P.º n.º R.P. 136/2011 SJC-CT Justificação notarial. Artigo 99.º, n.º 1 do Código do Notariado. DELIBERAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P.º n.º R.P. 136/2011 SJC-CT Justificação notarial. Artigo 99.º, n.º 1 do Código do Notariado. DELIBERAÇÃO"

Transcrição

1 P.º n.º R.P. 136/2011 SJC-CT Justificação notarial. Artigo 99.º, n.º 1 do Código do Notariado. DELIBERAÇÃO A ficha nº..., da freguesia de, do concelho de..., descreve um prédio misto com a área total de 2 572m2, sendo a área coberta de 72m2 e a área descoberta de 2 500m2, inscrito na matriz sob o artigo... urbano e sob o artigo... rústico. Confronta do norte com... Este prédio tem registo de aquisição a favor de..., c.c.... (ap. de 1985/11/21). Pela ap. de 5 de Maio de 2011 foi presencialmente requisitado na Conservatória recorrida o registo de aquisição do prédio anteriormente identificado a favor dos ora recorrentes. Dentre os documentos que instruíram o pedido, ressaltam uma fotocópia de certidão judicial e uma fotocópia de escritura pública. A certidão judicial é extraída do processo sumário com o nº, do Tribunal Judicial de..., em que são autores os ora recorrentes... e... e réus os titulares inscritos e, e certifica o trânsito em julgado em 17/11/2010 da sentença fotocopiada. Da leitura desta sentença ficamos a saber que: a) os autores propuseram acção declarativa contra os réus, pedindo a condenação destes a reconhecerem que eles AA eram «proprietários do prédio misto denominado..., inscrito na matriz urbana sob o artigo... e terreno de cultura arvense, inscrito na matriz rústica sob o artigo, ordenando-se a rectificação dos registos existentes e procedendo-se para o efeito aos cancelamentos que se mostrem necessários», alegando inter alia que adquiriram por negócio verbal tal prédio, que se encontra inscrito na Conservatória do Registo Predial a favor dos RR, no ano de 1983, e que os RR sempre reconheceram os AA como legítimos proprietários; b) os RR contestaram, alegando que os AA não tinham interesse em agir, já que inexistia qualquer conflito, uma vez que eles RR sempre reconheceram os AA como donos do imóvel em causa; c) O Mmo Juiz - invocando como fundamento que «os AA podem outorgar uma escritura de justificação notarial ( ) sem necessitarem de recorrer a juízo» - julgou procedente a excepção dilatória inominada da falta de interesse em agir dos AA e, em consequência, ao abrigo do disposto nos art.s 494º e 288º, nº 1, al. e), ambos do C.P.C., absolveu os RR da instância. A escritura pública é de justificação, foi outorgada em 29/12/2010 no Cartório Notarial de... em... pelos ora recorrentes como justificantes, e nela estes, além do 1

2 mais, declararam: a) que eram, com exclusão de outrem, donos e legítimos possuidores do prédio misto, composto de casa de habitação de rés do chão amplo e primeiro andar, com a superfície coberta de 72m2, e logradouro com 608m2, e terra de cultura arvense com 1 080m2, sito em, freguesia de, do concelho de, descrito na Conservatória do Registo Predial de... sob o nº, inscrito na matriz sob os artigos urbano, que proveio do artigo, e... Secção, que corresponde ao anterior ; b) que para os fins do disposto no artigo 28º-C do Código do Registo Predial declaram que a área correcta do prédio é a agora indicada e constante das respectivas inscrições matriciais e que o prédio não sofreu qualquer alteração na sua configuração geométrica ; c) que o referido prédio veio à sua posse no ano de 1983, por compra verbal ao titular inscrito... e que a sentença anteriormente referida absolveu o e mulher da instância por o Mmo Juiz entender que os AA podiam recorrer à justificação notarial; d) que adquiriram o prédio por usucapião, através de posse pacífica, pública, contínua e de boa fé, cuja factualidade caracterizadora concretizaram. Foi arquivada no Cartório a certidão judicial anteriormente referida. A caderneta predial urbana do artigo descreve um prédio com SC de 72m2 e L com 608m2, avaliado nos termos do CCPIIA por no art. em 1937, e inscrito na matriz no ano de A caderneta predial rústica do artigo Secção descreve um prédio com a área total de 1 760m2, com uma parcela urbana de 440m2, e com a a parte restante (rústica) de 1 320m2, inscrito no ano de 1989, com a observação de que resultou do prédio nº Proc.. O ora recorrente apresentou em 04/05/2011 no Serviço de Finanças de... um pedido de actualização da área da parcela urbana do artigo Secção (que corresponde ao artigo urbano ) para 680m2, e da área da parte restante (rústica) para 1 080m2. Em 13 de Maio de 2011 a Senhora Conservadora proferiu o despacho de qualificação que se transcreve: Após comunicação efectuada no âmbito do art. 73º do Código do Registo Predial, o registo requisitado pela apresentação supra indicada, de aquisição por usucapião do prédio descrito sob o nº da freguesia de, concelho de, foi recusado por a escritura de justificação ser título insuficiente para fazer prova do facto que se pretende registar artigos 69º, nº 1, alínea b), 43º e 68º do Código do Registo Predial e artigos 89º e 99º do Código do Notariado. 2

3 Efectivamente, invoca-se na escritura que os justificantes adquiriram o prédio justificado por compra verbal ao titular inscrito do direito de propriedade, pela Ap. de 21/11/1985,, no ano de Ora, tratando-se de prédio descrito e com inscrição de aquisição em vigor, não consta do título ter sido efectuada a imprescindível notificação dos titulares inscritos, nos termos do que dispõe o nº 1 do referido artigo 99º do Código do Notariado. Com efeito, apesar de ser referido na escritura que os justificantes intentaram contra o titular inscrito e mulher, no Tribunal Judicial de..., uma acção com processo sumário, para que estes os reconhecessem como legítimos donos e possuidores do prédio justificado, tendo o Tribunal decidido não existir interesse processual, podendo os ora justificantes ver o seu direito reconhecido, invocando a posse do prédio através de justificação notarial, tal decisão não substitui a exigência do cumprimento dos trâmites previstos no Código do Notariado nesta matéria, no caso a prévia notificação do titular inscrito, pelo que a escritura de justificação notarial enferma de irregularidade por inobservância de formalidade essencial, que acarreta nulidade do acto. Acresce que seria motivo de dúvidas o facto de constar na escritura que o prédio justificado está inscrito na matriz actualmente sob o artigo da Secção, que correspondia ao anterior artigo não cadastral, constante da descrição, quando da caderneta predial junta resulta que o actual artigo proveio do artigo, o que parece indiciar conjuntamente com o facto de o prédio descrito ter a área de 2572m2 e o justificado ter somente a área de 1760m2, que o prédio ora submetido a registo corresponderá somente a parte do prédio descrito sob o nº de. Pela ap. de 2011/05/31 foi interposto o presente recurso hierárquico da decisão de recusa do pedido de registo, em petição cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. A Senhora Conservadora recorrida sustentou a decisão de recusa, em despacho cujos termos também aqui se dão por integralmente reproduzidos. Saneamento: O processo é o próprio, as partes legítimas, o recurso tempestivo, os recorrentes estão devidamente representados, e inexistem questões prévias ou prejudiciais que obstem ao conhecimento do mérito. Pronúncia: 3

4 A posição deste Conselho vai expressa na seguinte Deliberação 1- A certidão extraída de processo judicial que comprove que, anteriormente à outorga da escritura de justificação notarial, a) os justificantes demandaram os titulares inscritos com pedido de condenação destes no reconhecimento do direito que veio ulteriormente a ser justificado, b) os titulares inscritos contestaram, alegando que os AA não tinham interesse em agir, já que inexistia qualquer conflito, uma vez que eles RR sempre reconheceram os AA como donos do imóvel em causa, e c) o Mmo Juiz absolveu os RR da instância com fundamento na falta de interesse em agir dos AA, constitui, para efeitos do disposto no nº 1 do art. 99º do Código do Notariado, «título em que tenha intervindo o titular inscrito», o qual reprova a exigência da notificação prévia prevista nesta norma de direito notarial Se bem alcançámos o sentido da decisão de recusa do pedido de registo, esta assenta exclusivamente na falta de notificação prévia dos titulares inscritos exigida pelo nº 1 do art. 99º do C.N. É sobre este ponto que vamos discorrer. O nº 1 do art. 99º do actual Código do Notariado (de 1995) diz-nos o seguinte: «No caso de reatamento do trato sucessivo ou de estabelecimento de novo trato, quando se verificar a falta de título em que tenha intervindo o titular inscrito, a escritura não pode ser lavrada sem a sua prévia notificação, efectuada pelo notário, a requerimento, escrito ou verbal, do interessado na escritura». A redacção originária desta norma era a seguinte: «No caso de estabelecimento de novo trato sucessivo ou de reatamento, quando se verificar a falta de título em que tenha intervindo o titular inscrito, a escritura não pode ser lavrada sem a sua prévia notificação judicial avulsa, promovida pelo interessado». No direito notarial pregresso, a citada norma, exactamente com a mesma formulação, teve pela primeira vez assento no nº 1 do art. 108º do Código do Notariado de 1967, na redacção introduzida pelo D.L. nº 286/84, de 23 de Agosto. Sobrepassando a questão de saber se no domínio do Código do Notariado de 1967, anteriormente ao citado D.L. nº 286/84, portanto na ausência de norma imperativa sobre a intervenção do titular inscrito, era legítimo o recurso à justificação notarial com base na usucapião estando o prédio descrito com registo de aquisição (ou de reconhecimento de direito susceptível de ser transmitido ou de mera posse) em vigor (no sentido afirmativo se pronunciou a Direcção-Geral dos Registos e do Notariado, in Código do Notariado, edição actualizada e anotada, 1973, pág. 147), o que verdadeiramente está neste momento em causa é a determinação da razão de ser desta norma. Como tentámos demonstrar no parecer emitido no Pº R.P. 188/2010 SJC-CT, a notificação prévia dos titulares inscritos visa tão somente dar a conhecer a estes a declaração de vontade do requerente em justificar o direito que no Registo está inscrito a favor daqueles. No nosso modesto entendimento, os titulares inscritos não 4

5 2- As dúvidas, não removidas no processo de registo, sobre a identidade do prédio objecto mediato do registo peticionado, designadamente sobre se o mesmo esgota a podem opor-se à notificação, antes, na qualidade de interessados, terão que impugnar em juízo o facto justificado através da respectiva escritura pública (cfr. art. 101º, nº 1, C.N.). O que vale por dizer que, no registo (definitivo) do facto justificado, a intervenção do titular inscrito exigida pelo princípio do trato sucessivo na modalidade de continuidade das inscrições (cfr. art. 34º, nº 4, do C.R.P.) a muito pouco se reconduz: os titulares inscritos devem, previamente à justificação notarial, tomar conhecimento de que determinada pessoa pretende justificar o direito a seu favor inscrito. O princípio do trato sucessivo basta-se com este tipo de intervenção do titular inscrito. Se ele (titular inscrito) não impugnar em juízo o facto justificado, o justificante tem o caminho livre para o registo definitivo. Mas, sendo certo que a intervenção do titular inscrito no título registal à notificação prévia se reconduz, também importa acentuar que com tal intervenção não ficam ilididas as presunções derivadas do registo, de que o direito existe e pertence ao titular inscrito, nos precisos termos em que o registo o define (cfr. art. 7º do C.R.P.). Tais presunções terão que ser ilididas perante o notário pelos justificantes, com recurso aos meios de prova legalmente permitidos. Ora, se assim é, como convictamente pensamos ser, então a expressão «título em que tenha intervindo o titular inscrito» ínsita na citada norma do nº 1 do art. 99º do C.N. não pode ter o significado de documento bastante para registrar facto em que seja causante o titular inscrito, de que derive a transmissão do direito inscrito e objecto da justificação (como parece defender Mónica Jardim, in A Evolução Histórica da Justificação de Direitos de Particulares para Fins do Registo Predial e a Figura da Justificação na Actualidade, publicado em pág. 30). Na nossa modesta opinião, a notificação prévia deve ser dispensada se ao notário for apresentado documento que legalmente comprove que os titulares inscritos tomaram cabal conhecimento de que o direito inscrito a seu favor iria ser notarialmente justificado por pessoa(s) determinada(s). A questão que, então, se coloca é a de saber se a certidão judicial apresentada ao Senhor Notário e por este arquivada é «título em que tenha intervindo o titular inscrito». A nossa resposta não pode deixar de ser afirmativa. Os justificantes quiseram convencer os titulares inscritos de que o direito lhes pertencia, através de acção em que diligenciaram pela obtenção de decisão que lhes reconhecesse o direito e que em relação àqueles titulares inscritos formasse caso julgado. Os titulares inscritos foram citados no processo e contestaram, mas a contestação limitou-se à alegação da inexistência de conflito, uma vez que eles RR (titulares inscritos) sempre reconheceram os AA (futuros justificantes) como donos do imóvel. O Mmo Juiz disse expressamente na sentença de absolvição da instância, que entretanto transitou em julgado, que os AA podiam outorgar escritura de justificação notarial sem necessidade de recurso a juízo. Perante este quadro factual, cremos não ser temerário sustentar que os titulares inscritos tiveram conhecimento pela forma legalmente adequada que os autores naquela acção iriam (muito provavelmente) diligenciar pela obtenção de um título para registo, através da outorga de escritura de justificação notarial. É certo que não tiveram conhecimento do cartório onde tal escritura iria ser outorgada, o que eventualmente dificultaria de algum modo o controlo da publicação da justificação (cfr. art. 100º do C.N.), para o caso de, ao arrepio do comportamento declarativo assumido na acção, pretenderem impugnar em juízo o facto justificado. Mas, a nosso ver, a apontada dificuldade não constitui razão bastante para exigir a notificação prévia dos titulares inscritos. 5

6 descrição predial mencionada no título, devem determinar a feitura do registo como provisório por dúvidas, nos termos do disposto no art. 70º do C.R.P Decorre do despacho de qualificação do pedido de registo que no respectivo processo terá sido aberto subprocedimento de suprimento de deficiências, cujos contornos os autos não nos elucidam, com vista à fixação da identidade do prédio objecto mediato do registo peticionado. E, na verdade, cremos que bem se justificam esforços para alcançar a rigorosa identidade do prédio cuja aquisição os ora recorrentes peticionaram a seu favor. Vejamos. a. Como foi assinalado no relatório, os ora recorrentes-justificantes declararam na escritura de justificação, para os fins do disposto no art. 28º-C do C.R.P., que a área correcta do prédio é a indicada na escritura e que o mesmo não sofreu qualquer alteração na sua configuração geométrica. Ora, como aliás, se bem ajuizamos, os recorrentes acabaram por reconhecer na p.r. (cfr. art. 6º, último parágrafo), em sede de actualização/rectificação da descrição predial, a divergência na área do prédio entre a descrição e o título, quando, como é o caso, a percentagem dessa divergência for superior à prevista no art. 28º-A do C.R.P., só pode ser corrigida nos termos previstos no art. 28º-C deste Código. Tratando-se de matriz (a que ainda figura na descrição) não cadastral, haverá que recorrer a um dos mecanismos previstos na al. b) do nº 2 do citado art. 28º-C: planta do prédio elaborada por técnico habilitado e declaração do titular de que não ocorreu alteração na sua configuração, ou planta do prédio e declaração dos confinantes de que não ocorreu alteração na sua configuração (cfr. parecer emitido no Pº R.P. 179/2008 SJC-CT, ponto 3.2.). b. Mas a identidade do prédio não deve ser questionada apenas quanto à área. Como bem salienta a Senhora Conservadora no despacho de qualificação, consta inequivocamente da matriz que o artigo... Secção resultou do prédio nº Proc., o que está em manifesta contradição com a declaração prestada na escritura de justificação de que aquele artigo Secção corresponde ao artigo da matriz não cadastral, que figura na descrição predial -, sendo certo que não é ao serviço de registo que compete diligenciar pelo apuramento da efectiva correspondência na matriz cadastral do anterior artigo da matriz não cadastral. c. Não subscrevemos a afirmação da recorrida, de que há indícios de que o prédio submetido a registo é parte da descrição predial nº Mas não deixamos de realçar que, sendo o título (escritura de justificação) e a caderneta predial omissos quanto às confrontações do prédio e constando da descrição predial que o prédio confronta a norte com... (recorrente-justificante?), bem se justificará que no eventual processo de registo com pedido de conversão (com remoção das dúvidas) do registo provisório (ou em novo processo de registo do mesmo facto) o conservador reforce o juízo de qualificação, com vista a determinar se o que está em tabela é tão somente a correcção de erro de medição, ou antes «uma real reconfiguração do objecto predial descrito» (cfr. citado parecer do C.T., ponto 3.1.1, terceira nota). d. Na perspectiva do trato sucessivo, e sem prejuízo do que anteriormente sustentámos na conclusão 1ª e na respectiva nota justificativa (1), importa salientar que na certidão judicial apresentada o prédio não está suficientemente identificado, a começar pela sua situação registal (da sentença fotocopiada apenas consta que o prédio está inscrito no Registo Predial a favor dos RR), pelo que importa demonstrar que os RR (titulares inscritos) tomaram conhecimento da verdadeira identidade do prédio objecto do direito justificado. 6

7 Nos termos expostos, é entendimento deste Conselho que o recurso merece provimento parcial, devendo o registo ser efectuado provisoriamente por dúvidas, assinaladas em nota (2). Deliberação aprovada em sessão do Conselho Técnico de 16 de Novembro de João Guimarães Gomes de Bastos, relator. António Manuel Fernandes Lopes, com declaração de voto em anexo. Maria Madalena Rodrigues Teixeira, subscreve integralmente a declaração de voto emitida pelo vogal António Lopes. Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Presidente em

8 P. R.P. 136/2011 SJC-CT Declaração de Voto Pela minha parte, entendo que o recurso deveria improceder em toda a linha: a recusa do registo é plenamente justificada, e nos precisos termos em que a sra. conservadora o decidiu. Digo porquê, de maneira breve. O n.º 1 do art. 99.º do CN manda que se proceda à notificação prévia do titular inscrito quando com a escritura de justificação se pretenda obter documento destinado a reatar ou estabelecer novo trato e não se disponha de título comprovativo da intervenção desse titular. Ao contrário do que é defendido na fundamentação da conclusão 1.ª, é minha firme convicção que o título a que a norma se refere tem o significado de documento suficiente para registo de facto maxime, de aquisição em que aquele titular figure como causante ou transmitente, e, portanto, de documento idóneo a ilidir as presunções que do registo a seu favor emergem (art. 7.º CRP), na exata medida em que o conteúdo do direito justificando inscrevendo o demande. Está bem de ver que, arrancando deste entendimento quanto ao sentido da condição normativa negativa de que a lei faz depender a obrigatoriedade da notificação prévia, nunca na certidão judicial com que o sr. notário instruiu a escritura, com o específico conteúdo que no texto se cuidou de concretizar, se poderia dar a referida intervenção por comprovada. A notificação prévia, é verdade, não tem outra função que não seja a de pôr o titular inscrito ao corrente de que determinada pessoa se propõe justificar e obter registo de direito contra e em prejuízo do registo do direito que a favor dele existe, por modo a que, querendo, de seu lado prontamente possa lançar mão dos adequados mecanismos de defesa da posição tabular ameaçada, maxime impugnando em juízo a escritura de justificação outorgada. Mas constatar e reconhecer isto, creio, não autoriza a concluir que título em que tenha intervindo o titular inscrito tem o mero significado de documento donde resulte que esse titular tomou ou pôde tomar conhecimento de que tal determinada pessoa se preparava para contra si justificar o direito quer dizer, não é porque a intervenção que do titular inscrito se assegura mediante a notificação prévia 8

9 tem semelhante valor elementar, ou reduzido, ou mínimo, que se segue que outro tanto reduzido valor haja de ter o título em que tenha intervindo o titular inscrito. Mais. Do ponto de vista da defesa da posição inscrita creio que não se afigura bastante demonstrar que o respetivo titular ficou a saber, em ação de reconhecimento do direito de propriedade ou noutro qualquer contexto, mais ou menos formal, que o futuro confirmado justificante (em face da escritura ulteriormente presente ao conservador) poderia vir a tornar-se justificante, porquanto esse simples e fortuito conhecimento nada adianta quer quanto à probabilidade do efetivo recurso à justificação, quer quanto ao seu eventual tempo e lugar, quer quanto ao seu modo. Diferentemente, quando é notificado nos termos prescritos no art. 99.º, o titular inscrito fica a saber tudo quanto por aquele outro modo não chega a saber; e sabe também, e crucialmente, que o recurso à justificação deixou de ser uma simples eventualidade para passar a ser uma quase certeza iminente. Portanto, e concluindo quanto ao caso dos autos: o titular inscrito, antes da escritura de justificação, não foi notificado de que a escritura se preparava, nem a certidão judicial junta comprova minimamente a intervenção dele nos termos em que, se verificada, a notificação se dispensaria. Consequentemente, não poderia tal escritura considerar-se título suficiente para a prova legal do facto a registar; a recusa impunha-se por força do disposto na al. b) do n.º 1 do art. 69.º. Dir-se-á mais apenas que, no que toca aos subsidiários motivos de provisoriedade por dúvidas levantados, é completa a nossa concordância. Lisboa, 16 de Novembro de O vogal, António Manuel Fernandes Lopes 9

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus;

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus; 1 Pº R. P. 170/2008 SJC-CT: Registo de acção de preferência pedido de cancelamento do registo de aquisição a favor do comprador e do registo de aquisição a favor de terceiro adquirente. DELIBERAÇÃO 1.

Leia mais

P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro.

P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro. P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro. DELIBERAÇÃO A. O prédio da ficha nº...... prédio rústico inscrito

Leia mais

Pº R.P. 71/2008 SJC-CT

Pº R.P. 71/2008 SJC-CT Pº R.P. 71/2008 SJC-CT Aditamento a alvará de loteamento Ampliação de área de lote por redução da área do domínio público municipal Título para registo. DELIBERAÇÃO Relatório: O Município de. requisitou

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P. 241/2007 DSJ-CT- Consentimento do credor como título para cancelamento de hipoteca (artigo 56º do C.R.P.) Forma legal Reconhecimento de assinatura por advogado ou solicitador - Registo informático

Leia mais

Pº R.P. 7/2010 SJC-CT

Pº R.P. 7/2010 SJC-CT Pº R.P. 7/2010 SJC-CT Coisas que se encontram no domínio público (fora do comércio jurídico). Insusceptibilidade da sua aquisição por usucapião. Recusa. Imposto de selo. DELIBERAÇÃO 1., advogado, apresentou

Leia mais

Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da

Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da . Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrentes: A e B. Recorrido: Ministério Público. Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da Lei Básica. Data do Acórdão:

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 274/2007 DSJ-CT- Modificação do conteúdo do direito de propriedade horizontal Alteração do regime de uso de certa parte comum de edifício destinado a parqueamento automóvel Suficiência da verificação,

Leia mais

PARECER. 1 Por decisão superior foi determinada a audição deste Conselho acerca da seguinte questão:

PARECER. 1 Por decisão superior foi determinada a audição deste Conselho acerca da seguinte questão: P.º n.º C.P. 34/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis. Digitalização do documento que titula o negócio jurídico no âmbito do referido procedimento. Possibilidade

Leia mais

P.º R. P. 189/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 189/2009 SJC-CT- P.º R. P. 189/2009 SJC-CT- Pedido de rectificação de averbamento à descrição, ao abrigo do disposto no artigo 121.º do Código do Registo Predial Recusa Impugnação hierárquica Legitimidade da entidade ad

Leia mais

Pº R.P. 17/2010 SJC-CT

Pº R.P. 17/2010 SJC-CT Pº R.P. 17/2010 SJC-CT Aquisição. Registo requerido online. Recusa. Falta de pagamento, no prazo legalmente previsto, do emolumento devido pelo processo de recurso. Rejeição do recurso nos termos do disposto

Leia mais

P.ºn.º R.P. 89/2010 SJC-CT Anexação. Hipoteca. Indivisibilidade. Cancelamento. Arredondamento de estremas de prédio confinante.

P.ºn.º R.P. 89/2010 SJC-CT Anexação. Hipoteca. Indivisibilidade. Cancelamento. Arredondamento de estremas de prédio confinante. P.ºn.º R.P. 89/2010 SJC-CT Anexação. Hipoteca. Indivisibilidade. Cancelamento. Arredondamento de estremas de prédio confinante. DELIBERAÇÃO 1. É a seguinte a situação registral dos dois prédios abrangidos

Leia mais

Pº R.P. 129/2009 SJC-CT- AUGI-

Pº R.P. 129/2009 SJC-CT- AUGI- Pº R.P. 129/2009 SJC-CT- AUGI- Parcelas cedidas para o domínio público - Direito de propriedade pública sobre as parcelas de terreno, a favor do Município - Desafectação do domínio público - Registo de

Leia mais

P.º R.P. 204/2007 DSJ-CT-

P.º R.P. 204/2007 DSJ-CT- P.º R.P. 204/2007 DSJ-CT- Anexação de dois prédios urbanos, sendo um deles um terreno para construção urbana, destinado, por vontade do titular inscrito de ambos, a logradouro do outro (edifício de r/c,

Leia mais

P.º R. P. 18/2010 SJC-CT Expropriação por utilidade pública. Integração do bem expropriado no domínio público. Reflexo a nível tabular.

P.º R. P. 18/2010 SJC-CT Expropriação por utilidade pública. Integração do bem expropriado no domínio público. Reflexo a nível tabular. P.º R. P. 18/2010 SJC-CT Expropriação por utilidade pública. Integração do bem expropriado no domínio público. Reflexo a nível tabular. PARECER 1 Os presentes autos respeitam ao pedido de averbamento ao

Leia mais

A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação

A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação P.º n.º C.P. 72/2010 SJC-CT Pedidos de registo dependentes formulados por via electrónica. Apresentação em diferentes Conservatórias. Inversão da ordem de anotação no Diário. Artigo 75.º, n.º 4 do Código

Leia mais

Parecer. Finaliza, formulando um único pedido, correspondente aos efeitos da impugnação pauliana, e que se traduz no seguinte:

Parecer. Finaliza, formulando um único pedido, correspondente aos efeitos da impugnação pauliana, e que se traduz no seguinte: P.º R. P. 150/2005 DSJ-CT: Registo de acção. Pedido constante da petição inicial respeitante apenas à impugnação pauliana, não obstante se invoque também na parte narrativa do articulado a nulidade do

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0891/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO VALENTE TORRÃO SISA AQUISIÇÃO DE PREDIO PARA REVENDA

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: ESTAMO PARTICIPAÇÕES IMOBILIÁRIAS, S.A., pessoa colectiva número 503152544, matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, com sede na Av. Defensores

Leia mais

Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011. Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova.

Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011. Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova. Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011 Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova Sumário 1. Quando o Tribunal estiver perante uma situação em que o arresto

Leia mais

PARECER. cumprir o disposto no artigo 71.º/3 do CRP.

PARECER. cumprir o disposto no artigo 71.º/3 do CRP. 1 P.º n.º R.P. 156/2011 SJC-CT Objecto do recurso hierárquico. Registo provisório. Recusa parcial. Operações bancárias. Especificidades quanto à natureza e regime do crédito e seus acessórios. Juro remuneratório.

Leia mais

N/Referência: PROC.: R. P. 62/2014 STJ-CC Data de homologação: 18-11-2014

N/Referência: PROC.: R. P. 62/2014 STJ-CC Data de homologação: 18-11-2014 N.º 04 / CC /2015 N/Referência: PROC.: R. P. 62/2014 STJ-CC Data de homologação: 18-11-2014 Recorrente: António M.. Recorrido: Conservatória do Registo Predial de S.. Assunto: Palavras-chave: Registo de

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º R. P. 237/2008 SJC-CT- Registo de aquisição. Escritura pública de compra e venda de edifício inacabado. Exigência ou não da apresentação da licença de construção em vigor, face à não ocorrência de

Leia mais

P.º n.º R.P. 160/2010 SJC-CT Crédito garantido por hipoteca. Transmissão por morte. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 160/2010 SJC-CT Crédito garantido por hipoteca. Transmissão por morte. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 160/2010 SJC-CT Crédito garantido por hipoteca. Transmissão por morte. DELIBERAÇÃO 1. A situação registral do prédio descrito sob o nº... da freguesia de, concelho de, é a seguinte: a) Ap.

Leia mais

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser Processo nº 646/2014 (Autos de recurso civil) Data: 14/Maio/2015 Assuntos: Apensação de acções SUMÁRIO - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código de Processo Civil, o pedido de apensação só pode

Leia mais

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

1. Sobre um determinado prédio pertencente ao município consulente foi

1. Sobre um determinado prédio pertencente ao município consulente foi Pº C.P.59/2013 STJ-CC Consulente: Município de.. Sumário: propriedade horizontal em direito de superfície Extinção do direito de superfície causada pela reunião do direito de propriedade do solo e dos

Leia mais

PARECER. Foi atribuído à permuta o valor de 500,00, não havendo lugar ao pagamento de qualquer quantia, por inexistir diferença declarada de valores.

PARECER. Foi atribuído à permuta o valor de 500,00, não havendo lugar ao pagamento de qualquer quantia, por inexistir diferença declarada de valores. P.º R. P. 127/2006 DSJ-CT- Contrato de permuta. Sua caracterização. Registo de aquisição do imóvel permutado. Verificação do cumprimento das obrigações fiscais. Anexação de prédios. Requisitos essenciais

Leia mais

P.º n.º R.P. 76/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio indiciariamente integrado no domínio público.

P.º n.º R.P. 76/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio indiciariamente integrado no domínio público. 1 P.º n.º R.P. 76/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio indiciariamente integrado no domínio público. PARECER Em 31/05/2012, perante a conservatória do registo predial de..., apresentou

Leia mais

- 1 - Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT

- 1 - Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT Pº C. Bm. 47/2008 SJC-CT Consulente: Conservatória do Registo Predial, Comercial e Automóvel de... Objecto da Consulta: Termo final do contrato de locação financeira/vigência do registo. Relatório 1. Por

Leia mais

Juízos Cíveis de Coimbra

Juízos Cíveis de Coimbra Juízos Cíveis de Coimbra AA.:António Francisco Domingues, portador do Cartão do Cidadão nº004897786 válido até 13/10/2013, contribuinte fiscal nº 100097898 e mulher Florbela Francica Santos Domingues portadora

Leia mais

Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. DELIBERAÇÃO

Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. DELIBERAÇÃO Pº R. Co. 39/2005 DSJ-CT- Averbamento de mudança de sede para concelho limítrofe Título. Recorrente:, Ldª. DELIBERAÇÃO Recorrida: Conservatória do Registo Comercial Registo a qualificar: Averbamento à

Leia mais

PºRP 26/2007 DSJ-CT- Expropriação por utilidade pública- Prova matricial. Deliberação

PºRP 26/2007 DSJ-CT- Expropriação por utilidade pública- Prova matricial. Deliberação PºRP 26/2007 DSJ-CT- Expropriação por utilidade pública- Prova matricial. Deliberação 1. Sob a ap. 20 do dia 11/04/2006, foi efectuado na Conservatória recorrida registo de aquisição fundado em expropriação

Leia mais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Diferença entre Registro, Certidão e Matrícula Diferenças entre Averbar e Registrar Necessidade de Retificar um Registro ( retificação

Leia mais

Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011

Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 71-A/1990 Acórdão de: 22-06-2011 ACORDAM NO SUPREMO TRIBUNAL DE JUSTIÇA I. OBJECTO DO RECURSO E QUESTÃO A SOLUCIONAR. No Tribunal do Trabalho de V..., AA SEGUROS

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 116/2008 de 4 de Julho ) CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL TÍTULO I Da natureza e valor do registo CAPÍTULO I Objecto e efeitos do registo SECÇÃO I Disposições fundamentais

Leia mais

Acordam na Secção Administrativa do TCA -Sul

Acordam na Secção Administrativa do TCA -Sul Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 07539/11 Secção: CA - 2.º JUÍZO Data do Acordão: 06-10-2011 Relator: Descritores: Sumário: COELHO DA CUNHA LEI DA NACIONALIDADE. ARTIGOS 6º, 11º

Leia mais

Tribunal de Contas. ACORDÃO Nº 88 /2002-8.Nov-1ªS/SS. Proc. nº 2090/02

Tribunal de Contas. ACORDÃO Nº 88 /2002-8.Nov-1ªS/SS. Proc. nº 2090/02 Mantido pelo acórdão nº 5/03, de 28/01/03, proferido no recurso nº 28/02. ACORDÃO Nº 88 /2002-8.Nov-1ªS/SS Proc. nº 2090/02 1. A Câmara Municipal de Gondomar remeteu para fiscalização prévia deste Tribunal

Leia mais

MATÉRIA COLECTÁVEL. APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS. PRAZO.

MATÉRIA COLECTÁVEL. APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS. PRAZO. Página Web 1 de 8 Acórdãos STA Processo: 0244/06 Data do Acordão: 08-11-2006 Tribunal: PLENO DA SECÇÃO DO CT Relator: PIMENTA DO VALE Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IRC.

Leia mais

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc.

Tribunal de Contas. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06. Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS. Proc. Mantido pelo acórdão nº 24/06, de 04/04/06, proferido no recurso nº 18/06 Acórdão nº 35 /06 7.Fev 1ªS/SS Proc. nº 2 970/05 1. A Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros

Leia mais

PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO

PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO Proc. nº R. Co. nº 45/2001 DSJ/CT - A recorrente vem solicitar a restituição do montante de 96 141$00 de emolumentos correspondente aos actos a que couberam as apresentações

Leia mais

Assuntos: - Direito à informação - Acção para prestação de informação SUMÁRIO

Assuntos: - Direito à informação - Acção para prestação de informação SUMÁRIO Recurso nº 72/2004 Data : 27 de Maio de 2004 Assuntos: - Direito à informação - Acção para prestação de informação SUMÁRIO 1. Há, em princípio, três formas típicas para a prestação da informação procedimental:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO. DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 2.ª Chamada 27 de Junho de 2007)

UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO. DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 2.ª Chamada 27 de Junho de 2007) UNIVERSIDADE DO MINHO ESCOLA DE DIREITO DIREITO PROCESSUAL CIVIL DECLARATÓRIO (3.º Ano 2.ª Chamada 27 de Junho de 2007) Leia atentamente as questões que lhe são colocadas e, só depois, responda às mesmas

Leia mais

R EVISTA DE D IREITO P ÚBLICO E R EGULAÇÃO

R EVISTA DE D IREITO P ÚBLICO E R EGULAÇÃO A C T U A L I D A D E Cedências de terrenos para espaços verdes, equipamentos e infra estruturas João Pereira Reis Rui Ribeiro Lima 1 Enquadramento O instituto da cedência de terrenos no âmbito das operações

Leia mais

N/Referência: PROC.: R. P. 92/2013 STJ-CC Data de homologação: 03-02-2014

N/Referência: PROC.: R. P. 92/2013 STJ-CC Data de homologação: 03-02-2014 N.º 10/ CC /2014 N/Referência: PROC.: R. P. 92/2013 STJ-CC Data de homologação: 03-02-2014 Recorrente: Maria B., Notária Recorrido: Conservatória do Registo Predial de.. Assunto: Recurso Hierárquico Palavras-chave:

Leia mais

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho REGISTO COMERCIAL Isabel Quinteiro Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho Outubro de 2010 Introdução IRN, IP É um instituto público integrado na administração

Leia mais

S. R. CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA PARECER

S. R. CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA PARECER 1 PARECER Nos termos do art. 149º, al. b) do Estatuto dos Magistrados Judiciais, foi solicitado a este Conselho Superior da Magistratura que formulasse as sugestões e os comentários tidos por convenientes

Leia mais

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO DO CONCEITO DE USUCAPIÃO Conceito: Usucapião é modo de aquisição da propriedade (ou outro direito real), que se dá pela posse continuada, durante lapso temporal, atendidos os requisitos de lei. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 138/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio supostamente integrado no domínio público. PARECER

P.º n.º R.P. 138/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio supostamente integrado no domínio público. PARECER P.º n.º R.P. 138/2012 SJC-CT Emissão de certidão negativa respeitante a prédio supostamente integrado no domínio público. PARECER Foi recusada a emissão da certidão negativa que o recorrente requisitou

Leia mais

CÓDIGO CIVIL. CAPÍTULO VI Propriedade horizontal. SECÇÃO I Disposições gerais

CÓDIGO CIVIL. CAPÍTULO VI Propriedade horizontal. SECÇÃO I Disposições gerais CÓDIGO CIVIL CAPÍTULO VI Propriedade horizontal SECÇÃO I Disposições gerais ARTIGO 1414º (Princípio geral) As fracções de que um edifício se compõe, em condições de constituírem unidades independentes,

Leia mais

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO ERRATA

NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO ERRATA NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO ERRATA Novo Regime do Arrendamento Urbano Anotado e Comentado 2 TÍTULO: AUTORES: NOVO REGIME DO ARRENDAMENTO URBANO ANOTADO E COMENTADO Errata Ana

Leia mais

CC 1-2 270 CC), 409, 1 CC).

CC 1-2 270 CC), 409, 1 CC). Contrato típico ou nominado definido pelo art. 874º do CC. Noção - contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço ; Efeitos transmissão da propriedade ou

Leia mais

P.º C. P. 20/2010 SJC-CT

P.º C. P. 20/2010 SJC-CT P.º C. P. 20/2010 SJC-CT - Cessão de créditos hipotecários. Averbamento ou sub-inscrição. Relevância desta distinção no plano da respectiva tributação emolumentar. PARECER As questões concretamente submetidas

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam, em conferência, na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam, em conferência, na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: Página 1 de 16 Acórdãos STA Processo: 0906/14 Data do Acordão: 15-10-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: DULCE NETO Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P18060 Nº do Documento: SA2201410150906 Data

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Acórdãos STJ Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça Processo: 07B1994 Nº Convencional: JSTJ000 Relator: MARIA DOS PRAZERES PIZARRO BELEZA Descritores: BONS COSTUMES DIREITO DE PREFERÊNCIA CONTRATO-PROMESSA

Leia mais

PATRIMÓNIO DE HABITAÇÃO SOCIAL PROPRIEDADE DO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, IP SITO EM ÉVORA

PATRIMÓNIO DE HABITAÇÃO SOCIAL PROPRIEDADE DO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, IP SITO EM ÉVORA 1/26 PATRIMÓNIO DE HABITAÇÃO SOCIAL PROPRIEDADE DO INSTITUTO DE GESTÃO FINANCEIRA DA SEGURANÇA SOCIAL, IP SITO EM ÉVORA ESTUDO SÓCIO-ECONÓMICO Évora, 19 de Outubro de 2007 2/26 ÍNDICE 1. Introdução...

Leia mais

Obrigações Fiscais conexas com a Actividade Notarial - Funcionalidades do Portal das Finanças

Obrigações Fiscais conexas com a Actividade Notarial - Funcionalidades do Portal das Finanças Obrigações Fiscais conexas com a Actividade Notarial - Funcionalidades do Portal das Finanças as - Coimbra - 29 de Maio de 2010 Lisboa - 10 de Julho de 2010 Porto - 11 de Dezembro de 2010 Pedro Duarte

Leia mais

Pº C.Co.11/2012 SJC-CT

Pº C.Co.11/2012 SJC-CT Pº C.Co.11/2012 SJC-CT Consulente: Registo Nacional de Pessoas Coletivas (RNPC). Sumário: (i)legalidade de objeto social que compreenda atividades de cobrança de dívidas e gestão de cobrança de créditos.

Leia mais

Processo n.º 753/2014

Processo n.º 753/2014 Processo n.º 753/2014 (Recurso Laboral) Data : 5/Março/2015 ASSUNTOS: - Acidente de trabalho - Duplicação de indemnização SUMÁ RIO : Se a entidade patronal pagou uma indemnização pela morte de um seu trabalhador,

Leia mais

herdeiros dos doadores.

herdeiros dos doadores. 1 P.º n.º R.P. 26/2011 SJC-CT Ónus de eventual redução de doação sujeita a colação. Doação do prédio sujeito ao encargo feita pelos primitivos beneficiários aos primitivos autores da liberalidade sujeita

Leia mais

Assunto: Procedimentos cautelares. Existência do direito. Alegação dos factos. Prova

Assunto: Procedimentos cautelares. Existência do direito. Alegação dos factos. Prova . Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrentes: AA, AB, AC, AD e AE. Recorrida: AF. Assunto: Procedimentos cautelares. Existência do direito. Alegação dos factos. Prova de factos não alegados. Artigo

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! 1 VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

O R D E M D O S A R Q U I T E C T O S REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO

O R D E M D O S A R Q U I T E C T O S REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO O R D E M D O S A R Q U I T E C T O S REGULAMENTO DE INSCRIÇÃO IAprovado na 25.ª reunião plenária do cdn, de 12 de Setembro de 2006 Publicado no Boletim n.º 165, de Outubro de 2006 Regulamento de INSCRIÇÃO

Leia mais

PARECER R. Co. 52/2005 DSJ-CT

PARECER R. Co. 52/2005 DSJ-CT PARECER R. Co. 52/2005 DSJ-CT - Apresentação de impugnação através de telecópia. Rejeição da impugnação. Aumento de capital por incorporação de suprimentos. Exigência de Relatório de Revisor Oficial de

Leia mais

Reforma do Registo Predial Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho

Reforma do Registo Predial Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho Reforma do Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho Paula Isabel Galhardas Reforma do Abolição da competência territorial Registo predial obrigatório Eliminação da necessidade de apresentação junto dos

Leia mais

Proposta de trabalho. Caso A dívida

Proposta de trabalho. Caso A dívida Proposta de trabalho Caso A dívida A Alfredo Madeiras, SA., é uma sociedade anónima líder nacional no comércio de madeiras e outros materiais de construção, actividade a que se dedica desde 1990, tendo

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 15 Acórdãos STA Processo: 056/14 Data do Acordão: 19-11-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ARAGÃO SEIA Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IRS MATÉRIA COLECTÁVEL

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO NO DOMiNIO DA HABITAC;AO DO MUNICIPIO DE LAGOA-AC;ORES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO NO DOMiNIO DA HABITAC;AO DO MUNICIPIO DE LAGOA-AC;ORES REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO NO DOMiNIO DA HABITAC;AO DO MUNICIPIO DE LAGOA-AC;ORES Artigo 1. Ambito o presente Regulamento aplica-se a toda a area do Concelho de Lagoa. Artigo 2. Objecto Constitui objecto

Leia mais

Página Sentenças de Julgados De Paze

Página Sentenças de Julgados De Paze 1 de 9 Sentença de Julgado de Paz Jurisprudência de Julgados de Paz Processo: 234/2008-JP Relator: DIONÍSIO CAMPOS Descritores: CONTRATO DE ACESSO À INTERNET - CUMPRIMENTO DEFEITUOSO - RESOLUÇÃO CONTRATUAL

Leia mais

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos

ARTIGO 1º Âmbito O presente Regulamento define as condições de candidatura, avaliação e distinção dos REGULAMENTO ENQUADRAMENTO O mais recente diploma legal que estabelece o regime jurídico da instalação, exploração e funcionamento dos empreendimentos turísticos - Decreto-Lei n.º 39/2008, de 7 de Março,

Leia mais

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 06247/10 Secção: Data do Acordão: Relator: Descritores: Sumário: 2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO 14-10-2010 RUI PEREIRA OPOSIÇÃO À

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado Profissionalizante em Ciências Jurídico-Forenses

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado Profissionalizante em Ciências Jurídico-Forenses FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA Mestrado Profissionalizante em Ciências Jurídico-Forenses SIMULAÇÃO PROCESSUAL E COMENTÁRIO DE JURISPRUDÊNCIA DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV REGÊNCIA: PROFESSOR

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE PARLAMENTO NACIONAL Lei n.º 1/2003 de 10 de Março REGIME JURÍDICO DOS BENS IMÓVEIS I PARTE: TITULARIDADE DE BENS IMÓVEIS A ocupação de Timor-Leste, entre 1975 e 1999,

Leia mais

***************************************************************** *** C A M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S ***

***************************************************************** *** C A M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S *** ***************************************************************** *** C A M A R A M U N I C I P A L D E S I N E S *** ***************************************************************** A C T A N.08/98 PAG.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 4134 Diário da República, 1.ª série N.º 128 4 de Julho de 2008 -estruturas desportivas nacional, em articulação com os sectores responsáveis pelos restantes componentes da Carta Desportiva Nacional; i)

Leia mais

REEMBOLSO DE QUANTIAS PAGAS AO TRABALHADOR SINISTRADO

REEMBOLSO DE QUANTIAS PAGAS AO TRABALHADOR SINISTRADO PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 8953/12 Acórdão de: 20-06-2013 Relator: António Vasconcelos ASSUNTO: VALOR TRIBUTÁRIO NOS RECURSOS INDEMINIZAÇÃO POR ACIDENTE DE VIAÇÃO E DE TRABALHO; REEMBOLSO

Leia mais

Rua Tomás Ribeiro 89 3.º 1050 227 Lisboa * Telefone 213 814 100 Fax 213 870 603 1

Rua Tomás Ribeiro 89 3.º 1050 227 Lisboa * Telefone 213 814 100 Fax 213 870 603 1 PARECER DO SMMP SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 235/X/4.ª (GOV) 1 PARECER SOBRE A PROPOSTA DE LEI N.º 235/X/4.ª (GOV) O Governo solicitou a emissão de parecer sobre a Proposta de Lei nº 235/X que visa alterar

Leia mais

REQUERIMENTO PARA REGISTO POR DEPÓSITO

REQUERIMENTO PARA REGISTO POR DEPÓSITO Modelo 3 REQUERIMENTO PARA REGISTO POR DEPÓSITO - Factos relativos a quotas, partes sociais e respectivos titulares 1 Direcção Geral dos Registos e do Notariado www.dgrn.mj.pt Conservatória do Registo

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Fixação de residência em Macau. Pedido de renovação da autorização de

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Fixação de residência em Macau. Pedido de renovação da autorização de Processo n.º 27/2011. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A. Recorrido: Secretário para a Economia e Finanças. Assunto: Fixação de residência em Macau. Pedido de renovação da autorização

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 659.830 - DF (2004/0087560-5) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO CARLOS ALBERTO MENEZES DIREITO : EDUARDO AUGUSTO QUADROS E ALMEIDA : MANOEL FAUSTO FILHO E OUTRO : SOCIEDADE DE

Leia mais

Projecto de Implementação da. Modelo 11

Projecto de Implementação da. Modelo 11 Projecto de Implementação da Reforma da Tributação do Património Modelo 11 MANUAL DO UTILIZADOR VERSÃO 1.0 DGITA Lisboa, 2004 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 Principais Funcionalidades da Aplicação...2 1.2

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0573/13 Data do Acordão: 30-04-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: VALENTE TORRÃO Descritores: Sumário: COMPENSAÇÃO DE CRÉDITOS CPPT PEDIDO PRESTAÇÃO DE GARANTIA Nº Convencional: JSTA000P15671

Leia mais

ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS

ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS ENTREGA DE IMÓVEL ARRENDADO: ALTERNATIVAS SEMANA DA SOLICITADORIA IPCA 6 MAIO 2015 Por Márcia Passos Advogada e Mestre em Direito Márcia Passos - Advogada e Mestre em Direito Contrato de arrendamento RELAÇÃO

Leia mais

Acórdão nº 7/CC/2014. de 10 de Julho. Relatório

Acórdão nº 7/CC/2014. de 10 de Julho. Relatório Acórdão nº 7/CC/2014 de 10 de Julho Processo nº 09/CC/2013 Acordam os Juízes Conselheiros do Conselho Constitucional: I Relatório O Tribunal Administrativo da Província do Niassa (TAPN), remeteu ao Conselho

Leia mais

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA

ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA ACÓRDÃO DO TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA Data: 06-04-2006 Sumário: 1 A afirmação do interesse em agir como verdadeiro pressuposto processual visa assegurar que o direito de acção seja efectivamente exercido

Leia mais

2. LEGITIMIDADE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS

2. LEGITIMIDADE PARA A APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CONDIÇÕES PARA A ALIENAÇÃO, POR AJUSTE DIRECTO, DE QUATRO LOTES DE TERRENO SITOS NA RUA CIDADE DE COIMBRA E NA RUA CIDADE DE BEJA, CRUZ DA PEDRA, FREGUESIA DE FRIELAS. 1. OBJECTO A alienação, por ajuste

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 23/2008 Sigilo Profissional CONSULTA Por requerimento que deu entrada nos serviços deste da Ordem dos Advogados em... de... do corrente ano de..., com o nº..., veio a Sra. Dra. solicitar a

Leia mais

Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS

Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS Transitou em julgado em 09/01/06 Acórdão nº 202 /05-6.Dez-1ªS/SS Proc. nº 2 179/05 1. A Direcção-Geral de Informática e Apoio aos Serviços Tributários e Aduaneiros (DGITA) remeteu para fiscalização prévia

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): À conta de Remessa Oficial, examina-se a sentença proferida pelo MM. Juiz Federal da 2ª Vara da Seção Judiciária do Ceará, que, nos autos da

Leia mais

P.º n.º C. P. 151/2009 SJC-CT Expropriações amigáveis Tradução registral do facto: averbamento de actualização ou inscrição de aquisição.

P.º n.º C. P. 151/2009 SJC-CT Expropriações amigáveis Tradução registral do facto: averbamento de actualização ou inscrição de aquisição. P.º n.º C. P. 151/2009 SJC-CT Expropriações amigáveis Tradução registral do facto: averbamento de actualização ou inscrição de aquisição. PARECER 1 - A presente consulta, deduzida pela referida Conservatória

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na Quinta

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com escritório na Quinta Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito do Tribunal do Judicial de Penafiel 4º Juízo Processo nº 1555/10.7TBPNF Insolvência de Beyond Home, S.A. V/Referência: Data: Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A REGENTE: PROF. DOUTOR MIGUEL TEIXEIRA DE SOUSA 21-01-2015 DURAÇÃO DA PROVA: 2H00 Aproveitando uma promoção

Leia mais

Alvará de Licença. Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel: Fax:

Alvará de Licença. Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel: Fax: Exm. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Grândola Alvará de Licença Mais do que um requerente? Não Sim (em caso afirmativo preencher Anexo A) Identificação do Prédio Prédio descrito na Conservatória

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070500071489/PR RELATORA : Juíza Ana Carine Busato Daros RECORRENTE : FRANCISCA DE OLIVEIRA RODRIGUES RECORRIDA : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL VOTO DIVERGENTE

Leia mais

DELIBERAÇÕES DIVERSAS: --------------------------------------------------------------- 1 BRILHOVAN COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS, LDA PEDIDOS DE LICENÇA

DELIBERAÇÕES DIVERSAS: --------------------------------------------------------------- 1 BRILHOVAN COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS, LDA PEDIDOS DE LICENÇA DELIBERAÇÕES DIVERSAS: --------------------------------------------------------------- 1 BRILHOVAN COMPRA E VENDA DE IMÓVEIS, LDA PEDIDOS DE LICENÇA ESPECIAL DE RUIDO E DE PROLONGAMENTO DE HORÁRIO RATIFICAÇÃO.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 712.998 - RJ (2004/0180932-3) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO PROCURADOR : MARIANA RODRIGUES KELLY E SOUSA E OUTRO(S) RECORRIDO : ADELINO

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos:

DELIBERAÇÃO. Crime que foi introduzido no ordenamento jurídico português pela Lei nº 23/2007, de 4 de Julho, nos seguintes termos: Pº C.C. 24/2010 SJC-CT DELIBERAÇÃO Assunto: Emissão pelos Serviços Consulares de certificado de capacidade matrimonial havendo suspeita de destinar-se a casamento de conveniência Os competentes Serviços

Leia mais

Usucapião Extraordinário (2 Prazos):

Usucapião Extraordinário (2 Prazos): I Encontro de Notários e Registradores na Região dos Lagos Rio de Janeiro -2008 3 e 4 de outubro de 2008. Usucapião Extrajudicial e sua Viabilidade no Ordenamento Jurídico Brasileiro Usucapião no Brasil

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 7/A/11

RECOMENDAÇÃO N.º 7/A/11 Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santa Cruz Praça João de Freitas 9100-157 Santa Cruz Nossa Referência Proc. R-4411/10 (Mad.) RECOMENDAÇÃO N.º 7/A/11 Formulada de acordo com o disposto no

Leia mais

Processo nº 7S4293 Acórdão de: 06-02-2008

Processo nº 7S4293 Acórdão de: 06-02-2008 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 7S4293 Acórdão de: 06-02-2008 Acordam na Secção Social do Supremo Tribunal de Justiça: I 1. Em 27 de Outubro de 1994, no Tribunal do Trabalho de Castelo Branco,

Leia mais