Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório:"

Transcrição

1 P.º R. Co. 4/2007DSJ-CT - Registo da constituição da sociedade e nomeação de gerentes. Título constitutivo omisso quanto à data do encerramento do exercício social e ao número de identificação fiscal da gerente. Suprimento das deficiências do processo de registo. Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório: 1 Em 23 de Janeiro de 2007, na Conservatória do Registo Comercial da..., foi requisitado o registo da constituição da sociedade comercial por quotas «L... Sociedade Unipessoal, Limitada» e nomeação dos gerentes, cujo elenco é integrado por dois elementos o sócio e a mulher. A gerente nomeada é a subscritora do requerimento para registo e indica neste o seu número de identificação fiscal (NIF), embora sem o identificar devidamente uma vez que sinaliza com um x a quadrícula que respeita ao NIPC. Para instruir o aludido pedido juntou certidão da escritura de constituição da sociedade e o respectivo certificado de admissibilidade da firma, dentro do seu prazo de validade. 2 O registo foi lavrado como provisório por dúvidas por não constar do contrato a data de encerramento do exercício social e também porque não foi indicado o número de identificação fiscal da gerente. O Senhor Adjunto apoia-se no disposto nos artigos 49.º do CRC, 9.º, n.º 1, alínea d) e 10.º, alínea b), do RRC, e ainda no despacho do Senhor Director-Geral, proferido no 1 de Setembro de O despacho de qualificação não mereceu concordância da interessada que, inconformada, o impugnou nos termos e com os fundamentos que aqui se dão por integralmente reproduzidos, dos quais destacamos, em particular, os seguintes: 3.1 Não constando da escritura a data do encerramento do exercício social, e não sendo obrigatório que conste nos casos em que coincide com o ano civil, como decorre do disposto na alínea i) do n.º 1 do artigo 9.º do CSC, no silêncio, só podia concluir-se que a data do referido encerramento era 31 de Dezembro. 3.2 Contudo, se assim não entendesse, o Senhor Adjunto do Conservador deveria ter contactado o interessado para proceder ao suprimento das deficiências do processo de registo derivadas daquela omissão, bem como a relativa à falta de indicação do NIF da gerente, em cumprimento do disposto no n.º 2 do artigo 52.º do CRC. 1

2 3.3 Nestes termos, solicita que seja dado provimento ao recurso ou, caso assim não se entenda, que se determine o suprimento das deficiências do processo. 4 Foi proferido despacho de sustentação pelo Senhor Adjunto 1, aduzindo os fundamentos que se dão aqui por integralmente reproduzidos, dos quais salientamos, em síntese, os seguintes: 4.1 A data do encerramento do exercício social deve constar obrigatoriamente do extracto da inscrição de constituição da sociedade. Ora, não competindo ao registrador escolher a data que deve levar às tábuas, esta tem de constar expressamente do título. 4.2 Como estamos perante uma omissão da escritura só mediante a elaboração de novo pacto aquela omissão poderá ser suprida, pois nem tão pouco é possível a sua rectificação mediante o recurso ao disposto no artigo 132.º do Código do Notariado, por não se tratar de qualquer erro. Por outro lado, também as declarações complementares admitidas pelo artigo 33.º do CRC não são viáveis neste caso, pois admitir-se a declaração da data do encerramento do exercício seria caminhar para a insegurança jurídica. 4.3 A indicação do NIF da gerente já seria aceitável mediante junção de «cópia de documento com força probatória» em apresentação complementar, o que de qualquer modo não impedia a feitura do registo como provisório por dúvidas, porque subsistia a omissão concernente à data do encerramento do exercício social. 4.4 Por fim, salienta que é inaplicável ao caso em apreço o suprimento das deficiências previsto no artigo 52.º, por não ver que documento o interessado poderia juntar ao processo para suprir a aludida omissão. 1 Com a remessa do presente processo de recurso a Senhora Conservadora suscita, em face do disposto no artigo 101.º-B do CRC, que no caso de impugnação manda apreciar pelo conservador o despacho recorrido independentemente da categoria funcional de quem o tiver proferido, a questão atinente à competência do adjunto do conservador de registo comercial para exarar o despacho de sustentação, concluindo que o aludido preceito não lhe é aplicável. Com efeito, o disposto neste artigo deve ser conjugado com o artigo 55.º-A, que prevê a competência própria e a delegada dos oficiais de registo. São apenas os despachos por estes proferidos no uso da sua competência que são submetidos à reapreciação do conservador, havendo impugnação. O adjunto do conservador do registo comercial, por força do disposto no n.º 3 do artigo 35.º do Decreto-Lei n.º 206/97, de 12 de Agosto, na redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 238/98, de 5 de Agosto, tem competência para a prática de qualquer acto que, cabendo nas atribuições do conservador, com excepção dos intrínsecos à direcção, lhe seja por este distribuído cfr. o proc.º C.Co.63/2006DSJ-CT. Nestes termos, tendo sido distribuídas todas as competências respeitantes ao registo comercial no Adjunto do Conservador este tem competência para proceder à qualificação dos pedidos de registo e proferir os respectivos despachos, bem como os de reparação e de sustentação suscitados em sede de impugnação, sem necessidade de passarem pelo crivo do conservador. 2

3 5 O processo é o próprio, as partes têm legitimidade, o recurso é tempestivo e inexistem questões prévias ou prejudiciais que obstem ao conhecimento do mérito do recurso, pelo que cumpre emitir parecer. Fundamentação 1 A resolução da matéria controvertida nos autos demanda que apuremos, por um lado, da necessidade de constar da escritura a data do encerramento do exercício social quando coincidente com o ano civil e, por outro, se falta realmente indicar o número de identificação fiscal da gerente nomeada, sendo certo que o mesmo consta do requerimento para registo. 2 Consabidamente, da inscrição de constituição da sociedade deve constar, como menção especial, a data do encerramento do exercício social, como decorre da mera leitura do disposto na alínea b) do artigo 10.º do RRC. Do contrato de qualquer tipo de sociedade deve constar, por força do preceituado na alínea i) do n.º 1 do artigo 9.º do CSC, a data do encerramento do exercício anual quando for diferente do ano civil. Da análise conjugada destas normas resulta, por um lado, que é obrigatório inserir no extracto da inscrição a data do encerramento do exercício social e, por outro, que só é obrigatório constar do título a data do encerramento do exercício se este for diferente do ano civil. Consequentemente, não constando do título qualquer alusão à data do encerramento do exercício social, forçoso é concluir que aquela é coincidente com a do ano civil, pois se fosse diferente tinha de constar expressamente do título 2. Outro não poderá ser o alcance da norma. Por conseguinte, teremos de presumir que o titulador (que até tem idêntica formação jurídica à do registrador), conhece a lei e elabora os títulos em conformidade, donde a ilação que faz mais sentido lógico extrair é a de que se não consta da escritura a data do encerramento do exercício anual é porque este coincide com o ano civil. Nestes termos, parece-nos que não existe qualquer omissão do título não sendo, por isso, legítimo atribuir qualquer qualificação minguante ao peticionado com base em tal motivo. Salienta-se ainda que, desde a alteração introduzida pelo artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 36/2000, de 14 de Março, no artigo 270.º-A, do Código das Sociedades Comerciais, a constituição de sociedade 2 O intérprete, na fixação do sentido e alcance da lei, deve presumir que o legislador consagrou as soluções mais acertadas e soube exprimir o seu pensamento em termos adequados, por força do disposto no artigo 9.º do Código Civil. Cfr., adrede, Manuel de Andrade, Ensaio sobre a Teoria da Interpretação das Leis, pág. 26, que afirma que «dentre os vários possíveis pensamentos da lei, há-de preferir aquele mediante o qual a lei exteriorize o sentido mais razoável, mais salutar e produza o efeito mais benéfico». Ensinamento este que se revela importante seguir também no que concerne à interpretação dos títulos. 3

4 unipessoais por quotas pode ser efectuada mediante documento particular, se não forem efectuadas entradas em bens diferentes de dinheiro, como é o caso em apreço 3. 3 No que respeita à alegada omissão do NIF e à necessidade de junção da cópia do documento em apresentação complementar, parece-nos francamente excessiva tendo em conta que o referido número consta do requerimento para registo. Com efeito, sendo a gerente a subscritora do requerimento e tendo nele indicando o n.º , embora sem esclarecer que respeita ao seu NIF, antes sinalize (indevidamente, sem dúvida) com uma cruz o espaço correspondente ao NIPC, tal indicação só podia interpretar-se como correspondendo ao NIF, uma vez que se trata de uma pessoa singular, que não tem NIPC. Ora, sendo assim, deveria concluir-se, apesar de tudo, que se tratava precisamente do almejado NIF os elementos estavam lá era só interpretá-los e utilizá-los. Nestes termos, o NIF indicado pela gerente no requerimento para registo deveria ter sido inserido na inscrição da constituição da sociedade e nomeação dos gerentes 4, dando assim cumprimento ao disposto no artigo 9.º, n.º 1, alínea d), do Regulamento do Registo Comercial 5. Assim, a exigência formulada pela conservatória no que concerne à alegada falta de indicação do NIF também não merece acolhimento. 4 Abordemos, por fim, a questão atinente ao suprimento das deficiências do processo registral previsto no artigo 52.º do CRC, na redacção introduzida pelo artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 76-A/2006, de 29 de Março 6. Por força do disposto no n.º 1 do citado artigo 52.º, sempre que possível, as deficiências do processo devem ser supridas oficiosamente com base nos documentos apresentados ou já existentes na conservatória ou por acesso directo à informação constante da base de dados das entidades ou serviços da Administração Pública 7. Consequentemente, o conservador que ao qualificar um pedido de registo depare com deficiências do respectivo processo que conduzam à provisoriedade por dúvidas do registo peticionado tem de proceder 3 Actualmente, após a alteração introduzida pelo artigo 2.º do Decreto-Lei n.º 76-A/2006, de 29 de Março, no artigo 7.º do Código das Sociedades Comerciais, «o contrato de qualquer sociedade deve ser reduzido a escrito e as assinaturas dos seus subscritores devem ser reconhecidas presencialmente, salvo se forma mais solene for exigida para a transmissão dos bens com que os sócios entram para a sociedade, devendo, neste caso, o contrato revestir essa forma». 4 Veja-se o despacho proferido pelo Senhor Director-Geral em 1 de Setembro de Aprovado pela Portaria n.º 657-A/2006, de 29 de Junho, e alterado pela Portaria n.º 1416-A/2006, de 19 de Dezembro. 6 A ampliação do âmbito de aplicação desta disposição legal resultou da necessidade dos serviços da Administração Pública irem ao encontro do cidadão e de lhe prestarem o devido apoio, pautando a sua conduta por princípios de qualidade, protecção da confiança, da comunicação eficaz, célere e transparente, privilegiando os procedimentos mais simples, económicos e eficazes para o cidadão. 7 Na vigência da redacção anterior deste artigo 52.º, o CT proferiu um parecer no proc.º n.º 1/91R.P.4, no qual firmou o seguinte entendimento: «I Tem carácter funcional o poder que a lei confere ao conservador de suprir as deficiências de que enferme o processo registral, quando designadamente, a conservatória disponha, por aí estarem apresentados ou arquivados já, dos documentos necessários para tal, nos termos do artigo 52.º, n.º 1, do CRC». Este entendimento é perfeitamente ajustável à nova redacção conferida ao n.º 1 do artigo em apreço. 4

5 ao seu suprimento com base nos documentos apresentados ou já existentes na conservatória ou por acesso directo à base de dados as entidades ou serviços da Administração Pública. No caso de não ser possível atingir o pretendido suprimento mediante o recurso aos processos mencionados naquele número, a conservatória deve então comunicar o facto ao apresentante, por qualquer meio idóneo, para que este, no prazo de cinco dias, proceda ao suprimento das deficiências apontadas, sob pena de o registo peticionado ser lavrado como provisório por dúvidas, como resulta do prescrito no n.º 2 do citado artigo. Só no caso de o interessado, ainda assim, não proceder tempestivamente ao suprimento das deficiências apontadas é que a pretendida inscrição da constituição da sociedade poderia ser lavrada como provisória por dúvidas, nos termos previstos no artigo 49.º do CRC 8. Não vislumbramos na lei qualquer apoio à invocada recusa do recorrido para desencadear o suprimento neste caso, sendo que o seu entendimento esvaziava de conteúdo o disposto no artigo 52.º do CRC, indo frontalmente contra os objectivos desta medida. Em breve síntese conclusiva, reafirmamos que mesmo que o conservador entendesse (embora incorrectamente) que havia omissão da indicação da data do encerramento do exercício social e do NIF da gerente, antes de lavrar o registo como provisório, tinha obrigatoriamente de desencadear o suprimento das deficiências do processo de registo e só no caso de este se revelar infrutífero é que podia avançar com a qualificação do pedido de registo como provisório por dúvidas, em face do disposto nos n.ºs 1 e 2 do artigo 52.º do CRC. 5 Decorre do exposto que o registo da constituição da sociedade e nomeação dos gerentes deve ser convertido em definitivo inserindo-se no correspondente averbamento a indicação da data do encerramento do exercício social, coincidente com a do ano civil, bem como o NIF da gerente, constante do requerimento para registo. Nestes termos, somos de parecer que o presente recurso hierárquico merece provimento. Em consonância, a posição deste Conselho vai expressa nas seguintes CONCLUSÕES I O extracto da inscrição de constituição de qualquer sociedade comercial deve conter, como menção especial, a data do encerramento do exercício social, ainda que coincidente com o ano civil, em face do disposto na alínea b) do n.º 1 do artigo 10.º do Regulamento do Registo Comercial. II Sendo o exercício anual diferente do ano civil, a data do respectivo encerramento deve constar expressamente do contrato de sociedade, como resulta do prescrito na alínea i) do n.º 1 do artigo 9.º do Código das Sociedades Comerciais. 8 Cfr. o parecer do CT proferido no proc.º R.Co.35/2006DSJ-CT. 5

6 III O Número de Identificação Fiscal deve ser mencionado nos registos de nomeação dos órgãos sociais, por força do preceituado na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º do citado Regulamento. IV O suprimento das deficiências do processo de registo tem carácter obrigatório, devendo ser efectuado oficiosamente com base nos documentos apresentados ou já existentes na conservatória ou por acesso directo à informação constante de base de dados das entidades ou serviços da Administração Pública, nos termos previstos no n.º 1 do artigo 52.º do Código do Registo Comercial. V Se as deficiências do processo registral forem insupríveis pela via apontada, deve a conservatória solicitar ao apresentante que, no prazo de cinco dias, proceda ao suprimento devido, sob pena de o registo peticionado ser lavrado como provisório por dúvidas, em conformidade com o n.º 2 do artigo 52.º do citado Código. Este parecer foi homologado por despacho do senhor presidente do IRN, IP de

P.º C. Co. 63/2006 DSJ-CT - Competência do Adjunto do Conservador. Processos de contra-ordenação.

P.º C. Co. 63/2006 DSJ-CT - Competência do Adjunto do Conservador. Processos de contra-ordenação. P.º C. Co. 63/2006 DSJ-CT - Competência do Adjunto do Conservador. Processos de contra-ordenação. 1 O consulente 1 pretende, em síntese, ser informado se o Adjunto do Conservador com delegação de todas

Leia mais

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT Prédio inscrito a favor dos autores da herança. Pagamento das dívidas destes. Penhora. Habilitação dos herdeiros. Identificação dos sujeitos. Documento bastante. DELIBERAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

Proc.º n.º C. Bm. 30/2010 SJC-CT

Proc.º n.º C. Bm. 30/2010 SJC-CT Proc.º n.º C. Bm. 30/2010 SJC-CT Sumário: Modelos de requerimento para atos de registo de veículos. Promoção de atos de registos via online. Extinção de reserva de propriedade. Documentos para o cancelamento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer Proc. R.C. 3/2008 SJC CT Parecer Recurso hierárquico. Aquisição da nacionalidade portuguesa por efeito de adopção por decisão transitada em julgado antes da entrada em vigor da Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro.

Leia mais

N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: PARECER

N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: PARECER N.º 28/ CC /2014 N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: 17-12-2014 Consulente: Conservatória do Registo Comercial e de Automóveis de.... Assunto: Palavras-chave: Registos de apreensão,

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

N/Referência: C. Co. 15/2016 STJSR-CC Data de homologação: Relatório. Pronúncia

N/Referência: C. Co. 15/2016 STJSR-CC Data de homologação: Relatório. Pronúncia DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 32/ CC /2016 N/Referência: C. Co. 15/2016 STJSR-CC Data de homologação: 29-07-2016 Consulente: Serviços Jurídicos. Assunto: Palavras-chave: Regime especial

Leia mais

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT Pº R.P. 132/2008 SJC-CT - Impugnação de decisão de recusa, consoante respeite a acto de registo nos termos requeridos ou rectificação de registos ( nºs 1 e 2, respectivamente, do art. 140º do C.R.P.) Interpretação

Leia mais

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto*

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* O Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

澳門特別行政區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳門特別行政區第 6/2012 號法律修改 商業登記法典. Lei n.

澳門特別行政區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳門特別行政區第 6/2012 號法律修改 商業登記法典. Lei n. 406 17 2012 4 23 澳門特別行政區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳門特別行政區第 6/2012 號法律修改 商業登記法典 56/99/M9/1999 5/2000... d... e REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º 6/2012 Alteração ao Código do

Leia mais

Diploma. Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis

Diploma. Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis Diploma Regulamenta os procedimentos especiais de aquisição, oneração e registo de imóveis Portaria n.º 794-B/2007 de 23 de Julho O Decreto-Lei n.º 263-A/2007, de 23 de Julho, veio criar um procedimento

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, não é aplicável in casu o disposto no n.º 2 do artigo 1714.º do Código Civil.

DELIBERAÇÃO. Assim, não é aplicável in casu o disposto no n.º 2 do artigo 1714.º do Código Civil. P.º n.º R. P. 181/2011 SJC-CT Imutabilidade do regime de bens. Contrato de compra e venda celebrado entre cônjuges. Qualificação do correspondente registo de aquisição. DELIBERAÇÃO 1 O presente recurso

Leia mais

Recorrente: Manuel.., representado pelo advogado J. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de.

Recorrente: Manuel.., representado pelo advogado J. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Proc.º n.º R. Co. 25/2010 SJC-CT Sumário: Início oficioso do procedimento administrativo de dissolução de sociedade comercial por quotas. Despacho de suspensão. Inadmissibilidade de interposição de recurso

Leia mais

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório 1. Em 01/09/2008 foi apresentado, na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O 1 PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O nº1 do artº 74º do E.O.A. dispõe que No exercício da sua profissão, o advogado tem o direito de solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL (14.ª Edição) Errata Código do Registo Predial 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL Errata BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Rua Fernandes Tomás, n.ºs 76, 78, 80 3000-167

Leia mais

CONSULTA N.º 13/2007

CONSULTA N.º 13/2007 CONSULTA N.º 13/2007 Relator: SANDRA BARROSO E RUI SOUTO Requerente: Discussão: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Aprovação: sessão plenária de 17 de Maio de 2007 Assunto: Honorários no âmbito de uma

Leia mais

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos.

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. Proc. C.C. 109/2010 SJC CT Deliberação Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. O Consulado de Portugal em B., Brasil, atento o despacho n.º

Leia mais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais Registos e Notariado Ficha Técnica Código do Notariado TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais CAPÍTULO I - Disposições gerais CAPÍTULO II - Competência funcional SECÇÃO I - Atribuições dos notários

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR nº 5 / GGF / 2006

OFÍCIO-CIRCULAR nº 5 / GGF / 2006 OFÍCIO-CIRCULAR nº 5 / GGF / 2006 Às Escolas EB12, EB2, EB3, EB23, EBI Escolas Secundárias Agrupamentos Verticais de Escolas X X X DATA:2006/Março/13 ASSUNTO: Efeitos Remuneratórios das Faltas para Assistência

Leia mais

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS

Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS Regulamento de Inscrição Municipal de Associação Cultural de Sintra IMACS ( Com a alteração constante do Parecer da Comissão Permanente de Assuntos Sociais da Assembleia Municipal de Sintra ) 23 DE NOVEMBRO

Leia mais

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004 6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 246 19 de Outubro de 2004 MINISTÉRIOS DAS CIDADES, ADMINISTRAÇÃO LO- CAL, HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIO- NAL E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

Leia mais

Ex. m.ºs Senhores Subdirectores- Gerais Directores de Serviços Directores de Finanças Representantes da Fazenda Pública. Assunto:

Ex. m.ºs Senhores Subdirectores- Gerais Directores de Serviços Directores de Finanças Representantes da Fazenda Pública. Assunto: Classificação: 000.01.09 DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLECTIVAS Ofício n.º: Processo: Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref.ª: Técnico: João Sousa Cód.

Leia mais

Portaria n.º 135/2007 de 26 de Janeiro

Portaria n.º 135/2007 de 26 de Janeiro Portaria n.º 135/2007 de 26 de Janeiro O Regulamento de Registo das Associações Mutualistas e das Fundações de Segurança Social Complementar, aprovado pela Portaria n.º 63/96, de 28 de Fevereiro, estabelece

Leia mais

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO Sobre o prédio da ficha nº, da freguesia de..., da Conservatória do Registo Predial de prédio urbano situado na Rua...,, inscrito

Leia mais

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA

REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA REGULAMENTO PROVISÓRIO DO CONSELHO MUNICIPAL DE SEGURANÇA PREÂMBULO A Lei nº. 33/98, de 18 de Julho, veio criar os Conselhos Municipais de Segurança, qualificando-os de entidades de natureza consultiva,

Leia mais

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Foi com a aprovação do Decreto Presidencial n.º 190/2011, de 30 de Junho, diploma que criou o Gabinete Técnico para a Implementação e Gestão do Plano

Leia mais

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT Pº R. P. 180/2008 SJC-CT - Inscrição de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito Prédio urbano constituído por várias moradias a que correspondem diferentes artigos matriciais Divergência

Leia mais

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial.

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial. P.º n.º R.P. 17/2013 STJ-CC Registo de incidente deduzido em processo de execução fiscal. Princípio do trato sucessivo. Despacho de provisoriedade por dúvidas. PARECER 1 O presente recurso hierárquico

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 16 de novembro de Série. Número 201

JORNAL OFICIAL. Suplemento. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 16 de novembro de Série. Número 201 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 16 de novembro de 2016 Série Suplemento Sumário SECRETARIA REGIONAL DA ECONOMIA, TURISMO E CULTURA Portaria n.º 488/2016 Aprova os modelos das placas

Leia mais

Consequentemente, deve conceder-se provimento ao recurso com as devidas consequências legais.

Consequentemente, deve conceder-se provimento ao recurso com as devidas consequências legais. P.º R. P. 146/2006 DSJ-CT-Divisão de prédio urbano. Titulação e qualificação do correspondente pedido de registo. Eventual violação do regime jurídico dos loteamentos urbanos. PARECER Relatório 1 Em 2

Leia mais

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes:

euros, dividido em acções do valor nominal de euros, pertencentes: CONTRATO DE SOCIEDADE ANÓNIMA A) Declaram constituir uma sociedade nos termos dos artigos seguintes: Artigo 1.º Tipo e firma 1. A sociedade é [civil] OU [comercial], adopta o tipo de sociedade anónima

Leia mais

PARECER Nº 66/PP/2014-P

PARECER Nº 66/PP/2014-P PARECER Nº 66/PP/2014-P A Delegação de Paços de Ferreira da Ordem dos Advogados vem solicitar ao Conselho Distrital indicação sobre o procedimento a adoptar na nomeação de um patrono a um beneficiário

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: R. Co. 11/2005 DSJ-CT. Sanação de deficiências do processo de registo Entrada em espécie Trespasse Direito ao local Alvará Quota realizada com o trespasse Bem próprio ou comum Selo. Relatório: DELIBERAÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO. 3 O registo foi efectuado como provisório por dúvidas com base nos motivos que a seguir se transcrevem:

DELIBERAÇÃO. 3 O registo foi efectuado como provisório por dúvidas com base nos motivos que a seguir se transcrevem: P.º n.º R.P. 175/2010 SJC-CT Partilha extrajudicial. Composição do património comum do dissolvido casal activo e passivo. Assunção das dívidas comuns pela adjudicatária sem liquidação do património comum.

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de.

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Pº C.Co.53/2010 SJC-CT Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Consulta: Qual a data a considerar como sendo a da designação e da cessação de funções de membros dos órgãos

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO 1. Indicando como objecto mediato o prédio descrito sob o nº... da freguesia de..., o recorrente apresentou na Conservatória do Registo

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO 1. No âmbito de procedimento casa pronta 1, a Senhora Notária Afecta à

Leia mais

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola.

o presente diploma tem por objecto regulamentar a gestão dos recursos pesqueiros existentes nas águas juridicionais de Angola. MINISTÉRIO DAS PESCAS E AMBIENTE Decreto Executivo n." 48/98 de 28 de Agosto Havendo necessidade de estabelecer o ordenamento dos recursos pesqueiros nacionais; No uso da faculdade que me é conferida pela

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL

CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL (4.ª Edição) Actualização N.º 5 CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO COMERCIAL Actualização N.º 5 Texto da Lei EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Avenida

Leia mais

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO A ficha... descreve um terreno para construção com a área de 2 080m2, inscrito

Leia mais

1 de 6 11-06-2009 19:23 Portaria n.º 216-E/2008, de 3 de Março Enuncia todos os elementos que devem instruir os pedidos de emissão dos alvarás de licença ou autorização de utilização das diversas operações

Leia mais

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional

MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional MEDIDA ESTIMULO 2012 Regulamento do Instituto do Emprego e Formação Profissional No âmbito da medida de incentivos ao emprego "Estímulo 2012", estabelecida pela Portaria n 45/2012, de 13.2, o Instituto

Leia mais

Registo a qualificar: Transformação da sociedade recorrente, requisitado pela Ap. 4 de e efectuado pela Ap. 38 de

Registo a qualificar: Transformação da sociedade recorrente, requisitado pela Ap. 4 de e efectuado pela Ap. 38 de Pº R.Co. 9/2010 SJC-CT. Recorrente: Agro-, S.A. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Registo a qualificar: Transformação da sociedade recorrente, requisitado pela Ap. 4 de 13.02.2010 e efectuado

Leia mais

APECA Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas

APECA Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas Regime Especial de Exigibilidade do IVA nas Entregas de Bens às Cooperativas Agrícolas DL 418/99, de 21.10 ARTIGO 1.º - Incidência ARTIGO 2.º - Exigibilidade do imposto ARTIGO 3.º - Opção pelas regras

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 843

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 843 Directriz de Revisão/Auditoria 843 Junho de 2002 Transformação de Sociedades ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4-5 DESTINATÁRIOS 6 PROCEDIMENTOS DE VERIFICAÇÃO 7-8 RESERVAS 9 CONDICIONAMENTOS

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL 2007

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL 2007 CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL 2007 (9.ª Edição) Actualização N.º 2 Código do Registo Predial 2007 2 TÍTULO: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL 2007 Actualização N.º 2 AUTORES: Texto da Lei EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

PARECER N.º 255/CITE/2016

PARECER N.º 255/CITE/2016 PARECER N.º 255/CITE/2016 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível a trabalhadora com responsabilidades familiares, nos termos do n.º 5 do artigo

Leia mais

C. P. 110/2009 SJC-CT

C. P. 110/2009 SJC-CT Proc. n.º C. P. 110/2009 SJC-CT Escritura de partilha de herança. Prazo para a promoção do registo dos bens imóveis. Agravamento emolumentar no caso de cumprimento intempestivo da obrigação de registar.

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO (6.ª Edição) Actualização N.º 1 Código das Sociedades Comerciais 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 1

Leia mais

2 II Fundamentação 1

2 II Fundamentação 1 P.º n.º C.P. 43/2012 SJC-CT Revogação do despacho de qualificação de ato de registo já executado na ficha informática. Tradução tabular da regressão no processo registral, devido à preterição de formalidades

Leia mais

AVISO. O presente Aviso é composto pelos seguintes capítulos: Capítulo I - Natureza do concurso

AVISO. O presente Aviso é composto pelos seguintes capítulos: Capítulo I - Natureza do concurso AVISO Nos termos dos n.ºs 1 e 2 do artigo 30º do Decreto-Lei n.º 104/2008, de 24 de Junho, e do n.º 1 do artigo 12.º do Decreto-Lei n.º 200/2007, de 22 de Maio, torna-se público que, através do Despacho

Leia mais

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS (Nos termos do nº3 do artº 92º do Decreto-Lei nº 169/99, de 18/09) --------- Reunião de 8 de Julho de 2008 --------- --- CANDIDATURA AO PROGRAMA

Leia mais

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro

Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Decreto-Lei n. 279/97 de 11 de Outubro Definição... 2 Natureza... 2 Sede... 2 Denominação... 2 Objecto... 2 Constituição... 3 Estatutos... 3 Inscrição no Registo Nacional de Clubes e Federações Desportivas...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL

REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL REGULAMENTO DO PROCEDIMENTO DE ACEITAÇÃO E CONFIRMAÇÃO DA QUALIDADE DE ESPECIALISTA DE RECONHECIDA EXPERIÊNCIA E COMPETÊNCIA PROFISSIONAL Convindo regular o procedimento tendente à aceitação e confirmação

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 217/2006 DSJ-CT- Cancelamento de registo de hipoteca Título para registo Requerimento dirigido ao conservador, invocativo da prescrição Recusa. Relatório: DELIBERAÇÃO Do prédio urbano descrito

Leia mais

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT - Aquisição. Usucapião. Justificação notarial para reatamento do trato sucessivo. Imposto de selo. Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho. Doação. Caducidade do ónus de eventual

Leia mais

N/Referência: PROC.: C. Bm. 18/2014 STJ-CC Data de homologação: 19-09-2014. Relatório

N/Referência: PROC.: C. Bm. 18/2014 STJ-CC Data de homologação: 19-09-2014. Relatório N.º 49/ CC /2014 N/Referência: PROC.: C. Bm. 18/2014 STJ-CC Data de homologação: 19-09-2014 Consulente: Conservatória do Registo Automóvel de. Recorrido: Assunto: Registo de propriedade adquirida por via

Leia mais

PARECER N.º 116/CITE/2013

PARECER N.º 116/CITE/2013 PARECER N.º 116/CITE/2013 Assunto: Parecer prévio à intenção de recusa do pedido de autorização de trabalho em regime de horário flexível de trabalhador com responsabilidades familiares, nos termos do

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo com a presente Informação e proponho o seu envio à Sr.ª Directora da DMRH, Dr.ª Emília Galego. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica

Leia mais

PARECER. 3 O despacho de provisoriedade por dúvidas tem por base a motivação que a seguir se sintetiza:

PARECER. 3 O despacho de provisoriedade por dúvidas tem por base a motivação que a seguir se sintetiza: P.º n.º R.P. 131/2012 SJC-CT Escritura pública de habilitação de herdeiros. Declarações inexatas. Retificação das mesmas por instrumento notarial. Averbamento à referida escritura. Qualificação do registo

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria

Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria Escola Sede: ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ LOUREIRO BOTAS 4 0 1 9 8 5 REGULAMENTO PARA ELEIÇÃO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VIEIRA DE LEIRIA Artigo 1º Objecto

Leia mais

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 1/5 REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS. Artigo 1º. Objecto

REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS. Artigo 1º. Objecto REGULAMENTO PARA RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS RODRIGUES DE FREITAS Artigo 1º Objecto O presente regulamento estabelece as condições de acesso e normas do concurso para eleição do

Leia mais

1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados.

1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados. II Enquadramento 1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados. 2. O Decreto Regulamentar n.º 44-B/83, de 1 de Junho,

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ALTERAÇÃO DE DIRETOR TÉCNICO DE FARMÁCIA DE OFICINA

PROCEDIMENTO PARA ALTERAÇÃO DE DIRETOR TÉCNICO DE FARMÁCIA DE OFICINA PROCEDIMENTO PARA ALTERAÇÃO DE DIRETOR TÉCNICO DE FARMÁCIA DE OFICINA 1. Requisitos legais a) A direção técnica da farmácia é assegurada em permanência, por farmacêutico diretor técnico, registado na Secretaria

Leia mais

PARECER. 4- A sustentação do despacho de recusa justificou a subida do processo para decisão superior.

PARECER. 4- A sustentação do despacho de recusa justificou a subida do processo para decisão superior. 1 Pº R.P.129/2005 DSJ-CT - Registo de acção - Execução específica do contratopromessa de compra e venda - Incompatibilidade entre o registo provisório de acção e o anterior registo provisório de aquisição

Leia mais

Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos

Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos Regulamento para a Eleição do Diretor do Agrupamento de Escolas de Carvalhos Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as regras a observar no procedimento concursal para a eleição do Diretor do

Leia mais

sociedade; certificado de admissibilidade; menoridade; estrangeiro; norma de conflitos; DIP. Relatório

sociedade; certificado de admissibilidade; menoridade; estrangeiro; norma de conflitos; DIP. Relatório DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 2/ CC /2016 N/Referência: P.º R. Co. 15/2015 STJSR-CC Data de homologação: 07-01-2016 Recorrente: Joaquim M, notário Recorrido: Conservatória do Registo

Leia mais

>> REGULAMENTO DO REGISTO DE AUTOMÓVEIS. Última actualização em 31/01/2008

>> REGULAMENTO DO REGISTO DE AUTOMÓVEIS. Última actualização em 31/01/2008 Decreto n.º 55/75 de 12 de Fevereiro. - Aprova o Regulamento do Registo de Automóveis, Ministério da Justiça Secretaria de Estado da Justiça Direcção-Geral dos Registos e do Notariado, S.I, DR n.º 36,

Leia mais

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS DL 495/88 1988-Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS SOCIEDADES HOLDING Artigo 1º (sociedades gestoras de participações sociais) 1 As sociedades gestoras de participações

Leia mais

Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim. Preâmbulo

Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim. Preâmbulo Regulamento da Galeria Municipal de Almeirim Preâmbulo A Galeria Municipal de Almeirim é um espaço destinado à dinamização da cultura através de exposições temporárias, cabendo neste todas as áreas temáticas

Leia mais

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente

Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente Decreto n.º 6/01 de 19 de Janeiro - Regulamento sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente e-mail: geral@info-angola.com portal: www.info-angola.com Página 1

Leia mais

710/2007, de 11 de Junho que a republicou.

710/2007, de 11 de Junho que a republicou. P.º CC 57/2008SJC Processo de casamento organizado em consulado português. Casamento não urgente Fora do horário normal de funcionamento e fora da conservatória Emolumento Pessoal. DESCRIÇÃO E ANÁLISE

Leia mais

Despacho: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra

Despacho: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra IMP.PS.01.431.02 IMP.PS.01.431.03 COMUNICAÇÃO DE ABERTURA AO PÚBLICO DE EMPREENDIMENTOS TURÍSTICOS EM CASO DE AUSÊNCIA DE AUTORIZAÇÃO PARA FINS TURÍSTICOS (ao abrigo do artigo 31º do Decreto-lei nº 39/2008,

Leia mais

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro.

De destacar, a obrigatoriedade de igualdade de tratamento, pelo Empregador, entre o Trabalhador Nacional e o Trabalhador Estrangeiro. O Decreto n.º 6/01, de 19 de Janeiro aprova o Regulamento Sobre o Exercício da Actividade Profissional do Trabalhador Estrangeiro Não Residente, quer no sector público, quer no sector privado, tendo entrado

Leia mais

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE

Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE Universidade do Minho PROPOSTA DE REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS INTEGRADO CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM ENGENHARIA ELECTRÓNICA INDUSTRIAL E COMPUTADORES 1 Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

"COMO FAZER UM RECURSO EM CONCURSO PÚBLICO EM SETE PASSOS" Autora: Marcela Barretta Ano: 2016

COMO FAZER UM RECURSO EM CONCURSO PÚBLICO EM SETE PASSOS Autora: Marcela Barretta Ano: 2016 "COMO FAZER UM RECURSO EM CONCURSO PÚBLICO EM SETE PASSOS" Autora: Marcela Barretta Ano: 2016 Direitos autorais Todos os direitos reservados. Este e-book (livro digital) é uma obra intelectual protegida

Leia mais

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

Proc.º n.º R. Co. 20/2012 SJC-CT

Proc.º n.º R. Co. 20/2012 SJC-CT Proc.º n.º R. Co. 20/2012 SJC-CT Sumário: Designação dos membros dos órgãos de fiscalização das sociedades comerciais. Consentimento expresso dos revisores oficiais de contas. Deliberação social. Eventuais

Leia mais

Sumário: Processo especial de rectificação de registos. Impugnação da decisão de indeferimento liminar.

Sumário: Processo especial de rectificação de registos. Impugnação da decisão de indeferimento liminar. Proc.º R. Co. 15/2009 SJC-CT. Sumário: Processo especial de rectificação de registos. Impugnação da decisão de indeferimento liminar. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. I Relatório 1 Em

Leia mais

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa:

(Sumário elaborado pela Relatora) Acordam os Juízes no Tribunal da Relação de Lisboa: Acórdãos TRL Processo: 258/14.8TBPDL.L1 6 Relator: ANABELA CALAFATE Descritores: ADMINISTRADOR DE INSOLVÊNCIA REMUNERAÇÃO Nº do Documento: RL Data do Acordão: 02 07 2015 Votação: UNANIMIDADE Texto Integral:

Leia mais

CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS

CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS CLÍNICAS FORENSES SOCIEDADES COMERCIAIS Fevereiro 2006 ÍNDICE 1. Boas Vindas 3 2. Horário e Funcionamento 4 3. Metodologia das Sessões 5 4. Programa 6 5. Calendarização das Sessões 7 6. Objectivos e Planificação

Leia mais

REPÚBLICA PORTUGUESA. o Chefe do Gabinete

REPÚBLICA PORTUGUESA. o Chefe do Gabinete Gabinete do Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares Entrada n.º 4271 Data: 18-07-2016 Exmo. Senhor Chefe do Gabinete de Sua Excelência o Secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares Palácio

Leia mais

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA Disponíveis ou a disponibilizar no site www.predialonline.mj.pt os seguintes serviços: Certidão permanente Anúncio para a manifestação do direito legal de preferência Pedidos

Leia mais

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES

REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES REGULAMENTO PARA O RECRUTAMENTO DO DIRECTOR DA ESCOLA SECUNDÁRIA DE JOSÉ AFONSO, LOURES Objecto O presente regulamento, elaborado nos termos e ao abrigo do disposto nos artigos 21.º a 23.º do Decreto Lei

Leia mais

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição Deliberação pública Deliberação 20140510.11.5 Definição do procedimento adotado pela Câmara dos Solicitadores quando lhe é diretamente solicitado uma desassociação de agente de execução Tendo em consideração

Leia mais

P.º n.º R. P. 309/2007DSJ-CT- Acção de reivindicação do direito de superfície. Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R. P. 309/2007DSJ-CT- Acção de reivindicação do direito de superfície. Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO P.º n.º R. P. 309/2007DSJ-CT- Acção de reivindicação do direito de superfície. Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO Relatório: 1 Em 17 de Outubro de 2007, a coberto da ap.14, deu entrada na Conservatória do

Leia mais

Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho

Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho Decreto-Lei n.º140/2009, de 15 de Junho 1. Que intervenções ou obras estão sujeitos à obrigatoriedade de elaboração de relatórios? O presente diploma abrange os bens culturais móveis e imóveis, assim como

Leia mais

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas EXPROPRIAÇÕES Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública Orientações técnicas 2016 1 Introdução A declaração de utilidade pública da expropriação dos bens imóveis e direitos a eles inerentes

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES da CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. 15 de Dezembro de 2016 ÍNDICE 2 REGULAMENTO DA COMISSÃO DE NOMEAÇÕES, AVALIAÇÃO E REMUNERAÇÕES OBJECTO O presente Regulamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016 PA 538/2015 RECOMENDAÇÃO-IG-2/2016 Assunto: Cumprimento de mandado de condução a estabelecimento hospital de portador de deficiência psíquica grave 1 - Na sequência de uma exposição de cidadão, foi determinada

Leia mais

Da Nacionalidade. Revoga a Lei n.º 13/91, de 11 de Maio

Da Nacionalidade. Revoga a Lei n.º 13/91, de 11 de Maio Da Nacionalidade. Revoga a Lei n.º 13/91, de 11 de Maio Índice LEI DA NACIONALIDADE... 4 CAPÍTULO I Disposições Gerais... 4 ARTIGO 1.º (Objecto)... 4 ARTIGO 2.º (Modalidades)... 4 ARTIGO 3.º (Aplicação

Leia mais

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS

CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS Edição de Bolso 8.ª EDIÇÃO ACTUALIZAÇÃO N. 2 1 CÓDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização n. 2 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR EDIÇÕES

Leia mais

Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição

Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição 1 Regulamento Municipal do Exercício do Direito de Petição APROVADO PELA CÂMARA MUNICIPAL DE SINTRA EM 26 DE MARÇO DE 2008 APROVADO PELA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE SINTRA EM 18 DE ABRIL DE 2008 2 Regulamento

Leia mais