NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA"

Transcrição

1 NOVA REGULAMENTAÇÃO DO SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA Luiz Fernando Fauth Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL ibusiness 2011 Curitiba, 24/11/2011

2 SUMÁRIO Cenário atual do SCM Consulta Pública nº 45/2011 Novo Regulamento do SCM Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM Conclusões

3 PARTE I CENÁRIO ATUAL DO SCM

4 Fonte: Anatel. ACESSOS EM SERVIÇO

5 ACESSO À INTERNET Proporção de Domicílios com Acesso à Internet e Proporção de Usuários da Internet na População (%) Domicílios Usuários Fonte: TIC Domicílios 2010.

6 ENTIDADES AUTORIZADAS DO SCM Fonte: Anatel.

7 EQUIPAMENTOS DISPONÍVEIS NOS DOMICÍLIOS Fonte: Pesquisa TIC Domicílios 2010

8 BANDA LARGA E CRESCIMENTO ECONÔMICO Impacto de um aumento de 10 p.p. de penetração do serviço sobre o crescimento per capita (em p.p.) 1,4 1,2 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 STFC SMP Acesso Discado Banda Larga Fonte: QIANG, ROSSOTTO, KIMURA, 2009.

9 SCM E POLÍTICAS PUBLICAS PARA AS TELECOMUNICAÇÕES O SCM, como serviço que dá suporte à conexão à Internet em banda larga, está no centro das políticas públicas de inclusão digital: Decreto nº 6.424, de 04/04/2008: altera o PGMU para incluir a obrigação de rede de suporte à conexão em banda larga (backhaul). Convênio nº 38, de 03/04/2009, do CONFAZ: isenção de ICMS para Internet Popular. Decreto nº 7.175, de 12/05/2010: institui o Programa Nacional de Banda Larga (PNBL). Termos de compromisso celebrados no âmbito do PNBL.

10 PARTE II CONSULTA PÚBLICA Nº 45/2011 NOVO REGULAMENTO DO SCM

11 AUTORIZAÇÕES Autorização Definição Preço Local Áreas locais do STFC R$ 400,00 Estadual UF R$ 1.200,00 Regional Regiões do PGO R$ 9.000,00 Nacional Território Nacional R$ 9.000,00

12 ASSIMETRIAS REGULATÓRIAS Conceito de Prestador de Pequeno Porte: prestadora de SCM com até 50 mil assinantes. Fundamento: art. 3º, 2º, da Portaria nº 2.014, de 13/10/2008, do Ministério da Justiça. Objetivo: dispor de um critério operacional e objetivo para o estabelecimento de assimetrias regulatórias, considerando que o mercado de SCM caracteriza-se pela convivência de grandes e pequenos prestadores.

13 ASSIMETRIAS REGULATÓRIAS Aplicações: Guarda de dados de conexão; Gravação de chamadas destinadas ao serviço de atendimento; Funcionamento do Centro de Atendimento telefônico; Disponibilidade de atendimento por meio da internet; Metas de qualidade.

14 EMPRESAS QUE NÃO SE ENQUADRAM NO CONCEITO DE PRESTADOR DE PEQUENO PORTE PRESTADORA ACESSOS TELEMAR NORTE LESTE S.A NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S.A GLOBAL VILLAGE TELECOM LTDA CTBC MULTIMÍDIA DATA NET S.A EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A SERCOMTEL S.A. TELECOMUNICAÇÕES CABO SERVIÇO DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA TOTAL USUÁRIOS

15 OFERTA CONJUNTA Será permitida a oferta conjunta do SCM com outros serviços de telecomunicações. Cada serviço permanecerá regido pela respectiva regulamentação. Não poderá haver multa rescisória por rescisão parcial do contrato de oferta conjunta, mas os serviços remanescentes poderão ser cobrados como se fossem contratados isoladamente. O preço do serviço isolado não poderá exceder o da oferta conjunta.

16 ATENDIMENTO AO ASSINANTE Regra Geral: centro de atendimento 24/7 com discagem gratuita. Prestadores de Pequenos Porte: 24/7 para reclamações e solicitações de reparo; 8h 20h, nos dias úteis, para demais solicitações e pedidos de informações. Cada solicitação deverá ser identificada por um protocolo numérico sequencial que será informado ao assinante. Atendimento pela Internet: prestadores que não se enquadram no conceito de pequeno porte. Gravação de chamadas: Regra geral: conservar por 180 dias; Prestadores de pequeno porte: 90 dias.

17 PLANO DE SERVIÇO Na contratação, o usuário deverá selecionar um Plano de Serviço. O Plano de Serviço deve conter: velocidade mínima e máxima disponível, para download e upload; valor da mensalidade e critérios de cobrança; franquia de consumo, quando aplicável. Regras para franquia de consumo: Pagamento adicional, ou Redução da velocidade, limitada a 50%.

18 RESCISÃO DO CONTRATO Deve ser realizada em até 24 horas, sem ônus para o assinante. Independe do adimplemento contratual. Não impede a exigibilidade de encargos proporcionais decorrentes do contrato. É falta grave a retenção de pedido de rescisão do contrato.

19 PRAZOS DE PERMANÊNCIA Poderá haver estipulação de prazo mínimo de permanência, vinculado a concessão de benefícios. O prazo máximo será de 12 meses. O assinante pode desistir do benefício a qualquer momento. Em caso de desistência do assinante, poderá haver cobrança de multa rescisória proporcional ao prazo remanescente e ao benefício concedido. A concessão do benefício deverá constar de instrumento próprio, que conterá o valor da multa rescisória a cada mês. Deve haver sempre a opção de contratação sem benefício. Não poderá haver cobrança de multa em caso de rescisão motivada por falha da prestadora.

20 CONSERVAÇÃO DE DADOS Regra Geral: conservação dos dados cadastrais e registros de conexão por prazo mínimo de 3 anos. Prestador de Pequeno Porte: prazo mínimo de 2 anos.

21 NEUTRALIDADE DE REDE Vedação ao bloqueio ou tratamento discriminatório de qualquer tipo de tráfego, como voz, dados ou vídeo, independentemente da tecnologia utilizada; Permitido o bloqueio ou gerenciamento de tráfego, desde que indispensáveis à garantia da segurança e da estabilidade do serviço e das redes que lhe dão suporte. Transparência: critérios de bloqueio e gerenciamento divulgados a todos os interessados. Respeito à privacidade, sigilo das comunicações e livre, ampla e justa competição.

22 PARTE III REGULAMENTO DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SCM

23 OBJETIVOS Estabelecer padrões mínimos de qualidade para o SCM. Promover a progressiva melhoria da qualidade da experiência dos usuários de serviços de banda larga tanto no relacionamento com a Prestadora como no desempenho técnico do serviço contratado. Dar cumprimento à política pública de telecomunicações constante do Decreto nº 7.512, de 30/06/2011.

24 FUNDAMENTOS Estudos feitos pela Superintendência de Serviços Privados: Experiências internacionais (Reino Unido, Índia, Portugal); Levantamento de dados junto às Prestadoras. Demais propostas de regulamentos de qualidade submetidas à Consulta Pública (SMP, STFC, STA). Projeto conjunto CGI.br, Inmetro e Anatel de avaliação da qualidade da banda larga fixa.

25 ÂMBITO DE APLICAÇÃO Prestadoras de Pequeno Porte (com até 50 mil Assinantes): somente as informações do Anexo I do Regulamento. Demais Prestadoras (+ de 50 mil Assinantes): todo o Regulamento, inclusive metas de qualidade.

26 INDICADORES DE REAÇÃO DO USUÁRIO Taxa de Reclamação (SCM1) Taxa de Reclamações na Anatel (SCM2) Taxa de Reclamações Reabertas na Prestadora (SCM3)

27 TAXA DE RECLAMAÇÃO Conceito: relação entre o número total de reclamações recebidas na Prestadora, em todos os seus canais de atendimento, e o número total de acessos em serviço.

28 TAXA DE RECLAMAÇÕES NA ANATEL Conceito: relação entre o número total de reclamações recebidas na Anatel, em desfavor da Prestadora, e o número total de reclamações recebidas em todos os canais de atendimento da Prestadora.

29 TAXA DE RECLAMAÇÕES REABERTAS NA PRESTADORA Conceito: relação da quantidade de reclamações com reabertura pela quantidade de reclamações recebidas em todos os canais de atendimento da Prestadora.

30 INDICADORES DE REDE Garantia de Velocidade Instantânea (SCM4) Garantia de Velocidade Média Contratada (SCM5) Latência Bidirecional (SCM6) Variação de Latência (SCM7) Taxa de Perda de Pacotes (SCM8) Taxa de Disponibilidade (SCM9)

31 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO Equipamento dedicado, instalado no endereço do Assinante; Coleta de amostras estatisticamente válidas e representativas de todas as faixas de velocidade ofertadas; Medições do equipamento de medição ao PTT; Definição de Calendário Anual das localidades a serem avaliadas pela Anatel. Execução: Entidade Aferidora da Qualidade Coordenação: Grupo de Implantação de Processos de Aferição da Qualidade (GIPAQ).

32 SOFTWARE DE MEDIÇÃO Aplicação nos seguintes indicadores: Velocidade Instantânea; Latência Bidirecional; Variação de Latência; Taxa de Perda de Pacote. Disponível em até 120 da entrada em vigor do Regulamento.

33 VELOCIDADE INSTANTÂNEA Conceito: Mediana dos valores das amostras coletadas em cada medição. Meta (em percentual da velocidade máxima contratada pelo Assinante, tanto no download como no upload): Primeiro ano: 20%. Segundo ano: 30%. A partir do terceiro ano: 40%. Meta válida para 95% dos casos.

34 VELOCIDADE MÉDIA Conceito: Média dos valores apurados nas medições de velocidade instantânea realizadas durante um mês. Meta (em percentual da velocidade máxima contratada pelo Assinante): Primeiro ano: 60%. Segundo ano: 70%. A partir do terceiro ano: 80%.

35 LATÊNCIA BIDIRECIONAL Conceito: período de transmissão de um pacote, de ida e de volta, entre a origem e o destino, aferido pela mediana dos valores coletados em cada medição. Meta: 80ms terrestre 900ms satélite Meta (em % dos casos) 1º ano 2º ano A/P 3º ano

36 VARIAÇÃO DE LATÊNCIA Meta (em % dos casos) Conceito: mediana dos módulos das diferenças de tempo entre as sequências de pacotes recebidas. Meta: 50 ms º ano 2º ano A/P 3º ano

37 TAXA DE PERDA DE PACOTE Meta (em % dos casos) Conceito: percentual de pacotes descartados em cada medição. Meta: 2% º ano 2º ano A/P 3º ano

38 TAXA DE DISPONIBILIDADE Meta (em % dos casos) Conceito: Tempo em que o sistema opera sem interrupção ou degradação. Meta 99% º ano 2º ano A/P 3º ano

39 INDICADORES DE ATENDIMENTO Taxa de Atendimento pelo Atendente em Sistemas de Autoatendimento (SCM10) Taxa de Instalação do Serviço (SCM11) Taxa de Solicitações de Reparo (SCM12) Taxa de Tempo de Reparo (SCM13) Taxa de Resposta ao Assinante (SCM14)

40 TAXA DE ATENDIMENTO PELO ATENDENTE EM SISTEMAS DE AUTOATENDIMENTO Conceito: tempo para o atendimento pelo atendente em Sistemas de Autoatendimento, quando esta opção for selecionada pelo Assinante. Meta: 20s em 80% dos casos, no 1º ano; 85% dos casos, no 2º ano. Nunca superior a 60s.

41 TAXA DE INSTALAÇÃO DO SERVIÇO Conceito: solicitações de instalação de serviço em áreas atendidas pela rede da Prestadora. Meta: 10 dias úteis em 90% dos casos, no 1º ano; 95% dos casos, no 2º ano. Não pode exceder em 5 dias úteis o prazo da meta.

42 TAXA DE SOLICITAÇÕES DE REPARO Conceito: quantidade de solicitações de reparo em relação ao número de acessos em serviço Meta (em %) 1º ano 2º ano A/P 3º ano

43 TAXA DE TEMPO DE REPARO Conceito: tempo de atendimento das solicitações de reparo. Meta: 24h em 90% dos casos, no 1º ano; 95% dos casos, a partir do 2º ano Nunca superior a 48 h.

44 TAXA DE RESPOSTA AO ASSINANTE Conceito: Todas as solicitações de serviços ou pedidos de informação, excluídos SCM11 e SCM12, recebidos em qualquer Setor de Atendimento e Centros de Atendimento da Prestadora. Meta: 5 dias úteis em 90% dos casos, no 1º ano; 95% dos casos, a partir do 2º ano; Nunca superior a 10 dias úteis.

45 PESQUISA DE SATISFAÇÃO Periodicidade: 12 meses Empresa especializada, contratada pelas Prestadoras. Modelos de questionários definidos pela Anatel. Critérios avaliados: Capacidade de resolução; Competência do atendente; Competência e organização da Prestadora; Orientação ao Assinante; Conta e cobrança; Qualidade da conexão; Suporte técnico.

46 TRANSPARÊNCIA E DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÕES Cartilha informativa a ser distribuída pelas Prestadoras: Conteúdo: Informação sobre as metas de qualidade. Orientação quanto à obtenção, instalação e utilização do software de medição. Distribuição: Para Assinantes novos: no momento da contratação do serviço. Para os demais Assinantes: disponível no sítio da prestadora na Internet. Divulgação dos resultados na página da Anatel, mediante sistema interativo. Divulgação dos resultados na página da Prestadora.

47 PRAZOS Entrada em vigor do Regulamento: data da publicação. Coleta e encaminhamento das informações relativas aos indicadores de qualidade à Anatel: a partir do 10º mês. Exigibilidade das metas: a partir do 13º mês.

48 PARTE IV CONSIDERAÇÕES FINAIS

49 CONCLUSÕES Atualização dos marcos regulatórios do SCM. Promoção da progressiva melhoria da qualidade do acesso à internet em banda larga. Cumprimento de política pública estabelecida no Decreto nº 7.512, de 30/06/2011.

50 RESSALVA O conteúdo desta apresentação não constitui manifestação oficial da Agência, não representa a opinião de qualquer dos membros do Conselho Diretor e tampouco veicula manifestação prévia sobre qualquer processo em andamento.

51 MUITO OBRIGADO! Luiz Fernando Fauth Agência Nacional de Telecomunicações Fone: (61)

Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011.

Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011. Documento publicado em atenção às determinações constantes da Resolução n.º 574/2011. Cartilha Informativa acerca da Qualidade do SCM (Serviço de Comunicação Multimídia) Documento publicado em atenção

Leia mais

Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel

Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel Regulamento de Gestão da Qualidade do SCM e do SMP Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados - SPV Anatel Brasília/DF Março/2012 Agenda Base Regulatória; GIPAQ; Princípios; Processo

Leia mais

Universalização de acesso à internet de alto desempenho. Presidência da Anatel

Universalização de acesso à internet de alto desempenho. Presidência da Anatel Universalização de acesso à internet de alto desempenho Presidência da Anatel Brasília/DF Outubro/2012 Panorama Global CRESCIMENTO DA BANDA LARGA NO MUNDO - O Brasil foi o quinto país que mais ampliou

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

São Paulo, 16 de setembro de 2011. Ilmo. Sr. Ronaldo Mota Sardenberg Presidente ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações.

São Paulo, 16 de setembro de 2011. Ilmo. Sr. Ronaldo Mota Sardenberg Presidente ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações. São Paulo, 16 de setembro de 2011. Ilmo. Sr. Ronaldo Mota Sardenberg Presidente ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações Prezado Senhor, O Idec Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor - vem,

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (setembro/13) outubro de 2013 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

Qualidade da Banda Larga Fixa (SCM) Relatório de Indicadores de Desempenho Operacional

Qualidade da Banda Larga Fixa (SCM) Relatório de Indicadores de Desempenho Operacional Qualidade da Banda Larga Fixa (SCM) Relatório de Indicadores de Desempenho Operacional 2014 Superintendência de Controle de Obrigações - SCO Gerência de Controle de Obrigações de Qualidade - COQL Brasília,

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Setembro/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Gestão da Qualidade da Banda Larga

Gestão da Qualidade da Banda Larga Gestão da Qualidade da Banda Larga Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17 de maio de 2013 METODOLOGIA DE MEDIÇÃO INDICADORES DE BANDA LARGA FIXA Avaliações realizadas através de medidores instalados

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (Junho/14) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

Programa de Medição da Qualidade da Banda Larga Fixa no Brasil

Programa de Medição da Qualidade da Banda Larga Fixa no Brasil Programa de Medição da Qualidade da Banda Larga Fixa no Brasil Lançamento Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 29 de agosto de 2012 1 RGQ-SCM Prestadoras de SCM com mais de 50.000 acessos em

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (dezembro/13) Janeiro de 2014 Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERANTIVO N 036 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 036 Modalidade

Leia mais

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano.

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano. 01) O que é AICE? Significa Acesso Individual Classe Especial. É um Plano básico e com regulamentação própria (Regulamentado pela Resolução Nº 586, da ANATEL, de 05 de abril de 2012). Modalidade de telefonia

Leia mais

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM

Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Serviço de Comunicação Multimídia - SCM Carlos Evangelista Gerência de Outorga e Licenciamento de Estações - ORLE Superintendência de Outorga e Recursos à Prestação - SOR Agência Nacional de Telecomunicações

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO Fale Light PLANO ALTERNATIVO N 068 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano Fale Light PAS 068 Modalidade do STFC Local. Descrição

Leia mais

Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão

Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão Draft para avaliação 1 de 1 SOFTWARE DE MEDIÇÃO DA QUALIDADE DE CONEXÂO Em cumprimento às obrigações previstas no Regulamento de

Leia mais

Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão

Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão Cartilha Informativa sobre o Software de Medição de Qualidade de Conexão Draft para avaliação 1 de 1 SOFTWARE DE MEDIÇÃO DA QUALIDADE DE CONEXÂO Em cumprimento às obrigações previstas no Regulamento de

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 088-LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Via Fone Fale Simples Modalidade do STFC Local. Descrição Resumida A adesão a este plano

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga

Programa Nacional de Banda Larga Programa Nacional de Banda Larga Metas e eixos de ação Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 31 de agosto de 2011 Dados de acesso à Internet em

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS

TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRAS S.A. TELEBRÁS PÁG. 1 DE 13 PRÁTICA DE SERVIÇO DE BANDA LARGA REQUISITOS MÍNIMOS PARA OS PRESTADORES DE SERVIÇO DO PROGRAMA NACIONAL DE BANDA LARGA - PNBL Sumário 1.OBJETIVO... 2 2.CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 3.DEFINIÇÕES...

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Gerais

Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DA QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade a serem cumpridas pelas prestadoras do Serviço

Leia mais

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb.

terá a capacidade inicial de 32Mb, com possibilidade de expansão mínima de até 128Mb. MEMORIAL DESCRITIVO Objeto 1.1 O objeto do presente Termo de Referência (TR) é a contratação de empresa, ou consórcio de empresas, para o provimento de serviço de acesso à rede Internet no município SANTO

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC Empresa PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE VIA EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO N 095-LC Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE VIA EMBRATEL PAS 095-LC Modalidade

Leia mais

PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais

PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais PLANO GERAL DE METAS DE QUALIDADE PARA O SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO. Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º Este Plano estabelece as metas de qualidade, a serem cumpridas pelas prestadoras de

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA Veja como funciona, como contratar, quais os seus direitos e como reclamar no caso de problemas. COMO FUNCIONA A transmissão pode ser via cabo, satélite ou microonda, sendo

Leia mais

Convergência e direito do consumidor. Estela Waksberg Guerrini Idec

Convergência e direito do consumidor. Estela Waksberg Guerrini Idec 1 Convergência e direito do consumidor Estela Waksberg Guerrini Idec Como fica o consumidor no ambiente de convergência, quando a regulação não acompanha as mudanças na oferta de serviços? 2 3 Uma empresa

Leia mais

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO REGULAMENTO Cliente Telefônica - Forme seu DUO Esta Promoção é realizada pela Telefônica Brasil S/A, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851 - São Paulo - SP, inscrita no CNPJ sob o nº 02.558.157/0001-62

Leia mais

AS MUDANÇAS NA REGULAMENTAÇÃO DA TELEFONIA FIXA E MÓVEL E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR

AS MUDANÇAS NA REGULAMENTAÇÃO DA TELEFONIA FIXA E MÓVEL E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR AS MUDANÇAS NA REGULAMENTAÇÃO DA TELEFONIA FIXA E MÓVEL E OS DIREITOS DO CONSUMIDOR DUCIRAN VAN MARSEN FARENA PROCURADOR DA REPÚBLICA/PB COORDENADOR DO GT TELEFONIA/MPF MODELO DE REGULAÇÃO DA TELEFONIA

Leia mais

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter out ro plano.

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter out ro plano. 01) O que é AICE? Significa Acesso I ndividual Classe Especial. É um Plano básico e com regulamentação própria (Regulamentado pela Resolução Nº 5 8 6, da ANATEL, de 0 5 de abr il de 2 0 1 2 ). Modalidade

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE FALE FIXO LOCAL PLANO ALTERANTIVO N 107 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE FALE FIXO LOCAL PLANO ALTERANTIVO N 107 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO NET FONE FALE FIXO LOCAL PLANO ALTERANTIVO N 107 - LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano NET FONE FALE FIXO LOCAL PAS 107 - LC

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO 093-LC Empresa Empresa Brasileira de Telecomunicações S.A. EMBRATEL. Nome do Plano Plano 093 Local Modalidade do STFC Local. Descrição Resumida A adesão a este plano de serviço

Leia mais

TERMO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA Nº

TERMO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA Nº TERMO DE CONTRATAÇÃO DOS SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA Nº A assinatura deste TERMO DE CONTRATAÇÃO representa concordância aos termos do CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE COMUNI- CAÇÃO MULTIMÍDIA (SCM), registrado

Leia mais

TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE

TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE TERMO DE SUBLICENCIAMENTO E AUTORIZAÇÃO DE USO DE SOFTWARE GLOBAL VILLAGE TELECOM S.A., com sede na cidade de Maringá, estado do Paraná, na Rua João Paulino Vieira Filho, nº 752, 2º andar, Novo Centro,

Leia mais

Principais Direitos dos Usuários e Obrigações das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações

Principais Direitos dos Usuários e Obrigações das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Telefonia Móvel Banda Larga Telefonia Fixa TV por Assinatura Principais Direitos dos Usuários e Obrigações das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Telefonia Móvel 1. Adesão A prestação do Serviço

Leia mais

Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015

Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015 Regulamento Oferta LIVE TIM Empresas 16/12/2013 a 31/03/2015 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Promoção é realizada pela TIM Celular S/A, prestadora de SCM, com sede na Avenida Giovanni Gronchi, número 7.143, Cidade

Leia mais

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com.

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com. 2. VoIP Meeting IP News 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307 0307 fds01@terra.com.br VOIP Conceito: Voice Over IP (Voz sobre IP) Anatel: Não regulamenta

Leia mais

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015 Perspectiva Regulatória Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2 milhões de assinantes R$ 204 bi RECEITA

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014

Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014 Programa Nacional de Banda Larga: principais ações e resultados Brasília, novembro de 2014 Meta do PNBL Se pacote PNBL de 1 Mbps for ofertado por R$ 15 em todos os municípios Se pacote PNBL de 1 Mbps for

Leia mais

PNBL e deficiências na transmissão de dados via internet Região Norte. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel

PNBL e deficiências na transmissão de dados via internet Região Norte. Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel PNBL e deficiências na transmissão de dados via internet Região Norte Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel Agenda Região Norte Ações da Anatel* Anuência Prévia Oi-BrT Projeto

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 62.817, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 62.817, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ATO Nº 62.817, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2006 O SUPERINTENDENTE DE SERVIÇOS PÚBLICOS DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES - ANATEL, no uso da atribuição que lhe foi conferida

Leia mais

Banda Larga rural e urbana

Banda Larga rural e urbana Banda Larga rural e urbana Edital de Licitação 004/2012/PVCP/SPV-Anatel (450 MHz e 2,5 GHz) Bruno de Carvalho Ramos Superintendente de Serviços Privados Anatel Brasília/DF Abril/2012 Premissas e objetivos

Leia mais

Rodrigo Zerbone Conselheiro Relator. Brasília/DF Fevereiro/2014

Rodrigo Zerbone Conselheiro Relator. Brasília/DF Fevereiro/2014 Rodrigo Zerbone Conselheiro Relator Brasília/DF Fevereiro/2014 Estrutura do Regulamento Disposições Gerais Direitos e Deveres dos Consumidores Atendimento Oferta Cobrança Disposições Finais e Transitórias

Leia mais

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011

Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil. São Paulo, 30 de novembro de 2011 Pesquisa TIC Provedores 2011 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre Provedores de Serviços Internet no Brasil São Paulo, 30 de novembro de 2011 CGI.br Comitê Gestor da Internet no Brasil NIC.br Núcleo de

Leia mais

Metas de banda larga; Oi ainda apresenta deficiências em alguns estados

Metas de banda larga; Oi ainda apresenta deficiências em alguns estados Metas de banda larga; Oi ainda apresenta deficiências em alguns estados SINTTEL - Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicaçãoes de Minas Gerais SINTTEL - Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicaçãoes

Leia mais

Tabela de Preços MARKETING B2B

Tabela de Preços MARKETING B2B 1. SOLUÇÔES DE DADOS E ACESSO A INTERNET... 2 1.1. TC IP ECONÔMICO SAT... 2 1.2. TC VPN CONNECT... 4 1.3. TC DATA... 4 1.4. TC PAC... 6 1.5. TC PAC DEDICADO... 7 1.6. TC FRAME WAY... 12 1/15 1. SOLUÇÔES

Leia mais

Telecomunicações: faça valer seus direitos. Versão digital

Telecomunicações: faça valer seus direitos. Versão digital Telecomunicações: faça valer seus direitos Versão digital Atualizada em maio de 2015 Os serviços de telecomunicações estão entre os que mais geram dúvidas e reclamações. Veja quais são os seus principais

Leia mais

Larga Brasil 2005-2010

Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho de 2010 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2010 IDC. Reproduction

Leia mais

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço

Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço 1 - Aplicação Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço Plano Nº 009 - Plano Conta Light Requerimento de Homologação Nº 3556 Este Plano Pós-Pago Alternativo de Serviço é aplicável pela autorizatária 14 BRASIL

Leia mais

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS CABO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Senador José Ferreira de Souza nº 1916 Bairro Candelária,

Leia mais

Direitos dos Consumidores de Telecomunicação. Fórum Alô Brasil. 26 de abril de 2011

Direitos dos Consumidores de Telecomunicação. Fórum Alô Brasil. 26 de abril de 2011 Direitos dos Consumidores de Telecomunicação Fórum Alô Brasil 26 de abril de 2011 Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor Instituto criado em 1987 Atuante na defesa dos direitos do consumidor Independente

Leia mais

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado)

PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE Nº DE 2014 (Do Sr. Luiz Fernando Machado) Propõe que a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle com o auxílio do Tribunal de Contas da União e do Ministério Público

Leia mais

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas públicas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Recife, outubro de 2014 Meta do PNBL Se pacote PNBL de

Leia mais

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Manaus, janeiro de 2015 Evolução da penetração do acesso domiciliar à Internet Proporção de

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

ANEXO II - CADERNO DE MÉTRICAS E NÍVEIS DE SERVIÇOS

ANEXO II - CADERNO DE MÉTRICAS E NÍVEIS DE SERVIÇOS ANEXO II - CADERNO DE MÉTRICAS E NÍVEIS DE SERVIÇOS No caso de aplicação de glosa referente ao mesmo indicador deste caderno de métricas, durante três meses consecutivos, ou cinco meses intervalados durante

Leia mais

A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições:

A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições: REGULAMENTO Duo Negócios A oferta será realizada pela VIVO nas seguintes condições: 1. Das Definições Para esta, aplicam-se as seguintes definições: 1.1. : Oferta especial para a aquisição dos produtos

Leia mais

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA)

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Código do Serviço: 3005001 Nome do Serviço: Data de Publicação: 30/04/2013 Entrada em Vigor: SAN AUTENTICAÇÃO 01/06/2013 Versão: 1.0000 Status: Publicado

Leia mais

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO REGULAMENTO Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO Esta Promoção é realizada pela Telecomunicações de São Paulo S/A TELESP, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851 - São Paulo - SP, inscrita

Leia mais

Regulamento. PROMOÇÃO DUO Plano Fale a Vontade e Banda Larga

Regulamento. PROMOÇÃO DUO Plano Fale a Vontade e Banda Larga PROMOÇÃO DUO Plano Fale a Vontade e Banda Larga Esta Promoção é realizada pela TELEFÔNICA BRASIL S.A., com sede na Rua Martiniano de Carvalho, 851 - São Paulo - SP, inscrita no CNPJ sob o nº 02.558.157/0001-62,

Leia mais

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel

ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Comentários MINUTA TERMO DE REFERENCIA Lote 9A ABRANGÊNCIA: atendimento a no mínimo 60% dos municípios 853 mineiros conforme padrões Anatel Resposta: Fica mantido o texto da minuta do TR. 2.2 O provimento

Leia mais

PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL

PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL PLANO BÁSICO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO DE TELEFONIA FIXA COMUTADA NA MODALIDADE LONGA DISTÂNCIA INTERNACIONAL TIM CELULAR S.A., com sede na Cidade de São Paulo SP, à Av. Giovani Gronchi, 7143 - Vila Andrade,

Leia mais

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade

Agência Nacional de Telecomunicações. Entidade Aferidora da Qualidade Agência Nacional de Telecomunicações Entidade Aferidora da Qualidade Qualidade da Banda Larga Publicação de Indicadores (julho/2015) Medição Banda Larga Fixa (SCM) Para a medição da banda larga fixa (SCM)

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CTBC MIX

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CTBC MIX REGULAMENTO DA PROMOÇÃO CTBC MIX 1) OBJETIVO: O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer as relações entre as EMPRESA(S) CTBC Telecom, CTBC Celular S/A e CTBC Multimídia Data Net S/A, adiante

Leia mais

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Contrato de Adesão CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) O texto deste Contrato foi submetido à aprovação da Agência Nacional de Telecomunicações - ANATEL, estando sujeito a

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização

Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização Agência Nacional de Telecomunicações Revisão dos Contratos de Concessão do STFC -- Plano Geral de Metas para a Universalização José Alexandre Bicalho Superintendente de Planejamento e Regulamentação 02/09/2014

Leia mais

CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC. Outubro / 2015

CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC. Outubro / 2015 CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC Outubro / 2015 CONHEÇA SEUS DIREITOS Principais normas aplicáveis aos consumidores: * Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90); * Regulamento Geral de

Leia mais

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO CLARO FONE FALE ON NET PLANO ALTERNATIVO N 110 - LC

PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO CLARO FONE FALE ON NET PLANO ALTERNATIVO N 110 - LC PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO CLARO FONE FALE ON NET PLANO ALTERNATIVO N 110 - LC Empresa Empresa Claro S/A, incorporadora da Embratel S.A., autorizada do STFC na modalidade Local. Nome do Plano Plano CLARO

Leia mais

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação. Novembro de 2015

Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação. Novembro de 2015 Audiência Pública Câmara dos Deputados Comissão de Educação Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2

Leia mais

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET er@ da informação impacto nos serviços Edmundo Antonio Matarazzo Superintendência de Universalização agosto

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC)

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) CONTRATO DE PRESTAÇÃO DO SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO (STFC) Pelo presente instrumento particular ( Contrato ), de um lado, ALGAR TELECOM S/A, prestadora de serviços de telecomunicações, inscrita no

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT/SENADO EAQ BANDA LARGA. 22 de Março de 2012 Milton Kaoru Kashiwakura NIC.br

AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT/SENADO EAQ BANDA LARGA. 22 de Março de 2012 Milton Kaoru Kashiwakura NIC.br AUDIÊNCIA PÚBLICA CCT/SENADO EAQ BANDA LARGA 22 de Março de 2012 Milton Kaoru Kashiwakura NIC.br Sobre o NIC.br NIC.br Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR Entidade civil, sem fins lucrativos,

Leia mais

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO

REGULAMENTO. Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO REGULAMENTO Cliente Telefônica - Forme seu DUO ou TRIO Esta Promoção é realizada pela Telecomunicações de São Paulo S/A TELESP, com sede na Rua Martiniano de Carvalho, nº 851 - São Paulo - SP, inscrita

Leia mais

INFORME. Proposta de Regulamento de Gestão da Qualidade do Serviço de Comunicação Multimídia RGQ- SCM.

INFORME. Proposta de Regulamento de Gestão da Qualidade do Serviço de Comunicação Multimídia RGQ- SCM. INFORME ORIGEM PVSTR/PVST/SPV NÚMERO DATA /04/2010 1. INTERESSADO Superintendência de Serviços Privados SPV 2. DESTINATÁRIO Conselho Diretor da Anatel 3. ASSUNTO Proposta de Regulamento de Gestão da Qualidade

Leia mais

Qualidade na Telefonia Fixa

Qualidade na Telefonia Fixa Qualidade na Telefonia Fixa Este tutorial apresenta os indicadores básicos utilizados pela Anatel para acompanhar a Qualidade do Serviço prestado pelas operadoras do Serviço Telefônico Fixo Comutado no

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 719ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR

AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 719ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES ANATEL PAUTA DA 719ª REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR DATA: 31 de outubro de 2013 HORÁRIO: 15:00h LOCAL: SALA DE REUNIÃO DO CONSELHO DIRETOR - SAUS - QUADRA 06 - BLOCO H

Leia mais

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA

PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA 1. Aplicação PLANO DE SERVIÇO TV POR ASSINATURA Plano nº 200 Pacote Fácil Este Plano de Serviço de TV é aplicável a autorizatária Embratel TV Sat Telecomunicações S.A., denominada doravante como Claro

Leia mais

TERMO DE ADESÃO/REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS EMPRESARIAL

TERMO DE ADESÃO/REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS EMPRESARIAL TERMO DE ADESÃO/REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS EMPRESARIAL CABO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Avenida Senador José Ferreira da Costa nº 1916 Bairro

Leia mais

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações

JARBAS JOSÉ VALENTE. Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações JARBAS JOSÉ VALENTE Presidente Substituto da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 4 de junho de 2013 Agenda Lei da Comunicação Audiovisual de Acesso Condicionado (Lei n. 12.485, de 11/09/2012);

Leia mais

PLANOS DE 1MB a 100MB COMO ISSO É POSSÍVEL?

PLANOS DE 1MB a 100MB COMO ISSO É POSSÍVEL? PLANOS DE 1MB a 100MB COMO ISSO É POSSÍVEL? DAVID MARCONY CATVBRASIL PROFESSOR OFICIAL DA MIKROTIK PREMIERE TELECOM Agenda Introdução O futurodo Mercado de Banda Larga O que podemos fazer? O queo Router-OS

Leia mais

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE NEW 150

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE NEW 150 TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE NEW 150 Pelo presente instrumento, de um lado, a CABO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Senador José

Leia mais

REGULAMENTO OFERTAS LIGADO EXCLUSIVO PARA AS CIDADES UBERLÂNDIA E UBERABA

REGULAMENTO OFERTAS LIGADO EXCLUSIVO PARA AS CIDADES UBERLÂNDIA E UBERABA REGULAMENTO OFERTAS LIGADO EXCLUSIVO PARA AS CIDADES UBERLÂNDIA E UBERABA 1. OBJETIVO: o presente regulamento tem por objetivo estabelecer a relação entre as empresas Companhia de Telecomunicações do Brasil

Leia mais

Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias. 2014-2015 Julho a setembro de 2014

Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias. 2014-2015 Julho a setembro de 2014 Relatório de acompanhamento trimestral das Ações Regulatórias 2014-2015 Julho a setembro de 2014 Relatório Introdução Esse relatório tem o objetivo de apresentar o acompanhamento das Ações Regulatórias

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO PACOTES TURBINADOS

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO PACOTES TURBINADOS REGULAMENTO DA PROMOÇÃO PACOTES TURBINADOS BRASIL TELECOM S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade anônima inscrita no CNPJ sob n.º 76.535.764/0001-43, com sede e administração na cidade de

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga PNBL Situação em junho de 2014

Programa Nacional de Banda Larga PNBL Situação em junho de 2014 Programa Nacional de Banda Larga PNBL Situação em junho de 2014 Estrutura da apresentação Concepção do PNBL Objetivos do PNBL Meta do PNBL Evolução recente de indicadores de banda larga Principais ações

Leia mais

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional

Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Ministério das Comunicações Encontro Provedores Regionais Políticas de incentivo à banda larga O papel dos prestadores de porte regional Marabá, abril de 2014 Ministério das Comunicações Evolução da penetração

Leia mais

- Regulamento SCM, aprovado pela Resolução ANATEL nº 614 de 28 de Maio de 2013, que tutela a prestação do Serviço de Comunicação Multimídia (SCM).

- Regulamento SCM, aprovado pela Resolução ANATEL nº 614 de 28 de Maio de 2013, que tutela a prestação do Serviço de Comunicação Multimídia (SCM). Regulamento Oferta LIVE TIM Extreme 17/05/2014 a 31/03/2015 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Promoção é realizada pela TIM Celular S/A, prestadora de SCM, com sede na Avenida Giovanni Gronchi, número 7.143, Cidade

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

(NOME DO PROVEDOR), (QUALIFICAÇÃO DO PROVEDOR), doravante denominada simplesmente PROVEDOR.

(NOME DO PROVEDOR), (QUALIFICAÇÃO DO PROVEDOR), doravante denominada simplesmente PROVEDOR. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE BILHETAGEM E VALORAÇÃO DE CHAMADAS PARA INTERNET, ATENDIMENTO À CLIENTES E LANÇAMENTO DE CRÉDITO EM CONTA TELEFÔNICA, firmado entre TELEMAR NORTE LESTE S/A de um lado

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta de Vivo Internet Fixa"

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta de Vivo Internet Fixa REGULAMENTO DA PROMOÇÃO Oferta de Vivo Internet Fixa" Esta Promoção é realizada pela Telefônica Brasil S.A, doravante denominada Vivo, nas seguintes condições: A promoção decorre de oferta conjunta de

Leia mais

TIC DOMICÍLIOS 2012. Panorama da Inclusão digital no Brasil. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil

TIC DOMICÍLIOS 2012. Panorama da Inclusão digital no Brasil. Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no Brasil Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação TIC DOMICÍLIOS 12 Panorama da Inclusão digital no Brasil Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação no

Leia mais

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO

SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO SERVIÇO MÓVEL PESSOAL SMP PLANO DE REFERÊNCIA DE SERVIÇO Nome da Prestadora: 14 BRASIL TELECOM CELULAR S.A. Área 7 (AC, GO, MT, MS, RO, TO e DF) Número: 001/REF/SMP Brasil Telecom GSM. Página 1 de 9 1

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TELEFÔNICO FIXO COMUTADO DE LONGA DISTÂNCIA NACIONAL Pelo presente instrumento, de um lado a CLARO S.A., com sede na Rua Flórida, 1970, São Paulo/SP, inscrita no CNPJ/MF

Leia mais

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS COM FRANQUIA

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS COM FRANQUIA TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE MAIS COM FRANQUIA CABO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Senador José Ferreira de Souza nº 1916 Bairro

Leia mais

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015

Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Neutralidade de rede Consulta Pública à sociedade sobre a regulamentação prevista no Marco Civil da Internet Consulta Pública nº 8/2015 Anatel Junho de 2015 Neutralidade de rede Consulta Pública Anatel

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL REGULAMENTO DA PROMOÇÃO DE LANÇAMENTO DO NOVO PRODUTO CONEXÃO À INTERNET EM BANDA LARGA 3G COM IP PROFISSIONAL 1. Das Partes, das Definições da Promoção: 1.1. 14 BRASIL TELECOM CELULAR S.A., autorizatária

Leia mais

Telecomunicações: faça valer seus direitos

Telecomunicações: faça valer seus direitos Telecomunicações: faça valer seus direitos Exercer nosso direito à comunicação é uma questão de cidadania. Os serviços de telecomunicações estão entre os que mais geram dúvidas e reclamações. Veja aqui

Leia mais

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE PLUS

TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE PLUS TERMO DE ADESÃO/ REGULAMENTO OFERTA CABO FONE PLUS Pelo presente instrumento, de um lado, a CABO SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES LTDA., pessoa jurídica de direito privado, com sede na Rua Senador José Ferreira

Leia mais

Regulamento Oferta LIVE TIM 01/10/2015 a 31/10/2015 35, 50, 70 e 90 Mbps

Regulamento Oferta LIVE TIM 01/10/2015 a 31/10/2015 35, 50, 70 e 90 Mbps Regulamento Oferta LIVE TIM 01/10/2015 a 31/10/2015 35, 50, 70 e 90 Mbps 1. INTRODUÇÃO 1.1 Esta Promoção é realizada pela TIM Celular S/A, prestadora de SCM, com sede na Avenida Giovanni Gronchi, número

Leia mais