P.º R. P. 99/2010 SJC-CT

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P.º R. P. 99/2010 SJC-CT"

Transcrição

1 P.º R. P. 99/2010 SJC-CT Conversão da inscrição de penhora, provisória por natureza (alínea a) do n.º 2 do artigo 92.º do Código do Registo Predial), com fundamento em decisão judicial transitada em julgado a ordená-la, quando se mostra já convertida a inscrição de aquisição que havia sido lavrada como provisória por natureza (artigo 92.º, n.º 1, alínea g) do Código do Registo Predial), motivadora da provisoriedade cuja remoção se peticiona. Ausência de intervenção dos titulares inscritos do prédio na acção executiva. Relevância deste facto na qualificação do registo de conversão da inscrição de penhora. DELIBERAÇÃO 1 Em... de... de foi requerido online o registo de conversão da inscrição de penhora, Ap.... de / /, incidente sobre o prédio descrito sob o n.º, da freguesia de... A instruir o pedido foi junta uma certidão emitida pelo.º Juízo do Tribunal Judicial de, datada de... de... de 2 Em sede de suprimento de deficiências, foram apontadas pela conservatória recorrida as seguintes: falta de menção na certidão apresentada do trânsito em julgado da decisão judicial nela contida; e ausência da comprovação e do requerimento do registo da declaração da inexistência, ou da nulidade ou anulação do acto registado sob a Ap. de de de 1, ou da inexistência ou nulidade do próprio registo, nem da interposição de acção destinada a qualquer 1 Esclareça-se que o registo correspondente a esta apresentação é o de aquisição a favor de... e, ambos divorciados, provisória por natureza ao abrigo da alínea g) do n.º 1 do artigo 92.º do Código do Registo Predial - efectuada, portanto, antes de titulado o negócio da respectiva compra e venda, com base em declaração do proprietário ou titular do direito (art.º 47.º, n.º 1, C.R.P.), no caso, e... Ulteriormente a esta inscrição de aquisição provisória, em / /, sob a Ap, foi inscrita sobre o mesmo prédio uma penhora, em que são executados, além de outros, os titulares definitivamente inscritos, ou seja, os referidos... e, penhora essa que recebeu a qualificação de provisória por natureza, nos termos da alínea b) do n.º 2 do citado art.º 92.º, mais tarde após a conversão em definitiva da referenciada inscrição de aquisição provisória requalificada, oficiosamente, para provisória, também por natureza, mas desta feita ao abrigo da alínea a) do mesmo n.º 2. 1

2 desses fins, em que sejam partes os titulares da referida inscrição (artigos 3.º, 5.º e 6.º do Código do Registo Predial. Sob a invocação dos artigos 68.º a 70.º do mesmo Código, foi a recorrente alertada, a par da identificação das mencionadas deficiências, para o facto de o não suprimento das mesmas no prazo de 5 dias contados da comunicação do referido despacho determinar a recusa /provisoriedade do acto requerido. Das deficiências enunciadas foi apenas suprida a primeira, relativa ao trânsito em julgado, mediante nova certidão judicial, apresentada complementarmente sob a Ap.... de... de... do corrente ano. No que à deficiência elencada em segundo lugar concerne, a recorrente, em requerimento endereçado à conservatória a quo, declarou que não alcançava a que acção a instaurar se poderá referir o douto despacho de e que, sem prejuízo do disposto nos artigos 140.º e segs. do C.R.P., mas julgando, por ora, desnecessário qualquer procedimento impugnatório, requer esclarecimentos. Circunstância esta que veio a ser causa da recusa do requerido registo de conversão, apoiada legalmente nos artigos 68.º e 69.º, n.º 2, do Código do Registo Predial. 3 O recurso hierárquico desta decisão desfavorável à recorrente foi por ela interposto em tempo, tendo dado entrada sob a Ap., de de de Aí, reproduzindo a argumentação aduzida no requerimento endereçado ao tribunal, em deferimento do qual foi judicialmente ordenada a conversão do registo de penhora em causa nos presentes autos, a recorrente impugna a correcção da qualificação de que este registo foi alvo inicialmente, provisória por natureza, nos termos da alínea b) do n.º2 do art.º 92.º do Código do Registo Predial, e, mais tarde, na sequência da conversão do registo de aquisição, provisório ao abrigo da alínea g), do n.º 1 do mesmo artigo 92.º, provisória também por natureza, conquanto agora, nos termos da alínea a) do n.º 2, do preceito citado -, sustentando que, com excepção dos casos da hipoteca e penhora, o registo predial não tem efeito constitutivo, pelo que a regra prevista no n.º 3 do artigo 6.º do C.R.P. é uma norma puramente registal que não pode só por si afastar a prioridade do registo de uma penhora, efectivamente constitutivo de direitos. 2

3 Chama, assim, a atenção para o facto do direito dos terceiros adquirentes apenas se ter efectivado ou constituído com a celebração da respectiva escritura pública, que só ocorreu em / /, portanto, após o registo da penhora a que os autos se reportam. Por isso, deve esta penhora ser convertida em definitiva, já que, nos termos do art.º 819.º do Código Civil, são inoponíveis à execução os actos de disposição, oneração ou arrendamento de bens penhorados. Conclui, pois, que a aquisição a favor de... e... não obsta à conversão do registo, uma vez que essa aquisição não é oponível à penhora do imóvel em causa nos presentes autos. O integral acolhimento no despacho judicial dos argumentos acabados de expor leva a concluir, no entender da recorrente, que a conversão da referida penhora deveria ter sido lavrada, uma vez que não incumbe ao interessado no presente registo intentar a acção de anulação dos registos, certo como é que com a conversão da apresentação da penhora, ordenada judicialmente, se processa a anulação automática dos registos posteriores, que lhe não podem ser oponíveis. Inválidas, insiste, foram as conversões das inscrições das Aps.... (aquisição) e (hipoteca voluntária), considerando que se encontrava registada uma penhora anterior à qual nunca podem ser oponíveis. Tendo o registo de penhora carácter constitutivo, nunca é possível que sobre ele prevaleça o registo provisório de aquisição/hipoteca, cuja efectiva celebração por escritura pública se verificou posteriormente. Assim, não sendo tais registos oponíveis à penhora, não é exigível que seja o titular desta o obrigado à proposição de uma acção judicial, antes incumbirá ao terceiro eventualmente lesado nos seus direitos pela dita conversão proceder à respectiva impugnação. 4 Em sede de sustentação, começa-se por explicar, face às disposições legais aplicáveis, a qualificação outorgada ao referenciado registo de aquisição, bem como ao subsequente registo da penhora, cuja provisoriedade por natureza, nos termos do n.º 2, alínea b), do art.º 92.º do Código do Registo Predial, tem por fundamento a provisoriedade por natureza daquela inscrição de aquisição, com assento na alínea g), do n.º 1, do mesmo preceito. Qualificação aquela que, perante a conversão em definitiva da referida inscrição de aquisição, teve de ser 3

4 oficiosamente actualizada para provisória por natureza nos termos do art.º 92.º, n.º 2, alínea a), do citado Código. Insiste-se, de seguida, que a qualificação a efectuar está sujeita ao princípio da legalidade, devendo a apreciação do pedido de registo ter em conta as disposições legais aplicáveis, os documentos apresentados (quanto à sua regularidade formal e validade dos actos neles contidos) e os registos anteriores (artigo 68.º do Código do Registo Predial). E conclui-se, na sequência deste enunciado, que é inviável dar publicidade à decisão judicial contida no documento que instruiu o pedido de conversão recusado, proferida no processo, sem intervenção dos titulares inscritos da aquisição anterior. Não é, pois, viável a conversão em definitiva da penhora em causa sem a prévia destruição dos efeitos do registo de aquisição anterior, por qualquer das vias indicadas no despacho de qualificação. A recorrida fundamenta a conclusão acabada de expor na ressalva expressa dos efeitos do registo, contida na primeira parte do artigo 819.º do Código Civil. 5 Consideradas a capacidade e legitimidade das partes, a tempestividade do recurso, e a inexistência de questões prévias ou prejudiciais que obstem ao conhecimento do mérito, o parecer do Conselho vai expresso na seguinte Deliberação I Deve ser qualificado como provisório por natureza, nos termos da alínea b) do n.º 2 do artigo 92.º do Código do Registo Predial 2, o registo de penhora 2 Sublinhe-se que antes das alterações introduzidas na redacção deste artigo pelo D.L. n.º 533/99, de 11 de Dezembro, entendia-se que tal registo deveria ser lavrado provisoriamente por natureza, nos termos da alínea a) do n.º 2, daquele artigo 92.º, fazendo constar da respectiva inscrição, como seu requisito especial, previsto na alínea l), do n.º 1, do artigo 95.º, do mesmo Código, o nome, estado e residência do titular provisoriamente inscrito. Após o início da vigência de tal diploma, passou este Conselho Técnico a sustentar que o registo de penhora de prédio sobre o qual incida registo provisório de aquisição a favor de pessoa diversa do executado deve antes ser qualificado como provisório por natureza ao abrigo da alínea b) do n.º 2, do mesmo artigo 92.º, ficando, assim, a inscrição deste encargo condicionada pela sorte da referida inscrição de aquisição provisória, sendo convertida oficiosamente, quando, face à ausência de conversão da aquisição, esta venha a caducar, ou, sendo 4

5 efectuado sobre prédio relativamente ao qual se mostre já registada a aquisição, provisória por natureza, ao abrigo da alínea g), do n.º 1, do mesmo preceito, a favor de pessoa diversa do executado 3, face à incompatibilidade gerada entre as duas inscrições provisórias e, prevenindo a eventualidade daquele registo de aquisição provisório caducar ou ser cancelado, evitar o prematuro desencadeamento do mecanismo previsto no artigo 119.º do Código em apreço o que poderia suceder, caso a provisoriedade outorgada, à partida, ao referido registo de penhora tivesse sido ao abrigo da alínea a) do n.º 2, do artigo 92.º. 4 requalificada e actualizada quanto à natureza da provisoriedade (cfr. n.ºs 6 a 8, cit. art.º 92.º) que passará então a ser a prevista na alínea a) dos mesmos número e artigo, acompanhada da identificação do titular inscrito, com vista à sua citação, nos termos do artigo 119.º do C.R.P.. 3 Note-se que a fundamentação adiantada pelo exequente no requerimento contido na certidão judicial apresentada como título do pedido de conversão da inscrição de penhora, cuja recusa ora se impugna, endereçado ao Meritíssimo Juiz a quo, solicitando a ordem para tal, se apoia exclusivamente no facto da escritura de compra e venda e mútuo com hipoteca, que serviu de título para a conversão dos registos provisórios de aquisição e hipoteca, ter sido celebrada em momento posterior àquele registo de penhora, e, no seu entender, o direito dos terceiros adquirentes apenas se efectivar ou constituir com a celebração da respectiva escritura pública, portanto, após o registo a seu favor da dita penhora, desvalorizando, assim, as prescrições legais decorrentes do consagrado princípio da prioridade do registo, contidas nos n.ºs 1 e 3 do artigo 6.º do C.R.P. que, respectivamente, prescrevem: O direito inscrito em primeiro lugar prevalece sobre os que se lhe seguirem relativamente aos mesmos bens, por ordem da data dos registos e, dentro da mesma data, pela ordem temporal das apresentações correspondentes. ; O registo convertido em definitivo conserva a prioridade que tinha como provisório.. Postura que assenta no entendimento perfilhado pelo exequente de que e transcrevemos em Portugal o registo predial não tem efeito constitutivo, sendo meramente devolutivo, ou seja, apenas para conferir publicidade aos actos à excepção dos casos da hipoteca e penhora, cujo registo é essencial para que possuam eficácia. Assim, a regra prevista no n.º 3 do artigo 6.º do C.R.P. é uma norma puramente registral, não podendo por si só afastar a prioridade do registo de uma penhora, efectivamente constitutivo de direitos.. No fundo, o que a recorrente verdadeiramente faz, ao solicitar a ordem do juiz de execução para converter o registo de penhora em causa, é contestar a qualificação melhor dizendo, a requalificação daquela inscrição com a qual implicitamente se conformou, quando não se socorreu do expediente legalmente previsto para o efeito (art.º 140.º e segs, C.R.P.); desconhecendo a data em que este despacho de (re)qualificação lhe foi notificado, ignoramos se ainda estará a tempo de a ele recorrer (cfr. art.º 141.º, cit. Cód.). 4 Isto porque o titular do prédio provisoriamente inscrito poderia, à data do posterior registo de penhora, não ter ainda formalizado o título do negócio acordado, ou, pelo menos, não haver requerido a conversão do registo de aquisição a seu favor, não se apresentando, por isso, tabularmente, como 5

6 Residindo essa provisoriedade na alínea b) do citado n.º 2, eliminada fica a possibilidade deste inconveniente ocorrer, já que, só após a conversão em definitiva da inscrição provisória de aquisição, estará criado o enquadramento legal determinante da aplicação daquele art.º 119.º, a que a prevista requalificação (n.º 7, art.º 92.º) para provisória, nos termos da citada a) 5, pode conduzir. II Atento o objectivo a que esta provisoriedade por natureza se mostra endereçada - suprimento da deficiência que obsta ao cumprimento do princípio do trato sucessivo, conforme o previsto no n.º 4 do artigo 34.º, do C.R.P., qualquer processo que aí conduza 6 (naturalmente, dentro da vigência da respectiva proprietário do prédio, circunstância capaz de lhe criar problemas no momento da declaração de pertinência do prédio, que lhe venha a ser demandada com o accionar do processo legal previsto no mencionado artigo 119.º. Cfr., a respeito, o Parecer do CT, emitido no P.º R. P. 210/2001 DSJ-CT, in BRN II, n.º8/2002, pág Tem esta provisoriedade em vista o suprimento da deficiência que obsta à observância do princípio do trato sucessivo, conforme o que se encontra previsto no artigo 34.º, n.º 4, do Código do Registo Predial, de um modo menos exigente (através do mecanismo previsto no citado artigo 119.º) do que aquele que é normalmente necessário para o efeito (inscrição de aquisição a favor do executado). Assim, citado o titular inscrito do prédio para declarar, no prazo de 10 dias, se o prédio penhorado lhe pertence (n.º 1 do art.º 119.º), caso a resposta seja negativa, ou se omita qualquer declaração, e uma vez comunicado este facto ao serviço de registo pelo tribunal ou pelo agente de execução, o registo da penhora será oficiosamente convertido. Considerado o objectivo visado pela indicada provisoriedade por natureza, qualquer outro expediente que o permita alcançar, garantindo o cumprimento do disposto no citado n.º 4 do artigo 34.º, pode conduzir à remoção da mesma. Cfr. Parecer do CT, emitido no P.º 76/96 R.P.4, in BRN, II, 4/97. Sucede que nenhum vestígio se encontra nos autos, nem do accionar do dito mecanismo do artigo 119.º, nem do registo de qualquer acção declarativa instaurada em ordem à obtenção do cancelamento do incompatível registo de aquisição, ou do averbamento a esta inscrição, por indevidamente lavrada, da pendência da sua rectificação, capazes de legitimar, em caso de procedência, o pedido de conversão da inscrição daquela garantia, ora formulado pelo interessado. 6 É que o exequente tem o direito de atacar a posição dos titulares inscritos, independentemente do comportamento que estes venham a adoptar na sequência do cumprimento do normativo do art.º 119.º do C.R.P.. O direito potestativo do exequente à instauração da acção declarativa não nasce com a declaração dos titulares inscritos de que o prédio lhes pertence, antes ingressa na sua esfera jurídica logo que, ao pretender efectuar o registo de penhora, depara com o registo de um facto incompatível. - Cfr. Parecer do CT, emitido no P.º 161/99 DSJ-CT, in BRN II, n.º 3/

7 inscrição, nos termos do n.º 5 do artigo 92.º, C.R.P.), que não apenas o que configura o modo menos exigente, do ponto de vista tabular (mecanismo previsto no citado artigo 119.º), do que aquele que é normalmente necessário para o conseguir (inscrição de aquisição a favor do executado), pode consubstanciar a causa e fornecer o título necessário para a remoção da mesma. Não se insere nesta categoria, por inobservância do dito princípio, a decisão judicial proferida no âmbito da respectiva acção executiva, fundada na inoponibilidade 7 à execução da aquisição com registo provisório prioritário 7 Invocou-se, para o efeito, a disciplina jurídica contida no artigo 819.º do Código Civil, da qual literalmente resulta que são oponíveis à execução os actos de disposição, oneração ou arrendamento de bens penhorados. e, esquecendo a ressalva contida na parte inicial do preceito Sem prejuízo das regras do registo, partiu-se para a negação de um dos principais princípios enformadores do nosso registo predial, o da prioridade, plasmado essencialmente nos n.ºs 1 e 3 do art.º 6.º, do C.R.P., afirmando que a regra prevista neste n.º 3 que consagra, relativamente ao registo convertido em definitivo, a conservação da prioridade que o mesmo tinha como provisório é uma norma puramente registal que, por si só, não pode afastar a prioridade do registo de uma penhora, efectivamente constitutivo de direitos, considerando, ademais, que o direito dos terceiros compradores só se efectivou ou constituiu com a celebração da respectiva escritura pública, que aconteceu em data ulterior ao registo da penhora. Afigura-se, deste modo, que a mencionada decisão judicial subscreve a doutrina contida no acórdão do STJ, de 25 de Junho de 2002 (in CJS X-II, pág. 126 e segs.), que, ao afirmar que o simples registo provisório de aquisição não pode ter o efeito de fazer retroagir a aquisição da propriedade à data do registo provisório, parece afastar aquele princípio da prioridade do registo provisório, quando convertido em definitivo, fazendo eclipsar o interesse e a vantagem que os registos provisórios por natureza representam para o registante. Ainda que o acesso ao registo seja feito, em princípio, mediante inscrições definitivas que oferecem uma protecção temporalmente ilimitada com efeitos absolutos na prioridade, legitimação e publicidade dos direitos inscritos, certo é que, desde os primórdios, o legislador português autorizou o ingresso dos direitos a inscrever através de inscrições provisórias por natureza (cfr. parecer emitido pelo CT no P.º R. P. 90/2003 DSJ-CT, in BRN II, n.º 10/2003), fazendo-as usufruir das benesses associadas aos registos definitivos, pese embora o seu menor efeito legitimador, que só acontece com a conversão, e partilhando com eles a sujeição a certos princípios estruturantes do sistema de registo predial em cuja génese pontuam sentidas necessidades de segurança do tráfico jurídico (in cit. parecer e BRN, pág. 21). O registo provisório tem uma feição cautelar e preventiva que responde à preocupação do legislador em evitar que o titular inscrito definitivamente prejudique a expectativa de quem daquele beneficia, prevenindo-o contra os encargos que os proprietários possam vir a constituir sobre os bens, ou contra eventuais alienações dos mesmos. Ora, a ressalva das regras de registo, consignada no citado art.º 819.º do Código Civil, remete-nos para o domínio do registo predial onde imperam, como princípios fundamentais, os da prioridade (art.º 6.º), da oponibilidade (art.º 5.º) e da fé registal (art.º 7.º), aos quais o invocado princípio do trato 7

8 relativamente à penhora do imóvel (em causa nos presentes autos), da qual não resulte provada a intervenção do/s titular/es inscrito/s, do prédio penhorado, pelo que a certidão judicial que a comprove não constitui o título legalmente necessário ao pretendido averbamento, que, por isso, terá de ser recusado, com fundamento na alínea b), do n.º 1, do artigo 69.º, do C.R.P.. ao recurso. Face ao exposto, entende o Conselho que deve ser negado provimento Deliberação aprovada em sessão do Conselho Técnico de 20 de Outubro de Maria Eugénia Cruz Pires dos Reis Moreira, relatora. Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Presidente em sucessivo (art.º 34.º) vai buscar as suas raízes e fundamentos. E é o respeito, directa e particularmente por este último, como emanação tabular que acaba por ser dos demais, que há-de nortear o registador no exercício da sua actividade qualificadora, a qual, sujeita ao princípio da legalidade, enunciado no artigo 68.º, demanda que a viabilidade do pedido de registo seja apreciada em face das disposições legais aplicáveis, dos documentos apresentados e dos registos anteriores, verificando, do mesmo passo, a identidade do prédio, a legitimidade dos interessados, a regularidade formal dos títulos e a validade dos actos neles contidos. E, nestes actos, estão naturalmente incluídos os judiciais, relativamente aos quais, a qualificação - que, não sendo, embora, função judicial, há-de ser exercida com análoga independência - abrange a competência, a legitimidade e representação, a forma do documento e a situação tabular presente. Certo é que a função qualificadora não legitima o conservador a julgar do mérito dos conflitos de interesses o que excederia o âmbito das suas funções pela ingerência numa área da competência exclusiva dos tribunais -, antes implica da sua parte uma actuação própria, sujeita e delimitada pelas normas e princípios do sistema de registo consagrado na lei, a que o mesmo deve observância. Normas e princípios estes que estão na base da eleição dos processos legalmente conducentes (nota 5 de rodapé, in fine ) à obtenção do título necessário à efectivação do averbamento de conversão solicitado. 8

9 FICHA - P.º R. P. 99/2010 SJC-CT Sumário das questões abordadas Inscrição de penhora, provisória por natureza, nos termos da alínea b) do n.º 2 do artigo 92.º do Código do Registo Predial, em virtude da precedência de anterior registo de aquisição, provisório por natureza, ao abrigo da alínea g) do n.º 1, do mesmo artigo Sua requalificação oficiosa para provisória por natureza, agora sob a invocação da alínea a) do citado n.º 2, na sequência da conversão daquela inscrição de aquisição. Conversão da inscrição de penhora em apreço Título: decisão judicial transitada em julgado a ordená-la, proferida na respectiva acção executiva; Ausência da intervenção nesta dos ora titulares inscritos do prédio; Relevância deste facto na qualificação do pedido de conversão. 9

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO A. A ficha informática da freguesia de, do concelho da que descreve o 1º andar

Leia mais

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT Prédio inscrito a favor dos autores da herança. Pagamento das dívidas destes. Penhora. Habilitação dos herdeiros. Identificação dos sujeitos. Documento bastante. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO A ficha... descreve um terreno para construção com a área de 2 080m2, inscrito

Leia mais

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT Pº R.P. 132/2008 SJC-CT - Impugnação de decisão de recusa, consoante respeite a acto de registo nos termos requeridos ou rectificação de registos ( nºs 1 e 2, respectivamente, do art. 140º do C.R.P.) Interpretação

Leia mais

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO Sobre o prédio da ficha nº, da freguesia de..., da Conservatória do Registo Predial de prédio urbano situado na Rua...,, inscrito

Leia mais

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT-

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- Fixação do sentido e alcance da norma contida no n.º 5 do artigo 31.º do D. L. 287/2003, de 12/11 Reconhecimento ao interessado da possibilidade de requerer hoje a liquidação

Leia mais

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório 1. Em 01/09/2008 foi apresentado, na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT

Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Pº R.Bm.1/2013 SJC-CT Recorrente:. Banque Sucursal Portugal. Sumário: Registo de penhora de veículo provisório por natureza (art. 92º/2/a) do Código do Registo Predial) Certificação pelo Tribunal de que

Leia mais

P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT:

P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT: P.º R. P. 130/2005 DSJ-CT: Cancelamento do registo de aquisição, por arrematação em execução fiscal. Sentido e alcance da decisão do Tribunal Tributário de 1ª instância que declara suspensa a execução

Leia mais

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT Pº R. P. 180/2008 SJC-CT - Inscrição de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito Prédio urbano constituído por várias moradias a que correspondem diferentes artigos matriciais Divergência

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO 1. Indicando como objecto mediato o prédio descrito sob o nº... da freguesia de..., o recorrente apresentou na Conservatória do Registo

Leia mais

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial.

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial. P.º n.º R.P. 17/2013 STJ-CC Registo de incidente deduzido em processo de execução fiscal. Princípio do trato sucessivo. Despacho de provisoriedade por dúvidas. PARECER 1 O presente recurso hierárquico

Leia mais

Portaria 279/2013 de 26.08

Portaria 279/2013 de 26.08 Portaria 279/2013 de 26.08 Em destaque : Alterações aos procedimentos para inclusão na lista pública de execuções Artºs 2º, 3º e 4º Início do procedimento : Notificação/citação ( consoante o caso ), de

Leia mais

PARECER. 4- A sustentação do despacho de recusa justificou a subida do processo para decisão superior.

PARECER. 4- A sustentação do despacho de recusa justificou a subida do processo para decisão superior. 1 Pº R.P.129/2005 DSJ-CT - Registo de acção - Execução específica do contratopromessa de compra e venda - Incompatibilidade entre o registo provisório de acção e o anterior registo provisório de aquisição

Leia mais

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos.

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. Proc. C.C. 109/2010 SJC CT Deliberação Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. O Consulado de Portugal em B., Brasil, atento o despacho n.º

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 217/2006 DSJ-CT- Cancelamento de registo de hipoteca Título para registo Requerimento dirigido ao conservador, invocativo da prescrição Recusa. Relatório: DELIBERAÇÃO Do prédio urbano descrito

Leia mais

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário

Tribunal de Contas. Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário Acórdão 4/2008 (vd. Acórdão 2/06 3ª S de 30 de Janeiro) Sumário 1. São duas as questões suscitadas pelo Demandado: - uma que respeita a competência do relator para a decisão tomada e a eventual nulidade

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 66/ CC /2016 N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: 16-12-2016 Recorrente:..-ALUGUER DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, LDA Recorrido: Conservatória

Leia mais

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT - Aquisição. Usucapião. Justificação notarial para reatamento do trato sucessivo. Imposto de selo. Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho. Doação. Caducidade do ónus de eventual

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 64/03.5TBCBT-C.G1 F. veio reclamar do despacho do Sr. Juiz do Tribunal Judicial de Celorico de Basto, datado de 24.03.2011, que não lhe admitiu o recurso por si interposto, por falta de fundamento

Leia mais

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O

PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O 1 PARECER Nº 47/PP/2013-P CONCLUSÕES 1. O nº1 do artº 74º do E.O.A. dispõe que No exercício da sua profissão, o advogado tem o direito de solicitar em qualquer tribunal ou repartição pública o exame de

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL (14.ª Edição) Errata Código do Registo Predial 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL Errata BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Rua Fernandes Tomás, n.ºs 76, 78, 80 3000-167

Leia mais

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT.

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT. P.º n.º R.P. 60/2010 SJC-CT Penhora. Cancelamento não oficioso. Eventual conexão com o registo de aquisição, conjuntamente requerido. Tributação emolumentar DELIBERAÇÃO 1 Os presentes autos respeitam à

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL ( ) - Duração 2 h 30 m

DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL ( ) - Duração 2 h 30 m DIREITO PROCESSUAL CIVIL IV 2015/2016 Mestrado Forense / Turma B (Rui Pinto) EXAME FINAL (12.1.2016) - Duração 2 h 30 m I. LEIA o seguinte ac. RL 16-1-2014/Proc. 4817/07.7TBALM.L2-6 (ANTÓNIO MARTINS):

Leia mais

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004

6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o de Outubro de 2004 6336 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 246 19 de Outubro de 2004 MINISTÉRIOS DAS CIDADES, ADMINISTRAÇÃO LO- CAL, HABITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO REGIO- NAL E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

Leia mais

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de.

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Pº C.Co.53/2010 SJC-CT Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Consulta: Qual a data a considerar como sendo a da designação e da cessação de funções de membros dos órgãos

Leia mais

P.º R.P.11/2005 DSJ-CT: Penhora do direito à meação

P.º R.P.11/2005 DSJ-CT: Penhora do direito à meação P.º R.P.11/2005 DSJ-CT: Penhora do direito à meação Registo a qualificar: Penhora do direito à meação de I, relativamente aos prédios descritos sob o nºs02325/940112, 02326/940112 e 02327/940112, da freguesia

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO 1. No âmbito de procedimento casa pronta 1, a Senhora Notária Afecta à

Leia mais

1 Em suporte deste entendimento, havia já a recorrente invocado, no âmbito do processo de suprimento

1 Em suporte deste entendimento, havia já a recorrente invocado, no âmbito do processo de suprimento P.º n.º R. P. 204/2009 SJC-CT Divergência de áreas do prédio registando entre a que consta no título e a resultante do teor matricial. Interpretação dos artigos 28.º-A e 28.º-B do Código do Registo Predial.

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES

REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES REGULAMENTO DO REGISTO DAS SOCIEDADE CIVIS DE SOLICITADORES O Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei 88/2003, de 26 de Abril, no seu artigo 102º, prevê que os solicitadores podem

Leia mais

R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório

R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório 1 R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER Relatório 1. Maria.vem apresentar recurso hierárquico da decisão de rejeição das aps. 30, 31 e 32 de / /24 relativas aos

Leia mais

P.º R. P. 267/2008 SJC-CT-

P.º R. P. 267/2008 SJC-CT- P.º R. P. 267/2008 SJC-CT-Anexação de parcela de terreno para construção urbana (inicialmente integrada no domínio privado do município por cedência em alvará de loteamento) a prédio rústico do mesmo proprietário

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 REGULAMENTO DE ESTÁGIO DOS CANDIDATOS A SOLICITADOR 2010/2011 O estágio dos candidatos a solicitadores rege-se pelas disposições do Estatuto da Câmara dos Solicitadores e pelo presente regulamento, aprovado

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição

O Conselho Geral delibera, nos termos do parecer jurídico que se anexa à presente deliberação e para o qual se remete: Tendo em conta a imposição Deliberação pública Deliberação 20140510.11.5 Definição do procedimento adotado pela Câmara dos Solicitadores quando lhe é diretamente solicitado uma desassociação de agente de execução Tendo em consideração

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 3/A/2002 [art.º 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I - ENUNCIADO -

RECOMENDAÇÃO N.º 3/A/2002 [art.º 20.º, n.º 1, alínea a), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] I - ENUNCIADO - Número: 3/A/02 Data: 14.03.2002 Entidade Visada: Director-Geral dos Impostos Assunto: Queixa apresentada na Provedoria de Justiça pelo Senhor.... Venda de um imóvel no processo de execução fiscal n.º 100585.5/97

Leia mais

PARECER. fundado na posse e no direito de propriedade, adquiridos por via da dação em cumprimento feita pelo executado, José, à embargante;

PARECER. fundado na posse e no direito de propriedade, adquiridos por via da dação em cumprimento feita pelo executado, José, à embargante; P.º n.º R.P. 80/2012 SJC-CT Registo de penhora. Sujeito passivo. Interpretação do pedido de registo. Bem registado a favor de pessoa diversa. Embargos de terceiro. Desistência do pedido. Efeitos. Trato

Leia mais

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer Proc. R.C. 3/2008 SJC CT Parecer Recurso hierárquico. Aquisição da nacionalidade portuguesa por efeito de adopção por decisão transitada em julgado antes da entrada em vigor da Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro.

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, não é aplicável in casu o disposto no n.º 2 do artigo 1714.º do Código Civil.

DELIBERAÇÃO. Assim, não é aplicável in casu o disposto no n.º 2 do artigo 1714.º do Código Civil. P.º n.º R. P. 181/2011 SJC-CT Imutabilidade do regime de bens. Contrato de compra e venda celebrado entre cônjuges. Qualificação do correspondente registo de aquisição. DELIBERAÇÃO 1 O presente recurso

Leia mais

autónoma; e que o prazo último e final para a outorga da escritura termina em 31 de Dezembro de 2011.

autónoma; e que o prazo último e final para a outorga da escritura termina em 31 de Dezembro de 2011. 1 P.º n.º R.P. 19/2011 SJC-CT Contrato-promessa. Aquisição. Registo provisório. Celebração do contrato prometido. Prazo. Interpretação dos artigos 47.º, n.º 4 e 92.º, n.º 4 do Código do Registo Predial.

Leia mais

Lei n.º 64/2014, de Crédito Bonificado Pessoa com deficiência Ónus de inalienabilidade. PARECER. Relatório

Lei n.º 64/2014, de Crédito Bonificado Pessoa com deficiência Ónus de inalienabilidade. PARECER. Relatório DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 8/ CC /2016 N/Referência: P.º C.P. 53/2015 STJ-CC Data de homologação: 07-01-2016 Consulente: Setor Técnico-Jurídico dos Serviços de Registo (STJSR). Assunto:

Leia mais

Processo n.º 429/2015 Data do acórdão:

Processo n.º 429/2015 Data do acórdão: Processo n.º 429/2015 Data do acórdão: 2015-5-28 (Autos em recurso penal) Assuntos: prática de novo crime no período de pena suspensa corrupção activa art.º 54.º, n.º 1, alínea b), do Código Penal revogação

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Envie-se a presente informação ao Sr. Chefe da Divisão Municipal de Obras Particulares, Arq. Duarte Lema Anabela Moutinho Monteiro Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 17.06.2011

Leia mais

Pº R. 27/2006 DSJ-CT:

Pº R. 27/2006 DSJ-CT: Pº R. Co. 27/2006 DSJ-CT: Alteração parcial do contrato com aumento do capital - Inscrição de acção com pedido de anulação da transformação de uma sociedade por quotas numa sociedade anónima Parecer Registo

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Gabinete das Actividades Económicas. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.03.04 N/Ref.ª:

Leia mais

Deliberação proferida no Pº RP 65/2013 SJC-CT

Deliberação proferida no Pº RP 65/2013 SJC-CT 1 Deliberação proferida no Pº RP 65/2013 SJC-CT Recorrente: Sociedade Agrícola e Imobiliária Lda. e outra. Recorrida: 1.ª Conservatória do registo Predial... Ato impugnado: recusa de pedido de conversão

Leia mais

2 II Fundamentação 1

2 II Fundamentação 1 P.º n.º C.P. 43/2012 SJC-CT Revogação do despacho de qualificação de ato de registo já executado na ficha informática. Tradução tabular da regressão no processo registral, devido à preterição de formalidades

Leia mais

Direito Processual Civil Executivo. Programa

Direito Processual Civil Executivo. Programa Direito Processual Civil Executivo Programa Rui Pinto Duarte 2010/2011 I Aspectos Gerais 1. Noção de acção executiva 2. O princípio do dispositivo na acção executiva (3.º, 810 e 675-A) 3. Execução individual

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director da DMFP, Dr. José Branco. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.03.01 N/Inf.:

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho

UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho UNIVERSIDADE CATÓLICA, LISBOA 27 DE NOVEMBRO DE 2015 Ana Celeste Carvalho O Artigo 45.º sofre alterações (exercício de clarificação): - pressuposto material da norma: que a pretensão do autor seja fundada

Leia mais

ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.:

ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL DE SEGUNDA INSTÂNCIA DA R.A.E.M.: Processo nº (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 29 de Novembro de 2012 Recorrente: A (embargante) Recorridos: B (embargado) Banco Luso Internacional, S.A. (exequente) ACORDAM OS JUÍZES NO TRIBUNAL

Leia mais

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 52/ CC /2015 N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: 26-03-2015. Banco, S.A.. Conservatória do Registo Predial de. Assunto: Descrição aberta

Leia mais

senhoria operou-se no fim do prazo estabelecido (caducidade do contrato); do estabelecimento comercial em causa outro se extinguiu;

senhoria operou-se no fim do prazo estabelecido (caducidade do contrato); do estabelecimento comercial em causa outro se extinguiu; PN. 1277.00; Ap.: TC Santarém, 1º J; Ap.e: Maria José Couto Pereira dos Santos, Rª António Vicente Júnior, 17º 2º Esq., Vale de Estacas; Ap.a: DIM Portugal, Importação e Comercialização Lda, Rª da Matinha,

Leia mais

PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1 PARECER Nº 68/PP/2013-P CONCLUSÕES: 1. Um Advogado que tenha sido nomeado patrono oficioso de um menor num processo judicial de promoção e protecção de crianças e jovens em perigo, requerido pelo Ministério

Leia mais

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 5/AUT-R/2011

Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social. Deliberação 5/AUT-R/2011 Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social Deliberação 5/AUT-R/2011 Alteração de classificação quanto ao conteúdo da programação do serviço de programas disponibilizado pelo operador

Leia mais

P.º n.º R.P. 168/2011 SJC-CT Cancelamento do registo de usufruto com base em renúncia. Existência de registo anterior de penhora.

P.º n.º R.P. 168/2011 SJC-CT Cancelamento do registo de usufruto com base em renúncia. Existência de registo anterior de penhora. 1 P.º n.º R.P. 168/2011 SJC-CT Cancelamento do registo de usufruto com base em renúncia. Existência de registo anterior de penhora. PARECER 1. Em..., foi pedido, na Conservatória do Registo Predial de...,

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMGUF, Arq.º Aníbal Caldas. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.05.21 N.º Inf: ( ) Ref.ª: ( ) Porto, 18/05/2010

Leia mais

CONDIÇÕES DE REGISTO DAS EMPRESAS E MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

CONDIÇÕES DE REGISTO DAS EMPRESAS E MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL CONDIÇÕES DE REGISTO DAS EMPRESAS E MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL Aprovadas pelo Decreto-lei nº 45/2004, de 8 de Novembro Publicado no Boletim Oficial nº 33, I Série Sendo conveniente harmonizar o sistema

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC)

ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Revogou a Sentença nº 5/2016 - SRATC ACÓRDÃO N.º 20/2016- PL-3.ª SECÇÃO 4ROM-SRA/2016 (P. n.º 1/2014-M-SRATC) Descritores: Extinção do procedimento por responsabilidades sancionatórias /prescrição/ artigo

Leia mais

Código de Processo do Trabalho

Código de Processo do Trabalho DECRETO-LEI Nº 398/98, DE 17 DE DEZEMBRO Código de Processo do Trabalho 2013 9ª Edição Actualização nº 1 1 LEI GERAL TRIBUTÁRIA CÓDIGO DE PROCESSO DO TRABALHO Actualização nº 1 EDITOR EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA

INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA INFORMAÇÃO PREDIAL SIMPLIFICADA Disponíveis ou a disponibilizar no site www.predialonline.mj.pt os seguintes serviços: Certidão permanente Anúncio para a manifestação do direito legal de preferência Pedidos

Leia mais

澳門特別行政區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳門特別行政區第 6/2012 號法律修改 商業登記法典. Lei n.

澳門特別行政區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳門特別行政區第 6/2012 號法律修改 商業登記法典. Lei n. 406 17 2012 4 23 澳門特別行政區 REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU 澳門特別行政區第 6/2012 號法律修改 商業登記法典 56/99/M9/1999 5/2000... d... e REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU Lei n.º 6/2012 Alteração ao Código do

Leia mais

N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: PARECER

N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: PARECER N.º 28/ CC /2014 N/Referência: PROC.: C. Bm. 48/2014 STJ-CC Data de homologação: 17-12-2014 Consulente: Conservatória do Registo Comercial e de Automóveis de.... Assunto: Palavras-chave: Registos de apreensão,

Leia mais

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS

Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS Sistema Fiscal Moçambicano GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE PAGAMENTO DE DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS A PRESTAÇÕES COMPENSAÇÃO DAS DÍVIDAS TRIBUTÁRIAS GARANTIAS GERAIS E MEIOS DE DEFESA DO CONTRIBUINTE

Leia mais

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus;

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus; 1 Pº R. P. 170/2008 SJC-CT: Registo de acção de preferência pedido de cancelamento do registo de aquisição a favor do comprador e do registo de aquisição a favor de terceiro adquirente. DELIBERAÇÃO 1.

Leia mais

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT Pº R.P. 182/2008 SJC-CT- (i)legalidade de recusa de registo de aquisição pedido com base em inventário, com fundamento na sua manifesta nulidade, mediante invocação de que o prédio partilhado é alheio

Leia mais

Guia de Permuta de Imóveis

Guia de Permuta de Imóveis Guia de Permuta de Imóveis Portal Imobiliário CasaYES Todos os direitos reservados 1 Vai Permutar a sua Casa? Casa? Preste atenção ao seguinte! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos

Leia mais

Pº C. P. 147/2009 SJC-CT

Pº C. P. 147/2009 SJC-CT Pº C. P. 147/2009 SJC-CT - Pedido online de actos de registo predial. Erro do utilizador na formulação do pedido de registo. Inexistência de apresentação. Elaboração do registo. Nulidade. DELIBERAÇÃO 1

Leia mais

Acordam no Tribunal da Relação do Porto

Acordam no Tribunal da Relação do Porto PN 1092.01 1 ; Ag: TC Santo Tirso; Age 2 : José Julião João, Rua Senhora da Conceição 25/27 Peniche; Aga 3 : Ivone da Conceição Antunes Romão, Rua Senhora da Conceição 25 Peniche. Acordam no Tribunal da

Leia mais

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE [ ] Processo n.º [ ] reversão e apensos [ ], residente na [ ], contribuinte n.º [ ], executado por reversão, tendo sido citado para

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: Concordo com a presente Informação e proponho o seu envio à Sr.ª Directora da DMRH, Dr.ª Emília Galego. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º R. P. 266/2008 SJC-CT: Registabilidade da acção em que a autora, alegadamente proprietária de um prédio urbano, constituído por dois blocos/edifícios, implantado num terreno para construção, descrito

Leia mais

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS

DL 495/ Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS DL 495/88 1988-Dez-30 CIRC - Sociedades Gestoras de Participações Sociais (SGPS) - HOLDINGS SOCIEDADES HOLDING Artigo 1º (sociedades gestoras de participações sociais) 1 As sociedades gestoras de participações

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 153/11.2YRGMR I - RELATÓRIO Visam os presentes autos a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes dos 1º e 2º Juízos Cíveis da comarca de Barcelos que, por despachos transitados

Leia mais

PARECER. Relatório. Instituto dos Registos e do Notariado. mod. 4

PARECER. Relatório. Instituto dos Registos e do Notariado. mod. 4 P.º R. P. 169/2008 SJC-CT- Justificação do direito de propriedade e compra e venda de fracção autónoma de prédio, objecto de fraccionamento e emparcelamento, divisão de coisa comum e constituição de propriedade

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMPA, Eng.º António Rebelo. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.03.15 N/Ref.ª: (...) S/Ref.ª: ( ) Porto,

Leia mais

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II

Correspondência entre articulados: CPA'15/CPA'91. Disposições gerais PARTE I. Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Disposições gerais PARTE I Disposições preliminares CAPÍTULO I Definições Artigo 1.º Âmbito de aplicação Artigo 2.º Princípios gerais da atividade administrativa CAPÍTULO II Princípio da legalidade Artigo

Leia mais

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL INSCRIÇÃO DE ADVOGADO INSCRITO NA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL 1 - Por força do disposto no EOA, os cidadãos de nacionalidade brasileira diplomados por qualquer faculdade de Direito do Brasil ou de Portugal,

Leia mais

OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Tribunal Constitucional, seminário 2013

OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL. Tribunal Constitucional, seminário 2013 OS RECURSOS DE INCONSTITUCIONALIDADE PARA O TRIBUNAL CONSTITUCIONAL S Plano de apresentação S I. INTRODUÇÃO S II. RECURSO ORDINÁRIO DE INCONSTITUCIONALIDADE S III. RECURSO EXTRAORDINÁRIO S IV. REGIME COMPARADO

Leia mais

Parecer da Ordem dos Advogados de 26 de Julho de I. Os diplomas que se pretende alterar para Regulamentação do Novo Código do Processo Civil

Parecer da Ordem dos Advogados de 26 de Julho de I. Os diplomas que se pretende alterar para Regulamentação do Novo Código do Processo Civil Parecer da Ordem dos Advogados de 26 de Julho de 2013 I. Os diplomas que se pretende alterar para Regulamentação do Novo Código do Processo Civil O Ministério da Justiça submete, de forma conjunta e simultânea

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 11/2009 Interpretação do art. 189º do EOA O Senhor Advogado, Dr.... vem solicitar que o emita parecer sobre a factualidade que passamos a enunciar: a. O Senhor Advogado consulente foi notificado,

Leia mais

PROPRIEDADE HORIZONTAL Proposta de diploma. Luanda, Angola, Setembro de 2009 Elisa Alves

PROPRIEDADE HORIZONTAL Proposta de diploma. Luanda, Angola, Setembro de 2009 Elisa Alves PROPRIEDADE HORIZONTAL Proposta de diploma Luanda, Angola, Setembro de 2009 Elisa Alves II PARTE Proposta do Diploma Legal (a conceber) Decreto nº /2009 A crescente evolução económica e social e expansão

Leia mais

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A

[ESCLARECIMENTOS SOBRE A [ESCLARECIMENTOS SOBRE A ATRIBUIÇÃO DE BENEFÍCIOS FISCAIS NA ARU DA HORTA] ARU da Horta = Área de Reabilitação Urbana do centro Histórico da Cidade da Horta delimitada em sede de Assembleia Municipal do

Leia mais

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- Averbamento de rectificação da descrição quanto à área, fundado em erro de medição. Enquadramento do respectivo pedido na previsão legal do artigo 28.º-C do CRP ou no processo

Leia mais

PºR P. 59/2008 SJC-CT

PºR P. 59/2008 SJC-CT PºR P. 59/2008 SJC-CT Registo provisório de aquisição (artigo 92º, nº1, alínea g), e nº4, do CRP) - averbamento de ampliação do prazo para a realização do contrato prometido após o registo de penhora em

Leia mais

Sentença nº 7/2010-3ª S/SS Processo nº: 5-A JRF/2003 3ª Secção em 1ª Instância 14/07/2010

Sentença nº 7/2010-3ª S/SS Processo nº: 5-A JRF/2003 3ª Secção em 1ª Instância 14/07/2010 Sentença nº 7/2010-3ª S/SS Processo nº: 5-A JRF/2003 3ª Secção em 1ª Instância 14/07/2010 HABILITAÇÃO DE HERDEIROS / PROCESSO PRINCIPAL PENDENTE / INSTÂNCIA SUSPENSA Sumário: 1. Nos termos do disposto

Leia mais

LEI DA NACIONALIDADE. Lei n.º 37/81, de 03 de Outubro (versão actualizada)

LEI DA NACIONALIDADE. Lei n.º 37/81, de 03 de Outubro (versão actualizada) 8/3/2014 :::Lei n.º 37/81, de 03 de Lei n.º 37/81, de 03 de (versão actualizada) LEI DA NACIONALIDADE Contém as seguintes alterações: - DL n.º 322-A/2001, de 14 de Dezembro - Lei Orgânica n.º 1/2004, de

Leia mais

Portaria n.º 135/2007 de 26 de Janeiro

Portaria n.º 135/2007 de 26 de Janeiro Portaria n.º 135/2007 de 26 de Janeiro O Regulamento de Registo das Associações Mutualistas e das Fundações de Segurança Social Complementar, aprovado pela Portaria n.º 63/96, de 28 de Fevereiro, estabelece

Leia mais

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos)

ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) ORGANIZAÇÃO, FUNCIONAMENTO E PROCESSO DO TRIBUNAL CONSTITUCIONAL Lei n.o 28/82, (*) de 15 de Novembro (Excertos) A Assembleia da República decreta, nos termos do artigo 244.o da Lei Constitucional n.o

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 241/12.8TBMNC.G1 I RELATÓRIO Nos autos supra identificados a Srª Juiz do Tribunal Judicial de Monção proferiu despacho do seguinte teor: «Tendo tido intervenção no processo donde consta o acto cujo

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 710/11.7 TBVNG - 2º Juízo Cível Insolvente: JOSÉ MANUEL DA SILVA MACEDO Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

Registo a qualificar: Transformação da sociedade recorrente, requisitado pela Ap. 4 de e efectuado pela Ap. 38 de

Registo a qualificar: Transformação da sociedade recorrente, requisitado pela Ap. 4 de e efectuado pela Ap. 38 de Pº R.Co. 9/2010 SJC-CT. Recorrente: Agro-, S.A. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Registo a qualificar: Transformação da sociedade recorrente, requisitado pela Ap. 4 de 13.02.2010 e efectuado

Leia mais

Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: S U M Á R I O

Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: S U M Á R I O Processo n.º 527/2007 Data do acórdão: 2008-01-31 Assuntos: - art.º 1200.º do Código de Processo Civil - divórcio - conservatória do registo civil - revisão formal S U M Á R I O Caso no exame dos autos

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação de Évora, de

Acórdão do Tribunal da Relação de Évora, de Acórdão do Tribunal da Relação de Évora, de 26-03-2015 Processo: 897/13.4TBVRS.E1 Relator: MATA RIBEIRO Fonte: www.dgsi.pt Sumário Uma sentença, só por si, pode ser título inidóneo para no âmbito registral

Leia mais

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel:

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel: A Global Lawyers, Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados Sociedade de Advogados, R. L. resulta da fusão de vontades de vários profissionais com vasto curriculum

Leia mais

Provimento Nº.../2016. Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia

Provimento Nº.../2016. Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia Provimento Nº.../2016 Dispõe sobre a Sociedade Individual de Advocacia O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 54, V, da Lei n 8.906,

Leia mais

LEI DA NACIONALIDADE

LEI DA NACIONALIDADE compilações legislativas VERBOJURIDICO LEI DA NACIONALIDADE LEI N.º 37/81, DE 3 DE OUTUBRO ACTUALIZADA ATÉ À LEI ORGÂNICA 2/2006, DE 17 DE ABRIL NÃO DISPENSA A CONSULTA DO DIÁRIO DA REPÚBLICA verbojuridico

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE)

PROVA ESCRITA NACIONAL DO EXAME FINAL DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) ORDEM DOS ADVOGADOS CNEF / CNA Comissão Nacional de Estágio e Formação / Comissão Nacional de Avaliação PROVA ESCRTA NACONAL DO EXAME FNAL DE AVALAÇÃO E AGREGAÇÃO (RNE) GRELHAS DE CORRECÇÃO ÁREAS OPCONAS

Leia mais