Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto Fernanda Schmidt Bocoli

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov."

Transcrição

1 Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto Ferada Schmidt Bocoli

2 CMM Capability Maturity Model

3 Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas ão cumpridas sobre gahos de produtividade e qualidade a aplicação de ovas metodologias e tecologias, orgaizações da idústria e do govero estão cocluido que o problema fudametal é a falta de habilidade em gereciar processos de software. Os beefícios dos melhores métodos e ferrametas ão podem ser alcaçados em ambietes de projetos caóticos e idiscipliados.

4 Prefácio do CMM Etretato, mesmo em orgaizações idiscipliadas, algus projetos de software específicos produzem exceletes resultados. Porém, quado estes projetos obtêm sucesso, isto é geralmete obtido através de um esforço heróico e da dedicação da equipe, ao cotrário da repetição de métodos comprovados da orgaização com um ível de maturidade o processo de software. Na falta de um processo de software defiido e aplicável para a orgaização, a repetição dos resultados depede da dispoibilidade de ter as mesmas pessoas para os próximos projetos.

5 Objetivos do CMM Auxiliar o gereciameto e mudaça de processo. Forecer uma estrutura básica para métodos cofiáveis e coeretes de avaliação de orgaizações de software. Auxiliar a melhoria do processo itero de software. Forecer um guia para as empresas implemetarem melhorias em seu processo. É um modelo de avaliação e melhoria da maturidade de Processo de Software.

6 Coceitos sobre maturidade de processos Processo de software cojuto de atividades, métodos, práticas e trasformações usados para desevolver e mater software. Capacidade do processo de software descreve o alcace dos resultados esperados que podem ser obtidos pela utilização do processo de software. Maturidade do processo de software é a extesão em que um processo específico é explicitamete defiido, gereciado, medido, cotrolado e efetivo. Para que uma orgaização obteha os gahos de maturidade o processo de software, ela deveria istitucioalizar seu processo de software através políticas, padrões e estruturas orgaizacioais.

7 Orgaizações Imaturas Em uma orgaização de software imatura, os processos de software são geralmete improvisados durate o adameto dos projetos pelos seus participates e geretes. Mesmo que um processo de software teha sido especificado, ele ão é rigorosamete seguido e cobrado. As orgaizações de software imaturas são reacioárias e os geretes estão ormalmete ocupados em resolver crises. Croogramas e orçametos são repetidamete excedidos devido à falta de estimativas com bases reais. Quado datas críticas são impostas, a qualidade e fucioalidade do produto são reduzidas a tetativa de mater o croograma detro do prazo.

8 Orgaizações Maduras Por outro lado, orgaizações de software maduras possuem uma habilidade orgaizacioal ampla para gereciar o desevolvimeto e a mauteção de software. O processo de software é comuicado rigorosamete tato para os atuais quato para os ovos empregados e as atividades de trabalho são feitas de acordo com o plaejameto dos processos. Em orgaizações maduras, os geretes moitoram a qualidade dos produtos de software e a satisfação do cliete. Croogramas e orçametos são baseados em históricos de desempeho e são reais; as expectativas de resultados de custo, croograma, fucioalidade e qualidade dos produtos são alcaçadas. Em geral, o processo discipliado é seguido de forma cosistete por que todos os participates compreedem o valor de seguir o processo.

9 Os 5 Níveis de Maturidade Iicial O processo de software é caracterizado como ad hoc e ocasioalmete pode ser caótico. Poucos processos estão defiidos e o sucesso depede de esforços idividuais. Repetível Os processos básicos de gereciameto estão estabelecidos para cotrolar custo, croograma e fucioalidade. A disciplia ecessária dos processos permite repetir o sucesso em outros projetos com aplicações similares. Defiido O processo de software para as atividades de gereciameto e de egeharia é documetado, padroizado e itegrado em um processo padrão de software para a orgaização. Gereciado Medições detalhadas do processo de software e da qualidade do produto são coletadas. Tato o processo de software quato o produto de software são quatitativamete etedidos e cotrolados. Otimizado A melhoria cotiua do processo é feita através do feedback quatitativo dos processos e das aplicações de ovas idéias e tecologias.

10 Visão Geral do CMM Os 5 íveis de maturidade do processo Processo cotiuamete melhorado Otimizado (5) Foco a melhoria cotíua do processo Processo previsível Gereciado (4) Processo é medido e cotrolado Processo padroizado e cosistete Defiido (3) Processo é caracterizado e bem etedido Processo discipliado Repetível (2) Pode repetir tarefas executadas com sucesso Iicial (1) Pobremete cotrolado e imprevisível

11 Nível 1 - Iicial O processo é iformal e imprevisível, tato positiva quato egativamete. O desempeho é basicamete em fução da competêcia e heroísmo das pessoas que fazem o trabalho. Alta qualidade e desempeho excepcioal são possíveis, mas depedetes das pessoas. Os maiores problemas são gereciais e ão técicos.

12 Nível 1 - Iicial O processo é uma caixa preta Requisitos Produto Requisitos fluem para detro do processo. Um produto de software é (ormalmete) produzido através de algum processo. O produto flui para fora do processo e (espera-se) fucioa. O ível 1 ão possui KPAs

13 Nível 2 - Repetível Sistemas de gereciameto de projetos em vigor. O desempeho é repetido. A ecessidade predomiate é estabelecer um gereciameto eficaz de projeto de software. Processos de gereciameto de software são documetados e acompahados. O foco este ível é mais voltado os projetos do que a orgaização. Práticas bem sucedidas desevolvidas em projetos ateriores podem ser repetidas. Políticas orgaizacioais orietam os projetos estabelecedo processos de gereciameto.

14 Nível 2 - Repetível O processo é um cojuto de caixas pretas com potos de verificação defiidos. Requisitos Produto

15 Nível 2 - Repetível Possui as seguites KPA s: Gerêcia de Requisitos Plaejameto de Projeto de Software Acompahameto e Supervisão de Projeto de Software Gerêcia de Subcotratação de Software Garatia da Qualidade de Software Gerêcia de Cofiguração de Software

16 Gerêcia de Requisitos Estabelecer um etedimeto comum etre o cliete e a equipe do projeto de software dos requisitos do cliete que serão abordados. Metas: Documetar e cotrolar os requisitos do cliete. Plaos, produtos e atividades são matidos cosistetes com os requisitos.

17 Plaejameto de Projeto de Software Estabelecer plaos razoáveis para desevolver o software e para gereciar o projeto de software. Metas: Desevolver estimativas para o trabalho a ser executado. Determiar os compromissos ecessários. Defiir o plao para realizar o trabalho.

18 Acompahameto e Supervisão de Projeto de Software Oferecer visibilidade adequada o progresso real, de modo que o gereciameto possa tomar medidas efetivas quado o desempeho se desvia sigificativamete do plao. Metas: Acompahar e revisar os resultados e realizações do software cofrotado com as estimativas documetadas, compromissos e plaos. Ajustar os plaos com base em resultados e realizações efetivamete alcaçados.

19 Gerêcia de Subcotratação de Software Selecioar subcotratados qualificados de software e gereciá-los eficazmete. Metas: Selecioar um subcotratado de software. Estabelecer compromissos com o subcotratado. Acompahar e revisar o desempeho do subcotratado e os resultados coseguidos.

20 Garatia da Qualidade de Software Oferecer gereciameto com visibilidade apropriada o processo que está sedo utilizado e dos produtos que estão sedo costruídos. Metas: Revisões e auditorias os produtos de software e atividades para assegurar que estão em coformidade com os padrões e procedimetos aplicáveis. Forecer ao gerete do projeto e outros geretes evolvidos os resultados das revisões e auditorias.

21 Gerêcia de Cofiguração de Software Estabelecer e mater a itegridade dos produtos do projeto de software ao logo do ciclo de vida do software. Metas: Idetificar ites/uidades de cofiguração. Cotrolar sistematicamete as alterações. Mater itegridade e rastreabilidade da cofiguração ao logo do ciclo de vida do software.

22 KPAs e as Categorias de Processos Áreas-chave de processo (KPAs) de acordo com as categorias de processos Gereciameto Orgaizacioal Egeharia 5 Gerêcia de Mudaças o Processo Gerêcia de Mudaças Tecológicas Preveção de Defeitos 4 Gereciameto Quatitativo dos Processos Gereciameto da Qualidade de Software Programa de Treiameto 3 Coordeação Iter-grupos Defiição dos Processos da Orgaização Revisão por Pares Gereciameto Itegrado de Software Foco os Processos da Orgaização Egeharia de Produto de Software 2 Gerêcia de Cofiguração de Software Garatia da Qualidade de Software Gerêcia de Subcotratação de Software Acompahameto e Supervisão de Projeto de Software Plaejameto de Projeto de Software Gerêcia de Requisitos

23 PMBOK Project Maagemet Boby of Kowledge

24 PMI Project Maagemet Istitute O que é o PMI Desde sua fudação em 1969, o PMI cresceu para ser a orgaização dos profissioais de gerêcia de projetos. Com cerca de membros em todo o mudo, o PMI é hoje a orgaização mais importate da área de gereciameto de projetos. O PMI estabelece padrões, provê semiários, programas educacioais e certificação profissioal que cada vez mais as orgaizações exigem dos seus líderes de projetos.

25 PMI Project Maagemet Istitute Produtos e Serviços do PMI Project Maagemet Certificatio Project Maagemet Educatio Project Maagemet Research ad Stadards Project Maagemet Publicatios

26 PMI Project Maagemet Istitute Crescimeto do PMI os últimos 10 aos o mudo o ao 2000! O Chapter São Paulo, Brasil, com mais de 400 filiados, foi premiado em Housto, Texas, em Setembro, como o chapter com o maior crescimeto em percetual de filiações Jue o mudo o último ao. Chapter SP é o que mais cresceu

27 PMI Project Maagemet Istitute Demada por Certificação PMP Total PMPs '94 '95 '96 '97 '98 '99 '00 (Jue) PMP - Project Maagemet Professioal 2001 mais de PMPs

28 PMI Project Maagemet Istitute Crescimeto da Certificação PMP País (setembro) % Crescimeto Austrália Brasil Caadá Iglaterra Fraça Alemaha Irlada Itália Japão Coréia África do Sul Suécia USA Total Fote: PMI Today, February

29 PMBOK Project Maagemet Boby of Kowledge O que é o PMBOK Guide O Corpo de Cohecimeto em Gerêcia de Projetos é um guia de cohecimeto e de melhores práticas para a profissão de gerêcia de projetos. Mais de cópias em circulação. Recetemete aprovado pela ANSI -America Natioal Stadard.

30 PMBOK Project Maagemet Boby of Kowledge Objetivos do PMBOK Reuir o cohecimeto comprovado iteracioalmete a área de gerêcia de projetos, através de práticas tradicioais e práticas iovadoras e avaçadas. Forecer um guia geérico para todas as áreas de projetos, seja uma obra da costrução civil, um processo de fabricação idustrial ou a produção de software. Padroizar os termos utilizados a gerêcia de projetos.

31 O que é um Projeto Um projeto é um empreedimeto com características próprias, tedo pricípio e fim, coduzido por pessoas, para atigir metas estabelecidas detro de parâmetros de prazo, custo e qualidade. Um projeto é um empreedimeto temporário cujo objetivo é criar um produto ou serviço distito e úico. Temporário um projeto tem um poto defiido de iício e de fim. Úico o setido de que o produto do projeto pode ser difereciado de outros.

32 O que é Gerêcia Coceito de gerêcia: Gereciar cosiste em executar atividades e tarefas que têm como propósito plaejar e cotrolar atividades de outras pessoas para atigir objetivos que ão podem ser alcaçados caso as pessoas atuem por cota própria. [Kootz e O Doel] Há um coseso a literatura de que a gerêcia ou a ausêcia de gerêcia é um dos aspectos mais críticos dos projetos de software.

33 O que é Gerêcia de Projetos É a aplicação de cohecimetos, habilidades, ferrametas e técicas em projetos com o objetivo de atigir ou até mesmo exceder às ecessidades e expectativas dos clietes e demais partes iteressadas do projeto. [PMBOK] Projetos evolvem decisões... Escopo, Tempo, Custo e Qualidade. Diferetes ecessidades e expectativas dos clietes e partes iteressadas. Requisitos idetificados (ecessidades) e ão idetificados (expectativas).

34 Processos de Projetos Um processo é uma série de ações que geram resultados. Os processos dos projetos são realizados por pessoas, e ormalmete se equadram em duas categorias: Processos Orietados ao Produto Especificação e criação dos produtos do projeto. Processos da Gerêcia de Projeto Descrição, orgaização e trabalho do projeto. Existe uma iteração e uma sobreposição etre os processos da gerêcia de projeto e dos processos orietados ao produto, durate todo o projeto.

35 Processos Orietados ao Produto Processos relacioados com a especificação e a criação do produto do projeto.

36 Processos da Gerêcia de Projeto Processos relacioados com a descrição e a orgaização dos trabalhos de gerêcia do projeto.

37 Processos da Gerêcia de Projeto Processos de INICIALIZAÇÃO Recohecer que um projeto ou fase deve começar e se comprometer com a sua execução. Processos de PLANEJAMENTO Plaejar e mater um esquema de trabalho viável para atigir aqueles objetivos de egócio que determiaram a existêcia do projeto. Processos de EXECUÇÃO Coordear pessoas e outros recursos para realizar o que foi plaejado. Processos de CONTROLE Processos de FINALIZAÇÃO Assegurar que os objetivos do projeto estão sedo atigidos, através da moitoração e da avaliação do seu progresso, tomado ações corretivas quado ecessárias. Formalizar a aceitação do projeto ou fase e fazer o seu ecerrameto de forma orgaizada.

38 Processos da Gerêcia de Projeto Relacioameto etre Grupos de Processos Processos de Iicialização Processos de Plaejameto Processos de Cotrole Processos de Execução As flechas represetam os fluxos de etradas e saídas etre os grupos de processos. Processos de Fialização

39 Processos da Gerêcia de Projeto Sobreposição dos Grupos de Processos Processo de Execução Nível de Atividade Processo de Plaejameto Processos de Iicialização Processos de Cotrole Processos de Fialização Fase Iicial Tempo Fase Fial

40 Áreas de Cohecimeto do PMBOK O PMBOK é orgaizado em áreas de cohecimeto, ode cada uma destas áreas é descrita através de processos. Cada área de cohecimeto se refere a um aspecto a ser cosiderado detro da gerêcia de projetos. A ão execução de processos de uma área afeta egativamete o projeto, pois o projeto é um esforço itegrado.

41 Áreas de Cohecimeto do PMBOK QUALIDADE RECURSOS HUMANOS ESCOPO AQUISIÇÕES INTEGRAÇÃO COMUNICAÇÕES CUSTO RISCOS TEMPO

42 Gerêcia do Escopo do Projeto Iiciação Plaejameto do Escopo Defiição do Escopo Verificação do Escopo Cotrole de Mudaças do Escopo Processos ecessários para assegurar que o projeto cotemple todo o trabalho requerido, e ada mais que o trabalho requerido, para completar o projeto com sucesso. Autorizar o iício do projeto ou de uma ova fase. Desevolver uma declaração escrita do escopo como base para decisões futuras do projeto. Subdividir os pricipais subprodutos do projeto em compoetes meores e mais maejáveis. Formalização e aprovação do escopo do projeto. Cotrolar as mudaças de escopo, evolvedo escopo do produto e escopo do projeto.

43 Gerêcia do Tempo do Projeto Defiição das Atividades Sequeciameto das Atividades Estimativa de Duração das Atividades Desevolvimeto do Croograma Cotrole do Croograma Processos ecessários para assegurar que o projeto termie detro do prazo previsto. Idetificar as atividades específicas que devem ser realizadas para produzir os diversos subprodutos do projeto. Idetificar e documetar as relações de depedêcia etre as atividades. Estimar a quatidade de períodos de trabalho que serão ecessários para a implemetação de cada atividade. Aalisar a seqüêcia e as durações das atividades, e os requisitos de recursos para criar o croograma do projeto. Cotrolar as mudaças o croograma do projeto.

44 Gerêcia do Custo do Projeto Plaejameto dos Recursos Estimativa dos Custos Orçametação dos Custos Cotrole dos Custos Determiar quais recursos e que quatidades de cada devem ser usadas para executar as atividades do projeto. Desevolver uma estimativa dos custos dos recursos ecessários à implemetação das atividades do projeto. Alocar as estimativas dos custos do projeto aos ites idividuais de trabalho. Cotrolar as mudaças o orçameto do projeto. Processos ecessários para assegurar que o projeto termie detro do orçameto aprovado.

45 Gerêcia da Qualidade do Projeto Plaejameto da Qualidade Garatia da Qualidade Cotrole da Qualidade Idetificar quais padrões de qualidade são relevates para o projeto e determiar a forma como satisfazê-los. Avaliar periodicamete o desempeho geral do projeto buscado assegurar a satisfação dos padrões relevates de qualidade. Moitorar os resultados do projeto para determiar se estão de acordo com os padrões de qualidade e elimiar causas de desempehos isatisfatórios. Processos ecessários para assegurar que as ecessidades que origiaram o desevolvimeto do projeto sejam atedidas.

46 Gerêcia dos Recursos Humaos do Projeto Plaejameto Orgaizacioal Motagem da Equipe Desevolvimeto da Equipe Idetificar, documetar e desigar as fuções, resposabilidades e relacioametos do projeto. Coseguir que os recursos humaos ecessários sejam desigados e alocados ao projeto. Desevolver habilidades idividuais e do grupo para aumetar o desempeho do projeto. Processos ecessários para proporcioar a melhor utilização das pessoas evolvidas o projeto.

47 Gerêcia das Comuicações do Projeto Plaejameto das Comuicações Distribuição das Iformações Relato de Desempeho Ecerrameto Admiistrativo Processos ecessários para assegurar que a geração, captura, distribuição, armazeameto e apresetação das iformações do projeto sejam feitas de forma adequada e o tempo certo. Determiar as iformações e comuicações ecessárias para as partes iteressadas: quem, qual, quado e como ela será forecida. Dispoibilizar as iformações ecessárias para as partes iteressadas de uma maeira coveiete. Coletar e dissemiar as iformações de desempeho, icluido relatórios de situação, medição de progresso e previsões. Gerar, reuir e dissemiar iformações para formalizar a coclusão de uma fase ou de todo o projeto.

48 Gerêcia dos Riscos do Projeto Plaejameto da Gerêcia dos Riscos Idetificação dos Riscos Aálise Qualitativa dos Riscos Aálise Quatitativa dos Riscos Plaejameto das Respostas aos Riscos Cotrole e Moitoração dos Riscos Processos ecessários para a idetificação, aálise e resposta a riscos do projeto. Decidir como abordar e plaejar as atividades de gerêcia dos riscos do projeto. Determiar quais riscos podem afetar o projeto e documetar suas características. Aalisar qualitativamete os riscos e as codições para priorizar seus efeitos os objetivos do projeto. Medir a probabilidade e as coseqüêcias dos riscos e estimar as implicações os objetivos do projeto. Desevolver processos e técicas para aumetar as oportuidades e reduzir as ameaças dos riscos. Moitorar riscos residuais, idetificar ovos, reduzir e avaliar a efetividade por todo o projeto.

49 Gerêcia das Aquisições do Projeto Plaejameto das Aquisições Plaejameto das Solicitações Obteção de Propostas Seleção de Forecedores Admiistração de Cotratos Ecerrameto de Cotratos Processos ecessários para a aquisição de mercadorias e serviços fora da orgaização que desevolve o projeto. Determiar o que cotratar e quado. Documetar as ecessidades de produtos ou serviços e idetificar possíveis forecedores. Obter propostas de forecimeto coforme apropriado a cada caso (cotações de preço, cartas-covite, licitação). Escolher etre os possíveis forecedores. Gereciar os relacioametos com forecedores. Completar e liquidar o cotrato, icluido a resolução de qualquer item pedete.

50 Gerêcia da Itegração do Projeto Desevolvimeto do Plao do Projeto Execução do Plao do Projeto Cotrole Geral de Mudaças Agregar os resultados dos outros processos de plaejameto costruido um documeto coerete e cosistete. Levar a cabo o projeto através das atividades ele icluídas. Coordear as mudaças através de todo o projeto. Processos ecessários para assegurar que os diversos elemetos do projetos sejam adequadamete coordeados.

51 Visão Geral do PMBOK Processos da Gerêcia de Projeto 5 grupos de processos: Iicialização, Plaejameto, Execução, Cotrole, Fialização Áreas de Cohecimeto 9 áreas de cohecimeto: Escopo, Tempo, Custo, Qualidade, Recursos Humaos, Comuicações, Riscos, Aquisições, Itegração

52 Processos & Áreas de Cohecimeto Processos de INICIALIZAÇÃO Processos de PLANEJAMENTO QUALIDADE RECURSOS HUMANOS ESCOPO Processos de EXECUÇÃO AQUISIÇÕES INTEGRAÇÃO COMUNICAÇÕES Processos de CONTROLE CUSTO RISCOS TEMPO Processos de FINALIZAÇÃO

53 Iicialização Plaejameto Execução Cotrole Fialização INTEGRAÇÃO Desevol. Plao do Projeto Execução Plao Projeto Cotrole Geral de Mudaças ESCOPO Iicialização Plaejameto do Escopo Verificação do Escopo Defiição do Escopo Cotrole Mudaças Escopo TEMPOEMPO Defiição das Atividades Cotrole do Croograma Seqüec. das Atividades Estim. Duração Atividades Desev. do Croograma CUSTOUSTO Plaejameto dos Recursos Cotrole dos Custos Estimativa dos Custos Orçameto dos Custos QUALIDADE Plaejameto da Qualidade Garatia da Qualidade Cotrole da Qualidade RECURSOS HUMANOS Plaejameto Orgaizacioal Motagem da Equipe Desevolvimeto Equipe COMUNICAÇÃO Plaejameto Comuicações Distribuição Iformações Relato do Desempeho Ecerrameto Admiistrativo RISCOSISCOS Plaej. Gerêcia dos Riscos Cotrole Moitoração Riscos Idetificação dos Riscos Aálise Qualitativa Riscos Aálise Quatitativa Riscos Plaej. Respostas aos Riscos AQUISIÇÕES Plaejameto Aquisições Pedido de Propostas Ecerrameto dos Cotratos Preparação Aquisições Seleção de Forecedores Admiistração Cotratos

54 Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK

55 CMM & PMBOK Projetos de Software [Visão Simplificada] CMM Nível 2 Gerêcia de Requisitos PMBOK Gerêcia do Escopo Plaejameto de Projeto Acompahameto e Supervisão Gerêcia do Tempo Gerêcia de Custo Subcotratação Gerêcia dos Recursos Humaos Gerêcia das Aquisições Garatia da Qualidade Gerêcia de Cofiguração Gerêcia da Qualidade Gerêcia das Comuicações Gerêcia dos Riscos Gerêcia da Itegração

56 Project Maager Competêcia O que é competêcia Competêcia é um termo amplamete utilizado, mas que pode sigificar coisas diferetes para diferetes pessoas. Geralmete é aceito que competêcia evolve cohecimeto, habilidades, atitudes e comportameto que podem ser atribuídos como resposáveis por um desempeho superior a execução de um trabalho.

57 Project Maager Competêcia Competêcia é um grupo relacioado de cohecimetos, atitudes, habilidades e de outras características pessoais que: Afetam a maior parte de um trabalho (isto é, uma ou mais resposabilidades ou papéis chaves). Estão relacioadas com o desempeho de um trabalho. Podem ser avaliadas cotra padrões aceitáveis de desempeho. Podem ser aperfeiçoadas através de treiameto e desevolvimeto. Podem ser separadas em dimesões de competêcia.

58 Project Maager Dimesões da Competêcia Aplicada ao gereciameto de projetos, a competêcia pode ser descrita em três dimesões separadas: Cohecimeto sobre Gerêcia de Projetos O que você sabe sobre gereciameto de projeto. Desempeho a Gerêcia de Projetos Qual a sua habilidade em fazer ou executar seu trabalho aplicado estes cohecimetos. Competêcia Pessoal Qual o seu comportameto pessoal quado está executado um projeto ou atividade.

59 Project Maager Dimesões da Competêcia Dimesões da Competêcia Cohecimeto sobre Gerêcia de Projetos Desempeho a Gerêcia de Projetos Desempeho do Projeto Capacita o desevolvimeto para o Forece a estrutura para a Atributos Pessoais Competêcia Pessoal Habilidade técica para o Habilidade pessoal para o Escopo Tempo Custo Qualidade Recursos Humaos Comuicações Riscos Aquisições Itegração

60 CMM & PMBOK Projetos de Software Competêcia dos Geretes de Projetos Competêcia Idividual dos Geretes de Projeto Desempeho dos Geretes de Projeto PMBOK Maturidade e Capacidade Orgaizacioal em Processos de Software Provê a base para o... Desempeho da Orgaização em Projetos em Software Impacto sobre o... Sucesso dos Projetos de Software CMM Provê a base para o... Impacto sobre o... Maturidade Orgaizacioal em Processos de Software

61 Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto Ferada Schmidt Bocoli

62 Bibliografia CMU/SEI-93-TR-024 Capability Maturity Model for Software, Versio 1.1, February CMU/SEI-93-TR-025 Key Practices of the Capability Maturity Model, Versio 1.1, February CMM Nível 2 Draft Copy Fudação CPqD, tradução de José Marcos Goçalves e Adré-Villas-Boas. PMBOK 2000 A Guide to the Project Maagemet Boby of Kowledge. PMCDF Project Maager Competecy Developmet Framework Exposure Draft Roger S. Pressma, Software Egieerig - A Practioer s Approach, fourth editio, 1997.

63 Liks Caregie Mello, SEI Software Egieerig Istitute. PMI, Project Maagemet Istitute. PMI-RS, Seção Rio Grade do Sul do PMI Project Maagemet Istitute.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio do CMM Após várias décadas de promessas não cumpridas sobre ganhos de produtividade e qualidade na aplicação de novas metodologias

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK

Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Gerência de Projetos CMMI & PMBOK Uma abordagem voltada para a qualidade de processos e produtos Prof. Paulo Ricardo B. Betencourt pbetencourt@urisan.tche.br Adaptação do Original de: José Ignácio Jaeger

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSAL FOR AN INFORMATION MANAGEMENT MODEL: CASE STUDY IN THE MARKETING RESEARCH FIELD RESUMO O propósito

Leia mais

Resumo. Palavras-chaves: Processo de Software, Melhoria de Processos, Tomada de Decisões, Qualidade de Software. Abstract

Resumo. Palavras-chaves: Processo de Software, Melhoria de Processos, Tomada de Decisões, Qualidade de Software. Abstract Cosequêcias e Características de um Processo de Desevolvimeto de Software de Qualidade e Aspectos que o iflueciam: uma avaliação de especialistas Jea M. Adrade, Adriao B. Albuquerque, Fábio B. Campos,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

www.partnervision.com.br

www.partnervision.com.br www.partervisio.com.br SERVIÇOS E SUPORTE PROCESSOS E INICIATIVAS PRODUTOS DE SOFTWARE SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA Software para o Desevolvimeto de Coteúdo e Processos Para Otimizar o Desevolvimeto de Produtos

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

de talentos Como as organizações podem melhorar o retorno sobre seus investimentos na gestão de talentos

de talentos Como as organizações podem melhorar o retorno sobre seus investimentos na gestão de talentos Ecarado a Gestão de taletos Como as orgaizações podem melhorar o retoro sobre seus ivestimetos a gestão de taletos Muitas orgaizações se furtam de abordar questões de capital humao, preferido se cocetrar

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 braca 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 Curitiba, outubro 214 Bachma & Associados e 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

MÉTODO DE APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO NA SELEÇÃO E PRIORIZAÇÃO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS

MÉTODO DE APOIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO NA SELEÇÃO E PRIORIZAÇÃO DE PORTFÓLIO DE PROJETOS ais do 3 O Ecotro de Iiciação Cietífica e Pós Graduação do IT XIII ENCIT / 007 Istituto Tecológico de eroáutica, São José dos Campos, SP, Brasil, Outubro, 0 a 04, 007. MÉTODO DE POIO MULTICRITÉRIO À DECISÃO

Leia mais

Kit de ferramentas de Advocacy

Kit de ferramentas de Advocacy ROOTS 1+2 ROOTS Kit de ferrametas de Advocacy SEGUNDA EDIÇÃO ROOTS: Recursos para Orgaizações com Oportuidades de Trasformação e Socialização ROOTS 1 E 2 Kit de ferrametas de Advocacy Seguda edição De

Leia mais

Estudo de um fluxo interno de materiais baseado na filosofia Lean Manufacturing

Estudo de um fluxo interno de materiais baseado na filosofia Lean Manufacturing Productio, xx(x), xx-xx http://dx.doi.org/0.590/003-653.232 Estudo de um fluxo itero de materiais baseado a filosofia Lea Maufacturig Alvaro Luiz Neuefeldt Júior a *, Julio Cezar Mairesse Siluk a, Elpidio

Leia mais

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO

SIMULAÇÃO DO SISTEMA DE ENERGIA DE UM VEÍCULO SMULAÇÃO DO SSTEMA DE ENEGA DE UM VEÍULO Luiz Gustavo Gusmão Soeiro Fiat Automóveis luiz.soeiro@fiat.com.br ESUMO O trabalho tem como objetivo viabilizar uma simulação computacioal para se determiar o

Leia mais

Inspeção e medição em Full HD Excelente sistema de inspeção de vídeo digital, projetado para captura de imagens, documentação e medição fáceis

Inspeção e medição em Full HD Excelente sistema de inspeção de vídeo digital, projetado para captura de imagens, documentação e medição fáceis Ispeção e medição em Full HD Excelete sistema de ispeção de vídeo digital, projetado para captura de images, documetação e medição fáceis Realize ispeções, ampliações e medições em Full HD com o Makrolite

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais

nanotecnologia na nossa vida e na soldagem de revestimento E mais: Economia de Energia Automação Aplicativos Android Aplicações Industriais ovacao revista iformativa trimestral da Eutectic Castoli º 1-213 aotecologia a ossa vida e a soldagem de revestimeto E mais: Ecoomia de Eergia Automação Aplicativos Adroid Aplicações Idustriais editorial

Leia mais

PROPOSTA DE UM SISTEMA DE ANÁLISE DA CAPUTURA DE VALOR NOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO PLANEJAMENTO DE CANAIS

PROPOSTA DE UM SISTEMA DE ANÁLISE DA CAPUTURA DE VALOR NOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO PLANEJAMENTO DE CANAIS PROPOSTA DE UM SISTEMA DE ANÁLISE DA CAPUTURA DE VALOR NOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO AO PLANEJAMENTO DE CANAIS Nome:Matheus Alberto Cosoli E-mail: cosoli@usp.br Filiação: FEARP,

Leia mais

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR

ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR ALOCAÇÃO DE VAGAS NO VESTIBULAR PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DE UMA INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR Alexadre Stamford da Silva Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção PPGEP / UFPE Uiversidade Federal

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO

1. GENERALIDADES 2. CHEIA DE PROJETO Capítulo Previsão de Echetes. GENERALIDADES Até agora vimos quais as etapas do ciclo hidrológico e como quatificá-las. O problema que surge agora é como usar estes cohecimetos para prever, a partir de

Leia mais

Um arquivo digital para dados de monitorização

Um arquivo digital para dados de monitorização Um arquivo digital para dados de moitorização Fábio Costa, Gabriel David, Álvaro Cuha ViBest e INESC TEC, Faculdade de Egeharia Uiversidade do Porto {fabiopcosta, gtd, acuha}@fe.up.pt 1 Uidade de ivestigação

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. mario@deinf.ufma.br. Técnicas de Modelagem. Técnicas de Avaliação de desempenho.

Mário Meireles Teixeira. Departamento de Informática, UFMA. mario@deinf.ufma.br. Técnicas de Modelagem. Técnicas de Avaliação de desempenho. Simulação Mário Meireles Teixeira Departameto de Iformática, UFMA mario@deif.ufma.br Técicas de Modelagem Técicas de Avaliação de desempeho Aferição Modelagem Protótipos Bechmarcks Coleta de Dados Rede

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED

PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED ISSN 1984-9354 PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED Alie de Aquio Pito (UFAM) Armado Araújo de Souza Juior (UFMG/UFAM) Sadro Breval Satiago

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização

Precificação orientada ao mercado: uma abordagem econométrica e de otimização Precificação orietada ao mercado: uma abordagem ecoométrica e de otimização Rodrigo Araldo Scarpel (ITA) rodrigo@ita.br Resumo A estratégia de determiação do preço sedo customizada por marca, categoria,

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Modelo analítico de suporte à configuração e integração da cadeia de suprimentos

Modelo analítico de suporte à configuração e integração da cadeia de suprimentos Gest. Prod., São Carlos, v. 7,. 3, p. 447-463, 200 Modelo aalítico de suporte à cofiguração e itegração da cadeia de suprimetos Aalytical model of support for settig up ad itegratiig a supply chai Joseildo

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS

CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS Af-Revista 03 Completa 4 cores:layout 1 10/9/09 4:09 PM Page 28 CONTRIBUIÇÃO DA PESQUISA DE MARKETING PARA A DEFINIÇÃO DE ESTRATÉGIAS DE APREÇAMENTO DE BENS E SERVIÇOS CONTRIBUTION OF MARKETING RESEARCH

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA IM 317 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA IM 37 METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO EXPERIMENTAL E ANÁLISE DE RESULTADOS PROF. DR. SÉRGIO

Leia mais

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas

Sistemas de medição por vídeo para medição e inspeção precisas S W IFT-DUO SWIFT Sistemas de medição por vídeo para medição e ispeção precisas S W IFT-DUO Sistemas de medição por vídeo 2 eixos, ideais para medir recursos em 2D de peças pequeas e itricadas Variação

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

ISSN 0103-9741. Monografias em Ciência da Computação n 13/03. Acompanhamento de Projetos. Arndt von Staa. Departamento de Informática

ISSN 0103-9741. Monografias em Ciência da Computação n 13/03. Acompanhamento de Projetos. Arndt von Staa. Departamento de Informática PUC ISSN 003-974 Moografias em Ciêcia da Computação 3/03 Acompahameto de Projetos Ardt vo Staa Departameto de Iformática PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO RUA MARQUÊS DE SÃO VICENTE, 225

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos a partir de um processo de internacionalização de empresa: a percepção dos gestores

Gestão da cadeia de suprimentos a partir de um processo de internacionalização de empresa: a percepção dos gestores Gestão da cadeia de suprimetos a partir de um processo de iteracioalização de empresa: a percepção dos gestores Guilherme Cuha Malafaia Alex Eckert 2 Fábio Eberhardt Teixeira 3 Resumo A gestão da cadeia

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

Suporte e Consultoria. KuboIC. Suporte Avançado

Suporte e Consultoria. KuboIC. Suporte Avançado Suporte e Cosultoria A KuboIT é uma empresa de serviços que atua o mercado acioal e iteracioal de seguraça da iformação. A KuboIT foi formada com base as ecessidades das pequeas, médias e grades empresas

Leia mais

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET

MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET 20 MINUTA DE CONTRATO DE MANUTENÇÃO EM VEÍCULOS CHEVROLET CONTRATANTE: TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO, iscrito o CNPJ/MF sob o.º 00.509.968/0001-48, sediado a Praça dos Tribuais Superiores, bloco D, s/.º,

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA?

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? O QUE É TELEMETRIA? AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL O QUE É AUTOMAÇÃO? Desevolvemos soluções para automação idustrial em idustrias gerais, telecomado e telemetria para supervisão e cotrole remotos, com desevolvimeto e fabricação de

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL Af-Revista :Layout 3/7/ :59 AM Page 39 PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO:

Leia mais

O uso de questionários em trabalhos científicos

O uso de questionários em trabalhos científicos 1. Itrodução O uso de questioários em trabalhos cietíficos Um questioário é tão somete um cojuto de questões, feito para gerar os dados ecessários para se verificar se os objetivos de um projeto foram

Leia mais

PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE DE DADOS

PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE DE DADOS FRANCISCO LOUZADA-NETO / CARLOS A. RIBEIRO DINIZ / CLOVIS CORREA DA COSTA / PAULO HENRIQUE F. DA SILVA / CAMILA R. DESTEFANI / ANA PAULA O. TEMPONI PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS PARA SEGMENTA- ÇÃO DE BASE

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção

Sistemas de Visualização Estéreo. Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de inspeção. Inclui NOVA opção Iclui NOVA opção de captura de imagem Sistemas de Visualização Estéreo Uma superior qualidade de imagem para aplicação em todos os tipos de ispeção. Tecologia ótica pateteada para visualização livre de

Leia mais

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa

Área de Consultoria. Mais de 100 filiais e 800 profissionais na Europa e América. www.infosn.com 214 143 334. Edição Portuguesa Mais de 100 filiais e 800 profissioais a Europa e América www.ifos.com 214 143 334 Catálogo de Servicios Cosultoría Edição Portuguesa Catálogo de Serviços Área de Cosultoria Edição Portuguesa Catálogo

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013]

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013] Ficha Técica TÍTULO Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Desempeho Ecoómico e Fiaceiro do Segmeto de Mauteção de Aeroaves [2011-2013] EDIÇÃO INAC Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais