COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA*"

Transcrição

1 COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA AVALIAÇÃO DOS PESOS DA TAXA DE CÂMBIO EFECTIVA* Paulo Soares Esteves Carolna Res 1. INTRODUÇÃO Uma Taxa de Câmbo Efectva (TCE) é um ndcador que agrega váras taxas de câmbo blateras de uma determnada moeda, sendo frequentemente calculado para avalar a compettvdade-preço das economas. Os índces usualmente publcados pelos bancos centras e pelas nsttuções nternaconas são ndcadores sntétcos, medndo a compettvdade das empresas naconas tanto nos mercados externos como no mercado nterno. Adconalmente, váras hpóteses são frequentemente adoptadas para permtr a rápda actualzação desses ndcadores, em partcular atendendo à necessdade de obter nformação relatvamente à evolução dos preços para o cálculo das Taxas de Câmbo Efectvas Reas (TCER) (1). Este artgo consdera a concorrênca enfrentada pelas exportações portuguesas como motvação para o cálculo de uma taxa de câmbo efectva, dscutndo algumas mplcações das hpóteses smplfcadoras geralmente assumdas, no que dz respeto à selecção dos concorrentes e às dferentes especalzações de cada economa. A forma como a * Este artgo basea-se em Esteves e Res (2006), que apresenta resultados detalhados para cada um dos países da área do euro. (1) O Banco de começou recentemente a publcar uma novatceparaaeconomaportuguesa,baseadanametodologa apresentada em Gouvea e Combra (2004), a qual corresponde a uma versão mas actualzada e alargada da antga TCE apresentada em Vdal e Res (1994). Os resultados de uma metodologa comum tanto para o conjunto da área do euro como para cada uma das 12 economas naconas podem ser vstos em Buldorn et. al.(2002). TCE é calculada, nomeadamente os pesos atrbuídos a cada país, é um factor crucal para avalar a compettvdade das exportações. Desde a adopção do euro, um maor peso da área do euro dmnuu a varabldade da TCE, reduzndo deste modo os efetos de compettvdade nas exportações portuguesas assocados com a flutuação da taxa de câmbo do euro. Adconalmente, uma maor exposção a países que estão a aumentar a sua presença nos mercados nternaconas (como algumas economas do Leste da Europa e da Ása) pode explcar alguns problemas de compettvdade das exportações portuguesas, os quas não podem ser levados em consderação pelos métodos que habtualmente são utlzados para o cálculo das TCEs. Este artgo está organzado da segunte forma. A Secção 2 apresenta de uma forma resumda as metodologas habtualmente utlzadas para o cálculo das TCEs, em partcular o esquema de dupla ponderação que permte consderar a exstênca de outros concorrentes nos prncpas mercados de exportação. A Secção 3 apresenta uma vsão mas alargada deste esquema de dupla ponderação. Em prmero lugar, a escolha das economas concorrentes não é restrngda ao conjunto de países ncalmente selecconados de acordo com a sua mportânca nas exportações. Em segundo lugar, a dentfcação dos prncpas concorrentes leva em consderação os dferentes padrões de especalzação de cada economa. Banco de / Boletm Económco / Inverno

2 A Secção 4 apresenta os prncpas resultados obtdos para a economa portuguesa e para a méda dos países da área do euro, realçando os efetos de não se consderarem as hpóteses smplfcadoras habtualmente assumdas. Fnalmente, a Secção 5 resume as prncpas conclusões. 2. METODOLOGIAS PARA O CÁLCULO DE TCE Uma TCE de um determnado país corresponde a uma méda ponderada w das suas taxas de câmbo blateras em relação a cada país E, TCE w E (1) Assm, a selecção dos países a consderar e os seus respectvos pesos são os dos prncpas problemas metodológcos a resolver. Como as TCEs habtualmente consderadas tentam captar a compettvdade das empresas tanto nos mercados nterno como externo, os pesos atrbuídos a cada um dos países correspondem a uma méda da sua mportânca nos fluxos de m x mportação e exportação w w w 2.Os pesos de mportação são faclmente obtdos consderando a mportânca de cada país como mercado de orgem das compras ao exteror. No caso das exportações, o seu cálculo não é tão smples, atendendo ao objectvo de se consderar a concorrênca efectuada pelos restantes países em cada um dos mercados de destno das exportações. Os pesos smples baseam na hpótese de que as exportações do país j para o país concorrem apenas com a produção doméstca desse país, e logo o seu peso corresponde à mportânca das exportações para esse mercado x j no total das exportações do país j X j. O esquema de dupla ponderação, por seu lado, consdera a concorrênca com os restantes países que também exportam para esse mercado (2). Neste caso, o peso do país no ndcador de compettvdade das exportações do país j é dado por: w x x j X x j h hj k x j X k j k x k x hj k h com sendo a produção do país orentada para (2) o respectvo mercado doméstco. Neste caso, o peso das exportações para o mercado é descontado pela mportânca relatva entre a produção doméstca e as mportações provenentes de terceros países. Adconalmente, consdera-se o peso das exportações desse país para cada um dos restantes mercados, ponderado pela mportânca desses mercados no total das exportações do país j. Tpcamente, a selecção dos países basea-se na sua mportânca como mercado de destno das exportações, e frequentemente é consderado um agregado representando o Resto do Mundo (RdM) como um mercado resdual das exportações. Esta metodologa é baseada na hpótese que os exportadores concorrem entre s no RdM nas não com os países que compõem este agregado resdual. Logo, uma lmtação desta metodologa está relaconada com o facto de a escolha dos países consderados como concorrentes estar restrngda aos que são ncalmente selecconados de acordo com a sua mportânca como mercado de destno das exportações. 3. UMA ABORDAGEM ALTERNATIVA PARA OS PESOS DE EXPORTAÇÃO 3.1. Aumento do número de países concorrentes Uma extensão deste esquema de dupla ponderação corresponde a consderar concorrentes adconas além dos selecconados de acordo com o crtéro acma referdo a sua mportânca como mercado de destno das exportações. Esta extensão é susceptível de alterar os resultados habtualmente obtdos. A título lustratvo consdere-se um país cujas exportações estão totalmente concentradas num só mercado, em que o seu únco competdor não é um produtor doméstco, mas sm um produtor de um tercero país. Neste caso, o habtual crtéro de selecção ra exclur o únco concorrente externo relevante. Este efeto pode ser partcularmente mportante quando se consderam alguns países em desenvolvmento do Leste da Europa e da Ása que estão crescentemente presentes no comérco nternaconal mas que não representam mportantes mercados de exportação (3). (2) Para uma explcação muto ntutva deste esquema de dupla ponderação, veja-se Turner e Van t dack (1993). 38 Banco de / Boletm Económco / Inverno 2005

3 Neste artgo, consdera-se um alargamento do conjunto de países que concorrem nos prncpas mercados de exportação, nclundo economas cujos pesos não reflectem a mportânca dos respectvos mercados nas exportações mas apenas a concorrênca exercda em terceros mercados. Esta abordagem corresponde a uma dferente nterpretação da relevânca do agregado RdM, consderando-se que esses países são mas mportantes pela concorrênca exercda nos prncpas mercados de exportação do que como mercados onde os países ncalmente selecconados competem entre s Especalzações produtvas dferencadas Uma outra extensão da análse anteror corresponde a levar em consderação o padrão de especalzação de cada economa. Dos países podem exportar produtos muto dferencados para o mesmo mercado, e logo não estão a competr entre s, ao contráro do que é sugerdo pela análse baseada em dados agregados. Esta extensão envolve um esquema de trpla ponderação: () os pesos duplos são calculados para cada produto ndvdualmente; () os resultados para cada produto são agregados de acordo com a estrutura das exportações. Esta abordagem pode anda ter a vantagem de permtr calcular uma TCE dferente para cada um dos sectores consderados, ajudando a analsar a evolução das exportações de uma forma mas detalhada. 4. UMA APLICAÇÃO PARA PORTUGAL Esta secção apresenta, prmeramente, uma análse da dstrbução geográfca e por produtos das exportações de manufacturas de e dos restantes países da área do euro, usando dados da World Trade Atlas (WTA) para Em segundo lugar, apresentam-se váras alternatvas para o cálculo da TCE, no que dz respeto à selecção de países e ao cálculo dos respectvos pesos, os quas reflectem a mportânca de cada (3) Um exemplo concreto pode ser dado para a economa portuguesa. A exclusão de alguns países pode explcar a razão porque os ndcadores de compettvdade não conseguem habtualmente explcar a perda de quotas de mercado das exportações portuguesas aquando da crse fnancera nternaconal em 1997 em alguns países do Sudeste asátco [sobre este assunto, veja-se Cabral (2004)]. país na concorrênca exercda sobre das exportações portuguesas.. pesos smples baseados numa amostra de 21 mercados, onde o peso de cada país reflecte a respectva mportânca como mercado de destno das exportações portuguesas de manufacturas (TCE 1 ),. pesos duplos que reflectem a concorrênca dos 21 países ncalmente selecconados, tanto nos seus mercados como num agregado representatvo do resto do mundo (a abordagem mas habtual) (TCE 2 );. pesos duplos que reflectem a concorrênca de todos os outros países nos 21 mercados de exportação selecconados (TCE 3 ); v. abordagem mas tomando em consderação o padrão de especalzação de cada economa (TCE 4 ) Dstrbução geográfca das exportações A dstrbução geográfca das exportações de manufacturas dos países da área do euro (Gráfco 1) evdenca algumas dferenças assnaláves (4). A mportânca do mercado da área do euro não é a mesma para todos os países membros. Para, bem como para o e para a, as exportações para a área do euro representam cerca de 70 por cento do total das exportações de manufacturas, o que é sgnfcatvamente maor do que o valor médo (52 por cento). O mercado da área do euro é menos mportante para a (30 por cento), bem como para a e (aproxmadamente 40 por cento) Estas dferenças dmnuem quando se consderam os restantes países europeus. Esses mercados são partcularmente mportantes para a e a (4) Consderou-se a regra de conversão das Nações Undas entre o Sstema Harmonzado de Desgnação e Codfcação de Mercadoras (SH) consderado pela WTA e a Classfcação Tpo para o Comérco Internaconal (CTCI) para se obter os fluxos de comérco relatvos a manufacturas. O uso desta regra permtu estmar 72 agregados de acordo com o SH a um nível de desagregação de dos dígtos, consderando apenas as subcomponentes classfcadas como manufacturas. Esta nformação fo utlzada nocalculodospesosdondcadortce 4. Fnalmente referra-se que os países pertencentes à Oceâna foram ncluídos na regão da Ása. Banco de / Boletm Económco / Inverno

4 Gráfco 1 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DAS EXPORTAÇÕES DOS PAÍSES DA ÁREA DO EURO (Em percentagem do total das exportações de manufacturas) Área do Euro Outros países europeus Amérca do Norte 0% 20% 40% 60% 80% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 0% 5% 10% 15% 20% 25% Ása Amérca Latna Áfrca 0% 5% 10% 15% 20% 0% 2% 4% 6% 0% 2% 4% 6%, absorvendo cerca de 40 por cento das exportações de manufacturas. Esta estrutura é partcularmente nfluencada pela relevânca de Chpre e de város países do Leste da Europa para as exportações gregas (cerca de 20 por cento das exportações de manufacturas têm como destno Chpre, Bulgára e Roména) e, no caso da, pela sgnfcatva mportânca dos mercados da Suéca e Rússa (um peso de cerca de 20 por cento). Estes mercados europeus também se afguram partcularmente mportantes para e, o que se deve ao peso de alguns países do Leste da Europa como mercado de destno. Pelo contráro, as exportações portuguesas estão claramente menos orentadas para estes mercados. (perto de 15 por cento, contra uma méda de aproxmadamente 25 por cento para os países da área do euro). Em relação aos restantes mercados, realce-se: () a mportânca do mercado norte-amercano para as exportações rlandesas (cerca de 20 por cento das exportações de manufacturas, contra um valor de 5 por cento tanto para como para a méda dos países da área do euro); () a sgnfcânca dos mercados asátcos para a generaldade dos países da área do euro (méda de 10 por cento, enquanto que para as exportações portuguesas o seu peso é de apenas 5 por cento); () alguma especalzação dos países do Sul da Europa no que dz respeto às economas afrcanas; (v) a partcular mportânca do mercado da Amérca Latna para as exportações de. 40 Banco de / Boletm Económco / Inverno 2005

5 4.2. Estrutura sectoral das exportações O gráfco 2 apresenta uma análse resumda da estrutura sectoral das exportações de manufacturas dos países da área do euro, através de uma classfcação baseada no SH a dos dígtos que consdera uncamente as subcomponentes classfcadas como manufacturas. A comparação de com os restantes países da área do euro evdenca algumas dferenças assnaláves. é o país em que as exportações de têxtes, vestuáro e calçado apresentam o maor peso no total de exportações de manufacturas (26.4 por cento), segudo pela (23.7) e (16.7). Este peso compara com uma méda de apenas 6 por cento para os países da área do euro. e são também os dos países em que as exportações de mobláro são mas mportantes (pesos de 4.2 e 3.4 por cento, respectvamente, contra um valor médo de cerca de 1 por cento). apresenta também um maor peso das exportações de madera e papel, onde a Flânda evdênca a mas forte especalzação (cerca de 20 por cento do total de exportações). apresenta também uma maor especalzação no sector automóvel, o qual é partcularmente mportante para, representando cerca de 1/3 do total das exportações de manufacturas. A e a são os outros dos países onde as exportações de materal de transporte têm uma especal mportânca - no caso de, sso é explcado não só pelo sector automóvel como pela ndústra de avação. As exportações portuguesas exbem uma menor especalzação em todos os outros sectores consderados: Os produtos químcos e farmacêutcos são partcularmente mportantes para a e, muto especalmente, para a, representando, respectvamente, cerca de 25 e 45 por cento do total das exportações. Os países que apresentam uma menor especalzação nestes produtos são o (1.4 por cento), a (3.0 por cento) e (4.5 por cento). Em relação aos produtos plástcos, a é o país que denota a maor especalzação (quase 10 por cento do total das exportações de manufacturas)., a e a apresentam os menores pesos de exportação destas manufacturas. O tem desgnado como metas, que representa, em termos médos, perto de 10 por cento das exportações de manufacturas dos países da área do euro, tem um peso partcularmente elevado no e na (pesos de aproxmadamente 20 por cento)., como mutos outros países, tem um peso mas baxo do que a méda, enquanto que na estes produtos representam pratcamente zero por cento do total das exportações. No que dz respeto às máqunas (tanto eléctrcas como não-eléctrcas), verfcam-se pesos superores a 40 por cento para o (3/4 das exportações de máqunas não eléctrcas são explcados por computadores e componentes relaconadas) e para a (reflectndo a mportânca do sector das telecomuncações). A, a, a e os são os restantes países onde este sector das máqunas tem um contrbuto mas sgnfcatvo para as exportações. Por contraste, a, a, e a são as economas onde estes sectores apresentam uma mportânca mas reduzda Cálculo dos pesos das TCE Prncpas hpóteses Com base em dados da WTA para 2004, consderaram-se 248 países como potencas concorrentes em 72 tpos de manufacturas. Como habtualmente, algumas hpóteses foram efectuadas no cálculo das TCEs acma referdas. A prmera hpótese dz respeto aos mercados selecconados. Além dos restantes 11 países da área do euro, foram consderados os 10 mercados de exportação mas mportantes para a área do euro: Reno Undo, EUA, Suíça, Chna, Suéca, Polóna, Rússa, Turqua, Japão e Repúblca Checa. A segunda hpótese dz respeto à redstrbução dos pesos smples pelos mercados selecconados, para assegurar que a sua soma é gual a 100 por cento. Em relação aos ndcadores TCE 1, TCE 3, e TCE 4, a adopção do habtual procedmento de dstrbução proporconal pela amostra selecconada aumentara artfcalmente o peso da área do euro, reflectndo uma elevada concentração das exportações ntra-área por um determnado conjunto de países enquanto as exportações extra-área são dstrbuídas por um elevado número de Banco de / Boletm Económco / Inverno

6 Gráfco 2 EXPORTAÇÕES DOS PAÍSES DA ÁREA DO EURO POR TIPO DE PRODUTOS (Em percentagem do total das exportações de manufacturas) Químcos Produtos farmacêutcos Plástcos 0% 10% 20% 30% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 0% 2% 4% 6% 8% 10% Madera e papel Têxtes e vestuáro Calçado 0% 5% 10% 15% 20% 25% 0% 5% 10% 15% 20% 25% 0% 2% 4% 6% Metas Máqunas não eléctrcas Máqunas eléctrcas 0% 10% 20% 30% 0% 10% 20% 30% 40% 0% 10% 20% 30% Mobláro Veículos Outro materal de transporte 0% 1% 2% 3% 4% 5% 0% 10% 20% 30% 40% 0% 2% 4% 6% 8% 42 Banco de / Boletm Económco / Inverno 2005

7 países. Assm, os pesos foram calculados mantendo o peso relatvo das exportações ntra e extra-área, através de uma dstrbução proporconal em cada um dos grupos de países - este procedmento mplca que o peso da área do euro no ndcador mas smples (TCE 1 ) seja gual à respectva mportânca como mercado de destno das exportações. A excepção prende-se com o ndcador TCE 2 onde este problema de redstrbução de pesos não se coloca devdo à nclusão do resto do mundo como um mercado resdual. Fnalmente, segundo uma hpótese habtual, a produção doméstca para cada país fo obtda através de dados da OCDE (Natonal Accounts of OECD Countres - Detaled Tables) para o valor acrescentado do sector das manufacturas, adconado dos nputs utlzados (meddos pelo valor das mportações) e subtraído das respectvas exportações para se calcular a produção vendda nternamente. Para os países não pertencentes à OCDE, consderou-se que o peso do sector das manufacturas no PIB é gual ao obtdo para a méda dos países da OCDE. No cálculo dos pesos do ndcador que consdera a especalzação dferencada de cada economa (TCE 4 ), fo assumdo que o valor da produção é dstrbuído de acordo com o peso de cada sector no total das exportações Resultados Os resultados para estão sntetzados no quadro 1, o qual apresenta na prmera coluna o peso de cada mercado no total das exportações portuguesas de manufacturas. Tomando em consderação estes resultados, a dferença de pesos em relação ao ndcador smples que não consdera a concorrênca em terceros mercados (TCE 4 -TCE 1 ) pode ser nterpretada como um ndcador dos efetos assocados às mudanças metodológcas ntroduzdas no cálculo do ndcador de compettvdade das exportações. Mas anda, este efeto pode ser decomposto num efeto de especalzação geográfca (TCE 3 -TCE 1 ), que mede o mpacto de se admtr que todos os restantes países podem competr nos prncpas mercados de exportação, e um efeto de especalzação por produto (TCE 4 -TCE 3 ) que mede o mpacto de se consderar o padrão de especalzação relevado pelas exportações de cada um dos países. Estes efetos são apresentados no Gráfco 3, tanto para como para a méda dos países da área do euro. Um resultado mportante é a redução do peso atrbuído aos restantes países da área do euro no ndcador de compettvdade das exportações, tanto para como para a méda das economas da área do euro. Este resultado é domnado pelo efeto de especalzação geográfca relaconado com os efetos de se admtr que todos os outros países concorrem nos mercados de exportação. Em termo médos, a dferente especalzação-produto de cada economa tende a aumentar o peso dos restantes países da área do euro, o que sgnfca que muto frequentemente os países da área concorrem entre s nos mesmos mercados. Este efeto é, no entanto, negatvo para, o que snalza uma especalzação dferencada das exportações portuguesas. Refra-se, que esta redução do peso da área do euro também acontece quando se consdera uma comparação com o ndcador mas frequentemente utlzado para ncorporar a concorrênca em terceros mercados (TCE 2 ). Esta dmnução do peso da área do euro sgnfca que as exportações dos economas da área são mas sensíves aos desenvolvmentos externos (em especal, da taxa de câmbo do euro) do que o sugerdo pela mportânca do comérco ntra-área. No caso da economa portuguesa, o peso atrbuído à concorrênca exercda pelos restantes países da área reduz-se de 68 para 55 por cento [um peso de 63 por cento é obtdo pelo ndcador de compettvdade das exportações mas frequentemente utlzado (TCE 2 )]. Em relação aos países da Unão Europea não pertencentes à área do euro, o seu peso, tanto para como para a méda das economas da área do euro, é superor ao resultante da dstrbução geográfca das exportações, apesar dos efetos negatvos apresentados no Gráfco 3. Este resultado está muto nfluencado pelos países ncalmente selecconados como prncpas mercados de exportação, na medda em que a elevada concentração de exportações para alguns destes países tende a aumentar o peso atrbuído a este conjunto de economas aquando do processo de redstrbução dos pesos observados. O efeto de especalzação por produto dmnu o peso destes países no ndcador de compettvdade das exportações portuguesas, o que é essencalmente determnado Banco de / Boletm Económco / Inverno

8 Quadro 1 PESOS DAS TAXAS DE CÂMBIO EFECTIVAS ORIENTADOS PARA MEDIR A COMPETITIVIDADE DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS Peso observado TCE 1 TCE 2 TCE 3 TCE Peso 4 observado TCE 1 TCE 2 TCE 3 TCE 4 Área do euro 67.8% 67.8% 63.1% 55.9% 55.2% 24.1% 24.1% 15.4% 14.4% 15.6% 14.9% 14.9% 15.5% 13.6% 12.7% 14.9% 14.9% 13.6% 12.4% 11.1% 4.0% 4.0% 6.4% 5.4% 6.8% 3.4% 3.4% 4.3% 3.6% 3.2% 4.3% 4.3% 3.9% 3.2% 3.0% 0.6% 0.6% 1.4% 1.1% 1.1% 0.5% 0.5% 0.8% 0.6% 0.6% 0.6% 0.6% 1.2% 1.2% 0.6% 0.4% 0.4% 0.4% 0.3% 0.4% EU 13.5% 19.0% 14.7% 18.9% 16.4% Reno Undo 9.9% 15.7% 10.6% 13.4% 10.7% Suéca 1.3% 2.0% 2.0% 2.2% 1.9% Polóna 0.5% 0.8% 1.2% 1.1% 1.2% Repúblca Checa 0.3% 0.4% 1.0% 0.8% 0.9% Hungra 0.3% 0.5% 0.5% Dnamarca 0.8% 0.4% 0.5% Eslováqua 0.1% 0.2% 0.3% Outros países europeus 2.0% 1.9% 2.4% 2.9% 2.4% Suíça 1.0% 1.6% 1.8% 1.7% 1.1% Roména 0.2% 0.2% 0.5% Rússa 0.2% 0.3% 0.5% 0.5% 0.3% Amérca do Norte 6.5% 9.5% 11.1% 10.2% 9.2% Estados Undos 6.0% 9.5% 11.1% 9.6% 8.8% Canadá 0.5% 0.6% 0.4% Amérca Latna 1.0% 0.9% 1.0% Méxco 0.3% 0.4% 0.4% Brasl 0.2% 0.2% 0.3% Ása 4.9% 1.8% 8.7% 10.6% 14.6% Chna 0.3% 0.4% 3.8% 3.3% 4.9% Japão 0.3% 0.4% 3.9% 2.3% 1.9% Turqua 0.6% 1.0% 1.0% 1.0% 1.7% Índa 0.1% 0.3% 0.8% Corea do Sul 0.1% 0.8% 0.8% Vetnam 0.0% 0.1% 0.6% Tawan 0.1% 0.6% 0.6% Bangladesh 0.0% 0.1% 0.5% Indónesa 0.0% 0.2% 0.4% Talânda 0.1% 0.3% 0.4% Malása 0.5% 0.3% 0.4% Paqustão 0.0% 0.1% 0.3% Hong Kong 0.2% 0.2% 0.3% Sngapura 1.0% 0.4% 0.2% Áfrca 4.4% 0.6% 1.2% Marrocos 0.5% 0.2% 0.4% pelo Reno Undo, evdencando uma dferente especalzação de relatvamente à economa brtânca. O peso dos países europeus não pertencentes à Unão Europea na TCE para é superor ao peso observado e ao peso obtdo com o ndcador mas smples (TCE 1 ), apesar de um contrbuto negatvo do efeto de especalzação sectoral- relaconado com a redução da concorrênca atrbuída às exportações da Suça. Apesar do Canadá não ter sdo consderado como um dos mercados de exportação relevante, o peso atrbuído à Amérca do Norte é superor ao peso das exportações que se destnam para esse mercado, tanto para como para a méda dos países da área do euro, o que realça o papel da 44 Banco de / Boletm Económco / Inverno 2005

9 Gráfco 3 EFEITOS DE SE CONSIDERAR A CONCORRÊNCIA DE OUTROS PAÍSES NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO (Varação dos pesos da taxa de câmbo efectva para e a méda dos países da área do euro) Área do euro UE excepto área do euro Outros países europeus Amérca do norte méda dos países do euro -15% -10% -5% 0% 5% -3% -2% -1% 0% -2% -1% 0% 1% 2% -2% -1% 0% 1% Amérca latna Japão Ása (excepto Japão) Áfrca méda dos países do euro -1% 0% 1% 2% -1% 0% 1% 2% 3% 0% 5% 10% 15% 0% 1% 2% Especalzação geográfca (TCE 3-TCE 1) Especalzação por produtos (TCE 4-TCE 3) concorrênca em terceros mercados dos produtos produzdos nos EUA. Esse peso é, no entanto, nferor ao obtdo com o ndcador mas tradconal, pos exstem outros países que também concorrem nesses mercados e que evdencam uma especalzação mas semelhante à das economas da área do euro. O peso atrbuído aos países da Amérca Latna e Áfrca é bastante reduzdo, e o seu aumento é totalmente explcado pelo facto destes países serem habtualmente excluídos do cálculo dos ndcadores mas tradconas. é um dos poucos países (juntamente com a e ) onde o efeto de especalzação por produtos aumenta o peso atrbuído à concorrênca desses países nos prncpas mercados de exportação. Fnalmente, em relação à Ása, destaque-se, por um lado, que a concorrênca do Japão com os países da área do euro se verfca essencalmente em terceros mercados, o que explca que o peso atrbuído ao Japão nas váras TCE seja superor ao peso das exportações que se destnam à economa npónca. No entanto, o peso do Japão é nferor ao obtdo com a metodologa mas habtual de ncorporar a concorrênca em terceros mercados (TCE 2 ). Este resultado advém do facto de exstrem mutas outras economas que também concorrem em terceros mercados e que evdencam uma especalzação mas semelhante à dos países da área do euro. Com excepção da, o efeto de especalzação sectoral reduz o peso do Japão nas TCEs de todos os países da área do euro. Por outro lado, a Ása exclundo Japão é uma regão partcularmente afectada pelas mudanças metodológcas, aumentando sgnfcatvamente o seu peso nas meddas de compettvdade das exportações dos países da área do euro. Este aumento acontece tanto em relação à sua mportânca como mercado de exportações como face ao peso obtdo com o ndcador mas habtual (TCE 2 ). Consderando o ndcador mas smples (TCE 1 ), o aumento do peso atrbuído a esta regão é de cerca de 6 pontos percentuas. Alás, o peso fnal de 11 por cento é negatvamente nfluencado pela selec- Banco de / Boletm Económco / Inverno

10 ção ncal de mercados. Como as exportações para esta regão estão dstrbuídos por um elevado número de países, essa selecção dmnu o peso desses países de 9 para 5 por cento, snalzando que o ponderador que reflecte a concorrênca desses países será mesmo superor ao valor de 11 por cento. O aumento da concorrênca atrbuída a estes países é partcularmente expressvo para (segudo pela e ). Uma razão para este resultado advém do efeto de especalzação por produto, na medda que tem uma estrutura de exportações partcularmente vulnerável a algumas economas asátcas que têm ganho uma crescente mportânca no comérco mundal. Assm, atendendo que a selecção ncal de países reduz o peso desta regão (de 4.5 para cerca de 3 por cento), o peso destes países no ndcador de compettvdade das exportações portuguesas será mesmo superor ao valor de 13 por cento obtdo com o ndcador TCE CONCLUSÕES A compettvdade-preço das exportações é frequentemente avalada através da construção de taxas de câmbo efectvas. Este artgo analsa as mplcações de algumas hpóteses que habtualmente são assumdas no cálculo desses ndcadores, no que dz respeto à selecção dos concorrentes e à dferente especalzação sectoral das váras economas, apresentando resultados para e para a méda dos países da área do euro. Os ndcadores habtualmente calculados tendem a sobrestmar o peso das restantes economas da área do euro, mnmzando a concorrênca de outros países sobre as exportações portuguesas. Prmeramente, o ndcador mas smples baseado na dstrbução geográfca das exportações tende a aumentar o peso dos países da área do euro porque as exportações portuguesas para esta regão estão fortemente concentradas em alguns mercados, enquanto que as exportações para os restantes países estão dstrbuídas por um elevado número de mercados. Em segundo lugar, o ndcador que é habtualmente utlzado para ncorporar a concorrênca em terceros mercados conduz gualmente a uma sobrestmação do peso atrbuído aos países da área do euro. Nesses ndcadores, a selecção dos concorrentes é uncamente efectuada levando em consderação a sua mportânca como mercado de exportação. Depos dessa selecção, assume-se que esses países concorrem entre s não só nos respectvos mercados como num agregado resdual representatvo do resto do mundo. Neste artgo consdera-se uma abordagem alternatva para o cálculo do ndcador de compettvdade, não colocando essa restrção na selecção dos prncpas concorrentes das exportações. Assume-se que o conjunto de países consderado como resto do mundo é mas relevante na concorrênca que exercem nos prncpas mercados de exportação do que como um mercado adconal onde os países ncalmente selecconados competem entre s. Adconalmente, consdera-se o padrão de especalzação de cada economa, pos o facto de dos países estarem a exportar para o mesmo mercado não sgnfca que estejam a concorrer entre s pos podem estar a vender produtos muto dferencados. O prmero resultado mportante prende-se com a redução do peso atrbuído aos restantes países da área do euro no ndcador de compettvdade das exportações portuguesas, a qual é essencalmente devda ao facto de se permtr que todos os outros países concorram com no mercado da área do euro. Tal sgnfca que as exportações portuguesas são mas sensíves a desenvolvmentos externos á área do euro do que o peso das exportações ntra-área podera sugerr. Em partcular, a compettvdade das exportações portuguesas é mas reactva às flutuações da taxa de câmbo do euro do que o habtualmente sugerdo. Em segundo lugar, em relação ao ndcador de compettvdade mas usual, os resultados apontam para uma redução do peso atrbuído à concorrênca provenente dos exportadores da Amérca do Norte, do Japão e dos países europeus não pertencentes à área do euro. Este resultado reflecte o facto de exstrem mutos outros países que competem nos mercados de exportação e que revelam uma padrão de especalzação das exportações mas semelhante ao de. Contraramente, este padrão de especalzação tende a aumentar lgeramente o peso da concorrênca provenente dos países da Amérca Latna e Áfrca. Fnalmente, exste um aumento bastante sgnfcatvo do peso atrbuído à concorrênca da Ása exclundo Japão, tanto para a méda dos países da área do euro como, e em especal, para. A concorrênca destes países nos prncpas merca- 46 Banco de / Boletm Económco / Inverno 2005

11 dos nternaconas aumenta o seu peso no ndcador de compettvdade das exportações em mas de 5 e 10 pontos percentuas, para a méda dos países da área do euro e para, respectvamente. Esta dferença está relaconada com o padrão de especalzação das exportações portuguesas, as quas estão mas concentradas em sectores como os têxtes, vestuáro e calçado do que o verfcado para os restantes países da área do euro. Estes sectores são partcularmente vulneráves às exportações de alguns países da Ása que têm ganho uma acrescda presença nos mercados nternaconas ao longo dos últmos anos. Este factor não pode ser levado em consderação pelos ndcadores de compettvdade habtualmente utlzados, mas terá um papel mportante para explcar a forte quebra das quotas de mercado das exportações Portuguesas observada nos anos mas recentes. References Buldorn, L., S. Makrydaks and C. Thmann (2002), The effectve exchange rates of the Euro, ECB, Occasonal Paper Seres nº2, February Cabral, S. (2004), A evolução recente da quota de mercado das exportações portuguesas na Unão Europea, Boletm Económco do Banco de, Dezembro, Esteves e Res (2006), Measurng the exports compettveness: revstng the effectve exchange rate weghts, mmeo. Gouvea, A. and C. Combra (2004), Novo índce cambal efectvo para a economa portuguesa, Boletm Económco do Banco de, Dezembro 2004, 67-. Turner, P. and J. Van t dack (1993), Measurng nternatonal prce and cost compettveness, BIS Economc Papers, nº 39, November Vdal, M. and T. Res (1994), Índce de taxa de câmbo efectva do escudo: estudo dos ponderadores do comérco externo e apresentação da nova metodologa, Boletm Trmestral do Banco de, Junho de 1994, Banco de / Boletm Económco / Inverno

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO*

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Artgos Verão 2006 QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Sóna Cabral** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As quotas de mercado das exportações

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica NOVO ÍNDICE CAMBIAL EFECTIVO PARA A ECONOMIA PORTUGUESA* Ana Cláuda Gouvea** Carlos Combra** 1. INTRODUÇÃO As taxas de câmbo efectvas consttuem um ndcador de síntese do poder de compra de uma moeda e,

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

ESTRUTURAS DE EXPORTAÇÃO RELATIVAS E ESPECIALIZAÇÃO VERTICAL: UM ÍNDICE SIMPLES DE COMPARAÇÃO DOS PAÍSES*

ESTRUTURAS DE EXPORTAÇÃO RELATIVAS E ESPECIALIZAÇÃO VERTICAL: UM ÍNDICE SIMPLES DE COMPARAÇÃO DOS PAÍSES* Artgos Inverno 2006 ESTRUTURAS DE EXPORTAÇÃO RELATIVAS E ESPECIALIZAÇÃO VERTICAL: UM ÍNDICE SIMPLES DE COMPARAÇÃO DOS PAÍSES João Amador Sóna Cabral José Ramos Mara 1. INTRODUÇÃO Ao longo da últma década,

Leia mais

ECONOMIAS E DAS EMPRESAS

ECONOMIAS E DAS EMPRESAS FACULDADE DE ECONOIA, UNIVERSIDADE DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1G203 ECONOIA INTERNACIONAL INDICADORES DA INTERNACIONALIZAÇÃO DAS ECONOIAS E DAS EPRESAS Nota préva: O texto que se segue tem por únco

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001

Sistemas de Filas: Aula 5. Amedeo R. Odoni 22 de outubro de 2001 Sstemas de Flas: Aula 5 Amedeo R. Odon 22 de outubro de 2001 Teste 1: 29 de outubro Com consulta, 85 mnutos (níco 10:30) Tópcos abordados: capítulo 4, tens 4.1 a 4.7; tem 4.9 (uma olhada rápda no tem 4.9.4)

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS*

O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* O COMPORTAMENTO DOS BANCOS DOMÉSTICOS E NÃO DOMÉSTICOS NA CONCESSÃO DE CRÉDITO À HABITAÇÃO: UMA ANÁLISE COM BASE EM DADOS MICROECONÓMICOS* Sóna Costa** Luísa Farnha** 173 Artgos Resumo As nsttuções fnanceras

Leia mais

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET 48 CRUZ, E.S. et al. A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL Edmlson Santos Cruz 1, Antono Donzette de Olvera 2, José Roberto Soares Scolforo 2, José Lus Perera de Rezende 2 RESUMO: Este estudo

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Caderno de Exercícios Resolvidos

Caderno de Exercícios Resolvidos Estatístca Descrtva Exercíco 1. Caderno de Exercícos Resolvdos A fgura segunte representa, através de um polígono ntegral, a dstrbução do rendmento nas famílas dos alunos de duas turmas. 1,,75 Turma B

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES

CURSO ON-LINE PROFESSOR: VÍTOR MENEZES O Danel Slvera pedu para eu resolver mas questões do concurso da CEF. Vou usar como base a numeração do caderno foxtrot Vamos lá: 9) Se, ao descontar uma promssóra com valor de face de R$ 5.000,00, seu

Leia mais

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas

3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Medidas Numéricas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EGEHARIA DE TRASPORTES E GESTÃO TERRITORIAL PPGTG DEPARTAMETO DE EGEHARIA CIVIL ECV DISCIPLIA: TGT41006 FUDAMETOS DE ESTATÍSTICA 3ª AULA: ESTATÍSTICA DESCRITIVA Meddas umércas

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA

Análise de Regressão. Profa Alcione Miranda dos Santos Departamento de Saúde Pública UFMA Análse de Regressão Profa Alcone Mranda dos Santos Departamento de Saúde Públca UFMA Introdução Uma das preocupações estatístcas ao analsar dados, é a de crar modelos que explctem estruturas do fenômeno

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2

Aplicando o método de mínimos quadrados ordinários, você encontrou o seguinte resultado: 1,2 Econometra - Lsta 3 - Regressão Lnear Múltpla Professores: Hedbert Lopes, Prscla Rbero e Sérgo Martns Montores: Gustavo Amarante e João Marcos Nusdeo QUESTÃO 1. Você trabalha na consultora Fazemos Qualquer

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA*

EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Artgos Prmavera 2007 EFICIÊNCIA DAS ESCOLAS SECUNDÁRIAS PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE DE FRONTEIRA DE PRODUÇÃO ESTOCÁSTICA* Manuel Coutnho Perera** Sara Morera** 1. INTRODUÇÃO As classfcações obtdas pelos estudantes

Leia mais

Covariância e Correlação Linear

Covariância e Correlação Linear TLF 00/ Cap. X Covarânca e correlação lnear Capítulo X Covarânca e Correlação Lnear 0.. Valor médo da grandeza (,) 0 0.. Covarânca na propagação de erros 03 0.3. Coecente de correlação lnear 05 Departamento

Leia mais

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA

O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA O MODELO IS/LM: PEQUENA ECONOMIA ABERTA COM MOEDA PRÓPRIA Vtor Manuel Carvalho 1G202 Macroeconoma I Ano lectvo 2008/09 Uma pequena economa aberta é uma economa para a qual o mercado externo, tanto a nível

Leia mais

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmento Sustentável: Integrando Tecnologa e Gestão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de outubro de 009 O RISCO IDIOSSINCRÁTICO

Leia mais

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos

CAPÍTULO 1 Exercícios Propostos CAPÍTULO 1 Exercícos Propostos Atenção: Na resolução dos exercícos consderar, salvo menção em contráro, ano comercal de das. 1. Qual é a taxa anual de juros smples obtda em uma aplcação de $1.0 que produz,

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC 201

MACROECONOMIA I LEC 201 ACROECONOIA I LEC 20 3.2. odelo IS-L Outubro 2007, sandras@fep.up.pt nesdrum@fep.up.pt 3.2. odelo IS-L odelo Keynesano smples (KS): equlíbro macroeconómco equlíbro no mercado de bens e servços (BS). odelo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo

III. Consequências de um novo padrão de inserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na região metropolitana de São Paulo CEPAL - SERIE Polítcas socales N 60 III. Consequêncas de um novo padrão de nserção das mulheres no mercado de trabalho sobre o bem-estar na regão metropoltana de São Paulo A. Introdução Rcardo Paes de

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO Nº 488, DE 29 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta o estabelecdo na Resolução CNPE n 7, de 21 de agosto de 2002, aprovada pela Presdênca da Repúblca em 22

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA *

ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * ESTRATÉGIAS DE REDUÇÃO DE CUSTOS SALARIAIS: EVIDÊNCIA MICROECONÓMICA COM INFORMAÇÃO QUALITATIVA * 39 Danel A. Das ** Carlos Robalo Marques *** Fernando Martns **** Artgos Resumo Este artgo nvestga a forma

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA

IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA IMPORTÂNCIA DA LIBERALIZAÇÃO DOS MERCADOS AGRÍCOLAS MUNDIAIS PARA A ECONOMIA BRASILEIRA ADELSON MARTINS FIGUEIREDO; MAURINHO LUIZ DOS SANTOS; JANDIR FERRERA DE LIMA; UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ

Leia mais

AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs

AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs LC/BRS/R.221 Feverero de 2010 Orgnal: português CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escrtóro no Brasl AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs Documento elaborado no âmbto

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado

7.4 Precificação dos Serviços de Transmissão em Ambiente Desregulamentado 64 Capítulo 7: Introdução ao Estudo de Mercados de Energa Elétrca 7.4 Precfcação dos Servços de Transmssão em Ambente Desregulamentado A re-estruturação da ndústra de energa elétrca que ocorreu nos últmos

Leia mais

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL.

DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. DESEMPENHO COMERCIAL DAS EMPRESAS ESTRANGEIRAS NO BRASIL NA DÉCADA DE 90: UMA ANÁLISE DE DADOS EM PAINEL. 1 APRESENTAÇÃO Nos anos 90, o país assstu a vultosas entradas de capal estrangero tanto de curto

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA.

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. MÁRCIA PAIXÃO 1 MÁRCIA FONSECA 2 Resumo: No níco do século XXI, notadamente os Estados Undos (EUA) e Unão

Leia mais

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO*

EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Artgos Prmavera 2007 EFEITO SOBRE A EQUIDADE DE UM AUMENTO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO* Isabel Correa**. INTRODUÇÃO Apesar das reformas fscas serem um fenómeno recorrente nas últmas décadas em

Leia mais

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste

Leia mais

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1

Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita 1 Desgualdade da dstrbução da renda no Brasl: a contrbução de aposentadoras e pensões e de outras parcelas do rendmento domclar per capta Rodolfo Hoffmann 2 Resumo Incalmente são dscutdos problemas metodológcos

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF)

CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Finitos (MEF) PMR 40 - Mecânca Computaconal CAPÍTULO VI Introdução ao Método de Elementos Fntos (MEF). Formulação Teórca - MEF em uma dmensão Consderemos a equação abao que representa a dstrbução de temperatura na barra

Leia mais

CQ110 : Princípios de FQ

CQ110 : Princípios de FQ CQ110 : Prncípos de FQ CQ 110 Prncípos de Físco Químca Curso: Farmáca Prof. Dr. Marco Vdott mvdott@ufpr.br Potencal químco, m potencal químco CQ110 : Prncípos de FQ Propredades termodnâmcas das soluções

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05

LQA - LEFQ - EQ -Química Analítica Complemantos Teóricos 04-05 LQA - LEFQ - EQ -Químca Analítca Complemantos Teórcos 04-05 CONCEITO DE ERRO ALGARISMOS SIGNIFICATIVOS Embora uma análse detalhada do erro em Químca Analítca esteja fora do âmbto desta cadera, sendo abordada

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO

Professor Mauricio Lutz CORRELAÇÃO Professor Maurco Lutz 1 CORRELAÇÃO Em mutas stuações, torna-se nteressante e útl estabelecer uma relação entre duas ou mas varáves. A matemátca estabelece város tpos de relações entre varáves, por eemplo,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE)

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) IPECE ota Técnca GOVERO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLAEJAMETO E GESTÃO (SEPLAG) ISTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECOÔMICA DO CEARÁ (IPECE) OTA TÉCICA º 33 METODOLOGIA DE CÁLCULO DA OVA LEI DO ICMS

Leia mais

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL*

ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* ÍNDICE DE CONDIÇÕES MONETÁRIAS PARA PORTUGAL* Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO Este artigo tem como objectivo calcular um Índice de Condições Monetárias (ICM) para a economia portuguesa, o qual constitui

Leia mais

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO

UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO UM EXAME DA RELAÇÃO ENTRE A INDÚSTRIA DA MODA E VARIÁVEIS SÓCIO-ECONOMICAS NO ESTADO DE PERNAMBUCO MARIANA CAVALCANTI PINCOVSKY DE LIMA; ANDRÉ DE SOUZA MELO; RICARDO CHAVES LIMA; UFPE/PIMES RECIFE - PE

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola

Nota Técnica Médias do ENEM 2009 por Escola Nota Técnca Médas do ENEM 2009 por Escola Crado em 1998, o Exame Naconal do Ensno Médo (ENEM) tem o objetvo de avalar o desempenho do estudante ao fm da escolardade básca. O Exame destna-se aos alunos

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre

Hansard OnLine. Guia Unit Fund Centre Hansard OnLne Gua Unt Fund Centre Índce Págna Introdução ao Unt Fund Centre (UFC) 3 Usando fltros do fundo 4-5 Trabalhando com os resultados do fltro 6 Trabalhando com os resultados do fltro Preços 7 Trabalhando

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM

Princípios do Cálculo de Incertezas O Método GUM Prncípos do Cálculo de Incertezas O Método GUM João Alves e Sousa Laboratóro Regonal de Engenhara Cvl - LREC Rua Agostnho Perera de Olvera, 9000-64 Funchal, Portugal. E-mal: jasousa@lrec.pt Resumo Em anos

Leia mais

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos

Nº 20 Dezembro de 2011. A Evolução do PIB dos Estados e Regiões Brasileiras no Período 2002-2009 Valores definitivos Nº 20 Dezembro de 2011 A Evolução do PIB dos Estados e Regões Brasleras no Período 2002-2009 Valores defntvos GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cd Ferrera Gomes Governador Domngos Gomes de Aguar Flho Vce Governador

Leia mais

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1

TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS, RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 XIV ELAVIO El Fuerte Snaloa Méxco 9-14 de agosto de 2009 TRABALHADORES COM DEFICIÊNCIAS EM LINHAS DE PRODUÇÃO: MODELOS RESULTADOS E DISCUSSÕES 1 Mayron César de O. Morera Lana Mara R. Santos Alysson M.

Leia mais

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003

ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL. TD Nereus 20-2003 ESTIMANDO UMA MATRIZ DE INSUMO-PRODUTO INTER-REGIONAL REGIONAL RIO GRANDE DO SUL RESTANTE DO BRASIL Alexandre. A. Porsse Eduardo A. Haddad Eduardo P. Rbero TD Nereus 20-2003 2003 São Paulo 2003 ESTIMANDO

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1

Como aposentadorias e pensões afetam a educação e o trabalho de jovens do domicílio 1 Como aposentadoras e pensões afetam a educação e o trabalo de jovens do domcílo 1 Rodolfo Hoffmann 2 Resumo A questão central é saber como o valor da parcela do rendmento domclar formada por aposentadoras

Leia mais

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS

PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS 2 PROJECTO DO LAYOUT DE INSTALAÇÕES INDUSTRIAIS Determnar a sequênca de operações de fabrco, quas e quantos recursos estão dsponíves para cada tpo de operação, como fluem os materas e as pessoas, qual

Leia mais

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring

Métodos de Monitoramento de Modelo Logit de Credit Scoring Métodos de Montoramento de Modelo Logt de Credt Scorng Autora: Armando Chnelatto Neto, Roberto Santos Felíco, Douglas Campos Resumo Este artgo dscute algumas técncas de montoramento de modelos de Credt

Leia mais

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas

Universidade Salvador UNIFACS Cursos de Engenharia Cálculo IV Profa: Ilka Rebouças Freire. Integrais Múltiplas Unversdade Salvador UNIFACS Cursos de Engenhara Cálculo IV Profa: Ilka ebouças Frere Integras Múltplas Texto 3: A Integral Dupla em Coordenadas Polares Coordenadas Polares Introduzremos agora um novo sstema

Leia mais

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo.

Motores síncronos. São motores com velocidade de rotação fixa velocidade de sincronismo. Motores síncronos Prncípo de funconamento ão motores com velocdade de rotação fxa velocdade de sncronsmo. O seu prncípo de funconamento está esquematzado na fgura 1.1 um motor com 2 pólos. Uma corrente

Leia mais

Estatística stica Descritiva

Estatística stica Descritiva AULA1-AULA5 AULA5 Estatístca stca Descrtva Prof. Vctor Hugo Lachos Davla oo que é a estatístca? Para mutos, a estatístca não passa de conjuntos de tabelas de dados numércos. Os estatístcos são pessoas

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da Universidade Federal de Sergipe, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 32/2014/CONEPE Aprova as Normas Geras do Processo Seletvo para

Leia mais

F E ESTUDOS I. Cidadania, Instituição e Património. Economia e Desenvolvimento Regional. Finanças e Contabilidade. Gestão e Apoio à Decisão

F E ESTUDOS I. Cidadania, Instituição e Património. Economia e Desenvolvimento Regional. Finanças e Contabilidade. Gestão e Apoio à Decisão ESTUDOS I Cdadana, Insttução e Patrmóno Economa e Desenvolvmento Regonal Fnanças e Contabldade Gestão e Apoo à Decsão Modelos Aplcados à Economa e à Gestão A Faculdade de Economa da Unversdade do Algarve

Leia mais

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino

IV - Descrição e Apresentação dos Dados. Prof. Herondino IV - Descrção e Apresentação dos Dados Prof. Herondno Dados A palavra "dados" é um termo relatvo, tratamento de dados comumente ocorre por etapas, e os "dados processados" a partr de uma etapa podem ser

Leia mais

Custos dos Utentes das Estradas na Gestão da Conservação de Pavimentos Rodoviários: o Caso da Rede Rodoviária Nacional

Custos dos Utentes das Estradas na Gestão da Conservação de Pavimentos Rodoviários: o Caso da Rede Rodoviária Nacional Custos dos Utentes das Estradas na Gestão da Conservação de Pavmentos Rodováros: o Caso da Rede Rodovára Naconal Bertha Santos*, Luís Pcado-Santos** e Vctor Cavalero* * Departamento de Engenhara Cvl Unversdade

Leia mais

Keywords: regional economics, cross-section econometrics and multivariate analysis.

Keywords: regional economics, cross-section econometrics and multivariate analysis. Julho/04 A Localzação da Indústra de Transformação Braslera nas Últmas Três Décadas Autor: Flpe Lage de Sousa (BNDES) Resumo O propósto desse artgo é avalar, numa perspectva geográfca, os setores ndustras

Leia mais

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás

Otimização de Custos de Transporte e Tributários em um Problema de Distribuição Nacional de Gás A pesqusa Operaconal e os Recursos Renováves 4 a 7 de novembro de 2003, Natal-RN Otmzação de ustos de Transporte e Trbutáros em um Problema de Dstrbução Naconal de Gás Fernanda Hamacher 1, Fernanda Menezes

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL

PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL PROPOSTA DE METODOLOGIA PADRÃO PARA MENSURAÇÃO DE RISCOS DE MERCADO COM VISTAS À ALOCAÇÃO DE CAPITAL RISCO DE TAXA DE JUROS 1. Introdução O rsco de taxas de juros é a exposção da condção fnancera de um

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS

ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS ANÁLISE DE CUSTOS DE CONDUTORES NÃO CONVENCIONAIS UTILIZADOS EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RURAIS Rodrgues, Rcardo Martn; Sern, Paulo José Amaral; Rodrgues, José Francsco Departamento de Engenhara Elétrca Faculdade

Leia mais

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada; Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada OS EFEITOS DO E-COMMERCE NA PRODUTIVIDADE DAS FIRMAS COMERCIAIS NO BRASIL Luís Cláudo Kubota; Danele Noguera Mlan Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada; Insttuto de Pesqusa Econômca Aplcada RESUMO O presente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI APOSTILA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO I Prof. Wllam Morán UFPI PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA II: Prof. Wllam Morán 2 Problema 1: O gráfco PERT fo preparado no níco de um

Leia mais