PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED"

Transcrição

1 ISSN PAINEL DE INDICADORES DE DESEMPENHO: UMA PROPOSTA DE OTIMIZAÇÃO NA ANÁLISE E PRESTAÇÃO DE CONTAS - SEMED Alie de Aquio Pito (UFAM) Armado Araújo de Souza Juior (UFMG/UFAM) Sadro Breval Satiago (UFAM) Resumo O elevado grau de complexidade a gestão pública tem exigido uma reavaliação o sistema cotrole dos processos, através de ferrametas adequadas para gereciar e medir o seu desempeho. No ceário atual, os gestores devem acompahar a diâmmica dos processos, a fim de se ateder as exigêcias da sociedade de forma rápida, eficiete e satisfatória. O presete trabalho tem como objetivo propor a implatação de idicadores de desempeho como ferrameta de cotrole e alihameto dos processos a estratégia dos serviços públicos.o trabalho ão se aprofudou em todas as fases de implemetação de um sistema de idicadores,deixado aberta a possibilidade de cotiuidade da pesquisa, pricipalmete o setor público carete de material didático formal a ferrameta estudada. A partir dos estudos baseados os potos deficitários do processo em estudo, pôde-se criar os idicadores sobre a perspectiva da produtividade, qualidade, eficiêcia e rastreabilidade, de acordo com as particularidades existetes. Palavras-chaves: Prestação de Cotas, Idicadores de Desempeho, Admiistração Pública.

2 1. Itrodução O desafio de gerir e cotrolar os gastos públicos o cotexto atual, em que a descetralização é ecessária e ievitável, despertou a ecessidade de reavaliação o sistema de medição dos valores repassados pelo Govero Federal às uidades executoras, que foreça iformações para que os gestores possam acompahar a diâmica dos processos, a fim de se ateder as exigêcias da sociedade de forma rápida, eficiete e satisfatória. Neste cotexto e partido da premissa de que a atuação do serviço público tede a ficar mais parecida com as itituições privadas, o setido de ter compromisso com resultados e resposabilidade perate o cotribuite, é otório que há ecessidade de ferrametas adequadas para gereciar e medir o seu desempeho. Para o Tribual de Cotas da Uião - TCU (2010), a auditoria operacioal, os idicadores de desempeho são usados para medir ecoomicidade, eficácia, eficiêcia e efetividade. Para isso, usam-se idicadores já existetes ou etão costruídos e calculados pela própria equipe de auditoria. A equipe pode também recomedar a adoção de idicadores como medida que visa cotribuir para aperfeiçoar os sistemas de moitorameto e avaliação. Dessa forma, objetiva-se respoder a seguite questão de pesquisa: quais são os beefícios que um paiel de idicadores de desempeho oferece ao ovo modelo de gestão pública voltado à prestação de cotas? Este trabalho tem como pricipal objetivo apresetar, de forma simples e direta, os coceitos aplicáveis ao uso de idicadores o setor público, devidamete exemplificados, por meio de um estudo de caso, evolvedo sua utilização a avaliação do desempeho das ações admiistrativas o cotrole dos gastos públicos, que vão além dos limites do cotrole de legalidade já existete. Especificamete, pretede-se abordar as dificuldades a criação de idicadores ao setor público, tedo em vista que os modelos foram criados para serem desevolvidos em empresas privadas, bem como adequar os paieis de cotrole aos processos de aálise e prestação de cotas. 2

3 2. Fudametação Teórica 2.1 Cotrole de Cotas Públicas Durate a década de 80, com a supressão dos regimes autoritários e a promulgação da atual Costituição Federal, ovas fuções foram acrescidas o cotrole dos recursos públicos (MENDES, 2008). Ribeiro (2004), cometa que sempre houve preocupação com o cotrole dos recursos as costituições, de forma ampla e bastate superficial. No etato, ressalta que os órgãos resposáveis atuavam apeas as questões formais desses cotroles. A Costituição Federal (Arts. 70; 74, I e II e 165 9º), o etato, especifica os parâmetros a serem observados pelos gestores públicos são passíveis de cotrole quato à legalidade, legitimidade, ecoomicidade, aplicação das subveções e reúcia de receitas, pelo Cogresso Nacioal através do cotrole extero e pelo sistema de cotrole itero de cada poder. A ormatização do cotrole público o país se deu apartir da edição da Lei 4.320/64. Ribeiro (2004, p. 103) relata que: Pela primeira vez criou-se um istrumeto com a fialidade de discipliar os diversos aspectos que evolvem o cotrole público, defiido seus objetivos, abragêcia e, o mais importate, efatizado a questão relacioada com o cumprimeto do programa de trabalho, rompedo com a preocupação exclusiva com os aspectos legalistas acerca da execução cotábil-fiaceira. Ao logo do tempo, tedo em vista que a Lei 4.320/64 ão estava sedo observada de maeira satisfatória pela maioria dos gestores públicos, o govero federal resolveu istituir uma lei que fiscalizasse com mais eficiêcia o capital público, bem como a gestão do mesmo. Com isso, criou-se a Lei de Resposabilidade Fiscal 101/2000 (LRF). Trata-se de uma ferrameta que cotrola gastos e permite uma melhor aplicabilidade à verba pública. Porém, vale ressaltar que a lei ão é apeas à imposição de limites aos gastos e ao edividameto, pois também aborda as ormas para o registro das iformações fiaceiras, bem como apota diretrizes para a elaboração, execução, avaliação e divulgação dos relatórios cotábeis para o público em geral, o que a tora o istrumeto de cotrole fiscal mais abragete já istituído o país (GIUBERT, 2005). 3

4 2.2 Idicadores de Desempeho O idicador de desempeho deve ser represetate de algo que se toma como ecessário para a rotia de gereciameto da istituição como um todo, bem como dos processos idividualmete desevolvidos. De acordo com Moreira (1996), um sistema de medição de desempeho evolve a istituição como um todo, desde as suas partições (divisões, departameto, seção, etc.), bem como os seus processos e as suas atividades, que reflete as iformações ecessárias e reais o que tage certas características do desempeho para cada ível da empresa. Para Corrêa e Corrêa (2009), idicadores de desempeho têm como objetivo quatificar o desempeho das orgaizações. Os modelos tradicioais eram fortemete orietados pela visão fiaceira das empresas e atualmete a dimesão ão deve ser úica, e sim balaceada etre diferetes aspectos. Camargo (2000), afirma que os idicadores precisam exterar credibilidade e, para tato, devem ser gerados de forma criteriosa, assegurado a dispoibilidade dos dados e resultados mais relevates o meor tempo possível e ao meor custo. Takashia e Flores (1996), salietam que é importate que idicador ateda a vários parâmetros, os autores destacam simplicidade e clareza, abragêcia, rastreabilidade e acessibilidade, comparabilidade, estabilidade e rapidez de dispoibilidade, bem como baixo custo de obteção. Além da importâcia de visualizar se as atividades realizadas estão a direção certa, a avaliação de desempeho permite que os gestores distribuam melhor seus recursos, delegue autoridade de forma mais adequada e visualize possíveis falhas e potos de melhoria os processos. Algus modelos de avaliação de desempeho se destacam. A seguir são apresetados algus destes modelos adaptáveis ao setor público. 2.3 Ferrametas Usuais para Avaliação de Idicadores de Desempeho 4

5 O Balaced Scorecard (BSC) é um modelo que observa diferetes perspectivas para avaliação do desempeho orgaizacioal. Seus metores, Robert S. Kapla e David P. Norto, apresetam esta ferrameta como o objetivo de trasformar estratégias da empresa em efetivas ações para o egócio, baseado-se em aspectos ou perspectivas fiaceira, processos iteros, clietes e apredizado e crescimeto. Para Rocha (2002), o BSC se cotrapõe a cotabilidade tradicioal por ser capaz de observar perspectivas que vão além de uma aálise fiaceira, resolvedo assim, os problemas que existem em se ter uma úica visão, ou perspectiva como preferem os autores, a codução das tomadas de decisão em uma orgaização. O Balaced Scorecard (BSC) correspode a um sistema de avaliação de desempeho orgaizacioal que leva em cosideração que os idicadores fiaceiros, por si mesmos, ão refletem perfeitamete a efetividade da orgaização. Os idicadores fiaceiros somete medem os resultados dos ivestimetos e das atividades, medidas em termos moetários, ão sedo sesíveis aos chamados impulsioadores de retabilidade em logo prazo. (CHIAVENATO e SAPIRO, 2004, p. 389) Pito (2002), cometa que apesar do BSC ter se desevolvido iicialmete para aplicação as empresas do setor privado, as orgaizações do setor público ão estiveram alheias ao sucesso dos resultados obtidos com a sua implemetação. Ao logo do tempo estas orgaizações perceberam que o BSC, depois de algumas adaptações específicas, as quais resultam fudametalmete de difereças que estão a base da distição etre gestão privada e gestão pública (missão, resposabilidade, clietes, stakeholders, objectivos, estratégia, avaliação da performace), cotiuava a afirmar-se como poderosa ferrameta de gestão para comuicar, implemetar e avaliar a execução da estratégia em setores diferetes do privado A utilidade do Balaced Scorecard é viculada à operacioalização da estratégia. Neste setido, o Ciclo PDCA também cotribui para as decisões estratégicas, pois idicam um camiho para a orgaização e como este será percorrido para se chegar a um posicioameto futuro. Quiquiolo (2002), dissertado sobre o assuto, cometa que o Ciclo PDCA, também cohecido como Ciclo de Shewhart, Ciclo da Qualidade ou Ciclo de Demig, é uma metodologia que tem como fução básica o auxílio o diagóstico, aálise e progóstico de problemas orgaizacioais, sedo extremamete útil para a solução de problemas. Poucos istrumetos se mostram tão efetivos para a busca do aperfeiçoameto quato este método de melhoria cotíua, tedo em vista que ele coduz a ações sistemáticas que agilizam a 5

6 obteção de melhores resultados com a fialidade de garatir a sobrevivêcia e o crescimeto das orgaizações. Lima (2006), explica que o Ciclo PDCA é uma ferrameta utilizada para a aplicação das ações de cotrole dos processos, bem como estabelecimeto da diretriz de cotrole, plaejameto da qualidade, mauteção de padrões e alteração da diretriz de cotrole, ou seja, realizar melhorias. O PDCA se aplica a processos de rotia, ode já existem procedimetos operacioais padroizados. Nesses casos, ele é também chamado de SDCA, o S sedo referete a Stadard (Padrão). É um PDCA de mauteção, de garatia de qualidade.porém, pela sua metodologia, com frequêcia ele gera também melhorias esses procedimetos ovamete a melhoria cotíua. Silva (2006), cometa que a metodologia PDCA é um método de gestão que represeta o camiho para que as metas delieadas sejam alcaçadas. 2.3 Idicadores Aplicados ao Setor Público O uso de idicadores de desempeho em istituições públicas, tato para ateder à órgãos reguladores e leis específicas, quato para servir como opção de gestão admiistrativa, tem-se mostrado uma ferrameta tão útil quato para as orgaizações privadas (CASADO e SILUK, 2011). A utilização e a aplicação de técicas de gestão como idicadores para medir e comparar o desempeho dos gestores o setor público, são muito mais complicadas se comparadas com o setor privado. Algumas das limitações mais cohecidas, além da falta de idicadores, são a dificuldade para fixar e quatificar os objetivos sociais, a falta de clareza os objetivos, metas e atividades realizadas, etre outros ão meos importates. (JOHNES, 2006 apud CASADO e SILUK, 2011, p. 2). Siqueira (2005), cometa que existem vários métodos para se costruir idicadores de desempeho as orgaizações públicas, mas o mais prático é quado você parte da idetificação dos macro-processos da orgaização e costrói uma cadeia de valor a partir deles até se chegar às formas de idetificação do cumprimeto das atividades que lhe são relacioadas. Segudo Gratero (1999, p. 2), a atividade do setor público deve ser medida e avaliada mediate a utilização de parâmetros ou idicadores que decorram da eficiêcia e eficácia de modo que possam itegrar os relatórios da etidade. Belloi (2000) classifica os critérios mais usuais de avaliação, em istituições públicas, em dois grades grupos: os ligados à idéia de desempeho orgaizacioal (aí cosiderados, 6

7 produtividade, eficiêcia, eficácia e efetividade) e aqueles ligados à idéia de qualidade (utilidade e relevâcia). Bresser Pereira (2006, p ) ressalta a ecessidade do cotrole gerecial, ode o foco da atuação desloca-se do cotrole dos processos para focalizar os resultados da ação goverametal, priorizado, a preveção de falhas e fraudes, ao ivés da puição dos gestores resposáveis, já que esta última é mais difícil. Desta forma, tora-se relevate para a gestão pública que haja avaliação e acompahameto dos processos e programas goverametais, uma vez que essas avaliações toram-se idispesáveis istrumetos para a revisão, realocação e aperfeiçoameto das orgaizações públicas, através de ações acompahem as iovações e sejam capazes de oferecer iformações que subsidiem as decisões dos gestores e ofereçam feedback sobre o desempeho dos programas. 3. Metodologia Este trabalho propõe-se a ateder as ecessidades de apoio aos processos de aálise de prestação de cotas públicas,a fim propor a evolução e o desevolvimeto de idicadores que permitam um acompahameto orgaizacioal desde a êfase até sua aplicabilidade o setor público. Baseado os objetivos propostos optou-se por um estudo de caso, aplicado idicadores de desempeho já utilizados em outras pesquisas a área pública, que, adaptados possam servir como uma proposta de idicadores para aálise dos gastos públicos de acordo com a realidade do caso estudado. Almeida (1996), explica que o estudo de caso cosiste em coletar e aalisar iformações sobre um determiado idivíduo, família, grupo ou comuidade, a fim de estudar aspectos variados de sua vida, de acordo com o assuto da pesquisa. Para Yi (2001), o estudo de caso represeta uma ivestigação empírica e compreede um método abragete, com a lógica do plaejameto, da coleta e da aálise de dados. O autor afirma que pode icluir tato estudos de caso úico quato de múltiplos, assim como abordages quatitativas e qualitativas de pesquisa. O escopo deste trabalho está cetrado a estratégia de pesquisa qualitativa, juto aos os processos de aálise de prestação de cotas. O pesquisador qualitativo pauta seus estudos 7

8 a iterpretação do mudo real, preocupado-se com o caráter hermeêutico a tarefa de pesquisar sobre a experiêcia vivida dos seres humaos, (OLIVEIRA, 2002). Neves (1996), explica que a pesquisa qualitativa costuma ser direcioada, ao logo do seu desevolvimeto. Para o autor, tal método ão busca eumerar ou medir evetos, e, geralmete, ão emprega istrumetal estatístico para a aálise de dados, seu foco de iteresse é amplo e parte de uma perspectiva difereciada da adotada pelos métodos quatitativos. Ludke e Adré (1986), afirmam que a aálise documetal costitui uma técica importate a pesquisa qualitativa, seja complemetado iformações obtidas por outras técicas, seja desvelado aspectos ovos de um tema ou problema. Desta forma, as técicas de coleta de dados utilizadas foram a pesquisa bibliográfica e documetal, diate da acessibilidade de dados represetativos advidos de artigos, dissertações e teses, que caracterizavam o referido ambiete de pesquisa. De acordo com Gil (2006), esse método tem por objetivo reuir, classificar e distribuir os documetos de todo gêero. 4. Resultado da Estruturação do Quadro de Idicadores de Desempeho 4.1 A Istituição Objeto de Estudo A Secretaria Muicipal de Educação - SEMED gerecia a área educacioal do muicípio, os íveis de Educação Ifatil e Esio Fudametal, executado todas as etapas da Política Muicipal de Educação. Plaeja, coordea, cotrola e executa atividades que garatem os recursos, métodos e profissioais ecessários para a prestação de serviços educacioais de qualidade aos cidadãos. A SEMED matém vículos com os coselhos muicipais de Alimetação Escolar (CMAE) e o de Acompahameto e Cotrole Social do Fudo de Mauteção e Desevolvimeto do Esio Fudametal e de Valorização do Magistério (FUNDEF). Através de Programas do Govero Federal, suas uidades escolares recebem verbas do Fudo 8

9 Nacioal de Desevolvimeto da Educação (FNDE), que visam estimular e fortalecer a participação social e a autogestão dos estabelecimetos de esios públicos. A Resolução 17/2011 (Art. 3, p. 2), relata que os recursos dos programas destiam-se à cobertura de despesas de custeio, mauteção e pequeos ivestimetos para garatir a melhoria da ifraestrutura física e pedagógica dos estabelecimetos de esio. A Etidade Executora (EEx), este caso a SEMED por itermédio do setor de Aálise de Prestação de Cotas, é resposável pela formalização dos procedimetos de adesão e habilitação das Uidades Executoras (UEx), que por sua vez executam e prestam cotas dos recursos destiados às escolas, coforme a figura 1. Figura 1 Fluxograma de Prestação de Cota Fote: Elaborado pelos Autores, O setor de Aálise de Prestação de Cotas da Secretaria Muicipal de Educação tem como objetivo fudametal istruir, ormatizar, orgaizar e criar metodologias que auxiliem o melhor desempeho das UEx, para que haja eficiêcia o cumprimeto das legislações que orteiam as prestações de cotas. 9

10 Com isso, se estabeleceu um fluxo próprio dos processos que iicia o recebimeto dos documetos até a cosolidação fial da prestação de cotas dos Programas Federais: PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA PDDE, PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA ESCOLA PDE, PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/ EDUCAÇÃO INTEGRAL e ESCOLA ABERTA/ FEF`S. A SEMED possui 7 (sete) Divisões Regioais de Educação DRE que ficam com a resposabilidade de receber o processo da Associação de Pais, Mestres e Comuitários APMC e/ou Coselho Escolar das UEx, bem como pré-aalisar tais prestações até o dia 16 (dezesseis de outubro). O coordeador dos Programas Federais a DRE por sua vez, deverá dar etrada a EEx o prazo máximo de 19 de ovembro. A tramitação do processo até a Gerêcia de Aálise e Prestação de Cotas se dará pelo setor de protocolo, que irá idetificálo e ecamihá-lo via sistema iformatizado. A prestação de cotas será recepcioada e aalisada pelos servidores competetes. Havedo pedêcias, a gerêcia etra em cotato com o resposável da UEx para que sejam saadas em 15 (quize) dias. O FNDE estabelece que os valores executados, reprogramados e os saldos aplicados devem ser iformados via Sistema de Gestão e Prestação de Cotas - SIGPC até o dia 28 de fevereiro. A EEx pode emitir o parecer REGULAR, REGULAR COM RESSALVAS (o caso de erro) OU IRREGULAR (quado há fraude). O FNDE, de acordo com as iformações recebidas, decide a aprovação ou reprovação das cotas da UEx. Quado o ordeador da despesa aprova os valores prestados, EEx devolve o processo para ser arquivado a UEx. No caso de reprovação, deverá ser feito o ressarcimeto ao erário e quado ão obtido, ocorre a tomada de cotas e bloqueio dos repasses. No etato, quado os valores são devolvidos o ome da UEx é excluído da relação de iadimplêcia. 4.2 Potos Críticos de Cotrole A itegração etre o plaejameto e o cotrole das operações depede do feedback que a alta admiistração tem das diversas atividades que a compõem, a orgaização. A fim de formatar idicadores de desempeho, faz-se ecessário descrever os pricipais potos que merecem ateção por parte da gestão: - PRODUTIVIDADE: O moitorameto da produtividade de cada servidor é importate para se gerir as fuções operacioais. A Gerêcia de Aálise de Prestação de Cotas além de cumprir os prazos estabelecidos em lei, precisa estabelecer metas para que 10

11 haja uma sitoia o trabalho desevolvido. No etato, tais prazos podem ser protelados de acordo com as justificativas das UEx ou da EEx. Com isso, o úmero de dias que o setor leva para istruir um processo sob sua aálise ão é evideciado para fis de cotrole. Faz-se ecessário, portato, medir o prazo médio de istrução processual que evidecia o úmero médio de dias que o processo estará cocluído, sedo possível avaliar ode ficam os gargalos, de acordo com a complexidade de cada tema. Desta forma,possibilitará o acompahameto das atividades desevolvidas, tato a uiformidadeetre os servidores, quato o cotrole dos resultados atigidos em sua totalidade. - QUALIDADE: O cotrole de qualidade das aálises processuais deve ser aprimorado, tedo em vista o elevado úmero de prestações, o curto prazo para se realizar uma auditoria miuciosa e o compromisso com a cofiabilidade que possui o setor de cotrole itero. O gereciameto da qualidade tem se revelado como uma metodologia de grade importâcia aos gestores, para garatir a eficácia o processo. - EFICIÊNCIA: A eficiêcia das prestações de cotas etregues pelas UEx também deve ser observada para dar suporte a orgaização o surgimeto dos problemas recorretes. As iformações a serem prestadas pelos resposáveis das uidades são bastate complexas, pois o FNDE regulameta os programas através de diversas resoluções que aualmete são atualizadas, ocasioado assim, divergêcias e equívocos as iformações e documetos cotidos os processos. - RASTREABILIDADE: Devido ao alto grau de complexidade das orgaizações, observa-se o dia a dia o surgimeto de iúmeros problemas e de várias aturezas, o etato, esses eigmas em sempre podem ser resolvidos com a maior velocidade e eficiêcia possível. A fim de prover o acompahameto do ciclo de cada processo, o setor em estudo deverá desevolver um cotrole de pedêcias, observado o método de gereciameto através de idicadores de rastreabilidade. No ituito de formatar um modelo de gestão de forma a garatir um padrão de excelêcia as aálises de prestações de cotas é preciso medi-lo uma perspectiva de aprimorameto permaete dos processos, coforme o modelo proposto a seguir. 4.3 Sistema de Idicadores Proposto A maior dificuldade de uma orgaização é a defiição correta de um problema, sedo assim, os idicadores de desempeho toram-se uma ferrameta auxiliadora para delieameto do problema evitado dispersões e perda de tempo. 11

12 Este artigo cotempla um modelo de ferrameta capaz de medir com base em idicadores de processo, os quais serão dispostos em um paiel de idicadores de desempeho para cada poto crítico do processo estudado e que são apresetados os quadros 1,2,3 e 4 abaixo. PONTO CRÍTICO INDICADOR MÉTRICA OBJETIVO PARÂMETROS FREQUÊNCIA Quatidade de Mesurar a quatidade de processos por processos por servidor Quato maior, melhor Mesal processos por servidor servidor i=1 Produtividade Média de processos por servidor % de processos por programa i=1 processos Qtd de servidores Qtd de processo por programa Qtd total de processos x 100 Mesurar a média de processos por servidor Quatificar a proporção dos processos por programa em relação ao total de processos Quato maior, melhor Mesal - Mesal Tempo médio de Aálise do Processo (dias) i=1 data de etrada data de saída Qtd de processos Evideciar o úmero médio de dias que o processo estará cocluído Quato meor, melhor Mesal Quadro 1 Idicadores de Produtividade Fote: Elaborado pelos Autores, Os idicadores elecados o quadro 1 evideciam a produtividade do processo, sustetados ao vetor servidor, quatidade de processos e o tempo de istrução processual. PONTO CRÍTICO INDICADOR MÉTRICA OBJETIVO PARÂMETROS FREQUÊNCIA % de falha a aálise processual i=1 processos aalisados com falha x 100 Qtd total de processos Percetual da quatidade de processos que apresetam falha a aálise fiaceira e documetal Quato meor, melhor Mesal % de falha a aálise processual fiaceira i=1 processos com falha a aálise fiaceira x 100 Qtd total de processos Evideciar o úmero de processos com aálise fiaceira icorreta Quato meor, melhor Mesal Qualidade Quatidade de processos com falha a aálise por i=1 processos aalisados com falha Qtd de processo por servidor Mesurar o úmero de processos aalisados com falha por servidor Quato meor, melhor Mesal servidor % de processos com falha a aálise por programa Qtd processos aalisados com falha Qtd de processo por programa x 100 Quatificar a proporção dos processos aalisados com falha em relação ao total de processos por programa Quato meor, melhor Mesal Quadro 2 Idicadores de Qualidade Fote: Elaborado pelos Autores, Na perspectiva de qualidade do quadro 2 os aspectos do modelo estão demostrados em quatro idicadores, que apotam através de seus resultados possíveis falhas a aálise. Tais idicadores costituem-se de iformações importates, que darão suporte ao gestor para mesurar a qualidade a prestação de cotas. 12

13 PONTO CRÍTICO INDICADOR MÉTRICA OBJETIVO PARÂMETROS FREQUÊNCIA Quatidade de Mesurar a quatidade de processos prestações prestações apresetadas Quato maior, melhor Mesal etregues pelas UEx i=1 apresetadas Média de prestações apresetadas em coformidade i=1 prestações apresetadas Qtd de prestações em coformidade Mesurar a média de processos etregues de acordo com as ormas legais Quato maior, melhor Mesal Eficiêcia % de prestações etregues em coformidade por programa Qtd de processos em coformidade x 100 Qtd total de processos por programa Quatificar a proporção dos processos apresetados corretamete em relação ao total de processos por programa Quato maior, melhor Mesal % de prestações etregues em coformidade por DRE i=1 prestações apresetadas por DRE x 100 Qtd de processos em coformidade Evideciar o úmero médio de processos etregues por DRE em coformidade com as resoluções Quato maior, melhor Mesal Quadro 3 Idicadores de Eficiêcia Fote: Elaborado pelos Autores, O quadro acima apreseta a cofiguração com efoque aderete às iformações prestadas pelas UEx e também suporta idicadores que demostram a aplicabilidade das resoluções de forma eficiete. PONTO CRÍTICO INDICADOR MÉTRICA OBJETIVO PARÂMETROS FREQUÊNCIA Quatidade de Mesurar a quatidade de processos processos pedetes Quato meor, melhor Mesal processos pedetes parados o setor por pedêcias i=1 Média de processos pedetes por servidor i=1 processos pedetes Qtd de servidores Mesurar a média de processos pedetes por servidor Quato meor, melhor Mesal Rastreabilidade % de processos pedetes por programa Qtd de processo por programa x 100 Qtd total de processos pedetes Quatificar a proporção dos processos pedetes em relação à quatidade de processo por programa Quato meor, melhor Mesal Backlog i=1 processos pedetes por ao de exercício Evideciar a quatidade de processos parados o setor pelo ao da prestação de cotas do recurso Quato meor, melhor Aual Quadro 4 Idicadores de Rastreabilidade Fote: Elaborado pelos Autores, Os vetores aplicados o quadro 4 atedem a ecessidade do gestor o que tage a orgaização dos processos. Servem para sustetar que todos os processos terão sua istrução fializada, bem como sua localização evideciada através da estratificação por servidor, por programa e por exercício da execução dos recursos. A opção este trabalho foi garatir parâmetros por meio de idicadores adequados a realidade da Gerêcia de Aálise e Prestação de Cotas que observa os ídices frete ao sistema de iformações do setor para a realização de acompahameto estratégico. 13

14 Desta forma, a apuração de todos os idicadores terão como a origem a base de dados corporativa da etidade em estudo e a frequêcia recomedada para a apuração, divulgação e aálise dos idicadores foi selecioada com o itervalo de 30 dias. 3. Cosiderações Fiais As orgaizações públicas efretam hoje um grade desafio a estruturação de seus processos, talvez, pela heraça de modelos que se distaciam da gestão com qualidade e amparadas em ferrametas gereciais. Implemetar um paiel de idicadores o serviço público tem-se revelado particularmete difícil, devido ao relativo descohecimeto do modelo, das suas potecialidades, coceitos e metodologias. No âmbito geral, os idicadores de desempeho forecem como beefícios iformações sobre temas fudametais da gestão pública, tais como ível de eficiêcia, qualidade, ecoomia de recursos e produtividade dos serviços, além de apotar o grau de melhoria da gestão. Esta pesquisa buscou propor elemetos coceituais sobre idicadores de desempeho aplicáveis à realidade da orgaização em estudo, com abragêcia e aplicação para os aspectos característicos relacioados à avaliação de desempeho a Aálise e Prestação de Cotas Públicas, os quais eglobam as seguites perspectivas: produtividade, qualidade, eficiêcia e rastreabilidade. E para cada um propôs-se o idicador estruturado com o respectivo objetivo de sua aplicação. Aliha-se a este artigo a limitação a aplicabilidade dos idicadores a realidade do processo em estudo, ão tedo sido possível verificar a sua real validade o cotexto da istituição, apesar de terem sido estruturados em cosoâcia com a realidade e dados forecidos pela gerêcia. Com isso, o desevolvimeto da pesquisa criou-se ao logo de sua elaboração uma série de questioametos que abrem a visão para problemas ão imagiados o iício do trabalho, bem como desperta para idagações que podem ser aproveitadas por outros pesquisadores. Com este setido, sugere-se como recomedação de estudos e trabalhos futuros, a aplicação dos idicadores de desempeho aqui proposto, visado a sua validação. 14

15 Referêcias ALMEIDA, M. L. P. de. Tipos de pesquisa. I: ALMEIDA, Maria Lúcia Pacheco de. Como elaborar moografias. 4. ed. rev. e atual. Belém: Cejup, Cap. 4, p BELLONI, I.Uma Metodologia de Avaliação da Eficiêcia Produtiva de Uiversidades Federais Brasileiras. Tese de Doutorado, UFSC, Dispoível em < Acesso em 10/06/12. BRASIL. Boletim do Tribual de Cotas da Uião - BTCU. Técica de idicadores de desempeho para auditorias. Brasília, Costituição da República Federativa do Brasil Dispoível em< Acesso em: 28/03/2012..Lei º 4.320, de 17 de março de Estatui ormas gerais de direito fiaceiropara elaboração e cotrole de balaços da Uião, dos Estados, dos Muicípios e do DistritoFederal. Dispoível em < Acesso em 02/04/2012..Resoluçãoº 17 de 19 de abril de Dispõe sobre procedimetos de adesão e habilitação e as formas de execução e prestação de cotas referetes ao Programa Diheiro Direto a Escola (PDDE). BRESSER PEREIRA, L. C.; SPINK, P. Reforma do Estado e Admiistração Pública Gerecial 7a ed. Rio de Jaeiro: Editora FGV, CAMARGO, L. L. Uso de idicadores da qualidade para o gereciameto estratégico de empresas do ramo comercial. Dissertação (Mestrado) - Uiversidade Federal de Sata Cataria, Floriaópolis, CAMPOS, V.F.TQC: Cotrole da Qualidade Total (o Estilo Japoês). 2ª. ed. Belo Horizote: Fudação Christiao Ottoi, (Rio de Jaeiro; Bloch Ed.) CASADO F. L. esiluk J. C. M. Avaliaçãoda eficiêcia técica de istituições públicas através da utilização de idicadores de goveraça. XXXI Ecotro Nacioal de Egeharia de Produção, Belo Horizote, MG, Brasil, 04 a 07 de outubro de I: JOHNES, J. Measurig the efficiecy of uiversities: A compariso of multilevel modellig ad data evelopmet aalyses, Bulleti of Ecoomic Research 58 (2) (2006), pp CHIAVENATO, I.; SAPIRO, A. Plaejameto estratégico: fudametos e aplicações.rio de Jaeiro: Elsevier, CORREA, H. L.; CORREA, C. A. Admiistração de produção e operações: maufatura e serviços: uma abordagem estratégica. 2. ed. São Paulo: Atlas, GRATERON, I. R. G.. Auditoria de gestão: utilização de idicadores de gestão o setor público. Cadero de estudos, 21, São Paulo, maio/ago,1999. Dispoível em: < >. em 10/06/2012 GIUBERTI, A.; C. Lei de Resposabilidade Fiscal: efeitos sobre o gasto com pessoal dos muicípios brasileiros.enanpec, GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ed. São Paulo. Atlas, LIMA, R. A.Como a relação etre clietes e forecedores iteros à orgaização pode cotribuir para a garatia da qualidade:o caso de uma empresaautomobilística. Ouro Preto: UFOP, LÜDKE, M. e ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordages qualitativas. São Paulo, EPU, MENDES, R. C. A cotribuição da cotabilidade e auditoria goverametal para uma melhor trasparêcia a gestão pública em busca do combate à corrupção. Dispoível em < acesso em 26/04/12. 15

16 MOREIRA, D. Admiistração de Produção e Operações. São Paulo: Pioeira,1996. NEVES, J. L. Pesquisa Qualitativa Características, Usos e Possibilidades. Cadero de Pesquisas em Admiistração. V. 1, No 3, 2 o sem/1996. OLIVEIRA, C. L. Um apahado teórico-coceitual sobre a pesquisa qualitativa: tipos, técicas e características. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Letras e Liguística). Alagoas: UFAL, Dispoível em: < HADO%20TE%D3RICO-CONCEITUAL.pdf>, acesso em 27/06/12. PINTO, F. J. S. Balaced Scorecard Adaptações ao sector público e às orgaizações privadas sem fis lucrativos.uiversidade do Algarve (ESGHT), QUINQUIOLO, J. M. Avaliação da Eficácia de um Sistema de Gereciameto para Melhorias Implatado a Área de Carroceria de uma Liha de Produção Automotiva. Taubaté SP: Uiversidade de Taubaté, RIBEIRO, A. S. M. Corrupção e Cotrole a Admiistração Pública brasileira. 2.ed. São Paulo: Atlas, Dispoível em < acesso em26/04/12. ROCHA, A. C. B.Cofiguração de um sistema de avaliação de desempeho alicerçado o Balaced Scorecard para uma idústria de cofecções de porte médio. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção). Floriaópolis: UFSC, SILVA, J. A.Apostila de Cotrole da Qualidade I. Juiz de Fora: UFJF, SIQUEIRA, M. C.Idicadores de desempeho e cotrole de resultados. SEPLAG/MG, TAKASHINA, N. T.; FLORES, M. C. Idicadores da qualidade e do desempeho. Rio de Jaeiro: Qualitymark, Yi, R. Estudo de caso: plaejameto e métodos. 2a ed. Porto Alegre: Bookma;

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://wwwuematbr/eugeio SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO A ecessidade de recursos obriga aqueles que querem fazer ivestimetos a tomar empréstimos e assumir dívidas que são pagas com juros que variam de acordo

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional

PIM da Janela Única Logística Vertente funcional Workshop Stakeholders Lisboa PIM da Jaela Úica Logística Vertete fucioal Coceito e Pricípios de Fucioameto Bruo Cima Lisboa, 9 de Maio de 0 Ageda. A compoete BB do projecto MIELE. Equadrameto da compoete

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização

4 Teoria da Localização 4.1 Introdução à Localização 4 Teoria da Localização 4.1 Itrodução à Localização A localização de equipametos públicos pertece a uma relevate liha da pesquisa operacioal. O objetivo dos problemas de localização cosiste em determiar

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO

FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO FORMULAÇÃO DE DIETA DE MÍNIMO CUSTO PARA A BOVINOCULTURA DE LEITE: ANIMAIS NOS DOIS ÚLTIMOS MESES DE GESTAÇÃO Dayse Regia Batistus (UTFPR) batistus@utfpr.edu.br Marcelo Rosa (UTFPR) marcelorosa@aluos.utfpr.edu.br

Leia mais

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013]

Ficha Técnica. TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. Desempenho Económico e Financeiro do Segmento de Manutenção de Aeronaves [2011-2013] Ficha Técica TÍTULO Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Desempeho Ecoómico e Fiaceiro do Segmeto de Mauteção de Aeroaves [2011-2013] EDIÇÃO INAC Istituto Nacioal de Aviação Civil, I.P. Rua B Edifícios

Leia mais

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL CARTILHA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL 2ª Edição, Brasília - 2007 Trabalho elaborado com a colaboração do Istituto Brasileiro do Meio Ambiete e dos Recursos Naturais Reováveis Negócio Cotrole Extero da Admiistração

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Juros Simples e Compostos

Juros Simples e Compostos Juros Simples e Compostos 1. (G1 - epcar (Cpcar) 2013) Gabriel aplicou R$ 6500,00 a juros simples em dois bacos. No baco A, ele aplicou uma parte a 3% ao mês durate 5 6 de um ao; o baco B, aplicou o restate

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda

Uma Metodologia de Busca Otimizada de Transformadores de Distribuição Eficiente para qualquer Demanda 1 Uma Metodologia de Busca Otimizada de Trasformadores de Distribuição Eficiete para qualquer Demada A.F.Picaço (1), M.L.B.Martiez (), P.C.Rosa (), E.G. Costa (1), E.W.T.Neto () (1) Uiversidade Federal

Leia mais

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL

REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL REGRESSÃO MÚLTIPLA: FERRAMENTA DE APOIO À DECISÃO NAS PESQUISAS MARKETING INSTITUCIONAL CHARLES THIBES SARMENTO RESUMO Tecioa-se aalisar a regressão múltipla como auxílio às políticas istitucioais as pesquisas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING

PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSTA DE UM MODELO PARA A GESTÃO DA INFORMAÇÃO: ESTUDO DE CASO NA ÁREA DE PESQUISA DE MARKETING PROPOSAL FOR AN INFORMATION MANAGEMENT MODEL: CASE STUDY IN THE MARKETING RESEARCH FIELD RESUMO O propósito

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE

MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE Instituto do Ambiente PROCEDIMENTOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENTE MINISÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENO DO ERRIÓRIO E AMBIENE Istituto do Ambiete PROCEDIMENOS ESPECÍFICOS DE MEDIÇÃO DE RUÍDO AMBIENE Abril 2003 . Equadrameto O presete documeto descreve a metodologia a seguir

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa

Conceito 31/10/2015. Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uniformes. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Módulo VI Séries ou Fluxos de Caixas Uiformes Daillo Touriho S. da Silva, M.Sc. SÉRIES OU FLUXOS DE CAIXAS UNIFORMES Fluxo de Caixa Coceito A resolução de problemas de matemática fiaceira tora-se muito

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL Af-Revista :Layout 3/7/ :59 AM Page 39 PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO:

Leia mais

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO

PRESTAÇÃO = JUROS + AMORTIZAÇÃO AMORTIZAÇÃO Amortizar sigifica pagar em parcelas. Como o pagameto do saldo devedor pricipal é feito de forma parcelada durate um prazo estabelecido, cada parcela, chamada PRESTAÇÃO, será formada por duas

Leia mais

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL

O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL O SETOR DE PESQUISAS DE MARKETING,OPINIÃO E MÍDIA NO BRASIL THE SECTOR OF MARKETING RESEARCH,OPINION AND MEDIA IN BRAZIL RESUMO Com base em dados da ABEP, o artigo faz um relato da evolução do setor de

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo?

AMOSTRAGEM. metodologia de estudar as populações por meio de amostras. Amostragem ou Censo? AMOSTRAGEM metodologia de estudar as populações por meio de amostras Amostragem ou Ceso? Por que fazer amostragem? população ifiita dimiuir custo aumetar velocidade a caracterização aumetar a represetatividade

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

Proposta de ferramenta de diagnóstico socioambiental empresarial Proposal of a tool for socio-environmental diagnostic of a company

Proposta de ferramenta de diagnóstico socioambiental empresarial Proposal of a tool for socio-environmental diagnostic of a company Proposta de ferrameta de diagóstico socioambietal empresarial Proposal of a tool for socio-evirometal diagostic of a compay RESUMO O presete artigo apreseta os pricipais resultados de pesquisa que teve

Leia mais

Lista de Exercícios #4. in Noções de Probabilidade e Estatística (Marcos N. Magalhães et al, 4ª. edição), Capítulo 4, seção 4.4, páginas 117-123.

Lista de Exercícios #4. in Noções de Probabilidade e Estatística (Marcos N. Magalhães et al, 4ª. edição), Capítulo 4, seção 4.4, páginas 117-123. Uiversidade de São Paulo IME (Istituto de Matemática e Estatística MAE Profº. Wager Borges São Paulo, 9 de Maio de 00 Ferado Herique Ferraz Pereira da Rosa Bach. Estatística Lista de Exercícios #4 i Noções

Leia mais

Performance of the municipal boards of school meals in the management of the national school meals program

Performance of the municipal boards of school meals in the management of the national school meals program ORIGINAL ORIGINAL CONSELHOS MUNICIPAIS DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR 143 Atuação dos coselhos muicipais de alimetação escolar a gestão do programa acioal de alimetação escolar 1 Performace of the muicipal boards

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER) Deseja-se projetar uma base de dados que dará suporte a

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Biodigestores em Propriedades Rurais Aais do CNMAC v.2 ISSN 1984-820X Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Biodigestores em Propriedades Rurais Eliaa Walker Depto de Física, Estatística e Matemática, DEFEM,

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO

OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO OTIMIZAÇÃO DA OPERAÇÃO DE TORRES DE RESFRIAMENTO Kelle Roberta de Souza (1) Egeheira Química pela UNIMEP, Especialista em Gestão Ambietal pela UFSCar, Mestre em Egeharia e Tecologia Ambietal pela Uiversidad

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Dezembro de 2007 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão 1 (Costrução de modelo ER - Peso 3) Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas

INSTITUTO POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA. Ano 1º Semestre 1º. Teóricas Departameto Gestão Disciplia Matemática I Curso Gestão de Empresas Ao 1º Semestre 1º Grupo Docete Resposável Teóricas Carga horária semaal Teórico Práticas Nuo Coceição 3h 3h/5h Práticas/ Lab. Semiários

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 03 Campo Grade-MS Uiversidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO COMPARAÇÃO ENTRE REDES NEURAIS ARTIFICIAIS E REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA PREVISÃO DE PREÇOS DE HORTALIÇAS

Leia mais

www.tcu.gov.br www.tcu.gov.br Trabalhos Relevantes Sobre a Previdência Social Uma Contribuição do TCU ao Debate da Reforma da Previdência Social

www.tcu.gov.br www.tcu.gov.br Trabalhos Relevantes Sobre a Previdência Social Uma Contribuição do TCU ao Debate da Reforma da Previdência Social www.tcu.gov.br www.tcu.gov.br TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO www.tcu.gov.br Trabalhos Relevates Sobre a Previdêcia Social ISC /CEDOC SEDIP Uma Cotribuição do TCU ao Debate da Reforma da Previdêcia Social

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

Kit de ferramentas de Advocacy

Kit de ferramentas de Advocacy ROOTS 1+2 ROOTS Kit de ferrametas de Advocacy SEGUNDA EDIÇÃO ROOTS: Recursos para Orgaizações com Oportuidades de Trasformação e Socialização ROOTS 1 E 2 Kit de ferrametas de Advocacy Seguda edição De

Leia mais

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO

Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO Projetos Agropecuários - Módulo 4 ANÁLISE FINANCEIRA DE INVESTIMENTO A parte fiaceira disciplia todas as áreas de uma orgaização que esteja direta ou idiretamete ligadas à tomada de decisão. Todo profissioal

Leia mais

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais *

Análise de Pobreza com Indicadores Multidimensionais: Uma Aplicação para Brasil e Minas Gerais * Aálise de Pobreza com Idicadores Multidimesioais: Uma Aplicação para Brasil e Mias Gerais * Helger Marra Lopes Paulo Brígido Rocha Macedo Aa Flávia Machado ' Palavras-chave: idicador de pobreza; pobreza

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados

Jornal Oficial da União Europeia. de 21 de Abril de 2004. que cria o título executivo europeu para créditos não contestados 30.4.2004 L 143/15 REGULAMENTO (CE) N. o 805/2004 DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 21 de Abril de 2004 que cria o título executivo europeu para créditos ão cotestados O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova

Fundamentos de Bancos de Dados 3 a Prova Fudametos de Bacos de Dados 3 a Prova Prof. Carlos A. Heuser Julho de 2008 Duração: 2 horas Prova com cosulta Questão (Costrução de modelo ER - Peso 2 Deseja-se costruir um sistema WEB que armazee a comuicação

Leia mais

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares

Introdução ao Estudo de Sistemas Lineares Itrodução ao Estudo de Sistemas Lieares 1. efiições. 1.1 Equação liear é toda seteça aberta, as icógitas x 1, x 2, x 3,..., x, do tipo a1 x1 a2 x2 a3 x3... a x b, em que a 1, a 2, a 3,..., a são os coeficietes

Leia mais

Educação integral e(m) tempo integral: Espaços no Programa Bairro-Escola, Nova Iguaçu RJ

Educação integral e(m) tempo integral: Espaços no Programa Bairro-Escola, Nova Iguaçu RJ UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Cetro de Ciêcias Humaas e Sociais CCH Programa de Pós-Graduação Mestrado em Educação Educação itegral e(m) tempo itegral: Espaços o Programa Bairro-Escola,

Leia mais

Resumo. Palavras-chaves: Processo de Software, Melhoria de Processos, Tomada de Decisões, Qualidade de Software. Abstract

Resumo. Palavras-chaves: Processo de Software, Melhoria de Processos, Tomada de Decisões, Qualidade de Software. Abstract Cosequêcias e Características de um Processo de Desevolvimeto de Software de Qualidade e Aspectos que o iflueciam: uma avaliação de especialistas Jea M. Adrade, Adriao B. Albuquerque, Fábio B. Campos,

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização

Gestão Integrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regionalização Gestão Itegrada dos Resíduos Sólidos do Estado do Ceará Regioalização Ceará 2011 Apoio Istitucioal Covêio SRHU/MMA/ º 003/2008 - Projeto Regioalização da Gestão Itegrada de Resíduos Sólidos do Estado do

Leia mais

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4

SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4. 1.1. Conceitos básicos 4 SUMÁRIO 1. AMOSTRAGEM 4 1.1. Coceitos básicos 4 1.. Distribuição amostral dos estimadores 8 1..1. Distribuição amostral da média 8 1... Distribuição amostral da variâcia 11 1..3. Distribuição amostral

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004 ILHA SOLTEIRA XII Cogresso Nacioal de Estudates de Egeharia Mecâica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-FS20 ANÁLISE ENERGÉTICA E EXERGÉTICA DA DESTILARIA PIONEIROS NA SAFRA 2003-2004

Leia mais