P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT:"

Transcrição

1 P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT: Cancelamento do registo de aquisição, por arrematação em execução fiscal. Sentido e alcance da decisão do Tribunal Tributário de 1ª instância que declara suspensa a execução quanto ao imóvel penhorado, até à decisão da acção instaurada no tribunal comum, anulando o respectivo processado posterior. Deliberação Registos a qualificar: cancelamento do registo de aquisição, por arrematação, a favor de J (Ap. 03/ ); e apreensão a favor da massa falida; registos solicitados pelas Aps. 39 e 40 de 24/06/05, respectivamente, com relação ao prédio descrito na referida Conservatória sob o n.º 09281, da freguesia da. O pedido foi instruído com três certidões passadas pelo Tribunal Judicial de (1º Juízo Competência Cível), por onde correm termos os autos de falência da sociedade, Lda. constando de cada uma delas: a sentença proferida pelo Tribunal Tributário de 1ª instância daquela cidade, no âmbito do processo de execução fiscal, movido contra a dita empresa, pela Repartição de Finanças de, com a indicação do respectivo trânsito em julgado; a sentença de declaração da respectiva falência da qual consta a nomeação do recorrente como liquidatário judicial, e a data do trânsito em julgado da mesma; e o auto de apreensão do prédio em causa, identificado com o supra-referido número de descrição predial e, do ponto de vista matricial, como inscrito na matriz predial urbana da freguesia da sob o artigo 16858, actualmente, Tais registos foram objecto da qualificação seguinte: recusa, o primeiro, requisitado pela Ap. 39, com fundamento no disposto na alínea b) do n.º 1 do artigo 69.º do Código do Registo Predial (falta de título), considerando que não foi pedido, nem posteriormente ordenado judicialmente o cancelamento do registo de aquisição lavrado a coberto da Ap. 3 de 1999/06/17, já que o que consta do mesmo é tão só a anulação do despacho do Sr. Chefe da Repartição de Finanças, pelo que deve aguardar-se pela decisão da acção instaurada na comarca de (como aliás resulta do referido despacho); provisoriedade por natureza, ao abrigo das alíneas b) e d), do n.º 2, do artigo 92.º, do Código do Registo Predial, e por dúvidas (residindo estas na falta de identificação do requerente art.º 93.º, n.º 1, e), C. R. P., por remissão do art.º 44.º, n.º 1, a) e 46.º, n.º 1, a), do mesmo Código), o segundo, requisitado pela Ap. 40. A referida qualificação minguante dos registos em apreço foi tempestivamente impugnada (Ap. 30/ ), decorrendo das alegações apresentadas, em síntese, que - no que concerne ao registo objecto da Ap. 39 -, a certidão judicial apresentada, donde consta a decisão (já transitada em julgado) do Tribunal Tributário de 1.ª instância, no 1

2 sentido da suspensão da execução contra o imóvel penhorado, anulando o respectivo processado posterior, no qual se inclui a venda do referido imóvel, é documento bastante para titular o registo em causa, o que se confirma pelo despacho proferido pelo Juiz do Tribunal Falimentar 1. Já quanto ao registo solicitado pela Ap. 40, o esperado deferimento da impugnação apresentada relativamente ao precedente registo, sanará as dúvidas que subjazem à qualificação como provisório por natureza; no que respeita às dúvidas suscitadas, admite-se a sanação das mesmas, quer com a identificação do apresentante, se entendido como requerente, quer pelo teor das certidões judiciais juntas se entendermos que a requerente é a (Massa Falida) da sociedade comercial F, daí constando todos os elementos identificativos. Note-se, todavia, que, na sequência da interposição do recurso 2, a Sr.ª Conservadora recorrida emitiu despacho reparador, com base na consideração de que a dúvida suscitada não tinha fundamento legal, já que a falência pode ser decretada a pedido de qualquer credor, do Ministério Público, do próprio falido e até oficiosamente, abrangendo todos os bens do falido e aproveitando a todos os credores que tenham os seus créditos verificados, independentemente de quem a requereu. 3 Não obstante, manteve a qualificação como provisória por dúvidas da inscrição em causa, já não pelo motivo referido, mas com fundamento na falta da instrução do respectivo registo com a caderneta predial correspondente ao prédio dele objecto, aproveitando a presente requalificação do registo reclamado, devendo a remoção destas dúvidas ser efectuada com a apresentação da citada caderneta ou certidão matricial, contando-se para o efeito o prazo previsto no artigo 11.º, n.º 3, do C. R. P., da data da notificação do presente despacho reparador. Em sustentação da recusa de averbamento do cancelamento, alega-se, em resumo, que o que está em causa na decisão junta do tribunal tributário é a suspensão da execução, não cabendo ao conservador concluir que tal decisão anula e destrói a venda, tanto mais que 1 Despacho que é, nesta sede, junto pelo recorrente (que protesta juntar certidão, caso se revele necessário), do qual nos permitimos transcrever o seguinte: Requer... o Sr. Liquidatário que seja ordenado o cancelamento do registo de aquisição a favor de J... que impende sobre o lote de terreno para construção urbana,... descrito sob o n.º 9281/980324, freguesia da... e se ordene a apreensão do mesmo para a massa falida. Para tanto refere que a venda de tal imóvel, efectuada no processo de execução fiscal... foi anulada por força da decisão em recurso proferida pelo Tribunal Tributário. Compulsados os autos de execução fiscal referidos supra, afigura-se ter razão o... Liquidatário... no âmbito das suas atribuições, enquanto representando a falida, entendemos que a regularização da situação registral poderá ser feita pelo próprio, munido da certidão do tribunal tributário. A apreensão do bem poderá ser efectuada sem necessidade de novo despacho, face ao teor da sentença proferida nos autos.. 2 Rigorosamente, o recorrente socorreu-se da figura jurídica da reclamação, que foi aceite como recurso hierárquico, dada a actual inexistência legal daquele expediente. 3 Cfr. Parecer emitido no P.º R.P. 40/97, DSJ, in BRN, I, n.º 9/97, pág

3 dela não consta qualquer ordem para o cancelamento daquele registo que, a efectuar-se, seria nulo, face ao disposto na alínea b) do artigo 16.º do Código do Registo Predial, porque lavrado com base em título insuficiente para prova legal do facto registado. No que respeita ao facto, alegado pelo recorrente, de que o Juiz do Processo Especial de Falência subscreve o seu entendimento no sentido de que a venda do imóvel efectuada no processo de execução fiscal foi anulada por força da decisão em recurso do tribunal tributário, sendo a certidão desta decisão título suficiente para o cancelamento da respectiva inscrição de aquisição -, entende a recorrida que não cabe a esse juiz ordenar o cancelamento, já que, por enquanto, a ordenada suspensão da execução nada tem a ver com o processo de falência, mas com a acção instaurada pelo reivindicante contra a sociedade, cuja apensação a este pode, nos termos do disposto no artigo 154.º, n.º 1, do D. L. n.º 315/98, de 20/10, ser pedida pelo liquidatário judicial. Sustenta, a final, a recorrida que, no âmbito registral, se está perante uma decisão judicial que suspende a execução até ser proferida decisão na acção instaurada no tribunal de comarca da, cujo resultado fica a aguardar. Quanto aos efeitos da sentença declaratória da falência, não é da competência do conservador aferir ou tirar ilações sobre o processo de falência, que é da exclusiva responsabilidade do Juiz. Sem prejuízo desta opinião, amparada no disposto no artigo 155.º, n.º 1, do D. L. 315/98, de 20/10, e por argumento a contrario, entende a Sr.ª Conservadora a quo que o registo de facto aquisitivo ou recognitivo do direito de propriedade a favor de pessoa diversa do falido, anterior ao registo da declaração da falência, é oponível à massa falida, constituindo, assim, obstáculo ao registo definitivo da apreensão, sujeito como este se encontra a todas as regras que enformam o registo predial, designadamente, os princípios da oponibilidade a terceiros e do trato sucessivo estabelecidos nos artigos 5.º, n.º 1, e 34.º, n.º 2, do Código do Registo Predial. O cancelamento a que os autos se reportam diz respeito à inscrição de aquisição por arrematação em execução fiscal, a que corresponde a Ap. 3/ Encontravam-se, ao tempo deste registo, em vigor: a inscrição de aquisição a favor da executada (se bem que com firma ligeiramente diversa); a inscrição de aquisição, provisória por natureza, ao abrigo da alínea g), do n.º1, do artigo 92.º, com base em contrato-promessa (Ap. 22/980430), a favor de J, autor na acção registada provisoriamente por natureza, nos termos da alínea a) do mesmo artigo, sob a Ap. 3/980616, instaurada contra a dita sociedade, cujo pedido se analisa na condenação da ré ao reconhecimento de que o autor havia adquirido,... com efeitos a partir de 15/08/92, o direito de propriedade sobre o prédio, tal como se encontra identificado na descrição e por efeito da acessão industrial imobiliária, ou, com as mesmas consequências e nos mesmos termos em que o autor em execução específica do contratopromessa adquire o direito de propriedade sobre o mesmo identificado prédio, convertendo- 3

4 se em definitivo o registo provisório, Ap. 22/ ; e, naturalmente, a penhora anterior a favor da Fazenda Nacional, a exequente naquela execução, registada em 24/03/98, pela Ap. 26. Considerando que o processo é próprio e válido, as partes são legítimas, o recurso foi interposto em tempo, não se verificando nulidades, excepções ou questões prévias que obstem ao conhecimento do mérito, a posição do Conselho vai expressa na seguinte 1.º A regra da inalterabilidade dos motivos alegados como fundamento da provisoriedade por dúvidas do registo só admite excepção quando as razões não invocadas, mas já existentes ao tempo da emissão do respectivo despacho, possam conduzir à feitura de registos nulos. 4 2.º Com o propósito de evitar que, à semelhança do previsto no artigo 909.º, n.º 1, alínea d), do Código de Processo Civil 5 6, fique sem efeito a venda levada a cabo em execução, nos casos em que a coisa vendida não pertence ao executado, admite o artigo 256.º do Código do Processo Tributário (artigo 172.º do actual Código de Procedimento e de Processo Tributário) a suspensão da execução fiscal quanto aos bens penhorados, relativamente aos quais esteja pendente acção judicial cujo objecto seja a respectiva posse ou propriedade. 3.º Em caso de indeferimento do pedido de suspensão da execução fiscal quanto a determinado bem, com fundamento na propositura de acção de 4 Cfr. P.º R. P. 315/2002 DSJ-CT, in BRN, II, n.º 1/2004, pág O proprietário ou o titular de outro direito real de gozo sobre o bem penhorado tem ao seu alcance o meio da acção declarativa comum para fazer valer o seu direito, a instaurar, consoante os casos, contra o adquirente, ou contra o exequente e o executado, sem prejuízo de continuar a bastar a propositura contra o executado, quando a acção já esteja pendente à data da penhora (cfr. art.º 271.º, n.º 3, C. Processo Civil). Esta acção não suspende os termos da execução, na qual pode, entretanto, ter lugar a venda dos bens. - Código de Processo Civil Anotado, vol. III, José Lebre de Freitas e Armindo Ribeiro Mendes, pág É para evitar situações como a aqui prevista em que a venda judicial fica sem efeito porque a coisa vendida não pertencia ao executado, tendo sido reivindicada pelo dono que, além de importarem prejuízo para os compradores, põem em causa a credibilidade das vendas judiciais efectuadas em processo de execução, que se prevê a suspensão da execução fiscal relativamente a bens cuja propriedade ou posse esteja a ser discutida, em acção própria, nos tribunais comuns. Suspensão que, aliás, deve ser declarada, independentemente de requerimento dos interessados, e que cessará logo que haja decisão com trânsito em julgado na acção instaurada. 4

5 reivindicação, cabe recurso do respectivo despacho proferido pelo orgão da administração fiscal, a quem foi endereçada tal pretensão, para o tribunal tributário de 1.ª instância da área onde correr a execução, conforme o previsto no n.º 2 do artigo 237.º do Código de Processo Tributário (art.º 151.º, n.º 1, do actual Código de Procedimento e de Processo Tributário), recurso que, nos termos previstos no n.º 3 do artigo 355.º do mesmo Código, o tribunal só conhecerá quando, depois de realizadas as diligências, o processo para aí for remetido a final. 7 4.º A venda assim efectuada de modo idêntico ao que se passa na execução em processo civil 8 - é ineficaz em relação ao verdadeiro dono da coisa, para quem tal alienação é res inter alios, já que a cessação dos seus efeitos surge como resultado da procedência da acção por ele intentada, procedência que, deste modo, se assume como pressuposto da referida anulação, a qual demanda a adopção das cautelas indicadas nos artigos 910.º e 911.º do Código de Processo Civil. 9 7 Na vigência do Código de Procedimento e de Processo Tributário, é no n.º 1 do citado artigo 151.º que se prevê a reclamação de actos materialmente administrativos praticados pelos orgãos de execução fiscal, ocupando-se da respectiva tramitação os artigos 276.º e 278.º. A regra da subida diferida das reclamações ao tribunal tributário de 1.ª instância, após a realização da penhora e da venda, consignada no n.º 1 do último preceito citado, encontra justificação no facto da reclamação dever ocorrer no próprio processo de execução fiscal, afectando a subida imediata daquela a almejada celeridade deste. Prevêem-se, contudo, no n.º 3, excepções a esta regra da subida diferida, sustentando-se até que, além dos casos expressamente previstos neste número, se admita a subida imediata, sempre que, sem ela, o interessado sofra prejuízo irreparável, e, sempre que, sem ela, as reclamações percam toda a utilidade (é o que, por exemplo, sucede com a reclamação da decisão que recuse suspender o processo de execução fiscal, nos termos do artigo 172.º deste Código (correspondente ao art.º 256.º, C. Processo Tributário). - Cfr. Código de Procedimento e de Processo Tributário, Anotado, atrás citado, págs e segs. 8 Aqui a reivindicação não tem efeito suspensivo da execução, quer seja anterior, quer posterior ao acto da venda. - Cfr. Anselmo de Castro, in ob. cit., pág A procedência da acção de reivindicação, já proposta à data da venda (só contra o executado ou contra este e o exequente, conforme a propositura seja anterior ou posterior à penhora, mas sempre com efeito de caso julgado contra o adquirente, nos termos do previsto no artigo 271.º, n.º 3, do Código de Processo Civil), ou instaurada (posteriormente) contra o adquirente, dá lugar à anulação da venda, ficando o comprador, sempre, com direito ao preço que desembolsou, o qual lhe deve ser restituído pelo exequente e pelos credores que o hajam recebido, e, eventualmente, a uma indemnização pelos danos que tenha sofrido a pedir ao exequente, aos credores e ao executado que hajam procedido com culpa -, condicionado este último direito à não precedência do registo da acção de reivindicação, ou do respectivo protesto do proprietário, relativamente ao acto da venda (salvo se os credores ou o devedor se tiverem responsabilizado pela venda). Isto ocorre no âmbito do processo de execução comum; no processo de execução fiscal, não se faz referência a este direito de indemnização, prevendo-se, apenas, no n.º 4 do artigo 257.º do Código de Procedimento e de Processo Tributário, que A anulação da venda não prejudica os direitos que possam 5

6 Interpretada, a esta luz, a decisão do Tribunal Tributário de 1.ª Instância de, quando, textualmente, dispõe:... revogo o despacho recorrido e suspendo a execução, até à decisão da acção instaurada na comarca de..., anulando o respectivo processado posterior., parece revelar algum desfasamento relativamente à correspondente fundamentação, atento o condicionalismo legal inerente à venda em execução. Não cabe, todavia, ao conservador questionar a bondade de uma decisão judicial, mas apenas dar-lhe cumprimento; e, nesta medida, aquela última expressão - anulando o respectivo processado posterior -, contida na parte dispositiva da sentença, abrange necessariamente a anulação da venda executiva, pelo que a certidão apresentada tem de ser havida como título suficiente para o cancelamento requisitado º Declarada a falência, são sustados os processos de execução fiscal que se encontrem pendentes, os quais são avocados pelo tribunal judicial competente e apensados ao processo de falência (art.º 264.º, n.ºs 1 e 2, C. P.T., actual art.º 180.º, C. P. P. T.); o mesmo acontecerá caso a apensação seja requerida pelo liquidatário judicial, com fundamento na conveniência para a liquidação com todas as acções em que se apreciem questões relativas a bens compreendidos na massa falida, intentadas contra o falido, ou mesmo contra terceiro, mas cujo resultado possa influenciar o valor da massa 11 (art.º 154.º do Código dos Processos Especiais de Recuperação da Empresa e de Falência, aprovado pelo D. L. n.º132/93, de 23/04, com as alterações introduzidas pelo D. L. n.º 315/98, de 20/10). 6.º Deste modo, apensadas aos autos de falência a acção e a execução, será neste processo que virão a ser adoptadas todas as decisões relativas à situação substantiva do prédio, incumbindo ao conservador somente acolher no assistir ao adquirente em virtude da aplicação das normas sobre o enriquecimento sem causa.. 10 Neste sentido vai também o despacho do M.mo Juiz Falimentar, junto, em sede de recurso, a fls. 29 dos autos. Caso contrário, verificada a impossibilidade de efectivar o pretendido cancelamento, e, considerando que a venda por arrematação em execução fiscal (ineficaz em relação ao terceiro reivindicante e, portanto, a ele inoponível), sendo anterior à declaração de falência (a venda teve lugar em 30/10/98 e a declaração de falência ocorreu em 16/04/02) e, consequentemente, ao registo comercial da mesma seria oponível à massa falida, o registo de aquisição nela fundado impediria o registo definitivo de apreensão do imóvel, submetido como este se encontra a todas as regras e princípios que enformam o registo predial, designadamente, os da oponibilidade a terceiros (art.º 5.º, n.º 1, C. R. P.) e do trato sucessivo (art.º 34.º, n.º 2, C. R. P. ). Cfr., a respeito, o parecer emitido no P. R. P. 119/97 DSJ-CT, in BRN, II, n.º 4/98, pág Nestas acções se enquadrará, a nosso ver, a instaurada por terceiro no tribunal comum, onde se discute a propriedade do prédio, ora apreendido para a massa. 6

7 registo a solução jurídica que, a propósito, venha a ser reconhecida judicialmente. 7.º Certo é que, na eventualidade de se chegar à conclusão que, dentre os direitos em litígio, o melhor é o do adquirente na venda em execução 12, a sua posição encontra-se protegida pelo registo (ainda não cancelado) da penhora, já que, então, este lhe propiciaria, na dinâmica do trato sucessivo, a efectivação, de novo, do registo de aquisição a seu favor º - Assim sendo, a recusa do cancelamento do registo da aquisição executiva e a criação de obstáculos ao registo da apreensão não deixariam de constituir intromissões anómalas no julgamento das questões que só ao poder judicial compete efectuar. Considerando o exposto, entendemos que o recurso merece provimento, devendo ser efectuados o cancelamento requerido pela Ap. 39 e, definitivamente, o registo de apreensão para a massa falida, objecto da Ap. 40. Esta deliberação foi homologada por despacho do Director-Geral de 17/11/ Note-se que, nos termos da disposição contida no artigo 201.º, n.º 1, alínea c), do citado CPEREF, assiste a este adquirente, se entender que o tem, o direito de reclamar, no processo de falência, a separação da massa do seu prédio indevidamente apreendido. 13 Saliente-se, aliás, que é discutível a qualificação dada ao primeiro registo dessa mesma aquisição, uma vez que não foi, então, tido em conta o anterior registo de acção, que, por seu turno, não levou em consideração o anterior registo da penhora, já que nela (acção) não se mostra demandado o exequente (Fazenda Nacional). 7

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT -Transacção judicial Registo de aquisição Título Reconhecimento do direito de propriedade Trato sucessivo Obrigações fiscais. DELIBERAÇÃO Vem o presente recurso hierárquico interposto

Leia mais

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO A ficha... descreve um terreno para construção com a área de 2 080m2, inscrito

Leia mais

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 Foi solicitado à ASCR pelo Dr. Inácio Peres uma breve exposição sobre algumas questões notariais e registrais no âmbito da insolvência. Como

Leia mais

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO A. A ficha informática da freguesia de, do concelho da que descreve o 1º andar

Leia mais

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT P.º R. P. 184/2009 SJC-CT Transferência de património, ao abrigo do D. L. n.º 112/2004 de 13 de Maio, entre dois organismos integrantes do sistema de segurança social, o Instituto da... e o Instituto Recusa

Leia mais

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial.

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial. P.º n.º R.P. 17/2013 STJ-CC Registo de incidente deduzido em processo de execução fiscal. Princípio do trato sucessivo. Despacho de provisoriedade por dúvidas. PARECER 1 O presente recurso hierárquico

Leia mais

P.º R. P. 99/2010 SJC-CT

P.º R. P. 99/2010 SJC-CT P.º R. P. 99/2010 SJC-CT Conversão da inscrição de penhora, provisória por natureza (alínea a) do n.º 2 do artigo 92.º do Código do Registo Predial), com fundamento em decisão judicial transitada em julgado

Leia mais

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT - 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT Recorrente: Joaquim. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial do. Acto impugnado: Indeferimento liminar de pedidos de rectificação das inscrições 3 e 4 relativas à sociedade

Leia mais

Comercial de M. d e Can aveses, frente à pretensão da A. no sentido de r ectificar o

Comercial de M. d e Can aveses, frente à pretensão da A. no sentido de r ectificar o PN 254.06-5; Ag: TC M. Canaveses 2º J. ( Ag.e: Ag.a: Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto. I. INTRODUÇÃO: (a) A recorrente não se conformou com a decisão de 1ª instância, que manteve o despacho

Leia mais

A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo. Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016

A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo. Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016 A Tutela Cautelar no Procedimento e no Processo Administrativo Conselho Regional de Lisboa da Ordem dos Advogados Lisboa, 31/01/2016 Código do Procedimento Administrativo Medidas Provisórias CPA 1991 Artigo

Leia mais

senhoria operou-se no fim do prazo estabelecido (caducidade do contrato); do estabelecimento comercial em causa outro se extinguiu;

senhoria operou-se no fim do prazo estabelecido (caducidade do contrato); do estabelecimento comercial em causa outro se extinguiu; PN. 1277.00; Ap.: TC Santarém, 1º J; Ap.e: Maria José Couto Pereira dos Santos, Rª António Vicente Júnior, 17º 2º Esq., Vale de Estacas; Ap.a: DIM Portugal, Importação e Comercialização Lda, Rª da Matinha,

Leia mais

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA).

IVA ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES. Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). IVA 14-03-2015 ARTIGO 78º REGULARIZAÇÕES 1 -REGIME TRANSITÓRIO (créditos vencidos até 31/12/2012) Para estes créditos aplicam-se sempre os nºs 7 a 12, 16 e 17 do CIVA). a) Se a data relevante para a dedução,

Leia mais

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer Proc. R.C. 3/2008 SJC CT Parecer Recurso hierárquico. Aquisição da nacionalidade portuguesa por efeito de adopção por decisão transitada em julgado antes da entrada em vigor da Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro.

Leia mais

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT:

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: Renovação de registo provisório de aquisição lavrado com base em contrato-promessa de alienação. Documento comprovativo do consentimento das partes. Declarações complementares

Leia mais

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT Prédio inscrito a favor dos autores da herança. Pagamento das dívidas destes. Penhora. Habilitação dos herdeiros. Identificação dos sujeitos. Documento bastante. DELIBERAÇÃO

Leia mais

O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos do disposto no artigo 155.º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 4.003/12.4 TBVFR 2º Juízo Cível Insolvente: FERNANDO C. PEREIRA SOUSA, LIMITADA Tribunal Judicial de Santa Maria da Feira RELATÓRIO O presente RELATÓRIO, é elaborado nos termos

Leia mais

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório 1. Em 01/09/2008 foi apresentado, na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 909/08-1 Acordam no Tribunal da Relação de Guimarães: I - RELATÓRIO O Digno Magistrado do M.ºP.º junto deste Tribunal requereu a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes da 2ª

Leia mais

R.P. 140, /2006 DSJ-CT-

R.P. 140, /2006 DSJ-CT- P.ºs R.P. 140, 141 e 142/2006 DSJ-CT- Averbamento de alteração da inscrição de aquisição Modificação subjectiva Alteração da firma ou denominação de sociedade estrangeira (no âmbito de transferência de

Leia mais

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO 1., advogado, apresentou na Conservatória do Registo Predial de, no dia de de ( Ap. ), um pedido de registo a que chamou

Leia mais

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO Sobre o prédio da ficha nº, da freguesia de..., da Conservatória do Registo Predial de prédio urbano situado na Rua...,, inscrito

Leia mais

Ago: Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Ago: Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1143.011 ; Ag: TC Porto, 2ª Vara; Age2: Ago: Acordam no Tribunal da Relação do Porto 1. A Age insurge-se contra o despacho pelo qual foi indeferido requerimento executivo (para prosseguimento autónomo

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 153/11.2YRGMR I - RELATÓRIO Visam os presentes autos a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes dos 1º e 2º Juízos Cíveis da comarca de Barcelos que, por despachos transitados

Leia mais

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT Pº R.P. 132/2008 SJC-CT - Impugnação de decisão de recusa, consoante respeite a acto de registo nos termos requeridos ou rectificação de registos ( nºs 1 e 2, respectivamente, do art. 140º do C.R.P.) Interpretação

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 217/2006 DSJ-CT- Cancelamento de registo de hipoteca Título para registo Requerimento dirigido ao conservador, invocativo da prescrição Recusa. Relatório: DELIBERAÇÃO Do prédio urbano descrito

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 140/11.0YRGMR I - RELATÓRIO Vem o presente incidente na sequência de dois despachos judiciais, transitados em julgado, proferidos pelo Sr. Juiz actual titular do Tribunal Judicial de Caminha e pela

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS

ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS ASPECTOS RELEVANTES DO PROCESSO DE INSOLVÊNCIA. 35 PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. Como se processa a liquidação do património do devedor na insolvência? Através da venda do património do devedor; Outra forma,

Leia mais

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT-

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- Fixação do sentido e alcance da norma contida no n.º 5 do artigo 31.º do D. L. 287/2003, de 12/11 Reconhecimento ao interessado da possibilidade de requerer hoje a liquidação

Leia mais

Processo n 1313/14.OTTLSB.L1 Acordam os Juízes da Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa:

Processo n 1313/14.OTTLSB.L1 Acordam os Juízes da Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa: Processo n 1313/14.OTTLSB.L1 Acordam os Juízes da Secção Social do Tribunal da Relação de Lisboa: Relatório Nos presentes autos de execução de sentença que R, residente no B, n 22, 3 Esq, 1100-081 Lisboa,

Leia mais

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*)

RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) J u r i s p r u d ê n c i a d o s C o n s e l h o s RECURSO DA DELIBERAÇãO DO CONSELhO GERAL SOBRE RESTITUIÇãO DE IMPORTâNCIAS PAGAS AO CDL(*) Proc. n.º 267/2009-CS/R Relator: António A. Salazar Relatório

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0460/10 Data do Acordão: 03-11-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO PIMENTA DO VALE PRESCRIÇÃO IVA OPOSIÇÃO À EXECUÇÃO

Leia mais

PARECER. 4- A sustentação do despacho de recusa justificou a subida do processo para decisão superior.

PARECER. 4- A sustentação do despacho de recusa justificou a subida do processo para decisão superior. 1 Pº R.P.129/2005 DSJ-CT - Registo de acção - Execução específica do contratopromessa de compra e venda - Incompatibilidade entre o registo provisório de acção e o anterior registo provisório de aquisição

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 43/12.1TBMLG I - RELATÓRIO Vem o presente incidente na sequência de dois despachos judiciais proferidos pelos Sr.s Juízes do Círculo de Viana do Castelo, em que um se declara impedido e ordena a

Leia mais

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Recorrente:. Banque Sucursal Portugal. Sumário: Registo de penhora de veículo provisório por natureza (art. 92º/2/a) do Código do Registo Predial) Certificação pelo Tribunal de que

Leia mais

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE [ ] Processo n.º [ ] reversão e apensos [ ], residente na [ ], contribuinte n.º [ ], executado por reversão, tendo sido citado para

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 710/11.7 TBVNG - 2º Juízo Cível Insolvente: JOSÉ MANUEL DA SILVA MACEDO Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 1/ CC /2017 N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação: 20-01-2017 Recorrente: Francisco J.., representado por Constantino.., advogado.

Leia mais

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM SEDE DE PROCESSO DE EXECUÇÃO

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM SEDE DE PROCESSO DE EXECUÇÃO De boas MANUAL DE BOAS PRÁTICAS EM SEDE DE PROCESSO DE EXECUÇÃO INTRODUÇÃO A instalação deste Juízo e a reunião de todas as acções executivas pendentes na Ilha da Madeira, impôs a necessidade de articular

Leia mais

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas

CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas CIRE Código de Insolvência e Recuperação de Empresas Decreto-Lei n.º 53/2004 de 18 de Março Processo n.º 1051/12.8TYVNG Tribunal do Comércio de Vila Nova de Gaia 2º Juízo Relatório do (Artigo 155º do CIRE)

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO 1. Indicando como objecto mediato o prédio descrito sob o nº... da freguesia de..., o recorrente apresentou na Conservatória do Registo

Leia mais

Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES:

Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES: Parecer nr. 52/PP/2008-PP CONCLUSÕES: 1 - A decisão que venha a ser proferida no processo deve fixar a compensação que é devida ao patrono nomeado sempre que o beneficiário do apoio judiciário beneficie

Leia mais

Kollemata Jurisprudência Registral e Notarial

Kollemata Jurisprudência Registral e Notarial EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. ALIENAÇÃO FIDUCIÁRIA. CÉDULA DE CRÉDITO INDUSTRIAL. BENS MÓVEIS. QUALIFICAÇÃO PESSOAL. PERSONALIDADE JURÍDICA. CSMSP - APELAÇÃO CÍVEL: 821-6/9 LOCALIDADE: Piracicaba DATA DE JULGAMENTO:

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 64/03.5TBCBT-C.G1 F. veio reclamar do despacho do Sr. Juiz do Tribunal Judicial de Celorico de Basto, datado de 24.03.2011, que não lhe admitiu o recurso por si interposto, por falta de fundamento

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Manuela Gomes Directora do Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Concordo inteiramente com a presente Informação e proponho o seu envio ao Sr. Director da DMFP, Dr. José Branco. À consideração

Leia mais

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011

Rui Duarte Morais QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Rui Duarte Morais 1 QUANDO A ADMINISTRAÇÃO FISCAL INCUMPRE QUINTAS-FEIRAS DE DIREITO 7 DE JULHO DE 2011 Compensação por Iniciativa do Contribuinte 2 Artigo 90º n.º 1 C.P.P.T. A compensação com créditos

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1092.01 1 ; Ag: TC Santo Tirso; Age 2 : José Julião João, Rua Senhora da Conceição 25/27 Peniche; Aga 3 : Ivone da Conceição Antunes Romão, Rua Senhora da Conceição 25 Peniche. Acordam no Tribunal da

Leia mais

Portugal proferida em 12 de Dezembro de 2006, relativa a revogação da autorização concedida a Finanser - Sociedade Financeira de Corretagem,

Portugal proferida em 12 de Dezembro de 2006, relativa a revogação da autorização concedida a Finanser - Sociedade Financeira de Corretagem, Juízos de Pequena Instância Criminal de Lisboa - h " 2" Juizo - 1" Secção ".-qj5*< Rua Marquês da Fronteira - Palacio da ~uiti~a1098-001 Lisboa Telef: 213846809 Fax: 213871054 Processo n." 3155/07.OTFLSB

Leia mais

Portaria 279/2013 de 26.08

Portaria 279/2013 de 26.08 Portaria 279/2013 de 26.08 Em destaque : Alterações aos procedimentos para inclusão na lista pública de execuções Artºs 2º, 3º e 4º Início do procedimento : Notificação/citação ( consoante o caso ), de

Leia mais

Processo n.º 429/2015 Data do acórdão:

Processo n.º 429/2015 Data do acórdão: Processo n.º 429/2015 Data do acórdão: 2015-5-28 (Autos em recurso penal) Assuntos: prática de novo crime no período de pena suspensa corrupção activa art.º 54.º, n.º 1, alínea b), do Código Penal revogação

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL II

DIREITO PROCESSUAL CIVIL II Cândida da Silva Antunes Pires Professora Associada Faculdade de Direito Universidade de Macau DIREITO PROCESSUAL CIVIL II Disciplina semestral do 4.º ano do Curso de Licenciatura em Direito em Língua

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 155/11.9YRGMR I - RELATÓRIO Vem o presente incidente na sequência de dois despachos judiciais, transitados em julgado, proferidos pelo Sr. Juiz actual titular do Juízo de Execução de Guimarães pelo

Leia mais

PARECER Nº 66/PP/2014-P

PARECER Nº 66/PP/2014-P PARECER Nº 66/PP/2014-P A Delegação de Paços de Ferreira da Ordem dos Advogados vem solicitar ao Conselho Distrital indicação sobre o procedimento a adoptar na nomeação de um patrono a um beneficiário

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 241/12.8TBMNC.G1 I RELATÓRIO Nos autos supra identificados a Srª Juiz do Tribunal Judicial de Monção proferiu despacho do seguinte teor: «Tendo tido intervenção no processo donde consta o acto cujo

Leia mais

Código de Processo do Trabalho

Código de Processo do Trabalho DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Código de Processo do Trabalho 2013 9ª Edição Actualização nº 1 1 LEI GERAL TRIBUTÁRIA CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO Actualização nº 1 EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório:

Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório: P.º R. Co. 4/2007DSJ-CT - Registo da constituição da sociedade e nomeação de gerentes. Título constitutivo omisso quanto à data do encerramento do exercício social e ao número de identificação fiscal da

Leia mais

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS

LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÃO DOS PROCESSOS EXECUTIVOS DADOS GERAIS PROCESSO N.º TRIBUNAL: JUÍZO: SECÇÃO: DATA DE ENTRADA: _ TÍTULO EXECUTIVO: TIPO DE EXECUÇÃO: EXECUÇÃO INICIADA ANTES DE 15/09/2003: FORMA

Leia mais

Pº R. 27/2006 DSJ-CT:

Pº R. 27/2006 DSJ-CT: Pº R. Co. 27/2006 DSJ-CT: Alteração parcial do contrato com aumento do capital - Inscrição de acção com pedido de anulação da transformação de uma sociedade por quotas numa sociedade anónima Parecer Registo

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 10.767/11.5 TBVNG 1º Juízo Cível Insolvente: ANA ALEXANDRA DE OLIVEIRA PAIVA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

ACÓRDÃO 3ª TURMA NULIDADE JULGAMENTO EXTRA PETITA É nula a sentença que julga pretensão diversa da formulada pelo Autor. Buffet Amanda Ltda.

ACÓRDÃO 3ª TURMA NULIDADE JULGAMENTO EXTRA PETITA É nula a sentença que julga pretensão diversa da formulada pelo Autor. Buffet Amanda Ltda. ACÓRDÃO 3ª TURMA NULIDADE JULGAMENTO EXTRA PETITA É nula a sentença que julga pretensão diversa da formulada pelo Autor. Recorrente: Buffet Amanda Ltda. Recorridos: Alex Sandro Farias de Oliveira Marina

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL II

DIREITO PROCESSUAL CIVIL II UNIVERSIDADE DE MACAU FACULDADE DE DIREITO CURSO DE LICENCIATURA EM DIREITO EM LÍNGUA PORTUGUESA (Primeiro Semestre 4 horas semanais) Ano académico de 2016/2017 4.º ano Responsável pela leccionação: Cândida

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1143.01 1 ; Ag: TC Porto, 2ª Vara; Age 2 : BPI/SFAC, Soc, Fin. p\aquisições a Crédito, SA Rua da Saudade, 132 4º Porto Ago: PT Telecomunicações SA, Avª Fontes Pereira de Melo 40, 1000 Lisboa. Acordam

Leia mais

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março

- PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março DIPLOMAS - LEI N.º 41/2013, de 26 de junho: aprova o CPC - PORTARIA N.º 225/2013, de 10 de julho: alteração à Portaria n.º 331- B/2009, de 30 de março - DECLARAÇÃO DE RETIFICAÇÃO N.º 36/2013, de 12 de

Leia mais

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT Pº R. P. 180/2008 SJC-CT - Inscrição de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito Prédio urbano constituído por várias moradias a que correspondem diferentes artigos matriciais Divergência

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de.

Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Pº R. Bm. 9/2008 SJC-CT Recorrente: Ana, advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Relatório 1. Com data de 13 de Outubro de 2008 ( cuja apresentação só foi anotada no Diário no dia 20090624,

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º R. P. 266/2008 SJC-CT: Registabilidade da acção em que a autora, alegadamente proprietária de um prédio urbano, constituído por dois blocos/edifícios, implantado num terreno para construção, descrito

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se à DMGU, ao Sr. Arquitecto Aníbal Caldas. Sofia Lobo Chefe da Divisão de Contencioso e Apoio à Contratação Pela Chefe de Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica, nos termos da Ordem

Leia mais

CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas.

CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas. CNEF SUMÁRIOS DE PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL II (PROCESSO EXECUTIVO) O processo executivo será ministrado em 12 sessões de 2 horas. 1ª Sessão a) conceito e fim da execução; b) formas do precesso de execução:

Leia mais

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 52/ CC /2015 N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: 26-03-2015. Banco, S.A.. Conservatória do Registo Predial de. Assunto: Descrição aberta

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho O Artigo 45.º sofre alterações (exercício de clarificação): - pressuposto material da norma: que a pretensão do autor seja fundada

Leia mais

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO

COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I CONSULTA JURÍDICA 1.1 Consulta jurídica 1.2 Tentativa de resolução amigável 1.3 Gestão do cliente e seu processo II PATROCÍNIO

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO 1. No âmbito de procedimento casa pronta 1, a Senhora Notária Afecta à

Leia mais

Recorrida: Conservatória do Registo Automóvel do

Recorrida: Conservatória do Registo Automóvel do R. Bm. 1/2007 DSJ-CT Recorrente: D Recorrida: Conservatória do Registo Automóvel do Sumário: Apreensão de veículo em processo de insolvência Título para Registo - Prova da qualidade de administrador de

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Manuela Gomes Directora do Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Despacho: Concordo com a presente Informação e proponho o seu envio ao Sr. Director do DMGUF, Arq.º Aníbal

Leia mais

5 - As certidões de dívida servem de base à instauração do processo de execução fiscal.

5 - As certidões de dívida servem de base à instauração do processo de execução fiscal. Artigo 12.º [...]1 1 - Os processos da competência dos tribunais tributários são julgados em 1.ª instância pelo tribunal da área do serviço periférico local onde se praticou o ato objeto da impugnação

Leia mais

A REVERSÃO FISCAL A REVERSÃO FISCAL

A REVERSÃO FISCAL A REVERSÃO FISCAL Os direitos e as garantias dos Contribuintes e as prerrogativas da Administração Fiscal A REVERSÃO FISCAL A REVERSÃO FISCAL Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas Lisboa e Faro 13 e 14 de Julho de 2007

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 3/A/2002 [art.º 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I - ENUNCIADO -

RECOMENDAÇÃO N.º 3/A/2002 [art.º 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I - ENUNCIADO - Número: 3/A/02 Data: 14.03.2002 Entidade Visada: Director-Geral dos Impostos Assunto: Queixa apresentada na Provedoria de Justiça pelo Senhor.... Venda de um imóvel no processo de execução fiscal n.º 100585.5/97

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo com a presente Informação e proponho o seu envio à Sr.ª Directora da DMRH, Dr.ª Emília Galego. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica

Leia mais

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril

Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Lei n.º 14/2006 de 26 de Abril Altera o Código de Processo Civil, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 44129, de 28 de Dezembro de 1961, designadamente procedendo à introdução da regra de competência territorial

Leia mais

Prática Processual Civil. Programa

Prática Processual Civil. Programa ORDEM DOS ADVOGADOS COMISSÃO NACIONAL DE ESTÁGIO E FORMAÇÃO Prática Processual Civil Programa I - A CONSULTA JURÍDICA 1.1 - A consulta ao cliente 1.2 - Tentativa de resolução amigável 1.3 - A gestão do

Leia mais

PN ; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

PN ; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 3133.06-5; Ag: TC Porto (Família e Menores) 2º J, 1ª sec ( Ag.e: Agºs: Acordam no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: (1) Discorda a ag.e da decisão de 1ª instância, que indeferiu requerimento

Leia mais

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento

Deliberação. Atentando na referida cópia, o documento tem o seguinte título: Provimento Deliberação Remetido do Tribunal Judicial da Comarca de Gondomar, datado de 28/04/2010 e subscrito pela Exma. Senhora Juíza de Direito Presidente daquele Tribunal, foi recebido neste Conselho Distrital,

Leia mais

N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 59/ CC /2016 N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação: 23-10-2016 Recorrente: Município de P... Recorrido: Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Pº R.Co.18/2012 SJC-CT

Pº R.Co.18/2012 SJC-CT Pº R.Co.18/2012 SJC-CT Recorrente: S Construções Lda. Sumário: Retificação de registo de encerramento de liquidação, lavrado no âmbito do disposto art. 24º/6 do Regime Jurídico dos Procedimentos Administrativos

Leia mais

Decreto-Lei nº 201/2003, de 10 de Setembro

Decreto-Lei nº 201/2003, de 10 de Setembro Decreto-Lei nº 201/2003, de 10 de Setembro O novo regime jurídico da acção executiva, aprovado pelo Decreto-Lei nº 38/2003, de 8 de Março, tem como objectivo claro a simplificação e aperfeiçoamento do

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

Lei nº 94/2009, de 1 de Setembro

Lei nº 94/2009, de 1 de Setembro Lei nº 94/2009, de 1 de Setembro Aprova medidas de derrogação do sigilo bancário, bem como a tributação a uma taxa especial dos acréscimos patrimoniais injustificados superiores a 100 000, procedendo a

Leia mais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais

Regulamento das Cus stas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais A Conta de Custas no Regulamento das Custas Processuais 1 Conceito de taxa de justiça no C.C.J. A taxa de justiça do processo corresponde ao somatório das taxas de justiça inicial e subsequente de cada

Leia mais

O processo foi documentalmente instruído e procedeu-se á sua análise seguida de debate e deliberação deste Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional.

O processo foi documentalmente instruído e procedeu-se á sua análise seguida de debate e deliberação deste Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional. RECURSO CFJN Nº010 /09 R Acordam no Conselho Fiscal e Jurisdicional Nacional O associado dirigente, do Núcleo Cidade do Porto, da Região do Porto do CNE, interpôs em 29/6/2009 recurso para o Conselho Fiscal

Leia mais

LEI ORGÂNICA N.º 2/2006 QUARTA ALTERAÇÃO À LEI N.º 37/81, DE 3 DE OUTUBRO (LEI DA NACIONALIDADE)

LEI ORGÂNICA N.º 2/2006 QUARTA ALTERAÇÃO À LEI N.º 37/81, DE 3 DE OUTUBRO (LEI DA NACIONALIDADE) LEI ORGÂNICA N.º 2/2006 QUARTA ALTERAÇÃO À LEI N.º 37/81, DE 3 DE OUTUBRO (LEI DA NACIONALIDADE) A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, a lei orgânica

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 133.536 - SP (2014/0094067-4) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES SUSCITANTE : JUÍZO FEDERAL DA 24A VARA CÍVEL DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO SUSCITADO : JUÍZO

Leia mais

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto*

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* O Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

Pº R.P 136/2008 SJC-CT-

Pº R.P 136/2008 SJC-CT- Pº R.P 136/2008 SJC-CT- incidente deduzido em processo executivo ao abrigo do disposto no artº 257º CPPT- articulação com o princípio do trato sucessivo na modalidade da continuidade das inscrições. PARECER

Leia mais

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição Deliberação pública Deliberação 20140510.11.5 Definição do procedimento adotado pela Câmara dos Solicitadores quando lhe é diretamente solicitado uma desassociação de agente de execução Tendo em consideração

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores PEREIRA CALÇAS (Presidente), ENIO ZULIANI E TEIXEIRA LEITE.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores PEREIRA CALÇAS (Presidente), ENIO ZULIANI E TEIXEIRA LEITE. PODER JUDICIÁRIO ACÓRDÃO Registro: 2012.0000263205 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0071641-34.2012.8.26.0000, da Comarca de Osasco, em que é agravante INTELIGÊNCIA

Leia mais