Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática Câmara dos Deputados"

Transcrição

1 Audênca Públca Comssão de Cênca e Tecnologa, Comuncação e Informátca Câmara dos Deputados Superntendente de Servços Prvados Brasíla, 11 de julho de 2007

2 AGENDA DEFINIÇÕES DA LGT REGULAMENTAÇÃO INTERCONEXÃO MODELO DE NEGÓCIO DE ACESSO À INTERNET

3 DEFINIÇÕES DA LGT SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES Conjunto de atvdades que possblta a oferta de telecomuncação. (LGT, Art. 60) Telecomuncação - transmssão, emssão ou recepção, por fo, radoeletrcdade, meos óptcos ou qualquer outro processo eletromagnétco, de símbolos, caracteres, snas, escrtos, magens, sons ou nformações de qualquer natureza. (LGT, Art. 60, 1º) SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Atvdade que acrescenta, a um servço de telecomuncação que lhe dá suporte e com o qual não se confunde, novas utldades relaconadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movmentação ou recuperação de nformações. (LGT, Art. 61) Servço de valor adconado não consttu servços de telecomuncações, classfcando-se seu provedor como usuáro do servço de telecomuncações que lhe dá suporte, com os dretos e deveres nerentes a essa condção. (LGT, Art. 61, 1º)

4 EXPLICANDO AS DEFINIÇÕES DA LGT SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES Servço de Telecomuncações é um meo que vablza a transmssão, emssão ou recepção, por dversos processos, de város tpos de nformações. SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Servço de Valor Adconado não é o meo que possblta a conexão entre pontos, mas sm uma atvdade que acrescenta a essa conexão novas utldades relaconadas ao acesso, armazenamento, apresentação, movmentação ou recuperação de nformações. O Servço de Telecomuncações oferecdo pelas prestadoras de servços de telecomuncações, é aquele destnado a transportar as nformações entre pontos fxos e que suporta a prestação do Servço de Conexão à Internet, que é o servço destnado, entre outras cosas, a vablzar as rotnas para admnstração de conexões à Internet (senhas, endereços e domínos Internet), armazenamento e acesso a nformações.

5 REGULAMENTAÇÃO MOTIVAÇÃO O Servço de Conexão à Internet é, necessaramente, suportado por um servço de telecomuncações. É assegurado aos nteressados o uso das redes de servços de telecomuncações para prestação de servço de valor adconado, cabendo à Agênca, para assegurar esse dreto, regular os condconamentos, assm como o relaconamento entre aqueles e as prestadoras de servço de telecomuncações. (LGT, Art. 61, 2º) OBJETIVOS Acesso Equânme e Irrestrto; Concorrênca e Compettvdade; Regulamentar o parágrafo 2º do Artgo 61 da Le Geral de Telecomuncações.

6 REGULAMENTAÇÃO EDITADAS Norma 004/95 - Regulamenta o Uso de Meos da Rede Públca de Telecomuncações para Acesso à Internet; Resolução 73/98 - Regulamento dos Servços de Telecomuncações (Art. 3, III); Resolução 190/99 - Regulamento para Uso de Redes de Servços de Comuncação de Massa por Assnatura para Provmento de Servços de Valor Adconado; Resolução 272/01 - Regulamento do Servço de Comuncação Multmída (Art. 7). Resolução 410/05 Regulamento Geral de Interconexão EM ELABORAÇÃO Unfcação e Atualzação da Regulamentação para o Uso de Servços e Redes de Telecomuncações no Acesso a Servços Internet

7 PRINCIPAIS DEFINIÇÕES NORMA 04/95 Servço de Conexão à Internet (SCI) Nome genérco que desgna Servço de Valor Adconado que possblta o acesso à Internet a Usuáros e Provedores de Servços de Informações. (Norma nº 004/95, 3, c) Provedor de Servço de Conexão à Internet (PSCI) Entdade que presta o Servço de Conexão a Internet. (Norma nº 004/95, 3, d) Provedor de Servço de Informações (PSI) Entdade que possu nformações de nteresse e as dspõem na Internet por ntermédo do Servço de Conexão a Internet. (Norma nº 004/95, 3, d)

8 PRINCIPAIS DEFINIÇÕES NORMA 04/95 NORMA Nº 004/95: "4.1. Para efeto desta Norma, consdera-se que o Servço de Conexão à Internet consttuse: a) dos equpamentos necessáros aos processos de roteamento, armazenamento e encamnhamento de nformações, e dos "software" e "hardware" necessáros para o provedor mplementar os protocolos da Internet e gerencar e admnstrar o servço; b) das rotnas para admnstração de conexões à Internet (senhas, endereços e domínos Internet); c) dos "softwares" dspostos pelo PSCI: aplcatvos tas como - correo eletrônco, acesso a computadores remotos, transferênca de arquvos, acesso a banco de dados, acesso a dretóros, e outros correlatos -, mecansmos de controle e segurança, e outros; d) dos arquvos de dados, cadastros e outras nformações dspostas pelo PSCI; e) do "hardware" necessáro para o provedor ofertar, manter, gerencar e admnstrar os "softwares" e os arquvos especfcados nas letras "b","c" e "d" deste subtem; f) outros "hardwares" e "softwares" específcos, utlzados pelo PSCI."

9 JURISPRUDÊNCIA RELATIVA AO SCI DO ENTENDIMENTO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA - STJ O Superor de Trbunal de Justça, em decsão prolatada nos autos do Recurso Especal /2002, relatado pela Emnente Mnstra Elana Calmon, ratfcou a posção da Anatel que Servço de Conexão à Internet não consttu Servço de Telecomuncações, mas sm Servço de Valor Adconado. Súmula 334, de 14/02/2007 O ICMS não ncde no servço dos provedores de acesso à Internet. DO ENTENDIMENTO DOUTRINÁRIO Conforme ensna Ives Gandra Martns: Houve por bem, a Unão, com exclusva, prvatva e únca competênca, tanto para explorar a atvdade quanto para legslar sobre a matéra, reconhecer e estabelecer que o provedor de acesso não exerce atvdade de telecomuncações, prestando apenas um servço paralelo, adconal ao de telecomuncações, razão pela qual, apesar de ser utlzado apenas como auxlar às telecomuncações, não é servço de telecomuncações (art. 61 1º da Le 9472/97). n Jornal Valor Econômco/Empresas, 11/10/2001.

10 INTERCONEXÃO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES É a lgação entre redes de telecomuncações funconalmente compatíves, de modo que os usuáros de servços de uma rede possam comuncar-se com usuáros de servços de outra ou acessar servços nela dsponíves. (LGT, Art. 146, parágrafo únco) A nterconexão é obrgatóra quando solctada por qualquer prestadora de servço de telecomuncação de nteresse coletvo, a outra prestadora de servço de telecomuncação de nteresse coletvo. (RGI, Art. 12)

11 INTERCONEXÃO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES INTERCONEXÃO DE REDES REDE DO STFC CLASSE I REDE DO STFC REDE DO SMP CLASSE II CLASSE IV REDE DO SMP REDE SCM CLASSE V REDE SCM Assnante SCM REDE SVA Assnante SCM Assnante SCM REDE SVA Assnante SCM Acordos Comercas de Tráfego Assnante SVA Assnante SVA Assnante SVA Assnante SVA Assnante SVA Assnante SVA

12 INTERCONEXÃO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES E SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET Não há que se falar em nterconexão quanto ao Servço de Conexão à Internet, por não ser este um servço de telecomuncações. Entretanto, a nterconexão é obrgatóra entre redes de suporte aos Servços de Telecomuncações, de nteresse coletvo, onde transta, dentre outros, o tráfego da Internet. Deve ser observada a dssocação entre o Servço de Telecomuncações que dá suporte à prestação do Servço de Valor Adconado e o Servço de Conexão à Internet, que é o Servço de Valor Adconado.

13 INTERCONEXÃO DE REDES DE SCM - CLASSE V - e SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET U s u á r o ACESSO DISCADO STFC/ SMP PROVEDOR(ES) DE SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET ACESSO DISCADO STFC/ SMP U s u á r o R e s d e n c a l ACESSO DEDICADO BANDA LARGA REDE SERVIÇO COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA - IP EMPRESA A ACESSO DEDICADO BANDA LARGA R e s d e n c a l USUÁRIOS SCM CORPORATIVOS PONTOS DE INTERCONEXÃO USUÁRIOS SCM CORPORATIVOS U s u á r o R e s d e n c a l ACESSO DEDICADO BANDA LARGA STFC/ SMP ACESSO DISCADO REDE SERVIÇO COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA IP EMPRESA B PROVEDOR(ES) DE SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET ACESSO DEDICADO BANDA LARGA STFC/ SMP ACESSO DISCADO U s u á r o R e s d e n c a l

14 MODELO DE NEGÓCIOS DE ACESSO À INTERNET Acesso Equânme e Irrestrto USUÁRIO PRESTADORA STFC/SMP ACESSO PSCI (VALOR ADICIONADO BACKBONE INTERNET Σ SERVIÇO DE TELECOM. INTERNET UOL Servços & Conteúdo (TCP/IP)

15 MODELO DE NEGÓCIOS DE ACESSO À INTERNET Acesso Equânme e Irrestrto USUÁRIO PRESTADORA STFC/SMP SERVIÇO SERVIÇO DE DE TELECOM. HFC (TCP/IP) ACESSO CONEXÃO PSCI (VALOR ADICIONADO) UOL Servços & Conteúdo BACKBONE INTERNET INTERNET (TCP/IP) AOL Servços & Conteúdo Lberdade de escolha de Operadora de Servço de Telecom e de Provedor de Servço de conexão à Internet (PSCI)

16 MODELO DE NEGÓCIOS DE ACESSO À INTERNET Acesso Equânme e Irrestrto USUÁRIO Σ PRESTADORA TELECOM BANDA LARGA SERVIÇO DE TELECOM. ACESSO PSCI (VALOR ADICIONADO) BACKBONE INTERNET BrT/TELEMAR Rede HFC (TCP/IP) IP LOCAL UOL Servços & Conteúdo EMBRATEL OUTRAS IP GLOBAL

17 MODELO DE NEGÓCIOS DE ACESSO À INTERNET Acesso Equânme e Irrestrto USUÁRIO PRESTADORA TELECOM BANDA LARGA SERVIÇO DE TELECOM. ACESSO PSCI (VALOR ADICIONADO) Σ BACKBONE INTERNET BrT/TELEMAR Rede HFC (TCP/IP) IP LOCAL IP LOCAL UOL Servços & Conteúdo EMBRATEL OUTRAS IP GLOBAL SERVIÇO DE TELECOM. IP LOCAL IP LOCAL PSCI Telcos Rede ADSL/3G (TCP/IP) Lberdade de escolha de Operadora de Servço de Telecom e de Provedor de Servço de conexão à Internet (PSCI)

18 VISÃO DAS OPERADORAS DE MODELO DE NEGÓCIOS DE ACESSO À INTERNET O Acesso é Equânme e Irrestrto? Haverá aumento de concorrênca e compettvdade? USUÁRIO PRESTADORA TELECOM BANDA LARGA SERVIÇO DE TELECOM. HFC (TCP/IP) AOL YAHOO UOL CORREIO WEB TODOS OS OUTROS SERVIÇO DE TELECOM. ADSL/3G TCP/IP IP LOCAL IP LOCAL IP LOCAL ACESSO PSCI (VALOR ADICIONADO) SVA IP GLOBAL IP GLOBAL BACKBONE INTERNET INTERNET (TCP/IP) OUTRAS AOL YAHOO UOL CORREIO WEB TODOS OS OUTROS TELEFÔNICA EMBRATEL

19 CONSIDERAÇÕES FINAIS Legslação Vgente Garante Acesso Equânme e Irrestrto Promove desenvolvmento tecnológco Estmula a competção no setor Atende as necessdades dos consumdores e do mercado Promove desenvolvmento econômco & socal

20 Obrgado!

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

l. k. ESTADO DA PARAIBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO

l. k. ESTADO DA PARAIBA GAB. DES. MANOEL SOARES MONTEIRO -- --- r "' f344 l k = 2= r ; : / " IF9 AI!q : * ' "8 JIMMAI "'I 4 S rt t'' : ESTADO DA PARAIBA _ - : n'" PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA f' GAB DES MANOEL SOARES MONTEIRO ft!: :! ACÓRDÃO "I!':: ::

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS PÁG. 1 DE 13 PRÁTICA DE SERVIÇO DE BANDA LARGA REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇO DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL Sumário 1.OBJETIVO... 2 2.CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3.DEFINIÇÕES...

Leia mais

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 Lívio Peixoto do Nascimento Gerente Anatel/RN UFRN Natal - RN Outubro/2013 Agenda Convergência Tecnológica Evolução dos Marcos Regulatórios Avaliação

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET er@ da informação impacto nos serviços Edmundo Antonio Matarazzo Superintendência de Universalização agosto

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano Fale Light PAS 068 Modalidade do STFC Local. Descrição

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 8ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO COMARCA DE SÃO PAULO FORO CENTRAL - FAZENDA PÚBLICA/ACIDENTES 8ª VARA DE FAZENDA PÚBLICA fls. 1 SENTENÇA Processo nº: Impetrante: Impetrado: 1013166-69.2013.8.26.0053 - Mandado de Segurança HELLO BRAZIL TELECOMUCICAÇÕES LTDA. DIRETOR DO DEPARTAMENTO DE RENDAS MOBILIARIAS DA SECRETARIA DAS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 036 Modalidade

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Via Fone Fale Simples Modalidade do STFC Local. Descrição Resumida A adesão a este plano

Leia mais

Legislação de Telecomunicações

Legislação de Telecomunicações Legislação de Telecomunicações Objetivos Conhecer sobre a entidade responsável pela regulamentação na área Como o orgão legislador influência a área de redes Saber definir o que vem a ser serviço de valor

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011

LGW4000 Labcom Media Gateway. Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway Labcom Media Gateway Apresentação Geral 10/11/2011 LGW4000 Labcom Media Gateway LGW4000 é um Media Gateway desenvolvido pela Labcom Sistemas que permite a integração entre

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

Anotações sobre a tributação do serviço de conexão à internet em alta velocidade

Anotações sobre a tributação do serviço de conexão à internet em alta velocidade Estudo Técnico Anotações sobre a tributação do serviço de conexão à internet em alta velocidade Considerações preliminares O acentuado desenvolvimento tecnológico no campo das telecomunicações desde a

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 19.479/10/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000162662-08 Impugnação: 40.

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. Acórdão: 19.479/10/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000162662-08 Impugnação: 40. Acórdão: 19.479/10/3ª Rito: Sumário PTA/AI: 01.000162662-08 Impugnação: 40.010126104-02 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Planetarium Ltda IE: 062295010.00-81 Paulo Henrique da Silva Vitor/Outro(s)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 456.650 - PR (2003/0223462-0) RELATOR : MINISTRO JOSÉ DELGADO R.P/ACÓRDÃO : MINISTRO FRANCIULLI NETTO EMBARGANTE : ESTADO DO PARANÁ PROCURADOR : CÉSAR AUGUSTO BINDER

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Anatel Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Porto Alegre, 4 de junho de 2009. Eng. Mauricio Peroni Especialista

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP

SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP SCM Conceitos, Conflitos e sua Aplicação para VoIP Este tutorial apresenta o conceito da licença de Serviço de Comunicação Multimídia (SCM), os conflitos com outros serviços de telecomunicações e sua aplicabilidade

Leia mais

MARCELO BECHARA Maio de 2013

MARCELO BECHARA Maio de 2013 MARCELO BECHARA Maio de 2013 Contextualização HISTÓRICO DA INTERNET ORIGEM: Década de 60 Guerra Fria (EUA) conexão entre computadores de forma descentralizada. Após dois anos, expansão da rede com crescimento

Leia mais

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET

APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET APOSTILA BÁSICA SOBRE INTERNET DEFINIÇÕES BÁSICAS A Internet é um conjunto de redes de computadores interligados pelo mundo inteiro, ue têm em comum um conjunto de protocolos e serviços. O ue permite a

Leia mais

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte

Controle de Ponto Eletrônico. Belo Horizonte Controle de Ponto Eletrônco da Câmara Muncpal de Belo Horzonte Instrutor: André Mafa Latn DIVPES agosto de 2010 Objetvo Informar sobre o preenchmento da folha de frequênca; Facltar o trabalho das chefas;

Leia mais

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM

TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM \1erra do guaraná" TERMO DE CONTRATO N 001/2014 - CMM CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE ACESSO A INTERNET VIA SATÉLITE ATRAVÉS DE LINK DEDICADO, QUE ENTRE SI FAZEM A CÂMRA MUNICIPAL DE MAUÉS E A EMPRESA C H M

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com.

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com. 2. VoIP Meeting IP News 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307 0307 fds01@terra.com.br VOIP Conceito: Voice Over IP (Voz sobre IP) Anatel: Não regulamenta

Leia mais

NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA

NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA Luiz Fernando Fauth Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL ibusiness 2011 Curitiba, 24/11/2011 SUMÁRIO Cenário atual do SCM Consulta Pública

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano 093 Local Modalidade do STFC Local. Descrição Resumida A adesão a este plano de serviço

Leia mais

LEI GERAL DAS TELECOMUNICAÇÕES Aparente divergência entre os arts. 86 e 207, 3º

LEI GERAL DAS TELECOMUNICAÇÕES Aparente divergência entre os arts. 86 e 207, 3º LEI GERAL DAS TELECOMUNICAÇÕES Aparente divergência entre os arts. 86 e 207, 3º Amaury Cunha Carvalho Administrador, Bacharel em Direito, aluno da Pós-Graduação da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Leia mais

EXIGÊNCIA DE CONTRATAÇÃO DE PROVEDOR DE SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET PARA O ACESSO EM BANDA LARGA

EXIGÊNCIA DE CONTRATAÇÃO DE PROVEDOR DE SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET PARA O ACESSO EM BANDA LARGA ESTUDO EXIGÊNCIA DE CONTRATAÇÃO DE PROVEDOR DE SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET PARA O ACESSO EM BANDA LARGA Elizabeth Machado Veloso Consultora Legislativa da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomuncações,

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA

ACÓRDÃO. Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA 1 Poder Judcáro Trbunal de Justça da Paraíba Gabnete Des. JORGE RIBEIRO NÓBREGA ACÓRDÃO EMBARGOS DE DECLARAÇÃO N. 888.200.2005.019.401-41001 Orundo da 7a Vara da Fazenda Públca da Comarca da Captal RELATOR

Leia mais

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network

1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord 1969 ARPANet - Advanced Research Projects Agency Network O

Leia mais

INFORME. Proposta de alteração do Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia SCM, aprovado pela Resolução nº 272, de 9 de agosto de 2001.

INFORME. Proposta de alteração do Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia SCM, aprovado pela Resolução nº 272, de 9 de agosto de 2001. 1. INTERESSADO Superintendência de Serviços Privados SPV 2. DESTINATÁRIO Conselho Diretor da Anatel CD 3. ASSUNTO Proposta de alteração do Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia SCM, aprovado

Leia mais

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL Documento: Tutorial Autor: Iuri Sonego Cardoso Data: 27/05/2005 E-mail: iuri@scripthome.cjb.net Home Page: http://www.scripthome.cjb.net ALTERNATIVA PARA CONEXÃO VIA INTERNET DE IP MASCARADO A IP REAL

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

Questões sobre Tributação de SVA

Questões sobre Tributação de SVA Questões sobre Tributação de SVA Novembro de 2009 Panorama Atual Serviços de Valor Adicionado são tributados como serviços de telecomunicações, em desrespeito ao art. 61 da LGT Art 61. Serviço de valor

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC Empresa PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 095-LC Modalidade

Leia mais

Serviços Prestados Infovia Brasília

Serviços Prestados Infovia Brasília Serviços Prestados Infovia Brasília Vanildo Pereira de Figueiredo Brasília, outubro de 2009 Agenda I. INFOVIA Serviços de Voz Softphone e Asterisk INFOVIA MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO INFOVIA MINISTÉRIO

Leia mais

ANÁLISE PRELIMINAR DA MEDIDA PROVISÓRIA 359, QUE AUMENTA O VALOR DA GRATIFICAÇÃO - GDASS DOS SERVIDORES DO INSS E DA LEI 11.

ANÁLISE PRELIMINAR DA MEDIDA PROVISÓRIA 359, QUE AUMENTA O VALOR DA GRATIFICAÇÃO - GDASS DOS SERVIDORES DO INSS E DA LEI 11. ANÁLSE PRELMNAR DA MEDDA PROVSÓRA 359, QUE AUMENTA O VALOR DA GRATFCAÇÃO - GDASS DOS SERVDORES DO NSS E DA LE 11.457, AMBAS DE 16 DE MARÇO DE 2007, QUE CRA A SUPER RECETA. SERVDORES REDSTRBUÍDOS: Em relação

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

A Convergência do Ponto de Vista Regulatório

A Convergência do Ponto de Vista Regulatório A Convergência do Ponto de Vista Regulatório 48 0 Painel da Telebrasil Ilha de Comandatuba, 1 a 4 de julho de 2004 José Leite Pereira Filho Conselheiro 1 Conteúdo Conceituação da Convergência Questões

Leia mais

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social 50 0 PAINEL TELEBRASIL 2006 Angra dos Reis, RJ, 2 de junho de 2006 José Leite Pereira Filho Conselheiro Diretor Conselheiro

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s:

Rede d s d e d Com o pu p t u ado d r o es Conceitos Básicos M d o e d los o de d Re R de d s: Tecnologia em Redes de Computadores Redes de Computadores Professor: André Sobral e-mail: alsobral@gmail.com Conceitos Básicos Modelos de Redes: O O conceito de camada é utilizado para descrever como ocorre

Leia mais

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA

Sessão de 16 de dezembro de 2015 RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 RECORRENTE CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA PUBLICAÇÃO DA DECISÃO DO ACÓRDÃO No D.O. 14 / 03 / 2016 Fls.: 08 SERVIÇO PÚBLICO ESTADUAL Rubrica: ID 42833175 Sessão de 16 de dezembro de 2015 SEGUNDA CÂMARA RECURSO Nº - 61.641 ACÓRDÃO Nº 14.396 INSCRIÇÃO

Leia mais

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA)

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Código do Serviço: 3005001 Nome do Serviço: Data de Publicação: 30/04/2013 Entrada em Vigor: SAN AUTENTICAÇÃO 01/06/2013 Versão: 1.0000 Status: Publicado

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE FALE FIXO LOCAL PLANO ALTERANTIVO N 107 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE FALE FIXO LOCAL PLANO ALTERANTIVO N 107 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE FALE FIXO LOCAL PLANO ALTERANTIVO N 107 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE FALE FIXO LOCAL PAS 107 - LC

Leia mais

TERMO DE CONCLUSÃO SENTENÇA. Processo nº: 614/10 0010093-14.2010.8.26.0053 - Procedimento Ordinário

TERMO DE CONCLUSÃO SENTENÇA. Processo nº: 614/10 0010093-14.2010.8.26.0053 - Procedimento Ordinário fls. 1 TERMO DE CONCLUSÃO Eu, Ana Lúcia de Souza Freitas, Escrevente-Chefe, matr. nº M312205, em 02 de fevereiro de 2011, faço estes autos conclusos ao MM. Juiz de Direito Dr. Emílio Migliano Neto. SENTENÇA

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio VoIP Peering Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio Histórico 2005 2004 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1996 1995 1993 Plataformas de Suporte ao Cliente Final Suporte ao protocolo SIP POP em Miami

Leia mais

Migrando para um AS Caso Ciblis

Migrando para um AS Caso Ciblis Migrando para um AS Caso Ciblis Fabrício Nunes Monte Fabricio.monte@comdominio.com.br Pablo F. L. Neves pablo.neves@comdominio.com.br 02/12/05 Versão 1.1 Departamento de Redes Apresentação do caso O evento

Leia mais

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira

RELATÓRION0 /2012 Acompanhamento de Projeto Período: / / pág.oi/o/ Contrapartida Não-Rnanceira RELATÓRION0 /2012 de Projeto Período: / / pág.o/o/ Contrapartda Não-Rnancera Projeto: Sala de stuação para montoramento hdrológco e sstema de prevsão e alerta de cheas com estação lnmétrca para o muncípo

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

SERVIÇO DE GESTÃO REGULATÓRIA MWT SEU DESAFIO, NOSSA INSPIRAÇÃO!

SERVIÇO DE GESTÃO REGULATÓRIA MWT SEU DESAFIO, NOSSA INSPIRAÇÃO! SERVIÇO DE GESTÃO REGULATÓRIA MWT SEU DESAFIO, NOSSA INSPIRAÇÃO! Obtenção de Outorgas e Autorizações Tipos de Outorgas e Serviço ANATEL... p. 1 a 3 Fases do Processo... p. 4 a 6 Investimentos: Honorários

Leia mais

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1 INTERNET Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br http://www.inf.ufsm.br/~leandromc Colégio Politécnico 1 Internet Origem: Guerra Fria DARPA (Departamento de Defesa de Pesquisas Avançadas)

Leia mais

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Razões para mudar a legislação Antes de mudar, definir

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia. para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções

A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia. para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções C O M U N I C A Ç Ã O D I G I T A L A Sothis é uma empresa provedora de voz e dados com suporte a gestão de economia para sua empresa. Através da Tecnologia de IP, dispomos de soluções para o trafego de

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 LIGANDO MICROS EM REDE Copyright 2007, Laércio Vasconcelos Computação LTDA DIREITOS AUTORAIS Este livro possui registro

Leia mais

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário.

3. Take over: Termo do inglês que significa Adquirir. O termo indica a aquisição de uma companhia por outra mediante a assunção do controle acionário. 1. Tabela Prce: Tabela utlzada para a amortzação de dívda. As prestações calculadas dela têm um valor constante por todo o período de pagamento da dívda. 2. Tag along: Termo do nglês que sgnfca precfcar

Leia mais

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL

PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL PÁG. 1 DE 8 PRÁTICA REQUISITOS MÍNIMOS PARA AS EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARTICIPANTES DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL ITEM SUMÁRIO PÁG. 1. OBJETIVO... 2 2. CAMPO

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado. MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009

Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado. MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009 Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009 março de 2010 Agenda Preâmbulo Conceitos Internacionais Princípios

Leia mais

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II

ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II ANEXO I-a ARQUITETURA DA REDE INFOSUS II 1. Descrição da rede INFOSUS II A Rede INFOSUS II, Infovia Integrada do Sistema Único de Saúde (SUS), consistirá em infra-estrutura de telecomunicações, a ser utilizada

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet. Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015

Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet. Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015 Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015 CGI.br Introdução Período de recebimento das contribuições: 19

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO DESTINATÁRIO 1.1. Interessado CPRP - Gerência de Monitoramento de Relações entre Prestadoras 1.2. Responsável TIAGO BRAGA BORGO 1.3. Referência Fiscalização realizada em atendimento

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Almeida Macedo.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Almeida Macedo. _ * loar ns J 7r ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA ACÓRDÃO AGRAVO DE INsTRum ENTO N" 200400753- REATOR Des João Machado de Souza AGRAVANTE : Telemar Norte Leste S/A - Adv Carla Adrana

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País

Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País Ministério das Comunicações Investimentos brasileiros para melhoria da qualidade da banda larga e para a proteção de dados no País Artur Coimbra Diretor do Departamento de Banda Larga Ministério das Comunicações

Leia mais

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia

PROJETO BÁSICO. Serviço de Comunicação Multimídia PROJETO BÁSICO Serviço de Comunicação Multimídia xxxxxxxxxx, xx de xxxxx de 2009 PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. n 272 da Anatel - SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) O B J E T O SOLICITAÇÃO DE

Leia mais

Internet Visão Geral. O que é a Internet? Ong Ação Cidadã

Internet Visão Geral. O que é a Internet? Ong Ação Cidadã Internet Visão Geral Ong Ação Cidadã O que é a Internet? INTERNET é o conjunto de computadores conectados em escala mundial, utilizando o protocolo TCP/IP para comunicar entre si. Nasceu em 1969 com a

Leia mais

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Mercados em potencial de serviços Serviços da Web ftp,http,email,news,icq! Mercados em potencial de serviços FTP IRC Telnet E-mail WWW Videoconferência

Leia mais

Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil

Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil Metodologia de pesquisa Diagnóstico Contexto histórico Transversalidade Panorama brasileiro Marcos legais e regulatórios Gargalos Interfaces

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

GTS Grupo de Trabalho em Segurança. Implementação do Mail Submission na Sercomtel S.A Telecomunicações e Sercomtel Internet

GTS Grupo de Trabalho em Segurança. Implementação do Mail Submission na Sercomtel S.A Telecomunicações e Sercomtel Internet Implementação do Mail Submission na Sercomtel S.A Telecomunicações e Sercomtel Internet SITUAÇÃO GEOGRÁFICA Municípios Limítrofes Tamarana, Cambé, Sertanópolis, Assaí, São Jerônimo da Serra, Marilândia

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR. Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e Do reajuste tarifário das chamadas telefônicas do STFC envolvendo acessos do SMP e SME à luz do Regulamento anexo à Resolução nº 576/2011 da Anatel Luciana Chaves Freire Félix Procuradora Federal em Brasília-DF

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 3 REFLEXÃO 3 Módulos 0771, 0773, 0774 e 0775 1/5 18-02-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0771 - Conexões de rede, 0773 - Rede local - instalação,

Leia mais

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados

Era da Informação exige troca de informações entre pessoas para aperfeiçoar conhecimentos dos mais variados O Uso da Internet e seus Recursos Ana Paula Terra Bacelo anapaula@cglobal.pucrs.br Faculdade de Informática /PUCRS Sumário Introdução Internet: conceitos básicos Serviços da Internet Trabalhos Cooperativos

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Prof. BRUNO GUILHEN Vídeo Aula VESTCON MÓDULO I - INTERNET Aula 01 O processo de Navegação na Internet. A CONEXÃO USUÁRIO PROVEDOR EMPRESA DE TELECOM On-Line A conexão pode ser

Leia mais

VOIP e o ICMS-comunicação

VOIP e o ICMS-comunicação VOIP e o ICMS-comunicação Elaborado em 02.2007. Fernando Awensztern Pavlovsky Bacharel em Direito pela Fundação Armando Álvares Penteado. Especialista em Direito Tributário pela Pontifícia Universidade

Leia mais

Procedimentos e Recursos Técnicos

Procedimentos e Recursos Técnicos Procedimentos e Recursos Técnicos Procedimentos e Recursos Técnicos Aprenderemos neste Curso Web alguns procedimentos e recursos técnicos utilizados Para realizar a configuração de sistemas de CFTV. Configurar

Leia mais

HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO

HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO RESOLUÇÃO N.º 410, de 11 de julho de 2005 da ANATEL D.O.U. de 13/07/2005. INTERCONEXÃO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES DE INTERESSE

Leia mais

ipbras MUNDIAL VOIP DESENVOLVIMENTO PROJETO / ORÇAMENTO Orçamento para desenvolvimento de sistema web based Página w w w. i p b r a s.

ipbras MUNDIAL VOIP DESENVOLVIMENTO PROJETO / ORÇAMENTO Orçamento para desenvolvimento de sistema web based Página w w w. i p b r a s. 1 Orçamento para desenvolvimento de sistema web based MUNDIAL VOIP Quem é a IPBRAS.COM 2 Desde sua criação, no início de 2003 a IPBRAS, uma empresa 100%.COM, localizada em Penápolis-SP, Brasil, tem uma

Leia mais

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião

INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião INTRODUÇÃO A REDES DE COMPUTADORES (DEFINIÇÕES) Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É? Uma Rede de Computadores é formada por um conjunto de equipamentos(módulos processadores - MPs) capazes de trocar informações

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Das ideias ao sucesso

Das ideias ao sucesso www.pwc.pt Das deas ao sucesso PwC Startup Portugal 1 mllon fund project Busness Plan FY 2014/2015 Crou recentemente uma empresa com forte capacdade de crescmento? Tem espírto empreendedor com deas novadoras?

Leia mais