MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015"

Transcrição

1 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014) I.a Setores do Agronegócio As exportações do agronegócio diminuíram de US$ 7,97 bilhões em março de 2014 para US$ 7,88 bilhões em março de 2015, o que significou uma queda de 1,1%. As importações, por sua vez, também tiveram decréscimo, de 0,5%, com redução das aquisições de US$ 1,42 bilhão em março de 2014 para US$ 1,41 bilhão em março de Como resultado da queda mais acentuada das exportações, o saldo positivo no comércio dos produtos do agronegócio diminuiu de US$ 6,55 bilhões em março de 2014 para US$ 6,47 bilhões em março de A queda generalizada dos preços médios de exportação dos principais produtos do agronegócio brasileiro continua impactando negativamente as exportações. Foram poucas as exceções nesse cenário de queda: cacau e seus produtos (+19,3%); café em grão (+13,5%); animais vivos (+14,2%); carne bovina industrializada (+8,1%); café solúvel (+4,8%); produtos lácteos (+4,8%); e couros e seus produtos (+1,3%). Em março de 2015, os cinco principais setores exportadores do agronegócio foram: complexo soja, carnes, produtos florestais, complexo sucroalcooleiro e café. Estes setores foram responsáveis, em conjunto, por 79,9% do valor total exportado pelo Brasil em produtos do agronegócio no mês de março. O complexo soja foi o principal setor exportador no mês de março. As vendas externas do setor foram de US$ 2,81 bilhões ou o equivalente a 35,6% do total exportado em produtos do agronegócio no mês. O produto com maior registro de exportação no setor foi a soja em grão, com embarques de 5,6 milhões de toneladas exportadas no mês, ou uma quantidade 10,2% inferior a exportada em março de A agregação dessa quantidade menor com um preço médio de exportação 21,7% inferior fez com que o valor de exportação da soja em grão tivesse redução de 29,7%. Além da queda na exportação da soja em grão, houve queda nas vendas de óleo de soja, que recuaram de US$ 113,64 milhões em março de 2014 para US$ 49,83 milhões em março de 2015 (-56,2%). Por outro lado, as exportações de farelo de soja tiveram incremento, passando de US$ 362,65 milhões em março de 2014 para US$ 545,18 milhões em março de 2015 (+50,3%). As exportações de carnes foram de US$ 1,17 bilhão em março de 2015 (-6,0%), o que colocou o setor na segunda posição dentre os principais setores exportadores de março. Apesar da colocação, todos os tipos de carnes exportadas registraram redução das vendas externas, em valor. As exportações de carne de frango foram de US$ 571,92 milhões (-4,0%), devido à redução de 11,0% nos preços médios de exportação, uma vez que quantidade exportada aumentou 7,8%. Houve queda também nas exportações de carne bovina (-4,6%), que passaram de US$ 484,96 milhões em março de 2014 para US$ 462,70 milhões em março de As vendas externas de carne suína caíram 19,1%, de US$ 104,05 milhões em março de 2014 para US$ 84,16 em março de 2015, enquanto as

2 exportações de carne de peru caíram de US$ 31,46 milhões em março de 2014 para US$ 22,76 milhões em março de 2015 (-27,6%). Os produtos florestais ficaram na terceira posição dentre os principais setores exportadores, com aumento nas exportações de US$ 731,77 milhões em março de 2014 para US$ 920,93 milhões em março de 2015 (+25,9%). Esse incremento do valor exportado foi obtido em função do aumento na quantidade exportada em 38,8%, apesar da diminuição de 9,3% no preço médio de exportação dos produtos do setor. As exportações de papel e celulose foram de US$ 638,79 milhões (+24,5%), enquanto as exportações de madeira e suas obras foram de US$ 282,12 milhões (+29,0%). Na quarta posição, o complexo sucroalcooleiro registrou aumento das exportações de 29,1%, atingindo US$ 826,77 milhões em exportações. O principal produto exportado do setor, o açúcar, ampliou as vendas de US$ 587,48 milhões em março de 2014 para US$ 763,93 milhões em março de A quantidade embarcada de açúcar subiu de 1,55 milhões de toneladas para 2,20 milhões de toneladas (+41,8%), o que explica a expansão das exportações do setor, uma vez que o preço médio de exportação do açúcar caiu 8,3% no ano. Em março, o café ficou na quinta posição entre os setores exportadores do agronegócio. As vendas externas de café em grão subiram de US$ 409,26 milhões em março de 2014 para US$ 519,71 milhões em março de 2015 (+27,0%). No mês, houve elevação da quantidade embarcada de 11,9% e de 13,5% nos preços médios de exportação. Além da expansão nas exportações de café em grão, as vendas externas de café solúvel subiram de US$ 37,64 milhões em março de 2014 para US$ 50,78 milhões em março de 2015 (+34,9%). As importações dos produtos do agronegócio caíram de US$ 1,42 bilhão em março de 2014 para US$ 1,41 bilhão em março de 2015 (-0,5%). Os principais produtos do agronegócio adquiridos em março foram: papel e celulose (US$ 127,62 milhões; -4,9%); trigo (US$ 120,74 milhões; -24,5%); lácteos (US$ 37,0 milhões; +50,7%); borracha natural (US$ 35,83 milhões; -22,5%); óleo de palma (US$ 32,95 milhões; +40,2%); e azeite de oliva (US$ 31,10 milhões; -8,1%). I.b Blocos Econômicos e Regiões Geográficas Em relação ao montante exportado em produtos do agronegócio, a Ásia foi a mais importante região geográfica em aquisições no mês de março, com registro de US$ 3,62 bilhões. Esse montante representou 45,9% do valor total exportado pelo Brasil no mês. Apesar da elevada participação, houve queda de 11,3% nas exportações ao continente, o que reduziu a participação da Ásia em mais de cinco pontos percentuais. 2

3 A União Europeia ficou na segunda posição, com registro de US$ 1,65 bilhão em exportações ou 21,0% de participação no total exportado. As exportações ao bloco tiveram expansão de 12,4% no mês de março. Outras regiões geográficas ou blocos que tiveram incremento nas exportações em março foram: Oceania (US$ 19,37 milhões; +38,4%); demais da Europa Ocidental (US$ 65,43 milhões; +31,5%); NAFTA (US$ 676,37 milhões; +27,0%); MERCOSUL (US$ 200,00 milhões; +13,1%); e África (US$ 532,50 milhões; +10,3%). I.c Países A China foi a principal parceira comercial do agronegócio brasileiro em março. Somente esse país asiático adquiriu US$ 2,20 bilhões em produtos do setor, o que representou 27,9% do total exportado. Essa cifra superou as aquisições, por exemplo, da União Europeia, que foram de US$ 1,65 bilhão. Não obstante a elevada participação, a China registrou a maior queda nas aquisições entre os principais parceiros do agronegócio brasileiro no mês, com redução de 23,7% no valor adquirido. A diminuição das compras ocorreu, sobretudo, em função da diminuição da quantidade (-11,3%) e do preço médio (-21,6%) de exportação da soja em grão ao país asiático. Dois países asiáticos se destacaram nas exportações do mês: Indonésia e a Coreia do Sul, com expansão de 156,9% e 125,1%, respectivamente, nas aquisições de produtos do agronegócio brasileiro. Ambos os países aumentaram as aquisições de farelo de soja do Brasil. Além desses mencionados mercados, outros países tiveram incremento das compras de produtos do agronegócio brasileiro acima de considerável porcentagem de 30%: Bangladesh (+55,0%); Reino Unido (+50,3%); Itália (48,4%); Vietnã (+35,7%); França (+32,7%); Arábia Saudtia (+30,7%); e Bélgica (+30,4%). 3

4 II Resultados do ano (comparativo Janeiro-Março/2015 Janeiro-Março/2014) II.a Setores do Agronegócio No primeiro trimestre de 2015 as exportações brasileiras do agronegócio somaram US$ 18,43 bilhões, ou seja, US$ 1,8 bilhão a menos do que foi exportado no mesmo período do ano anterior. As importações, por sua vez, foram de US$ 3,86 bilhões, o que representou queda de US$ 393,34 milhões ante Como resultado do desempenho das vendas e aquisições externas, o saldo na balança comercial do agronegócio foi de US$ 14,57 bilhões no período. A queda nas exportações do agronegócio brasileiro decorreu, principalmente da retração nas vendas do complexo soja (-US$ 1,85 bilhão), carnes (-US$ 565,16 milhões) e animais vivos (-US$ 209,32 milhões). Por outro lado, os setores de café e cereais foram os que mais contribuíram para amenizar a queda, com crescimento de US$ 452,78 milhões e US$ 246,5 milhões, respectivamente. O complexo soja foi o principal setor exportador do agronegócio no primeiro trimestre de 2015, com US$ 4,05 bilhões em vendas, apesar da queda de 31,3% nas exportações. Dois fatores explicam essa queda. A redução na quantidade embarcada de soja em grão é o primeiro fator, com diminuição de 9,1 milhões de toneladas no primeiro trimestre de 2014 para 6,5 milhões de toneladas no primeiro trimestre de 2015 (-27,7%). O segundo fator é a queda nos preços médios de exportação dos produtos do setor. A soja em grão caiu 21,2%; o farelo de soja diminuiu 18,9%, enquanto o óleo de soja teve redução de 14,1% nos preços médios de exportação. O farelo de soja e o óleo de soja, por outro lado, tiveram elevação na quantidade exportada de 37,1% e 9,6% respectivamente. No caso do farelo de soja, essa expansão de quantidade suplantou a queda nos preços de exportação, consolidando um incremento de 11,1% nas vendas externas do produto. As vendas externas de carnes somaram US$ 3,27 bilhões no primeiro trimestre de 2015, com queda de 14,7% quando comparadas ao mesmo período do ano anterior. A carne de frango foi responsável por 48,0% do valor exportado pelo setor, alcançando US$ 1,57 bilhão. Em comparação ao período acumulado em 2014 houve diminuição de 8,1%, em função da queda no preço médio do produto (US$ para US$ por tonelada), uma vez que houve uma pequena expansão no quantum exportado (0,3%). As vendas de carne bovina somaram US$ 1,32 bilhão, com decréscimo de 20,2% em valor, decorrente da redução no quantum (-20,0%) e no preço médio de exportação (-0,2%). As carnes suína e de peru também tiveram desempenho negativo no trimestre, -23,4% e - 20,9% respectivamente. O terceiro setor no ranking foi o de produtos florestais, com US$ 2,46 bilhões em exportações. Dessa cifra, 72,2% corresponderam às vendas externas de papel e celulose. As vendas desses produtos foram de US$ 1,77 bilhão, com acréscimo de 2,6% em relação ao mesmo período de As exportações de madeiras e suas obras 4

5 (US$ 683,0 milhões) também apresentaram ampliação, atingindo 11,1% de incremento em relação ao acumulado em Em seguida, destacou-se o complexo sucroalcooleiro, cujas vendas externas somaram US$ 2,18 bilhões. As exportações de açúcar representaram 91,0% desse montante, somando US$ 1,98 bilhão. A redução do preço médio de exportação do açúcar em 9,5% (US$ 390 para US$ 353 por tonelada) explica a queda do valor das exportações em 7,6%. As exportações de etanol tiveram desempenho semelhante, com retração no preço médio de exportação (-10,7%), e consequente queda no valor exportado de 10,8%. Por fim, o café ocupou a quinta posição no ranking de setores, somando US$ 1,70 bilhão. O setor foi o que mais contribuiu para amenizar a queda nas vendas externas do agronegócio no período, visto que suas exportações apresentaram crescimento de US$ 452,78 milhões no período. O grão apresentou ampliação de 33,6% no preço médio e 5,1% na quantidade, resultando em crescimento de 40,4% em valor. O café solúvel também cresceu, embora em ritmo menor, registrando 4,5% de incremento no valor exportado, o que resultou em US$ 132,73 milhões em vendas externas. Os cinco principais setores, em conjunto, somaram US$ 13,66 bilhões em exportações e foram responsáveis por 74,1% das exportações brasileiras do agronegócio no período acumulado do ano. Em relação às importações, destacaram-se as aquisições de pescados (US$ 477,06 milhões); papel e celulose (US$ 383,70 milhões) e trigo (US$ 314,58 milhões). Houve ampliação de 29,0% nas aquisições de farinha de trigo (US$ 24,08 milhões para US$ 31,08 milhões). II.b Blocos Econômicos e Regiões Geográficas Entre janeiro e março de 2015, a Ásia continuou como o principal destino das exportações do agronegócio brasileiro, com o valor de US$ 7,17 bilhões. Apesar da posição de destaque, as aquisições asiáticas de mercadorias agrícolas brasileiras decresceram 13,1% na comparação com o mesmo período de Com isso, a região perdeu participação relativa, passando de 40,8% para 38,9%. O segundo principal parceiro comercial no primeiro trimestre de 2015 permanece sendo a União Europeia. Com incremento de 1,7% em relação ao primeiro trimestre de 2014, as vendas externas do agronegócio brasileiro com destino à União Europeia atingiram a cifra de US$ 4,33 bilhões, o que possibilitou aumento de 2,5 pontos percentuais no market share do bloco (23,5%). Os blocos econômicos e regiões geográficas que se destacaram quanto ao crescimento das exportações entre janeiro/março de 2014 e janeiro/março de 2015 foram: Oceania (+30,0%); Demais da Europa Ocidental (+23,0%); e NAFTA (+11,5%). 5

6 III.c Países A China importou US$ 3,09 bilhões em produtos do agronegócio no primeiro trimestre de 2015, o que significou uma queda de 35,5% em relação ao mesmo período de A diminuição nas importações de soja em grão explica essa redução. As exportações do grão para a China caíram de 7,5 milhões de toneladas no primeiro trimestre de 2014 para 5,1 milhões de toneladas no primeiro trimestre de Com efeito, as receitas com exportações de soja em grão à China diminuíram de US$ 3,76 bilhões no primeiro trimestre de 2014 para US$ 1,99 bilhão no primeiro trimestre de 2015, uma queda de US$ 1,77 bilhão. Este número é praticamente semelhante à redução total das exportações ao país asiático. Em função da queda no valor exportado, a participação da China nas exportações brasileiras do agronegócio diminuiu de 23,7% para 16,8% no período. Os Estados Unidos ficaram na segunda posição entre os principais parceiros comerciais, com o valor de US$ 1,55 bilhão e incremento de 10,0% em comparação ao primeiro trimestre de A participação norte americana nas exportações do agronegócio brasileiro cresceu no período, passando de 7,0% a 8,4%. Os Países Baixos foram o terceiro principal destino das exportações entre janeiro e março de 2015, com o montante de US$ 1,04 bilhão (-16,8%). Quanto ao dinamismo das exportações, os principais destaques no período foram: Indonésia (+81,4%); Vietnã (+62,3%); Bangladesh (+45,7%); Tailândia (+37,3%); Coreia do Sul (+35,9%); Bélgica (+26,6%); e Itália (+18,3%). 6

7 III Resultados de Abril de 2014 a Março de 2015 (Acumulado 12 meses) III.a Setores do Agronegócio Nos últimos doze meses, entre abril de 2014 e março de 2015, as exportações do agronegócio brasileiro alcançaram o montante de US$ 94,95 bilhões, o que significou decréscimo de 4,7% em comparação aos US$ 99,63 bilhões comercializados nos doze meses imediatamente anteriores. Em números absolutos, a diferença atingiu a cifra de US$ 4,68 bilhões. As importações apresentaram comportamento similar, com queda de 4,8% e soma de US$ 16,22 bilhões entre abril de 2014 e março de Dessa forma, no período considerado, o saldo da balança comercial do agronegócio brasileiro foi superavitário em US$ 78,73 bilhões (-4,7%). No que se refere aos setores que compõem o agronegócio, o principal destaque dos últimos doze meses foi o complexo soja, com exportações totais de US$ 29,56 bilhões e 59,02 milhões de toneladas comercializadas, o que representou queda de 11,0% e 5,3%, respectivamente. O produto mais exportado foi a soja em grãos, com a cifra de US$ 21,31 bilhões e recuo de 14,5% em relação aos US$ 24,93 bilhões negociados no período anterior. Em relação à quantidade, foram embarcadas 43,19 milhões de toneladas, com diminuição de 8,8%. O preço médio verificado no período foi US$ 494 por tonelada, o que representou uma desvalorização de 6,3%. O segundo produto do setor em geração de receita foi o farelo de soja, com a soma de US$ 7,13 bilhões (+3,0%). Em quantum, houve crescimento de 6,9%, para um total de 14,51 milhões de toneladas. Por fim, as exportações de óleo de soja alcançaram a marca de US$ 1,12 bilhão (-17,5%) e 1,33 milhão de toneladas (-5,4%), com o preço médio do produto tendo desvalorizado 12,8% no período (de US$ 963 por tonelada para US$ 840 por tonelada). O segundo principal setor do agronegócio brasileiro em valor exportado foi o setor de carnes, com vendas externas de US$ 16,86 bilhões (+0,7%) e 6,28 milhões de toneladas negociadas (-0,8%). A carne de frango foi o principal item do setor, com vendas de US$ 7,79 bilhões (+0,7%) e 4,0 milhões de toneladas embarcadas (+2,6%), enquanto o preço médio no mercado internacional sofreu queda de 1,9% nos doze meses considerados. Em seguida, destacaram-se as exportações de carne bovina, que atingiram a cifra de US$ 6,82 bilhões (-0,5%), para um total de 1,47 milhão de toneladas (-5,9%). O preço médio do produto apresentou crescimento de 5,7% entre abril de 2014 e março de Entre as carnes, o item que apresentou a maior valorização de preço médio foi a carne suína, com incremento de 22,4%. As exportações do produto totalizaram US$ 1,52 bilhão (+14,4%) e foram comercializadas 471 mil toneladas nos últimos doze meses (-6,5%). As vendas externas de carne de peru somaram US$ 314 milhões (-29,0%), com o embarque de 122 mil toneladas (-21,9%) no período. No acumulado dos últimos doze meses, o complexo sucroalcooleiro foi o terceiro maior setor do agronegócio em valor exportado, com vendas externas de US$ 10,18 bilhões. Apesar da importância em números absolutos, observou-se recuo de 9,9% no preço médio e de 11,7% no quantum embarcado, o que causou a queda de 20,4% no valor das vendas no período. É importante ressaltar que essa perda de receita (US$ 2,61 bilhões) significou mais da metade da queda verificada nas exportações totais do agronegócio entre abril de 2014 e março de 2015 (US$ 4,68 bilhões). As vendas externas de açúcar foram destaque, com a cifra de 9,30 bilhões ou 91,3% do total exportado pelo setor. As vendas externas de álcool somaram US$ 875 milhões (-47,5%), ante as exportações de US$ 1,67 bilhão verificadas nos doze meses precedentes. Essa retração em valor foi causada fundamentalmente pela diminuição dos embarques do produto, que caíram 46,5%. Na quarta colocação, os produtos florestais registraram exportações de US$ 10,06 bilhões (+3,0%) e crescimento de 11,5% em quantidade. O principal item negociado foi papel e celulose, com o montante de US$ 7,26 bilhões (+0,5%), 13,37 milhões de toneladas exportadas (+12,3%) e queda de 10,6% no preço médio nos últimos doze meses. As vendas externas de madeiras e suas obras totalizaram US$ 2,79 bilhões e cresceram 10,4% em virtude do aumento de 9,2% na quantidade comercializada (de 3,95 milhões de toneladas para 4,32 milhões de toneladas). Na quinta colocação entre os principais setores do agronegócio brasileiro, o setor cafeeiro gerou uma receita de exportação de US$ 7,11 bilhões, com expansão de 39,6% em relação às vendas externas verificadas entre abril de 2013 e março de 2014 (US$ 5,10 bilhões). Esse crescimento em valor foi causado tanto pelo incremento de 13,0% da quantidade embarcada, que passou de 1,85 milhão de toneladas para 2,09 milhões de toneladas, quanto pela valorização de 23,5% do preço médio (US$ por tonelada). O principal item comercializado pelo setor foi o café em grãos, com US$ 6,49 bilhões ou 91,2% do total exportado. Os cinco principais setores acima destacados obtiveram uma participação de 77,7% no total das exportações do agronegócio brasileiro entre abril de 2014 e março de 2015, participação menor do que a dos cinco maiores setores entre abril de 2013 e março de 2014 (78,6%). No que tange às importações de produtos do agronegócio, observou-se um montante de US$ 16,22 bilhões nos doze meses considerados. Os principais itens adquiridos no mercado internacional, nesse período, foram: papel 7

8 e celulose (US$ 1,75 bilhão e -4,7%); trigo (US$ 1,64 bilhão e -27,6%); pescados (US$ 1,52 bilhão e +0,2%); malte (US$ 549 milhões e +2,8%); lácteos (US$ 453 milhões e -20,4%); e borracha natural (US$ 451 milhões e -27,7%). III.b Blocos Econômicos e Regiões Geográficas Em relação às exportações do agronegócio por blocos econômicos e regiões geográficas, a Ásia continuou como o principal destino dos produtos brasileiros. As vendas para o continente asiático atingiram a marca de US$ 38,24 bilhões, o que representou uma diminuição de 8,5% em comparação aos valores registrados nos doze meses imediatamente anteriores (US$ 41,79 bilhões). Com tal desempenho, a participação da região nas exportações do agronegócio apresentou queda de 1,6 ponto percentual, totalizando 40,3%. O segundo principal bloco de destino das exportações agropecuárias brasileiras entre abril de 2014 e março de 2015, a União Europeia, apresentou retração de 0,4% nas suas aquisições de mercadorias brasileiras no período, alcançando a cifra de US$ 21,54 bilhões, ante um total de US$ 21,62 bilhões nos dozes meses anteriores. Apesar dessa diminuição em valor, a participação da UE28 nas exportações do agronegócio brasileiro cresceu para 22,7%, principalmente pela queda de participação da Ásia. Nas colocações seguintes, se destacaram o NAFTA, com aquisições totais de US$ 8,47 bilhões (+6,1%), e o Oriente Médio, com US$ 7,10 bilhões (-10,7%). As regiões e blocos que registraram variação positiva das exportações no período, além do NAFTA, foram: Demais da Europa Ocidental (+21,6%); Oceania (+15,0%); e Europa Oriental (+11,4%). 8

9 III.c Países No âmbito dos principais países de destino do agronegócio brasileiro, verificou-se queda nas exportações para dois dos três maiores parceiros comerciais. Após uma diminuição de US$ 4,56 bilhões, as exportações para a China alcançaram o montante de US$ 20,36 bilhões (-18,3%), perdendo participação e atingindo share de 21,4% no período. A segunda posição foi ocupada pelos Estados Unidos, com vendas de US$ 7,14 bilhões e aumento de 5,7%, com participação de 7,5%. O terceiro principal parceiro nos últimos doze meses foram os Países Baixos, com a cifra de US$ 5,92 bilhões e queda de 13,8% em relação aos US$ 6,87 bilhões exportados nos doze meses precedentes. Com isso, a participação desse parceiro comercial caiu de 6,9% para 6,2%. Os principais destaques em relação ao dinamismo das exportações foram: Vietnã (+42,3%); Alemanha (+29,5%); Rússia (+29,1%); Indonésia (+23,6%); Tailândia (+14,6%); e Itália (+12,2%). NOTA METODOLÓGICA A classificação de produtos do agronegócio utilizada nesta nota foi atualizada de acordo com a Resolução CAMEX Nº 94, de 8/12/2012, que alterou a Nomenclatura Comum do MERCOSUL NCM para adaptá-la em relação às modificações do Sistema Harmonizado de Designação e de Codificação de Mercadorias (SH-2012), que estabelece um método internacional para a classificação de mercadorias. A Balança Comercial do Agronegócio utiliza uma classificação dos produtos do agronegócio que reúne NCM s em 25 setores. Essa é a mesma classificação utilizada no AGROSTAT BRASIL - base de dados on line que oferece uma visão detalhada e atualizada das exportações e importações brasileiras do agronegócio. Mais informações da metodologia e classificação podem ser consultadas no site: agrostat.agricultura.gov.br MAPA/SRI/DPI 09/04/2015 9

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de março de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2017 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2017 Agosto/2016)

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014.

Exportações no período acumulado de janeiro até abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do Sul. 2015 com abril de 2014. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de abril de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013

Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 Balança Comercial dos Agronegócios Paulista e Brasileiro no Ano de 2013 No ano de 2013, as exportações 1 do Estado de São Paulo somaram US$ 56,32 bilhões (23,3% do total nacional), e as importações 2,

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003

INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO MERCOSUL 1994 A 2003 INTERCÂMBIO COMERCIAL BRASILEIRO NO A Marco Antônio Martins da Costa Melucci Friedhlde Maria Kutner Manolescu -Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas FCSA Universidade do Vale do Paraíba. Av. Shishima

Leia mais

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA)

Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Alicia Ruiz Olalde Participação da agropecuária nas exportações totais (IPEA) Exportações Agronegócio (CEPEA) Em 2012, a receita das exportações do agronegócio brasileiro alcançou US$ 97 bilhões. Em 2014,

Leia mais

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA

QUADRO DO SETOR ALIMENTAR EM SANTA CATARINA 1. PANORAMA DO SETOR DE ALIMENTOS EM SANTA CATARINA Câmara Italiana de Comércio e Indústria de Santa Catarina (Órgão reconhecido pelo Governo Italiano Decreto Mise29/7/2009) Tel.: +55 48 3027 2710 / Fax: +55 48 3222 2898 www.brasileitalia.com.br info@brasileitalia.com.br

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 As exportações paranaenses, em setembro, apresentaram queda de -8,61% em relação a agosto. O valor exportado atingiu a US$ 1,293 bilhão, ficando,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Julho/2013 I - Resultados do mês As exportações brasileiras do

Leia mais

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio

Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio Intercâmbio Intercâmbio Comercial do Comercial Agronegócio do Agronegócio Edição 2010 África do Sul Angola Arábia Saudita Argélia Argentina Bangladesh Canadá China Cingapura Colômbia Coréia do Sul Egito

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Abril/2017

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Abril/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Abril/2017 I Resultados do mês (comparativo Abril/2017 Abril/2016)

Leia mais

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE

Equipe: RENATA BARBOSA DE ARAÚJO DUARTE As Micro e Pequenas Empresas na Exportação Brasileira Brasil 1998-2009 EDITORIAL Presidente do Conselho Deliberativo Nacional: ROBERTO SIMÕES Diretor-Presidente: PAULO TARCISO OKAMOTTO Diretor Técnico:

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Maio de 2015 Benefício do câmbio mais depreciado sobre as exportações de carnes será limitado pela queda da demanda de mercados relevantes Regina Helena Couto Silva Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

Pesquisa Ademi-Rio. A tabela abaixo mostra as unidades lançadas na cidade do Rio de Janeiro quanto à finalidade: residencial, comercial e hotel.

Pesquisa Ademi-Rio. A tabela abaixo mostra as unidades lançadas na cidade do Rio de Janeiro quanto à finalidade: residencial, comercial e hotel. Mercado Imobiliário da Cidade Rio de Janeiro no 1º trimestre de 2016 I - UNIDADES LANÇADAS Pesquisa Ademi-Rio A análise dos dados apurados pela Pesquisa ADEMI do Mercado Imobiliário no primeiro trimestre

Leia mais

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015

Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 Panorama do Comércio Exterior de Minas Gerais 2015 APRESENTAÇÃO Minas Gerais se consolida como um dos mais importantes estados exportadores do Brasil, pela grande produção de commodities e pelos esforços

Leia mais

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas

Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Edição 04 - Outubro de 2014 Aumento do consumo mundial de alimentos é destaque nas Nações Unidas Mais de 100 milhões de pessoas deixaram de passar fome na última década. É o que revela o relatório O estado

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo está publicado em: www.cepea.esalq.usp.br/macro/ 1. Introdução EXPORTAÇÕES

Leia mais

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br

THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com. ORIENTADOR: CRISTIANO MORINI Estágio Supervisionado em ADM-GNI - UNIMEP cmorini@unimep.br Panorama Recente do Comércio Exterior Brasileiro: Um Estudo Comparativo (2003 2006) Entre as Cinco Principais Cidades Exportadoras do Estado de São Paulo. THIAGO DE MORAES thiagoraes@hotmail.com ORIENTADOR:

Leia mais

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina

Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Mercado Mundial de Carne Ovina e Caprina Brasília, julho de 2007 Matheus A. Zanella 1 Superintendência Técnica da CNA Este artigo apresenta um panorama dos principais indicadores do mercado mundial de

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010

ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 ANÁLISE CONJUNTURAL DO COMÉRCIO EXTERIOR DA FLORICULTURA BRASILEIRA BALANÇO 2009 E PERSPECTIVAS 2010 Antonio Hélio Junqueira 1 Marcia da Silva Peetz 2 As exportações brasileiras de flores e plantas ornamentais

Leia mais

A balança comercial do agronegócio brasileiro

A balança comercial do agronegócio brasileiro A balança comercial do agronegócio brasileiro Antonio Carlos Lima Nogueira 1 Qual é a contribuição atual dos produtos do agronegócio para o comércio exterior, tendo em vista o processo atual de deterioração

Leia mais

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi);

- Corr. de comércio: US$ 38,9 bi, 2º maior valor para meses de abril, (1º abr-13: US$ 42,3 bi); Abril / 2014 Resultados de Abril de 2014 - Exportação: US$ 19,7 bi em valor e média de US$ 986,2 milhões, 5,2% acima da média de abr-13 (US$ 937,8 milhões); 2ª maior média de exportação para abril (1º

Leia mais

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*)

Quadro II - PREÇO DO AÇÚCAR CRISTAL COLOCADO NO PORTO DE SANTOS - SP NA CONDIÇÃO SOBRE RODAS - (Em R$/Saca de 50kg*) CANA-DE-AÇÚCAR Período: Janeiro/2016 Quadro I - PREÇO NA USINA EM SÃO PAULO (Em R$/unidade*) Produtos Unidade 24 12 1 Mês Mês Atual Açúcar Cristal Cor ICUMSA 130 a 180 Saco/50 kg 50,20 51,05 80,57 83,75

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Julho/2015 I Resultados do mês (comparativo Julho/2015 Julho/2014)

Leia mais

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL

BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (IPECE) BOLETIM DE CONJUNTURA INDUSTRIAL 3º TRIMESTRE DE 2011 Fortaleza-CE

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

INDICADORES INDUSTRIAIS

INDICADORES INDUSTRIAIS INDICADORES INDUSTRIAIS Informativo da Confederação Nacional da Indústria Indústria tem queda da atividade em novembro Os dados de horas trabalhadas, faturamento e utilização da capacidade instalada mostraram

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Intercâmbio. Comercial do Agronegócio. principais mercados de destino. Edição 2012. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Intercâmbio Comercial do Agronegócio principais mercados de destino Edição 2012 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Relações

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO COMERCIAL SCM / GCE ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS - MAIO DE 2009 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC

BRASIL 16.783.231 13.806.365 21,56 SANTA CATARINA 585.066 578.707 1,10 Fonte: MDIC BALANÇA COMERCIAL DE SC BALANÇA COMERCIAL EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES CATARINENSES 1 EXPORTAÇÕES CATARINENSES - DEZEMBRO/2015 As exportações catarinenses cresceram 1,10 no mês de dezembro de 2015 em relação

Leia mais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais

Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Uma política econômica de combate às desigualdades sociais Os oito anos do Plano Real mudaram o Brasil. Os desafios do País continuam imensos, mas estamos em condições muito melhores para enfrentálos.

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Março 2015 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Rui Costa Secretaria do Planejamento João Leão Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais

Leia mais

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003... 9

Leia mais

Informativo PIB Trimestral

Informativo PIB Trimestral Informativo PIB Trimestral v. 1 n. 1 abr. jun. 2010 ISSN 2178-8367 Economia baiana cresce 10,4% no segundo trimestre e acumula alta de 10,0% no 1º semestre No segundo trimestre de 2010, a economia baiana

Leia mais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais

Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais 1 São Paulo, 06 de julho de 2009. NOTA À IMPRENSA Cesta básica tem alta moderada na maioria das capitais Em junho, a Pesquisa Nacional da Cesta Básica, realizada pelo DIEESE - Departamento Intersindical

Leia mais

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE

Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE Fapespa Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas do Pará INFORME TÉCNICO DO COMÉRCIO EXTERIOR PARAENSE JULHO 2015 GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ Simão Robison Oliveira Jatene Governador do Estado do

Leia mais

Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais

Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais Perfil Exportador do Estado de Minas Gerais 2013 1 Apex-Brasil Maurício Borges PRESIDENTE José Ricardo Santana DIRETOR DE NEGÓCIOS Tatiana Martins Porto DIRETORA DE GESTÃO CORPORATIVA Marcos Tadeu Caputi

Leia mais

ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO

ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO - SEP INSTITUTO JONES DOS SANTOS NEVES - IJSN ESTATÍSTICAS DE COMÉRCIO EXTERIOR, 2005 EMPRESAS DO ESPÍRITO SANTO Vitória,

Leia mais

Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007.

Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007. Transformações do agronegócio de Mato Grosso: uma análise de indicadores de comércio exterior no período de 1997 a 2007. Sonia Souza 1 Sandra Bonjour 2 Resumo: O objetivo geral deste trabalho é analisar

Leia mais

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Dezembro/2013 12.000 Gráfico 1 - Balança Comercial do Agronegócio

Leia mais

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III Julho de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL TÊXTIL E CONFECÇÃO Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e

Leia mais

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos

Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Caracterização do Mercado Internacional de Carne de Frango Brasil X Estados Unidos Danusa de Paula Sousa Estudante de Graduação Esalq/USP CPF: 936 619 161-49 R. Barão de Piracicamirim, 512. B. Vila Independência

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR DESEMPENHO DO COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PRIMEIRO QUADRIMESTRE DE 2004 03 DE MAIO DE 2004 BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA JANEIRO/ABRIL -

Leia mais

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio

2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Edição 08 - Janeiro de 2015 2014: Um ano de vitórias para o agronegócio Esta edição do Boletim do Agronegócio Internacional dedica atenção especial à análise do comércio exterior do setor em 2014. A agricultura

Leia mais

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014

Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 ISSN 2179-8745 Boletim de Comércio Exterior da Bahia Novembro 2014 Sumário SUMÁRIO Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento José Sergio Gabrielli Superintendência de Estudos

Leia mais

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades

Valor da cesta básica diminui em 15 cidades 1 São Paulo, 04 de setembro de 2015. NOTA à IMPRENSA Valor da cesta básica diminui em 15 cidades Das 18 cidades em que o DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos - realiza

Leia mais

1. Balança Comercial do Ceará

1. Balança Comercial do Ceará Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores 1

O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores 1 Informe 18/2013 O Desempenho do Mercado Internacional de Rochas Ornamentais em 2012: Principais Produtores, Exportadores e Importadores Associação Brasileira da Indústria de Rochas Ornamentais ABIROCHAS

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Fevereiro de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Fevereiro de 2015...

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

CHILE Comércio Exterior

CHILE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CHILE Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos. Principais

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês

Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês 1 São Paulo, 04 de agosto de 2010. NOTA À IMPRENSA Redução do preço de alimentos básicos continua pelo terceiro mês Desde maio, na maioria das capitais onde é realizada mensalmente a Pesquisa Nacional

Leia mais

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO

EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 16/março/2015 n. 566 EXPORTAÇÕES DE AÇÚCAR CAEM 42% EM FEVEREIRO Os dados mais recentes de exportação de açúcar disponibilizados pela Secretaria de

Leia mais

AUSTRÁLIA Comércio Exterior

AUSTRÁLIA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC AUSTRÁLIA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS

ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS ANÁLISE DO MOVIMENTO FÍSICO DO PORTO DE SANTOS JULHO DE 2013 DC/SCM/GCE, 02/09/2013 Companhia Docas do Estado de São Paulo CODESP Av. Rodrigues Alves, s/ nº - Santos/SP - CEP 11015-900 Site:http://www.portodesantos.com.br

Leia mais

Relatório Analítico 19 de abril de 2012

Relatório Analítico 19 de abril de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa AM BV4 Segmento de Atuação Principal Alimentos Categoria segundo a Liquidez 1 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 80,99 Valor Econômico por Ação (R$) 81,05 Potencial

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Maio/2016 I Resultados do mês (comparativo Maio/2016 Maio/2015)

Leia mais

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações

- 300. Saldo BC Importações Importações s/gás Exportações Carta de Conjuntura nº2 Dezembro de 2015 Setor Externo As cotações do dólar recuaram em relação aos últimos meses, chegando a taxa média em novembro a ficar em R$ 3,77, cerca de 2,77% abaixo da taxa média

Leia mais

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a

Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a Edição 24 (Novembro/2013) Cenário Econômico A ECONOMIA BRASILEIRA EM 2013: UM PÉSSIMO ANO Estamos encerrando o ano de 2013 e, como se prenunciava, a economia nacional registra um de seus piores momentos

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina

PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003. Carne bovina PRODUTO CARNES PERÍODO: 15 a 19/09/2003 Carne bovina A estimativa da Conab para a produção brasileira de carne bovina, no ano de 2003, as previsões quanto às importações, exportações e a disponibilidade

Leia mais

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015

ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Associação Brasileira de Supermercados Nº58 ECONOMIA www.abras.com.br A informação que fala direto ao seu bolso 30 de Novembro de 2015 Índice de Vendas acumula queda de -1,02% até outubro Vendas do setor

Leia mais

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem.

Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história. Gráfico 1 Cesta Básica DIEESE/PROCON Valor Diário (EM URV/Real) 190,00 2º. Sem. ANOTE Informativo Eletrônico do DIEESE Ano 4, N.º. 38 Maio de 2.003 1 CONJUNTURA Cesta Básica DIEESE/PROCON atinge o maior valor de sua história Calculada diariamente desde março de 1990, ou seja, a mais

Leia mais

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO

DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO Boletim Semanal sobre Tendências de Mercados Ano XVII 17/agosto/2015 n. 588 DADOS DA CONAB TRAZEM AJUSTES E INDICAM MUDANÇA NA TENDÊNCIA DO MERCADO A quinta-feira foi iniciada com a atualização de um importante

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais

Indicadores de Desempenho Maio/2014. Fatos Relevantes RESUMO EXECUTIVO. Vendas Industriais Fatos Relevantes Maio/2014 Maio/2008 Vendas Industriais A Variável Indústria apresenta Química recuo com de (- aumento 8,42%), de incluso 9,16% em o maio setor fornece sucroenergético a maior contribuição

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Novembro/2013 I - Resultados do mês As exportações do agronegócio

Leia mais

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero

Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação cai abaixo de zero COEFICIENTES DE ABERTURA COMERCIAL Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 4 outubro/dezembro de 2013 www.cni.org.br Coeficiente de exportações líquidas da indústria de transformação

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 A crise financeira internacional continua afetando negativamente o comércio exterior paranaense: apesar das exportações terem aumentado 43,44% em março,

Leia mais

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo

COMENTÁRIOS. Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo COMENTÁRIOS PESSOAL OCUPADO ASSALARIADO Em maio, o emprego na indústria recuou 0,5% frente ao mês anterior, na série livre de influências sazonais, oitavo resultado negativo consecutivo, levando a uma

Leia mais

O COMÉRCIO BRASIL-JAPÃO: O AGRONEGÓCIO

O COMÉRCIO BRASIL-JAPÃO: O AGRONEGÓCIO Nota: A reprodução do artigo abaixo ou de trechos do mesmo é autorizada, sendo obrigatória a citação do nome dos autores. O texto abaixo faz parte do artigo publicado na íntegra no site www.cepea.esalq.usp.br/macro/

Leia mais

São Paulo, 16 de julho de 2013.

São Paulo, 16 de julho de 2013. São Paulo, 16 de julho de 2013. Junho 2013 Balança comercial tem resultado inesperado em junho: o resultado da balança comercial brasileira surpreendeu as expectativas para o mês de junho. O superávit

Leia mais

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro

Grupo Maersk. Relatório do Comércio. O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro Grupo Maersk Relatório do Comércio QUARTO TRIMESTRE DE 215 BRAZIL O melhor dos mundos e o pior deles para o comércio exterior Brasileiro Exportações aceleram, mas importações colapsam em janeiro, impactando,

Leia mais

A ECONOMIA MUNDIAL. Produção

A ECONOMIA MUNDIAL. Produção V A economia mundial / 135 V A ECONOMIA MUNDIAL Produção A crise econômica e financeira que teve início na Tailândia em meados de 1997 espalhou-se por outros países do Sudeste Asiático, incluindo Japão

Leia mais

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014

Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 1 Cesta básica de Porto Alegre registra queda de 4% em junho de 2014 Porto Alegre, 07 de julho de 2014. NOTA À IMPRENSA Em junho de 2014, a Cesta Básica de Porto Alegre registrou queda de 4,00%, passando

Leia mais

O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE

O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE O MERCADO BRASILEIRO PARA SULFATO DE POTÁSSIO ORIGINÁRIO DO CHILE Identificação do Produto A subposição 3104.30 compreende os fertilizantes potássicos. Especificamente, o produto está assim classificado:

Leia mais

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro

Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro Os desafios do agronegócio paulista e brasileiro O agronegócio brasileiro Setor estratégico para a economia brasileira, grande motor do seu desempenho Representa 23% do PIB brasileiro Responde por 40%

Leia mais

O Brasil e o Rebalanceamento

O Brasil e o Rebalanceamento n o 103 23.07.14 Visão do desenvolvimento O Brasil e o Rebalanceamento do Comércio Mundial A principal forma de explicar o desempenho comercial de um país é aquela que interpreta os comportamentos das

Leia mais

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204

Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011 203 ARTIGOS COMPLETOS... 204 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 17 a 20 de outubro, 2011

Leia mais

MERCADO DE PASSAGEIROS

MERCADO DE PASSAGEIROS 2 ANAC/SRI/GAMI MERCADO DE PASSAGEIROS Os Estados Unidos representam o principal mercado aéreo internacional do Brasil, tendo respondido por 25,7% do total do volume de passageiros transportados com origem

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO

O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO O MERCADO DE SOJA 1. INTRODUÇÃO A soja é a commodity mais importante do Brasil, pelo valor da produção obtida de grão, óleo e farelo, significativa parcela na receita cambial, área plantada, consumo de

Leia mais