Pº R. P. 180/2008 SJC-CT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pº R. P. 180/2008 SJC-CT"

Transcrição

1 Pº R. P. 180/2008 SJC-CT - Inscrição de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito Prédio urbano constituído por várias moradias a que correspondem diferentes artigos matriciais Divergência de áreas entre a descrição e a matriz Garagem construída no logradouro comum àquelas moradias e aumento da área de um dos artigos matriciais através da anexação de parte de um artigo urbano, já incluído, como parcela autonomizada, na descrição predial em causa. DELIBERAÇÃO Relatório 1 Sob a Ap. n.º do dia 10 de Julho de 2008 foi pedido na Conservatória do Registo Predial de o registo de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito do prédio descrito sob o n.º.., da freguesia de,tendo sido juntos, para o efeito, os seguintes documentos: fotocópia da escritura de habilitação de herdeiros de.. de Agosto de 1992, lavrada no Cartório Notarial de ; certidões de teor dos artigos urbanos 3246, 3367, 3247, 3368, 9841 e 1620, daquela freguesia; certidão de nascimento de um dos herdeiros; e certidão passada em de Fevereiro de 1993 pelo Departamento de Planeamento e Gestão Urbanística da Câmara Municipal de, relativa às áreas do prédio urbano com os números de polícia 24 e 24-A, da Rua, da freguesia de (Proc. /62). O referido pedido foi ainda instruído pela declaração complementar, inserta no verso do requerimento, da autoria do herdeiro ora recorrente, no sentido de que a descrição a que o mesmo se reporta faz parte do acervo hereditário do autor da sucessão, titular inscrito do prédio, Carlos, além de esclarecer que a moradia D, que se encontra inscrita sob o artigo matricial 3368 e 25m2 do artigo 1620, actualmente os referidos 25m2 já estão integrados no artigo. Por outro lado, no logradouro comum às quatro moradias foi construída uma garagem com a superfície coberta de 33,22m2, área que dele deve ser subtraída, garagem que foi objecto de licenciamento pela C.M. (proc. /62), e corresponde ao artigo matricial urbano n.º 9841 da freguesia de.. 1

2 2 O registo de aquisição assim peticionado foi objecto de recusa, fundada na circunstância da aquisição já ter sido lavrada como provisória por dúvidas pela Ap. 31/ e recusada a conversão pela Ap. 50/ divergência de área entre a matriz e a descrição e a mesma continuar a manter-se, e por constar da caderneta predial do artigo urbano 3368 uma rectificação de área baseada numa certidão camarária, não estando comprovada a titularidade da parcela. O apoio legal deste despacho de qualificação, datado de 30 de Julho de 2008, e notificado na mesma data, encontrou assento nos artigos 28.º, 68.º e 69.º, n.º 1, alínea e), todos do Código do Registo Predial. 3 Em 29 de Agosto de 2008, pela Ap. 5, foi interposto recurso hierárquico 1 da apontada qualificação, de cujas alegações, efectuado como se mostra o historial do registo do mesmo facto, antes provisoriamente lavrado por dúvidas, e da recusa da respectiva conversão, resulta, em síntese, o seguinte: - quanto à primeira parte do despacho impugnado o reconhecimento de que existe de facto divergência de áreas, mas tal divergência é apenas de 12,40 m, em relação à área maior, o que, em termos percentuais, equivale a 1,52%, encontrando-se, pois, dentro dos limites fixados na lei, quer à luz do disposto no 1 Ao qual foram juntos, além da procuração a favor da Advogada, autora das respectivas alegações, oito documentos, a saber: cópia do ofício remetido à conservatória em 27/06/2007 (no qual se acha fotocopiado um cheque passado à ordem da Conservatória, no valor de duzentos euros, destinado ao pagamento do registo e da certidão de teor), que acompanhou uma requisição de registo, cinco certidões de teor, uma certidão das Finanças, relativa à liquidação do imposto sucessório, e escritura de habilitação notarial; cópia do ofício enviado pela Conservatória recorrida à Sr.ª Advogada, dando conta do teor do despacho da qualificação merecida pelo registo objecto da Ap. / (1.º pedido); cópia do ofício remetido pela Sr.ª Advogada à Conservatória, em 12/11/2007, a acompanhar uma certidão de teor do artigo 3368, da freguesia de, com os esclarecimentos, relativamente a este artigo, de que ao mesmo já foram anexados os 25m2 que provieram de parte do artigo 1620 e, quanto à garagem, de que importa fazer um averbamento à descrição, juntando o artigo matricial, a licença de utilização e a declaração complementar; cópia de mais dois ofícios, um datado de 14/11/2007 e outro, de 2/01/08, o 1.º da Sr.ª Advogada para a Conservatória e o 2.º da Conservatória para a Advogada; e cópia de um ofício dirigido ao Chefe da Repartição da Finanças de, em que o ora recorrente solicita a rectificação do artigo urbano 3368, no sentido de que sua área total é de 219,55m2, sendo 55,80m2 de superfície coberta, e 163,75m2, de logradouro, esta última decorrente da anexação dos referidos 25m2 e ainda da certidão de rectificação de áreas emitida pela Câmara Municipal de. 2

3 n.º 3 do artigo 28.º do Código do Registo Predial, na redacção anteriormente em vigor, quer nos termos da redacção do aditado artigo 28.º-A (D.L. n.º 116/2008, de 4/07) hoje vigente, uma vez que, nas contas do recorrente, a diferença quanto à área constante da descrição predial - 815m2 - que é a maior, não excede os 5% e, muito menos, os 10%; - quanto à segunda parte do mesmo despacho a constatação, face ao teor da caderneta urbana relativa ao artigo 3368 (correspondente à moradia D) logradouro 163,75m2, sendo inicialmente de 132m2 a que foram anexados 25m2 provenientes do artigo 1620, dando lugar a 157m2 e, posteriormente, por rectificação de áreas da CMO, 163,75m2 que a parcela é a mesma, a titularidade está comprovada e é idêntica à dos artigos matriciais das restantes moradias, sendo que esta rectificação de áreas decorreu do processo de constituição de propriedade horizontal constante da Câmara Municipal de (P.º /62), tendo o averbamento actualmente constante do artigo 3368 sido efectuado pelas Finanças de, na sequência do pedido feito pelo interessado com vista à instrução do pedido de conversão do primeiro registo de aquisição. Termina a solicitar a reparação da decisão de recusa. 4 No despacho de sustentação da recusa, a Sr.ª Conservadora a quo aponta erros, relativamente ao que consta do teor matricial, na indicação das áreas parcelares do artigo 3247, além da omissão do artigo correspondente ao logradouro comum de 146, 34m2 (atendendo a que esta área não aparece referenciada em nenhum dos artigos matriciais indicados), uns e outra ocorridos nas alegações do recorrente e por isso responsáveis pela divergência entre a superfície total a que este chegou 802,60m2 e aquela que, no seu entender, seria a decorrente da matriz 654,40m2 -, razão pela qual a diferença entre esta última e a constante da descrição predial 160,6m2 excede largamente os 10% previstos no artigo 28.º-A, alínea c) do Código do Registo Predial. A propósito do referido logradouro comum, não deixa a recorrida de constatar que o documento matricial do artigo 3246 refere a existência de um logradouro de 55,60m2, comum às quatro moradias, todavia não referenciado como tal nas alegações de recurso. 3

4 5 Já após a remessa deste processo de recurso hierárquico ao Sr. Presidente do Instituto dos Registos e do Notariado, o recorrente, notificado do aludido despacho de sustentação, veio questionar (em 24/09/08) o cuidado (ou falta dele) posto pela Sr.ª Conservadora na apreciação da descrição em causa, anotando erros por esta entidade cometidos na referenciação das áreas do citado artigo 3247, bem como na confusão estabelecida entre o logradouro privado do mencionado artigo 3246 e o logradouro comum aos quatro artigos matriciais, 3246, 3247, 3367 e Procede, assim, à especificação dos logradouros privados de cada um destes artigos, entre os quais se conta o de 55,60m2, acima referido (ponto n.º 4), acentuando que Todos estes artigos, além dos referidos logradouros privados, possuem logradouro comum (de acesso às moradias) de 146,34m2 (excepto a garagem sob o artigo matricial urbano 9841, construída no logradouro comum, pois tem acesso directo à via pública ). Este logradouro comum era referido nas certidões juntas com o pedido de registo, mas, por lapso, a R.F. de ao executar a actualização das cadernetas prediais urbanas em 19/06/2008, não referiu a respectiva área; lapso já corrigido, como se pode ver pelas certidões que se anexam.. (Confirma-se). Para concluir que Somando (todas) as áreas constantes dos artigos matriciais com a do logradouro comum, facilmente se percebe que a diferença não ultrapassa os 10% dos 815m2, sendo esta da ordem (apenas) de 1,5% (mesmo com o lapso constante do quadro referente ao art.º (lapso este verificado nas respectivas alegações de recurso). Finaliza o recorrente a exposição, requerendo que a presente adenda seja enviada para o IRN, no âmbito do recurso hierárquico apresentado A este pedido foi dada satisfação pela Sr.ª Conservadora que, no entanto, ao remeter ao Instituto a dita adenda (com as novas certidões matriciais, que a acompanharam), pôs em causa o conteúdo da mesma, designadamente, no que respeita às áreas atribuídas pelo recorrente, face ao teor matricial, ao artigo 3247, afirmando ainda que ela própria não incorreu em erro quando, no seu 2 Note-se, a este propósito, que a referida adenda foi acompanhada de novas certidões matriciais (emitidas em 23/09/2008) dos artigos englobados na descrição predial em causa, de cujo novo teor resulta a inclusão em cada um dos artigos 3367, 3368, 3246 e 3247, de um logradouro, com a área de 146,34m2, comum a todos eles. 4

5 despacho de sustentação, escreveu o logradouro comum de 146,34m2, sem referência ao artigo matricial no qual se encontra inscrito.. Aproveitou também a oportunidade para esclarecer que não existe confusão entre logradouro privado do artigo 3246 e o logradouro comum dos artigos 3246, 3247, 3367 e 3368, já que, da caderneta predial daquele, onde figura um logradouro com 55,60m2, consta, no campo da descrição do prédio, que o logradouro é comum com os demais artigos mencionados, sem que se constate alguma referência a outra qualquer área de logradouro. Acresce, faz notar, que, contrariamente ao declarado pelo recorrente, nunca os documentos matriciais apresentados para a feitura dos registos referiram que os prédios tinham em comum um logradouro com essa área, nem sequer o mesmo o mencionou nos pedidos efectuados e respectivas declarações complementares. E tal não sucedeu porque, a seu ver, só no dia 22 de Setembro dois dias antes apenas o recorrente se terá dirigido ao Serviço de Finanças de a solicitar a rectificação das cadernetas prediais dos ditos artigos, no sentido de passarem a mencionar a área de 146,34m2, como logradouro comum de todos eles, tendo sido, na sequência desse pedido que os mesmos foram rectificados, emitidas novas cadernetas a 23 de Setembro, e remetidas, via fax, no dia seguinte. Considera ainda a Sr.ª Conservadora, em nota final, que a recorrente ainda vai mais longe nas suas afirmações quando declara que nunca foi alertada para esse facto, desconhecendo o motivo da provisoriedade e posteriormente das recusas (sic), quando foi notificada dos respectivos despachos, e esclarecida pessoalmente dos mesmos, sem nunca ter solucionado a questão da divergência de área entre a descrição e a matriz, a não ser no corrente mês, ou seja, após a interposição do presente recurso, e apresentando documentos alterados relativos aos anteriores.. 7 Uma questão prévia se suscita nestes autos, a qual tem a ver com o facto de terem sido juntos ao processo vários documentos, em data posterior à da notificação do respectivo despacho de qualificação, ora impugnado (cfr. notas 1 e 2 de rodapé). Como antes referimos, alguns desses documentos que haviam sido juntos às alegações de recurso - foram remetidos ao Sr. Presidente do IRN, incorporados 5

6 no processo de recurso hierárquico, em 8/09/2008, enquanto outros, foram mesmo enviados, a pedido do recorrente, pela Sr.ª Conservadora a quo, 15 dias após. Dispõe, a este respeito, o n.º 3 do artigo 142.º-A do Código do Registo Predial que, em caso de sustentação da decisão, o processo deve ser remetido à entidade competente, no prazo de cinco dias, instruído com cópia do despacho de qualificação do registo e dos documentos necessários à sua apreciação. Delimitado, assim, materialmente, o âmbito da respectiva instrução, nesta só poderão caber, além das certidões ou cópias certificadas da situação registral em apreço naturalmente a emitir pela própria conservatória -, os documentos apresentados pelo interessado para titular o registo peticionado, além daqueles a que, nos termos legalmente previstos (art.º 73.º, C.R.P.), a conservatória pode, para o efeito, aceder. Ficam, pois, excluídos da instrução do processo de impugnação, não podendo ser levados em conta na apreciação da bondade da qualificação adoptada, os documentos juntos aos autos em data ulterior ao momento em que esta se efectivou, uma vez que, obviamente, em nada contribuíram para a decisão já tomada pelo conservador, em cuja disponibilidade, ao tempo, não se encontravam. 3 Doutrina esta que, não sendo nova, não se mostra prejudicada, como à primeira vista poderia parecer face à aplicação subsidiária ao recurso hierárquico do Código do Procedimento Administrativo, convocada pelo artigo 147.º-B, do Código do Registo Predial - pela faculdade de junção de documentos, prevista no artigo 169.º, n.º 1, daquele diploma. Isto porque não se verifica, no caso, o pressuposto necessário de tal aplicação, que reside, como se sabe, na existência de uma lacuna no sistema de impugnação previsto no Código do Registo Predial, já que, pelo contrário, é antes deste que resulta, particularmente na conjugação do artigo 142.º com os artigos 140.º e 142.º-A, e tendo, por outro lado, bem presente a necessidade de preservar 3 Refira-se que, desde 1 de Janeiro do corrente ano [art.º 36.º, n.º 1, alínea a), D. L. n.º 116/2008, de 4/07] pode o serviço de registo obter a necessária prova matricial mediante acesso directo à informação constante da base de dados das entidades competentes, ou, em caso de impossibilidade, por solicitação oficiosa e gratuita do documento às referidas entidades, como textualmente resulta do n.º 2 do artigo 31.º do Código do Registo Predial, consoante a redacção introduzida por aquele D. L.. 6

7 a coerência interna do sistema, a proibição de se atender a elementos sobrevindos após o encerramento do processo de registo. 4 Deste modo, na apreciação do presente recurso, não serão tidos em consideração, os dados informativos decorrentes dos referenciados elementos documentais, juntos ao processo em momento ulterior ao da qualificação, os quais, por isso, dele deverão ser desentranhados. 8 Sendo o processo o próprio e válido, atentas a capacidade e legitimidade das partes, a tempestividade do recurso, a inexistência de nulidades ou excepções que obstem o conhecimento do mérito, a posição do Conselho vai expressa na seguinte Deliberação 1 O registo de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito de prédio descrito integrado em herança indivisa, requerido por advogado, instruído com escritura de habilitação de herdeiros, certidão de teor matricial e declaração complementar, da autoria de um dos herdeiros, relativa às alterações entretanto ocorridas na composição do dito prédio, implica a actualização oficiosa da descrição predial correspondente [art.ºs 90.º, n.º 1, 31.º,38.º, 39.º e 49.º, C.R.P.]. 2 Visa tal actualização promover a desejada harmonização entre a descrição e inscrição matricial ou o pedido de alteração desta, harmonização cuja exigência é limitada aos artigos matriciais e à área, quando em causa estejam prédios urbanos ou rústicos ainda não submetidos ao cadastro geométrico, a qual é dispensada quando a diferença de áreas entre a descrição e a inscrição matricial 4 Cfr. Deliberação proferida no P.º R. P. 168/2008 SJC-CT, aprovada no CT de 28/01/09, homologada em 16/02/09. 7

8 não exceda, em relação à área maior, 5%, nos prédios urbanos e terrenos para construção (art.º 28.º, C.R.P.). 5 3 No caso em apreço, não consta do aludido requerimento, qualquer declaração do herdeiro acerca da área total correcta do prédio; o que do mesmo complementarmente resulta são as alterações matriciais ocorridas no teor de um dos artigos urbanos, incluídos na descrição predial em causa, concretamente o 3368, cujo logradouro foi ampliado, designadamente, pela integração no mesmo de 25m2 do artigo urbano 1620 (que, por esse motivo, também era referenciado naquela descrição), e também as decorrentes da construção no logradouro comum às quatro moradias de uma garagem com 33,22m2 área que, por isso, devia ser subtraída àquele inscrita na matriz sob o artigo 9841 urbano. 6 5 Actualmente, por força das alterações introduzidas ao Código do Registo Predial pelo D. L. n.º 116/2008, de 4 de Julho, essa percentagem foi fixada em 10% [art.º 28.º-A, alínea c)]. Ademais, nesta eventualidade, passou a prevenir-se expressamente a possibilidade de se proceder à actualização da dita área, mediante declaração do proprietário inscrito de que a área correcta é a constante da matriz, faculdade a cujo exercício é permitido recorrer uma única vez, de tal se devendo fazer menção na descrição (cfr. art.º 28.º-B, n.ºs 1, 3 e 4). 6 Corresponde a descrição predial n.º, da freguesia de, ao prédio descrito em livro sob o n.º 1509, descrição que abrange, desde o ano de 1966, data do averbamento n.º 3 à citada descrição n.º 1509, as moradias designadas pelas letras A, B, C e D, inscritas na matriz sob os mencionados artigos 3247, 3246, 3367 e 3368, respectivamente, moradias essas que foram construídas num terreno com a área de 790m2, destinado a cultura, como resulta da primitiva composição tabular do dito prédio. A elas correspondiam, na fase de construção, conforme resulta do averbamento n.º 1, datado de 1962, as áreas de 205,50m2, 119m2, 103,70m e 189m2, respectivamente, além de um logradouro, comum a todas, com a superfície de 172, 80m2, áreas de cuja soma resultava a superfície total de 790m2. Sob o averbamento n.º 4, lavrado em 1969, foi anexado à dita moradia D, inscrita sob o artigo 3368, o prédio descrito sob o número 12435, a fls. 79v do livro B-40, ficando a mesma, por tal razão, a dispor de um logradouro com 157m2, área resultante da adição à inicial (132m2) de 25m2, parte do já referido artigo urbano 1620, correspondente, na íntegra, à descrição então anexada. Adicionada a área total das moradias a esta área de 25m2, resultaram os 815m2, que aparecem como área total do prédio da ficha n.º, na qual não estão discriminadas ao contrário do que sucede com a descrição em livro as áreas parcelares de cada um dos artigos englobados na descrição em causa, porquanto, naturalmente, tratando-se, para efeitos registrais, de um prédio único, a menção da dita área global bastará ao cumprimento do dever legal de fazer constar do extracto da descrição A composição sumária e a área do prédio [art.º 82.º, n.º 1. alínea d), C.R.P.]. 8

9 Sucede que, em relação à superfície do referido logradouro comum, é equívoca a informação veiculada pelas certidões matriciais juntas, de duas das quais as relativas aos artigos 3247 (moradia A) e 3246 (moradia B), cujos logradouros apresentam as áreas de, respectivamente, 128,69m2 e 55,60m2 consta, sob a epígrafe Descrição do prédio, que O logradouro é comum com os artigos 3247, 3367 e 3368, sem que na certidão relativa a cada um destes dois últimos nada, correspondentemente, se refira. 7 Daí que, não contabilizando qualquer logradouro comum, sendo os referenciados logradouros havidos como próprios daqueles artigos, o total da área matricialmente apurada apresente, relativamente à área total constante da descrição (a maior 815m2), uma diferença superior aos então previstos 5%. De tudo o que se acabou de se dizer resulta que na área global de 815m2 constante da descrição ora informatizada sob o n.º 4311, pese embora o facto de não constar do teor das respectivas matrizes, está necessariamente contida uma área de logradouro comum, porventura maior do que a que constava do respectivo livro (172,80m2), face à constatada diminuição de algumas das áreas parciais dos demais artigos urbanos abrangidos na descrição n.º.. Assim, enquanto a soma das áreas dos ditos artigos, especificados no livro, é de 667,20m2 sobrando, para logradouro, 147,80m2 -, a soma das áreas dos mesmos artigos, constante da matriz, é de 623,14m2 restando, para logradouro, a área de 191, 86m2, à qual há que abater a superfície de 33m2, relativa à garagem nele construída, inscrita na matriz sob o artigo 9841, ficando, então, o logradouro com 158,86m2. Valor este que, afinal, será superior em 11,06m2, apenas, ao que o recorrente alega ser o actual, portanto, bastante menos do que os 10% em relação à área maior, percentagem indispensável para a dispensa da harmonização, nos termos do previsto no citado artigo 28.º-A. 7 A alegada inclusão no teor de um determinado artigo matricial de um logradouro comum a outros artigos só se explica pela particular configuração da situação de facto a que os artigos matriciais em causa se reportam. Como claramente resulta da explanação a que procedemos na anterior nota de rodapé, a realidade consolidada no terreno, desde o ano de 1966, corresponde a um verdadeiro conjunto imobiliário, todavia não submetido ao regime jurídico da propriedade horizontal, tendo em vista a previsão contida no artigo 1438.º-A, do Código Civil (preceito aditado pelo D. L. 267/94, de 25/10). Situação esta que, do mesmo passo, justifica a excepção verificada relativamente ao princípio enunciado no n. 2 do artigo 80.º do CIMI ( Salvo o disposto nos artigos 84.º e 92.º, a cada prédio corresponde um único artigo da matriz ; os ressalvados artigos 84.º e 92.º referem-se, respectivamente, à inscrição na matriz de prédios mistos e de prédio em regime de propriedade horizontal). 9

10 O que, associado à constatada ausência de qualquer declaração do herdeiro sobre a área correcta do prédio, invalida a possibilidade de actualizar a descrição objecto do registo cuja recusa ora se impugna. 8 Considerando o que se expôs, entende o Conselho que o recurso não merece provimento Deliberação aprovada em sessão do Conselho Técnico de 25 de Março de Maria Eugénia Cruz Pires dos Reis Moreira, relatora Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Presidente em 8 Isto, naturalmente, face aos documentos que instruíram o pedido de registo em apreço (cfr. o que dissemos no ponto 7, a propósito da questão prévia). O que não impede que, a título informativo sobre o procedimento a adoptar no futuro próximo, nos pronunciemos sobre a suficiência dos documentos ulteriormente juntos ao processo, acompanhados que se mostrem da declaração do herdeiro de que a área correcta é a constante da matriz, com vista à efectivação do pretendido registo, nos termos expostos. 10

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT P.º R. P. 184/2009 SJC-CT Transferência de património, ao abrigo do D. L. n.º 112/2004 de 13 de Maio, entre dois organismos integrantes do sistema de segurança social, o Instituto da... e o Instituto Recusa

Leia mais

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT -Transacção judicial Registo de aquisição Título Reconhecimento do direito de propriedade Trato sucessivo Obrigações fiscais. DELIBERAÇÃO Vem o presente recurso hierárquico interposto

Leia mais

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO 1., advogado, apresentou na Conservatória do Registo Predial de, no dia de de ( Ap. ), um pedido de registo a que chamou

Leia mais

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT:

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: Renovação de registo provisório de aquisição lavrado com base em contrato-promessa de alienação. Documento comprovativo do consentimento das partes. Declarações complementares

Leia mais

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT Prédio inscrito a favor dos autores da herança. Pagamento das dívidas destes. Penhora. Habilitação dos herdeiros. Identificação dos sujeitos. Documento bastante. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO Sobre o prédio da ficha nº, da freguesia de..., da Conservatória do Registo Predial de prédio urbano situado na Rua...,, inscrito

Leia mais

N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 59/ CC /2016 N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação: 23-10-2016 Recorrente: Município de P... Recorrido: Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Pº R.P. 12/2009 SJC-CT-

Pº R.P. 12/2009 SJC-CT- Pº R.P. 12/2009 SJC-CT- Recusa do pedido de registo com base em culpa leve do serviço de registo Restituição do emolumento - descrição do caso em especial. Relatório: DELIBERAÇÃO Pela Ap. 45, de 11 de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer Proc. R.C. 3/2008 SJC CT Parecer Recurso hierárquico. Aquisição da nacionalidade portuguesa por efeito de adopção por decisão transitada em julgado antes da entrada em vigor da Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro.

Leia mais

1 Em suporte deste entendimento, havia já a recorrente invocado, no âmbito do processo de suprimento

1 Em suporte deste entendimento, havia já a recorrente invocado, no âmbito do processo de suprimento P.º n.º R. P. 204/2009 SJC-CT Divergência de áreas do prédio registando entre a que consta no título e a resultante do teor matricial. Interpretação dos artigos 28.º-A e 28.º-B do Código do Registo Predial.

Leia mais

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT-

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- Fixação do sentido e alcance da norma contida no n.º 5 do artigo 31.º do D. L. 287/2003, de 12/11 Reconhecimento ao interessado da possibilidade de requerer hoje a liquidação

Leia mais

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório 1. Em 01/09/2008 foi apresentado, na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

R.P. 140, /2006 DSJ-CT-

R.P. 140, /2006 DSJ-CT- P.ºs R.P. 140, 141 e 142/2006 DSJ-CT- Averbamento de alteração da inscrição de aquisição Modificação subjectiva Alteração da firma ou denominação de sociedade estrangeira (no âmbito de transferência de

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório:

Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório: P.º R. Co. 4/2007DSJ-CT - Registo da constituição da sociedade e nomeação de gerentes. Título constitutivo omisso quanto à data do encerramento do exercício social e ao número de identificação fiscal da

Leia mais

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT Pº R.P. 132/2008 SJC-CT - Impugnação de decisão de recusa, consoante respeite a acto de registo nos termos requeridos ou rectificação de registos ( nºs 1 e 2, respectivamente, do art. 140º do C.R.P.) Interpretação

Leia mais

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 Foi solicitado à ASCR pelo Dr. Inácio Peres uma breve exposição sobre algumas questões notariais e registrais no âmbito da insolvência. Como

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento Parecer P.º C. C. 73/2012 SJC-CT (Anexo IV) ASSUNTO: Dúvidas Emolumentares decorrentes das alterações introduzidas ao Regulamento Emolumentar dos Registos e do Notariado pelo Decreto-Lei n.º 209/2012,

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO A ficha... descreve um terreno para construção com a área de 2 080m2, inscrito

Leia mais

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT - 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT Recorrente: Joaquim. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial do. Acto impugnado: Indeferimento liminar de pedidos de rectificação das inscrições 3 e 4 relativas à sociedade

Leia mais

P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície.

P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície. P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície. DELIBERAÇÃO 1. O prédio descrito sob nº... da freguesia de foi, na dependência

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 1/ CC /2017 N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação: 20-01-2017 Recorrente: Francisco J.., representado por Constantino.., advogado.

Leia mais

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património

79/V/98. (Objecto. IUP- Imposto Único sobre o Património 1º (Objecto A presente lei cria o Imposto Único sobre o Património (IUP) que se gere pelos princípios e normas previstos nesta lei e pelo respectivo regulamento. 2º IUP- Imposto Único sobre o Património

Leia mais

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT - Aquisição. Usucapião. Justificação notarial para reatamento do trato sucessivo. Imposto de selo. Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho. Doação. Caducidade do ónus de eventual

Leia mais

Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Requerimento n.º Processo de Obras n.º (quadro a preencher pelos serviços) (n.º 4 do artigo 4º do D.L.555/99 de 16 de Dezembro) Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Identificação

Leia mais

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*)

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) Proc. n.º 267/2009-CS/R Relator: António A. Salazar Relatório

Leia mais

1 de 6 11-06-2009 19:23 Portaria n.º 216-E/2008, de 3 de Março Enuncia todos os elementos que devem instruir os pedidos de emissão dos alvarás de licença ou autorização de utilização das diversas operações

Leia mais

Guia de Permuta de Imóveis

Guia de Permuta de Imóveis Guia de Permuta de Imóveis Portal Imobiliário CasaYES Todos os direitos reservados 1 Vai Permutar a sua Casa? Casa? Preste atenção ao seguinte! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos

Leia mais

Apêndice 1. ANÁLISE AO PROCESSO DE

Apêndice 1. ANÁLISE AO PROCESSO DE Apêndice 1. ANÁLISE AO PROCESSO DE EXECUÇÃO CADASTRAL Segundo as especificações técnicas, versão 2.2., presentes no CE, a Execução do Cadastro Predial é um processo técnico de recolha e tratamento dos

Leia mais

QUADRO LEGISLATIVO. SECÇÃO VIII Reconhecimentos. Artigo 153.º Espécies

QUADRO LEGISLATIVO. SECÇÃO VIII Reconhecimentos. Artigo 153.º Espécies QUADRO LEGISLATIVO DL n.º 250/96, de 24 de Dezembro: Altera o Código do Notariado (aprovado pelo Decreto-Lei n.º 207/95, de 14 de Agosto) e procede à abolição dos reconhecimentos notariais de letra e de

Leia mais

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 209/2 PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE OBRAS URBANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO. Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara

Leia mais

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres:

«pretende abrir um gabinete jurídico na comarca de A Nessa sequência pretende colocar um letreiro no vidro do gabinete com os seguintes dizeres: 1 Parecer nº 43/PP/2013-P Relator: Sr. Dr. Carlos Vasconcelos I - Por comunicação escrita, datada de 26 de Agosto de 2013, dirigida ao Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados, a Senhora Doutora

Leia mais

Outro (especificar) Em relação à totalidade do imóvel constante do processo nº /, (escolha opção):

Outro (especificar) Em relação à totalidade do imóvel constante do processo nº /, (escolha opção): 1/7 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE EDIFÍCIOS OU FRAÇÕES Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se à DMGU, ao Sr. Arquitecto Aníbal Caldas. Sofia Lobo Chefe da Divisão de Contencioso e Apoio à Contratação Pela Chefe de Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica, nos termos da Ordem

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Envie-se a presente informação ao Sr. Chefe da Divisão Municipal de Obras Particulares, Arq. Duarte Lema Anabela Moutinho Monteiro Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 17.06.2011

Leia mais

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra. Despacho:

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra. Despacho: 1/5 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE CERTIDÃO DE DESTAQUE Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de.

Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Relatório 1. Com data de 13 de Outubro de 2008 ( cuja apresentação só foi anotada no Diário no dia 20090624,

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL 1 - Por força do disposto no EOA, os cidadãos de nacionalidade brasileira diplomados por qualquer faculdade de Direito do Brasil ou de Portugal,

Leia mais

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar)

de: Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador Outro (especificar) 1/7 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE PRORROGAÇÃO DE PRAZO Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Sintra (nome do requerente),

Leia mais

Pagamento da taxa através da guia n.º de / /

Pagamento da taxa através da guia n.º de / / Registo de Entrada N.º Proc.º Em / / Funcionário: Informação - Prosseguir seus termos Em / / A Responsável da U.O.F.U.O.S.U. Despacho - Prosseguir seus termos Em / / O Vereador do Pelouro Exm.º Senhor:

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO 1. Indicando como objecto mediato o prédio descrito sob o nº... da freguesia de..., o recorrente apresentou na Conservatória do Registo

Leia mais

Deliberação ERC/2017/72 (DR-I)

Deliberação ERC/2017/72 (DR-I) Deliberação ERC/2017/72 (DR-I) Recurso apresentado por DICTUM ET FACTUM ASSESSORIA EM ACTIVIDADES ECONÓMICAS E AMBIENTE, Lda., em alegada representação de CENTROLIVA- INDUSTRIA E ENERGIA, S.A., contra

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O 1 PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O nº1 do artº 74º do E.O.A. dispõe que No exercício da sua profissão, o advogado tem o direito de solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMGUF, Arq.º Aníbal Caldas. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.05.21 N.º Inf: ( ) Ref.ª: ( ) Porto, 18/05/2010

Leia mais

P.º R. P. 267/2008 SJC-CT-

P.º R. P. 267/2008 SJC-CT- P.º R. P. 267/2008 SJC-CT-Anexação de parcela de terreno para construção urbana (inicialmente integrada no domínio privado do município por cedência em alvará de loteamento) a prédio rústico do mesmo proprietário

Leia mais

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- Averbamento de rectificação da descrição quanto à área, fundado em erro de medição. Enquadramento do respectivo pedido na previsão legal do artigo 28.º-C do CRP ou no processo

Leia mais

P.º R. P. 99/2010 SJC-CT

P.º R. P. 99/2010 SJC-CT P.º R. P. 99/2010 SJC-CT Conversão da inscrição de penhora, provisória por natureza (alínea a) do n.º 2 do artigo 92.º do Código do Registo Predial), com fundamento em decisão judicial transitada em julgado

Leia mais

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas EXPROPRIAÇÕES Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública Orientações técnicas 2009 1 Introdução A declaração de utilidade pública da expropriação dos bens imóveis e direitos a eles inerentes

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 66/ CC /2016 N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: 16-12-2016 Recorrente:..-ALUGUER DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, LDA Recorrido: Conservatória

Leia mais

PARECER. Relatório. Instituto dos Registos e do Notariado. mod. 4

PARECER. Relatório. Instituto dos Registos e do Notariado. mod. 4 P.º R. P. 169/2008 SJC-CT- Justificação do direito de propriedade e compra e venda de fracção autónoma de prédio, objecto de fraccionamento e emparcelamento, divisão de coisa comum e constituição de propriedade

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º n.º R. P. 188/2008 SJC-CT- Escritura de revogação de justificação notarial. Cancelamento do registo de aquisição titulado por escritura de justificação. Direitos inscritos a favor de terceiros. DELIBERAÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P.90/2007 DSJ-CT: Anexação de prédios descritos -recusa. Divergência entre a soma das áreas dos prédios a anexar e a área do prédio resultante da anexação invocação de erro de medição. Operação de

Leia mais

EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 218/2 EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória (nome do requerente ), Contribuinte (pessoa singular

Leia mais

Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março

Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março (não dispensa a consulta do Diário da República) Decreto-Lei n.º 62/99, de 2 de Março A Lei n.º 57/98, de 18 de Agosto, e o Decreto-Lei n.º 381/98, de 27 de Novembro, vieram operar uma profunda renovação

Leia mais

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas

EXPROPRIAÇÕES. Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública. Orientações técnicas EXPROPRIAÇÕES Instrução dos pedidos de declaração de utilidade pública Orientações técnicas 2016 1 Introdução A declaração de utilidade pública da expropriação dos bens imóveis e direitos a eles inerentes

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL (14.ª Edição) Errata Código do Registo Predial 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL Errata BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Rua Fernandes Tomás, n.ºs 76, 78, 80 3000-167

Leia mais

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto*

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* O Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

Comercial de M. d e Can aveses, frente à pretensão da A. no sentido de r ectificar o

Comercial de M. d e Can aveses, frente à pretensão da A. no sentido de r ectificar o PN 254.06-5; Ag: TC M. Canaveses 2º J. ( Ag.e: Ag.a: Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto. I. INTRODUÇÃO: (a) A recorrente não se conformou com a decisão de 1ª instância, que manteve o despacho

Leia mais

N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: PARECER

N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: PARECER N.º 28/ CC /2014 N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: 17-12-2014 Consulente: Conservatória do Registo Comercial e de Automóveis de.... Assunto: Palavras-chave: Registos de apreensão,

Leia mais

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Registos e Notariado ª Edição. Actualização nº 2

Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Registos e Notariado ª Edição. Actualização nº 2 Lei nº 7/2009, de 12 de Fevereiro [1] Registos e Notariado 2011 13ª Edição Actualização nº 2 1 [1] Código do Trabalho REGISTOS E NOTARIADO Actualização nº 2 ORGANIZAÇÃO BDJUR BASE DE DADOS JURÍDICA EDITOR

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada Registo de Entrada Despacho Registado em SPO Reqº.n.º. / / Procº. / / Data / / O Assist. Técnico Em, / / O Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: 1. O Decretos-lei n.º 28/2000, de 13 de Março, n.º 237/2001, de 30 de Agosto e n.º 76-A/2006, de 29 de Março atribuíram, nomeadamente, aos advogados e aos solicitadores,

Leia mais

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A [ESCLARECIMENTOS SOBRE A ATRIBUIÇÃO DE BENEFÍCIOS FISCAIS NA ARU DA HORTA] ARU da Horta = Área de Reabilitação Urbana do centro Histórico da Cidade da Horta delimitada em sede de Assembleia Municipal do

Leia mais

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO Já conhece as regras de instrução de processos em formato digital? Consulte toda a informação em

Leia mais

O processo foi documentalmente instruído e procedeu-se á sua análise seguida de debate e deliberação deste Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional.

O processo foi documentalmente instruído e procedeu-se á sua análise seguida de debate e deliberação deste Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional. RECURSO CFJN Nº010 /09 R Acordam no Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional O associado dirigente, do Núcleo Cidade do Porto, da Região do Porto do CNE, interpôs em 29/6/2009 recurso para o Conselho Fiscal

Leia mais

Diploma DRE. Secção I. Procedimentos simplificados de sucessão hereditária. Artigo 1.º. Atendimento prévio

Diploma DRE. Secção I. Procedimentos simplificados de sucessão hereditária. Artigo 1.º. Atendimento prévio Diploma Regulamenta os termos da prestação do serviço no «Balcão das Heranças» e no balcão «Divórcio com Partilha», no âmbito dos procedimentos simplificados de sucessão hereditária, e de partilha do património

Leia mais

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Foi com a aprovação do Decreto Presidencial n.º 190/2011, de 30 de Junho, diploma que criou o Gabinete Técnico para a Implementação e Gestão do Plano

Leia mais

Notificada a recorrente da participação apresentada, veio pronunciar-se por escrito nos termos que constam de fls. 11, dizendo o seguinte:

Notificada a recorrente da participação apresentada, veio pronunciar-se por escrito nos termos que constam de fls. 11, dizendo o seguinte: > Conselho Superior > Acórdão CS n.º R-09/2007, de 25 de Maio de 2007 Vem o presente recurso interposto de um acórdão do Conselho Distrital de, que em sessão plenária de 21 de Setembro de 2006, aprovou

Leia mais

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos.

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. Proc. C.C. 109/2010 SJC CT Deliberação Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. O Consulado de Portugal em B., Brasil, atento o despacho n.º

Leia mais

Acórdão nº 2/2011-3ª Secção. (Processo n.º 1-RO-E/2010)

Acórdão nº 2/2011-3ª Secção. (Processo n.º 1-RO-E/2010) SS DCP/NIJF 9.8.2011 Acórdão nº 2/2011-3ª Secção (Processo n.º 1-RO-E/2010) EXTINÇÃO DE ORGANISMOS / RECURSO / SOCIEDADE ANÓNIMA / ACÇÕES NOMINATIVAS / CONTA DE GERÊNCIA / VERIFICAÇÃO INTERNA DA CONTA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção

RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção RESOLUÇÃO Nº 04 /2001-2ªSecção INSTRUÇÕES Nº 01/2001 2ª S INSTRUÇÕES PARA A ORGANIZAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO DAS CONTAS DAS AUTARQUIAS LOCAIS E ENTIDADES EQUIPARADAS, ABRANGIDAS PELO PLANO OFICIAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

Acta n.º

Acta n.º LEGALIZAÇÃO DE VACARIA - Presente o processo de legalização de vacaria, no lugar de Giestinha, freguesia de Friande, em nome de Joaquim Nogueira Teixeira, residente no mesmo lugar. A Assessoria Jurídica

Leia mais

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT Pº R.P. 182/2008 SJC-CT- (i)legalidade de recusa de registo de aquisição pedido com base em inventário, com fundamento na sua manifesta nulidade, mediante invocação de que o prédio partilhado é alheio

Leia mais

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Recorrente:. Banque Sucursal Portugal. Sumário: Registo de penhora de veículo provisório por natureza (art. 92º/2/a) do Código do Registo Predial) Certificação pelo Tribunal de que

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 1/LIC-R/2010

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 1/LIC-R/2010 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 1/LIC-R/2010 Não renovação de licença para o exercício da actividade de radiodifusão sonora de que é titular Rádio Clube

Leia mais

REGULAMENTO DE POSTURA MUNICIPAL PARA NUMERAÇÃO DE EDIFÍCIOS (Números de Polícia) POSTURA MUNICIPAL PARA NUMERAÇÃO DE EDIFÍCIOS (NÚMEROS DE POLÍCIA)

REGULAMENTO DE POSTURA MUNICIPAL PARA NUMERAÇÃO DE EDIFÍCIOS (Números de Polícia) POSTURA MUNICIPAL PARA NUMERAÇÃO DE EDIFÍCIOS (NÚMEROS DE POLÍCIA) POSTURA MUNICIPAL PARA NUMERAÇÃO DE EDIFÍCIOS (NÚMEROS DE POLÍCIA) Nota justificativa Considerando que a numeração dos edifícios nas povoações é uma forma de identificação cada vez mais necessária nomeadamente

Leia mais

PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário.

PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário. PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário. I A Sra. Dra. ( ), Advogada, portadora da cédula profissional nº ( ), com escritório

Leia mais

O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa.

O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa. O procedimento administrativo da Declaração de Utilidade Pública para efeitos de constituição de servidão administrativa. Vítor Vasconcelos Nascimento Coimbra, 30 de Novembro de 2011 O procedimento administrativo

Leia mais

A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação

A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação P.º n.º C.P. 72/2010 SJC-CT Pedidos de registo dependentes formulados por via electrónica. Apresentação em diferentes Conservatórias. Inversão da ordem de anotação no Diário. Artigo 75.º, n.º 4 do Código

Leia mais

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer,

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, Departamento de Urbanismo Município de Alenquer Câmara Municipal REGISTO DE ENTRADA Nº Em / / Proc. N.º / / O Func. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, EMISSÃO DE ALVARÁ DE OBRAS DE

Leia mais

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA 1/5 REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE CARTOGRAFIA PEDIDO DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exm.º Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de.

Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Registo a qualificar: Transmissão de dívida com hipoteca a favor de P Sociedade

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO REGULAMENTO INTERNO DE ATRIBUIÇÃO DE EQUIVALÊNCIA DE HABILITAÇÕES ESTRANGEIRAS AO GRAU DE LICENCIADO EM ENFERMAGEM (De acordo com o Decreto-Lei nº 283/83, de 21 de

Leia mais

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 207/2 ALTERAÇÃO/AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO não precedido de operação urbanística sujeita a controlo prévio Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Pronúncia. A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação

Pronúncia. A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação Pº C.Co. 34/2011 SJC-CT Relatório Em relatório elaborado no âmbito de auditoria levada a cabo à actuação de um conjunto de conservatórias, quanto ao dever de fiscalizar o cumprimento da obrigação de promover

Leia mais

Regulamento de Exercício da Atividade de Arrumador de Automóveis

Regulamento de Exercício da Atividade de Arrumador de Automóveis Regulamento de Exercício da Atividade de Arrumador de Automóveis 30-12-2013 Junta de Freguesia de Espinho Preâmbulo Com a entrada em vigor do Decreto-Lei n.º 75/2013, de 12 de Setembro, foram transferidas

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia REGISTO DE ENTRADA Registado em SPO Procº. / / Reqº. / / Em / / O Assist. Técnico TAXA DE APRECIAÇÃO Paga a taxa no valor de Guia n.º / Em / / O Assist. Técnico DESPACHO Em / / O Presidente da Câmara Ex.mo

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Gabinete das Actividades Económicas. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.03.04 N/Ref.ª:

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC)

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Revogou a Sentença nº 5/2016 - SRATC ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Descritores: Extinção do procedimento por responsabilidades sancionatórias /prescrição/ artigo

Leia mais

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA EXERCÍCIO DA ATIVIDADE DE INTERMEDIAÇÃO DE MEDICAMENTOS DE USO HUMANO REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA A intermediação de medicamentos é qualquer atividade ligada à venda ou compra de medicamentos, com exceção

Leia mais

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Os actos praticados pelo advogado no uso da competência que lhe é atribuída pelo artº 38º do Dec-Lei nº 76-A/2006, bem como os documentos que os formalizam, porque

Leia mais

Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES:

Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES: Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES: 1 - A decisão que venha a ser proferida no processo deve fixar a compensação que é devida ao patrono nomeado sempre que o beneficiário do apoio judiciário beneficie

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º R. P. 266/2008 SJC-CT: Registabilidade da acção em que a autora, alegadamente proprietária de um prédio urbano, constituído por dois blocos/edifícios, implantado num terreno para construção, descrito

Leia mais

PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 228/2 PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória (nome do requerente ), Contribuinte (pessoa

Leia mais

P.ºs n.ºs 205 e 205-A/2009 SJC-CT Transmissão de créditos hipotecários. Imposto do selo. (in)aplicabilidade da verba 17.1 da TGIS.

P.ºs n.ºs 205 e 205-A/2009 SJC-CT Transmissão de créditos hipotecários. Imposto do selo. (in)aplicabilidade da verba 17.1 da TGIS. P.ºs n.ºs 205 e 205-A/2009 SJC-CT Transmissão de créditos hipotecários. Imposto do selo. (in)aplicabilidade da verba 17.1 da TGIS. DELIBERAÇÃO Do numeroso conjunto de créditos que por escritura de / /

Leia mais