Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos"

Transcrição

1 Trocas comerciais entre os portos nacionais e os países lusófonos

2 ÍNDICE Introdução.. 3 PORTOS NACIONAIS trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em Importância relativa dos mercados lusófonos no contexto nacional Importância relativa dos portos nacionais nas trocas comerciais com os países lusófonos Importância relativa dos portos nacionais nas trocas comerciais com o Brasil Importância relativa dos portos nacionais nas trocas comerciais com os PALOP PORTO DE LISBOA trocas comerciais com os países lusófonos Evolução das trocas comerciais com os países lusófonos Trocas comerciais com os países lusófonos em Análise comparativa das trocas comerciais com os países lusófonos em 2002 e Importância relativa dos mercados lusófonos no porto de Lisboa PORTO DE LISBOA trocas comerciais com os PALOP Evolução das trocas comerciais com os PALOP Trocas comerciais com os PALOP em Importância relativa do mercado dos PALOP no porto de Lisboa... 43

3 ANEXO quadros estatísticos Trocas comerciais dos portos nacionais com os países lusófonos 2000 e Evolução das trocas comerciais com os países lusófonos efectuadas através do porto de Lisboa Porto de Lisboa - mercadorias entradas/saídas segundo procedência/destino 2003 Angola...49 Brasil...51 Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique S. Tomé e Príncipe Bibliografia. 61

4 INTRODUÇÃO Seguindo a linha de abrandamento da economia mundial em geral, e da recessão de algumas economias da área do euro em particular, a actividade económica nacional registou um crescimento negativo em 2003, condicionado, em parte, pela quebra das importações, tendo-se, no entanto, registado uma evolução positiva das exportações. Mas apesar da tendência de desaceleração da economia nacional, os cinco principais portos nacionais registaram em 2003 um grande dinamismo na movimentação de carga, que totalizou mais de 55,8 milhões de toneladas, o que correspondeu a um acréscimo de 3,7% relativamente ao ano transacto. Este aumento resultou, ao contrário do que se verificou ao nível da economia global, do aumento das importações, e à semelhança daquela, do crescimento das exportações, tendo sido este incremento superior ao das importações. Com a recente criação da Associação dos Portos de Língua Portuguesa, que tem por principal objectivo promover a cooperação entre os seus membros, contribuindo, assim, para a melhoria da sua eficácia, considerou-se ser útil proceder a um estudo sobre o posicionamento e a evolução dos mercados lusófonos no contexto portuário nacional. Tendo-se procedido à análise das trocas comerciais efectuadas com os países lusófonos através dos cinco principais portos nacionais, constatou-se que estas representaram, em 2003, 6% do total nacional, equivalendo a de um total de toneladas de carga marítima. Se compararmos estes valores com os alcançados em 2000, constata-se que ocorreu um aumento significativo de 41,2%. Este incremento resultou, essencialmente, do aumento das trocas efectuadas com o principal mercado lusófono, o Brasil, que representou, em 2003, 69,9% do total das trocas efectuadas com os países lusófonos.

5 Quanto à importância relativa dos portos nacionais, verifica-se, sem dúvida, que o porto de Lisboa é o porto preferencial para a realização das trocas comerciais com os países lusófonos, apesar de a sua importância relativa ter registado, em 2003, um pequeno decréscimo face a 2000, ou seja, passou de um share de 50%, em 2000, para 46%, em No que se refere, especificamente, ao Brasil, os portos de Sines e de Lisboa, com shares de 43% e 42%, respectivamente, foram os principais portos nacionais para a realização das trocas comerciais com aquele país. Contudo, enquanto que em Sines é a importação de crude que assume maior peso, em Lisboa é a importação de oleaginosas e cereais. Mas já no que se refere aos PALOP, o porto de Lisboa é, indiscutivelmente, com 56% de share, o principal porto nacional para a realização de trocas comerciais com aqueles países. Os mercados lusófonos foram responsáveis por 13% do total da carga marítima movimentada em Lisboa, assumindo, desta forma, um maior peso relativamente ao ano de 2002, no qual esse indicador se ficara pelos 11%. Dada a importância que as trocas comerciais com os países lusófonos têm vindo a assumir no porto de Lisboa, e sendo este o principal porto nacional para a realização dessas trocas, afigurou-se pertinente proceder a uma análise da sua evolução nos últimos anos, apresentando-se, mais pormenorizadamente, os dados relativos ao ano de Também foi estudada a importância relativa dos diferentes mercados lusófonos no porto de Lisboa, assim como as alterações verificadas no peso de cada um dos mercados de 2002 para A análise dos dados estatísticos foi efectuada, quer num contexto global do mercado lusófono, quer, especificamente, no contexto dos países africanos, uma vez que os mercados dos PALOP e do Brasil apresentam características muito diferentes entre si. Na realidade, as trocas comerciais efectuadas com o Brasil, que representam no porto de Lisboa 64% do mercado lusófono, fazem-se, fundamentalmente, ao nível das importações, enquanto que, no caso dos PALOP, são as exportações que assumem maior destaque, nomeadamente as que se destinam a Angola, que é responsável, no contexto africano lusófono, por 61% das trocas comerciais efectuadas através do porto de Lisboa.

6 Cabe, aliás, referir que, no que respeita às relações económicas de Portugal com os PALOP, em 2003 a situação foi análoga à registada a nível nacional, ou seja, as vendas portuguesas apresentaram uma tendência de crescimento e as compras baixaram. O aumento das exportações deveu-se ao crescimento registado nas vendas para Angola e Moçambique, uma vez que baixaram para os outros países lusófonos africanos. Já o decréscimo das importações se ficou a dever à elevada redução de compras feitas a Angola. Na realidade, o peso dos fluxos comerciais de Portugal com os PALOP nos valores globais das exportações e importações portuguesas continua reduzido, ao corresponder a 2,97% das primeiras e a 0,13% das segundas. Já no que se refere ao Brasil foi registada, em 2003, uma ligeira quebra tanto nas importações como nas exportações que correspondem no total dos fluxos comerciais de Portugal a 4,2% e a 0,5%, respectivamente. Nota: do Anexo constam as tabelas com os dados estatísticos que serviram de base à elaboração dos gráficos do presente estudo, bem como dados complementares

7 PORTOS NACIONAIS Trocas comerciais com os países lusófonos

8 Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003 Portos nacionais Importância do mercado lusófono no total das trocas comerciais 2003 Resto do Mundo 94% Países Lusófonos 6% Em 2003, das toneladas de carga marítima movimentadas nos cinco principais portos do continente, 6%, ou seja, toneladas, resultaram das trocas comerciais com os países lusófonos. Se compararmos estes valores com os alcançados em 2000 verificamos que o mercado lusófono ganhou importância relativa uma vez que o seu share era de apenas 4,5%, equivalendo a toneladas de um total de toneladas de carga marítima movimentada nos principais portos do continente.

9 Importância relativa dos mercados lusófonos no contexto nacional Portos nacionais Trocas comerciais com os países lusófonos 2003 Brasil 69,9% Angola 17,6% São Tomé e Príncipe Cabo Verde 1,4% Moçambique 2,7% Guiné-Bissau 1,6% 6,8% Dos portos lusófonos, foi sem dúvida com os do Brasil que os portos portugueses efectuaram, em 2003, mais trocas comerciais, nomeadamente os de Lisboa e Sines. Na realidade, o mercado brasileiro representa toneladas, ou seja, 69,9% do total das trocas comerciais efectuadas com os países lusófonos. Aos mercados dos PALOP correspondem os restantes 30,1% ( toneladas), dos quais 17,6% se referem a Angola, 6,8% a Cabo verde, 2,7% a Moçambique, 1,6% à Guiné-Bissau e 1,4% a São Tomé e Príncipe.

10 Portos nacionais Análise comparativa da importância dos mercados lusófonos 2000/2003 Angola 17,6% 23,1% Brasil 56,9% 69,9% Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe 1,6% 2,2% 2,7% 1,9% 1,4% 1,6% 6,8% 14,3% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Se compararmos as trocas comerciais efectuadas entre os portos nacionais e os países lusófonos em 2000 e 2003, é possível verificar que no último ano em análise ocorreu um aumento de 41,2%. Este incremento resultou, essencialmente, do aumento significativo das trocas efectuadas com o Brasil, país que viu a sua importância relativa ascender em 13%. Todos os restantes países, à excepção de Moçambique, perderam importância, especialmente Cabo Verde, que, de um share de 14,3% alcançado em 2000, passa para 6,8% em 2003.

11 Importância relativa dos portos nacionais nas trocas comerciais com os países lusófonos Portos nacionais Share nas trocas comerciais com os países lusófonos 2003 Lisboa 46% Leixões 15% Setúbal 8% Aveiro 0% Sines 31% Em 2003, do total das trocas comerciais efectuadas entre os principais portos nacionais e os países lusófonos, a que equivaleram toneladas, o porto de Lisboa foi responsável por 46% ( toneladas). Ao porto de Sines coube uma participação de 31%, ou seja, toneladas. Seguem-se os portos de Leixões e Setúbal com 15% ( toneladas) e 8% ( toneladas), respectivamente. De notar que o porto de Aveiro não registou, em 2003, qualquer troca comercial com os países lusófonos.

12 Portos nacionais Análise comparativa da importância nas trocas comerciais com os países lusófonos 2000/2003 Aveiro 0% 0% Leixões 15% 17% Lisboa 46% 50% Setúbal 8% 16% Sines 17% 31% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% O porto de Lisboa continua, sem dúvida, a ser o porto preferencial para a realização das trocas comerciais com os países lusófonos, apesar de a sua importância relativa ter registado, em 2003, um pequeno decréscimo face a 2000 (-4%). Segue-se o porto de Sines com 31%, contra os 17% alcançados em 2000, tendo sido, assim, o único porto que não viu a sua importância relativa diminuir. O porto de Leixões perdeu apenas 1%, ao passo que o porto de Setúbal perdeu metade do seu share alcançado em 2000, ou seja, 8%. O porto de Aveiro, que não efectuou trocas comerciais com os portos lusófonos em 2003, movimentou, em 2000, apenas toneladas de vinho com destino a Angola.

13 Importância relativa dos portos nacionais nas trocas comerciais com o Brasil Portos nacionais Share nas trocas comerciais com o Brasil 2003 Lisboa 42% Setúbal 6% Leixões 9% Aveiro 0% Sines 43% Relativamente ao principal mercado lusófono, ou seja, o brasileiro, os portos de Sines e de Lisboa foram, em 2003, com 43% e 42% de share, respectivamente, os principais portos nacionais para a realização das trocas comerciais com aquele mercado. Com um share muito semelhante, trata-se, no entanto, de trocas comerciais muito distintas, verificando-se, em Sines, um grande peso na importação de crude, enquanto que, em Lisboa, as trocas comerciais são, predominantemente, relativas a oleaginosas e cereais. Os portos de Leixões e de Setúbal foram responsáveis por uma quota de 9% e 6%, respectivamente.

14 Portos nacionais Análise comparativa da sua importância nas trocas comerciais com o Brasil 2000/2003 Aveiro 0% 0% Leixões 9% 12% Lisboa 42% 62% Setúbal 6% 26% Sines 0% 43% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Em 2003, o porto de Lisboa deixa de ser o porto preferencial para a realização das trocas comerciais com o Brasil, tendo mesmo a sua importância relativa diminuído 20% de 2000 para 2003, apesar de se ter verificado, em termos absolutos, um aumento de 16,5% das trocas comerciais com aquele país. Esta situação resulta do facto de o porto de Sines ter aumentado, abruptamente, de 2000 para 2003, as suas trocas comerciais com o Brasil. Das toneladas, correspondentes na sua totalidade a madeira, transaccionadas com este país em 2000, passou, em 2003, para toneladas, sendo na sua maioria crude.

15 Importância relativa dos portos nacionais nas trocas comerciais com os PALOP Portos nacionais Share nas trocas comerciais com os PALOP 2003 Leixões 30% Lisboa 56% Aveiro 0% Sines 1% Setúbal 13% No que se refere às trocas comerciais entre os portos nacionais e os PALOP, o porto de Lisboa foi, em 2003, responsável por mais de metade dessas trocas. Com 30% de share, e em segunda posição, encontra-se o porto de Leixões, seguindo-se o porto de Setúbal com 13% e, por último, o porto de Sines com 1%.

16 Portos nacionais Análise comparativa da sua importância nas trocas comerciais com os PALOP 2000/2003 Aveiro 0% 0% Leixões 24% 30% Lisboa 35% 56% Setúbal 3% 13% Sines 1% 38% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Relativamente ao mercado dos PALOP, o porto de Lisboa passou a ser, indiscutivelmente, em 2003, face a 2000, o principal parceiro, posição detida pelo porto de Sines em De um share de 35%, a que corresponderam toneladas, alcançado em 2000, passou a deter, em 2003, 56% equivalente a toneladas. Sines, pelo contrário, viu a sua importância reduzir-se a 1%, contra os 38% alcançados em 2000, situação que se ficou a dever à elevada redução das trocas comerciais referentes a produtos petrolíferos. Leixões e Setúbal viram a sua importância relativa aumentar, especialmente o segundo, que de um share de 3% alcançado em 2000, passou para 13% em 2003.

17 PORTO DE LISBOA Trocas comerciais com os países lusófonos

18 Evolução das trocas comerciais com os países lusófonos Porto de Lisboa Evolução das trocas comerciais com os países lusófonos Toneladas A evolução das trocas comerciais com os países lusófonos efectuadas através do porto de Lisboa revela que, de um modo geral, entre 1996 e 2000, essas trocas se mantiveram relativamente constantes, tendo-se, contudo, verificado um aumento significativo em A partir de 2001 até 2003 registou-se um crescimento considerável, atingindo-se, neste último ano, o valor mais alto dos últimos oito anos, toneladas.

19 Porto de Lisboa Evolução da carga proveniente dos países lusófonos Toneladas O pico registado em 1997 ficou a dever-se ao aumento significativo de importações, correspondente a toneladas de carga desembarcada no porto de Lisboa, contra as do ano anterior. Este aumento resulta da expansão e do dinamismo da actividade produtiva e do consumo, que caracterizaram a conjuntura económica portuguesa desse ano. Contudo, estes valores são ultrapassados em 2003, ano em que se regista o maior volume de importações provenientes dos países lusófonos, toneladas.

20 Porto de Lisboa Evolução da carga destinada aos países lusófonos Toneladas As exportações têm-se mantido constantes, com excepção de 1999, que registou um decréscimo acentuado, atingindo o valor mais baixo dos anos em análise, ou seja, toneladas. A partir de 1999 tem-se verificado um crescimento progressivo atingindo-se, em 2002, as toneladas, valor mais alto dos últimos oito anos. Em 2003, ainda que de forma pouco acentuada, as exportações registaram um ligeiro decréscimo.

21 Porto de Lisboa Evolução das trocas comerciais com os países lusófonos Toneladas Angola Brasil Cabo Verde Guiné- Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Se se analisar especificamente a evolução das trocas comerciais com cada um dos países lusófonos, constata-se que o Brasil ocupa uma posição de grande destaque, reforçada em No que se refere aos PALOP, Angola é o principal parceiro do porto de Lisboa, situação que se reforçou a partir de Quanto aos restantes, as trocas comerciais têm-se mantido relativamente constantes, à excepção de Moçambique, que registou, em 2001, um aumento significativo, passando de toneladas, em 2000, para toneladas.

22 Porto de Lisboa Evolução da carga proveniente dos países lusófonos Toneladas Angola Brasil Cabo Verde Guiné- Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Relativamente à carga desembarcada no porto de Lisboa com origem nos países lusófonos, esta é, na sua grande maioria, proveniente do Brasil. A partir de 1996 a carga proveniente deste país ronda as toneladas anuais, tendo atingido, em 2003, o seu valor mais alto, ou seja, toneladas. Dos PALOP, destaca-se Moçambique como sendo o principal país de origem da carga desembarcada no porto de Lisboa, exceptuando o ano de 2000, em que perdeu a sua posição para Angola.

23 Porto de Lisboa Evolução da carga destinada aos países lusófonos Toneladas Angola Brasil Cabo Verde Guiné- Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Quanto às exportações, Angola é o principal país de destino da carga embarcada no porto de Lisboa para os países lusófonos. Entre 1996 e 1998, o volume de carga manteve-se constante, tendo-se registado, em 1999, um decréscimo. Desde então, verificou-se um crescimento a um ritmo considerável desse tipo de trocas. Dos restantes países lusófonos, destaca-se Cabo Verde, com valores próximos das toneladas.

24 Trocas comerciais com os países lusófonos em 2003 Porto de Lisboa Importância do mercado lusófono no total das trocas comerciais 2003 Resto do Mundo 87% Países Lusófonos 13% Em 2003, das toneladas de carga marítima movimentadas no porto de Lisboa 13%, ou seja, toneladas, resultaram de trocas comerciais com os países lusófonos, tendo o Brasil contribuído com 8% para esse share.

25 Porto de Lisboa Trocas comerciais com os países lusófonos 2003 Brasil 64% Cabo Verde 6% Angola 22% São Tomé e Príncipe 2% Moçambique 5% Guiné-Bissau 1% A maioria das trocas comerciais efectuada com os países lusófonos teve como principal parceiro o Brasil, que contribuiu com toneladas, ou seja, 64% do total dessas trocas. Angola, com toneladas, foi o segundo país da Comunidade de Países de Língua Oficial Portuguesa com o qual se estabeleceu o maior número de trocas comerciais através do porto de Lisboa, seguindo-se Cabo Verde ( toneladas) e Moçambique ( toneladas). Os restantes países apresentaram valores menos significativos.

26 Porto de Lisboa Carga proveniente dos países lusófonos 2003 Brasil 92% Angola 1% São Tomé e Príncipe Moçambique 0% 5% Guiné-Bissau 1% Cabo Verde 1% Cerca de 92% ( toneladas) da mercadoria importada dos países lusófonos desembarcada no porto de Lisboa teve origem nos portos brasileiros, especialmente os do Rio Grande e do Paranaguá. Para este valor contribuiu, de forma muito significativa, a importação de oleaginosas. Dos PALOP, destaca-se Moçambique com 5% ( toneladas) do total, tendo contribuído para isso a importação de produtos alimentares e de forragens. O porto de Maputo é o principal local de embarque deste tipo de carga. Em relação aos restantes países, são os veículos e materiais de transporte, máquinas e motores que assumem maior importância neste tipo de transacções.

27 Porto de Lisboa Carga destinada aos países lusófonos 2003 Angola 65% São Tomé e Príncipe 6% Moçambique 3% Guiné-Bissau 3% Cabo Verde 16% Brasil 7% No que se refere a mercadorias exportadas através do porto de Lisboa com destino aos países lusófonos, Angola foi responsável por 65% ( toneladas) do total. Os produtos alimentares e as forragens foram os principais produtos embarcados, sendo os portos de Luanda e do Lobito os seus destinos preferenciais. Cabo Verde surge em segundo lugar com 16% ( toneladas) e, à semelhança de Angola, os produtos alimentares e as forragens ocuparam uma posição de destaque. Os principais portos de destino dessa mercadoria foram o da Praia e o de São Vicente. Os restantes países contribuíram com parcelas mais reduzidas, relativas, na sua maioria, a produtos alimentares e forragens.

28 Análise comparativa das trocas comerciais com os países lusófonos em 2002 e Porto de Lisboa Trocas comerciais com os países lusófonos 2002/ ,1% Toneladas ,9% ,9% -19,6% +33,6% +6,2% 0 Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Em 2003 registou-se, relativamente ao ano anterior, um crescimento das trocas comerciais com os países lusófonos, nomeadamente Brasil, Moçambique e São Tomé e Príncipe. Com os restantes países o porto de Lisboa viu as suas trocas comerciais diminuírem. O total das trocas comerciais efectuadas com os PALOP registou um decréscimo de 0,1%, tendo-se movimentado toneladas contra , em Quanto ao Brasil, verificou-se um acréscimo de 22,1%, que corresponde a mais toneladas de carga movimentada.

29 Porto de Lisboa Carga proveniente dos países lusófonos 2002/ ,6% Toneladas ,8% -5,4% -8,4% +48,4% +4,2% 0 Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe O total de importações provenientes dos PALOP registou, em 2003, um crescimento de 23,4%, tendo para isso contribuído, sobretudo, o aumento de 48,4% da carga proveniente de Moçambique, na sua maioria produtos alimentares e forragens. No que diz respeito ao Brasil, é de referir o aumento de 20,6%, que se ficou a dever à elevada importação de um dos principais produtos provenientes daquele país em 2003, ou seja, os cereais. Tendo sido importadas toneladas em 2002, importaram-se em 2003.

30 Porto de Lisboa Carga destinada aos países lusófonos 2002/ Toneladas ,6% ,4% -9,3% -22,2% +1% +6,4% 0 Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe No que se refere ao total da carga exportada através do porto de Lisboa para os portos lusófonos, registou-se, em 2003, um ligeiro decréscimo da ordem dos 0,2%. Angola, Cabo Verde e Guiné-Bissau contribuíram para esta tendência ao registarem decréscimos de 1,6%, 9,3% e 22,2% respectivamente. O aumento de 89,4% das exportações para o Brasil veio equilibrar aqueles decréscimos contribuindo para que se mantivesse o nível das exportações para os países lusófonos via porto de Lisboa.

31 Importância relativa dos mercados lusófonos no porto de Lisboa Porto de Lisboa Análise comparativa da importância dos mercados lusófonos (carga total) Angola 22% 26% Brasil 64% 59% Cabo Verde 6% 7% Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe 1% 2% 5% 4% 2% 2% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Em 2003, à semelhança do ano anterior, a maioria das trocas comerciais foi efectuada com o Brasil, tendo ainda ganho 5% da sua importância relativa, representando, agora, 64% do mercado lusófono, em lugar dos 59% referentes a De destacar Moçambique e São Tomé e Príncipe, os únicos PALOP que não perderam importância relativa no último ano em análise. Angola, que detinha, em 2002, 26% do mercado lusófono, desceu para 22% em 2003.

32 Porto de Lisboa Análise comparativa da importância dos mercados lusófonos (importações) Angola 1% 2% Brasil 92% 92% Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe 1% 1% 1% 1% 5% 4% 0% 0% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% O peso do mercado brasileiro nas importações efectuadas através do porto de Lisboa situou-se, nos anos em análise, nos 92%, percentagem que justifica a sua liderança nas trocas comerciais do porto de Lisboa com os países lusófonos. Segue-se Moçambique, que se torna, em 2003, à semelhança de 2002, e ao nível das importações, o principal PALOP parceiro do porto de Lisboa.

33 Porto de Lisboa Análise comparativa da importância dos mercados lusófonos (exportações) Angola 65% 66% Brasil 7% 4% Cabo Verde 16% 17% Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe 3% 4% 3% 3% 6% 6% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% No que se refere às exportações, Angola perdeu, em 2003, 1% da sua importância relativa alcançada em 2002, continuando, no entanto, a ser o principal responsável por mais de metade da carga embarcada no porto de Lisboa para os países lusófonos. Segue-se Cabo Verde, que, embora tenha, perdido, também, 1% da sua importância relativa, manteve a sua posição em relação aos restantes países lusófonos.

34 PORTO DE LISBOA Trocas comerciais com os Palop

35 Evolução das trocas comerciais com os PALOP Porto de Lisboa Evolução das trocas comerciais com os PALOP Toneladas Entre 1996 e 1999, as trocas comerciais com os PALOP diminuíram progressivamente, atingindo, neste último ano, o valor mais baixo ( toneladas). Após uma ligeira estabilidade alcançada entre 1999 e 2000, verificou-se, a partir deste último ano, um crescimento bastante significativo das trocas comerciais com estes países, passando de toneladas, em 2000, para , em 2003.

36 Porto de Lisboa Evolução da carga proveniente dos PALOP Toneladas De 1996 a 2000, a carga importada dos PALOP através do porto de Lisboa não ultrapassou as toneladas, tendo mesmo atingido, neste último ano, o valor mais baixo, ou seja, toneladas. Desde então, registou-se um crescimento acentuado, atingindo-se, em 2001, as toneladas, ou seja, o valor mais elevado dos anos em análise. Contudo, em 2002 verifica-se um ligeiro decréscimo da carga importada dos PALOP, situação que se recupera em 2003, uma vez que neste ano se atingiram as toneladas, segundo valor mais elevado.

37 Porto de Lisboa Evolução da carga destinada aos PALOP Toneladas No que se refere à evolução da carga exportada para os PALOP, verificou-se, entre 1996 e 1999, uma diminuição do volume da carga transaccionada, tendência que é invertida a partir de Em 2002 registou-se o valor mais elevado dos anos em análise, isto é, toneladas.

38 Trocas comerciais com os PALOP em 2003 Porto de Lisboa Importância do mercado dos PALOP no total das trocas comerciais 2003 Resto do Mundo 95% PALOP 5% Os PALOP representaram, em 2003, 5% do total da carga marítima movimentada no porto de Lisboa, a que corresponderam toneladas.

39 Porto de Lisboa Trocas comerciais com os PALOP 2003 Angola 61% São Tomé e Príncipe 6% Moçambique Guiné-Bissau 13% 4% Cabo Verde 16% Nas trocas comerciais efectuadas com os PALOP através do porto de Lisboa destaca-se Angola, com 61% do total. Seguem-se Cabo Verde e Moçambique, que contribuíram, de forma decisiva, para a importância que os PALOP assumem nas trocas comerciais com Lisboa. Do total dessas trocas, 16% foi efectuado com Cabo Verde, correspondendo a toneladas, e 13% com Moçambique, equivalendo a toneladas.

40 Porto de Lisboa Carga proveniente dos PALOP 2003 Moçambique 65% Guiné-Bissau 4% Cabo Verde 12% Angola 14% São Tomé e Príncipe 4% Moçambique foi responsável por 65% da carga desembarcada no porto de Lisboa com origem nos PALOP. O porto de Maputo tornou-se, em 2003, no principal local de embarque das exportações com destino ao porto de Lisboa. Os outros países foram responsáveis pelos restantes 35% das mercadorias desembarcadas no porto de Lisboa, em que os veículos e materiais de transporte, máquinas e motores, assumem maior destaque.

41 Porto de Lisboa Carga destinada aos PALOP 2003 Angola 69% São Tomé e Príncipe Moçambique 7% Guiné-Bissau 4% 3% Cabo Verde 17% No que se refere às exportações para os PALOP efectuadas através do porto de Lisboa, Angola foi, em 2003, o destino de 69% dessas transacções. Para isso contribuíram as toneladas de carga embarcada em Lisboa com destino aos portos angolanos, principalmente, Luanda e Lobito. As mercadorias exportadas para Cabo Verde, na sua maioria produtos alimentares e forragens, representaram 17% do total da carga embarcada no porto de Lisboa com destino aos PALOP. No que diz respeito aos restantes países, as exportações foram menos significativas, representando apenas 14% do total.

42 Importância relativa dos mercados dos PALOP no porto de Lisboa Porto de Lisboa Análise comparativa da importância dos mercados dos PALOP (carga total) Angola 61% 62% Cabo Verde 16% 18% Guiné-Bissau 4% 5% Moçam bique 13% 9% São Tomé e Príncipe 6% 6% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Em 2003 salienta-se, em relação ao ano anterior, uma ligeira redução da importância relativa de Angola, Cabo Verde e Guiné-Bissau nas trocas comerciais com os PALOP efectuadas através do porto de Lisboa, apesar de se ter verificado, em termos absolutos, um aumento das trocas comerciais com estes países, com excepção da Guiné-Bissau. Moçambique foi o único PALOP que viu subir a sua importância relativa em 4%, enquanto que São Tomé e Príncipe manteve os 6% de importância relativa alcançados em 2002.

43 Porto de Lisboa Análise comparativa da importância dos mercados dos PALOP (importações) Angola 14% 19% Cabo Verde 12% 16% Guiné-Bissau 5% 7% Moçambique 54% 65% São Tomé e Príncipe 4% 4% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% A diminuição das exportações de Angola, Cabo Verde e Guiné-Bissau com destino ao porto de Lisboa, por um lado, e a significativa subida da carga proveniente de Moçambique, de toneladas, em 2002, para , em 2003, por outro, provocaram uma redução significativa do peso daqueles três primeiros países nas importações efectuadas por Portugal através do porto de Lisboa. São Tomé e Príncipe foi o único PALOP que manteve a sua importância relativa.

44 Porto de Lisboa Análise comparativa da importância dos mercados dos PALOP (exportações) Angola 69% 68% Cabo Verde 17% 18% Guiné-Bissau 3% 5% Moçambique 4% 3% São Tomé e Príncipe 7% 6% 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% Relativamente às exportações, em 2003 Angola continuou a assumir a liderança dos mercados dos PALOP no porto de Lisboa, tendo, mesmo, a sua importância relativa aumentado 1%. A redução da importância relativa de Cabo Verde e da Guiné-Bissau ficou a deverse à diminuição da carga importada.

45 ANEXO Quadros estatísticos

46 TROCAS COMERCIAIS DOS PORTOS NACIONAIS COM OS PAÍSES LUSÓFONOS unidade: tonelada 2003 Brasil PALOP Angola Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Aveiro Leixões Lisboa Setúbal Sines TOTAL TROCAS COMERCIAIS DOS PORTOS NACIONAIS COM OS PAÍSES LUSÓFONOS unidade: tonelada 2000 Brasil PALOP Angola Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe Aveiro Leixões Lisboa Setúbal Sines TOTAL

47 EVOLUÇÃO DAS TROCAS COMERCIAIS COM OS PAÍSES LUSÓFONOS EFECTUADAS ATRAVÉS DO PORTO DE LISBOA unidade: tonelada Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe TOTAL PALOP TOTAL PAÍSES LUSÓFONOS EVOLUÇÃO DA CARGA EMBARCADA NO PORTO DE LISBOA COM DESTINO AOS PAÍSES LUSÓFONOS unidade: tonelada Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe TOTAL PALOP TOTAL PAÍSES LUSÓFONOS EVOLUÇÃO DA CARGA DESEMBARCADA NO PORTO DE LISBOA PROVENIENTE DOS PAÍSES LUSÓFONOS unidade: tonelada Angola Brasil Cabo Verde Guiné-Bissau Moçambique São Tomé e Príncipe TOTAL PALOP TOTAL PAÍSES LUSÓFONOS

48 MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO 2003 unidade: tonelada Angola Outros portos Cabinda Luanda Lobito ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T 1 Cereais Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. Primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno 12 Minérios e desperdícios não ferrosos Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados Adubos naturais ou manufacturados Produtos carboquímicos, alcatrões Produtos químicos, excepto prod. Carboquímicos Celulose e desperdícios 20 Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. Manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total

49 Angola unidade: tonelada ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T 1 Cereais Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. Primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno 12 Minérios e desperdícios não ferrosos Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados Adubos naturais ou manufacturados Produtos carboquímicos, alcatrões Produtos químicos, excepto prod. Carboquímicos Celulose e desperdícios MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO 2003 Terminal de Malongo 20 Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. Manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total Moçamedes (Namibe) Terminal do Soyo- Quinfuquena TOTAIS MERCADORIAS ENTRADAS EM º Luanda º Lobito 206 3º Moçamedes (Namibe) 130 MERCADORIAS SAÍDAS EM º Luanda º Lobito º Cabinda º Moçamedes (Namibe) º Terminal do Soyo-Quinfuquena 792 6º Terminal de Malongo 24 7º Outros portos 17 TOTAL DE MERCADORIAS EM º Luanda º Lobito º Cabinda º Moçamedes (Namibe) º Terminal do Soyo-Quinfuquena 792 6º Terminal de Malongo 24 7º Outros portos 17

50 Brasil 1 Cereais unidade: tonelada Ilheus ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T 2 Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos 11 Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno 12 Minérios e desperdícios não ferrosos 13 Produtos metalurgicos 14 Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados Adubos naturais ou manufacturados 17 Produtos carboquímicos, alcatrões 18 Produtos químicos, excepto prod. carboquímicos Celulose e desperdícios 20 Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO 2003 Outros portos 22 Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total Belém Fortaleza

51 Brasil unidade: tonelada Manaus Maceió Paranaguá ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T 1 Cereais Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos 11 Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno 12 Minérios e desperdícios não ferrosos 13 Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados 16 Adubos naturais ou manufacturados 17 Produtos carboquímicos, alcatrões MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO Produtos químicos, excepto prod. carboquímicos Celulose e desperdícios Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Itajaí 23 Couros, texteis, vestuário, art. manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total

52 Brasil unidade: tonelada Rio de Janeiro ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T 1 Cereais Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos 11 Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno 12 Minérios e desperdícios não ferrosos Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados Adubos naturais ou manufacturados Produtos carboquímicos, alcatrões 18 Produtos químicos, excepto prod. carboquímicos Celulose e desperdícios MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO 2003 Ponta da Madeira Recife Rio Grande 20 Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total

53 Brasil unidade: tonelada São Francisco do Sul Salvador Santos Tubarão ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T 1 Cereais Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos 11 Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno 12 Minérios e desperdícios não ferrosos 13 Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados Adubos naturais ou manufacturados Produtos carboquímicos, alcatrões 18 Produtos químicos, excepto prod. carboquímicos Celulose e desperdícios MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total

54 Brasil unidade: tonelada TOTAIS ME MS T ME MS T 1 Cereais Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO Produtos petrolíferos 11 Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno 12 Minérios e desperdícios não ferrosos Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados Adubos naturais ou manufacturados Produtos carboquímicos, alcatrões 18 Produtos químicos, excepto prod. carboquímicos Celulose e desperdícios Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. manufacturados diversos Artigos diversos Vitória TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total MERCADORIAS ENTRADAS EM 2003 MERCADORIAS SAÍDAS EM 2003 TOTAL DE MERCADORIAS EM 2003 Brasil 1º Rio Grande º Paranaguá º Tubarão º São Francisco do Sul º Ponta da Madeira º Santos º Outros portos º Salvador º Ilheus º Itajaí º Maceio º rio de Janeiro º Fortaleza º Vitória º belém º Recife 75 1º Santos º Rio Grande º Rio de Janeiro º Vitória º Itajaí º Paranaguá º Recife º Salvador 868 9º Fortaleza º Manaus 85 11º Belém 11 12º São Francisco do Sul 4 1º Rio Grande º Paranaguá º Tubarão º São Francisco do Sul º Ponta da Madeira º Santos º Outros portos º Salvador º Ilheus º Itajaí º Maceió º Rio de Janeiro º Vitória º Fortaleza º Recife º Belém º Manaus 85

55 Cabo Verde unidade: tonelada ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T 1 Cereais Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno Minérios e desperdícios não ferrosos 13 Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados Adubos naturais ou manufacturados Produtos carboquímicos, alcatrões 18 Produtos químicos, excepto prod. carboquímicos Celulose e desperdícios MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO 2003 Outros portos 20 Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total Palmeira Porto Grande (Mindelo) Porto Novo Porto Preguiça Praia

56 MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO 2003 unidade: tonelada Cabo Verde Santa Maria Sal Rei Sal São Vicente TOTAIS ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T ME MS T 1 Cereais Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno Minérios e desperdícios não ferrosos 13 Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados Adubos naturais ou manufacturados Produtos carboquímicos, alcatrões Produtos químicos, excepto prod. carboquímicos Celulose e desperdícios 20 Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total MERCADORIAS ENTRADAS EM º Praia º São Vicente º Porto Grande(Mindelo) 141 4º Sal 70 5º Santa Maria 29 6º Palmeira 9 MERCADORIAS SAÍDAS EM º Praia º São Vicente º Sal º Outros portos º Porto Novo 496 6º Santa Maria 243 7º Porto Preguiça 162 8º Sal Rei 66 9º Porto Grande (Mindelo) 2 TOTAL DE MERCADORIAS EM º Praia º São Vicente º Sal º Outros portos º Porto Novo 496 6º Santa Maria 273 7º Porto Preguiça 161 8º Porto Grande (Mindelo) 143 9º Sal Rei 66 10º Palmeira 9

57 Guiné-Bissau 1 Cereais unidade: tonelada ME MS T 2 Batatas, outros legumes frescos ou congelados, frutos frescos Animais vivos, beterraba açucareira 4 Madeira e cortiça Materiais texteis e desperdícios, mat. primas origem animal ou vegetal Produtos alimentares e forragens Oleaginosas Combustíveis, minerais sólidos 9 Petróleo bruto 10 Produtos petrolíferos 11 Minérios de ferro, sucata, resíduos de altos forno 12 Minérios e desperdícios não ferrosos 13 Produtos metalurgicos Cimentos, cal, materiais de construção manufacturados Minerais brutos ou manufacturados 16 Adubos naturais ou manufacturados 17 Produtos carboquímicos, alcatrões 18 Produtos químicos, excepto prod. carboquímicos Celulose e desperdícios MERCADORIAS ENTRADAS/SAÍDAS SEGUNDO PROCEDÊNCIA/DESTINO 2003 Bissau 20 Veículos e materiais de transporte, máquinas e motores Artigos metálicos Vidros, produtos vidreiros, produtos cerâmicos Couros, texteis, vestuário, art. manufacturados diversos Artigos diversos TOTAL ME: Mercadorias Entradas MS: Mercadorias Saídas T: Total

Relações entre Portugal e África de língua portuguesa: comércio, investimento e dívida (1973-1994)

Relações entre Portugal e África de língua portuguesa: comércio, investimento e dívida (1973-1994) Relações entre Portugal e África de língua portuguesa: comércio, investimento e dívida (1973-1994) Manuel Ennes Ferreira (Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa) As relações

Leia mais

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.

G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N. Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 01 janeiro 2011 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento G PE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal - Paraguai Novembro 2010 Índice 1. Relações Económicas Portugal Paraguai 3 1.1 Comércio 3 1.1.1 Importância do Paraguai nos fluxos comerciais para

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE JUNHO DE 2014 (Valores Acumulados) Página 1 de 33 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no 1º semestre de 2014 0. Movimento por Tipo

Leia mais

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O

M V O I V M I E M N E T N O T O D E D E C A C R A G R A G A E E D E D E N A N V A I V O I S O MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE 1º TRIMESTRE DE 2014 Página 1 de 34 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário do 1º trimestre de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e

Leia mais

TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4

TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4 TRÁFEGO MARÍTIMO DE MERCADORIAS PORTOS DO CONTINENTE 2 0 1 4 Setembro de 2015 Índice 0. Factos mais relevantes no tráfego marítimo de mercadorias em 2014... 3 1. Introdução... 5 2. Movimento geral de mercadorias...

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL

EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL EVOLUÇÃO DO SEGURO DE SAÚDE EM PORTUGAL Ana Rita Ramos 1 Cristina Silva 2 1 Departamento de Análise de Riscos e Solvência do ISP 2 Departamento de Estatística e Controlo de Informação do ISP As opiniões

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

Comércio Internacional Português

Comércio Internacional Português Comércio Internacional Português Exportações Portuguesas de Bens Janeiro a agosto de 2013 Direção de Informação, outubro de 2013 CIP bens 2013 (janeiro a agosto) - principais resultados Em 2013 (janeiro

Leia mais

Atividade dos Transportes

Atividade dos Transportes 28 de maio de 213 Atividade dos Transportes I. Transporte marítimo, fluvial, aéreo e ferroviário de passageiros e mercadorias (212 - dados provisórios) II. Transporte rodoviário de mercadorias no Continente

Leia mais

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria

- IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL. ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria - IAE - INQUÉRITO À ACTIVIDADE EMPRESARIAL 2006 ASSOCIAÇÃO INDUSTRIAL PORTUGUESA CCI/Câmara de Comércio e Indústria ÍNDICE Introdução Pág. 2 1 Sumário executivo Pág. 5 2 Análise dos resultados 2.1 Situação

Leia mais

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima

Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Atividade dos Transportes 3º Trimestre de 215 14 de janeiro de 216 Transporte de mercadorias aumenta por via rodoviária e marítima Movimento de passageiros nos aeroportos continua a crescer mas com ligeira

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Presidente Antonio dos Reis Duarte. Editor

FICHA TÉCNICA. Presidente Antonio dos Reis Duarte. Editor FICHA TÉCNICA Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Direcção de Contas Nacionais, Estatísticas Económicas e dos Serviços Av. Cidade de Lisboa, nº 18, Cx. Postal 116,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Outubro/2015 I Resultados do mês (comparativo Outubro/2015 Outubro/2014)

Leia mais

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA

INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Igualdade de Género INDICADORES SOBRE A IGUALDADE DE GÉNERO FACE AO EMPREGO EM MALTA, PORTUGAL E TURQUIA Para um conhecimento mais aprofundado da situação de Igualdade de Género e considerando o objectivo

Leia mais

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015

Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2015 29 de janeiro de 2016 Expectativas de crescimento do investimento empresarial em 2016 Revisão em baixa do investimento em 2015 De acordo

Leia mais

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE

MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE MOVIMENTO DE CARGA E DE NAVIOS NOS PORTOS DO CONTINENTE Página 1 de 35 ÍNDICE Factos mais relevantes do movimento portuário no período janeiro-dezembro de 2014 0. Movimento por Tipo de Carga e por Porto

Leia mais

III Congresso Mares da Lusofonia

III Congresso Mares da Lusofonia III Congresso Mares da Lusofonia Rio de Janeiro, 23 de maio de 2013 1 Os Portos como Exemplo de Cooperação Lusófona O CASO DA APLOP José Luís Cacho Presidente APLOP - Associação de Portos de Língua Portuguesa

Leia mais

Desigualdade Económica em Portugal

Desigualdade Económica em Portugal Desigualdade Económica em Portugal Principais resultados 1 A publicação anual pelo Eurostat e pelo INE de indicadores de desigualdade na distribuição pessoal do rendimento em Portugal, e a sua comparação

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial em valor Taxa de Variação Anual Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Abril de 2011 08 de Julho de 2011 Revisão em baixa das expectativas de investimento empresarial em 2011. De acordo com as intenções manifestadas pelas

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE SETEMBRO 2013. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento SETEMBRO 2013 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde setembro de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Março/2015 I Resultados do mês (comparativo Mar/2015 Mar/2014)

Leia mais

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta

Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Semapa - Sociedade de Investimento e Gestão, SGPS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Av. Fontes Pereira de Melo, 14 10º -1050-121 Lisboa Capital Social: 118.332.445 Euros - NIPC e Mat. na C.R.C. de Lisboa sob

Leia mais

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014

Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Análise de Conjuntura do Sector da Construção 2º trimestre 2014 Apreciação Global Os dados estatísticos disponíveis para o 2º trimestre de 2014 parecem confirmar finalmente, e pela primeira vez em muitos

Leia mais

3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA

3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA 3. IMIGRAÇÃO EM PORTUGAL: DA HERANÇA COLONIAL À INTEGRAÇÃO NAS REDES INTERNACIONAIS DE RECRUTAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE MÃO-DE-OBRA A experiência de Portugal como país de imigração, é um fenómeno ainda recente.

Leia mais

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015

Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 2015 Atividade dos Transportes 1º Trimestre de 215 14 de julho de 215 Transporte de mercadorias mantém crescimento por via marítima e aérea. Continua a diminuir no modo rodoviário Transporte de passageiros

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1

ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE ESTATÍSTICA j a n e i r o m a i o 2011 1 ANÁLISE DE DORMIDAS NACIONAIS E ESTRANGEIRAS Estabelecimentos Hoteleiros, Aldeamentos e Apartamentos Turísticos Acumulado Janeiro Maio 2010/2011 A Turismo

Leia mais

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes.

Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Evolução da Agricultura Portuguesa no Período 1989/2010. Análise de Indicadores Relevantes. Deolinda Alberto 1, José Pedro Fragoso Almeida 2 1 Professor Adjunto, Escola Superior Agrária de Castelo Branco,

Leia mais

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL MEDIDA 1.1 DO PRODER INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL ANÁLISE DO IMPACTO POTENCIAL DAS CANDIDATURAS CONTRATADAS SOBRE O SECTOR AGRÍCOLA E AGRO-INDUSTRIAL NOVEMBRO DE 2011 1 ÍNDICE 0. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano

Valor das Importações e das Exportações, nos Açores, por ano Q.10.01 - Resultados Globais, por ano Unidade: 1 000 Euros 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Importações (CIF) 34 490 773 37 505 656 43 257 180 44 093 881 42 466 265 41 753 699 45

Leia mais

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2009

GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_ e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 12 Dezembro 2009 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 12 Dezembro 2009 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia, da Inovação e do Desenvolvimento GPE AR I Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação_

Leia mais

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta

SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta SAG GEST Soluções Automóvel Globais, SGPS, SA Sociedade Aberta Estrada de Alfragide, nº 67, Amadora Capital Social: 169.764.398 Euros sob o número único de matrícula e de pessoa colectiva 503 219 886 COMUNICADO

Leia mais

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA HOTELARIA RELATÓRIO DE CONJUNTURA AEP / GABINETE DE ESTUDOS Julho de 2006 A actividade da hotelaria insere-se na CAE 55 Alojamento e Restauração, que, por sua vez, integra o sector do turismo, um dos sectores

Leia mais

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009

CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 CONTAS CONSOLIDADAS I.A.S. 1º Trimestre 2009 Av. Vasco da Gama, 1410 4431-956 Telefone 22-7867000 Fax 22-7867215 Registada na C.R.C. de sob o nº 500239037 Capital Social: Euro 35.000.000 Sociedade Aberta

Leia mais

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014

Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 Inquérito de Conjuntura ao Investimento Inquérito de abril de 2014 09 de julho de 2014 Expectativas de aumento do investimento empresarial em 2014 De acordo com as intenções manifestadas pelas empresas

Leia mais

Avaliação das ajudas directas ao sector da produção de bovinos

Avaliação das ajudas directas ao sector da produção de bovinos 1 10 Boulevard de Bonne Nouvelle - 75010 Paris Avaliação das ajudas directas ao sector da produção de bovinos Convite à apresentação de propostas n.º AGRI 2009 EVAL 04 Para a DG AGRI Comissão Europeia

Leia mais

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros

SUMÁRIO. 3º Trimestre 2009 RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO DA ACTIVIDADE SEGURADORA. Produção de seguro directo. Custos com sinistros SUMÁRIO Produção de seguro directo No terceiro trimestre de, seguindo a tendência evidenciada ao longo do ano, assistiu-se a uma contracção na produção de seguro directo das empresas de seguros sob a supervisão

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE

INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE INSTITUTO NACIONAL DE ESTATISTICA CABO VERDE 2013-1º TRIMESTRE 1 Presidente Antonio dos Reis Duarte Editor Instituto Nacional de Estatística Av. Amilcar Cabral, CP 116 Cidade da Praia Composição Instituto

Leia mais

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001

Economia dos EUA e Comparação com os períodos de 1990-1991 e 2000-2001 Economia dos EUA e Comparação com os períodos de - e - Clara Synek* O actual período de abrandamento da economia dos EUA, iniciado em e previsto acentuar-se no decurso dos anos /9, resulta fundamentalmente

Leia mais

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO

FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO relatório de contas 2 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS BALANÇO FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS 3 4 FEUP - 2010 RELATÓRIO DE CONTAS DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS POR NATUREZAS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

Leia mais

Mercados informação global

Mercados informação global Mercados informação global Relações Económicas Portugal Cuba Novembro 2010 Relações Económicas Portugal Cuba (Novembro 2010) Índice 1. Relações Económicas Portugal Cuba 3 1.1 Comércio 3 1.1.1 Importância

Leia mais

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR

nº 3 Novembro 2009 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR nº 3 Novembro 29 MERCADOS O VINHO NOS E.U.A. BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR O VINHO NOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA BREVE CARACTERIZAÇÃO DO SECTOR Índice 1. INTRODUÇÃO 2 2. PRODUÇÃO 3 3. EXPORTAÇÃO 5 4.

Leia mais

As PME. No comércio internacional português

As PME. No comércio internacional português As PME No comércio internacional português Novembro de 2008 1 Índice Nota Introdutória... 2 Caracterização geral das exportações nacionais... 3 Os grandes números... 3 Os principais mercados das empresas

Leia mais

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012

Ocupação em Empreendimentos Turísticos. Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Taxa de ocupação-quarto 2012 Ocupação em Empreendimentos Turísticos Síntese A taxa de ocupação-quarto registada no país, em 2012, foi de 51,5%, com os residentes

Leia mais

Sumário Executivo As principais características da estrutura accionista das sociedades de direito nacional cotadas na Euronext Lisbon mantiveram-se inalteradas em 2010 face ao ano anterior, ainda que denotando

Leia mais

Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016

Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016 Portugal As exportações no primeiro trimestre de 2016 Na análise dos dados do comércio internacional importa ter presentes dois factores: o primeiro, que estes estão sujeitos a revisões consideráveis ao

Leia mais

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos

HOTELARIA 2008. AEP / Gabinete de Estudos HOTELARIA 2008 AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. INFORMAÇÃO SOBRE AS EMPRESAS Segundo os dados das Empresas em Portugal 2005, do INE, em 2005 o sector do Alojamento e Restauração compreendia

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009

IMPRESA. Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA Resultados 2º Trimestre 2009 IMPRESA SGPS SA Sociedade Aberta Capital Social Eur 84.000.000 Rua Ribeiro Sanches, 65 Número Fiscal 502 437 464 Conservatória do Registo Comercial de Lisboa Lisboa,

Leia mais

EMAF. AEP / Gabinete de Estudos

EMAF. AEP / Gabinete de Estudos EMAF AEP / Gabinete de Estudos Janeiro de 2008 1. Variáveis e Indicadores das Empresas 1 A fabricação de máquinas-ferramentas (CAE 294) reunia, em 2004, 126 empresas e 2176 trabalhadores, empregando, cada

Leia mais

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final

Quadro 1 Evolução anual do stock de empresas. Stock final Demografia de empresas, fluxos de emprego e mobilidade dos trabalhadores em Portugal ESTATÍSTICAS STICAS em síntese 2006 A informação que se divulga tem como suporte o Sistema de Informação Longitudinal

Leia mais

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010

Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 1º trimestre de 2010 18 de Maio de 2010 A taxa de desemprego foi de 10,6% no 1º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 1º trimestre de 2010 foi de 10,6%. Este valor

Leia mais

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros

1.2 Situação patrimonial dos setores não financeiros .2 Situação patrimonial dos setores não financeiros No primeiro semestre de 203, prosseguiu o processo de ajustamento gradual dos desequilíbrios no balanço dos particulares 3 Nos primeiros seis meses de

Leia mais

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual

Evolução da FBCF Empresarial Taxa de Variação Anual Inquérito Qualitativo de Conjuntura ao Investimento Inquérito de Outubro de 2006 31 de Janeiro de 2007 TAXA DE VARIAÇÃO DO INVESTIMENTO PARA 2006 REVISTA EM BAIXA Os resultados do Inquérito ao Investimento

Leia mais

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011

RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 RELATÓRIO DA BALANÇA DE PAGAMENTOS E DA POSIÇÃO DE INVESTIMENTO INTERNACIONAL, 2011 I. BALANÇA DE PAGAMENTOS A estatística da Balança de Pagamentos regista as transacções económicas ocorridas, durante

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Agosto/2015 I Resultados do mês (comparativo Agosto/2015 Agosto/2014)

Leia mais

Análise Regional dezembro 2015

Análise Regional dezembro 2015 Portugal Em, o Algarve voltou a liderar o País com 16,6 milhões de dormidas (34% de quota no País) e cresceu 2,7% face a 2014. Lisboa posicionou-se no 2.º lugar com 12,3 milhões de dormidas e assinalou,

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2000 2010]

A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2000 2010] A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2 21] Ficha Técnica TÍTULO Instituto Nacional de Aviação Civil, I.P. A Evolução do Transporte Aéreo no Aeroporto do Funchal [2 21] EDIÇÃO INAC Instituto

Leia mais

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 11 Novembro 2008

GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais. Boletim Mensal de Economia Portuguesa. Nº 11 Novembro 2008 Boletim Mensal de Economia Portuguesa Nº 11 Novembro 2008 Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia e da Inovação GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros Danos d. Automóvel II PROVISÕES TÉCNICAS E ATIVOS REPRESENTATIVOS

Leia mais

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística

boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística boletim trimestral - n.º 1 - junho 2013 algarve conjuntura turística indicadores 1. Movimento de passageiros no aeroporto de Faro 1.1. Movimento total de passageiros 1.2. Passageiros desembarcados por

Leia mais

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento

ELETRICIDADE ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014. LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador. 3. Contratar o fornecimento ELETRICIDADE 1 DEZEMBRO 2014 LIBERALIZAÇÃO DO MERCADO ELÉTRICO Mudança de comercializador Todos os consumidores de energia elétrica em Portugal continental podem livremente escolher o seu fornecedor desde

Leia mais

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO

VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO VALOR DOS DIREITOS DE PROPRIEDADE INTELECTUAL NO SECTOR CULTURAL E CRIATIVO A presente Nota Estatística visa apresentar informação relativa ao valor dos direitos de propriedade intelectual 1 no sector

Leia mais

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008

Press Release. Worx divulga WMarket Report 1ºS 2008 Press Release No: 77 / DZ Data: 15 de Setembro de 2008 Edifício Taurus, Campo Edifício Pequeno, Taurus, 48 4º 1000-081 Campo Pequeno, Lisboa 48 4º 1000-081 Lisboa + 351 217 999 960 tel. + 351 217 999 965

Leia mais

Boletim Informativo Portuário

Boletim Informativo Portuário Boletim Informativo Portuário As estatísticas de movimentação portuária do segundo trimestre de 2014 mostram que os portos organizados e terminais de uso privado 1 movimentaram 244,2 milhões de toneladas

Leia mais

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR

ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR Estudos da Central de Balanços Maio 2015 21 21 ANÁLISE DAS EMPRESAS DO SETOR DO MAR Estudos da Central de Balanços Maio 2015 Lisboa, 2015 www.bportugal.pt ANÁLISE

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017

Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 Projeções para a economia portuguesa: 2015-2017 As projeções para a economia portuguesa em 2015-2017 apontam para uma recuperação gradual da atividade ao longo do horizonte de projeção. Após um crescimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio. Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Junho/2012 I - Resultados do mês Em junho de 2012 as exportações

Leia mais

AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE

AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE AS COMUNIDADES PORTUGUESAS NO BRASIL NO PRESENTE Francisco Knopfli CARACTERIZAÇÃO DA COMUNIDADE PORTUGUESA NO BRASIL De acordo com os elementos disponíveis quando era embaixador em Brasília (2001) a população

Leia mais

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014

Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 2014 N.º 3 fevereiro 215 Banco de Portugal divulga estatísticas de balanço e taxas de juro dos bancos relativas a 21 O Banco de Portugal publica hoje, no Boletim Estatístico, as estatísticas de balanço e de

Leia mais

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira

ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira ARC Ratings atribui notação a curto prazo de B, com tendência positiva, ao Grupo Visabeira EMITENTE Grupo Visabeira SGPS, S.A. RATING DE EMITENTE Médio e Longo Prazo BB+ (BB+, com tendência estável) B

Leia mais

Revista Economica e Financeira

Revista Economica e Financeira 02 Revista Economica e Financeira 1. Os Parceiros Económicos Regionais de Macau 2. A Economia de Macau 3. Instituições Financeiras de Macau Relatório Anual 2014 1. OS PARCEIROS ECONÓMICOS REGIONAIS DE

Leia mais

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA SECTOR EMPRESARIAL DA REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 2013 Direção Regional de Estatística da Madeira Uma porta aberta para um universo de informação estatística Catalogação Recomendada Sector Empresarial da

Leia mais

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE JOSEFA DE ÓBIDOS RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FEVEREIRO DE 15 P á g i n a 2 34 Índice 1. Introdução. 4 2. Sucesso Escolar...6 2.1-1.º

Leia mais

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010

RELATÓRIO O SECTOR DA CONSTRUÇÃO EM PORTUGAL EM 2010 RELATÓRIO O Sector da Construção em Portugal em 2010 Setembro de 2011 Ficha Técnica Título: Relatório O Sector da Construção em Portugal em 2010 Autoria: Catarina Gil Coordenação Geral: Pedro Ministro

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ARGÉLIA

PORTUGAL: RELACIONAMENTO ECONÓMICO COM A ARGÉLIA 2006 2007 2008 Var % a 06/10 Exportações 72.858 79.841 181.189 197.445 216.674 38,8 9,7 Importações 896.599 577.541 706.684 274.938 269.391-19,1-2,0 Saldo -823.741-497.700-525.495-77.493-52.717 -- -- Coef.

Leia mais

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP)

Economia Portuguesa. GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) Economia Portuguesa 2009 GPEARI - Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais (MFAP) MFAP GPEARI Unidade de Política Económica i i Ficha Técnica Título Economia Portuguesa

Leia mais

Estatísticas de Licenciamento Municipal em Lisboa 2010:2ºTrimestre

Estatísticas de Licenciamento Municipal em Lisboa 2010:2ºTrimestre Estatísticas de Licenciamento Municipal em Lisboa 2010:2ºTrimestre Relatório produzido em Setembro de 2010 Principais destaques: No 1º semestre de 2010 foram emitidas 9 licenças para construção de novos

Leia mais

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010

A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 Estatísticas do Emprego 4º trimestre de 2010 16 de Fevereiro de 2011 A taxa de desemprego foi de 11,1% no 4º trimestre de 2010 A taxa de desemprego estimada para o 4º trimestre de 2010 foi de 11,1%. Este

Leia mais

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007.

Neste particular, se trata da publicação e divulgação das estatísticas das telecomunicações em Cabo Verde referente ao ano 2007. COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇOS PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS EM CABO VERDE ANO 27. SECTOR DAS TELECOMUNICAÇÕES: Enquadramento A ANAC enquanto autoridade reguladora do sector

Leia mais

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro

Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Impacto da recente crise financeira internacional na riqueza das famílias em Portugal e na Área do Euro Clara Synek * Resumo O aumento da incerteza relativo às perspectivas económicas, do mercado de trabalho,

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente 2011 Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Vice-Presidência Avaliação da Satisfação dos Residentes com o Meio Envolvente

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Balança Comercial do Agronegócio Janeiro/2016 I Resultados do mês (comparativo jan/2016 jan/2015)

Leia mais

Boletim Económico Angola

Boletim Económico Angola Boletim Económico Angola 1. Conjuntura: estabilidade macro económica reforçada 3º Trimestre de 2013 A informação disponível para caracterizar o desempenho da economia de Angola no 3º trimestre de 2013

Leia mais

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS

A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS PORTUGAL A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA A INTERNACIONALIZAÇÃO DA ECONOMIA PORTUGUESA E A COOPERAÇÃO COM OS PAÍSES LUSÓFONOS Maria Celeste Hagatong Comissão Executiva do Banco BPI Lisboa, 3 de Junho

Leia mais

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA

VEÍCULOS EM FIM DE VIDA TEMA 7 VEÍCULOS EM FIM DE VIDA B. NÍVEL MAIS AVANÇADO De acordo com o Decreto-lei nº 196/2003, de 23 de Agosto, entende-se por veículo qualquer veículo classificado nas categorias M1 1 ou N1 2 definidas

Leia mais

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO

Conjuntura da Construção n.º 77 O SETOR CONTINUA EM CRISE MAS EMPRESÁRIOS ACREDITAM NA RECUPERAÇÃO FEPICOP - FEDERAÇÃO PORTUGUESA DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO E OBRAS PÚBLICAS Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais

Leia mais

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado

Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado Construção: Obras licenciadas e concluídas 4º Trimestre de 2015 - Dados preliminares 15 de março de 2016 Obras concluídas e licenciadas com decréscimo menos acentuado No 4º trimestre de 2015 os edifícios

Leia mais

NOTA DE APRESENTAÇÃO

NOTA DE APRESENTAÇÃO NOTA DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às liquidações das declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares iniciado e divulgado

Leia mais

BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU

BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU BOLETIM ECONÓMICO DE MACAU Esta publicação foi editada em conjunto pela Direcção dos Serviços de Economia (DSE), Autoridade Monetária de Macau (AMCM) e Direcção dos Serviços de Estatística e Censos (DSEC).

Leia mais

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos

Opiniões dos Empresários recuperam mas Consumo de Cimento bate mínimos históricos Associações Filiadas: AECOPS Associação de Empresas de Construção e Obras Públicas e Serviços AICCOPN Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas Conjuntura da Construção n.º 73 Novembro

Leia mais

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009

COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 COMPÊNDIO DAS ESTATÍSTICAS DOS MERCADOS DE SERVIÇO PÚBLICOS DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS E POSTAIS EM CABO VERDE DE 2009 Índice INTRODUÇÃO... 3 ENQUADRAMENTO... 3 1. SECTOR DAS COMUNICAÇÕES ELECTRÓNICAS...

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3º trimestre de 2008)

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3º trimestre de 2008) INFORMAÇÃO TRIMESTRAL (3º trimestre de 2008) Em cumprimento das obrigações legais aplicáveis (Código dos Valores Mobiliários) o Conselho de Administração da IMPRESA apresenta a INFORMAÇÃO relativa ao 3º

Leia mais

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves

Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010. Artur Alves Potencialidades com os portos Africanos Seminário Plataformas Logísticas Ibéricas, 9 Novembro de 2010 Artur Alves Enquadramento A rede de países da CPLP apresenta um conjunto de valências, que exploradas

Leia mais

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO

O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO O ALOJAMENTO NO TERRITÓRIO DOURO ALLIANCE - EIXO URBANO DO DOURO Vila Real, Março de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 CAPITULO I Distribuição do alojamento no Território Douro Alliance... 5 CAPITULO II Estrutura

Leia mais