A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia."

Transcrição

1 A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB

2 Objetivo Analisar o tratamento jurídico conferido à banda larga pelo ordenamento jurídico brasileiro, comparando-o à abordagem regulatória estadunidense e europeia sobre a mesma matéria. Chamar atenção para a imprecisão do conceito de banda larga, cuja extensão pode acarretar maior ou menor regulação estatal sobre serviços prestados aos usuários, com reflexos nos mercados de telecomunicações e de diferentes mídias (convergência tecnológica).

3 Roteiro 1.Contextualização. 2.Abordagem estadunidense. 3.Abordagem europeia. 4.Abordagem brasileira. 5.Conclusões.

4 Contextualização Parâmetros empregados na pesquisa: (i) as duas características fundamentais do conceito de banda larga, apontadas pelo Berkman Center for Internet and Society: (a) (b) velocidade: superior à conexão por acesso discado (56kbps); ligação permanente [ always on ], a qual está relacionada à experiência dos usuários, cada vez mais conectados entre si; (ii) análise regulatória em função das três componentes básicas das redes de comunicação: (a) a camada de infraestrutura física; (b) a camada de controle; (c) a camada de aplicação. Destaque para a camada de controle: elemento-chave para a regulação das redes digitais.

5 Abordagem estadunidense Nos EUA, as telecomunicações são tradicionalmente entendidas como capacidade pura de transmissão de dados; De outro lado, qualquer transmissão de dados que envolva alguma forma de processamento, estará fora do âmbito das telecomunicações; (Serviço de Valor Adicionado, mais tarde chamado de Serviço de Informação) Consequência: apenas aos prestadores de telecomunicações se aplicam obrigações de alto custo como: (a) não-discriminação; (b) compartilhamento de infraestrutura; (c) contribuição para a universalização do serviço; etc. Essa tradição teve início em 1966, com as Computer Inquiries (I, II e III), motivadas pelo desejo de proteger a nascente indústria da computação das onerosas obrigações inerentes ao regime das telecomunicações.

6 Abordagem estadunidense Paradigma - Caso Brand X (2002): a Suprema Corte dos EUA confirmou o entendimento de que o acesso a Internet, independentemente do meio de telecomunicações utilizado, deve ser entendido como serviço deinformação; (manutenção da decisão da Federal Communications Commission FCC). Eleição de Obama para a presidência dos EUA: inversão da tendência desregulatória; Caso Comcast (2008): a FCC aplicou à Comcast, em concreto, o princípio da não-discriminação de dados transmitidos na Internet (quinto princípio da Internet); afirmação de autoridade regulatória da FCC sobre a camada de controle da infraestrutura de redes da Comcast => softwares de gerenciamento de redes.

7 Abordagem estadunidense Decisão do Tribunal de Apelações de Washington (2010): Em abril de 2010, a Comcast recorreu ao Poder Judiciário e logrou anular a decisão da FCC; Se a FCC mantém vigente o entendimento de que acesso à Internet (banda larga) configurava serviço de informação, logo a FCC não tem competência para impor a tais prestadores obrigações inerentes às telecomunicações; Consequência: Até o presente momento, os EUA não possuem mecanismos legais reconhecidos pelo Poder Judiciário para regular as redes de transporte e as camadas de controle que propiciam as modernas formas de intercâmbio de dados em alta velocidade.

8 Abordagem europeia Em 2002, a União Europeia reformulou o marco regulatório das telecomunicações; Disciplina jurídica sobre o conteúdo das comunicações (tratadas como serviços da sociedade da informação) restou separada da regulação das respectivas infraestruturas de telecomunicações (tratadas como comunicações eletrônicas); Avanços da reforma regulatória: O conceito de comunicações eletrônicas abrangeu expressamente a regulação sobre as redes de banda larga (comutação de circuitos ou de pacotes, incluindo a Internet); Obrigação de acesso compartilhado a recursos e/ou serviços com terceiros interessados, ainda que para fornecimento de serviços da sociedade da informação; Recursos e/ou serviços incluem softwares, interfaces técnicas, protocolos ou outras tecnologias essenciais para a interoperabilidade (camada decontrole)

9 Abordagem brasileira A LGT estabelece limites amplos ao conceito de telecomunicações (art. 60); Cabe à Anatel definir os serviços de telecomunicações nos limites da LGT (art. 69); Tradicionalmente, a Anatel tem definido serviços de telecomunicações em função da infraestrutura sobre qual é prestado: Serviço Telefônico Fixo Comutado, Serviço Móvel Pessoal, Serviço de Distribuição de Sinais Multiponto Multicanal MMDS; Tentativa de definição de serviço convergente: o Serviço de Comunicações Multimídia SCM; A LGT distinguiu os serviços de valor adicionados (SVA) dos serviços de telecomunicações; Os SVA dependem dos serviços de telecomunicações, mas os primeiros não são regulados pela Anatel; Em 1995, e anteriormente à LGT, o Ministério das Comunicações já havia definido o serviço de conexão à Internet como SVA (Norma nº. 04/MC). Essa norma jamais sofreu revisão.

10 Abordagem brasileira Primeiras alusões à banda larga: Decreto nº 6.424, de 04 de abril de 2008 (troca de metas do PGMU II) Plano Geral de Outorgas PGO; Plano Geral de Atualização da Regulamentação das Telecomunicações PGR; Regulamento sobre Condições de Uso de Radiofreqüências por Sistemas de Banda Larga por meio de Redes de Energia Elétrica; Destaque: Objetivo declarado do PGR: massificação da banda larga; Banda larga como gênero amplo de serviços de telecomunicações: agrupa todas as modalidades de telecomunicações, definidas em espécie pela Anatel, capazes de promover transmissão de dados em elevadas velocidades de transmissão (ao menos superiores a do acesso discado) independentemente da infraestrutura utilizada.

11 Conclusões Reflexão sobre nova abordagem regulatória: Regulação dirigida à função pretendida pela comunicação: (1) Publicação [publication]: criação e disseminação de informação dirigida ao público; (2) troca privada de dados [private exchange]: intercâmbio particular de informação entre indivíduos: Se compete à Anatel definir quais são os serviços de telecomunicações, logo, por exclusão, ficam identificados ossva. Redefinição do SCM: regulação sobre as camadas de infraestrutura e de controle softwares e hardwares Por exclusão, as comunicações ocorridas na camada de aplicação, voltadas à função da publicação, corresponderiam aos SVA. Distanciamento das tradições estadunidenses => consequente dificuldade de regular a camada de controle das redes de banda larga.

12 OBRIGADO!

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje Este tutorial apresenta uma visão do ponto de vista técnico e regulatório da tecnologia VoIP, que transforma o serviço de Voz tradicional num serviço que

Leia mais

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013

II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 II Semana de Engenharia de Telecomunicações - SETEL - 2013 Lívio Peixoto do Nascimento Gerente Anatel/RN UFRN Natal - RN Outubro/2013 Agenda Convergência Tecnológica Evolução dos Marcos Regulatórios Avaliação

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR

9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR Š%XVFD/HJLVFFMXIVFEU 9R]VREUH,35HJXODomRDFDPLQKR 5RGQH\GH&DVWUR3HL[RWR A comunicação na Internet se estabelece a partir de um SURWRFROR. O termo deriva do grego SURWRFROORQ ( uma folha de papel colada

Leia mais

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva

CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO. Por Leonardo Mussi da Silva CONVERGÊNCIA, VOIP E TRIBUTAÇÃO Por Leonardo Mussi da Silva Evolução do sistema telefônico como tudo começou 1875 Alexander Graham Bell e Thomas Watson, em projeto dedicado a telegrafia, se depararam com

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Rede de Telefonia Fixa Telefonia pode ser considerada a área do conhecimento que trata da transmissão de voz através de uma rede de telecomunicações.

Leia mais

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel

Comissão Especial PL nº 1.481/2007. AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008. Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel Comissão Especial PL nº 1.481/2007 AUDIÊNCIA PÚBLICA 13 de Maio de 2008 Vilson Vedana Presidente do Conselho Consultivo da Anatel 1 O QUE É O CONSELHO CONSULTIVO DA ANATEL Art.33 da Lei nº 9.472, de 1997:

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS PÁG. 1 DE 13 PRÁTICA DE SERVIÇO DE BANDA LARGA REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇO DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL Sumário 1.OBJETIVO... 2 2.CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3.DEFINIÇÕES...

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das Victor Epitácio Cravo Teixeira Universidade de Brasília victorcravo@hotmail.com BIOGRAFIA Possui graduação em Direito pela Universidade Federal

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga

Programa Nacional de Banda Larga Programa Nacional de Banda Larga Metas e eixos de ação Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 31 de agosto de 2011 Dados de acesso à Internet em

Leia mais

Igor Vilas Boas de Freitas

Igor Vilas Boas de Freitas 18ª Reunião Extraordinária da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática. 26 de maio de 2010 Igor Vilas Boas de Freitas Consultor Legislativo do Senado Federal 1. Quais são os

Leia mais

Respostas do Grupo 4:

Respostas do Grupo 4: Respostas do Grupo 4: Resposta ao Grupo 1: Questão: É possível a garantia de neutralidade de redes ser concretizada para além da obrigatoriedade da interconexão,regulamentada, nos termos do artigo 146

Leia mais

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações São Paulo, 29 de dezembro de 2015. 1 INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

Senado Federal. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA

Senado Federal. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática PLANO NACIONAL DE BANDA LARGA 4 de novembro de 2014 Flávia Lefèvre Guimarães flavia@lladvogados.com.br Lei Geral de Telecomunicações

Leia mais

Legislação de Telecomunicações

Legislação de Telecomunicações Legislação de Telecomunicações Objetivos Conhecer sobre a entidade responsável pela regulamentação na área Como o orgão legislador influência a área de redes Saber definir o que vem a ser serviço de valor

Leia mais

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva

Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP. Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva Painel IV Aspectos Jurídicos de VoIP Prof. Dr. Cláudio R. M. Silva 1 Participantes * Cláudio Rodrigues Muniz da Silva DCO / UFRN; * Fabiano André de Sousa Mendonça DPUB / UFRN; * Lívio Peixoto do Nascimento

Leia mais

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET er@ da informação impacto nos serviços Edmundo Antonio Matarazzo Superintendência de Universalização agosto

Leia mais

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Razões para mudar a legislação Antes de mudar, definir

Leia mais

Grupo 9 - Integrantes: Geisa Toller Correia Romão (10/0059619) Gizele Oliveira Marques (11/0119487) Renaud Bruno Etoua Evina (11/0138538)

Grupo 9 - Integrantes: Geisa Toller Correia Romão (10/0059619) Gizele Oliveira Marques (11/0119487) Renaud Bruno Etoua Evina (11/0138538) Universidade de Brasília Faculdade de Direito Professor: Mário Iorio Aranha Turma : A - Diurno Grupo 9 - Integrantes: Geisa Toller Correia Romão (10/0059619) Gizele Oliveira Marques (11/0119487) Renaud

Leia mais

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA

ESPELHO DE EMENDA INICIATIVA SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS 366 ESPELHO DE AUTOR DA Chico D'angelo 24970001 Compartilhamento de infra estrutura para banda larga (unbundling) 0751 - Expandir a infraestrutura e os

Leia mais

Voz sobre IP : Regulação a caminho

Voz sobre IP : Regulação a caminho Voz sobre IP : Regulação a caminho Rodney de Castro Peixoto A comunicação na Internet se estabelece a partir de um protocolo. O termo deriva do grego protocollon ( uma folha de papel colada a um manuscrito

Leia mais

Processadores de telecomunicações

Processadores de telecomunicações 1 Processadores de telecomunicações ƒ Modems (modulação/desmodulação) ƒ Converte sinais entre os formatos analógico e digital. ƒ Multiplexadores ƒ Permitem que um canal de comunicação transporte simultaneamente

Leia mais

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com.

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com. 2. VoIP Meeting IP News 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307 0307 fds01@terra.com.br VOIP Conceito: Voice Over IP (Voz sobre IP) Anatel: Não regulamenta

Leia mais

Banda Larga rural e urbana

Banda Larga rural e urbana Banda Larga rural e urbana Edital de Licitação 004/2012/PVCP/SPV-Anatel (450 MHz e 2,5 GHz) Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel Brasília/DF Abril/2012 Premissas e objetivos

Leia mais

I SIMPÓSIO INFRA- Desafios BRASIL para um País Emergente. Desenvolvimento. Comunicações. Tecnológico. Marcelo Bechara

I SIMPÓSIO INFRA- Desafios BRASIL para um País Emergente. Desenvolvimento. Comunicações. Tecnológico. Marcelo Bechara I SIMPÓSIO INFRA- CONTEÚDO ESTRUTURA MULTIMÍDIA E E SERVIÇOS LOGÍSTICA DIGITAIS NO BRASIL PARA O Desafios BRASIL para um País Emergente Visão Telecomunicações do Ministério das e Desenvolvimento Comunicações

Leia mais

09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA

09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA Teligent, Inc. 8065 Leesburg Pike, Suite 400 Vienna, Virginia 22182 Voice: 703.762.5100 Fax: 703.762.5200 http://www.teligent.com 09 de Outubro de 2000 Vienna, Virginia, EUA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias. 2014-2015 Julho a setembro de 2014

Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias. 2014-2015 Julho a setembro de 2014 Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias 2014-2015 Julho a setembro de 2014 Relatório Introdução Esse relatório tem o objetivo de apresentar o acompanhamento das Ações Regulatórias

Leia mais

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social

A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social A Regulação dos Serviços de Telecomunicações Convergentes para a Inclusão Social 50 0 PAINEL TELEBRASIL 2006 Angra dos Reis, RJ, 2 de junho de 2006 José Leite Pereira Filho Conselheiro Diretor Conselheiro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

Análise comparativa da regulamentação do VoIP em diversos países

Análise comparativa da regulamentação do VoIP em diversos países do VoIP em diversos países Renata Figueiredo Santoyo Agência Nacional de Telecomunicações/Anatel renataf@anatel.gov.br Davison Gonzaga da Silva Agência Nacional de Telecomunicações/Anatel davison@anatel.gov.br

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS PROPOSTAS PARA A CONECTIVIDADE DAS ESCOLAS PÚBLICAS BRASILEIRAS I. APRESENTAÇÃO Como garantir que todas as escolas públicas tenham acesso à internet veloz para que as novas tecnologias contribuam de maneira

Leia mais

Universalização de acesso à internet de alto desempenho. Presidência da Anatel

Universalização de acesso à internet de alto desempenho. Presidência da Anatel Universalização de acesso à internet de alto desempenho Presidência da Anatel Brasília/DF Outubro/2012 Panorama Global CRESCIMENTO DA BANDA LARGA NO MUNDO - O Brasil foi o quinto país que mais ampliou

Leia mais

:: Telefonia pela Internet

:: Telefonia pela Internet :: Telefonia pela Internet http://www.projetoderedes.com.br/artigos/artigo_telefonia_pela_internet.php José Mauricio Santos Pinheiro em 13/03/2005 O uso da internet para comunicações de voz vem crescendo

Leia mais

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública

Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Painel 1 A Banda Larga como Política Pública Marco A O Tavares Gerente Operacional de Planejamento Engenharia do Espectro tavares@anatel.gov.br Agenda A Anatel neste Contexto Passos Percorridos E para

Leia mais

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações 29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17de abril de 2012 Agenda Serviços de Telecomunicações: Convergência de Plataformas, Redes e Outorgas Premissas

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. O que esperar dos Serviços VoIP Este tutorial tem por objetivo apresentar os principais conceitos dos serviços VoIP e o que se pode obter desses serviços considerando principalmente as características

Leia mais

NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA

NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA Luiz Fernando Fauth Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL ibusiness 2011 Curitiba, 24/11/2011 SUMÁRIO Cenário atual do SCM Consulta Pública

Leia mais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais

Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 3: VoIP INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 As telecomunicações vêm passando por uma grande revolução, resultante do

Leia mais

AEROTECH TELECOMUNICAÇÕES LTDA. OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO

AEROTECH TELECOMUNICAÇÕES LTDA. OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO AEROTECH TELECOMUNICAÇÕES LTDA. OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO RESOLUÇÃO N O. 410, de 11 de julho de 2005 da ANATEL D.O.U. de 13/07/2005 INTERCONEXÃO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES DE INTERESSE COLETIVO

Leia mais

INICIALMENTE ASPECTOS REGULATÓRIOS - LGT. Outorgas. Serviços de Telecomunicações USO DE RADIOFREQUENCIAS. Concessão Permissão Autorização

INICIALMENTE ASPECTOS REGULATÓRIOS - LGT. Outorgas. Serviços de Telecomunicações USO DE RADIOFREQUENCIAS. Concessão Permissão Autorização INICIALMENTE ASPECTOS REGULATÓRIOS - LGT Outorgas Serviços de Telecomunicações Concessão Permissão Autorização USO DE RADIOFREQUENCIAS Autorização» LGT» RUE» PPDUR INICIALMENTE ASPECTOS REGULATÓRIOS USO

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização

Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização Agência Nacional de Telecomunicações Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização José Alexandre Bicalho Superintendente de Planejamento e Regulamentação 02/09/2014

Leia mais

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal

Rádio Digital. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Senado Federal Rádio Digital Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Roberto Pinto Martins Secretário rio de Telecomunicações Ministério das Comunicações Sumário 1. Cenário

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br

REDES DE COMPUTADORES II. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDES DE COMPUTADORES II Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br REDE PÚBLICA x REDE PRIVADA Rede Pública Circuitos compartilhados Rede Privada Circuitos dedicados Interligação entre Dispositivos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 782ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 782ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 782ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DATA: 13 de agosto de 2015 HORÁRIO: 15:30h LOCAL: Setor de Autarquias Sul, Quadra 06, Bloco C - Espaço Cultural. ASSUNTOS:

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias n.º 12/COGCM/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias n.º 12/COGCM/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regulatórias n.º 12/COGCM/SEAE/MF Brasília, 31 de julho de 2008. Assunto: Contribuições à Consulta Pública da

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0

Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema. Inovação e Empreendedorismo. Data: 02/04/2014 Versão 1.0 Síntese dos debates ocorridos nos fóruns anteriores relacionados ao tema Inovação e Empreendedorismo Data: 02/04/2014 Versão 1.0 1. INTRODUÇÃO Os relatórios considerados para esta síntese foram: I Fórum

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES TELECOMUNICAÇÕES E REDES 1 OBJETIVOS 1. Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? 2. Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização deve utilizar? 3. Como sua

Leia mais

1 Introduc ao 1.1 Hist orico

1 Introduc ao 1.1 Hist orico 1 Introdução 1.1 Histórico Nos últimos 100 anos, o setor de telecomunicações vem passando por diversas transformações. Até os anos 80, cada novo serviço demandava a instalação de uma nova rede. Foi assim

Leia mais

Veridiana Alimonti. Entrevista com

Veridiana Alimonti. Entrevista com Entrevista com Veridiana Alimonti Idec por João Brant 1 Veridiana Alimonti é formada em Direito pela Universidade de São Paulo e mestranda na mesma instituição, com projeto voltado ao estudo das políticas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES CONSELHO DIRETOR RESOLUÇÃO No- 623, DE 18 DE OUTUBRO DE 2013 Aprova o Regulamento de Conselho de Usuários. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES,

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 036 Modalidade

Leia mais

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO

PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO PROJETO BÁSICO (De acordo com a Res. nº 272 da Anatel SCM, de 9 de agosto de 2001, Anexo II) OBJETO OUTORGA DE SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA SCM sendo um serviço fixo de telecomunicações de interesse

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO

INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO INSTITUTO SUPERIOR DE TEOLOGIA APLICADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM REDES E SEGURANÇA DE SISTEMAS TELEFONIA IP E VOIP RESUMO Artigo Científico Curso de Pós-Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Instituto

Leia mais

UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST

UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST UMA INTERNET PARA TODOS E O FUST FORUM NACIONAL do CONSECTI - Conselho Nacional de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I - SALVADOR - 08/07/2008 Vilson Vedana Consultor Legislativo 1 Câmara dos Deputados

Leia mais

A situação do espectro no Brasil e na Região 2

A situação do espectro no Brasil e na Região 2 A situação do espectro no Brasil e na Região 2 Maximiliano Salvadori Martinhão Gerente Geral de Certificação e Engenharia do Espectro Agenda Espectro no Brasil Contextualização do tema Onde Estamos O que

Leia mais

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações JARBAS JOSÉ VALENTE Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 4 de junho de 2013 Agenda Lei da Comunicação Audiovisual de Acesso Condicionado (Lei n. 12.485, de 11/09/2012);

Leia mais

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil

O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil O uso da radiofrequência para a inclusão social: alternativas para o regime jurídico da radiofrequência no Brasil IV Acorn-Redecom Conference Brasília, 14 de maio de 2010 Gabriel Boavista Laender Universidade

Leia mais

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA

Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA Primeiro Técnico TIPOS DE CONEXÃO, BANDA ESTREITA E BANDA LARGA 1 Banda Estreita A conexão de banda estreita ou conhecida como linha discada disponibiliza ao usuário acesso a internet a baixas velocidades,

Leia mais

Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel

Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel Brasília/DF Março/2012 Agenda Base Regulatória; GIPAQ; Princípios; Processo

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

Telebras Institucional

Telebras Institucional Telebras Institucional Ibirubá-RS, Setembro 2011 A Telebrás Quem somos A TELEBRAS é uma S/A de economia mista, vinculada ao Ministério das Comunicações, autorizada a usar e manter a infraestrutura e as

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE PARECER PROCADE Nº 027/2007 VERSÃO PÚBLICA ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.003890/2004-16 REQUERENTE(S): BRASIL TELECOM S.A.

Leia mais

INFORME. Proposta de alteração do Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia SCM, aprovado pela Resolução nº 272, de 9 de agosto de 2001.

INFORME. Proposta de alteração do Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia SCM, aprovado pela Resolução nº 272, de 9 de agosto de 2001. 1. INTERESSADO Superintendência de Serviços Privados SPV 2. DESTINATÁRIO Conselho Diretor da Anatel CD 3. ASSUNTO Proposta de alteração do Regulamento do Serviço de Comunicação Multimídia SCM, aprovado

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

Diretoria de Operação

Diretoria de Operação Diretoria de Operação Superintendência de Telecomunicações e Sistemas de Controle Departamento de Telecomunicações Divisão de Operação e Gerenciamento de Recursos de Telecomunicações TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 09 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Internet,

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL Você conectado ao mundo com liberdade APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL > ÍNDICE Sobre a TESA 3 Telefonia IP com a TESA 5 Portfólio de produtos/serviços 6 Outsourcing 6 Telefonia 7 Web

Leia mais

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA

APRESENTAÇÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO CORPORATIVA Julho de 2011 Mercado Brasileiro de Telecomunicações Oi: Perfil, Cobertura e Estratégia Resultados Operacionais e Financeiros Aliança com a Portugal Telecom e Aumento de Capital

Leia mais

INFORME 22/12/2011 NÚMERO E ORIGEM: 1.264/2011/PVCPR/ PVCP/SPB/SUN/SPV DATA:

INFORME 22/12/2011 NÚMERO E ORIGEM: 1.264/2011/PVCPR/ PVCP/SPB/SUN/SPV DATA: INFORME NÚMERO E ORIGEM: 1.264/2011/PVCPR/ PVCP/SPB/SUN/SPV DATA: 22/12/2011 1. DESTINATÁRIO Superintendência de Serviços Privados - SPV 2. INTERESSADO Conselho Diretor da Anatel - CD 3. ASSUNTO Proposta

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE Porto Alegre, 07 de outubro de 2000 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÃO - ANATEL SUPERINTENDÊNCIA DE SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA CONSULTA PÚBLICA N.º 246, DE 11 DE SETEMBRO DE 2000 Proposta de Regulamento

Leia mais

Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet. Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015

Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet. Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015 Resultados Chamada de Contribuições à Regulamentação do Marco Civil da Internet Comitê Gestor da Internet no Brasil 27 de fevereiro de 2015 CGI.br Introdução Período de recebimento das contribuições: 19

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS DA VoIP As dificuldades para sua regulamentação

ASPECTOS JURÍDICOS DA VoIP As dificuldades para sua regulamentação ASPECTOS JURÍDICOS DA VoIP As dificuldades para sua regulamentação Demócrito Reinaldo Filho Juiz de Direito em PE 1. Introdução No presente trabalho, exploramos as dificuldades de entender e definir o

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br ASPECTOS JURÍDICOS DA VoIP - As dificuldades para sua regulamentação. 1. Introdução No presente trabalho, exploramos as dificuldades de entender e definir o que exatamente constitui

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre a organização e exploração das atividades de comunicação social eletrônica e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é

Peça para um amigo baixar o programa também, e você pode começar a experimentar o VoIP para ver como funciona. Um bom lugar para procurar é VOIP Se você nunca ouviu falar do VoIP, prepare-se para mudar sua maneira de pensar sobre ligações de longa distância. VoIP, ou Voz sobre Protocolo de Internet, é um método para pegar sinais de áudio analógico,

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano Fale Light PAS 068 Modalidade do STFC Local. Descrição

Leia mais

D R A F T. Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox.

D R A F T. Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox. D R A F T Irregularidades praticadas pela Telemar na comercialização do serviço de acesso a Internet denominado Velox. 1. O que é o serviço Velox da Telemar? O Velox é um serviço de acesso a Internet de

Leia mais

mensagem do PreSidente

mensagem do PreSidente Sumário Mensagem do Presidente Perfil Institucional Estrutura organizacional Desempenho da Anatel Acesso aos serviços Oferta de serviços Competição Gestão do espectro Certificação de produtos Fiscalização

Leia mais

MARCELO BECHARA Maio de 2013

MARCELO BECHARA Maio de 2013 MARCELO BECHARA Maio de 2013 Contextualização HISTÓRICO DA INTERNET ORIGEM: Década de 60 Guerra Fria (EUA) conexão entre computadores de forma descentralizada. Após dois anos, expansão da rede com crescimento

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC

Encontro NEOTV 2012. Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC Encontro NEOTV 2012 Regulamento e Processo de Outorgas do SeAC José Mares Guia Junior Gerente-Geral de Regulamentação, Outorga e Licenciamento de Serviços por Assinatura Ângela Beatriz Cardoso de Oliveira

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

VOTO NÚMERO E ORIGEM: 28/2014-GCMB DATA: 17/04/2014 CONSELHEIRO MARCELO BECHARA DE SOUZA HOBAIKA 1. ASSUNTO

VOTO NÚMERO E ORIGEM: 28/2014-GCMB DATA: 17/04/2014 CONSELHEIRO MARCELO BECHARA DE SOUZA HOBAIKA 1. ASSUNTO CONSELHEIRO VOTO NÚMERO E ORIGEM: 28/2014-GCMB DATA: 17/04/2014 MARCELO BECHARA DE SOUZA HOBAIKA 1. ASSUNTO Metodologia de preço a ser cobrado pela prorrogação do prazo do direito de uso de radiofrequências

Leia mais

LEI GERAL DAS TELECOMUNICAÇÕES Aparente divergência entre os arts. 86 e 207, 3º

LEI GERAL DAS TELECOMUNICAÇÕES Aparente divergência entre os arts. 86 e 207, 3º LEI GERAL DAS TELECOMUNICAÇÕES Aparente divergência entre os arts. 86 e 207, 3º Amaury Cunha Carvalho Administrador, Bacharel em Direito, aluno da Pós-Graduação da Universidade Presbiteriana Mackenzie

Leia mais

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios

Anatel. Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais. Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Anatel Regulamentação e Licenciamento para Cidades Digitais Porto Alegre Wireless 3º Encontro Nacional de Banda Larga para Municípios Porto Alegre, 4 de junho de 2009. Eng. Mauricio Peroni Especialista

Leia mais

EXIGÊNCIA DE CONTRATAÇÃO DE PROVEDOR DE SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET PARA O ACESSO EM BANDA LARGA

EXIGÊNCIA DE CONTRATAÇÃO DE PROVEDOR DE SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET PARA O ACESSO EM BANDA LARGA ESTUDO EXIGÊNCIA DE CONTRATAÇÃO DE PROVEDOR DE SERVIÇO DE CONEXÃO À INTERNET PARA O ACESSO EM BANDA LARGA Elizabeth Machado Veloso Consultora Legislativa da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomuncações,

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais