Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS"

Transcrição

1 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013

2 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Trabalho de conclusão de curso de Mestrado Profssonal submetdo ao Programa de Pós-Graduação em Matemátca em Rede Naconal da Unversdade Federal do Espírto Santo, como requsto parcal para obtenção do título de Mestre em Matemátca. Orentador: Etereldes Gonçalves Júnor Unversdade Federal do Espírto Santo UFES Programa de Pós-graduação em Matemátca em Rede naconal Vtóra Agosto de 2013

3

4 Dedco este trabalho a mnha mãe, Mara Helena, por seu amor e sua dedcação a mm.

5 RESUMO Os alunos da educação de jovens e adultos, EJA, utlzam, em sua maora, servços bancáros, conhecem os produtos báscos oferecdos por cada nsttução fnancera. Mas, por outro lado, não têm conhecmento matemátco sufcente para questonar e dentfcar os elementos necessáros para uma escolha adequada. O objetvo deste trabalho é apresentar alguns concetos de Matemátca Fnancera, e ntroduzr, a partr deles, a defnção de Progressão Artmétca e Geométrca. Palavras-chaves: Matemátca Fnancera, progressão geométrca, progressão artmétca, planlha eletrônca.

6 v SUMÁRIO ÍNDICE DE TABELAS... vv ÍNDICE DE FIGURAS... v 1 INTRODUÇÃO Objetvo Conhecmentos prévos para o desenvolvmento da proposta Recursos Materas e Tecnológcos Recomendações metodológcas Dfculdades prevstas INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Fluxo de caxa Introdução a juros Captal tomado emprestado ou que está em atraso de pagamento Captal depostado em fundo de rendmento Como calcular juros e saldo fnal de empréstmo ou nvestmento? Valor do dnhero no tempo Juros smples Defnção e cálculo Taxas equvalentes Juros smples e a Progressão Artmétca Juros compostos Defnção e cálculo Equvalêncas de taxas Juros compostos e progressão geométrca (PG) Comparando juros smples com juros compostos Como calcular os juros de atraso de títulos de cobrança Calculando encargos na fatura de cartão de crédto em atraso Entenda como funcona fnancamento com parcelas guas Prestação de fnancamento de parcelas guas sem entrada Taxa de juros de fnancamento de parcelas guas sem entrada Parcela para fnancamento de parcelas guas com entrada Cálculo dos juros de fnancamento de parcelas guas com entrada

7 v 2.10 A Matemátca fnancera e o número de Euler CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ÍNDICE DE TABELAS Tabela 1 Demonstração do cálculo de contas em atraso Tabela 2 - Cálculo do exemplo Tabela 3 Descrção da amortzação de fnancamento de parcelas guas Tabela 4 Captalzação de 12% em função de k Tabela 5 Resultado da taxa nomnal de juros de % com captalzado k vezes. 49

8 v ÍNDICE DE FIGURAS Fgura 1 Fluxo de caxa do exemplo Fgura 2 Boleto bancáro com nstrução de cobrança de juros smples Fgura 3 Gráfco comparando juros smples e juros compostos para uma taxa mensal captalzado daramente Fgura 4 Boleto Bancáro do exemplo Fgura 5 Boleto bancáro exemplo Fgura 6 Encargos fnanceros cobrados em uma fatura de cartão de crédto de um banco partcular Fgura 7 Exemplo de anúnco com opção de parcelamento com juros Fgura 8 Fluxo de caxa do exemplo Fgura 9 Fluxo de caxa generalzando o problema de fnancamento com n parcelas guas Fgura 10 - Gráfco de funções Fgura 11 Exemplo em planlha eletrônca para cálculo da TIR Fgura 12 - Fluxo de caxa de um fnancamento de parcelas guas com entrada Fgura 13 - Fluxo de caxa de um fnancamento em n parcelas guas com a prmera no ato da compra Fgura 14 Representação gráfca da função... 49

9 9 1 INTRODUÇÃO 1.1 Objetvo O objetvo deste trabalho é apresentar alguns concetos de Matemátca Fnancera, e ntroduzr, a partr deles, a defnção de Progressão Artmétca e Geométrca aos alunos da modaldade EJA, Educação de Jovens e Adultos. Como não exste, até o presente momento, na rede estadual de educação, materal específco para EJA, assm como não exste uma grade currcular específca para tal modaldade, os profssonas que nela trabalham escolhem os concetos a serem desenvolvdos a partr do Currículo Básco da Escola Estadual, que fo feto para o Ensno Médo Regular, que dspõe de cerca de três vezes mas tempo de aula que a modaldade EJA. Portanto torna-se nvável trabalhar todos os conteúdos dtos necessáros ao ensno médo. Outro problema gerado pela falta de uma grade própra para a modaldade é a dspardade entre os conteúdos efetvamente trabalhados em cada nsttução de ensno. Os alunos da modaldade em questão utlzam, em sua maora, servços bancáros, conhecem os produtos báscos oferecdos por cada nsttução fnancera (fnancamentos, empréstmos, nvestmentos, etc). Mas, por outro lado, não têm conhecmento matemátco sufcente para questonar e dentfcar os elementos necessáros para uma escolha adequada. Torna-se mportante nserr na grade da EJA o conteúdo de Matemátca Fnancera, que é contemplado no Currículo Básco da Escola Estadual no 3º Ano do Ensno Médo. José Eustáquo Romão, um dos fundadores do Insttuto Paulo Frere, defende em seu lvro Pedagoga Dalógca, que o processo educaconal tem como objetvo prncpal, conscentzar a socedade:... o processo educaconal é processo de conhecmento. Enquanto tal, ele consttu o processo de construção e organzação da reflexão coletva sobre as determnações naturas e hstórco-socas. Ou seja, enquanto ato gnosológco, o ato educatvo é o processo de letura crítca do mundo, para que nele possamos ntervr, a fm de orentar o sentdo daquelas determnações para um projeto de socedade mas democrátco, mas humano e mas felz para todos. (Romão, 2007: 131) Observando os lvros ddátcos dstrbuídos pelo Programa Naconal do Lvro Ddátco (PNLD) para alunos do ensno regular do Estado do Espírto Santo nota-se que o conteúdo de Matemátca Fnancera abordado neles não se adequa à

10 10 realdade das nsttuções fnanceras. Assm, o objetvo deste materal é ensnar os conhecmentos báscos de matemátca fnancera, utlzando calculadora e ferramentas computaconas para calcular juros de atraso de dversos tpos de contas e valor da prestação e juros de fnancamentos com pagamentos fxos. A lnguagem da apostla é smples e fo construída a partr da experênca com três turmas da EJA nas quas trabalhe. Algumas seções possuem notas dreconadas aos professores para facltar o trabalho do professor que utlzará este materal. 1.2 Conhecmentos prévos para o desenvolvmento da proposta Noções de função (conceto, representação gráfca); Função afm; Manpulação algébrca; Conhecmentos báscos de planlha eletrônca. 1.3 Recursos Materas e Tecnológcos multmída Planlha Eletrônca Calculadora Geogebra Laboratóro de nformátca ou quadro dgtal ou sala com projetor de 1.4 Recomendações metodológcas O trabalho deve ser desenvolvdo em pequenos grupos, pos a grande maora dos alunos da EJA que possuem mas de quarenta anos não tem conhecmentos de nformátca. Identfque quas alunos tem noções báscas de nformátca para dstrbuí-los nos grupos. Para motvar e ntroduzr o conteúdo, peça para os grupos pesqusarem os seguntes assuntos: Hstóra do dnhero Tarfas bancáras. Empréstmo Empréstmo consgnado CDC (Crédto Dreto ao Consumdor)

11 11 Cheque especal Extrato bancáro Consórco Título de captalzação Promova uma dscussão com a turma sobre os assuntos que eles pesqusaram. Cada grupo apresenta o seu tema e, naturalmente, os alunos vão contando as suas experêncas pessoas acerca do tema. É mportante que o professor esteja preparado para esta dscussão, pos neste momento surgem dversos questonamentos, prncpalmente aqueles relaconados ao cálculo de dversos servços bancáros. O ste explca de manera smplfcada cada um dos temas acma e outros que podem ser ncluídos caso seja necessáro. Peça para os alunos provdencarem cópas de boletos de cobrança, contas de água, luz ou telefone, cartão de crédto e encartes de jornal com exemplos de fnancamentos com parcelas. 1.5 Dfculdades prevstas O número reduzdo de alunos com conhecmentos báscos de nformátca pode ser um problema, pos os grupos de estudo não devem ter mutos ntegrantes, para a melhor utlzação da sala de nformátca. Na ausênca de sala de nformátca, sugeros a utlzação de um projetor de multmída para executar as atvdades que necesstam do uso do computador. 2 INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA Na socedade em que vvemos é pratcamente mpossível vver sem utlzar servços bancáros. Seja em contas de água, luz, telefone, cartões de crédto e até mesmo pequenos empréstmos e fnancamentos utlzamos concetos de matemátca fnancera. Neste capítulo ntroduzremos alguns destes concetos, como fluxo de caxa, juros smples e compostos, e mostraremos como são fetos os cálculos dos juros e do valor da parcela de pequenos fnancamentos. 2.1 Fluxo de caxa Fluxo de caxa é o conjunto de entradas e saídas de dnhero ao longo do

12 12 tempo. Exemplo Rafael contratou um empréstmo de R$0,00 adqurdo no da 02/01/2013 e pago em 8 prestações mensas de R$150,00, conforme fluxo de caxa representado na Fgura 1. Fgura 1 Fluxo de caxa No fluxo de caxa, representado pela fgura 1, a lnha horzontal representa o tempo representado em períodos, expressos em das, semanas, meses, trmestres, anos, etc. Neste exemplo, cada período equvale a um mês. Os pontos 0,1,2,3... substtuem as datas do calendáro. O ponto 0 representa a data que o empréstmo fo tomado, o ponto 1 o fnal do prmero período, 2 o fnal do segundo período e assm por dante. A seta para cma representa valores recebdos (+) e a seta para baxo representa valores pagos (-). Com mas detalhes, o fluxo de caxa da Fgura 1, pode ser representado em forma tabela, conforme o Quadro 1. Período Data Operação Valor 0 02/01/13 Recebmento R$0, /02/13 Pagamento R$150, /03/13 Pagamento R$150, /04/13 Pagamento R$150, /05/13 Pagamento R$150, /06/13 Pagamento R$150, /07/13 Pagamento R$150, /08/13 Pagamento R$150, /09/13 Pagamento R$150,00 Quadro 1 Quadro representando o fluxo de caxa do exemplo Exercíco Uma geladera no valor de R$2.500,00 fo adqurda no da 03/04/2013 em 10 prestações de R$280,00. Escreva o fluxo de caxa. 2.2 Introdução a juros Defnem-se juros como sendo a remuneração sobre um captal que:

13 13 fo tomado emprestado ou que está em atraso de pagamento; fo depostado em um fundo de rendmento Captal tomado emprestado ou que está em atraso de pagamento No caso de um captal que fo tomado emprestado, os juros são o preço que pagamos por pegar dnhero emprestado. O valor dos juros cobrados em empréstmos vara de acordo com as garantas que você oferece a quem lhe empresta o dnhero. Por exemplo, para pegar dnhero emprestado em um banco você tem que ter renda comprovada e crédto. Na lnguagem popular, ter nome lmpo na praça. Por sso eles oferecem juros menores. Se o empréstmo for consgnado (descontado no contracheque) este juros é anda menor. Já em fnanceras os juros são maores, pos mutas delas emprestam dnhero mesmo que você já possua outros empréstmos e dívdas no comérco, sto é, que você esteja negatvado. No caso do não pagamento das prestações ela tem o dreto de nclur seu nome em servços de proteção ao crédto (SPC E SERASA). Os juros mas caros são cobrados pelos agotas, que não possuem garantas legas para receber o dnhero que emprestaram. Vale lembrar que a agotagem é uma prátca ILEGAL no Brasl. Acesse para mas nformações. Resumndo: Quanto MENOR a garanta de pagamento, MAIORES os juros cobrados. No caso de uma conta que está em atraso de pagamento os juros são a penaldade que se cobra por este atraso Captal depostado em fundo de rendmento No caso de um captal aplcado em um fundo de rendmento, os juros são a remuneração que o banco paga a pessoa que deposta o dnhero neste fundo. O banco utlza esse dnhero para fazer empréstmos aos seus clentes e outros tpos de nvestmentos. Uma pesqusa encomendada pela BM&FBovespa afrma que o fundo de rendmento mas utlzado pela população do Brasl é a poupança, com 44,4% do total de recursos aplcados. (Fonte: Como calcular juros e saldo fnal de empréstmo ou nvestmento? Os juros são calculados como um percentual sobre o captal e saldo fnal é o

14 14 captal adconado aos juros. Eles podem ser cobrados ao ano (a.a.), ao mês (a.m.), ao da (a.d.), ao trmestre (a.t.), e etc. Exemplo Para um captal de R$600,00 que fo emprestado a taxa de juros de 5%a.a, qual o valor pago de juros e o saldo fnal ao fnal de um ano? Os juros pagos equvalem a 5% do valor tomado emprestado. Denomnaremos por j os juros e sf o saldo fnal. j = 5%. 600 = = 0, = 30 reas; sf = = 630 reas. Assm os juros pagos ao fnal de um ano totalzam 30 reas. De manera geral, para uma taxa de juros de % sobre um captal C temos: j = %. C =. C; sf = C + juros = C + C.. Exercíco Calcule o valor dos juros para os captas abaxo ao fnal do prmero período. a) Captal = C = R$800,00 e taxa de juros= 3%; b) Captal = C = R$1300,00 e taxa de juros=12%; c) Captal = C = R$733,00 e taxa de juros= 7,2%. 2.3 Valor do dnhero no tempo Como já vmos anterormente, nas operações fnanceras de empréstmo e poupança o valor do dnhero muda de acordo com o tempo. Isto é, se pegarmos um empréstmo de R$800,00 hoje a juros de 2% a.m, daqu a um mês a dívda será de R$816,00, pos j = 2% de 800 = = 0, = 16 reas; sf = = 816 reas.

15 15 Assm, R$ 800,00 hoje valerão R$816,00 daqu a um mês. Uma vez que o valor do dnhero muda com o tempo, para fazer contas em matemátca fnancera, devemos encontrar o valor de cada entrada e saída do fluxo em uma mesma data, descontado ou acrescdo dos juros. O valor do dnhero no tempo depende anda da forma como ele é captalzado. Exstem dos tpos de captalzação: os juros smples e os juros compostos, que serão estudados nas seções que seguem. 2.4 Juros smples Defnção e cálculo No regme de juros smples o percentual de juros ncde apenas sobre o captal prncpal, sto é, o valor emprestado ou nvestdo. Sobre os juros gerados ao fnal de cada período não serão cobrados novos juros. O regme de juros smples é utlzado no sstema fnancero apenas na cobrança de juros de mora dára. Juros de mora dára é o valor cobrado por atraso em alguns boletos de cobrança, tal como lustrado na Fgura 2. Fgura 2 Boleto bancáro com nstrução de cobrança de juros smples A tabela abaxo mostra o valor cobrado no boleto para pagamento no da do vencmento e para alguns das em atraso: Data do pagamento Das em atraso Cálculo Valor total 06/09/ ,00 07/09/ ,00+0,28 208,28 08/09/ ,28 + 0,28 = 208, ,28 208,56 09/09/ ,56 + 0,28 = 208, ,28 208,84 10/09/ ,84 + 0,28 = 208, ,28 209,12 11/09/ ,12 + 0,28 = 208, ,28 209, n /09/2011 n 208,00+ n. 0,28 Tabela 1 Demonstração do cálculo de contas em atraso

16 16 Observação: No exemplo acma o valor dos juros já é dado em real, mas pode ser dado como taxa percentual. No caso de ser dado em taxa percentual calcule o valor dos juros utlzando a fórmula j =. C. Qual é a taxa de juros cobrada no boleto da Fgura 2? Neste caso, j = 0,28, C = 208. Utlzando a fórmula, temos: 0,28 = 0, ,28 = 2,08. = 2,08 0,13% a. d. Generalzando, para calcular os juros após n períodos basta calcular os juros para um período e multplcar pelo número de períodos. Sejam n número de períodos C captal prncpal % taxa de juros por período j n juros após n períodos j n = n. C. ; sf n = C + j n = C + n. C.. Exemplo Calcule o saldo fnal de um boleto no valor de R$430,00 com juros de mora dára de 0,3%, com 10 das de atraso. C = 430 n = 10 = 0,3 sf = ,3 = ,003 = ,90 = 442,90 reas.. 0 Exercíco Calcule o saldo fnal de um boleto no valor de R$ 550,00 com juros de mora dáro de 0,5% que está com atraso de: a) 2 das. b) 5 das. c) 11 das. d) 20 das. e) 25 das.

17 Taxas equvalentes Taxas equvalentes são taxas de juros referencadas a undades de tempo dferentes que, ao serem aplcadas a um mesmo captal durante um mesmo prazo, produzem um mesmo saldo acumulado no fnal daquele prazo. Para juros smples só faremos a equvalênca de taxas entre juros ao da e ao mês, pos nas nsttuções fnanceras só usam juros smples para período nferor a um mês. Mas podemos fazer equvalênca de taxas entre juros de qualquer período, basta saber quantas vezes um período cabe no outro. Por exemplo, um ano possu dos semestres, logo, se as taxas semestral e anual forem equvalentes, basta aplcar a semestral 2 vezes. Em alguns boletos bancáros a taxa de juros de mora não é dada ao da, mas ao mês. Como fazer esta transformação? No regme de juros smples, os juros são somados a cada período. Portanto se os juros para um da são de 3%, para dos das serão 6%, para três das, 9% e assm sucessvamente. Consderando para um captal C, d a taxa de juros ao da, m a taxa de juros ao mês, no regme de captalzação smples, que um mês comercal possu 30 das e que d e m são equvalentes, podemos encontrar uma relação entre d e m que nos permte encontrar, de modo prátco, uma a partr da outra. Vejamos: sf 1 = C + 1. C. m captal aplcado a juros mensal por um mês; sf 30 = C C. d captal aplcado a juros dáro por um mês. Como as taxas são equvalentes, temos que sf 1 = sf 30, então C + 1. C. subtrando C de ambos os lados da gualdade, m = C C. d ; C. m = 30. C. d ; dvdndo por C em ambos os lados da gualdade, multplcando por em ambos os lados, m = 30. d ;

18 18 m = 30. d d = m 30. Exemplo Se a taxa de juros ao da é de 4% calcule a taxa mensal equvalente utlzando a captalzação smples. d = 4 m = 30. d m = m = 120. Assm, uma taxa de 4% a.d é equvalente a 120% a.m. Exemplo Calcule a taxa de juros dára, sabendo que a taxa de juros mensal é de 1% no regme de captalzação smples. m = 1 d = m 30 d = 1 30 d 0,0333. Observação: O símbolo sgnfca aproxmadamente. Exercíco Calcule a taxa de juros mensal equvalente a: a)2%a.d b)0,05%a.d c)0,0057%a.d Exercíco Calcule a taxa de juros dára equvalente a: a)3%a.m b)9.9%a.m c)0,38%a.m Juros smples e a Progressão Artmétca (PA) Analsando a últma coluna da tabela 1 pode-se observar que os valores formam uma sequênca cujo termo posteror é o termo anteror adconado a um mesmo valor. No nosso exemplo este valor é 0,28. (208,00 ; 208,28 ; 208,56 ; 208,84 ; 209,12 ; 209,40; ; ,28. n; ) As sequêncas nas quas o aumento/redução de cada termo para o segunte é sempre o mesmo são denomnadas progressões artmétcas. Esta varação constante é chamada de razão da progressão e representada pela letra r. Em uma progressão artmétca (a 1, a 2, a 3,, a n, ) de razão r, podemos escrever: a 2 = a 1 + r;

19 19 a 3 = a 2 + r = a 1 + 2r; a 4 = a 3 + r = a 1 + 3r; a 5 = a 4 + r = a 1 + 4r;... a n = a 1 + (n 1)r. Assm a n = a 1 + (n 1)r é o termo geral de uma progressão artmétca. Além dos juros smples, exstem outros problemas que podem ser caracterzados como progressões artmétcas, como o valor cobrado em uma corrda de tax, por exemplo. Exemplo O valor cobrado em uma corrda de tax é calculado usando as seguntes taxas: a banderada, que é cobrada uma únca vez por corrda, e um valor que é cobrado a cada qulômetro percorrdo ou a cada período de tempo em que o carro fca parado, em um congestonamento ou por solctação do clente. Um taxsta cobra R$3,50 de banderada e uma taxa de R$0,60 por qulômetro rodado. Escreva a progressão artmétca que representa este problema e calcule o valor da corrda para um percurso de 96 qulômetros sem paradas ou congestonamentos. Sabendo que a 1 = banderada = 3,50 e r = preço por km = 0,60 a progressão artmétca que representa o problema é (3,50 ; 4,10 ; 4,70 ; 5,30 ). Esta progressão tem como termo geral a n = 3,50 + (n 1). 0,60, onde (n 1) é o numero de qulômetros percorrdos. Uma vez que a 2 é o valor da corrda com um percurso de um qulômetro, para calcular o valor da corrda para um percurso de 96 qulômetros, basta calcular a 97. a 97 = a 1 + (97 1)r = 3, ,60 = 3, ,60 = 61,10. Assm o valor de uma corrda com um percurso de 96 km é R$61,10. Exercíco Uma crança ganhou em seu anversáro um cofrnho e dentro dele hava a quanta de R$12,00. Então ela decdu poupar R$1,50 da sua mesada semanal e colocá-los no seu novo cofrnho. Calcule: a) o valor poupado ao fnal de 10 meses. b) o número de semanas que ela leva para poupar R$84,00.

20 Juros compostos Defnção e cálculo No regme de juros compostos a taxa de juros ncde não apenas sobre o captal prncpal, mas também pelos juros gerados nos meses anterores. No popular, chamamos de juros sobre juros. Este regme de juros é amplamente utlzado no sstema fnancero. Fnancamentos, poupança e outras aplcações, empréstmos e juros de mora para contas com atraso superor a um mês são captalzadas por juros compostos. Para juros compostos é mas fácl calcular sempre sobre o saldo fnal, sendo necessáro fazer uma pequena mudança na fórmula do cálculo do saldo fnal após um período: sf 1 = C + C. sf 1 = C. (1 + ). De acordo com a fórmula acma para encontrar o saldo fnal após um período, basta multplcar o captal por (1 + ), onde é a taxa de juros do período. Assm, Período sf n 0 C; 1 C. (1 + ) ; 2 C. (1 + 2 ). (1 + ) = C. (1 + ) ; 3 C. (1 + 3 ). (1 + ). (1 + ) = C. (1 + ) ; n C. (1 + ) n. sf n = C. (1 + n ). Exemplo : Calcule o valor de uma dívda de R$300,00 a juros de 4%a.m ao fnal do 5º mês. Utlzando a fórmula sf n = C. (1 + )n e substtundo n = 5 e = 4, temos: sf 5 = 300. (1 + 4 ) 5

21 21 = 300. (1 + 0,04) 5 = 300. (1,04) reas. Veja a segur uma dca mportante: Para resolver 300. (1,04) 5 de modo mas efcente utlzando uma calculadora comum : 1º Dgtar 300 2º Apertar o botão de multplcação 3º Dgtar 1,04 4º- Apertar o gual 5 vezes C, e n. Generalzando, para resolver saldofnal n = C. (1 + 1º Dvda por 2º Adcone 1 e anote o número 3º Dgte o valor de C 4º Apertar o botão de multplcação 5º- Dgtar o número que você anotou no 2º passo 6º- apertar o gual n vezes )n, dado os valores de Observação: Como a calculadora comum possu capacdade de armazenamento nferor a do computador e das calculadoras centífcas e fnanceras, o resultado fnal terá uma pequena dferença com relação ao valor real quando n for muto grande. Utlzando a calculadora centífca do computador, basta segur os passos: 1º Dvda por 2º Adcone 1 e anote o número 3º - Aperte o botão 4º dgte o valor de n 5º - Multplque o resultado por C Utlzando uma planlha eletrônca, basta clcar em uma célula e dgtar =C*(1+ /)^n e aperte a tecla ENTER.

22 22 Exercíco Calcule o saldo total de uma dívda de R$3.000,00 a juros de 5% a.a ao fnal de: a) 1 ano. b) 2 anos. c) 4 anos. d) 5 anos. e) 8 anos. f) 10 anos Equvalêncas de taxas Para juros compostos vamos utlzar as equvalêncas entre as taxas ao mês ( m ) e ao ano ( a ) e entre as taxas ao da ( d ) e ao mês ( m ) que são as taxas mas utlzadas em produtos fnanceros. Como já dto anterormente, as taxas equvalentes são taxas que referencadas a undades de tempo dferentes, para um mesmo período e mesmo captal, resultam em um mesmo saldo fnal. Utlzando a fórmula geral, e sabendo que d e m são taxas equvalentes sobre um captal C em um período de 30 das, temos: sf 1 = C. (1 + 1 m ) = C. (1 + m ) para juros mensas; sf 30 = C. (1 + d ) 30 para juros dáros. Como as taxas são equvalentes, temos que sf 1 = sf 30, então, C. (1 + m ) = C. (1 + d ) 30 ; dvdndo por C ambos os lados da gualdade, subtrando 1 de ambos os lados, (1 + m ) = (1 + d ) 30 ; m = (1 + d ) 30 1;

23 23 multplcando ambos os lados por, m = ((1 + d ) 30 1). taxa de juros mensal equvalente a taxa de juros dára dada. Para obter a taxa de juros dára equvalente a uma taxa de juros mensal dada, partndo da gualdade (1 + m ) = (1 + d )30, temos: elevando ambos os lados a 1 30, subtrando 1 de ambos os lados, multplcando ambos os lados por, (1 + 1 m ) 30 d = (1 + ) ; d = (1 + 1 m ) 30 1; d = ((1 + 1 m ) 30 1). taxa de juros dára equvalente a taxa de juros mensal dada. Analogamente, se a e m são equvalentes e que 1 ano possu 12 meses. a = (( m ) 1). m = ((1 + 1 a ) 12 1).. Exemplo Calcule a taxa de juros mensal equvalente a a) 2% a.d no regme de captalzação composta. d = 2 m = ((1 + d ) 30 1). = ((1 + 2 ) 30 1). = ((1,02) 30 1). (1,8113 1).

24 24 (0,8113). = 81,13. Juros de 2% a.d são equvalentes aos juros de 81,13% a.m. b) 17% a.a no regme de captalzação composta. a = 17 m = (( 17 1 ( + 1) 12 ) 1). = ((1,17) ( 1 12 ) 1). (1,0131 1). 0,0131. = 1,31. Juros de 17% a.a são equvalentes aos juros de 1,31% a.m. Exemplo Calcule a taxa de juros anual equvalente a 9,9% a.m no regme de captalzação composta. m = 9,9 a = (( 12 m + 1) 1). = (( 9,9 + 1) 12 1). = ((1,099) 12 1). (3,1043 1). (2,1043). = 210,43. Juros de 9,9% a.m são equvalentes a juros de 210,43% a.a. Exemplo Calcule a taxa de juros dára equvalente a 9,9% a.m, no regme de captalzação composta. m = 9,9 d = ((1 + 1 ( m ) 30 ) 1). = ((1 + 9,9 1 )( 30 ) 1). = ((1,099) ( 1 30 ) 1). (1,0032 1). 0,0032. = 0,32.

25 25 Juros de 9,9% a.m equvale a juros de 0,32% a.d. Veja outra dca muto mportante: Como calcular as potêncas do tpo a 1 n? Na calculadora que possu apenas as quatro operações não é possível fazer este cálculo, mas utlzando a calculadora centífca de qualquer computador é possível fazê-lo. Basta saber que a 1 n n = a e segur os passos: 1º passo: Dgte o valor de a na calculadora; 2º passo: Aperte o botão 3º passo: Dgte o valor de n. Utlzando uma planlha eletrônca, basta clcar em uma das células e dgtar = a^(1/n) e aperte a tecla ENTER. Exercíco Calcule, consderando o regme de juros compostos: a) a taxa de juros mensal equvalente a 200% a.a. b) a taxa de juros mensal equvalente aos juros de 0,01% a.d. c) a taxa de juros dára equvalente aos juros de 3% a.m. d) a taxa de juros anual equvalente aos juros de 10% a.m Juros compostos e progressão geométrca (PG) Exemplo Um captal de R$,00 fo emprestado a juros compostos de 10% a.m. Calcule a evolução da dívda nos 4 prmeros meses. Sabemos que aumentar 10% multplcar por ( ) = 1,1. Tempo Cálculo Valor (em reas) , ,1 110, , , , , , ,41 Tabela 2 - Cálculo do exemplo Na últma coluna da tabela 2 pode observar que o termo posteror é o termo

26 26 anteror multplcado por um mesmo valor, que neste exemplo é 1,1. A sequênca (,00 ; 110,00 ; 121,00 ; 133,10 ; 146,41) é denomnada uma progressão geométrca, ou seja, uma sequênca na qual o termo posteror é o termo anteror multplcado por um valor constante denomnado razão da PG e representada pela letra q. Em uma progressão geométrca (a 1, a 2, a 3,, a n, ) de razão q, temos: a 2 = a 1. q; a 3 = a 2. q = a 1. q. q = a 1. q 2 ; a 4 = a 3. q = a 1. q 2. q = a 1. q 3 ; a 5 = a 4. q = a 1. q 3. q = a 1. q 4 ;... a n = a 1. q n 1. Assm o termo geral de uma PG é calculado pela fórmula a n = a 1. q n 1. Exemplo A quantdade de bactéras de uma colôna dobra a cada hora. Sabendo que ncalmente exstam 180 bactéras nesta colôna: a) Escreva a PG que representa o problema. Sabendo que a 1 = 180 e q = 2 temos que (180, 360, 720, 1440,...) é a progressão que representa o problema. b) Calcule o número de bactéras da colôna ao fnal da 9ª hora. Neste caso devemos calcular a 10. a 10 = a 1. q 10 1 = = = bactéras. Exercíco Rcardo possu uma dívda de R$500,00 com juros compostos de 8% ao mês. Escreva os quatro prmeros termos da progressão geométrca que descreve este problema e calcule o valor da dívda no 15º mês. Na seção 2.9 aprenderemos como calcular o valor da parcela e dos juros de um fnancamento de prestações guas. Neste tpo de fnancamento, captalzado por juros compostos, utlzamos progressão geométrca. Além dsso, devemos saber como somar os termos de uma PG. Dada uma PG (a 1, a 2, a 3,, a n, ) denomnaremos por S n a soma dos n

27 27 prmeros termos da PG. Assm, S n = a 1 + a 2 + a a n = a 1 + a 1. q + a 1. q a 1. q n 1. Multplcando ambos os lados por q temos: q. S n = a 1. q + a 1. q 2 + a 1. q 3 + a 1. q n q. S n S n = (a 1. q + a 1. q 2 + a 1. q 3 + a 1. q n ) (a 1 + a 1. q + a 1. q a 1. q n 1 ) S n. (q 1) = a 1. q n a 1 S n. (q 1) = a 1. (q n 1) S n = a 1. (q n 1). (q 1) Exemplo Uma empresa produzu em undades de um determnado produto. Sabendo que sua produção aumenta 20% anualmente, escreva a PG que descreve o problema e calcule a produção total desta empresa no período de 2001 a Neste caso a 1 = e q = problema é (50.000, , , ,...). = 1 + 0,2 = 1,2. A PG que descreve o Para calcular a produção total da empresa devemos calcular a soma dos 10 prmeros termos da PG, portanto S 10. S 10 = a 1. (q 10 1) (q 1) = (1,210 1) (1,2 1) undades. A produção da empresa entre 2001 e 2010 fo de aproxmadamente undades. Exercíco Uma fábrca produzu pcolés no mês de Janero. Sabendo que de Janero a Outubro sua produção ca 10% ao mês: a) Escreva a PG que descreve o problema. b) Calcule o total de pcolés produzdos no mês de Outubro. c) Calcule o total de pcolés produzdos de Janero a Outubro. 2.6 Comparando juros smples com juros compostos Por que são cobrados juros smples para cobrança de juros para períodos

28 28 nferores a 30 das e juros compostos para períodos superores a 30 das? Para responder esta pergunta, faça o exercíco que segue: Exercíco Para a taxa de 30% a.m nos regmes de juros smples e compostos, calcule taxa de juros cobrada para 1, 2, 10, 30 e 32 das. Observe o Quadro 2 com os resultados do exercíco acma: Das Juros Smples Juros Compostos 1 1% 0,88% 2 2% 1,76% 3 3% 2,66% 4 4% 3,56% 5 5% 4,47% 6 6% 5,39% 7 7% 6,31% 8 8% 7,25% 9 9% 8,19% 10 10% 9,14% 20 20% 19,11% 30 30% 30,00% 31 31% 31,14% 32 32% 32,29% Quadro 2 Comparação entre juros smples e compostos para taxa mensal captalzada daramente. Observe que a taxa de juros é maor no período nferor a 30 das para o regme de juros smples, e maor no período superor a 30 das no regme de juros compostos. O gráfco lustrado na Fgura 3 mostra de forma mas clara este comportamento. Fgura 3 Gráfco comparando juros smples e juros compostos para uma taxa mensal captalzado daramente

29 29 Nota ao professor: Quando ncar esta seção, sugermos promover uma dscussão sobre o questonamento e enumerar no quadro as respostas dos alunos. Faça-os responderem o exercíco usando apenas a calculadora, e somente depos leve-os ao laboratóro de nformátca para montar a tabela e o gráfco. Pode ser utlzada uma planlha eletrônca ou o Geogebra. 2.7 Como calcular os juros de atraso de títulos de cobrança Podem ncdr sobre os títulos de cobrança em atraso, os seguntes encargos: Juros de Mora: Cobrados ao da, utlzando o regme de juros smples. O valor pode ser dscrmnado em real, em juros mensas ou dáros. Caso a taxa de juros dscrmnada seja mensal, utlzar a fórmula d = m 30 demonstrada na seção Multa: o valor da multa pode ser cobrado a partr do 1º da em atraso e não pode exceder 2%. Exemplo Calcule o valor total do título abaxo se ele for pago no da 10/05/2013, conforme nformações do boleto lustrado na Fgura 4. Fgura 4 Boleto Bancáro do exemplo 1 No boleto o valor da multa é especfcado já em real no valor de R$19,71, que corresponde a 2% de R$985,33, e a taxa de juros de mora é de 3,13%a.m. A taxa de juros de mora do boleto acma fo dada em mês, portanto: m = 3,13 d = m = 3, d = 0,1043. Assm a taxa de juros que deve ser utlzada no cálculo é de 0,1043% por da de atraso. O vencmento do título é no da 04/05/2013 e a data do pagamento será no

30 30 da 10/05/2013, portanto será pago com ses das de atraso. Os juros de mora aplcados sobre o valor da fatura é smples, portanto devemos usar a fórmula juros n = n. C.. Substtundo = 0,1043 e n = 6, temos: juros 6 = 6.985,33. 0,1043 = 6,17 reas ; valor total do título = valor do título + multa + juros de mora = 985, ,71 + 6,17 = 1.011,21. O valor total do título a ser pago com 6 das de atraso é R$1.011,21. Observação: No exemplo 2.7.1, e em mutos outros exemplos deste materal, ao multplcarmos dos números decmas obtemos um número, também decmal, com três ou mas casas decmas. Como fazer nos casos em que este número representa um valor monetáro, que só possu duas casas decmas? Como os bancos fazem este arredondamento? O arredondamento é feto da segunte forma: Se a tercera casa decmal for um número menor que cnco, a segunda casa permanece nalterada, se a tercera casa for um número maor ou gual a 5, a segunda casa aumenta em uma undade. Por exemplo, o número 2,344 2,34 e o número 3,456 3,46. Exemplo Calcule o valor total do título lustrado na Fgura 5 se o mesmo fo pago no da 23/07/2012. Fgura 5 Boleto bancáro exemplo 2 Observa-se nesse boleto que a multa de R$13,63, que corresponde a 2% do valor do boleto, só é cobrada após o da 25, portanto deve ser desconsderada, pos o boleto fo pago no da 23. Os juros dscrmnados no boleto são de R$0,20 ao da, portanto, para calcular o valor de pagamento desta fatura, basta calcular os das de

31 31 atraso e multplcar pelo valor dos juros dáros, que corresponde a 0,20 681,36 0,03 % a.d. Se a data do vencmento é no da 15/07/2012 e fo pago no da 23/07/2012 calcula-se para oto das de atraso. juros 8 = 8. 0,20 = 1,60; valor total do título = valor do título + juros de mora = 626,66 + 1,60 = 628,26. O valor total do título com 8 da de atraso é R$628,26. Exercíco Em grupos, calcule o valor dos títulos que vocês trouxeram consderando atraso no pagamento. Exercíco As contas de água, luz e telefone possuem as mesmas tarfas para cobrança de juros e o cálculo é smlar ao dos boletos bancáros. Identfque os juros de mora e a multa cobrada nestas contas e calcule o valor total de uma conta com atraso de 10, 15 e 20 das. 2.8 Calculando encargos na fatura de cartão de crédto em atraso Para atrasos no pagamento do cartão de crédto, temos que consderar os seguntes encargos: Juros de Mora: Cobrados ao da, utlzando o regme de juros smples. O valor pode ser dscrmnado em juros mensal ou dáro. Para a maora dos cartões de crédto, os juros de mora são de 1%; Multa: O valor da multa pode ser cobrado a partr do 1º da em atraso e não pode exceder 2%; IOF: O IOF, Imposto sobre Operações Fnanceras, é cobrado no atraso do pagamento de cartão de crédto, pos o atraso desse confgura um empréstmo, portanto, uma operação fnancera. O valor do IOF é 0,0041% a.d + 0,38% por operação. (Decreto nº de 14 de Dezembro de 2007) Juros de atraso: Exstem váras nomenclaturas que defnem este encargo. A taxa cobrada no fnal do ano de 2012 é de cerca de 10% a.m para a maora das operadoras. As operadoras tem lberdade ao defnr esta taxa, portanto, ao escolher a sua operadora de cartão de crédto, verfque o valor dos juros de atraso cobrados por ela.

32 32 Exemplo Rcardo consome mensalmente em seu cartão de crédto a mportânca de R$1.000,00. Ele está passando um período de dfculdades fnanceras, e sabe que nos próxmos três meses só poderá pagar o mínmo da sua fatura do cartão. Sabendo que ele não fará nenhuma compra com seu cartão até que sua stuação fnancera seja resolvda, calcule o valor da dívda do Rcardo ao fnal destes três meses. Os encargos fnanceros cobrados em seu cartão de crédto estão descrtos na Fgura 6. Fgura 6 Encargos fnanceros cobrados em uma fatura de cartão de crédto de um banco partcular O pagamento mínmo de uma fatura de cartão de cartão de crédto é 15% do valor total da fatura. Portanto, Pagamento mínmo = = 150 reas. Assm, os encargos serão cobrados sobre a dferença = 850 reas. As taxas cobradas quando é pago apenas o valor mínmo da fatura são juros de 9,99% mas IOF de 0,0041% ao da + 0,38% por operação. Como a transação durará 30 das a taxa de IOF total é 0, ,38 = 0,503%. Então, juros = 9, = 84,92 reas ; IOF = 0, = 4,28 reas; encargos = juros + IOF = 84,92 + 4,28 = 89,20 reas. Assm o valor da fatura ao fnal do prmero mês será: 850, ,20 = 939,20 reas. Para o segundo mês, o pagamento mínmo será: Pagamento mínmo = ,20 = 140,88 reas. Os encargos serão cobrados sobre 939,20 140,88 = 798,32 reas.

33 33 juros = 9, ,32 = 79,75 reas IOF = 0, ,32 = 4,02 reas; encargos = juros + IOF = 79,75 + 4,02 = 83,77 reas. Assm o valor da fatura ao fnal do segundo mês será: 798, ,77 = 882,09 reas. Para o tercero mês, o pagamento mínmo será: Pagamento mínmo = ,09 = 132,31 reas. Os encargos serão cobrados sobre 882,09 132,31 = 749,78 reas. juros = 9, ,78 = 74,90 reas IOF = 0, ,78 = 3,77 reas; encargos = juros + IOF = 74,90 + 3,77 = 78,67 reas. Assm o valor da fatura ao fnal do tercero mês será: 749, ,67 = 828,45 reas. Exercíco Smule o valor da dívda do Rcardo ao fnal de 6 meses. Exercíco Em quanto tempo a dívda do Rcardo se reduzra a metade da dívda ncal? Sera possível estmar em quantos meses, ou anos, ele qutara a dívda se contnuasse pagando somente o mínmo em cada mês? Exercíco Em grupos, dentfque os encargos cobrados nas faturas de cartão de crédto que trouxeram e calcule o valor: a) dos encargos que ncdem sobre a mesma em caso de 10 das de atraso. b) dos encargos no caso de pagamento mínmo. Nota ao professor: Algumas operadoras não dexam claros os encargos cobrados no atraso do pagamento. Incentve os alunos a entrarem em contato com as operadoras para esclarecer as dúvdas. Para o exercíco sugro que se nduza o aluno a perceber que ao fnal de cada mês ele paga apenas 1 (0,85. (1 + ( ,00503)) = 1 0, % da dívda do mês anteror. Se possível, utlze uma

34 34 planlha eletrônca para mostrar que ele levará mas de sete anos para qutar esta dívda. 2.9 Entenda como funcona fnancamento com parcelas guas Você já deve ter vsto város anúncos conforme o lustrado na Fgura 7. Fgura 7 Exemplo de anúnco com opção de parcelamento com juros Observe na Fgura 7 que o valor da parcela é o preço do produto à vsta dvddo em 10 prestações mensas, mas para a venda parcelada, cobram-se duas parcelas a mas, que representaram os juros em real. E a taxa de juros, quanto vale? Para calcular os juros deste e de outros tpos de fnancamento e empréstmos, prmero precsamos entender de que forma funcona este tpo de fnancamento, o de parcelas guas. Este sstema de amortzação é conhecdo como sstema PRICE. Exemplo 2.9.1: A Tabela 3 a segur mostra como é feta a amortzação e a atualzação de uma dívda de R$1.000,00, com juros de 4,24% a.m, dvddas em 8 prestações mensas de R$150,00, conforme Quadro 3. Empréstmo R$ 1.000,00 Juros 4,24% a.m. Parcelas 8 Valor da Parcela R$ 150,00 Quadro 3 Descrção do exemplo1

35 35 Tempo (mês) Saldo Devedor Prestação Saldo Devedor Prestação 0 0,00 0 0,00 1 0, 00. 1,0424 =1042,40 150, ,40-150,00 = 892, ,40. 1,0424 = 930,24 150,00 930,24-150,00 = 780, ,24. 1,0424 = 813,31 150,00 813,31-150,00 = 663, ,31. 1,0424 = 691,44 150,00 691,44-150,00 = 541, ,44. 1,0424 = 564,40 150,00 564,40-150,00 = 414, ,40. 1,0424 = 431,97 150,00 431,97-150,00 = 281, ,97. 1,0424 = 293,93 150,00 293,93-150,00 = 143, ,93. 1,0424 = 150,03 150,00 150, = 0,03 Tabela 3 Descrção da amortzação de fnancamento de parcelas guas Para fazer o cálculo do valor da parcela ou a taxa de juros do fnancamento, devemos consderar o fluxo de caxa e o valor do dnhero no tempo. Nota ao professor: Faça as contas da tabela 6 no quadro junto com os alunos. Nas duas vezes que aplque este materal, os alunos trouxeram dados de empréstmo fetos com agotas. O que justfca a mnha ctação a respeto de agotagem na seção 2. Caso eles tragam este tpo de dado, peça para algum aluno fazer as contas no quadro com ajuda dos colegas Prestação de fnancamento de parcelas guas sem entrada Exemplo : Carlos comprou um rádo no valor de R$300,00 em 4 parcelas mensas e guas. Sabendo que a taxa de juros cobrada é de 1%, calcule o valor da parcela. O fluxo de caxa lustrado na Fgura 8 representa esse problema. Fgura 8 Fluxo de caxa do exemplo 2 Como o valor do dnhero muda com o passar do tempo, neste caso 1%, vamos escrever cada uma das cnco parcelas em um mesmo tempo. Para facltar os cálculos vamos colocar no 4º período. Assm,

36 (1,01) 4 ; 1 4 P. (1,01) 3 ; 2 4 P. (1,01) 2 ; 3 4 P. (1,01) ; 4 4 P. Agora que todo fluxo está em uma mesma data podemos fazer operações com as parcelas. O preço do rádo é gual a soma das parcelas, então podemos escrever a equação: 300. (1,01) 4 = P + P. (1,01) + P. (1,01) 2 + P. (1,01) 3. Nota-se que as parcelas da parte dreta da gualdade formam uma PG de razão 1,04. Para calcular esta soma, utlzaremos então a fórmula de soma de PG: S n = a 1. (q n 1). q 1 Fazendo S n = 300. (1,01) 4 ; a 1 = P ; n = 4 e q = 1,04,temos: 300. (1,01) 4 = P. (1,014 1) 1, ,0406 = 300.1,0406 = 312,18 = P = O valor da prestação é R$76,89. P. 0,0406 0,01 312,18. 0,01 0,0406 P. (1,0406 1) 0,01 P. 0,0406 0,01 76,89. De manera geral, consdere um empréstmo C, fnancado em n prestações guas a P com juros de %. O fluxo de caxa lustrado na Fgura 9 representa esse problema:

37 37 Fgura 9 Fluxo de caxa generalzando o problema de fnancamento com n parcelas guas Escrevendo todos os valores no tempo n temos: C. (1 + n ) = P + P. (1 + 2 ) + P. (1 + ) + + P. (1 + n 1 ). Utlzando a fórmula de soma de PG no lado dreto da gualdade, temos: C. (1 + n P. ((1 + n ) ) 1) = (1 + ) 1 C. (1 + n P. ((1 + n ) ) = C. (1 + n P = ). ((1 + n. ) 1) 1) Exercíco : Calcule o valor da parcela de um fnancamento de: a) R$5.000,00 em 10 prestações guas e juros de 3%. b) R$1.500,00 em 8 prestações e juros de 7%. c) R$900,00 em 12 prestações e juros de 2,5%. Nota ao professor: Quando for generalzar, dexe claro para turma que o objetvo é mostrar como se obtém a fórmula, e que eles não precsarão reproduzr em avalações Taxa de juros de fnancamento de parcelas guas sem entrada Para o cálculo da taxa de juros de fnancamentos de parcelas guas sem entrada podemos utlzar a mesma fórmula geral utlzada para o cálculo do valor da parcela. Faremos j =, para facltar os cálculos:

38 38 C. (1 + j) n = P. ((1 + j)n 1) j C. (1 + j) n. j = P. (1 + j) n P C. (1 + j) n. j P. (1 + j) n + P = 0. Exemplo : Calcule a taxa de juros de um fnancamento no valor de R$1.000,00 dvddo em duas prestações de R$ 600,00. Para C = 0; P = 600 e n = 2, temos: 0. (1 + j) 2. j 600. (1 + j) = (1 + j) 2. j 6. (1 + j) = (1 + 2j + j²). j 6. (1 + 2j + j²) + 6 = 0 10j + 20j² + 10j³ 6 12j 6j² + 6 = 0 10j³ + 14j² 2j = 0 j. (10j² + 14j 2) = 0 j = 0 ou j 1,5131 ou j 0,131. A únca resposta possível é j 0,131 = 13,1%. Exercíco : Calcule a taxa de juros de um empréstmo de R$ 800,00 com duas prestações de R$480,00 sem entrada. Exemplo : Calcule a taxa de juros do fnancamento da TV da fgura 6. Neste caso, C = 699,00; P = 69,90 e n = 12: 699. (1 + j) 12. j 69,90. (1 + j) ,90 = (1 + j) 12. j (1 + j) = 0. Não exste um método smplfcado para resolver este tpo de equação, mas podemos encontrar uma solução aproxmada utlzando o método da bsseção que leva em conta duas nformações mportantes: Toda função polnomal é contínua no conjunto dos números reas, sto é toda função da forma f(x) = a n x n + a n 1 x n a 2 x 2 + a 1 x + a 0 tem, como representação gráfca, uma lnha nnterrupta. A Fgura 10a mostra

39 39 um exemplo de função contínua e a Fgura 10b de uma função descontínua nos conjunto dos números reas. (STEWART, 2001) (a) Função Contínua Fgura 10 - Gráfco de funções (b) Função descontínua (Teorema do valor ntermedáro) Seja f é uma função contínua em um ntervalo fechado [a, b] e f(a) < 0 < f(b) ou f(b) < 0 < f(a), então exste um c, a < c < b tal que f(c) = 0. (STEWART, 2001) Método da bsseção: Seja f uma função contínua em um ntervalo fechado [a, b] com f(a). f(b) < 0. Devemos encontrar um número j, tal que f(j) = 0. Para tal devemos executar os seguntes passos: 1º- Calcule os valores de f(a) e f(b). Se f(a) > 0 e f(b) < 0 ou f(a) < 0 e f(b) > 0, exste a < j < b tal que f(j) = 0; 2º - Calcule o ponto médo de [a, b], ponto médo = a+b. Calcule f (a+b ); 2 2 3º- Compare o valor de f ( a+b ) com os valores de f(a) e f(b). O ntervalo no 2 qual um dos extremos é postvo e outro negatvo é o ntervalo que contém j; 4º - Repta o processo neste ntervalo. Você pode repetr este processo até que seu erro seja nferor a 0,001, ou seja, até que o tamanho do ntervalo seja nferor a este valor. O tamanho do ntervalo é calculado, subtrando o extremos do ntervalo, no caso de um ntervalo [a, b], o tamanho do ntervalo mede b a. O erro sugerdo acma corresponde a uma dferença de 0,1% na taxa de juros cobrada no fnancamento. No método da bsseção, a cada teração, o tamanho do ntervalo ca

40 40 a metade, portanto, para um ntervalo de tamanho 1 são necessáras cerca de 10 terações para que ele alcance o tamanho 0,001. Com estas nformações podemos encontrar uma solução aproxmada para a equação 10. (1 + j) 12. j (1 + j) = 0. A função f(j) = 10. (1 + j) 12. j (1 + j) é polnomal, portanto contínua. Supondo que os juros estão entre 1% e 90% e que j =, vamos procurar o valor tal que f(j) = 0, para valores entre 0,01 < j < 0,9. Utlzando a calculadora temos que f(0,01) 0,014 e f(0,9) 17707,52, portanto exste um valor 0,01 < j < 0,9 tal que f(j) = 0. Tome o ponto médo deste ntervalo, a+b = 0,01+0,9 = 0,455. Temos que f(0,455) 320,58, portanto 2 2 0,01 < j < 0,455. O tamanho do ntervalo é 0,455 0,01 = 0,445. Tomando o ponto médo 0,01+0,455 2 = 0,2325, temos que f(0,2325) 17,28, portanto 0,01 < j < 0,2325. O tamanho do ntervalo é gual a 0,2325 0,01 = 0,2225. Fazendo mas uma teração, tomando o ponto médo gual a 0,12125, f(0,12125) 1,84,portanto 0,01 < j < 0, O tamanho do ntervalo é gual a 0, Assm, podemos afrmar que os juros cobrados neste fnancamento estão entre 1% e 12,125%. Este resultado não ndca um valor aproxmado dos juros cobrados pos ele pode ser qualquer valor entre 1% e 12,125%. Contnuando o processo podemos obter qualquer aproxmação de qualquer ordem que desejarmos. Exercíco Contnue o exemplo 2 fazendo mas três terações. Exercíco No exemplo , supomos que os juros de um fnancamento podem varar entre 1% e 90%. A escolha do valor dos juros máxmo e mínmo nfluenca dretamente no número de terações que devemos fazer para chegar a um resultado acetável do valor dos juros cobrados. Em sua opnão, você acha que esta escolha dos juros entre 1% e 90% fo a mas acertada? Exste uma forma bem smples de encontrar a taxa de juros de um fnancamento utlzando uma planlha eletrônca. Basta escrever o valor a ser fnancado, C, com snal negatvo em uma célula da planlha e nas células abaxo todas as prestações, P. Em seguda dgte em qualquer célula da planlha = TIR e selecone a coluna com todos os valores dgtados e tecle ENTER. O resultado é a

41 41 taxa de juros por período, sto é, se o pagamento é mensal, a taxa de juros no cálculo da TIR também será mensal. Observe que na Fgura 11 a fórmula pede uma estmatva. A estmatva é um número que se estma ser próxmo do resultado de TIR. As planlhas eletrôncas usam uma técnca teratva, algo smlar ao método das bsseções, para calcular TIR. Quando é fornecda uma estmatva, a ferramenta utlza este valor para começar a fazer o cálculo até que o resultado tenha uma precsão de 0,00001 por cento. Se TIR não puder localzar um resultado que funcone depos de vnte tentatvas, o valor de erro #NÚM! será retornado. Na maora dos casos, não é necessáro fornecer estmatva para o cálculo de TIR. Se estmatva for omtda, será consderada 0,1 que corresponde a 10%. A Fgura 11 lustra como encontrar o resultado do exemplo utlzando uma planlha eletrônca Fgura 11 Exemplo em planlha eletrônca, EXCEL, para cálculo da TIR Exercíco Em grupos, utlzando uma planlha eletrônca, calcule o valor dos juros de fnancamento de três produtos presentes nos encartes que vocês trouxeram. Nota ao professor: Como temos certeza que a equação C. (1 + j) n. j P. (1 + j) n + P = 0 possu uma únca solução j (0,1)? Se o captal C fo fnancado em n prestações no valor de P, podemos consderar três casos: C = n. P neste caso não fo cobrado juros, logo j = 0; C > n. P neste caso fo feto um parcelamento com desconto, assm j < 0. Este caso não é pratcado no mercado em geral;

42 42 C < n. P neste caso fo feto um parcelamento com juros. Assm, n > C P = α. Como C > P temos que α > 1. Dvdndo a equação C. (1 + j) n. j P. (1 + j) n + P = 0 por P e substtundo C P = α e (1 + j) = x temos: αx n (x 1) x n + 1 = 0 αx n+1 (α + 1)x n + 1 = 0. Neste caso devemos verfcar se exste uma únca raz no ntervalo (1,2). Para sso vamos a analsar a função f(x) = αx n+1 (α + 1)x n + 1 neste ntervalo. Calculando a prmera dervada e encontrando os pontos crítcos temos: f (x) = (n + 1)αx n n(α + 1)x n 1. Para f (x) = 0 temos x = 0 ou x = n(α+1). Como n, α, x > 0 e n > α temos que α(n+1) 1 < n(α+1) < 2. Para mostrar que essa desgualdade é verdadera. Suponha por α(n+1) absurdo que n(α+1) 1, neste caso temos n α. Da mesma forma, supondo que α(n+1) n(α+1) α(n+1) 2α 2, concluímos que n α.uma vez que o ponto crítco da função está α 1 no ntervalo (1,2), e que a dervada de uma função polnomal anda é uma função polnomal, portanto contínua em todo número real, faremos o teste da dervada prmera: f (1) = α n < 0 e f (2) = 2 n 1 (αn + 2α n) > 0. Assm, a função é decrescente para 1 < x < n(α+1) α(n+1) e crescente para x > n(α+1) α(n+1). Como f(1) = 0 então f(x) < 0 para 1 < x < n(α+1). Assm, exste um únco valor de α(n+1) x ( n(α+1) α(n+1), 2) tal que f(x) = 0 pos f(2) = 2n (α 1) + 1 > 0. Na mnha experênca, eu não consegu trabalhar com o cálculo da taxa de juros para fnancamentos de mas de duas parcelas em todas as turmas. Duas das turmas com as quas fz esta experênca eram turmas com muta dfculdade em manpulação algébrca. Cabe a você, professor, decdr até que ponto a sua turma pode chegar. No exercíco propus uma dscussão sobre qual sera a taxa de juros aproxmada de um parcelamento, uma vez que use valores muto dstantes da

43 43 realdade. Uma sugestão sera utlzar uma faxa entre a menor taxa juros de empréstmo e a maor taxa de juros de cartão de crédto, que é uma das mas altas do mercado. No momento em que fz a experênca estas taxas eram 0,99% e 9,99% respectvamente Parcela para fnancamento de parcelas guas com entrada. Alguns fnancamentos, como o de automóves, cobram um valor de entrada, sto é, um valor pago no ato da compra. Este valor de entrada pode ser qualquer valor nformado pelo estabelecmento ou anda pode ter o mesmo valor da parcela. Vamos analsar o caso em que a entrada seja um valor qualquer nformado pelo estabelecmento. Seja um fnancamento de um captal C, dvddo em n prestações guas a P, com uma entrada E e juros de %. A Fgura 11 mostra o fluxo de caxa deste tpo de fnancamento. Fgura 12 - Fluxo de caxa de um fnancamento de parcelas guas com entrada O procedmento para o cálculo da parcela é gual ao descrto na seção Escrevendo todos os valores no tempo n temos: (C E). (1 + n ) = P + P. (1 + 2 ) + P. (1 + ) + + P. (1 + n 1 ). Utlzando a fórmula de soma de PG no lado dreto da gualdade, temos: (C E). (1 + (C E). (1 + n P. ((1 + n ) ) 1) = (1 + ) 1 n ) = P. ((1 + n ) 1)

44 44 (C E). (1 + P = n ) ((1 + ) n 1).. E quando o valor da entrada tem o mesmo valor da parcela? Neste caso, o cálculo do valor da parcela sofre uma pequena alteração. Seja um fnancamento de um captal C, fnancado em n parcelas guas, com a prmera parcela no ato da compra e juros de %. A Fgura 12 mostra o fluxo de caxa deste tpo de fnancamento. Fgura 13 - Fluxo de caxa de um fnancamento em n parcelas guas com a prmera no ato da compra. Escrevendo todos os valores no tempo n 1 temos: (C P). (1 + C. (1 + C. (1 + n 1 ) = P + P. (1 + 2 ) + P. (1 + ) + + P. (1 + n 2 ) n 1 ) P. (1 + n 1 ) = P + P. (1 + n 2 ) + + P. (1 + ) n 1 ) = P + P. (1 + n 2 ) + + P. (1 + ) + P. (1 + n 1 ). Utlzando a fórmula de soma de PG no lado dreto da gualdade, temos: C. (1 + C (1 + C. (1 + P = n 1 P. ((1 + n ) ) 1) = (1 + ) 1 n 1 P. ((1 + n ) ) = n 1 ).. ((1 + ) n 1) 1)

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA

GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA GST0045 MATEMÁTICA FINANCEIRA Concetos Báscos e Smbologa HP-12C Prof. Antono Sérgo A. do Nascmento asergo@lve.estaco.br GST0045 Matemátca Fnancera 2 Valor do dnhero no tempo q O dnhero cresce no tempo

Leia mais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais

A Matemática Financeira nos Financiamentos Habitacionais 2013: Trabalho de Conclusão de Curso do Mestrado Profssonal em Matemátca - PROFMAT Unversdade Federal de São João del-re - UFSJ Socedade Braslera de Matemátca - SBM A Matemátca Fnancera nos Fnancamentos

Leia mais

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito.

Prof. Benjamin Cesar. Onde a(n, i) é o fator de valor atual de uma série de pagamentos. M: montante da renda na data do último depósito. Matemátca Fnancera Rendas Certas Prof. Benjamn Cesar Sére de Pagamentos Unforme e Peródca. Rendas Certas Anudades. É uma sequênca de n pagamentos de mesmo valor P, espaçados de um mesmo ntervalo de tempo

Leia mais

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação

Software. Guia do professor. Como comprar sua moto. Secretaria de Educação a Distância. Ministério da Ciência e Tecnologia. Ministério da Educação números e funções Gua do professor Software Como comprar sua moto Objetvos da undade 1. Aplcar o conceto de juros compostos; 2. Introduzr o conceto de empréstmo sob juros; 3. Mostrar aplcações de progressão

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU:

RESOLUÇÃO Nº 3259 RESOLVEU: Resolução nº 3259, de 28 de janero de 2005. RESOLUÇÃO Nº 3259 Altera o dreconamento de recursos captados em depóstos de poupança pelas entdades ntegrantes do Sstema Braslero de Poupança e Empréstmo (SBPE).

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Fnancera 007. Prof.: Luz Gonzaga Damasceno E-mals: amasceno04@yahoo.com.br amasceno@nterjato.com.br amasceno@hotmal.com 5. Taxa Over mensal equvalente. Para etermnar a rentablae por a útl one

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 00 ODELOS ATEÁTICOS E CONSUO DE ENERGIA ELÉTRICA Clece de Cássa Franco Cdade Centro Unverstáro Francscano klleyce@hotmal.com Leandra Anversa Foreze Centro Unverstáro Francscano

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil!

Olá, amigos concursandos de todo o Brasil! Matemátca Facera ICMS-RJ/008, com gabarto cometado Prof. Wager Carvalho Olá, amgos cocursados de todo o Brasl! Veremos, hoje, a prova do ICMS-RJ/008, com o gabarto cometado. - O artgo º da Le.948 de 8

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Taxas Equivalentes Rendas Análse de Projectos ESAPL / IPVC Taxas Equvalentes Rendas Taxas Equvalentes Duas taxas e, referentes a períodos dferentes, dzem-se equvalentes se, aplcadas a um mesmo captal, produzrem durante o mesmo

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO

1 SISTEMA FRANCÊS DE AMORTIZAÇÃO scpla de Matemátca Facera 212/1 Curso de Admstração em Gestão Públca Professora Ms. Valéra Espídola Lessa EMPRÉSTIMOS Um empréstmo ou facameto pode ser feto a curto, médo ou logo prazo. zemos que um empréstmo

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção

O Uso do Software Matlab Aplicado à Previsão de Índices da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenharia de Produção O Uso do Software Matlab Aplcado à Prevsão de Índces da Bolsa de Valores: Um Estudo de Caso no Curso de Engenhara de Produção VICENTE, S. A. S. Unversdade Presbterana Mackenze Rua da Consolação, 930 prédo

Leia mais

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno.

E-mails: damasceno1204@yahoo.com.br damasceno@interjato.com.br damasceno12@hotmail.com http://www. damasceno.info www. damasceno.info damasceno. Matemátca Facera 2007.1 Prof.: Luz Gozaga Damasceo 1 E-mals: damasceo1204@yahoo.com.br damasceo@terjato.com.br damasceo12@hotmal.com http://www. damasceo.fo www. damasceo.fo damasceo.fo Obs.: (1 Quado

Leia mais

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES

CÁLCULO DO ALUNO EQUIVALENTE PARA FINS DE ANÁLISE DE CUSTOS DE MANUTENÇÃO DAS IFES MIISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMETO DE DESEVOLVIMETO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR TECOLOGIA DA IFORMAÇÃO CÁLCULO DO ALUO EQUIVALETE PARA FIS DE AÁLISE DE CUSTOS DE MAUTEÇÃO DAS IFES

Leia mais

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital

Microeconomia II. Cursos de Economia e de Matemática Aplicada à Economia e Gestão AULA 4.3. Decisão Intertemporal do Consumidor O Mercado de Capital Mcroeconoma II Cursos de Economa e de Matemátca Aplcada à Economa e Gestão AULA 4.3 Decsão Intertemporal do Consumdor O Mercado de Captal Isabel Mendes 2007-2008 4/17/2008 Isabel Mendes/MICRO II 1 3. EQUILÍBRIO

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

ELETRICIDADE E MAGNETISMO

ELETRICIDADE E MAGNETISMO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E FÍSICA Professor: Renato Mederos ELETRICIDADE E MAGNETISMO NOTA DE AULA III Goâna - 2014 CORRENTE ELÉTRICA Estudamos anterormente

Leia mais

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações.

As tabelas resumem as informações obtidas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de informações. 1. TABELA DE DISTRIBUIÇÃO DE FREQÜÊNCIA As tabelas resumem as normações obtdas da amostra ou da população. Essas tabelas podem ser construídas sem ou com perda de normações. As tabelas sem perda de normação

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04

MA12 - Unidade 4 Somatórios e Binômio de Newton Semana de 11/04 a 17/04 MA1 - Udade 4 Somatóros e Bômo de Newto Semaa de 11/04 a 17/04 Nesta udade troduzremos a otação de somatóro, mostrado como a sua mapulação pode sstematzar e facltar o cálculo de somas Dada a mportâca de

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher

M = C( 1 + i.n ) J = C.i.n. J = C((1+i) n -1) MATEMÁTICA FINANCEIRA. M = C(1 + i) n BANCO DO BRASIL. Prof Pacher MATEMÁTICA 1 JUROS SIMPLES J = C.. M C J J = M - C M = C( 1 +. ) Teste exemplo. ados com valores para facltar a memorzação. Aplcado-se R$ 100,00 a juros smples, à taxa omal de 10% ao ao, o motate em reas

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS.

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS. SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO E O SISTEMA OU MÉTODO DE GAUSS. Antono erera da Slva Lcencado em Cêncas Econômcas erto Judcal O Sr. aulo Luz Durgan, Admnstrador do ste A RIORI, dsponblzou o artgo:- SFH, Sstema

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão

Prof. Antônio Carlos Fontes dos Santos. Aula 1: Divisores de tensão e Resistência interna de uma fonte de tensão IF-UFRJ Elementos de Eletrônca Analógca Prof. Antôno Carlos Fontes dos Santos FIW362 Mestrado Profssonal em Ensno de Físca Aula 1: Dvsores de tensão e Resstênca nterna de uma fonte de tensão Este materal

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma

Figura 8.1: Distribuição uniforme de pontos em uma malha uni-dimensional. A notação empregada neste capítulo para avaliação da derivada de uma Capítulo 8 Dferencação Numérca Quase todos os métodos numércos utlzados atualmente para obtenção de soluções de equações erencas ordnáras e parcas utlzam algum tpo de aproxmação para as dervadas contínuas

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t

Matemática. Veículo A. Veículo B. Os gráficos das funções interceptam-se quando 50t = 80t Matemátca 0 Dos veículos, A e B, partem de um ponto de uma estrada, em sentdos opostos e com velocdades constantes de 50km/h e 70km/h, respectvamente Após uma hora, o veículo B retorna e, medatamente,

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa.

Custo de Capital. O enfoque principal refere-se ao capital de longo prazo, pois este dá suporte aos investimentos nos ativos permanentes da empresa. Custo e Captal 1 Custo e Captal Seguno Gtman (2010, p. 432) o custo e Captal é a taxa e retorno que uma empresa precsa obter sobre seus nvestmentos para manter o valor a ação nalterao. Ele também poe ser

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade

Modelo de distribuição de recursos para o transporte escolar rural a partir dos princípios da igualdade e da equidade Modelo de dstrbução de recursos para o transporte escolar rural a partr dos prncípos da gualdade e da equdade Alan Rcardo da Slva 1 ; Yaeko Yamashta 2 Resumo: O transporte escolar rural consttu um mportante

Leia mais

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS

INTRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS NAS MEDIDAS DE GRANDEZAS FÍSICAS Físca Laboratoral Ano Lectvo 003/04 ITRODUÇÃO AO CÁLCULO DE ERROS AS MEDIDAS DE GRADEAS FÍSICAS. Introdução.... Erros de observação: erros sstemátcos e erros fortutos ou acdentas... 3. Precsão e rgor...3

Leia mais

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou!

Hoje não tem vitamina, o liquidificador quebrou! A U A UL LA Hoje não tem vtamna, o lqudfcador quebrou! Essa fo a notíca dramátca dada por Crstana no café da manhã, lgeramente amenzada pela promessa de uma breve solução. - Seu pa dsse que arruma à note!

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

JUROS: CONCEITOS E APLICAÇÕES. (moreirafrmat@hotmail.com) RESUMO

JUROS: CONCEITOS E APLICAÇÕES. (moreirafrmat@hotmail.com) RESUMO JUROS: CONCEITOS E APLICAÇÕES Fernando Rcardo Morera 1, Esdras Texera Costa 2, Rodrgo Couto Santos 3, Wendy Carnello Ferrera 4, Chrstan Das Cabacnha 5 1 Professor Mestre do Curso de Matemátca da Unversdade

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2013 DA UNICAMP-FASE 1. RESOLUÇÃO: PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 03 DA UNICAMP-FASE. PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA QUESTÃO 37 A fgura abaxo exbe, em porcentagem, a prevsão da oferta de energa no Brasl em 030, segundo o Plano Naconal

Leia mais

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características

Experiência V (aulas 08 e 09) Curvas características Experênca (aulas 08 e 09) Curvas característcas 1. Objetvos 2. Introdução 3. Procedmento expermental 4. Análse de dados 5. Referêncas 1. Objetvos Como no expermento anteror, remos estudar a adequação de

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO 1 ALGORITMO É a descrção de um conjunto de ações que, obedecdas, resultam numa sucessão fnta de passos, atngndo um objetvo. 1.1 AÇÃO É um acontecmento que a partr de um estado ncal,

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS

PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS PLANILHAS EXCEL/VBA PARA PROBLEMAS ENVOLVENDO EQUILÍBRIO LÍQUIDO-VAPOR EM SISTEMAS BINÁRIOS L. G. Olvera, J. K. S. Negreros, S. P. Nascmento, J. A. Cavalcante, N. A. Costa Unversdade Federal da Paraíba,

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição)

14. Correntes Alternadas (baseado no Halliday, 4 a edição) 14. orrentes Alternadas (baseado no Hallday, 4 a edção) Por que estudar orrentes Alternadas?.: a maora das casas, comérco, etc., são provdas de fação elétrca que conduz corrente alternada (A ou A em nglês):

Leia mais

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis.

PARTE 1. 1. Apresente as equações que descrevem o comportamento do preço de venda dos imóveis. EXERCICIOS AVALIATIVOS Dscplna: ECONOMETRIA Data lmte para entrega: da da 3ª prova Valor: 7 pontos INSTRUÇÕES: O trabalho é ndvdual. A dscussão das questões pode ser feta em grupo, mas cada aluno deve

Leia mais

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística

ESTATÍSTICA MULTIVARIADA 2º SEMESTRE 2010 / 11. EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revisões de Estatística ESTATÍSTICA MULTIVARIADA º SEMESTRE 010 / 11 EXERCÍCIOS PRÁTICOS - CADERNO 1 Revsões de Estatístca -0-11 1.1 1.1. (Varáves aleatóras: função de densdade e de dstrbução; Méda e Varânca enquanto expectatvas

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA

CAPÍTULO 2 DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA CAPÍTULO DESCRIÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICA DESCRITIVA. A MÉDIA ARITMÉTICA OU PROMÉDIO Defnção: é gual a soma dos valores do grupo de dados dvdda pelo número de valores. X x Soma dos valores de x número de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais