P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO"

Transcrição

1 P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO 1. Indicando como objecto mediato o prédio descrito sob o nº... da freguesia de..., o recorrente apresentou na Conservatória do Registo Predial de, no dia... de de (Ap. ), o pedido de registo de aquisição, provisório por natureza, a favor de, juntando para comprovar esse facto um CONTRATO PROMESSA DE ALIENAÇÃO E AQUISIÇÃO ONEROSA com as assinaturas dos outorgantes presencialmente reconhecidas no dia... de... de 1.1. Previamente ao clausulado pertinente ao contrato celebrado - de cujo nº 1 da cláusula 1ª consta que O PRIMEIRO OUTORGANTE promete alienar ao SEGUNDO OUTORGANTE, que promete adquirir, os lotes que vierem a resultar da operação de loteamento a que se refere o Considerando E e a cláusula 6ª, livres de quaisquer ónus ou encargos foram expressos, entre outros, os seguintes considerandos: B) Pela Ap..../ foi inscrita a emissão do alvará de loteamento nº... de.../ / autorizando a constituição de 16 (dezasseis) lotes de terreno e com as demais especificações constantes daquela inscrição, tendo sido desanexados 16 (dezasseis) lotes que passaram a ser descritos nas fichas nºs..../ a / ; C) Pela Ap. /... foi inscrita a transmissão da propriedade sob os lotes descritos nas fichas nºs. /, /, / e / a favor de terceiros; D) Pela Ap..../ foi anotada a declaração de caducidade do licenciamento e cancelado o respectivo alvará; E) O PRIMEIRO OUTORGANTE Está em processo de instauração de um pedido de licenciamento de uma operação de loteamento tendo por objecto os lotes resultantes da operação de loteamento acima identificada que lhe pertencem ( ou a área correspondente); F) O SEGUNDO OUTORGANTE está vocacionado para a promoção imobiliária e reúne todas as condições necessárias ao bom desenvolvimento do empreendimento imobiliário projectado; G) O SEGUNDO OUTORGANTE não só garante ao PRIMEIRO OUTORGANTE a adequada valorização dos lotes acima identificados como está também em condições 1

2 de promover a construção de um conjunto de infra-estruturas desportivas essenciais para o desenvolvimento das actividades deste último A contrapartida da aquisição dos lotes é constituída por: a) Pagamento de...$00 até 1 mês após a aprovação do projecto de loteamento pela Câmara Municipal; b) Entregar garantia bancária no momento da celebração da escritura; c) Proceder à realização das obras previstas na cláusula 4ª, traduzidas na construção de um complexo social e desportivo a definir pelo 1º outorgante, num ou em vários prédios a indicar pelo mesmo, podendo ter lugar em parte do terreno correspondente aos lotes identificados no considerando B a ele pertencentes ( ) devendo corresponder a essa parte do prédio um lote que não será transmitido ao SEGUNDO OUTORGANTE ; c) Pagamento do valor remanescente previsto na cláusula 5ª O prazo para a celebração da escritura pública dos contratos prometidos foi fixado em 30 dias a contar da emissão do alvará que titulará a licença de loteamento e a licença das obras de urbanização. 2. À data da celebração do contrato promessa o prédio encontrava-se descrito em suporte de papel - com a menção da área restante de...m2, destinada a passeios e arruamentos - com a aquisição inscrita a favor do..., promitente alienante, e com inscrição de loteamento ainda em vigor, encontrando-se anotada à descrição que Por deliberação camarária de de... de foi declarada a caducidade do licenciamento e cancelado o respectivo alvará. Estavam ainda abertas todas as descrições correspondentes aos dezasseis lotes. Na data da apresentação do pedido aqui em tabela temos que a descrição, já informatizada sob o nº /, é formada por terreno para construção urbana com m2, que a aquisição se mantém inscrita a favor do indicado... e que está também em vigor uma inscrição de hipoteca voluntária a favor do Banco, S.A.. Já não está em vigor a inscrição de loteamento, por ter sido cancelada e as descrições relativas a doze daqueles dezasseis lotes estão inutilizadas 1. 1 Ainda quando o prédio estava em suporte de papel foi registada (pela Ap. / ), uma acção interposta pelo dito contra... e mulher,, em que se pedia, entre outras coisas, a condenação dos réus a reconhecerem a caducidade do alvará de loteamento e que fosse ordenado o cancelamento da inscrição emissão. Pelas Ap. / de / /... foi averbada a conversão da inscrição da acção, da respectiva com a decisão final a traduzir-se na procedência dos indicados dois pedidos e na improcedência dos restantes. Oficiosamente foi cancelada a 2

3 3. O registo foi recusado, com a qualificação a ficar expressa no despacho seguinte: RECUSADO: VERIFICA-SE PELO CONTRATO QUE TITULA O ACTO QUE O 1º OUTORGANTE PROMETE ALIENAR AO SEGUNDO OS LOTES DE TERRENO QUE VIEREM A RESULTAR DA OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO QUE SE ENCONTRA EM PROCESSO DE INSTAURAÇÃO DE UM PEDIDO DE LICENCIAMENTO. ORA OS FACTOS RELATIVOS A BENS INDETERMINADOS NÃO PRODUZEM EFEITOS CONTRA TERCEIROS ENQUANTO NÃO FOREM DEVIDAMENTE ESPECIFICADOS E DETERMINADOS. DAÍ NÃO SEREM REGISTÁVEIS. ARTS 5º, Nº 2 AL. C) E 69 Nº 1 AL. C) DO CRP. 4. Do despacho de qualificação vem interposto o presente recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos e que assenta numa interpretação do contrato diversa da levada a cabo pelo senhor conservador, considerando o recorrente que deve subsumir-se na vontade das partes a promessa de alienação e de aquisição onerosa do prédio que será objecto da operação de loteamento ainda que a formalização dessa compra e venda se venha a concretizar em lotes de terreno em que o mesmo se transformará por via de uma operação de loteamento e que No fundo trata-se de compra e venda de um prédio condicionada à viabilização de uma operação de loteamento. 5. O senhor conservador recorrido sustentou a qualificação em despacho cujos termos aqui se dão também por integralmente reproduzidos. Saneamento: O processo é o próprio, as partes legítimas, o recurso tempestivo, e inexistem questões prévias ou prejudiciais que obstem ao conhecimento do mérito. Pronúncia: A posição deste Conselho vai expressa na seguinte Deliberação 1. Determinando a apresentação de contrato promessa o enquadramento do pedido de registo no disposto nos artigos 47º, nº 4 e 92º, nº 1, g) do C.R.P., deve tal contrato ser considerado insuficiente como título para o registo - devendo este ser inscrição de loteamento, foi averbada à descrição a nova identificação do prédio e foi anotada a inutilização das ditas doze descrições ( nºs / a / ). 3

4 recusado ao abrigo do artigo 69º, nº 1, nº 1, b) do C.R.P. - se, estando em falta a determinação do prazo para a celebração do contrato prometido( ou através de termo certo e final ou mediante a concretização do prazo e da data do início da sua contagem), tiver decorrido mais de um ano após a data da sua celebração, atendendo ao disposto no nº 4 do indicado artigo 92º Como resulta do disposto nos art.s 41º e 42º, nº 1 do C.R.P. e art. 5º, nºs 1, 2 e 3 da Portaria nº 621/2008, de 18 de Julho, o objecto mediato do pedido de registo é fixado no próprio pedido, que deve, assim, conter a indicação dos prédios a que respeita, a qual, no caso de prédio descrito ou de parcela a desanexar, é feita pelo número da descrição, freguesia e concelho, devendo no segundo caso reflectir o número de parcelas que constituem objecto mediato do pedido 3. 2 Foi outro, como vimos, o fundamento invocado pelo senhor conservador recorrido mas, independentemente do resultado que vier a merecer a apreciação desse outro motivo de recusa, não pode omitir-se a invocação, desde logo, da indicada insuficiência de título, dado que, como deixámos relatado no texto, faltou a concretização da data do início de contagem do prazo de 30 dias. É que, para lá de este Conselho vir defendendo de forma reiterada que estamos em tais situações perante insuficiência de título ( Cfr., entre outros, o Pº R.P. 140/2001 DSJ-CT, in BRN º 2/2002( II ) ), também vem defendendo, da mesma forma, que a apreciação do mérito do recurso não se deverá conter dentro dos limites das questões suscitadas pela entidade a quo sempre que a omissão de pronúncia sobre questões não suscitadas possa conduzir à realização de registos nulos ( Cfr., entre outros, o Pº nº 2/96 R.P. 4, in BRN 5/96( II) ). 3 In casu a formulação do pedido cumpriu o disposto na lei, com a indicação da descrição nº da freguesia e concelho de Mas será que existe identidade entre esse objecto e o do contrato promessa? É aqui que reside a primeira questão, cuja resposta passa pela interpretação do contrato promessa, procurando o sentido que um declaratário normal possa deduzir dos considerandos e declarações dos contraentes( art. 236º do Código Civil). Ora, a expressão literal das declarações de promessa de alienação e de promessa de aquisição constantes da cláusula primeira não admite outro sentido que não seja o de que as mesmas tiveram por objecto lotes futuros, a resultarem da operação de loteamento a que se refere o considerando E, que por sua vez terá por objecto a área correspondente aos lotes criados pelo anterior alvará de loteamento, cujo alvará caducou, e que corresponde presentemente, depois dos registos referidos na nota 1, ao prédio descrito sob o indicado nº... E do contexto formado pelos considerandos iniciais e pelo restante clausulado abalado aquele sentido das declarações, mostrando-se antes reforçado. não resulta minimamente Dando por assente que o que está titulado é a promessa de alienação dos futuros lotes e não o prédio a lotear, a indicação deste como objecto mediato do pedido de registo constitui desde logo mais um motivo de recusa, já que a sua aquisição, cujo registo foi pedido, não se mostra titulada (art. 69º, nº 1, b) do C.R.P.), aplicandose aqui o que ficou dito na parte final da nota 2. Encontramo-nos perante um contrato promessa que contém uma regulação complexa e unitária, contornos oferecem alguma semelhança com o que esteve cujos na base da qualificação objecto do recurso 4

5 3. Identificado o objecto mediato do contrato promessa simplesmente como sendo os lotes de terreno que vierem a resultar de futura operação de loteamento a levar a efeito sobre determinado prédio, não é legalmente possível proceder ao registo de aquisição a que se referem os indicados artigos 47º, nº 3 e 92º, nº 1, g) do C.R.P., nem nas descrições respeitantes aos lotes, nem na descrição do prédio a lotear 4. Em consonância com o exposto, propomos a improcedência do recurso. hierárquico do Pº R.P. 254/2007 DSJ-CT, disponível intranet, em que também existia uma prestação de serviços como contrapartida da alienação, mas em que, ao contrário do que acontece in casu, a promessa de alienação tinha por objecto o prédio e não os lotes. Remetemos para o que nesse parecer ficou dito quanto ao enquadramento do contrato promessa no princípio da liberdade contratual, quanto a classificação do contrato e quanto às contrapartidas, incluindo a doutrina no mesmo invocada. 4 No contrato promessa dos autos foi assim que a vontade dos contraentes ficou expressa. Como vimos, o senhor conservador não se deteve nem na ausência de identidade entre o pedido e o título, nem na insuficiência de título derivada do disposto no art. 92º, nº 4 do C.R.P. e assentou a sua qualificação exclusivamente na consideração de que foi pedido o registo de aquisição dos lotes e recusou-o com fundamento na indeterminação, fundamento este que manteve acrescentando-lhe a natureza futura dos mesmos lotes. O recorrente admite que o objecto mediato do contrato são os futuros lotes mas, no despacho de sustentação, embora reconhecendo que não é possível proceder ao registo de facto respeitante a bens não juridicamente individualizados, mesmo provisoriamente por natureza com excepção, dizemos nós, das situações previstas nas alíneas b) e c) do nº 1 do art. 92º do C.R.P. - defende que o registo pode ser efectuado no prédio a lotear, pelo que se sentiu para esse efeito obrigado a defender que é este o objecto da promessa e a pedir o registo com o mesmo objecto, ainda que a formalização dessa compra e venda se venha a concretizar em lotes de terreno em que o mesmo se transformará por via de uma operação de loteamento. Diga-se desde logo que o princípio da especialidade condição técnica indispensável para a publicidade registral, como o qualifica Carlos Ferreira de Almeida, in Publicidade e Teoria Dos Registos, pág afasta inequivocamente a possibilidade de efectuar o registo de aquisição de partes do prédio na descrição deste, obrigando à abertura das correspondentes descrições (Cfr. art. 91º, nºs 1 e 2 do C.R.P.). E não é o facto de existir obstáculo legal ao registo sobre o objecto mediato constante do contrato promessa ( lotes ), como veremos, que permite que se ficcione que está titulada a aquisição do prédio a lotear. O registo que assim se efectuasse não seria passível de conversão com base em contrato definitivo respeitante aos lotes. A identificação do objecto do contrato feita pela referência genérica e vaga a lotes futuros, sem mais, nem sequer contém uma individualização e identificação de cada um dos lotes( cfr. art. 44º, nº 1, b) do C.R.P.), o que constituiria por si só um impedimento ao registo que quanto aos mesmos tivesse sido pedido, por falta de elementos. Mas o título não manifesta apenas a falta de individualização no plano da sua identificação mediante indicação dos elementos legalmente previstos (cfr. art. 82º, nº 1, b) a f) do C.R.P.), já que os outorgantes se referem de forma expressa ao licenciamento futuro, do qual virá a resultar a autonomização jurídica dos lotes, sem a 5

6 2010. Deliberação aprovada em sessão do Conselho Técnico de 23 de Setembro de Luís Manuel Nunes Martins, relator. Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Presidente em qual não é viável proceder ao registo. Para desenvolvimento deste ponto impossibilidade legal de proceder ao registo de factos que tenham por objecto bens sem individualização jurídica, mesmo quando em causa não esteja um contrato promessa e um registo provisório pré-contratual - enquadrada nos princípios da actualidade ou imediação e da especialidade ou individualização - remetemos para o que aprofundadamente se defendeu no Pº R.P. 173/99 DSJ-CT ( quer versão inicial quer a que resultou de reapreciação). Temos, assim, que mesmo para quem interprete o pedido de registo no sentido de que o seu objecto mediato são os futuros lotes, como parece ter sucedido com o senhor conservador, o registo deve ser recusado ao abrigo do disposto no art. 69º, nº 1, b) e nº 2 do C.R.P.. 6

7 Pº R.P. 92/2010 SJC-CT (Ficha) Súmula das questões tratadas Registo de aquisição pré-contratual pedido com base em contrato promessa ( art.s 47º, nº 3, 92º, nº 1 g) e nº 4 do C.R.P.). Falta de fixação de prazo para a celebração do contrato prometido ou de concretização da data do início de contagem do prazo concretizado, tendo decorrido mais de um ano sobre a data de celebração do contrato promessa; Forma de fixação do objecto mediato do pedido de registo no caso de prédio descrito ou de parte(s) a desanexar; Falta de identidade entre aquele objecto mediato e o objecto do contrato promessa; Interpretação da cláusula do contrato promessa de que consta que os outorgantes prometem alienar/adquirir os lotes de terreno que vierem a resultar de futuro licenciamento; (Im)possibilidade de registo no prédio mãe ; (In)viabilidade do registo tendo os lotes por objecto. 7

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT Pº R.P. 132/2008 SJC-CT - Impugnação de decisão de recusa, consoante respeite a acto de registo nos termos requeridos ou rectificação de registos ( nºs 1 e 2, respectivamente, do art. 140º do C.R.P.) Interpretação

Leia mais

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO A ficha... descreve um terreno para construção com a área de 2 080m2, inscrito

Leia mais

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório 1. Em 01/09/2008 foi apresentado, na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT Prédio inscrito a favor dos autores da herança. Pagamento das dívidas destes. Penhora. Habilitação dos herdeiros. Identificação dos sujeitos. Documento bastante. DELIBERAÇÃO

Leia mais

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos.

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. Proc. C.C. 109/2010 SJC CT Deliberação Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. O Consulado de Portugal em B., Brasil, atento o despacho n.º

Leia mais

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO Sobre o prédio da ficha nº, da freguesia de..., da Conservatória do Registo Predial de prédio urbano situado na Rua...,, inscrito

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA

MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, I.P., pessoa coletiva nº 501 460 888, com sede na Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, 5, 1099-019

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- [nome completo], portador do cartão de cidadão

Leia mais

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO A. A ficha informática da freguesia de, do concelho da que descreve o 1º andar

Leia mais

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto*

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* O Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório

R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório 1 R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER Relatório 1. Maria.vem apresentar recurso hierárquico da decisão de rejeição das aps. 30, 31 e 32 de / /24 relativas aos

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 217/2006 DSJ-CT- Cancelamento de registo de hipoteca Título para registo Requerimento dirigido ao conservador, invocativo da prescrição Recusa. Relatório: DELIBERAÇÃO Do prédio urbano descrito

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO 1. No âmbito de procedimento casa pronta 1, a Senhora Notária Afecta à

Leia mais

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT - Aquisição. Usucapião. Justificação notarial para reatamento do trato sucessivo. Imposto de selo. Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho. Doação. Caducidade do ónus de eventual

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

Exm.º Senhor: Vereador do Pelouro do Município de Monforte

Exm.º Senhor: Vereador do Pelouro do Município de Monforte Registo de Entrada N.º Proc.º Em / / Funcionário: Informação - Prosseguir seus termos Em / / A Responsável da UOFUOSU Despacho - Prosseguir seus termos Em / / O Vereador do Pelouro Identificação do Munícipe

Leia mais

LEILÃO VISITA: SOB MARCAÇÃO Vale da Estrada (Nave) Sarzedas - Castelo Branco / GPS: 39 50'04.3"N 7 38'33.9"W

LEILÃO VISITA: SOB MARCAÇÃO Vale da Estrada (Nave) Sarzedas - Castelo Branco / GPS: 39 50'04.3N 7 38'33.9W LEILÃO Insolvência: "Joel Conde & Fernandes, Lda." Processo de Insolvência n.º 1651/14.1TBBRG Comarca de Braga, Braga - Inst. Local - Secção Cível - J3 Por determinação do Exmo. Administrador de Insolvência,

Leia mais

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Recorrente:. Banque Sucursal Portugal. Sumário: Registo de penhora de veículo provisório por natureza (art. 92º/2/a) do Código do Registo Predial) Certificação pelo Tribunal de que

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Art.º 76º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 52/ CC /2015 N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: 26-03-2015. Banco, S.A.. Conservatória do Registo Predial de. Assunto: Descrição aberta

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL

ASSEMBLEIA GERAL ANUAL Tendo em consideração: A) O regime jurídico aplicável à aquisição e alienação de acções próprias por sociedades anónimas estabelecido no Código das Sociedades Comerciais; B) A previsão do Contrato de Sociedade

Leia mais

Desenvolvimento Económico REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA

Desenvolvimento Económico REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO PARA A ALIENAÇÃO DE LOTES PARA EMPRESAS DE I&D COM BASE TECNOLÓGICA NOTA JUSTIFICATIVA O licenciamento da localização, construção e instalação dos estabelecimentos será feito em conformidade

Leia mais

1 de 6 11-06-2009 19:23 Portaria n.º 216-E/2008, de 3 de Março Enuncia todos os elementos que devem instruir os pedidos de emissão dos alvarás de licença ou autorização de utilização das diversas operações

Leia mais

4. A senhora conservadora recorrida sustentou a qualificação impugnada em despacho que aqui se dá por integralmente reproduzido.

4. A senhora conservadora recorrida sustentou a qualificação impugnada em despacho que aqui se dá por integralmente reproduzido. P.º n.º R.P.122/2012.SJC-CT Dação em cumprimento acompanhada de declaração de renúncia à hipoteca e de declaração de manifestação de interesse na sua manutenção (artigo 871.º, n.º 4 do Código Civil). DELIBERAÇÃO

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 O estágio dos candidatos a solicitadores rege-se pelas disposições do Estatuto da Câmara dos Solicitadores e pelo presente regulamento, aprovado

Leia mais

autónoma; e que o prazo último e final para a outorga da escritura termina em 31 de Dezembro de 2011.

autónoma; e que o prazo último e final para a outorga da escritura termina em 31 de Dezembro de 2011. 1 P.º n.º R.P. 19/2011 SJC-CT Contrato-promessa. Aquisição. Registo provisório. Celebração do contrato prometido. Prazo. Interpretação dos artigos 47.º, n.º 4 e 92.º, n.º 4 do Código do Registo Predial.

Leia mais

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA Disponíveis ou a disponibilizar no site www.predialonline.mj.pt os seguintes serviços: Certidão permanente Anúncio para a manifestação do direito legal de preferência Pedidos

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 66/ CC /2016 N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: 16-12-2016 Recorrente:..-ALUGUER DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, LDA Recorrido: Conservatória

Leia mais

CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA. Aos dezoito dias de Dezembro de dois mil e dezasseis, entre:

CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA. Aos dezoito dias de Dezembro de dois mil e dezasseis, entre: CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA Aos dezoito dias de Dezembro de dois mil e dezasseis, entre: -------------------------------- PRIMEIRO CONTRATANTE E PROMITENTE-VENDEDOR: ---------------------- NOME

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º ,

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º , CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA ENTRE: PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º 500960046, com sede na Av. João XXI, n.º 63, em Lisboa, com o capital social de 3.844.143.735,00

Leia mais

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS (Nos termos do nº3 do artº 92º do Decreto-Lei nº 169/99, de 18/09) --------- Reunião de 8 de Julho de 2008 --------- --- CANDIDATURA AO PROGRAMA

Leia mais

Guia de Permuta de Imóveis

Guia de Permuta de Imóveis Guia de Permuta de Imóveis Portal Imobiliário CasaYES Todos os direitos reservados 1 Vai Permutar a sua Casa? Casa? Preste atenção ao seguinte! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P.90/2007 DSJ-CT: Anexação de prédios descritos -recusa. Divergência entre a soma das áreas dos prédios a anexar e a área do prédio resultante da anexação invocação de erro de medição. Operação de

Leia mais

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de.

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Pº C.Co.53/2010 SJC-CT Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Consulta: Qual a data a considerar como sendo a da designação e da cessação de funções de membros dos órgãos

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra ANEXO I

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra ANEXO I ANEXO I REGULAMENTO AQUISIÇÃO DE ROUPAS, ATOALHADOS, PEQUENOS EQUIPAMENTOS ELECTRICOS E PEQUENOS EQUIPAMENTOS DE USO DOMÉSTICO PARA EQUIPAR A RESIDÊNCIA UNIVERSITÁRIA DO PÓLO DAS CIÊNCIAS DA SAÚDE DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Exame de Estágio Época Especial. Direito Fiscal. I Grupo

Exame de Estágio Época Especial. Direito Fiscal. I Grupo Exame de Estágio Época Especial Direito Fiscal I Grupo Casimiro (promitente vendedor), celebrou um contrato de promessa de compra e venda, com Duarte (promitente comprador), no qual existia uma cláusula

Leia mais

LEILÃO. VISITA: DIA 7 DE FEVEREIRO - 14:30h às 16:30h Terreno com a área de m2

LEILÃO. VISITA: DIA 7 DE FEVEREIRO - 14:30h às 16:30h Terreno com a área de m2 LEILÃO Insolvência: "Estima & Almeida, Lda." Processo de Insolvência n.º 651/10.5TYVNG 2.º Juízo - Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia Por determinação do Exmo. Administrador de Insolvência, coadjuvamos

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Manuela Gomes Directora do Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica N/Ref.ª: (...) S/Ref.ª: ( ) Porto, 17-02-2010 Autor: Francisco

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMGUF, Arq.º Aníbal Caldas. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.05.21 N.º Inf: ( ) Ref.ª: ( ) Porto, 18/05/2010

Leia mais

Sessão ordinária da Assembleia Municipal

Sessão ordinária da Assembleia Municipal Sessão ordinária da Assembleia Municipal Data: 30 de junho de 2014 Hora: 14.30 horas Local: Salão Nobre dos Paços do Município DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA I PERÍODO DA ORDEM DO DIA PONTO 1: DISCUSSÃO

Leia mais

PARECER. 4- A sustentação do despacho de recusa justificou a subida do processo para decisão superior.

PARECER. 4- A sustentação do despacho de recusa justificou a subida do processo para decisão superior. 1 Pº R.P.129/2005 DSJ-CT - Registo de acção - Execução específica do contratopromessa de compra e venda - Incompatibilidade entre o registo provisório de acção e o anterior registo provisório de aquisição

Leia mais

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Foi com a aprovação do Decreto Presidencial n.º 190/2011, de 30 de Junho, diploma que criou o Gabinete Técnico para a Implementação e Gestão do Plano

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS. Alienação de Autorização de Produção. Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP CADERNO DE ENCARGOS

CADERNO DE ENCARGOS. Alienação de Autorização de Produção. Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP CADERNO DE ENCARGOS Alienação de Autorização de Produção Concurso Público nº: 01/EPDRR-ABM/2015-AP Página 1 de 8 Índice de Conteúdo CAPÍTULO I - CLÁUSULAS JURÍDICAS -... 3 ARTIGO 1º - OBJETO -... 3 ARTIGO 2º - PRAZO -...

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo

REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo REGULAMENTO MUNICIPAL DO CARTÃO OEIRAS SÉNIOR 65+ Preâmbulo Considerando que nas últimas décadas temos vindo a assistir ao aumento dos índices de envelhecimento e de dependência das pessoas idosas entre

Leia mais

P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo.

P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo. 1 P.º n.º R.P. 102/2011 SJC-CT Testamento. Interpretação. Lapso quanto à identificação do objecto legado. Título para registo. PARECER 1. A coberto da ap...., de / /, foi pedido o registo de aquisição

Leia mais

Deliberação proferida no Pº RP 65/2013 SJC-CT

Deliberação proferida no Pº RP 65/2013 SJC-CT 1 Deliberação proferida no Pº RP 65/2013 SJC-CT Recorrente: Sociedade Agrícola e Imobiliária Lda. e outra. Recorrida: 1.ª Conservatória do registo Predial... Ato impugnado: recusa de pedido de conversão

Leia mais

Programa de Procedimento

Programa de Procedimento Programa de Procedimento Hasta Pública Câmara Municipal de Vila Real de Santo António Em cumprimento dos deveres e competências desta Câmara Municipal, vai proceder-se através de hasta pública, à alienação

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS

MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS MINUTA DE CONTRATO DE GESTÃO ACESSO E PERMANÊNCIA DA ACTIVIDADE DE INSPECÇÃO TÉCNICA A VEÍCULOS O primeiro outorgante, o Instituto da Mobilidade e dos Transportes Terrestres, I.P., doravante designado

Leia mais

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente)

Projeto de Lei nº 131/XII. (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Projeto de Lei nº 131/XII (Texto de substituição da versão inicial, apresentado pelo Grupo Parlamentar Proponente) Procede à segunda alteração à Lei n.º 32/2006, de 26 de julho, que regula a utilização

Leia mais

Lei n.º 64/2014, de Crédito Bonificado Pessoa com deficiência Ónus de inalienabilidade. PARECER. Relatório

Lei n.º 64/2014, de Crédito Bonificado Pessoa com deficiência Ónus de inalienabilidade. PARECER. Relatório DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 8/ CC /2016 N/Referência: P.º C.P. 53/2015 STJ-CC Data de homologação: 07-01-2016 Consulente: Setor Técnico-Jurídico dos Serviços de Registo (STJSR). Assunto:

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P. 129/2007 DSJ-CT Eficácia jurídica retroactiva da personalidade jurídica de sociedade decorrente da natureza constitutiva do registo do contrato Formas de assunção do negócio celebrado entre o momento

Leia mais

P.º n.º R. P. 309/2007DSJ-CT- Acção de reivindicação do direito de superfície. Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R. P. 309/2007DSJ-CT- Acção de reivindicação do direito de superfície. Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO P.º n.º R. P. 309/2007DSJ-CT- Acção de reivindicação do direito de superfície. Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO Relatório: 1 Em 17 de Outubro de 2007, a coberto da ap.14, deu entrada na Conservatória do

Leia mais

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004 6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 246 19 de Outubro de 2004 MINISTÉRIOS DAS CIDADES, ADMINISTRAÇÃO LO- CAL, HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIO- NAL E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

Leia mais

Pº R.P.123/2006 DSJ-CT

Pº R.P.123/2006 DSJ-CT Pº R.P.123/2006 DSJ-CT- Licenciamento de operação de loteamento no domínio do DL nº 289/73 de 6 de Junho Emissão do alvará de loteamento não registada - Posterior descrição de outros lotes do mesmo alvará

Leia mais

Processo de Insolvência de José Rosa Machado Franco e Maria Odete Gomes da Cruz Franco

Processo de Insolvência de José Rosa Machado Franco e Maria Odete Gomes da Cruz Franco Termos da venda a realizar, tendo por objecto os bens que integram a massa insolvente: 1. Bens a serem vendidos: Bens imóveis que integram a massa insolvente, os quais se encontram descritos na parte final

Leia mais

2 II Fundamentação 1

2 II Fundamentação 1 P.º n.º C.P. 43/2012 SJC-CT Revogação do despacho de qualificação de ato de registo já executado na ficha informática. Tradução tabular da regressão no processo registral, devido à preterição de formalidades

Leia mais

Sumário: Está - ou não -, sujeita a registo predial a acção administrativa especial para declaração de nulidade ou anulação de actos administrativos

Sumário: Está - ou não -, sujeita a registo predial a acção administrativa especial para declaração de nulidade ou anulação de actos administrativos 1 Pº R.P. 90/2006 DSJ.CT- Acção administrativa especial cujo pedido consiste na declaração de nulidade ou anulação de actos administrativos que aprovaram os projectos e licenciaram as construções erigidas

Leia mais

Insolvência de FRIDOURO REFRIGERAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DO DOURO, LDA.

Insolvência de FRIDOURO REFRIGERAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DO DOURO, LDA. Insolvência de FRIDOURO REFRIGERAÇÃO COMERCIAL E INDUSTRIAL DO DOURO, LDA. Processo de Insolvência n.º 129/14.8TYVNG 3º Juízo Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia ADMINISTRADOR DA INSOLVÊNCIA Dr.

Leia mais

E D I T A L N. 33/

E D I T A L N. 33/ E D I T A L N. 33/2 0 1 6 ---------- ALVARÁ DE LOTEAMENTO URBANO COM OBRAS DE URBANIZAÇÃO NÚMERO 2/2016 ----------- ---------- HERNÂNI DINIS VENÂNCIO DIAS, PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA: --------

Leia mais

ALIENAÇÃO DE EDIFICIOS DAS ESCOLAS DO 1.º CICLO DESACTIVADAS CONDIÇÕES DE VENDA

ALIENAÇÃO DE EDIFICIOS DAS ESCOLAS DO 1.º CICLO DESACTIVADAS CONDIÇÕES DE VENDA ALIENAÇÃO DE EDIFICIOS DAS ESCOLAS DO 1.º CICLO DESACTIVADAS CONDIÇÕES DE VENDA 1 Objecto É objecto do presente procedimento a alienação de edifícios das escolas do 1.º ciclo desactivadas, no estado em

Leia mais

MUNICIPIO DE BARRANCOS

MUNICIPIO DE BARRANCOS MUNICIPIO DE BARRANCOS Regulamento de Venda de Lotes Municipais para Construção de Habitação Introdução No âmbito da política de habitação e de apoio aos jovens, é intenção da CMB adquirir terrenos para

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES DE ACORDO

ANEXO III CONDIÇÕES DE ACORDO ANEXO III CONDIÇÕES DE ACORDO 1. O direito de superfície será constituído pelo prazo de 70 anos, a contar da data da celebração do contrato de constituição do direito de superfície, por documento particular

Leia mais

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS DL 495/88 1988-Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS SOCIEDADES HOLDING Artigo 1º (sociedades gestoras de participações sociais) 1 As sociedades gestoras de participações

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA (MINUTA TIPO)

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA (MINUTA TIPO) CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA (MINUTA TIPO) Entre: ESTAMO PARTICIPAÇÕES IMOBILIÁRIAS, S.A., pessoa colectiva com o número único de matricula e de identificação de pessoa colectiva 503.152.544, com

Leia mais

Pº R. P. 267/2007 DSJ-CT- Operação de loteamento -Desanexação de parcelas sobrantes. DELIBERAÇÃO. Relatório

Pº R. P. 267/2007 DSJ-CT- Operação de loteamento -Desanexação de parcelas sobrantes. DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R. P. 267/2007 DSJ-CT- Operação de loteamento -Desanexação de parcelas sobrantes. DELIBERAÇÃO Relatório 1. A coberto da ap.48/20070330, foi requerida na Conservatória do Registo Predial de a desanexação

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia REGISTO DE ENTRADA Registado em SPO Procº. / / Reqº. / / Em / / O Assist. Técnico TAXA DE APRECIAÇÃO Paga a taxa no valor de Guia n.º / Em / / O Assist. Técnico DESPACHO Em / / O Presidente da Câmara Ex.mo

Leia mais

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS DOCUMENTOS PARA TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS

IDENTIFICAÇÃO DOS DOCUMENTOS PARA TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS IDENTIFICAÇÃO DOS DOCUMENTOS PARA TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS Caderneta Predial É um documento emitido pelo Serviço de Finanças, onde consta a identificação, localização e descrição do prédio, os dados de

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Projecto Projecto de Lei nº EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Diretiva nº 2011/77/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de setembro de 2011, relativa ao prazo de proteção do direito de autor e de certos direitos

Leia mais

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com. escritório na Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova

Nuno Rodolfo da Nova Oliveira da Silva, Economista com. escritório na Quinta do Agrelo, Rua do Agrelo, nº 236, Castelões, em Vila Nova Exmo(a). Senhor(a) Doutor(a) Juiz de Direito da 2ª Secção de Comércio da Instância Central de Vila Nova de Gaia J1 Processo 1810/16.2T8VNG Insolvência de Deolinda Gomes Coelho da Silva V/Referência: Data:

Leia mais

3.º CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO PROVA ESCRITA DE DIREITO PRIVADO E REGISTAL (02/05/2015) I (7 valores)

3.º CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO PROVA ESCRITA DE DIREITO PRIVADO E REGISTAL (02/05/2015) I (7 valores) 3.º CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO PROVA ESCRITA DE DIREITO PRIVADO E REGISTAL (02/05/2015) A duração da prova é de três horas A) DIREITO PRIVADO I (7 valores) A, Sociedade

Leia mais

Secção de Património e Aprovisionamento EDITAL HASTA PUBLICA PARA ALIENAÇÃO DE BEM IMÓVEL POR HASTA PÚBLICA "ESCOLA PRIMÁRIA DE MA TELA"

Secção de Património e Aprovisionamento EDITAL HASTA PUBLICA PARA ALIENAÇÃO DE BEM IMÓVEL POR HASTA PÚBLICA ESCOLA PRIMÁRIA DE MA TELA Secção de Património e Aprovisionamento EDITAL HASTA PUBLICA PARA ALIENAÇÃO DE BEM IMÓVEL POR HASTA PÚBLICA "ESCOLA PRIMÁRIA DE MA TELA" (APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA EM CARTA FECHADA) 1. A Câmara Municipal

Leia mais

P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER

P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER 1 P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER 1.... vem interpor recurso hierárquico da decisão de recusa de conversão da inscrição de aquisição apresentada sob o n.º...,

Leia mais

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT Pº R.P. 182/2008 SJC-CT- (i)legalidade de recusa de registo de aquisição pedido com base em inventário, com fundamento na sua manifesta nulidade, mediante invocação de que o prédio partilhado é alheio

Leia mais

CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA. Aos dezoito dias de Dezembro de dois mil e dezasseis, entre:

CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA. Aos dezoito dias de Dezembro de dois mil e dezasseis, entre: CONTRATO-PROMESSA DE COMPRA E VENDA Aos dezoito dias de Dezembro de dois mil e dezasseis, entre: -------------------------------- PRIMEIRO CONTRATANTE E PROMITENTE-VENDEDOR: ---------------------- NOME

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS. Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior

CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS. Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior CÂMARA MUNICIPAL DE OEIRAS Regulamento Municipal para o Programa de Turismo Sénior Preâmbulo Considerando a necessidade de apoiar as pessoas idosas, proporcionando-lhes momentos lúdicos, de lazer e de

Leia mais

PRIMEIRA: INVESTMENTS 2234 PTC SOCIEDADE IMOBILIÁRIA DE COMPRA DE

PRIMEIRA: INVESTMENTS 2234 PTC SOCIEDADE IMOBILIÁRIA DE COMPRA DE CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE IMÓVEL ENTRE: PRIMEIRA: INVESTMENTS 2234 PTC SOCIEDADE IMOBILIÁRIA DE COMPRA DE IMÓVEIS PARA REVENDA, UNIPESSOAL LDA., sociedade comercial com o número único de identificação

Leia mais

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO

OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO INDUSTRIAL DO ROSSIO REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Aplicação O presente Regulamento disciplina a ocupação e uso do solo da área abrangida pela operação de loteamento do Rossio em

Leia mais

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial.

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial. P.º n.º R.P. 17/2013 STJ-CC Registo de incidente deduzido em processo de execução fiscal. Princípio do trato sucessivo. Despacho de provisoriedade por dúvidas. PARECER 1 O presente recurso hierárquico

Leia mais

Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares

Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares Regulamento sobre Prestação de Serviço Técnico de Revisão de Rotulagens em Suplementos Alimentares 1.º Âmbito A Associação Portuguesa de Suplementos Alimentares(APARD), através do seu Gabinete Técnico

Leia mais

Consequentemente, deve conceder-se provimento ao recurso com as devidas consequências legais.

Consequentemente, deve conceder-se provimento ao recurso com as devidas consequências legais. P.º R. P. 146/2006 DSJ-CT-Divisão de prédio urbano. Titulação e qualificação do correspondente pedido de registo. Eventual violação do regime jurídico dos loteamentos urbanos. PARECER Relatório 1 Em 2

Leia mais

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT Pº R. P. 180/2008 SJC-CT - Inscrição de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito Prédio urbano constituído por várias moradias a que correspondem diferentes artigos matriciais Divergência

Leia mais

APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS

APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS APOIO À RECUPERAÇÃO HABITACIONAL DE ESTRATOS SOCIAIS DESFAVORECIDOS FORMULÁRIO DE CANDIDATURA I. Apoio à recuperação habitacional 1ª Candidatura Recandidatura POR FAVOR LEIA ATENTAMENTE O FORMULÁRIO DE

Leia mais

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM

PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE DOUTORAMENTO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO 1 - Justificação As Ciências da Saúde têm registado nos últimos anos um progresso assinalável em múltiplos domínios. Este progresso assenta, em grande

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL (14.ª Edição) Errata Código do Registo Predial 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL Errata BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Rua Fernandes Tomás, n.ºs 76, 78, 80 3000-167

Leia mais

REGULAMENTO DO PAGAMENTO A PRESTAÇÕES DA RECEITA DO FORNECIMENTO DE ÁGUA

REGULAMENTO DO PAGAMENTO A PRESTAÇÕES DA RECEITA DO FORNECIMENTO DE ÁGUA REGULAMENTO DO PAGAMENTO A PRESTAÇÕES DA RECEITA DO FORNECIMENTO DE ÁGUA Praça da República 7150-249 Borba Telf.: 268 891 630 Fax: 268 894 806 balcaounico@cm-borba.pt www.cm-borba.pt Contribuinte n.º 503

Leia mais

CONVOCATÓRIA ORDEM DE TRABALHOS:

CONVOCATÓRIA ORDEM DE TRABALHOS: THE NAVIGATOR COMPANY, S.A. Sociedade aberta Capital - 717.500.000,00 Pessoa colectiva n.º 503025798 Matriculada na Conservatória do Registo Comercial de Setúbal Sede - Península da Mitrena, freguesia

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, não é aplicável in casu o disposto no n.º 2 do artigo 1714.º do Código Civil.

DELIBERAÇÃO. Assim, não é aplicável in casu o disposto no n.º 2 do artigo 1714.º do Código Civil. P.º n.º R. P. 181/2011 SJC-CT Imutabilidade do regime de bens. Contrato de compra e venda celebrado entre cônjuges. Qualificação do correspondente registo de aquisição. DELIBERAÇÃO 1 O presente recurso

Leia mais

Acordo quadro para o fornecimento e aluguer operacional de veículos automóveis e motociclos eléctricos

Acordo quadro para o fornecimento e aluguer operacional de veículos automóveis e motociclos eléctricos Acordo quadro para o fornecimento e aluguer operacional de veículos automóveis e motociclos eléctricos Acta da Reunião do Júri de Concurso de 27 de Abril de 2011 ANCP Abril de 2011 1 Acta Número Dois No

Leia mais

CONVOCATÓRIA. Sociedade Aberta - Capital Social ,00 - Pessoa Colectiva n.º C.R.C. Lisboa

CONVOCATÓRIA. Sociedade Aberta - Capital Social ,00 - Pessoa Colectiva n.º C.R.C. Lisboa JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Rua Tierno Galvan, Torre 3 9.º J, Lisboa Capital Social de Euro 629.293.220,00 Matricula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e NIPC: 500 100 144

Leia mais

AVISO REGULAMENTO PARA ALIENAÇÃO DE FOGOS PROPRIEDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTALEGRE NOTA JUSTIFICATIVA

AVISO REGULAMENTO PARA ALIENAÇÃO DE FOGOS PROPRIEDADE DA CÂMARA MUNICIPAL DE PORTALEGRE NOTA JUSTIFICATIVA Publique-se no Diário da República O Presidente da Câmara, AVISO Aprovado pela Câmara Municipal de Portalegre em sua reunião ordinária, realizada em 12 de Novembro de 2003 e pela Assembleia Municipal em

Leia mais

NEGOCIAÇÃO PARTICULAR

NEGOCIAÇÃO PARTICULAR NEGOCIAÇÃO PARTICULAR Insolvência: "Fruti Cordeiro, Lda." Processo de Insolvência n.º 2578/15.5T8ACB Comarca de Leiria, Alcobaça - Inst. Central - 2ª Secção Comércio Por determinação do Exmo. Administrador

Leia mais

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO Já conhece as regras de instrução de processos em formato digital? Consulte toda a informação em

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º R. P. 266/2008 SJC-CT: Registabilidade da acção em que a autora, alegadamente proprietária de um prédio urbano, constituído por dois blocos/edifícios, implantado num terreno para construção, descrito

Leia mais

A entidade promotora deste acto é o Município de Fafe, com sede na Av. 5 de Outubro

A entidade promotora deste acto é o Município de Fafe, com sede na Av. 5 de Outubro REGULAMENTO DA HASTA PÚBLICA CONCESSÃO DO DIREITO DE SUPERFÍCIE DE UM LOTE DE TERRENO DESTINADO Á INSTALAÇÃO DE UM POSTO DE ABASTECIMENTO DE COMBUSTÍVEIS, NA ZONA INDUSTRIAL DO SOCORRO. 1 - OBJECTO DA

Leia mais

Norma Nr.001 / 2000 de 14/01

Norma Nr.001 / 2000 de 14/01 Norma Nr.001 / 2000 de 14/01 ACIDENTES DE TRABALHO - RISCOS RECUSADOS Considerando que nos termos do nº 1 do artº 60º do Decreto-Lei nº 143/99, de 30 de Abril, o Instituto de Seguros de Portugal deve estabelecer

Leia mais

C. P. 110/2009 SJC-CT

C. P. 110/2009 SJC-CT Proc. n.º C. P. 110/2009 SJC-CT Escritura de partilha de herança. Prazo para a promoção do registo dos bens imóveis. Agravamento emolumentar no caso de cumprimento intempestivo da obrigação de registar.

Leia mais