PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS"

Transcrição

1 PLANOS DE SAÚDE: UMA ANÁLISE DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS E SEUS COMPONENTES HEALTH INSURANCE PLANS: AN ANALYSIS OF CARE COSTS AND THEIR COMPONENTS resumo A partr da motvação de contrbur para a nvestgação dos custos em saúde, o objetvo deste trabalho é analsar a evolução dos custos de assstênca médca dos planos de saúde no Brasl, consderando a dstnção marcante entre as categoras de contratação. Para esse fm, utlzaram-se as nformações dvulgadas pela Agênca Naconal de Saúde Suplementar (ANS), sendo estmados índces de varação com base na metodologa de índces de valor e seus dos componentes, preço (custo médo por evento) e quantdade (frequênca de utlzação). Dentre os resultados encontrados, destaca-se que os índces de custo médo por evento apresentaram varação mas ntensa do que os índces de quantdade, fato que aponta no sentdo da mportânca do aprofundamento da pesqusa sobre a nflação em saúde. Rodrgo Mendes Leal Economsta do Banco Naconal de Desenvolvmento Econômco e Socal RJ, Brasl e Doutorando em Polítcas Públcas, Estratéga e Desenvolvmento pelo Insttuto de Economa, Unversdade Federal do Ro de Janero RJ, Brasl João Boaventura Branco de Matos Especalsta em Regulação da Agênca Naconal de Saúde RJ, Brasl; Professor da Escola Superor de Propaganda e Marketng RJ, Brasl e Doutorando pelo Insttuto de Medcna Socal, Unversdade do Estado do Ro de Janero RJ, Brasl Recebdo em Aprovado em Avalado pelo sstema double blnd revew Edtores Centífcos: Organzadores do Fórum abstract The objectve of ths work s to contrbute to the nvestgaton nto health costs, by analyzng the evoluton of the cost of medcal care n health plans n Brazl, consderng the marked dfference between the categores of contract avalable. To do so, the nformaton publshed by the Natonal Supplementary Health Agency (AINS) s used. The varaton ndces are estmated, usng the value ndces methodology and ts two components, prce (average cost per event) and quantty (use frequency). What stands out n the results s that the average cost ndces per event have vared more that the quantty ndces, a fact whch ndcates how mportant t s to research health nflaton n more depth. palavras-chave Planos de saúde, custos em saúde, nflação, admnstração da saúde, preços em saúde. keywords Health plans, health costs, nflaton, health admnstraton, health prces. ISSN out./dez n. 4 v. 49 São Paulo RAE 447

2 INTRODUÇÃO Os planos de saúde consttuem no Brasl uma mportante va de atendmento ao cdadão, tendo em vsta que atualmente cerca da quarta parte da população está assocada a algum tpo de plano, conforme nformações da Agênca Naconal de Saúde Suplementar (doravante ANS) (ANS, 2007). A regulação desse setor se consoldou a partr de 1998, com a Le n 9.656/1998, e especalmente a partr de 2000, com a cração da ANS (SANTOS, 2007). Atualmente a regulação tem evoluído no sentdo de consoldar os avanços realzados na área da regulação das empresas, fortalecer os aspectos técnco-assstencas e estmular a concorrênca entre as operadoras. Essa tendênca de reforço dos aspectos técncos da regulação e da concorrênca se verfca em Ramalho (2009, p. 59) e, partcularmente no setor saúde, em Santos (2007). Ao longo dos últmos anos, o número de benefcáros de planos de saúde cresceu sgnfcatvamente, apresentando uma dstnção marcante quanto ao tpo de contratação, que pode ser ndvdual/famlar (doravante ndvdual) ou coletva, esta últma com partcpação e crescmento mas sgnfcatvos (ANS, 2007). A contratação coletva em geral está relaconada ao mercado de trabalho pelo fato de ser o segmento no qual os contratantes são pessoas jurídcas, dferentemente do mercado ndvdual, no qual os contratantes são pessoas físcas (LEAL e MATOS, 2007). Os dos tpos de contratação também apresentam dferencação relevante na regulação econômca dos planos de saúde. Exste uma dnâmca dferencada em cada um desses mercados. No unverso dos planos ndvduas, há uma tendênca de que o poder de barganha dos benefcáros seja nferor ao dos planos coletvos, nos quas a negocação é feta por meo de uma pessoa jurídca contratante. Assm é que se justfca uma regulação menos ntensa por parte do poder públco para os planos coletvos, que possuem, por exemplo, reajustes de preços lvres. Para os planos ndvduas, por sua vez, a ANS defne um percentual máxmo de reajuste anual com base na evolução dos reajustes do mercado coletvo. Essa dferencação da ampltude e ntensdade de regulação, bem como da evolução de benefcáros, suscta a mportânca da avalação comparatva entre os tpos de contratação. Dentre as prncpas dscussões na área de saúde suplementar, e na estera da temátca dos reajustes, destaca-se a mportânca da avalação dos custos em saúde. A relevânca da evolução dos custos em saúde é um fenômeno mundal, num contexto de tendênca de partcpação crescente no PIB das nações. Além dsso, ressalta-se que no Brasl há evdêncas do peso crescente da saúde no orçamento das famílas e da elevada partcpação de seus produtos na formação das taxas dos índces de preço ao consumdor (BRAZ, 2006, p. 50). De acordo com Porter (1980), três estratégas genércas podem ser usadas ndvdualmente ou em conjunto para crar uma posção sustentável a longo prazo: dferencação, custo ou foco. A vantagem compettva em saúde pode ser obtda por meo de estratégas de dferencação lgadas a mutos fatores geradores de custos (estrutura de hotelara e operaconal, cudado médco e cultura da organzação, entre outros), que precsam ser admnstrados (PORTER e TEISBERG, 2007; KLOCK, 2009; NEVES, 2009). Segundo Lma e Lma (1998), alguns dos prncpas problemas das organzações de saúde são a nefcênca e os custos crescentes. Assm, torna-se essencal o aprmoramento da gestão hosptalar, para a admnstração de custos e efcênca na prestação de servços de saúde, envolvendo aspectos como sstemas de nformação, otmzação das aqusções de nsumos e controles de custos e de qualdade (MEDICI e MARQUES, 1996). Nesse contexto, a motvação deste estudo, que é a apuração de nformações acuradas sobre a evolução dos valores pratcados no mercado de saúde suplementar, é uma mportante contrbução para possbltar a dentfcação de tendêncas e dos fatores mas relevantes (ZUCHI e outros, 2000), com vstas ao aprmoramento da gestão hosptalar, ao posconamento estratégco das empresas (PORTER, 1980) ou à defnção das polítcas públcas do setor (MALIK, 1995). Para a análse da evolução dos custos assstencas em saúde, uma relevante dferencação é a separação em seus dos componentes, a varação dos custos médos e a varação das quantdades. A varação dos custos médos (custos untáros) representa o aumento dos preços dos nsumos (proxy da nflação) e o aumento da ncorporação tecnológca cumulatva do setor. A varação das quantdades (frequênca de utlzação), por sua vez, pode ser assocada aos argumentos da amplação do cudado com a saúde e do envelhecmento da população. Nesse contexto, o objetvo do presente estudo é avalar a evolução dos custos assstencas dos planos de saúde, separadamente por seus dos componentes, custo médo e quantdade, consderando a dstnção marcante entre os tpos de contratação. Para essa fnaldade, foram utlzadas nformações, de 2002 até 2006, do Sstema de Informações de Produtos (SIP) da ANS, dvulgadas na págna eletrônca dessa agênca, que apresentam desagregação segundo o tpo de contrato e segundo categoras de servços médcos. Este estudo estma, de forma ponera para essa base de dados, os índces de varação com base na metodologa 448 RAE São Paulo v. 49 n.4 out./dez ISSN

3 Rodrgo Mendes Leal João Boaventura Branco de Matos de números índces e na defnção atuaral que ndca que o custo por seguro (valor) pode ser separado na frequênca de uso dos benefcáros (quantdade) e no custo dos servços (preço). O trabalho está dvdo em três seções, além desta. A prmera apresenta a regulamentação do setor de saúde suplementar no que se refere às dstnções das categoras de contratação, bem como alguns dados da evolução recente do setor. A segunda apresenta aspectos metodológcos fundamentas para a presente análse, como a teora de números índces (valor, preço e quantdade) e a aplcação dessa metodologa nos custos em saúde suplementar. A tercera apresenta as evdêncas empírcas da evolução dos custos, quas sejam, a evolução dos custos médos (índce de valor) numa prmera etapa e a evolução dos componentes frequênca de utlzação (índce de quantdade) e custo médo por evento (índce de preço). Fnalmente, uma seção de consderações fnas aponta os prncpas tens analsados. Preços e custos no mercado de planos de saúde A saúde suplementar tem como marco regulatóro a Le nº 9.656/1998, combnada às meddas provsóras que a alteraram (atualmente em vgor a MP n /2001). Do ponto de vsta da regulação do produto, uma dstnção marcante desse setor é o tpo de contratação, que pode ser ndvdual ou coletvo. O contrato ndvdual é aquele oferecdo para a lvre adesão do consumdor pessoa físca. Conforme detalhado em ANS (2005), o contrato coletvo é aquele frmado por uma pessoa jurídca (empresa, assocação, fundação ou sndcato), do qual é benefcára uma pessoa na condção de empregado, assocado ou sndcalzado, e apresenta duas modaldades: ) o contrato coletvo por adesão se refere a planos em que a adesão dos benefcáros é opconal e espontânea; ) o plano coletvo empresaral, por sua vez, é contratado por uma pessoa jurídca para atender a uma massa populaconal específca a ela vnculada, cuja adesão é automátca e obrgatóra, por meo de duas modaldades:.a) sem patrocíno, quando pago ntegralmente pelo benefcáro dretamente à operadora; ou.b) com patrocíno, quando pago ntegral ou parcalmente pela pessoa jurídca à operadora, nclusve os casos de autogestão nos quas o benefcáro paga parte da mensaldade. Conforme apresentadas em Leal e Matos (2008a, p ), as prncpas característcas que dferencam os planos ndvduas dos coletvos são a dversdade e a ntensdade do arcabouço regulamentar, esta segunda mas estrta nos planos de contratação ndvdual do que nos planos coletvos. A cobertura técnco-assstencal a ser oferecda pelas operadoras é nvarante com a modaldade de contratação. Por outro lado, a regulação da utlzação e a regra de reajuste de preços são assuntos que espelham dferencal entre os tpos de contratação. Sobre a regra de reajuste, destaca-se que a ANS estabelece o percentual de reajuste máxmo a ser aplcado no mercado ndvdual com base na evolução dos reajustes do mercado coletvo, que possu reajustes lvres. A título de contextualzação, a Fgura 1 mostra a predomnânca e o crescmento dos planos coletvos, bem como a melhora das bases de dados da ANS, analsada com mas profunddade em Leal e Matos (2008b). A Fgura 2 lustra a evolução, nos EUA, dos prêmos de seguro-saúde, em níves superores à nflação geral. No Brasl, dversos estudos empírcos comparam os índces de reajuste da ANS com índces de preços, como Santve e Chacur (2006), Ocké-Res e Cardoso (2006), Texera (2006) e Idec (2006). Entretanto, cabe ressaltar a observação metodológca de Leal e Matos (2008b) de que os índces de reajuste da ANS são índces de valor, e não índces de preço strcto sensu. Os autores especfcam que esse índce da ANS contempla: ) efetos de varações de aumento de preços; ) frequênca de utlzação; ) ntrodução de novas tecnologas. Paralelamente, as varações decorrentes da mudança de faxa etára dos benefcáros seguem dnâmca própra. Desse modo, as varações das mensaldades dos planos de saúde não são de natureza de preços, posto que consderam varações de preços e de quantdades. Neste estudo, conforme lustrado na Fgura 3, Leal e Matos (2008b) mostram que o modelo de regulação de reajustes da ANS tem conferdo em geral reajustes superores aos prncpas índces de preços e relatvamente próxmos da varação do PIB nomnal, a prncpal referênca de índce de valor da economa. Da metodologa de medção da varação dos custos segundo seus componentes preço e quantdade Incalmente, cabe regstrar a metodologa utlzada pelo IBGE (2007) para a mensuração da evolução dos custos ISSN out./dez n. 4 v. 49 São Paulo RAE 449

4 na construção cvl, no Snap, em que é utlzado um índce de valor (denomnado mas usualmente índce de custo), conforme lustrado no Quadro 1. Observa-se que o índce de valor compara a multplcação dos preços (p) e quantdades (q) no período t com seu respectvo valor no período 0. A dferença com os índces Fgura 1 Benefcáros de planos médcos segundo o tpo de contratação Coletvos Indvduas Não dentfcados dez/00 dez/01 dez/02 dez/03 dez/04 dez/05 dez/06 jun/07 Fonte: Elaboração própra, com base em ANS (2007). Fgura 2 Evolução dos prêmos de seguro-saúde nos EUA 20% 18% 18.0% Healt Insurance Premums Workers Earnngs Overall Inflaton 16% 14% 12% 10% 8% 6% 4% 2% 0% 14.0% 12.9%* 13.9% 12.0% 11.2%* 10.9%* 9.2%* 8.5% 8.2%* 7.7%* 5.3%* 3.8% 3.5% 0.8% Fonte: Kaser/HRET (2006, p.3). Nota: Prêmos de seguro-saúde (health nsurance premums); ganhos salaras dos trabalhadores (worker earnngs); nflação geral (overall nflaton). 450 RAE São Paulo v. 49 n.4 out./dez ISSN

5 Rodrgo Mendes Leal João Boaventura Branco de Matos de preços consste bascamente no fato de que esses representam a evolução dos preços consderando a quantdade como base fxa, seja a quantdade do período 0 (Laspeyres) ou a quantdade do período t (Paasche). A dferença com os índces de quantdade é análoga, só que nesse caso os preços é que são consderados como base fxa. Essa publcação do IBGE (2007) aborda anda o índce de Fscher (méda geométrca dos índces de Laspeyres e Paasche), bem como a forma de cálculo do índce de valor por meo da multplcação de índces de quantdade e de índces de preço, conforme exposto: A multplcação do índce de preço de Laspeyres pelo índce de quantdade de Paasche (1ª hpótese) ou do índce de preço de Paasche pelo índce de quantdade de Laspeyres (2ª hpótese) possblta obter o índce de valor. É possível aplcar essa teora de que o índce de valor possu como componentes índces de preço e de quantdade ao setor de saúde suplementar. Como exemplo, cabe regstrar que o índce de reajuste def- ndo pela ANS para aplcação no mercado ndvdual consste num índce de valor (preço multplcado por quantdade, portanto). No caso das despesas com assstênca médca, os dos componentes são a evolução da quantdade utlzada e a evolução dos custos médos com os procedmentos médcos. No contexto da saúde suplementar, são utlzados prncpalmente dos ndcadores que refletem esses componentes (ANS, 2007, p. 31). O prmero é o custo médo dos eventos (CmEv), que é a relação entre a despesa nos eventos (DeEv) e o número de eventos (Ev), e reflete, em tese, a evolução dos preços médos dos nsumos (procedmentos médcos), nclusve a nflação médca e a varação tecnológca, solando esse montante do aumento do mpacto da quantdade utlzada. O segundo é a frequênca méda de utlzação (FrUt), que é a relação entre o número de eventos (Ev) e o número de expostos (Ex), e reflete, em alguma medda, o aumento do grau de utlzação dos usuáros que têm dreto à utlzação dos Fgura 3 Evolução dos reajustes autorzados pela ANS* e do PIB nomnal Reajuste ANS + Fx Et 8,28 20,89 33,72 50,15 72,49 98,06 121,93 141,02 PIB Nomnal 10,75 22,27 38,76 59,62 82,30 101,68 118,10 136,47 Fonte: Leal e Matos (2008b, p.10). Nota: Elaboração própra, com dados do Bacen e TabNet-ANS. Prevsão de crescmento real do PIB de 5,2% em 2007 (estmatva do Banco Central em feverero de 2008). Índce de reajuste autorzado pela ANS calculado utlzando o período de aplcação. Estmatva própra do mpacto de varação de faxa etára. ISSN out./dez n. 4 v. 49 São Paulo RAE 451

6 servços médcos. Em resumo, os dos ndcadores são calculados desta forma: (1) (2) Esses dos ndcadores são dvulgados pela ANS (2007) com base no Sstema de Informações de Produtos (SIP), segundo o tpo de contratação (ndvdual, coletvo com patrocíno e coletvo sem patrocíno) e segundo o tpo de evento (para os planos médcos, são as consultas médcas, as nternações, os exames complementares, as terapas e os outros atendmentos ambulatoras). Sobre a mplementação da regulação no setor, e especfcamente sobre o SIP, mas detalhes em Santos (2007). Há também um tercero ndcador, o custo médo por exposto (CmEx), que é a relação entre a despesa nos eventos (DeEv) e o número de expostos (Ex), ou seja, vsa representar a despesa méda dos usuáros que têm dreto à utlzação dos servços médcos. Dentre os ndcadores analsados, este é o mas próxmo da despesa por benefcáro, e, nesse contexto, pode ser comparado com a evolução da receta méda por benefcáro, ou preço, dos planos de saúde. Em termos algébrcos, é possível calcular o custo médo por exposto por meo da multplcação da frequênca de utlzação pelo custo médo por evento, conforme demonstrado a segur: (3) (4) Antes de avalar a evolução dos custos, cabe regstrar que a estrutura das despesas dos planos de saúde pode ser separada, de forma smplfcada, entre as despesas assstencas, que são relaconadas dretamente à utlzação dos servços de saúde, e as despesas não assstencas, como as despesas de comercalzação, admnstratvas e outras. O objeto da presente análse são as despesas assstencas dos planos de saúde médcos. Os dados dvulgados pela ANS permtem sua nvestgação por meo das nformações contábes ou das nformações do Sstema de Informações de Produtos (SIP), que são específcas de custos e utlzação dos planos de saúde. Destaca-se que, das nformações dvulgadas, somente as nformações do SIP, dferentemente das nformações contábes, permtem a segmentação por produto segundo o tpo de contratação. RESULTADOS DA EVOLUÇÃO DOS CUSTOS ASSISTENCIAIS Tendo em vsta o exposto na seção de metodologa, a análse empírca é realzada em duas etapas. Na prmera, são apresentadas as nformações da evolução do custo médo por exposto (calculado com dados do SIP), comparatvamente à despesa assstencal por benefcáro (calculada com dados contábes). Na segunda, ntegralmente com dados do SIP, é avalada a evolução dos componentes do custo médo por exposto, que são a frequênca de utlzação (índce de quantdade) e o custo médo por evento (índce de preço). Quadro 1 Especfcação dos índces de preços, quantdades e valor Índce Laspeyres Paasche Preços p,t. q,o p,o.. q,o p,t. q,t p,o. q,t Quantdade p,o. q,t p,o.. q,o p,t. q,t p,t. q,o Valor Fonte: Elaboração própra, com base em IBGE (2007). p,o. q,t p,o. q,o 452 RAE São Paulo v. 49 n.4 out./dez ISSN

7 Rodrgo Mendes Leal João Boaventura Branco de Matos Evolução dos custos assstencas Incalmente, estmou-se com base nos dados contábes a evolução da despesa assstencal por benefcáro, conforme apresentada na Tabela 1. Em segundo lugar, com base nos dados do SIP, calculouse o custo médo por exposto, para cada um dos tpos de procedmentos. Em seguda, estmou-se o custo médo por exposto em todos os procedmentos, por meo da smples soma dos valores para cada um dos cnco tpos de procedmentos. A título de lustração, tas estmatvas são apresentadas na Tabela 2. Ao analsar os dados em nível segundo o tpo de contratação, observa-se que, em todos os períodos, a despesa por exposto dos planos coletvos com patrocíno é a que apresenta menores níves, seguda pelos planos ndvduas, enquanto os planos coletvos sem patrocíno apresentam os maores níves de despesa por exposto. Observando os dados segundo o tpo de procedmento, percebe-se que os menores níves de despesa por exposto para os planos coletvos com patrocíno são verdaderos para todos os cnco tpos de procedmentos. Já na análse da varação acumulada, observa-se que, em termos de despesa por exposto geral, fo bastante próxma para os três tpos de contratação. Ao avalar as nformações do segundo tpo de procedmento, destaca-se que a maor dferencação fo dentfcada nos outros atendmentos ambulatoras, que representam uma parcela reduzda do total da despesa. Para os três tpos de contratação, fo mas sgnfcatva a varação acumulada das terapas. A menor varação acumulada, por sua vez, fo dentfcada em exames complementares, para os planos sem patrocíno, e em outros atendmentos ambulatoras, para os planos ndvduas e para os coletvos com patrocíno. Ao comparar com a evolução das despesas assstencas das nformações contábes das operadoras, apresentadas anterormente, observa-se que os níves de despesas assstencas por benefcáro (ao ano) não apresentam dstnção marcante com os níves de custo geral por exposto para os planos ndvduas e coletvos com patrocíno, o que é postvo para a valdade desse conjunto de dados. Quanto à varação acumulada, de 2002 a 2006, fo superor para a despesa assstencal contábl por benefcáro (36,6%), em relação ao custo geral médo por exposto para qualquer um dos três tpos de contratação. Evolução dos custos assstencas segundo os componentes preço e quantdade Com o objetvo de aprofundar a presente análse utlzando as nformações de frequênca de utlzação e custo médo por evento, foram calculados os índces de varação para os dversos tpos de procedmentos médcos. Além dsso, estmou-se o índce de varação agregado, consderando para a ponderação o peso do custo médo por exposto daquele procedmento em relação à soma do custo médo por exposto, que representa o peso de cada procedmento nos gastos do usuáro médo. Desse modo, Tabela 1 Evolução da despesa assstencal das operadoras médco-hosptalares Informação Despesa assstencal (1) R$ Benefcáros (2) Despesa assstencal por benefcáro - R$ Anual Mensal Período Valor médo Indcador Desvo padrão Coefcente de varação 23,2% 7,4% 16,2% 16,2% Varação Acumulada 89,26% 19,43% 58,47% 58,47% Fonte: Elaboração própra, com dados da ANS (2007), orgnados do SIB (06/2007) e do Dops/FIP (04/06/2007). Notas: (1) Não são ncluídas as Autogestões patrocnadas. (2) Informações correspondentes aos meses de dezembro. ISSN out./dez n. 4 v. 49 São Paulo RAE 453

8 foram obtdos os resultados nas Tabelas 3 e 4. As nformações da Tabela 3 ndcam que a frequênca de utlzação apresentou crescmento mas sgnfcatvo para os planos coletvos com patrocíno, especalmente em 2005 e 2006, em relação aos outros dos tpos de planos. Ao avalar as nformações para os tpos de procedmento, nfere-se que os três tpos de contratação obtveram varação relatvamente próxma, resultando nos mesmos destaques, que são as terapas, como maor varação, e outros atendmentos ambulatoras, como dmnução mas ntensa. Conforme se pode ver na Tabela 4, o custo geral médo por evento apresentou maor varação acumulada, com pe- Tabela 2 Custo médo por exposto, segundo o tpo de evento de assstênca médca e o tpo de contratação do plano Tpo de evento Varação acumulada Consultas médcas Méda Desvo padrão Coef. de varação Indvdual e famlar ,9% ,0% Coletvo com patrocíno ,5% ,5% Coletvo sem patrocíno ,8% ,2% Internações Indvdual ou famlar ,5% ,9% Coletvo com patrocíno ,4% ,1% Coletvo sem patrocíno ,6% ,1% Exames complementares Indvdual ou famlar ,5% ,3% Coletvo com patrocíno ,1% ,6% Coletvo sem patrocíno ,6% ,7% Terapas Indvdual ou famlar ,7% ,4% Coletvo. com patrocíno ,2% ,8% Coletvo sem patrocíno ,4% ,7% Outros atendmentos ambulatoras Indvdual ou famlar ,2% ,8% Coletvo com patrocíno ,8% ,9% Coletvo sem patrocíno ,4% ,0% Geral Indvdual ou famlar ,5% ,7% Coletvo com patrocíno ,1% ,8% Coletvo sem patrocíno ,8% ,1% Fonte: Elaboração própra, com dados de ANS (2007), baseados no Sstema de Informações de Produtos (SIP), ANS/MS - 04/ RAE São Paulo v. 49 n.4 out./dez ISSN

9 Rodrgo Mendes Leal João Boaventura Branco de Matos quena magntude de dferença, para os planos ndvduas em relação aos outros dos tpos de planos. Ao avalar as nformações para os tpos de procedmento, nfere-se que os três tpos de contratação obtveram varação relatvamente próxma. Destacam-se, com a maor varação acumulada, as nternações, para os planos ndvduas e coletvos com patrocíno, enquanto para os planos sem patrocíno a maor varação fo o custo médo por evento do tem outros atendmentos ambulatoras. Com menores varações acumuladas de custo médo por evento, ressaltam-se o tpo de procedmento terapas, para todos os tpos de contratação, e o procedmento exames complementares, especalmente para os planos coletvos sem patrocíno. Por fm, com o objetvo de facltar a avalação compara- Tabela 3 Varação da frequênca méda de utlzação, segundo o tpo de evento de assstênca médca e o tpo de contratação do plano Tpo de evento Varação acumulada Consultas médcas Indvdual e famlar -4,2% 1,2% 0,9% 2,7% 0,4% Coletvo com patrocíno -2,3% 0,2% 3,5% 4,0% 5,3% Coletvo sem patrocíno 0,3% 3,6% -1,5% 0,2% 2,6% Internações Indvdual ou famlar -8,7% -1,6% -8,0% 7,0% -11,6% Coletvo com patrocíno -0,9% -8,3% -5,0% 4,0% -10,2% Coletvo sem patrocíno -2,7% -5,2% -10,4% 4,2% -14,0% Exames complementares Indvdual ou famlar -4,8% 3,8% 19,8% 2,7% 21,6% Coletvo com patrocíno 2,5% 5,2% 19,3% 3,4% 33,1% Coletvo sem patrocíno 2,8% 0,8% 20,4% 4,2% 29,9% Terapas Indvdual ou famlar 14,3% 11,2% 24,3% 13,3% 79,0% Coletvo com patrocíno 20,1% 17,9% 21,3% 14,4% 96,6% Coletvo sem patrocíno 6,1% 12,6% 13,0% 22,6% 65,6% Outros atendmentos ambulatoras Indvdual ou famlar -0,06 0,00-0,25 0,09-23,3% Coletvo com patrocíno -0,05-0,03-0,16 0,05-18,8% Coletvo sem patrocíno -0,13-0,03-0,14 0,07-22,0% Geral Indvdual ou famlar -5,0% 1,2% 2,8% 5,7% 4,5% Coletvo com patrocíno 0,6% -1,2% 4,0% 4,6% 8,1% Coletvo sem patrocíno -0,7% -0,7% 1,0% 5,2% 4,7% Fonte: Elaboração própra, com dados de ANS (2007), baseados no Sstema de Informações de Produtos (SIP), ANS/MS - 04/2007. ISSN out./dez n. 4 v. 49 São Paulo RAE 455

10 tva, os resultados expostos foram sntetzados na Tabela 5. Assm, observa-se de modo mas evdente, para as três categoras de contratação, que, dentre os dos componentes do custo médo por exposto (índce de valor), houve aumento mas ntenso do custo médo dos eventos (índce de preço) em relação à frequênca de utlzação (índce de quantdade). CONSIDERAÇÕES FINAIS Tendo em vsta a relevânca da dscussão dos custos crescentes em saúde, é de suma mportânca aprofundar as nvestgações sobre os custos assstencas em saúde suplementar no Brasl. Nesse contexto, paralelamente à análse do comportamento dos grupos de procedmentos Tabela 4 Varação do custo médo dos eventos médco-hosptalares, segundo o tpo de evento e de contratação do plano Tpo de evento Varação acumulada Consultas médcas Indvdual e famlar 5,9% 7,6% 10,0% 7,1% 34,3% Coletvos com patrocíno 4,8% 7,3% 10,5% 6,5% 32,5% Coletvo sem patrocíno 5,8% 7,1% 8,9% 6,6% 31,4% Internações Indvdual ou famlar 19,1% 13,8% 7,5% 16,8% 70,1% Coletvo com patrocíno 16,8% 13,4% 10,0% 12,7% 64,3% Coletvo sem patrocíno 14,2% 19,2% 15,4% 7,0% 68,1% Exames complementares Indvdual ou famlar 6,3% 4,9% -7,1% 1,9% 5,7% Coletvo com patrocíno 2,7% 1,8% -7,7% 6,1% 2,3% Coletvo sem patrocíno 7,1% 2,9% -10,5% 0,4% -1,0% Terapas Indvdual ou famlar 3,3% 3,2% 2,7% 2,8% 2,1% Coletvo com patrocíno 3,2% 2,9% 2,6% 2,3% -1,2% Coletvo sem patrocíno 3,2% 3,1% 2,5% 2,6% 1,1% Outros atendmentos ambulatoras Indvdual ou famlar 15,4% 14,4% 11,6% 12,7% 66,0% Coletvo com patrocíno 10,6% 13,3% 19,0% 0,7% 50,0% Coletvo sem patrocíno 16,3% 17,9% 25,9% 5,1% 81,4% Geral Indvdual ou famlar 12,0% 9,8% 4,0% 10,0% 40,6% Coletvo com patrocíno 9,7% 8,6% 5,7% 8,3% 36,4% Coletvo sem patrocíno 10,1% 11,6% 7,1% 4,7% 37,9% Fonte: Elaboração própra, com dados de ANS (2007), baseados no Sstema de Informações de Produtos (SIP), ANS/MS - 04/ RAE São Paulo v. 49 n.4 out./dez ISSN

11 Rodrgo Mendes Leal João Boaventura Branco de Matos médcos, a aplcação da metodologa dos dos componentes dos índces de valor (índce de preço e índce de quantdade) se consttu num nstrumento bastante útl para a averguação dos prncpas determnantes da varação das despesas, seja no segmento prvado ou no públco. O prmero componente, o índce de preços (custo médo por evento), representa o aumento dos custos untáros e pode ser determnado prncpalmente pela nflação dos nsumos e pela ncorporação tecnológca. O índce de quantdade (frequênca de utlzação), por sua vez, representa o ncremento de utlzação pelos benefcáros, que pode ter relação com algumas categoras de fatores, tas quas: a) socas, como a popularzação dos servços (especalmente pela nclusão das regões mas pobres) e a generalzação dos procedmentos (num contexto de amplação dos cudados para a saúde); b) demográfcos, como o aumento da partcpação dos dosos que tendem a uma utlzação mas ntensa na população; e c) perfl epdemológco. A avalação, em geral, dos três tpos de contratação (ndvdual, coletvo com patrocíno e coletvo sem patrocíno), possbltou observar que as varações de valor apresentaram trajetóra crescente, corroborando a expectatva com base no comportamento nternaconal dos gastos em saúde. A análse segundo os dos componentes apontou que as varações dos índces de preço (custo médo por evento) foram superores às dos índces de quantdade (frequênca de utlzação), em todo o período de 2002 a No que se refere à trajetóra de evolução no tempo, o índce de preço apresentou alguma osclação, enquanto o índce de quantdade revelou uma taxa de crescmento mas ntensa. No período analsado, nfere-se que, embora o custo médo por exposto (índce de valor) apresente evolução próxma para os três tpos de contratação, há dferença quando são analsados separadamente seus dos componentes, a frequênca de utlzação (quantdade) e custo médo por evento (preço). Os planos coletvos com patrocíno apresentaram uma dstnção em relação a outras categoras de contratação, pos obtveram uma maor e mas destacada varação na frequênca de utlzação, ao mesmo tempo que obtveram a menor varação, com pequena dferença de magntude, no custo médo por evento. Neste ponto, cabe regstrar uma lmtação metodológca da presente estmatva, pos com os dados analsados não fo possível decompor o índce de preços segundo os efetos de varação de preços na cesta de procedmentos médcos vgentes de modo solado dos efetos da ncorporação tecnológca. Um possível camnho para superar esse últmo desafo é a avalação da compatbldade dos dados da ANS com os dados de índces de preços ofcas, consderando a menconada dstnção entre os índces de valor e seus dos componentes. Além dsso, a relação da evolução dos custos com o perfl etáro dos benefcáros de planos de saúde não pôde ser explorada, uma vez que os dados da ANS não apresentam a desagregação das duas modaldades de planos coletvos (com ou sem patrocíno). Por fm, como recomendação para pesqusas futuras, vale nvestgar os possíves determnantes dessa maor relevânca para a varação do índce de preços em relação à varação do índce de quantdades. Em específco, algumas hpóteses explcatvas podem ser aprofundadas, especalmente se o crescmento mas ntenso da trajetó- Tabela 5 Varação dos ndcadores de custo médo por exposto e seus componentes: frequênca de utlzação e custo médo dos eventos médco-hosptalares Indcador Tpo de contratação Varação % Acumulado Indvdual ou famlar -5,0% 1,2% 2,8% 5,7% 4,5% Frequênca de utlzação Coletvo com patrocíno 0,6% -1,2% 4,0% 4,6% 8,1% Coletvo sem patrocíno -0,7% -0,7% 1,0% 5,2% 4,7% Indvdual ou famlar 12,0% 9,8% 4,0% 10,0% 40,6% Custo médo dos Coletvo com patrocíno 9,7% 8,6% 5,7% 8,3% 36,4% eventos médcos Coletvo sem patrocíno 10,1% 11,6% 7,1% 4,7% 37,9% Indvdual ou famlar 6,5% 10,5% 5,5% 14,0% 41,5% Custo médo por exposto Coletvo com patrocíno 9,8% 6,8% 8,4% 12,5% 43,1% Coletvo sem patrocíno 9,7% 9,7% 7,8% 7,8% 39,8% Fonte: Elaboração própra, com dados de ANS (2007), baseados no Sstema de Informações de Produtos (SIP), ANS/MS 04/2007. ISSN out./dez n. 4 v. 49 São Paulo RAE 457

12 ra da quantdade utlzada, no tempo, for um resultado esperado do aprofundamento do acesso aos servços de saúde, num contexto de melhora socal com a generalzação dos servços e de progressão demográfca com o envelhecmento do perfl etáro. Além dsso, outra recomendação é nvestgar a mportânca do aumento relatvo das doenças crônco-degeneratvas, assocadas de modo geral à utlzação ntensa e peródca dos servços, num contexto de transção ncompleta na dreção do padrão epdemológco dos países desenvolvdos, pos anda persste a relevânca da morbdade-mortaldade por motvo das doenças nfeccosas e de causas externas. REFERÊNCIAS AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Reajuste de mensaldade: Concetos báscos, reajuste por varação de custos, reajuste por mudança de faxa etára. 2. ed. rev. ampl, AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Carênca, doenças e lesões preexstentes, urgênca e emergênca: prazos de carênca, chequecaução, preenchmento da declaração de saúde. 3. ed. rev. ampl, 2005b. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR. Caderno de nformação da saúde suplementar: benefcáros, operadoras e planos. Setembro, BRAZ, A. A saúde no orçamento famlar. Conjuntura Econômca, FGV, v. 60, n. 4, p. 50, BRASIL. Le n , de 3 de junho de Atualzada até a medda provsóra n , de 24 de agosto de Dspõe sobre os planos e seguros provados de assstênca à saúde. IBGE. Sstema Naconal de Pesqusa de Custos e Índces da Construção Cvl O índce: vsão teórca. Dsponível em estatstca/ndcadores/precos/snap/ndce.shtm. Acesso em INSTITUTO BRASILEIRO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Estudo sobre os reajustes anuas de planos de saúde e a atuação da ANS na regulação dessa questão. São Paulo, KAISER FAMILY FOUNDADTION. HEALTH RESEARCH & EDUCATIONAL TRUST. Survey of Employer Health Benefts Annual Survey Dsponível em: upload/7561.pdf. Acesso em KLOCK, J. Obtendo vantagem compettva ao utlzar sstema de custeo e controle de custos. In: CONGRESSO DE ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR, 2009, São Paulo: ADH, LEAL, R. M; MATOS, J. B. B. Perfl etáro de benefcáros de planos de saúde de assstênca médca no Brasl: uma análse comparatva do mercado ndvdual com o coletvo. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS EM SAÚDE; XIV CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE POLÍTICA DE SAÚDE; X CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO LATINO-AMERICANA DE MEDICINA SOCIAL, 4, 2007, Salvador: ABRASCO, Dsponível em: Acesso em LEAL, R. M; MATOS, J. B. B. Planos de saúde de assstênca médca no Brasl: uma avalação da regulação econômca dos produtos. Revsta de Polítcas Públcas e Gestão Governamental, v. 6, p , 2008a. Dsponível em: Acesso em LEAL, R. M; MATOS, J. B. B. Planos de saúde no Brasl no período pós-regulação: uma análse do perfl de benefcáros e dos aspectos econômcos segundo tpo de contratação. II Prêmo de Saúde Coletva do Insttuto de Estudos em Saúde Coletva da Unversdade Federal do Ro de Janero, 2008b. Dsponível em: result_premo.html. Acesso em LIMA, C. R. M; LIMA, C. R. M. A avalação do custo-efcáca das ntervenções em organzações de saúde. RAE-revsta de admnstração de empresas, v. 38, n. 2, p , MALIK, A. M. A questão da saúde no Brasl. RAE-revsta de admnstração de empresas, v. 35, n. 4, MEDICI, A. C; MARQUES, R. M. Sstemas de custo como nstrumento de efcênca e qualdade dos servços de saúde. Caderno Fundap, n.19, p , NEVES, M. A. B. Estratégas de competção em saúde para o sstema únco de saúde: uma proposta baseada nas deas de Porter e Tesberg. Dsponível em: Acesso em OCKÉ-REIS, C. O; CARDOSO, S. S. Uma descrção do comportamento dos preços dos planos de assstênca à saúde, T.D. IPEA n 1.232, PORTER, M. E; Estratéga compettva. São Paulo: Campus, PORTER, M; TEISBERG, E. Repensando a saúde: estratégas para melhorar a qualdade e reduzr os custos. Porto Alegre: Bookman, RAMALHO, P. I. S. (Org) Regulação e agêncas reguladoras: governança e análse de mpacto regulatóro. Brasíla: ANVISA, Dsponível em: Acesso em SAINTIVE, M. B; CHACUR, R. S. A regulação tarfára e o comportamento dos preços admnstrados. Brasíla: Seae/MF, Documento de trabalho, n. 33, SANTOS, F. P. A regulação publca da saúde no Brasl: o caso da saúde complementar. Tese de Doutorado em Saúde Coletva. 2006, Programa de Pós- Graduação da Faculdade de Cêncas Médcas da Unversdade Estadual de Campnas, Campnas, TEIXEIRA, L. S. Reajustes de preços admnstrados no setor saúde. Estudo da Consultora Legslatva da Câmara dos Deputados. Feverero de Dsponível em: tema10/2005_7377.pdf. Acesso em ZUCCHI, P; DEL NERO, C; MALIK, AM. Gastos em saúde: os fatores que agem na demanda e na oferta dos servços de saúde. Saúde e Socedade, n. 9, p , RAE São Paulo v. 49 n.4 out./dez ISSN

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ

FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO DIAGNÓSTICO MÉDICO DURANTE A GRAVIDEZ M. G. F. Costa, C. F. F. Costa Flho, M. C. Das, A. C. S.Fretas. Unversdade do Amazonas Laboratóro de Processamento Dgtal de Imagens Av. Gal.

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

DEMANDA POR PLANOS DE SAÚDE NO BRASIL

DEMANDA POR PLANOS DE SAÚDE NO BRASIL DEMANDA POR PLANOS DE SAÚDE NO BRASIL Mônca Vegas Andrade Cedeplar/FMG Ana Carolna Maa Cedeplar/FMG Resumo O objetvo desse trabalho é analsar os determnantes da demanda e da escolha do grau de cobertura

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico.

Metodologia para Eficientizar as Auditorias de SST em serviços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrico. Metodologa para Efcentzar as Audtoras de SST em servços contratados Estudo de caso em uma empresa do setor elétrco. Autores MARIA CLAUDIA SOUSA DA COSTA METHODIO VAREJÃO DE GODOY CHESF COMPANHIA HIDRO

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA

Estimativa da fração da vegetação a partir de dados AVHRR/NOAA Estmatva da fração da vegetação a partr de dados AVHRR/NOAA Fabane Regna Cunha Dantas 1, Céla Campos Braga, Soetâna Santos de Olvera 1, Tacana Lma Araújo 1 1 Doutoranda em Meteorologa pela Unversdade Federal

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 0101-7438 / versão onlne ISSN 1678-5142 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1 Desgualdade da dstrbução da renda no Brasl: a contrbução de aposentadoras e pensões e de outras parcelas do rendmento domclar per capta Rodolfo Hoffmann 2 Resumo Incalmente são dscutdos problemas metodológcos

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira

Índice de Oportunidades da Educação Brasileira Índce de Oportundades da Educação Braslera Centro de Lderança Públca - CLP Produto 2 METAS 13 de agosto de 2015 Sumáro Sumáro... 2 1. Introdução... 4 O Sstema de Educação Básca no Brasl... 4 2. Especfcação

Leia mais

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS

MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS versão mpressa ISSN 00-7438 / versão onlne ISSN 678-542 MODELO DE FILA HIPERCUBO COM MÚLTIPLO DESPACHO E BACKUP PARCIAL PARA ANÁLISE DE SISTEMAS DE ATENDIMENTO MÉDICO EMERGENCIAIS EM RODOVIAS Ana Paula

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo

Desempenho dos microempreendedores no Brasil Adriana Fontes 1 Valéria Pero 2. Resumo Resumo Desempenho dos mcroempreendedores no Brasl Adrana Fontes 1 Valéra Pero 2 Os mcroempreendedores formam um grupo muto heterogêneo no Brasl, mas sobre-representados na pobreza. Este artgo examna, com

Leia mais

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO

DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO RESUMO Revsta Economa e Desenvolvmento, n. 21, 2009 DETERMINANTES SOCIODEMOGRÁFICOS E ECONÔMICOS DAS ATIVIDADES DOS IDOSOS NO NORDESTE BRASILEIRO Elane Pnhero de Sousa 1 João Eustáquo de Lma 2 RESUMO As mudanças

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza

Processos participativos na estratégia para a redução da pobreza Processos partcpatvos na estratéga para a redução da pobreza Conteúdo J. Edgerton, K. McClean, C. Robb, P. Shah e S. Tkare Resumo 1. Introdução 1.1 Defnções 1.2 Que são abordagens partcpatvas? 1.3 Fundamento

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO*

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Artgos Verão 2006 QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Sóna Cabral** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As quotas de mercado das exportações

Leia mais

CURRICULUM VITAE - RESUMIDO

CURRICULUM VITAE - RESUMIDO A estatístca tem uma partculardade: pesqusamos para dzer algo sgnfcatvo sobre o unverso que elegemos, porém a pesqusa só será sgnfcatva se conhecermos sufcentemente o unverso para escolhermos adequadamente

Leia mais

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007 AGENDA 1 2 3 4 DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d

d o m i c i l i a r, d o m i c i l i o m i c i l i s o b r e s o b r e s o b r e a d s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c s t a d o m c l a r, s o b r e c Marcos hstórcos: 1993 1996 2004 Objetvo da Pastoral da Pessoa Idosa A Pastoral da Pessoa Idosa tem por

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities

reducing income disparities in Brazil and the Northeast and Southeast regions of the country, showing that the fight against social inequalities A Importânca da Educação para a Recente Queda da Desgualdade de Renda Salaral no Brasl: Uma análse de decomposção para as regões Nordeste e Sudeste Valdemar Rodrgues de Pnho Neto Técnco de pesqusa do Insttuto

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR

IX PRÊMIO SEAE 2014 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR IX PRÊMIO SEAE 2014 Tema 2. Regulação da Atvdade Econômca Inscrção: 17 CLASSIFICAÇÃO: 1º LUGAR Título da Monografa: A Estrutura Concorrencal do Mercado de Redes de Transporte de Telecomuncações e os Impactos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE a 2 edção Presdente da Repúblca Luz Ináco Lula da Slva Mnstro do Planejamento, Orçamento e Gestão Paulo Bernardo Slva INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presdente Eduardo Perera Nunes

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS

Núcleo de Pesquisas em Qualidade de Vida FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS Núcleo de Pesqusas em Qualdade de Vda FCECA 4 MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR SOCIAL: ALTERNATIVA METODOLÓGICA E REQUERIMENTO DE DADOS 1. Introdução A busca de uma base concetual para a obtenção de meddas de bem-estar

Leia mais

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP

AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP AVALIAÇÃO CONTINGENTE DO RIO MEIA PONTE, GOIÂNIA-GO: UMA APLI- CAÇÃO DO REFERENDUM COM FOLLOW-UP º. Autor Patríca Lopes Rosado: Economsta, Mestre em Economa Rural e Doutoranda em Economa Aplcada pelo Departamento

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES,

UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS A PARTIR DO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE PARA AS MESORREGIÕES CATARINENSES, RESUMO: 2003 1 Thago Costa Soares 2 Unversdade Federal de Vçosa thago_sofa@hotmal.com

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA ENTENDIMENTO DO NEGÓCIO SOCIAL E SUA CADEIA DE ABASTECIMENTO

UTILIZAÇÃO DA PESQUISA-AÇÃO PARA ENTENDIMENTO DO NEGÓCIO SOCIAL E SUA CADEIA DE ABASTECIMENTO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturdade e desafos da Engenhara de Produção: compettvdade das empresas, condções de trabalho, meo ambente. São Carlos, SP, Brasl, 12 a15 de outubro de 2010.

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA*

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Artgos Prmavera 2007 EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Manuel Coutnho Perera** Sara Morera** 1. INTRODUÇÃO As classfcações obtdas pelos estudantes

Leia mais

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução

Controle de qualidade de produto cartográfico aplicado a imagem de alta resolução Controle de qualdade de produto cartográfco aplcado a magem de alta resolução Nathála de Alcântara Rodrgues Alves¹ Mara Emanuella Frmno Barbosa¹ Sydney de Olvera Das¹ ¹ Insttuto Federal de Educação Cênca

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS MQO 2, MCFADDEN E VARIÁVEL INSTRUMENTAL EM ESTIMATIVAS PARA A CAPITAL PARANAENSE

UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS MQO 2, MCFADDEN E VARIÁVEL INSTRUMENTAL EM ESTIMATIVAS PARA A CAPITAL PARANAENSE UTILIZAÇÃO DOS MÉTODOS MQO 2, MCFADDEN E VARIÁVEL INSTRUMENTAL EM ESTIMATIVAS PARA A CAPITAL PARANAENSE MARCIA GONÇALVES PIZAIA; MARCIA REGINA GABARDO DA CAMARA. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA, LONDRINA,

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ESTUDANTES DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO DA UFRN: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ESTUDANTES DE ENGENHARIA DA PRODUÇÃO DA UFRN: UMA ANÁLISE COMPARATIVA PERCEPÇÃO AMBIETAL DOS ESTUDATES DE EGEHARIA DA PRODUÇÃO DA UFR: UMA AÁLISE COMPARATIVA Rose M. P. R. de Macêdo 1, Sayonara S. Rocha 1, Esmeraldo M. dos Santos 1, Marcus A. F. Melo 1 e Sérgo M. Júnor 1

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais