RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal. 1 Panorama do País"

Transcrição

1 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGES RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Portugal 1 Panorama do País Em 2011, Portugal apresentou um PIB Nominal de US$ 328 bilhões, um PIB per capita de US$ e uma variação anual do índice de preços ao consumidor de 3,7%. Além disto, Portugal apresentou uma população de 10,7 milhões de habitantes e uma densidade demográfica de 116 habitantes / km², conforme dados do Ministério das Relações Exteriores do Brasil. No comércio exterior de 2011, Portugal exportou US$ 59 bilhões e importou US$ 80 bilhões, apresentando assim um saldo deficitário na sua Balança Comercial de US$ 21 bilhões. O Gráfico 01 apresenta a evolução do comércio exterior de Portugal de 2009 a FONTE: ONU / COMTRADE 1

2 2 Comércio Bilateral Brasil - Portugal Em 2011, as exportações brasileiras para Portugal totalizaram US$ 2 bilhões e as importações desse País somaram US$ 800 milhões, ou seja, o Brasil teve um superávit no saldo comercial de US$ 1,2 bilhão, conforme mostra o Gráfico 02. FONTE: MDIC / SECEX Neste cenário, pode ser colocada a seguinte questão: como selecionar produtos prioritários na pauta de exportação brasileira que sejam competitivos nesse mercado? Para tanto, optou-se pelo Sistema Radar Comercial desenvolvido pela Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Tal sistema de busca e cruzamento de dados estatísticos, que permite a identificação de oportunidades comerciais nesse país - produtos ao nível de seis dígitos do Sistema Harmonizado (SH-6). Desse modo, serão identificadas oportunidades de negócios para os exportadores brasileiros, bem como serão indicados os Setores Prioritários que possam ser objetos nas estratégias de promoção comercial do governo e da iniciativa privada. 2

3 3 Análise do Mercado de Portugal Analisando os dados relativos ao triênio , o Sistema Radar Comercial selecionou 318 Produtos Prioritários, que representaram US$ 38,1 bilhões de Potencial Importador a ser Explorado no curto, médio e longo prazos, conforme mostra o Gráfico 03. No curto prazo foram selecionados 99 produtos, 118 no médio prazo e 101 no longo prazo, que corresponderam a 57,9% das importações totais desse mercado em Os 99 Produtos Prioritários no curto prazo representam um Potencial Importador a ser Explorado (PIE) de US$ 20,9 bilhões. Os Produtos Prioritários no médio e no longo prazo produtos que têm alto Potencial Importador a ser Explorado, mas médio e baixo Desempenho Exportador Brasileiro somaram um Potencial Importador a ser Explorado de US$ 9,5 bilhões e US$ 7,7 bilhões, respectivamente. Ressalta-se que o PIE indica o tamanho do mercado, de cada produto, que pode ser ocupado pelo Brasil no país alvo, deslocando os concorrentes. Logo, PIE é o valor das importações do país alvo (média do triênio em análise) menos as importações provenientes do Brasil. 3

4 Os produtos selecionados como prioritários envolvem 53 setores, sendo que o mais representativo é o de Petróleo e derivados, com US$ 10,4 bilhões de Potencial Importador a ser Explorado. A Tabela 01 mostra os principais Setores Prioritários que apresentaram Potencial Importador a ser Explorado acima de US$ 1,7 bilhãos de dólares. Tabela 01 Setores Prioritários com Potencial Importador a ser Explorado (PIE) > US$ 1,7 bilhão - Portugal Setores PIE US$ bilhões Quantidade de Produtos Prioritários - SH6 Prazo Médio Prazo Longo Prazo Total Petróleo e derivados 10, Veículos automotores e suas partes 6, Materiais elétricos e eletro-eletrônicos 2, Produtos metalúrgicos 1, Plásticos e suas obras 1, Os principais setores constantes da Tabela 01 representaram, juntos, 44,75% do total das importações de Portugal dados de 2011 conforme mostra o Gráfico 04. FONTE: MDIC / SECEX / RADAR A Tabela 02 mostra os treze Produtos Prioritários, os quais apresentaram, no período analisado, Potencial Importador a ser Explorado (PIE) acima de US$ 319 milhões de 4

5 dólares. Tabela 02 Produtos com Potencial Importador a ser Explorado (PIE) > US$ 319 milhões SH Descrição PIE US$ 1000 Setor Prioridade Óleos brutos de petróleo ou de minerais betuminosos Automóveis de passageiros, incluídos os veículos de uso misto (station wagons) e os automóveis de corrida, com motor de pistão, de ignição por compressão, de cilindrada > cm3 e <= cm3 - automóvel carros Outros óleos de petróleo ou de minerais betuminosos e preparações, exceto desperdícios Outras partes e acessórios, para veículos automóveis das posições a Gás natural, liquefeito Médio Automóveis de passageiros, incluídos os veículos de uso misto (station wagons) e os automóveis de corrida, com motor de pistão, de ignição por compressão (diesel ou semidiesel), de cilindrada <= cm3 - automóvel carros Médio Gás natural no estado gasoso Longo Óleos leves de petróleo ou de minerais betuminosos e preparações, exceto desperdícios Caixas de marchas (velocidade) e suas partes, para veículos automóveis das posições 8701 a Hulha betuminosa, não aglomerada Longo Fios de cobre refinado, com a maior dimensão da seção transversal > 6 mm METAIS NÃO- FERROSOS Automóveis de passageiros, incluídos os veículos de uso misto (station wagons) e os automóveis de corrida, com motor de pistão alternativo, de ignição por centelha, de cilindrada > cm3 e <= cm3 - automóvel carros Milho, exceto para semeadura CEREAIS EM GRÃO E ESMAGADOS Neste triênio, alguns dos Produtos Prioritários apresentaram performance decrescente, indicando que apesar desses produtos serem altamente demandados naquele mercado importador, o Brasil vem perdendo market-share. Os 15 principais Produtos Prioritários em 5

6 valor de Potencial Importador a ser Explorado, cuja Performance brasileira nesse mercado foi decrescente no triênio analisado constam na Tabela 03. Tabela 03 Principais produtos prioritários com performance brasileira decrescente no mercado português SH Descrição PIE US$ 1000 Participação do Brasil nas Importações desse mercado Outros produtos de beleza ou de maquilagem preparados Reagentes de diagnóstico ou de laboratório, em qualquer suporte ou preparados, exceto os das posições 3002 ou 3006; materiais de referência certificados Outros peixes frescos ou refrigerados, exceto fígado, ovas, sêmen, ou filés e outras carnes da posição pescados ,365% 0,252% 0,250% ,003% 0,000% 0,000% ,298% 0,120% 0,042% Camarões congelados ,122% 0,000% 0,000% Suéteres, pulôveres, cardigãs, coletes e artigos semelhantes, de malha, de algodão ,017% 0,016% 0,002% Outros chocolates e preparações alimentícias contendo cacau ,688% 0,711% 0,472% Outros móveis de madeira ,834% 1,733% 1,220% Perfumes (extratos) e águas-de-colônia ,406% 0,904% 1,209% Outras máquinas e aparelhos mecânicos com função própria ,079% 0,014% 0,030% Construções e suas partes, de ferro fundido, ferro ou aço ,055% 0,001% 0,021% Sorvetes, mesmo contendo cacau ,271% 0,464% 0,000% Produtos laminados planos, de ferro ou aços não ligados, de largura => 600 mm, não enrolados, laminados a quente, de espessura > 10 mm, não folheados nem revestidos - siderúrgicos ,392% 3,702% 0,635% Lentes de outras matérias, para óculos ,015% 0,000% 0,000% Outros interruptores, seccionadores e comutadores, de circuitos elétricos para tensão <= 1 kv Preparações e conservas de atuns, bonitoslistrados e bonitos-cachorros, inteiros ou em pedaços, exceto peixes picados ,104% 0,049% 0,043% ,751% 0,000% 0,000% 6

7 Entretanto, alguns Produtos Prioritários não são exportados pelo Brasil para esse mercado, apesar de serem exportados em grande escala para outros países, como é o caso de alguns Produtos Prioritários no curto prazo que estão na Tabela 04. Tabela 04 Principais Produtos Prioritários em Portugal ( Prazo) não exportados pelo Brasil para aquele mercado SH Descrição PIE US$ 1000 Exportações do Brasil para outros Países - US$ Automóveis de passageiros, incluídos os veículos de uso misto (station wagons) e os automóveis de corrida, com motor de pistão, de ignição por compressão, de cilindrada > cm3 e <= cm3 - automóvel carros Fios de cobre refinado, com a maior dimensão da seção transversal > 6 mm Pneus novos de borracha dos tipos utilizados em automóveis de passageiros Motores de pistão, de ignição por compressão, diesel ou semi-diesel, utilizados para propulsão de veículos do capítulo Tratores rodoviários para semi-reboques Outros tratores Pneus novos de borracha dos tipos utilizados em ônibus ou caminhões Outros éteres acíclicos e seus derivados halogenados, sulfonados, nitrados ou nitrosados Acrilonitrila Benzeno Conclusões Nessa análise foram selecionados os Produtos Prioritários que apresentaram maior potencialidade para o incremento das exportações do Brasil para esse mercado no curto, médio e longo prazo, de acordo com critérios pré-estabelecidos. Assim, caso o Brasil conquiste 1,00% do Potencial Importador a ser Explorado (PIE) dos 7

8 produtos selecionados como prioritários nesse mercado por meio de deslocamento de concorrentes, ocorreria um aumento nas suas exportações em US$ 381 milhões. Vale lembrar que todos os produtos prioritários são dinâmicos ou estáveis, ou seja, produtos cuja demanda está crescendo a uma taxa igual ou superior à taxa de crescimento das importações totais desse mercado. A ocupação dos novos espaços gerados pelo aumento dessa demanda importadora é outra oportunidade para o Brasil ampliar sua participação nesse mercado. Nessa análise, foram selecionados os Setores Prioritários que podem ser objetos nas estratégias de promoção comercial do governo e da iniciativa privada, os quais poderão dar preferência aos 5 maiores Setores Prioritários, pois representaram juntos 44,75% do total das importações de Portugal em Além disto, para serem objetos de uma política ativa de promoção às exportações, podería-se selecionar os Produtos Prioritários que fossem dinâmicos. 8

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado de Luxemburgo. 1 Panorama do País Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Croácia Secretaria de Comércio Exterior SECEX - MDIC Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de Produção Estatística CGPE RADAR COMERCIAL A Croácia foi a sexagésima

Leia mais

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos

Gráfico 01 - Evolução do comércio exterior da Dinamarca - 2008-2010. 2008 2009 2010 Anos Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC BALANÇA COMERCIAL DE SC BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 EXPORTAÇÕES CATARINENSES - DEZEMBRO/2015 As exportações catarinenses cresceram 1,10 no mês de dezembro de 2015 em relação

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Malta (2003-2005)

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da Malta (2003-2005) Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Namíbia - Síntese País

Namíbia - Síntese País Informação Geral sobre a Namíbia Área (km 2 ): 824 269 Primeiro-Ministro: Saara Kuugongelwa-Amadhila População (milhões hab.): 2,2 (estimativa ) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China

Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China Oportunidades de Negócios e Parcerias entre Santa Catarina e China China Brazil Santa Catarina Santa Catarina Dados Gerais SANTA CATARINA Área: 95,442 Km² População: 6,38 Milhões (2012) Densidade: 67 habitantes/km²

Leia mais

BELIZE Comércio Exterior

BELIZE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BELIZE Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Países Íbero-Americanos Comércio Exterior

Países Íbero-Americanos Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Países Íbero-Americanos Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice.

Leia mais

Associação Latino-Americana de Integração Comércio Exterior

Associação Latino-Americana de Integração Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Associação Latino-Americana de Integração Comércio Exterior Outubro

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC. Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior - DEPLA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC. Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior - DEPLA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior - DEPLA Aspectos Relevantes

Leia mais

Janeiro 2012 Perspectivas para a balança comercial da Argentina [pág. 02] Criação da Secretaria de Comércio Exterior

Janeiro 2012 Perspectivas para a balança comercial da Argentina  [pág. 02] Criação da Secretaria de Comércio Exterior Janeiro 2012 Perspectivas para a balança comercial da Argentina: a forte seca que atinge a Argentina poderá reduzir as exportações de commodities e aumentar a importação de energia, com reflexos importantes

Leia mais

Coeficientes de Exportação e Importação

Coeficientes de Exportação e Importação Coeficientes de Exportação e Importação Resultados do 1º trimestre de 2012 DEREX Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior Roberto Giannetti da Fonseca Diretor Titular Maio de 2012 1.

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior

ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ILHAS SALOMÃO Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

AUSTRÁLIA Comércio Exterior

AUSTRÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC AUSTRÁLIA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Brasil - Síntese País

Brasil - Síntese País Informação Geral sobre o Brasil Área (km 2 ): 8 547 400 Vice-Presidente: Michel Temer População (milhões hab.): 202,8 (estimativa 2014) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Brasília

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM OS EUA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM OS EUA Exportações 2.105.266 1.787.108 1.340.039 1.012.141 1.333.325-8,2 31,7 Importações 780.797 953.828 1.030.620 864.390 843.343 2,9-2,4 Saldo 1.324.469 833.280 309.419 147.751 489.982 -- -- Coef. Cob. 269,6%

Leia mais

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio do Agronegócio Edição 2010 África do Sul Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Bangladesh Canadá China Cingapura Colômbia Coréia do Sul Egito

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE CHAPECÓ, 08/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE JARAGUÁ DO SUL, 05/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor:

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

03037900 Outros 03037900 "Jurel" e "tojo" C3.g 03037900 Exceto "jurel" e "tojo" B3

03037900 Outros 03037900 Jurel e tojo C3.g 03037900 Exceto jurel e tojo B3 ACORDO MERCOSUL - PERU ANEXO II-B - PROGRAMA DE LIBERALIZAÇÃO COMERCIAL Apêndice VII Desgravação da República do Paraguai à República do Peru com dois ou mais cronogramas aplicáveis a cada item NALADI/SH

Leia mais

Ferramentas Eletrônicas de Apoio ao Comércio Exterior

Ferramentas Eletrônicas de Apoio ao Comércio Exterior MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior - DEPLA Ferramentas Eletrônicas

Leia mais

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014

MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 MAPA ESTRATÉGICO DO COMÉRCIO EXTERIOR CATARINENSE BLUMENAU, 03/12/2014 Focos estratégicos Diversificação e agregação de valor: incentivar a diversificação de mercados e a agregação de valor à pauta exportadora

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS DE MINAS GERAIS EM PORTUGAL MISSÃO MG OURÉM

OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS DE MINAS GERAIS EM PORTUGAL MISSÃO MG OURÉM OPORTUNIDADES PARA EMPRESAS DE MINAS GERAIS EM PORTUGAL MISSÃO MG OURÉM MINAS GERAIS x PORTUGAL PANORAMA INTERNACIONAL INTERCÂMBIO COMERCIAL COM PORTUGAL Brasil Exportações US$ 822 Mi Minas Gerais Exportações

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ARGÉLIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ARGÉLIA 2006 2007 2008 Var % a 06/10 Exportações 72.858 79.841 181.189 197.445 216.674 38,8 9,7 Importações 896.599 577.541 706.684 274.938 269.391-19,1-2,0 Saldo -823.741-497.700-525.495-77.493-52.717 -- -- Coef.

Leia mais

Nova Zelândia - Síntese País

Nova Zelândia - Síntese País Informação Geral sobre a Nova Zelândia Área (km 2 ): 270 534 Primeiro-Ministro: John Key População (milhões hab.): 4,6 () Risco de crédito: (*) Capital: Wellington Risco do país: AA (AAA = risco menor;

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal - Filipinas Fevereiro 2010 Relações Económicas Portugal Filipinas (Fevereiro 2010) Índice 1. Relações Económicas Portugal Filipinas 3 1.1. Comércio

Leia mais

São Paulo, 16 de julho de 2013.

São Paulo, 16 de julho de 2013. São Paulo, 16 de julho de 2013. Junho 2013 Balança comercial tem resultado inesperado em junho: o resultado da balança comercial brasileira surpreendeu as expectativas para o mês de junho. O superávit

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da França,

RADAR COMERCIAL Análise do Mercado da França, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior SECEX Departamento de Planejamento e Desenvolvimento do Comércio Exterior DEPLA Coordenação Geral de

Leia mais

Produção Industrial Setembro de 2014

Produção Industrial Setembro de 2014 Produção Industrial Setembro de 2014 PRODUÇÃO INDUSTRIAL DE SANTA CATARINA - SETEMBRO/14 Conforme esperado, o segundo semestre está sendo melhor do que o primeiro. Estamos no terceiro mês consecutivo de

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA A INDÚSTRIA DA ALIMENTAÇÃO NO BRASIL A Tecnologia Italiana a favor da Indústria Alimentar Brasileira Apresentação CIBUS Brasil - 21/11/2002 - Presiden/Tecnologia Italiana 1 I - INTRODUÇÃO

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal Cuba Novembro 2010 Relações Económicas Portugal Cuba (Novembro 2010) Índice 1. Relações Económicas Portugal Cuba 3 1.1 Comércio 3 1.1.1 Importância

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal - Paraguai Novembro 2010 Índice 1. Relações Económicas Portugal Paraguai 3 1.1 Comércio 3 1.1.1 Importância do Paraguai nos fluxos comerciais para

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 APRESENTAÇÃO Minas Gerais se consolida como um dos mais importantes estados exportadores do Brasil, pela grande produção de commodities e pelos esforços

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. www.radarcomercial.mdic.gov.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX. www.radarcomercial.mdic.gov. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX www.radarcomercial.mdic.gov.br O Sistema Radar Comercial é uma ferramenta de inteligência comercial,

Leia mais

LIBÉRIA Comércio Exterior

LIBÉRIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC LIBÉRIA Comércio Exterior Setembro de 2015 Tabela 1 Principais

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica

TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica TAXA DE CÂMBIO EFETIVA REAL Nota Metodológica (Atualizada em março de 2015) Foram construídas quarenta e três taxas de câmbio efetivas reais, sendo trinta e seis taxas de exportação e sete taxas de importação.

Leia mais

1. Balança Comercial do Ceará

1. Balança Comercial do Ceará Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003 INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO A Marco Antônio Martins da Costa Melucci Friedhlde Maria Kutner Manolescu -Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas FCSA Universidade do Vale do Paraíba. Av. Shishima

Leia mais

Capítulo 87. Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios

Capítulo 87. Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios Capítulo 87 Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios Notas. 1. O presente Capítulo não compreende os veículos concebidos para circular unicamente sobre

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 11 Novembro 2008

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 11 Novembro 2008 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 11 Novembro 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

PORTARIA Nº 285 DE 10 DE AGOSTO DE 2007

PORTARIA Nº 285 DE 10 DE AGOSTO DE 2007 PORTARIA Nº 285 DE 10 DE AGOSTO DE 2007. Publicado no D.O.E. nº 9.615, de 16 de agosto de 2007.. Alterado pela Portaria 351, de 1º de junho de 2012. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA FAZENDA E GESTÃO PÚBLICA,

Leia mais

VÉÇáâÄtwÉ wx Ät exñøuä vt TÜzxÇà Çt xç ftäätwéü Ut{ t D

VÉÇáâÄtwÉ wx Ät exñøuä vt TÜzxÇà Çt xç ftäätwéü Ut{ t D VÉÇáâÄtwÉ wx Ät exñøuä vt TÜzxÇà Çt xç ftäätwéü Ut{ t D COMERCIO BILATERAL BAHIA X ARGENTINA 1996/2007 PERÍODOS EXPORTACIONES IMPORTACIONES SALDOS CORR. DE COM. 1996 268.480 203.861 64.619 472.341 1997

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ÁFRICA DO SUL, ANGOLA E MOÇAMBIQUE

OPORTUNIDADES PARA AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ÁFRICA DO SUL, ANGOLA E MOÇAMBIQUE OPORTUNIDADES PARA AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ÁFRICA DO SUL, ANGOLA E MOÇAMBIQUE Gerência de Inteligência e Estratégia de Negócios Núcleo África e Oriente Médio Julho/2015 AGENDA Comparação de mercados

Leia mais

Clique para editar o estilo do título mestre

Clique para editar o estilo do título mestre Clique para editar os estilos do texto Atendimento à SE/CZPE Manoel Franco Jr. Analista - Gerência Executiva de Estratégia de Mercados Brasília, 15 de abril de 2015 24/04/2015 1 Clique para editar os estilos

Leia mais

Exportações 2014 Importações 2014 Valor % do total Valor % do total Linha de Transmissão

Exportações 2014 Importações 2014 Valor % do total Valor % do total Linha de Transmissão O meio de transporte utilizado para o transporte de mercadorias configura um importante fator a ser considerado na análise do comércio externo, pois responde por uma parte importante do custo do produto.

Leia mais

Brasil-China no Século XXI

Brasil-China no Século XXI Brasil-China no Século XXI Pespectivas para uma Parceria de Sucesso Gabriel Stoliar Diretor Executivo de Planejamento e Gestão Abril 2004 1 A progressão da economia chinesa é um dos fenômenos deste início

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Ministério do Meio Ambiente Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: MMA/IBAMA Data: 20/08/2008 Processo n 02000.000611/2004-15 Assunto: Proposta de revisão da Resolução nº 258/99, que determina

Leia mais

Rússia Oportunidades de exportação

Rússia Oportunidades de exportação Rússia Oportunidades de exportação Research Sectorial Fórum Missão Exportar 11 de Dezembro de 2008 Top 10 exportações de mercadorias portuguesas, 2008 E (% total) Obras de ferro fundido, ferro ou aço 2.9%

Leia mais

Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China

Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China Dinâmica Internacional: EUA e Europa estagnados e ascensão da China Eduardo Costa Pinto Técnico de pesquisa e planejamento DINTE/IPEA 05 de outubro de 2011 Salvador/Ba Estrutura da Apresentação Parte I

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS

BULGÁRIA DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS BULGÁRIA

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

Perfil Exportador do Estado do Rio de Janeiro

Perfil Exportador do Estado do Rio de Janeiro Perfil Exportador do Estado do Rio de Janeiro 2013 Apex-Brasil Maurício Borges PRESIDENTE Rogério Bellini DIRETOR DE NEGÓCIOS Regina Maria Silverio DIRETORA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO Marcos Tadeu Caputi

Leia mais

Mercados. informação global. Relações Económicas Portugal - Angola

Mercados. informação global. Relações Económicas Portugal - Angola Mercados informação global Relações Económicas Portugal - Angola Abril 2009 Índice Relações Económicas Portugal Angola 3 1 Comércio 3 1.1 Importância de Angola nos fluxos comerciais de Portugal 3 1.2 Balança

Leia mais

Exportação e importação

Exportação e importação 17 Exportação e importação Este capítulo, com 12 tabelas, possui informações sobre uma série histórica da Balança Comercial de Mato Grosso no período de 1995 a 2004. Para o ano de 2004 são apresentadas

Leia mais

IMPA P C A T C O T O D O CUST S O T O BRA

IMPA P C A T C O T O D O CUST S O T O BRA IMPACTO DO CUSTO BRASIL E DO CÂMBIO NA INDÚSTRIA BRASILEIRA (2004/2010) Janeiro/2011 IMPACTO DO CUSTO BRASIL E DO CÂMBIO E NA INDÚSTRIA BRASILEIRA (2004/2010) O CUSTO BRASIL E O CÂMBIO Custo Brasil Indústria

Leia mais

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010 Artur Alves Enquadramento A rede de países da CPLP apresenta um conjunto de valências, que exploradas

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p

= igual + mais - menos parte CODIGO. = 0 1 relacionados + 81p - C O R R E S P. = igual + mais - menos p - Rev.1 OBSERVAÇÕES 0 1 Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades dos serviços = 0 1 relacionados + 81p Agricultura, produção a n i m a l, caça e actividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

CENTRO INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS. Itajaí, 06 de abril de 2011

CENTRO INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS. Itajaí, 06 de abril de 2011 CENTRO INTERNACIONAL DE NEGÓCIOS Itajaí, 06 de abril de 2011 Apresentação DVD Institucional da FIESC Contextualização de Santa Catarina Centro Internacional de Negócios CIN Sistema de Emissão de Certificados

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Argélia. Balança Comercial Total e Agrícola. Argélia 2007 2011 Var. Média Anual (%) Agrícola* 5.548.971 10.785.529 18,1% Part.

Argélia. Balança Comercial Total e Agrícola. Argélia 2007 2011 Var. Média Anual (%) Agrícola* 5.548.971 10.785.529 18,1% Part. Argélia Argélia Capital: Argel População 1 : 36,0 milhões de habitantes PIB (2011) 2 : US$ 190,71 bilhões PIB per capita (2011) 2 : US$ 5.304 PIB por setor 3 : Agricultura: 12% Indústria: 56,5% Serviços:

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos

Fevereiro/2014. Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento. Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos Fevereiro/2014 Cenário Econômico: Piora das Perspectivas de Crescimento Departamento t de Pesquisas e Estudos Econômicos 1 Retrospectiva 2013 Frustração das Expectativas 2 Deterioração das expectativas

Leia mais

Capítulo 87. Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios

Capítulo 87. Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios Capítulo 87 Veículos automóveis, tratores, ciclos e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios Notas. 1.- O presente Capítulo não compreende os veículos concebidos para circular unicamente sobre

Leia mais

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Aqilah Salah Issa Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = 1,51778 LYD (abr.

Risco do país: D (A1 = risco menor; D = risco maior) Chefe de Estado: Aqilah Salah Issa Tx. câmbio (fim do período): 1 EUR = 1,51778 LYD (abr. Informação Geral sobre a Líbia Área (km 2 ): 1 759 540 Primeiro-Ministro: Abdullah al-thini População (milhões hab.): 6,3 (estimativas ) Risco de crédito: 7 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991

TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991 ISSN 1415-4765 TEXTO PARA DISCUSSÃO N o 991 A FORMAÇÃO DA ALCA E SEU IMPACTO NO POTENCIAL EXPORTADOR BRASILEIRO PARA OS MERCADOS DOS ESTADOS UNIDOS E DO CANADÁ João Alberto De Negri Jorge Saba Arbache

Leia mais

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço

Capítulo 73. Obras de ferro fundido, ferro ou aço Capítulo 73 Obras de ferro fundido, ferro ou aço Notas. 1.- Neste Capítulo, consideram-se de ferro fundido os produtos obtidos por moldação nos quais o ferro predomina em peso sobre cada um dos outros

Leia mais

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE JULHO 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Simão Robison Oliveira Jatene Governador do Estado do

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ

SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ PLANO ESTADUAL DE LOGÍSTICA E TRANSPORTES DO ESTADO DO PARÁ PERFIL ECONÔMICO E INSERÇÃO INTERNACIONAL DO PARÁ SÃO PAULO MARÇO/2009 EQUIPE TÉCNICA Carlos

Leia mais

Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais

Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais 2013 1 Apex-Brasil Maurício Borges PRESIDENTE José Ricardo Santana DIRETOR DE NEGÓCIOS Tatiana Martins Porto DIRETORA DE GESTÃO CORPORATIVA Marcos Tadeu Caputi

Leia mais

GUIA DE PREENCHIMENTO

GUIA DE PREENCHIMENTO GUIA DE PREENCHIMENTO RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS (RAPP) EMISSÕES ATMOSFÉRICAS EMISSÕES DE POLUENTES ATMOSFÉRICOS VERSÃO 2 IBAMA JANEIRO,

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS

INDICADORES ECONÔMICO-FISCAIS GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA - SEF DIRETORIA DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO DIOR NOTA EXPLICATIVA: A DIOR não é a fonte primária das informações disponibilizadas neste

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima

A Mineração e a. Política Nacional de Mudança do Clima Secretaria de Geologia, A e a Política Nacional de Mudança do Clima Departamento de Desenvolvimento Sustentável na Secretaria de Geologia, Ministério das Minas e Energia Secretaria de Geologia, SUMÁRIO

Leia mais

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III Julho de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL TÊXTIL E CONFECÇÃO Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e

Leia mais

Figura 1- Fabricação de carrocerias de automóveis. Os aços microligados ao nióbio apresentam ótimas propriedades mecânicas e soldabilidade.

Figura 1- Fabricação de carrocerias de automóveis. Os aços microligados ao nióbio apresentam ótimas propriedades mecânicas e soldabilidade. HISTÓRIA DO NIÓBIO O nióbio foi descoberto na Inglaterra em 1801 por Charles Hatchett, que na época o denominou de colúmbio. Posteriormente, o químico alemão Heinrich Rose, pensando haver encontrado um

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013

Pesquisa Industrial- Empresa. Pesquisa Industrial- Produto. Data 21/06/2013 Pesquisa Industrial- Empresa 2011 Pesquisa Industrial- Produto Data 21/06/2013 Apresentação Aspectos metodológicos Análise de resultados Resultados gerais em 2011 Estrutura das receitas, dos custos e despesas,

Leia mais

PORTARIA MDIC Nº 251, DE 22 DE OUTUBRO 2001. Art. 2º Para os efeitos do Acordo Bilateral, e desta Portaria definir:

PORTARIA MDIC Nº 251, DE 22 DE OUTUBRO 2001. Art. 2º Para os efeitos do Acordo Bilateral, e desta Portaria definir: PORTARIA MDIC Nº 251, DE 22 DE OUTUBRO 2001. Regulamenta a execução do Trigésimo Protocolo Adicional ao Acordo de Complementação Econômica nº 14, entre os Governos da República Federativa do Brasil e da

Leia mais

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS

AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS AS MELHORES OPORTUNIDADES DE EMPREGO NO SETOR DE SERVIÇOS O setor de serviços é, tradicionalmente, a principal porta de entrada no mercado de trabalho. Responsável por aproximadamente 60% do produto interno

Leia mais

Levanta informações sobre a linha de. produção de todas as empresas com 30 ou. mais pessoas ocupadas. Cerca de 36,5 mil

Levanta informações sobre a linha de. produção de todas as empresas com 30 ou. mais pessoas ocupadas. Cerca de 36,5 mil PIA - Produto Levanta informações sobre a linha de produção de todas as empresas com 30 ou mais pessoas ocupadas. Cerca de 36,5 mil empresas informam a quantidade produzida, a quantidade vendida e o valor

Leia mais

ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário

ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário ENCONTRO 4 Transporte Rodoviário e Ferroviário TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! No encontro passado você conheceu as particularidades e características

Leia mais