Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Área Temática: Economia e Relações Internacionais O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS"

Transcrição

1 Área Temátca: Economa e Relações Internaconas O INTERCÂMBIO COMERCIAL RIO GRANDE DO SUL - CHINA: CONCENTRAÇÃO, DESEMPENHO E PERSPECTIVAS Paulo Rcardo Festel¹ Slva Zanoso Mssagga² Resumo:O objetvo deste trabalho é conhecer melhor a estrutura do ntercâmbo comercal do Ro Grande do Sul com a Chna, analsar seu crescmento e a sua estrutura, dentfcar os produtos que apresentam vantagens comparatvas e as fontes em que se apóam essas vantagens. Para sso, foram utlzados dversos ndcadores como o grau de concentração das exportações de Gn-Hrchman, o ndcador para avalar os produtos com vantagens comparatvas e o índce para mensurar o grau de comérco ntra-ndústra do Estado em relação a Chna. Os resultados encontrados mostram que o índce de concentração das exportações é crescente a partr do ano 2000, o valor do ICP apresenta trajetóra crescente o que ndca que a Chna tem uma mportânca relatvamente grande na pauta de exportações gaúcha. O índce de vantagens comparatvas reveladas bem como o ndcador de contrbução ao saldo da balança comercal mostrou que os prncpas grupos de produtos que apresentam vantagem comparatva revelada no comérco com a Chna são: almentos e bebdas, plástcos e borrachas, calçados e couros e ótca e nstrumentos. O índce de comérco ntra-ndústra mostra que no período de análse não há um padrão de comérco defndo. Palavras-Chave: Concentração das Exportações, Comérco Intra-ndústra, Vantagens Comparatvas. 1-Introdução Nos últmos anos o sstema de comérco nternaconal sofreu mudanças mportantes: a abertura comercal na década de 90 bem como a formação dos blocos regonas de comérco. De acordo com Hdalgo e Da Mata (2004) enquanto a globalzação dos mercados se ntensfca, as economas em desenvolvmento devem resolver smultaneamente dos desafos: a solução dos graves problemas de pobreza e de desgualdade de renda, e equaconar o problema da nserção e ntegração do novo sstema econômco nternaconal. Surge aí o comérco nternaconal como fomentador de novas oportundades para o crescmento econômco e para geração de empregos sendo, portanto, a formulação de uma estratéga adequada fundamental para esse processo. ¹Professor do Departamento de Economa e do Programa de Pós-graduação em Economa e Desenvolvmento (PPGE&D) da UFSM. Contato: ²Mestranda do programa de Programa de Pós-graduação em Economa e Desenvolvmento (PPGE&D) da UFSM.Contato:

2 Atualmente a Chna, é uma economa cada vez mas pujante no cenáro nternaconal. As relações comercas entre Brasl e Chna foram mpulsonadas pela necessdade comum de nserção polítca e econômca no cenáro nternaconal, a partr de 1974, quando ocorreu o reatamento das relações dplomátcas entre os países. De acordo com dados o IPEA (2011) as relações comercas Brasl-Chna, entre 2000 e 2010, tveram crescmento superor à elevação do comérco entre o Brasl e o mundo. Neste período, as exportações brasleras para a Chna elevaram-se de US$ 1,1 blhão 2% do total das exportações do Brasl para US$ 30,8 blhões 15% do total, ao passo que as mportações brasleras da Chna cresceram de US$ 1,2 blhão 2% do total para U$ 25,6 blhões 14% do total. Neste mesmo período houve um deslocamento do exo dnâmco das exportações brasleras. Em 2000, os 10 prncpas países de destno das exportações brasleras foram: Estados Undos, Argentna, Holanda, Alemanha, Japão, Itála, França, Bélgca, Méxco e Reno Undo que respondam por 66% das exportações totas. Em 2001, a Chna absorveu 3,3% das exportações brasleras ocupando a posção de 6º lugar entre os países de destnos das exportações, em 2005, ocupou o 3º lugar absorvendo 5,8% das exportações e em 2009 confgurou-se como maor destno das exportações brasleras deslocando os Estados Undos, em 2010 absorveu 15,2% do total exportado pelo Brasl. No entanto a pauta de exportações brasleras para a Chna vem se concentrando em produtos báscos. Os dados do IPEA (2011) em 2010, mostram que os produtos que apresentaram a maor partcpação das exportações, foram mnéros (40%), oleagnosas (23%) e combustíves mneras (13%), que juntos responderam por 76% das exportações brasleras. No que se refere à pauta de mportações têm-se o aumento das mportações de produtos de alta e méda tecnologa, em 2009 os prncpas produtos mportados pelo Brasl foram: máqunas e aparelhos elétrcos (33%), calderas e máqunas mecâncas (20%), químcos orgâncos (7%). Das exportações brasleras para o resto do mundo o Estado do Ro Grande do Sul partcpou com 10% do total exportado entre os anos de 2000 e No que se refere às exportações para a Chna o Estado apresentauma partcpação méda de 13,15% no total das exportações brasleras entre os anos de 2000 e As exportações do Estado para a Chna cresceram entre 2006 até ,78%, enquanto que o volume de mportações cresceu em torno de 312,31%. De acordo com o Atlas

3 Sóco Econômco do Ro Grande do Sul, em 2010, a Chna fo o prncpal destno das exportações gaúchas, com cerca de 15,11% das exportações. Dado a ntensfcação da partcpação chnesa na pauta de exportações gaúcha, o objetvo deste trabalho é conhecer melhor o setor exportador do estado do Ro Grande do Sul, analsar seu crescmento e a sua estrutura, dentfcar os produtos com vantagens comparatvas e as fontes em que se apoam essas vantagens. A partr desta análse, pretende-se dentfcar os setores com maor potencal em uma estratéga de nserção nternaconal. Assm, além desta ntrodução o presente artgo está dvddo em 4 seções. Na seção 2, é feta uma letura do comportamento estrutural das exportações e mportações do estado do Ro Grande do Sul com a Chna. Na seção 3, são apresentados os aspectos metodológcos e a análse dos resultados, para tal são utlzados dversos ndcadores de comérco nternaconal. A análse é feta consderando o período após abertura comercal de 1990 a Por fm, na seção 4 apresenta as prncpas conclusões do trabalho. 2- Estrutura do comerco exteror do Ro Grande do Sul com a Chna A fm de conhecer melhor a estrutura das mportações e das exportações no comérco entre o Ro Grande do Sul e a Chna, foram agrupados 14 grupos de produtos por meo do crtéro de agregação proposto por Thorstensen et al (1994) dsposto no apêndce A. A tabela 1, mostra a evolução do percentual de exportações e mportações entre o Ro Grande do Sul e Chna para anos seleconados entre de 1990 a 2011, no anexo A está dsponível os valores para todos os anos. No que se refere a pauta exportadora, pode-se observar que o grupo de almentos e bebdas é o que possu maor representatvdade, sendo que no período de análse teve um méda de 82,42%. O grupo de produtos químcos não tnha representatvdade na pauta de exportações até o ano de 1994, neste mesmo ano teve uma partcpação nas exportações de 0,79%, alcançando um pco de 3,97 % em 1999, após 1999 manteve uma trajetóra nstável de crescmento e decrescmento. Plástcos e borracha manteve uma representatvdade méda de 4,95% no período de análse. Calçados e couros manteve uma méda de 6,71% do volume exportado no período, o pco das exportações se deu no ano de ,92%, nos anos seguntes manteve-se uma representatvdade

4 baxa deste segmento no volume de exportações com a Chna, 12,37 % em 1999, 6,01% em 1994 chegando a 2,30% em O grupo de produtos têxtl que tnha uma representatvdade de 7,46% em 1991, perdeu partcpação, chegando a não ter comérco entre os anos de 1994 e 2000, a partr deste ano sua representatvdade é baxa, cerca de 0,01% em O grupo de mneras não metálcos apresentaram uma representatvdade méda de 1,06% no período. O grupo de papel e celulose teve representatvdade méda de 2,05% do volume exportado sendo que entre os anos de 1993 e 1996, não houve exportações destes produtos com a Chna. Após 1996 o volume exportado fo crescente, chegando ao seu pco em 2007, 7,91%, nos anos subsequentes houve decrescmento sendo que em 2011 este percentual é de 3,82%. Os outros grupos de produtos possuem baxa representatvdade na pauta de exportações. Já no que se refere à pauta de mportações por grupos de produtos, cabe destacar a partcpação do de máqunas e equpamentos. Este grupo de produtos apresenta uma representatvdade méda de 30,78% no período de análse, apresenta uma trajetóra crescente entre os anos de ,74%, sendo que no ano de 2006 chegou a 61,83%, seu valor máxmo, a partr daí decresce chegando a ser de 39,38% em O grupo de calçados e couros apresenta uma trajetóra decrescente no período de análse. No ano de

5 1990 o volume mportado fo de 56,67% da pauta, em 1995 este valor passou para 35,95% em ,46%, em ,09 % sendo de 2,46% em O grupo de Plástcos e borracha apresenta uma trajetóra crescente de partcpação no volume mportado, no níco década de 90 esse volume era baxo ou nexstente, porém a partr de 1994 o percentual de mportações cresceu, chegando a ser de 6,25% em 1999, decrescendo para 1,68 % no ano segunte. A partr daí delnea-se uma trajetóra crescente do volume mportado, em 2010 esse valor fo de 6,73% o maor do período. Também manteve volume de exportações crescente o grupo de produtos metas comuns, este apresenta uma representatvdade méda de 7,66% na pauta de mportações. Têxtl apresenta um valor de mportações médo de 13,77% no período de análse. O grupo de mneras não metálcos apresenta uma trajetóra crescente de mportações até o ano de ,82%, a partr deste período as mportações decrescem chegando a 3,04 % em 2006 tornando-se crescente novamente até o ano de ,33%, tendo uma méda no período de 4,18% das exportações. Outros grupos que apresentam boa representatvdade méda no período de análse são: produtos químcos 9,54%, metas comuns 7,66%, almentos e bebdas 4,61%. O grupo de produtos químcos não apresenta uma trajetóra defnda, ora cresce o volume mportado ora decresce, o pco das mportações ocorreu no ano de 2008 a 26,33%. Já metas comuns apresentam trajetóra crescente até o ano 2000, quando o volume mportado chegou a 11,56%, nos anos seguntes não apresentam uma trajetóra estável sendo que no ano de 2011 apresentou crescmento de 10,56%. O grupo de almentos e bebdas apresenta trajetóra decrescente no período, prncpalmente a partr de 1992, onde o volume mportado era de 18,33%, em 2000 este valor fo de 5,15% e em 2011 de 1,16%, sto é evdencado pelo fato das exportações compensarem este decréscmo no período. 3-Aspectos metodológcos e resultados encontrados 3.1 Concentração das exportações A concentração das exportações é um assunto que tem ocupado um vasto espaço nas dscussões acerca de crescmento econômco. De acordo com Hdalgo e Da Mata (2004) um país com estrutura de exportações pouco dversfcada, e até restrta a poucos produtos prmáros, pode apresentar desequlíbros graves dante de mudança no

6 mercado. A concentração pode gerar nstabldade da receta de exportações. Argumenta-se que nessas condções o setor externo pode representar uma restrção severa ao crescmento, quando a sua dnâmca não é capaz de gerar os recursos para a concentração. O ndcador comumente utlzado para mensurar o grau de concentração das exportações, tanto com relação aos produtos, quanto aos mercados de destno, é o coefcente de Gn-Hrchman. Love (1979) argumenta que, quanto mas concentradas as exportações em poucos países de destno, mas a economa estará sujeta a flutuações de demanda, o que pode mplcar mudanças bruscas nas recetas de exportação. O índce de concentração por produtos (ICP) é calculado com base na segunte expressão: X j ICP (1) X j 2 Onde:x j = representa as exportações do bem pelo país j x j = representa as exportações totas do país j. O valor do índce de concentração das exportações está defndo no entre 0 e 1. Um país com índce ICPelevado sgnfca que o mesmo tem as suas exportações concentradasem poucos produtos. Por outro lado, um índce ICPbaxo reflete maor dversfcação de produtos na pauta de exportações. Neste caso, argumenta-se que o país terá uma maor establdade das recetas cambas. Uma pauta mas dversfcada pode sgnfcar também termos de troca mas estáves. Entre os dversos fatores que determnam o grau de dversfcação das exportações cabe destacar: o nível de desenvolvmento econômco, a proxmdade de algum pólo comercal e o tamanho da economa. Uma economa pequena tem menos possbldades de produzr em grande escala uma maor varedade de produtos e assm, apresentará um ICP maor. O índce de concentração por países de destno (ICD) mede o grau de concentração das exportações entre os países mportadores. Pode ser representado por: X j ICD (2) j X Onde: x j = representa as exportações totas do país j para o país x j = exportações totas do país j. Se o valor doicd foralto sgnfca que um número pequenode países tem uma mportânca muto grande nasua pauta de exportações. No entanto um ICDbaxo reflete 2

7 uma partcpação mas equlbrada dosdversos mercados. Nesse caso, o país estará menossujeto a flutuações das recetas de exportação. Por outro lado, uma concentração alta podesgnfcar, para a economa, esta sujeta achoques de demanda vndos do estrangero. De tal forma que um baxo nível de concentração parecedesejável para uma economa. A tabela 2 mostra o valor das exportações em 1000 U$$, bem como seu crescmento em relação ao ano base (1990). O índce de concentração das exportações do Ro Grande do Sul por produtos para a Chna apresenta-se baxo na década de 90, porém este apresenta trajetóra crescente passando de 0,16 em 1990 para 0,21 em 2000 chegando a ser 0,42 em Já o índce de concentração das exportações por mercado de destno apresenta trajetóra semelhante a ICP, valores baxos na década de 90, mas de forma crescente. A fm de analsar a dversfcação e as mudanças estruturas nas exportações, Amn e Ferrantno (1997) defnem para um determnado período a função de exportações cumulatvas para cada produto exportado. Essa função é defnda pela segunte fórmula:

8 t t t1 e 0 t C t (3) e t 0 t Onde: е t = representa as exportações do bem no ano t, em valores reas C t = representa as exportações acumuladas t 0 = período ncal e t 1 período fnal da amostra. A varável C t apresenta propredades semelhantes a função de dstrbução cumulatva e tem valor zero no período ncal e valor um no período fnal. Para exemplfcar consdere dos produtos onde os valores C t são desenhados em um gráfco. Nesse caso, um bem com exportações concentradas no começo do período (um produto tradconal) será dferencado de um produto que apresente exportações concentradas no fnal do período (um produto não-tradconal), pelo fato de apresentar a sua dstrbução cumulatva de exportações deslocada para a esquerda. Para lustrar sso o gráfco 1, apresenta a função cumulatva das exportações para os prncpas grupos de produtos representatvos da pauta de exportações no comérco entre o Ro Grande do Sul e a Chna, grupos conforme a classfcação de Thortensen et al. (1994). Gráfco 1- Exportações cumulatvas do Ro Grande do Sul para a Chna (1990/2011) Fonte: Elaboração dos autores baseada nos Dados do Sstema ALICEWEB do MDIC/Secretara do Comérco Exteror (SECEX). Conforme pode ser observado no gráfco, os prncpas grupos de produtos exportados, almentos e bebdas, produtos químcos, plástcos e borracha, papel e

9 celulose, e calçados e couros, apresentam um função deslocada para a dreta, ndcando mas experênca exportadora nos anos recentes do período da amostra. Quanto mas rápdo crescerem as exportações no fnal do período em análse mas a função está deslocada para a dreta no gráfco Vantagens comparatvas Exstem dversos ndcadores baseados nos fluxos comercas que permtem mensurar a tendênca na especalzação nternaconal de uma economa. Esses ndcadores foram orgnalmente desenvolvdos por BALASSA (1965), com base no conceto de vantagem comparatva revelada (VCR) e por LAFAY(1990) por meo do ndcador de contrbução ao saldo comercal (ICSC). O ndcador de vantagem comparatva de BALASSA (1965) calcula a partcpação das exportações de um dado produto de um país ou de uma regão em relação às exportações de uma zona de referênca desse mesmo produto e compara esse quocente com a partcpação das exportações totas do país ou regão em relação as exportações totas da zona de referênca. Formalmente o ndcador de vantagem comparatva revelada para uma regão ou país j, em um setor ndustral ou grupo de ndústras, pode ser defndo da segunte forma: VCR Xj / Xz j Xj / (4) Xz Onde: X j = é o valor das exportações do produto da regão ou país j X z = é o valor das exportações do produto do país ou zona de referênca z X j = é o valor total das exportações da regão ou país j X z = é o valor total das exportações do país ou zona de referênca z. Se VCR j > 1 então o produto apresenta vantagem comparatva revelada e se a VCR j > 1então o produto apresenta desvantagem comparatva revelada. De acordo com Hdalgo (1998) o índce de VCR fornece um ndcador da estruturarelatva das exportações de uma Regão ou país. Quando uma Regão exporta um volumegrande de um determnado produto, em relação com o que é exportado pelo país desse mesmo produto, sso sugere que a Regão conta com vantagem comparatva na produção desse bem. O índce alternatvo de vantagem comparatva revelada smétrca é expresso por:

10 VCRj 1 VCS j (5) VCR 1 Os valores deste índce varam entre -1 e +1. Se o valor do VCS j se e encontrar no ntervalo de +1 a 0, então a regão j possu vantagem comparatva revelada no produto. Se os valores do índcevcs j estverem no ntervalo de -1 a 0, a regão apresenta desvantagem comparatva revelada no produto. A tabela 3 mostra a evolução do índce de vantagem comparatva revelada smétrca para o estado do Ro Grande do Sul no período de análse, meddo através da fórmula (5). j Conforme pode ser observado na tabela, dos produtos comercalzados com a chna que apresentam vantagem comparatva revelada nos seguntes grupos de produtos: almentos e bebdas, plástcos e borracha, calçados e couros, e ótca e nstrumentos. O grupo ótca e nstrumentos apresenta vantagem comparatva revelada a partr do ano de 1998, e desvantagem comparatva revelada nos anos de 2002 e O índce de vantagem comparatva revelada smétrca médo para o período de análse por grupo de produtos é: almentos e bebdas (0,53),plástcos e borracha(0,45), calçados e couros(0,53). 3.2 Indcador de Contrbução ao Saldo Comercal O ndcador de contrbução ao saldo comercal de LAFAY (1990) está baseado na contrbução ao saldo comercal e leva em conta a partcpação das mportações. De acordo

11 com Hdalgo (1998) este índce é construído com base na comparação do saldo comercal observado para cada produto, ou grupos de produtos, com o saldo comercal teórco para esse mesmo produto. Isto permte dentfcar vantagem comparatva revelada (ou desvantagem comparatva revelada), segundo o saldo observado durante um período determnado que seja maor (ou menor) que o saldo teórco. O ndcador de contrbução ao saldo comercal para um produto ou grupo de produtos, em um país ou regão j, pode ser defndo por: 100 ( X M) ICSCIJ ( X M j ) ( X M ) ( )/ 2 (6) X M ( X M ) Onde: X = exportações do bem M = mportações do bem (X M )= representa a balança comercal observada do produto X M X M X M = representa a balança comercal teórca do produto. Se ICSC j > 0 então o produto apresenta vantagem comparatva revelada e se ICSC j < 0 então o produto apresenta desvantagem comparatva revelada. A análse da evolução das vantagens comparatvas reveladas permte caracterzar a especalzação seguda pela economa regonal. Os produtos que smultaneamente apresentem vantagem comparatva revelada e taxa de cobertura superor à undadeconsttuem os chamadospontos fortes de uma economa (GUTMAN & MIOTTI, 1996). A taxa de cobertura do produto édefnda como sendo o quocente das exportações entre as mportações do produto, ou grupo de produtos,de um país ou regão, ou seja: Por sua vez, os produtos que apresentam smultaneamente desvantagem comparatva revelada e taxa de cobertura nferor à undade são consderados como pontos fracos de uma economa. A comparação dos pontos fortes de um país com os pontos fracos dos parceros comercas permte dentfcar aqueles produtos com maor potencal em termos de comérco. A nterseção dos pontos fortes de um país com os pontos fracos de outro país dá orgem aos produtos em que o prmero país tem melhores oportundades de nserção comercal no segundo país.

12 A tabela 4, mostra a evolução do ndcador de contrbução ao saldo da balança comercal do Ro Grande do Sul para a Chna no período de análse, calculados conforme a fórmula (6). Observa-se que os grupos de produtos que apresentam vantagem comparatva revelada são: almentos e bebdas, plástcos e borracha. O grupo calçados e couros apresenta vantagem comparatva revelada a partr do ano Cabe destacar a partcpação do grupo de papel e celulose, que apresenta vantagem comparatva revelada crescente a partr do ano De acordo com a evolução da taxa de cobertura para o comérco por produtos entre o Ro Grande do Sul e a Chna, observa-se que os grupos de produtos taxa de cobertura maor que a undade são: almentos e bebdas, produtos químcos a partr de 2004, plástcos e borracha, calçados e couros, papel e celulose a partr de 1996, mneras nãometálcos, e ótca e nstrumentos. 3.3 O Índce de Comérco Intra-ndústra Concetualmente o comérco ntra-ndústra consste no comérco, exportação e mportação, entre dos países (ou grupo de países) de produtos dentro de um mesmo

13 segmento ndustral. Em contrapartda, no comérco nterndústra o ntercâmbo dá-se entre dferentes setores de atvdade De acordo com Krugman (1979) o comérco ntrandústra dferente do comérco nterndústra é explcado pelas economas de escala e pela dferencação de produto. Em um ambente cada vez mas globalzado e ntegrado, o fluxo comercal é caracterzado por um crescente comérco ntra-ndústra. A expansão do comérco nos processos de ntegração econômca, em geral, acontece através desse tpo de comérco. Assm, o conhecmento desse comérco é mportante na formulação de estratégas de nserção nternaconal para uma economa. (HIDALGO e DA MATA, 2004). Formalmente segundo Grubel e Lloyd (1975), o comérco ntra-ndústra é defndo como o valor das exportações de uma ndústra que é exatamente compensado por mportações da mesma ndústra, e pode se representado da segunte forma: G L ( X M ) X M ( X M ) 0 G L 1 (8) Onde: e representam os valores das exportações e mportações da ndústra é o comérco total da ndústra é o comérco ntrandústra e, é o comérco nterndústra. Em termos agregados têm-se: G L 1 n n X M ( X M ) (9) O índce de comérco ntra-ndústra está contdo no ntervalo [0,1]. Quando todo o comérco for explcado pelo comérco nterndústra (ou seja, nos moldes do modelo de H- O) o índce é zero, sendo, neste caso, ou as exportações ou as mportações de cada bem guas a zero. Por outro lado, quando todo comérco for ntra-ndústra, o índce é gual a um. Nesse caso, o valor das exportações sera gual ao valor das mportações de cada bem.

14 A tabela 5, mostra o índce de comérco ntrandústra do Ro Grande do Sul para a Chna no período de 1990 a Conforme pode ser observado, maora dos grupos de produtos apresenta um padrão de comérco nterndústra com valores baxos ou próxmos a zero. O grupo de almentos e bebdas caracterza-se como sendo nterndústra durante todo período de análse. Já o grupo de produtos químcos apresenta caráter osclatóro, ora nter ora ntra-ndústra, entre os anos de 1996 e 2006 apresenta-se como sendo essencalmente ntra-ndústra, já nos outros anos nterndústra. Calçados e couros, madera e mobláro, também apresentam um padrão não defndo de tpo de comérco. Mneras não-metálcos apresenta caráter ntra-ndústra entre os anos de 1998 e Já o grupo de produtos ótca e nstrumentos apresenta-se ora nter ora ntra-ndústra prncpalmente entre os anos de 1998 e Conclusões Nesse trabalho fo feta uma análse sobre dversos aspectos da relação comercal entre o Ro Grande do Sul e a Chna. Foram calculados índces de concentração das exportações tanto por produto como por país de destno, índce de vantagens comparatvas reveladas, de comérco ntrandústra bem como os setores fortes do Estado no comérco com a Chna para o período de 1990 a 2011.

15 Os resultados mostram que as exportações do Estado do Ro Grande do Sul para a Chna apresentam um índce de concentração baxo, prncpalmente na década de 90 este índce é em méda de 0,03, sto reflete uma maor dversfcação na pauta de produtos neste período, no entanto a partr dos ano 2000 este índce apresenta uma trajetóra crescente ndcando que o Estado no comérco com a Chna está camnhando para uma concentração das exportações em poucos produtos. Já o valor do ICP apresenta trajetóra crescente o que ndca que a Chna tem uma mportânca relatvamente grande na pauta de exportações gaúcha. O índce de vantagens comparatvas reveladas bem como o ndcador de contrbução ao saldo da balança comercal mostrou que os prncpas grupos de produtos que apresentam vantagem comparatva revelada no comérco com a Chna são: almentos e bebdas, plástcos e borrachas, calçados e couros e ótca e nstrumentos. Apresentam taxa de cobertura maor que a undade e vantagem comparatva revelada, sendo, portanto consderados os setores fortes da economa os seguntes grupos de produtos: almentos e bebdas, produtos químcos, calçados e couros e plástcos e borracha. O índce de comérco ntra-ndústra mostra que no período de análse a maora dos grupos de produtos apresenta um padrão de comérco nterndústra. Não há um padrão defndo para este tpo de comérco. O grupo de almentos e bebdas apresenta caráter essencalmente nterndústra e o grupo de almentos apresentam-se como sendo de tpo ntra-ndústra durante todo o período de análse. O ntercâmbo comercal com a Chna, nos últmos anos modfcou de forma consderável a pauta de exportações gaúcha. A ntensa demanda por commodtes agrícolas e por produtos prmáros, contrbuíram sgnfcatvamente para a prmarzação das exportações gaúchas, que perderam em valor agregado e ntensdade tecnológca. Portanto, fazem-se necessáras polítcas de nvestmentos públcos e prvados em nfraestrutura e apoo ao comérco exteror, bem como uma maor dversfcação e qualfcação da pauta de exportações para conqusta de novos mercados emergentes, como é o caso da Chna.

16 4- Referêncas Bblográfcas AMIN PIÑERES, S. A. FERRANTINO, M. Export dversfcaton and structuraldynamcs n the growth process: The case of Chle. Journal of Development Economcs. v. 52, p , Atlas Sóco Econômco do Ro Grande do Sul. Dsponível em: BALASSA, B. Trade lberalzaton and revealed comparatve advantage.washngton, D.C.: Banco Mundal, FEISTEL, P. R.; HIDALGO, A. B. O Intercâmbo Comercal Nordeste-Chna: Desempenho e Perspectvas. Revsta Econômca do Nordeste, v. 42, n. 04, p , GRUBEL, H. G.; LLOYD, P. J. Intra-Industry Trade: The Theory and Measurement of Internatonal Trade n Dfferentated Products. Macmllan, London HIDALGO, A. B. O ntercâmbo comercal braslero ntra-ndústra: uma análse entre ndústras e entre países. Revsta Braslera de Economa. Ro de Janero, n. 47, abrl/jun HIDALGO, A. B. Especalzação e Compettvdade do Nordeste no Mercado Internaconal. Revsta Econômca do Nordeste, v.29, p , HIDALGO, A. B.; Da MATA, D. F. P. G. Exportações do Estado de Pernambuco: concentração, mudança na estrutura e perspectvas. Revsta Econômca do Nordeste, Fortaleza, v. 35, n. 2, abr/jun IPEA. As relações blateras Brasl-Chna: A ascensão da Chna no sstema mundal e os desafos para o brasl. Comuncado do IPEA, n. 85, p. 3-17, KRUGMAN, P. Increasng returns, monopolstc competton, and Internatonal trade. Journal of Internatonal Economcs, v. 9, n. 4, p , LAFAY, G. Le mesure des avantages comparatfs revelés. Économe Prospectve Internatonale, Pars, n. 41, p ,1990. THORSTENSEN, V. et al. O Brasl frente a um mundo dvddo em blocos. Insttuto Sul-Norte, Lvrara Nobel, 1994.

17 APÊNDICE A Grupos de produtos Capítulos da NCM Descrção Almentos, fumo e bebdas 01 a 24 Produtos de orgem anmal: anmas vvos, carnes, pexes, latcínos, ovos. Produtos de orgem vegetal: plantas, vegetas, frutas, café, chá, cereas, amdos, trgo, grãos, sementes, gomas, gorduras, e óleos de orgem anmal e vegetal. Produtos almentares, bebdas e fumo: carnes preparadas, açúcares, cacau, farnhas, preparados de cereas, pastelara, preparados de frutas ou vegetas, bebdas alcoólcas ou não e fumo. Mneras 25 a 27 Sal, enxofre, gesso, cal, cmento, mnéros, combustíves e ceras mneras. Produtos químcos 28 a 38 Inorgâncos, orgâncos, farmacêutcos, fertlzantes, tntas, óleos, essencas, sabões, ceras, colas, pólvora e produtos para fotografa. Plástcos e Borracha 39 a 40 Produtos plástcos e borracha Calçados e couros 41 a 43 e 64 a 67 Calçados, chapéus, guarda-chuvas, peles e obras de couro. Madera e carvão vegetal 44 a 46 Madera, cortça e obras de madera. Papel e celulose 47 a 49 Papel e mpressos Têxtl 50 a 63 Fo, tecelagem e confecções. Mneras não metálcos 68 a 72 Obras de pedra, cerâmca e vdro, pérolas, pedras precosas e metas precosos. Metas comuns 73 a 83 Ferro e aço, cobre, níquel, alumíno, chumbo, znco, estanho e ferramentas. Máqunas e equpamentos 84 a 85 Máqunas e equpamentos elétrcos Materal de transporte 86 a 89 Veículos de transporte, automóves, tratores, aeronaves e embarcações. Ótca e nstrumentos 90 a 92 Ótca, fotografa e nstrumentos de medda e controle. Outros 93 a 99 e 00 Armas e munções, mercadoras dversas, móves, lumnação, brnquedos, produtos de esporte e objetos de arte. Quadro 1- Crtéro de Classfcação dos Capítulos da NCM, segundo Grupos de Produtos Obs.: Este crtéro de classfcação é o mesmo utlzado em THORSTENSEN, V. Et. Al. (1994) pag. 50 e 51.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma.

TEORIA DE ERROS * ERRO é a diferença entre um valor obtido ao se medir uma grandeza e o valor real ou correto da mesma. UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE FÍSICA AV. FERNANDO FERRARI, 514 - GOIABEIRAS 29075-910 VITÓRIA - ES PROF. ANDERSON COSER GAUDIO FONE: 4009.7820 FAX: 4009.2823

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnilesteMG 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO DO LESTE DE MINAS GERAIS - UnlesteMG Dscplna: Introdução à Intelgênca Artfcal Professor: Luz Carlos Fgueredo GUIA DE LABORATÓRIO LF. 01 Assunto: Lógca Fuzzy Objetvo: Apresentar o

Leia mais

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS)

ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) ANÁLISE DA POSIÇÃO COMPETITIVA DO BRASIL NO MERCADO INTERNACIONAL DE CARNE BOVINA: UMA APLICAÇÃO DO MÉTODO CONSTANT-MARKET-SHARE (CMS) Lenlma Vera Nunes Machado CPF: 425.454.202-04 Economsta do Banco da

Leia mais

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI.

* Economista do Instituto Federal do Sertão Pernambucano na Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional PRODI. O desempenho setoral dos muncípos que compõem o Sertão Pernambucano: uma análse regonal sob a ótca energétca. Carlos Fabano da Slva * Introdução Entre a publcação de Methods of Regonal Analyss de Walter

Leia mais

Cálculo do Conceito ENADE

Cálculo do Conceito ENADE Insttuto aconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera IEP Mnstéro da Educação ME álculo do onceto EADE Para descrever o cálculo do onceto Enade, prmeramente é mportante defnr a undade de observação

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA.

EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. EXPORTAÇÕES DE ETANOL BRASILEIRO, INTEGRAÇÃO REGIONAL E A QUESTÃO AMBIENTAL: UMA ANALISE EMPÍRICA. MÁRCIA PAIXÃO 1 MÁRCIA FONSECA 2 Resumo: No níco do século XXI, notadamente os Estados Undos (EUA) e Unão

Leia mais

Introdução e Organização de Dados Estatísticos

Introdução e Organização de Dados Estatísticos II INTRODUÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE DADOS ESTATÍSTICOS 2.1 Defnção de Estatístca Uma coleção de métodos para planejar expermentos, obter dados e organzá-los, resum-los, analsá-los, nterpretá-los e deles extrar

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar?

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Navegação. Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Sumáro Sstemas Robótcos Navegação Introdução Onde estou? Para onde vou? Como vou lá chegar? Carlos Carreto Curso de Engenhara Informátca Ano lectvo 2003/2004 Escola Superor de Tecnologa e Gestão da Guarda

Leia mais

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO

ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COMÉRCIO EXTERNO ESTATÍSTICAS E INDICADORES DE COÉRCIO ETERNO Nota préva: O texto que se segue tem por únco obectvo servr de apoo às aulas das dscplnas de Economa Internaconal na Faculdade de Economa da Unversdade do Porto.

Leia mais

Regressão e Correlação Linear

Regressão e Correlação Linear Probabldade e Estatístca I Antono Roque Aula 5 Regressão e Correlação Lnear Até o momento, vmos técncas estatístcas em que se estuda uma varável de cada vez, estabelecendo-se sua dstrbução de freqüêncas,

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Curso de Economia CCSA - Centro de Cêncas Socas e Aplcadas Curso de Economa ECONOMIA REGIONAL E URBANA Prof. ladmr Fernandes Macel LISTA DE ESTUDO. Explque a lógca da teora da base econômca. A déa que sustenta a teora da

Leia mais

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel

Estimativa da Incerteza de Medição da Viscosidade Cinemática pelo Método Manual em Biodiesel Estmatva da Incerteza de Medção da Vscosdade Cnemátca pelo Método Manual em Bodesel Roberta Quntno Frnhan Chmn 1, Gesamanda Pedrn Brandão 2, Eustáquo Vncus Rbero de Castro 3 1 LabPetro-DQUI-UFES, Vtóra-ES,

Leia mais

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que

I. Introdução. inatividade. 1 Dividiremos a categoria dos jovens em dois segmentos: os jovens que estão em busca do primeiro emprego, e os jovens que DESEMPREGO DE JOVENS NO BRASIL I. Introdução O desemprego é vsto por mutos como um grave problema socal que vem afetando tanto economas desenvolvdas como em desenvolvmento. Podemos dzer que os índces de

Leia mais

Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007.

Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007. Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007. Sonia Souza 1 Sandra Bonjour 2 Resumo: O objetivo geral deste trabalho é analisar

Leia mais

Distribuição de Massa Molar

Distribuição de Massa Molar Químca de Polímeros Prof a. Dr a. Carla Dalmoln carla.dalmoln@udesc.br Dstrbução de Massa Molar Materas Polmércos Polímero = 1 macromolécula com undades químcas repetdas ou Materal composto por númeras

Leia mais

ECONOMIAS E DAS EMPRESAS

ECONOMIAS E DAS EMPRESAS FACULDADE DE ECONOIA, UNIVERSIDADE DO PORTO ANO LECTIVO 2010/2011 1G203 ECONOIA INTERNACIONAL INDICADORES DA INTERNACIONALIZAÇÃO DAS ECONOIAS E DAS EPRESAS Nota préva: O texto que se segue tem por únco

Leia mais

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial

O migrante de retorno na Região Norte do Brasil: Uma aplicação de Regressão Logística Multinomial O mgrante de retorno na Regão Norte do Brasl: Uma aplcação de Regressão Logístca Multnomal 1. Introdução Olavo da Gama Santos 1 Marnalva Cardoso Macel 2 Obede Rodrgues Cardoso 3 Por mgrante de retorno,

Leia mais

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal

www.obconcursos.com.br/portal/v1/carreirafiscal www.obconcursos.com.br/portal/v1/carrerafscal Moda Exercíco: Determne o valor modal em cada um dos conjuntos de dados a segur: X: { 3, 4,, 8, 8, 8, 9, 10, 11, 1, 13 } Mo 8 Y: { 10, 11, 11, 13, 13, 13,

Leia mais

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO

Palavras-chaves detector infravermelho, transmissão atmosférica, atenuação. I. INTRODUÇÃO Atenuação atmosférca da Radação Infravermelha: Influênca de elevados níves hgrométrcos no desempenho operaconal de mísses ar-ar. André Gustavo de Souza Curtyba, Rcardo A. Tavares Santos, Fabo Durante P.

Leia mais

INTEGRAÇÃO COMERCIAL DA REGIÃO SUL COM O BRICS: UMA ANÁLISE ATRAVÉS DE INDICADORES DE COMÉRCIO INTERNACIONAL

INTEGRAÇÃO COMERCIAL DA REGIÃO SUL COM O BRICS: UMA ANÁLISE ATRAVÉS DE INDICADORES DE COMÉRCIO INTERNACIONAL 1 INTEGRAÇÃO COMERCIAL DA REGIÃO SUL COM O BRICS: UMA ANÁLISE ATRAVÉS DE INDICADORES DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Cristiane Vanessa C. Borges 1 Gilberto Joaquim Fraga 2 Área temática: Comércio exterior paranaense

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é:

UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI NA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS. Uma equação simplificada para se determinar o lucro de uma empresa é: UTILIZAÇÃO DO MÉTODO DE TAGUCHI A REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PROJETOS Ademr José Petenate Departamento de Estatístca - Mestrado em Qualdade Unversdade Estadual de Campnas Brasl 1. Introdução Qualdade é hoje

Leia mais

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS.

Sinais Luminosos 2- CONCEITOS BÁSICOS PARA DIMENSIONAMENTO DE SINAIS LUMINOSOS. Snas Lumnosos 1-Os prmeros snas lumnosos Os snas lumnosos em cruzamentos surgem pela prmera vez em Londres (Westmnster), no ano de 1868, com um comando manual e com os semáforos a funconarem a gás. Só

Leia mais

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL. A FUNÇÃO DE PRODUÇÃO E SUPERMERCADOS NO BRASIL ALEX AIRES CUNHA (1) ; CLEYZER ADRIAN CUNHA (). 1.UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA, VIÇOSA, MG, BRASIL;.UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS, GOIANIA, GO, BRASIL.

Leia mais

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado

Variabilidade Espacial do Teor de Água de um Argissolo sob Plantio Convencional de Feijão Irrigado Varabldade Espacal do Teor de Água de um Argssolo sob Planto Convenconal de Fejão Irrgado Elder Sânzo Aguar Cerquera 1 Nerlson Terra Santos 2 Cásso Pnho dos Res 3 1 Introdução O uso da água na rrgação

Leia mais

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS

NOTA II TABELAS E GRÁFICOS Depto de Físca/UFMG Laboratóro de Fundamentos de Físca NOTA II TABELAS E GRÁFICOS II.1 - TABELAS A manera mas adequada na apresentação de uma sére de meddas de um certo epermento é através de tabelas.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4)

REGULAMENTO GERAL (Modalidades 1, 2, 3 e 4) REGULAMENTO GERAL (Modaldades 1, 2, 3 e 4) 1. PARTICIPAÇÃO 1.1 Podem concorrer ao 11º Prêmo FIEB de Desempenho Socoambental da Indústra Baana empresas do setor ndustral nas categoras MICRO E PEQUENO, MÉDIO

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes

1 INTRODUÇÃO. 1 Segundo Menezes-Filho (2001), brasileiros com ensino fundamental completo ganham, em média, três vezes A amplação da jornada escolar melhora o desempenho acadêmco dos estudantes? Uma avalação do programa Escola de Tempo Integral da rede públca do Estado de São Paulo 1 INTRODUÇÃO O acesso à educação é uma

Leia mais

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1

Determinantes da adoção da tecnologia de despolpamento na cafeicultura: estudo de uma região produtora da Zona da Mata de Minas Gerais 1 DETERMINANTES DA ADOÇÃO DA TECNOLOGIA DE DESPOLPAMENTO NA CAFEICULTURA: ESTUDO DE UMA REGIÃO PRODUTORA DA ZONA DA MATA DE MINAS GERAIS govanblas@yahoo.com.br Apresentação Oral-Cênca, Pesqusa e Transferênca

Leia mais

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para

Objetivos da aula. Essa aula objetiva fornecer algumas ferramentas descritivas úteis para Objetvos da aula Essa aula objetva fornecer algumas ferramentas descrtvas útes para escolha de uma forma funconal adequada. Por exemplo, qual sera a forma funconal adequada para estudar a relação entre

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE

MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE MODELAGEM MATEMÁTICA DO PROCESSO DE EVAPORAÇÃO MULTI-EFEITO NA INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE R. L. S. CANEVESI 1, C. L. DIEL 2, K. A. SANTOS 1, C. E. BORBA 1, F. PALÚ 1, E. A. DA SILVA 1 1 Unversdade Estadual

Leia mais

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Insttuto de Cêncas Humanas Departamento de Economa ESTIMATIVAS DE ELASTICIDADES DE OFERTA E DEMANDA DE EXPORTAÇÕES E DE IMPORTAÇÕES BRASILEIRAS André Gustavo Lacerda Skendzel Orentador:

Leia mais

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira

Impactos dos encargos sociais na economia brasileira Impactos dos encargos socas na economa braslera Mayra Batsta Btencourt Professora da Unversdade Federal de Mato Grosso do Sul Erly Cardoso Texera Professor da Unversdade Federal de Vçosa Palavras-chave

Leia mais

1 Princípios da entropia e da energia

1 Princípios da entropia e da energia 1 Prncípos da entropa e da energa Das dscussões anterores vmos como o conceto de entropa fo dervado do conceto de temperatura. E esta últma uma conseqüênca da le zero da termodnâmca. Dentro da nossa descrção

Leia mais

A Criação de Caititus (Tayassu tajacu) como alternativa de diversificação de produção e renda na região Cacaueira da Bahia, Brasil

A Criação de Caititus (Tayassu tajacu) como alternativa de diversificação de produção e renda na região Cacaueira da Bahia, Brasil A Cração de Cattus (Tayassu tajacu) como alternatva de dversfcação de produção e renda na regão Cacauera da Baha, Brasl Dmas Olvera Santos 1, Alcester Mendes 2,Selene Squera da Cunha Noguera 3, Sérgo Luz

Leia mais

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Equilíbrio Colusivo no Mercado Brasileiro de Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Unversdade de Brasíla Departamento de Economa Mestrado em Economa do Setor Públco Equlíbro Colusvo no Mercado Braslero de Gás Lquefeto de Petróleo (GLP) Orentador: Prof. Rodrgo Andrés de Souza Peñaloza

Leia mais

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza

Escolha do Consumidor sob condições de Risco e de Incerteza 9/04/06 Escolha do Consumdor sob condções de Rsco e de Incerteza (Capítulo 7 Snyder/Ncholson e Capítulo Varan) Turma do Prof. Déco Kadota Dstnção entre Rsco e Incerteza Na lteratura econômca, a prmera

Leia mais

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias

7. Resolução Numérica de Equações Diferenciais Ordinárias 7. Resolução Numérca de Equações Dferencas Ordnáras Fenômenos físcos em dversas áreas, tas como: mecânca dos fludos, fluo de calor, vbrações, crcutos elétrcos, reações químcas, dentre váras outras, podem

Leia mais

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado

Equipas Educativas Para uma nova organização da escola. João Formosinho Joaquim Machado Equpas Educatvas Para uma nova organzação da escola João Formosnho Joaqum Machado TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA TRANSFORMAÇÕES NA ESCOLA BÁSICA A expansão escolar e a mplementação das polítcas de nclusão

Leia mais

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL

E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL E FICIÊNCIA EM S AÚDE E C OBERTURA DE P LANOS DE S AÚDE NO B RASIL Clarssa Côrtes Pres Ernesto Cordero Marujo José Cechn Superntendente Executvo 1 Apresentação Este artgo examna se o rankng das Undades

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M.

Lista de Exercícios de Recuperação do 2 Bimestre. Lista de exercícios de Recuperação de Matemática 3º E.M. Lsta de Exercícos de Recuperação do Bmestre Instruções geras: Resolver os exercícos à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fcháro). Copar os enuncados das questões. Entregar a lsta

Leia mais

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos.

Sempre que surgir uma dúvida quanto à utilização de um instrumento ou componente, o aluno deverá consultar o professor para esclarecimentos. Insttuto de Físca de São Carlos Laboratóro de Eletrcdade e Magnetsmo: Transferênca de Potênca em Crcutos de Transferênca de Potênca em Crcutos de Nesse prátca, estudaremos a potênca dsspada numa resstênca

Leia mais

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação

Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Cálculo do Conceito Preliminar de Cursos de Graduação Mnstéro da Educação Insttuto Naconal de Estudos e Pesqusas Educaconas Aníso Texera Cálculo do Conceto Prelmnar de Cursos de Graduação Nota Técnca Nesta nota técnca são descrtos os procedmentos utlzados

Leia mais

Exportações do Nordeste do Brasil: Crescimento e Mudança na Estrutura

Exportações do Nordeste do Brasil: Crescimento e Mudança na Estrutura Documentos Técnico-Científicos Exportações do Nordeste do Brasil: Crescimento e Mudança na Estrutura Álvaro Barrantes Hidalgo Doutor em Economia pela Universidade de São Paulo (USP); Professor do Programa

Leia mais

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA

Metodologia IHFA - Índice de Hedge Funds ANBIMA Metodologa IHFA - Índce de Hedge Funds ANBIMA Versão Abrl 2011 Metodologa IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA 1. O Que é o IHFA Índce de Hedge Funds ANBIMA? O IHFA é um índce representatvo da ndústra de hedge

Leia mais

Rastreando Algoritmos

Rastreando Algoritmos Rastreando lgortmos José ugusto aranauskas epartamento de Físca e Matemátca FFCLRP-USP Sala loco P Fone () - Uma vez desenvolvdo um algortmo, como saber se ele faz o que se supõe que faça? esta aula veremos

Leia mais

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1

IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 IMPACTO DAS EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS SOBRE O EMPREGO NO BRASIL EM 2011 1 Rcardo Kuresk 2 Glson Martns 3 Rossana Lott Rodrgues 4 1 - INTRODUÇÃO 1 2 3 4 O nteresse analítco pelo agronegóco exportador

Leia mais

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção

Influência dos Procedimentos de Ensaios e Tratamento de Dados em Análise Probabilística de Estrutura de Contenção Influênca dos Procedmentos de Ensaos e Tratamento de Dados em Análse Probablístca de Estrutura de Contenção Mara Fatma Mranda UENF, Campos dos Goytacazes, RJ, Brasl. Paulo César de Almeda Maa UENF, Campos

Leia mais

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2

Capítulo 1. O plano complexo. 1.1. Introdução. Os números complexos começaram por ser introduzidos para dar sentido à 2 Capítulo O plano compleo Introdução Os números compleos começaram por ser ntrodudos para dar sentdo à resolução de equações polnomas do tpo Como os quadrados de números reas são sempre maores ou guas a

Leia mais

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético

Exercícios de Física. Prof. Panosso. Fontes de campo magnético 1) A fgura mostra um prego de ferro envolto por um fo fno de cobre esmaltado, enrolado mutas vezes ao seu redor. O conjunto pode ser consderado um eletroímã quando as extremdades do fo são conectadas aos

Leia mais

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura

Análise logística da localização de um armazém para uma empresa do Sul Fluminense importadora de alho in natura Análse logístca da localzação de um armazém para uma empresa do Sul Flumnense mportadora de alho n natura Jader Ferrera Mendonça Patríca Res Cunha Ilton Curty Leal Junor Unversdade Federal Flumnense Unversdade

Leia mais

AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs

AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs LC/BRS/R.221 Feverero de 2010 Orgnal: português CEPAL COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E O CARIBE Escrtóro no Brasl AS RELAÇÕES COMERCIAIS DO BRASIL COM OS DEMAIS BRICs Documento elaborado no âmbto

Leia mais

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste.

Determinantes da Desigualdade de Renda em Áreas Rurais do Nordeste. Determnantes da Desgualdade de Renda em Áreas Ruras do Nordeste. Autores FLÁVIO ATALIBA BARRETO DÉBORA GASPAR JAIR ANDRADE ARAÚJO Ensao Sobre Pobreza Nº 18 Março de 2009 CAEN - UFC Determnantes da Desgualdade

Leia mais

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo:

01. Em porcentagem das emissões totais de gases do efeito estufa, o Brasil é o quarto maior poluidor, conforme a tabela abaixo: PROCESSO SELETIVO 7 RESOLUÇÃO MATEMÁTICA Rosane Soares Morera Vana, Luz Cláudo Perera, Lucy Tem Takahash, Olímpo Hrosh Myagak QUESTÕES OBJETIVAS Em porcentagem das emssões totas de gases do efeto estufa,

Leia mais

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado)

5.1 Seleção dos melhores regressores univariados (modelo de Índice de Difusão univariado) 5 Aplcação Neste capítulo será apresentada a parte empírca do estudo no qual serão avalados os prncpas regressores, um Modelo de Índce de Dfusão com o resultado dos melhores regressores (aqu chamado de

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

Dinâmica e competitividade setorial das exportações brasileiras: uma análise de painel para o período recente

Dinâmica e competitividade setorial das exportações brasileiras: uma análise de painel para o período recente Dnâmca e competvdade setoral das exportações brasleras: uma análse de panel para o período recente Márco Holland Cléso Lourenço Xaver Resumo O propóso central deste trabalho é o de pesqusar o comportamento

Leia mais

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL

O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL O SETOR DE TURISMO NA REGIÃO NORDESTE: MEDIDAS E IMPACTOS A PARTIR DA MATRIZ INSUMO- PRODUTO INTER-REGIONAL Poema Iss Andrade de Souza * Joaqum José Martns Gulhoto ** Raul da Mota Slvera Neto *** RESUMO

Leia mais

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento

Análise Econômica da Aplicação de Motores de Alto Rendimento Análse Econômca da Aplcação de Motores de Alto Rendmento 1. Introdução Nesta apostla são abordados os prncpas aspectos relaconados com a análse econômca da aplcação de motores de alto rendmento. Incalmente

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL,

ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, ANÁLISE COMPARATIVA DA PRODUTIVIDADE SETORIAL DO TRABALHO ENTRE OS ESTADOS BRASILEIROS: DECOMPOSIÇÕES USANDO O MÉTODO ESTRUTURAL- DIFERENCIAL, 1980/2000 2 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 3 3. ANÁLISE COMPARATIVA

Leia mais

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna

Apostila de Estatística Curso de Matemática. Volume II 2008. Probabilidades, Distribuição Binomial, Distribuição Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna Apostla de Estatístca Curso de Matemátca Volume II 008 Probabldades, Dstrbução Bnomal, Dstrbução Normal. Prof. Dr. Celso Eduardo Tuna 1 Capítulo 8 - Probabldade 8.1 Conceto Intutvamente pode-se defnr probabldade

Leia mais

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo

Oportunidades e desafios no mundo do aquecimento o setor tem crescido a cada ano, é verdade, mas continuar nesse ritmo -. -. - - - -- - -. ~- -- MERCADO -- -=-- - - -=-=-= - ---=- =-= - ~ Oportundades e desafos no mundo do aquecmento o setor tem crescdo a cada ano, é verdade, mas contnuar nesse rtmo requer a superação

Leia mais

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA

! Superlntenrlencia Reg.onaJ do Ma:toGro$So. Qualificação e Reinserção Profissional dos Resgatados do Trabalho Escravo elou em AÇÃO INTEGRADA ",, 1," ;,,," 1, C?5lMnstérO Públco do "':'1"') Trabalho PRT 23,! Superlntenrlenca RegonaJ do Ma:toGro$So!! (', ' \_ \ '1 j t t' 1 PROJETO: Qualfcação e Renserção Profssonal dos Resgatados do Trabalho

Leia mais

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1

ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS 1 ESTRUTURA DO MERCADO BRASILEIRO DE FLORES E PLANTAS ORNAMENTAIS Llan Crstna Anefalos 2 Joaqum J. M. Gulhoto 3 RESUMO: Este trabalho tem como obetvo estudar a estrutura do setor de flores e plantas ornamentas

Leia mais

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL

EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr Fara dos Santos, Wlson da Cruz Vera & Bríco dos ISSN Santos Res 1679-1614 EFEITOS REDISTRIBUTIVOS DE TRANSFERÊNCIA DE RENDA E REDUÇÃO TRIBUTÁRIA NOS SETORES AGROPECUÁRIO E AGROINDUSTRIAL Vladmr

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 0 Unversdade de São Paulo Escola Superor de Agrcultura Luz de Queroz Confguração, reestruturação e mercado de trabalho do setor de celulose e papel no Brasl Adrana Estela Sanjuan Montebello Tese apresentada

Leia mais

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição

Revisão dos Métodos para o Aumento da Confiabilidade em Sistemas Elétricos de Distribuição CIDEL Argentna 2014 Internatonal Congress on Electrcty Dstrbuton Ttle Revsão dos Métodos para o Aumento da Confabldade em Sstemas Elétrcos de Dstrbução Regstraton Nº: (Abstract) Authors of the paper Name

Leia mais

Termodinâmica e Termoquímica

Termodinâmica e Termoquímica Termodnâmca e Termoquímca Introdução A cênca que trata da energa e suas transformações é conhecda como termodnâmca. A termodnâmca fo a mola mestra para a revolução ndustral, portanto o estudo e compreensão

Leia mais

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA

PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA 658 Gaudo & Zandonade Qum. Nova Qum. Nova, Vol. 4, No. 5, 658-671, 001. Dvulgação PROPOSIÇÃO, VALIDAÇÃO E ANÁLISE DOS MODELOS QUE CORRELACIONAM ESTRUTURA QUÍMICA E ATIVIDADE BIOLÓGICA Anderson Coser Gaudo

Leia mais

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro.

Estimativa dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. Estmatva dos fluxos turbulentos de calor sensível, calor latente e CO 2, sobre cana-de-açúcar, pelo método do coespectro. O. L. L. Moraes 1, H. R. da Rocha 2, M. A. Faus da Slva Das 2, O Cabral 3 1 Departamento

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 8 (montgomery) Controle Estatístco de Qualdade Capítulo 8 (montgomery) Gráfco CUSUM e da Méda Móvel Exponencalmente Ponderada Introdução Cartas de Controle Shewhart Usa apenas a nformação contda no últmo ponto plotado

Leia mais

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO*

QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Artgos Verão 2006 QUOTAS DE MERCADO DAS EXPORTAÇÕES PORTUGUESAS: UMA ANÁLISE NOS PRINCIPAIS MERCADOS DE EXPORTAÇÃO* Sóna Cabral** Paulo Soares Esteves** 1. INTRODUÇÃO As quotas de mercado das exportações

Leia mais

Textos de política e situação económica

Textos de política e situação económica NOVO ÍNDICE CAMBIAL EFECTIVO PARA A ECONOMIA PORTUGUESA* Ana Cláuda Gouvea** Carlos Combra** 1. INTRODUÇÃO As taxas de câmbo efectvas consttuem um ndcador de síntese do poder de compra de uma moeda e,

Leia mais

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS

RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Defnções RESOLUÇÃO NUMÉRICA DE EQUAÇÕES DIFERENCIAIS Problemas de Valor Incal PVI) Métodos de passo smples Método de Euler Métodos de sére de Talor Métodos de Runge-Kutta Equações de ordem superor Métodos

Leia mais

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET

A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL PULP DEMAND IN THE INTERNATIONAL MARKET 48 CRUZ, E.S. et al. A DEMANDA DE CELULOSE NO MERCADO INTERNACIONAL Edmlson Santos Cruz 1, Antono Donzette de Olvera 2, José Roberto Soares Scolforo 2, José Lus Perera de Rezende 2 RESUMO: Este estudo

Leia mais

7 - Distribuição de Freqüências

7 - Distribuição de Freqüências 7 - Dstrbução de Freqüêncas 7.1 Introdução Em mutas áreas há uma grande quantdade de nformações numércas que precsam ser dvulgadas de forma resumda. O método mas comum de resumr estes dados numércos consste

Leia mais

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento.

Testando um Mito de Investimento : Eficácia da Estratégia de Investimento em Ações de Crescimento. Testando um Mto de Investmento : Efcáca da Estratéga de Investmento em Ações de Crescmento. Autora: Perre Lucena Rabon, Odlon Saturnno Slva Neto, Valera Louse de Araújo Maranhão, Luz Fernando Correa de

Leia mais

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC

O RISCO IDIOSSINCRÁTICO E O RISCO SISTEMÁTICO DE MERCADOS EMERGENTES: EVIDÊNCIAS ACERCA DO BLOCO BRIC XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO A Engenhara de Produção e o Desenvolvmento Sustentável: Integrando Tecnologa e Gestão. Salvador, BA, Brasl, 06 a 09 de outubro de 009 O RISCO IDIOSSINCRÁTICO

Leia mais

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014

Aula 7: Circuitos. Curso de Física Geral III F-328 1º semestre, 2014 Aula 7: Crcutos Curso de Físca Geral III F-38 º semestre, 04 Ponto essencal Para resolver um crcuto de corrente contínua, é precso entender se as cargas estão ganhando ou perdendo energa potencal elétrca

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos

Mercado de Água e o Estado: Lições da Teoria dos Jogos RBRH Revsta Braslera de Recursos Hídrcos Volume 13 n.4 Out/Dez 2008, 83-98 Mercado de Água e o Estado: Lções da Teora dos Jogos Francsco de Asss de Souza Flho Unversdade Federal do Ceará - UFC assssouzaflho@gmal.com

Leia mais

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ

PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS DO CEARÁ GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO - SEPLAG INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ - IPECE NOTA TÉCNICA Nº 29 PROJEÇÕES POPULACIONAIS PARA OS MUNICÍPIOS E DISTRITOS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA COLEGIADO DO CURSO DE DESENHO INDUSTRIAL CAMPUS I - SALVADOR Matéra / Dscplna: Introdução à Informátca Sstema de Numeração Defnção Um sstema de numeração pode ser defndo como o conjunto dos dígtos utlzados para representar quantdades e as regras que defnem a forma

Leia mais

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos

Despacho Econômico de. Sistemas Termoelétricos e. Hidrotérmicos Despacho Econômco de Sstemas Termoelétrcos e Hdrotérmcos Apresentação Introdução Despacho econômco de sstemas termoelétrcos Despacho econômco de sstemas hdrotérmcos Despacho do sstema braslero Conclusões

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização

Organização da Aula. Gestão de Obras Públicas. Aula 2. Projeto de Gestão de Obras Públicas Municipais. Contextualização Gestão de Obras Públcas Aula 2 Profa. Elsamara Godoy Montalvão Organzação da Aula Tópcos que serão abordados na aula Admnstração e Gestão Muncpal Problemas Admnstração e Gestão Muncpal Gestão do Conhecmento

Leia mais

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil.

Palavras-chave: jovens no mercado de trabalho; modelo de seleção amostral; região Sul do Brasil. 1 A INSERÇÃO E O RENDIMENTO DOS JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO: UMA ANÁLISE PARA A REGIÃO SUL DO BRASIL Prscla Gomes de Castro 1 Felpe de Fgueredo Slva 2 João Eustáquo de Lma 3 Área temátca: 3 -Demografa

Leia mais

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe

Avaliação da Tendência de Precipitação Pluviométrica Anual no Estado de Sergipe. Evaluation of the Annual Rainfall Trend in the State of Sergipe Avalação da Tendênca de Precptação Pluvométrca Anual no Estado de Sergpe Dandara de Olvera Félx, Inaá Francsco de Sousa 2, Pablo Jónata Santana da Slva Nascmento, Davd Noguera dos Santos 3 Graduandos em

Leia mais

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00)

Y X Baixo Alto Total Baixo 1 (0,025) 7 (0,175) 8 (0,20) Alto 19 (0,475) 13 (0,325) 32 (0,80) Total 20 (0,50) 20 (0,50) 40 (1,00) Bussab&Morettn Estatístca Básca Capítulo 4 Problema. (b) Grau de Instrução Procedênca º grau º grau Superor Total Interor 3 (,83) 7 (,94) (,) (,33) Captal 4 (,) (,39) (,) (,3) Outra (,39) (,7) (,) 3 (,3)

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X

ANEXO II METODOLOGIA E CÁLCULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca nº 256/2009-SRE/ANEEL Brasíla, 29 de julho de 2009 METODOLOGIA E ÁLULO DO FATOR X ANEXO II Nota Técnca n o 256/2009 SRE/ANEEL Em 29 de julho de 2009. Processo nº 48500.004295/2006-48

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO Perspectvas Globas para a Engenhara de Produção Fortaleza, CE, Brasl, 13 a 16 de outubro de 2015. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA DO PROJETO DE IMPLANTAÇÃO DE UMA LOJA DE SERVIÇO AUTOMOTIVO

Leia mais

PADRÃO DE ESPECIALIZAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DO MERCOSUL ( )

PADRÃO DE ESPECIALIZAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DO MERCOSUL ( ) 122 PADRÃO DE ESPECIALIZAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES DO MERCOSUL (2007-2014) Rodrgo Abbade da Slva 1 Mygre Lopes da Slva 2 Danel Arruda Coronel 3 Alson Geovan Schwngel Franck 4 RESUMO: Este trabalho buscou analsar

Leia mais

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico

LOGÍSTICA. Capítulo - 8 Armazenamento. Mostrar como o armazenamento é importante no sistema logístico O Papel da Logístca na Organzação Empresaral e na Economa LOGÍSTICA Capítulo - 8 Objectvos do Capítulo Mostrar como o armazenamento é mportante no sstema logístco Identfcação dos prncpas tpos de armazenamento

Leia mais

www.halten.com.br 21-3095-6006

www.halten.com.br 21-3095-6006 NÍVEL: BÁSCO www.halten.com.br 21-3095-6006 ASSUNTO:CUROSDADES SOBRE RAOS E PROTEÇÃO O QUE É O RAO? O RAO É UM FENÔMENO DA NATUREZA, ALEATÓRO E MPREVSÍVEL. É COMO SE FOSSE UM CURTO CRCUÍTO ENTRE A NUVEM

Leia mais

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como:

REGRESSÃO LOGÍSTICA. Seja Y uma variável aleatória dummy definida como: REGRESSÃO LOGÍSTCA. ntrodução Defnmos varáves categórcas como aquelas varáves que podem ser mensurados usando apenas um número lmtado de valores ou categoras. Esta defnção dstngue varáves categórcas de

Leia mais

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos

Gênero do NCM. 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 01 - Animais Vivos Gênero do NCM 02 - Carnes e miudezas 03 - Peixes, Crustaceos, Moluscos e outros invertebrados Aquaticos 04 - Produtos Comestiveis de origem animal 05 - Outros Produtos de Origem Animal

Leia mais

Controlo Metrológico de Contadores de Gás

Controlo Metrológico de Contadores de Gás Controlo Metrológco de Contadores de Gás José Mendonça Das (jad@fct.unl.pt), Zulema Lopes Perera (zlp@fct.unl.pt) Departamento de Engenhara Mecânca e Industral, Faculdade de Cêncas e Tecnologa da Unversdade

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA

ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA ENFRENTANDO OBSTÁCULOS EPISTEMOLÓGICOS COM O GEOGEBRA André Luz Souza Slva IFRJ Andrelsslva@globo.com Vlmar Gomes da Fonseca IFRJ vlmar.onseca@rj.edu.br Wallace Vallory Nunes IFRJ wallace.nunes@rj.edu.br

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO

TRANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENTE DA EDIFICAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANA CAARINA CENRO ECNOLÓGICO DEPARAMENO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL RANSFERÊNCIA DE CALOR NA ENVOLVENE DA EDIFICAÇÃO ELABORADO POR: Martn

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recfe - PE GRUPO - VI GRUPO DE ESTUDO DE COMERCIALIZAÇÃO, ECONOMIA E REGULAÇÃO DE ENERGIA

Leia mais

PRIORIDADE BRASILEIRA ENTRE ACORDOS DE LIVRE COMÉRCIO: UMA APLICAÇÃO DE EQUILÍBRIO GERAL ALIADO À TEORIA DOS JOGOS

PRIORIDADE BRASILEIRA ENTRE ACORDOS DE LIVRE COMÉRCIO: UMA APLICAÇÃO DE EQUILÍBRIO GERAL ALIADO À TEORIA DOS JOGOS PRIORIDADE BRASILEIRA ENTRE ACORDOS DE LIVRE COMÉRCIO: UMA APLICAÇÃO DE EQUILÍBRIO GERAL ALIADO À TEORIA DOS JOGOS Lucano Menezes Bezerra Sampao Professor Adjunto de Economa, Dept. de Economa/PPGE, UFPB.

Leia mais