tabelas de retenção de IRS na fonte para vigorarem durante o ano de 2016 na Região Autónoma da Madeira. MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Despacho n.º 1/2016/M, de 26 de janeiro Estado: vigente

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- [nome completo], portador do cartão de cidadão

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto Diploma Aprova a declaração modelo 2, o modelo do recibo eletrónico de quitação de rendas e a declaração modelo 44, previstos no Código do Imposto do Selo e no Código do IRS Portaria n.º 98-A/2015 de 31

Leia mais

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto

Diploma DRE. Capítulo I. Modelos oficiais. Artigo 1.º. Objeto Diploma Aprova a declaração modelo 2, o modelo do recibo eletrónico de quitação de rendas e a declaração modelo 44, previstos no Código do Imposto do Selo e no Código do IRS Portaria n.º 98-A/2015 de 31

Leia mais

N/Referência: PROC.: C. Bm. 18/2014 STJ-CC Data de homologação: 19-09-2014. Relatório

N/Referência: PROC.: C. Bm. 18/2014 STJ-CC Data de homologação: 19-09-2014. Relatório N.º 49/ CC /2014 N/Referência: PROC.: C. Bm. 18/2014 STJ-CC Data de homologação: 19-09-2014 Consulente: Conservatória do Registo Automóvel de. Recorrido: Assunto: Registo de propriedade adquirida por via

Leia mais

Portaria 279/2013 de 26.08

Portaria 279/2013 de 26.08 Portaria 279/2013 de 26.08 Em destaque : Alterações aos procedimentos para inclusão na lista pública de execuções Artºs 2º, 3º e 4º Início do procedimento : Notificação/citação ( consoante o caso ), de

Leia mais

O Orçamento do Estado Fevereiro de 2016

O Orçamento do Estado Fevereiro de 2016 O Orçamento do Estado 2016 11 Fevereiro de 2016 Índice I. Imposto do Selo II. Imposto Municipal sobre Imóveis III. Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis 2 Orçamento de Estado 2016

Leia mais

CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA ENTRE OITANTE, S.A. E

CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA ENTRE OITANTE, S.A. E CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA ENTRE OITANTE, S.A. E [ ] 1 CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: OITANTE, S.A., com sede na Avenida José Malhoa, 22, Lisboa, freguesia de Campolide, concelho de

Leia mais

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento Parecer P.º C. C. 73/2012 SJC-CT (Anexo IV) ASSUNTO: Dúvidas Emolumentares decorrentes das alterações introduzidas ao Regulamento Emolumentar dos Registos e do Notariado pelo Decreto-Lei n.º 209/2012,

Leia mais

22 de julho de 2016 Número 128

22 de julho de 2016 Número 128 22 de julho de 2016 3 SECRETARIA REGIONAL DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Despacho n.º 301/2016 Em execução do disposto no Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) assim

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas

Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas Regulamento de Matrículas, Inscrições e Propinas I - Matrículas 1. A matrícula é o acto administrativo, a realizar no início de cada ano lectivo e que confere ao estudante o direito a ingressar no estabelecimento

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

QUADRO LEGISLATIVO. SECÇÃO VIII Reconhecimentos. Artigo 153.º Espécies

QUADRO LEGISLATIVO. SECÇÃO VIII Reconhecimentos. Artigo 153.º Espécies QUADRO LEGISLATIVO DL n.º 250/96, de 24 de Dezembro: Altera o Código do Notariado (aprovado pelo Decreto-Lei n.º 207/95, de 14 de Agosto) e procede à abolição dos reconhecimentos notariais de letra e de

Leia mais

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS (Nos termos do nº3 do artº 92º do Decreto-Lei nº 169/99, de 18/09) --------- Reunião de 8 de Julho de 2008 --------- --- CANDIDATURA AO PROGRAMA

Leia mais

Legislação. Resumo: Despacho que aprova as novas tabelas de retenção na fonte na Região Autónoma dos Açores

Legislação. Resumo: Despacho que aprova as novas tabelas de retenção na fonte na Região Autónoma dos Açores MOD. 4.3 Classificação: 0 6 0. 0 1. 0 1 Segurança: P úbl i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Diploma Despacho n.º 6131-A/2015, 4 de junho Estado: vigente Legislação

Leia mais

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Rui Duarte Morais 1 QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Compensação por Iniciativa do Contribuinte 2 Artigo 90º n.º 1 C.P.P.T. A compensação com créditos

Leia mais

P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo.

P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo. 1 P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo. PARECER 1. A coberto da ap...., de / /, foi pedido o registo de aquisição

Leia mais

Exame final de estágio para solicitadores (2015/2016) 2.ª Época. Grupo I (14 valores)

Exame final de estágio para solicitadores (2015/2016) 2.ª Época. Grupo I (14 valores) Todo o enunciado deve ser entregue juntamente com a(s) respetiva(s) folha(s) de resposta ao exame e faz parte integrante dela(s) Exame final de estágio para solicitadores (2015/2016) 2.ª Época Grupo I

Leia mais

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração

LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade. CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração LITHO FORMAS, S.A. Contrato de Sociedade CAPÍTULO I Denominação social, forma e duração Artigo 1º 1. A sociedade tem a denominação de Litho Formas, S.A., e teve o seu início em 5 de Dezembro de 1966. 2.

Leia mais

Desenvolvimento Económico REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA

Desenvolvimento Económico REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA O licenciamento da localização, construção e instalação dos estabelecimentos será feito em conformidade

Leia mais

Anexo 11. Garantia Bancária referente à Caução

Anexo 11. Garantia Bancária referente à Caução Anexo 11 Garantia Bancária referente à Caução O Banco [ ], com sede em [ ], NIPC [ ], com o capital social [integralmente realizado] de [ ], representado por [ ], na qualidade de [ ], com poderes para

Leia mais

Ministério da Indústria

Ministério da Indústria Ministério da Indústria Assembleia Nacional Lei n.º 10/94 31 de Agosto de 2008 O processo de redimensionamento do sector empresarial do Estado teve até agora como principal suporte legais o Decreto n.º

Leia mais

P.ºs n.ºs 205 e 205-A/2009 SJC-CT Transmissão de créditos hipotecários. Imposto do selo. (in)aplicabilidade da verba 17.1 da TGIS.

P.ºs n.ºs 205 e 205-A/2009 SJC-CT Transmissão de créditos hipotecários. Imposto do selo. (in)aplicabilidade da verba 17.1 da TGIS. P.ºs n.ºs 205 e 205-A/2009 SJC-CT Transmissão de créditos hipotecários. Imposto do selo. (in)aplicabilidade da verba 17.1 da TGIS. DELIBERAÇÃO Do numeroso conjunto de créditos que por escritura de / /

Leia mais

do CRP, ou seja, 30 dias a contar da data da titulação dos factos ou da data do pagamento das obrigações fiscais, quando haja lugar às mesmas.

do CRP, ou seja, 30 dias a contar da data da titulação dos factos ou da data do pagamento das obrigações fiscais, quando haja lugar às mesmas. P.º n.º RP 169/2010 SJC-CT Obrigação de registar. Prédio indevidamente identificado no pedido de registo. Artigo 73.º, n.º 7 do Código do Registo Predial. PARECER 1. Em / /, foi pedido por via electrónica

Leia mais

FREGUESIA DE MONCHIQUE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

FREGUESIA DE MONCHIQUE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE MONCHIQUE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS DA FREGUESIA DE MONCHIQUE Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do nº 2 do artigo 17º, conjugadas

Leia mais

Quadro: Consultar documento em PDF relativo ao Jornal Oficial I Série Nº 3 de S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA, S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS

Quadro: Consultar documento em PDF relativo ao Jornal Oficial I Série Nº 3 de S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA, S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS Quadro: Consultar documento em PDF relativo ao Jornal Oficial I Série Nº 3 de 16-1-2003. S.R. DA EDUCAÇÃO E CULTURA, S.R. DOS ASSUNTOS SOCIAIS Portaria Nº 2/2003 de 16 de Janeiro A tabela de comparticipações

Leia mais

DECRETO N.º 89/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 89/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 89/XII Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares, o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas, o Código do Imposto do Selo e a Lei Geral Tributária

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 90/2016, 1º Suplemento, Série II de , páginas (2) a (5)

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 90/2016, 1º Suplemento, Série II de , páginas (2) a (5) Classificação: 060.01.01 Segurança: Pública Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma - Despacho n.º 6201-A/2016, de 10 de maio Estado: vigente Resumo: Despacho

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE BILHETES PARA ESPECTÁCULOS OU DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM AGÊNCIAS OU POSTOS DE VENDA

REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE BILHETES PARA ESPECTÁCULOS OU DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM AGÊNCIAS OU POSTOS DE VENDA REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE BILHETES PARA ESPECTÁCULOS OU DIVERTIMENTOS PÚBLICOS EM AGÊNCIAS OU POSTOS DE VENDA (Aprovado na 24ª Reunião Ordinária de Câmara Municipal realizada em 16 de Dezembro

Leia mais

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Os actos praticados pelo advogado no uso da competência que lhe é atribuída pelo artº 38º do Dec-Lei nº 76-A/2006, bem como os documentos que os formalizam, porque

Leia mais

Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES:

Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES: Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES: 1 - A decisão que venha a ser proferida no processo deve fixar a compensação que é devida ao patrono nomeado sempre que o beneficiário do apoio judiciário beneficie

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º n.º R. P. 188/2008 SJC-CT- Escritura de revogação de justificação notarial. Cancelamento do registo de aquisição titulado por escritura de justificação. Direitos inscritos a favor de terceiros. DELIBERAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. N. o de Dezembro de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 7077

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA ECONOMIA E DA INOVAÇÃO. N. o de Dezembro de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 7077 N. o 239 15 de Dezembro de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 7077 ANEXO N. o 3 Relação dos sujeitos passivos a que respeitam as regularizações [a que se refere a alínea c)don. o 1] Instruções de preenchimento

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 710/11.7 TBVNG - 2º Juízo Cível Insolvente: JOSÉ MANUEL DA SILVA MACEDO Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais