Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica"

Transcrição

1 Defesa da Concorrência nas Telecomunicações: Tempos de Convergência Tecnológica Caio Mário da Silva Pereira Neto Fundação Getulio Vargas - Março 2007

2 Estrutura da Apresentação Convergência Tecnológica Impactos sobre a defesa da concorrência Definição de mercado relevante Perspectivas sobre concentração horizontal Perspectivas sobre integração vertical Impactos da convergência sobre a interface entre regulação e defesa da concorrência

3 Convergência Tecnológica Alguns Elementos A revolução digital Transformação de sons, imagens e texto em dados (bits) Integração entre telecomunicações e informática Progressiva Fungibilidade entre diferentes meios Rede telefônica fixa Rede móvel Rede de TV a Cabo Satélite etc.

4 Convergência Tecnológica Alguns Elementos Maior Integração de Três Camadas dos Sistemas de Comunicação: Infra-estrutura física Infra-estrutura lógica Conteúdo Migração da inteligência do centro para a periferia das redes End-to-End - Rede neutra e inteligência nas pontas / mudança do papel dos usuários

5 Defesa da Concorrência e Convergência Tecnológica

6 Convergência Altera Padrões de Concorrência Alteração de padrões de concorrência em diversos níveis: Concorrência em infra-estrutura física (fungibilidade dos meios) - E.g. Telefone Fixo e Móvel / ADSL e Cabo Concorrência em infra-estrutura lógica (fungibilidade das plataformas) - E.g. Sistema Operacional e Browsers Concorrência em conteúdo (fungibilidade de mídias) - E.g. Mídia escrita e Mídia eletrônica na era da Internet Análise concorrencial deve estar atenta a essas alterações do padrão de competição

7 Mudanças na Definição do Mercado Relevante Duas dimensões de análise: Dimensão do Produto Dimensão Geográfica Importância da definição de mercado relevante Elemento central é a substituibilidade pelo lado da demanda; mas É possível se avaliar também a substituibilidade pelo lado da oferta

8 Definição do Mercado Relevante Em Tempos de Convergência Cada vez mais, há espaço para integração e competição entre meios distintos Abertura dos mercados Movimento de fusões e aquisições As perguntas centrais são: Quais os serviços que competem entre si? Em que espaço geográfico se dá esta competição?

9 Definição do Mercado Relevante Em Tempos de Convergência Dimensão Produto do Mercado Relevante Fundamental analisar a substituição pelo lado da demanda Substituição pela ótica do consumidor depende fundamentalmente de: Função do serviço - Para que o consumidor usa o serviço? Preço do serviço - Quanto custa o serviço? E o seu substituto potencial? Efetiva substituição depende também de aspectos regulatórios (e.g. voz sobre IP e numeração)

10 Definição do Mercado Relevante Em Tempos de Convergência Exemplo: E.g. STFC e SMP - Se houvesse um pequeno, porém significativo aumento de preços de telefonia fixa, consumidores migrariam para telefonia móvel? E.g. TV a Cabo e Satélite estão no mesmo mercado relevante? Progressiva substituição do ponto de vista da demanda - inclusão de diversos serviços em um mesmo mercado relevante depende do grau de substituição

11 Definição do Mercado Relevante Em Tempos de Convergência Substituição pelo lado da oferta - É fácil para o provedor de um serviço passar a ofertar outro serviço? Facilidade depende de (i) viabilidade técnica; (ii) custo e (iii) tempo para início da oferta Quanto mais fácil a migração de uma prestadora do serviço A para prestação de serviço B, maior a probabilidade de inclusão de ambos os serviços em um mesmo mercado relevante

12 Definição do Mercado Relevante Em Tempos de Convergência Dimensão Geográfica do Mercado Relevante Espaço geográfico em que se trava a competição Inicialmente havia uma delimitação artificial do ponto de vista regulatório Hoje, há maior flexibilidade de atuação de todas as empresas - tendência de ampliação do espaço geográfico da competição em alguns serviços Conclusão: Rápido Redesenho dos Mercados Relevantes

13 Relações Horizontais Perspectivas Diante da Convergência Convergência tecnológica tende a ampliar a definição dos mercados relevantes em serviços de informação Maior relevância das participações cruzadas entre meios de comunicação Diferentes meios passam a competir entre si Relações verticais e/ou conglomeradas podem se transformar em relações horizontais A necessidade de análises dinâmicas, procurando prever qual o impacto de determinada conduta/concentração no futuro desenvolvimento do mercado

14 Integração Vertical Principais Questões Integração Vertical - Entre etapas distintas da cadeia produtiva Pode ser obtida por concentração ou por meio de contratos Maior relevância na integração entre diferentes etapas dos sistemas de comunicação Grande movimento de integração entre: infra-estrutura física; infra-estrutura lógica e conteúdo Aumento de problemas de discriminação e recusa de acesso

15 Integração Vertical Perspectivas Diante da Convergência Dois problemas potenciais: Discriminação de Infra-estrutura: Produtor de conteúdo pode negar-se a transmitir por meio de terminada infraestrutura Efeito: redução do tráfego/audiência Discriminação de conteúdo: Controlador de infraestrutura pode discriminar produtor de conteúdo Efeito: redução do acesso ao conteúdo e do seu valor para anunciantes

16 Convergência Tecnológica e Interface entre Defesa da Concorrência e Regulação

17 Defesa da Concorrência e Regulação: Relação Estreita no Processo de Convergência Regulação define os espaços de competição Necessidade de ampliação dos espaços com a convergência Regulação pode elevar barreiras à entrada de empresas em mercados adjacentes Redução de barreiras Assimetrias regulatórias podem impedir a competição entre plataformas Necessidade de revisão do marco regulatório Regulação pode abrir novas oportunidades para a competição

18 Convergência Tecnológica e Divergência Regulatória: Cabo v. Telcos Entrada de operadoras de cabo no mercado de telefonia Discussões sobre a entrada de empresas de Telefonia em TV a cabo Limites ao capital estrangeiro Atuação na área de concessão (Lei de TV a Cabo e Contrato de Concessão)

19 O CADE e Advocacia da Concorrência considero ser necessário atualizar o marco regulatório, para que este não configure uma barreira à entrada no ambiente convergente. A regulação governamental não pode ser uma barreira ao desenvolvimento da convergência. (Voto do Conselheiro Luis Carlos Delorme Prado, AC /2004, Telmex-NET, julgado em )

20 Convergência Tecnológica e Oportunidades Regulatórias para Ampliar a Concorrência O Caso da TV Digital Salto tecnológico e novas oportunidades SDTV v. HDTV Serviços interativos e acesso a Internet Alocação de freqüências - diversas possibilidades delimitam o futuro da concorrência E.g. Diversidade de canais v. Qualidade de imagem

21 Conclusões Convergência tecnológica altera o padrão de competição no mercado Nova visão de mercados relevantes no setor de comunicação Novas perspectivas na análise concorrencial Evolução tecnológica e oportunidades regulatórias para o incremento da concorrência Necessidade de repensar o marco regulatório

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel

Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal. JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal JOÃO REZENDE Presidente da Anatel Anatel Brasília/DF Maio/2013 15 anos de LGT Em 1997, na corrida pelo usuário, a

Leia mais

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007

Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações. Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Evolução da Regulamentação do Setor de Telecomunicações Sub-Comissão de Marcos Regulatórios da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado 21/05/2007 Razões para mudar a legislação Antes de mudar, definir

Leia mais

Carlos Baigorri Superintendente de Competição

Carlos Baigorri Superintendente de Competição Carlos Baigorri Superintendente de Competição Brasília/DF Março/2015 Uma volta ao passado? Há quase uma década o setor de telecomunicações discute a convergência tecnológica. Essa discussão era focada

Leia mais

Programa Nacional de Banda Larga

Programa Nacional de Banda Larga Programa Nacional de Banda Larga Metas e eixos de ação Comissão de Ciência e Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática Senado Federal Brasília, 31 de agosto de 2011 Dados de acesso à Internet em

Leia mais

Direitos dos Consumidores de Telecomunicação. Fórum Alô Brasil. 26 de abril de 2011

Direitos dos Consumidores de Telecomunicação. Fórum Alô Brasil. 26 de abril de 2011 Direitos dos Consumidores de Telecomunicação Fórum Alô Brasil 26 de abril de 2011 Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor Instituto criado em 1987 Atuante na defesa dos direitos do consumidor Independente

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo

O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo O PL 29 e as políticas de comunicação no Brasil: a importância da participação da sociedade civil e do Poder Executivo no processo legislativo 1 Lara Haje Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom)

Leia mais

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET

USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES USO DE SERVIÇOS DE TELECOMUNICAÇÕES PARA ACESSO A INTERNET er@ da informação impacto nos serviços Edmundo Antonio Matarazzo Superintendência de Universalização agosto

Leia mais

VoIP (Voz sobre IP): Trajetória Tecnológica e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Tecnológica

VoIP (Voz sobre IP): Trajetória Tecnológica e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Tecnológica IV CONGRESSO ACORN-REDECOM POLÍTICAS PÚBLICAS: IMPACTO SOCIOECONÔMICO DAS TICs NAS AMÉRICAS VoIP (Voz sobre IP): Trajetória e Perspectivas para o Brasil no cenário de Convergência Michele Cristina Silva

Leia mais

Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias

Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Competição Gerência de Monitoramento das Relações entre Prestadoras Painel TELEBRASIL Virtualização de redes: implicações estratégicas e regulatórias

Leia mais

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia.

Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Sr. Secretário de Estado do Empreendorismo e da Inovação, caríssimos convidados, minhas senhoras e meus senhores, muito bom dia. Bem-vindos à Conferência da ANACOM. Antes de mais gostaria de agradecer

Leia mais

Legislação aplicada às comunicações

Legislação aplicada às comunicações Legislação aplicada às comunicações Discussão Neutralidade de Rede e Reflexões sobre Regulação da Mídia Carlos Baigorri Brasília, março de 2015 Definição A neutralidade da rede é o princípio de que todo

Leia mais

4 Mercado setor de telecomunicações

4 Mercado setor de telecomunicações 4 Mercado setor de telecomunicações Nesta sessão é apresentada uma pequena visão geral do mercado de telecomunicações no Brasil, com dados históricos dos acontecimentos mais relevantes a este trabalho,

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA - CCTCI PROJETO DE LEI Nº 6835, DE 2010 Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de pontos de acesso sem fio à Internet nas ERB Estações

Leia mais

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga

Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados. Plano Nacional de Banda Larga Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática CCTCI Câmara dos Deputados Plano Nacional de Banda Larga Brasília, 30 de março de 2010 ABRAFIX Associaçã ção o Brasileira de Concessionárias

Leia mais

Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social

Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social CONSULTORIA LEGISLATIVA SEMANA PORTAS ABERTAS ÁREA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA Elementos de legislação de telecomunicações, informática e comunicação social Bernardo Lins Características

Leia mais

Procedimento licitatório para conferir Autorizações de Uso de Radiofrequências. 700 MHz

Procedimento licitatório para conferir Autorizações de Uso de Radiofrequências. 700 MHz Procedimento licitatório para conferir Autorizações de Uso de Radiofrequências 700 MHz Lotes e Áreas de Prestação Preços (*) Somente será licitado caso não exista Proponente vencedor em algum dos Lotes

Leia mais

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro

Keynote speech by Senator Walter Pinheiro II LATIN AMERICAN PUBLIC POLICY FORUM ON INTERNET, E- COMMERCE AND MOBILE TECHNOLOGIES Economic, Social and Cultural Impact on Latin America's Development Keynote speech by Senator Walter Pinheiro Discussion

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009

CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 CONSULTA PÚBLICA N 31, DE 31 DE JULHO DE 2009 Proposta de Alteração do Regulamento sobre Condições de Uso de 2.690 MHz. O CONSELHO DIRETOR DA AGÊNCIA NACIONAL DE TELECOMUNICAÇÕES, no uso das atribuições

Leia mais

MARCELO BECHARA Março de 2013

MARCELO BECHARA Março de 2013 MARCELO BECHARA Março de 2013 Contexto Sociedade da Informação países desenvolvidos Venda de músicas online: >80% Venda de videos online: >50% TV Personalizada/Interatividade Publicidade: >50% Conteúdo:

Leia mais

Um Desafio às Telecomunicações

Um Desafio às Telecomunicações Um Desafio às Telecomunicações A Inovação na Administração Pública como driver de desenvolvimento de novas infra-estruturas, produtos e serviços egovernment & ehealth 24 e 25 de Junho de 2008 IDC - CCB

Leia mais

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006

Barômetro. Cisco. Banda Larga. Análise de mercado. 2 o Trimestre/2006. 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco Banda Larga da Análise de mercado 2 o Trimestre/2006 3 a Edição Setembro/2006 Barômetro Cisco da Banda Larga Introdução Você está recebendo a nova edição do Barômetro Cisco da Banda Larga,

Leia mais

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações

29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE. Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações 29º Encontro JARBAS JOSÉ VALENTE Conselheiro da Agência Nacional de Telecomunicações Brasília, 17de abril de 2012 Agenda Serviços de Telecomunicações: Convergência de Plataformas, Redes e Outorgas Premissas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico. Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Analítico sobre Regras Regularórias n.º 14 COGCM/SEAE/MF Brasília, 25 de agosto de 2008. Assunto: Contribuições à Consulta Pública da

Leia mais

Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária. ria. Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil

Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária. ria. Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil Modelo de Concessão da Infra- Estrutura Aeroportuária ria Ministério da Defesa Secretaria de Aviação Civil 1. Contexto institucional 2. Determinação legal 3. Política Nacional de Aviação Civil e a concessão

Leia mais

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo

ser alcançada através de diferentes tecnologias, sendo as principais listadas abaixo: DSL (Digital Subscriber Line) Transmissão de dados no mesmo 1 Introdução Em 2009, o Brasil criou o Plano Nacional de Banda Larga, visando reverter o cenário de defasagem perante os principais países do mundo no setor de telecomunicações. Segundo Ministério das

Leia mais

Organização do mercado de mídia. Bernardo E. Lins Bernardo Mueller

Organização do mercado de mídia. Bernardo E. Lins Bernardo Mueller Organização do mercado de mídia Bernardo E. Lins Bernardo Mueller 1 Temário A mídia como indústria Integração vertical Poder de mercado e concentração Estratégias de competição entre veículos 2 A mídia

Leia mais

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia.

A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. A disciplina jurídica da banda larga no Brasil à luz das experiências estadunidense e europeia. Victor Epitácio Cravo Teixeira Mestrando em Direito Universidade de Brasília UnB Objetivo Analisar o tratamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 175, DE 2011. Relator: Deputado Paulo Abi-Ackel.

PROJETO DE LEI N.º 175, DE 2011. Relator: Deputado Paulo Abi-Ackel. CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 175, DE 2011. Determina a adoção de número único para emergências e segurança pública. Autor: Deputado

Leia mais

REDES E SERVIÇOS CONVERGENTES PARA O BRASIL DIGITAL

REDES E SERVIÇOS CONVERGENTES PARA O BRASIL DIGITAL REDES E SERVIÇOS CONVERGENTES PARA O BRASIL DIGITAL 51º. Painel Telebrasil Ricardo Knoepfelmacher Brasil Telecom Junho /2007 0 REDES E SERVIÇOS CONVERGENTES Os limites e diferenças atualmente existentes

Leia mais

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer?

Trilha 3 Banda larga no Brasil e inclusão digital: o que fazer? e inclusão digital: o que fazer? Coordenador da Trilha Eduardo Fumes Parajo (CGI.br, Abranet) Oradores iniciais indicados pelo setores do CGI.br: 3º Setor Beá Tibiriçá (Coletivo Digital) e Paulo Lima (Saúde

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) PROJETO DE LEI Nº, DE 2007 (Do Sr. João Maia) Dispõe sobre o serviço de comunicação eletrônica de massa e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1 Para fins desta lei e da sua regulamentação,

Leia mais

3º Seminário sobre informação na Internet: construindo o futuro do Brasil

3º Seminário sobre informação na Internet: construindo o futuro do Brasil 3º Seminário sobre informação na Internet: construindo o futuro do Brasil O custo do acesso a Internet no Brasil: caro ou barato? 18 de novembro de 2010 Sobre o Idec 2 Como o Idec trabalha? 3 4 Temas Prioritários

Leia mais

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015

Perspectiva Regulatória. Novembro de 2015 Perspectiva Regulatória Novembro de 2015 acesso móvel TV por assinatura telefone fixo banda larga fixa Panorama Setorial - Tradicional 44,1 milhões de assinantes 25,2 milhões de assinantes R$ 204 bi RECEITA

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007

Casa do Futuro Convergência Digital. Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 Casa do Futuro Convergência Digital Porto Alegre, 11 de Setembro de 2007 O Ponto de Partida A Casa nos Anos 80 TV Aberta Analógica: Do ponto de vista das emissoras, o usuário final não era gerador direto

Leia mais

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese

Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Revisão dos Contratos de Concessão. O PGMU. Desafio do Backhaul 390 Encontro Tele.Síntese Mario Dias Ripper F&R Consultores Brasília, 02 de setembro de 2014. PGMU III Geografia Características do Brasil

Leia mais

8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL.

8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL. 8º CONGRESSO BRASILEIRO DE JORNAIS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JORNAIS (ANJ) São Paulo, 19 de agosto de 2010 PAINEL: LIBERDADE DE EXPRESSÃO NA ERA DIGITAL Apresentação: A Anatel, a ampliação dos acessos de

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL

SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL Questões Centrais Manoel Rangel, Diretor da Agência Nacional do Cinema. Esta apresentação: De que maneira a tecnologia deve ser ponderada na decisão? O uso do espectro

Leia mais

Convergência e direito do consumidor. Estela Waksberg Guerrini Idec

Convergência e direito do consumidor. Estela Waksberg Guerrini Idec 1 Convergência e direito do consumidor Estela Waksberg Guerrini Idec Como fica o consumidor no ambiente de convergência, quando a regulação não acompanha as mudanças na oferta de serviços? 2 3 Uma empresa

Leia mais

IOT COMPETITIVIDADE EM SISTEMAS DE PRODUTOS

IOT COMPETITIVIDADE EM SISTEMAS DE PRODUTOS IOT COMPETITIVIDADE EM SISTEMAS DE PRODUTOS 17 DE SETEMBRO 2015 MOVIMAT SÃO PAULO JOSE VIDAL BELLINETTI - DIRETOR ITS E FÓRUM BRASILEIRO DE IOT Internet das Coisas além da definição Desde 2012 através

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT)

AUDIÊNCIA PÚBLICA. Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) AUDIÊNCIA PÚBLICA Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado (CCT) Assunto INFORMAÇÕES ACERCA DA APROVAÇÃO PELA AGÊNCIA REGULADORA DE LICENÇA PARA A TELEFÔNICA PRESTAR

Leia mais

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013

Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013 Marco Regulatório Senado Federal Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática 08 de outubro de 2013 Panorama do Setor Em 1997, na corrida pelo usuário, a telefonia fixa era o destaque

Leia mais

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL

GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL GERENCIANDO SERVIÇOS DE MENSAGENS OTT PARA UM PROVEDOR DE TELECOM GLOBAL A Sytel Reply foi comissionada por uma grande operadora global de Telecom para o fornecimento de um Service Assurance de qualidade.

Leia mais

ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL

ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL ELETROELETRÔNICO, TIC E AUDIOVISUAL Introdução A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC), eletroeletrônico e audiovisual é um dos complexos mais importantes da economia, uma vez que pode proporcionar

Leia mais

CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM TEMPOS DE CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA.

CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM TEMPOS DE CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA. CONTEÚDO AUDIOVISUAL EM TEMPOS DE CONVERGÊNCIA TECNOLÓGICA. DEFINIÇÃO SIMPLIFICADA: VARIOS TIPOS DE MÍDIA E SERVIÇOS ATRAVÉS DO MESMO MEIO OU APARELHO. -VOZ - VOZ SOBRE IP - TELECONFERENCIA - VIDEOCONFERENCIA

Leia mais

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios

Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Impacto da TV Digital no Futuro dos Negócios Congresso SUCESU-SP 2007 Integrando Tecnologia aos Negócios 29/11/07 Juliano Castilho Dall'Antonia Diretor de TV Digital w w w. c p q d. c o m. b r 1 Sumário

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM)

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Seminário O Projeto da Anatel para o Novo Cenário SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMIDIA (SCM) Luiz Tito Cerasoli Conselheiro Jarbas José Valente Superintendente de Serviços de Comunicação de Massa São Paulo,

Leia mais

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES

LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES LIMITAÇÕES AO CAPITAL ESTRANGEIRO EM PORTAIS DA INTERNET CRISTIANO AGUIAR LOPES Consultor Legislativo da Área XIV Comunicação Social, Informática, Telecomunicações, Sistema Postal, Ciência e Tecnologia

Leia mais

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público?

Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Grupo 1: O fato de a atividade atender ao interesse coletivo é suficiente para manter a autorização dada pelo Poder Público? Quais argumentos poderiam ser usados por uma empresa prestadora de serviço de

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura -

Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor. - Serviço de TV por Assinatura - Agência Nacional de Telecomunicações Superintendência de Serviços de Comunicação de Massa Câmara dos Deputados Comissão de Defesa do Consumidor - Serviço de TV por Assinatura - Ara Apkar Minassian Superintendente

Leia mais

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil

Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações. ões. Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil Tendências e cenários para a infra-estrutura de telecomunicações ões Seminário: O futuro das (tele)comunicações no Brasil em homenagem a Sérgio S Motta (1940 1998) S. Paulo, 3 de junho de 2008 Juarez Quadros

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/96 N 4 As Redes do Futuro Começaram Ontem O acesso a grandes quantidades de informação, de modo rápido, preciso e seguro, vem se constituindo

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO

HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO HOJE SISTEMAS DE INFORMÁTICA LTDA (HOJE TELECOM) OFERTA PÚBLICA DE INTERCONEXÃO RESOLUÇÃO N.º 410, de 11 de julho de 2005 da ANATEL D.O.U. de 13/07/2005. INTERCONEXÃO DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES DE INTERESSE

Leia mais

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE RELATÓRIO

Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE RELATÓRIO Ministério da Justiça Conselho Administrativo de Defesa Econômica CADE ATO DE CONCENTRAÇÃO nº 08012.000098/2006-71 Requerentes: Gedas Aktiengesellschaft e T-Systems International GmbH Advogados: Carlos

Leia mais

Larga Brasil 2005-2010

Larga Brasil 2005-2010 Barômetro Cisco de Banda Larga Brasil 2005-2010 Resultados de Junho de 2010 Preparado para Meta de Banda Larga em 2010 no Brasil: 15 milhões de conexões Elaborado por IDC Copyright 2010 IDC. Reproduction

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações

A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações CONFIDENCIAL A universalização do acesso à informação pelo uso das telecomunicações José Antônio Guaraldi Félix Presidente da NET Serviços de Comunicação S.A. São Paulo, 29 de setembro de 2009 SUMÁRIO

Leia mais

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje

VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje VoIP e sua Inserção no Ambiente Regulatório Hoje Este tutorial apresenta uma visão do ponto de vista técnico e regulatório da tecnologia VoIP, que transforma o serviço de Voz tradicional num serviço que

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

SENADO FEDERAL CCT. 07 de abril de 2009. Carlos Andre Albuquerque Diretor Presidente

SENADO FEDERAL CCT. 07 de abril de 2009. Carlos Andre Albuquerque Diretor Presidente SENADO FEDERAL CCT 07 de abril de 2009 Carlos Andre Albuquerque Diretor Presidente MMDS: Um serviço voltado para a convergência Aspectos Regulatórios Serviços oferecidos Éuma das modalidades de Serviços

Leia mais

Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom

Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom Um balanço sobre a competição no mercado brasileiro de telecom 40º Encontro TELE.SÍNTESE Março de 2015 Panorama Telefonia Móvel 281,7 milhões de acessos ~155 milhões de acessos de banda larga móvel (54%)

Leia mais

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações

Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações Comentários à Consulta Pública do Ministério das Comunicações sobre o atual modelo de prestação de serviços de telecomunicações São Paulo, 29 de dezembro de 2015. 1 INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de

Leia mais

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo

Valor Comercial das Telecomunicações. Telecomunicações nas Empresas. Superar barreiras geográficas. Superar barreiras do tempo Valor Comercial das Telecomunicações Superar barreiras geográficas Atendimento ao cliente/preenchimento de pedidos Superar barreiras do tempo Consultas de crédito (POS) Superar barreiras de custo Videoconferência

Leia mais

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País

Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País EMBRATEL CASE Embratel e uma das Maiores Empresas Agroindustriais do País O Portfólio de TI da Embratel a Serviço da Agroindústria A convergência de serviços de TI e telecom se consolida como fenômeno

Leia mais

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS

PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PROJETO DE LEI N., DE DE FEVEREIRO DE 2007. (Do Senhor Dep. Paulo Bornhausen) Dispõe sobre a organização e exploração das atividades de comunicação social eletrônica e dá outras providências. CAPÍTULO

Leia mais

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL

EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL RELATÓRIOS DE PESQUISA EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO v.13, Série B. n.1, p. 1-7 EXPOSIÇÃO DIDÁTICA SOBRE A ABERTURA DO MERCADO DE RESSEGUROS NO BRASIL Deborah Tinoco Ribeiro deborahtinoco@yahoo.com.br Marcus

Leia mais

Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios

Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Subcomissão Temporária da Regulamentação dos Marcos Regulatórios Audiência Pública Alexandre Annenberg 21/maio/2007 Os marcos regulatórios vigentes para a oferta de serviços de TV por Assinatura são baseados

Leia mais

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES

OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES OS NOVOS RUMOS DAS TELECOMUNICAÇÕES Rosa Costa Jornada de Direito Empresarial, Silveira Clemente & Rojas Advogados Associados 05/10/2007 - FIRJAN MARCO REGULATÓRIO DE TELECOMUNICAÇÕES Após uma década do

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 5.409, DE 2013

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 5.409, DE 2013 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI Nº 5.409, DE 2013 Altera o 5º do art. 32 da Lei nº 12.485, de 12 de setembro de 2011, que dispõe sobre a comunicação audiovisual

Leia mais

14ª Edição. 10 de Fevereiro de 2015 Auditório Finatec, Universidade de Brasília, Brasília, DF. pós-evento

14ª Edição. 10 de Fevereiro de 2015 Auditório Finatec, Universidade de Brasília, Brasília, DF. pós-evento 14ª Edição 10 de Fevereiro de 2015 O Evento Com mais de 350 participantes, a edição de 2015 do Seminário Políticas de (Tele)comunicações teve como temas o cenário político setorial do próximo governo Dilma

Leia mais

Workshop 007 Tecnologia da Informação

Workshop 007 Tecnologia da Informação Workshop 007 Diretor, Softex Blumenau, November 20 th th 2007 Logo Empresa Encontro Econômico Brasil-Alemanha 2007 QUESTÕES APRESENTADAS: 1) Como o Brasil desenvolve o setor de TI e quais os maiores desafios?

Leia mais

Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40

Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40 Concentração no mercado de telecom Telesíntese 40 Telefonica do Brasil S.A. mar.2015 AGENDA e principais mensagens 1. O negócio de telecomunicações é intensivo em capital e está pressionado pela expansão

Leia mais

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003

Síntese. Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Síntese Perspectivas das Comunicações da OCDE : Edição 2003 Overview OECD Communications Outlook : 2003 Edition As sínteses são excertos de publicações da OCDE, encontrando-se livremente disponíveis na

Leia mais

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP

III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP III Fórum Lusófono das Comunicações ARCTEL-CPLP Tendências, Panorama e Desafios do Roaming Internacional II Painel Que Mercado na CPLP? Agenda Sobre a Oi Que Mercado na CPLP Panorama Roaming Internacional

Leia mais

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009

I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM. Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 I Conferência Nacional de Comunicação CONFECOM Marcelo Bechara Brasília, 21 de outubro de 2009 1962 Lei nº 4.117, de 27 de agosto de 1962 Institui o Código Brasileiro de Telecomunicações CBT. 1963 Decreto

Leia mais

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil

CONTACT CENTER. Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil CONTACT CENTER Serviços Especializados e Profissionalização do Mercado no Brasil Cenário Nos últimos dez anos, o desenvolvimento das tecnologias de informação permitiu um forte crescimento do setor de

Leia mais

Poder de Mercado e Eficiência em Fusões & Aquisições nos Setores de Saúde Suplementar. Arthur Barrionuevo arthur.barrionuevo@fgv.

Poder de Mercado e Eficiência em Fusões & Aquisições nos Setores de Saúde Suplementar. Arthur Barrionuevo arthur.barrionuevo@fgv. Poder de Mercado e Eficiência em Fusões & Aquisições nos Setores de Saúde Suplementar arthur.barrionuevo@fgv.br Objetivo: Investigar quais os fatores devem ser levados em conta para a análise das eficiências

Leia mais

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP

O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios. Prof. José Carlos Vaz EACH-USP O direito à tecnologia da informação: perspectivas e desafios Prof. José Carlos Vaz EACH-USP 1 1. A importância da democratização do acesso à TI A desigualdade no acesso à tecnologia é um fator adicional

Leia mais

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações 24 de Março de 2011 As exigências de infraestrutura de TIC para a Copa do Mundo e Olimpíada no Brasil Desafios e Oportunidades na construção do IBC. A perspectiva de Operadoras Competitivas de Telecomunicações

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE MERCADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE DIREITO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE PROTEÇÃO E DEFESA ECONÔMICA COORDENAÇÃO-GERAL DE CONTROLE DE MERCADO Data de entrada: 19/05/2004 Autos nº: 08012.003890/2004-16 Natureza: Nota Técnica em Ato de Concentração Econômica Requerentes: Brasil Telecom S.A Internet Group do Brasil Ltda. Senhora Coordenadora, 1.

Leia mais

Banda Larga Políticas Públicas e Regulação

Banda Larga Políticas Públicas e Regulação Banda Larga Políticas Públicas e Regulação Rogério Santanna dos Santos Brasília, 29 de Setembro de 2009 Mercado Banda Larga - Operadoras Empresas 2007 (x1000) 2008 (x1000) % Crescimento Ano 2007 Telefonica

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil

Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil Desafios e oportunidades do setor de telecomunicações no Brasil Metodologia de pesquisa Diagnóstico Contexto histórico Transversalidade Panorama brasileiro Marcos legais e regulatórios Gargalos Interfaces

Leia mais

1. O Contexto do SBTVD

1. O Contexto do SBTVD CT 020/06 Rio de Janeiro, 27 de janeiro de 2006 Excelentíssimo Senhor Ministro Hélio Costa MD Ministro de Estado das Comunicações Referência: Considerações sobre o Sistema Brasileiro de Televisão Digital

Leia mais

Regulamento do Telefone de Uso Público TUP

Regulamento do Telefone de Uso Público TUP Regulamento do Telefone de Uso Público TUP JARBAS JOSÉ VALENTE Conselheiro Relator Brasília, 18 de junho de 2014 Objetivo A Anatel busca alternativas regulatórias para fomentar a revitalização do TUP e

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL

SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 1 SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO MULTIMÍDIA RODRIGO SANTANA DOS SANTOS ANATEL 2 Sumário Conceitos Gerais SCM em Números Proteção e Defesa de Direitos dos Assinantes Regulamentos em Estudo 3 Conceitos Gerais Lei

Leia mais

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015)

REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) REGULAMENTO DA OFERTA TIM CASA FIXO BRASIL + MÓVEL TIM BRASIL (1/9/2015 a 20/12/2015) Empresa Participante: INTELIG TELECOMUNICAÇÕES LTDA., com sede na Rua Fonseca Teles, nº 18, A30, bloco B, Térreo, São

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA-GERAL FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL - CADE PARECER PROCADE Nº 027/2007 VERSÃO PÚBLICA ATO DE CONCENTRAÇÃO Nº 08012.003890/2004-16 REQUERENTE(S): BRASIL TELECOM S.A.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Tarifas de Uso de Rede Este tutorial apresenta os conceitos básicos de Tarifas de Uso de Rede das Operadoras de Telefonia Fixa e Celular. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE

Leia mais

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com.

2. VoIP Meeting IP News. 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307. 0307 fds01@terra.com. 2. VoIP Meeting IP News 20 de Julho de 2010 Hotel Atlante Plaza Recife - PE Fernando Schulhof (11) 3057-0307 0307 fds01@terra.com.br VOIP Conceito: Voice Over IP (Voz sobre IP) Anatel: Não regulamenta

Leia mais

GUIA DE ANÁLISE ECONÔMICA DE ATOS DE CONCENTRAÇÃO VERTICAL

GUIA DE ANÁLISE ECONÔMICA DE ATOS DE CONCENTRAÇÃO VERTICAL GUIA DE ANÁLISE ECONÔMICA DE ATOS DE CONCENTRAÇÃO VERTICAL Elvino de Carvalho Mendonça Conselheiro do CADE 18 Seminário Internacional Defesa da Concorrência 1. O termo INTEGRAÇÃO VERTICAL 2. Noção de concentração

Leia mais

Unified Communications & IP Tl Telephony. IDC, 2 e 3 Abril de 2008

Unified Communications & IP Tl Telephony. IDC, 2 e 3 Abril de 2008 Unified Communications & IP Tl Telephony IDC, 2 e 3 Abril de 2008 Abril de 2008 Sumário Enquadrar sucintamente o ambiente que se vive na indústria em torno desta nova (r)evolução tecnológica. Constatar

Leia mais

Concurso para a Televisão Digital terrestre POSIÇÃO DA APRITEL

Concurso para a Televisão Digital terrestre POSIÇÃO DA APRITEL Concurso para a Televisão Digital terrestre POSIÇÃO DA APRITEL 1. Introdução Relativamente ao concurso da Televisão Digital Terrestre, a APRITEL apresenta as suas principais preocupações relativamente

Leia mais

Abraão Balbino e Silva Gerente de Monitoramento das Relações entre Prestadoras asilva@anatel.gov.br

Abraão Balbino e Silva Gerente de Monitoramento das Relações entre Prestadoras asilva@anatel.gov.br Abraão Balbino e Silva Gerente de Monitoramento das Relações entre Prestadoras asilva@anatel.gov.br Brasília/DF Setembro/2014 AGENDA RECORDANDO PGMC E O SNOA CONQUISTAS DESAFIOS RECORDANDO O PGMC Cadeia

Leia mais

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital

O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital V Fórum Lusófono e Mostra das Comunicações O SERVIÇO POSTAL E O COMÉRCIO ELECTRÓNICO: As comunicações na era digital Maputo, 23-24 de Abril de 2013 Luís Rego 1 QUESTÕES DE FUNDO Qual será o papel do sector

Leia mais

Governança de TI. NÃO É apenas siglas como ITIL ou COBIT ou SOX... NÃO É apenas implantação de melhores práticas em TI, especialmente em serviços

Governança de TI. NÃO É apenas siglas como ITIL ou COBIT ou SOX... NÃO É apenas implantação de melhores práticas em TI, especialmente em serviços Parte 1 Introdução Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR NÃO É apenas siglas como ITIL ou COBIT ou SOX... NÃO É apenas implantação de melhores práticas em TI, especialmente em serviços É, principalmente,..

Leia mais