AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs"

Transcrição

1 LC/BRS/R.221 Feverero de 2010 Orgnal: português CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escrtóro no Brasl AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs Documento elaborado no âmbto do Convêno CEPAL/IPEA. As opnões aqu expressas são de ntera responsabldade dos autores, não refletndo, necessaramente, a posção das nsttuções envolvdas

2 I - Introdução As Relações Comercas do Brasl com os demas BRICs Renato Baumann * Raquel Arauo ** Jhonatan Ferrera Este é um proeto de análse das relações comercas entre o Brasl e outras economas que têm se destacado nos últmos anos por seu potencal, e por seu crescente papel no cenáro nternaconal. O reconhecmento do peso econômco específco das economas do Brasl, Rússa, Índa e Chna levou a que fosse cunhada a expressão BRIC, como forma de dentfcar esse conunto de novos grandes partcpantes. Conhecer as característcas dos vínculos comercas do Brasl com essas economas é o que motvou o presente proeto. O acrônmo BRICs, usado orgnalmente para dentfcar economas emergentes com grandes dmensões geográfca e demográfca, tem se convertdo na prátca numa categora de análse 1. Esses países passaram a ser consderados não mas apenas como outros países em desenvolvmento, mas como canddatos a desempenhar um papel de crescente mportânca no cenáro mundal. Essa mudança de perspectva não é apenas uma questão de semântca. O desempenho recente dessas economas e seus ndcadores macroeconômcos contrbuíram para uma consderação mas cudadosa de suas possbldades. Grandes mercados nternos aumentam as possbldades de que se possa obter exportações vablzadas pelo crescmento, mas que um crescmento lderado por exportações, o que mplca maores espaços para um papel atvo nas relações nternaconas. Dsso se nfere que é esperável que um país extoso no conunto dos BRICs deva ter uma capacdade produtva ampla (agrícola, ndustral e de servços) que corresponda a seu potencal econômco, apresente uma economa relatvamente estável e um perfl não muto baxo no cenáro nternaconal. Essas são as condções que qualfcam esses países para que possam partcpar dos grupos nternaconas de alto nível decsóro. Este trabalho analsa as relações econômcas do Brasl com esses quatro países, com ênfase na aprecação dos fluxos de comérco entre eles. O texto está * Da CEPAL e Unversdade de Brasíla. ** Raquel Arauo e Jhonatan Ferrera são consultores contratados pela CEPAL para a elaboração deste proeto. 1 A expressão orgnal nascda de um documento do Banco de Investmentos Goldman Sachs em se refere a Brasl, Rússa, Índa e Chna. Isso deu margem a todo um debate sobre quas países também poderam partcpar de esse grupo. Os canddatos mas referdos são Egto, Méxco, Polôna, Áfrca do Sul, Coréa do Sul e Turqua.

3 2 composto por oto seções. Segundo esta Introdução a segunda seção apresenta as característcas geras das economas desses países, a seção segunte mostra as partculardades das relações comercas blateras, e a quarta faz uma análse comparatva das pautas comercas. A qunta seção dscute os ndcadores de smlardade na composção das pautas comercas, e a sexta seção mostra, de forma comparada, as ndcações de vantagens comparatvas e sua concentração setoral. A sétma seção mostra estmatvas dos desvos de comérco provocado pelos demas BRICs e que afetam as exportações brasleras em dversos mercados, e a últma seção traz algumas consderações geras. II Caracterzação dos BRICs O grupo de países denomnado BRICs tem um peso dferencado e crescente no cenáro nternaconal. Suas economas apresentam algumas peculardades, sea por seu tamanho, sea por seu dnamsmo. Esta seção mostra alguns ndcadores geras nesse sentdo. A Tabela 1 mostra que esse conunto de países representava em % da população total do mundo. O peso demográfco é, no entanto, bastante varado, com apenas Chna e Índa correspondendo em conunto a 37% da população mundal. Tabela 1 - População (mlhões de habtantes) em 2008 Número de Habtantes (% do Total do Mundo) Brasl 192 2,9 Rússa 142 2,1 Índa ,0 Chna ,8 BRICS Total ,8 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) Essas undades são gualmente de grandes dmensões geográfcas. Segundo a Tabela 2, ao menos três desses países têm área superor a 8 mlhões de qulômetros quadrados. Tabela 2 - Área Geográfca (mlhões de km 2) Brasl 8,5 Chna 9,6 Índa 3,3 Rússa 17,1 Fonte: World Bank, World Development Indcators Evdentemente que, ao comparar os números nessas duas Tabelas um aspecto que fca claro é a dferença em termos de densdade demográfca (habtantes por qulômetro quadrado): enquanto na Índa essa proporção é de 345 habtantes/km 2,

4 3 na Chna são 138 h/km 2, no Brasl 22,6 h/km 2 e na Rússa não mas de 8 h/km 2. Essa concentração pode ter mplcações sobre o aparato produtvo, sea do ponto de vsta do custo da mão-de-obra, sea da ótca dos estímulos de demanda, por parte de grandes aglomerações humanas. Essas economas têm mostrado um grau de dnamsmo expressvo, embora varado. A Tabela 3 mostra que no acumulado do período se a economa chnesa cresceu em méda acma dos 10% anuas, na Rússa essa taxa méda de crescmento não atngu um décmo da chnesa, por causa da recessão observada na década de 1990, com o fnal da Unão Sovétca. O Brasl teve um desempenho baxo comparatvamente a outros BRICs: no acumulado do período entre 1990 e 2008 o rtmo de crescmento da Índa fo mas de duas vezes e o da Chna mas de três vezes superor ao crescmento braslero. Tabela 3 - Taxa Méda Anual de Crescmento do PIB (valores constantes de 2000) Brasl 2,7 1,4 4,1 3,0 Rússa -10,3-0,4 7,7 0,7 Índa 4,5 6,3 8,7 6,4 Chna 12,6 8,7 11,7 10,3 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) Como resultado desse desempenho aumentou em forma expressva a mportânca dessas economas na economa mundal, como mostra a Tabela 4. Em conunto, esses países passaram de representar 7,5% do PIB mundal em 1990 a 11,7% em A contrbução mas expressva fo a da Chna, cuo peso relatvo no produto mundal mas que trplcou nesse período. A economa braslera manteve nalterado seu peso no cenáro nternaconal, enquanto a mportânca relatva da economa russa era em 2008 menos da metade do que representava em Tabela 4 - BRICS: Partcpação (%) no PIB Mundal, Brasl 2,1 2,1 Rússa 2,4 1,1 Índa 1,4 2,0 Chna 1,6 6,5 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) Uma evolução anda mas expressva teve lugar em termos da presença desses países no comérco nternaconal (Tabela 5).

5 4 Tabela 5 BRICS: Partcpação (%) no Comérco Mundal, Exportações Brasl 0,9% 1,0% Rússa 2,1% 2,3% Índa 0,5% 1,4% Chna 1,6% 7,7% Importações Brasl 0,7% 0,9% Rússa 2,1% 1,6% Índa 0,6% 1,7% Chna 1,3% 6,0% Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) O peso dos BRICs no comérco mundal (exportações e mportações) passou de 9,8% em 1990 para 22,6% em 2008, pratcamente o dobro de sua presença no produto total mundal. A presença desses países fo em 2008 mas expressva enquanto orgem de exportações (11,3% do total mundal) do que como absorvedores de produtos de terceros (9,5% das mportações totas). Isso explca como se verá a segur os superávts comercas recorrentes da maor parte desses países. O grande destaque é, mas uma vez, a Chna, que multplcou sua presença enquanto exportadora entre esses dos anos por quase cnco vezes (e 4,6 vezes suas mportações). No caso do Brasl, a varação (margnal) fo mas expressva na sua partcpação nas mportações (1,3 vezes) que nas exportações (1,1 vezes), refletndo os processos de abertura multlateral e de preferêncas regonas que tveram lugar nesse período. De um modo geral, contudo, cabe regstrar que os BRICs (com exceção da Rússa) aumentaram sua presença no mercado mundal. Se aumentou a presença desses países no cenáro nternaconal, ao mesmo tempo aumentou a partcpação do setor externo na geração do produto em cada um deles: essas economas aumentaram em forma sgnfcatva seu grau de abertura ao comérco nternaconal no período consderado (Tabela 6). Em quase todas 2 o valor transaconado com o resto do mundo (exportações e mportações) passou a representar, em 2008, um percentual maor do produto nterno bruto que em Um padrão comum é que a soma de exportações e mportações represente entre 40% e 60% do PIB dessas economas. A exceção é a economa braslera, com 26%. 2 Uma exceção ao comportamento geral é o caso da Rússa, em que o grau de abertura era, em , semelhante ao de , depos de sofrer forte redução na segunda metade da década de 90.

6 5 Tabela 6 - Grau de Abertura ((X+M)/PIB em dólares correntes) Brasl 0,18 0,17 0,26 Rússa 0,59 0,55 0,58 Índa 0,18 0,23 0,38 Chna 0,42 0,39 0,59 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) É notável que, desse conunto de países, a economa mas fechada sea a braslera. Isso é verdade nos três subperíodos consderados. Mesmo uma economa tradconalmente resstente ao comérco com o resto do mundo, como a ndana, que apresentava na prmera metade da década de 90 um grau de abertura semelhante ao da braslera, mostra-se desde meados daquela década bem mas aberta ao comérco externo. O grau de abertura da economa braslera corresponde, na presente década, a menos da metade do observado na Chna e Rússa. Como nesse conunto de países todos são economas emergentes com grandes dmensões geográfcas e demográfcas, não procede o argumento de que o grau de abertura da economa permaneça reduzdo por causa das dmensões do mercado nterno. Há outros elementos que explcam essas dferenças, mas que não corresponde explorar aqu. Essa nformação pode ser complementada por dos ndcadores adconas, a taxa de penetração das mportações no consumo aparente nterno e o ndcador de predsposção a exportar. O prmero é meddo como TPI = M PIB X + M *100 em que M = valor total das mportações e X = valor total das exportações Esse ndcador mostra o quanto da demanda nterna do país é satsfeta por mportações. O segundo é meddo como PE = X PIB * 100 e ndca o quanto do PIB gerado é venddo no mercado externo, em termos percentuas. A Tabela 7 mostra quanto esses ndcadores vararam, entre 1990 e 2008.

7 6 Tabela 7 Penetração das Importações e Predsposção a Exportar 1990 e 2008 Brasl Chna Índa Rússa Taxa de Penetração das Importações (%) ,9 15,3 6, ,6 27,4 23,2 18,8 Índce de Predsposção a Exportar (%) ,7 17,4 5, ,1 31,8 14,9 29,0 Fonte: Elaboração própra a partr da base de dados UN/COMTRADE Os dados da Tabela 7 confrmam o maor envolvmento dessas quatro economas com o setor externo ao longo do período. É nteressante notar, contudo, que o aumento do peso das mportações no total da demanda nterna superou em forma expressva o aumento da partcpação das vendas no exteror no total do PIB, tanto no Brasl (115% contra 80%) quanto (anda mas) na Índa (250% contra 171%). Já na Chna essa relação é nversa (79% contra 82%), com peso maor da mportânca relatva das exportações. São modelos dstntos de nserção nternaconal. Apesar das mportantes magntudes que mostram esses ndcadores, o nteresse em analsar o papel dessas economas no novo contexto nternaconal está fortemente assocado também com o seu potencal de longo prazo. Para avalar o potencal dessas grandes economas emergentes é relevante conhecer as característcas de suas estruturas produtvas. A Tabela 8 a segur traz nformações sobre a evolução das estruturas produtvas desses países. Ela mostra traetóras com algumas semelhanças mas também dferenças pronuncadas entre esses países. Chama a atenção, nos quatro países, o aumento do peso do setor de servços na composção do PIB, o que pode ser vsto como um reflexo de sua evolução de economas menos desenvolvdas para emergentes. Nos quatro países esse setor corresponde a pelo menos 40% do Produto Interno. No entanto, se esse é um ndcador de desenvolvmento e dversfcação, a economa braslera tem um papel de destaque no grupo: é a únca em que os servços correspondem a mas de 60% do PIB. De fato, na segunda metade da década de 90 esse percentual se aproxmou dos 70% 3. As maores dferenças são encontradas na evolução do peso relatvo da agrcultura e do setor ndustral. Uma vez mas, há dferenças entre o Brasl e os demas BRICs. A agrcultura braslera reduzu sua expressão no PIB na prmera metade da década de 90, mantendo relatva establdade desde então, da ordem de 6% do Produto Interno. Certamente um elemento por trás desse resultado é a própra compettvdade do setor agro-exportador braslero, gerador de renda e 3 A este nível de agregação não é possível dstngur os resultados por tpos de atvdades no setor de servços. No entanto, como é sabdo, parte do crescmento desse setor no período recente esteve assocada à absorção de mão-de-obra em atvdades de baxa produtvdade, não sendo propramente um ndcador de desenvolvmento.

8 7 superávt comercal nos últmos anos. Já na Chna, Índa e Rússa a perda de mportânca desse setor é notável, ao se comparar a prmera metade dos anos 90 com o período mas recente. Nos casos da Chna e Índa, perda de aproxmadamente dez pontos de percentagem do PIB, e redução à metade no caso da Rússa. Tabela 8 - Valor Adconado por Setor (% do PIB) Brasl Agrcultura 8,20 5,53 6,26 Indústra 39,03 26,50 28,19 Servços 52,76 68,21 65,55 Chna Agrcultura 22,60 18,39 12,86 Indústra 43,94 46,85 46,84 Servços 33,46 34,76 40,30 Índa Agrcultura 29,07 26,20 20,05 Indústra 26,29 26,60 27,68 Servços 44,64 47,20 52,26 Rússa* Agrcultura 10,65 6,74 5,57 Indústra 45,65 37,66 36,55 Servços 43,70 55,60 57,88 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) * O valor da últma coluna corresponde ao período Outra dferença entre esses países está relaconada com o peso do setor ndustral. No Brasl e na Rússa observa-se redução expressva do seu peso na produção agregada, da ordem de dez pontos de percentagem. Ao mesmo tempo, contudo, na Chna e na Índa esse setor ganhou partcpação, embora as varações seam de pequena escala. Uma letura agregada desses ndcadores sugere que a economa braslera tem uma estrutura produtva mas aproxmada ao padrão observado nos países desenvolvdos, com predomnânca do setor de servços 4, enquanto Chna e Índa estão em etapa de aprofundar e consoldar seu processo de ndustralzação. De fato, nformações extraídas da base de dados UN/Natonal Accounts Man 4 Apesar da ressalva anteror, sobre o grau de dspersão das atvdades nesse setor.

9 8 Aggregates 5 confrmam que o observado na estrutura produtva braslera guarda correlação com o padrão mundal: entre 1970 e 2007 o peso dos servços no valor adconado mundal aumentou de 57% para 63%, houve pequena retração do setor agrícola (agropecuára, produção florestal e pesca) de 7% em 1970 para 5% em 2007, e queda no peso do setor ndustral em seu conunto, de 37% para 32% no mesmo período (apesar de uma relatva constânca, em torno de 23%, do valor adconado pela ndústra de transformação). Essas característcas da estrutura produtva têm reflexo sobre o rtmo de nvestmento. A Tabela 9 mostra a evolução da Formação Bruta de Captal Fxo nesses países. Merecem destaque não apenas o nível mas também a traetóra ascendente do nvestmento em relação ao PIB na Chna e na Índa, da ordem de quase 30% e quase 40%, respectvamente. Em ambos os casos, um ganho de ses pontos percentuas do PIB entre o prmero e o tercero subperíodo consderados. Tabela 9 - Formação Bruta de Captal Fxo (% PIB) Brasl 19,44 17,04 16,72 Rússa 23,62 17,98 18,87 Índa 22,21 23,35 28,40 Chna 31,79 33,78 38,94 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) Uma estóra bem dstnta está refletda nos ndcadores relatvos às economas braslera e russa. Nestes dos casos houve nítda redução do rtmo de formação bruta de captal em relação ao PIB. A razão nvestmento/pib nesses dos países correspondeu, em , à metade do regstrado na Chna. Isso tem óbvas mplcações a médo prazo, no tocante à compettvdade comparada desses países. Outro conunto de mplcações a médo prazo está relaconado com a forma como esse nvestmento é fnancado. A Tabela 10 mostra os prncpas ndcadores. Há dferenças notáves entre os quatro países, no que se refere à dsponbldade de poupança nterna. Tanto Chna quanto Índa apresentam uma traetóra ascendente na evolução da poupança nterna como proporção do PIB, atngndo no últmo subperíodo um elevado percentual de mas de 45% do PIB, no caso chnês, e quase 30% no caso ndano. A Rússa mostra uma nflexão na segunda metade da década de 90, mas preserva um nível superor aos 30% do PIB. Também em relação a este ndcador a economa braslera apresenta um desempenho menos favorável, e bastante dstnto dos demas. Não apenas sua taxa de poupança nterna como proporção do PIB corresponde à metade do observado em outros BRICs, como o percentual na presente década é nferor ao do níco dos anos Ctadas na Carta IEDI No. 386, de 23/10/09.

10 9 Tabela 10 - Poupança Interna (% do PIB) Brasl 21,62 15,40 18,72 Rússa 36,08 26,88 34,09 Índa 22,44 22,82 28,83 Chna 41,00 42,00 45,54 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) Outro aspecto nteressante a destacar nas Tabelas 9 e 10 é que dspor de poupança nterna não é uma condção sufcente para que esses recursos seam transformados em capacdade produtva efetva. Os dados relatvos à Rússa mostram uma dsponbldade de poupança nterna que só fca atrás da chnesa, nesse conunto de países, mas ao mesmo tempo uma taxa de nvestmento quase tão baxa quanto a braslera: há mas elementos numa função nvestmento do que smplesmente a dsponbldade de recursos. A dsponbldade de poupança e a capacdade produtva nstalada tampouco são garanta de desempenho comercal brlhante. Para comparar o desempenho dos quatro países a Tabela 11 apresenta o saldo comercal normalzado, sto é, o resultado da balança comercal em relação ao volume total de comérco (soma de exportações e mportações). Isso permte homogenezar as nformações e comparar os resultados para os dversos países numa mesma undade. Tabela 11 Saldo Comercal Normalzado ((x-m)/(x+m)) (%) País Brasl 16,1-8,2 12,1 16,4 8,7 Rússa.. 22,2 38,6 30,6.. Índa -2,5-5,9-9,6-20,6-9,1 Chna 2,7 8,9 3,7 9,8 6,1 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) Chama atenção, na Tabela 11, o comportamento dstnto das economas chnesa, russa e ndana: enquanto as duas prmeras apresentaram em méda nos subperíodos consderados superávts comercas de alguma magntude em relação ao seu total comercado (com destaque para o caso russo, certamente benefcado por ganhos de relações de troca nos últmos anos), a Índa expermentou défcts comercas recorrentes e crescentes. Parte da explcação está relaconada à nformação na Tabela 6, que mostrou o crescente grau de abertura daquela economa. Uma vez mas, a traetóra braslera dfere das demas. A segunda metade da década de 90 alterou a tendênca hstórca braslera a apresentar superávts comercas. Chama a atenção, nesse período, não apenas o snal negatvo, mas também a magntude do défct em relação ao volume de transações. Esse resultado esteve assocado com os esforços para promover a establzação de preços nternos, com a maor concorrênca de produtos mportados.

11 10 O Gráfco a segur mostra as traetóras dos quatro países no que se refere ao excedente comercal, em termos normalzados pelo total das transações comercas externas. Há três formatos dstntos. Brasl desde o fnal da década de 90 e Chna desde 1994 passam a apresentar superávts comercas expressvos, embora ele venha se reduzndo no caso braslero nos últmos três anos. A Rússa fo fortemente superavtára em suas relações comercas ao longo de todo o período consderado, ao passo que a Índa vem desde 1994 apresentando sstematcamente resultados negatvos em magntudes cada vez maores. Balança Comercal Normalzada (BCN) 0,6 0,5 0,4 0,3 Rússa 0,2 BCN 0,1 0 Chna Brasl -0, ,2-0,3 Índa -0,4 Outra parte das explcações para esses desempenhos está relaconada com a varação nos preços relatvos. A Tabela 12 mostra a evolução, nos três subperíodos, das taxas de câmbo nomnas nessas economas. Tabela 12 - Taxa de Câmbo Nomnal Méda Desvo-Padrão Méda Desvo-Padrão Méda Desvo-Padrão Brasl 0,17 0,32 1,20 0,35 2,39 0,49 Rússa 1,59 0,85 9,96 8,44 28,23 2,14 Índa 25,60 5,72 37,70 4,37 45,21 2,14 Chna 6,00 1,51 8,31 0,03 8,01 0,46 Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) Comparando-se a prmera metade da década de 90 com o período , observa-se uma relatva establdade nas taxas de câmbo da Chna e da Índa (com desvo-padrão decrescente, nos três períodos), cuas médas vararam, entre o prmero e o tercero subperíodo, respectvamente, 1,3 e 1,8 vezes. No caso

12 11 ndano, no entanto, essa varação reduzda do valor médo desconsdera um aspecto mportante, que é a elevada volatldade cambal em No caso do Brasl essa avalação é menos medata, pela mudança de regme macroeconômco a partr de meados de Assm, ao compararmos apenas a méda da taxa de câmbo em e em , houve uma varação de 1,9 vezes, pouco superor à observada na Chna e Índa para todo o período, mas com desvo-padrão crescente. A desvalorzação do rublo russo é o maor destaque nesse conunto. Não apenas o nível médo da taxa de câmbo nomnal varou quase 28 vezes entre 1990 e 2008, como sso ocorreu com elevada volatldade, sobretudo na segunda metade dos anos 90. Essa desvalorzação, somada aos ganhos nas relações de troca, certamente contrbuu para os expressvos resultados comercas refletdos na Tabela 11. O desempenho comercal predomnantemente favorável por parte desse conunto de países, assocado a uma postura de cautela em relação às condções do mercado nternaconal de captas, e alguma desconfança herdada da experênca com os choques externos expermentados sobretudo na segunda metade da década de 90, levaram as economas emergentes de um modo geral a apostarem no própro estoque de reservas de dvsas como ferramenta de auto-seguro contra novos choques. Os BRICs não são exceção a essa norma. De fato, os quatro países têm sdo bastante atvos na composção de seus níves de reservas, como mostra a Tabela 13. As Tabelas 5 e 11 mostraram que desse conunto de países a Chna é o que tem obtdo os resultados mas expressvos em suas relações comercas externas, com superávts constantes. Isso tem facltado o entesouramento de recursos va composção de reservas, e de fato o país tem hoe uma das maores reservas no mundo. Tabela 13 - Reservas Internaconas (US$ blhões) Brasl Rússa Índa Chna* Fonte: Elaboração própra com base nos dados do World Development Indcators (WDI) * O valor da últma coluna corresponde ao período Segundo a Tabela 13, o aumento mas expressvo de reservas nternaconas, ao se comparar a prmera metade da década de 90 com o período , teve lugar na Rússa, que aumentou suas reservas em 37 vezes o nível do níco dos anos 90. O rtmo de crescmento das reservas nternaconas da Chna e da Índa fo parecdo, com a Chna aumentando seu estoque 19 vezes e a Índa 17 vezes.

13 12 O Brasl fo menos agressvo nesse sentdo, tendo multplcado seu nível de reservas em por 4 vezes até As Tabelas 11 e 13 sugerem, contudo, que a composção de reservas não é consequênca apenas do resultado comercal. Por exemplo, a índa é sstematcamente defctára em sua balança comercal. No entanto, fo capaz de compor reservas a uma taxa expressva, e na méda do período o nível médo de suas reservas superava em uma vez e mea o volume de reservas do Brasl. O que esse conunto de ndcadores sugere é que por dversos ângulos de análse o conunto dos chamados países BRICs reflete condções econômcas que os torna obeto de consderação dferencada no cenáro nternaconal. Ao mesmo tempo, contudo, compõem um conunto pouco homogêneo. É a partr dessa percepção que o presente proeto se dedca a estudar as relações comercas do Brasl com essas outras economas, com o propósto de dentfcar semelhanças e dferenças nas traetóras respectvas, na composção dos fluxos de comérco, no potencal de transações e nas vantagens comparatvas de parte a parte. III - As Relações Comercas Blateras As Tabelas 14 e 15 mostram os dez prncpas produtos comercalzados pelo Brasl com esses parceros em dos momentos: no níco da década de 2000 e ao fnal dessa década, segundo os últmos dados dsponíves. Segundo a Tabela 14, nos três casos os prncpas produtos de exportação braslera têm um claro componente de recursos naturas, com as úncas exceções de aeronaves, nos casos do comérco com a Chna e a Índa, e tratores, no caso da Rússa. No caso da Chna, soa em grãos e mnéro de ferro correspondem à metade do valor exportado pelo Brasl. Para a Índa, cobre e óleo de soa são quase 40% da pauta de exportações brasleras, e as exportações para a Rússa são predomnantemente de carne bovna e açúcar. Cabe regstrar ademas que a soma dos dez prncpas produtos nos três casos corresponde a um percentual bastante elevado do valor total exportado pelo Brasl para esses mercados. A Tabela 15 mostra, em prmero lugar, que ao se compararem os totas com os da Tabela 14, segue-se que os dez prncpas produtos que o Brasl mporta desses três parceros têm um peso nas pautas blateras bem menor do que os dez prncpas produtos de exportação. Esse é um prmero ndcador do grau de concentração dferencado do comérco nas mportações e nas exportações brasleras. Segundo a Tabela 15, há um claro predomíno de produtos manufaturados nas mportações brasleras. No entanto, apenas nos casos de alguns produtos

14 13 químcos mportados da Índa e da Rússa encontramos percentuas ndvduas superores a 10% nos dos períodos. Esses ndcadores para os dez prncpas tens transaconados sugerem uma confguração de exportações brasleras concentradas em poucos produtos, com forte componente de recursos naturas, em troca de mportações de manufaturas varadas. Esse padrão de comérco va ser analsado no restante deste artgo através de dversos ndcadores.

15 Tabela 14 - Exportações Brasleras - 10 prncpas produtos Chna Índa Rússa Produto Produto Produto Part1 % Part2 % Part1 % Part2 % Part1 % Part2 % S Soa em grãos 26,4 29,8 S2-0611* Açúcares de beterraba e cana 1,6 2,1 S * Carne bovna, fresca ou congelada 0,2 26,8 S Pasta químca de madera 6,7 3,9 S Asbestos 3,2 2,7 S Carne suna, fresca ou congelada 8,8 17,7 S Mnéro de ferro 20,5 27,1 S ** Mnéro e concentrado de cobre - 22,8 S Carnes de aves, fresca ou congelada 3,6 7,2 S Aglomerados de ferro 9,6 5,4 S2-3330*** Petróleo cru - 11,2 S Açúcares de beterraba e cana 73,1 30,5 S2-3330* Petróleo cru 2,8 9,6 S Óleo de soa 39,2 15,9 S Café não torrado 0,0 0,7 S Óleo de soa 3,3 3,2 S *** Álcool etílco - 1,7 S Essênca ou concentrados de café 6,5 1,9 S Couro bovno 2,9 3,8 S Outras lgas de ferro 0,8 2,7 S ** Torta de soa 0,0 0,8 S Outras lgas de ferro 1,0 1,9 S Bombas com dspostvos de medção 0,1 1,8 S2-2222** Soa em grãos - 1,1 S ** Cobre refnado - 1,1 S2-7923*** Aeronaves até kg - 2,3 S * Trpas, bexgas e estômagos de anmas 0,0 0,7 S2-7924*** Aeronaves acma de kg 2,3 0,8 S2-7924**** Aeronaves acma de kg - 8,8 S2-7832*** Tratores e reboques 0,2 4,6 Total 75,5 86,7 Total 44,9 72,2 Total 92,5 92,0 * Não aparece em 1999 * Não aparece em 2007, 2001 e 2000 * Não aparece em 2000,1999 ** Não aparece em 2006, 2001, 2000 e 1999 ** Não aparece em 2001, 2000 e 1999 ** Não aparece em 2006, 2000 e 1999 *** Não aparece em 2006, 2000 e 1999 *** Não aparece em 2007, 2001, 2000 e 1999 *** Não aparece em 2001 e 1999 **** Não aparece em 2008, 2007, 2001, 2000 e 1999 (a) Part1 = partcpação méda nas exportações blateras totas em (b) Part2 = partcpação méda nas exportações blateras totas em

16 15 Tabela 15 - Importações Brasleras - 10 prncpas produtos Chna Índa Rússa Produto Produto Produto Part1 % Part2 % Part1 % Part2 % Part1 % Part2 % Compostos heterocíclcos 4,4 1,4 S Compostos heterocíclcos 11,2 10,0 S Enxofre 0,6 3,0 Undades perfércas 3,8 3,1 S Matéras orgâncas para tnturas 3,2 2,8 S2-3222* Outros carvões - 2,3 Acessóros para máqunas 4,3 4,5 S Outros antbótcos 4,3 2,5 S Ntrato de amôna 3,8 6,8 TVs e gravadores 0,1 1,7 S Medcamentos 1,9 4,2 S Sulfato de amôna 2,1 2,2 Aparelhos telef e telegráfcos 1,3 1,4 S Medcamentos 2,7 4,4 S Uréa 13,4 21,2 Transmssores de rádo e TV 0,1 2,1 S * Fos de algodão 0,3 3,2 S Cloreto de Potásso 23,2 18,2 Partes para transmssores 4,1 4,9 S Fos sntétcos 0,6 3,3 S **Fertlzante de ntrogêno,fósforo e potásso 0,0 1,5 Conversores estátcos 1,3 1,3 S Fos sntétcos 0,2 3,5 S Fertlzante de ntrogêno e fósforo 28,0 26,7 Mcro-crcutos eletrôncos 1,9 2,3 S ** Outros fos 0,0 2,4 S Outras lgas de ferro 1,6 1,6 Aparelhos ótcos 2,6 4,2 S Motores e geradores 0,1 2,8 S **Lngotes e outras formas de ferro 1,3 10,2 Total 11,5 34,8 Total 24,5 39,1 Total 74,1 93,6 rece em 2006, 2001, 2000 e 1999 * Não aparece em * Não aparece em 2007, 2001, 2000 e 1999 ** Não aparece em ** Não aparece em 2001 e 1999 *** Não aparece em 2008, 2007, 2000 e 1999 partcpação méda nas mportações blateras totas em (b) Part2 = partcpação méda nas mportações blateras totas em

17 Uma prmera aproxmação à análse dos fluxos blateras de comérco é dentfcar a mportânca relatva de cada um desses parceros nas exportações e mportações do Brasl. O ndcador a segur mede esse grau de mportânca. X = exportações para o país X = exportações totas do país PC X = X X *100 Evdentemente, a mesma lógca pode ser aplcada às mportações. Os Gráfcos a segur lustram os resultados. Resta pouca dúvda de que o parcero comercal dentre os BRICs que mas tem aumentado seu grau de mportânca no comérco externo braslero é a Chna. Esse é o fluxo de comérco que apresenta as taxas mas elevadas de aumento na mportânca tanto de exportações quanto de mportações, e que tem atngdo o nível mas alto, tanto como destno das exportações brasleras quanto como orgem dos produtos mportados. É notável regstrar, ademas, que a partr de 2004 o peso dos produtos chneses nas mportações totas brasleras passou a representar um percentual mas elevado do que as compras de produtos brasleros por parte daquele país. Por últmo, chama a atenção o fato de que o aumento do peso das mportações de produtos chneses é constante e homogêneo ao longo do tempo, enquanto a partcpação daquele mercado nas exportações brasleras apresenta mas varações. No comérco com a Rússa as ndcações são de um aumento relatvamente modesto na mportânca dos fluxos blateras, mas ao longo do período esse país permaneceu mas relevante como destno para as exportações brasleras do que como orgem de mportações. O comérco com a Índa apresenta algumas peculardades. Sua mportânca no total das exportações brasleras tem osclado de forma pronuncada ao longo do tempo, enquanto o aumento de mportânca no total mportado tem aumentado de manera mas sstemátca. Desde 2005 o mercado ndano tem perddo relevânca como destno das exportações brasleras, mas os produtos ndanos têm se tornado cada vez mas presentes nas mportações pelo Brasl.

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

deste projeto. * Da CEPAL e Universidade de Brasília. ** Raquel Araujo e Jhonatan Ferreira são consultores contratados pela CEPAL para a elaboração

deste projeto. * Da CEPAL e Universidade de Brasília. ** Raquel Araujo e Jhonatan Ferreira são consultores contratados pela CEPAL para a elaboração Este é um projeto de análise das relações comerciais entre o Brasil e outras economias que têm se destacado nos últimos anos por seu potencial, e por seu crescente papel no cenário internacional. O reconhecimento

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO*

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Artgos Verão 2006 QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Sóna Cabral** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As quotas de mercado das exportações

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*

COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* Paulo Soares Esteves Carolna Res 1. INTRODUÇÃO Uma Taxa de Câmbo Efectva (TCE) é um ndcador que agrega váras

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

O Brasil e os demais BRICs Comércio e Política

O Brasil e os demais BRICs Comércio e Política O Brasil e os demais BRICs Comércio e Política Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe CEPAL, 2010 Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA, 2010 Criação de capa, editoração eletrônica

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

ECONOMIAS E DAS EMPRESAS

ECONOMIAS E DAS EMPRESAS FACULDADE DE ECONOIA, UNIVERSIDADE DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1G203 ECONOIA INTERNACIONAL INDICADORES DA INTERNACIONALIZAÇÃO DAS ECONOIAS E DAS EPRESAS Nota préva: O texto que se segue tem por únco

Leia mais

Keywords: regional economics, cross-section econometrics and multivariate analysis.

Keywords: regional economics, cross-section econometrics and multivariate analysis. Julho/04 A Localzação da Indústra de Transformação Braslera nas Últmas Três Décadas Autor: Flpe Lage de Sousa (BNDES) Resumo O propósto desse artgo é avalar, numa perspectva geográfca, os setores ndustras

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Padrões de Especialização e Competitividade no Comércio Exterior Brasileiro: uma análise estrutural-diferencial

Padrões de Especialização e Competitividade no Comércio Exterior Brasileiro: uma análise estrutural-diferencial Otavano Canuto e Cléso L. Xaver Padrões de Especalzação e Compettvdade no Comérco Exteror Braslero: uma análse estrutural-dferencal Otavano Canuto * Cléso L. Xaver ** RESUMO O presente trabalho apresenta

Leia mais

Elaboração: Fevereiro/2008

Elaboração: Fevereiro/2008 Elaboração: Feverero/2008 Últma atualzação: 19/02/2008 E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo esclarecer aos usuáros a metodologa de cálculo e os crtéros de precsão utlzados na atualzação das Letras

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica

Expressão da Incerteza de Medição para a Grandeza Energia Elétrica 1 a 5 de Agosto de 006 Belo Horzonte - MG Expressão da ncerteza de Medção para a Grandeza Energa Elétrca Eng. Carlos Alberto Montero Letão CEMG Dstrbução S.A caletao@cemg.com.br Eng. Sérgo Antôno dos Santos

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

Elaboração: Novembro/2005

Elaboração: Novembro/2005 Elaboração: Novembro/2005 Últma atualzação: 18/07/2011 Apresentação E ste Caderno de Fórmulas tem por objetvo nformar aos usuáros a metodologa e os crtéros de precsão dos cálculos referentes às Cédulas

Leia mais

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE

TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE TÍTULO: O IMPACTO DO VAREJO MODERNO NA ECONOMIA CEARENSE ÁREA: Estrutura Produtvo-Tecnológca avançada e regonalmente artculada: Teora Mcroeconômca, Organzação Industral e Economa Regonal. NOMES DOS AUTORES:

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL.

ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. ABERTURA COMERCIAL, CRESCIMENTO ECONÔMICO E TAMANHO DOS ESTADOS: EVIDÊNCIAS PARA O BRASIL. André Matos Magalhães Vctor Carvalho Castelo Branco 2 Tago Vasconcelos Cavalcant 3 Resumo Este trabalho consste

Leia mais

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução

2 Máquinas de Vetor Suporte 2.1. Introdução Máqunas de Vetor Suporte.. Introdução Os fundamentos das Máqunas de Vetor Suporte (SVM) foram desenvolvdos por Vapnk e colaboradores [], [3], [4]. A formulação por ele apresentada se basea no prncípo de

Leia mais

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmento Sustentável: Integrando Tecnologa e Gestão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de outubro de 009 O RISCO IDIOSSINCRÁTICO

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1 ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS Llan Crstna Anefalos 2 Joaqum J. M. Gulhoto 3 RESUMO: Este trabalho tem como obetvo estudar a estrutura do setor de flores e plantas ornamentas

Leia mais

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear

Probabilidade e Estatística. Correlação e Regressão Linear Probabldade e Estatístca Correlação e Regressão Lnear Correlação Este uma correlação entre duas varáves quando uma delas está, de alguma forma, relaconada com a outra. Gráfco ou Dagrama de Dspersão é o

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Associação de resistores em série

Associação de resistores em série Assocação de resstores em sére Fg.... Na Fg.. está representada uma assocação de resstores. Chamemos de I, B, C e D. as correntes que, num mesmo nstante, passam, respectvamente pelos pontos A, B, C e D.

Leia mais

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos

8 Indicadores de desempenho na cadeia de suprimentos 8 Indcadores de desempenho na cadea de suprmentos 8.1 O desafo da mensuração O estabelecmento de ndcadores de desempenho do supply chan management está sueto à estrutura da cadea, seus elos e partcpantes

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3).

COMPOSIÇÃO DO AGRONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GERAIS ALINE CRISTINA CRUZ (1) ; ERLY CARDOSO TEIXEIRA (2) ; MARÍLIA MACIEL GOMES (3). COMPOSIÇÃO DO AGONEGÓCIO NO ESTADO DE MINAS GEAIS ALINE CISTINA CUZ () ; ELY CADOSO TEIXEIA (2) ; MAÍLIA MACIEL GOMES (3).,3.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BASIL; 2.UNIVESIDADE FEDEAL DE VIçOSA,

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA.

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. MÁRCIA PAIXÃO 1 MÁRCIA FONSECA 2 Resumo: No níco do século XXI, notadamente os Estados Undos (EUA) e Unão

Leia mais

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO

ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO ISEP - ÍNDICE DE SHARPE ESCOLAR A PARTIR DA PROVA BRASIL: CRIAÇÃO E ESTUDO Roberta Montello Amaral (UNIFESO) amaralroberta@yahoo.com.br Crado em 1990, o Saeb é um sstema de avalação do MEC que, junto à

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Incerteza de Medção Prof. Aleandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Freqüênca de ocorrênca Incerteza da Medção Dstrbução de freqüênca das meddas Erro Sstemátco (Tendênca) Erro de Repettvdade

Leia mais

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem.

1 a Lei de Kirchhoff ou Lei dos Nós: Num nó, a soma das intensidades de correntes que chegam é igual à soma das intensidades de correntes que saem. Les de Krchhoff Até aqu você aprendeu técncas para resolver crcutos não muto complexos. Bascamente todos os métodos foram baseados na 1 a Le de Ohm. Agora você va aprender as Les de Krchhoff. As Les de

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA Vtor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconoma I Ano lectvo 2008/09 Uma pequena economa aberta é uma economa para a qual o mercado externo, tanto a nível

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA ADELSON MARTINS FIGUEIREDO; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; JANDIR FERRERA DE LIMA; UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET 48 CRUZ, E.S. et al. A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL Edmlson Santos Cruz 1, Antono Donzette de Olvera 2, José Roberto Soares Scolforo 2, José Lus Perera de Rezende 2 RESUMO: Este estudo

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

PRODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 +

PRODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 + RODUTIVIDADE E MUDANÇA ESTRUTURAL NA INDÚSTRIA BRASILEIRA, 1970-2001 + Frederco Rocha * Resumo Este trabalho tem como objetvo mensurar a contrbução da mudança estrutural da ndústra braslera para o ncremento

Leia mais

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003 ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL Alexandre. A. Porsse Eduardo A. Haddad Eduardo P. Rbero TD Nereus 20-2003 2003 São Paulo 2003 ESTIMANDO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CAFÉ EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL

PRODUTIVIDADE DO CAFÉ EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL PRODUTIVIDADE DO CAFÉ EM MINAS GERAIS: UMA ANÁLISE ESPACIAL EDUARDO SIMÕES DE ALMEIDA; GISLENE DE OLIVEIRA PACHECO; ANA PAULA BENTO PATROCÍNIO; SIMONE MOURA DIAS; FEA/UFJF JUIZ DE FORA - MG - BRASIL edu_smoes@hotmal.com

Leia mais

ESTOQUE DE CAPITAL FIXO NO BRASIL, 1950-2002

ESTOQUE DE CAPITAL FIXO NO BRASIL, 1950-2002 ESTOQUE DE CAPITAL FIXO NO BRASIL, 1950-2002 LUCILENE MORANDI Pesqusadora externa IPEA-RJ/DIMAC EUSTÁQUIO J. REIS IPEA-RJ/DIMAC RESUMO: São apresentadas estmatvas de estoque de captal fxo para o Brasl,

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

SCI Superintendência de Comunicação Institucional

SCI Superintendência de Comunicação Institucional R e l a t ó r o d ea n á l s e s e t o r a l d a n d ú s t r a b a a n a E d ç ã o10 A n o2 0 1 3 D r e t o r ae x e c u t v a S u p e r n t e n d ê n c ad ed e s e n v o l v me n t oi n d u s t r a l

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas

Introdução à Análise de Dados nas medidas de grandezas físicas Introdução à Análse de Dados nas meddas de grandezas físcas www.chem.wts.ac.za/chem0/ http://uregna.ca/~peresnep/ www.ph.ed.ac.uk/~td/p3lab/analss/ otas baseadas nos apontamentos Análse de Dados do Prof.

Leia mais

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades *

Novas Forças de Atração nas Grandes Cidades * Novas Forças de Atração nas Grandes Cdades * Cro Bderman ** Resumo Este artgo procura explcar a atual desconcentração dos servços nas grandes áreas urbanas e o movmento paralelo de concentração para os

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL

UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL UMA AVALIAÇÃO DOS RESULTADOS DOS PROGRAMAS DE COMBATE AO ANALFABETISMO NO BRASIL Área 11 - Economa Socal e Demografa Econômca Classfcação JEL: I28, H52, C35. André Olvera Ferrera Lourero Insttuto de Pesqusa

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica

Empreendimentos de economia solidária e discriminação de gênero: uma abordagem econométrica Empreendmentos de economa soldára e dscrmnação de gênero: uma abordagem econométrca Grazelle Isabele Crstna Slva Sucupra Marcelo José Braga RESUMO A realdade vvencada por mutas mulheres no mundo atual

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM MERCADO DE CAPITAIS UNIVESIDADE FEDEAL DO IO GANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTAÇÃO OGAMA DE ÓS-GADUAÇÃO EM ADMINISTAÇÃO ESECIALIZAÇÃO EM MECADO DE CAITAIS MODENA TEOIA DE CATEIAS: DESENVOLVIMENTO E ANÁLISE DE UM MODELO DE SELEÇÃO

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica.

Análise do Retorno da Educação na Região Norte em 2007: Um Estudo à Luz da Regressão Quantílica. Análse do Retorno da Edcação na Regão Norte em 2007: Um Estdo à Lz da Regressão Qantílca. 1 Introdcão Almr Rogéro A. de Soza 1 Jâno Macel da Slva 2 Marnalva Cardoso Macel 3 O debate sobre o relaconamento

Leia mais

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Camila Spinassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Vtóra Agosto de 2013 Camla Spnassé INTRODUÇÃO À MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA ALUNOS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Leia mais

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações.

Universidade Estadual de Ponta Grossa/Departamento de Economia/Ponta Grossa, PR. Palavras-chave: CAPM, Otimização de carteiras, ações. A CONSTRUÇÃO DE CARTEIRAS EFICIENTES POR INTERMÉDIO DO CAPM NO MERCADO ACIONÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO PARA O PERÍODO 006-010 Rodrgo Augusto Vera (PROVIC/UEPG), Emerson Martns Hlgemberg (Orentador),

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Características das Águas Residuárias

Características das Águas Residuárias Característcas das Águas Resduáras Marco Gomes Barboza Unversdade Federal de Alagoas Centro de Tecnologa e-mal: mbarboza@ctec.ufal.br 1. Introdução Orgem dos esgotos Esgotos doméstcos ou santáros Resdêncas,

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais