PARECER. Relatório. Instituto dos Registos e do Notariado. mod. 4

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARECER. Relatório. Instituto dos Registos e do Notariado. mod. 4"

Transcrição

1 P.º R. P. 169/2008 SJC-CT- Justificação do direito de propriedade e compra e venda de fracção autónoma de prédio, objecto de fraccionamento e emparcelamento, divisão de coisa comum e constituição de propriedade horizontal, não registados, sobre imóvel alegadamente autonomizado para concretização das quotas partes de dois dos comproprietários inscritos dos prédios sobre que recai o pedido de registo, imóvel identificado no título divisório como omisso. Interpretação da escritura, procedimento registral e licenciamentos. PARECER Relatório 1 A impugnação que ora nos é presente vem deduzida contra os despachos de recusa emitidos pela Sr.ª Conservadora a quo relativamente aos registos requeridos numa mesma requisição, no dia 23 de Outubro de 2007, a que vieram a corresponder os números de apresentação 15 a 17. Respeitavam os actos pedidos a um prédio, tabularmente identificado como parte dos prédios n.ºs 6 e 8, freguesia de, e consistiam, o primeiro Ap. 15 no registo de constituição de propriedade horizontal, e os segundos Aps.16 e 17 na aquisição da fracção B, respectivamente, a favor de José Lourenço, e de Maria, Júlia. e Joana, em comum, na proporção de ½, para a primeira, e de ¼, para cada uma das demais. A instrução do primeiro daqueles pedidos ficou a dever-se a duas escrituras, uma de constituição de propriedade horizontal e divisão, lavrada em 26/08/198, no Cartório Notarial de, e a outra de justificação e compra e venda, datada de 29/06/2007, e outorgada no Cartório Notarial de, além de duas cadernetas urbanas, emitidas em 24/01/07, pelo Serviço de Finanças de.. Os segundo e terceiro pedidos foram titulados pela referida escritura de justificação e compra e venda, tendo ainda sido junta, com vista à instrução daquele segundo pedido, uma certidão fiscal, emitida pelo referenciado Serviço de Finanças. 1

2 2 Todos os registos solicitados, nos termos expostos receberam a qualificação negativa de recusa, cujo fundamento legal assentou nos artigos 68.º e 69.º, n.º 1, alínea b), aos quais foi aditado, no que às Aps. 16 e 17 diz respeito, o motivo especificado no n.º 2, 2.ª parte, do mesmo artigo 69.º, do Código do Registo Predial. Reconhece a Sr.ª Conservadora recorrida que a constituição da propriedade horizontal é, nos termos do artigo 2.º do citado Código, um facto sujeito a registo, que, nos termos do disposto no artigo 1417.º do Código Civil, pode ser constituída por usucapião. Acontece que, no seu entender, os títulos apresentados enfermam de irregularidades que obstaculizam o ingresso nas tábuas dos factos registandos. Assim, constata que, à data da celebração da dita escritura de constituição da propriedade horizontal, em 26/08/87, o prédio em causa, ao contrário do que foi certificado e do que, em consequência, ficou consignado no título, já se encontrava descrito na conservatória, não como um único prédio, pertencente, na sua totalidade apenas aos dois comproprietários intervenientes na referida escritura, mas antes como dois prédios distintos, em cada um dos quais os aludidos comproprietários eram somente titulares de 3/30, o que, de resto, corresponde ao que consta da referida escritura de justificação, onde se refere que o questionado prédio foi implantado no terreno correspondente à fracção de 6/30 dos dois imóveis. As buscas inexactas que originaram a passagem da certidão negativa foram sugeridas pela omissão da correspondência entre o artigo urbano 5874, correspondente ao imóvel e os artigos 549 e 550 da anterior matriz rústica, artigos estes que deveriam ser os constantes das escrituras que legitimaram o direito de propriedade dos intervenientes na mencionada escritura de constituição de propriedade horizontal, e que, com certeza, aí titulariam os ditos 6/30 de dois prédios rústicos e não o prédio inscrito sob o artigo 5674 urbano. Acresce que resulta da escritura de justificação e compra e venda apresentada que pelos alvarás de loteamento n.ºs 114 de 20/06/86, e 116, de 18/09/86, foi autorizada a constituição de dois lotes em cada um 2

3 dos prédios descritos, respectivamente, sob os números 6 e 8. Loteamentos estes que não foram registados, nem o poderão ser, sem que seja previamente registada a totalidade da compropriedade dos dois prédios, circunstância igualmente impeditiva da divisão do prédio só entre os dois comproprietários, porquanto aquela demandaria a intervenção de todos eles, os inscritos e os que ainda não têm inscrição de aquisição a seu favor. Seria ainda necessário, no entender da recorrida, alvará de loteamento para anexar os dois lotes. A justificação notarial não pode funcionar, ela própria, como título de autonomização deste edifício constituído em propriedade horizontal, neste caso concreto, afirma, frisando que está em causa a identidade do prédio objecto da constituição da propriedade horizontal e da justificação e que os dois alvarás têm de ser registados e a divisão teria de ser feita por todos os comproprietários. Justificação notarial 1 que, na situação concreta, não pode cumprir 1 Refira-se que nesta escritura, dos dois comproprietários intervenientes na precedente escritura de constituição de propriedade horizontal e divisão, lavrada em 1987, intervém apenas um deles, José Lourenço, representado por um procurador, o qual, reportando-se a esta última, declara nela ter o mesmo instituído, juntamente com Francisco à data, solteiro, menor, representado por seus Pais a propriedade horizontal no edifício de r/c, 1.º andar e logradouro, com a área coberta de 138m2, e descoberta de 642m2, sito na Rua 25 de Abril, na freguesia da, inscrito na matriz sob o artigo 1227, discriminando-o nas fracções autónomas A e B, e procedendo seguidamente à divisão deste prédio de que eram comproprietários em comum, mediante a correspondente adjudicação das fracções, respectivamente, ao outro comproprietário e ao seu representado. Mais declara que o prédio foi construído em terrenos por eles adquiridos por escrituras lavradas no Cartório Notarial de, duas em 2/11/76 e uma, em 26/11/77, escrituras que respeitam a quotas partes de dois prédios, actualmente registados sob o n.º 6 da freguesia da, com o registo de aquisição de 2/30 a favor dos ditos Francisco e José, apresentações 3 e 4 de 4/04/86 (tanto quanto a leitura dos registos respectivos nos permite concluir, cremos haver aqui erro quanto à fracção, que é de 2/30 e 1/30, relativas a cada uma daquelas apresentações) e sob o n.º 8, da mesma freguesia, com registo de aquisição de 3/30 a favor dos mesmos, apresentações 2 e 4 de 4/04/86. E que sobre aquele prédio n.º 6, foi autorizada, pelo alvará de loteamento n.º 114, emitido em 20/06/86, pela Câmara Municipal de, a constituição de dois lotes, o n.º 1, com a área de 445m2, e o n.º 2, com a área de 4005m2. Sobre o prédio n.º 8, por seu turno, através do alvará n.º 116, emitido pela mesma Câmara, em 18/09/86, foi autorizada a constituição de outros dois lotes, o n.º 1, com a área de 335m2, e o n.º 2, com a área de 3015m2. Refere, de seguida e voltamos a transcrever nesse mesmo ano de 1986, os mesmos proprietários procederam à demarcação dos respectivos lotes e desde logo acordado, entre si, na divisão verbal dos mesmos, da qual resultou ficar a pertencer em 3

4 qualquer dos seus fins, primeira inscrição, reatamento ou novo trato sucessivo, quanto ao prédio cuja identidade está em causa, construído no terreno anexado dos dois lotes, porque existe compropriedade nos prédios n.ºs 6 e 8, compropriedade quanto aos sujeitos, que se desconhece em termos registais e no título quem são na sua totalidade, estando já registadas as quotas a favor dos dois comproprietários. Quanto aos registos objecto das Aps. 16 e 17, a recusa dos factos registandos advém destes dependerem do registo antes requerido, que foi recusado, e cujo despacho se considera reproduzido relativamente a este pedido, facto não titulado. 3 Em sede de recurso, pugna-se, naturalmente pela efectivação dos registos em causa com carácter definitivo, na base da consideração de que a posse e a aquisição do direito por usucapião são originárias, bastando-se com certo senhorio de facto, tal como é, por certo lapso de tempo. Pelo que não fará sentido falar-se em destaques ou loteamentos como factos ponderáveis em que nasça, se desenvolva e se consolide a posse ou a usucapião. Até a eventual nulidade do título não macula a comum ao seu representado e a Francisco, os dois lotes atrás mencionados com as áreas de 445m2 e 335m2. Que, após a referida divisão, os mesmos procederam à anexação dos dois lotes de terreno, da qual resultou um só lote com a área de 780m2, no qual construíram o edifício acima identificado inscrito na matriz sob o art.º 1227, devidamente licenciado. Que, assim, o referido prédio é composto por um lote de terreno com a área de 335m2, a desanexar do prédio descrito sob o n.º 8 e pelo lote de terreno com a área de 445m2, a desanexar do descrito sob o n.º 6. Que, desde o ano de 1986 que o seu representado possui a fracção autónoma designada pela letra B, sem violência e sem oposição de quem quer que seja, ostensivamente, com conhecimento de toda a gente, em nome próprio e com aproveitamento de todas as utilidades da mesma, habitando-a, conservando-a, agindo sempre pela forma correspondente ao direito de propriedade. Que esta posse em nome próprio, pacífica, contínua e pública, há mais de vinte anos, conduziu à aquisição da fracção por usucapião, que invoca, dado a forma de aquisição verbal não poder ser comprovada por qualquer outro título formal extrajudicial. Nos termos expostos se consubstancia o conteúdo da apresentada escritura de justificação notarial. Importa acrescentar que as referenciadas inscrições são as únicas incidentes sobre o prédio descrito sob o n.º 8; já relativamente ao descrito sob o n.º 6 incide, além das apontadas, uma inscrição de aquisição de 98/120, a favor de José Augusto, Ap. 1/ , sendo que as três, no seu conjunto, não representam a totalidade do prédio. 4

5 posse nem a usucapião e perante a posse invocada para este efeito, só há que verificar se ela existe e se durou o tempo necessário para que aquela aconteça. 4 A Sr.ª Conservadora recorrida sustenta a qualificação adoptada, reiterando a anterior posição relativamente aos vícios assinalados à escritura de constituição da propriedade horizontal e divisão de coisa comum, nomeadamente, os decorrentes da certidão negativa, do princípio da legitimação e da identidade do prédio. Insiste na necessidade de serem submetidas a registo as autorizações de loteamento, lei cuja observância a escritura de justificação notarial tem de cumprir, podendo depois haver divisão, nos termos do artigo 1413.º do Código Civil. Considera indispensável fazer alterações aos ditos alvarás, até porque cada um deles tem especificações diferentes, com vista à anexação dos dois lotes de prédios distintos. E conclui, como antes, pela impossibilidade da existência de justificação no caso concreto. 5 Face à competência e legitimidade das partes, à tempestividade do recurso, à inexistência de questões prévias ou prejudiciais que obstem ao conhecimento do mérito, a posição do Conselho vai expressa na seguinte Deliberação I Nos termos da previsão contida no artigo 116.º do Código do Registo Predial, quando o adquirente não disponha de documento para a prova do seu direito, e com o objectivo de estabelecer (ab initio), reatar ou estabelecer novo trato sucessivo, é-lhe permitido recorrer, para o efeito, a uma escritura de justificação notarial. II Quando tal escritura vise o reatamento do trato sucessivo (n.º 2, art.º cit.), a justificação tem por objecto a dedução daquele 5

6 trato a partir do titular da última inscrição, por meio de declarações prestadas pelo justificante, devendo reconstituir-se na escritura as sucessivas transmissões, com especificação das suas causas e respectivos sujeitos, indicando, relativamente àquelas em que o interessado afirme não lhe ser possível obter o título, as razões da invocada impossibilidade (cfr. art.º 90.º, C. Notariado). III Quando o propósito a que a justificação vai endereçada seja o do estabelecimento de novo trato sucessivo, deve o interessado indicar as circunstâncias em que se baseia a aquisição originária, bem como as transmissões que a tenham antecedido e as subsequentes, sendo que, em caso de invocação da usucapião, fundada em posse não titulada, como causa da aquisição, devem ser mencionadas expressamente as circunstâncias de facto, determinantes do exercício da posse, bem como as que consubstanciam e caracterizam a posse geradora da usucapião (cfr. art.ºs 91.º e 89.º, n.º 2, C. Notariado). IV Ainda que a invocação, por parte do justificante, da posse conducente à usucapião, para sustentar a aquisição originária do seu direito, possa ocorrer em ambas as modalidades de justificação referidas nos anteriores pontos II e III -, o certo é que são distintos os respectivos pressupostos de admissibilidade, uma vez que, enquanto a primeira supõe que, no percurso das aquisições derivadas, o trato sucessivo se desenrolou sem incidentes, verificando-se apenas a falta do título translativo de uma ou várias, na segunda o dito percurso foi cortado pelo abandono do direito, iniciando-se um novo trato, a partir do momento em que se mostra irrealizável o reatamento daquele que as tábuas revelam. 2 V Acontece que, na situação dos autos, as tábuas publicitam uma situação jurídica de compropriedade incidente sobre as duas 2 Daí que a doutrina firmada a este respeito pelo Conselho vá no sentido de se considerar unicamente titulada a justificação para reatamento do trato sucessivo quando o justificante, tendo embora invocado a posse conducente à usucapião para o predito efeito, haja procedido já à reconstituição de toda a cadeia de aquisições tituladas necessárias ao reatamento. Cfr. P.º R.P. 143/2000 DSJ-CT, in BRN II, n.º 3/2001, pág.5. 6

7 descrições prediais com registo apenas, quanto ao prédio descrito sob o n.º 8, das quotas partes pertencentes a dois dos comproprietários (outorgantes da apresentada escritura de constituição de propriedade horizontal) e no respeitante ao prédio descrito sob o n.º 6, de iguais quotas dos mesmos consortes e ainda de outra quota-parte de diverso comproprietário, nunca correspondendo, porém, em ambos os casos, à totalidade do prédio - das quais, por desanexação de determinada área de cada um delas e subsequente anexação, terá resultado o terreno, no qual foi edificado o prédio, objecto do peticionado registo de constituição de propriedade horizontal. Não obstante, tudo se passa nesta escritura como se os dois referidos comproprietários fossem donos, ao menos no que ao prédio urbano edificado concerne, da totalidade. VI Ora, é irrecusável a asserção de que o prédio urbano assenta numa dada fracção do solo, de tal modo que, legalmente, a viabilidade da dissociação entre a propriedade daquele e toda e qualquer construção que no dito seja erguida é limitada ao âmbito do direito de superfície, que, como se sabe, pode ser constituído, por contrato, testamento ou usucapião (art.º 1528.º, C.C.). VII Não foi este, como claramente resulta do respectivo conteúdo, o objectivo que presidiu à celebração da questionada escritura de justificação notarial, mas antes, ao que supomos, o de conseguir titular, por este meio, o direito de propriedade singular de ambos os referenciados comproprietários sobre uma parte especificada dos prédios descritos, deste modo estabelecendo um novo trato relativamente a essa delimitada parte do prédio sobre que estava inscrito o trato anterior, assim interrompido pela alegada usucapião, para cujo efeito o justificante, não podendo juntar o título - por não ter sido formalmente lavrado sempre pode invocar, como início da posse, que se pretende ver reconhecida, uma transmissão não titulada, como, in casu, sucedeu com a divisão verbal. 3 3 Considerando que a justificação se destina a suprir um documento inexistente para o interessado, o título de que ele não dispõe para registar o seu direito, parece que 7

8 VIII O que não é, todavia, suficiente, porquanto, sendo os interessados nesta justificação comproprietários do prédio-mãe, só a sua posse exclusiva daquela parcela, traduzida no respectivo controlo material, com oposição aos demais comproprietários aos quais, porém, nem sequer se faz referência - e acompanhada da intenção de a possuírem como proprietários únicos, poderá consubstanciar a posse geradora da usucapião, capaz de suprir a falta do título comprovativo da divisão de coisa comum. IX Acresce que na escritura de justificação notarial em que é invocada a aquisição por usucapião do direito de propriedade sobre um lote de terreno para construção ainda que, in casu, a invocação da posse àquela conducente se tenha limitado à fracção autónoma designada pela letra B -, devem constar as menções sobre loteamentos urbanos impostas pela lei em vigor no momento em que se verificou a aquisição 4, ou seja, no início da posse, o qual pode coincidir com os actos materiais através dos quais se procedeu à demarcação do lote o que, nos termos do consignado na escritura, aconteceu em , prescrição esta a que se não deu cumprimento na escritura em causa. 5 não poderá interessar que o título faltoso não exista porque desapareceu ou não chegou sequer a ser lavrado Se analisarmos os antecedentes das escrituras de justificação, igualmente é de concluir que elas foram criadas para abranger ambas as hipóteses, sobretudo e principalmente, para remediar os casos em que a inexistência do título provém da circunstância de não ter sido lavrado, muito mais frequente.. Transcrito de Prática Notarial, de Borges de Araújo, in P.º R.P. 347/2002 DSJ-CT, BRN II, 1, n.º 3/2004, pág.2. 4 Cfr. P.º 60/93, in BRN n.º 4/94, pág. 11; P.º 17/96 R.P.4, e P.º R.P. 28/2001, BRN II, n.º 10/2001, pág.2. 5 Àquela data, encontrava-se em vigor o D.L. n.º 400/84, de 31/12, nos termos de cujo artigo 53.º, com referência ao art.º 48.º, n.º 1, implicava alteração ao alvará a modificação das suas prescrições, por conseguinte, também, a alteração do número, área e localização dos lotes. Recorde-se (cfr. nota 1 de rodapé) que o lote no qual foi erigida a edificação resultou da anexação dos lotes n.º 1 de dois alvarás, com os números 114 e

9 X Por último, na escritura de justificação apresentada, as características da posse, susceptíveis de conduzir à aquisição por usucapião, aparecem afirmadas relativamente à fracção B do referido edifício, como meio de justificar o direito sobre a mesma do comproprietário justificante dado a forma de aquisição verbal não poder ser comprovada por qualquer outro título formal extrajudicial., quando, na escritura de constituição de propriedade horizontal, também apresentada como título, lhe havia sido adjudicada, em divisão da coisa comum entre os mesmos comproprietários, a referida fracção. XI Mais não se afigura ser necessário dizer para pôr em evidência as deficiências, omissões e imprecisões de vária natureza reveladas pela escritura de justificação notarial apresentada quer decorrentes do seu contexto, quer de outros elementos juntos aos autos, de si bastantes para porem em causa a respectiva admissibilidade, enquanto título comprovativo do facto sujeito a registo. XII De referir ainda que, implicando o requerido registo a desanexação de parcelas integrantes dos prédios descritos sob os números 6 e 8, e não constando do respectivo título a composição do prédio que, formado pela anexação das ditas, constituiu o terreno de implantação da propriedade horizontal em causa, face à ilegitimidade do requisitante para suprir essa lacuna mediante declaração complementar que, de resto, também não se mostra efectuada deverá proceder-se à abertura da respectiva descrição, com os elementos disponíveis, em ordem a dar cumprimento à previsão contida no n.º 2 do art.º 80.º do Código do Registo Predial. Nesta conformidade, face ao exposto, concluímos pelo não provimento do recurso. 9

10 Deliberação aprovada em sessão do Conselho Técnico de 18 de Dezembro de Maria Eugénia Cruz Pires dos Reis Moreira, relatora. Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Presidente em

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT

P.º R. P. 184/2009 SJC-CT P.º R. P. 184/2009 SJC-CT Transferência de património, ao abrigo do D. L. n.º 112/2004 de 13 de Maio, entre dois organismos integrantes do sistema de segurança social, o Instituto da... e o Instituto Recusa

Leia mais

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT

P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT P.º R. P. 231/2007 DSJ-CT -Transacção judicial Registo de aquisição Título Reconhecimento do direito de propriedade Trato sucessivo Obrigações fiscais. DELIBERAÇÃO Vem o presente recurso hierárquico interposto

Leia mais

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 43/2010 SJC-CT Transmissão de locação financeira. Recusa. DELIBERAÇÃO 1., advogado, apresentou na Conservatória do Registo Predial de, no dia de de ( Ap. ), um pedido de registo a que chamou

Leia mais

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT

P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT P.º n.º R.P. 123/2009 SJC-CT - Aquisição. Usucapião. Justificação notarial para reatamento do trato sucessivo. Imposto de selo. Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho. Doação. Caducidade do ónus de eventual

Leia mais

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Pº R.P. 241/2008 SJC-CT- Acção proposta no âmbito do artº 205º CPEREF- Ordem de separação de determinado prédio da massa falida Cancelamento de hipotecas e penhoras Insuficiência do título. DELIBERAÇÃO

Leia mais

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 212/2010 SJC-CT Penhora. Registo de aquisição de imóvel penhorado. Averbamento à descrição. Recusa. DELIBERAÇÃO A ficha... descreve um terreno para construção com a área de 2 080m2, inscrito

Leia mais

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório

P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório P.º R. P. 191/2008 SJC-CT- Aquisição em processo de execução rejeição da apresentação - gratuitidade do registo. DELIBERAÇÃO Relatório 1. Em 01/09/2008 foi apresentado, na Conservatória do Registo Predial

Leia mais

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT

P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT P.º n.º R.P. 242/2010 SJC-CT Prédio inscrito a favor dos autores da herança. Pagamento das dívidas destes. Penhora. Habilitação dos herdeiros. Identificação dos sujeitos. Documento bastante. DELIBERAÇÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º n.º R. P. 188/2008 SJC-CT- Escritura de revogação de justificação notarial. Cancelamento do registo de aquisição titulado por escritura de justificação. Direitos inscritos a favor de terceiros. DELIBERAÇÃO

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA Registo de entrada RE SERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE FRACÇÃO AUTÓNOMA (Art.º 63 do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

P.º R. P. 267/2008 SJC-CT-

P.º R. P. 267/2008 SJC-CT- P.º R. P. 267/2008 SJC-CT-Anexação de parcela de terreno para construção urbana (inicialmente integrada no domínio privado do município por cedência em alvará de loteamento) a prédio rústico do mesmo proprietário

Leia mais

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT:

P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: P.º R. P. 113/2005 DSJ-CT: Renovação de registo provisório de aquisição lavrado com base em contrato-promessa de alienação. Documento comprovativo do consentimento das partes. Declarações complementares

Leia mais

Pº R.P.123/2006 DSJ-CT

Pº R.P.123/2006 DSJ-CT Pº R.P.123/2006 DSJ-CT- Licenciamento de operação de loteamento no domínio do DL nº 289/73 de 6 de Junho Emissão do alvará de loteamento não registada - Posterior descrição de outros lotes do mesmo alvará

Leia mais

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT

Pº R. P. 180/2008 SJC-CT Pº R. P. 180/2008 SJC-CT - Inscrição de aquisição em comum e sem determinação de parte ou direito Prédio urbano constituído por várias moradias a que correspondem diferentes artigos matriciais Divergência

Leia mais

P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície.

P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície. P.º n.º R.P. 193/2010 SJC-CT Transmissão da posição contratual. Averbamento à inscrição de aquisição do direito de superfície. DELIBERAÇÃO 1. O prédio descrito sob nº... da freguesia de foi, na dependência

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2010 SJC-CT Aquisição. Contrato promessa. DELIBERAÇÃO 1. Indicando como objecto mediato o prédio descrito sob o nº... da freguesia de..., o recorrente apresentou na Conservatória do Registo

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 1/ CC /2017 N/Referência: P.º R.P. 118/2016 STJSR-CC Data de homologação: 20-01-2017 Recorrente: Francisco J.., representado por Constantino.., advogado.

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório Pº R.P.90/2007 DSJ-CT: Anexação de prédios descritos -recusa. Divergência entre a soma das áreas dos prédios a anexar e a área do prédio resultante da anexação invocação de erro de medição. Operação de

Leia mais

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos.

Deliberação. Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. Proc. C.C. 109/2010 SJC CT Deliberação Casamento entre pessoas do mesmo sexo. Nubente estrangeiro. Declaração de inexistência de impedimentos. O Consulado de Portugal em B., Brasil, atento o despacho n.º

Leia mais

N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 59/ CC /2016 N/Referência: PºR.P.95/2016 STJ-CC Data de homologação: 23-10-2016 Recorrente: Município de P... Recorrido: Conservatória do Registo Predial

Leia mais

R.P. 140, /2006 DSJ-CT-

R.P. 140, /2006 DSJ-CT- P.ºs R.P. 140, 141 e 142/2006 DSJ-CT- Averbamento de alteração da inscrição de aquisição Modificação subjectiva Alteração da firma ou denominação de sociedade estrangeira (no âmbito de transferência de

Leia mais

CONTRATO DE COMPRA E VENDA No dia 22 de setembro de 2016, intervieram no presente contrato os seguintes

CONTRATO DE COMPRA E VENDA No dia 22 de setembro de 2016, intervieram no presente contrato os seguintes CONTRATO DE COMPRA E VENDA ------ No dia 22 de setembro de 2016, intervieram no presente contrato os seguintes outorgantes: --------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Pº R.P. 12/2009 SJC-CT-

Pº R.P. 12/2009 SJC-CT- Pº R.P. 12/2009 SJC-CT- Recusa do pedido de registo com base em culpa leve do serviço de registo Restituição do emolumento - descrição do caso em especial. Relatório: DELIBERAÇÃO Pela Ap. 45, de 11 de

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 80/2007 DSJ-CT- Escritura de justificação e exigências da legislação sobre loteamentos urbanos Menção ao número do lote e exibição de certidão da Câmara Municipal comprovativa de que foi emitido

Leia mais

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT-

P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- P.º R.P. 147/2007 DSJ-CT- Fixação do sentido e alcance da norma contida no n.º 5 do artigo 31.º do D. L. 287/2003, de 12/11 Reconhecimento ao interessado da possibilidade de requerer hoje a liquidação

Leia mais

P.º n.º R.P. 110/2011 SJC-CT Anexação. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 110/2011 SJC-CT Anexação. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 110/2011 SJC-CT Anexação. DELIBERAÇÃO Pelas aps.... e..., de 4 de Março de 2011,, na qualidade de gerente de..., Unipessoal Lda, requisitou no Serviço de Registo Predial de... os seguintes

Leia mais

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento

Parecer. indicados sem indicação do diploma a que pertencem deve entender-se que se referem ao Regulamento Parecer P.º C. C. 73/2012 SJC-CT (Anexo IV) ASSUNTO: Dúvidas Emolumentares decorrentes das alterações introduzidas ao Regulamento Emolumentar dos Registos e do Notariado pelo Decreto-Lei n.º 209/2012,

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1.ª série N.º 163 25 de Agosto de 2008 5889 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Centro Jurídico Declaração de Rectificação n.º 46/2008 Ao abrigo da alínea h) do n.º 1 e do n.º 2 do

Leia mais

P.º n.º R.P. 89/2011 SJC-CT Acção de divisão de coisa comum. Incerteza. quanto ao objecto. Violação do trato sucessivo. Qualificação minguante.

P.º n.º R.P. 89/2011 SJC-CT Acção de divisão de coisa comum. Incerteza. quanto ao objecto. Violação do trato sucessivo. Qualificação minguante. P.º n.º R.P. 89/2011 SJC-CT Acção de divisão de coisa comum. Incerteza quanto ao objecto. Violação do trato sucessivo. Qualificação minguante. PARECER 1 O presente recurso hierárquico vem interposto contra

Leia mais

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT

- 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT - 1 - Pº R.Co.27/2009 SJC-CT Recorrente: Joaquim. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial do. Acto impugnado: Indeferimento liminar de pedidos de rectificação das inscrições 3 e 4 relativas à sociedade

Leia mais

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto*

Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* Portaria n.º 621/2008, de 18 de julho na redação da Portaria n.º 283/2013, de 30 de agosto* O Decreto-Lei n.º 116/2008, de 4 de julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

Relatório DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 22/ CC /2015. N/Referência: PºR.P.86/2014 STJ-CC Data de homologação:

Relatório DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 22/ CC /2015. N/Referência: PºR.P.86/2014 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 22/ CC /2015 N/Referência: PºR.P.86/2014 STJ-CC Data de homologação: 10-03-2015 Recorrente: Ana Maria., Notária Recorrido: Conservatória do Registo Predial

Leia mais

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação:

N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 66/ CC /2016 N/Referência: P.º R.P. 117/2016 STJSR-CC Data de homologação: 16-12-2016 Recorrente:..-ALUGUER DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO, LDA Recorrido: Conservatória

Leia mais

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer

Proc. R.C. 3/2008 SJC CT. Parecer Proc. R.C. 3/2008 SJC CT Parecer Recurso hierárquico. Aquisição da nacionalidade portuguesa por efeito de adopção por decisão transitada em julgado antes da entrada em vigor da Lei n.º 37/81, de 3 de Outubro.

Leia mais

APROVA OS MODELOS DE AVISO A FIXAR PELO TITULAR DE ALVARÁ DE LICENCIAMENTO. (Portaria n.º 1108/2001, de 18 de Setembro)

APROVA OS MODELOS DE AVISO A FIXAR PELO TITULAR DE ALVARÁ DE LICENCIAMENTO. (Portaria n.º 1108/2001, de 18 de Setembro) APROVA OS MODELOS DE A FIXAR PELO TITULAR DE ALVARÁ DE LICENCIAMENTO (Portaria n.º 1108/2001, de 18 de Setembro) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime jurídico da urbanização

Leia mais

1 Em suporte deste entendimento, havia já a recorrente invocado, no âmbito do processo de suprimento

1 Em suporte deste entendimento, havia já a recorrente invocado, no âmbito do processo de suprimento P.º n.º R. P. 204/2009 SJC-CT Divergência de áreas do prédio registando entre a que consta no título e a resultante do teor matricial. Interpretação dos artigos 28.º-A e 28.º-B do Código do Registo Predial.

Leia mais

Outro (especificar) Em relação à totalidade do imóvel constante do processo nº /, (escolha opção):

Outro (especificar) Em relação à totalidade do imóvel constante do processo nº /, (escolha opção): 1/7 REQUERIMENTO PARA: Despacho: Espaço reservado aos serviços PEDIDO DE AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO DE EDIFÍCIOS OU FRAÇÕES Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 169/2011 SJC-CT Conversão do arresto em penhora. DELIBERAÇÃO Sobre o prédio da ficha nº, da freguesia de..., da Conservatória do Registo Predial de prédio urbano situado na Rua...,, inscrito

Leia mais

Exm.º Senhor: Vereador do Pelouro do Município de Monforte

Exm.º Senhor: Vereador do Pelouro do Município de Monforte Registo de Entrada N.º Proc.º Em / / Funcionário: Informação - Prosseguir seus termos Em / / A Responsável da UOFUOSU Despacho - Prosseguir seus termos Em / / O Vereador do Pelouro Identificação do Munícipe

Leia mais

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 207/2 ALTERAÇÃO/AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO não precedido de operação urbanística sujeita a controlo prévio Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS

DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS DELIBERAÇÕES APROVADAS EM MINUTA E PARA EFEITOS IMEDIATOS (Nos termos do nº3 do artº 92º do Decreto-Lei nº 169/99, de 18/09) --------- Reunião de 8 de Julho de 2008 --------- --- CANDIDATURA AO PROGRAMA

Leia mais

Consequentemente, deve conceder-se provimento ao recurso com as devidas consequências legais.

Consequentemente, deve conceder-se provimento ao recurso com as devidas consequências legais. P.º R. P. 146/2006 DSJ-CT-Divisão de prédio urbano. Titulação e qualificação do correspondente pedido de registo. Eventual violação do regime jurídico dos loteamentos urbanos. PARECER Relatório 1 Em 2

Leia mais

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel:

Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados R. L. Rua Castilho, n.º 67-2º andar * Lisboa Tel: A Global Lawyers, Santana Lopes, Castro, Vieira, Teles, Silva Lopes, Calado, Cardoso & Associados Sociedade de Advogados, R. L. resulta da fusão de vontades de vários profissionais com vasto curriculum

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório

DELIBERAÇÃO. Relatório P.º R. P. 266/2008 SJC-CT: Registabilidade da acção em que a autora, alegadamente proprietária de um prédio urbano, constituído por dois blocos/edifícios, implantado num terreno para construção, descrito

Leia mais

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 192/2011 SJC-CT Declaração de nulidade da venda por sentença. Cancelamento do registo de aquisição. DELIBERAÇÃO A. A ficha informática da freguesia de, do concelho da que descreve o 1º andar

Leia mais

Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira

Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Requerimento n.º Processo de Obras n.º (quadro a preencher pelos serviços) (n.º 4 do artigo 4º do D.L.555/99 de 16 de Dezembro) Ex.mo(a) Sr.(a) Presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira Identificação

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Concordo. Remeta-se a presente Informação ao Sr. Director do DMGUF, Arq.º Aníbal Caldas. Cristina Guimarães Chefe da Divisão de Estudos e Assessoria Jurídica 2010.05.21 N.º Inf: ( ) Ref.ª: ( ) Porto, 18/05/2010

Leia mais

CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO DAS ÁGUAS ROMANAS

CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO DAS ÁGUAS ROMANAS CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO DAS ÁGUAS ROMANAS As presentes condições de venda referem-se à alienação por lanços em hasta pública do prédio urbano, sito na

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E PROPRIEDADE HORIZONTAL. Registo de Entrada Registo de Entrada Despacho Registado em SPO Reqº.n.º. / / Procº. / / Data / / O Assist. Técnico Em, / / O Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua ASSUNTO: AUTORIZAÇÃO DE UTILIZAÇÃO E

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE DIREITO DE SUPERFÍCIE No dia de de dois mil e dezassete, nos Paços do Concelho,

CONSTITUIÇÃO DE DIREITO DE SUPERFÍCIE No dia de de dois mil e dezassete, nos Paços do Concelho, CONSTITUIÇÃO DE DIREITO DE SUPERFÍCIE ------ No dia de de dois mil e dezassete, nos Paços do Concelho, sito na Rua Miguel Bombarda, no Barreiro, perante mim, NIF, Notári_ com Cartório Notarial na, número,

Leia mais

P.º R. P. 99/2010 SJC-CT

P.º R. P. 99/2010 SJC-CT P.º R. P. 99/2010 SJC-CT Conversão da inscrição de penhora, provisória por natureza (alínea a) do n.º 2 do artigo 92.º do Código do Registo Predial), com fundamento em decisão judicial transitada em julgado

Leia mais

Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de.

Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Pº R. Co. 25/2006 DSJ-CT. Recorrente: Caixa de Crédito Agrícola Mútuo. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial de. Registo a qualificar: Transmissão de dívida com hipoteca a favor de P Sociedade

Leia mais

Sitos em Campo Queimado, freguesia de Outeiro Seco, concelho de Chaves

Sitos em Campo Queimado, freguesia de Outeiro Seco, concelho de Chaves NORMAS DE PROCEDIMENTO PRÉ-CONTRATUAL TENDENTE À ALIENAÇÃO/LOCAÇÃO DO DIREITO DE PROPRIEDADE DOS LOTES DO LOTEAMENTO DENOMINADO: PARQUE EMPRESARIAL DE CHAVES PARQUE DE ATIVIDADES DE CHAVES E PLATAFORMA

Leia mais

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT

Pº R.P. 132/2008 SJC-CT Pº R.P. 132/2008 SJC-CT - Impugnação de decisão de recusa, consoante respeite a acto de registo nos termos requeridos ou rectificação de registos ( nºs 1 e 2, respectivamente, do art. 140º do C.R.P.) Interpretação

Leia mais

ALTERAÇÃO AO ALVARÁ DE LICENÇA DE LOTEAMENTO. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

ALTERAÇÃO AO ALVARÁ DE LICENÇA DE LOTEAMENTO. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 211/2 ALTERAÇÃO AO ALVARÁ DE LICENÇA DE LOTEAMENTO Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória (nome do requerente ), Contribuinte

Leia mais

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de.

Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Pº C.Co.53/2010 SJC-CT Consulente: Instituto da Segurança Social, I.P. Centro Distrital de. Consulta: Qual a data a considerar como sendo a da designação e da cessação de funções de membros dos órgãos

Leia mais

Guia de Permuta de Imóveis

Guia de Permuta de Imóveis Guia de Permuta de Imóveis Portal Imobiliário CasaYES Todos os direitos reservados 1 Vai Permutar a sua Casa? Casa? Preste atenção ao seguinte! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos

Leia mais

EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 218/2 EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória (nome do requerente ), Contribuinte (pessoa singular

Leia mais

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia

Ex.mo Senhor: Presidente da Câmara Municipal de Mortágua. ASSUNTO: LOTEAMENTO URBANO: Com / Sem, Obras de Urbanização Licenciamento Comunicação Prévia REGISTO DE ENTRADA Registado em SPO Procº. / / Reqº. / / Em / / O Assist. Técnico TAXA DE APRECIAÇÃO Paga a taxa no valor de Guia n.º / Em / / O Assist. Técnico DESPACHO Em / / O Presidente da Câmara Ex.mo

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: Pº R.P. 217/2006 DSJ-CT- Cancelamento de registo de hipoteca Título para registo Requerimento dirigido ao conservador, invocativo da prescrição Recusa. Relatório: DELIBERAÇÃO Do prédio urbano descrito

Leia mais

Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório:

Recorrente: «L Sociedade Unipessoal, Limitada». Recorrida: Conservatória do Registo Comercial da. Relatório: P.º R. Co. 4/2007DSJ-CT - Registo da constituição da sociedade e nomeação de gerentes. Título constitutivo omisso quanto à data do encerramento do exercício social e ao número de identificação fiscal da

Leia mais

R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório

R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER. Relatório 1 R. P. 5/2009 SJC-CT- Doação - obrigação de registar: sujeito e prazo. PARECER Relatório 1. Maria.vem apresentar recurso hierárquico da decisão de rejeição das aps. 30, 31 e 32 de / /24 relativas aos

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Art.º 76º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial.

PARECER. Para a fundamentação de direito são invocados os artigos 68.º e 70.º do Código do Registo Predial. P.º n.º R.P. 17/2013 STJ-CC Registo de incidente deduzido em processo de execução fiscal. Princípio do trato sucessivo. Despacho de provisoriedade por dúvidas. PARECER 1 O presente recurso hierárquico

Leia mais

CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017. «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal

CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017. «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal CONCURSO DE PROVAS PÚBLICAS PARA ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE NOTÁRIO 01/07/2017 «Grelha» de correção da prova de Direito Privado e Direito Registal A) Direito Privado I (6 v.) a) (1 valor) A cláusula é válida,

Leia mais

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 209/2 PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE OBRAS URBANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO. Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara

Leia mais

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º ,

CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA. PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º , CONTRATO PROMESSA DE COMPRA E VENDA (Lote - UL ) ENTRE: PRIMEIRA OUTORGANTE: Caixa Geral de Depósitos, S.A., pessoa colectiva n.º 500960046, com sede na Av. João XXI, n.º 63, em Lisboa, com o capital social

Leia mais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais

Registos e Notariado. Ficha Técnica. Código do Notariado. TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais. CAPÍTULO I - Disposições gerais Registos e Notariado Ficha Técnica Código do Notariado TÍTULO I - Da organização dos serviços notariais CAPÍTULO I - Disposições gerais CAPÍTULO II - Competência funcional SECÇÃO I - Atribuições dos notários

Leia mais

Sumário: Alteração do contrato social. Título para registo.

Sumário: Alteração do contrato social. Título para registo. P.º R. Co. 16/2007DSJ-CT Sumário: Alteração do contrato social. Título para registo. Recorrente: Sociedade «G, Limitada», representada por M D..., advogada. Recorrida: Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Pº C.P. 35/2009 SJC-CT-

Pº C.P. 35/2009 SJC-CT- Pº C.P. 35/2009 SJC-CT- Gratuitidade prevista no nº 3 do art. 33º do referido D.L. nº 116/2008 - Pedidos efectuados para lá dos prazos previstos para o cumprimento atempado da obrigação de registar Agravamento

Leia mais

Artigo 3.º Uso a que se destina o prédio

Artigo 3.º Uso a que se destina o prédio CONDIÇÕES DE VENDA EM HASTA PÚBLICA DO PRÉDIO SITO EM PENELA, FREGUESIA DE SÃO MIGUEL, CONCELHO DE PENELA, DESTINADO A CONSTRUÇÃO E INSTALAÇÃO DA CASA DE CHÁ FREIRE GRAVADOR As presentes condições de venda

Leia mais

IMI. Imposto Municipal sobre Imóveis. Cláudia Ferreira

IMI. Imposto Municipal sobre Imóveis. Cláudia Ferreira IMI Imposto Municipal sobre Imóveis Cláudia Ferreira 1 O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos prédios (rústicos, urbanos ou mistos) situados em Portugal. É um imposto municipal,

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO CIVIL Decreto-Lei nº 131/95, de 6 de Junho 7 Decreto-Lei nº 324/2007, de 28 de Setembro 11

CÓDIGO DO REGISTO CIVIL Decreto-Lei nº 131/95, de 6 de Junho 7 Decreto-Lei nº 324/2007, de 28 de Setembro 11 CÓDIGO DO REGISTO CIVIL Decreto-Lei nº 131/95, de 6 de Junho 7 Decreto-Lei nº 324/2007, de 28 de Setembro 11 título i Disposições gerais 25 capítulo i Objecto e valor do registo civil 25 capítulo ii Órgãos

Leia mais

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017

XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ. Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 XIX ENCONTRO NACIONAL DA APAJ Porto, 20 e 21 de janeiro de 2017 Foi solicitado à ASCR pelo Dr. Inácio Peres uma breve exposição sobre algumas questões notariais e registrais no âmbito da insolvência. Como

Leia mais

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação:

N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: DIVULGAÇÃO DE PARECER DO CONSELHO CONSULTIVO N.º 52/ CC /2015 N/Referência: Pº R.P.5/2015 STJ-CC Data de homologação: 26-03-2015. Banco, S.A.. Conservatória do Registo Predial de. Assunto: Descrição aberta

Leia mais

C. P. 110/2009 SJC-CT

C. P. 110/2009 SJC-CT Proc. n.º C. P. 110/2009 SJC-CT Escritura de partilha de herança. Prazo para a promoção do registo dos bens imóveis. Agravamento emolumentar no caso de cumprimento intempestivo da obrigação de registar.

Leia mais

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama

Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Processo de Urbanização da Área Residencial de Camama Foi com a aprovação do Decreto Presidencial n.º 190/2011, de 30 de Junho, diploma que criou o Gabinete Técnico para a Implementação e Gestão do Plano

Leia mais

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO

NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO NORMA TÉCNICA ELEMENTOS PARA A INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENCIAMENTO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO Já conhece as regras de instrução de processos em formato digital? Consulte toda a informação em

Leia mais

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES:

PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: PARECER Nº. 67/PP/2008-P CONCLUSÕES: 1. O Decretos-lei n.º 28/2000, de 13 de Março, n.º 237/2001, de 30 de Agosto e n.º 76-A/2006, de 29 de Março atribuíram, nomeadamente, aos advogados e aos solicitadores,

Leia mais

P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER

P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER 1 P.º n.º R.P. 81/2010 SJC-CT Sociedade irregular. Trato sucessivo. PARECER 1.... vem interpor recurso hierárquico da decisão de recusa de conversão da inscrição de aquisição apresentada sob o n.º...,

Leia mais

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES

PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES PARECER Nº 48/PP/2014-P CONCLUSÕES 1. Os actos praticados pelo advogado no uso da competência que lhe é atribuída pelo artº 38º do Dec-Lei nº 76-A/2006, bem como os documentos que os formalizam, porque

Leia mais

QUADRO LEGISLATIVO. SECÇÃO VIII Reconhecimentos. Artigo 153.º Espécies

QUADRO LEGISLATIVO. SECÇÃO VIII Reconhecimentos. Artigo 153.º Espécies QUADRO LEGISLATIVO DL n.º 250/96, de 24 de Dezembro: Altera o Código do Notariado (aprovado pelo Decreto-Lei n.º 207/95, de 14 de Agosto) e procede à abolição dos reconhecimentos notariais de letra e de

Leia mais

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT

Pº R.P. 182/2008 SJC-CT Pº R.P. 182/2008 SJC-CT- (i)legalidade de recusa de registo de aquisição pedido com base em inventário, com fundamento na sua manifesta nulidade, mediante invocação de que o prédio partilhado é alheio

Leia mais

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO. II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO. II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO Março II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO 3/2004 Proc. nº R.P. 347/2002 DSJ-CT - Registo de aquisição Justificação notarial Concretização dos actos materiais reveladores

Leia mais

PRP 315/2004 DSJ-CT - Formas de pôr termo ao regime de compropriedade, no âmbito de uma autorização de loteamento. Seus reflexos a nível tributário.

PRP 315/2004 DSJ-CT - Formas de pôr termo ao regime de compropriedade, no âmbito de uma autorização de loteamento. Seus reflexos a nível tributário. PRP 315/2004 DSJ-CT - Formas de pôr termo ao regime de compropriedade, no âmbito de uma autorização de loteamento. Seus reflexos a nível tributário. 1 Em 11 de Outubro de 2004, foram requisitados na Conservatória

Leia mais

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL

CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL (14.ª Edição) Errata Código do Registo Predial 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGO DO REGISTO PREDIAL Errata BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA, SA Rua Fernandes Tomás, n.ºs 76, 78, 80 3000-167

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA

MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA MINUTA DE CONTRATO - PROMESSA DE COMPRA E VENDA Entre: INSTITUTO DA HABITAÇÃO E DA REABILITAÇÃO URBANA, I.P., pessoa coletiva nº 501 460 888, com sede na Avenida Columbano Bordalo Pinheiro, 5, 1099-019

Leia mais

PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória

PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO. Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória REQUERIMENTO: CMPV 228/2 PEDIDO DE CERTIDÃO DE URBANISMO Número de Processo / / Data de Entrada / / Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal de Praia da Vitória (nome do requerente ), Contribuinte (pessoa

Leia mais

HENRIQUE SOUSA ANTUNES DIREITOS REAIS

HENRIQUE SOUSA ANTUNES DIREITOS REAIS HENRIQUE SOUSA ANTUNES DIREITOS REAIS UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2017 ÍNDICE Enquadramento 7 1. Nota prévia 7 2. Justificação da opção pelos direitos reais 7 2.1. A experiência do ensino e da

Leia mais

Prazo para promover o registo Aquisição Bens futuros Plano de Pormenor Loteamento. PARECER. Relatório

Prazo para promover o registo Aquisição Bens futuros Plano de Pormenor Loteamento. PARECER. Relatório N.º 54/ CC /2014 N/Referência: PROC.: C. P. 63/2013 STJ-CC Data de homologação: 20-10-2014 Consulente: Conservatória do Registo Predial de. Assunto: Termo inicial do prazo para promover o registo de aquisição

Leia mais

Notas sobre registo de Nascimento

Notas sobre registo de Nascimento Notas sobre registo de Nascimento O nascimento ocorrido em território português deve ser declarado no prazo de 20 dias em qualquer Conservatória do Registo Civil, ou em unidade de saúde em que esteja instalado

Leia mais

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica

Departamento Municipal Jurídico e de Contencioso Divisão Municipal de Estudos e Assessoria Jurídica Despacho: Despacho: Despacho: N/Ref.ª: I//12/CMP S/Ref.: /05/CMP Porto, Autor: Paula Melo Assunto: Legitimidade procedimental num pedido de alteração de utilização de determinada fracção autónoma (artigo

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Assim, não é aplicável in casu o disposto no n.º 2 do artigo 1714.º do Código Civil.

DELIBERAÇÃO. Assim, não é aplicável in casu o disposto no n.º 2 do artigo 1714.º do Código Civil. P.º n.º R. P. 181/2011 SJC-CT Imutabilidade do regime de bens. Contrato de compra e venda celebrado entre cônjuges. Qualificação do correspondente registo de aquisição. DELIBERAÇÃO 1 O presente recurso

Leia mais

A questão é, pois, encarada nas duas perspectivas, consoante se trate ou não de um prédio integrado no processo de reconversão de uma área urbana de

A questão é, pois, encarada nas duas perspectivas, consoante se trate ou não de um prédio integrado no processo de reconversão de uma área urbana de P.º Div. 1/2002 DSJ-CT - Aquisição de uma fracção indivisa de prédio rústico. Alvará de loteamento. Aplicação do art.º 21.º, n.º2, ponto 2.6 do Regulamento Emolumentar dos Registos e do Notariado. Efeitos

Leia mais

CAPÍTULO I. Disposições Gerais

CAPÍTULO I. Disposições Gerais NORMAS PARA A ADJUDICAÇÃO DO PRÉDIO SITO NO CARVALHAL DE AZÓIA SAMUEL ANTIGA ESCOLA DO 1º. CEB (ARTIGO MATRICIAL 986) CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º Objeto Alienação do prédio urbano sito no lugar

Leia mais

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto:

Ao abrigo do disposto no n.º 2 do artigo 36.º do Decreto-Lei n.º 211/2004, de 20 de Agosto: Legislação Portaria n.º 1327/2004, de 19 de Outubro Publicada no D.R. n.º 246, I Série-B, de 19 de Outubro de 2004 SUMÁRIO: Regulamenta os procedimentos administrativos previstos no Decreto-Lei n.º 211/2004,

Leia mais

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO

EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO EXMO. SENHOR DR. JUIZ DE DIREITO DO TRIBUNAL ADMINISTRATIVO E FISCAL DE [ ] Processo n.º [ ] reversão e apensos [ ], residente na [ ], contribuinte n.º [ ], executado por reversão, tendo sido citado para

Leia mais

PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário.

PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário. PARECER nº 35/PP/2016-P SUMÁRIO: Incompatibilidade entre o exercício da Advocacia e as funções de Angariador Imobiliário. I A Sra. Dra. ( ), Advogada, portadora da cédula profissional nº ( ), com escritório

Leia mais

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO

P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO P.º n.º R.P. 92/2011 SJC-CT Procedimento especial de transmissão, oneração e registo imediato de imóveis (Casa Pronta) DELIBERAÇÃO 1. No âmbito de procedimento casa pronta 1, a Senhora Notária Afecta à

Leia mais

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer,

Câmara Municipal. Município de Alenquer. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, Departamento de Urbanismo Município de Alenquer Câmara Municipal REGISTO DE ENTRADA Nº Em / / Proc. N.º / / O Func. Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Alenquer, EMISSÃO DE ALVARÁ DE OBRAS DE

Leia mais