de talentos Como as organizações podem melhorar o retorno sobre seus investimentos na gestão de talentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "de talentos Como as organizações podem melhorar o retorno sobre seus investimentos na gestão de talentos"

Transcrição

1 Ecarado a Gestão de taletos Como as orgaizações podem melhorar o retoro sobre seus ivestimetos a gestão de taletos Muitas orgaizações se furtam de abordar questões de capital humao, preferido se cocetrar em iiciativas mais tagíveis, como a redução de custos estruturais ou terceirização. De fato, ecarar a questão da gestão de taletos ão é fácil. Mas se você o fizer eficazmete, os resultados aparecem diretamete a lucratividade da empresa >>

2

3 Coteúdo Resumo Executivo 2 Resultados tagíveis de um ativo itagível 3 O bôus de taleto 4 Por que as orgaizações falham em obter ROI da gestão de taletos 5 As prioridades de gestão de taletos estão mudado 6 Adequação ao propósito e ão apeas melhores práticas 8 Bechmarks das melhores práticas 10 Como o Hay Group ajudou clietes com práticas iovadoras 11 O diferecial do Hay Group ter uma visão do todo 12 Coclusão 16

4 2 Ecarado a Gestão de Taletos Resumo Executivo Etão, você já cortou custos e revisou sua estratégia comercial. Agora, por que ão ecarar a tarefa mais difícil de obter melhor retoro sobre seu capital humao? Iicialmete, parece ser um cotra-seso. Ivestir tempo e diheiro em um projeto tão itagível, um ambiete de egócios em que empresas buscam obter retoros tagíveis e imediatos, pode, à primeira vista, parecer desacoselhável. Cotudo, ossas pesquisas mostram que as orgaizações que fazem ivestimetos estruturados e sérios em gestão de taletos também obtêm os melhores resultados. O motivo é simples. Quado você sabe os requisitos dos cargos, ecotra as pessoas certas para preechê-los, egaja bem seus fucioários e gerecia seu desevolvimeto, você obtém um desempeho melhor. Desempeho que comprovadamete impacta diretamete a lucratividade do egócio. Não existe uma receita prota para a gestão de taletos. Cada orgaização precisa adequar sua abordagem à sua estratégia e às suas ecessidades imediatas. Mas existem algumas práticas, que servem para qualquer empresa. Uma delas é ecarar a gestão de taletos como uma forma de iterligar práticas idividuais de gestão de pessoas, para que fucioem em cojuto e levem ao mesmo objetivo. Nas melhores orgaizações, a gestão de taletos é mais do que a soma de diversas práticas. É o que garate o alihameto e clareza ecessários para que as pessoas possam, coletivamete, etregar os resultados previstos a estratégia do egócio. É o que permite que as pessoas se reovem e se reeergizem, torem-se vecedoras o futuro e se adaptem às mudaças de mercado e seus ovos desafios Hay Group. All rights reserved

5 Resultados tagíveis de um ativo itagível 70% setiram que sua abordagem para gestão de taletos precisava mudar. Muitas orgaizações se furtam de lidar com o lado mais itagível dos egócios, as pessoas. No etato, o retoro fiaceiro é sigificativo para as empresas que se dedicam a esta questão. Em ossa pesquisa aual, as 20 Melhores Empresas para Lideraça possuem um desempeho cosistetemete melhor do que o de suas pares em termos de retoro sobre o valor das ações. Vale a pea? Retoro total para acioistas méd.ia de 4.07% 0.54% 20 melhores empresas S&P 500 cico aos} 20 Melhores Empresas para Líderaça coforme idetificadas o estudo coduzido pelo Hay Group Chave: 20 melhores empresas Mercado em geral Fote: Pesquisa Melhores Empresas para Líderes, Hay Group Isso se traduz em dividedos de muitas ceteas de milhões de dólares para algumas empresas. E ajuda a explicar porque mais de dois terços das avaliações de empresas se baseiam em seus ativos itagíveis: cohecimeto e kow-how, marca, relacioametoschave e pool de taletos. Também explica porque apoiar as empresas a melhorar a gestão de taletos costitui a parte do portfólio de serviços do Hay Group que mais cresce. 80% 63% 75% 60% Coforme mostram as 20 Melhores Empresas para Lideraça, a gestão de taletos compesa. A mesma pesquisa mostra que as orgaizações que acertam este quesito operam um círculo virtuoso, gerado um retoro sobre seu ivestimeto em taletos. Estas empresas preechem mais cargos seiores iteramete, ajudado a fortalecer sua cultura além de ecoomizar com recrutameto extero. 88% 72% } Cargos de média gerêcia preechidos iteramete } Cargos de gerêcia sêior preechidos iteramete } Altos Executivos promovidos iteramete

6 4 Ecarado a Gestão de Taletos O Bôus de Taleto Muitos líderes sabem ituitivamete que ecotrar e desevolver fucioários de alto potecial rede dividedos. Esta ituição é cofirmada por estudos de Psicologia do Trabalho que aalisam tedêcias idetificadas em pesquisas. Por exemplo, a pesquisa de Huter & Judiesch quatifica o diferecial de desempeho etre idivíduos de alto e médio desempeho em uma larga gama de cargos com graus de complexidade variáveis. Meos de 25% acreditavam que seus processos de gestão de taletos produziriam os líderes ecessários. 1.3x 2x 8x } } } Cargos de baixa complexidade ex. trabalhador maual ou de serviços Cargos de média complexidade ex. vededor, artesão, gerete, Cargos de alta complexidade ex. executivo chefe, desevolvedor de software, gestor de fudos Pessoas / desempeho médio Pessoas c/ desempeho alto Fote: The Psychologist Vol 22, No 9, Set. de 2009, citado o Joural of Applied Psychology O valor da gestão de taletos: algus destaques 2009 Hay Group. All rights reserved 1 No estudo Melhores Empresas para Líderaça do Hay Group, as empresas com as melhores práticas de gestão de taletos apresetam retoro total aos acioistas oito vezes maior que as empresas em geral. 2 Segudo estudo sobre maufatura coduzido pelo Istitute of Work, 20% da variação de produtividade e lucratividade se deve à melhor gestão de pessoas. E mais, serve melhor para projetar lucratividade do que estratégia, tecologia ou P&D. 3 De acordo com o istituto de pesquisa Gallup, fucioários egajados o Reio Uido faltam por motivo de doeça em média 2.69 dias ao ao, equato fucioários desegajados faltam três vezes mais. 4 Diz-se com frequêcia que as pessoas deixam geretes fracos e ão empresas fracas. É 87% meos provável que um fucioário com um líder taletoso saia da empresa, uma vatagem eorme cosiderado que o custo médio de reposição é 1,5 vezes o salário aual, de acordo com pesquisa do Corporate Leadership Coucil 5 Em orgaizações com fortes práticas de gestão de taletos e de egajameto, 67% dos fucioários advogam em favor da empresa perate os outros, cotra 33% das outras compahias, segudo o Gallup

7 Por que as orgaizações falham em alcaçar o ROI da gestão de taletos A pesquisa Melhores Empresas para Lideraça e ossa experiêcia em cosultoria - mostra que é possível medir o valor da gestão de taletos de maeira clara. No etato, em todas as orgaizações ivestem de maeira que permita colher os beefícios deste processo. Em ossa experiêcia, existem muitos desafios para a gestão efetiva de taletos. Os dez pricipais são: Somete 19% dos respodetes cocordaram com a seguite afirmação: Tratamos osso processo de gestão de taletos tão seriamete quato tratamos osso processo de elaboração do orçameto aual. 1 Falta de uma visão clara etre líderes seiores das vatages da gestão de taletos para a orgaização. 2 Nehuma defiição clara de objetivos para o futuro em termos do que buscar - qual a defiição de sucesso para ós 3 Gestão de taletos ser vista como uma fução de RH e ão uma resposabilidade do egócio suportada por RH 4 Nehuma defiição de taleto que diferecie a orgaização da cocorrêcia ou uma proposição irreal. 5 As egreages da gestão de taletos giram, mas ão egajam. Gestores ão agem para corrigir desempeho iferior, mesmo quado é um problema crôico 6 Foco pricipalmete em desevolvimeto porque é mais fácil, ao ivés de implemetar as medidas mais difíceis que melhorariam a distribuição de taletos 7 Falta de qualidade do tempo dedicado à gestão de taletos 8 Geretes de liha cofudem desempeho com potecial 9 Valores e comportametos aspiracioais ão têm relação com o que é recompesado 10 Falta de ifraestrutura e sistemas o-lie para a gestão de taletos

8 6 Ecarado a Gestão de Taletos As prioridades a gestão de taletos estão mudado Evolva suas melhores pessoas as maiores oportuidades e ão os maiores problemas da empresa. É um camiho para sair da recessão A crise ecoômica levou a um ovo foco em gestão de taletos. As orgaizações querem garatir que seus esforços se reflitam em movimetos estratégicos o mercado, e que os taletos estejam alihados a ovas formas de operar e de gahar diheiro. Etão, ao ivés de uma abordagem tática e reativa, as empresas estão pesado de forma mais estratégica, por exemplo, idetificado ovas culturas almejadas, valores e comportametos e buscado itegrá-los de maeira que possam realmete alcaçar resultados. A gestão de taletos também está dimiuido seu foco os íveis mais altos da orgaização. A abordagem preferida é icluir a massa dos fucioários, além de especialistas e trabalhadores cotratados. O egajameto também está sedo visto como uma força direcioadora, fudametal para o desempeho. Ajudar os líderes a costruir egajameto agora é visto como uma questão de gestão de taletos. A mesagem de ossa pesquisa é: as melhores empresas têm claro o sigificado do que é gestão de taletos para elas, e como isso trará um dividedo fiaceiro. Assumido uma posição semelhate, defiimos a gestão de taletos da seguite forma: Uma série de abordages itercoectadas que devem ser implemetadas para realizar o máximo valor do capital humao da empresa. Estas atividades garatem que a orgaização teha as pessoas certas, o mometo certo, egajadas da maeira certa para que possa etregar sua estratégia agora e o futuro Média Gerêcia Executivos Sêiores Geretes de liha Fucioários Especialistas Força de trabalho terceirizada Alto potecial } A gestão de taletos agora abrage toda a força de trabalho A gestão de taletos ão se restrige mais a líderes seiores 2009 Hay Group. All rights reserved

9 A revisão de taletos pode ser o estopim para a mudaça, assim como idicar a base para o desevolvimeto para o futuro. A gestão de taletos costrói orgaizações duradouras A gestão de taletos ajuda as orgaizações a alcaçarem a sustetibilidade e a logevidade. É motivo de reflexão perceber que das empresas que compuham o ídice FTSE 100 quado foi iaugurado em 1984, apeas 23 sobrevivem até hoje, e que poucas dessas matêm sua forma origial. A recete extição de várias empresas muito cohecidas serve para ilustrar como o sucesso pode ser passageiro. Como resultado, há uma percepção crescete de que apeas com a implemetação de processos de gestão de taleto e de sucessão bem-sucedidos as orgaizações podem se reivetar e garatir seu êxito cotiuado, o presete e o futuro. A gestão de taletos ajuda as orgaizações a mudar Na experiêcia do Hay Group, as orgaizações estão, cada vez mais, buscado ajuda para realihar suas culturas após as grades mudaças de mercado e de estratégia. Querem mudar o setido de ecotrar maeiras mais efetivas de operar e querem garatir que obteham o melhor retoro sobre seus ativos mais valiosos suas pessoas. Estamos preseciado um desejo por parte das orgaizações de criar uma ova defiição de quem são e do que precisam para vecer. Querem redefiir sucesso. E querem ovos valores e comportametos para ajudá-las a alcaçá-lo. Algumas empresas perceberam que, como suas estratégias e modos de operar mudaram, sua abordagem para gestão de taletos também deve mudar. Para tato, precisam estabelecer um coseso em toro de ovos objetivos e fatores de sucesso. Para outras orgaizações, essa mudaça foi provocada pela chegada de um ovo CEO, pela busca de melhores resultados fiaceiros, por uma fusão ou aquisição, etre outros fatores Qualquer que seja o motivo, o tema comum em gestão de taletos é o desejo de reavaliar o que precisa ser feito de maeira diferete para obter um retoro melhor sobre o capital humao. Mais de dois terços da avaliação de uma empresa se baseia em seus ativos itagíveis: cohecimetos, marcas, relacioametos-chave e seu pool de taletos.

10 8 Ecarado a Gestão de Taletos Apeas um em cada cico CEOs tem plea cofiaça que sua atual abordagem em relação à gestão de taletos proporcioará à empresa os líderes que ecessita. Adequação aos propósitos, ão apeas às melhores práticas Não existe uma úica maeira correta de ecarar a gestão de taletos. A abordagem apropriada varia de acordo com a orgaização. Nossa experiêcia o Hay Group os esiou a evitar os atermos a uma úica resposta. Para algumas orgaizações faz setido focar a gestão de taletos em um grupo restrito de gestores seiores. Para outras, é mais iteressate icluir a grade massa de fucioários. Em algumas orgaizações o foco precisa estar em desevolvimeto; em outras, o melhor retoro pode vir de melhorias em recrutameto, avaliação e distribuição dos taletos. O desafio é eteder as questões subjacetes que uma mudaça em gestão de taletos busca resolver. Ao ivés de simplesmete adotar as melhores práticas, as soluções devem se adequar ao propósito da orgaização. A chave é eteder em que poto cada orgaização está em sua jorada e o que objetiva com o aperfeiçoameto de suas práticas de gestão de taletos. As orgaizações cosideradas as melhores a gestão de taletos adotam uma abordagem mais iterligada. Aumetam a qualidade de suas pessoas, mas também cosideram como mudaças em uma área afetam a empresa como um todo. A chave para a gestão efetiva de taletos ão reside detro de uma fução ou processo, por exemplo, icetivos ou programas de desevolvimeto. Requer uma abordagem holística que icorpore como a empresa está estruturada e orgaizada; que leve em cota a cultura e a maeira como as coisas são feitas por aqui ; e que é viculada à gestão de desempeho e ao plaejameto de sucessão. Na maioria das vezes, questões de taleto precisam ser cosideradas de uma perspectiva sistêmica, o que o Hay Group deomia as sete alavacas elemetos que precisam ser alihados para que as mudaças possam se traduzir em melhores resultados. Suas pessoas ão são seu maior ativo. As pessoas certas os papéis certos o são Hay Group. All rights reserved

11 A perspectiva sistêmica É essecial cosiderar sua estratégia de egócios e de taletos em relação a todas as sete alavacas para ter o dividedo de taletos. Nossa experiêcia sugere que, mesmo que as orgaizações peçam soluções itegradas de gestão de taletos, é mais provável que as coversas se iiciem em toro de uma questão específica. No etato, a maioria das vezes, as questões de taletos ecessitam de soluções coectadas que cosiderem o problema origial de várias perspectivas. Algus exemplos de problema Parece que ossa estratégia, formas de operar, valores e comportametos ão coseguem mais proporcioar os resultados que precisamos ou que osso mercado e clietes exigem.. Nossos programas de desevolvimeto ão estão proporcioado a quatidade em a qualidade de lideraças que a empresa precisa para vecer. Estamos lutado para atrair a geração Y e ossos cocorretes estão se saido melhor. Nossas pessoas de alto potecial ão estão atededo às ossas expectativas e exigêcias como líderes. Parece que ossas políticas de recompesa ão estão promovedo os comportametos que queremos. Trasformação sistêmica Competêcia Retoro total p/acioistas média cico aos Valores e cultura Recohecimeto de desempeho 4.07% Cotexto e estratégia do egócio Estratégia de taletos Processos de trabalho Lideraça Deseho orgaizacioal Gestão de processos Resultados 20 Melhores Empresas 0.54% S&P 500 } 20 Melhores Empresas para Lideraça coforme idetificadas o estudo coduzido pelo Hay Group

12 10 Ecarado a Gestão de Taletos Bechmarks das melhores práticas Nossa experiêcia trabalhado com ceteas de orgaizações locais, globais, públicas, privadas e sem fis lucrativos sugere que existe um espectro de práticas em desevolvimeto relacioadas à gestão de taletos. O espectro vai de gestão limitada de sucessão e de taletos a práticas de pota. Mapeamos as melhores práticas. Razão se refere a práticas focadas em orietação estratégica ou Cohecimeto se refere a cohecer suas ecessidades, saber o que tem e para que serve. Capacitação se refere à costrução de capacidade. Discemiação se refere à distribuição de taletos ode são ecessários e ode fazem a maior difereça. próximos passos apropriados Limitado Em desevolvimeto Melhores práticas Itegrado De pota Razão Cohecimeto Capacitação Estratégia de taletos Marca de empregador Atração Seleção Desevolvimeto Mesuração Nehum plao Iiciado Iiciado o desevolvimeto frequetes para adquirir as pessoas certas Ad hoc Subjetiva Ad hoc Poucas Plao de taletos alihado a estratégia Há uma proposição de valor proativa para fucioários Às vezes é difícil atrair os taletos ecessários Desevolvimeto tático mas retoro ão é medido Existe, mas pouca aálise de ROI Plao de taletos parte essecial do egócio Empregador atraete com proposição de valor clara Às vezes coseguimos atrair algus dos taletos Taletos discutidos em diálogos em foros de taleto (mas poucos dados) Algus papéis - ladas de geretes de liha predomiam Ivestimetos coordeados, algum ROI Ivestimetos cohecidos, retoro geralmete itagível Estratégias de taletos e de egócios itegradas e cosistetes Somos o empregador preferecial para os taletos que ecessitamos agora Normalmete coseguimos atrair os taletos ecessários Maior parte dos taletos discutidos em foros de taleto; icluem dados objetivos de bechmarks Iterligado e viculado a estratégia e fragilidades da orgaização Sabemos quato ivestimos em taleto e o retoro obtido com cada ação Estratégia é iformada e projeções relativas a taleto Capacidade de ajustar ossa marca de empregador e proposição de valor para fucioários para ateder ecessidades de egócio e de taleto em evolução Dispoibilidade de taletos os permite perseguir ossos objetivos Diálogos objetivos sobre taletos permeiam toda a orgaização, medidas são calibradas e comparáveis Programas de taletos e de lideraça proporcioam beefícios tagíveis à orgaização e às suas pessoas Tomadas de decisão sobre ivestimetos em taletos embasadas, capacidade de prever os retoros Dissemiação Reteção Suporte de lideraça Sistemas Tipicamete é difícil reter ossos taletos Moopólio de RH Limitado Ad hoc Coseguimos reter parte de ossos taletos parte do tempo RH lidera, admiistração sêior apóia Algus sistemasdesevolvidos ide pedetemete, mas ão se comuicam etre si Coseguimos reter taletos selecioados Patrocíio da alta direção, RH gerecia Maior parte dos sistemas já criados, implemetados, são efetivos e itegrados Coseguimos reter a maior parte de ossos taletos a maior parte do tempo Taleto é um item regular as pautas do time sêior Cojuto completo - cietes, efetivos e itegrados Sempre retemos ossos taletos; gereciamos turover de maeira proativa Admiistração sêior dedica bastate tempo ao tema de taletos; recompesa viculada a KPIs de desempeho e têm capacidade de escala idustrial 2009 Hay Group. All rights reserved

13 Como o Hay Group ajudou clietes com práticas iovadoras Medir e desevolver executivos com a utilização de bechmarks Como parte do estágio Cohecer, as Melhores Empresas têm a prática de periodicamete comparar seus executivos com seus pares de outras idústrias ou de cocorretes por meio de uma avaliação de desempeho executivo. O Hay Group desevolveu abordages iovadoras para que possam fazer bechmarks etre seus taletos e outros que já efretaram, e superaram, desafios estratégicos semelhates. Como fucioa Articule sua estratégia e idetifique uma amostra de executivos de ossa base de dados que já implemetaram estratégias semelhates com êxito Compare a amostra do bechmark com suas pessoas para idetificar as forças e vulerabilidades. Idetificado as pessoas certas para papéis críticos Suas pessoas ão são seu maior ativo. As pessoas certas os papéis certos o são. Orgaizações de classe mudial idetificam os melhores cadidatos para papéis seiores e colocam as pessoas certas em seus plaos de sucessão por meio de processos de avaliação objetivos e robustos. Nós ajudamos a: idetificar os papéis críticos e seus pricipais requisitos coduzir avaliações aprofudadas de cadidatos baseadas em etrevistas, aalisado-os de acordo com os requisitos do papel idetificar os cadidatos mais fortes e os pricipais riscos associados a cada um dar feedback aos cadidatos e apoiar decisões de carreira e sucessão mais adequadas Os beefícios deste rigor são: melhores decisões de seleção e plaejameto de sucessão, levado a um desempeho melhor o papel meos tempo desperdiçado com as maobras e itrigas políticas associadas a esse tipo de colocação clareza as decisões, baseadas em dados objetivos

14 12 Ecarado a Gestão de Taletos O diferecial do Hay Group ter uma visão do todo A amplitude e a profudidade de osso expertise os permitem alihar iiciativas de gestão de taletos com atividades de remueração, efetividade orgaizacioal e de lideraça. A maioria das orgaizações se especializa a formulação de estratégia ou em elemetos específicos da gestão de taletos. O expertise do Hay Group abrage todo o espectro de atividades associadas à gestão de taletos. Sigifica que podemos trazer uma perspectiva sistêmica, efetivamete implemetado mudaças em toda a orgaização. Asseguramos que a estratégia efetivamete produza resultados O Hay Group traça o ceário de gestão de taletos com base em seis pergutas ou atividades. 1. Defiir Que tipo de taleto precisa para executar sua estratégia? 2. Atrair Como atrai os melhores taletos para ateder às suas ecessidades? 3. Idetificar 4. Desevolver Como idetificar os melhores taletos para alcaçar suas aspirações? Como você desevolve seus taletos para ateder às suas ecessidades futuras? 5. Egajar Como você recompesa, egaja e retém seus taletos? 6. Discemiar Como você distribui, redistribui seus taletos e gerecia a saída dos mesmos? 2009 Hay Group. All rights reserved

15 Embora estas atividades sejam essecialmete sequeciais, também operam em um círculo virtuoso de feedbacks: Demada orgaizacioal Equilibrar suas ecessidades com o que você tem Retoro total p/acioistas média de cico aos Cotexto e Estratégia de Negócios Estratégia de Taletos Gestão de Taletos Equilibrar o que você tem com suas ecessidades Pool de pessoas Gestão de Desempeho 4.07%} 20 Melhores Empresas 0.54% S&P Melhores Empresas para Líderaça coforme idetificadas o estudo coduzido pelo Hay Group Neste círculo virtuoso, gestão de taletos é o mecaismo através do qual a orgaização garate que teha as pessoas certas, distribuídas de maeira otimizada e egajadas adequadamete, de forma que executem a estratégia e etreguem os resultados desejados. Este mecaismo fucioa melhor quado cosidera o cotexto e a estratégia de egócios da empresa. Também serve para equilibrar duas demadas com potecial para gerar coflitos: as ecessidades da orgaização e as dos idivíduos que dela fazem parte. Para que o círculo virtuoso de gestão de taletos possa fucioar de maeira efetiva, as orgaizações precisam de um plao claro que defia o que ecessitam de suas pessoas. Também precisam recociliar a difereça etre as demadas orgaizacioais ideais e a realidade do pool de pessoas. Para fucioar bem, o mecaismo ecessita da cultura alihada e dos processos apropriados. Se estes ão forem efetivos ou se forem divergetes, o sistema tederá a etrar em colapso e ão etregará os resultados pretedidos. A chave é uma implemetação coectada. É por este motivo que a gestão de taletos faz parte da gestão de marca, pessoas, carreira e sucessão. As melhores orgaizações também coectam este mecaismo à gestão de desempeho. Sem esta ligação, as egreages de gestão de taletos simplesmete giram sem se ecaixar e sem gerar resultados para o egócio. O desafio para muitas orgaizações é obter força da gestão de taletos. É por este motivo que se deve focar tato em distribuir quato em desevolver. Também explica porque as melhores empresas são fortes em gestão de desempeho.

16 14 Ecarado a Gestão de Taletos Você trata seu processo de gestão de taletos com o mesmo grau de seriedade que dedica aos processos de orçameto aual? A tabela a págia ao lado idica o que o Hay Group recomeda para cada uma das seis pergutas-chave relacioadas à gestão de taletos. Nossos coselhos se baseiam em ossas pesquisas As Melhores Empresas para Lideraça (Best Compaies for Leadership), e as Empresas Mais Admiradas (Most Admired Compaies) da revista Fortue e em ossos próprios trabalhos de cosultoria. Icluímos exemplos de desafios que as orgaizações devem cosiderar ao pesar sobre cada um dos elemetos de gestão de taletos. Gestão de taletos ão é apeas um complemeto iteressate ; é a força vital costate de ossa orgaização, o mecaismo que os permite determiar as exigêcias futuras que ossos líderes efretarão e especificar o gap etre o que dispomos e o que precisamos. É o que os ajuda a vecer hoje e a os reovar para que possamos efretar os desafios de amahã. CEO cliete do Hay Group 2009 Hay Group. All rights reserved

17 Desafiado práticas existetes Questão Defiir Que tipo de taleto precisa para executar sua estratégia Exemplos de desafios Quais são as implicações de seus objetivos estratégicos para as pessoas? Você possui uma estratégia de taletos? você precisa? que valor agregaria? Quais as habilidades você precisará os próximos cico aos que ão possui agora? Recomedação Derive suas atividades de gestão de taletos de suas estratégias orgaizacioais este é seu alvo Atrair Como atrair os melhores taletos para ateder às suas ecessidades? Idetificar Como idetifica os melhores taletos para alcaçar suas aspirações? Desevolver Como você desevolve seus taletos para ateder às suas ecessidades futuras? Egajar Como você recompesa, egaja e retém seus taletos? Quão radical deveria ser sua proposição de valor para fucioários? qual é o beefício de ser radical? Você deveria procurar taletos em lugares diferetes, utilizado métodos diferetes? Você deveria seguir uma abordagem um úmero serve para todos ou uma abordagem segmetada? Você realmete diferecia desempeho e potecial? Você tem certeza que seu modelo de competêcias e critérios de seleção estão alihados com sua estratégia? Você tem claro o que seria perfeccioista vs. bom o suficiete em termos de avaliação de ROI? Você aalisa o ROI de suas iiciativas de desevolvimeto para que proporcioem o que o egócio precisa? Sua zoa de coforto é treiameto e desevolvimeto tradicioal ao ivés de gestão de taletos de maeira mais abragete? Você tira seus fucioários de alto potecial de suas zoas de coforto técico cedo para que possam costruir suas habilidades de lideraça? Gestão de taletos é o mecaismo através do qual outras práticas de RH, tais como remueração, são itegradas? A remueração é cosiderada fator crítico desde o iício do processo de defiir e atrair taletos? Você mede e acompaha reteção como prática corriqueira? Revise sua proposição de valor para fucioários e se esforce para ser diferete Seja claro em relação a seu alvo, aos bechmarks, cultura, valores e comportametos que almeja; em relação ao que a gestão de taletos busca proporcioar Ivista em aumetar o impacto dos líderes em suas equipes e desevolva as pessoas por meio de tarefas e mudaças de papel desafiadoras Proporcioe um alihameto rigoroso etre a gestão de taletos e os resultados de egajameto e icetivos para assegurar um retoro sobre o ivestimeto Distibuir Como você distribui, redistribui e gerecia a saída de seus taletos? Você atribui resposabilidade pricipal pela gestão de taletos aos gestores, com suporte de RH? Você simplesmete aalisa taletos ou age a partir da aálise com ações para melhorar o pipelie de taletos? Você cobra ação e dá apoio a gestores para que possam remover fucioários com desempeho fraco? Implemete um processo objetivo para avaliação e distribuição de taletos, coduzido pelos gestores e patrociado pela alta lideraça

18 16 Ecarado a Gestão de Taletos Coclusão Não existe uma úica estratégia de gestão de taletos adequada a todas as orgaizações. Mas é evidete que, implemetada de maeira adequada, a gestão de taletos proporcioa resultados tagíveis e mesuráveis, como podemos coferir as Melhores Empresas ao redor do mudo. Pode ão haver uma fórmula mágica para a gestão de taletos, mas existem algus compoetes uiversais que são fudametais para iiciativas bem-sucedidas. 10 ações para gahar com seus taletos 1 Isista em desdobrar a estratégia da empresa em termos de papéis futuros e de pessoas 2 Defia seu alvo os comportametos focados o futuro que predizem o êxito da lideraça 3 Itegre estes comportametos a todas suas atividades de gestão de desempeho e de taletos 4 Resgate taletos como um ativo corporativo e recuse-se a aceitar plaejameto de sucessão pro forma 5 Coduza uma avaliação objetiva de taletos, usado como métrica os comportametos focados o futuro que promovam resultados 6 Desafie desempeho fraco e assuma riscos calculados com taletos ocultos 7 Trabalhe duro para egajar e reter todos os seus taletos 8 Faça com que taletos, remueração e deseho orgaizacioal camihem a mesma direção 9 Assegure que os gestores sejam resposáveis pela gestão de taletos, apoiados, mas ão liderados, por RH 10 Itegre métricas de gestão de taleto aos plaos de desempeho das pessoas Hay Group. All rights reserved

19 Para obter iformações adicioais, etre em cotato: Hay Group Brasil Glauccy Bocci e:

20 Africa Cidade do Cabo Pretoria Johaesburgo Asia Bacoc Beijig Hog Kog Jacarta Kuala Lampur Mumbai Nova Déli Seul Sheze Sigapura Tóquio Xagai Europa Ateas Barceloa Berlim Bilbao Birmigham Bratislava Bristol Bruxelas Bucareste Budapeste Dubli Estocolmo Frakfurt Glasgow Helsiki Istabul Kiev Lille Lisbo Lodres Madrid Machester Milão Moscou Oslo Paris Praga Roma Strasbourg Viea Vila Varsovia Zeist Zurique Oriete Médio Dubai Tel Aviv America do Norte Atlata Bosto Calgary Charlotte Chicago Cidade do México Dallas Edmoto Halifax Kasas City Los Ageles Motreal Nova Iorque Ottawa Filadélfia Regia Sa Fracisco Sa José (CR) Toroto Vacouver Washigto DC Metro Oceaia Aucklad Brisbae Caberra Melboure Perth Sydey Welligto América do Sul Bogota Bueos Aires Caracas Lima Satiago São Paulo O Hay Group é uma empresa global de cosultoria que trabalha com líderes para trasformar estratégias em realidade e ajudar pessoas e orgaizações a realizar seu potecial. Temos fucioários, distribuídos por 85 escritórios em 47 países. Para mais iformações, acesse o site

do futuro A força de trabalho

do futuro A força de trabalho A força de trabalho do futuro Cotado com sua equipe para etregar a estratégia O plaejameto estratégico da força de trabalho ajuda as empresas a compreeder o taleto ecessário para etregar sua estratégia

Leia mais

Construindo o. plano de

Construindo o. plano de Costruido o plao de egócios para a remueração do CEO O bechmarkig (aálise comparativa) etre mercados selecioados é um critério importate a remueração de um executivo, embora seja apeas uma parte do processo

Leia mais

Greg Horine Rio de Janeiro 2009

Greg Horine Rio de Janeiro 2009 Greg Horie Rio de Jaeiro 2009 Sumário Resumido Itrodução...1 Parte I Dado partida ao gereciameto de projeto...5 1 Paorama de Gereciameto de Projeto...7 2 O Gerete de Projeto...19 3 Elemetos esseciais para

Leia mais

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA

O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA O QUE NOS UNE NO TRANSPORTE É A SEGURANÇA A SEGURANÇA FAZ PARTE DA ESSÊNCIA DA VOLVO Ao lado da qualidade e do respeito ao meio ambiete, a seguraça é um dos valores corporativos que orteiam todas as ações

Leia mais

Módulo 4 Matemática Financeira

Módulo 4 Matemática Financeira Módulo 4 Matemática Fiaceira I Coceitos Iiciais 1 Juros Juro é a remueração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela difereça etre dois pagametos, um em cada tempo, de modo

Leia mais

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges*

LAYOUT CONSIDERAÇÕES GERAIS DEFINIÇÃO. Fabrício Quadros Borges* LAYOUT Fabrício Quadros Borges* RESUMO: O texto a seguir fala sobre os layouts que uma empresa pode usar para sua arrumação e por coseguite ajudar em solucioar problemas de produção, posicioameto de máquias,

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS E A SEGURANÇA DO ALIMENTO: UMA PESQUISA EXPLORATÓRIA NA CADEIA EXPORTADORA DE CARNE SUÍNA Edso Talamii CEPAN, Uiversidade Federal do Rio Grade do Sul, Av. João Pessoa, 3,

Leia mais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais

Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Econômica da Implantação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Modelo Matemático para Estudo da Viabilidade Ecoômica da Implatação de Sistemas Eólicos em Propriedades Rurais Josiae Costa Durigo Uiversidade Regioal do Noroeste do Estado do Rio Grade do Sul - Departameto

Leia mais

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO

SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO CAPÍTULO 08 SISTEMA DE MEDIÇÃO DE DESEMPENHO Simplificação Admiistrativa Plaejameto da Simplificação Pré-requisitos da Simplificação Admiistrativa Elaboração do Plao de Trabalho Mapeameto do Processo Mapeameto

Leia mais

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li

O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li O QUE SÃO E QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS MEDIDAS DE TENDÊNCIA CENTRAL EM ESTATÍSTICA PARTE li Média Aritmética Simples e Poderada Média Geométrica Média Harmôica Mediaa e Moda Fracisco Cavalcate(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov.

Gerência de Projetos de Software CMM & PMBOK. José Ignácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.net Fernanda Schmidt Bocoli fernanda-bocoli@procergs.rs.gov. Gerêcia de Projetos de Software CMM & PMBOK José Igácio Jaeger Neto jaeger@via-rs.et Ferada Schmidt Bocoli ferada-bocoli@procergs.rs.gov.br CMM Capability Maturity Model http://www.sei.cmu.edu/ Prefácio

Leia mais

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual

5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempenho Atual 49 5 Proposta de Melhoria para o Sistema de Medição de Desempeho Atual O presete capítulo tem por objetivo elaborar uma proposta de melhoria para o atual sistema de medição de desempeho utilizado pela

Leia mais

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Miistério do Plaejameto, Orçameto e GestãoSecretaria de Plaejameto e Ivestimetos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem

CAPÍTULO 8 - Noções de técnicas de amostragem INF 6 Estatística I JIRibeiro Júior CAPÍTULO 8 - Noções de técicas de amostragem Itrodução A Estatística costitui-se uma excelete ferrameta quado existem problemas de variabilidade a produção É uma ciêcia

Leia mais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais

O erro da pesquisa é de 3% - o que significa isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim O erro da pesquisa é de 3% - o que sigifica isto? A Matemática das pesquisas eleitorais José Paulo Careiro & Moacyr Alvim Itrodução Sempre que se aproxima uma eleição,

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA

INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 05324 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA INE 5111- ESTATÍSTICA APLICADA I - TURMA 534 - GABARITO LISTA DE EXERCÍCIOS SOBRE AMOSTRAGEM E PLANEJAMENTO DA PESQUISA 1. Aalise as situações descritas abaixo e decida se a pesquisa deve ser feita por

Leia mais

1.4- Técnicas de Amostragem

1.4- Técnicas de Amostragem 1.4- Técicas de Amostragem É a parte da Teoria Estatística que defie os procedimetos para os plaejametos amostrais e as técicas de estimação utilizadas. As técicas de amostragem, tal como o plaejameto

Leia mais

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade

Código de Conduta Empresarial Fazendo a diferença com Integridade Código de Coduta Empresarial Fazedo a difereça com Itegridade Uma Mesagem do Presidete da Hospira Prezados Colegas da Hospira, Gostaria de lhes apresetar o Código de Coduta Empresarial da Hospira. Na Hospira,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ECV DISCIPLINA: TGT410026 FUNDAMENTOS DE ESTATÍSTICA 8ª AULA: ESTIMAÇÃO POR INTERVALO

Leia mais

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem

Modelando o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Aprendizagem 1 Modelado o Tempo de Execução de Tarefas em Projetos: uma Aplicação das Curvas de Apredizagem RESUMO Este documeto aborda a modelagem do tempo de execução de tarefas em projetos, ode a tomada de decisão

Leia mais

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE

UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE UM MODELO DE PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO CONSIDERANDO FAMÍLIAS DE ITENS E MÚLTIPLOS RECURSOS UTILIZANDO UMA ADAPTAÇÃO DO MODELO DE TRANSPORTE Debora Jaesch Programa de Pós-Graduação em Egeharia de Produção

Leia mais

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações

Plano de Aula. Teste de Turing. Definição. Máquinas Inteligentes. Definição. Inteligência Computacional: Definições e Aplicações Potifícia Uiversidade Católica do Paraá Curso de Especialização em Iteligêcia Computacioal 2004/2005 Plao de Aula Iteligêcia Computacioal: Defiições e Aplicações Luiz Eduardo S. Oliveira, Ph.D. soares@ppgia.pucpr.br

Leia mais

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES

INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES INTEGRAÇÃO DAS CADEIAS DE SUPRIMENTOS DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL COM BASE NA SELEÇÃO DE FORNECEDORES Margaret Souza Schmidt Jobim (); Helvio Jobim Filho (); Valdeci Maciel (3) () Uiversidade Federal

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO

ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO III SEMEAD ANÁLISE DO PERFIL DOS FUNDOS DE RENDA FIXA DO MERCADO BRASILEIRO José Roberto Securato (*) Alexadre Noboru Chára (**) Maria Carlota Moradi Seger (**) RESUMO O artigo trata da dificuldade de

Leia mais

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos

Anexo VI Técnicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Manutenção na Gestão de Activos Físicos Aexo VI Técicas Básicas de Simulação do livro Apoio à Decisão em Mauteção a Gestão de Activos Físicos LIDEL, 1 Rui Assis rassis@rassis.com http://www.rassis.com ANEXO VI Técicas Básicas de Simulação Simular

Leia mais

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST

Sistema Computacional para Medidas de Posição - FATEST Sistema Computacioal para Medidas de Posição - FATEST Deise Deolido Silva, Mauricio Duarte, Reata Ueo Sales, Guilherme Maia da Silva Faculdade de Tecologia de Garça FATEC deisedeolido@hotmail.com, maur.duarte@gmail.com,

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira

Rejane Corrrea da Rocha. Matemática Financeira Rejae Corrrea da Rocha Matemática Fiaceira Uiversidade Federal de São João del-rei 0 Capítulo 5 Matemática Fiaceira Neste capítulo, os coceitos básicos de Matemática Fiaceira e algumas aplicações, dos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS

CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS CONTRIBUIÇÕES DA MODELAGEM MATEMÁTICA PARA O ENSINO MÉDIO: ÂNGULO DE VISÃO DAS CORES DO ARCO-ÍRIS Profª. Drª. Vailde Bisogi UNIFRA vailde@uifra.br Prof. Rodrigo Fioravati Pereira UNIFRA prof.rodrigopereira@gmail.com

Leia mais

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina

Tabela Price - verdades que incomodam Por Edson Rovina Tabela Price - verdades que icomodam Por Edso Rovia matemático Mestrado em programação matemática pela UFPR (métodos uméricos de egeharia) Este texto aborda os seguites aspectos: A capitalização dos juros

Leia mais

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum

Otimização e complexidade de algoritmos: problematizando o cálculo do mínimo múltiplo comum Otimização e complexidade de algoritmos: problematizado o cálculo do míimo múltiplo comum Custódio Gastão da Silva Júior 1 1 Faculdade de Iformática PUCRS 90619-900 Porto Alegre RS Brasil gastaojuior@gmail.com

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL

MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL MATEMÁTICA FINANCEIRA COM MICROSOFT EXCEL 2 OBJETIVO Trasmitir ao participate as formas de evolução do diheiro com o tempo as aplicações e empréstimos e istrumetos para aálise de alterativas de ivestimetos,

Leia mais

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato

PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA Estimação e Teste de Hipótese- Prof. Sérgio Kato 1. Estimação: O objetivo da iferêcia estatística é obter coclusões a respeito de populações através de uma amostra extraída

Leia mais

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER

UM NOVO OLHAR PARA O TEOREMA DE EULER X Ecotro Nacioal de Educação Matemática UM NOVO OLHA PAA O TEOEMA DE EULE Iácio Atôio Athayde Oliveira Secretária de Educação do Distrito Federal professoriacio@gmail.com Aa Maria edolfi Gadulfo Uiversidade

Leia mais

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual

Artículo técnico CVM-NET4+ Cumpre com a normativa de Eficiência Energética. Novo analisador de redes e consumo multicanal Situação actual 1 Artículo técico Joatha Azañó Departameto de Gestão Eergética e Qualidade de Rede CVM-ET4+ Cumpre com a ormativa de Eficiêcia Eergética ovo aalisador de redes e cosumo multicaal Situação actual As ormativas

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12

Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 CAPÍTULO 2 - ANÁLISE DE INVESTIMENTOS 12 Sumário SUMÁRIO 1 CAPÍTULO 1 NOÇÕES DE MATEMÁTICA FINANCEIRA 3 PARTE 1 - ASPECTOS ECONÔMICOS DOS JUROS 3 PARTE 2 - ASPECTOS FINANCEIROS DOS JUROS 3 PARTE 3 - VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO 6 PARTE 4 DESCONTO

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Uiversidade da Beira Iterior, Departameto de Iformática Hugo Pedro Proeça, 200/20 Modelo Coceptual Modelo Coceptual de uma Base de Dados Esquematização dos dados ecessários para

Leia mais

www.partnervision.com.br

www.partnervision.com.br www.partervisio.com.br SERVIÇOS E SUPORTE PROCESSOS E INICIATIVAS PRODUTOS DE SOFTWARE SOLUÇÕES PARA A INDÚSTRIA Software para o Desevolvimeto de Coteúdo e Processos Para Otimizar o Desevolvimeto de Produtos

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS

UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS UM ESTUDO DO MODELO ARBITRAGE PRICING THEORY (APT) APLICADO NA DETERMINAÇÃO DA TAXA DE DESCONTOS Viícius Atoio Motgomery de Mirada e-mail: vmotgomery@hotmail.com Edso Oliveira Pamploa e-mail: pamploa@iem.efei.rmg.br

Leia mais

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y.

Aula 7. Em outras palavras, x é equivalente a y se, ao aplicarmos x até a data n, o montante obtido for igual a y. DEPARTAMENTO...: ENGENHARIA CURSO...: PRODUÇÃO DISCIPLINA...: ENGENHARIA ECONÔMICA / MATEMÁTICA FINANCEIRA PROFESSORES...: WILLIAM FRANCINI PERÍODO...: NOITE SEMESTRE/ANO: 2º/2008 Aula 7 CONTEÚDO RESUMIDO

Leia mais

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos

Guia do Professor. Matemática e Saúde. Experimentos Guia do Professor Matemática e Saúde Experimetos Coordeação Geral Elizabete dos Satos Autores Bárbara N. Palharii Alvim Sousa Karia Pessoa da Silva Lourdes Maria Werle de Almeida Luciaa Gastaldi S. Souza

Leia mais

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013

6º Benchmarking. Paranaense de. Recursos Humanos. Dados de 2013 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 braca 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos Humaos 214 Dados de 213 Curitiba, outubro 214 Bachma & Associados e 6º Bechmarkig Paraaese de Recursos

Leia mais

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA

CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA CAPÍTULO 5 - INTRODUÇÃO À INFERÊNCIA ESTATÍSTICA 5. INTRODUÇÃO É freqüete ecotrarmos problemas estatísticos do seguite tipo : temos um grade úmero de objetos (população) tais que se fossem tomadas as medidas

Leia mais

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹

SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ SISTEMA DE AMORTIZAÇÃO FRANCÊS DESENVOLVIDO ATRAVÉS DA RESUMO LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO JAVA¹ Deis C. L. Costa² Edso C. Cruz Guilherme D. Silva Diogo Souza Robhyso Deys O presete artigo forece o ecadeameto

Leia mais

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados

Capítulo 2 Análise Descritiva e Exploratória de Dados UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS C E N T R O D E C I Ê N C I A S E X A T A S E D E T E C N O L O G I A D E P A R T A M E N T O D E E S T A T Í S T I C A INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO E ANÁLISE ESTATÍSTICA

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

O oscilador harmônico

O oscilador harmônico O oscilador harmôico A U L A 5 Meta da aula Aplicar o formalismo quâtico ao caso de um potecial de um oscilador harmôico simples, V( x) kx. objetivos obter a solução da equação de Schrödiger para um oscilador

Leia mais

Kit de ferramentas de Advocacy

Kit de ferramentas de Advocacy ROOTS 1+2 ROOTS Kit de ferrametas de Advocacy SEGUNDA EDIÇÃO ROOTS: Recursos para Orgaizações com Oportuidades de Trasformação e Socialização ROOTS 1 E 2 Kit de ferrametas de Advocacy Seguda edição De

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii Sumário Uidade 1 Coceitos fudametais, juros simples e compostos 1.4 Objetivos... 1.5 Coceitos fudametais... 1.6 Agete ecoômico, Capital... 1.8 Operação fiaceira...

Leia mais

Pesquisa Operacional

Pesquisa Operacional Faculdade de Egeharia - Campus de Guaratiguetá esquisa Operacioal Livro: Itrodução à esquisa Operacioal Capítulo 6 Teoria de Filas Ferado Maris fmaris@feg.uesp.br Departameto de rodução umário Itrodução

Leia mais

DORMINHOCO OU GUERREIRO? PERFIS E ATITUDES DOS GESTORES MEDIANTE O USO DE SISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE MARKETING

DORMINHOCO OU GUERREIRO? PERFIS E ATITUDES DOS GESTORES MEDIANTE O USO DE SISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE MARKETING DORMINHOCO OU GUERREIRO? PERFIS E ATITUDES DOS GESTORES MEDIANTE O USO DE SISTEMA DE INTELIGÊNCIA DE MARKETING DROWSY OR FIGHTER? MANAGERS PROFILES AND ATTITUDES TOWARDS THE USE OF MARKETING INTELLIGENCE

Leia mais

White paper da Rimini Street. Porque clientes de Banco de Dados Oracle optaram pelo Suporte de Manutenção Independente

White paper da Rimini Street. Porque clientes de Banco de Dados Oracle optaram pelo Suporte de Manutenção Independente da Rimii Street Porque clietes de Baco de Dados Oracle optaram pelo Suporte de Mauteção Idepedete Sobre a Rimii Street, Ic. A Rimii Street é um provedor idepedete líder em serviços de suporte a mauteção

Leia mais

Código de Ética e Conduta Empresarial

Código de Ética e Conduta Empresarial Código de Ética e Coduta Empresarial 2015 RELX Group Código de Ética e Coduta Empresarial 2 Coteúdo Nosso compromisso com a itegridade Uma mesagem do osso diretor executivo Filosofia e valores de ossa

Leia mais

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA

PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA PLANEJAMENTO DE CENTRAIS DE DISTRIBUIÇÃO A PARTIR DA ANÁLISE DO NÍVEL DE SERVIÇO E DA CAPACIDADE PRODUTIVA Taylor Motedo Machado Uiversidade de Brasília/Mestrado em Trasportes Campus Uiversitário - SG-12,

Leia mais

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade

Calendário de inspecções em Manutenção Preventiva Condicionada com base na Fiabilidade Caledário de ispecções em Mauteção Prevetiva Codicioada com base a Fiabilidade Rui Assis Faculdade de Egeharia da Uiversidade Católica Portuguesa Rio de Mouro, Portugal rassis@rassis.com http://www.rassis.com

Leia mais

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades:

CURTOSE. Teremos, portanto, no tocante às situações de Curtose de um conjunto, as seguintes possibilidades: CURTOSE O que sigifica aalisar um cojuto quato à Curtose? Sigifica apeas verificar o grau de achatameto da curva. Ou seja, saber se a Curva de Freqüêcia que represeta o cojuto é mais afilada ou mais achatada

Leia mais

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL

PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL Af-Revista :Layout 3/7/ :59 AM Page 39 PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO: ANÁLISE DESCRITIVA EM EMPRESAS PATROCINADORAS NO BRASIL PROCESSO DECISÓRIO PARA AÇÕES DE PATROCÍNIO ESPORTIVO:

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos a partir de um processo de internacionalização de empresa: a percepção dos gestores

Gestão da cadeia de suprimentos a partir de um processo de internacionalização de empresa: a percepção dos gestores Gestão da cadeia de suprimetos a partir de um processo de iteracioalização de empresa: a percepção dos gestores Guilherme Cuha Malafaia Alex Eckert 2 Fábio Eberhardt Teixeira 3 Resumo A gestão da cadeia

Leia mais

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil

Carteiras de Mínimo VAR ( Value at Risk ) no Brasil Carteiras de Míimo VAR ( Value at Risk ) o Brasil Março de 2006 Itrodução Este texto tem dois objetivos pricipais. Por um lado, ele visa apresetar os fudametos do cálculo do Value at Risk, a versão paramétrica

Leia mais

Mauá Prev Regime de tributação do Pao de Aposetadoria Mauá Prev será escohido peos próprios participates A Lei º 11.053, de 29/12/2004, dá aos participates de paos de previdêcia compemetar do tipo cotribuição

Leia mais

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas.

A influência dos fatores humanos nos indicadores de O&M das usinas termelétricas. THE 9 th LATIN-AMERICAN CONGRESS ON ELECTRICITY GENERATION AND TRANSMISSION - CLAGTEE 2011 1 A ifluêcia dos fatores humaos os idicadores de O&M das usias termelétricas. Maria Alice Morato Ribeiro (1) (e-mail:

Leia mais

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS

CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 60 Sumário CAPÍTULO 5 CIRCUITOS SEQUENCIAIS III: CONTADORES SÍNCRONOS 5.1. Itrodução... 62 5.2. Tabelas de trasição dos flip-flops... 63 5.2.1. Tabela de trasição do flip-flop JK... 63 5.2.2. Tabela de

Leia mais

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo

Do ponto de vista técnico, o balanço é positivo por ZÉLIA PINHEIRO Do poto de vista técico, o balaço é positivo A rede urbaa de frio e calor do Parque das Nações já tem oze aos e João Castaheira, director-geral da Climaespaço, faz o balaço. Garate que

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização

Planejamento da Irrigação com Uso de Técnicas de Otimização 4 Revista Brasileira de Agricultura Irrigada v.,., p.4 49, 007 Fortaleza, CE, INOVAGRI http://.iovagri.org.br Protocolo 00.07 9//007 Aprovado em 09//007 Plaejameto da Irrigação com Uso de Técicas de Otimização

Leia mais

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente.

MAN TeleMatics. O caminho para uma frota eficiente. Dowloadig % 99 SYSTEM Dowloadig % 71 % 25 Dowloadig % 25 % 16 % 88 START % 29 % 06 Dowloadig % 34 Dowloadig % 23 % 16 % 48 % 65 Dowloadig % 75 Dowloadig % 23 MAN TeleMatics. O camiho para uma frota eficiete.

Leia mais

DPS 1016 Engenharia Econômica

DPS 1016 Engenharia Econômica DPS Egeharia Ecoômica Material de Aula Departameto de Egeharia de Produção e Sistemas Cetro de Tecologia - Uiversidade Federal de Sata Maria - RS Egeharia Ecoômica Prof. Dr. Eg. Dipl. Wirt. Ig. Adreas

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática

MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Roberta Torres MATEMÁTICA FINANCEIRA E ENGENHARIA ECONÔMICA: a teoria e a prática Trabalho de Coclusão de Curso submetido ao Curso de Matemática Habilitação Liceciatura

Leia mais

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte

Aplicação de geomarketing em uma cidade de médio porte Aplicação de geomarketig em uma cidade de médio porte Guilherme Marcodes da Silva Vilma Mayumi Tachibaa Itrodução Geomarketig, segudo Chasco-Yrigoye (003), é uma poderosa metodologia cietífica, desevolvida

Leia mais

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID

Um Protocolo Híbrido de Anti-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID XXIX SIMPÓSIO BRASILEIRO DE TELECOMUNICAÇÕES - SBrT 11, 2-5 DE OUTUBRO DE 211, CURITIBA, PR Um Protocolo Híbrido de Ati-colisão de Etiquetas para Sistemas RFID Bruo A. de Jesus, Rafael C. de Moura, Liliae

Leia mais

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico.

Esta Norma estabelece o procedimento para calibração de medidas materializadas de volume, de construção metálica, pelo método gravimétrico. CALIBRAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO GRAVIMÉTRICO NORMA N o 045 APROVADA EM AGO/03 N o 01/06 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Resposabilidade 4 Documetos Complemetes 5 Siglas

Leia mais

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS

INTRODUÇÃO A TEORIA DE CONJUNTOS INTRODUÇÃO TEORI DE CONJUNTOS Professora Laura guiar Cojuto dmitiremos que um cojuto seja uma coleção de ojetos chamados elemetos e que cada elemeto é um dos compoetes do cojuto. Geralmete, para dar ome

Leia mais

Estatística stica para Metrologia

Estatística stica para Metrologia Estatística stica para Metrologia Aula Môica Barros, D.Sc. Juho de 28 Muitos problemas práticos exigem que a gete decida aceitar ou rejeitar alguma afirmação a respeito de um parâmetro de iteresse. Esta

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL

A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL A AUTO-AVALIAÇÃO DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR: UMA IMPORTANTE CONTRIBUIÇÃO PARA A GESTÃO EDUCACIONAL Adré Luís Policai Freitas Uiversidade Estadual do Norte Flumiese, Brasil. INTRODUÇÃO Os úmeros

Leia mais

crítico reter profissionais? Por que está tão

crítico reter profissionais? Por que está tão Por que está tão crítico reter profissionais? Retenção é um tema recorrente nas empresas. Como a maioria dos assuntos relacionados à gestão de pessoas, não existe uma fórmula mágica. Estudo conduzido pelo

Leia mais

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil

Revista Árvore ISSN: 0100-6762 r.arvore@ufv.br Universidade Federal de Viçosa Brasil Revista Árvore ISSN: 000-6762 r.arvore@ufv.br Uiversidade Federal de Viçosa Brasil Noce, Rommel; Carvalho Mirada Armod, Rosa Maria; Soares, Thelma Shirle; Silva Lopes da, Márcio Desempeho do Brasil as

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA Prof. Gilmar Boratto Material de apoio para o curso de Admiistração. ÍNDICE CONCEITOS BÁSICOS...- 2-1- CONCEITO DE FLUXO DE CAIXA...- 2-2-A MATEMÁTICA FINANCEIRA E SEUS OBJETIVOS...-

Leia mais

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia

ActivALEA. ative e atualize a sua literacia ActivALEA ative e atualize a sua literacia N.º 29 O QUE É UMA SONDAGEM? COMO É TRANSMIITIIDO O RESULTADO DE UMA SONDAGEM? O QUE É UM IINTERVALO DE CONFIIANÇA? Por: Maria Eugéia Graça Martis Departameto

Leia mais

O uso de questionários em trabalhos científicos

O uso de questionários em trabalhos científicos 1. Itrodução O uso de questioários em trabalhos cietíficos Um questioário é tão somete um cojuto de questões, feito para gerar os dados ecessários para se verificar se os objetivos de um projeto foram

Leia mais

M = 4320 CERTO. O montante será

M = 4320 CERTO. O montante será PROVA BANCO DO BRASIL / 008 CESPE Para a veda de otebooks, uma loja de iformática oferece vários plaos de fiaciameto e, em todos eles, a taxa básica de juros é de % compostos ao mês. Nessa situação, julgue

Leia mais

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE

PROTÓTIPO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE ROTÓTIO DE MODELO DE DIMENSIONAMENTO DE ESTOQUE Marcel Muk E/COE/UFRJ - Cetro de Tecologia, sala F-18, Ilha Uiversitária Rio de Jaeiro, RJ - 21945-97 - Telefax: (21) 59-4144 Roberto Citra Martis, D. Sc.

Leia mais

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança.

Portanto, os juros podem induzir o adiamento do consumo, permitindo a formação de uma poupança. Matemática Fiaceira Deixar de cosumir hoje, visado comprar o futuro pode ser uma boa decisão, pois podemos, durate um período de tempo, ecoomizar uma certa quatia de diheiro para gahar os juros. Esses

Leia mais

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini

Matemática Financeira. Ernesto Coutinho Puccini 1 Matemática Fiaceira Eresto Coutiho Puccii 2 Copyright 2007. Todos os direitos desta edição reservados ao Sistema Uiversidade Aberta do Brasil. Nehuma parte deste material poderá ser reproduzida, trasmitida

Leia mais

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda.

(1) Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2) E. J. Robba Consultoria & Cia. Ltda. Otimização da Qualidade de Forecimeto pela Localização de Dispositivos de Proteção e Seccioameto em Redes de Distribuição Nelso Kaga () Herá Prieto Schmidt () Carlos C. Barioi de Oliveira () Eresto J.

Leia mais

Análise estratégica dos leilões de novos empreendimentos de geração de energia

Análise estratégica dos leilões de novos empreendimentos de geração de energia Aálise estratégica dos leilões de ovos empreedimetos de geração de eergia elétrica Gustavo S. Masili masili@fem.uicamp.r Ferado C. Muhoz fcolli@fem.uicamp.r Resumo Leilões de empreedimetos o setor elétrico

Leia mais

Manual sobre o Valor do Dinheiro no Tempo

Manual sobre o Valor do Dinheiro no Tempo Maual sobre o Valor do Diheiro o Tempo...Dai de graça o que de graça recebeste... A oção de que um dólar hoje é preferível a um dólar em algum mometo o futuro é bastate ituitiva para a maioria das pessoas

Leia mais

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2

1. O Cartão ACP Master...2. 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 GUIA DO UTILIZADOR Cartão ACP Master Ídice 1. O Cartão ACP Master...2 2. Precauções a ter com o seu Cartão ACP Master...2 3. O que fazer em caso de perda, furto, roubo ou extravio do cartão...3 4. Ode

Leia mais

Goiânia, 07 a 10 de outubro. Mini Curso. Tópicos em passeios aleatórios. Ms. Valdivino Vargas Júnior - Doutorando/IME/USP

Goiânia, 07 a 10 de outubro. Mini Curso. Tópicos em passeios aleatórios. Ms. Valdivino Vargas Júnior - Doutorando/IME/USP Goiâia, 07 a 10 de outubro Mii Curso Tópicos em passeios aleatórios Ms. Valdivio Vargas Júior - Doutorado/IME/USP TÓPICOS EM PASSEIOS ALEATÓRIOS VARGAS JÚNIOR,V. 1. Itrodução Cosidere a seguite situação

Leia mais

Matemática Em Nível IME/ITA

Matemática Em Nível IME/ITA Caio dos Satos Guimarães Matemática Em Nível IME/ITA Volume 1: Números Complexos e Poliômios 1ª Edição São José dos Campos 007 SP Prefácio O livro Matemática em Nível IME/ITA tem como objetivo ão somete

Leia mais

Inovações Bem-Sucedidas no Varejo em Mercados Emergentes

Inovações Bem-Sucedidas no Varejo em Mercados Emergentes por Professor Guillermo D Adrea gdadrea@iae.edu.ar Leticia Costa costa_leticia@bah.com Ferado Ferades ferades_ferado@bah.com Fabio Fosse fosse_fabio@bah.com Iovações Bem-Sucedidas o Varejo em Mercados

Leia mais

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial

SIME Sistema de Incentivos à Modernização Empresarial SIME Sistema de Icetivos à Moderização Empresarial O presete documeto pretede fazer um resumo da Portaria.º 687/2000 de 31 de Agosto com as alterações itroduzidas pela Portaria.º 865-A/2002 de 22 de Julho,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ...

INTRODUÇÃO. Exemplos. Comparar três lojas quanto ao volume médio de vendas. ... INTRODUÇÃO Exemplos Para curar uma certa doeça existem quatro tratametos possíveis: A, B, C e D. Pretede-se saber se existem difereças sigificativas os tratametos o que diz respeito ao tempo ecessário

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA

MATEMÁTICA FINANCEIRA MATEMÁTICA FINANCEIRA VALOR DO DINHEIRO NO TEMPO Notas de aulas Gereciameto do Empreedimeto de Egeharia Egeharia Ecoômica e Aálise de Empreedimetos Prof. Márcio Belluomii Moraes, MsC CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO

CAP. I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO CAP I ERROS EM CÁLCULO NUMÉRICO 0 Itrodução Por método umérico etede-se um método para calcular a solução de um problema realizado apeas uma sequêcia fiita de operações aritméticas A obteção de uma solução

Leia mais

Profissionalização: engajamento de todos para o crescimento de todos. PÁG. 04. Tubos para ampliação de mina da CSN

Profissionalização: engajamento de todos para o crescimento de todos. PÁG. 04. Tubos para ampliação de mina da CSN EmCea PUBLICAÇÃO INTERNA PARA COLABORADORES E PARCEIROS DA MERCOTUBOS 03 Novembro Dezembro / 2007 ao 01 Profissioalização: egajameto de todos para o crescimeto de todos. PÁG. 04 Págia 2 Editorial ovidade

Leia mais

Capitulo 10 Resolução de Exercícios

Capitulo 10 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com pricipal e juros simples corrigidos S C i I Ivestimetos com Cláusulas de Correção Moetária, com apeas o pricipal corrigido e juros simples.

Leia mais