Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado. MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado. MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009"

Transcrição

1 Exploração de SMP por meio de Rede Virtual Credenciado & Autorizado MVNO (Mobile Virtual Network Operator) Consulta Pública nº 50/2009 março de 2010

2 Agenda Preâmbulo Conceitos Internacionais Princípios Modelo Proposto Estrutura do Regulamento

3 Prestador do SMP por meio de rede virtual Escopo do Regulamento: Criação de condições para que o serviço móvel seja explorado por outras entidades que não as Autorizadas do SMP - Serviço Móvel Pessoal que possuem outorga de uso de radiofrequências (em conformidade com o Anexo à Resolução n 454/2006)

4 O que se busca Pelo menos 4 operadores em cada mercado Lançamento das frequências e das aplicações 3G Cenário Atual Novas aplicações para o SMP Portabilidade numérica Pressão mercadológica para regulamentação Objetivos Possibilitar novos modelos de negócio Permitir a oferta de serviços por entidades que não detenham autorização de uso de radiofrequência Atendimento de mercados de nicho Variedade, Qualidade, Maior oferta Criação do mercado de atacado para o SMP

5 O que se busca O que se pretende? Viabilizar a oferta do SMP por empresas que não detenham uma Autorização (Credenciados) Definir contornos mínimos para operação com garantia de proteção dos direitos dos Usuários Exemplos de Linhas de negócio Serviços de Localização/Rastreamento Caso Volvo, Gristec Serviços de Conteúdo Bancos, Cartões de Crédito, Prestadores de SVA, Times de Futebol Operadoras de Massa Casas de Varejo Prestadores de outros serviços de Telecomunicações Operadoras regionais Ofertas de combos

6 Agenda Preâmbulo Conceitos Internacionais Princípios Modelo Proposto Estrutura do Regulamento

7 Conceitos Internacionais - Cadeia de Valor Rede e Infraestrutura Produtos & Serviços Marketing & Vendas Atendimento ao cliente Distribuição Rede de acesso Rede Core IT Software Sistemas de BSS e OSS Voz, Dados, Conteúdo Portal VAS Marketing e Publicidade Faturamento Atendimento e Suporte Aquisição de Clientes e logística Operadoras Tradicionais (MNO) MNO Full MVNO MNO Light MVNO / Enhanced Service Provider MNO MVNE Brand Reseller 1 Brand Reseller 2 Brand Reseller n

8 Conceitos Internacionais MVNO Modelos de MVNO MVNO (Mobile Virtual Network Operator) é um operador móvel que não possui sua própria licença para uso de frequências e eventualmente não possui sua própria infraestrutura de rede. Em geral, MVNOs têm acordos comerciais com operadoras móveis tradicionais para comprar minutos de uso (MOU) para vender para os seus usuários finais. MNO MNO Mobile Network Operator é a designação para a Operadora Móvel tradicional detentora de licença para uso de radiofrequências. Provedor de Serviço Clássico (Service Provider - SP): revendedor de tráfego de um operador tradicional; Revendedor de Marca (Brand Resseler - BR): Categoria de SP que agrega a sua marca ao tráfego revendido; ESP (Enhanced Service Provider) ou Light MVNO: É um MVNO híbrido, possui SIM cards próprios e controla alguns elementos de rede; MVNO completo (Full MVNO): Detém infraestrutura própria (incluindo HLR), exceto a radiofrequência.

9 Panorama Internacional Existem MVNOs? Obrigatoriedade de abertura da rede Há licença de Serviço? Exemplos de MVNOs REINO UNIDO E FRANÇA Sim Não Sim, uma autorização geral para Serviços Virgin Mobile, Carrefour PORTUGAL Sim Não Sim, uma autorização geral para Serviços Zon Multimédia, UZO DINAMARCA Sim Sim Não, não há controle sobre as MVNOs Easy Mobile, M1, Tele2 ÍNDIA Sim Não Sim, licença específica para MVNO Virgin Mobile América Latina (geral) Não Analisando os principais casos internacionais observa-se que os principais modelos de sucessos são aqueles em que há uma forte relação entre a MVNO e a MNO.

10 Agenda Preâmbulo Conceitos Internacionais Princípios Modelo Proposto Estrutura do Regulamento

11 Princípios Princípio 1 Cumprimento da Ação V.9 do PGR: Regulamentação dos Serviços para ampliação da oferta e da competição - Regulamento para Operação Virtual no SMP Princípio 2 Não criar um novo Serviço, e sim aproveitar a estrutura regulatória existente para o SMP. Princípio 3 Criação de uma norma flexível que permita a entrada de diversos agentes nos diversos modelos de negócios existentes para essa atividade. Princípio 4 Proteger os Usuários deixando claras as divisões de obrigações na cadeia de valor.

12 Agenda Preâmbulo Conceitos Internacionais Princípios Modelo Proposto Estrutura do Regulamento

13 Princípios Nomenclatura Internacional; Por que Rede Virtual? Uma rede concreta que pode, contudo, não n o estar sujeita aos mesmos condicionamentos regulamentares relativos a Rede de Telecomunicaçõ ções da Prestadora do SMP que lhe dád suporte, como interconexão o e remuneraçã ção o de redes; Não o confunde Usuário, nem se confunde com outros conceitos jáj utilizados. A Rede é transparente ao Usuário.

14 Modelo de Serviço Proposto Modelos de MVNO Modelo Proposto Provedor de Serviço Clássico (Service Provider - SP): revendedor de tráfego de um operador tradicional; Revendedor de Marca (Brand Resseler - BR): Credenciado de Rede Virtual (MVNO) Categoria de SP que agrega a sua marca ao tráfego revendido; ESP (Enhanced Service Provider) ou Light MVNO: É um MVNO híbrido, possui SIM cards próprios e controla Autorizado de Rede Virtual (MVNO) alguns elementos de rede; MVNO completo (Full MVNO): Detém infraestrutura própria (incluindo HLR), exceto a radiofrequência.

15 Modelo de Serviço Proposto - Credencial - Autorização - Autorização - RF - RSMP - RSMP - PGMQ - PGMQ - Demais Regulamentações - Demais Regulamentações Credenciado (MVNO) - Contrato - Venda de minutos - Divisão de Responsabilidades Prestadora Origem (MNO) - Contrato de Compartilhamento de RF Autorizado de Rede Virtual (MVNO) - RSMP - CDC Usuários - RSMP - CDC

16 Modelo de Serviço Proposto Credenciado Deve prestar o serviço somente a usuário final; Não pode revender seu serviço; Operação somente mediante Contrato com a Autorizada e Credencial l junto à Anatel; Pouco relacionamento com a Agência;

17 Modelo de Serviço Proposto Credenciado de Rede Virtual - Outras Características Gerais Processo de Qualificação de candidado e posterior credenciamento A contratação de Credenciado não é obrigatória A Prestadora Origem deve atender aos candidatos qualificados pela Anatel Mas pode recusar os pedidos mediante justificativa A Anatel deve deliberar sobre os argumentos da Autorizada para recusa Responsabilidade do Credenciado de Rede virtual definida no Anexo I do Regulamento. Autorizadas não podem contornar suas obrigações Todas as obrigações podem ser imputadas às Prestadoras Origem Credenciado é um contratado da Prestadora Origem

18 Modelo de Serviço Proposto Credenciado de Rede virtual - Outras Características Gerais Respeito às obrigações legais de interceptação e cadastramento de pré-pago pago O Credenciado está sujeito a mecanismos de controle, contudo o controle maior se dará em relação a Prestadora Origem. Numeração Atribuída à Prestadora Origem Pode haver quebra de Contrato entre Prestadora Origem e Credenciado Para os Usuários são as mesmas condições de quando ocorre a extinção de Plano de Serviço Devem ser apresentadas outras opções de Credenciado ou Prestadora Origem

19 Modelo de Serviço Proposto Autorizado de Rede Virtual Detém Autorização do SMP; Está submetida a toda a Regulamentação de uma Prestadora Tradicional, ional, exceto por não possuir Termo de Autorização de Uso de RF; Possui contrato de Compartilhamento de Uso de RF com uma Prestadora Tradicional; É solidariamente Responsável, juntamente com a Prestadora Origem m pelo uso eficiente do espectro de radiofreqüência compartilhado; Possuem os direitos e obrigações referentes à interconexão e remuneração de uso de redes previstos em regulamentação.

20 Modelo de Serviço Proposto Prestadora Origem Detém Autorização de RF e de Serviço; Continua prestando serviço normalmente; Não precisa criar outra empresa; Oferece pacotes de atacado para o Credenciado ou Compartilha RF com o Autorizado de Rede Virtual; Solidariamente responsável pelo Usuário com o Credenciado; Deve fiscalizar e zelar por seus Credenciados; Não é obrigada a ceder sua rede seja para Credenciados, seja para Autorizados;

21 Agenda Preâmbulo Conceitos Internacionais Princípios Modelo Proposto Estrutura do Regulamento

22 Estrutura Proposta para o Regulamento 1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. Do Objetivo 1.2. Das Definições 1.3. Dos Aspectos Gerais da Exploração de SMP por meio de Rede Virtual 2. DA REPRESENTAÇÃO DE SMP POR CREDENCIADO 2.1. Dos Aspectos Gerais e Técnicos 2.2. Dos Direitos e Deveres da Prestadora Origem e do Credenciado 2.3. Do Credenciamento 2.4. Do Contrato entre o Credenciado e a Prestadora Origem 2.5. Dos Direitos e Deveres dos Usuários 2.6. Das Sanções Administrativas e da Extinção 3. DA PRESTAÇÃO DO SMP POR AUTORIZADA DE REDE VIRTUAL 3.1. Dos Aspectos Gerais 3.2. Dos Direitos e Deveres da Prestadora Origem e da Autorizada de Rede Virtual 3.3. Procedimento para Obtenção de Autorização de Rede Virtual 3.4. Do Contrato de Compartilhamento de Uso de Rede 3.5. Dos Direitos e Deveres dos Usuários 3.6. Das Sanções Administrativas 4. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS ANEXO I Obrigações não imputadas aos Credenciados de Rede Virtual ANEXO II Obrigações não imputadas às Autorizadas de Rede Virtual

23 CONTRIBUIÇÕES ACESSE

Regulamento para Exploração de SMP por meio de Rede Virtual (RRV-SMP) Resolução n.º 550, de 22 de novembro de 2010

Regulamento para Exploração de SMP por meio de Rede Virtual (RRV-SMP) Resolução n.º 550, de 22 de novembro de 2010 Regulamento para Exploração de SMP por meio de Rede Virtual (RRV-SMP) Resolução n.º 550, de 22 de novembro de 2010 Conselheira Emília Ribeiro Anatel São Paulo/SP 17/12/2010 Agenda Objetivos e Princípios

Leia mais

CENÁRIO REGULATÓRIO DAS MVNO NO BRASIL PARTE I

CENÁRIO REGULATÓRIO DAS MVNO NO BRASIL PARTE I CENÁRIO REGULTÓRIO DS NO BRSIL PRTE I Maria Luiza Kunert 09/11/2011 Conteúdo Parte I Introdução ao Cenário Regulatório das no Brasil Parte II Os Quatro Pilares das no Brasil Parte III Fatores CríJcos de

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias nº 10/ COGIR/SEAE/MF Brasília, 17 de novembro de 2010. Assunto: Contribuição à Consulta Pública

Leia mais

OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE

OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE OPERADORA MÓVEL VIRTUAL, UMA REALIDADE Eng. Roberto Aroso Cardoso SINDITEC Sindicato das Indústrias de Eletrônica, Telecomunicações, Teleinformática, Componentes e Similares do Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Manaus, janeiro de 2015 Evolução da penetração do acesso domiciliar à Internet Proporção de

Leia mais

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Recife, outubro de 2014 Meta do PNBL Se pacote PNBL de

Leia mais

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO

Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Ação Estratégica MVNO Audiência Pública Seleção de Prestadora SMP Parceira * Operacionalização do MVNO/Correios Infraestrutura Logística A maior Rede de Logística

Leia mais

Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom

Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom 40º Encontro TELE.SÍNTESE Março de 2015 Panorama Telefonia Móvel 281,7 milhões de acessos ~155 milhões de acessos de banda larga móvel (54%)

Leia mais

SERVIÇO DE GESTÃO REGULATÓRIA MWT SEU DESAFIO, NOSSA INSPIRAÇÃO!

SERVIÇO DE GESTÃO REGULATÓRIA MWT SEU DESAFIO, NOSSA INSPIRAÇÃO! SERVIÇO DE GESTÃO REGULATÓRIA MWT SEU DESAFIO, NOSSA INSPIRAÇÃO! Obtenção de Outorgas e Autorizações Tipos de Outorgas e Serviço ANATEL... p. 1 a 3 Fases do Processo... p. 4 a 6 Investimentos: Honorários

Leia mais

Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias. 2014-2015 Julho a setembro de 2014

Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias. 2014-2015 Julho a setembro de 2014 Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias 2014-2015 Julho a setembro de 2014 Relatório Introdução Esse relatório tem o objetivo de apresentar o acompanhamento das Ações Regulatórias

Leia mais

Considerações sobre reformulação da regulamentação de MVNO

Considerações sobre reformulação da regulamentação de MVNO Considerações sobre reformulação da regulamentação de MVNO Regulação ex ante da relação MNO-MVNO Considerações Gerais Depois de mais de dois anos de regulamentação vigente, ainda são muito poucos os contratos

Leia mais

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET er@ da informação impacto nos serviços Edmundo Antonio Matarazzo Superintendência de Universalização agosto

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

CDMA450. Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil. FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais

CDMA450. Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil. FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais CDMA450 Planos de Negócio e Oportunidades para o Uso do 450 MHz no Brasil FRANCISCO GIACOMINI SOARES Diretor Sênior de Relações Governamentais São Paulo, 31 de Maio de 2011. Roteiro Faixa de 450 MHz Tecnologias

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Marabá, abril de 2014 Ministério das Comunicações Evolução da penetração

Leia mais

Banda Larga rural e urbana

Banda Larga rural e urbana Banda Larga rural e urbana Edital de Licitação 004/2012/PVCP/SPV-Anatel (450 MHz e 2,5 GHz) Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel Brasília/DF Abril/2012 Premissas e objetivos

Leia mais

Visão Telefônica Vivo sobre o mercado de Atacado. Leo Petersen

Visão Telefônica Vivo sobre o mercado de Atacado. Leo Petersen Visão Telefônica Vivo sobre o mercado de Atacado Leo Petersen Atacado Telefônica VIVO Foco em soluções de compartilhamento A área de Atacado da Telefônica VIVO atua de forma pró-ativa, operando com produtos

Leia mais

Modelos de Licenciamento de Freqüências

Modelos de Licenciamento de Freqüências Modelos de Licenciamento de Freqüências Este tutorial apresenta um panorama dos modelos utilizados em vários países do mundo no licenciamento de frequências. Carlos Pingarilho Doutor em Eletrônica e Comunicações

Leia mais

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com.

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com. 2. VoIP Meeting IP News 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307 0307 fds01@terra.com.br VOIP Conceito: Voice Over IP (Voz sobre IP) Anatel: Não regulamenta

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

Políticas de incentivo à banda O papel dos prestadores de porte regional. larga

Políticas de incentivo à banda O papel dos prestadores de porte regional. larga Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda O papel dos prestadores de porte regional larga Curitiba, março de 2013 Evolução da penetração do acesso domiciliar à Internet Fonte: IBGE,

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 009 - Plano Conta Light Requerimento de Homologação Nº 3556 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária 14 BRASIL

Leia mais

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador

Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador Impactos da nova regulação de meios de pagamento para o setor supermercadista Em 3 aspectos principais: aceitação, emissor e empregador 25 de Abril de 2014 1 Somos uma consultoria especializada em Varejo

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Proposta de Regulamento de Celebração e Acompanhamento de Termo de Ajustamento de Conduta TAC MARCELO BECHARA

CONSULTA PÚBLICA. Proposta de Regulamento de Celebração e Acompanhamento de Termo de Ajustamento de Conduta TAC MARCELO BECHARA CONSULTA PÚBLICA Proposta de Regulamento de Celebração e Acompanhamento de Termo de Ajustamento de Conduta TAC MARCELO BECHARA Relator Cons. Marcelo Bechara 25 de setembro de 2013 Evolução da Regulação

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano PLANO ALTERNATIVO LOCAL PLANO Nº 032 A. Empresa: OI (TELEMAR NORTE LESTE S.A.), autorizatária do Serviço Telefônico Fixo Comutado na Modalidade Local, na Região III e no Setor 3 da Região 1 do Plano Geral

Leia mais

ANEXO IV MODELOS DE TERMOS, DECLARAÇÕES E PROCURAÇÕES. ANEXO IV - Item 4.1 e 4.3.11 do Edital Conjunto 1 MODELO nº 1

ANEXO IV MODELOS DE TERMOS, DECLARAÇÕES E PROCURAÇÕES. ANEXO IV - Item 4.1 e 4.3.11 do Edital Conjunto 1 MODELO nº 1 ANEXO IV MODELOS DE TERMOS, DECLARAÇÕES E PROCURAÇÕES ANEXO IV - Item 4.1 e 4.3.11 do Edital Conjunto 1 MODELO nº 1 0XX/200X/SPV - ANATEL, promovida pela Agência Nacional de Telecomunicações, na forma

Leia mais

Rodrigo Zerbone Conselheiro Relator. Brasília/DF Fevereiro/2014

Rodrigo Zerbone Conselheiro Relator. Brasília/DF Fevereiro/2014 Rodrigo Zerbone Conselheiro Relator Brasília/DF Fevereiro/2014 Estrutura do Regulamento Disposições Gerais Direitos e Deveres dos Consumidores Atendimento Oferta Cobrança Disposições Finais e Transitórias

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 33/2015/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E OXMAN TECNOLOGIA

Leia mais

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016

Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Boletim Informativo Espectro - 03/2015 Utilização temporária do espectro de radiofrequências em eventos-teste dos Jogos Rio 2016 Versão 2.2 Fevereiro 2015 Gestão de Espectro de Radiofrequências AF Telecomunicações

Leia mais

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio

VoIP Peering. Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio VoIP Peering Operação, Tecnologia e Modelos de Negócio Histórico 2005 2004 2004 2003 2002 2001 2000 1999 1998 1996 1995 1993 Plataformas de Suporte ao Cliente Final Suporte ao protocolo SIP POP em Miami

Leia mais

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações 29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17de abril de 2012 Agenda Serviços de Telecomunicações: Convergência de Plataformas, Redes e Outorgas Premissas

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) Propõe que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle com o auxílio do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP SERVIÇO MÓVEL PESSOAL - SMP PLANO BÁSICO DE SERVIÇO Nome da Prestadora: BRASIL TELECOM CELULAR S/A ÁREA 5 Número: Página 1 de 8 1. Aplicação Este Plano Básico de Serviço é aplicável pela autorizatária

Leia mais

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO

RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO RADIOCOMUNIÇÃO EM VHF NOVA CANALIZAÇÃO 1. ESPECTRO DE RADIOFREQUÊNCIAS O espectro radioelétrico ou de radiofrequências é uma riqueza da humanidade. Sua exploração de forma disciplinada permite o estabelecimento

Leia mais

Arranjos de Pagamento SEMARC 2014. Brasília, 4 de agosto de 2014

Arranjos de Pagamento SEMARC 2014. Brasília, 4 de agosto de 2014 Arranjos de Pagamento SEMARC 2014 Brasília, 4 de agosto de 2014 Sistema de Pagamentos de Varejo Linha do Tempo Projeto institucional de modernização de pagamentos de varejo Publicação do Diagnóstico do

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

Plano Pré-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pré-Pago Alternativo de Serviço Plano Pré-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 001 - Plano de Referência de Serviço Requerimento de Homologação Nº 4657 1 - Aplicação Este Plano de Referência de Serviço é aplicável pela Oi, no Estado

Leia mais

Sumário. Introdução 3. Contexto 4. Os modelos de atuação 7. Análise de oportunidade e Gerenciando expectativas 9. Conclusão 13

Sumário. Introdução 3. Contexto 4. Os modelos de atuação 7. Análise de oportunidade e Gerenciando expectativas 9. Conclusão 13 Análises independentes de tendências tecnológicas para profissionais de TIC Um novo mercado a ser explorado no Brasil Foco Consultoria Tecnologia Telefonia móvel Setor Grandes corporações, governo e operadoras

Leia mais

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES

NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES NORMA SOBRE REGISTRO DE INTENÇÃO DE DOAÇÃO A INSTITUIÇÃO DE UTILIDADE PÚBLICA, UTILIZANDO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES 1 - DO OBJETIVO 1.1. Esta Norma tem por objetivo estabelecer condições para prestação

Leia mais

REGULAMENTO. Planos de Voz Pós Pago promocionais: Nextel 3G 150, Nextel 3G 300, Nextel 3G 500, Nextel 3G 800 e Nextel 3G 2.500.

REGULAMENTO. Planos de Voz Pós Pago promocionais: Nextel 3G 150, Nextel 3G 300, Nextel 3G 500, Nextel 3G 800 e Nextel 3G 2.500. REGULAMENTO Planos de Voz Pós Pago promocionais: Nextel 3G 150, Nextel 3G 300, Nextel 3G 500, Nextel 3G 800 e Nextel 3G 2.500. Estes planos são comercializados pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES Ltda., prestadora

Leia mais

Introdução ao MVNO. MVNO no mundo. MVNO no Brasil. Modelo de MVNO da ECT. Expectativas

Introdução ao MVNO. MVNO no mundo. MVNO no Brasil. Modelo de MVNO da ECT. Expectativas 1 Introdução ao MVNO 1 MVNO no mundo MVNO no Brasil 3 2 Modelo de MVNO da ECT 4 Expectativas 5 3 INTRODUÇÃO AO MVNO 4 Mobile Network Operator MNO Mobile Network Virtual Enabler MVNE Mobile Network Virtual

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) Assunto INFORMAÇÕES ACERCA DA APROVAÇÃO PELA AGÊNCIA REGULADORA DE LICENÇA PARA A TELEFÔNICA PRESTAR

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA.

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 10/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: SKY BRASIL SERVIÇOS LTDA. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: (Resolução nº, de de de 2009

Leia mais

PROJETO DE LEI 1.407, DE 2015.

PROJETO DE LEI 1.407, DE 2015. COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI 1.407, DE 2015. Dispõe sobre a prestação do serviço de telefonia móvel em regime público. Autor: Deputado ÁUREO Relator: Deputado

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

Regulamento do Telefone de Uso Público TUP

Regulamento do Telefone de Uso Público TUP Regulamento do Telefone de Uso Público TUP JARBAS JOSÉ VALENTE Conselheiro Relator Brasília, 18 de junho de 2014 Objetivo A Anatel busca alternativas regulatórias para fomentar a revitalização do TUP e

Leia mais

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa

EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas. Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO Transporte Ferroviário de Cargas Chefe do Projeto: Fábio Coelho Barbosa EIXO TEMÁTICO - Transporte Ferroviário de Cargas Pactuação e Repactuação de Metas por Trecho Pactuação e Repactuação

Leia mais

Edital Rede IP - 2014 Objetivo

Edital Rede IP - 2014 Objetivo Objetivo Apresentar as principais modificações e adequações previstas para o novo edital da Rede IP Multisserviços Agenda 1. Publicação da documentação; 2. Premissas adotadas; 3. Fator de Capacidade (FCA)

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 : Contribuições de 12/03/2009

Leia mais

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Rio de Janeiro, julho de 2014 Ministério das Comunicações Evolução

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 771ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 771ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 771ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DATA: 12 de março de 2015 HORÁRIO: 15:00h LOCAL: Setor de Autarquias Sul, Quadra 06, Bloco C - Espaço Cultural. ASSUNTOS:

Leia mais

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO GRUPOS

TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO GRUPOS TERMO DE USO - SERVIÇO VIVO TORPEDO GRUPOS 1. OBJETO: 1.1. O presente Instrumento tem por objeto regular a prestação do serviço VIVO Torpedo Grupos ao Cliente, em toda Área de Prestação da VIVO definida

Leia mais

REGULAMENTO. Página 1 de 5

REGULAMENTO. Página 1 de 5 Promoção Ilimitado Fixo Local Economia Esta promoção é realizada pela VIVO nas seguintes condições: 1. Definições 1.1 Promoção: Oferta de condições especiais para a fruição do STFC na realização de chamadas

Leia mais

Espectro: Importância para as PMEs

Espectro: Importância para as PMEs Espectro: Importância para as PMEs Edmundo A. Matarazzo Microempresas Empresas de pequeno porte Lei Geral das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (2006) Regulamenta o disposto na Constituição Brasileira:

Leia mais

Detalhamento do Plano

Detalhamento do Plano A. Empresa: S/A PLANO ALTERNATIVO LOCAL (Região II exceto os Setores 20, 22 e 25 do PGO) B. Nome do Plano: Plano Alternativo de Serviço Nº 146 C. Identificação para a Anatel: Plano Alternativo de Serviço

Leia mais

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 Lívio Peixoto do Nascimento Gerente Anatel/RN UFRN Natal - RN Outubro/2013 Agenda Convergência Tecnológica Evolução dos Marcos Regulatórios Avaliação

Leia mais

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010

MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 MINUTA DE PROPOSTA DE RESOLUÇÃO ABILUX 05/03/2010 Dispõe sobre a destinação de Lâmpadas inservíveis, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências O CONSELHO NACIONAL DO MEIO

Leia mais

MARÇO 2015. 10 GB Liberty Web

MARÇO 2015. 10 GB Liberty Web 02 03 10 GB Liberty Web 4100 1710 420 850 2040 2000 04 Não inclui ilimitado Local e LDN MAIS BARATA E MAIS VANTAJOSA DO QUE A CONCORRÊNCIA! TIM LIBERTY EMPRESA VIVO MICRO CLARO FLEX 25 Oi EMPRESA ESPECIAL

Leia mais

MARCELO BECHARA Maio de 2013

MARCELO BECHARA Maio de 2013 MARCELO BECHARA Maio de 2013 Contextualização HISTÓRICO DA INTERNET ORIGEM: Década de 60 Guerra Fria (EUA) conexão entre computadores de forma descentralizada. Após dois anos, expansão da rede com crescimento

Leia mais

Parcerias de negócio e canais comerciais para empresas de TI. Copyright 2008

Parcerias de negócio e canais comerciais para empresas de TI. Copyright 2008 Parcerias de negócio e canais comerciais para empresas de TI Copyright 2008 Renato da Veiga Advogados Titular: Renato da Veiga OAB/RS 24.681 Especialidades: Direito da Informática e Tecnologia Início das

Leia mais

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I

REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I REGULAMENTO DOS SERVIÇOS DE RETRANSMISSÃO E DE REPETIÇÃO DE TELEVISÃO, ANCILARES AO SERVIÇO DE RADIODIFUSÃO DE SONS E IMAGENS CAPÍTULO I DAS GENERALIDADES Art. 1º Ficam instituídos por este Regulamento

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 30 de março de 2010 ABRAFIX Associaçã ção o Brasileira de Concessionárias

Leia mais

Novos Negócios Farma

Novos Negócios Farma Novos Negócios Farma *Estudos Pré-Clínicos no Brasil: atual cenário e oportunidades *P&D de Novas Moléculas no Brasil *Parcerias ICTs & Empresas: barreiras e oportunidades *Oportunidades e desafios do

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSULTA PÚBLICA Nº 54, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013 Atribuir a faixa de radiofrequências de 4.910 MHz a 4.940 MHz também ao Serviço Móvel, manter a atribuição da faixa

Leia mais

REGULAMENTO. Promoção Nextel 3G Controle 45R

REGULAMENTO. Promoção Nextel 3G Controle 45R REGULAMENTO Promoção Nextel 3G Controle 45R Esta promoção é comercializada pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES Ltda., prestadora do Serviço Móvel Pessoal SMP, doravante denominada simplesmente NEXTEL, situada

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO

CAPÍTULO I OBJETO E ÁREA DE PRESTAÇÃO TERMO DE AUTORIZAÇÃO Nº 94/2014/ORLE/SOR ANATEL TERMO DE AUTORIZAÇÃO PARA EXPLORAÇÃO DO SERVIÇO DE ACESSO CONDICIONADO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL E TELECOMUNICACOES

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

Plano de Melhorias da Infraestrutura de Rede das Operadoras de Telefonia Móvel

Plano de Melhorias da Infraestrutura de Rede das Operadoras de Telefonia Móvel Plano de Melhorias da Infraestrutura de Rede das Operadoras de Telefonia Móvel Agência Nacional de Telecomunicações Anatel Brasília/DF 08/2012 Reclamações ARU Anatel Diferença percentual entre a pior

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

REGULAMENTO MODELO DE CUSTOS. Brasília, 18 de junho de 2014

REGULAMENTO MODELO DE CUSTOS. Brasília, 18 de junho de 2014 REGULAMENTO MODELO DE CUSTOS Brasília, 18 de junho de 2014 MATÉRIA OBJETO DA DELIBERAÇÃO Norma para fixação dos valores máximos das tarifas de uso de rede do STFC, dos valores de referência de uso de rede

Leia mais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais

Entendimento do ICP-ANACOM. Originação de chamadas nas redes móveis nacionais Entendimento do ICP-ANACOM Originação de chamadas nas redes móveis nacionais I. Enquadramento Os serviços de originação de chamadas prestados pelos operadores móveis nacionais são definidos como os serviços

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015)

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) Empresa Participante: INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA., com sede na Rua Fonseca Teles, nº 18, A30, bloco B, Térreo, São

Leia mais

OI À VONTADE NOS CARTÕES VISA OU MASTERCARD

OI À VONTADE NOS CARTÕES VISA OU MASTERCARD PROMOÇÃO CRÉDITO OI À VONTADE NOS CARTÕES VISA OU MASTERCARD OFERTA VÁLIDA DE 14/09 /09/2009 /2009 a 17/01/2010. A oferta CRÉDITO OI À VONTADE NOS CARTÕES VISA OU MASTERCARD concede benefícios promocionais

Leia mais

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1

Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 . Nexcode Systems, todos os direitos reservados. Documento versão 15.1.1 1 1 - INTRODUÇÃO O NEXCODE VIEW, também conhecido como NEXVIEW, é um sistema que foi desenvolvido pela Nexcode Systems e tem por

Leia mais

Entidade Administradora da Portabilidade Numérica

Entidade Administradora da Portabilidade Numérica Entidade Administradora da Portabilidade Numérica Brasília, junho de 2011. 1 Pauta da Apresentação A ABR Telecom O que é Portabilidade? Funcionamento (Janelas) Soluções de Arquivos 2 ABR Telecom A ABR

Leia mais

A situação do espectro no Brasil e na Região 2

A situação do espectro no Brasil e na Região 2 A situação do espectro no Brasil e na Região 2 Maximiliano Salvadori Martinhão Gerente Geral de Certificação e Engenharia do Espectro Agenda Espectro no Brasil Contextualização do tema Onde Estamos O que

Leia mais

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995

LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 LEI Nº 8.977, DE 6 DE JANEIRO DE 1995 Dispõe sobre o Serviço de TV a Cabo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS PLANO DE OCUPAÇÃO DE INFRAESTRUTURA Outubro 2008 1 Companhia Energética de Alagoas-CEAL Superintendência de Projetos e Obras-SPP Gerencia de Projetos e Obras de Distribuição-GPD

Leia mais

Marco Regulatório das Promotoras de Vendas. Eloy Câmara Ventura Diretor ANEPS

Marco Regulatório das Promotoras de Vendas. Eloy Câmara Ventura Diretor ANEPS Marco Regulatório das Promotoras de Vendas Eloy Câmara Ventura Diretor ANEPS Entendendo a Regulamentação Setorial de 1973-2010 Circular BCB 220 Resolução CMN 562 Resolução CMN 2.166 Resolução CMN 2.640

Leia mais

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Marco A O Tavares Gerente Operacional de Planejamento Engenharia do Espectro tavares@anatel.gov.br Agenda A Anatel neste Contexto Passos Percorridos E para

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Nº de Páginas: 1 / 5 1. OBJETIVOS Os objetivos desta Política de Segurança da Informação são estabelecer orientações gerais de segurança da informação no âmbito da Braslight, fornecendo o apoio conceitual

Leia mais

Desoneração de estações móveis do tipo máquina a máquina (M2M)

Desoneração de estações móveis do tipo máquina a máquina (M2M) Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação Desoneração de estações móveis do tipo máquina a máquina (M2M) Painel TELEBRASIL 2014 Brasília, Setembro 2014 LEI Nº 12.715, DE 17 DE SETEMBRO DE 2012.

Leia mais

REGULAMENTO PROMOÇÃO DO DIA DAS MÃES

REGULAMENTO PROMOÇÃO DO DIA DAS MÃES REGULAMENTO PROMOÇÃO DO DIA DAS MÃES Esta promoção é comercializada pela NEXTEL TELECOMUNICAÇÕES Ltda., prestadora do Serviço Móvel Pessoal SMP, doravante simplesmente NEXTEL, situada na Avenida das Nações

Leia mais

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro

Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro Alternativas de Funding para Infraestrutura no Mercado de Capitais Brasileiro DEBÊNTURES DE INFRAESTRUTURA - CONCEITO Debêntures: título de crédito, representativo de dívida da companhia emissora (art.

Leia mais

Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel

Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel Brasília/DF Março/2012 Agenda Base Regulatória; GIPAQ; Princípios; Processo

Leia mais

Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo

Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo Sistema de Declaração Pessoal de Saúde Descritivo Comp Line A empresa Criada em 1996, tem por filosofia associar tecnologia, parceria e transparência, através da disponibilização de painéis de controle,

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

Manual de Compras. Hospital Estadual da Criança

Manual de Compras. Hospital Estadual da Criança Manual de Compras Hospital Estadual da Criança 2015 1 1- OBJETIVO Definir diretrizes e procedimentos para as compras de materiais e contratação de serviços, visando: A) Diminuição de custos; B) Racionalização

Leia mais

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público?

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Quais argumentos poderiam ser usados por uma empresa prestadora de serviço de

Leia mais

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social 50 0 PAINEL TELEBRASIL 2006 Angra dos Reis, RJ, 2 de junho de 2006 José Leite Pereira Filho Conselheiro Diretor Conselheiro

Leia mais

DEFINIÇÕES. IV - Lote-padrão - a quantidade de ações-objeto a que se refere necessariamente cada opção.

DEFINIÇÕES. IV - Lote-padrão - a quantidade de ações-objeto a que se refere necessariamente cada opção. TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 14, DE 17 DE OUTUBRO DE 1980, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N o 283/98 E 506/11. Define as operações em Bolsas de Valores com opções de compra

Leia mais

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis:

Canais de marketing. Trade Marketing. Trade Marketing. Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Canais de marketing Prof. Ricardo Basílio ricardobmv@gmail.com Trade Marketing Trade Marketing Trade marketing é uma ferramenta que atua diretamente em três níveis: Distribuidores; Clientes; Ponto de venda.

Leia mais

Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias

Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Competição Gerência de Monitoramento das Relações entre Prestadoras Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE

REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE REGULAMENTO DO PGA TÍTULO I FINALIDADE Art.1º - O presente Regulamento do Plano de Gestão Administrativa - PGA da Ceres estabelece critérios e limites para definição do plano de custeio administrativo

Leia mais

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12

A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 A REGULAÇÃO PETROLÍFERA EM ANGOLA E O PROCESSO DE LICITAÇÃO E CONTRATAÇÃO 30/05/12 AGENDA 2 I. CONSIDERAÇÕES GERAIS II. PRINCIPAIS INSTRUMENTOS LEGAIS E CONTRATUAIS III. REGULAÇÃO DO SECTOR PETROLÍFERO

Leia mais

LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990

LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 LEI Nº 8.078, DE 11 DE SETEMBRO DE 1990 Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. TÍTULO I DOS DIREITOS DO CONSUMIDOR... CAPÍTULO III DOS DIREITOS BÁSICOS DO CONSUMIDOR Art. 6º São

Leia mais

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE

REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E OS PRESTADORES DE SERVIÇOS E A GARANTIA DA QUALIDADE DA ATENÇÃO À SAÚDE ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DE SÃO PAULO - EAESP FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS FGV REGULAÇÃO E QUALIDADE NO SETOR DE SAÚDE SUPLEMENTAR REGULAÇÃO DAS RELAÇÕES ENTRE AS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE E

Leia mais